Você está na página 1de 7
DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BASICA DISCIPLINA ADMINISTRAGAO EM ENFERMAGEM I ADMINISTRAGAO - origem ¢ conceitos'. GRECO, ROSANGELA MARIA? Objetivos * Descrever ¢ conceituar a Administragao Geral ‘© Conhecer os principios e objetivos da Administragao Geral; © Refletir sobre a origem do saber administrativo; 1— Por que estudar administragao? O ser humano é um ser social por natureza, vivemos em COMUM-UNIDADE, que se articula e se organiza através de instituigdes diversas, que si denominadas organizagdes, assim todas as atividades, sejam elas de produgdo de bens ou de prestagdo de servigos sao realizadas dentro de organizagées. As organizagSes/instituigdes/empresas desenvolvem processos de trabalho, ou seja, transformam objetos através de meios ¢ instrumentos, tendo em vista a finalidade da organizacao/instituigdo/empresa. No inicio dos tempos estas organizagdes eram pequenas com estruturas simples e faceis de serem controladas. Entretanto com a evolugdo da sociedade as organizagdes eresceram e ganharam uma dimensdo tal que exigiu a criagdo de uma disciplina que desse conta de pensar, discutir e viabilizar a estruturagiio dessas instituigdes. Estas organizagSes/instituigdes/empresas so compostas por recursos “nio- humanos” (fisicos, materiais, financeiros, tecnolégicos, mercadolégicos e outros) ¢ pessoas, que para trabalharem em conjunto, tendo em vista a finalidade do servigo, necessitam que sua pritica seja estruturada, através da definigdo de planos de agdo, de objetivos, da condugao dos recursos e da estruturagdo formal do desenvolvimento das atividades, ou seja, clas necessitam da ADMINISTRACAO (CHIAVENATO, 1993; KWASNICKA, 1991; PARK, 1997). Além disso, se vocé reparar bem a administragao & necessaria toda vez que duas ou mais pessoas interagem para alcangar certo objetivo, assim a administragdo nao esti presente apenas nas grandes empresas, mas por exemplo em familias, clubes, organizagdes piblicas, ONGs, igrejas, entre outras. Assim pode-se concluir que a administragdo é necesséria em todas as organizagdes sendo universal, uma vez que seu corpo de conhecimentos pode ser aplicado em todos os niveis de uma organizagdo e por todas as areas de conhecimento (MEGGINSON; MOSLEY; PIETRI, 1998). 2-0 que é Administrar? A necessidade da administragdo existe desde as mais antigas sociedades (quadro 1 em anexo), todavia foi com a expansio do processo de produgdo industrial na Inglaterra, Franga e EUA que as mudangas na organizagao do trabalho, com a separagao Este texto foi elaborado como material instrucional para a Disciplina Administragio em Enfermagem I, para os académicos do Curso de Graduagdo em Enfermagem da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora Pedimos que, caso haja o interesse em utilizar este material, sejacitada a referéncia ? Enfermeira, Doutora em Saide Pablica, Professor Associado do Departamento de da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora, e-mail rosangela greco@ufifiedu.br fermagem Basica entre a concepsio, execugio e controle, fizeram com que a pritica e a teoria da administragao/geréncia do trabalho ganhassem impulso (PINHEIRO, 1998). A palavra administrago vem do latim ad (diregdo, tendéncia para) € minister (subordinacao ou obediéncia), significando aquele que realiza uma fung’o, um servigo, sob um comando, para 0 outro, estando frequentemente associada fungdo controle (CHIAVENATO, 1993). Na sua origem a administragao © o controle tinham como caracteristicas a rigidez e coergo, com a evolugdo da pritica © da teoria geral da administragdo, as formas de controle foram se transformando incorporando a flexibilidade, participagio ¢ negociago como estratégias, pasando a ser compreendidas como forma de monitoramento das praticas ou agdes (PINHEIRO, 1998). Para CHIAVENATO (1993) administrar nos dias de hoje significa fazer uma leitura dos objetivos propostos pelas instituigdes e empresas e transformé-los em ago organizacional partindo das fungdes administrativas ou seja_do planejamento, organizagio, diregdo ¢ controle através do esforgo de todos, realizado em todas as areas € em todos os niveis da organizagio, a fim de aleangar os objetivos propostos da maneira mais adequada 4 situagio. Segundo PARK (1997) “a administragdo é uma filosofia em agiio”, pois ao observamos a realidade, construimos nossas idéias, que sdo transformadas em ago pelo principio criativo e a administragao visa um equilibrio entre a compreensio e a extensio de nossas idéias Para DRUCKER (2001, p.13) “Administrar & aplicar 0 conhecimento & agio”(grifo nosso), uma vez que a administragio transforma a informagio em conhecimento e este em ago. ‘A administragio pode ser compreendida também como ciéneia, atte, técnica e processo o que é explicitado por BALDERA (1995): + Ema cigncia social porque seu objeto de estudo ¢ 0 homem nas organizagdes sociais. Fundamenta-se em principios que se expressam em um marco tebrico, io coerentes ¢ sistematizados, aplica 0 método cientifico para desenvolver sua teoria, e tem um método proprio de aplicagao; + E-uma téeniea, porque se aprende em aulas, se aplica em campos de trabalho, requer pratica e utiliza instrumentos préprios; + E uma arte porque implica destrezas, sentimentos especiais, experiéncia e equilibrio estético, o que diferencia o fazer. A administragdo coordena as agdes de todas as reas de uma organizagio, “é a area de atividade humana que se ocupa de conseguir fazer coisas com e através de pessoas” (FONSECA, 1996). Para DRUCKER (2001, p. 22) ainda, ha duas respostas bem populares para a pergunta: O que ¢ administragdo? “Uma diz. que administragdo ¢ o pessoal superior — ¢ © termo administragio & pouco mais do que um eufemismo para “o patrio”. A outra define um administrador como alguém que dirige o trabalho de outros ¢ ‘cujo trabalho’, como diz o slogan, *é fazer que os outros trabalhem’. Para os alunos do 6° periodo do curso de graduagdo em enfermagem da FACENF/UFIF do 1° semestre de 2013 Administragao é: seus conhecimentos 3 — Qual é d base de sustentagao da administracéo? Principios Para fazer a administragao os administradores contam com téenicas, ferramentas e truques que auxiliam no alcance de seus objetivos, entretanto estes meios e instrumentos no sio to importantes quanto os principios essenciais sob 0 qual se alicergam a ciéncia da Administragdéo (DRUCKER, 2001). Para CHIAVENATO (1993), principio é uma afirmago, uma proposig&o geral valida ¢ aplicavel para determinados fendmenos, é uma previsio antecipada do que deverd ser feito quando ocorrer Aquela determinada situagdo, é um guia de agdo, Os prinefpios so a base sob a qual se sustentam as teorias, nfio devem ser abordados de forma rigida, mas sim considerados relativamente e flexivelmente, tendo ‘como base o bom senso. Segundo CHIAVENATO (1993) os 11 principios que fundamentam o fazer administrativo sio: Em relacao aos objetivos: 1 - Os objetivos da organizagZo/instituigo/empresa devem ser claramente definidos ¢ estabelecidos por escrito. Toda organizagio tem que ter um compromisso com metas comuns ¢ valores compartilhados, tem de ter objetivos simples, claros e unificantes, simples e flexivei Em relagéo as atividades e agrupamento de atividades: 2 — Toda fungao por mais simples que seja deve ter uma responsabilidade definida 3 — As fungdes devem ser claramente descritas e designadas para que se alcance a operagaio mais eficiente ¢ econémica, ou seja a utilizagao racional dos recursos disponiveis. Em relagéo a autoridade: 4 - Deve haver uma linha de autoridade claramente definida, conhecida e reconhecida por todos, desde o topo da organizaco até cada individuo da base, 5 —A autoridade, a responsabilidade, os deveres de cada pessoa ou drgio, bem como suas relagées com outras pessoas ou drgaos, devem ser definidos, estarem documentados e comunicados a todos. 6 - © desempenho das fungdes deve ser acompanhado da respectiva responsabilidade que deve andar junto com a correspondente autoridade, ambas devem estar equilibradas entre si 7 — A autoridade para tomar ou iniciar uma ago deve ser delegada o mais proximo possivel da cena da acio. 8 —O niimero de niveis de autoridade deve ser 0 minimo possivel. Em relacao as relagdes: 9 - Ha um limite quanto ao numero de pessoas que podem ser supervisionadas por um superior, considerando-se sempre a relago local/tempo/pessoas. 10 - Cada pessoa deve subordinar-se a um ‘nico superior, evitando-se duplicidade de ordens. 11 — A responsabilidade da autoridade mais elevada para com os atos de seus subordinados é absoluta. Os administradores que compreenderem esses principios e trabalharem sob sua luz muito provavelmente serdo administradores bem-formados ¢ bem-sucedidos. 4 - Administragao para que? Objetivos. Objetivos so alvos que se busca atingir, todos nés possuimos objetivos, eles sio as molas propulsoras que impulsionam as nossas vidas. As organizagdes também possuem objetivos, e sio eles que alicergam 0 trabalho, na medida em que determinam a estrutura das instituigdes, as atividades a distribuigado dos recursos humanos nas diversas tarefas (DRUCKER, 1991). Os objetivos em uma instituigo ou servigo, devem ser dindmicos, pois sio & base da relagdo entre a organizagio o ambiente extemo ¢ os participantes e, portanto estio em continua evolugdo, alterando essas relagdes, devendo ser reavaliados e modificados em fungo das mudangas no ambiente externo e interno da organizagao (FONSECA, 1999), Objetivos amplos possibilitam a definigio de politicas, diretrizes, metas, programas, procedimentos ¢ normas; possibilitando que se identifique o papel que a organizag’o desempenha na sociedade em geral. Segundo MEGGINSON; MOSLEY; PIETRI (1998) a administragao possui dois objetivos principais: - Aleancar a eficiéncia — se refere aos meios, os métodos, processos, regras e regulamentos sobre como as coisas devem ser feitas na empresa a fim de que os recursos sejam adequadamente utilizados. Uma organizagao eficiente ¢ aquela que utiliza racionalmente seus recursos, + Alcancar a eficicia — se refere aos fins, os objetivos ¢ resultados a serem alcancados pela empresa, significa a capacidade de realizar um objetivo ou resolver um problema, capacidade de se chegar aos resultados. Quadro apresentando: Algumas diferengas entre eficiéncia ¢ eficdcia Eficiéncia Eficacia = Enfase nos meios + Enfase nos resultados = Fazer corretamente as coisas «Fazer as coisas corretas + Resolver problemas + Atingir os objetivos + Salvaguardar recursos * Otimizar a utilizagao dos recursos = Cumprir tarefas e obrigagSes * Obter resultados = Treinar os subordinados * Proporcionar _eficdcia = Manter as maquinas subordinados *_Disponibilizar maquinas Willian (1978) apud Chiavenato (1987) 5 - Consideragies Finais De modo geral podemos dizer que a finalidade da administragdo é estabelecer e alcangar os objetivos das instituigées, tornar o trabalhador um realizador, além de discutir © analisar os impactos sociais e as responsabilidades sociais da empresa (MEGGINSON; MOSLEY; PIETRI, 1998 e DRUCKER, 2001). 6— Referencias ALMEIDA, M. C. P. de et al. A situago da enfermagem nos anos 80. In: ANAIS Congresso Brasileito de Enfermagem 41°, Florianépolis, 1989. ALMEIDA, M. C. P. de; ROCHA, S. M. M. (org.) O trabalho de enfermagem. Sio Paulo, Cortez, 1997. BALDERAS, M. de la L. Administracién de los servicios de enfermeria. México, Interamericana/MeGRAW-HILL, 1995. BRASIL. Lei 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispde sobre a Regulamentagdo do Exercicio da Enfermagem e da outras providéncias. Brasilia: Ministério da Saide; 1986, [citado em 19 de maio de_—«-2011]._—Disponivel_~— em: http://www2.camara, gov br/legin/fed/lei/1980-1987/leic7498-25-junho-1986-368005- norma-pl.html CHIAVENATO, I Teoria Geral da Administragdo: abordagens descritivas explicativas, Sio Paulo, MacGraw-Hill, 1987. vol.2. CHIAVENATO, I. Teoria Geral da Administracao. Sio Paulo, MAKRON BOOKS, 1993, DRUCKER, P.F. Introdugdo a administracdo. Sao Paulo, Pioneira, 1991. DRUCKER, P-F.O melhor de Peter Drucker: a administragao. Si Paulo, Nobel, 2001. ERDMANN, A. L. et al. A disciplina de administragdo da assisténcia de enfermagem: culpada? Rev. Texto & Contexto. v.3, n.2, p. 17-23, jul.-dez. 1994 FELLI, V. E.; PEDUZZI, M. O trabalho gerencial em enfermagem. In: KURCGANT, P. Gerenciamento em enfermagem. Rio de Janciro, Guanabara/Koogan. 2005.. FONSECA, M. das G. Administragdo geral e a enfermagem. Faculdade de Enfermagem/ Departamento EBA, 1996. (apostila de curso). FONSECA, M. das G. As fuuncdes administrativas aplicadas a geréncia da unidade de trabalho. Faculdade de enfermagen/Departamento EBA, 1999. (apostila de curso). GoM) L. R. et al. Dimensao histérica da génese © incorporagdo do saber administrative na enfermagem In: ALMEIDA, M. C. P. de; ROCHA, S. M. M. O trabalho de enfermagem. Sio Paulo. Cortez, 1997 KRON, T.; GRAY, A.. Administragio dos cuidados de enfermagem ao paciente. Rio de Janeiro: Interlivros, 1994. KURCGANT, P. As teorias de administragdo e os servigos de enfermagem. In: KURCGANT, P. (org.). Administragdo em Enfermagem. Sao Paulo, EPU, 1991, p.165. KWASNICKA, E. L. Introducao a Administragao. Sao Paulo, Atlas, 1991 MARX, K. O Capital: critica da economia politica. Séo Paulo, Nova Cultural, 1988 MEGGINSON, L.C.; MOSLEY, D. C.; PIETRI, P. H. JR. Administracao: conceitos & aplicagao. Trad. Hopp, I. M. So Paulo. Harbra, 1998 MENDES, A M. B. Os novos paradigmas de organizacdo do trabalho: implicagdes na saiide mental dos trabalhadores. Rev Bras. De Satide Ocup. n° 85/86, v. 23, p. 55-60. sidata, PARK, K. H. (coord.) Introducdo ao estudo da administragdo. So Paulo, Pioneira, 1997, PINHEIRO, T. X. A. Administragdo Publica. Rev. Adm. Publ. n° 3, v.11, p.95-101, 1998. QUEIROZ, V.M.; SALUM, M. J. L. Sintese do tema da primeira oficina de trabalho: processo de producdo em saiide. In: Semindrio de redirecionamento da pratica da enfermagem no SUS: caracterizagio das necessidades dos enfermeiros para seu aperfeigoamento 1°, So Paulo, 194. VICENTIM, L. et al. Administragéo da assisténcia de enfermagem ¢ a atuagdo do enfermeiro. In: Anais. Jubileu de Ouro do Curso de Graduagio em Enfermagem da Escola Paulista de Medicina — Departamento de Enfermagem, 1991, p.131-142. 7- Exercicios para fixagio do contetido 1) Cite e explique quais sao os objetivos da administragio? 2) Explique como os 11 prineipios que fundamentam o fazer administrativo se aplicam no trabalho da enfermagem? 3) Tendo por base 0 conceito de administragiio descreva como ela se aplica na enfermagem, Quadro 1: A administra icdes antigas OE gito (Os egipcios durante a construgao das pirdmides praticavam agbes que garantem a legitimidade das teorias administrativas. Eles reconheceram 0 valor do planejamento das atividades, 0 uso de uma pessoa que comandasse os demais trabalhadores, como um conselheiro, o principio de organizago em grupos, com divisio de atividades e responsabilidades e a técnica de descrigdo das tarefas de cada elemento do grupo. Surgiu também a fungdo de administrador para coordenagiio do empreendimento estatal. A Babilénia Os hebreus Os Gregos O Cédigo de Hamurabi constitui um texto de leis que orientou 0 povo no princfpio de trabalho; institui o principio da paga minima, contratos de trabalho e recibos de pagamento que permitiam controlar transagdes, comerciais. Registraram alguns principios basicos administrativos na Biblia. O Exodo, empreendido por Moisés, foi uma tarefa gerencial; foi utilizada uma politica de descentralizagao de decisdes em que se esbogavam os primeiros contomos dos organogramas atuais. Os Dez mandamentos so algumas | regras de conduta organizacional para preservar a solidariedade do grupo. Aristételes desenvolveu a tese de que a realidade é apreendida através da percepao e da razio. O espirito cientifico de investigagdo formou a base da geréncia cientifica. Eles utilizavam a arte e a misica como orientago, Seu ritmo serviu para definir os movimentos padronizados e as cadéncias de trabalho - os repetitivos - Roma Desenvolveu um sistema semi-industrial de manufatura armamentista, para sua legido; de produgdo de ceramica para o mercado mundial, e, posteriormente, t€xtil para exportagio. China King WU fundou a dinastia CHOW e era vista como uma constituigo, onde constava a relago do quadro de pessoal do Imperador, do mais alto escaldo até a mio-de-obra considerada servigal. Também se observava a descrigdo detalhada das tarefas de cada um. Implantaram também a selegdo cientifica de seus trabalhadores através de critérios rigidos como: habilidade de cada individuo, seu conhecimento e experiéncia para a tarefa ¢ seus tragos de personalidade. Fonte: Wren, D.A. The evolution of management thought. Canada: Wiley & Sons, 1979. Resumo elaborado pelo Prof, Dot Nétio Amboni, UDESC/UNISUL, 1997 In: bitp://www,unisul br/content/paginadoscursos/administracaoicara/disciplinas! acessado em 08/margo de 2007.