Você está na página 1de 41

Profª Patrícia Albuquerque

TÓPICOS

 Anatomia e Função da Pele


 Classificação das Feridas
 Cicatrização: Fases; mecanismo; fatores
que interferem
 Lesão por Pressão: Patogenicidade,
fatores de risco e estágios.
O CONHECIMENTO DA CICATRIZAÇÃO
NORMAL DA PELE AJUDA NA
IDENTIFICAÇÃO DE CONDIÇÕES QUE
REQUEREM A INTERVENÇÃO DA
ENFERMAGEM.
Revisão – tecido (pele)
FUNÇÕES DA PELE

• A pele consiste em uma estrutura altamente


especializada e multifuncional, sendo o maior
órgão do corpo humano (GEOVANINI, 2014;
POTTER; PERRY, 2010).
FUNÇÕES DA PELE

 Maior órgão do corpo


 15% peso corporal
 Barreira Protetora
 Órgão Sensorial ( dor,
temperatura e toque)
 Sintetiza vitamina D
 Termorregulação
 Imagem Corporal
CAMADAS DA PELE
Feridas e cicatrização
Feridas:
• Ruptura estrutural (solução de continuidade) e
fisiológica do tegumento cutâneo, da
membrana mucosa ou de qualquer parte do
corpo.
FERIDAS

É uma interrupção da
integridade e da
função dos tecidos no
corpo, de alteração da
integridade anatômica
ou da função
fisiológica do tecido.
FERIDA: Causa

• Quanto à causa:
• Intencional: incisão cirúrgica;
• Não intencional: agentes cortantes,
escoriações por atritos, queimaduras,
agentes físicos (fogo) ou por agentes
químicos (ácidos) e as LPP.
CLASSIFICAÇÃO
Quanto à época:
• Aguda
• Crônica
Quanto à camada da pele lesada:
• Estágio I: quando atinge a epiderme;
• Estágio II: quando atinge a derme;
• Estágio III: quando atinge o subcutâneo;
• Estágio IV: quando atinge o músculo e
estruturas ósseas.
CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS
 Etiologia ( doença associada)
 Mecanismo da lesão ( Traumática;
cirúrgica; patológica)
Morfologia ( Localização; número;
dimensão e profundidade)
Grau de Contaminação ( limpa;
contaminada ou infectada
Fase Cicatricial ( inflamatória , proliferativa
e maturação)
CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS
 Características do Exsudato ( aspecto,
coloração e odor)
 Característica do Leito da Ferida ( necrótico;
fibrinoso; granulação e epilelização)
 Cultura da Secreção (agente etiológico)
 Evolução da Ferida ( aguda ou crônica)
 Tipo de Cicatrização ( primária ; secundária
ou terceira intenção)
 Segundo a Cor ( vermelho; amarelo e preto)
Rompimento das Estruturas
Superficiais

• FERIDA ABERTA – Sem aproximação das


bordas

• FERIDA FECHADA – Com aproximação e


sutura de bordas. Ex: ferida cirúrgica.
CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS
Mecanismo da lesão

CONTUSAS
• Produzida por ação
contundente de um
objeto rombo
caracterizam se por
traumatismo das partes
moles, hemorragias e
edemas.
Incisas
Produzida por
um
instrumento
cortante.
Ex: faca; bisturi
Lacerdas
Apresentam
margens
irregulares,
como as
produzidas por
caco de vidros
ou arame
farpados
Perfurantes

Causadas por
arma de fogo ou
armas branca.
Produzem
pequena abertura
na pele, porém
podem atingir
camadas teciduais
profundas ou
órgões
Etiologia
As feridas são classificadas segundo
diversos parâmetros, que auxiliam no
diagnóstico, evolução e definição do tipo de
tratamento, tais como:
 Cirúrgicas,
 Traumáticas e
 Ulcerativas
Cirúrgicas
Provocadas por instrumentos cirúrgicos, com
finalidade terapêutica, podem ser:
• Incisivas: perda mínima de tecido
• Excisivas: remoção de áreas de pele.
Feridas incisivas cirurgicas
Ferida excisiva cirurgica
Traumáticas:
Provocadas acidentalmente por agentes
que podem ser:
• Mecânicos: prego, espinho, por
pancadas;
• Físicos: temperatura, pressão,
eletricidade;
• Químicos: ácidos, soda cáustica;
• Biológicos: contato com animais,
penetração de parasitas.
Ulcerativas
Lesões escavadas, circunscritas, com
profundidade variável, podendo atingir desde
camadas superficiais da pele até músculos. As úlceras
são classificadas conforme as camadas de tecido
atingido, conforme apresentado abaixo:
• Estágio I: pele avermelhada, não rompida, mácula
eritematosa bem delimitada, atingindo epiderme.
• Estágio II: pequenas erosões na epiderme ou
ulcerações na derme. Apresenta-se normalmente
com abrasão ou bolha.
• Estágio III: afeta derme e tecido
subcutâneo.
• Estágio IV: perda total da pele atingindo
músculos, tendões e exposição óssea.
Cicatrização:

Complexa sequência de eventos coordenados


desencadeados pelo organismo, que objetivam
reconstruir estrutural e
funcionalmente o tecido comprometido em sua
maior plenitude.
TIPOS DE
CICATRIZAÇÃO

Primeira • Em feridas realizadas de maneira asséptica, com um


mínimo de destruição tecidual e que são
intenção devidamente fechadas. O tecido de granulação não
é visível.
Segunda • acontece em feridas nas quais as bordas não foram
intenção aproximadas com perda excessiva de tecido com a
presença ou não de infecção. A aproximação
primária das bordas não é possível.
• designa a aproximação das margens da ferida (pele e
Terceira subcutâneo) após o tratamento aberto inicial. Isto
intenção ocorre principalmente quando da existência de
infecção, que deve ser tratada primeiramente, para
então ser suturada posteriormente.
FATORES QUE INTERFEREM NA
CICATRIZAÇÃO
Estresse;
Infecção Tabagismo ansiedade; Perfusão e Doenças
depressão oxigenação crônicas

Aporte
nutricional e Edema Ida Medicament Obesidade
hidratação de os

Extensão e Estado Presença de


Mobilidad
localização imunológico; corpo
e do
da ferida estranho.
paciente;
Fases da
Cicatriza
ção
CICATRIZAÇÃO

• Primeira intenção: quando as bordas da pele


se aproximam e o risco de infecção é mínimo;

• Segunda intenção: quando as bordas da pele


não se aproximam e a ferida é mantida aberta
até ser preenchida por tecido de cicatrização,
maior possibilidade de infecção.
FASES DA
CICATRIZAÇÃO

• Fase Inflamatória
• Fase Proliferativa
• Fase de Maturação
Fase Inflamatória
Inicia-se no momento da lesão e a resposta inflamatória
dura cerca de três dias.
O sangue traz consigo plaquetas, hemácias e fibrina, os
quais formam um coágulo que serve de barreira
impermeabilizante contra contaminação.
A lesão tecidual acarreta liberação local de histamina,
serotonina e bradicinina com consequente
vasodilatação, causando os sinais flogísticos de calor e
rubor.
Fase proliferativa
Inicia-se geralmente no 3º dia e pode
continuar por várias semanas. Ocorre a
proliferação de células epiteliais e
fibroblastos (síntese de colágeno).

Nutrientes requeridos: aminoácidos


(principalmente arginina), vitamina C,
Ferro, vitamina A, Zinco, Manganês,
Cobre, ácido pantotênico, tiamina e
outras vitaminas do complexo B.
Fase de maturação
Envolve o processo de estabilização da
síntese de colágeno e aumento da retração
da ferida. Esta fase pode continuar por mais
de dois anos.
• Nutrientes requeridos: aminoácidos
(principalmente histidina), vitamina C,
Zinco e Magnésio.
COMPLICAÇÕES DA
CICATRIZAÇÃO
COMPLICAÇÕES DA
CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS
Hemorragia: pode ser externa ou interna;
Infecção: uma ferida é infectada se material purulento
drenar dela, mesmo se uma cultura não for obtida ou
tenha resultados negativos;
Deiscência: separação total ou parcial das camadas da
ferida;
Evisceração: protrusão de órgãos e vísceras através da
abertura de uma ferida;
Fístula: passagem anormal entre dois órgãos ou entre
um órgão e o exterior do corpo.
COMPLICAÇÕES DA
CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS

Hemorragia Infecção Deiscência Evisceração Fístula


TIPOS DE TECIDOS
ENCONTRADOS NAS FERIDAS
• A avaliação do tipo de tecido inclui a quantidade
(porcentagem) e a aparência (cor) do tecido viável e não
viável:
Tecido de granulação: é o tecido avermelhado e de
aspecto úmido, composto por vasos sanguíneos recém-
formados, cuja presença indica um progressão em
direção à cicatrização (GEOVANINI, 2014; POTTER;
PERRY, 2010).
Tecido epitelial ou de epitelização: aparece na ferida
como um novo tecido ró- seo ou brilhante, que se
desenvolve a partir das bordas, ou como “ilhas” na
superfície da lesão (GEOVANINI, 2014; POTTER;
PERRY, 2010).
Tecidos necróticos: a necrose é o resultado da morte
celular e tecidual, com consequente perda de função
orgânica e do metabolismo celular de forma irreversível,
tendo como característica um tecido de coloração preta,
marrom ou acastanhada, que adere ao leito ou às bordas da
ferida e pode se tornar mais endurecido ou amolecido,
dependendo de sua natureza (GEOVANINI, 2014; POTTER;
PERRY, 2010).
TIPOS DE
TECIDOS

Tecido de Tecido Tecido


granulação epitelial necrótico
TECIDOS
NECRÓTICOS
TIPOS
sua aparência é aDE
de TECIDOS
um tecido fibrinoso, de
Esfacelo, consistência amolecida, semifluida ou
necrose de liquefeita, com coloração amarelada,
liquefação ou marrom, acinzentada ou acastanhada, que
liquefativa pode estar aderido firme ou frouxamente à
ferida
aspecto físico semelhante à albumina
Escara ou coagulada, apresenta- se sólido, opaco, turvo,
necrose seco e com coloração que vai do amarelo-
coagulativa pálido ao preto
tecido esbranquiçado que surge nos bordos
da lesão, das pregas cutâneas e das fístulas
Tecido
quando há excesso de umidade da ferida por
macerado
aumento da exsudação