Você está na página 1de 5

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

MESTRADO E DOUTORADO EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO


LINHA DE PESQUISA: Religião e Sociedade na Literatura Sagrada
DISCIPLINA: Métodos e Interpretação de Textos Sagrados
PROFESSOR: Joel Antônio Ferreira
CRÉDITOS: 02 (dois): 14 encontros

MÉTODOS E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS SAGRADOS

EMENTA

Estuda metodologia e hermenêutica de Textos Sagrados. Discute os


vários métodos de literatura sagrada com especial atenção à literatura
bíblica e os critérios para uma leitura sociológica pelo Modelo Conflitual,
de textos sagrados.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

I FORMAÇÃO DA BÍBLIA HEBRAICA E CRISTÃ

Introdução: diversos métodos de interpretação da Bíblia. Exegese


da literatura sagrada.

História do texto da Bíblia Hebraica

Os diversos passos da formação da Bíblia Hebraica: vivência dos


povos bíblicos, narrativas orais, fontes e tradições, grupos transmissores
de perícopes, primeiros textos, notícias de livros, textos sagrados e
tradições provenientes das monarquias do norte e do sul, utilização
política dos textos (reformas de Ezequias e Josias), novos textos na
Babilônia (exílio), revisão da história e elaboração dos últimos textos,
literatura grega.

História do texto da Bíblia Cristã


Os diversos passos da formação da Bíblia cristã: vida de Jesus,
experiência das comunidades, memórias sobre Jesus, fonte Q, cartas de
Paulo, Evangelhos, outras cartas, Atos, Apocalipse.

II. MÉTODO HISTÓRICO-CRÍTICO

2.1. Crítica Textual (A)

Principais códices e edições da Bíblia Hebraica e Cristã. Versões


importantes e comparação de traduções brasileiras da Bíblia. Princípios de
crítica textual (A). Tarefa de restituir o mais exatamente possível o texto
originário e exato da Bíblia.

2.2. Crítica Literária (B)

A Bíblia como literatura. Com os textos estabelecidos, delimitação


de suas unidades e identificação do seu gênero literário (Ba): história,
parábola, profecia, apocalíptica e os seus sub-gêneros. A crítica das formas
(Bb). Autoria, estilos, fontes e influências literárias. Semântica (Bc),
Vocabulário e Estrutura.

2.3. Crítica Histórica (C)

Contexto histórico (sitz im lebem) dos textos bíblicos. A história da


tradição (Cb) (história, ditados, canções, poemas, códigos jurídicos). A
Palavra na história (Cc) (preocupação com o comunitário e o social).
Midraxe (Cd) e outros gêneros históricos.

2.4. Crítica da Redação (D)

Revalorização da forma final do texto. Reabilitação do redator final


e sua teologia.

2.5. ConTEXTO vital atual (E)

Texto novo: interpretação e experiência nova. Bíblia, o livro das


comunidades. Recriação e re-atualização das experiências do povo de
Deus.

III. LITERATURA SAGRADA

3.1. É possível uma leitura pelo método histórico-crítico?


3.2. Método sociológico pelo modelo CONFLITUAL

3.2.1. Historia da Sociologia

3.2.2. As Diversas Sociologias

3.2.3. A Sociologia Conflitual

3.3. A Leitura CONFLITUAL: os olhos dos pequenos e marginalizados

3.3.1. A Leitura Conflitual como CONSCIENCIA CRÍTICA da realidade:


exercícios a partir do Novo Testamento

3.4. Método das Leituras populares (hermenêutica da libertação)

3.5. Modelo antropológico-cultural

3.6. Modelo psicológico e psicanalítico

3.7. Hermenêutica feminista

3.8. Hermenêutica indígena e negra

3.9. Hermenêutica ecológica

METODOLOGIA

Aulas expositivas; participação dos alunos; exercícios práticos:


cada aluno trabalhará um texto escolhido da literatura sagrada. Será uma
aplicação prática da teoria estudada.

AVALIAÇÃO

Constará, essencialmente, da participação ativa dos (as) alunos


(as) nas aulas, com as leituras previamente indicadas e com a análise de
textos sagrados. Concretamente, cada participante redigirá uma
monografia, com análise de um texto da literatura sagrada, à própria
escolha, analisando passo a passo, de acordo com os diversos enfoques
apresentados ao longo do semestre.

REFERÊNCIAS
ALTER, R. e KERMODE, F. Guia Literário da Bíblia. A. Paulo: Unesp, 1997.
ARENHOEVEL, Diego. Assim se Formou a Bíblia. São Paulo: Paulinas, 1978.
BARRERA, Julio Trebolle. A Bíblia Judaica e a Bíblia Cristã. Petrópolis:
Vozes, 1999.
BERGER, Klaus. As Formas Literárias do Novo Testamento. São Paulo:
Loyola, 1998.
BOFF, Leonardo. O Princípio Terra De Volta à Pátria Comum. Petrópolis:
Vozes, 1997.
BULTMANN, R. Crer e Compreender. S. Leopoldo: IEPG/Sinodal, 1994.
CONE, James H. Teología negra de la liberación. Buenos Aires: Carlos
Lohlé, 1973.
CROATTO, J. S. Hermenêutica Bíblica. São Paulo: Paulinas, 1984.
DE LA POTTERIE et alii. Exegese Cristã Hoje. Petrópolis: Vozes, 1996.
FERREIRA, Joel Antonio. Paulo, Jesus e os Marginalizados: uma Leitura
Conflitual do Novo Testamento. Goiânia: Ed. UCG, 2012.
FERREIRA, Joel A. e REIMER, R. Ivoni. Transformação Social,Economia e
Literatura Sagrada. Goiânia: Ed. América, 2012 (VI Congresso I. em
Ciências da Religião).
FRISOTTI, Heitor. Povo negro e bíblia – retomada histórica. RIBLA: Mundo
negro e leitura bíblica. Petrópolis: Vozes, n. 19, p. 36-48, 1994.
LATOURELLE. René. A Gesù Attaverso i Vangeli. Assisi: Cittadella Editrice,
1982.
LOHFINK, Gerhard. Agora Entendo a Bíblia. São Paulo: Paulinas, 1978.
LYONNET et alii. A Bíblia na Igreja depois da Dei Verbum. São Paulo:
Paulinas, 1971.
MAINVILLE, Odette. A Bíblia à Luz da História. S. Paulo: Paulinas, 1999.
MAINVILLE, Odette. Escritos e Ambiente do Novo Testamento. Petrópolis:
Vozes, 2002.
MESTERS, C e OROFINO, F. O Caminho por onde caminhamos- Reflexões
sobre o método de interpretação da Bíblia. S. Leopoldo: CEBI, 2006.
MESTERS, Carlos. Por Trás das Palavras. Petrópolis: Vozes, 1977.
NAKANOSE, Shigeyuki. Uma história para contar - A Páscoa de Josias. S.
Paulo: Paulinas, 2000.
PADILHA, Günter. Hermenêutica Bíblica Negra *************p. 110-130.
PADUA, Jorge Hage. Teologia negra da libertação: expressão teológica dos
oprimidos na América Latina. In Estudos Teológicos. S. Leopoldo, n. 39,
1999.
PONTIFÍCIA COMISSÃO BÍBLICA. A Interpretação da Bíblia na Igreja. S.
Paulo: Loyola, Vozes ou Paulinas, 1994.
RICOEUR, P. Interpretação e Ideologias. R. de Janeiro: Francisco Alves,
1988.
SAMPAIO, Tânia M. V. Considerações para uma Hermenêutica de Gênero
do Texto Bíblico. In RIBLA. Petrópolis: Vozes, n.37, 2000.
STORNIOLO, Ivo. Salmos e Cânticos. São Paulo: Paulinas, 1984.
VV.AA. Métodos para Ler a Bíblia. In Estudos Bíblicos, n. 32, Petrópolis:
Vozes, 1991.
VV.AA. Leitura Popular da Bíblia. In RIBLA, n. 1, Petrópolis: Vozes, 1988.
VOLKMANN, Martin, et alii. Método Histórico-Crítico. São Paulo: CEDI,
1992.
WEGNER, Uwe. Exegese do Novo Testamento - Manual de Metodologia. S.
Paulo e S. Leopoldo: Paulus e Sinodal 1998.
ZERWICK, ***************************************
ZIMMERMANN, H. Metodologia Del Nuovo Testamento. Torino: Marietti,
1971.

Você também pode gostar