Você está na página 1de 39

O Atelier Ortodoxo São Lucas é um centro de arte iconográfica da

Igreja Ortodoxa do Brasil – ligada canonicamente à Igreja Ortodoxa


Autocéfala da Polônia – formado por clérigos, fiéis e simpatizantes
ortodoxos, trabalhando sob a bênção e com o incentivo de nosso Hierarca,
Sua Excelência Reverendíssima Sr. Dom Chrisóstomo, Arcebispo Ortodoxo
do Rio de Janeiro e Olinda-Recife.

No momento, produzimos ícones “escritos” segundo a tradicional


técnica bizantina. Reunimos conhecimentos da iconografia atualmente
desenvolvida nos países balcânicos, principalmente Herzegovina, Sérvia e
Grécia, com forte influência da técnica bizantina “macedônica”,
mesclados a nossas características nativas para as nuanças de tons.

Nossa sede de trabalhos e lugar de encontro situa-se em Copacabana


– Rio de Janeiro -, no prédio da Catedral Ortodoxa da Santíssima Virgem
Maria, local atual de produção e administração.
NOSSA TÉCNICA

Seguimos a linha bizantina da Iconografia, onde o ícone é


“escrito” a seco. Atualmente, trabalhamos sem a aplicação de
ouro, com pigmentos naturais, nacionais e importados, minerais
orgânicos, como têmpera de ovo sobre base branca (“levkas”).
Para o suporte utilizamos compensados e aglomerados. Aplicamos
verniz marítimo nacional à base de óleo para envernização final.

Damos singular importância ao grafismo iconográfico,


apoiando-nos nos parâmetros do desenho anatômico. Trabalhamos
sobre exemplares do período áureo tanto da Iconografia Bizantina
como eslava, dos Mestres Teófano o Grego, Andrej Rublev, Dionisi
Panselinos, Fotis Kontoglou, Arquimandrita Zinon e das Escolas de
Moscou, São Petersburgo, Novogorod, Creta, Macedônia, Santa
Montanha do Athos.
OBJETIVOS

• Manter viva a tradição iconográfica recebida no seio da


Comunidade Espiritual em que vivemos.

• Transmitir à secularizada sociedade atual um pouco da


riqueza dos tesouros da Ortodoxia através da arte
iconográfica.

 
NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

Por amor à liberdade do


homem, Cristo encerrou-Se no
cárcere de um corpo, tornou-Se
naqueles dias “inferior ao Pai”,
precisou de alimento e de
repouso, escondeu a Si-mesmo o
futuro e viveu em Si todo o
sofrimento do mundo.

Tornou-Se carpinteiro de
uma cidadezinha de província
cercado por gentes ignorantes
que traziam amiúde marcas
evidentes do pecado; passou os
Seus dias na companhia de
pobres, excluídos, pecadores e
leprosos. Ele não possuía corpo
de guarda nem conselheiros
influentes.
NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, PANTOCRATOR

Poderia aquele homem


realmente ser o Messias que o
povo havia sonhado e esperado
durante séculos?

Se o Messias Se tivesse
mantido na glória, se ninguém
tivesse podido resistir ao Seu
fulgor, a adesão dos homens teria
sido obrigada.

Mas... Cristo ensinava algo


bem diferente: “Conhecereis a
Verdade, e a Verdade vos
libertará!”
Pelo Seu Nascimento, Cristo derruba o muro de separação
e reduz à nada o culto dos ídolos.

Face visível do Deus Invisível – Sua imagem (eikon, em


grego) – Ele torna-Se circunscritível pela Sua inserção no espaço
e no tempo. Pelo fato de ter-se assim manifestado, Ele pode ser
representado. Mas, não de qualquer maneira!

A história da Cristandade é, em efeito, um emaranhado de


tentações que conduziram alguns a negar a divindade de Cristo,
ou ao contrário, Sua plena humanidade.

O anúncio ao mundo do Cristo “verdadeiro Deus e


verdadeiro Homem” implica o fato de representá-Lo em Sua
divino-humanidade.
A MÃO QUE ABENÇOA

A mão que abençoa é a mão que fala,


literalmente, “que diz uma boa palavra”, com uma “boa
dicção”.
A mão do Pantocrator nos apazigua, torna-nos
inteligentes; ela nos “diz bem” o que é a Encarnação.
MÃE DE DEUS DE KORSUN

Um dos ícones da Mãe de Deus


pintados pelo Apóstolo e Evangelista
Lucas foi preservado em Éfeso.

Em 09 de outubro do ano de
988, uma cópia deste ícone foi
transferida de Korsun para Kiev pelo
Santo Príncipe Vladimir, Igual aos
Apóstolos, vindo a ser chamado de
Ícone de Korsun.

Mais tarde, este ícone foi


transferido para Novgorod e de lá
para Moscou, mais precisamente para
a Catedral da Dormição, no Kremlin.
Outra imagem da Mãe de Deus
semelhante foi trazida da Grécia para
a Rússia, em 1162, pela Monja
Eufrosina de Polotsk.
MÃE DE DEUS DE KORSUN

Santa Eufrosina fundou o


Monastério em Polotsk.

Ao saber que na Grécia se


encontrava um ícone escrito pelo
Evangelista Lucas, ela oferta ricos
presentes ao Imperador grego bem como
ao Patriarca Lukas Chysovergos com o
pedido de lhe enviarem este ícone.

A santa imagem foi enviada à


Rússia, por Éfeso. Fizeram passar o
ícone pela cidade de Korsun, onde ele
permanece por volta de um ano, a
pedido dos habitantes, recebendo, com
isso, o nome de Ícone de Korsun. No ano
de 1239 a filha do Príncipe Briachislav
de Polotsk, de nome Alexandra,
partindo a desposar o nobre fidalgo, o
Príncipe Alexandre Nevsky, leva este
ícone para a cidade de Toropets.
MÃE DE DEUS ODIGUITRIA – AQUELA QUE MOSTRA O CAMINHO.

Na Iconografia de Maria,
chamada na Ortodoxia de a “Mãe
de Deus”, a imagem de Odiguitria
(Aquela que mostra o Caminho)
ocupa um lugar privilegiado.

Ela continua sendo a imagem


preferida também no mundo
ocidental.

Mas, sua origem é oriental;


conta-se que este tipo de ícone da
Mãe de Deus foi um dentre aqueles
“escritos” por São Lucas, Apóstolo,
Evangelista e primeiro Iconógrafo.
.
MÃE DE DEUS ODIGUITRIA – AQUELA QUE MOSTRA O CAMINHO

Uma lenda atribuída a um milagre da Santa Virgem conta: em


Constantinopla, a Mãe de Deus teria aparecido a dois cegos.

Levando-os pelas mãos, os conduz ao célebre Monastério e Santuário


da Odiguitria, onde os teria curado da cegueira.

Construído por Michel III (842-867), o Santuário era chamado de


Igreja dos Guias, pois que o exército, antes de partir à batalha, vinha rezar
diante do ícone que levava o nome do Santuário.

Desde este tempo, os cegos e aqueles que sofriam de doenças nos


olhos vinham até à fonte próxima desta igreja, na intenção de encontrarem
ali a cura miraculosa.
SINAXE DAS MILÍCIAS CELESTES

As Potestades Celestes desde há muito que são comemoradas pelas


civilizações em suas crenças e costumes.

Tanto pagãos como heréticos de tempos passados tinham uma visão errônea
dos Anjos, uns até pensavam que eram semi-deuses criadores do mundo invisível.
No tempo de Silvestre, Papa de Roma e do Patriarca Alexandre de Alexandria a
festividade das Milícias Celestes foi estabelecida no mês de novembro.

Novembro supõe nove meses depois de março. O mês de março é tido como o
mês da criação do mundo. Nove meses depois de março em virtude também das
nove hierarquias angélicas, que foram criadas antes de tudo.

Eis a Hierarquia Celeste: Serafins, Querubins, Tronos, Dominações, Virtudes,


Potestades, Principados, Arcanjos e Anjos. O chefe deles é Miguel. A inter-relação
dos Anjos é toda em amor, onde só reina um pensamento, uma vontade, um
serviço, mesmo apesar de estarem organizado numa hierarquia. Cada povo tem seu
Anjo protetor, bem como todo cristão.
SINAXE DAS MILÍCIAS CELESTES
08 de novembro (21/11)
SÃO JOÃO BATISTA, O PRECURSOR DO SENHOR

“E, naqueles dias apareceu


João Batista pregando no deserto
da Judéia e dizendo: Arrependei-
vos, porque é chegado o Reino
dos Céus.

Por este é o anunciado pelo


Profeta Isaías, que disse: Voz do
que clama no deserto: preparai o
caminho do Senhor, endireitai as
Suas veredas.

E este João tinha o seu


vestido de pêlos de camelo, e um
cinto de couro em torno de seus
lombos; e se alimentava de
gafanhotos e de mel silvestre.
SÃO JOÃO BATISTA, O PRECURSOR DO SENHOR

Então ia ter com ele


Jerusalém, e toda a Judéia, e
toda província adjacente ao
Jordão. E eram batizados por ele
no rio Jordão, confessando os
seus pecados.

E, vendo ele muito dos


fariseus e dos saduceus, que
vinham ao seu batismo, dizia-
lhes: Raça de víboras, quem vos
ensinou a fugir da ira futura?
Produzi pois frutos dignos de
arrependimento” Mt 3, 1-8
SÃO PEDRO, APÓSTOLO

Chamado de Simão (Cefas), filho de


Jonas, Pedro era pescador de Betsaida na
Galiléia.

É conduzido ao Mestre por seu irmão,


Santo André “Primeiro Chamado”. Morava em
Cafarnaum e era casado. Ele segue Cristo com
especial devoção e determinação.

Espiritualmente forte, fervoroso e


impulsivo, ocupou, na verdade, lugar influente
entre os Apóstolos de Cristo.

Foi o primeiro a confessar Cristo como


Filho de Deus. Sobre esta firme fé (fé de pedra
- fé de Pedro), o Senhor promete edificar a
Sua Igreja, contra a qual as portas do inferno
não prevalecerão.

Lava com lágrimas amargas de


arrependimento a sua tríplice negação, na
véspera da Crucifixão. Consequentemente,
logo após a Ressurreição, o Senhor novamente
o restitui a dignidade de Apóstolo, por três
vezes, mesmo número de suas negações, e lhe
confia o cuidado de Suas ovelhas e cordeiros.
Depois da Ascensão do Senhor, São Pedro prega por toda
Palestina, juntamente com os demais apóstolos. Participa do Pré-
Concílio de Jerusalém e percorre ainda a Ásia Menor, Ilírica e Itália.
Realiza milagres, converte, prega, edifica, batiza, ordena.

Também autor de duas Epístolas, morre crucificado com a cabeça


para baixo, em Roma.

A Igreja Ortodoxa comemora a data dos Protocorifeus (Pedro e


Paulo) aos 29 de junho (12/07), festejando também as “Correntes de
São Pedro” no dia 16 de janeiro (29/01).
SÃO JOÃO, O TEÓLOGO
Filho de Zebedeu, pescador, e Salomé, irmão de Tiago.

Deixa tanto sua casa como a rede e segue o Mestre, que não
abandona até à Cruz.

Juntamente com Pedro e Tiago, testemunha a ressurreição da


filha de Jairo bem como a Transfiguração do Senhor no Monte Tabor.

Reclina-se sobre o peito do Mestre, na Última Ceia. Sob a Cruz,


recebe do Senhor o cuidado da Mãe de Deus. Depois da Dormição da
Virgem Maria, São João parte com seu discípulo Prócoro, evangelizando a
Ásia Menor. Passa por Éfeso, Roma e Patmos.

Nesta ilha, fortifica os cristãos na fé e escreve seu Evangelho,


bem como o Apocalipse (Livro das Revelações). Retorna à Éfeso, onde
continua a alimentar a fé muitos. Por volta dos 100 anos de idade, rende
sua alma a Deus.

Quando seus discípulos abrem seu túmulo não encontram o


corpo; a cada 08 de maio (21/05), uma fina poeira milagrosa levanta-se
de sua tumba. A Igreja festeja sua Dormição aos 26 de setembro (09/10).
SÃO JOÃO CRISÓSTOMO

Natural de Antioquia, filho de uma


família cristã, estudou, em sua cidade
natal sob Libânio, filosofia e retórica.

Com a idade de vinte e um anos,


depois de colaborar com São Melécio de
Antioquia, e receber o batismo, é ordenado
leitor.

Em oposição à opinião familiar vive


alguns anos como eremita no deserto.

Foi eleito Arcebispo de Constantinopla


em 397. Procura imprimir uma restauração
eclesiástica na qual, mesmo apesar de sua
eloquência e decidida vontade, se depara
com muitos obstáculos.

Aos poucos entra em conflito com


parte do clero e, mais tarde, com a
Imperatriz Eudóxia. Foi afastado de sua
cátedra e exilado por algumas vezes.
SÃO JOÃO CRISÓSTOMO

Os contemporâneos nos descrevem João Crisóstomo


como um homem de estatura baixa, de rosto magro, testa
enrugada, de cabeça calva, corpo, enfim, castigado e
cansado pelo jejum e as vigílias.

Tinha voz fraca. Não falava para ser escutado, falava


para instruir, exortar, reformar. Preocupado com o combate
aos costumes pagãos e com a instauração moral do
Evangelho. Era um reformador, um missionário, um pastor
incomparável.

A Igreja dedica sua festa maior aos 13 de novembro (26/11).


Aos 27 de janeiro (09/02) comemora a transladação de suas
relíquias e a memória dos Três Hierarcas aos 30 de janeiro
(12/02).
SANTO AMBRÓSIO DE MILÃO
SANTO AMBRÓSIO DE MILÃO

Nasce em Treveris, atual Trier na Alemanha, provavelmente no


ano 430.
Teólogo do período pós-niceniano, político, escritor, compositor
e bispo da hoje cidade de Milão, durante a grande era patrística, foi
introdutor no Ocidente do canto antifonado dos salmos e chamado Padre
da Igreja, em função de sua grande obra pastoral, teológica e litúrgica.

Estuda em Roma e é nomeado governador com sede em Milão.


Com a morte do Bispo Auxêncio de Milão (374) e em virtude da divisão
existente entre os cristãos seguidores do Concílio de Nicéia e os
partidários da heresia ariana, é aclamado pelo povo como sucessor à
cátedra da cidade.

Os Bispos ratificam sua nomeação. Ambrósio recebe então o


batismo e depois de oito dias é sagrado Bispo de Milão.

Enérgico hierarca, imprime rigorosa conduta cristã, inclusive ao


Imperador Teodósio, ao qual repreende arduamente. Morre em Milão aos
07 de dezembro (20/12) de 397. Suas relíquias repousam na cripta da
Catedral de Milão, até os dias de hoje.
SÃO NICOLAU, ARCEBISPO DE MIRA

Filho único de prezados e ricos


pais, Teófano e Nona, cidadãos de
Pátara, em Lícia. São Nicolau dá seus
primeiros passos na vida espiritual ao
lado de seu tio, também Nicolau, Bispo
de Pátara.
Ele torna-se monge no Monastério
de Nova Sião fundado por este mesmo
tio. Com a morte de seus pais, São
Nicolau vende todos os seus bens,
distribuindo tudo pelos pobres.
Enquanto sacerdote em Pátara,
destaca-se por sua compaixão,
cumprindo com atenção as palavras do
Senhor: “Que a tua esquerda não saiba o
que faz a tua destra” (Mt. 6, 3).
Certa vez, ao recolher-se na
solidão em busca da Face de Deus, ouve
uma voz lhe dizer: “Nicolau, sacrifica-te
pelo povo, se quiseres ser por Mim
coroado”. Após tal acontecimento, é
escolhido para Arcebispo de Mira em
Lícia.
SÃO NICOLAU, ARCEBISPO DE MIRA

Misericordioso, sapiente, destemido, Nicolau foi o verdadeiro Bom


Pastor de seu rebanho.

Durante o tempo das perseguições aos cristãos, sob Dioclesiano e


Maximiniano é lançado no calabouço, onde ensina as gentes a
ciência de Deus.

Participou do Primeiro Concílio Ecumênico de Nicéia (325), onde


defende com zelo a fé verdadeira, chegando a dar um tapa na
cara do herético Ário. Realizou muitos milagres e obras de amor
cristão. Morre em sua velhice, rendendo sua alma ao Senhor.

Seu corpo foi transladado para Bari (sul da Itália). Uma Basílica foi
erguida para acolher suas relíquias, onde encontramos fontes de
curas milagrosas. Esta data de transladação é comemorada pela
Igreja aos 09 de maio (22/05). No entanto, sua festa-mor é aos 06
de dezembro (19/12).
SÃO SERAFIM DE SAROV
São Serafim de Sarov nasceu em 1759. Viveu solitário durante
longos anos, compartilhando seu pão com os ursos e se consagrando à
oração e meditação das Santas Escrituras.

Depois, em seu retiro, recebeu numerosas pessoas que vinham a


ele, curando-as e aconselhando-as. Ele confiou a um desses visitantes,
Motovilov, que o objetivo da vida cristã era a “aquisição do Espírito
Santo”.

Neste ícone, São Serafim traz a estola dos sacerdotes. A mão no


coração e o rosário lembrarm que ele pertence à tradição dos hesicastas e
que a sua prática era a invocação perene do Nome Santo – a oração do
coração.
VENERÁVEL PAI SÉRGIO DE
RADONÉGE

Grande asceta e luminar da


Igreja russa.

Nasce em 1313 em Rostov de


pais piedosos, Cirilo e Maria. Com a
morte dos pais,Bartolomeu (seu
nome de batismo) ingressa na vida
monástica e funda o Monastério da
Santíssima Trindade nas florestas
de Radonége.

Silencioso e manso servidor


de Deus, vive do trabalho de suas
mãos e de oração. Em virtude da
pureza de seu coração é coroado
com o tom de realizar milagres,
chegando a ressuscitar alguns
mortos, em Nome de Cristo.
São Sérgio teve muitas visões da Mãe de Deus. Príncipes e
Pontífices vinham ter com ele, em busca de bons e santos conselhos,
abençoou o Prínicipe Dimitri Donskoy, prevendo sua vitória na batalha e
a libertação da Rússia do jugo tártaro.

Clarividente, lia no coração das gentes o que ainda estava por vir.
Sua fundação monástica transborda em vocações, pelos séculos a fora,
erguendo-se como um dos principais centros de vida espiritual e
milagres divinos.

São Sérgio rende sua alma a Deus em 1391. Depois de sua partida,
aparece a muitas pessoas, por numerosas vezes.
SANTA ANA, MÃE DA VIRGEM MARIA

Existem poucas referências sobre a


mãe da Santíssima Virgem Maria; não as
encontramos nem nos Evangelhos nem nos
outros escritos do Novo Testamento.

O quê se sabe a respeito de Sant'Ana


provêm-nos dos escritos apócrifos. Segundo
estas narrativas, que coincidem com a
Tradição da Santa Igreja, o sacerdote Matã que
residia em Belém teve três filhas: Maria, Sobi
e Ana.

Maria, após casar em Belém, deu à luz


a Salomé. Sobi, casa-se também em Belém e
dá à luz a Isabel, mãe de São João Batista, o
Precursor. Ana casa-se com Joaquim da
Galiléia; depois de muitos anos de casados,
geram de um ventre estéril, segundo a
promessa de Deus, o rebento de Jessé: a Toda-
Santa Virgem Maria, apresentada ao Templo,
por seus pais, aos 3 anos de idade.

A Igreja Ortodoxa dedica a data de 09


de setembro (22/09) a São Joaquim e
Sant'Ana; aos 25 de julho (07/08),
comemoramos a Dormição de Sant'Ana.
SANTA OLGA, IMPERATRIZ DA RÚSSIA

Grande Princesa russa,


chamada Olga antes de se
converter à verdadeira fé.

Ela recebe o nome de Helena


no batismo, em Constantinopla, das
mãos do Patriarca Policeuto.

Esposa do Príncipe Igor.


Grande “Apóstola” da fé ortodoxa
na Rússia. Adormece no ano de 969.
SANTA CRISTINA, MÁRTIR DE TIRO

Santa Cristina nasce em Tiro. Filha


de um pagão oficial de alto cargo do
Imperador, de nome Urbano.

Aos 11 anos, seu pai a tranca numa


alta torre, temendo que sua beleza
pudesse causar males a sua reputação. Ela
passa ai viver, na companhia de alguns
servos, suntuosas vestes e muitos ídolos em
ouro e prata - os quais ela deve oferecer
sacrifícios.

Seu coração não encontra espaço


para estas práticas, mas passa a admirar,
através da janela de sua torre, a beleza do
céu, os pássaros, as estrelas, a lua, o sol...
Cristina começa a desenvolver sua fé num
Deus Criador de todas estas belezas.

Nosso Deus misericordioso, vendo


sua fé, envia-lhe um Anjo, que a batiza no
nome da Cruz, iniciando-lhe na ciência de
Deus.
Cristina destrói todos os ídolos e decepa suas vestes provocando a
fúria de seu pai.

Este a leva a julgamento e a entrega as torturas. Pleno de saúde,


Urbano encontra a morte, antes de sua filha. No entanto, dois oficiais
tomam a causa: Dion e Juliano.

A coragem de Cristina por meio de paciência e milagres, em nome


do poder de Deus, converte muitos pagãos de Tiro ao Cristianismo. No
momento de suas torturas, Dion cai morto diante do povo.

Seu companheiro Juliano corta os seios e a língua de Cristina. Ela a


recolhe e joga-a contra a face do tirano, que acaba deixando-o cego.
Decapitada, rende sua alma a Deus, aproximadamente no III século.
SANTA MÁRTIR LUZIA

Tropário, t.4
Senhor, a Tua ovelha Luzia, exclama
com voz forte: Meu Esposo, é a Ti que eu
amo; para Te procurar é que eu combato e
con’Tigo sou crucificada e sepultada em Teu
Batismo. Por Ti eu sofro, a fim de reinar
con’Tigo. Por Ti eu morro, a fim de viver
con’Tigo. Acolhe como vítima sem mancha
aquela que, por amor, é imolada em Ti. Pelas
orações de Santa Luzia, ó Misericordioso,
salva as nossas almas.

Kondakion, t.2
Nós, fiéis, tendo encontrado em teu
venerável templo, lugar de espiritual
salvação, ó Mártir Luzia de grande renome,
cantamos-te a ti em alta voz: Não cesses de
interceder junto de Cristo nosso Deus, em
favor de todos nós.
ÍCONE

O ícone representa não a carne corruptível destinada à decomposição,


mas antes a carne transfigurada, iluminada pela graça, a carne do século
futuro. Ele transmite por meios materiais, visíveis aos olhos da carne, a beleza
e a glória divinas.

É por isso que os Santos Padres dizem que o ícone é venerável e santo,
precisamente por transmitir o estado deificado de seu protótipo e carregar o
seu nome, deixando presente a graça referida a este mesmo protótipo. O quê
quer dizer: é a graça do Espírito Santo que suscita a santidade tanto da pessoa
representada quanto de seu ícone, e é nesta graça que se opera a relação
entre o fiel e o Santo, pelo intermédio do ícone deste.

O ícone participa, por assim dizer, da santidade de seu protótipo e pelo


ícone, nós participamos, por nossa vez, desta santidade em nossa oração.

Ouspensky , Léonide. A teologia do Ícone na Igreja ortodoxa.


Em vez de ser primeiramente o fruto de uma intuição, o ícone
é fruto de uma TRADIÇÃO: antes mesmo de ser pintado, ele é uma
obra longamente meditada, pacientemente elaborada por
gerações de pintores.

Assim, o ícone de um mestre é como que sustentado por uma


estrutura que o condiciona e na qual cada elemento encontra o
seu lugar.

Egon Sendler
REFERÊNCIAS

Os textos das Vidas dos Santos expostos foram baseados em


pesquisas no Synaxarion Ecclesiae, em português, no Le Synnaxaire, em
língua francesa e no Prolog d'Ocrid, em língua sérvia.

As imagens dos ícones foram realizadas e fotografadas pelo Atelier


Ortodoxo São Lucas.
Atelier Ortodoxo São Lucas
Catedral Ortodoxa da Santíssima Virgem Maria
Rua Saint Roman, 226 – casa – Copacabana – CEP: 22071-060
Rio de Janeiro – RJ – Brasil / Tel: 55 21 8395-9070
E-mail: ateliersaplucas@iconart.com.br

Você também pode gostar