Você está na página 1de 3

Capitulo 9 - Dielétrico e suas propriedades elétricas ( Parte II)

 Perdas dielétricas ( fator de perdas tg φ)

Perdas dielétricas: Existem perdas de energia num dielétrico, devido ao trabalho no campo
externo. Eles se apresentam sob forma de calor, tanto em CC como em CA, devido a existência
de uma corrente transversal.

As perdas dielétricas são medidas pela potência consumida por unidade de volume, ou pela
tangente ou ângulo de perdas tgφ.

Sendo assim, é estabelecido um ângulo α, cujo o cos α representa o fator de potência desse
circuito. Esse ângulo será de 90° quando o dielétrico for puro, sem perdas. Porém essas perdas
existem, logo são :

90- φ= δ

Ou seja, quanto maior as perdas, maior será o efeito capacitivo. As perdas elétricas acima das
admissíveis aquecem o isolante.

 A umidade e presença de carbono e de óxidos aumentam as perdas elétricas.


 Campos, tensões, frequências elevadas e, consequentemente trabalho de polarização
maior, elevam as perdas.

FOTO

Os ângulos de desfasamento em série e em paralelo são expressos através de capacitâncias-


série Cs e capacitâncias Cp, onde :

P=UIcos φ

Ligação em série
tg δ = ῳCsr

Ligação em paralelo
1
tg δ = ῳCpR

Perdas dielétricas nos gases


As perdas são bastantes baixas, sempre que o campo elétrico tiver num valor inferior
ao campo de ionização, nessas condições ele é o isolante ideal.
Suas perdas possíveis são devido as condutividades elétricas e são devido ao esforço
para a polarização. Essa condutividade é de valor baixo, razão pela qual as perdas
são pequenas, mesmo em altas frequências.
Perdas dielétricas nos líquidos
Perdas consequentes da condutividade elétrica do material.
FOTOS
Geralmente, os isolantes líquidos são formados por mistura de líquidos polares e não
polares, como no caso óleo para transformadores.

Perdas dielétricas nos sólidos


As perdas são determinadas pelo tipo de polarização, pela estrutura do sólido e pelo
tipo de material (orgânico e inorgânico ).E sua polarização se distinguem por eletrônica
e iônica .
Em sua maioria esses isolantes possuem polarização eletrônica, praticamente ausente
de perdas e suas eventuais perdas resultam de impurezas no material.
Perdas dielétricas em isolantes amorfos inorgânicos
Grupo de vidros, e nele acontecem 3 tipos de polarização:

 Eletrônica
 Iônica
 Estrutural
Suas perdas possuem os seguintes aspectos:

 Perdas que se elavam proporcionalmente a frequência e pouco dependem


da temperatura do ambiente. Porém o tg δ independe da frequência.

 Perdas que variam exponencialmente com a temperatura e pouco


dependem da frequência. o tg δ decresce com o aumento da frequência.

FOTOS

Perdas dielétricas em isolantes inorgânicos poli cristalinos


Características de semicondutores, como o carbono, óxidos de ferro, principalmente
nos muitos porosos , como o mármore branco, são sensíveis a umidade devido a
elevada higroscopia.

 A presença de impurezas também eleva o o tg δ.


 Propriedades elétricas muito instáveis, que fazem variar as perdas.
Perdas dielétricas em isolantes sólidos orgânicos, moléculas polares
Tanto em sólidos amorfos como cristalinos desse grupo, as perdas são em função da
polarização estrutural, resultante de deslocamentos dipolares. E a energia necessária
para isso isso leva ao aquecimento.

 Suas perdas dependem da temperatura, com máximo de perdas a uma


temperatura crítica, especifica para cada material. Também é função da
frequência e uma dada tensão.
 Grupo de fibras e materiais naturais e sintéticos, como celulose, ésteres de
celulose, seda natural, resinas e outros. O papel por elevada higroscopia é
utilizado com um impregnante, como o óleo