Você está na página 1de 8

MUSICALIZAÇÃO INFANTIL COM JOGOS E BRINCADEIRAS

Angelina Col Debella Silveira 1

RESUMO

Este artigo traz o relato da experiência vivida durante a execução do


projeto “Musicalização infantil com jogos e brincadeiras”, realizado
entre abril e junho de 2013, no Centro Municipal de Educação Infantil.
A música é um meio de linguagem e expressão presente em todas as
sociedades. Por meio dela se expressa suas crenças, culturas, ideais,
e são ouvidas em festas, manifestações, nascimentos, funerais,
dentre outras ocasiões. O trabalho com música em sala de aula é
uma ferramenta eficaz no processo de ensino e aprendizagem da
criança, pois desperta o ouvido para uma audição mais minuciosa, ou
seja, sensibiliza para a música. Sendo a educação infantil a primeira
etapa da educação básica, o planejamento desenvolvido com as
crianças na área musical procura contribuir com a formação dos
educandos, desenvolvendo meios para despertar a sensibilidade, a
expressão e a criatividade dos alunos, o que contribui de forma
especial na formação humana de nossos alunos. Procurou-se com
esse trabalho desenvolver a prática musical por meio de atividades
lúdicas, realizando as brincadeiras e jogos na sala de aula e no pátio,
a fim de levar a linguagem musical como maneira de
desenvolvimento e expressão aos alunos.

Palavras- chave: música, criança, linguagem, expressão

INTRODUÇÃO

No presente trabalho procurou-se relatar a experiência vivida,


em sala, durante a execução do projeto “Musicalização infantil com
jogos e brincadeiras”, realizado entre abril e junho de 2013, com 25
alunos da turma do infantil 5 (entre 4 e 5 anos). Para a aplicação do
projeto, sempre que necessário, foram utilizados a sala de aula e o
pátio com recursos áudio visuais.

1
Graduanda do curso de música da Universidade Estadual de Maringá.
As atividades referentes à aplicação do projeto foram
desenvolvidas entre os dias quatro de abril de dois mil e três até seis
de junho do mesmo ano, sendo as aulas de duração de uma hora e
realizadas uma vez por semana no período da tarde, com cerca de 25
crianças.
Sendo a educação infantil a primeira etapa da educação básica,
ao pensar e organizar uma trajetória pedagógica, o professor tem que
considerar os conhecimentos, as vivências e experiências prévias da
criança, para que a partir disto, proporcione ao aluno um ambiente
que possibilite à construção e reconstrução de conhecimentos,
valorizando as descobertas, as manifestações, as formas de
comunicação e criatividade, além da espontaneidade da criança
nessa fase da vida.
O planejamento desenvolvido com as crianças na área musical
tem como meta construir o reconhecimentos dos elementos sonoros
contidos nas músicas, tornando-as ouvintes apreciadoras,
possibilitando que possam distinguir os sons, ampliando assim seu
repertório musical. Sobre isso o Referencial Curricular da Educação
Infantil (RCNEI) diz que:

A música é a linguagem que se traduz em formas


sonoras capazes de expressar e comunicar
sensações, sentimentos e pensamentos, por meio
da organização e relacionamento expressivo entre o
som e o silêncio. A música está presente em todas
as culturas, nas mais diversas situações: festas e
comemorações, rituais religiosos, manifestações
cívicas, políticas, etc. (BRASIL, 1998, p. 45).

Como relata o RCNEI, a criança tem contato com a música no


seu cotidiano, de diferentes formas, sendo assim, o professor poderá
utilizar o conhecimento prévio do aluno para iniciar sua abordagem e
assim acrescentar novas conhecimentos na área musical procurando
despertar na criança uma audição mais crítica (BRASIL, 1998).

O PROJETO
O projeto foi construído utilizando-se de autores como Brito
(2003), Coelho (1990), Maffioletti (2001), pois consideram que a
música cumpre um importante papel na formação do indivíduo,
contribuindo para o seu desenvolvimento motor, cognitivo, afetivo,
dentre outros.
O objetivo geral do projeto de estágio foi desenvolver nas
crianças, por meio de atividades lúdicas, o gosto pela música,
utilizando para isso instrumentos musicais, a voz e o próprio corpo.
Também objetivou-se desenvolver a percepção sonora que leve os
alunos ao conhecimento dos elementos musicais, como harmonia,
melodia e ritmo, tudo isso de maneira lúdica e agradável. Nas escolas
e nos centros de educação infantil a música pode contribuir com o
processo de desenvolvimento da criança, pois permite que a criança
se expresse de maneira integrada, realizando movimentos como
forma de expressão corporal. Por isso a música deve estar presente
nas escolas como um dos elementos responsáveis na formação do
indivíduo, onde o professor deve observar e identificar a realidade
dos alunos para fazer uma programação de atividades musicais que
suprirão as necessidades da formação dos mesmos.
A metodologia adota constitui em partir da prática musical, pois
as atividades musicais dentro da educação infantil devem acontecer
de maneira lúdica estimulando os sentidos e os tornando sensíveis a
música. Como pode demonstrar Craidy e Kaercher (2001, p. 128) [...]
“a linguagem não-verbal é uma forma de comunicação muito
presente entre crianças, o improviso musical pode ser uma
possibilidade de dialogarmos com crianças muito pequenas.”
Como recursos materiais, foram utilizados instrumentos
musicais que compõem a bandinha do CMEI, bem como TV, DVD,
rádio, papel, bexigas, materiais recicláveis. A música está muito
ligada aos jogos e brincadeiras e nesta etapa da educação pode
acontecer por meio de brincadeiras populares, e das canções que o
professor canta para os alunos, cabe a ele estar atento as atividades
que realizara com a turma, procurando integrar o lúdico e a música.

AS ETAPAS DESENVOLVIDAS

As aulas foram desenvolvidas buscando envolver os alunos com


diferentes formas de se fazer música, utilizando-se da apreciação,
criação e da execução musical. O repertório utilizado consiste em
músicas infantis, parlendas, músicas clássicas, além das que foram
sugeridas pelos próprios alunos.
As brincadeiras e jogos que também fizeram parte das
atividades, auxiliaram no desenvolvimento do ritmo e coordenação
motora. Alguns instrumentos como clavas, tambor, flauta, agogô, que
são utilizados na bandinha do próprio CMEI também fizeram parte das
atividades executadas.
Também foi explorado exercícios para treinamento
aquecimento vocal, para relaxamento e alongamento, demonstrando
assim os cuidados que temos que ter com a nossa voz. O
aquecimento vocal foi feito em todas as aulas com diferentes tipos de
atividades.
Com o objetivo de distinguir sons curtos e longos, explorou-se a
música “Quem é que veio hoje?”, trabalhando também ritmo e
reconhecimento de nome de animais e nome dos colegas. Utilizando
a mesma canção, além de baterem palma eles pularam no final da
frase.
O senso rítmico foi explorado por meio da música “cobrinha
exibida” e foi-lhes contada uma historinha a respeito da cobra
utilizando os recursos trabalhados no aquecimento vocal.
Para se trabalhar os movimentos corporais, sentados nas
cadeiras, em forma de círculo, os alunos seguravam uma figura ou
um dos instrumentos já utilizados nas aulas e diziam o nome do
instrumento e com que letra começava. Com a música “Boneca de
pano” também se trabalhou os movimentos corporais.
Os alunos também puderam explorar os instrumentos musicais,
ora tocando livremente, ora tocando orientado por canções como a
canção Galinha do vizinho, na qual a sala foi dividida em dois grupos
onde enquanto um cantava o outro tocava os instrumentos marcando
o número de ovos da galinha.
Com o CD “cada bicho tem” exploramos os sons fortes e fracos,
pois enquanto a música era tocada eles deveriam bater palmas fracas
e fortes de acordo com o que lhes era pedido. Também com a mesma
música foi trabalhado as palmas fortes e fracas no tempo da música,
e também a batida com os pés, explorando assim a intensidade do
som.
Com o objetivo de distinguir timbres longos e curtos, bem como
reconhecer o sons dos animais, utilizou-se a música “Vozes de
animais” explorando o som emitidos pelos animais.
Para explorar vivência rítmica, utilizou-se a música “Tum pá”.
Por meio desta música foi orientado a realizar movimentos
sincronizado entre as pernas e o ritmo da música. Outra atividade,
utilizando placas coloridas, permitiam aos alunos que emitissem sons
logos, curto ou silêncio conforme combinado. Com a música “A barata
diz que tem” utilizou-se os comandos descritos acima para trabalhar
a intensidade do som, bem como com os sons emitidos pelos dos
animais.
Com a atividade de placas coloridas, explorou a coordenação
entre o que se vê e a ordem a ser executada.
Utilizando bexigas, explorou-se bem como a respiração e a
criação musical, para isso trabalhou-se o movimento correto da
respiração e também o som produzido pela mesma ao se soltar o ar
devagar ou mais rápido, em seguida foi confeccionado um
instrumento tendo como base a bexiga e um copo de iogurte.
Com o objetivo de explorar a sonoridade dos instrumentos
musicais, foi proposto um jogo no qual os alunos teriam que
reconhecer os instrumentos musicais e reproduzissem o som de cada
um deles. Também foi realizado um bingo sonoro dos animais,
conforme ouviam o som do animal, marcavam os existentes em sua
cartela
Para se trabalhar a percepção sonora e visual, primeiro foi feito
um passeio pelo CMEI para identificar os sons que os pequenos
estivessem ouvindo, em seguida com a brincadeira do tapete sonoro,
os alunos puderam testar se já sabiam associar o som ao instrumento
correto.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Por meio da realização das atividades em sala, percebe-se que


a música tem um papel importante no desenvolvimento da criança, e
que pode ser um grande aliado na sala de aula, pois promove a
aquisição de competências que dificilmente seriam afloradas por
outros meios.
A necessidade de se expressar também é algo que precisa
acontecer dentro da sala de aula. Essa interação com a música
sinaliza que a criança está envolvida com a atividade pois demonstra
isso através de gestos e expressões.
A criança passará a perceber melhor as músicas que ouve
sendo capaz de criar sentido para aquilo, expressando-se por meio da
linguagem musical. O tema musicalização infantil com os jogos e
brincadeiras apresenta um leque de conteúdos possíveis de serem
aprofundadas pelo professor, a fim de incentivar o gosto pela música.
Por meio da realização do estágio, pode-se constatar como a
música, além de proporcionar entretenimento, também auxilia no
processo de ensino-aprendizagem. A música é um grande apoio ao
professor, podendo ser usado em diferentes momentos a fim de
atingir os mais diversos objetivos. Os alunos demonstraram, ao longo
das aulas do estágio, interesse e alegria em estarem nos encontros
além de terem sido muito participativos. No entanto é interessante
salientar que, para que as aulas possam atingir os objetivos
esperados, é necessário que haja um planejamento antecipado e bem
pensado, para que todas as possibilidades sejam executadas e
atendidas.

REFERÊNCIAS

BRASIL. Referencial Curricular para a Educação Infantil. Vol. 3.


Brasília, 1998. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/volume3.pdf. Acesso em:
01/10/2013.

BRITO, Teca Alencar. Música na educação infantil – proposta


para a formação integral da criança. Referencial Curricular para a
educação infantil. São Paulo: Editora Peirópolis, 2003.

CHIARELLI, LÍGIA Karina Meneghetti. A importância da


musicalização na educação infantil e no ensino fundamental.
A música como meio de desenvolver a inteligência e a
integração do ser. Disponível em:
http://www.iacat.com/revista/recrearte/recrearte03/musicoterapia.ht
m. Acesso em: 01/10/2013.

COELHO, Raquel. Musical. Coleção caminho das artes. São Paulo:


Formato Editorial, 2006. Faculdade de Educação da Bahia, 1990.

MAFFIOLETTI, Leda de Albuquerque. Práticas Musicais na Escola


Infantil. In.: CRAIDY, Carmem; KAERCHER, Gládis (Org.). Educação
Infantil: pra que te quero?. Porto Alegre: Artmed, 2001.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO; SECRETARIA DE


EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros Curriculares Nacionais –
Artes. Brasília, 1997.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ. Diretrizes


Curriculares da Educação Básica – Arte. Paraná, 2008.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ. Ensino


Fundamental de Nove Anos – Orientações pedagógicas para
os anos iniciais – Arte. Paraná, 2010.

Interesses relacionados