Você está na página 1de 5

Centro Universitário Assunção - Unifai

Curso de Arte Africana

Professor: Amailton Magno Azevedo

Silmara Maria Vianna

2018
História, Artes e Religiosidade.

Artes: escultura em questão.

A arte é uma das manifestações mais antigas na história da humanidade.


Sendo conhecida como a linguagem universal, sempre esteve presente nos
processos culturais e sociais dos grupos humanos. As obras de arte, estão
ligadas a conceitos sociais e históricos; demonstrando o contexto no qual
elas surgiram.
Segundo Balogum, não devemos utilizar somente a interpretação, mas
devemos analisar também uma série de elementos comuns que permitam
sua interpretação.
Para entendermos uma obra de arte, necessitamos estar familiarizados com
o contexto do qual ela provém e seu processo sociocultural. Muitas vezes,
os aspectos existentes em uma obra de arte estão ligados à memória.
Memória esta apresentada pelo artista e destacada pelo grupo ao qual ele
pertence. Podemos observar isso , claramente quando falamos de arte
africana.
A arte africana, nos apresenta uma série de correntes visuais e filosóficas
ligadas a criatividade, a imaginação e a memória. Esta memória está ligada
a questões ancestrais, que apresentam um estilo próprio e registros
múltiplos de suas realidades. Mas infelizmente , nem sempre esta arte foi
assim observada.
Durante o século XX, a África foi considerada uma terra selvagem, sua arte
não fazia parte da história europeia. Para os europeus, a arte era
considerada inferior, ainda em estágios iniciais, muito distante da cultura
considerada erudita europeia. Este tipo de pensamento, vinha de encontro
com as ideias evolucionistas europeias presentes naquele período.
Mas , a partir da primeira metade do século XX , a África e sua arte foram
descobertas pelos intelectuais europeus . Os artistas do início do século XX
, observaram a presença marcante da arte africana . Muitos pesquisadores
e estudiosos sobre o tema não conseguiram conectar suas ideias , em um
senso comum . E foi neste momento , que surgiram três grandes
abordagens sobre o estudo da arte negro-africana . Estes estudos buscavam
uma visão estética da arte , uma arte com raízes , que fugia totalmente a
visão de mundo ocidental .
Sendo assim , as primeiras análises são desenvolvidas partindo de uma
abordagem etnológica , que recomendava o estudo do objeto da arte
africana , a partir da percepção do contexto em que ele aparece ,
demonstrando a função do objeto de arte e seu papel na sociedade em que
tal objeto aparece . São observadas máscaras e estátuas . Dentro deste
processo , são observados signos presentes em cada meio social e artístico
africano .
A maioria dos estudiosos , desta perspectiva etnológica , desenvolveram
uma ligação entre arte e religião . Onde independente de suas funções , os
artistas , teriam sua arte ligada a suas crenças e a sua religião ; havendo
assim uma total negação do belo entre os africanos .
Já segundo a abordagem etno-estética , a análise é feita da seguinte forma
: O que são os objetos da arte africana ? O que eles nos dizem e o que eles
representam ? Tal teoria apresentou o que muitos chamaram de
mestiçagem cultural ou união , surge então , neste momento , uma
Antropologia da Arte . Tais defensores da teoria etno- estética da arte
africana não deixaram definida a teoria desta estética .
Na abordagem da teoria estética , alguns estudiosos estimam, que existem
na arte tradicional africana negra , obras que correspondem a arte liberal
ou ainda a teoria da “arte por arte “ . Estes defensores buscam uma estética
entre os povos da África negra , onde são apontadas noções fundamentais
da estética clássica , como por exemplo a beleza e a apreciação dos objetos
produzidos .
Segundo Munanga , a teoria estética , baseia seus argumentos na
possibilidade de uma apreciação do objeto artístico “negro” . Pouco
importava se este objeto fosse feito para um culto . Para a teoria estética ,
o objeto deve ser olhado por si mesmo .
Mas como pensar a arte africana , em seu contexto social e histórico ? Para
que ela foi feita ? Quais seriam seus significados e suas particularidades
históricas ?
Sabemos que , o uso da arte africana está relacionado a um conceito
histórico , está integrada a uma sociedade , a um conjunto cultural e social
. Representa algo , tem uma funcionalidade e sua comunicação com os
ancestrais .
Portanto a abordagem etnológica tem seus limites , preocupa-se com a
forma , existe uma relação entre funcionalidade e forma . Onde o ritual e o
estético se confundem no artista africano .
Mas Munanga , apresenta um novo debate , a estética africana , a teoria
estética , a arte pela arte . Sem estar ligado ao religioso , enxerga fora do
conceito das crenças , poderíamos chama-lá de “ arte profana” e
“desacralizados “ .
Para Roger Somé , os artistas negros africanos , têm um sentimento estético
, beleza e juízo entre bem e mal . Surgem análises sobre a diversidade
estética entre forma e conteúdo . O belo e o refinado são destacados .
Para Thompson , a arte não serve somente a religião , existem critérios
sobre a arte , as obras devem ser vistas e não ocultadas . A arte deveria ser
autônoma e não submetida , uma arte desacralizada , mas com função
social .
Segundo Balogum , a arte africana escapa ao mero enterterimento , é uma
ritualização coletiva . São várias as formas artísticas , com a utilização de
vários materiais : madeira , ferro , bronze , pedra e terracota . Destaque
para a arquitetura , artes plásticas , máscaras dos deuses , manifestações
religiosas . A arte estaria presente nas máscaras , nas tradições de
oralidade. Segundo alguns autores , arte e filosofia africana caminham
juntas . As linguagens das máscaras , e o culto aos ancestrais , coexistem
com outros saberes .
Atualmente , a arte africana caminha por outras vertentes , com uma certa
tendência africano ocidentalizada , como por exemplo o teatro , a música ,
a dança , a pintura , as artes do corpo e cabelo , mostrando o lado atual do
africano .
Bibliografia

Munanga , Kabengele . A Dimensão Estética na Arte Negro –Africana


Tradicional , www.macvirtual.usp.br2006.(PDF)
Balogun , Olá .Forma e Expressão nas artes africanas .
Diawara, Manthia . A Arte da Resistência . (PDF)
Thompson , Robert F. Flash of the Spirit : Arte e Filosofia africana e afro-
americana , São Paulo : Museu Afro- Brasil , 2011 .