Você está na página 1de 9

0

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO


GESTÃO AMBIENTAL

LUCINÉIA APARECIDA LOPES

ÁGUA DOCE E LIMPA-TECNOLOGIAS PARA ENFRENTAR A


ESCASSEZ QUE BATE Á PORTA DOS BRASILEIROS

1. INTRODUÇÃO

Itabira,2017
1
Segundo as estatísticas, 70% da superfície do planeta são
constituídos de água. Dessa água toda, de longe o maior volume é de água salgada
e somente 2,5% são de água doce e, desses míseros 2,5%, quase 98% estão
“escondidos” na forma de água subterrânea. Isto quer dizer que a maior parte da
água facilmente disponível e própria para consumo é mínima perto da quantidade
total de água existente na Terra. Nas sociedades modernas, a busca do conforto
implica necessariamente em um aumento considerável das necessidades diárias de
água.
A água é, provavelmente, o único recurso natural que tem a ver com todos os
aspectos da civilização humana, desde o desenvolvimento agrícola e industrial aos
valores culturais e religiosos arraigados na sociedade. É um recurso natural
essencial, seja como componente bioquímico de seres vivos, como meio de vida de
várias espécies vegetais e animais, como elemento representativo de valores sociais
e culturais e até como fator de produção de vários bens de consumo final e
intermediário.
Sendo, o elemento de ligação de todos os subsistemas ambientais.
Qualquer degradação no ambiente causará desequilíbrios nos cursos d’água,
trazendo consequências na disponibilidade e demanda, no equilíbrio dos
ecossistemas, na manutenção da produção e na saúde da população (proliferação
de doenças e vetores).
Na sociedade em que vivemos, a água passou a ser vista como
recurso hídrico e não mais como um bem natural, disponível para a existência
humana e das demais espécies. Passamos a usá-la indiscriminadamente,
encontrando sempre novos usos, sem avaliar as conseqüências ambientais em
relação à quantidade e qualidade da água.
Segundo Menezes (2012), os problemas em relação à quantidade e qualidade da
água tendem a se agravar no futuro com as mudanças climáticas, destacando o
aumento da temperatura no planeta com o consequente derretimento de geleiras e a
grande irresponsabilidade pelo uso insustentável da água por parte da população
humana, causando inundações e grandes secas em todo o mundo.

É visível a preocupação da sociedade nos últimos anos com a disponibilidade e a


qualidade de água, isto decorre pelo fato de que a água pareça ser muito
2
abundante, mas, ao mesmo tempo, é observada atentamente através de estudos
específicos, através de parcerias com Universidades, e grandes centros de
pesquisas, como a Agência Nacional de Águas (ANA) e com o apoio do Banco
Interamericano de Desenvolvimento (BID) e de órgãos gestores estaduais de
recursos hídricos, a nível internacional através da Organização das Nações Unidas
(ONU), e no Brasil se têm pontos estratégicos de observação.
Após o Rio-92, especialistas observaram que as diretrizes e propostas para a
preservação da água não avançaram muito e redigiram a Carta das águas doces no
Brasil. Entre os tópicos abordados, ressaltam a importância de reverter o quadro de
poluição, planejar o uso de forma sustentável com base na Agenda 21 e investir na
capacitação técnica em recursos hídricos, saneamento e meio ambiente, além de
viabilizar tecnologias apropriadas para as particularidades de cada região.
Entretanto, verificava-se que, na maioria dos casos, as tecnologias
empregadas eram trazidas de países desenvolvidos para ser aplicadas nos países
em desenvolvimento. O fato é que os modelos de desenvolvimento dos países
avançados não funcionam em países com menor desenvolvimento econômico, um
erro de transferência de tecnologia.
O presente trabalho visa descrever como é feita o uso da água,
como foco a delimitação de um estudo de caso, apontando os tópicos relevantes em
relação o enfrentamento da escassez hídrica, os procedimentos utilizados pelo
empreendimento, as tecnologias utilizadas, medidas mitigadoras e compensatórias
para obtenção de um parâmetro de sustentabilidade, com medidas mitigadoras e
compensatórias, do empreendimento .

2.IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO LOCAL OBJETO DE ESTUDO.

A fábrica de Veículos localiza-se na zona industrial em uma região metropolitana do


3
estado de Minas Gerais , sendo o cerne de um complexo industrial de fornecedores
que a alimentam com peças e matérias primas, no sistema de entregas.
O principal produto da empresa é montagem e produção de veículos automotivos,
com um croqui composta das Unidades Operativas Prensas, Funilaria, Pintura,
Montagem Final e Unidade Operativa de Entrega de Veículos ao Cliente.
Nas unidades o processo industrial é constituído de recebimento de materiais
fundidos, laminados forjados, e efetua trabalhos de usinagem em geral,
estampagem, pintura, e montagem a fim de obter motores de combustão interna,
sistema de câmbio e diferencial, sistema de suspensão, pára-choques e proteções,
carrocerias de veículos em geral.
O consumo médio mensal de água é de 144.276,53 m³ fornecidos pela
concessionária COPASA, e gás natural é de 1.819.149,82 Nm3 fornecido pela
GASMIG, energia elétrica 19.429,56 MW fornecidos pela CEMIG. O
empreendimento opera com 03 (três) caldeiras sendo 02 (duas) utilizando gás
natural e 01 (uma) elétrica.
Existem duas áreas de abastecimento de combustíveis, sendo uma para abastecer
os veículos fabricados e o outro posto utilizado para abastecimento de frota de
veículos utilizados pelo empreendimento.
Os efluentes líquidos gerados pelo empreendimento são os efluentes sanitários e os
efluentes industriais. Os cálculos da carga poluidora referentes ao período de 2014 a
2016 não foi estabelecido.
Os efluentes sanitários são gerados nas instalações sanitárias e refeitório, com
vazão média de 3.401 m³/dia.

2. DESCRIÇÃO DE TECNOLOGIAS UTILIZADAS E/OU PROPOSTAS PARA O


TRATAMENTO DA AGUA, DOS ESGOTOS E DE EFLUENTES LANÇADOS NOS
CORPOS HÍDRICOS, BEM COMO PARA MAXIMIZAR O USO DE ENERGIA.
4

Efluentes Líquido:
Os Efluentes Líquido são tratados na estação de tratamento de efluentes sanitários.
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Quanto aos efluentes industriais são provenientes da área de produção com vazão
média de 5.431 m3 /dia. Estes efluentes são tratados na ETE Tecnológica.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Como atualização tecnológica, com destaque, a aquisição de robôs de solda,
pistolas eletrostáticas e robotização de cabines de esmalte. Estes equipamentos
foram instalados e operam eliminando problemas de segurança, redução de
compostos orgânicos voláteis – VOC, menor consumo de tinta dentre outras
vantagens.
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Como melhoria, propõe a substituição do sistema de ultra filtração com redução do
consumo de água, substituição de telhado translúcido para redução de consumo de
energia, redução na utilização de embalagens de papelão para reduzir geração de
resíduos, recuperação da camada asfáltica das ruas na fábrica e ações de
revitalização das instalações.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Outra proposta se suma importancia para implantação de tratamento de efluente
com inclusão do sistema de osmose reversa para reuso da água.

3.JUSTIFICAR PORQUE A TECNOLOGIAS PROPOSTAS E/OU UTILIZADAS


5
PROMOVEM O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

Tecnologia ambiental é a aplicação das ciências ambientais para a proteção e


conservação da natureza, espaço natural ou biodiversidade, no sentido de mitigar ou
prevenir impactos do homem ao meio ambiente. As tecnologias revelam a
capacidade humana para o controle total sobre a natureza, a sociedade e a cultura.
Desenvolvimento Sustentável é um conjunto de medidas instituídas para satisfazer
as necessidades de consumo da população, respeitando normas ecológicas de
forma a não prejudicar o desenvolvimento das gerações futuras. Para que o
desenvolvimento seja considerado sustentável, devem estar presentes três
vertentes: econômica, social e ecológica. Os avanços científicos e tecnológicos
voltados para o setor produtivo permitem a implantação de indústrias limpas, que
estão na base de um crescimento econômico mais equilibrado e integrado com o
meio ambiente. O uso de tecnologias apropriadas oferecerão oportunidades de
otimizações regionais, absorvendo a tradição cultural do meio onde estão inseridas.
No meio urbano, a produção mais limpa é a solução; na área rural, os modelos de
produção agroecológicos estão inseridos nessa proposta.
O conjunto de tecnologias ambientais utilizadas nas indústrias, setores agrícolas,
setores públicos e nas áreas residenciais contribuem com a não degradação do
meio ambiente e mantêm o equilíbrio e manutenção dos recursos naturais
renováveis e não renováveis. A continuidade do processo sistêmico de ações a favor
da natureza, seja ela de ordem tecnológica ou de ações conscientes, dinamiza o
crescimento social, econômico, ecológico e cultural, mantendo em harmonia o
desenvolvimento de uma sociedade capaz de gerir seus próprios recursos naturais,
levando em consideração o fato de preservá-los para as futuras gerações.

4.PLANO DE AUDITORIA
ITENS DE VERIFICAÇÃO DE PERMOMANCE AMBIENTAL
Itens de Verificação M R B A
6
1-Delimitação da área de influência e identificação da
propriedade
(cerca, portão, identificação, acesso, vigilância, lay-out)

2-Coleta, destinação e tratamento do esgoto sanitário


(sanitário, banheiro, copa, cozinha, rede coleta, fossa, limpeza
3-Encaminhamento de águas pluviais
(bueiros, canaletas, percurso, derrames, pavimentação)

4-Coleta, destinação e tratamento de águas servidas


(geração, rede coleta, tratamento, destinação, reuso, controle)

5-Geração, controle e disposição de resíduos classe I


(óleos, graxas, estopas, lâmpadas, baterias, químicos,
terra+óleo)

6 -Geração, controle e disposição de resíduos classe II


(lixo institucional, resinas curadas, cinzas, resíduos alimentos)

7-Geração, controle e disposição de resíduos classe III


(madeira, resto cimento, terra, areia, sucata segregada)

8-Sistemas de contenção e proteção de derrames/vazamentos


(muretas, canaletas, pavimentação, contenção, procedimentos)

9-Unidade de estocagem e distribuição de combustíveis


(contenção, vazamentos, proteção contra sinistros, licenças)

10-Utilização, reciclagem e retorno de vasilhames em geral


(tríplice lavagem, reuso, revenda, retorno fornecedor)

11-Geração e controle de emissões atmosféricas


(poeira, fumos, chaminés, emissões fugitivas, solventes)

12-Água industrial
(abastecimento, outorga, consumo específico, tratamento,
reuso)

13-Documentação ambiental
(licenças de transporte, licenças de operação, condicionantes)

14-Treinamentos de conscientização
(programa, escopo, abrangência, on the job, presença,
capacitação)

15-Excelência ambiental
(ISO 14.000, normalizações, certificados, correlato

Legenda:
-M = melhoria ou 100% insatisfatório
-R = regular ou 50% insatisfatório
-B = bom ou 20% insatisfatório
-E = excelente ou 0% insatisfatório
Notas:
7
-Para todos os itens de qualidade, meio ambiente e segurança, considerar a escala acima.
-Índice de Insatisfatórios (Iins): Iins = (ΣM x 100% + ΣR x 50% + ΣB x 20%) / n n = número de
parâmetros.
-Nas atividades e/ou empreendimentos com Iins > 20% fica obrigatória a apresentação de um plano
de ação de medidas mitigadoras, definindo-se responsdabilidades e prazos de execução

5.CONSIDERAÇÕES FINAIS

Segundo a empresa houve uma redução na geração de efluentes sanitário e


industrial reflexo das ações do empreendimento na redução do consumo de água
dentro do empreendimento. Foi apresentado também em gráficos que a geração de
DQO ( Demanda Quimica de Oxigênio /veículo produzido, DBO ( Demanda Biológica
de Oxigênio) /veículo produzido estão reduzidos em relação aos anos anteriores
justificado pelas ações da empresa no aumento da eficiência dos sistemas de
tratamento.

A tecnologia seria, portanto, a principal resposta para o alcance da sustentabilidade


na medida em que proporcionasse que o consumo de bens e a produção econômica
fossem orientados para padrões poupadores de recursos naturais.

6. REFERÊNCIAS
MENEZES, J. P.C. de Influência do uso e ocupação da terra na qualidade da água
subterrânea e sua adequação para consumo humano e uso na agricultura. 2012. 83
8
p. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal), Centro de Ciências Agrárias,
Universidade Federal do Espírito Santo. Alegrete-ES, 2012.