Você está na página 1de 2

====== Planta Medicinal: ALAMANDA ======

===== Nome científico: Allamanda cathartica L. =====

==== Família: Apocynaceae. ====

Sinônimos botânicos: Allamanda cathartica grandiflora Aubl., Allamanda cathartica


var. grandiflora (Aubl.) Bailey & C.P. Raffill., Allamanda cathartica var.
Hendersonii (Bull. Ex Dombrain) L.H. Bailey & Raffill, Allamanda cathartica
williensi Hort., Allamanda grandiflora Lam., Allamanda hendersonii Bull ex
Dombrain, Allamanda latifolia Presl.

Outros nomes populares: alamanda-de-flor-grande, alamanda-de-flor-grande-amarela,


buiussu (Belém), camendará, cipó-de-leite, comandara, comandau, dedal-de-dama,
orélia, orélia-grandiflora, purga-de-quatro-pataca, quatro-pataca, quatro-pataca-
amarela, santa-maria (Amazonas), sete-pataca; common allamanda, yellow allamanda
(inglês); monette jaune, orélie de guyane, grelie, liane à lait; (francês); canário
e cantiva (espanhol).

Constituintes químicos: glicosídeo cardiotóxico.

==== Propriedades medicinais: ====


Antitérmico, antitussígena, catártica, emética, hidragoga, laxante, purgativa,
vermífuga.

Indicações: afecção do baço, cólica, cólica dos pintores, febre, intoxicação


saturnina, piolho, sarna, tosse, vermes intestinais.

Parte utilizada: folhas, flores, látex, raiz.

Contra-indicações/cuidados: toda a planta é tóxica principalmente o látex.


A ingestão em excesso e/ou intoxicação causam: náuseas, câimbras de estômago,
cólicas, desidratação, diarréia, dores abdominais, elevação da temperatura, erupção
da pele, irritação nas mucosas, perda de potássio, sede, vômitos, Em alguns casos:
choques provocados pela perda de líquido no organismo. Neste caso, levar
imediatamente ao hospital. Em caso de ingestão de pequenas quantidades da folha, um
bochecho com leite ou outro tipo de antiácido pode combater seus efeitos.

Modo de usar:

Uso externo:
- infusão das folhas provoca vômito e tem propriedades purgativas: vermes
intestinais.
- colocar na água para erradicar larvas de mosquito e pernilongos (carapanã);
- decocção de 10 g de casca, flor ou raiz para cada litro de água: banhos contra
sarna e piolho.

Uso interno: Somente sob prescrição e acompanhamento médico.


- o chá do látex resinoso que goteja por toda a planta e altamente venenoso.
Medicinalmente é catártico e purgativo (em dose mínima) e emético violento (em dose
mais elevada). Sua decocção, juntamente com a casca, é purgante hidragogo, contra
os tumores do fígado e determinados vermes intestinais. Em dose ainda maior, atua
como perigoso vomitivo, causando diarréia.
- flores e raízes: moléstias do baço. Seu suco é benéfico nos casos de intoxicação
por chumbo;

**Complementação:**

Formas Farmacêuticas Infuso ou decocto.


Emprego Cistite, uretrite, afecções renais, podendo ser emética em doses mais
elevadas. Decocto das folhas e raízes frescas durante 10 minutos na dose de 30 g/l,
são vomitivas e purgativas. Externamente usada contra sarnas, utilizando 10 g/l.
Esta planta é denominada, na literatura, como saturnina e, portanto, combate à
intoxicação por chumbo, que acomete principalmente os pintores.

Constituição Química Os iridoides plumericina, isoplumerina e allanadina. Presença


também de uma cumarina e seu éter metílico. Glicosídeo cardiotóxico.

Toxicidade Toda a planta tem potencial de toxicidade, principalmente o látex.

A ingestão em excesso e/ou intoxicação causa náuseas, câimbras no estômago,


cólicas, desidratação, diarreia, dores abdominais, elevação da temperatura, erupção
da pele, irritação nas mucosas, perda de potássio, sede e vômitos. Caso seja
ingerida pequena quantidade de folhas, os efeitos tóxicos podem ser evitados com
antiácido e leite.

**Imagem: Alamanda - Allamanda cathartica L.**

{{::alamanda_allamanda_cathartica_l..jpg?400|}}

Referências:
http://www.cura-pela-natureza.cf/alamanda