Você está na página 1de 5

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL

FEDERAL DA ____SEGUNDA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE__________________

_______________, brasileira, casada,


tratorista, residente e domiciliada nesta cidade e comarca de, na Rua, nº,
portadora do RG nº -SSP/SP, e do CPF/MF nº , por intermédio de suas
procuradoras que esta subscrevem, vem, mui respeitosamente à presença de
Vossa Excelência, propor

AÇÃO DE BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO – APOSENTADORIA POR


INVALIDEZ OU AUXÍLIO-DOENÇA C/C PEDIDO DE ANTECIPAÇÃO DE
TUTELA

em face do INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL/INSS, autarquia


securitária, com sede e agente hábil a receber citação na cidade e comarca de
Ribeirão Preto, Estado de São Paulo, na Rua Amador Bueno, nº 479, 5º andar,
com os fundamentos de fato e direito seguintes:

1- A requerente, nascida em 08 de dezembro de


1.974, atualmente, conta com 34 (trinta e quatro) anos de idade. É portadora da
CTPS– série
2- Com registro em CTPS, a requerente laborou
para os seguintes empregadores:

3- Conforme documento anexo, a requerente


apresentou pedido de auxílio-doença, administrativamente, no dia 17/03/2009, sob
nº 534.752.568-8, junto ao Instituto requerido, o qual foi indeferido, injustamente,
com a alegação da não constatação de incapacidade laborativa da autora.

4- A autora está totalmente incapacitada


de exercer qualquer atividade laboral, pois padece de vários males, tais
como:

- DOR PÉLVICA E PERINEAL (CID 10: R-10.2), CONFORME DECLARAÇÃO


DO DR. MÁRIO AUGUSTO ORSI, ANEXO;

-CONCLUSÃO E.E.G. DIGITAL COMPUTADORIZADO DO DR. CARLOS


EDUARDO DE CASTRO, APRESENTANDO-SE ANORMAL (ANEXO);

- QUADRO ANSIOSO DEPRESSIVO COM IRRITABILIDADE, CONFORME


GUIA DE ENCAMINHAMENTO DO DR. CARLOS EDUARDO DE CASTRO,
ANEXA;

- EPILEPSIA (CID 10: G 40), CONFORME RELATÓRIO MÉDICO DO DR.


CASTRO EDUARDO DE CASTRO, ANEXO.

5- Consta do relatório médico, que por


causa da EPILEPSIA, a autora tem crises convulsivas desde agosto de
2008, estando atualmente sem medicação, devendo iniciar com
TEGRETOL.

6- A requerente, apesar de todos os males que é


portadora, sempre trabalhou com muito sacrifício, a fim de cumprir com as suas
obrigações inerentes.

7- No momento não mais consegue desenvolver


seus trabalhos em pleno rigor, pois não possui saúde para se lançar às labutas
diárias, na disputa do mercado de trabalho; mesmo porque já procurou várias
firmas desta cidade e região para trabalhar, e, quando vai fazer o exame médico
para admissão, não é aceita, por causa dos males que padece que são evidentes.
Está desempregada desde dezembro/2008.

8- ASSIM, DIANTE DE TAIS MALES, A


REQUERENTE ESTÁ TOTALMENTE INCAPACITADA PARA O TRABALHO,
tornando-a uma pessoa inútil. Tem enormes dificuldades para continuar os vários
tratamentos médicos que necessita. A situação da requerente é lastimável. Assim,
de há muito não exerce qualquer atividade remunerada e não tem qualquer
rendimento.
9- Se a requerente contribuiu para a previdência
social nada mais justo que receba o benefício pleiteado, mesmo porque preencheu
os requisitos legais à sua obtenção.

10- O pedido subsidiário ou alternativo de


“Auxílio-Doença” é necessário, pois não cabendo o benefício “Aposentadoria
por Invalidez” é de se conceder a autora pelo menos o outro benefício
subsidiariamente pleiteado, eis que quem pode o mais logicamente poderá o
menos.

11- Assim, a concessão do benefício


previdenciário ora pleiteado nos termos da Lei n. 8.213/91, arts. 42 e 59 são de
rigor, em quantia equivalente ao salário de contribuição ou na sua falta com base
no salário-mínimo, mensalmente, de acordo com dispositivo constitucional, artigo
201, parágrafo 2º.

12- DA TUTELA ANTECIPADA

12.1- Presentes, no caso exposto, os requisitos


autorizadores da tutela antecipada requerida.

O risco de dano irreparável se dessume do próprio caráter alimentar do benefício e


das conseqüências que a postergação da execução podem acarretar à subsistência
da agravante, que se encontra com sua capacidade laboral anulada e não possui
rendimentos que lhe permitam aguardar o desfecho da ação.

12.2- Não se pode negar, que a natureza


alimentar da prestação pleiteada, a hipossuficiência da segurada e até a
possibilidade de seu óbito no curso do processo, em razão dos males que padece,
principalmente pelas crises convulsivas, evidenciam, um fundado receio de
dano irreparável, ou de difícil reparação, recomendando concessão da tutela
antecipadamente, frente à verossimilhança comprovada por prova inequívoca
(documentos anexos).

12.3- A autora é pessoa muito doente,


necessitando, com urgência, do benefício pleiteado para sua própria sobrevivência
e para tratamento médico, sendo este o fundado receio de dano irreparável.

12.4- Há prova inequívoca do preenchimento dos


requisitos prescritos em lei; a incapacidade total e permanente da requerente está
cabalmente demonstrada, bem como a qualidade de segurada.

12.5- As alegações trazidas aos autos são


verossímeis, face à análise da documentação que o acompanha.
12.6- Diante de tais fatos, evidentes as lesões
que acometem a autora, razão pela qual se torna justificável a antecipação da
tutela ora pleiteada, pena da requerente vir a sofrer mais danos, os quais, por sua
natureza, tornar-se-ão irreparáveis.

13- Ante o exposto requer a Vossa Excelência, se


digne determinar a citação da requerida, para, querendo, contestar a ação, ciente
ficando, de que, não o fazendo, presumir-se-ão como verdadeiros, como os são,
os fatos aqui alegados, e ao final, em sendo julgada procedente, será a requerida
condenada ao pagamento do Benefício Previdenciário – Aposentadoria por
Invalidez ou Auxílio-doença c/c Tutela Antecipada, a partir da propositura
da ação, à base de seu salário de contribuição ou na sua falta em um salário-
mínimo mensal, de acordo com dispositivo Constitucional, artigo 201, § 2º, mais
abono anual, devidamente acrescidos de juros legais de mora, correção monetária,
custas processuais, honorários advocatícios à base de 20% (vinte por cento) sobre
o valor da condenação na data do seu efetivo pagamento e sobre mais doze
prestações vincendas e demais cominações de estilo.

14 – Requer, outrossim, se digne conceder a


requerente os benefícios da Assistência Judiciária Gratuita, eis que é pessoa pobre
na acepção legal do termo, não possuindo condições de arcar com as despesas do
processo, sem comprometer a própria subsistência e de sua família, conforme
declaração de pobreza anexa.

15 – Requer, ainda, considerando seu estado de


saúde, se digne conceder antecipação da tutela, de conformidade com o artigo
273, do estatuto do rito, ou pelo menos, desde quando for comprovada por perícia
médica a incapacidade laboral da requerente.

16 – Requer e protesta provar o alegado por


todos os meios de provas admitidas pelo bom direito, com oitiva de testemunhas
que serão arroladas oportunamente e que deverão ser intimadas, exame médico
pericial, juntada de novos documentos e tudo o mais que em direito possa
interessar.

Dá-se a presente o valor de R$ 9.456,00 (nove


mil, quatrocentos e cinquenta e seis reais), para efeitos fiscais.

Termos em que,

Pede Deferimento.

QUESITOS:
a) A requerente sofre com DOR PÉLVICA E PERINEAL (CID 10: R-10.2),
CONFORME DECLARAÇÃO DO DR. MÁRIO AUGUSTO ORSI, ANEXO?

b) É possível confirmar a CONCLUSÃO E.E.G. DIGITAL


COMPUTADORIZADO DO DR. CARLOS EDUARDO DE CASTRO (ANEXO),
APRESENTANDO-SE ANORMAL? Se positivo, explicar minuciosamente.

c) A autora apresenta QUADRO ANSIOSO DEPRESSIVO COM


IRRITABILIDADE, CONFORME GUIA DE ENCAMINHAMENTO DO DR.
CARLOS EDUARDO DE CASTRO, ANEXA?

d) A requerente é portadora de EPILEPSIA (CID 10: G 40), CONFORME


RELATÓRIO MÉDICO DO DR. CASTRO EDUARDO DE CASTRO, ANEXO?

e) Se confirmado o item “c”, este compromete as funções cognitivas da


autora?

f) Caso seja confirmado o comprometimento das funções cognitivas da autora,


esta pode exercer atividades sem prejudicar o desempenho e o rendimento
do seu trabalho?

g) Se confirmado o item “d”, esse mal pode causar crises convulsivas?

h) A requerente padece de algum outro mal? Em caso positivo qual?

i) É possível detectar desde quando a requerente vem suportando essas alterações


orgânicas e desde quando se instalou a impossibilidade de trabalhar, caso esta
seja confirmada pelo médico?

j) A requerente, nas condições em que se encontra, ou seja, padecendo de vários


males, somadas às suas deficiências sócio-culturais, pode exercer a função de
MOTORISTA ou alguma atividade que lhe exija esforços físicos e que lhe garanta
subsistência?