Você está na página 1de 7

NOTA TÉCNICA

Abril de 2013

TRABALHO DOMÉSTICO NA REGIÃO


METROPOLITANA DE FORTALEZA

Na visão clássica do pensamento Nesse sentido, a equalização de diretos a


econômico, o conjunto dos trabalhadores ser concedida aos trabalhadores domésticos
domésticos diferencia-se dos que se encontram constitui-se um dos maiores avanços em
no setor público e privado. Enquanto os termos de reconhecimento dessa atividade
primeiros dependem da renda das famílias laboral que, ao longo da história, viveu sob
para fazer face ao seu trabalho, os outros condições vulneráveis e submetidas às mais
estão ligados às empresas, agregando valor ao diversas formas de exploração.
bem ou serviço produzido, gerando recursos Dessa maneira, depois da libertação dos
mais do que suficientes para atender à própria escravos, da implantação das leis trabalhistas,
necessidade da manutenção de seu posto de na época de Getúlio Vargas, ao recente esforço
trabalho. No entanto, tal excedente ou parte desenvolvido pelo governo federal para acabar
dele passou a ser paulatinamente reivindicado com o trabalho escravo nos grandes latifúndios
nas negociações coletivas para que fosse (principalmente nas regiões Norte e Nordeste
redistribuído para além da mera retribuição do país), a mais “nova onda” de extensão de
pontual da tarefa executada pelos trabalhadores, cidadania aos trabalhadores brasileiros parece
assegurando-lhes outros direitos, especialmente chegar aos empregados domésticos.
o de seguridade social. Não obstante esta realidade, deve-se levar
Esta é uma realidade que, no entanto, em consideração que a sustentação desse tipo
passa ao largo para a maior parcela dos de iniciativa passa prioritariamente pela
trabalhadores domésticos, cuja Proposta de melhoria dos rendimentos das famílias,
Emenda à Constituição (PEC 66/2012) se especialmente para que estas possam
apresenta como uma iniciativa de extensão da assegurar o padrão de remuneração e os
cidadania para estes trabalhadores ao buscar direitos previstos na legislação, tal como:
equalizar os seus direitos trabalhistas férias remuneradas e acrescidas de 1/3, 13º
enquanto profissionais assalariados. salário, seguridade social, nos casos de licenças
Portanto, a regulamentação do emprego (maternidade, doenças, dentre outras),
doméstico pode estimular a formalização desses desemprego e aposentadoria
profissionais, assim como garantir os direitos E sob esta discussão, ao se analisar a
trabalhistas a uma das ocupações que distribuição de renda dos trabalhadores por
historicamente mais sofreu com o processo de faixa de salário, percebe-se que a melhoria dos
exploração, que vem desde a época do Brasil rendimentos do trabalho ocorreu nos últimos
colônia, passando pela “Velha” e “Nova” anos na base da pirâmide social brasileira. No
República. Em outras palavras, os caminhos entanto, esta “nova classe média”, segundo a
percorridos por estes trabalhadores vêm desde o denominação de alguns estudiosos, encontra-
regime servil - da Casa Grande e Senzala, aos se distante de poder utilizar os trabalhadores
barões do café, aos “velhos” e “novos” coronéis que prestam serviços às famílias, pois suas
do Nordeste - aos “novos ricos emergentes”, condições de rendimento ainda não
que submetem as domésticas à exploração de possibilitam a utilização dos serviços prestados
sua força de trabalho, com diversas formas de por essa força de trabalho.
abusos, presentes no seu cotidiano de trabalho.
NOTA TÉCNICA

A histórica desigualdade existente entre os que houve, entre 2009 e 2012, expansão de 1.130 mil
trabalhadores domésticos e os demais assalariados, postos de trabalho, nos mais diferentes segmentos de
especialmente numa perspectiva de crescimento atividade econômica, enquanto o número de
econômico e de maior oferta de oportunidades de trabalhadores domésticos sofreu uma redução de 105
trabalho, parece ter diminuído o interesse de muitos mil profissionais. Tal descompasso fez com que a
trabalhadores no exercício desse tipo de ocupação. Os participação deles sob o total de ocupados diminuísse,
dados agregados para as sete regiões onde a Pesquisa realidade esta que foi percebida em quase toda a área
de Emprego e Desemprego (PED) é realizada mostram de abrangência do Sistema PED (Gráfico 1).

Convênio Seade-DIEESE, MTE/FAT e convênios regionais.

Para o conjunto das regiões metropolitanas, em diminuição de 17 mil trabalhadores domésticos, na


2009, este segmento de trabalhadores representava região. Dessa forma, cabe registrar que a iniciativa de
7,9% da ocupação total, cuja proporção caiu para equalização dos direitos dos trabalhadores domésticos
7,0%, em 2012. Considerando as áreas investigadas, o surge em um contexto em que há redução do número
trabalho doméstico só teve incremento na metrópole desses profissionais nos grandes centros urbanos do
baiana, ao passar de 7,8% para 8,3% da ocupação país, cujo declínio pode estar associado à busca de
total. Com efeito, uma das maiores reduções de melhores perspectivas em outras áreas de atuação ou,
trabalhadores domésticos, tanto em termos relativos até mesmo, à migração para a condição de
como absolutos, ocorreu na região metropolitana de trabalhadores autônomos ou diaristas. Na RMF, por
Fortaleza - RMF, cuja proporção caiu exemplo, a proporção de diaristas já atinge 27,6% do
significativamente, ao passar de 9,3% (2009) para 7,5% total de trabalhadores domésticos (Gráfico 2).
(2012) do total de ocupados, o que representou a

2
NOTA TÉCNICA

Convênio IDT/Sine-CE, STDS, Fundação Seade/Dieese e MTE/FAT.

Nessa discussão, é importante mencionar que a Organização Internacional do Trabalho – OIT, pactuasse
proporção de trabalhadores domésticos que possuem entre os países membros a Convenção e Recomendação
carteira assinada, embora em elevação, é muito sobre o Trabalho Decente para as Trabalhadoras e os
pequena, na RMF. Dos 124 mil profissionais, apenas Trabalhadores Domésticos (a 189º da OIT), em 2011.
16,9% destes possuíam vínculo formal de trabalho, em A PEC 66/2012 é, assim, uma importante iniciativa
2012. Este resultado chama atenção para o grave para a equalização dos direitos para os trabalhadores
prejuízo a que estão sujeitos estes trabalhadores ao não domésticos enquanto assalariados no Brasil,
contarem com os benefícios trabalhistas. Tal realidade principalmente com relação à regulamentação da
pode ser um dos motivos para o decréscimo do número duração das jornadas de trabalho (diária e semanal), do
de trabalhadores domésticos na condição de padrão mínimo de remuneração e da obrigatoriedade
mensalistas, tanto entre aqueles com carteira de do recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de
trabalho assinada como sem carteira. Serviço – FGTS, pelo empregador, que até então poderia
É possível elencar, pelo menos, dois obstáculos que ser compulsoriamente recolhido.2
contribuíram para esta situação. O primeiro está Não obstante esta realidade, é preciso que outras
relacionado à própria especificidade da atividade ações sejam conduzidas para que efetivamente estes
laboral exercida no âmbito domiciliar, o que impede trabalhadores consigam esses benefícios, especialmente
que exista fiscalização das relações de trabalho no ato ao ser reconhecida a especificidade desse tipo de
de sua execução, haja vista que o domicílio é atividade laboral exercido no âmbito domiciliar e para
constitucionalmente uma unidade inviolável.1 Já o um empregador pessoa física, necessitando, assim, de
segundo está relacionado à baixa densidade associativa uma desoneração da carga tributária sobre esse vínculo
desses profissionais, uma vez que basicamente laboral, que estimule a formalização e
trabalham sozinhos e para diferentes empregadores, o profissionalização desse trabalhador, ampliando não
que, historicamente, dificultou a formação de somente os seus direitos como evitando maiores
organizações coletivas que buscassem reivindicar o desgastes para empregadores, trabalhadores e poder
“déficit de reconhecimento” que possuem com relação público com os conflitos na Justiça Trabalhista.
aos demais assalariados.
Esta realidade, no entanto, não é uma
particularidade do caso brasileiro, o que fez com que a
2
Apesar de compulsório, o recolhimento do FGTS do empregador passava
1
Salvo raras exceções, como flagrante delito e acidentes. a ser obrigatório a partir de seu recolhimento.

3
NOTA TÉCNICA

Uma das primeiras características que se destaca Apesar desta realidade, cabe chamar atenção para a
quando se fala em trabalhador doméstico é que esta é importância desse tipo de ofício para uma parcela
uma atividade ainda desenvolvida massivamente pelas significativa da força de trabalho local, uma vez que
mulheres (92,4%). Adicionalmente, os dados da mais de 1/3 dos trabalhadores domésticos disse que
Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) apontam que, chefia suas famílias, dependendo, assim, dessa
nos últimos anos, houve uma diminuição da presença ocupação para manutenção de suas famílias.
de trabalhadores mais jovens nesse tipo de ofício Diante desse contexto, é importante mencionar que
(Tabela 1), o que pode sinalizar que a força de trabalho muito desses trabalhadores aprenderam o ofício no
juvenil está buscando “novas” ocupações, assim como “saber fazer” e na opção pelo mercado de trabalho em
voltando aos bancos escolares. detrimento da vida escolar, uma vez que seis em cada
dez domésticos da região metropolitana de Fortaleza –
RMF, não chegaram a concluir o ensino fundamental.
Este é um aspecto importante porque boa parcela deles
já está a algum tempo nessa atividade, uma vez que se
detectou que o tempo médio de emprego destes
Em porcentagem profissionais no trabalho atual é de quatro anos e meio
(Tabela 2).

Masculino 8,9 8,8 7,6


Feminino 91,1 91,2 92,4

10 a 17 Anos -(1) -(1) -(1)


18 a 24 Anos 13,0 12,5 10,2 (Em percentagem)
25 a 39 Anos 40,7 37,0 39,4
40 a 49 Anos 25,5 28,7 28,4 Até 6 meses 30,6 31,5 28,5
50 a 59 Anos 12,6 14,5 14,4 Mais de 6 meses a 1 Ano 14,3 15,2 16,0
60 Anos e Mais -(1) -(1) -(1) Mais de 1 Ano a 2 Anos 13,6 13,0 12,9
Mais de 2 Anos a 5 Anos 17,7 17,0 17,6
Mais de 5 anos 23,8 23,3 25,0
Total 100,0 100,0 100,0
Chefes 32,2 33,7 36,4
Cônjuges 35,0 37,5 37,7
Tempo Médio (em meses) 52 52 54
Filhas 13,1 12,0 12,0
Tempo Mediano (em meses) 20 19 24
Outras 19,7 16,8 13,8
Convênio IDT/Sine-CE, STDS, Fundação Seade/Dieese e
Analfabetas e Ensino Fundamental MTE/FAT.
Incompleto 61,8 59,8 60,7 (1) A amostra não comporta a desagregação para esta categoria.
Ensino Fundamental Completo e Médio
Incompleto 20,4 22,2 21,8
Ensino Médio Completo e Superior
Incompleto 17,6 18,0 17,0
Ensino Superior Completo -(1) -(1) -(1)

Convênio IDT/Sine-CE, STDS, Fundação Seade/Dieese e


MTE/FAT.
(1) A amostra não comporta a desagregação para esta categoria.

4
NOTA TÉCNICA

Com a promulgação da Proposta de Emenda à metropolitana de Fortaleza – RMF, por exemplo, 55,6%
Constituição (PEC 66/2012), a chamada “PEC das dos trabalhadores domésticos trabalham mais do que as
domésticas”, passou a equivaler para estes 44 horas previstas pela legislação. E mais, os dados da
trabalhadores o mesmo limite de jornada laboral que Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) apontam que
detêm os demais trabalhadores assalariados de, no é exatamente entre aqueles que possuem vínculos
máximo, 44 horas semanais. formais de trabalho onde estão os que detêm jornadas
Esta regulamentação é, sem dúvida, um dos de trabalho mais prolongadas (49 horas), sinalizando
aspectos mais relevantes dessa iniciativa, uma vez que claramente maiores exigências dos empregadores de
boa parcela desses trabalhadores está submetida a contrapartidas dos trabalhadores (Gráfico 3).
jornadas laborais muito extensas. Na região

Convênio IDT/Sine-CE, STDS, Fundação Seade/Dieese e MTE/FAT.

No entanto, é possível perceber no Gráfico que possui o direito de não receber menos do que R$ 3,08
houve, ao longo dos últimos anos, uma redução dessa por hora trabalhada, segundo a relação de
jornada, ao cair de 53 (2010) para 49 (2012) horas proporcionalidade entre o salário mínimo e a jornada
semanais, embora essa jornada ainda esteja com cinco máxima estipulada pela legislação.
horas a mais do que a prevista na legislação. Esta é Por outro lado, chama atenção que a jornada de
uma questão que deve ser vista atualmente com maior trabalho semanal do trabalhador diarista é
atenção tanto pelos trabalhadores quanto pelos praticamente a metade dos mensalistas, o que,
empregadores, uma vez que a duração da jornada sobremaneira, tem efeito na composição do padrão de
laboral já está regulamentada.3 E, assim, ao ser rendimento deste trabalhador, conforme se aborda na
excedida a jornada legal, o trabalhador doméstico seção seguinte.

3
Há em curso discussões sobre a constitucionalidade da PEC 66/2012,
uma vez que ela não estipulou o prazo de noventa dias para sua
adaptação, conforme previsto no marco legal brasileiro.

5
NOTA TÉCNICA

Além do diminuto nível de formalidade das relações


laborais e da extensiva jornada laboral, outra
característica marcante do trabalho doméstico é o seu
baixo padrão de remuneração. O rendimento médio real
destes trabalhadores foi estimado em R$ 509, em
fevereiro de 2013 (Tabela 3). Ou seja, bem abaixo do
salário mínimo estabelecido em lei para o período (R$
678). E mais, o padrão de rendimento desses
profissionais, em termos médios, chega a ser ainda mais
baixo entre aqueles trabalham na condição de diaristas
(R$ 419), fato que pode estar associado às dificuldades
10 a 17 Anos - (2) - (2) - (2)
desses trabalhadores para manter uma carteira de 18 a 24 Anos 390 412 - (2)
clientes. E um indicativo desta situação, conforme 25 a 39 Anos 482 474 530
apresentado na seção anterior, é a própria jornada de 40 a 49 Anos 464 488 522
trabalho semanal destes profissionais que atinge, em 50 a 59 Anos 460 481 535
média, 23 horas semanais, o equiparável, em tese, a 60 Anos e Mais - (2) - (2) - (2)
três dias de trabalho por semana.
E sob esta discussão, cabe salientar que há um Chefes 491 491 548
entendimento consolidado na Justiça Trabalhista que Cônjuges 425 456 493
esta frequência, ao ser executada para um mesmo Filhas 346 - (2) - (2)
Outras 493 491 537
empregador, pode caracterizar uma relação de vínculo
laboral, especialmente pela regularidade e o grau de
subordinação e dependência existentes entre as partes. Analfabetas e Ensino Fundamental
Incompleto 428 444 481
Ensino Fundamental Completo e
Médio Incompleto 449 455 534
Ensino Médio Completo e Superior
Incompleto 522 538 574
Ensino Superior Completo - (2) - (2) - (2)

Empregadas Domésticas
Mensalistas 483 497 542
Com Carteira Assinada 685 675 717
Sem Carteira Assinada 427 442 484
Empregadas Domésticas Diaristas 341 369 419

Exclusive as empregadas domésticas assalariadas que não


tiveram remuneração no mês.
(1) Inflator utilizado: INPC-RMF do IBGE.
(2) A amostra não comporta a desagregação
para esta categoria.

6
NOTA TÉCNICA

Neste estudo, foram analisadas informações sobre a Cid Ferreira Gomes


inserção produtiva dos trabalhadores domésticos na
região metropolitana de Fortaleza. Os dados foram
Evandro de Sá Barreto Leitão
apurados por meio de uma pesquisa domiciliar, entre
2009 e 2012, período em que houve expansão da oferta
de postos de trabalho e redução dos níveis de Robson de Oliveira Veras
desemprego.
Apesar deste contexto favorável, diminuiu o número
Francisco de Assis Diniz
de trabalhadores domésticos na região, tanto em
termos absolutos como relativos, o que pode estar
associado às características predominantes ligadas a Sônia Maria de Melo Viana
esse tipo de ofício, entre elas, jornadas laborais
prolongadas e baixo padrão de formalização e de
rendimento da relação de trabalho. Antônio Gilvan Mendes de Oliveira
Dessa maneira, a proposta de equalização dos
direitos dos trabalhadores domésticos enquanto Francisco Assis Papito de Oliveira
assalariados pode ser não apenas uma forma de acabar
com uma dívida histórica existente até mesmo no
próprio marco legal, como uma iniciativa de revigorar e Erle Cavalcante Mesquita
profissionalizar as ocupações ligadas a esse tipo de
trabalho, cuja oferta se apresenta em declínio nos Wládia Magalhães Lima Rocha
grandes centros urbanos do país.

Erle Cavalcante Mesquita


Marinaldo Clementino Braga

Arlete da Cunha de Oliveira


Diorgia Maria Dias de Carvalho
Rosaliane Macedo Pinto Quezado

Regina Helena Moreira Campelo

Raquel Marques Almeida Rodrigues