Você está na página 1de 3
2032018 0 Caso da Fundigéo Trail (Trail Smelter Case) - Estados Unidos X Canadé: Caractristicas Transfontsrgas dos Danos ae Me O Caso da Fundigao Trail (Trail Smelter Case) - Estados Unidos X Canada: Caracteristicas Transfronteirigas dos Danos ao Meio Ambiente e a Responsabilidade Internacional do Estado por Danos Ambientais SUMARIO: 1 INTRODUGKO. 2 0 CASO. 3A SENTENCA. CARACTERISTICAS TRANSFRONTEIRICAS DOS DANOS AO MEIO AMBIENTE. 5 JRESPONSABILIDADE INTERNACIONAL DO ESTADO POR DANOS AMBIENTAIS. Js CONCLUSAO. 7 REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS, A INTRODUCAQ, Este trabalho ter como econo a apresntagio anaitica do caso que & consderado 0 cio do desenvolvimento do Direito Ambiental nternsconalls) sem, no entanto, ters pretend OS 112 PRINCIPRIS fe esgoti-lo completamente, visto que, ratase de um brevissimo resume; poréin procuraremos MODELOS EM ietalhd-lo harmonicamente. FORMATO WORD Nos capitlos 4 © 5 tratarmos de forma mais gonealzaa a quesio a que nos ~ PETIGGES, fooposemos constants no subtl deste teal. CHECKLISTS 20CASO E DOCUMENTOS ‘O caso supra citado, conhecido como O Caso da Fundigiio Trail (Trail Smelter Case) teve nicio « partir de queixa apresentada pelo Governo dos Estados Unidos contra o Governo da CCanadé{2] & Comisséo Mista Internacional, baseando-se nos termos do Tratado de Aguas de Frontera (Boundary Waters Treaty ou, mais modernamente, podemos dizer Tratedo de Aguas Froateiigas), de 1909. ‘A empresa Consolidated Mining And Smelting Co, of Canada] ~ do ramo de zineo & ichumbol4] — era acusada de polur, também, éreas om terttério estadunidense — mais xe no estado de Washington ~ com ‘emissoes de diéxido de enxofre (ou anidride Apis investigacées, « Comissio Mista Internacional finalizow relatrio, datado em 28 de feverciro de 1931, eeonhecendo e recomendando a realizagio de avertos definiivos por parte da lempresa canadense eestipalando o valor de $150,000 como compens pare dicutr as problemiticas encontad nvengio fi realzada em ig de abril de 199s, ha cidade de Otawa, no Canad das desisdes fomadas na Convengio de Orava, extabelocen-seo Tribunal arbitral, na edade de Washington, MODELOS REVISADOS | une csteniew-se de i6:de abril de i938 a6 sun rsolugho e inaizagao ein i demargo de Ips, ~ DEZEMBRO/2017 Os juizes escalados para arbitrarem o caso foram Charles Warren, dos Estados Unidos; Robert AE Greenshields, do Canad e Jan Frans Host, da Belgica 3ASENTENCA {A decisto proferida em 11 margo de 1941 pelo Tribunal Arbitral pronunciou a favor dos Estados Unidos; prolatou-se que “o Estado tem sempre o dever de proteger outros Estados contra atos injuriosos praticados por individuos dentro de sua jurisdigio'(7], estabelecendo como principio a prevengio do dano ambiental transtronteiigo, Mais ainda, o Tribunal preceituou que: [.-] de acordo com os prinepios do direito internacional (..) nenhum Estedo tom o direto de usar o seu territério ‘ude permitir o seu uso de maneira tal que furos provoguem dans no teritrio de outro Fstado ou nas propriedades de pessoas que af se encontrem, tratando-se de consequéncas sérias © caso os danas sejam objeto de provas claras © onvincentes [8] ‘Temos aqui tomada no apenas de uma, mas de vérias decisdes que debsaram marcas indeléveis na Historia; decisdes essa que em seus contextos vigentes jf eram de suma importinels, com visses de mundo distintas das que conhecemos atualmente; ¢ foi nesse contexto ~ em um passado nio tio distante ~ que as mudangas mais radicals se tornaram realidade e que viriam beneficlar, além do objetivo origindeio, toda uta evagio (ou vérias geragoes) que se segui, efletindo na maneira que pensamos, no modo como agimos © corno vivemos. Segundo Pureza: [1 argumentagio da sentenes arbitral (.) 6 tida como emblemitica dos primeitos passos de um dircito que abandons i sacralizagao do exelusivismo soberano para se abrir is exigencias quer da unidade fisiea dos recursos quer a ‘comunidad de interesses et interdependéneia por ela gerada.(-I[S] Podemos confrontar a decisio do tribunal Arbitralreferente ao Caso da Fundigao Trail afirmar que dela despertaram interesses maiores ‘que aque até entio vislumbrades, ‘4 CARACTERISTICAS TRANSFRONTEIRICAS DOS DANOS AO MEIO AMBIENTE Hodiernamente a complexidade em se deserever o que é “ronteira” ¢ tio enfumagada quanto varivel eflexvel; nie falamos da frontelea ‘sia, delineada indelevelmente (ou ndo, mas haa pretensdo que seja) em nossas mentes, assim como nos mapas ReogrAfeos. ‘Mas o que dizer das novas fronteiras? As éreas e regis trensfronteitigas; aquelas que superam as simples divisos entre Estados; pois ‘quando se fala em lee, consequentemente, em possives desastres ambientais, se fala em danos que vao além do eomumente conhecido ¢ ‘revisivelmente al 'e de gases toxieos, guidas poluentes, que percorrem ima vastidao imensuravel em questio de dias, quig, hors, ot Seja,atravessam os limites antes “domnindveis”e passam para o campo do ineontrolével, muitas vezesatingindoe prejudicando Estados e pessoas que nada contribuiram para ofato consumado, o fatidico e iremedivel desastre ecologic. 6 pensendo nesta problemética que o Diteito Ambiental Intemacional vem para abranger e convergir os regramentos que visam, se nk possbilidade de evilar, mas, ao menos, amenizar possveis danos ambientais, Considerando que o meio ambiente esta forlemente ligado & hntp:itwnww invostidura.com bebblotecajuridicalarigosidirete-ambientall164152-0-caso-da-lundica-tral-rasmelter-case-estados-unidos-x-canada-caractorist 2032018 0 Caso da Fundigéo Trail (Trail Smelter Case) - Estados Unidos X Canadé: Caractristicas Transfontsrgas dos Danos ae Me sustentabilidade e desenvolvimento eeonémicas, considera-se de antemio que ha individuos envolvdos em todos esses processos;€ como salient Hel: [..] 0 Direito Internacional deixou de estar limitado aos Estados ¢& relagio entre eles, para abarcar os individuos como portadores de direitos e de deveres; por outro, a referénca exclusiva @ assuntos politicos e extratégicos ~ estatais, Sempre —estendeu-se para cuntemplar a gestdo de matérias econdmicase soias[.][0] Em suma, compreendemos que os danos causados em possiveis degradagdes ay meio ambiente em regides transfronteirigas trazem problemas muita além dos vsiveis a curto prazo; tais desastresscarretam, também, desestabiizagao econdmica, problemas de saice a eurzo, medio e Tongo prazo e, mas raramente, poréan no neceseariamente mas improvavels, cuerels judiciais entre os Estados 5A RESPONSABILIDADE INTERNACIONAL DO ESTADO POR DANOS AMBIENTAIS {mister afrmar que apés essa primeira experiénca, no que tange ao Direito Ambiental Internacional, as posigbes dos Estados e dos stores flobaisficaram mais claras © suas responsabilidades mais tzgentes © suscetivels Ae cobrangas, nfo s6 dos eidadaos dos pa(ses envolvidos, mas também de toda a comunidade international, considerando que a visio comumente definida de fronteira 6 varabilissima quando tratamos de meio ambiente; e todo acidente envolvendo o meio ambiente, toda eatéstrofe ambiental e todo dano eausado ao nosso habitat seré compartiado, direta «fou indiretamente, por virios povos e nagdes; parte dai“ principio pelo qual os Fstados podem ser responsabilizads em reelamatoras interestatais Sob 0 Direito Tnteracional’[1] e conforme nos ensina o Professor Guido Soares, refletindo sobre tas efeitos e consequéneias, "no que respeita 20 ddano, o Diceto Internacional distingue os prejuizoscaustdos diretamente aos Estados, eindiretamente, a pessoas sob sua jurisdigdo (ecus nacionais) -Pfhal. Entendemos que possa haverdistingdes quanto as punigSes esangSes, porém elas existem, mesmo que em patamaresdiferenciados. 6 CONCLUSAO, E visivel o desenvolvimento que o Direito Ambiental Internacional experimentou desde 0 Caso da Fundigdo Trail, porém, a degradacio didria que o meio ambiente vem sofrendo, ano ap6s ano, aio deixa dividas de que o miximo ainda € 0 minimo, quando falamos de protege ao micio ambiente. 0 Direito cumpre seu papel, como fieou provado na sentenca do Tribunal Arbitrl, no representative ano de 1941. Sessenta e nove anos se passaram desde entio, com a certeza de que a vitéria dos Estados Unidos, nesse caso, foo inicio de uma nova mentalidade:aideia de que, na lsta em ‘rol da meio ambiente, 0 tem fronteiras ‘7 REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS. ARANTES NETO, Adelino. Responsablidade do Estado no Direito Internacional e na OMC. 26d. Carta: Jurud, 2008, ‘BIRNIE, Patrica; BOYLE, Alan. International Law & The Environment apud ROESSING NETO, Ernesto. Responsabilidade Internacional Dos Estados Por Dano Ambiental: 0 Brasil ea Devastagae AmazOnica. Discurso Juridico. Faculdade Tntegrado de Campo Mourio, Campo MoUrao, ¥-2, n.2, 2008. Disponivel em: chitp//revsta grupointegrado br/revista/index.php/ Aiscutsojuridico/artcle/viewFile/:89/79> Acesso em: 26 de maio de 2010. BORGES, Leonardo Estrela. Direito Ambiental Internacional e Terrorismo: Os Impactos no Meio Ambiente. Boletim Cientifieo. Eseols Superior do Ministério Piblico da Uniio, Brasfa, ano I, n. 9, outubro/dezembro de 2003. Disponivel em: . Acesso em: 25 de maio de 2010. BRATSPIES, Rebecca M.; MILLER, Russel A. (Org). Transboundary Harm in International Law: Lessons From The Trail Smelter Arbitration. New York: Cambridge University Press, 2006. CARVALHO, Jaqueline Ridolf. Tratado Regulamentando a Exploragio do Aquifero Guarani Pelos Paises do Mereosul. Faculdades de Campinas, Campinas, 1° de dezembro de 2008. KUOKKANEN, Tuomas, nternational Law And The Environment: Variations on a Theme, The Hague: Kluwer Law International, 2002, MACHADO, Matra Rocha. Internacionalizagdo do Direito Penal: A Gestdéo de Problemas Internacionais Por Meio do Crime e da Pena Colegio Direito GV. Sio Paulo: 34, 2004, NASCIMENTO F SILVA, Geraldo Eulilio do. Direito Ambiental Internacional: Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentavel eos Desafios| ‘da Nova Orem Murdil, 2 ed, Rio de Janeiro: Thex, 2002, PUREZA, José Manuel, Globalizagdo e Direito Internacional: Da Boa Vizinhanga ao Patriménio Comum da Humanidade, Lua Nova CEDEC, Sio Paulo, 8 30,1993 OBR, Cairo AR. (Org). International Environmental Law Reports: Barly Decisions, v.. Cambridge: Cambridge University Press, 1999. ‘SANCHEZ, Vieente; JUMA, Calestous (Org). Biodiplomacy: Genetic Resources And International Relations. Nairobi: ACTS Press, 1994 ‘SOARES, Guido Fernando Silva. Curso De Direito Internacional Pbblieo. 2. ed. Séo Paulo: Atlas, 2004, WORLD BANK. The Characteristics And Consequences of Cross-Border Oil And Ges Pipelines. IN: Cross-Border Oil And Gas Pipelines: Problems And Prospects. Joint UNDP / World Bank Energy Sector Management Assistance Programme - ESMAP, Washington, junho de 2003. Disponivel em: . Acesso em: 26 de maio de 2010, UNITED NATIONS. Colet@nea das Sentengus Arbitras. ». XII apud KISS, Alexandre. Direito Internacional do Ambiente. IN: Textos do Centro de. Fstudos Judiciévios, Ambiente e Consumo. Tradugio de Maria Gabriela de Braganca. v. I. 8. ed. Lisboa: DIRAMB, 1996 apudSCALASSARA, Levit Maria, Conflitos Ambientais: 0 Acesso @Justiga eos Meios Alternativas de Solugdo de Conflites. Discurso Juridico. Faculdade Tntegrado de Campo Mourao, Campo Mourfo,v. 2, 2, 006, Disponivel em: . Acesso em: 25 de maio de 200. Reports of International Arbitral Awards: Trail Smelter Case (United States, Canada), 16 April 1998 And 11 March 1941, v. I, _pp. 1905-1982, New York, 2006. Disponivel em: chttp: /untreaty:un.org/eod/raa/cases/vol_Il/i905-1982. pdf. Acesso em: 25 de maio de 2030. “Académico do curso de Dieito no Centro Universtério Via Velha - UVV. Vila Veli, ES, Membro do FSP - Frum Capixaba de Seguranga Pbliea hntp:stwnww invostidura.com bebblotecajuridicalarigosidirete-ambientall164152-0-caso-da-lundicac-tral-raismelter-case-estados-unidos-x-canada-caractorit 2032018 0 Caso da Fundigéo Trail (Trail Smelter Case) - Estados Unidos X Canadé: Caractristicas Transfontsrgas dos Danos ae Me I ep evr Gran laa ert enor Se ment Ingen a «em ete Dano Cra, IS UNITED NATIONS, Repos of [emai ae TiS Cs! Str Cah ig 19S ad ch 1g SIR (3) Sede tr Bri Cota Coa a) Apes enti ae ek inn der gt. ROBB Ca ARO) erin Fina Rep: ay Din p25 [6)__cstansa Union nearness a psoaruma adel fos ins ud go wc San ner abi er te aa a 0.0 ot Seon Cansicmctos Wi 3 ai Non Rn os a a oC pr Mah 6) coment dapat e138. 7) Nasco stv, ens anh Deis Ambien io AnD Staelin dv Gro al 5 [8], Nios cts Se Aas lS, Ae Dr nal Acs es i a, ae [3] romsza in buen De macnn er Vso Pena Ca anne La Net CEDRE 235 7 [£0] itn, a em lO in nds et 8 bem Capi aed MAIO, a Rsk mir ii om at ee (SRN, pv BOYLE A ona ow Ta aye pu ROESSNG NETO rm, Raposo nea os Es Por Dano Ai 0 ee Deve Fata Dac rn Fanny ce Campo Norn,Cmpein «2 2 12] SonRis, ue FommtnSiv Can De Diana Pin 1 hntp:stwnww invostidura.com bebblotecajuridicalarigosidirete-ambientall164152-0-caso-da-lundicac-tral-raismelter-case-estados-unidos-x-canada-caractorit