Você está na página 1de 10
12 _voLUME 066380/93 ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIARIO COMARGA 2s CARRIE iS JUIZO DE DIREITO 1s CRIMINAL -17 TRTSUNAL Escrevente: © Ministério Publico - sILHeAME DE pus Tyomaz Art. 121 § 20, I © IV do C.Ponal- CClassificapgo do del AUTUAGAO wt ‘Alvard em: Fis. | 7535-651-0410 ei. Ee pum 4 ‘ MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO RIO DE’ PROCURADORIA-GERAL DE JUSTICA /EXMO SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO I TRIBUNAL DO JORI DA COMARCA DA (CAPITAL 5 a ae cn papeee lan: yi Porro? 019 73- ae of Jie © MINISTERIO POBLICO, através dos seus Promotores de, Justga, sbaixo ‘subscritos, vem ofvrecer DENUNCIA em fisce de GUILHERME DE PADUA THOMAZ e PAULA NOGUEIRA DE ALMEIDA THOMAZ, devidamente qualificados as fls. 10/11 ¢ 94, nos autos do Inquérito Policial no 861/92 da 16a.D.P. , pelos fatos e fundamentos que J passam aexpor: tL Be ~ 4 "No din 28 de dezembro de 1992, por volta das 21:30 h, na rua Cindido Portnar, ‘Préximo a0 Condominio Rio-Mar, em local ermo, designado no laudo de ‘fls. 01 do ‘spenso, Barra da Tijuca, nesta cidade, o demmciado GULHERME, com finimo de mater, Utilizimdo-se de instrumento pérfuro-cortante, deeforiu contra a pessoa de DANIELA. PEREZ GAZOLA iniimeros golpes, produzindo-the as lesSea que, por sua natureza e sede, \ ‘causaram a sua morte, consoante laudo de exame cadavérico de fls. 56/58. . m <0 denmeiado GULLHERME procedeu com motivagto torpe, eis que visou a. / sutinfazer seus préprios caprichos e ox de sua mulher, com quem manta rela; 0 conjugal / obsessiva, consistente em exacerbadlo sentimento reciproco de posse. an [y%., . © denmeciado GUILHERME, no local do evento, agindo de inopno, imobilizou a viii através da 2¢io popularmente conhecida por "gruvats", vindo, apés, a deeferir-tho ‘08 golpes morta, meio esse que lhe dificultou a defiea. ‘A domuciada PAULA, com consciéncia e vontado, concorreu eficazmente para pritica do crime, uma ver. que, previamente ajustada com o denunciado GUILHERME. tocante ao comotimento do i ¥ MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANA eee ee eon 'vo © prostou muxilio moral ao primeiro demunciado, seu marido, encorajando-—2> ‘com su presengs solidéria, Assim agindo, esto or demmciados incursos nas penas do mrtigo 121, parigrafo segunda donumciada na forma do artigo 29 Bo mesmo estatuto repressive. Do exposto, recebida a presente, requer sejam ox demmeiados citados para “Mauro RK Ra /OGPTC/SEPO Mat. 127.6056 lator co ae ESTADO DO RIO DE JANEIRO fi > SEPC/OPI/ICCE SERVIGO FOTOGRAFICO PERITOS Em 119. a FOTOGRAFO POLICIAL 7535-632-0422 - impransa Otieial - Al - 78 a Vr LS a7 Ge Meme 14116193 | Ree. frac. . 821/92 < Ramo Feanteecr o9fo4 (ge Aes Yee ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIARIO TRIBUNAL DE JUSTICA COMARCA DA CAPITAL 28 VARA CRIMINAL - II TRIBUNAL DO JURT PROCESSO N2 4.330/93 ACUSADO! GUILHERME DE PADUA THOMAZ SEN TENGEA Proc. n@ 4.330/93 O réu GUILHERME DE PADUA THOMAZ foi denunciado, pronunciado @ libelado como incurso nas penas do artigo 121, par. 22, incisos I e IV do Cédigo Penal, por ter no dia 28 de dezembro de 1992, no periodo noturno, em local ermo existente na Barra da Tijuca, nesta cidade, fazendo uso de instrumento pérfuro~cortante, desferido golpes em Daniela Perez Gazolla: causando~lhe. em cansequéncia, a morte. conforma descrito no auto de exame cadavérico de fls. 59/60. A acusacéo ainda envolve as qualificadoras do motivo torpe @ de recurso que impossibilitou a defesa da vitima. Interrogado o Réu e relatados os autos, foram ouvidas as testemunhas presentes, conforme termos em apartado. As diligéncias para Plendrio, requeridas pelas partes, foram realizadas, conforme registro em ata. 4s partes sustentaram suas pretensdes em Plendrio. @ Acusacxay patracinada pela Tlustre Promotor de vustica, Dr. José Muifios Pifieiro Filho, @ pelo digno Advogados Dr. Arthur Lavigne, que representou a assist@ncia de acusacio, pleiteou a condenacéo nos termos do libelo. A Defesa patrocinada pelo Ilustre Advogado, Dr. Paulo Roberto Alves Ramalho, sustentou a tese de negativa de autoria ey Subsidiariamente, a do erro sobre elementos do tipo. Formulados os quesitos, conforme termo préprio, 0 Conselho de Sentenca acolheu integralmente a pretensiio acusatéria. Em face da decisio soberana dos Senhores Jurados, JULGO PROCEDENTE a pretensio punitiva estatal CONDENO o REU GUILHERNE DE PADUA THOMAZ nas penas do artigo 121, par. 22, incisos I e IV do Cédigo Penal. @ sancdéo aplicdvel ac Réu, dentro dos limites fixados em lei, resultard das circunstancias previstas no artigo 5? do Cédigo Penal. eerie ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIARIO TRIBUNAL DE JUSTICA A conduta do = Réu_—exteriorizou uma Personalidade violenta, perversa @ covarde, quando destruiu a vida de uma pessoa indefesa, sem nenhuma chance de escapar ao ataque do seu aigoz, pois, além da desvantasem na forca fisicay o fato se desenrrolou em local, onde jamais se ouviria o grito desesperador @ agonizante da vitina. Demonstrou o Réu ser uma pessoa inadaptada ao convivio social, por néo viscejarem no seu espirito os sentimentos de amizade, generosidade e solidariedade, colocando acima de qualquer outro valor a sua ambicio pessoal. Diante destas circunstancias, onde se acentua um intenso grau de culpabilidade, impée-se dma resposta penal condizente com a exigéncia da necessidade e suficiéncia para eprovacio e@ prevencio do crime, consoante determina o dispositivo legal norteador da aplicacie da pena. 0 Acusado, em que pese sua personalidade antes retratada, @ primirio. Nestas condicées, fixo a pena-base em 49 (dezenove) anos de reclusdo, tornando-a dafinitiva, ante a auséncia de circunst@ncia legal ou causa especial que justificariam sua alteracdo. ;, Condeno, ainda, o Réua pagar as custas do proceso. Q regime prisional para o inicio do cumprimento da pena @ 0 fechado. Recomende-se o Réu na prisdo onde se encontray Porque lhe nego o direito de recorrer em liberdade, pelas TazGes de sua custodia preventiva e também por forca desta condenacio. Transitada em julgado, lance~se o nome do Réu no rol dos culpados e expeca-se carta de sentenca. Publicada nesta sessdo plendria, intimadas as aistre-se e comunigue-se. partes, re Rio de Janeirg, em 25 de Janeiro de 1997. Jose GE} INTO urd P| NTE