Você está na página 1de 69

O

CEO
ea
Secretária

(Livro I)

Elena Cadena.

ÍNDICE
Capítulo um
A Face de um cafajeste

Capítulo dois
Começando no trabalho

Capítulo três
A culpa foi minha…

Capítulo quatro
A Ressaca

Capítulo cinco
A transa Inesperada

Capítulo seis
Domingo…

Capítulo sete
A Gravidez

Capítulo oito
O Casamento do ano...
Prefácio

Robert Neto é um rico CEO que comanda o grupo de


família intitulado ‘Robert Companhia’, ele aproveita todos
os privilégios de ser multimilionário e poderoso. Um
verdadeiro cafajeste. Tudo começa a mudar quando a
engraçada e atrapalhada Luana entra em sua vida.
Os dois acabam se apaixonando. Mas Robert tem um
terrível defeito, obedece cegamente o seu pai autoritário.
Será que essa paixão sobreviverá as diferenças de classes
sociais?!
E para complementar, Marcos aparece, um homem sério,
ríspido e arrogante, e o triângulo amoroso está formado.
Quem será que a secretária Luana escolherá?!
Saiba em ‘O CEO e a Secretária – Livro 1’.

Brevemente a sequência: ‘O CEO e a Secretária – Livro 2’


Divirta-se com essa comédia romântica mesclada com
dramas reais e erotismo.

“As vezes não sabemos qual é a diferença entre o amor e a


paixão, e isso é essencial!”

Capítulo um

A face de um cafajeste….
“As vezes não sabemos qual é a diferença entre o amor e a paixão, e isso é
essencial!”
Luana persistia, mesmo com vários outros relacionamentos fracassados, ela
ainda acreditava que conheceria o ‘cara certo’, por mais que seus antigos
namorados dissessem que o problema estava nela!
Luana era uma romântica incorrigível, sonhava com um homem perfeito, seu
‘príncipe azul’ que chegaria em um cavalo branco, e a defenderia de tudo e
de todos.
Mas até agora isso não tinha acontecido, muito pelo contrário, na trajetória de
Luana havia trastes de todos os tipos, e o pior é que logo depois de
‘conseguirem o que queriam’, eles a deixavam, e ela se sentia usada, logo
parecia uma outra novidade, e o interesse deles logo acabavam.
- Mas nem todos os homens são iguais! - Pensava Luana, querendo se
consolar, sempre estava buscando…
Já fazia cerca de 5 meses que Luana estava desempregada, o aluguel estava
atrasado, as contas se acumulavam, e ninguém aparecia para ajudá-la.
Esta manhã, Luana tinha uma entrevista de trabalho, colocou sua melhor
roupa, e foi com a cara e a coragem. O cargo de secretária não lhe pareceu
pouco, já que ela tinha ambições de ser efetiva, afinal ela poderia crescer
muito na ‘Robert Companhia’, uma empresa renomada, especializada em
exportações ilimitadas. Parecia realmente, um lugar muito requisitado e
prestigiado, tudo o que ela sabia era, que o CEO da empresa tinha o mesmo
nome da empresa, ele era Robert Neto, herdeiro de uma das maiores fortunas
do país, e super jovem, ele tinha acabado de completar 30 anos, era o solteiro
mais cobiçado, várias mulheres já haviam tentado conquistá-lo, porém sem
sucesso, o cara era um total cafajeste, diziam que ele tinha uma ‘Cara de
Santo’, mas quem vê cara não vê coração. Atrizes, cantoras, famosas de todos
os tipos tentaram se casar com ele, porém o cara era difícil de se fisgar.
Mas voltando a entrevista, Luana chegava perto do prédio, eram tantos
andares, que ela até tentou contar, mas não conseguiu, parecia um lugar
luxuoso, e só pessoas bem-vestidas entravam ali, quando ia se aproximando
da porta, um homem que entrou na sua frente, segurou gentilmente a porta, e
a deixou entrar, e como ele era galanteador, 8 segundos foram suficientes,
eles se entreolharam, e lá estava Luana, apaixonada pelo cara que segurou a
porta pra ela, esse era o novo recorde dela. Se sério ele era bonito, quando
abriu um sorriso, Luana se derreteu, agradeceu mil vezes ao homem
misterioso, e ficou extremamente nervosa, tanto que sem querer derrubou o
café que o cara gentil estava levando em sua mão direita, ficando
completamente sem graça.
- Me desculpa.
- Não tem problema! É só eu trocar a gravata.
E como era linda a gravata azul dele! Gravata essa que ficou encharcada de
café descafeinado. Luana tentou demostrar que realmente sentia muito, e
pegou a ponta de sua camisa para limpar a roupa do galã.
- Eu te ajudo, e por favor me desculpa!
- Mas você também vai se sujar!
- Não tem problema!
- Eu tenho que ir agora…
- Tudo bem…
- Se você quiser, a gente pode tomar um café depois?!
- Ok.
Luana ficou pasma, e lógico, aceitou, com aquele ela iria casar, o homem
ficou fascinado com a inocência de Luana, ela era tão simples e sincera, não
fazia jogo, como as demais, ela demostrava seus verdadeiros sentimentos, se
entregava.
- Então um dia desse a gente se vê.
- É, agora eu estou indo para uma entrevista de emprego.
- Em que andar?
- No último, tenho uma entrevista para ser a nova secretária do CEO, e dizem
que ele não presta!
- Como assim?
- Bom, é o que eu ouvi.
- E o que você ouviu?
- Que o cara é um cafajeste, eu até já me preparei! Ele deve ser um
assediador!
- Eu já tenho uma opinião diferente, ele parece ser um cara bem legal.
- Então você não o conhece direito, ele usa as mulheres…
- Não acho que ele as use, ele só faz elas se divertirem!
- Bom, não foi isso que eu ouvi…
- Não acredite em tudo o que você escuta por aí, as pessoas inventam muitas
coisas…
- É, quem sabe?
- Agora de verdade, eu tenho que ir, tenho uma reunião em poucos minutos…
- Tudo bem, então tchau!
- Tchau, foi um prazer conhecê-la!
- Igualmente!
E lá se foi, como veio, doce, sincero, não fala mal dos outros, parece ser o
cara perfeito.
Luana ainda tinha que fazer a bendita entrevista, foi até o elevador, e chegou
no último andar, logo era possível ver uma recepcionista…
- Bom dia, aqui é o andar da presidência e só pessoas autorizadas podem
entrar!
- Eu vim para uma entrevista…
- Desculpa querida, mas não posso te ajudar!
- Mas eu vim até aqui para falar com a senhora Carla…
- Entendi, eu sou Kimberly, sou a recepcionista principal. Você deve ser a
nova coitada que será a secretária do chefe.
- Coitada?!
- Sim coitada, o senhor Robert é extremamente exigente.
- Só nesse mês 4 secretárias foram demitidas…
- Mas eu preciso do emprego!
- Bom querida, isso já não é problema meu. Vou te encaminhar para a Carla e
ela vê o que faz com você… Qual é mesmo o seu nome?
- Luana.
Kimberly pega o telefone e diz:
- Alô, é a Carla?
- Quem mais seria?
- Tem uma fulana aqui querendo falar com você sobre a vaga da coitada da
semana!
- Manda ela vir até aqui!
- Tudo bem.
Kimberly desliga o telefone.
-Ela pediu pra você ir até ela, Joana.
- Meu nome é Luana!
- Que seja! Sala três. A sua direita você verá um corredor.
- Ok, então obrigada!
Kimberly nem deu atenção para Luana, que vai procurar a tal sala três, ela
bate três vezes e é atendida…
- Você é a Luana?!
- Sou!
- Por favor entre e feche a porta!
- Ok!
- Bom, você está para a entrevista da vaga de secretária?!
- Isso mesmo!
- O seu currículo é até ok, mas…
- Mas o que?
- Você talvez não se encaixe no perfil da empresa?
- Como assim?
- Tem que ter boa aparência para se trabalhar em lugares requintados como
esse, e você parece um pouco desleixada, sabe?
- Eu continuo sem entender!
- Você é lenta né querida, você não é bonita o suficiente para trabalhar na
‘Robert Companhia’!
- Eu pensei que aqui não fosse uma agência de modelos, mas um Companhia
de exportações! Mas sou eu que não quero ser funcionária de uma empresa
que desrespeita assim as pessoas.
- Ótimo querida, porque você nunca vai trabalhar em uma Companhia como
essa, se enxerga! Procure o lugar que te convém!
Luana saiu com a cabeça baixa, não pensou que seria tão desrespeitada, ainda
mais daquele jeito.
As lágrimas foram inevitáveis, elas corriam pelo rosto de Luana, que estava
realmente precisando daquela oportunidade, mas é difícil viver em um mundo
em que o seu currículo não importa nada, mas sim a beleza superficial
exigida por pessoas tão vazias quanto Carla.
Luana decidiu ir até o banheiro para se recompor, para depois voltar a luta, e
ir em outra entrevista. Entre lágrimas e soluços, Luana percebe que alguém
entra lentamente no banheiro, era ele o ‘homem misterioso’ da porta. Ela se
assusta e mesmo chorando diz:
- Aqui é o banheiro das mulheres!
- Eu sei, mas eu ouvi alguém chorando e entrei para ver o que estava
acontecendo!
- É que eu não consegui o emprego!
- E por que não?
- Porque eu não tenho uma “boa aparência”!!! Eu não achei que para
trabalhar aqui precisaria ser mega bonita!
- Mas se fosse necessária ser ‘Mega Bonita’, o emprego já era seu.
Luana fica sem graça…
- Mas a responsável do Rh não achou isso!
- Quem? A Carla?!
- Sim, esse é o nome dela! Mas não tem problema eu vou tentar outra coisa!
- Não, você não vai embora! Aqui nessa empresa o que tem que valer não é a
aparência do funcionário, mas sim sua competência.
- Eu não quero trazer problemas para você, já sujei sua roupa, e agora você
pode ser até demitido por minha causa!
- Pode deixar, eu não vou ser demitido!
- E por que você tem tanta certeza disso?
O homem ri e diz?
- Eu sou amigo do chefe!
- Quem, do tal Robert?
- Ele mesmo!
- Entendi, mas mesmo assim! Não quero te meter em confusões!
- Me dê 5 minutos, espere aqui, eu já volto!
- Ok.

5 minutos depois…

Carla entra no banheiro feminino, Luana se surpreende…


- O que você está fazendo aqui?
- Antes de tudo senhorita Luana, queria pedir desculpas em nível pessoal, e
por toda a empresa! O meu comportamento foi inaceitável, e jamais deveria
falar daquele jeito com uma jovem tão estimada quanto a senhorita.
Luana fica pasma, não era a mesmo mulher que tinha falado com ela a
momentos atrás, pelo contrário, Carla parecia um cordeiro!
- E por que você está me dizendo tudo isso?!
- Recebi ordens explícitas e diretas para não tratá-la dessa maneira. Meus
superiores creem que eu fui injusta com a senhora, e que deveria me
desculpar pessoalmente, ou faria isso ou perderia meu emprego nessa
Companhia. Também vim até aqui para dizer que o emprego é seu, amanhã
poderá começar como a nova secretária do CEO Robert Neto, e terá que
cumprir todas as suas obrigações!
- Nossa! Bem que ele disse que iria resolver!
- Ele quem?
- Um amigo que eu conheci hoje quando cheguei aqui, ele me disse que era
amigo desse tal Robert.
- Amigo?
- Sim, amigo!
- Deve haver algum engano, a senhora se confundiu!
- Por que me enganei?
- Porque o homem que saiu desse banheiro e foi falar diretamente comigo, é
Robert Neto, proprietário desse prédio e diretor executivo dessa Companhia!
- O que? Luana fica espantada!
- Isso mesmo que a senhora ouviu, ele não é o amigo do chefe, ele é o chefe.
- E por que ele mentiu pra mim?!
- Creio que o senhor Robert em nenhum momento mentiu, creio que ele
omitiu o fato.
- Mas ele parece ser uma pessoa tão simples…
- Lembre-se: quem vê cara, não vê coração….

Capítulo dois
Começando no trabalho
Luana chegou em casa perplexa, não podia acreditar no que realmente havia
conhecido. Conheceu um homem podre de rico, e nem se deu conta. Ele era
um cara gentil e simples, e não parecia em nada com a pessoa que o
descreveram. As aparências realmente enganam.
Porém Luana não poderia nem sequer pensar muito naquela situação, afinal
deveria começar a se concentrar no seu emprego, não poderia deixar uma
oportunidade daquela escapar, o salário valia super a pena, e a empresa era
mega renomada, qualquer um queria ter como referência a ‘Robert
Companhia’.
Luana foi dormir com aquela imagem na cabeça, não podia parar de pensar,
estava empolgada, sentia como se o seu coração fosse sair pela boca, será que
aquilo iria durar? Não se sabia, contudo as vezes as pessoas se empolgam
com as outras, e acaba que nada acontece. Mas alguma coisa dizia a Luana,
que aquele homem marcaria a vida dela.
Na manhã seguinte…
Sempre pontual, Luana arrumou tudo com antecedência, e foi para o seu
primeiro dia de emprego. Colocou seus óculos na bolsa, e foi, chegou no
prédio e logo entrou no elevador, e lá estava ela, no último andar, as pessoas
andavam de um lado para o outro, e pareciam realmente ocupadas, papéis e
mais papéis eram visto em suas mesas, fora os inúmeros cafés que bebiam
constantemente, a equipe estava totalmente entrosada, e Luana era a novata
da vez.
Um pouco tímida a primeira vista, a secretária da diretoria viu sua mesa,
afinal só poderia ser essa, já que estava com seu nome e o nome do cargo
embaixo, um café estava em sua mesa transparente, e uma pilha de papéis,
compromissos, agendas, reuniões, tudo isso tinha que ser marcado e
coordenado por ela, parecia ser muita pressão, mas Luana parecia não se
intimidar por isso, porém agora fazia sentido dizer que aquele trabalho era
extremamente estressante.
Um computador branco, lindo, diga-se de passagem, as pessoas pareciam tão
ocupadas que nem gastavam muito tempo com sociais em intervalos de 5 em
5 minutos, aquela empresa funcionava praticamente como uma fábrica.
Luana começou a ler alguns documentos que estavam em sua mesa, doações,
faturamentos trimestrais, licenças que deveriam ser pedidas em um prazo
curto, reuniões em âmbito pessoal e profissional, encontros com “ficantes”,
sim estava escrito isso em uma das agendas, havia pelo menos nomes de 20
garotas para quem Robert ligava quando estava se sentindo “solitário”,
parecia ser bem competitivo, a secretária-executiva tinha que fazer
praticamente tudo dentro da Companhia, além de ser uma babá.
Ainda nem tinha chegado a metade do expediente, e Luana ainda não tinha
encontrado o seu ‘salvador da pátria’. Ele era muito ocupado, e parecia estar
em um evento midiático como palestrante, ‘Como ser um multimilionário
antes dos 30’, bom ele sabia como ser, afinal ele era.
Depois de um longo tempo, ele chegou olhando para a tela do seu celular,
que ainda nem tinha sido lançado no Brasil, Luana estava com um
hambúrguer e o pior, havia machado sua blusa com ketchup, isso porque o
trabalho não parava. Ela tinha que fazer 5 coisas ao mesmo tempo.
A maleta de Robert parecia estar pesada, e vários funcionários vieram
abordá-lo, ele disse que estava muito ocupado naquele momento, Luana com
seus óculos remendados (ela estava passando por um mal momento
financeiro) fingiu que não ficou abalada com a chegada dele, pois ela também
precisava ‘mostrar serviço’, ele a olhou e disse que precisava falar com ela,
Luana pegou a agenda, e mesmo um pouco destrambelhada conseguiu entrar
no escritório principal.
- Quais são as boas novas?
- Bom, amanhã o senhor tem 3 reuniões pela manhã, 2 compromissos na rua,
e quando voltar tem mais duas reuniões importantes;
- Antes de tudo, não me chame de senhor, ou eu pareço ser velho?!
- Claro que não senhor! Me desculpa, Robert…
- Assim é bem melhor, e agora voltando ao trabalho eu quero dizer que estou
muito feliz que você tenha perdoado aquela gafe da representante do RH, e
tenha ficando com a gente, quero que saiba que desejo que nós sejamos uma
bela equipe, e que possamos trabalhar juntos.
- Eu que agradeço o senhor, que acreditou em mim… E com certeza seremos
uma dupla e tanto…
- Ótimo! E voltando, quero se você poder claro, um relatório completo do
dia, eu faço isso todos os dias, é uma coisa que é muito útil, assim eu posso
controlar melhor, e faço resumos semanais também, é um velho hábito.
- Claro.
- A outra coisa é que se você quiser, a gente pode ir comer um cachorro
quente.
- Agora?
- Sim, agora! Eu preciso descontrair um pouco, tirar 5 minutos, você sabe?!
- Claro, vamos lá!
- Ótimo, te vejo em 10 minutos.
- Ok.
Luana saiu da sala, foi até sua bolsa e pegou seu kit de maquiagem de
imergência. No banheiro, ela deu um tapa no visual, escovou os dentes, e
colocou mais um pouco de perfume, só para garantir. Pensou em voz alta: -
Aposto que ele não faz isso com as outras! -
Até que foi surpreendida por uma mulher que estava no banheiro.
- Não faça isso!
- O que?!
- Eu escutei o que você disse!
- E o que foi que eu disse?!
- Você está se maquiando toda, colocou perfume, e está com essa cara ‘Estou
disponível e a gente pode até transar, mas antes eu quero um anel no meu
dedo!’
- Eu não estou tão desesperada assim!
- Eu sei querida, ele causa esse efeito nas mulheres, e todas elas sonham em
fisgar um homem rico, bonito e jovem! Ele te chamou para ir comer um
cachorro quente?!
- Sim.
- Droga! Antes de tudo, saiba que isso é um teste!
- Um teste?!
- Sim um teste. Ele vai te levar para comer um cachorro quente, e se você
ceder, bom… amanhã você estará no olho da rua, ele não mistura assuntos
profissionais com assuntos pessoais! Afinal, isso não faz bem para os
negócios!
- Mas eu achei que ele estava sendo simpático comigo!
- Todas acham isso, mas lembre-se, se quiser passar no teste e manter o seu
emprego, fique longe dele! Não esqueça que está mais difícil arranjar um
emprego hoje em dia, do que um marido!
- Tudo bem, eu consigo superar isso! E qual é o seu nome?!
- Me chamo Sara, eu trabalho no setor 4, qualquer coisa, é só me chamar! E
não fique assim, poderia ser pior, ele poderia deixar a carteira dele cair, e
você não devolver, seria justa causa. Mas se você for esperta mesmo, deixe
ele te assediar, isso rende muito mais, tô brincando e eu nunca disse isso!
Luana ri, e decide ir para a tal ‘descontração’ com o chefe. Quando ela chega
em sua mesa, ele já está a esperando, com um sorriso matador no rosto, ela só
fica mais desconfiada.
- Estava te esperando!
- Eu já estou pronta!
- Você está linda.
- Obrigada! Então vamos?!
- Claro, vamos!
Eles entraram no elevador e não disseram nada em quanto desciam todos
aqueles andares.
Havia uma barraquinha de cachorro quente logo em frente ao prédio, os dois
vão até lá, Robert faz o pedido e eles se sentam em uma praça para comerem.
- Você parece está incomodada com alguma coisa?!
- Não, eu sou só um pouco tímida!
- Sempre achei que as tímidas tinham um encanto especial, não sei te
explicar, elas sempre pareceram mais interessantes.
- Só se for no seu mundo, as garotas tímidas sofrem muito, principalmente na
época da escola!
- E quem é que não sofre na época da escola?! Aquilo parece uma selva de
pedra!
- Isso é verdade! Mas deve ter sido diferente pra você, o senhor sempre foi
rico!
- Sim, mas poucas pessoas sabem que a ‘Robert Companhia’ começou
pequena, meu avô passou fome, e todas as dificuldades da pobreza extrema,
por isso hoje nós damos muito valor a tudo aquilo que conseguimos. Eu sou a
terceira geração, meu avó era Robert, meu pai o Robert Filho, e eu sou o
Robert Neto…
- Nossa! Quanto Robert! E o próximo, vão chamar de tataraneto?
Os dois riem, e começam a caminhar…
- E você, como foi parar nessa empresa?!
- Eu estava desempregada, um pouco endividada e essa oportunidade surgiu.
- Foi um prazer empregá-la!
- O prazer foi todo meu!
- E o seu namorado, o que ele acha disso?!
- Não sei! Até porque eu não tenho um namorado!
- Nossa! Eu pensei que você fosse comprometida!
- Não, não sou! Meu último namorado fugiu com uma das amigas de
infância…
- Meus Deus! Como assim?! Amiga de infância! Puxa!
Os dois dão gargalhadas!
- Ainda bem que eles fugiram juntos! E o que você deseja para eles?
- Eu queria ser uma pessoa evoluída e desejar felicidades, mas aviões caem,
acidentes de carros acontecem, tijolos caem de prédios em construção…
Robert ri alto, e todos em sua volta reparam…
- Você é engraçada!
- Não acho, prefiro o meu papel de tímida!
- Mas para o castigo ser melhor, o avião onde os dois estivesse poderia cair
em cima de um carro, e tijolos atingiram a aeronave, e só os dois morrerem!
- Começo acreditar em telepatia, pois nos meus sonhos exatamente isso
acontece!
Os dois se entreolham, riem e o clima está no ar, porém Luana continua
mantendo a distância, afinal ela quer passar no teste, depois de andarem mais
um pouco Robert decide comprar dois sorvetes…
- E foi só essa vez que você foi traída?
- Não, isso acontece o tempo todo, as vezes achava que o problema estava em
mim. Mas a minha psicóloga disse que eu não tenho culpa se essas pessoas
não possuem caráter.
- Gostei, mas por que você vai na psicóloga?!
- Bom, quando o meu noivo e a minha irmã se casaram…
- O que?
- Sim eles se casaram, eu, digamos, tive um pequeno colapso, nunca pensei
que isso poderia acontecer, e foi quando tive que procurar ajuda profissional!
- Você só pode estar de brincadeira?!
Luana sorri e disse:
- Não estou, foi verdade! No fim do mês passado os dois tiverem o terceiro
filho, quero dizer, filha e colocar o nome da menina de Luana, em minha
homenagem…
Robert não se contém…
- E eles acharam que se colocassem o seu nome no bebê, isso solucionaria as
coisas?!
- Sim, foi o que eles fizeram. Não posso nem ao menos desejar o pior, afinal
ela é minha irmã, mas…
- Mas o que?
- Os três partos foram normais, e todos doeram muito, me sinto satisfeita…
- Verdade, três parto normais é o castigo perfeito!
- Eu sei disso!
- Temos que voltar agora!
- Tudo bem!
- Eu gostei de sair com você. Se você quiser, a gente pode marcar um jantar
amanhã?!
- Amanhã?
- Sim, amanhã!
- Não posso, amanhã tenho outro compromisso a noite!
- Claro, eu entendo.
Robert fica um pouco frustrado, mas Luana tem que seguir o protocolo. Os
dois entram novamente no prédio e em seguida no elevador, o chefe começa
a puxar assunto…
- Foi bem legal!
-É, eu também gostei!
- Você é uma boa pessoa!
- Obrigada.
Luana concordava com a cabeça…
- Eu só quero dizer que espero que você fique muito tempo com a gente.
- Juro pela minha irmã…
Os dois riem, até que Robert tem uma atitude inesperada, puxa a blusa de
Luana e dá um beijo nela, que corresponde, ele encosta ela na parede do
elevador, e passa a mão debaixo da saia dela, porém a voz de Sara atormenta
os pensamentos de Luana, que não consegue se entregar ao momento - Passe
no teste! Passe no teste! - Até que a secretária se afasta e dá um tapa na cara
de Robert.
- O que foi isso?
- Isso senhor, é assédio!
- Mas no início você correspondeu!
- Não, eu não correspondi, apenas fiquei sem reação! Não achei que o senhor
faria uma coisa dessas!
- Mas, mas eu achei que tivesse rolado um clima entre nós! Jamais eu faria
isso, se você não tivesse me dado abertura!
- Abertura?! Eu?! Eu apenas estava sendo simpática, afinal você é o chefe!
- Então você só me tratou assim, e disse aquelas coisas, porque eu sou o seu
chefe?!
- Eu não disse isso!
- Disse sim!
- Não, eu disse que estava tentando ser gentil, pois você é o meu superior! Eu
só queria passar no teste!
- Que teste?!
- Não se faça de santo! Eu sei que você testa as secretárias, e se elas cederem
você coloca elas no olho da rua!
- Meus Deus! Quem disse isso pra você?! Eu nunca fiz isso! Eu, de verdade,
te chamei porque me pareceu uma pessoa legal! Não existe teste nenhum!
- Ok, eu vou passar no RH e pedir minha demissão!
- Não! Eu não vou te demitir! Afinal eu preciso de uma secretária
competente!
- Mas eu só trabalhei aqui um dia!
- Mas eu já percebi que você é uma funcionária competente! Por isso quero
que você permaneça! Contudo a partir de agora, vamos manter nossa relação
apenas no nível profissional!
- Tudo bem!
- Ótimo!
O elevador chega….
Luana não consegue acreditar no que fez, deu um tapa na cara do chefe
depois dele ter a beijado, parecia uma situação bem constrangedora, ainda
mais para um primeiro dia. A secretária tentou acabar bem o dia de trabalho,
e resolveu esquecer por alguns momentos do ocorrido. Mas, ela ainda não
tinha pedido desculpas para Robert, e tinha que fazer aquilo, estava se
sentindo mal. Luana foi até o banheiro, e retocou novamente a maquiagem,
quando voltou, decidiu ir até a sala do chefe. Ela até pensou em bater na
porta, mas ele poderia estar ocupado, e não gostaria de ouvir barulhos.
Quando Luana entrou, viu Sara em cima da mesa com a blusa aberta, e
Robert com o zíper da calça aberto, uma imagem valem mais que mil
palavras para descrever, tudo aconteceu muito rápido, os dois nem se deram
conta que Luana estava ali, e ela saiu bem devagar, fechou suavemente a
porta, ela se sentiu destroçada, além de se sentir uma burra, caiu direitinho na
armação de Sara, e todo aquele papo de ‘teste’.
Ela foi até a sua mesa, pegou suas coisas, desligou o computador, e apagou a
luminária da mesa, e foi embora dali… triste, pois querendo ou não, já estava
gostando dele.
Capítulo três

A culpa foi minha…


Luana foi para casa, e não conseguia se perdoar – Que Vergonha- pensava!
Não conseguia se perdoar, uma mulher de vinte e tantos anos cair naquela
historinha?! Era inaceitável. Em sua cama, Luana se revirava e pensava ainda
mais, a competição feminina era dura, mas Luana admitiu: - A culpa foi
minha!
O beijo, ai o beijo, o cara tinha lábios doces, e uma língua que fazia os
movimentos certos, tudo parecia se encaixar, inclusive quando ele passou a
mão debaixo da saia dela, sabe-se lá o que aconteceria, se ela deixasse rolar!
A atração, era forte, mas Luana sabia que talvez, um cara daquele não ficaria
com ela, a secretária tinha uma visão bem modesta sobre si mesmo. Nunca
antes, ela tinha ficado com um cara de uma classe social diferente da dela, e
isso a intimidava.
Talvez Luana fosse apenas mais um passatempo para Robert, que via as
mulheres como as cartas de um baralhos, as tinha e depois as descartava, mas
será que uma conexão forte não poderia surgir entre os dois?! Agora era
tarde, Luana também não gostava de ser vista como mais uma, Robert tinha
muito poder, isso é certo, mas ele não tinha o direito de usar e jogar fora, a
secretária estava cansada de encontrar caras desses tipo, embora Robert
tivesse um charme peculiar em seu jeito, e também fosse simpático, e
humilde, características que são difíceis de encontrar em chefes, ainda mais
naquela posição.
Luana decidiu, também iria ter uma relação estritamente profissional em seu
trabalho. Deixaria suas ideias românticas de lado, pois só atrapalhavam.
No dia seguinte, fez o mesmo trajeto, parecia que estava trabalhando ali a
meses, e era só o seu segundo dia. Tentou fazer tudo certo, cumprimentou o
porteiro, chegou e disse bom dia a recepcionista Kimberly, e seguiu até a sua
mesa, como se nada tivesse acontecido no dia anterior. Ligou seu
computador, foi até a sala de Robert, e deixou todos os compromissos do dia
na mesa dele. Depois das reuniões, o chefe chegou, e chamou Luana…
- Por favor, na minha sala.
Luana chega na sala, e os dois se entreolham por alguns instantes, e depois
voltam ao mundo real.
- O que houve com os seus óculos?
- É que ele quebrou e eu não tinha como comprar um novo, tive que
remendá-lo.
- Entendi, nem dá pra perceber, parece que você fez de propósito, para
parecer mais legal do que realmente é!
Ela ri…
- Por que o senhor me chamou?!
- Bom, não foi para discutir sobre o tapa que você me deu ontem!
- Eu pensei que isso tivesse superado?!
- E está! Mas nunca se sabe, vai ver você gosta de estapear as pessoas
inocentes, como eu?!
- Entendi! Mas o que o senhor deseja?!
- Eu tenho um compromisso chatíssimo essa noite, é uma social do trabalho,
e como você é a minha secretária, bom… você tem que ir comigo!
- Uma social?!
- Sim.
- Entendi! Mas eu não estou nem tão bem-vestida assim…
- Que isso, você está ótima! E afinal, só ficaremos alguns minutos, é só pra
marcar presença mesmo! E depois vamos embora!
- Se é assim, que horas nós vamos?!
- As 7, esteja pronta!
- Não preciso ficar pronta, porque eu já estou pronta!
- Ótimo, é assim que se fala! Te vejo as 7! E não se esqueça que isso não é
um teste!
- Parece que o senhor não vai esquecer isso!
- Vai ser difícil.
Luana volta para sua mesa, ajeita algumas coisas, e promete que não vai
beber nessa festa, bebidas alcoólicas e Luana não podem se misturar, é uma
combinação perigosa.
Chega as 7 horas, e Luana vê que Sara passa e entra no escritório de Robert, a
secretária vai atrás, quer saber o que ela foi fazer lá.
- Já estou pronta Robert?
Diz Sara retocando o batom.
- Hoje não é você que vai Sara!
- Como assim?! Eu sempre fui nas sociais com você!
- Mas hoje a Luana vai me acompanhar, eu preciso de uma secretária ao meu
lado!
- Tudo bem como você quiser!
Sara olha para Luana com se a tivesse fulminando com os olhos, e a
secretária diz bem devagar…
- Estou pronta chefe!
- Ok, vamos, não quero me atrasar!
Os dois descem, Robert abre a porta para Luana, e lá fora os dois vão em
direção a um carro.
- Pra onde você está indo?
- Pro meu carro!
- Nós vamos no seu carro?!
- Sim, qual é o problema?!
- Não sei, isso não é pessoal demais?
- Claro que não!
- Eu posso ir de táxi!
- De jeito nenhum, nós vamos no meu carro, assim economizamos tempo!
Acredite, eu não vou tentar nada!
- Tudo bem, vamos no seu carro!
Luana entra no carro de Robert, e Sara observa tudo de longe! De longe os
dois parecem até namorados apaixonados.
Chegando na ‘social’, há muitas pessoas, mas quase não dá para ouvir o que
elas diziam, pois o som está bem alto. Luana se sente um pouco incomodada
e Robert percebe, nesse momento passa um garçom que estava servindo
champagne, e ele pega duas taças, uma para ele e outra para ela.
- Aqui, toma você vai se sentir mais relaxada!
- Eu não posso beber!
- E por que não?
- Eu me transformo em outra pessoa quando bebo!
- Eu não sabia disso!
- Agora sabe!
- Mas só uma tacinha não vai te fazer mal!
- Tem certeza?
- Absoluta!
- Tudo bem!
Luana tomou a primeira taça, e ela não deveria ter tomado, depois daquela
dose, ela tomou, outra e outra e outra! Estava razoavelmente bêbada, porém
foi suficiente para soltar o outro lado da personalidade dela! Solta, louca,
descolada e dançarina, em questões de poucos minutos, Luana estava
dançando em cima da mesa, e Robert estava a observado, encantado. Ele não
esperava que ela guardava aquilo tudo dentro de si! Era realmente
impressionante! Os empresários que estava conversando com Robert
disseram:
- Onde você encontrou ela?
- Ela que veio até mim.
- Ela é ótima!! Secretária no horário normal, e dançarina nas horas extras!
- Nem eu sabia disso!
Luana continuava bebendo, e rebolando, até que um homem a chamou em
um canto, e colocou uma nota dentro da blusa dela!
- Eu não sou garota de programa!
- Quanto você cobra?
- Eu já disse que eu não sou prostituta! Dá pra me soltar!
- Você veio com o Robert, deve ser acompanhante dele!
- Não, eu sou a secretária dele, e hoje é o meu segundo dia!
- Secretária?! Sei! E você faz o serviço completo?!
Luana empurra o cara, e Robert percebe que está se aglomerando pessoas, e
ouvi gritos!
- Eu já disse pra você me soltar!
- Tudo bem querida, não precisa ficar brava assim!
Robert chega e pergunta para Luana o que está acontecendo?! E ela responde:
- Esse cara, ele tá achando que eu sou garota de programa, só porque eu
estava dançando!
- O que?!
- Isso mesmo!
Robert olha para o cara e diz:
- Está havendo uma confusão, ela é minha secretária, e está aqui para me
auxiliar!
- Fala sério Robert, isso é uma festa! E não uma reunião de trabalho! E, aliás,
ela é bem gostosinha!
Robert se vira e dá um soco no sujeito que cai na hora, Luana comemora!
- É isso aí! Quebra a cara desse idiota! Garçom me traz mas uma bebida! Que
essa festa está ótima!
- Luana vamos embora agora! Essa festa já acabou!
- Pra quem? Porque pra mim ela só está começando!
Robert pega Luana no colo, e a leva até o seu carro!
- Meu Deus! O que foi aquilo?!
- O que? Diz Luana.
- Você definitivamente não pode beber! Você fica louca! Sai de si! Perde o
controle! Não se parece em nada com aquela santa!
- E por que você acha que meus ex-namorados me abandonavam? Eles se
apaixonaram pela louca aqui, mais não me aguentavam quando eu ficava
sóbria! Por isso me deixaram!
- Eu não acredito nisso!
- Por que não?! Eu sou insuportável sóbria!
- Não, não é! Você é apaixonante!
- Nossa, que brega, o que o cara não faz por uma transa?!
Os dois riram, e Robert colocou Luana no carro, e levou até em casa…
- Aqui, é o 62, bom você está em casa.
- Isso mesmo, minha casinha!!!!
Luana tenta sair do carro, mas não consegue abrir a porta…
- Você precisa de ajuda?!
- Não, eu consigo!
Luana tenta três vezes, mas sem sucesso, até que Robert abre a porta e quase
que ela cai, mas ele a segura…
- Está tudo bem?
- Sim, eu estou ótima!
- Eu vou e ajudar!
- Tudo bem!!!
O chefe tenta levar a secretária até a porta, mesmo com muita dificuldade!
- Ai, eu estou com vontade de correr! Vamos correr?!
- Não, nós não vamos correr, você vai entrar agora, e dormir! Amanhã você
corre!
- Mas eu quero correr agora, e nua!
- Definitivamente você precisa de uma noite de sono!
- Eu já te contei que minha irmã se casou com o meu noivo!
- Já, e você foi homenageada, sua sobrinha divide o mesmo nome com você!
- Isso é verdade! Meu Deus que brega! Duas Luanas, como vai ser, vão
chamar Luana, e nós não vamos saber quem é!
- Isso é um problema bem grave!
- Sim, a não se que a chamem de Lulu, Lu ou Luluzinha!
- Você é ótima em arranjar soluções!
- Eu sei.
Luana tenta colocar a chave na fechadura, mas também não consegue!
- Você precisa de ajuda?
- Não, tudo bem, eu vou acertar!
Luana não consegue!
- Meu Deus! Nunca foi não difícil abrir essa porta!
- Posso tentar?!
- Claro!
Robert consegue!
- Você parece ter experiência em acertar coisas nos alvos certos!
- Realmente!
- Então é isso!
- É isso!
- Você vai conseguir ir até a cama?
- Vou!
- Então é isso!
-É!
- Ótimo!!!!!!!
- Se você quiser, a gente pode transar?!
Robert fica espantado, não esperava aquela proposta de Luana!
- Mas você está bêbada?!
- É assim que eu faço as melhores coisas, bêbada!
- Você tem certeza?!
- Eu queria muito transar com você agora!
Luana dá um beijo roubado em Robert, que a princípio resiste, mas depois
acaba cedendo, ele pega a bolsa dela abre a porta, e depois a fecha, enquanto
a pega no colo, e continua a beijando, ele a encosta na pilastra, e os dois se
beijam atrapalhadamente, afinal Luana está bêbada, mas mesmo assim, os
lábios se tocam de maneira delicada e apaixonada.
Robert tira os sapatos, e Luana começa abrir a blusa, os dois continuam se
beijando! Até que o chefe a coloca em cima da mesa, e tira a saia dela, eles
vão retirando tudo do caminho. Mas...
- A camisinha?
- Você tem uma?!
- No banheiro, dentro do armário!
- Ok, no armário! Eu vou lá pegar!
- Enquanto isso eu te espero na cama! Diz Luana!
- Tudo bem! Eu vou pegar a camisinha e já volto!
Robert corre para o banheiro, abre o armário e acha a única camisinha que
tinha! Enquanto isso Luana está na cama, e pega no sono… Robert, ainda na
adrenalina volta, mas percebe que a ‘louca’ apagou. Ele a cobre, acaricia seu
rosto, pega seus sapatos e vai embora fechando a porta!

Capítulo quatro
A Ressaca
Na manhã seguinte Luana acordou com muita dor de cabeça, parecia que um
ciclone tinha passado pela casa, e pouco a pouco ela foi se lembrando da
noite anterior.
- Droga! Não acredito que eu fiz isso!
Mas tinha feito, ela jurou que teria apenas uma relação profissional com o seu
chefe, e algo a mais aconteceu, quem mandou ela soltar aquela louca?! Ela
mantêm essa personalidade guardada a sete chaves, pois sabe que ela é
perigosa, mas agora isso não importa, ela tinha que se recuperar daquela
ressaca, e encarar mais um dia de trabalho, na verdade seria o terceiro.
Tomou um remédio para dor de cabeça, colocou os sapatos, pegou seus
óculos remendados e já estava saindo, quando percebeu que a camisinha
estava fechada em cima da mesa!
- Meus Deus! O que eu fiz ontem?!
Mas a melhor pergunta seria: ‘O que ela deixou de fazer na noite passada?’,
pois não havia acontecido nada.
Atrasada, desconjuntada e de ressaca, Luana custava para fazer coisas que
normalmente ela faria com tranquilidade.
Chegou ao prédio ‘Robert Companhia’, e percebeu que havia um burburinho,
- Claro, na festa de ontem, eu devo ter dado um show -
E coitado de quem não comprou ingresso, pois perdeu uma festa e tanto,
bebidas, danças e discussões, realmente, o show foi completo. Luana pegou o
elevador e chegou até o andar presidencial, na recepção Kimberly falou para
a secretária:
- A festa foi boa!
- Não sei do que você está falando?!
- É isso aí, as melhores festas te deixam com amnésia.
Luana resolveu ignorar Kimberly e ir direto a sua mesa, e mais uma vez a
olhavam de uma maneira estranha. Os comentários não cessavam, e a
secretária só queria se esconder atrás da sua mesa.
Apesar disso, tentou levar o seu dia como se nada tivesse acontecido, e jurou
para si mesma que entre ela e o chefe, não haveria mais nada, isso não era
possível, ela era novata na empresa, e já tinha acontecido aquilo tudo! Qual
era a surpresa que o terceiro dia aguardava?!
Robert já estava em seu escritório, tinha chegado cedo, telefonou para Luana,
e solicitou sua presença, junto com os relatórios e a agenda do dia.
A secretária entrou, olhando para baixo, estava se sentindo envergonhada…
- E a ressaca?
- Eu não estou de ressaca!
- Pela quantidade de álcool que você ingeriu ontem! Era pra estar com uma
dor de cabeça insuportável.
- Não senhor, estou muito bem!
- Que bom… E você se lembra do que aconteceu ontem?
- Sim senhor….
- E o que aconteceu?
- Eu bebi, e fiz besteiras, que eu nunca faria se eu estivesse sóbria.
- Tem certeza que você nunca faria?
- Absoluta, mas antes de tudo quero dizer que o senhor me incitou a beber, eu
havia alertado que o meu consumo de bebidas alcoólicas era altamente
perigoso!
- Agora a culpa é minha? E pra falar a verdade, eu não vi nada de mais, você
fica ainda mais divertida, solta, um pouco louca, e mais liberal.
- Não senhor, eu sou um perigo, mas eu quero esquecer o que aconteceu
ontem, e eu peço que o senhor faça o mesmo, se não pudermos ter uma
relação profissional, creio que será impossível minha permanência nessa
empresa, apesar claro de estar gostado muito de trabalhar aqui.
- Tudo bem, se é assim que você quer! Eu vou respeitar a sua decisão!
- Ótimo, podemos voltar para o trabalho?!
- Sim.
Robert se sente rejeitado por Luana mais uma vez.
- O senhor tem compromissos em quatro lugares só hoje, além de ter que
começar o balanço trimestral, também deve ver as cotações das ações da
empresa, e administrar e divulgar alguns pontos da política social da ‘Robert
Companhia’ para os funcionários!
- Tudo bem, isso vai ser no auditório?!
- Isso mesmo! Então agora eu vou voltar para a minha mesa, deseja mais
alguma coisa?
- Sim, eu comprei uma coisa pra você.
Robert abre a gaveta e tira uma caixinha lá de dentro.
- Eu comprei um óculos pra você, porque acho que você vai trabalhar melhor
com eles, sabe?! É uma coisa estritamente profissional!
- Estritamente profissional?!
- Exatamente, estritamente profissional!
Luana abre a caixa.
- Mas, esses óculos devem ser caríssimos?!
- Não, foram bem baratos!
Era uma mentira, os óculos foram caríssimos!
- Jura?
- Juro! Você gostou?
- Claro, achei lindo!
- De verdade?! Robert ri, apaixonado.
- Sim, eu já tinha visto na ótica, mas a situação estava um pouco crítica pra
mim.
- Entendo, mas o importante é que você gostou?!
- Sim, eu amei! Vou voltar para o trabalho!
-Ok, te vejo no auditório mais tarde.
- Te vejo lá…
Luana voltou para sua mesa, e logo estreou seus óculos, e como eles eram
confortáveis, parecia ser realmente feito pra ela.
As horas foram passando, e os funcionários foram se encaminhando para o
auditório, a palestra iria começar dentro de poucos minutos, todo mundo já
estava entediado, ‘novos pontos na política social da empresa’, parecia ser
bem chato, mas protocolo é protocolo, e todos tinham que estar presentes.
Lá estava o ‘data show’, e um cara ajeitava os últimos detalhes, os primeiros
palestrantes foram se apresentando, e o último a fazer sua conferência, seria o
CEO Robert Neto.
Duas horas depois, todo mundo já estava dormindo nos bancos, até que a
entrada do chefe foi anunciada, fazendo todos despertarem dos seus cochilos,
e obviamente ele foi muito aplaudido, era o chefe, essas rituais de puxa-sacos
da vida social são bizarros. Luana estava em um canto, Sara está no palco
com Robert, e também com o microfone, mas o que ninguém esperava, era o
que Sara iria fazer.
- Atenção! Queridos funcionários! Hoje além da ‘política da empresa’, vocês
poderão assistir um show ao vivo e a cores, uma secretária novata bebeu um
pouco a mais na noite anterior e deu um vexame na social. Tanto que o chefe
teve que detê-la, solta o vídeo Fernando.
Em questão de segundos, aparece na tela um vídeo de Luana dançando em
cima da mesa, e bebendo todas, imediatamente todos começam a olhar para
ela, que tenta se abaixar na cadeira, ela, nesse momento, está morrendo de
vergonha!
Sara morre de rir, junto com os funcionários que estavam dentro daquele
auditório, Luana estava sendo ridicularizada. Até que Robert fala em um tom
acima do normal.
- Fernando, para esse vídeo agora!
Todos param de rir, inclusive Sara.
- Ontem eu e a senhorita Luana, fomos em uma social, e nos divertimos
muito! Não vejo a graça que vocês acharam nesse vídeo! Só vejo uma pessoa
se descontraindo, afinal é para isso que serve as festas, ou não?
Ela foi a protagonista da social, e nós sabemos que quando se é protagonista,
isso incomoda muita gente.
Robert olha para Sara nesse momento.
- Mas continuando, quero e exijo, isso é uma ordem, que vocês respeitem a
senhorita Luana, ela é a minha secretária, e se ela me disser alguma coisa que
vocês fizeram, fazem ou farão contra a sua pessoa, não vai me importar se
esse funcionário esteja trabalhando a trinta anos aqui, será despedido! Essa
ordem está clara para todos aqui?!
Se ouviu um harmônico sim.
- E quero dizer senhora Sara, que essa foi uma brincadeira de péssimo gosto,
e espero que não se repita!
- Sim senhor!
-Ótimo, agora vocês estão liberados, acho que por hoje foi o suficiente!
Todos começam a sair do auditório, e Robert chama Luana no seu
escritório….
- Nossa, até eu fiquei com medo de você!
Robert ri…
- Você viu a cara deles quando eu falei “não importa se o funcionário trabalha
aqui a 30 anos, será despedido”?!
- Vi, eles ficaram aterrorizados! Mas por que você me defendeu?!
- Isso é simples, porque eu gosto de você!
- Gosta de mim, de que jeito?
- Como secretária, é óbvio!
Robert disfarça.
- Obrigada!
- Disponha! E como você vai pra casa?
- Vou de ônibus!
- Se você quiser, eu posso te levar?!
- Acho melhor não! Assim a gente mantêm o distanciamento do
profissionalismo!
- Entendo! Tudo bem!
Luana vai embora, e depois Sara entra no escritório de Robert:
- Oi chefinho, me desculpa!
- O que você está fazendo?!
- A gente pode fazer coisas legais aqui!
- Não tô afim Sara!
- Como assim?! Nós já fizemos tantas coisas aqui mesmo, e você sempre
gostou!
- Mas hoje eu não quero, será que você não entende?!
- O que foi?! Foi por causa do negócio do auditório?! Eu já pedi desculpas!
- Não foi só por isso! Foi muito legal enquanto durou, mas acho que vamos
parar por aqui!
- Você está me dando um fora Robert?!
- Não é isso, só estou dizendo que o nosso lance acabou!
- E qual vai ser o próximo passo, você vai me despedir?!
- Não Sara, você é uma ótima funcionária, só estou dizendo para manter
nossa relação estritamente profissional!
- Agora você quer uma relação profissional?! Você sempre faz isso Robert,
procura as mulheres, conquista elas, as usa e depois as joga fora, assim com
uma facilidade absurda!
- Isso não é verdade Sara!
- Claro que é, ou você se esqueceu?! Foi você que me procurou!
- Eu sei disso!
- Mas claro, agora eu não sou mais uma novidade! O que? Agora você quer
comer quem?! É a secretária, não é?!
- Sara eu não estou te rejeitando por ninguém!
- Claro que está, antes você saia com todas, mais desde que essa garota
chegou aqui, você mudou!
- Eu mudei?!
- Sim, parece um idiota quando está do lado dela, parece até estar
apaixonado!
Sara começa a chorar!
- Eu não estou apaixonado por ninguém Sara!
- Claro que está, está escrito na sua cara! E deve ser paixão mesmo, porque
ela só trabalha aqui a três dias! E olha como você está! Ela te enfeitiçou!
- Sara não complique as coisas!
- Eu estou complicando as coisas?! Eu só estou apaixonada por você, e sabe
como é difícil você ver a pessoa que você gosta, apaixonada por outra?!
- Não estou apaixonado por ela! Ela é apenas minha secretária!
- É por que ela é pobre?! O que você viu nela, o que gostou tanto?!
- Acho melhor nós pararmos por aqui?!
- Tudo bem, eu não vou mais incomodar você! E obrigada por me dar um
fora, mas ser tão gentil e manter o meu trabalho! Realmente, você é um cara
super legal!
- Me desculpa Sara!
E Sara vai embora, Robert ajeita suas coisas, e vai para sua casa, toma um
drink, tira a gravata e pensa em Luana, senta no seu sofá e se questiona:
- O que está acontecendo comigo?!
Toma outro drink, e decide ver o vídeo de Luana na festa, dançando, ele ri!
- Que sensação é essa?!
Um calafrio, coração acelerado, mãos suandas, e não consegue parar de
pensar na pessoa!
Robert estava apaixonado pela primeira vez, mas ainda não sabia disso! Mas
o que ele se questionava, era como aquilo aconteceu tão rápido, ele a
conheceu faz pouquíssimos dias, e mesmo assim parecia que a conhecia de
toda uma vida.
O beijo! E que beijo! Robert não conseguia esquecer o que tinha acontecido,
Luana era destrambelhada, não sabia exatamente o que queria, e era
completamente confusa, mas mesmo assim, o chefe a admirava, admiração é
um dos primeiros sinais da paixão, empatia é outro, será que ele não se deu
conta? E o pior é que ele não percebeu, para ele era uma atração forte, e que
em algum momento iria passar.
Já na casa de Luana, ela fazia planos, “quem sabe, daqui a dois eu não junte
um bom dinheiro e saia de lá?! Sim porque com as comissões e horas extras,
meu salário quase dobra! E com esse dinheiro, eu posso viver por quase 6
meses!”
Luana sempre foi romântica, mas dessa vez era diferente, a coisa era forte de
mais, e chegava a dar medo, ela temia um envolvimento muito grande, pois
assim também a decepção seria grande!
Luana estipulava um tempo! Quando alguém partia seu coração, ela
demorava em média 5 meses para se recuperar, ela curtia a deprê, via filmes
extremamente dramáticos, comia sorvete sem parar, dizia para si mesma que
nunca mais iria se apaixonar, negava, falava que o cara não prestava, e
voltava a se reergue, até o próximo vir, e ela fazer tudo aquilo novamente.
Mas Robert era diferente, por mais que pensasse não conseguia calcular
quanto tempo ela demoraria para se recuperar, e olha que essa é a primeira
coisa que ela faz quando vê um homem, calcula quanto tempo vai demorar
para esquecê-lo.
(Aquele é médio, em 3 meses eu me esqueço, já aquele é acima da média, 5
meses ainda não seriam suficiente, já aquele é um cafajeste, talvez sete meses
bastassem, porém duvido muito, esses sempre são os mais difíceis de se
esquecer).
Robert era uma incógnita, mas para não se machucar, Luana terá que se
preservar, colocará o emprego em primeiro lugar.
Foi até o espelho do banheiro e jurou:
- Ele é gostoso, mas não vale o esforço!
Ele é gostoso, mas não vale o esforço!
Ele é gostoso, mas não vale o esforço!
Repetiu aquela frase até virar uma verdade na sua cabeça…
Será que vai funcionar?

Capítulo cinco

A transa Inesperada
Ainda bem que era sábado, nada de trabalho, um dos melhores dias da
semana. Luana acordava no sofá, fazia frio, o que mais ela poderia fazer?!
Dormir, primeiro dormiu na cama, depois foi para o sofá, e dormiu mais um
pouco, em seguida pulou para o sofá menor, e também tirou mais um cochilo.
De pantufas e pijama, ela foi até cozinha e preparou um pouco de pipoca,
ligou a televisão, e foi ver o que tinha de bom para ver, escolheu uma
comédia romântica, que iria começar em 5 minutos, dava tempo dela ir ao
banheiro e fazer xixi, e depois voltar para o sofá e se divertir um pouco!
Ela viu o filme, e adorou, aquela sensação que fica depois de ver um filme
que se gosta. Após a sessão cinema, resolveu escutar um pouco de música,
bem alta, e dançou, até não ter mais energia.
Tomou banho, e era hora de ler alguma coisa, que tal um romance?! E foi
essa a sua escolha, Luana tinha um dom, lia sem parar, desde que começou a
primeira página, ela não para, e vai até a última, ela sempre gostou de
concluir as coisas rapidamente! Ela riu, chorou, ficou com raiva, não
concordou com a autora, dizia: “Mas ele deveria ter ficado com ela! Não
consigo aceitar isso!”
Já era noite, quando finalmente chegou a pizza que ela estava esperando,
quentinha, além da porção de batatas fritas e o molho especial que vinha
junto, e de graça!
Comeu, ela estava faminta! Depois deitou mais um pouco no sofá, estava um
pouco entediada, e lembrou-se que tinha uma garrafa de vinho no armário da
cozinha. Mas ela não poderia fazer aquilo! Quando ela bebe, perde totalmente
o controle.
Mas ela estava tão entediada, só beberia um pouco, e afinal de contas, ela não
sairia. Tudo iria dar certo, ela beberia um pouco, e depois iria dormir!
Abriu o vinho, pegou uma taça e a encheu, tomou tudo, até que ela escuta
uma campainha tocar…
- Quem será essa hora?
Ela foi até a porta para ver quem era, e aí a surpresa, era ele…
- Você?
- Eu!
- O que você está fazendo aqui?!
- Bom, eu estava um pouco entediado, e queria solucionar algumas questões
de trabalho, sabe?!
- Agora?
- Sim, mas claro, se não for incomodar?!
- De jeito nenhum, você é o chefe!
- Sou? Sim sou!
- Entra!
- Você já está de pijama?!
- Na verdade, eu nem tirei o pijama hoje!
- Por que não?
- Porque hoje é sábado, e sábado você dorme o dia inteiro!
- Eu estou sentindo um cheiro de vinho, ou é impressão minha?!
- Não, eu bebi uma taça, sabe?! Estava um pouco entediada também, e queria
me divertir um pouco!
- Eu também queria me divertir um pouco!
- É mesmo?
- Sim, que tal a gente ir tomar alguma coisa, sabe, só uma dose?!
- Uma dose?
- Sim, relaxamos um pouco e voltamos!
- Mas o trabalho?
- Não tem problema! Nós resolvemos segunda-feira!
- Ok, só uma dose?
- Só uma.
- Mas eu vou vestida assim mesmo!
- Tudo bem!
- Então vamos!
- Vamos!
Luana e Robert saíram, foram até o bar mais próximo, que inclusive já estava
fechando.
- O que você quer?!
- Talvez uma taça de champanhe?
- Ótimo, e eu vou querer uma dose de vodca.
Enquanto as bebidas não chegam, os dois conversam…
- E aí, como foi o seu dia?
- Bom, eu acho! Foi bom, eu comi porcarias, fiquei deitada o dia todo!
Depois dancei, li um livro, só falta eu plantar uma árvore!
- Parece que o seu dia foi bem legal!
- E você, o que fez hoje?!
- Eu tive um encontro, ou eu acho que aquilo foi um encontro!
- Na hora do almoço?!
- Sim, na hora do almoço!
- Encontros diurnos não costumam dar certo!
- Isso é verdade!
- Tem alguma coisa na noite! Uma coisa que faz acontecer! Uma magia, um
encanto, e as nossas crenças de que sexo acontece a noite!
– Você disse tudo!
As bebidas chegam, e eles tomam de uma vez só.
- Vai querer outra?! Pergunta Robert.
- Vou, não vai fazer mal, não é?!
- Claro que não, só que agora eu quero uma taça de champagne!
- E eu, quero uma dose de vodca!
E eles continuam conversando…
-E por que o encontro não deu certo?
- Eu queria fazer um teste, se as pessoas estão comigo por causa dessa pessoa
aqui, ou por causa do dinheiro!
- E qual foi o resultado?
- Descobri que era por causa do dinheiro!
Os dois riem alto!
- Por que?
- Eu disse para ela, que iria declarar falência em breve, e que ninguém sabia
que eu vivia de aparências! Estava devendo até as calças!
- E o que ela disse?!
- Ela estava muito interessada, inclusive me disse que poderíamos transar,
mas quando eu acabei de montar o meu drama de empresário falido, ela disse
que tinha que ir ao toalete, e nunca mais voltou!
Mais risos, de doer a barriga… As bebidas chegam, e eles tomam novamente,
de uma só vez.
- Você quer outra?
- Aceito, o que poderia acontecer, esse homem aqui está falido!!!! Me traga
outra vodca!
- Eu também quero vodca! Porque eu estou falido!!!!!!!
Os dois gritam…
- Eu acho que estamos assustando as pessoas!
- Não, imagina! Elas estão acostumadas! Afinal isso aqui é ou não é um bar?
O garçom chega perto da mesa e diz:
- Estamos fechando, essa é a última dose!
Luana levanta seu copo!
- A última dose!
- A última dose!
E bebem mais uma vez.
- Vamos embora!
- Sim, mas a gente vai pra casa?
- Por que, pra onde você que ir?
- Eu quero dançar!
- Ok, vamos dançar!
- Vamos pra uma boate!
- Isso mesmo, vamos pra uma boate!
- Vamos dançar, até cair!
- Concordo!
- Vamos correndo?!
- Obvio!
E eles começam a correr, até a boate mais próxima, chamada ‘La La La’. A
chuva caia, lentamente, eles entraram, e tocava uma música contagiante, do
tipo daquelas que não se pode ficar parado.
Eles dançaram juntos e separados, o momento parecia mágico.
Depois se algum tempo, eles vão embora…
- E aí, vamos pra onde agora? Pergunta Luana.
- Acho que devemos ir para casa.
- De quem?
- Vamos primeiro para a sua, e depois eu vou para minha.
- Tudo bem.
Os dois caminhavam até a casa de Luana.
- Essa foi uma das melhores noites da minha vida. Diz Robert.
- Também gostei muito, me diverti! Hoje foi um excelente dia!
- Também achei bem proveitoso.
- Olha, já estamos chegando em casa!
- É verdade, nem me dei conta!
Os dois chegam até a porta…
- Vai precisar de ajuda hoje?!
- Ajuda?
- Com a chave!
- Não, obrigada. Minha capacidade motora não foi completamente detonada
pela quantidade de álcool que eu consumi hoje!
- Então…
- Então é melhor eu entrar, e você vai para sua casa….
- Tem certeza?
- Claro, se você entrar, eu vou ter que pedir as contas!
- Isso, não seria muito legal, não é?!
- Não, não seria nada legal!
- Tudo bem, então boa noite!
- Boa noite!
Luana entra, e Robert fica do lado de fora, se passam 13 segundos, e Luana
abre a porta e percebe que Robert continua ali!
- O que você está fazendo aqui ainda?
- Por que você abriu a porta?
- Eu perguntei primeiro?
Luana dá um selinho em Robert, que se surpreende, e dá um beijão nela. Os
dois entram, continuam se beijando, os lábios se encaixam perfeitamente, há
muita química entre os dois, Robert tira os sapatos, e coloca Luana em cima
do sofá, ele tira a blusa dela, e passa a mão no seu corpo. Ela está por cima e
pergunta:
- Você trouxe a camisinha?!
- Trouxe, tá aqui no meu bolso.
- Ok!!!
Ela tira a camisa dele, e beija o seu corpo, depois tira a calça dele…
- Eu vou colocar a camisinha!
- Ok, sem pressa! Pode colocar!
Robert tira a cueca, mas não consegue abrir a camisinha!
- Meu Deus! Não consigo abrir a camisinha!
- Essas são as piores! Tenta abrir com o dente!
- Eu já tentei, não consigo abrir de jeito nenhum!
- Eu acho que tenho uma tesoura!
Luana abre uma gaveta, e pega uma tesoura, só que como estava muito
bêbada, acaba cortando a camisinha pelo meio!
- Meu Deus! O que você fez?!
- Droga! Cortei nossa única camisinha ao meio!
- E aquela que você tinha aqui?!
- Joguei fora, sei lá, pensei que não fosse fazer isso por muito tempo!
- E agora?!
- Não sei!
- Eu tô com muito tesão!
- Eu também, sabe quanto tempo eu não faço isso?!
- Eu tenho uma proposta!
- Tirando o saco plástico, eu aceito!
- Saco plástico?!
- Desculpa, foi só uma alternativa idiota, eu nem deveria ter falado isso em
voz alta!
- Tudo bem! Talvez a gente pudesse fazer sem camisinha, o que você acha?!
- Não sei! Talvez tenha que fazer perguntas que possam te magoar, mas
lembre-se não é nada pessoal!
- Que tipo de pergunta?
- Você tem algum tipo de doença sexualmente transmissível?!
- Como assim?
- Gonorreia, Sífilis, AIDS, dentre outras?!
- Eu sei o que são doenças sexualmente transmissíveis!
- Que bom!
- Eu só não entendi o por que da pergunta?!
- Simples, que tem relações sexuais com meio mundo?! Não sou eu!
- Eu uso preservativos para isso!
- Não sei, então por que você me propôs fazer sexo sem camisinha?!
- Por causa da situação, nós dois estamos com vontade, mas não temos
preservativos! Essa hora, todas as farmácias estão fechadas!
- Tudo bem, já que você afirma que não tem nenhuma doença sexualmente
transmissível!
- Mas espera aí, e se você engravidar?!
- Isso não vai acontecer!
- E como você tem tanta certeza disso?!
- Simples, porque eu não estou ovulando!
- Você tem certeza?!
- Claro que tenho! Eu controlo os meus ciclos!
- Então, tudo bem! Podemos fazer sem?!
- Ok, mas se eu sofrer qualquer tipo de consequência, te processarei, e vou
pedir todos os meus direitos!
- Eu pagarei!
- Ok, vamos fazer!
- Vamos!
Luana tira a calcinha e Robert fica por cima dela, e faz a penetração!
- Ai Meus Deus!
- O que foi?!
- O seu pênis, está muito gelado!
- Tudo bem, eu vou esquentar um pouquinho!
- Faça isso!
Robert retira o pênis, e começa a aquecê-lo com as mãos!
- Você vai demorar muito?!
- Não! Só não quero que esteja gelado!
- Ok, eu espero!
- Acho que agora está quentinho!
- Na verdade, eu não acho que o seu pênis esteja frio, na verdade acho que a
minha vagina está quente demais!
- Realmente, vendo desse ponto de vista faz sentido!
- Mas acho que agora vai!
- Tudo bem, vamos lá!
Robert volta a penetrar a vagina de Luana, e eles começam a se beijar, beijos
longos e lentos, assim que já estava chegando o momento da ejaculação…
- Ai Meu Deus! Isso é muito bom! Continua, não para Robert, não para!
- Não vou parar!
- Isso, continua, eu estou quase chegando!
- Eu também!
- Não para Robert!
Luana começa a arranhar as costas de Robert!
- Não vou parar! Você quer que eu ejacule fora?! Não sei?!
- Não, não tem problema pode gozar dentro!
- Ok, já está chegando!!!
- Ótimo! Eu tô quase lá!
- Continua Robert, não para!
- Não vou parar! Vamos lá!
- Acho que eu também tô chegando!
- Calma eu tô quase lá!
- Droga!
- O que foi, eu fiz alguma coisa errada?!
- Não, é que me deu vontade de fazer xixi!
- Você está muito apertada?!
- Sim! Se eu não fizer agora, vou fazer xixi no meu sofá inteiro! Eu bebi
muito, sabe como é?!
- Tudo bem, você vai lá rápido, e eu espero, mas não demora muito se não vai
dar errado, você sabe né?!
- Não, imagina! Eu vou rapidinho!
- Ok!
Luana vai até o banheiro, e começa a fazer xixi!
- Meu Deus! Acho que tive um orgasmo!
Depois volta para sala!
- E aí?!
- Tudo bem, fiz xixi rapidinho! Vamos continuar!
- Ok! Vamos lá!
Robert volta a penetrar Luana.
- Acho que agora vai!
- Vai Robert!
Até que finalmente Luana goza, e em seguida Robert!
- Meu Deus! Foi ótimo!
- Foi muito bom mesmo!
- Com certeza!
- Se você quiser, a gente pode fazer por trás!
- Pelo ânus?!
- Sim!
- Não faz isso comigo hoje!
- Por que?
- Porque doí muito! Principalmente para mulheres da minha profissão, que
ficam muito tempo sentadas!
- É, quem sabe em um outro dia?!
- É, quem sabe!
- E antes de tudo, eu queria te dizer que você é muito bonita!
- Meu Deus,não fale em beleza! O seu corpo é escultural! Muito lindo
mesmo!
- Jura?! Eu também adorei o seu corpo, principalmente as manchinhas que
tinham no seu traseiro!
- Eu não tenho manchas no traseiro Robert! Aquilo são estrias!
- Nem reparei! Me pareceu tão bonito!
- Nunca mais toque nesse assunto!
- Ok! Foi mal!
- Foi péssimo!
- E você gostou?!
Luana dá uma gargalhada!
- O que foi? Pergunta Robert abismado!
- Essa transa foi um desastre!
- Meus Deus! Graças a Deus que você falou isso! Achei que só eu tinha
pensado isso!
- Isso que dá, ficar transando bêbados!
Os dois riem!
- Verdade! Nós já estávamos muito, mais muito bêbados! Mas até que não foi
tão ruim assim!
- Realmente não foi ruim! Foi péssimo!
- Quem sabe, quando a gente transar sóbrios?!
- É verdade! Sóbrios será bem melhor!
- Vamos dormir?!
- Sim, vamos! Mas você vai pra sua casa!
- Você vai me mandar agora pra casa?!
- Realmente, você pode ser estuprado por aí! Pode ficar!
- Gracias!
- Mas amanhã você vai embora!
-Amanhã é domingo!
- E daí?!
- O dia do descanso!
- Amanhã você vai!
- Ok, não vou implorar!

Capítulo seis

Domingo…

Amanhecia na casa de Luana, e a dor de cabeça era insuportável, ela dormiu


na cama, porém esqueceu uma pequena surpresa no sofá da sala.
Ainda de calcinha ela caminhava lentamente até a cozinha, e viu um pé quase
imperceptível no sofá, e foi aí que se lembrou!
- Não pode ser!
Exclamou ela, que começou andar nas pontas dos pés, os roncos também
eram bem altos, - Nossa, como a pessoa perde o glamour quando está
dormindo! - Pensou Luana, que abria a geladeira bem devagarzinho, não
queria enfrentar aquela situação nem tão cedo.
Na verdade ela pensou em sair e dizer – Me desculpa, eu tinha que comprar
pão, só que não tinha pão na padaria daqui, e eu demorei 4 horas procurando
outra padaria! Não! Essa não vai colar!
Depois pensou:
- Isso nunca vai dar certo, olha o que aconteceu ontem?! Foi um desastre!
Quem é que faz xixi bem no meio do sexo?! Eu!
- Não, vou dizer que tem outra pessoa, e que eu gosto muito dela! Isso sim
vai espantá-lo! Mas na hora dele me perguntar quem?! O que eu vou fazer?!
Bem que o Serginho tá me devendo um favor, mas o Serginho?! O Serginho
não engana ninguém!
- Será que eu devo ser romântica melosa e dizer que até já marquei a data do
nosso casamento?!
- Talvez essa seja uma boa opção, assim ele vai fugir rapidinho! Está aí! Essa
vai ser minha única alternativa!
- Até porque foi a melhor ideia que eu tive!
- Será que eu espero ele acordar naturalmente?!
- Ou forço ele a acordar?
- Vou acordar ele! Sim, assim vou parecer mais insuportável!
Luana vai até o sofá e começa a catucar Robert.
- Acorda, AMOR! Preciso te dizer uma coisa!
Robert começa a despertar lentamente…
-Foi impressão minha, ou você me chamou de amor?!
- Não, de nenhuma maneira, você ouviu certo, eu te chamei de amor!
- Nossa! Adorei, me dá um beijinho!
- O que, você gostou?
- Sim, eu gosto desses apelidos de namorados!
- Namorados?!
- Sim, eu achei… bom, você me chamou de amor, eu dormi na sua casa,
achei que nós já fossemos íntimos!
- Mas não no nível namorados!
- Tudo bem, se você quiser ir com calma!
- Não amor, eu não quero ir com calma! Eu inclusive já estava pensando no
nosso casamento, nos nomes dos nossos filhos, inclusive, como você é rico,
estava pensando em comprar uma mansão bem esbanjadora, brega e
esquisita, para nós morarmos todos junto, eu, você, nossos filhos e nossos
cachorros! Mas lembre-se amor, quero fidelidade! Por isso vai deixando essa
sua vida de solteiro para trás.
Robert ri…
- Não faça isso!
- Isso, o que?
- Eu sei o que você está fazendo!
- Sim, estou planejando o nosso futuro!
- Você é mais esperta do que eu pensava!
- Do que você está falando?!
- Você está fingindo que é uma desesperada, só pra eu senti que você está me
sufocando, e que eu devo pular fora agora mesmo!
- E eu sou uma desesperada!
- Não, não é! Está tentando se livrar de mim!
- Por que eu faria isso?!
- Não sei, diga você!
- Ok, você é um gato, rico, e tudo mais, mas essa situação aqui é
constrangedora, eu te conheço faz pouco tempo, e olha aí, você está até
dormindo no meu sofá!
- Eu gostei muito do seu sofá!
- É, eu sei, ele é muito confortável, e dá vontade de dormir nele o dia inteiro!
- Isso é verdade!
- Mas voltando ao assunto, como eu vou voltar para aquela selva de pedra, se
nós, nós, nós…
- Nós transamos!
- Isso mesmo! É uma coisa um pouco chata, sabe como é?!
- Mas isso é tão natural! Sabe, o chefe e secretária! Você sabia que é um dos
maiores clichês de livros de romances da Amazon?!
- Eu não estou brincando Robert!
- Eu sei que você não está brincando, mas eu não consigo ver nenhum
problema nisso! Afinal, somos livres para fazer o que bem entendemos!
- Bom… você pode fazer o que você quiser porque é rico, mas eu não, pelo
contrário, sou pobre!
- E o que que tem?! A gente não pode ficar junto por causa disso?! As
pessoas são livres Luana!
- Mas e o preconceito?!
- A gente precisa ligar pra isso?!
- Vão falar que eu estou com você só por dinheiro!
- E não é verdade?!
Luana ri, e fala…
- Para com a palhaçada!
- Se falarem isso eu vou responder: Ainda bem que eu tenho dinheiro pra ela
ficar comigo!
- Meus Deus! Você só fala merda!
- Eu sei disso! É um defeito?!
- Não acho! Acho que as melhores pessoas são aquelas que falam merda!
- Viu como a gente combina!
- Talvez, mas se isso for continuar, saiba que temos que tentar transar sóbrios
dessa vez!
- Concordo plenamente, ontem a coisa não funcionou!
- Não funcionou mesmo!
- E hoje é domingo, o que você quer fazer?!
- Não sei, você poderia me chamar pra fazer uma coisa de rico!
- O que você quer esquiar, ir em um restaurante, tomar champanhe com
morangos! Pode escolher!
- Não sei, na verdade eu estou com muita preguiça! Que tal você cozinhar
alguma coisa pra mim! Aí nós vemos um filme, e depois a gente pode tentar
transar de novo?!
- Concordo plenamente, gostei do seu plano! Porque eu também estava com
um pouco de preguiça de pegar o helicóptero, aqueles caminhos de rosa e tal.
Sabe, isso tudo é muito cansativo!
- Realmente, além de cansativo, sempre achei essas coisas bregas!
- Um pouquinho brega é mesmo!
- Mas voltando aqui! A única coisa que tem pra comer é macarrão!
- Macarrão?!
- Sim, macarrão!
- Ótimo, porque eu sei fazer uma massa maravilhosa!
- Então vamos começar a fazer?!
- Não, eu vou fazer, faço questão!
- Ok, só fico vendo!
Robert lavou as mãos, pegou alguns tomates, e começou a cozinhar, quem
diria que o chefe tinha tanta desenvoltura na cozinha, ele fazia aquilo com
simplicidade e facilidade. Luana só o observava!
Robert parecia estar muito feliz, Luana também aparentava um sorriso, como
duas pessoas de mundos tão diferentes, podiam ter coisas tão parecidas?!
Os dois se completavam de uma maneira rara, um começa a piada e o outro
terminava. Robert não parecia ser aquele homem frio e distante que o
descreviam, e Luana não era apenas uma secretária, ela tinha alma, e era isso
que fascinava Robert.
Os dois se apaixonaram de uma maneira tão fácil. Se conheceram, e aí está!
Robert finalizava…
- Será que tá bom?!
- Com certeza, foi a minha mãe que me ensinou a cozinhar.
- Sua mãe?!
- Sim, ela sempre dizia que os homens deveriam aprender a cozinhar.
- E por que?
- Motivos da minha mãe! Ela era feminista, sempre me disse que os homens
que valiam a pena, sempre lavavam a louça no final do jantar.
- Isso é verdade!
-Já o meu pai, era machista, dizia que eu deveria ter da mulher o melhor dela,
o sexo!
- Nossa, que horror!
- É, meu pai não é tão legal!
- Por isso que você ficou assim, fofo e compreensivo, e cafajeste idiota…
- Pode-se dizer que sim.
- Fofo e cafajeste, essa mistura é perigosíssima!
- Por que?
- Porque a gente não consegue mandar o homem embora porque ele é fofo,
mas também não consegue ficar com ele porque é um cafajeste, entendeu?
- Acho que sim! Você foi bem clara!
- Sempre procuro ser bem clara!
- Então vamos prometer que nós vamos ser sinceros um com o outro!
- Isso mesmo! Sinceridade em primeiro lugar!
- E se um trair o outro, vamos contar?!
- Sim, e se um enganar o outro, vamos contar?!
- Sim.
- A sinceridade é a base de um relacionamento!
- Com certeza!
- Vamos brindar a sinceridade!
- Com que?!
- Com água!
- Concordo!
- Então um brinde a sinceridade! Vamos tentar ser os mais sinceros possíveis!
- Com certeza!
E eles brindaram com água, e colocaram seus pratos.
- Você vai comer na mesa?! Perguntou Robert.
- Não, vamos pegar os pratos e comer no sofá!
- Estava pensando nisso.
Eles foram até o sofá.
-Estava pensando, a comida tem um gosto diferente, quando se está no sofá!
- Com certeza, é mais divertido comer no sofá, mais relaxante!
- É, tira aquela pressão social de quando você come em um restaurante
chique, onde todas as pessoas usam trocentos talhares em uma única refeição!
- Também nunca entendi isso! Pra que sujar tantos talheres?! Chega a ser
uma questão de conscientização ambiental. Quanto menos tralhares você usa,
menos água você gasta lavando-os.
- Salvemos o planeta!
- Vamos fazer um brinde a isso.
- Vamos.
- Menos talheres.
- Menos talheres!
Os dois acabaram de almoçar, e decidiram ver um filme!
- Qual filme você quer ver?! Perguntou Robert.
- Não sei! Na verdade eu comprei semana passada um filme de cachorro,
embora eu não goste muito desse gênero, mas sei lá, eu gostei da carinha
dele.
- Ok, vamos ver o filme do cachorro!
- Vamos ver!
E começaram a ver o filme no sofá, até que quando acabaram de assistir, os
dois estavam se debulhando em lágrimas…
- Meu Deus! - Exclamava Luana. - Por que o maldito cachorro tinha que
morrer?!
- Eu não sei! Poderiam ter mantido o cachorro vivo! Mas fazem isso para
mexer com as nossas emoções!
- Esse filme acabou comigo, eu achei que seria uma coisa bobinha, que eu
nem iria me lembrar amanhã! Mas olha pro meu estado, vou demorar uma
semana pra superar a morte desse cachorro!
- Eu não quero ver esse filme nunca mais!
- Nem eu!
- Olha os meus olhos, estão inchados de tanto que eu chorei!
- Olha os meus! Te conheço a menos de uma semana, e você já está me
vendo nessa situação.
- Tudo bem! Não gosto de homens que não choram! Eles na verdade, me dão
medo!
-É, qual é o problema dos homens chorarem?!
- Também não sei! Deve ser mais algumas dessas bobeiras impostas por essa
sociedade maluca!
- Também acho!
Robert pergunta para Luana:
- O que você que fazer agora?
- Que tal a gente tirar um cochilo?! Eu preciso me recuperar!
- Ok, a gente pode dormir! Mas aonde?!
- Na cama.
- Vamos lá!
Robert ajeita a cama, e Luana se deita, depois disso, se passa algumas horas.
E os dois despertam….
- Oi.
- Oi.
- Dormiu bem?
- Sim, acho que sim! E você?!
- Fazia muito tempo que eu não dormia tão bem assim! Confessa Robert.
- Que bom! E o que você gostaria de fazer agora?!
- A gente pode ficar mais um pouquinho aqui!
- Tudo bem!
Robert começa a fazer um carinho na perna esquerda de Luana, e começa a
surgir um clima. Os dois começam a se beijar.
- Me beija de língua Robert!
E Robert começa a colocar levemente a língua na boca de Luana, a coisa fica
cada vez mais intensa.
Luana começa a tirar a blusa.
Robert também abre os botões da sua camisa branca.
Eles se entreolham e Luana começa a tirar a calça, Robert faz o mesmo.
Os beijos eram constantes…
- Você ainda não tirou a calcinha! Diz Robert.
- É verdade!
E Luana tira a calcinha lentamente, ele começa a beijar todo o corpo dela, até
chegar na sua vagina, e começa a fazer sexo oral nela, que grita
delicadamente, e começa a segurar a quina da cama, de tanto prazer. Robert
estimula o clitóris de Luana, e seu corpo estremece.
Até que ela tem o primeiro orgasmo.
Depois disso, Luana fica por cima, e Robert a penetra, ele geme de prazer, e
os dois continuam se beijando. Ambos não falavam uma frase sequer!
Também as palavras nesse momento, são totalmente inúteis, afinal, a sintonia
era perfeita, e nada poderia estragar aquilo.
Robert colocou os seios de Luana na sua boca, e foi aí que ela ficou por
baixo, enquanto ele beijava delicadamente seu pescoço. As sensações eram
estremecedoras, e também inexplicáveis. Enquanto a transa caminhava para o
seu término, Robert pensava:
- Eu nunca tive uma transa assim!
Já Luana pensava:
- Eu acho que eu estou muito apaixonada por ele.
A transa chegou ao fim, com um orgasmo e tanto. Depois disso eles ficaram
um tempo sem se falarem.
Se a primeira transa foi um desastre, a segunda compensou tudo, foi além das
expectativas dos dois.
Foi um domingo para ficar na memória, dois estranhos passaram um dia
inesquecível, mas tudo que é bom, acaba.
E aquele dia estava acabando.
- Acho que está na hora de você ir! Diz Luana.
- Tudo bem, mas amanhã nós vamos nos ver na empresa, não é?!
- Assim espero!
Robert pegou suas coisas e foi embora, Luana ficou, quando estavam
sozinhos os dois pensaram…
- Acho que me apaixonei.
Isso não era novidade para Luana, mas para Robert sim, nunca tinha sentido
aquilo por ninguém, e nunca tratou uma mulher com tanta doçura, aquilo só
poderia ser paixão.
Os dois não conseguiam ocultar o sorriso, e amanhã se veriam novamente.
Mas o que estaria escrevendo o destino?!
Capítulo sete

A Gravidez
Mais uma segunda-feira começando no planeta Terra, com certeza o dia mais
odiado da humanidade, mas essa segunda tinha um sabor especial, e tinha
dois seres humanos que estavam aguardando por ela.
Começava mais um dia na ‘Robert Companhia’, ligações, fofocas de
corredores, pessoas andando pra lá e pra cá incessantemente, homens com
gravas alinhadas, e mulheres com saltos agulha. Tudo parecia andar
conforme o esperado.
Luana chegava para mais um dia de trabalho, e estranhou o comportamento
de seus companheiros de trabalho, agora a olhavam com muito mais respeito,
já que parecia ser a primeira-dama do local.
Kimberly até mesmo a cumprimentou na chegada, algo que é raríssimo.
- Boa dia senhorita Luana.
- Boa dia Kimberly!
- Posso te ajudar em alguma coisa?
- Não, não estou precisando de nada!
- Tem certeza?! Nem um café? Uma água?! Um refrigerante?
- Não Kimberly, eu estou bem assim!
- Tudo bem! Mas não esqueça de me chamar se você precisar de qualquer
coisa!
- Não esquecerei disso!
Luana saiu dali pasma, afinal nenhuma pessoa antes tinha puxado o saco
dela, e a situação é um pouco incomoda, porque você sabe que a pessoa está
sendo falsa com você, mas não pode falar isso, é realmente constrangedor.
Quando chegou a sua mesa, mais uma surpresa, tinha café quentinho na sua
mesa, e ela não precisou nem pedir, parece ter surgido do nada! Luana não
estava entendendo, afinal ela era apenas uma secretária.
Mas o que ela não sabia, era o que Robert tinha feito na noite anterior, tinha
mandado um e-mail pra todo mundo da empresa, dizendo que Luana era sua
nova namorada, e que eles poderiam até mesmo se casar.
Ela ficou de boca aberta, se sentiu um pouco constrangida, mas não gostou
muito, pois achava que o mundo inteiro não precisava saber daquilo.
E aí estava a explicação. Luana decidiu ir até o escritório de Robert para tirar
algumas satisfações. E chegando lá…
- Oi amor!
- É isso que você tem pra me dizer?! Oi, amor!
- O que aconteceu?!
- Nada, fora o fato de você ter colocado no jornal que nós começamos a
namorar ontem!
- Você ficou chateada?! Eu pensei que as mulheres gostassem de serem
assumidas publicamente!
- Isso não foi publicamente, isso foi mundialmente! Todo mundo está
olhando pra minha cara como se eu fosse um extraterrestre!
- Que isso amor?! Não é pra tanto!
- Inclusive, quando eu vinha pra cá, eu escutei alguém cochichando: “Como
ela fez, isso que é um golpe do baú bem dado!” E olha que nunca mais eu
tinha ouvido essa palavra: ‘Golpe do baú’.
- Deixe essas fofoqueiras pra lá, não precisa gastar energia com isso!
- Você tem razão, até porque a gente tem que voltar ao trabalho!
- Isso mesmo!
- Inclusive, tem uma reunião com o vice, um tal de Marcos, mais tarde.
- Meus Deus! O Marcos?! Eu tinha esquecido completamente dele, ele voltou
de uma viajem de negócios! Mas voltou mais cedo, já que era pra ele ficar no
mínimo duas semanas.
- E ele ficou quanto tempo!
- Acho que ele ficou 8 dias! Mas ele só faz isso pra me provocar!
- Por que te provocar?!
- Ele não gosta de mim! Ele me acha muito irresponsável, e que eu não
deveria ter assumido a empresa! Sabe aquele típico cara, todo certinho?! É o
Marcos.
- Nossa! Parece mesmo que você não gosta desse moço! E ele é o vice-
presidente?!
- Sim, infelizmente o meu pai adora ele! E indicou ele pra vaga!
- Relaxa, se ele é vice-presidente, deve saber o que está fazendo!
- Não sei! Ele gosta de pegar tudo o que é meu!
- Vamos parar com isso! Temos que focar no trabalho!
Robert se aproxima de Luana.
- Mas antes de tudo, você não vai me dar um beijo?!
- Aqui?!
- Sim aqui, por que, qual é o problema?
- Aqui é um local de trabalho Robert!
Robert entra na frente da porta e diz:
- Eu não vou sair daqui, até você me dar um beijo!
- Tá bom, mas como você é teimoso!
Robert e Luana se beijam, e a câmera que tem na sala presidencial permite
que todos os funcionários vejam o beijo dos dois.
Algumas funcionárias comentaram:
- Essas secretárias são as piores!
- Não sei como ela consegue?!
- Eu tinha certeza que ele era um solteiro convicto!
- Deixa eu ir pro meu serviço, porque a vida dessa aí está ganha!
- Ela chegou devagarzinho, olha o que ela conseguiu?! O chefe todinho pra
ela!
- Não sei que feitiço foi esse, olha a cara de bobo dele!
- Verdade, não consegue nem disfarçar que está apaixonado!
- Essas com carinhas de santas, são as piores!
- Definitivamente, ‘Quem vê cara, não vê coração’.
Voltando para o escritório presidencial…
- Meus Deus Robert! A câmera está ligada!
- E o que que tem?
- Nada! Só fato de nós sermos a atração principal dos funcionários lá de
baixo!
- Ok, vamos voltar ao trabalho! Mas tarde a gente marca alguma coisa.
- Tá bom.
Luana sai do escritório, e ajeita os últimos detalhes da reunião.

Algumas horas depois…

A reunião está rolando como sempre, mais entediante impossível, até a


chegada de Marcos, o vice-presidente da empresa, sério e de óculos com seu
cabelo alinhado, ele se senta na sua cadeira, Robert tinha ocultado o fato dele
ser extremamente bonito, uma beleza que até desconcertava.
Ele não era obvio, e conseguia ser o oposto de Robert.
Contido e belo. Quando Marcos olhou para Luana alguma coisa vibrou, não
se sabe ao certo o que, mas algo aconteceu, uma pequena atração talvez.
Luana ia em direção a Marcos, pra lhe entregar o relatório dos últimos dias, já
que o vice estava ausente, porém quando foi entregar os papéis, ela deixou
cair, ele se levantou de sua cadeira, e a ajudou a pegá-los, as mãos dos dois se
tocaram por um segundo, e Robert percebeu.
- Me desculpa. Disse Luana.
- A culpa não foi sua.
- Eu deveria ter entregado nas suas mãos.
- Tudo bem, não tem problema.
Robert interrompe a conversa dos dois…
- Está acontecendo alguma coisa?
- Não, a secretária só deixou algumas folhas caírem.
- Sim, a culpa foi minha, senhor Robert.
- Então seja mais cuidadosa da próxima vez. Disse Robert.
- Eu já disse Robert, que a culpa não foi dela, e acho que temos coisas mais
importantes para tratar.
- Também acho Marcos, mas parece que você e senhorita Luana estão
achando sua conversa paralela mais interessante.
- Você sabe Robert, que eu prezo pelas coisas mais importantes nessa
empresa, tanto mais que o próprio CEO.
- O que você quer dizer com isso Marcos?
Luana os interrompe….
- Senhores, os acionistas estão aguardando suas declarações, vamos deixar as
discussões para um outro momento.
- Veja Robert, perderam a noção da hierarquia nessa empresa, a secretária
acha que pode dar ordens nos dois cargos mais altos dessa Companhia. Diz
Marcos olhando para Luana, mas a secretária não iria ficar quieta, e responde
no mesmo tom.
- Eu não estou dando ordens senhor, apenas acho que brigas idiotas não vão
levar essa reunião a lugar algum!
- Talvez essas brigas não sejam idiotas, e sim o resultado da incompetência
de uma pessoa.
- De quem? Pergunta Robert.
- Sua. Óbvio, de mais quem mais seria?! Você não respeita as regras. Só é o
CEO dessa empresa, porque o seu pai era o sócio majoritário!
- Você quer falar de nepotismo?! Porque o meu pai também te colocou aqui
dentro!
- Pelos meus próprios méritos, acho! Não foi nenhum favor.
- Méritos?! Se for por isso, eu também tenho os meus!
- E quais seriam eles?!
- Você quer que eu os enumere?!
- Por favor Robert, você acha que eu não vi o que você está fazendo nessa
empresa?! Pra você isso é tudo uma brincadeira! Eu vi você beijando a
secretária e todos viram, os funcionários estão comentando nos corredores! E
você acha isso tudo muito engraçado! Mas o seu pai vai saber disso!
- Ótimo! Conte pra ele, eu não ligo para o que as pessoas pensam.
- São os seus funcionários!
Luana fica sem graça de ouvir aquilo, e decide sair da sala de reuniões.
Robert dá o seu ultimato….
- Essa reunião acabou!
Marcos fica insatisfeito com aquela decisão, mas não fala mais nada,
enquanto isso Robert vai atrás de Luana, que ele acredita estar no seu
escritório. Mas quando chega lá, é outra pessoa que encontra. Advinha quem?
Sentada na cadeira, Sara aguardava a chegada de Robert.
- O que você está fazendo aqui Sara?!
- Eu estava te esperando! Preciso falar com você!
- Falar o que? Se não for assuntos de trabalho, acho melhor você sair!
- Por que você está tão bravo?!
- Tive uma discussão com Marcos na sala de reuniões! Ele me tira do sério!
- Entendi! Eu só queria falar algumas coisas com você!
- Se for coisas pessoais, eu não quero nem saber!
- Eu liguei para o seu pai.
- O que?! Como assim eu liguei para o meu pai?!
- Eu chamei ele pra conversar com a gente, talvez ele faça você compreender.
- Sara, do que você está falando, o que o meu pai vai fazer eu compreender?!
Eu já disse que a gente acabou Sara, você sabe que eu gosto da Luana!
- Não é questão de gostar Robert, é questão de cumprir!
- Cumprir o que?
O pai de Robert chega na empresa, e vê que tudo está fora do lugar, os
funcionários nos corredores, ninguém parece estar trabalhando, na mesa,
onde deveria estar a secretária-executiva, está vazia. Robert Filho sabia que
alguma coisa de errado estava acontecendo, mas ele chegou para colocar tudo
em seu devido lugar, ou melhor, fazer as coisas ficarem como ele gosta,
mesmo que para isso tenha que ferir algumas pessoas. Mas isso não o
importava, ele só queria manter o seu império, e ai de quem entrasse no seu
caminho.
O patriarca decide entrar na sala do filho, Robert se surpreende com a
presença do pai…
- Pai, o que você está fazendo aqui?
Friamente Robert pai responde:
- É assim que você recebe o seu pai?
- Não pai, desculpa, como vai?!
- Nada bem filho, eu recebi alguns telefonemas nada agradáveis, a não ser a
ligação dessa moça tão bela que está na nossa presença.
Sara sorri…
- E a mãe, como está?
- Eu não vim aqui pra falar da sua mãe! Eu vim aqui porque você está usando
as funcionárias, e exibindo para Deus e mundo, filho! Isso não se faz.
- Quem te disse isso?!
- As notícias correm! As notícias correm! Se você não tomar uma postura
mais rígida! Terei que colocar o Marcos pra comandar essa empresa! Imagine
filho, um estranho se tornando o CEO da ‘Robert Companhia’?! Que
vergonha! Seu avô estaria se revirando em sua santa tumba, mas fazer o que?
O Marcos é mais competente que você, mais sério, mais honrado. E nunca
falhou comigo, é um vice-presidente impecável, com mais formações para
presidir do que você. E melhor ainda, não se deixa levar por paixonites
passageiras, que não vão levar a lugar algum.
- Por que você está dizendo tudo isso?!
- Porque filho, as vezes você não sabe o que é o melhor pra você mesmo, aí
entra o papai, para ajeitar as coisas. Estava vendo que funcionária exemplar
nós temos aqui, Sara sem dúvida tem um valor e tanto! Sabia que ele vem de
uma família muito tradicional?!
- Não, não sabia!
- Sim, ela tem berço filho, e isso que importa, o berço. As vezes oportunistas
aparecem, e confundem a cabeça de um homem inocente, como você! Que
sempre gostou de um rabo de saia!
- O que você quer dizer com tudo isso?!
- Quero dizer que está na hora de você entrar nos trilhos! Tomar algumas
responsabilidades importantes. Quem sabe no futuro, você não siga uma
carreira na política?! E você sabe que tem que ter uma vida privada
impecável.
- Eu tenho meus próprios planos pai!
- Ok, mas quem te deu tudo o que você tem? O dinheiro, os carros, os estudos
na Europa, as viagens onde você esbanjava o dinheiro que o seu avô demorou
anos e anos para juntar?! Tudo isso, eu dei a você! Sou o seu pai, e era minha
obrigação, mas não abuse da minha confiança! Quando se trata dos negócios,
não se pode brincar em serviço.
- E o que o senhor quer, eu ainda não entendi o intuito dessa conversa?!
- É simples, filho, muito simples!
Sara fala:
- Eu estava aguardando o senhor para dar a notícia!
- Você é maravilhosa querida! Tão benevolente! Sabia que eu joguei golf
com o seu pai semana passada?!
- Papai me contou!
- Que alegria, quando soube que você e meu filho estavam se relacionando!
- Não pai, nós não estamos nos relacionando!
- Como não filho, a distinta senhorita Sara me contou o que vocês fizeram!
- Você contou isso para o meu pai?!
- Sim, qual é o problema Robert, ele tinha o direito de saber que nós
estávamos apaixonados!
- Apaixonados?! Eu nunca me apaixonei por você Sara!
- Não minta pra você mesmo! Eu sempre fui a pessoa certa pra você!
- A pessoa certa!
- Sim, da mesma classe social! Dos mesmos costumes!
- Meu Deus! Se eu soubesse que você era igual ao meu pai, nunca teria tido
nada com você!
- Mas você teve! E é tarde demais!
- Tarde demais, por que?!
Robert pai então diz a frase enfática:
- Robert, ela está grávida, e o filho é seu! A quarta geração dos Robert,
parabéns!
Robert fica sem palavras, e o seu mundo vem abaixo, antes ele estava de pé,
mas quando ouviu a notícia se sentou, estava se sentindo derrotado.
- Grávida?!
Sara sorri, e confirma…
- Sim, eu estou grávida!
- Mas como isso foi acontecer?! A gente sempre usou camisinha!
- Mas as camisinhas não são 100% seguras!
- Assim é o destino filho, quando uma coisa tem que ser ela é…
- Mas o que eu vou fazer agora?!
- Relaxe filho, eu já sei exatamente o que vamos fazer!
Sara faz mais um de seus comentários…
- Eu estou tão feliz! Nunca pensei em ter um filho, e agora vou realizar esse
sonho junto com o homem que eu amo…
- Sim, toda a mulher sonha em ser mãe, e agora chegou a sua vez Sara, estou
tão feliz por vocês dois.
Robert continua em catarse, ouvindo tudo aquilo, mas sem entender. Até que
resolve se pronunciar, pois seu pai e Sara conversam como se ele não
estivesse ali.
- Eu vou assumir o meu filho, vou ajudar a criá-lo, e com certeza vou amá-lo,
mas saiba de uma coisa, que quero que isso fique bem claro, eu não vou ficar
com você Sara!
- Como assim Robert?! Vamos ter um filho juntos, e você já pensa em
abandoná-lo?!
- Não vou abandoná-lo Sara, apenas não vou ficar com você!
- É a mesma coisa, aposto que é por causa daquela secretária!
Robert pai se pronuncia:
- A secretária! A secretária, ela está dando trabalho! Vamos demiti-la.
- Como assim demiti-la?! Ela não fez nada!
- Ela está atrapalhando a sua vida filho! É melhor ela ir embora! Vamos
garantir todos os direitos dela!
- Não pai, você não pode demiti-la, eu gosto dela!
- Você gosta de todas, filho! Não é primeira vez que você fica entusiasmado
com uma garota! Mas hoje a brincadeira acabou!
- Acabou, por que?!
- Preste bem atenção, você vai se casar com a futura mãe do seu herdeiro, e
será uma cerimônia muito luxuosa, com convidados da alta classe, e nada de
se misturar com os mais desprovidos! Depois do casamento, você poderá
permanecer como o CEO da Companhia.
- Me casar?! Eu não vou me casar com ela! Você ouviu!
- Que rebeldia Robert, quem te ensinou a tratar assim o seu pai?!
Mas, eu quero que saiba, que se você não casar com a senhorita Sara, mãe do
seu filho, eu…
- Você vai o que pai?
- Vou tirar a diretoria-executiva das suas mãos, e dar para alguém
competente, você terá que ver o Marcos assumindo o seu cargo! E depois
farei questão de congelar suas contas bancárias, afinal o dinheiro é meu!
Quero ver você bancar essa vida de playboy! Sem dinheiro, sem cargo e sem
status!
- Você não faria isso!
- Claro que eu faria Robert, eu sou o seu pai! E tudo o que você tem, você
deve a mim! Você vai se casar, ou será que você vai morar com aquela
secretária, vai viver de que? De amor? Por favor Robert você foi criado no
luxo! Não sabe o que é passar uma necessidade na vida! E de um dia pro
outro, vai perder tudo?! Não dou uma semana pra você voltar correndo!
- Eu posso te surpreender!
- Não Robert, não vai! Você é um dependente! Sempre foi, um fraco! Um
homem sem vigor! Sempre foi acostumado na boa vida! Sempre foi o
filhinho da mamãe! Não é ninguém sem os milhões de dólares da sua conta!
- Por que você está dizendo isso pai?
- Porque eu não vou ver você desfazer os planos que eu fiz para sua vida!
Você nasceu pra ser um conquistador, e não um fraco, você me ouviu?! As
mulheres filho, só servem para uma coisa, pra serem mães, e boas donas de
casa, e nada mais! Elas servem para serem ostentadas nas festas, como um
troféu, e não pra serem as protagonistas das nossas vidas! Coloque isso na
sua cabeça!
- Eu não vou fazer isso que você está me mandando!
- Você sempre faz o que eu mando! E dessa vez, não será diferente!A
secretária vai ser demitida, e você vai se casar com a Sara! E vai voltar a ser o
diretor-executivo dessa empresa!
- Mas eu gostava dela pai!
- Não tem problema filho, você supera isso! Essas coisas passam!
- Você acha pai?!
- Claro filho, isso não dura muito!
- Mas eu não quero que você demita ela!
- Mas por que?!
- É isso que eu peço pai!
- Tudo bem filho, se você prometer que não vai mais cometer erros tolos?!
- Eu não vou mais cometer erros!
- Isso mesmo, mantenha o seu cargo em primeiro lugar! É isso que importa,
você perderia milhões só por causa de uma garota?! Acho que não, e quem
fizesse isso merecia a nomenclatura de grande imbecil.
Sara comemora:
- E pra quando será a cerimônia? Não pode demorar muito, já que daqui a
pouco vai ficar perceptível!
- Tem razão Sara, teremos que fazer esse casamento o mais rápido possível!
Robert parece estar inconsolável, afinal entrou no escritório querendo falar
com Luana, e saiu de lá noivo, e com um bebê a bordo, o mundo é realmente
um oito, tudo muda de uma hora para outra, e as surpresas vem antes mesmo
de você abrir a porta!
Determinado a contar tudo para Luana, Robert sai do seu escritório, e seu pai
e Sara nem percebem, já que estão satisfeitos com as promessas de um futuro
elitista.
Robert sabia que Luana só poderia estar em um lugar, no banheiro feminino,
e foi pra lá que ele foi.
Chegando lá, Robert pede para que todas as funcionárias saiam, menos
Luana, que estava na última cabine, ele bate duas vezes na porta e ela abre.
- Oi, nós precisamos conversar!
Luana percebe que Robert está abatido, porém não decide dizer nada, ainda
está chateada com a discussão da sala de reuniões.
- Eu preciso te falar algumas coisas que aconteceram a pouco!
- Eu sei o que aconteceu a pouco, você e aquele vice, brigaram por nada! E
sobrou até pra mim! Eu sabia Robert que daria problemas a gente se beijando
no seu escritório, e olha só o que aconteceu!
- É, eu deveria ter te ouvido!
- Mas o que aconteceu, por que você está assim, tão pra baixo?!
- Lembra que lá na sua casa, a gente juraria que seriamos sinceros um com o
outro?!
- Lembro! Mas o que que tem?
- Meu pai veio hoje aqui na empresa, inclusive ele continua aqui!
- O que ele veio fazer aqui?
- É, muito difícil o que eu tenho que dizer! Mas eu peço que você
compreenda!
- Aconteceu alguma coisa grave?!
- Sim, depois daquilo que aconteceu na reunião, eu fui até o meu escritório
pra falar com você, mas infelizmente, você não estava lá! Quem eu encontrei
foi a Sara, me esperando…
- O que ela queria com você?!
- Ela queria me contar uma coisa, mas não me disse a tal coisa até o meu pai
chegar, porque ela sabia que ele iria me pressionar!
- Diz logo o que ela queria!
- Ela está grávida Luana, a Sara está grávida, e o filho é meu!!!
Luana olha para o rosto de Robert, e fica sem entender, aquilo foi como uma
faca fria entrando em um coração quente, nem nos seus piores pesadelos ela
poderia esperar uma coisa dessas. É muito difícil você escutar que uma garota
está grávida do cara que você gosta.
- Ela está grávida?!
- Sim, ela está grávida!
- Nossa! Eu nem poderia supor isso! A gente começou a namorar ontem, e
olha o que temos hoje? Uma gravidez! Isso realmente é uma coisa grave, e
que faz nós pensarmos se vale a pena continuar!
- Eu não queria que ela estivesse grávida! Eu juro!
- Se você não quisesse mesmo! Você não transaria com ela na mesa do seu
maldito escritório Robert!
- Nós sempre usamos preservativos!
- Robert, me poupe dos detalhes! Porque eu não quero saber!
- Como você sabe, que eu e a Sara, fizemos no escritório…
- Porque eu vi! Eu vi! Eu sabia que você iria me decepcionar! Tudo estava
muito perfeito, você era muito perfeito pra ser de verdade!
- Mas o que aconteceu entre nós, foi verdadeiro Luana!
- Tudo bem Robert, a gente pode lidar com uma gravidez! Mas eu acho que
você está me escondendo alguma coisa!
- Eu vim aqui pra te dizer a verdade, e te fazer uma proposta!
- Proposta, que proposta?!
- O Meu pai me ameaçou.
- Com o que?
- Ele queria tirar a diretoria do meu comando!
- Por que?
- Porque ele quer que eu faça o que ele mande!
- E o que ele mandou você fazer?!
- Ele quer que eu me case?!
- O que?!!!
- Ele quer que eu me case com a Sara, e assuma o bebê!
- Como assim? Ele quer que você se case?!
- Meu pai leva muito em consideração essas imposições sociais, de
casamento, filhos… Por isso quer tanto que eu me case com a Sara!
- Robert você fala isso com a maior naturalidade do mundo, você parece que
se esqueceu do que nós vivemos ontem!
- Eu não me esqueci Luana, pelo contrário! Aqueles momentos foram
maravilhosos…
- O que foi Robert?! Você está terminando comigo?!
- Não, não estou! Por isso que eu estou querendo te fazer essa proposta,
queria que você aceitasse ser minha namorada, mesmo eu estando casado. Eu
me caso para agradar o meu pai, mas nós não nos separamos!
- Namorada?! Se você for casado e se eu seguir me encontrando com você, eu
serei a sua amante! É isso que você quer que eu seja? Sua amante?! E como
você tem cara de dizer isso assim?!
- Não é amante Luana, a gente só iria se esconder!
- Engraçado, porque faz poucas horas que você me disse que achava que as
mulheres queriam ser assumidas pro mundo inteiro, e agora você me diz que
quer me esconder?! Como você muda de opinião rápido!
- A culpa não é minha! Diz exaltado Robert.
- Eu queria que a gente tentasse, eu realmente gostei de você, eu gosto como
você vive a sua vida! Eu gosto da sua simplicidade!
- Você diz simplicidade, para não me chamar de pobre, não é?!
– Claro que não, eu nunca olhei para sua classe social!
- Então Robert, me diz agora! Você contou pro seu pai que você tinha
começado a namorar a secretária ontem, e não poderia dar um pé nela por
causa disso?! Você disse isso, que nós estávamos namorando?! Me diz?!
- Não, não disse!
- E sabe porque você não disse, porque você nunca tinha intenções comigo de
verdade! Só queria, o que todos querem, e depois vão embora!
- Eu juro que não! Com você foi diferente, eu me apaixonei por você de
verdade Luana!
- Sabe?! Eu não acredito nisso! Na verdade nunca acreditei! Você não presta,
sempre usou as mulheres como quis! E eu achei que você iria mudar! Como
eu fui burra!
Luana fica indignada, e decide, sair do banheiro, Robert fica desesperado,
pois ela não aceitou a proposta. O que aconteceria depois?
Capítulo oito

O casamento do ano…
Luana volta para casa inconformada, depois daquela segunda-feira,
destroçada, acabada, humilhada e descontrolada. Como alguém pode viver
uma coisa com uma pessoa, e de repente, tudo aquilo acabar?!
Luana realmente acreditou que dessa vez iria ser diferente, pelo menos
parecia, mas novamente, o cara pula fora! E agora, o que aconteceria?! Ela
precisava daquele emprego mais que nunca! Mas quem mandou se envolver
com o chefe?
Enquanto Luana curtia sua fossa, Robert foi afastado temporariamente do seu
cargo, seu pai disse que ele deveria se focar nos preparativos do seu
casamento, e depois da sua lua de mel.
Robert pai, Robert Neto e Sara foram até um restaurante e brindaram a mais
um casamento da elite…
Alguns dias se passaram, e Luana não voltou mais para a empresa, achou que
a haviam demitido, porém as pessoas de vez em quando surpreende, o
telefone toca, e Luana atende.
- Alô, quem fala?
- Luana, aqui é do RH da ‘Robert Companhia’, queremos saber por que você
não voltou ao trabalho?!
- Eu achei que eu tinha sido demitida, ainda mais agora que eu faltei alguns
dias?!
- Não, não temos nenhuma ordem de demissão pra você. Pelo contrário você
foi remanejada.
- Remanejada pra onde?
- Como o senhor Robert tirou alguns dias, o senhor Marcos assumiu
temporariamente o cargo da diretoria-executiva, e ele ficou muito
impressionado com o seu trabalho, ele quer que você seja a nova secretária
dele!
- O que?
- Sim, o senhor Marcos pessoalmente, pediu para que a senhora fizesse parte
da equipe dele, ele quer que você comece amanhã mesmo!
- Mas eu nem conheço ele direito?!
- Ele é o chefe agora, mas você decide?
Luana não teve muito tempo para pensar, mas precisava do emprego, e agora
iria trabalhar para o senhor Marcos, em outro setor, não teria que bater de
frente toda hora com Robert! Talvez essa fosse a melhor opção.
- Tudo bem, amanhã estarei aí sem falta!
- Ok, vou confirmar com o senhor Marcos.

No dia seguinte:
Luana se levantou, ainda não estava recuperada, colocou em sua cabeça que
iria demorar 6 meses para esquecer Robert, e jurou para si mesmo que nunca
mais se envolveria com ninguém do trabalho! Isso nunca dá certo!
Luana se arrumou rapidamente, escovou os dentes, pegou seus óculos, os
velhos, porque os novos ela tinha jogado fora, não queria nada que lembra-se
Robert na sua casa, na sua bolsa ou na sua vida.
Depois de algum tempo pegou um táxi e foi direto a empresa, porém quando
se lembrou que Robert iria se casar, ela começou a chorar ali mesmo, e o
motorista perguntou para ela:
- Aconteceu alguma coisa moça?
- O cara que eu gostava vai se casar com outra?!
- E por que você não vai atrás dele?!
- Porque ele não vale a pena moço, ele é um cafajeste!
- Tudo bem.
Luana seca as lágrimas, se recompõe, e entra na ‘Robert Companhia’ como se
nada tivesse acontecido. Quer evitar comentários dos outros funcionários, que
acham que ela está na pior por causa do ‘casamento do ano’.
Ela ergueu a cabeça o máximo que pode, e entrou naquele prédio como se
nada tivesse a abalado! Chega de sofrer por homens que não valem a pena!
Ela agora trabalharia na ala 2, onde ficava localizada a vice-presidência,
mesmo Marcos tendo assumido o cargo mais importante da empresa, preferiu
ficar no seu antigo escritório, até porque seria provisório, logo Robert voltaria
e retomaria o seu posto.
Luana chegou cedo, viu sua nova mesa, e começou a arrumar suas coisas,
colocou os seus óculos remendados, e ficou impressionada com a
pontualidade de Marcos, era como um inglês, era o primeiro a chegar e o
último a sair.
Ele era muito mais discreto do que o Robert, porém tinha o seu charme, seu
tom sério o deixava ainda interessante. Ele fazia as mulheres suspirarem,
porque era o tipo ‘pra casar’.
Marcos sai de seu escritório e chama sua nova secretária.
- Olá senhorita, nós não fomos apresentados oficialmente, me chamo Marcos,
e atualmente sou o CEO dessa empresa, então saiba que você é secretária
direta do CEO da ‘Robert Companhia’.
Devo dizer que não gostaria de ouvir sobre suas relações interpessoais com o
CEO afastado, estamos claros?
- Claríssimos.
- Gostaria também de aclarar que nós não teremos certas intimidades, que
Robert permitia! Isso está Ok pra você?
- Sim.
- E gostaria de confessar que sua índole me parece duvidosa, espero que não
se ofenda, mas o que eu ouvi sobre a senhora é caracterizado como
comportamento antiprofissional!
- Eu não me sinto ofendida senhor, as vezes a imagem que você demostra não
corresponde a realidade, mas o que pode ser feito?! Vivemos no mundo onde
as aparências importam mais do que a própria verdade!
Luana parece estar um pouco nervosa, mas mesmo assim Marcos não baixa a
guarda.
- Espero não estar sendo rígido com a senhora, mas preciso colocar certos
pontos em seus devidos lugares.
- Não, de nenhuma maneira!
- Porém também pude notar, pelos relatórios que você fez, que nenhuma
outra secretária foi tão cirurgicamente competente como a senhora, seus
balanços e suas projeções te qualificariam para o cargo de maior destaque,
Robert realmente não viu o tesouro que tinha nas mãos. Eu poderia até
mesmo efetivá-la agora, mas dados os escândalos recentes envolvendo o seu
nome, creio que não seria de bom tom, já que alguns chefes da alta cúpula,
pediram a sua cabeça!
- Minha cabeça?!
- Sim, o pai de Robert assinou uma ordem de demissão, porém quando
analisei o seu trabalho, percebi que isso seria um tremendo absurdo, por esse
motivo, eu vou bancar a sua volta. E espero que trabalhemos por muito
tempo.
- Obrigada senhor Marcos, juro que não vai se arrepender dessa decisão.
- Assim espero, assim espero…
- O que eu posso fazer hoje pelo senhor?!
- Eu quero que você marque uma reunião com o conselho, e quero um
relatório de cada setor, porém com demarcações entendíveis, as vezes há
tantos vícios nos textos, que um conhecedor médio do assunto, não consegue
captar a mensagem.
- Sim senhor.
-Também quero que marque um almoço com a minha noiva no restaurante
‘Lamarque’. A mesa deve ficar no canto esquerdo da entrada, e tem que ser
nessa exata localização.
- Sim senhor. Mas alguma coisa?
- Quero saber, se a senhora pode fazer uma análise sobre os últimos meses da
empresa, um favor, sabe…
- Eu?
- Sim, a senhora mesma, ou tem outra pessoa nessa sala?!
- Mas eu sou apenas uma secretária?!
- Tudo bem, se a senhora não poder fazer a análise eu entendo, não é o
trabalho que a compele.
- Não, eu faço, se o senhor quiser, eu faço, posso fazer.
- Tudo bem. Mas tarde nós vemos isso!
Luana sai do escritório de Marcos, e vai direto ao telefone, para fazer as
reservas, e logo as consegue, já que Marcos é um cliente vip do restaurante.
- Alô senhor Marcos, só para avisar que a reserva está feita.
- Tudo bem, obrigada.
Na hora do almoço, Marcos sai do seu escritório falando ao telefone:
- Eu já marquei, a reserva já estava feita… Como assim você não vai poder ir,
e me avisa assim? Em cima da hora?! Tudo bem, mais tarde a gente se vê…
Marcos fica um pouco atordoado, e decide ir até a mesa da sua secretária…
- Aconteceu alguma coisa senhor?
- Minha noiva, ela não vai poder ir ao restaurante!
- Que pena!
- É, que pena!
- Que pena mesmo!
Marcos olha para Luana…
- E você, já almoçou?!
- Eu?!
-É, você!
- Não.
- Sabe, a reserva é pra dois, então, sabe?
- Sei o que?
- Você poderia me acompanhar?!
- Mas eu não posso senhor!
- Por que?
- Porque o senhor é o meu chefe!
- Mas esse almoço seria para tratar de assuntos profissionais! Na verdade nós
nem nos falaríamos. Comeríamos, e depois iríamos embora, não vejo nada de
incomum nessa situação.
-É verdade, vamos lá, o que custa?…
Luana pega sua bolsa, e sai junto com Marcos, quando Kimberly vê os dois
saindo comenta:
- Essa aí não perde tempo.
Marcos e Luana chegam ao restaurante, e se sentam…
- O que a senhora deseja?! Pergunta o garçom.
- Eu vou comer o mesmo que o senhor Marcos.
- E o que o senhor deseja?!
- O de sempre pra mim e pra ela. Obrigada.
- E para beber?!
Luana rapidamente responde:
-Água.
- Eu também, quero água!
Os dois começam a comer, e Marcos observa discretamente Luana, que se
sente incomodada.
- Algum problema? Pergunta Marcos.
- É que o senhor está olhando pra mim! E eu não consigo comer quando tem
alguém olhando pra mim!
- Me desculpa, não era a minha intenção.
- Tudo bem.
Marcos e Luana não falaram uma palavra sequer, enquanto o almoço rolava,
já que o atual CEO era muito reservado. Luana também não queria puxar
assunto, pois poderia passar a impressão errada.
- A comida estava boa?! Pergunta Marcos.
- Sim, deliciosa!
- Que bom.
Depois eles se ajeitam, e voltam ao trabalho, e mais um dia na ‘Robert
Companhia’ acaba.

2 semanas depois….

O casamento se aproximava mais ainda, na casa de praia dos ‘Robert’, a


cerimônia será sob a luz do luar.
Sara está radiante, a felicidade está estampada na sua cara, enquanto isso
Robert está bebendo mais do esperado no escritório da casa, o patriarca
também está exibindo a sua felicidade, afinal casará o seu herdeiro, porém há
um pouco mais de satisfação no rosto daquele homem.
Sara e seu irmão Ricardo estão no quarto do andar de cima.
- Abre um champanhe! Não é só o Robert que tem direito de encher a cara
hoje!
- Cuidado irmãzinha, isso não é bom para o bebê.
- Eu não estou nem aí pra esse bebê.
- Mas deveria, ele é a nossa salvação! Ou você esqueceu que nós estamos
falidos?!
- Não, não esqueci isso! Se não pra que eu estaria trabalhando naquela
empresa?! Eu não nasci pra isso!
- Então, mais um motivo! Cuida bem desse bebê, porque é por ele que a gente
vai entrar em uma das famílias mais ricas do Brasil.
- Eu sei disso!
Robert pai, se aproxima do quarto da sua futura nora…
- Imagina, consegui! Consegui me livrar daquela secretária, e ficar com ele!
- Imagina quando ele saber que não é o pai dessa criança?!
- Cala boca Ricardo! Eu já não disse pra você não dizer isso em voz alta?!
Robert pai que estava atrás da porta, escuta tudo e entra no quarto!
- Você contou pra ele Sara?!
- Mas eu só contei pra ele senhor Robert!
- Muito bem, mas imagina se ele conta isso pra alguém?!
- O Ricardo não vai contar isso pra ninguém!
Robert pai se aproxima de Sara e diz…
- Se o meu filho souber que esse bebê que você está esperando não é dele, eu
juro que eu te mato Sara! E deixou você e sua família de imprestáveis na
miséria, você me ouviu?!
- Sim, eu juro que ninguém vai saber que esse filho não é do Robert!
A cerimônia começa, os músicos começam a tocarem, e Robert começa a
caminhar rumo ao altar…

Enquanto isso…
Luana e Marcos estão em um restaurante conversando sobre negócios,
quando a secretária começa a passar mal…
Ela vai até o banheiro, e as náuseas era insuportáveis, Marcos entra no
banheiro e pergunta para Luana:
- O que você tem?
- Eu estou grávida…

“As vezes não sabemos qual é a diferença entre o amor e a paixão, e isso é
essencial!”
Aguarde a segunda parte da história…

‘O CEO e a Secretária – Livro II’

Prévia do Segundo Livro:


Luana está grávida.
Segredos serão revelados na sequência.
De quem é o filho que Sara está esperando?
Por que Robert pai sabe que o bebê de Sara não é de seu filho, mas mesmo
assim quer casá-lo com ela?!
Será que Robert vai mesmo se casar?!
Marcos começa a se apaixonar por Luana.
Reviravoltas e surpresas tomarão conta da sequência de ‘O CEO e a
Secretária – Livro II’. Aguarde….

Diga nas avaliações o que você caro Leitor(a), achou do livro.


Isso é muito importante, desde já agradeço por ter lido essa história, e espero
que esteja aguardado a sequência.
Mais títulos da autora disponíveis na Amazon:

‘Cara de Santo: O Santo e a Libertina’.

Interesses relacionados