Você está na página 1de 12

Remuneração e Salário

em pecúnia (fixo, variável, misto)


Salário-Base
Direta em utilidade
Sobressalário (condicional)
Remuneração

Indireta (gorjeta, guelta, direito de arena)

1. Remuneração ≠ Salário

 Remuneração
a) acepção equivalente a Salário
b) Gênero das parcelas contraprestativas em função da relação de emprego, das quais o
salário é a principal;
c) Conceitualmente diferenciada, parcelas sem caráter contraprestativo (indenizatórias,
instrumentais, direito de propriedade intelectual, participação nos lucros,
previdenciárias, pagas por terceiros);
d) Abrange pagamento indireto: Remuneração = salário + gorjetas

Gorjetas Arts. 29, § 1º (CTPS) e 457, § 3º, CLT (sentido impróprio, ou seja, não de
simples doação eventual do cliente, mas de remuneração habitual)
Súm. 354 TST As gorjetas, cobradas pelo empregador na nota de serviço ou oferecidas
espontaneamente pelos clientes, integram a remuneração do empregado, não servindo de base de cálculo
para as parcelas de aviso-prévio, adicional noturno, horas extras e repouso semanal remunerado.
Integram: 13º, férias, FGTS

Ex.: CCT Sindicato Empgdos de Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares RJ 2010: a) gorjetas
espontâneas fora do controle do empregador- 20% sobre o piso salarial a título de estimativa, que integra
parcelas salariais; b) gorjeta compulsória - 60% do montante arrecadado dividido entre os empregados
por critérios decididos por eles e 40% para o empregador custear os encargos

 Salário Complexo de parcelas contraprestativas habituais, pagas diretamente


pelo empregador para o empregado em função da relação de emprego, em retribuição ao
serviço ordinariamente prestado.

1.1 Natureza do Salário


A) Preço do trabalho (liberal clássico)
B) Dever contratual privado de contraprestação (comutativa) onerosa do trabalho
C) Indenização pelas energias dispendidas – exploração não é ilícito
D) Direito social do empregado em virtude da existência do contrato (retribuição
econômica e social, não só contraprestativa. Ex. FGST, INSS, PLR)
 Crítica ao fetiche do contrato – Essência da relação de trabalho é o ato de
compra e venda da força de trabalho (e não do trabalho, que o DT transforma em
mera decorrência da subordinação contratual comutativa). O que singulariza as
relações capitalistas é o sobretrabalho, ou seja, a existência de parte não
remunerada da força de trabalho, sob a forma de produção de mais valor, de que
se apropria o empregador como base para o lucro.

2. Complexo Salarial
Salário Base  Fixo /Misto / Variável

Em dinheiro / Em utilidade

Sobressalário (salário condição)  Tipificadas: comissões, percentagens (adicionais),


gratificações habituais (13° salário), diárias para viagem e abonos.
Não Tipificadas: Instituídas pela criatividade privada. Ex.:
Prêmios, complementação de aposentadoria

3. Caracteres do Salário
 Alimentar - visa atender necessidades essenciais do trab e flia, sendo intangível,
impenhorável e detendo prioridade em precatório (100, CF)
 Alteridade/Contínuo (forfetário) – obrigação do empregador mantida
independente da sorte do empreendimento, mesmo em caso fortuito,
imprevisível, força maior
Súmula nº 173 do TST SALÁRIO. EMPRESA. CESSAÇÃO DE ATIVIDADES.
Extinto, automaticamente, o vínculo empregatício com a cessação das atividades da
empresa, os salários só são devidos até a data da extinção
 Indisponível – impassível de renúncia / transação lesiva
 Irredutível – insuprimível (7º, VI, CF) revogação do art. 503, CLT e da Lei
4.923/65 (pzo de 3 meses para a redução)
 Intangível – descontos só mediante lei. Criminalização da retenção 7º, X, CF
 Periódico – Obrigação de trato sucessivo (art. 459, CLT)
 Sinalagmático – (pós-numerário) contrapõe-se à obrigação da prestação de
serviço/ permanência à disposição
 Comutativo – mito da equivalência econômica (mais-valia)

4. Fixação do salário
 Por unidade de tempo
 Por unidade de obra
 por peça
 por tarefa
 Comissões

4.1 Pagamento do Salário


 Periodicidade máxima mensal art.459, CLT
 Até o 5º dia útil subsequente ao mês trabalhado (art.459, CLT; Súm. 113, TST)
 Em moeda nacional (Dec.-Lei 691/69 e Lei 7.064/82), sob pena de nulidade –
art. 463 e 464, CLT
 Vedado Sal. Complessivo – Súm. 91, TST Nula é a cláusula contratual que fixa
determinada importância ou percentagem para atender englobadamente vários direitos legais ou
contratuais do trabalhador
 Vedado Truck System (462, §§ 2º e 3º) e retenção dolosa (7º, X, CRFB/1988)

5. Elementos do Salário

Comissões e Percentagens
 Parcela salarial variável em função do preenchimento de condição de fato A
Comissão não precisa ser um percentual sobre venda, pode ser sobre o número
de peça ou tarefa produzida. A Percentagem
 Irredutibilidade: É do valor do percentual (parâmetro de cálculo) e não do valor
nominal global (exceto no caso de teoria da imprevisão).
 Integram o aviso prévio, 13º, férias, RSR, FGTS, H.E, etc.
 Diminuição dos Percentuais  excepcionalmente, diante de situação objetiva
justificadora
 Risco da Atividade Econômica – art. 2º da CLT
 Art. 466 da CLT – Momento de Exigibilidade das Comissões
 Vendedores Pracistas e Viajantes: Lei nº 3.207/57
 Comissão devida em função da ultimação do negócio arts. 3º, Lei nº 3.207/57
 Cláusula Del Credere – Polêmica envolvendo a sua aceitação no Contrato de
Trabalho (não aceita nem para representante comercial)
 Diferença entre “impontualidade” e “insolvência” do cliente, na qual cabe o
direito do empregador estornar as comissões pagas –Art. 7º, L.3207/57
 Art. 466, § 2º Direito às comissões mesmo após a rescisão do contrato de
trabalho
Súmula 27, TST – COMISSIONISTA. É devida a remuneração do repouso semanal e dos dias
feriados ao empregado comissionista, ainda que pracista

Gratificações
 Parcela contraprestativa paga em decorrência de evento ou circunstância
relevante para o empregador (convencionais) ou por força de norma jurídica
(normativa).
 Fato objetivo não gravoso, alheio a conduta do empregado
 Requisitos: Ajustada (subjetivo) e habitual (objetivo)
Sum. 207 STF Gratificações Habituais, Inclusive de Natal - Convenção Tácita - Integração ao
Salário. As gratificações habituais, inclusive a de natal, consideram-se tacitamente convencionadas,
integrando o salário
Súmula 152 TST GRATIFICAÇÃO. AJUSTE TÁCITO . O fato de constar do recibo de pagamento
de gratificação o caráter de liberalidade não basta, por si só, para excluir a existência de ajuste tácito
Súmula 203 TST GRATIFICAÇÃO POR TEMPO DE SERVIÇO. NATUREZA SALARIAL. A
gratificação por tempo de serviço integra o salário para todos os efeitos legais.

Diárias para Viagem e Ajuda de Custo


 Semelhanças e Diferenças (Art. 457, §2° CLT)
 Limitação ao valor do pagamento
 Integração da totalidade do valor
Súmula 101 TST - Integram o salário, pelo seu valor total e para efeitos indenizatórios, as diárias de
viagem que excedam a 50% (cinqüenta por cento) do salário do empregado, enquanto perdurarem as
viagens
Súmula 318 TST - Tratando-se de empregado mensalista, a integração das diárias no salário deve
ser feita tomando-se por base o salário mensal por ele percebido e não o valor do dia de salário, somente
sendo devida a referida integração quando o valor das diárias, no mês, for superior à metade do salário
mensal.
 Transitoriedade da Parcela
OJ 292 do TST As diárias de viagem pagas, ainda que superiores a 50%, só integram o salário do
empregado enquanto perdurarem as viagens.
 Polêmica envolvendo a necessidade de prestação de contas pelo empregado
Risco da Fraude sob o Falso Rótulo da Parcela

Abono
 antecipações pecuniárias efetuadas pelo empregador, por liberalidade, força de
lei ou norma coletiva. Por poder imbutir um reajuste representaria um plus
 em sentido inadequado: abono de férias – art. 143, CLT; abono de PIS/PASEP –
art. 239 da CRFB e Lei n. 7.998/90
 jurisprudência: estendeu o sentido, depois de concedido, não pode ser retirado
do contrato pelo empregador, a menos que apresente-se expressamente como
“antecipação salarial compensável”

Adicionais
a) Parcela contraprestativa suplementar em virtude do exercício do trabalho em
condições mais gravosas;
b) Natureza salarial
- Noturno
Súm. 60 ADICIONAL NOTURNO. INTEGRAÇÃO NO SALÁRIO E PRORROGAÇÃO EM HORÁRIO
DIURNO - I - O adicional noturno, pago com habitualidade, integra o salário do empregado para todos
os efeitos. II - Cumprida integralmente a jornada no período noturno e prorrogada esta, devido é
também o adicional quanto às horas prorrogadas. Exegese do art. 73, § 5º, da CLT
Súmula 265 TST A transferência para o período diurno de trabalho implica a perda do direito ao
adicional noturno.;
– H.E.
Súmula 291 TST Supressão do Serviço Suplementar – Indenização - A supressão, pelo
empregador, do serviço suplementar prestado com habitualidade, durante pelo menos um ano, assegura
ao empregado o direito à indenização correspondente ao valor de um mês das horas suprimidas para
cada ano ou fração igual ou superior a 6 (seis) meses de prestação de serviço acima da jornada normal.
O cálculo observará a média das horas suplementares efetivamente trabalhadas nos últimos 12 (doze)
meses, multiplicada pelo valor da hora extra do dia da supressão
- Insalubridade/ Periculosidade
Súmula nº 39 do TST PERICULOSIDADE - Os empregados que operam em bomba de gasolina
têm direito ao adicional de periculosidade (Lei nº 2.573, de 15.08.1955)
Súmula nº 47 do TST INSALUBRIDADE - O trabalho executado em condições insalubres, em
caráter intermitente, não afasta, só por essa circunstância, o direito à percepção do respectivo adicional.
Súmula nº 80 do TST INSALUBRIDADE -A eliminação da insalubridade mediante fornecimento de
aparelhos protetores aprovados pelo órgão competente do Poder Executivo exclui a percepção do
respectivo adicional.
Súmula nº 132 do TST ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. INTEGRAÇÃO I - O adicional de
periculosidade, pago em caráter permanente, integra o cálculo de indenização e de horas extras. II -
Durante as horas de sobreaviso, o empregado não se encontra em condições de risco, razão pela qual é
incabível a integração do adicional de periculosidade sobre as mencionadas horas
Súmula nº 191 do TST ADICIONAL. PERICULOSIDADE. INCIDÊNCIA O adicional de
periculosidade incide apenas sobre o salário básico e não sobre este acrescido de outros adicionais. Em
relação aos eletricitários, o cálculo do adicional de periculosidade deverá ser efetuado sobre a
totalidade das parcelas de natureza salarial.
Súmula nº 228 do TST ADICIONAL DE INSALUBRIDADE. BASE DE CÁLCULO SÚMULA
CUJA EFICÁCIA ESTÁ SUSPENSA POR DECISÃO LIMINAR DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A
partir de 9 de maio de 2008, data da publicação da Súmula Vinculante nº 4 do Supremo Tribunal
Federal, o adicional de insalubridade será calculado sobre o salário básico, salvo critério mais
vantajoso fixado em instrumento coletivo
Súmula nº 248 do TST RECLASSIFICAÇÃO OU DESCARACTERIZAÇÃO DA INSALUBRIDADE
– DIREITO ADQUIRIDO - Princípio da Irredutibilidade Salarial - A reclassificação ou
descaracterização da insalubridade, por ato da autoridade competente, repercute na satisfação do
respectivo adicional, sem ofensa a direito adquirido ou ao princípio da irredutibilidade salarial.

c) Natureza supletiva: Podem ser suprimidos do contrato (salário condição)


Prêmios
 Parcela paga eventualmente em virtude de evento ou circunstância relevante
vinculada à conduta do empregado
PLR
 Art. 7º, XI, CF; Lei 10.101/00
OJ-SDI1-390. PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS. RESCISÃO CONTRATUAL
ANTERIOR À DATA DA DISTRIBUIÇÃO DOS LUCROS. PAGAMENTO PROPORCIONAL AOS
MESES TRABALHADOS. PRINCÍPIO DA ISONOMIA. Fere o princípio da isonomia instituir vantagem
mediante acordo coletivo ou norma regulamentar que condiciona a percepção da parcela participação
nos lucros e resultados ao fato de estar o contrato de trabalho em vigor na data prevista para a
distribuição dos lucros. Assim, inclusive na rescisão contratual antecipada, é devido o pagamento da
parcela de forma proporcional aos meses trabalhados, pois o ex-empregado concorreu para os
resultados positivos da empresa.

6. Salário-Utilidade

 Requisitos
A) Habitualidade
B) Caráter contraprestativo (retribuição pelo serviço prestado)
C) Gratuidade

 Valor Real
Sum. 258 TST SALÁRIO-UTILIDADE. PERCENTUAIS - Os percentuais fixados em lei relativos ao
salário "in natura" apenas se referem às hipóteses em que o empregado percebe salário mínimo,
apurando-se, nas demais, o real valor da utilidade.

Tipos de Utilidade Art. 458, CLT

 Alimentação
 Refeitório próprio, entrega de tíquetes refeição ou alimentação, fornecimento de
cesta básica etc.
Súmula 241 do TST SALÁRIO-UTILIDADE. ALIMENTAÇÃO O vale para refeição, fornecido por
força do contrato de trabalho, tem caráter salarial, integrando a remuneração do empregado, para todos
os efeitos legais
 Lei nº 6.321/76, que regulamenta o PAT, art.3º
 Polêmica envolvendo a exclusão do caráter salarial apenas para fins
previdenciários
 OJ 133 do TST AJUDA ALIMENTAÇÃO. PAT. LEI Nº 6.321/76. NÃO INTEGRAÇÃO AO
SALÁRIO. A ajuda alimentação fornecida por empresa participante do programa de alimentação ao
trabalhador, instituído pela Lei nº 6.321/76, não tem caráter salarial. Portanto, não integra o salário
para nenhum efeito legal.
 Limitação do Percentual de Participação do Empregado no Custeio – 20%
 Alimentação prevista em instrumento coletivo

 Transporte
 Vale-transporte, condução dos empregados, fornecimento de veículo, auxílio-
combustível
 Lei nº 7.418/85, artigo 2º e Decreto nº 95.247/87, artigo 6º
 Limitação do Percentual de Participação do Empregado no Custeio do Vale-
Transporte – 6%
 Polêmica envolvendo a substituição do vale por dinheiro
 Condução dos empregados - Decreto nº 95.247/87, em seu artigo 33 e Lei nº
10.243/2001
 Condução dos empregados x horas in itinere
 Veículo: alteração no entendimento jurisprudencial – OJ 246
 Concessão a executivos – verba de representação
 Empresa que cobra pela utilização do automóvel
 Auxílio ou Reembolso de Combustível – análise do instrumental para o trabalho

 Habitação
 Conditio sine qua non da viabilização da atividade empresarial – OJ 131 do TST
 Abonos de aluguel
 Transferência de Cidade – Custeio temporário
 Coexistência de contratos paralelos de emprego x locação e emprego x
comodato
 Prazos de desocupação do imóvel em caso de término da relação empregatícia -
Lei nº 8.245/91

 Vestuário
 Vestimentas de uso pessoal x uniformes
 Polêmica quanto à validade dos descontos no custeio de uniformes
 Auxílio-Paletó – Verba de Representação

Sistema de Proteção do Salário


 Quanto ao Valor do Salário
 Irredutibilidade / Correção Automática / Patamar Mínimo (Salário Profissional;
Salário Normativo; Salário Mínimo)
 Contra Abusos do Empregador
 Pagamento (tempo; lugar; meios)
 Intangibilidade / Descontos Legais
 Contra Discriminações
 Isonomia / Antidiscriminações
 Antidiscriminação contra mulher/ menor / constitucional
 Isonomia Avulso
 Equiparação Salarial
 Enquadramento / Reenquadramento

Proteção do Valor do Salário

 Irredutibilidade
o Flexibilização por convenção ou acordo coletivo  justificação
o Interpretação restritiva ao valor nominal (prevalente)
o Não atinge salário condição (arts. 194 e 469,§ 3º, CLT / Súmulas 60, 80, 248,
265, 291, TST)
o Revogação do art. 503, CLT
o Constituição de falta grave – art. 483, “d” e “g”, CLT
 Correção Automática
o Validade da indexação dos salários ao mínimo X Súmula Vinculante n. 04,
STF
o Lei 10.192/01 – Estabilização monetária substitui as políticas salariais
indexatórias pela negociação coletiva de salários (desde 1995)

 Salário Minimo

 Salário Mínimo Constitucional – art.7º, IV (Art. 76 CLT)


 Convenções OIT: 26/28 Métodos de Fixação de Salário Mínimo na Ind. e Com.;
95/49 – Proteção ao Salário; 99/51 – Métodos de Fixação de Salário Mínimo na
Agricultura; 117/62 – Política Salarial; 131/70 - Fixação de Salários Mínimos,
Especialmente nos Países em Desenvolvimento
 Suficiência Constitucional – Dignidade Humana (1º, II e IV c/c 7º, IV)
o Velhas utilidades: alimentação; habitação; vestuário; higiene; transporte /Novas
utilidades: educação; saúde; lazer; previdência social
 Inefetividade - doutrina e jurisprudência entendem que a regra não enseja
direito subjetivo do salario mínimo atender tais necessidades básicas
 Mandado de Injunção – mora/omissão do legislador ou reserva do possível
(Mandado de Otimização)
 MC em Adin por Omissão 1458-DF Rel. Min. Celso de Mello. J. 23.05.1996
DESRESPEITO À CONSTITUIÇÃO MODALIDADES DE COMPORTAMENTOS
INCONSTITUCIONAIS DO PODER PÚBLICO. Violação negativa do texto
constitucional. SALÁRIO MÍNIMO - SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES VITAIS
BÁSICAS - GARANTIA DE PRESERVAÇÃO DE SEU PODER AQUISITIVO.
SALÁRIO MÍNIMO - VALOR INSUFICIENTE - SITUAÇÃO DE
INCONSTITUCIONALIDADE POR OMISSÃO PARCIAL. A insuficiência do valor
correspondente ao salário mínimo, definido em importância que se revele incapaz de
atender as necessidades vitais básicas do trabalhador e dos membros de sua família,
configura um claro descumprimento, ainda que parcial, da Constituição da República.
(...)A procedência da ação direta de inconstitucionalidade por omissão, importando em
reconhecimento judicial do estado de inércia do Poder Público, confere ao Supremo
Tribunal Federal, unicamente, o poder de cientificar o legislador inadimplente, para que
este adote as medidas necessárias à concretização do texto constitucional.

 Vedação de vinculação para qualquer fim / reajustes periódicos


Lei 12.328/12 – critério (até 2015): INPC dos 12 meses anteriores + taxa de
crescimento do PIB de dois anos antes
Súmula Vinculante 04, STF. Salvo nos casos previstos na Constituição, o salário mínimo não
pode ser usado como indexador de base de cálculo de vantagem de servidor público ou de empregado,
nem ser substituído por decisão judicial
Súmula nº 228 do TST ADICIONAL DE INSALUBRIDADE. BASE DE CÁLCULO. SÚMULA
CUJA EFICÁCIA ESTÁ SUSPENSA POR DECISÃO LIMINAR DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL -
Res. 185/2012, 27.09.2012. A partir de 9 de maio de 2008, data da publicação da Súmula Vinculante nº 4
do Supremo Tribunal Federal, o adicional de insalubridade será calculado sobre o salário básico, salvo
critério mais vantajoso fixado em instrumento coletivo.
 TST entendeu q a ADIn q originou a Sum. Vinculante foi julgada sem
declaração de nulidade, portanto, os efeitos da inconstitucionalidade só se fariam
depois que a nova lei fosse editada, fixando novo parâmetro
O.J. 71, SDI-2. AÇÃO RESCISÓRIA. SALÁRIO PROFISSIONAL. FIXAÇÃO. MÚLTIPLO DE
SALÁRIO MÍNIMO. ART. 7º, IV, DA CF/88. A estipulação do salário profissional em múltiplos do
salário mínimo não afronta o art. 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988, só incorrendo em
vulneração do referido preceito constitucional a fixação de correção automática do salário pelo reajuste
do salário mínimo.

 Nacionalmente unificado em Lei


 Piso Salarial Constitucional – art.7º, V
 Salário Profissional
 Salário ou Piso Normativo
 Competência privativa da União – art.22, I e parágrafo único
o Lei Complementar nº 103/2000 – Polêmica envolvendo a sua
constitucionalidade
o Polêmica envolvendo a Lei Estadual do RJ n.3.496 de 2000
o ADInMC 2.358-RJ
o Lei Estadual 6.702/2014

 Arts. 81 e 82, parágrafo único, da CLT – Mínimo em Dinheiro


 Vedação ao Truck System
 Mínimo de 30% em dinheiro
Súmula 258 do TST – Os percentuais limitadores do salário in natura atinge apenas quem percebe
salário mínimo, apurando-se nos demais casos o real valor da utilidade

 Salário Profissional - piso salarial para profissões legalmente


regulamentadas. Ex: médicos (L. 3.999/61), engenheiros (L. 4.950-A/66);
Súmula 370 TST
 Salário Normativo - fixado por sentença normativa em sede de Dissídio
Coletivo
 Salário Convencional - fixado por instrumento negocial coletivo

Proteção contra Abusos do Empregador

 Critérios de Pagamento
 Tempo – prazo máximo mensal até o 5º dia útil (art. 459 e pg. ún); em dia útil,
no horário do serviço ou imediatamente após art. 465, CLT/ Comissões: art. 466,
CLT
 Lugar – no local de trabalho art. 465, CLT (admitido cheque e depósito
bancário -Convenção 95, OIT)
 Meios – moeda nacional (art. 463, CLT), vedado o truck system (art. 462, §§ 2º
e 3º, CLT), diretamente ao empregado (art. 464, CLT)

OBS: Mora Salarial:


Súmula nº 381,TST- CORREÇÃO MONETÁRIA. SALÁRIO. ART. 459 DA
CLT. O pagamento dos salários até o 5º dia útil do mês subseqüente ao vencido
não está sujeito à correção monetária. Se essa data limite for ultrapassada,
incidirá o índice da correção monetária do mês subseqüente ao da prestação dos
serviços, a partir do dia 1º.

 D.L 368/68 – Mora Contumaz = 3 meses


- Vedações: (i) qq tipo de retribuição/retirada de diretores, sócios,
gerentes ou titulares; (ii) qq lucro/dividendo de sócios, acionistas ou
dirigentes; (iii) qq benefício fiscal, tributário ou financeiro
- Pena: Os diretores, sócios, gerentes, membros de órgãos fiscais ou
consultivos, titulares de firma individual ou quaisquer outros
dirigentes de empresa responsável por infração estarão sujeitos à pena
de detenção de um mês a um ano + multa de 10% a 50% do débito
salarial, aplicada pela DRT
 Dano Moral – TST – descabimento.
X
Dumping Social/ Punitive Demage compreendido na Indenização por
Dano Moral – Não é mero dissabor cotidiano a violação de cls alimentares de um
contrato. Trata-se de abuso de direito voluntário e inescusável (elementos para
configuração do abuso e da prisão civil do alimentante). Desnecessária a prova do
prejuízo material pois não importa para o efeito extrapatrimonial do direito de
personalidade violado pela humilhação que subjuga o hipossuficiente (presunção
hominis)
Enunciado 4 (1ª Jornada de Direito Material e Processual do Trabalho). “DUMPING
SOCIAL”. DANO À SOCIEDADE. INDENIZAÇÃO SUPLEMENTAR. As agressões reincidentes e
inescusáveis aos direitos trabalhistas geram um dano à sociedade, pois com tal prática desconsidera-se,
propositalmente, a estrutura do Estado social e do próprio modelo capitalista com a obtenção de
vantagem indevida perante a concorrência. A prática, portanto, reflete o conhecido “dumping social”,
motivando a necessária reação do Judiciário trabalhista para corrigi-la. O dano à sociedade configura
ato ilícito, por exercício abusivo do direito, já que extrapola limites econômicos e sociais, nos exatos
termos dos arts. 186, 187 e 927 do Código Civil. Encontra-se no art. 404, parágrafo único do Código
Civil, o fundamento de ordem positiva para impingir ao agressor contumaz uma indenização
suplementar, como, aliás, já previam os artigos 652, “d”, e 832, § 1º, da CLT.

 Intangibilidade

I. Descontos Legais – Art. 462 CLT

 Adiantamentos
 Lei ou Norma Coletiva – INSS (Lei 8213/91); Jogador de Futebol (Art. 15, §1º
L. 6.354/76); Vale-Transporte (L. 7.418/85); PAT (L. 6.321/76); suspensões
legais; RSR (L. 605/49); Pensão Alimentícia (734, CPC); Contribuição Sindical
(art. 545 e 578, CLT); IRPF (L. 8.541/92); Aviso Prévio (art. 487, 2º, CLT);
Contrib. Assistenciais e Confederativas (Sum. 666, STF); empréstimos em
instituições financeiras (Lei 10.820/03)

 Dano - acordo prévio e culpa grave (Interpretação Conforme Constituição -Art.


7º, XXII, CF)
- dolo do empregado (OJ 251, SDI 1/ PN 14 SDC / OJ 18 SDC)
Sum. 342, TST Descontos salariais efetuados pelo empregador, com a autorização prévia e por
escrito do empregado, para ser integrado em planos de assistência odontológica, médico-hospitalar, de
seguro, de previdência privada, ou de entidade cooperativa, cultural ou recreativa associativa dos seus
trabalhadores, em seu benefício e dos seus dependentes, não afrontam o disposto pelo Art. 462 da CLT,
salvo se ficar demonstrada a existência de coação ou de outro defeito que vicie o ato jurídico

 art. 9º, L. 5.889/73 -Restringe desconto salarial do empregado rural com


moradia, alimentação e adiantamentos
 Convenção 95 OIT – veda desconto salarial para assegurar acesso, obter ou
manter emprego

II. Criminalização da retenção dolosa de salário Art. 7º, X, CRFB (apropriação


indébita – art. 168, CP)

III. Impenhorabilidade - Art. 649, § 2º, CPC


Súmula 18, TST A compensação, na Justiça do Trabalho, está restrita a dívidas de natureza
trabalhista.
OJ 153, SDI-2 MANDADO DE SEGURANÇA. EXECUÇÃO. ORDEM DE PENHORA SOBRE
VALORES EXISTENTES EM CONTA SALÁRIO. art. 649, IV, do CPC. ILEGALIDADE. Ofende
direito líquido e certo decisão que determina o bloqueio de numerário existente em conta salário,
para satisfação de crédito trabalhista, ainda que seja limitado a determinado percentual dos
valores recebidos ou a valor revertido para fundo de aplicação ou poupança, visto que o art. 649,
IV, do CPC contém norma imperativa que não admite interpretação ampliativa, sendo a exceção
prevista no art. 649, § 2º, do CPC espécie e não gênero de crédito de natureza alimentícia, não
englobando o crédito trabalhista.
OBS: Art. 833, § 2º NCPC – impenhorabilidade não se aplica à hipótese de pagamento de
prestação alimentícia, “independentemente de sua origem”.

IV. Proteção contra Insolvência do Empregador


 Lei 11.101/05 – art. 83, I - Privilégio do crédito trabalhista na falência (150 s.m.)
 Convenção 173, OIT

Proteção contra Discriminações

 Princípio da Isonomia (aplicado circunstancialmente pelo DT)– Diretriz geral


de tratamento jurídico equânime a pessoas ou situações em contato. Ex.:
Tratamento isonômico entre empregados e avulsos (art. 7°, XXXIV CF)
 Princípio da Não-discriminação (incorporado como critério básico pelo DT)–
Diretriz geral vedatória de tratamento diferenciado à pessoa em virtude de fator
injustamente desqualificante (piso mínimo de civilidade que garante a
convivência). Ex.: Desqualificar um empregado em relação a outro, em virtude
do sexo
 O DT proíbe a distinção sem base num fundamento razoável, discriminatória. Já
não seria compatível com a isonomia geral dado seu objetivo de estabelecer um
“nível mínimo de proteção”(Plá Rodriguez)
 Sistema de Proteção contra Discriminação
a) Em Geral (Art. 427 Tratado de Versalhes; Convenções 19, 100, 111 e 118, da
OIT; art. 3°, IV CF; art. 5° CLT e Lei 9.029/95) – mulher; menor; deficiente
físico; tipo de trabalho; avulso
b) Salariais – equiparação; quadro de carreira; substituto; terceirização

Discriminação contra a Mulher


 art. 5°, caput e I; art. 7°, XX e XXX CRFB
 Lei 7.855/89 formalizou a revogação de dispositivos: Interferência marital (446
CLT); exigência de atestados; limitação de trabalhos etc. (arts. 374, 375, 378,
380 e 387 CLT). Outras revogações tácitas: intervalo privilegiado (art. 383 CLT)
 Lei 9.029/95 - Veda discriminação no acesso à rel. emprego (art. 2°e 4°)
 Mantidas diferenciações enquanto mãe e medidas de segurança/ saúde trabalho.
 Art. 373-A CLT – Veda referência discriminatória
 Art. 7º, XVIII, CRFB. Art. 392-A, CLT – Licença-Maternidade e para
adotantes  Lei 11.770/08 – Programa Empresa Cidadã

OBS: Morte da Gestante. Extensão da Licença e Estabilidade - Art. 392-B, CLT


LC 146/2014 - Estende a estabilidade provisória prevista na alínea b do inciso II
do art. 10 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias à trabalhadora
gestante, nos casos de morte desta, a quem detiver a guarda de seu filho.
 Convenção 100, OIT

Discriminação contra Menor


 Art. 5°, caput / Art. 7°, XXX CF
 Garantia à previdência e à escola (art. 227, §3°, II e III CF)
 Exceção: Aprendiz, trabalho noturno ou insalubre/perigoso (art. 7°, XXXIII
CF); proteção especial à criança e adolescente (art. 227 CF)

Outras Discriminações
 Estrangeiro (art. 5°, caput CRFB revogou o Capítulo II do Título III da CLT,
da nacionalização do trabalho no que discriminar o estrangeiro. A equiparação
se dá apenas pela regra do 461 e não pelo 358 CLT)
 Portador de Deficiência (art. 7°, XXI CF).
Ex.: Dispensa em virtude de doença crônica como AIDS.
 Art. 93 da Lei Previdenciária (8.213/91): Empresas com + de 100 empregados
além de reservar de 2% a 5% dos cargos a deficientes/reabilitados, e só poderão
dispensá-los mediante a contratação correlata de trabalhador na mesma situação.
 Tipo de Trabalho (art. 7°, XXII CF/ art. 3°, pg. ún. CLT). Veda distinção entre
trabalho técnico, manual e intelectual. Porém é possível o estabelecimento de
pisos salariais proporcionais à complexidade do trabalho (art. 7°, V CF), que
garante o salário eqüitativo.
 Trabalhador Avulso (art. 7°, XXXIV CF) – Regra inspirada na idéia de
isonomia, ganhou concretude com as restrições da Lei de Trabalho Portuário
(L.8.630/93)

Equiparação Salarial

1ª Jornada de Direito Material e Processual do Trabalho Enunciado 16:


SALÁRIO. I – SALÁRIO. PRINCÍPIO DA ISONOMIA. Os estreitos limites das
condições para a obtenção da igualdade salarial estipulados pelo art. 461 da CLT e
Súmula n. 6 do Colendo TST não esgotam as hipóteses de correção das desigualdades
salariais, devendo o intérprete proceder à sua aplicação na conformidade dos artigos
5º, caput, e 7º, inc. XXX, da Constituição da República e das Convenções 100 e 111 da
OIT.
 Requisitos (arts. 5º e 461 CLT)
1) Identidade de Funções (caput) Fato de se realizar o mesmo trabalho (conjunto de
atribuições, tarefas, responsabilidades, poderes etc.)
2) Trabalho de Igual Valor (caput e §1°): caracteriza-se:
Igual Produtividade: diferencial quantitativo
Mesma Perfeição Técnica: diferencial qualitativo (difícil aferição em trabalhos
intelectuais ou artísticos), pode ser evidenciado pela repercussão de qualificação
técnico-profissional superior no contrato
3) Mesmo Empregador (caput): Controvérsia reside no Grupo Econômico (art. 2°§2°,
CLT)
Adeptos da Tese do Empregador Único: (Súm. 129 TST) Devido a solidariedade ativa,
há possibilidade de equiparação.
Contrários à Tese do Empregador Único: A solidariedade passiva não gera a
uniformização dos regulamentos das diferentes empresas, salvo no caso de uma delas
ceder a outra um empregado. Logo, não há equiparação.
4) Mesma Localidade (caput) Espaço geográfico com as mesmas características
socioeconômicas (quase sempre o Município)
5) Diferença de Tempo Inferior a 2 anos (§1° in fine) – Na mesma função (Súmula 6,
II TST), eis que a antigüidade pode justificar a ≠ça salarial.
Simultaneidade (Súmula 6, IV TST): Equiparando e paradigma devem ter laborado com
coincidência temporal, ainda que por curto período.
6) Inexistência de Quadro de Carreira (§§2° e 3°) –
Não é qq plano de cargos e salários. Apenas os quadros homologados pelo Mtb e
com promoções impessoais, alternadas por merecimento e antigüidade, assegurando a
ascensão profissional.
OBS: Se o empregador adotar o quadro deve garantir a promoção (Súmula 19
TST).

Enquadramento
 Enquadramento /Reenquadramento (Súmulas 127, 275,II e 294 TST) – Ato
do empregador fundado em regra ou regulamento da empresa (direito
infralegal). Fixado o quadro, o empregado tem direito ao enquadramento
correto.
 Desvio de função – O simples desvio de função não gera direito a
reenquadramento, mas provadas as funções do quadro, há direito a diferenças
salariais (O.J. 125 SDI-I TST)

Substituição de Empregados
 Art. 450 CLT/ Súmula 159,I TST: Assegura-se ao trabalhador substituto
(provisório ou interino) o mesmo salário e demais efeitos contratuais do
substituído, enquant durar a substituição.
 Exceção: substituto eventual (a jurisprudência tende a caracterizá-la como a de
tempo inferior a um mês)
Terceirização
1) Temporário (Lei 6.019/74) – Salário eqüitativo aos empregados da mesma
categoria da empresa tomadora (art. 12, “a”)
2) Terceirizados Lícitos (Súmula 331, III) – O art. 7°, XXXII vedaria o tratamento
discriminatório, suscitando o salário eqüitativo (filtragem constitucional:
extensão analógica da regra do temporário para situação de 3zação permanente).
O.J. 383, SDI-1. TERCEIRIZAÇÃO. EMPREGADOS DA EMPRESA PRESTADORA
DE SERVIÇOS E DA TOMADORA. ISONOMIA. ART. 12, “A”, DA LEI Nº 6.019/74. A
contratação irregular de trabalhador, mediante empresa interposta, não gera vínculo
de emprego com ente da Administração Pública, não afastando, contudo, pelo princípio
da isonomia, o direito dos empregados terceirizados às mesmas verbas trabalhistas
legais e normativas asseguradas àqueles contratados pelo tomador dos serviços, desde
que presente a igualdade de funções. Aplicação analógica do art. 12, “a”, da Lei nº
6.019, de 03.01.1974.

Enunciado 16, II (1ª J.D.M.P.T) – TERCEIRIZAÇÃO. SALÁRIO EQÜITATIVO.


PRINCÍPIO DA NÃO-DISCRIMINAÇÃO. Os empregados da empresa prestadora de
serviços, em caso de terceirização lícita ou ilícita, terão direito ao mesmo salário dos
empregados vinculados à empresa tomadora que exercerem função similar.