Você está na página 1de 15

A água é uma substância química onipresente que é composta de hidrogênio e

oxigênio e é essencial para todas as formas conhecidas de vida.[1]

No uso típico, a água se refere apenas à sua forma ou estado líquido, mas a
substância também possui um estado sólido, o gelo, e um estado "gasoso",
mais corretamente denominado de vapor de água ou vapor. A água cobre 71%
da superfície da Terra.[2] Na Terra, ela é encontrada principalmente nos
oceanos e em outros corpos d'água grandes, 1,6% em aqüíferos e 0,001% na
atmosfera como vapor, nuvens (formada de partículas de água sólidas e
líquidas suspensas no ar) e precipitação.[3] Os oceanos detêm 97% da água
superficial, geleiras e calotas polares detêm 2,4%, e outros, como rios, lagos e
lagoas detêm 0,6% da água do planeta. Uma pequena quantidade da água da
Terra está contida dentro de organismos biológicos e de produtos
manufaturados.

A água na Terra se move continuamente por um ciclo de evaporação e


transpiração (evapotranspiração), precipitação e escoamento superficial,
geralmente atingindo o mar. A evaporação e a transpiração contribuem para a
precipitação sobre a terra.

Limpa, a água potável é essencial para os humanos e para outras formas de


vida. O acesso à água potável tem melhorado continuamente e
substancialmente nas últimas décadas em quase toda parte do mundo.[4][5]
Existe uma correlação clara entre o acesso à água potável e PIB per capita de
uma região.[6] No entanto, alguns pesquisadores estimaram que em 2025 mais
de metade da população mundial sofrerá com a falta de água potável.[7] A água
desempenha um papel importante na economia mundial, ja que ela funciona
como um solvente para uma grande variedade de substâncias químicas, além
de facilitar a refrigeração industrial e o transporte. Cerca de 70% da água doce
do mundo é consumida pela agricultura.[8]

Índice

[esconder]

 1 Propriedades físicas e químicas


o 1.1 Fases
 2 Distribuição de água na natureza
o 2.1 Água no universo
o 2.2 Distribuição na Terra
 2.2.1 Ciclo hidrológico
 3 Impacto na vida
 4 Impacto na sociedade humana
o 4.1 Religião e filosofia
 5 Poluição e contaminação
o 5.1 Embalagens de plástico
o 5.2 Transporte e o problema ambiental
 6 Referências
 7 Ver também
 8 Ligações externas

[editar] Propriedades físicas e químicas

Ver artigo principal: Água (substância)


Água (H2O)

Nome IUPAC Água

Ácido hidroxílico
Hidróxido de hidrogênio
Outros nomes Óxido de hidrogênio
Monóxido de di-
hidrogênio

Propriedades

Fórmula
H2O
molecular

1000 kg·m3, líquida (4


Densidade °C)
917 kg·m3, sólida

Ponto de fusão 0 °C, 32 °F (273,15 K)[9]


Ponto de 100 °C, 212 °F
ebulição (373,15 K)[9]
Excepto onde denotado, os dados
referem-se a
materiais sob condições PTN
Referências e avisos gerais sobre esta
caixa.
Alerta sobre risco à saúde.
O impacto de uma gota de água provoca uma repercussão "para cima" circular
rodeado por ondas capilares.

Snowflakes por Wilson Bentley, 1902.

Uma característica incomum da água é a sua dilatação anômala. Ela se contrai


com a queda de temperatura, mas a partir de 4 °C começa a se expandir,
voltando a se contrair após sua solidificação. Isso explica porque a água
congela primeiro na superfície, pois a água que atinge a temperatura de 0 °C
se torna menos densa que a água a 4 °C, consequentemente ficando na
superfície. Esse fenômeno também é importante para a manutenção da vida
nas águas frias, pois faz com que a água a 4 °C fique no fundo e mantenha
mais aquecidas as criaturas que ali vivem.

Cerca de dois terços da superfície da Terra está coberta por água, 97,2% dos
quais contêm os cinco oceanos. O aglomerado de gelo do Antártico contém
cerca de 90% de toda a água potável existente no planeta (região inferior do
globo). A água em forma de vapor pode ser vista nas nuvens, contribuindo para
o albedo da Terra.

A água possui muitas propriedades incomuns que são críticas para a vida: é
um bom solvente e possui alta tensão superficial (0,07198 N m−1 a 25 °C). A
água pura tem sua maior densidade a 3,984 °C (999,972 kg/m³) e tem valores
de densidade menor ao arrefecer que ao aquecer. Por ser uma substância
estável na atmosfera, desempenha um papel importante como absorvente da
radiação infravermelha, crucial no efeito estufa da atmosfera. A água também
possui um calor específico peculiarmente alto (75,327 J mol−1 K−1 a 25 °C), que
desempenha um grande papel na regulação do clima global.

A água dissolve vários tipos de substâncias polares e iónicas, como vários sais
e açúcares, facilitando na interação química entre as diferentes substâncias
fora e dentro dos organismos vivos (metabolismos complexos).

Apesar disso, algumas substâncias não se misturam bem com a água, entre
elas os óleos, podendo ser classificadas como insolúveis e, em alguns casos,
hidrofóbicas. As membranas celulares, compostas por lipídios e proteínas,
levam vantagem das propriedades hidrofóbicas para controlar as interações
entre os seus conteúdos e o meio externo.

[editar] Fases

A água pode ser encontrada na natureza sob a forma sólida, líquida e gasosa
(corretamente denominada de vapor de água). Este último, pode ser
encontrado na atmosfera, proveniente da evaporação de mares, rios e lagos.

A água pode mudar de estado físico como, por exemplo, ir do estado sólido
para o líquido. Um exemplo disso é quando deixamos o gelo (estado sólido da
água) fora da geladeira e ele derrete passando a líquido.

A mudança de estado sólido para líquido recebe o nome de fusão, enquanto


que a do estado líquido para o sólido de solidificação. Do estado líquido para a
forma vapor, temos o fenômeno de vaporização e, da forma de vapor para a
líquida, de condensação ou liquefação.

A evaporação da água no seu ciclo natural ocorre à temperatura ambiente e é


lenta.

O ponto de ebulição da água em recipientes abertos, está relacionado à


pressão atmosférica.

[editar] Distribuição de água na natureza

[editar] Água no universo

Grande parte da água do universo pode ser produzida como um subproduto de


formação estelar. Quando nascem as estrelas, esse nascimento é
acompanhado por um forte vento de gás e poeira. Quando esse fluxo de
material eventualmente impacta o gás circundante, as ondas de choque que
são criadas comprimem e aquecem o gás. A água observada é rapidamente
produzida nesse gás quente e denso.[10]

A água tem sido detectada em nebulosas na nossa galáxia, a Via Láctea.


Provavelmente existe água em abundância em outras galáxias, também,
porque os seus componentes, hidrogênio e oxigênio, são alguns dos elementos
mais abundantes no universo. Nuvens interestelares eventualmente
condensam em nébulas solares e sistema solares como o nosso.

[editar] Distribuição na Terra

A água cobre 71% da superfície da Terra, os oceanos contêm 97,2% da água


da Terra. A camada de gelo da Antártida, que contém 90% de toda água doce
da Terra, é visível na parte inferior. A água condensada na atmosfera pode ser
visto como nuvens, contribuindo para o albedo da Terra.
A hidrologia é o estudo do movimento, distribuição e qualidade da água em
toda a Terra. O estudo da distribuição de água é a hidrografia. O estudo da
distribuição e circulação de águas subterrâneas é hidrogeologia, das geleiras é
glaciologia, das águas interiores é limnologia e da distribuição dos oceanos é a
oceanografia. Processos ecológicos com hidrologia estão no foco de
ecohidrologia.

O coletivo de massa de água encontrado sobre e abaixo da superfície de um


planeta é chamado de hidrosfera. O volume de água na Terra aproximado
(fornecimento total de água do mundo) é de 1.360.000.000 km3 (326.000.000
MI3).

A água subterrânea e doce são úteis ou potencialmente úteis para os seres


humanos como recursos hídricos.

A água líquida é encontrada em corpos de água, como oceanos, mares, lagos,


rios, riachos, canais, lagoas ou poças. A maioria da água na Terra é do mar. A
água também está presente na atmosfera no estado sólido, líquido e gasoso.
Também existem águas subterrâneas nos aquíferos.

A água é importante em muitos processos geológicos. As águas subterrâneas


são onipresentes nas rochas e a pressão da água subterrânea afeta os
padrões de falhas geológicas. Água no manto é responsável pela fusão que
produz vulcões em zonas de subducção. Na superfície da Terra, a água é
importante em ambos os processos químicos e físicos de meteorização. Água
e, em menor medida, o gelo, também são responsáveis por uma grande
quantidade de transporte de sedimentos que ocorre na superfície da terra. A
deposição de sedimentos transportados formam muitos tipos de rochas
sedimentares, que compõem o registro geológico da história da Terra.

[editar] Ciclo hidrológico

Ver artigo principal: Ciclo hidrológico

Esquema do Ciclo Hidrológico (ou ciclo da água).

O ciclo da água (conhecido cientificamente como o ciclo hidrológico) refere-se


à troca contínua de água na hidrosfera, entre a atmosfera, a água do solo,
águas superficiais, subterrâneas e das plantas.

A água se move perpetuamente através de cada uma destas regiões no ciclo


da água constituíndo os seguintes processos de transferência:

 Evaporação dos oceanos e outros corpos d'água no ar e transpiração


das plantas terrestres e animais para o ar.
 Precipitação, pela condensação do vapor de água do ar e caindo para a
terra ou no mar.
 Escoamento da terra geralmente atingem o mar.
A maior parte do vapor de água sobre os oceanos retorna aos oceanos, mas os
ventos transportam o vapor de água para a terra com a mesma taxa de
escoamento para o mar, a cerca de 36 Tt por ano. Sobre a terra, evaporação e
transpiração contribuem com outros 71 Tt de água por ano. A chuva, com uma
taxa de 107 Tt por ano sobre a terra, tem várias formas: mais comumente
chuva, neve e granizo, com alguma contribuição em nevoeiros e orvalho. A
água condensada no ar também podem refratar a luz solar para produzir um
arco-íris.

O escoamento das águas, muitas vezes recolhe mais de bacias hidrográficas


que correm para os rios. Um modelo matemático utilizado para simular o fluxo
do rio ou córrego e calcular os parâmetros de qualidade da água é o modelo de
transporte hidrológico. Parte da água é desviada na irrigação e para a
agricultura. Rios e mares são importantes para viagens e para o comércio.
Através da erosão, o escoamento molda o ambiente criando vales e deltas
fluviais que fornecem um solo rico para o estabelecimento de centros de
população. Uma inundação ocorre quando uma área de terra, geralmente de
baixa altitude, é coberta com água. É quando um rio transborda dos seus
bancos ou por uma inundação do mar. A seca é um período de meses ou anos,
quando uma região regista uma deficiência no seu abastecimento de água. Isto
ocorre quando uma região recebe, sistematicamente, níveis abaixo da
precipitação média.

[editar] Impacto na vida

A hidrosfera, o conjunto de locais onde a água fica na Terra, permite a


existência de vida e influi no equilíbrio do ecossistema.

Todas as formas conhecidas de vida precisam de água. Os humanos


consomem "água de beber" (água potável, ou seja, água compatível com as
características de nosso corpo).

No corpo humano a água é o principal constituinte (entre 70% a 75%) e sua


quantidade depende de vários fatores estabelecidos durante a vida do
indivíduo, entre eles a idade, o sexo, a massa muscular, o aumento ou perda
de peso, o tecido adiposo, e até mesmo a gravidez ou lactação.[11]
É componente essencial para o bom funcionamento geral do organismo,
ajudando em algumas funções vitais, tais como o controle de temperatura do
corpo, por exemplo.

[editar] Impacto na sociedade humana

[editar] Religião e filosofia

A água é considerada como purificadora na maioria das religiões, incluindo o


Hinduísmo, Cristianismo, Judaísmo, Islamismo, Xintoísmo e Wicca. O exemplo
do batismo nas igrejas cristãs é praticado com água, simbolizando o
nascimento de um novo ser, purificado com remissão dos pecados. Verifica-se
que, nas mitologias politeístas, os deuses vinculados à água - Vishnu, Enki e
Poseidon (Netuno), para citar alguns exemplos -, em regra, possuem mais
seguidores, gozam de maior prestígio ou ocupam graduação mais elevada em
relação às demais divindades representantes de outros fenômenos naturais.

A ablução hindu, tal como praticada no estado de Tamil Nadu.

Seguindo um princípio semelhante, em outras religiões, incluindo o Judaísmo e


o Islamismo, é ministrado aos mortos um banho de água purificada,
simbolizando a passagem para a nova vida espiritual eterna. Ainda no Islão, os
fiéis apenas podem praticar as cinco orações diárias após a lavagem do corpo
com água limpa, no ritual de ablução denominado "wudu". No Xintoísmo e na
Wicca, a água é usada em quase todos os rituais de limpeza dos praticantes.
Na Nova Versão Internacional da Bíblia, o termo "água" é mencionado 442
vezes.

Na mitologia Celta, Sulis é a deusa das nascentes termais. No Hinduísmo, o rio


Ganges é personificado como uma deusa, enquanto que Sarasvati é referida
como a deusa dos Vedas. A água é também um dos "tatvas" (5 elementos
básicos da natureza hindús, onde se incluem o fogo, a terra, o akasha e o ar).
Em outras tradições, deuses e deusas são mencionados como patronos locais
de nascentes, rios ou lagos, como no exemplo da mitologia grega e romana,
onde Peneus era o deus do rio. Na religião Wicca a água é tida como um dos
símbolos da Grande-Deusa, assim como o cálice e o caldeirão.

O antigo filósofo grego Empédocles, defendia que a água era um dos quatro
elementos da natureza básicos, em conjunto com o fogo, terra e ar, sendo
respeitada como a substância básica do Universo, denominada ylem.

Nas antigas tradições chinesas, a água era um dos cinco elementos, em


conjunto com a terra, o fogo, a madeira e o metal.
Nas religiões neopagãs, como é o caso da Wicca, também existe a crença na
existência de cinco elementos constituintes do Universo, sendo eles: o fogo, o
ar, a água e a terra e o akasha(a manifestação da energia divina).

[editar] Poluição e contaminação

Esta página ou secção não cita nenhuma fonte


ou referência (desde dezembro de 2009)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes
fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do
texto ou em notas de rodapé. Encontre fontes:
Google – news, books, scholar, Scirus
Ver artigo principal: Poluição da água

Poluição hídrica de um córrego em uma das favelas indianas.

A poluição da água indica que um ou mais de seus usos foram prejudicados,


podendo atingir o homem de forma direta, pois ela é usada por este para ser
bebida, lavar-se, lavar roupas e utensílios e, principalmente, para sua
alimentação e dos animais domésticos. Além disso, abastece nossas cidades,
sendo também utilizada nas indústrias e na irrigação de plantações. Por isso, a
água deve ter aspecto limpo, pureza de gosto e estar isenta de
microorganismos patogênicos, o que é conseguido através do seu tratamento,
desde da retirada dos rios até a chegada nas residências urbanas ou rurais. A
água de um rio é considerada de boa qualidade quando apresenta menos de
mil coliformes fecais e menos de dez microorganismos patogênicos por litro
(como aqueles causadores de verminoses, cólera, esquistossomose, febre
tifóide, hepatite, leptospirose, poliomielite). Portanto, para a água se manter
nessas condições, deve-se evitar sua contaminação por resíduos, sejam eles
agrícolas (de natureza química ou orgânica), esgotos, resíduos industriais,
resíduos ou sedimentos vindos da erosão.

Sobre a contaminação agrícola temos, no primeiro caso, os resíduos do uso de


agrotóxicos (comum na agropecuária), que provêm de uma prática muitas
vezes desnecessária ou intensiva nos campos, enviando grandes quantidades
de substâncias tóxicas para os rios através das chuvas, o mesmo ocorrendo
com a eliminação do esterco de animais criados em pastagens. No segundo
caso, há o uso de adubos, muitas vezes exagerado, que acabam por ser
carregados pelas chuvas aos rios locais, acarretando no aumento de nutrientes
nestes pontos; isso propicia a ocorrência de uma explosão de bactérias
decompositoras que consomem oxigênio, contribuindo ainda para diminuir a
concentração do mesmo na água, produzindo sulfeto de hidrogênio, um gás de
cheiro muito forte que, em grandes quantidades, é tóxico. Isso também afetaria
as formas superiores de vida animal e vegetal, que utilizam o oxigênio na
respiração, além das bactérias aeróbicas, que seriam impedidas de decompor
a matéria orgânica sem deixar odores nocivos através do consumo de oxigênio.

Os resíduos gerados pelas indústrias, cidades e atividades agrícolas podem


ser sólidos ou líquidos, tendo um potencial de poluição muito grande. Os
resíduos gerados pelas cidades, como resíduos, entulhos e produtos tóxicos
são carreados para os rios com a ajuda das chuvas. Os resíduos líquidos pode
carregar poluentes orgânicos (que são mais fáceis de ser controlados do que
os inorgânicos, quando em pequena quantidade). As indústrias produzem
grande quantidade de resíduos em seus processos, sendo uma parte retida
pelas instalações de tratamento da própria indústria, que retêm tanto resíduos
sólidos quanto líquidos, e a outra parte despejada no ambiente. No processo
de tratamento dos resíduos também é produzido outro resíduo chamado
"chorume", líquido que precisa novamente de tratamento e controle. As cidades
podem ser ainda poluídas pelas enxurradas, pelo resíduos e pelo esgoto.

Enfim, a poluição das águas pode aparecer de vários modos, incluindo a


poluição térmica, que é a descarga de efluentes a altas temperaturas, poluição
física, que é a descarga de material em suspensão, poluição biológica, que é a
descarga de bactérias patogênicas e vírus, e poluição química, que pode
ocorrer por deficiência de oxigênio, toxidez e eutrofização.

A eutrofização é causada por processos de decomposição que fazem aumentar


o conteúdo de nutrientes, aumentando a produtividade biológica, permitindo
periódicas proliferações de algas, que tornam a água turva e com isso podem
causar deficiência de oxigênio pelo seu apodrecimento, aumentando sua
toxidez para os organismos que nela vivem (como os peixes, que aparecem
mortos junto a espumas tóxicas).

A poluição de águas nos países ricos é resultado da maneira como a


sociedade consumista está organizada para produzir e desfrutar de sua
riqueza, progresso material e bem-estar. Já nos países pobres, a poluição é
resultado da pobreza e da ausência de educação de seus habitantes, que,
assim, não têm base para exigir os seus direitos de cidadãos, o que só tende a
prejudicá-los, pois esta omissão na reivindicação de seus direitos leva à
impunidade às indústrias, que poluem cada vez mais, e aos governantes, que
também se aproveitam da ausência da educação do povo e, em geral, fecham
os olhos para a questão, como se tal poluição não atingisse também a eles. A
Educação Ambiental vem justamente resgatar a cidadania para que o povo
tome consciência da necessidade da preservação do meio ambiente, que influi
diretamente na manutenção da sua qualidade de vida.

Quanto melhor é a água de um rio, ou seja, quanto mais esforços forem feitos
no sentido de que ela seja preservada (tendo como instrumento principal de
conscientização da população a Educação Ambiental), melhor e mais barato
será o tratamento desta e, com isso, a população só terá a ganhar. Novas
técnicas vem sendo desenvolvidas para permitir a reutilização da água no
abastecimento público.

A água da torneira pode ser contaminada por substâncias químicas tóxicas ou


por microorganismos prejudiciais à saúde pública. Mesmo algumas
substâncias, consideradas indispensáveis ao consumo, podem ser tóxicas se
estiverem em excesso, é o caso do flúor, que pode causar a fluorose. Pode
ocorrer excesso de concentração cloro, flúor ou outras substâncias utilizadas
no tratamento. No entanto, devido às baixas dosagens utilizadas no tratamento
e ao controle do processo de tratamento esse tipo de ocorrência tende a ser
pequeno.

As formas mais comuns de contaminação ocorrem em decorrência da


presença de poluentes despejados nos mananciais ou de microorganismos.
Esse tipo de contaminação é mais freqüente em localidades que não possuem
tratamento de água, mas em alguns casos, podem ocorrer mesmo em água
tratada, devido a falhas no processo de abastecimento ou pela presença de
poluentes que não possam ser removidos pelo processo de tratamento normal.

Em muitos casos os contaminantes podem estar presentes mesmo em águas


minerais engarrafadas. As fontes de águas minerais podem encontrar-se em
regiões sujeitas à presença de poluentes que se infiltram no lençol freático e
mesmo após a filtração das rochas podem ainda estar presentes no ponto de
coleta.

Entre os contaminantes, podem ser encontradas, bactérias, protozoárioss e


fungos patogênicos, toxinas produzidas por algas ou por decomposição de
animais ou resíduos (chorume) como os nitratos. Além disso, toda sorte de
compostos químicos que são agressivos à vida, decorrentes de despejos
industriais, podem ocorrer, tais como fenóis, compostos clorados utilizado na
indústria papeleira, hidrocarbonetos presentes em solventes e tintas e muitos
outros. Enfim também podem ser encontrados Metais pesados dissolvidos na
água, formando íons como crômio(VI), que são altamente cancerígenos e
compostos de chumbo e de mercúrio, que podem provocar diversos tipos de
doenças.

[editar] Embalagens de plástico

O plástico tem como matéria-prima o petróleo e o gás natural, dois recursos


não renováveis. Para além disso, são usadas mais de 1,5 milhões de toneladas
de plástico só para fabricar garrafas de água.

Quando as garrafas de plástico não são recicladas, podem ir para aterros


sanitários. O mundo está cheio de aterros sanitários e, como as garrafas de
plástico se decompõem em uma velocidade muito baixa, os mesmos
permanecerão nos aterros por muitas centenas de anos. Atualmente o
processo de reciclagem de resíduos movimenta uma grande indústria, evitando
que este problema se acentue.

[editar] Transporte e o problema ambiental


Um quarto da água engarrafada em todo o mundo é consumida fora do país de
origem. Cujo transporte geralmente se dá por caminhões e veículos de
combustão interna através de rodovias. Esse tipo de transporte agrava o
problema das emissões de dióxido de carbono. Os gases emitidos são os
mesmos responsáveis pelo aquecimento global e os gases de estufa
(responsáveis pelo efeito estufa). Ainda assim, cerca de 75% da água
produzida é consumida à escala regional, limitando estes emissões de gases
poluentes.

O Brasil possui uma das maiores reservas hídricas do mundo, concentrando


cerca de 15% da água doce superficial disponível no planeta.

Mas o contraste na distribuição é enorme:

A região Norte, com 7% da população, possui 68% da água do País, enquanto


o Nordeste, com 29% da população, possui 3%, e o Sudeste, com 43% da
população, conta com 6%.

Além disso, problemas como o desmatamento das nascentes e a poluição dos


rios agravam a situação. Em conseqüência, 45% da população não tem acesso
aos serviços de água tratada e 96 milhões de pessoas vivem sem esgoto
sanitário.

A agricultura é o setor que mais consome água no país, cerca de 59%. O uso
doméstico e o setor comercial consomem 22% e o setor industrial fica por
último com 19% do consumo.

Projeções feitas por cientistas calculam que em 2025, cerca de 2,43 bilhões de
pessoas estarão sem acesso à água.O desperdício é outro grande problema.
Na verdade, é uma das causas para escassez. No Brasil 40% da água tratada
fornecida aos usuários é desperdiçada. Cada pessoa necessita de 40 litros de
água por dia, mas a média brasileira é de 200 litros.

Outros dados:

• 65% das internações hospitalares no país, principalmente de crianças, são


causadas por doenças de veiculação hídrica.
• Diarréia e as infecções parasitárias estão em segundo lugar como maior
causa de mortalidade infantil no Brasil.
• Apesar dos esforços, são poucas as indústrias brasileiras que tratam seus
despejos antes de devolvê-los à natureza.
• Apesar de toda energia gerada pelas gigantescas hidrelétricas do São
Francisco, ainda hoje 35% da população rural dessa região não possui energia
elétrica em seus domicílios.
• São Paulo e algumas outras cidades do globo têm uma descarga de efluentes
do mesmo volume que o fluxo natural dos rios que as atravessam.

Objetivo

Contribuir para uma nova consciência sobre a importância da água. Formar


novas atitudes frente à problemática do uso da água, resultado do crescimento
da demanda e da sua proporcional contaminação.

Atitude
Formar atitude. Agir com consciência, dignidade e fraternidade com relação à
vida em toda sua extensão. Esse é o desafio do cidadão e do ser consciente.

Consciência
O ser consciente tem uma compreensão crítica da realidade em que vive e se
percebe como parte do todo, integrado ao meio ambiente e agente da
transformação social.

ATITUDE

O que eu posso fazer para colaborar? Comece olhando como você age na sua
casa. Cada um de nós gasta, em média, 250 litros de água por dia!

Veja como coisas simples podem ajudá-lo a reduzir o consumo:

Feche a torneira quando for escovar os dentes ou fazer a barba. Se deixá-la


aberta, estará consumindo 20 litros de água a mais.

Esteja atento a vazamentos! Uma torneira pingando consome 46 litros de água


por dia e, num mês, 1.380 litros! Canos furados e vazamentos em vasos
sanitários também são grandes prejuízos.

Não regue as plantas nas horas quentes do dia. A água evapora antes mesmo
de atingir as raízes.
Jamais use água para varrer a calçada! Saber utilizá-la com moderação é uma
questão de educação.

Use balde em vez de mangueira para lavar o carro.

Use a máquina de lavar roupas com a carga máxima e evite o excesso de


sabão, que aumenta o número de enxágües.

Ao esfregar as roupas, mantenha a torneira do tanque fechada e abra-a


somente no enxágüe.

Deixe os talheres e pratos de molho dentro da pia antes de lavar. E não deixe a
torneira aberta enquanto os ensaboa. Você estará economizando 100 litros de
água!

Tente tomar banhos de 5 minutos e, se possível, feche a torneira enquanto se


ensaboa. A cada minuto, mais 20 litros de água vão embora pelo ralo.

O ciclo da Água.

A contínua circulação da água na natureza constitui o chamado ciclo da água,


que se relaciona ao conjunto das mudanças de lugar e de estado físico da
água ao longo do tempo. Considerando-se todo o planeta, descrevemos
resumidamente as etapas desse ciclo:

1. Sob a ação dos ventos e dos raios solares, a água dos rios, lagos e oceanos
evapora. O vapor de água sobe e, ao encontrar as camadas mais frias da
atmosfera, condensa-se e forma nuvens. As nuvens são compostas de uma
grande quantidade de gotículas de água;

2. A água presente nas nuvens precipita-se sobre a superfície na forma de


chuva, neve ou granizo (chuva de pedras);

3. Parte da água que cai no solo torna a evaporar. Outra parte escorre pela
superfície, atingindo rios e mares. Uma certa quantidade de água se infiltra na
terra e forma os lençóis de água subterrâneos. Estes, por sua vez, acabam
abastecendo rios, mares, lagos e fontes, fechando assim o ciclo. Os seres
vivos também participam do ciclo da água, pois os vegetais e os animais
absorvem continuamente água do ambiente e a devolvem ao meio de diversas
maneiras. Os vegetais a devolvem pela transpiração; os animais, também pela
transpiração

Esqueça muito daquilo que você já ouviu falar sobre o uso da água doce. Muitas informações divulgadas
pela mídia dão uma impressão errônea da situação atual do uso da água, mas isso você irão perceber
sozinhos, basta ler nesse texto.

Muitos não entendem, por mais que lavem a louça com menos água, e
lavem o carro e calçadas somente com baldes, não parece haver redução na
escassez de água doce no mundo. O que está acontecendo? É um efeito do
aquecimento global? De modo algum.

Quem consome mais água no Brasil?

Uso na agropecuária – 80% (sendo 69% na irrigação e 11% na produção animal)


Uso residencial – 13% (sendo 11% urbano e 2% rural)
Uso industrial – 7%

O uso na agropecuária é mais de seis vezes maior do que o uso residencial. Se vivêssemos no aperto,
reduzindo o consumo residencial de água em 50%, reduziríamos menos de 7% do total de água utilizada
no Brasil. Quando consideramos quanta água cada habitante produz por dia, não vale contar só o
consumo doméstico, mas também quanta água foi necessária para produzir o alimento consumido pela
mesma.

A agricultura consome a maior parte da água captada

Para quê a irrigação gasta tanto?


Pode parecer irreal, mas o Brasil é um dos países que menos irriga suas lavouras, mesmo sendo o país
que mais possui água doce disponível de todo o planeta, com 11,6% do total mundial. O Brasil irriga
menos de 6% de sua área plantada, que é de 55 milhões de hectares (obs: 1hectare = 10.000 metros
quadrados), o que corresponde a mais de 37 milhões de Estádios do Maracanã. Mesmo assim, a
irrigação consome 69% do total no Brasil.

Produzir alimento para os 6,5 bilhões de habitantes do planeta não é


fácil, a produção agrícola mundial chega a produzir anualmente 5,5
bilhões de toneladas de alimentos.

Para que isso possa ocorrer, cerca de um quinto dos 1,4 bilhões de
hectares plantados é irrigado. Mas não se confunda, devido à maior
produtividade dos campos irrigados em relação aos de sequeiro (sem
irrigação), a agricultura irrigada produz quase metade da produção
mundial de alimentos.

Para se ter noção, o arroz de sequeiro produz aproximadamente 2 toneladas por hectare, e o arroz
irrigado produz de 8 a 10 toneladas por hectare. Podemos notar que sem a agricultura irrigada, seria
impossível a produção de alimentos para toda a população, mesmo que todas as áreas agricultáveis
fossem utilizadas.

Como reduzir o consumo de água?


É evidente que a melhor maneira de reduzirmos qualquer gasto é investir no uso racional no setor que
mais utiliza o recurso. Por mais que a atividade agrícola irrigada seja altamente tecnificada no Brasil,
muito ainda pode ser melhorado. A aplicação excessiva ou desnecessária de água no solo é algo que não
recebe a atenção devida.
O investimento em soluções para a redução do consumo de água na agricultura, mantendo-se a
produtividade, é um dos pontos principais dessa luta. Além disso, a orientação sobre boas práticas
agrícolas é fundamental.
É necessário que as atenções não fiquem presas ao consumo doméstico, que representa uma parcela
muito pequena do consumo total, concentrando as atenções ao uso na agropecuária.

Então não adianta nada economizarmos água em casa?


Não é bem assim. Em termos de redução do consumo de água doce, a economia residencial pode não
ser tão representativa. Mas devemos lembrar que a agricultura irrigada, diferentemente do uso
residencial, não necessita tratamento.

Devemos lembrar que o tratamento de água nas ETAs (Estação de Tratamento de Água) é um processo
difícil e muito caro, pesando no orçamento público. A redução de gastos residenciais reduz os gastos
públicos, reduzindo os impostos, além de ajudar no orçamento doméstico.

Fonte dos dados: ANA – Agência Nacional de Águas