Você está na página 1de 126

Um Tratado Sobre Domínio

do Pecado e da Graça

John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra

Mai/2018
O97
Owen, John – 1616-1683
Um tratado sobre domínio do pecado e da graça / John
Owen
Tradução , adaptação e edição por Silvio Dutra – Rio de
Janeiro, 2018.
126p.; 14,8 x 21cm

1. Teologia. 2. Vida Cristã 2. Graça 3. Fé. 4. Alves,


Silvio Dutra I. Título
CDD 230

2
“Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois
não estais debaixo da lei, e sim da graça.” (Romanos
6:14)

ANÁLISE.

O tratado é baseado em Romanos 6:14, e três fatos


são pressupostos na discussão que se segue: - que o
pecado habita nos crentes; procura renovar seu
domínio sobre eles; e se esforça para realizar este
objeto por engano e força, cap. I.

Três principais investigações são propostas:

I. Na natureza deste domínio;

II. evidência pela qual nós determinamos se existe


em nós; e

III. A razão ou fundamento da certeza de que não terá


domínio sobre os crentes.

I. Quanto à natureza deste domínio, -

1. É mal e perverso,

(1.) como usurpado, e

(2.) como exercido para fins malignos.


3
2. Não implica força contrária à vontade humana.

3. Implica que a alma não está sob a influência da


graça em nenhuma extensão; e

4. que é sensível ao poder do pecado.

II. Quanto à evidência deste domínio, -

1. Algumas características de caráter são


especificadas que, embora aparentemente, não são
realmente inconsistentes com o domínio do pecado.

2. Certas coisas são mencionadas, o que deixa o caso


duvidoso; como quando o pecado toma posse da
imaginação, quando ele prevalece nas afeições,
quando há uma negligência dos meios pelos quais ele
é mortificado, quando uma reserva é feita em favor
de qualquer pecado conhecido, e quando a dureza do
coração é manifestada,

III. A dureza do coração é especialmente considerada


e distinguida em natural, judicial e parcial ou
comparativa; sob a cabeça de endurecimentos
parciais, são mencionados, -

(1.) Sintomas que, por mais perversos que sejam, não


são inconsistentes com a existência da graça no
coração; e
4
(2) Sintomas dificilmente compatíveis com o reino da
graça.

E, 3. As evidências incontestáveis de que o pecado


tem domínio sobre a alma são brevemente
mencionadas.

IV. A razão da certeza de que o pecado não terá mais


domínio sobre os crentes é que eles “não estão
debaixo da lei, mas debaixo da graça”, porque,
enquanto que 1. a lei não dá força contra o pecado, 2.
não confere liberdade espiritual e

3. não fornece motivos para destruir o poder do


pecado e

4. enquanto Cristo não está na lei - a graça concede


essas bênçãos e, assim, permite-nos subjugar o
pecado.

V. Duas observações práticas são apresentadas, -

1. O privilégio de libertação do domínio do pecado; e

2. A importância de nos assegurarmos contra o


domínio do pecado, e não o sofrermos para
permanecer muito duvidosos se estamos ou não sob
ele — ED.

5
PARA O LEITOR SÉRIO.

Uma das grandes investigações do evangelho que um


cristão deve ser mais crítico e curioso para resolver a
si mesmo, após o exame mais imparcial de seu
próprio coração, a respeito de seu estado espiritual e
posição na graça, é se ele está na fé ou não: cuja
dúvida pode ser resolvida, senão de duas maneiras; -
seja pela própria fé que fecha com seus verdadeiros
objetos oferecidos no evangelho em seu ato direto (e
assim se evidencia, sendo a evidência das coisas não
vistas, como todos os sentidos naturais evidenciam a
si mesmos por seus próprios atos sobre seus próprios
objetos, - porque aquele que vê o sol tem argumentos
suficientes para si mesmo de que ele não é cego, mas
tem um olho que vê, e a fé, portanto, é
frequentemente representada para nós ao ato de ver,
como João 6:40 e em outros lugares; de acordo aos
graus de fé, mais fraco ou mais forte, e
consequentemente carrega garantias menores ou
maiores com ele; mas aqueles que são da mais alta e
melhor natureza, dando a maior glória à graça e
verdade de Deus, e os mais firmes permanecem na
alma nas maiores tempestades da tentação, sendo
como uma âncora fixada no véu, segura e firme) ou,
ainda, que nossa alegria seja plena e mais completa,
especialmente em casos em que nossa fé parece
falhar, e nós somos como Tomé, Deus, de seu
abundante grau no evangelho, forneceu argumentos
para nos elevarmos do sentido espiritual para julgar
6
nosso estado e ficar de prontidão. Mas isso requer os
ensinamentos do Espírito e, por conseguinte, um
espírito de discernimento, experiência e
discernimento em nossos próprios corações e
maneiras, com sentidos exercidos em razão do uso,
que esses fundamentos e argumentos podem ser
matéria de conforto e estabelecimento do eu chamo
estas últimas evidências de subordinadas, e
adicionais àquelas de fé, e elas são de grande
utilidade através do estabelecimento e confirmação
para os crentes, desde que não sejam abusadas para
o único repouso e confiança nelas, para os grandes
preconceito de nossa vida de fé: pois vivemos pela fé
(assim devem viver todos os pecadores arrependidos
quando atingiram o mais alto grau de santidade
nesta vida), e não pelo sentido, não, nem mesmo pelo
sentido espiritual; que é um bom serva à fé, mas não
é bom amante dela. Além disso, as provações desta
natureza são frequentemente de um maravilhoso
despertar e natureza convincente para os pobres
pecadores seguros carnalmente, professantes
formais e hipócritas, pois muitos deles são
verdadeiros com grande demonstração do negativo:
1 João 3:14: “Aquele que não ama a seu irmão
permanece na morte”, e o versículo 10, “Nisto se
manifestam os filhos de Deus e os filhos do diabo:
todo aquele que não pratica a justiça não é de Deus
nem aquele que não ama a seu irmão”. Agora, esses
testes chegam a um homem não regenerado com
convicções claras e fortes de seu estado sem efeito,
7
quando, pela luz do evangelho que brilha em seu
coração sombrio, evidentemente parece haver uma
total ausência de tais graças eminentes que são
inseparáveis de um filho de Deus. Mas quando um
pecador pobre, de coração quebrantado e
autopunível vem a se julgar por esses testes,
especialmente sob grande tentação, ele atribui tudo
ao que ele encontra em si mesmo por hipocrisia,
formalidade e pecado, senta-se completamente na
escuridão em relação a essas faíscas da luz interna, e
é finalmente, quando ele quebrou todas as suas
lascas e desgastou todo o seu aço, cercando-se de
faíscas de seu próprio fogo, para se voltar para Cristo
pela fé, "como um prisioneiro de esperança",
acreditando na esperança contra a esperança, e dele
para buscar, por um ato direto de fé, como do sol da
justiça, toda a sua luz de vida e conforto; então ele
poderá acender todas as suas pequenas velas, sim,
todos os argumentos inferiores de sua boa
propriedade fluirão com muito alargamento e
aumento de consolação, como correntes de água viva
fluindo da fonte, abertas para o pecado e para a
impureza. no ventre do verdadeiro crente pecador,
recebendo pela fé da plenitude de Cristo através do
Espírito, abundantemente suprindo-o de rios de
verdadeiras e substanciais graças e consolações
vivas, sendo cheio com os frutos da justiça, para o
louvor e glória de Cristo. Agora, entre as dissertações
desta última natureza e uso isto não é nenhuma das
menores, quer estejamos sob o domínio do pecado ou
8
não. Ou estamos ou não estamos. Se estamos, nosso
estado é certamente perigoso, pois tais estão debaixo
da lei, e a lei concluiu tudo sob ira. Se não estamos
sob o domínio do pecado, estamos em estado
abençoado e feliz, estando sob a graça. Pois esses dois
domínios dividem o mundo, e todo filho e filha de
Adão está sob um ou outro, e nenhum deles pode
estar sob os dois ao mesmo tempo. Agora, nosso ser
debaixo da graça não pode ser melhor evidenciado do
que estar em Cristo pela fé: pois aquele que é assim
“é uma nova criatura, passou da morte para a vida”,
ainda haverá um pecado mortificado, o homem forte
no domínio do pecado sendo expulso; e, portanto, a
fé é considerada nossa “vitória”, pelo suprimento de
toda a graça recebida de Jesus Cristo. De fato, não
requer pouca habilidade espiritual e compreensão
para passar um julgamento correto nesses assuntos.
Sem dúvida, muitos são enganados ao tomar
medidas erradas para buscar essas coisas profundas
de Deus, levando-as a pertencer às meras faculdades
e dotes de um homem natural, não considerando que
elas são apenas da revelação do Espírito. E, portanto,
há muitas criaturas pobres em um estado de
escravidão sob a lei e, portanto, sob o domínio do
pecado, e trabalham como escravos no montão de
seus próprios corações para descobrir alguma
religião natural ou bondade em si mesmos para
recomendá-los a Deus. Mas tal recomendação deve
estar sob a lei, não pode estar sob a graça; e, portanto,
os tais estão sob o domínio do pecado infalivelmente,
9
como os israelitas, que "seguiram a lei de justiça mas
não alcançaram a lei da justiça. Por quê? Porque eles
procuraram não pela fé, mas como pelas obras da lei.
Pois tropeçaram na pedra de tropeço.”(Romanos 9:
31,32). E é deplorável que muitos professantes que se
assentam sob os cuidados da graça sejam tão
sensíveis a suas consciências seguras e paliadas, que
não possam suportar que raios da verdadeira luz do
evangelho devam brilhar diretamente em seus
corações, contentando-se somente com um nome
que eles vivem. Eles são relutantes em vir a qualquer
busca ou julgamento estreito, para que não sejam
descobertos, e apareçam para si mesmos em suas
formas feias, enquanto estão dispostos a que todo o
mundo tenha uma boa opinião sobre eles; sob a qual
eles não podem admitir quaisquer distúrbios
internos, mas desejam dormir em uma pele inteira de
disfarce. Outros existem, sinceros, crentes de coração
partido, que, assustados com a rocha da presunção
em que veem tantos professantes arruinados
diariamente, estão aptos a cair no outro extremo, e
muito erroneamente, para libertar a graça, condenar
a si mesmos como estando sob o domínio do pecado;
e, portanto, censuram-se por estarem sob a lei e a ira,
apesar de toda a aparente fé e santidade, chamando
essa presunção e hipocrisia. Assim, retornando a
uma espécie de “espírito de servidão novamente para
temer”, sua fé é abalada pela incredulidade
prevalecente, sua paz é quebrada e todas as
ordenanças do evangelho tornam-se ineficazes
10
quanto a seus verdadeiros fins de lucro, edificação e
consolo. Portanto, embora estejam verdadeiramente
debaixo da graça, não sabem, ou melhor, pela
tentação, não a reconhecerão; mas “vão chorando o
dia todo, por causa da opressão do inimigo”. Mas
suponho que uma pobre pessoa considere um pouco
e não “receba a graça de Deus em vão”. Vocês gemem
sob a usurpação e opressão do pecado remanescente?
E este é o domínio disso? Não há diferença entre o
domínio do pecado e a tirania e usurpação do
pecado? O domínio é por causa do direito de
conquista ou sujeição. Há sobre ambos que o pecado
reina em homens carnais e não regenerados, que
“entregam seus membros como instrumentos de
injustiça ao pecado”; mas vocês “se consideram
mortos para o pecado”, não tendo alegria em sua
prevalência, mas tristeza sendo plantada a esse
respeito. “À semelhança da morte de Cristo”, que
“morreu para o pecado uma vez, mas não morre
mais”. O pecado não terá mais domínio sobre ele;
“Também considerai-vos mortos para o pecado, mas
vivos para Deus, por Jesus Cristo nosso Senhor” - isto
é, para estar debaixo da graça, para se colocar livre e
alegremente sob a conduta e domínio de Jesus Cristo,
e para acompanhar uma luta contínua e oposição
contra o poder predominante do pecado. De fato, o
pecado frequentemente: como inimigo vigilante, faz
seus assaltos e incursões no melhor dos filhos de
Deus, como aconteceu com Davi, Ezequias e Pedro; e
embora possa fazer brechas sobre eles, não terá
11
domínio e estabelecerá um trono de iniquidade em
seus corações. A graça vencerá o trono do pecado;
porque de fato as palavras deste texto - isto é, o
assunto do tratado que se segue - levam a força de
uma promessa aos santos, para animar e encorajá-los
a lutar contra o pecado sob a bandeira de nosso
Senhor Jesus, o capitão de nosso salvação,
aperfeiçoada através dos sofrimentos: “Porque o
pecado não terá domínio” etc. Ao tratar de qual texto,
este último autor culto e piedoso (John Owen) agiu
como parte de um bom obreiro que corretamente
dividiu a Palavra de Deus (como em todos os seus
outros escritos da mesma natureza), dando a cada
um a porção deles como lhes pertence, com tanta
perspicácia e demonstração, que se, leitor cristão,
você permitir um pouco de tempo e esforço para ler,
meditar, e digerir bem, as verdades aqui colocadas
diante de ti, através da bênção do Deus de toda a
graça, tu encontrarás muita satisfação e real
vantagem espiritual para tua alma, ou para despertar
e te recuperar de debaixo do domínio do pecado (os
sintomas perigosos e palpáveis dele), ou então
descobrir o seu estado feliz ao ser tirado de "debaixo
da lei", e trazido sob o domínio da "graça", pelo qual
tu podes assumir grande encorajamento para
prosseguir mais alegremente em "correr a corrida
que está diante de ti”. É suficiente dizer que o autor
deixou o seu encômio firmemente enraizado nas
mentes de todos os homens piedosos e eruditos que
estão familiarizados com os seus escritos,
12
apologéticos ou práticos; sim, sua fama sempre será
grande depois de gerações entre as igrejas de Cristo e
todos os verdadeiros amantes das grandes verdades
do evangelho. E que ele é o autor deste pequeno
tratado é suficiente para recomendá-lo à sua leitura
mais séria; tomando esta garantia, que foi deixado
(entre outros escritos de grande valor) assim
aperfeiçoados para a imprensa por sua própria mão,
e é agora por seu relicário digno publicado para o
benefício de outros além dele mesmo. Não duvido,
mas dirás que responderás às várias linhas que foram
desenhadas em teu coração pelo pecado ou graça,
“como em face de água responde a face;” e que este
pode ser o efeito de teu exame deles, com o propósito
de teu bem espiritual e eterno, é o desejo e oração
sinceros de teu benfeitor não fingido, - JC.

13
“Porque o pecado não terá domínio sobre vós, porque
não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça.”
(Romanos 6:14)

CAPÍTULO 1.

Que pecado é consistente com o estado de graça, e o


que não é - o grande desígnio do pecado em todos
para obter domínio: ele tem isso em incrédulos, e
disputa por isso em crentes - Os modos pelos quais
ele age. O salmista, tratando com Deus em oração
sobre o pecado, reconhece que há em todos os
homens erros inescrutáveis de vida, além de todo
entendimento ou compreensão humanos, com
pecados cotidianos de fraquezas que necessitam de
contínua limpeza e perdão: Salmos 19:12. Quem pode
entender seus erros? Purifica-me de faltas secretas.

Contudo, ele supõe que essas coisas são consistentes


com um estado de graça e aceitação com Deus. Ele
não pensava em nenhuma perfeição absoluta nesta
vida, de qualquer condição que não necessitasse de
limpeza e perdão contínuos. Portanto, existem ou
podem existir tais pecados nos crentes, sim, muitos
deles, que ainda, sob a devida aplicação a Deus pela
graça purificadora e perdoadora, não nos privarão de
paz aqui nem porão em perigo nossa salvação no
futuro.
14
Mas ele fala imediatamente de outro tipo de pecados,
que, em parte por sua natureza, ou o que eles são em
si mesmos, e em parte por sua operação e poder, que
certamente serão destrutivos para as almas dos
homens, onde quer que estejam: versículo 13,
“Também da soberba guarda o teu servo, que ela não
me domine; então, serei irrepreensível e ficarei livre
de grande transgressão.”

Esta é a dobradiça sobre a qual gira toda a causa e


estado de minha alma:

Embora eu esteja sujeito a muitos pecados de vários


tipos, mesmo assim, sob todos eles, posso e
realmente mantenho minha integridade, e pactuo
com a retidão em andar com Deus; e onde eu falho,
sou mantido ao alcance da limpeza e misericórdia do
perdão, administrado continuamente à minha alma
por Jesus Cristo: mas há um estado de vida neste
mundo no qual o pecado tem domínio sobre a alma
agindo presunçosamente, com integridade e
liberdade de condenar e culpar são inconsistentes.

Este estado, portanto, que sozinho é eternamente


ruinoso para as almas dos homens, ele deprecia com
toda seriedade, e devemos orar para ser guardados e
preservados dele.

Aquilo pelo que ele tão fervorosamente ora, o


apóstolo nas palavras do texto promete a todos os
15
crentes, em virtude da graça de Cristo Jesus,
administrada no evangelho. Tanto a oração do
profeta por si mesmo, quanto a promessa do apóstolo
em nome de Deus para nós, demonstram quão
grande é esse assunto, como declararemos
imediatamente.

Há algumas coisas supostas ou incluídas nestas


palavras do apóstolo.

Precisamos, em primeiro lugar, investigar um pouco,


sem o que não podemos entender bem a verdade em
si proposta neles; como:

1. É suposto que o pecado ainda permanece e habita


com os crentes; pois assim é o significado das
palavras: “Aquele pecado que está em você não terá
domínio sobre você”, isto é, nenhum daqueles que
não são sensíveis a ele, que gemem para serem
libertos disso, como o apóstolo em Romanos 7:24.

Aqueles que são de outro modo não conhecem a si


mesmos, nem o que é o pecado, nem em que consiste
a graça do evangelho. Existe a “carne” remanescente
em cada um, que “luta contra o Espírito”, Gálatas
5:17; e adere a todas as faculdades de nossas almas,
de onde é chamado o “velho homem”, Romanos 6: 6,
em oposição à renovação de nossas mentes e todas as
faculdades delas, chamado de “novo homem”,
Efésios 4 : 24, ou "nova criatura" em nós; e há pró-
16
noia tháv sarkoav (Romanos 13:14) - um contínuo
trabalho e provisão para satisfazer suas próprias
concupiscências: de modo que permaneça em nós no
caminho de um hábito moribundo, decadente,
enfraquecido; mas agindo em inclinações,
movimentos e desejos, adequados à sua natureza.

Como as Escrituras e a experiência concordam aqui,


assim, uma suposição disso é a única base de toda a
doutrina da mortificação evangélica. Que isto é um
dever que incumbe aos crentes todos os dias de suas
vidas, tal dever que sem o qual eles nunca podem
executar qualquer outro de uma maneira devida, não
será negado por qualquer um, senão por aqueles que
estão totalmente sob o poder da cegueira ateísta, ou
por causa da febre do orgulho espiritual, que
perderam a compreensão de sua própria condição
miserável, e por isso sonham com a perfeição
absoluta.

Agora, o primeiro objeto apropriado dessa


mortificação é esse pecado que habita em nós. É a
“carne” que deve ser “mortificada”, o “velho homem”
que deve ser “crucificado”, as “concupiscências da
carne”, com todas as suas inclinações, atuações e
movimentos corruptos, que devem ser destruídos,
Colossenses 3: 5; Romanos 6: 6; Gálatas 5:24. A
menos que isso seja bem estabelecido na mente, não
podemos entender a grandeza da graça e privilégio
aqui expressos.
17
2. Supõe-se que esse pecado, que, remanesce,
permanece em crentes em vários graus, pode colocar
seu poder neles para obter vitória e domínio sobre
eles. É primeiro suposto que tem esse domínio em
alguns, porque ele governa todos os incrédulos, todos
os que estão sob a lei; e então, ele se esforçará para
fazer o mesmo naqueles que creem e estão sob a
graça: pois, afirmando que não terá domínio sobre
nós, ele concede que possa ou não contender por isto,
somente ele não terá sucesso, não deve prevalecer.
Por isso é dito que luta e guerreia em nós, Romanos
7:23, e guerreia contra as nossas almas, 1 Pedro 2:11.
Agora, assim, luta e guerreia, e disputa em nós pelo
domínio, pois esse é o fim de toda a guerra; seja qual
for a luta, ela é pelo poder e pelo governo. Este,
portanto, é o desígnio geral do pecado em todas as
suas ações. Esses atos são diversos, de acordo com a
variedade de luxúria nas mentes dos homens; mas o
seu desígnio geral em todos eles é o domínio. Onde
qualquer um é tentado e seduzido por suas próprias
luxúrias, como o apóstolo Tiago fala, seja em um
assunto nunca tão pequeno ou tão incomum, a
tentação a qual nunca poderá ocorrer novamente, o
desígnio do pecado não está na tentação particular,
senão para torná-la um meio de obter domínio sobre
a alma. E a consideração aqui deve manter os crentes
sempre em guarda contra todos os movimentos do
pecado, embora a questão delas pareça pequena, e as
ocasiões em que não sabem como retornar; pois o
objetivo e a tendência de cada uma delas é o domínio
18
e a morte, que elas alcançarão se não for detido o seu
progresso, como o apóstolo declara em Tiago 1: 14,15.
Não acredite em suas lisonjas: - “Não é uma
criancinha?” “Esta é a primeira ou será a última vez;”
“Ela requer apenas um pequeno lugar na mente e nos
afetos”; “Ela não irá mais longe.” Não dê lugar à sua
urgência e solicitações; não admita nenhuma de suas
desculpas ou promessas; é poder sobre suas almas
até a ruína que as tentações visam em tudo.

3. Há duas maneiras pelas quais, em geral, o pecado


age em seu poder e visa a obter esse domínio, e elas
são as duas únicas maneiras pelas quais qualquer um
pode conceber ou alcançar um domínio injusto, e elas
são engano e força, ambas. Eu descrevi
completamente em outro discurso; com respeito ao
que está prometido que o Senhor Jesus Cristo
“livrará as almas dos pobres que clamam a ele quanto
ao engano e violência”, Salmo 72: 12-14. Essas são as
duas únicas maneiras de se obter um domínio
injusto; e onde eles estão em conjunção, eles devem
ter uma grande prevalência e tornar o combate
perigoso. Há poucos crentes, que o acharam assim,
pelo menos em suas próprias apreensões. Eles
estiveram prontos para dizer, em uma ocasião ou
outra: “Um dia cairemos pela mão deste inimigo” e
foram forçados a clamar a Jesus Cristo pedindo
socorro e ajuda, com não menos veemência do que os
discípulos fizeram. no mar, quando o navio estava
coberto de ondas, “Senhor, salva-nos; nós
19
perecemos”, Mateus 8: 24-26. E assim eles o fariam,
ele não vem de vez em quando para o seu socorro,
Hebreus 2:18. E aqui a alma frequentemente não tem
menos experiência do poder de Cristo em sua graça
do que os discípulos em seus gritos tinham de sua
autoridade soberana, quando “ele repreendeu os
ventos e o mar, e houve uma grande calma”. O
pecado é aquilo que temos aqui contra nós, embora
permaneça em nós, embora ele contenda pelo
governo por engano e força, mas não prevalecerá,
não terá o domínio. E este é um caso do maior
importância para nós. Nossas almas estão e devem
estar sob o domínio de algum princípio ou lei; e desta
regra nosso estado é determinado e denominado.
Nós somos ou “servos do pecado para a morte, ou da
obediência para a justiça” (Romanos 6:16). Esta é a
substância do discurso do apóstolo nesse capítulo
inteiro - a saber, que o estado da alma, como a vida e
a morte eternas, segue a conduta e a regra da qual
estamos debaixo. Se o pecado tem o domínio,
estamos perdidos para sempre; se for destronado,
estamos seguros. Pode tentar seduzir; pode lutar,
guerrear, e inquietar; pode surpreender em pecado
real: ainda que não tenha o domínio em nós, estamos
em estado de graça e aceitação com Deus.

CAPÍTULO 2.

As indagações para entender o texto proposto - O


primeiro a ser falado, ou seja, o que é domínio do
20
pecado, do qual somos libertos pela graça. Nós vamos
perguntar em três coisas a partir das palavras deste
texto:

I. O que é esse domínio do pecado do qual somos


libertados e dispensados pela graça.

II. Como podemos saber se o pecado tem o domínio


sobre nós ou não.

III. Qual é a razão e evidência da certeza aqui dada a


nós que o pecado não terá domínio sobre nós, isto é,
porque não estamos “debaixo da lei, mas debaixo da
graça”.

Quanto ao primeiro destes, eu apenas contarei


algumas dessas propriedades que descobrirão sua
natureza em geral; os detalhes em que ele consiste
serão considerados depois. Primeiro, o domínio do
pecado é perverso e mal, e isso em ambos os relatos
que tornam qualquer governo ou domínio assim;
porque - 1. É usurpado. O pecado não tem o direito
de governar as almas dos homens. Os homens não
têm poder para dar ao pecado o direito de governar
sobre eles. Eles podem voluntariamente se escravizar
a ele; mas isso não dá ao pecado nenhum direito ou
título. Todos os homens têm originalmente outro
senhor, a quem eles devem toda a obediência, e nada
pode dispensá-los de sua lealdade a ele; e esta é a lei
de Deus. O apóstolo disse, de fato, que “a quem os
21
servos obedecem, são servos daqueles a quem
obedecem; seja do pecado para a morte, ou da
obediência para a justiça” (Romanos 6: 16). E assim
é. Os homens são assim os servos adequados do
pecado; eles se tornam assim por sua própria
sujeição voluntária a ele. Mas isto não dá um direito
ao pecado contra a lei de Deus, cujo direito é o de
dominar as almas dos homens; pois todos os que se
entregam ao serviço do pecado vivem em rebelião
real contra sua soberba natural ao Senhor: Por isso
muitas coisas se segue:

(1) O grande agravamento do mal de um estado de


pecado. Os homens que vivem nele voluntariamente
se arrependem, o que neles reside, sob o governo da
lei de Deus, e se entregam para serem escravos desse
tirano. Poderia reivindicar qualquer direito a este
domínio, se tivesse algum título para alegar, seria
algum alívio de culpa naqueles que se entregassem a
ele. Mas os homens “se entregam” à escravidão do
pecado, como o apóstolo fala; eles rejeitam o governo
da lei de Deus e escolhem este jugo estrangeiro; o que
não pode deixar de ser um agravamento do seu
pecado e miséria. Mas assim é que a maior parte dos
homens se manifesta visível e abertamente como
servos e escravos do pecado. Eles usam seu uniforme
e fazem todo o trabalho penoso; sim, eles se
vangloriam em sua escravidão, e nunca se julgam tão
corajosos e valentes como quando, por profanação,
embriaguez, impureza, cobiça e zombaria da religião,
22
eles abertamente denunciam o senhor a quem
servem, o mestre a quem eles se fazem pertencer.
Mas a “condenação deles não adormece”, seja o que
for que eles sonhem nesse meio tempo.

(2) Daí resulta que, ordinariamente, todos os homens


têm o direito em si mesmos de abandonar o domínio
do pecado e de reivindicar-se em liberdade. Eles
podem, quando quiserem, defender o direito e o
título da lei de Deus para o governo de suas almas,
até a completa exclusão de todos os apelos e
pretensões do pecado por seu poder. Eles têm o
direito de dizer-lhe: “Vai-te daqui; o que mais devo
fazer com os ídolos?” Todos os homens, digo eu, têm
esse direito em si mesmos, por causa da lealdade
natural que devem à lei de Deus; mas eles não têm
poder para executar este direito e, na verdade, para
livrar-se do jugo do pecado; porque esta é a obra da
graça. O domínio do pecado é quebrado apenas pela
graça. Mas você dirá então: “Para que fim serve a esse
direito, se eles não têm poder em si para colocá-lo em
execução? E como pode ser acusado como um
agravamento de seu pecado que eles não usam o
direito que eles têm, visto que eles não têm poder
para fazer isto? Você culpará um homem que tem
direito a um estado se ele não recuperá-lo, quando
ele não tem meios para fazê-lo?” Eu respondo
brevemente por três coisas: -
23
[1.] Nenhum homem vivo negligencia o uso deste
direito de rejeitar o jugo e o domínio do pecado
porque ele não pode de si mesmo fazer uso dele, mas
simplesmente porque ele não o fará. Ele
voluntariamente escolhe continuar sob o poder do
pecado, e considera tudo como seu inimigo que o
libertaria: “A mente carnal é inimizade contra Deus,
pois não é sujeita à lei de Deus, nem pode ser”,
Romanos 8: 7. Quando a lei chega a qualquer
momento para reivindicar sua luta e governar a alma,
um homem sob o poder do pecado olha para ela como
seu inimigo, que vem perturbar sua paz e fortalece
sua mente contra ela; e quando o evangelho vem e
oferece o caminho e os meios para o livramento da
alma, oferecendo sua ajuda e assistência para esse
fim, isso também é visto como um inimigo, e é
rejeitado, e todas as suas ofertas para esse fim. Veja
Provérbios 1: 24-31; João 3:19 Esta, então, é a
condição de todo aquele que permanece sob o
domínio do pecado: ele escolhe o que fazer; ele
continua nesse estado por um ato de sua própria
vontade; ele revela uma inimizade em tudo que lhe
daria livramento; - o que será um doloroso
agravamento de sua condenação no último dia.

[2] Deus pode justamente exigir de qualquer um que


seja, no poder da graça do evangelho capacitá-los a
realizar e cumprir isso; porque isto é oferecido a eles
na pregação disto todos os dias. E embora saibamos
identificar os caminhos e os meios da comunicação
24
eficaz da graça para as almas dos homens, isto é
certo, que a graça é tão solicitada na pregação do
evangelho, que ninguém vai sem ela, ninguém é
destituído de suas ajudas e assistências, senão
somente aqueles que, por um ato livre de vontade
própria, a recusam e rejeitam. Isto é aquilo de que
toda a causa depende: "Não querem vir a mim para
que tenham vida", e isto tudo os incrédulos têm ou
podem ter experiência de si mesmos. Eles podem
saber, em um devido exame de si mesmos, que
recusam voluntariamente a assistência da graça que
é oferecida para a sua libertação: portanto, é para a
destruição de si mesmos. Mas,

[3.] Há um tempo em que os homens perdem até o


direito também. Aquele que se entregou para ter seu
ouvido entediado perdeu toda a sua reivindicação
para a liberdade futura; ele não deveria sair no ano
do jubileu; assim, há um tempo em que Deus,
judicialmente, entrega os homens ao domínio do
pecado, para que permaneçam sob ele para sempre,
de modo que perdem todos os que lutam para a
liberdade. Então ele lidou com muitos dos gentios
idólatras da antiguidade, Romanos 1: 24,26,28, e
assim ele continua a lidar com pecadores perdulários
semelhantes; então ele age em direção à generalidade
do mundo anticristão, 2 Tessalonicenses 2: 11,12, e
com muitos desprezadores do evangelho, Isaías 6:
9,10. Quando se chega a isto, os homens são lançados
na lei e perderam todo o direito e título para a
25
liberdade do domínio do pecado. Podem às vezes
repicar-se a serviço do pecado ou da consequência
dele, em vergonha e dor, nas vergonhas que
perseguem muitos em sua impureza; todavia, tendo
Deus os entregado judicialmente ao pecado, eles não
têm sequer o direito de fazer uma oração ou pedido
de libertação, nem o farão, porque estão presos nos
grilhões da presunção ou do desespero
amaldiçoados. Veja seu trabalho e salários, em
Romanos 2: 5,6. Este é o estado e condição mais
triste dos pecadores neste mundo - uma entrada
inevitável nas câmaras da morte. Você que tem vivido
muito tempo sob o poder do pecado, cuidado para
que não venha sobre você o que é dito nestas
Escrituras! Você tem até agora um direito de
libertação da escravidão e servidão em que você está,
se você se colocar em sua reivindicação no tribunal
do céu. Você não sabe quanto tempo você pode ser
privado disso também, pela entrega de Deus,
judicialmente, ao pecado e satanás. Então todas as
reclamações serão tarde demais, e todos os esforços
de alívio serão totalmente eliminados. Todas as suas
reservas para um arrependimento futuro serão
cortadas, e todos os seus gritos serão desprezados,
Provérbios 1: 24-31. Embora ainda seja chamado
Hoje, não endureça seus corações, para que Deus
jure em sua ira que você nunca entrará em seu
descanso. Para que você seja advertido, observe que
os sinais ou sintomas da aproximação de tal época,
de tal condição irrecuperável, são, -
26
(1.) Uma longa continuação na prática de qualquer
pecado conhecido. Há limites para a paciência
divina. A longanimidade de Deus por um tempo
espera o arrependimento, 1 Pedro 3:20; 2 Pedro 3: 9:
mas há um tempo em que ela apenas “suporta os
vasos da ira, preparados para a perdição”, Romanos
9:22, que é comumente após uma longa permanência
em pecado conhecido.

(2) Quando as condenações foram digeridas e os


avisos desprezados. Deus geralmente não lida assim
com os homens até que eles rejeitem os meios de sua
libertação. Há uma geração, de fato, que, desde a
juventude, vive em desprezo a Deus. Tais são aqueles
pecadores orgulhosos que o salmista descreve, Salmo
10: 2-7, etc. Raramente há sinais do advento do
decreto contra esse tipo de homem. As evidências
aparentes disso são a “adição da embriaguez à sede”,
um tipo de pecado para outro, fazendo um progresso
visível no pecado, acrescentando ostentação e um
desprezo profano de todas as coisas sagradas em seu
curso no pecado. Mas, ordinariamente, aqueles que
estão em perigo desta dureza judicial tiveram avisos
e convicções, o que causou alguma impressão neles;
mas agora são deixados sem quaisquer chamadas e
repreensões, ou pelo menos qualquer noção deles.

(3.) Quando os homens contraem a culpa de tais


pecados, como parecem se intrometer no pecado
imperdoável contra o Espírito Santo; tais como
27
orgulhosas, desdenhosas e maliciosas censuras dos
caminhos de Deus, da santidade, do Espírito de
Cristo e do seu evangelho. Esse tipo de pessoa é
frequentemente marcado nas Escrituras como
aqueles que pelo menos estão próximos de uma
rejeição final e fatal.

(4) A renúncia voluntária dos meios da graça e da


conversão a Deus dos quais os homens desfrutaram;
e isso é comumente acompanhado de ódio à Palavra
e daqueles por quem ela é dispensada. Tais pessoas
Deus frequentemente, e que visivelmente, desiste de
maneira irrecuperável ao domínio do pecado; ele
declara que não terá mais a ver com eles.

(5.) A escolha decidida da sociedade perversa,


profana, impura e escarnecedora. É muito raro que
alguém seja recuperado dessa armadilha. E há
muitos outros sinais da aproximação de um
julgamento tão duro que deve entregar os homens
eternamente ao serviço do pecado. Oh que os pobres
pecadores despertassem antes que fosse tarde
demais!

2. Este domínio do pecado é mau e perverso, não


apenas porque é injusto e usurpador, mas porque é
sempre usado e exercido para fins ruins, para a dor e
a ruína daqueles sobre quem se encontra. Um tirano,
um usurpador, pode fazer uso de seu poder e
governar para bons fins, para o bem daqueles sobre
28
quem ele governa; mas todos os fins do domínio do
pecado são maus para os pecadores. O pecado em sua
regra vai ser justo, oferecer diversas vantagens e
satisfações em suas mentes. Eles terão salário pelo
seu trabalho, prazer e lucro virão por ele; sim, sob
pretextos diversos, prometer-lhes-á descanso eterno
no final de tudo, pelo menos, para que não fracassem
com qualquer coisa que façam no seu serviço. E por
tais meios os mantém em segurança. Mas todo o
desígnio real disso, aquilo que, em todo o seu poder,
opera, é a eterna ruína de suas almas; e esses
pecadores entenderão quando for tarde demais,
Jeremias 2: 13,19. Segundo, este domínio do pecado
não é uma mera força contra a vontade e o esforço
dos que estão debaixo dele. Onde todo o poder e
interesse do pecado consistem em colocar uma força
na mente e alma por suas tentações, e não há
domínio sobre ele. Pode deixá-los perplexos, não os
domina. Onde ele tem domínio, tem a força e o poder
de uma lei nas vontades e mentes daqueles em quem
está. Nisto requer obediência a ele, e eles “se rendem
como servos para obedecê-lo”, Romanos 6: 16.
Portanto, para este domínio do pecado é necessário o
consentimento da vontade em alguma medida e grau.
A constante relutância e conquista prevalecente da
vontade contra ele derrota seu título como governo e
domínio, como o apóstolo declara em geral no
próximo capítulo. A vontade é a faculdade soberana
e poder da alma; qualquer que seja o princípio que
nela atue e a determine, tem o governo. Não obstante
29
a luz e a convicção, a determinação do todo, como
dever e pecado, está no poder da vontade. Se a
vontade de pecar for tirada, o pecado não pode ter
domínio. Aqui está a sabedoria: aquele que pode
distinguir entre as impressões do pecado sobre ele e
o domínio do pecado nele está no caminho da paz.
Mas isso muitas vezes, como veremos mais adiante,
com a razão disso, não é fácil de ser alcançado. As
convicções, por um lado, farão uma grande pretensão
e aparência de oposição na vontade pelo pecado, por
suas impressões inevitáveis sobre ele, quando não é
assim; e afeições perturbadas, sob tentações,
argumentarão que a vontade em si é entregue à
escolha e serviço do pecado, quando não é assim. A
vontade nesta questão é como o escudo dos de Tebas;
enquanto isso era seguro, eles se consideravam
vitoriosos mesmo na morte. No entanto, este caso é
determinado pela luz da Escritura e da experiência, e
é aqui proposto para uma determinação. Terceiro, é
requerido para este domínio do pecado que a alma
não esteja sob nenhuma outra conduta suprema, isto
é, da Espírito de Deus e da sua graça, pela lei. Isto é
o que realmente tem o governo soberano em todos os
crentes. Eles são guiados pelo Espírito, guiados pelo
Espírito, agem e são governados por ele e estão,
portanto, sob o governo de Deus e de Cristo, e
nenhum outro. Com isso, o governo do pecado é
absolutamente inconsistente. Nenhum homem pode
ao mesmo tempo servir esses dois mestres. Graça e
pecado podem estar na mesma alma ao mesmo
30
tempo, mas eles não podem suportar o domínio na
mesma alma ao mesmo tempo. O trono é singular e
admitirá apenas um governante. Toda evidência que
temos de estar sob o domínio da graça é para que não
estejamos sob o domínio do pecado. Este, portanto, é
o principal meio que temos para assegurar nossa paz
e conforto contra as pretensões do pecado, para a
inquietação das nossas consciências. Esforcemo-nos
para preservar uma experiência do governo da graça
em nossos corações, Colossenses 3:15. Sob uma
conduta e domínio, de onde nosso estado é
denominado, nós somos e devemos ser. Isso é pecado
ou graça. Não há composição nem compatibilidade
entre eles para governar: quanto à residência, senão
como regra. Se podemos nos assegurar de um, nos
protegemos do outro. É, portanto, nossa sabedoria, e
está na base de todos os nossos confortos, que
obtemos evidências e experiência de estarmos sob o
domínio da graça; e ela se evidenciará, se não
estivermos falhando em uma devida observação de
sua atuação e operação em nós. E fará isso, entre
outras, de duas maneiras:

1. Mantendo uma constância de propósito em viver


para Deus e segundo a conformidade com Cristo,
apesar da interposição de surpresas pelas tentações e
as solicitações mais urgentes do pecado. Isso é
chamado de “apegar-se a Deus com propósito de
coração”, Atos 11:23. Isto será onde quer que a graça
tenha o domíni0o. Como um homem que vai ao mar
31
projeta certo lugar e porto, para onde ele guia seu
curso; no seu caminho ele se encontra, pode ser, com
tempestades e ventos que o afastam de seu curso e,
às vezes, diretamente para trás, em direção ao lugar
de onde ele partiu; mas o seu desígnio ainda é válido
e, na sua busca, ele aplica sua habilidade e trabalho
para recuperar todas as suas perdas e atrasos por
ventos e tempestades. Assim é com uma alma sob a
conduta da graça. Seu desígnio fixo é viver para Deus,
mas em seu curso ele encontra tempestades e ventos
fortes de tentações e vários ardis do pecado. Isto
perturba-o, desordena-o, leva-o para trás às vezes,
como se fosse tomar um rumo contrário, e retornar à
costa do pecado de onde partiu. Mas onde a graça
tem o domínio e a conduta, ela resistirá a todas essas
oposições e obstruções; ela “restaurará a alma”, a
colocará em ordem novamente, a recuperará das
confusões e más estruturas em que foi arrastada. Isso
dará uma nova predominância ao seu desígnio
predominante de viver para Deus em todas as coisas.
Ele fará isso constantemente, sempre que a alma se
deparar com tais demonstrações do poder do pecado.
Quando há uma firmeza radical e força em uma causa
ou projeto, ela se desenvolverá através de todas as
mudanças e variações; mas quando a força de
qualquer causa é apenas ocasião, a primeira oposição
e desordem nos arruinarão. Assim, se o propósito dos
homens de viver para Deus for apenas ocasional, a
partir das atuais convicções, a primeira oposição ou
tentação vigorosa irá desordená-lo e derrubá-lo; mas
32
onde esse é o desígnio radical da alma, do poder da
graça, ela romperá todas essas oposições e
recuperará sua prevalência na mente e nas afeições.
Por meio disso, evidencia seu domínio, porque todo
o interesse do pecado na alma é por rebelião, e não
em virtude de domínio.

2. É assim que se mantém constante exercício da


graça em todos os deveres religiosos, ou pelo menos
um esforço sincero para que assim seja. Onde o
pecado tem o domínio, ele pode permitir que a alma
desempenhe deveres religiosos, sim, em alguns casos
que até abunde neles; mas cuidará que a graça divina
não seja exercida neles. O que quer que seja de prazer
nos deveres, ou outros movimentos de afeto, que luz,
e dons, e aflições, e superstição, ocasionarão, não há
exercício de fé e amor neles; isso pertence
essencialmente e inseparavelmente ao domínio da
graça. Onde quer que se arraste, a alma esforçar-se-á
pelo constante exercício da graça em todos os seus
deveres, e nunca se satisfará no trabalho feito sem
alguma noção dela. Onde falhar nela, julgará a si
mesma e observará as surpresas semelhantes; sim, a
menos que seja em caso de alguma grande tentação,
o presente senso da culpa do pecado, que é o maior
obstáculo contra a ousadia espiritual que é requerida
para o devido exercício da graça - isto é, da fé e do
amor em santidade nos deveres, - não impedirá a
alma de se esforçar por ela ou o uso dela. Se por estes
meios, e como operações inseparáveis da graça,
33
podemos ter uma experiência assegurando que
estamos sob o governo e conduta dela, podemos estar
livres em nossas mentes de apreensões
perturbadoras do domínio do pecado; pois a ambos
não podem tolerar a mesma alma.

Em quarto lugar, requer-se que o pecado faça a alma


sensível ao seu poder e domínio, pelo menos faça
aquilo que pode fazê-lo, a menos que a consciência
esteja totalmente endurecida e cauterizada. Não há
regra ou domínio, mas são ou podem ser sensíveis a
ele aqueles que estão sujeitos a isso. E há dois modos
pelos quais o pecado em seu domínio os tornará
sensíveis a ele, nos quais ele governa: 1. Na repressão
e superação. da eficácia das convicções da mente.
Aqueles que estão sob o domínio do pecado (como
veremos mais imediatamente) podem ter luz e
convicção do seu dever em muitas coisas, e esta luz e
convicção podem seguir ordinariamente, não
obstante o domínio do pecado. Como um tirano
permitirá que seus escravos e súditos normalmente
sigam suas próprias ocasiões, mas se o que eles
fizerem acontecer, seja de maneira ou matéria,
interferir ou se opor ao seu interesse, ele os fará
sensíveis ao seu poder: assim, o pecado, onde ele tem
o domínio, se os homens tiverem luz e convicção,
permitirá que eles ordinariamente e em muitas
coisas cumpram com eles; permitirá que orem,
ouçam a palavra, abstenham-se de vários pecados,
cumpram muitos deveres, como é expressamente
34
afirmado nas Escrituras de muitos que estavam sob
o poder do pecado, e vemos isso na experiência.
Quanto trabalho nós vemos sobre religião e deveres
religiosos, que observação constante dos tempos e
ocasiões deles, quantos deveres foram executados
moralmente bons em si mesmos e úteis, por aqueles
que em muitos outros relatos se proclamam sob o
domínio de pecado! Mas se a luz e a convicção deste
tipo de pessoa se levantam em oposição ao interesse
principal do pecado naquelas luxúrias e modos em
que ele exerce o seu governo, isso fará com que eles
tenham consciência de seu poder. Aqueles que
sufocam, ou fecham os olhos, ou rejeitam, ou vão
diretamente ao contrário, suas convicções, a luz em
tais casos repete primeiro, e então se aliviam com
resoluções para outros tempos e ocasiões; mas o
pecado carregará a causa em virtude de seu domínio.
Daí duas coisas se seguem:

(1.) Uma constante repugnância contra o pecado, da


luz na mente e da convicção na consciência, não
prova que aqueles em quem está não se encontram
sob o domínio do pecado; porque até que a cegueira
e dureza vêm sobre os homens ao extremo, haverá
neles um julgamento do que é bom e mau, com um
autojulgamento com respeito a isso, como o apóstolo
declara, em Romanos 2:15. E aqui muitos se
satisfazem. Quando a luz deles condena o pecado,
eles supõem que o odeiam; mas não o fazem: quando
as convicções pedem deveres, supõem que as amem;
35
mas eles não o fazem. O que eles veem como a regra
da luz neles, em oposição ao pecado, é apenas a
rebelião de uma consciência iluminada natural
contra o domínio dele no coração. Em resumo, a luz
pode condenar todo pecado conhecido, afastar de
muitos, pressionar por todo dever conhecido, levar
ao desempenho de muitos deveres, mas o pecado tem
um domínio pleno na alma; e isso evidenciará
quando se trata do julgamento naquelas instâncias
em que exerce seu poder dominante.

(2) Essa condição miserável é a condição daqueles


cujas mentes são continuamente fundidas entre a
condução de sua luz com a urgência da convicção de
um lado, e a regra ou domínio do pecado do outro.
Onde quer que a luz esteja, é devido a ter o governo e
a conduta. É essa arte em que a mente se conduz.
Para os homens serem forçados, pelo poder de suas
luxúrias, a agir na maior parte contra sua luz, como
fazem quando o pecado tem o domínio, é uma
condição triste e deplorável. Diz-se que tais pessoas
“se rebelam contra a luz”, Jó 24:13, por causa de seu
direito de governar neles, onde é deposta pelo
pecado. Isto faz a maioria dos homens, senão um
“mar agitado, que não pode descansar, cujas águas
lançam lama e sujeira”.

2. O pecado tornará aqueles em quem tem domínio


sensível de seu poder, por sua contínua solicitação da
mente e afeições com respeito para esse pecado ou
36
aqueles pecados em que ele exerce principalmente o
seu governo. Tendo possuído a vontade e inclinações
da mente com as afeições, como sempre que seu
domínio é absoluto, continuamente inclina e
desperta a mente para aqueles pecados. Isso nivelará
a inclinação de toda a alma para tais pecados, ou as
circunstâncias deles. Nem há uma descoberta mais
gestante do domínio do pecado em nada além disso,
que habitualmente envolva a mente e as afeições para
um exercício constante de si mesmo sobre isto ou
aquilo, algum pecado e o caminho do mal. Mas ainda
precisamos acrescentar que, apesar dessas
indicações do poder dominante do pecado, são
apenas poucos em quem têm esse domínio e que
estão convencidos de seu estado e condição. Muitos
estão tão sob o poder das trevas, da indolência e da
negligência, e são tão desesperadamente perversos,
que não têm nenhum senso desse governo do pecado.
Tais são aqueles descritos pelo apóstolo, em Efésios
4: 18,19. E enquanto eles são os mais vis escravos que
vivem na terra, eles julgam ninguém para ser livre,
senão eles mesmos; eles olham para os outros como
escravos de medos tolos e supersticiosos, enquanto
eles têm a liberdade de beber, xingar, zombar da
religião, prostituir-se e se contaminar sem controle.
Esta é a liberdade deles, e eles podem ter aquilo que
é tão bom no inferno, - a liberdade de amaldiçoar e
blasfemar a Deus, e de voar com pensamentos
vingativos sobre eles mesmos e toda a criação. A luz
em tais pessoas é a própria escuridão, de modo que
37
eles não têm nada para se levantar em oposição ao
domínio do pecado. Daí em diante surge uma
sensação de poder. Outros, como observamos antes,
vivendo em alguma conformidade com sua luz e
convicções, abstendo-se de muitos pecados e
cumprindo muitos deveres, apesar de viverem em
algum pecado conhecido ou outro, e permitirem-se
nele, ainda assim não permitirão que o pecado tenha
o domínio.

Portanto, há duas coisas difíceis e difíceis neste caso:

1. Convencer aqueles em quem o pecado


evidentemente tem o domínio de que tal é de fato seu
estado e condição. Eles farão o máximo esforço para
manter a convicção. Alguns se justificam, alguns se
desculpam e alguns não fazem nenhuma investigação
sobre esse assunto. É uma coisa rara, especialmente
ultimamente, ter qualquer um trazido sob esta
convicção pela pregação da Palavra, embora seja o
caso de multidões que cuidam dela.

2. Para satisfazer alguns que o pecado não tem o


domínio sobre eles, não obstante o seu agir neles e
guerreando contra suas almas; todavia, a menos que
isso possa ser feito, é impossível que eles desfrutem
de paz e conforto sólidos nesta vida. E o interesse dos
melhores crentes, enquanto eles estão neste mundo,
está aqui; pois, à medida que crescem em luz,
espiritualidade, experiência, liberdade de espírito e
38
humildade, mais amam conhecer o engano, a
atividade e o poder dos remanescentes do pecado. E,
embora não funcione, pelo menos não de maneira
sensata, neles, para aqueles pecados onde reinam e
rastejam em outros, ainda assim são capazes de
discernir seus atos mais sutis, interiores e espirituais
na mente e no coração, ao enfraquecimento da graça,
à obstrução de suas operações efetivas em deveres
santos, com muitas indisposições para a estabilidade
na vida de Deus; que os preenche com problemas.

CAPÍTULO 3.

A segunda pergunta: se o pecado tem domínio em


nós ou não - em resposta a que é mostrado que alguns
usam a liberdade do pecado, e eles são os seus
professantes. - Há muitos em que o caso é duvidoso,
onde o serviço do pecado não é assim discernível. -
Várias exceções são colocadas contra o seu domínio,
onde parece prevalecer. - Alguns certos sinais de seu
domínio - Graças e deveres a serem exercidos para a
sua mortificação.

II. Estas coisas sendo assim estabelecidas em geral a


respeito da natureza do domínio do pecado, nós
agora procederemos à nossa principal investigação, a
saber: Se o pecado tem domínio em nós ou não, pelo
qual podemos saber se estamos debaixo da lei ou sob
a graça, ou qual é o estado de nossas almas para com
Deus. Uma indagação é muito necessária para
39
alguns, e para todos terem determinado
corretamente em suas mentes, a partir das Escrituras
e da experiência; pois dessa determinação depende
toda nossa paz sólida.

O pecado estará em nós; ela nos seduzirá, lutará e nos


seduzirá; mas a grande questão, como para a nossa
paz e conforto, é se ele tem domínio sobre nós ou não.
Primeiro, nós não perguntamos sobre aqueles em
quem o reino do pecado é absoluto e facilmente
discernível, pelo menos para si mesmos. Tais são os
que visivelmente “entregam seus membros como
instrumentos de injustiça ao pecado”, Romanos 6:13.
“O pecado reina em seus corpos mortais”, e eles
abertamente “obedecem-lhe nas suas
concupiscências”, versículo 12. Eles são
confessadamente “servos do pecado para a morte”,
versículo 16, e não se envergonham disso. “A
demonstração do seu rosto testemunha contra eles; e
eles declaram seu pecado como Sodoma, eles não o
escondem ”, Isaías 3: 9. Tais são aqueles descritos em
Efésios 4: 18,19, e o mundo está cheio disso; tais
como, estando sob o poder das trevas e da inimizade
contra Deus, agindo em oposição a toda a piedade
séria e estando ao serviço de várias concupiscências.
Não há dúvida sobre seu estado; eles próprios não
podem negar que é assim com eles. Não falo pela
liberdade de censurar, mas pela facilidade de julgar.
Aqueles que abertamente vestem a liberdade do
pecado podem muito bem ser estimados como servos
40
do pecado; e eles não deixarão de receber o salário do
pecado. Deixem-nos no presente suportar nunca tão
alto, e desprezar todo tipo de convicções, eles
acharão isto, amargura no final, Isaías 1:11;
Eclesiastes 11: 9.

Segundo, mas há muitos em quem o caso é duvidoso


e não é fácil de ser determinado; pois, por um lado,
eles podem ter várias coisas neles que podem parecer
repugnantes ao reino do pecado, mas na verdade não
são inconsistentes com ele. Todos os argumentos e
pedidos deles em sua defesa podem falhar em um
julgamento. E, por outro lado, pode haver alguns em
quem o funcionamento eficaz do pecado pode ser tão
grande e desconcertante a ponto de argumentar que
ele tem o domínio, quando na verdade não o tem,
mas é apenas um rebelde teimoso. As coisas do
primeiro tipo, que parece destrutivo e inconsistente
com o domínio do pecado, mas na verdade não são, e
pode ser referido a cinco cabeças:

1. Iluminação em conhecimento e dons espirituais,


com convicções de bem e mal, de todos os deveres e
pecados conhecidos. É isso que alguns homens vivem
em perpétua rebelião contra, em uma instância ou
outra.

2. Uma mudança nas afeições, dando um deleite


temporário nos deveres religiosos, com alguma
constância em sua observação. Isso também é
41
encontrado em muitos que ainda estão
evidentemente sob o poder do pecado e das trevas
espirituais.

3. Um desempenho de muitos deveres, tanto moral e


evangélico, para a substância deles, e uma
abstinência, de consciência, de muitos pecados.
Então foi assim com o jovem no Evangelho, que
ainda queria o que era necessário para libertá-lo do
domínio do pecado, Mateus 19: 20-23.

4. Arrependimento pelo pecado cometido. É isso em


que mais se protegem; e uma bendita segurança é
quando é graciosa, evangélica, um fruto da fé,
compreendendo o retorno de toda a alma a Deus.
Mas existe aquilo que é legal, parcial, respeitando
apenas a pecados particulares, o que não é aceitável
neste caso. Acabe não estava menos sob o domínio do
pecado quando se arrependeu do que antes; e Judas
se arrependeu antes de se enforcar.

5. Promessas e resoluções contra o pecado para o


futuro. Mas a bondade de muitos nestas coisas é
“como uma nuvem matutina, que com o primeiro
orvalho vai embora”, como está no profeta, Oseias 6:
4. Onde há uma concordância dessas coisas em
qualquer pessoa, eles têm boas esperanças, pelo
menos, de que não estão sob o domínio do pecado,
nem é fácil convencê-los de que estão; e podem
comportar-se assim como não é coerente com o amor
42
cristão declará-los assim. Contudo, a falácia que há
nessas coisas tem sido detectada por muitos; e muito
mais é exigido por todos para evidenciar a
sinceridade da fé e da santidade. Nenhum homem,
portanto, pode ser absolvido por apelos retirados
deles, como a sua sujeição ao governo do pecado. As
coisas do segundo tipo, de onde argumentos podem
ser usados para provar o domínio do pecado em
qualquer pessoa, que ainda não o fará, são aqueles
que examinaremos agora. E devemos observar:

1. Que onde o pecado tem o domínio, ele de fato reina


em toda a alma e todas as faculdades dela. É um
hábito vicioso em todos eles, corrompendo-os, em
suas diversas naturezas e poderes, com a corrupção
da qual são capazes: - Assim, há na mente, das trevas
e da vaidade; a vontade de engano e perversidade
espiritual; o coração de teimosia e sensualidade. O
pecado em seu poder alcança e afeta todos eles. Mas,

2. Ele evidencia seu domínio e deve ser julgado por


seu agir nas distintas faculdades da mente, na
estrutura do coração e no decorrer da vida. Estes são
aqueles que nós examinaremos: primeiro, aqueles
que tornam o caso duvidoso; e então aqueles que
claramente determinam isso por parte do pecado. Eu
não devo, portanto, presentemente, dar evidências
positivas da liberdade dos homens do domínio do
pecado, mas apenas considerar os argumentos que
43
estão contra eles, e examinar até que ponto eles são
conclusivos, ou como eles podem ser vencidos. E,

1. Quando o pecado, em qualquer instância, possuiu


a imaginação e, portanto, envolveu a faculdade
cognitiva a seu serviço, é um perigoso sintoma de seu
governo ou domínio. O pecado pode exercer seu
governo na mente, na fantasia e na imaginação, em
que a força ou a oportunidade do corpo não dá
vantagem para sua perversão externa. Neles os
desejos do pecado podem ser aumentados como o
inferno, e a satisfação da luxúria tomada com
ganância. O orgulho, a cobiça e a sensualidade
podem reinar e enfurecer-se na mente por
imaginações corruptas, quando o exercício exterior é
encerrado pelas circunstâncias da vida.

A primeira maneira pela qual o pecado age ou cunha


seus movimentos e inclinações em atos é a
imaginação, Gênesis 6: 5. As contínuas invenções
malignas do coração são como o borbulhar de águas
corruptas de uma fonte corrompida. As imaginações
pretendidas são a fixação da mente nos objetos do
pecado ou objetos pecaminosos, por pensamentos
contínuos, com deleite e complacência. Eles são a
mente que busca a satisfação da carne nas suas
concupiscências, Romanos 13:14, por meio dos quais
os maus pensamentos vêm para se alojar e habitar no
coração, Jeremias 4: 14. Este é o primeiro e
apropriado efeito daquela vaidade da mente pela
44
qual a alma é alienada da vida de Deus. A mente
sendo desligada de seu próprio objeto, com uma
aversão a ele, aplica-se por seus pensamentos e
imaginações aos prazeres e vantagens do pecado,
buscando em vão recuperar o descanso e satisfação
que eles abandonaram no próprio Deus: vindo depois
a abandonar suas próprias misericórdias ”(Jonas 2:
8). E quando eles se entregam a uma constante
conversa interna com os desejos da carne, os
prazeres e vantagens do pecado, com prazer e
aprovação, o pecado pode reinar triunfantemente
neles, embora nenhuma aparência seja feita disto em
sua conduta exterior. Tais são aqueles que têm “uma
forma de piedade, mas negam o poder dela”; seus
corações estão cheios de uma concupiscência de
concupiscências ímpias, como declara o apóstolo, em
2 Timóteo 3: 5. E há três males com respeito aos
quais o pecado exerce seu poder reinante na
imaginação de maneira especial:

(1) Orgulho, autossatisfação, desejo de poder e


grandeza. É afirmado do príncipe de Tiro, que ele
disse que "ele era um deus, e sentou-se no assento de
Deus", Ezequiel 28: 2; e semelhantes pensamentos
tolos são atribuídos ao rei da Babilônia, Isaías 14:
13,14. Nenhum dos filhos dos homens pode alcançar
tão grande glória, poder e domínio neste mundo,
senão que em suas imaginações e desejos eles podem
infinitamente exceder o que eles desfrutam, como
aquele que chorou por não ter outro mundo para
45
conquistar. Eles não têm limites senão ser como
Deus, sim, ser Deus; que foi o primeiro desígnio do
pecado no mundo: e não há nenhum tão pobre e
baixo, que por sua imaginação ele não possa elevar-
se e exaltar-se quase no lugar de Deus. Essa vaidade
e loucura Deus reprova em seu discurso com Jó,
capítulo 40: 9-14; e não há nada mais pertinente e
adequado à depravação e corrupção original de
nossas naturezas do que essa autoexaltação em
pensamentos e imaginações tolos, porque primeiro
veio sobre nós através do desejo de ser como Deus.
Aqui, portanto, pode o pecado exercer seu domínio
nas mentes dos homens; sim, no vento vazio e na
vaidade dessas imaginações, com as que se seguem,
consiste a parte principal dos caminhos enganosos
do pecado. Os caminhos dos homens não podem se
satisfazer com os pecados que eles podem realmente
cometer; senão nessas imaginações que eles
percorrem incessantemente, encontrando satisfação
em sua renovação e variedade, Isaías 57:10.

(2.) Sensualidade e impureza da vida. De alguns é


dito que eles têm “olhos cheios de adultério” e que
“não podem deixar de pecar” 2 Pedro 2:14; isto é,
suas imaginações estão continuamente trabalhando
sobre os objetos de suas luxúrias impuras. Eles
pensam de noite e de dia, se imbuindo em toda
sujeira continuamente. Judas os chama de
“sonhadores imundos, profanando a carne”,
versículo 8. Eles vivem como em um sonho constante
46
e agradável por sua imaginação vil, mesmo quando
não conseguem realizar seus desejos lascivos; pois
tais imaginações não podem ser melhor expressas do
que por sonhos, em que os homens se satisfazem com
uma suposta atuação daquilo que não fazem. Por este
meio, muitos se fartam no lodo da impureza durante
todos os seus dias e, na maioria das vezes, nunca
estão faltado os efeitos dele quando têm
oportunidade e vantagem; e por este meio os reclusos
mais enclausurados podem viver em constantes
adultérios, em que multidões deles se tornam
realmente os sumidouros da impureza. Isso é aquilo
que, na raiz, é severamente condenado por nosso
Salvador, Mateus 5:28.

(3.) A incredulidade, a desconfiança e os


pensamentos duros contra Deus são da mesma
espécie. Às vezes, eles possuem a imaginação dos
homens para afastá-los de todo prazer em Deus, para
colocá-los em planos de fugir dele; que é um caso
peculiar, e que não é para ser falado aqui. Nessas e
outras maneiras, o pecado pode exercer seu domínio
na alma pela mente e sua imaginação. Pode fazê-lo
quando nenhuma demonstração é feita disso na
conduta externa; porque por este meio as mentes dos
homens são contaminadas, e então nada é limpo,
todas as coisas lhes são impuras, Tito 1:15. As suas
mentes, portanto, estão contaminadas, contaminam-
lhes todas as coisas, seus prazeres, seus deveres, tudo
o que têm e tudo o que fazem. Mas, ainda assim,
47
todos os fracassos e pecados desse tipo não provam
absolutamente que o pecado tem o domínio no
mundo como tinha antes. Algo deste vício e do mal
pode ser encontrado naqueles que são libertados do
reino do pecado; e assim será até que a vaidade de
nossas mentes seja perfeitamente curada e afastada,
o que não será neste mundo. Por isso eu devo nomear
as exceções que podem ser colocadas contra o título
do pecado para o domínio da alma, não obstante a
continuação em certa medida desta obra da
imaginação em cunhar no coração figos malignos. E,
(1.) Isto não é evidência do domínio do pecado, onde
é ocasional, decorrente da prevalência de alguma
tentação presente. Tome um exemplo no caso de
Davi. Não duvido de nada, senão que em sua tentação
com Bate-Seba, sua mente estava possuída de
profanações imaginárias. Portanto, em seu
arrependimento, ele não apenas ora pelo perdão de
seus pecados, mas clama com todo fervor que Deus
"crie nele um coração limpo", Salmos 51:10. Ele era
sensato não apenas pela contaminação de sua pessoa
por seu adultério real, mas por seu coração por
imaginações impuras. Assim pode ser no caso de
outras tentações. Enquanto os homens estão
enredados com qualquer tentação, de qual forma ela
seja, ela irá multiplicar pensamentos sobre ela na
mente; sim, seu poder total consiste na multiplicação
de más imaginações. Por elas, cega a mente, retira-a
da consideração de seu dever e a condena a uma
plena concepção de pecado, Tiago 1: 14,15. Portanto,
48
nesta facilidade de uma tentação prevalecente, que
pode acontecer a um verdadeiro crente, a operação
corrupta da imaginação não prova o domínio do
pecado. Se for perguntado como a mente pode ser
libertada e limpa dessas imaginações perplexantes e
contaminantes, que surgem da urgência de alguma
tentação presente - suponho sobre assuntos terrenos,
ou coisas semelhantes -, digo que isso nunca será
feito pela mais estrita vigilância e resolução contra
elas, nem pela mais resoluta rejeição delas. Elas
retornarão com nova violência e novas presenças,
embora a alma tenha prometido a si mesma mil vezes
que não deveria atendê-las. Há apenas um caminho
para a cura dessa enfermidade, e isso é uma completa
mortificação da luxúria que as alimenta e é
alimentada por elas. É inútil tirar o fruto neste caso,
a menos que desenterremos a raiz. Toda tentação
projeta a satisfação de algum desejo da carne ou da
mente. Esses maus pensamentos e imaginações são o
trabalho da tentação na mente. Não há nenhuma
liberação deles, nenhuma vitória pode ser obtida
sobre eles, senão subjugando a tentação; e não
subjugando a tentação apenas, mas pela mortificação
do pecado cuja satisfação é designada. Este curso o
apóstolo dirige, em Colossenses 3: 3,5. Aquilo que ele
ordena é que não nos concentremos nas coisas da
terra, em oposição às coisas do alto; isto é, que não
preencheríamos nossa imaginação e, portanto,
nossas afeições com elas. Mas de que maneira
podemos nos permitir isso? - isto é, diz ele, a
49
mortificação universal do pecado, verso 5. Por falta
da sabedoria e conhecimento disto, ou por falta da
sua prática, através de uma falta de vontade secreta
de chegar a uma completa mortificação do pecado,
alguns são feridos e feitos perplexos, sim, e
contaminados, com insensatas e vaidosas
imaginações todos os seus dias; e embora eles não
provem o domínio do pecado, ainda assim privarão a
alma daquela paz e conforto que de outro modo
poderiam desfrutar. Mas ainda há necessidade de
muita habilidade espiritual e diligência para
descobrir qual é a verdadeira raiz e fonte das
imaginações tolas que podem em qualquer tempo
possuir a mente; pois elas estão no fundo do coração,
aquele coração que é profundo e enganoso, e assim
não é facilmente descoberto. Existem muitas outras
pretensões deles. Eles não indicam diretamente esse
orgulho ou aquelas concupiscências impuras das
quais procedem, mas fazem muitas outras
pretensões e fingem outros fins; mas a alma que é
atenta e diligente pode traçá-los ao seu original. E se
tais pensamentos são estritamente examinados a
qualquer momento, qual é o seu desígnio, de quem
eles trabalham, o que os torna tão ocupados na
mente, eles confessarão a verdade, tanto de onde
vieram como ao que visam. Então a mente é guiada
para o seu dever; que é o extermínio da luxúria que
eles estipulam.

50
(2) Tais imaginações não são evidência do domínio
do pecado, em que grau elas são, onde são aflitivas,
onde são um fardo para a alma, que geme sob e de
onde seria libertada. Há um relato completo dado
pelo apóstolo do conflito entre o pecado e a graça que
habitam em nós mesmos, Romanos 7. E as coisas que
ele atribui ao pecado não são os primeiros
movimentos ascendentes ou involuntários dele, nem
meramente suas inclinações e disposições; porque as
coisas que lhe são atribuídas, como luta, rebeliões,
guerras, leva cativo, age como uma lei, não pode
pertencer a elas. Nem ele alude à atuação externa ou
a perpetração do pecado, o fazer, ou realizar, ou
terminar de fazê-lo; pois isso não pode acontecer aos
crentes, como o apóstolo declara, em I João 3.6. Mas
é a operação do pecado por meio dessas imaginações
na mente e do engajamento das afeições nelas, que
ele pretende. Agora, isto ele declara ser o grande
fardo das almas dos crentes, aquilo que os faz pensar
que sua condição é miserável em algum tipo, e que
eles sinceramente clamam por libertação, Romanos
7:24. Este é o caso presente. Essas fagulhas do
coração, essas imaginações, surgirão nas mentes dos
homens. Eles farão isso às vezes em alto grau. Elas os
forçarão com falsidade e violência, levando cativos à
lei delas. Onde eles são rejeitados, condenados,
desafiados, eles retornarão novamente enquanto
houver qualquer vaidade remanescente na mente ou
corrupção nas afeições. Mas se a alma for sensível a
elas, se trabalhar nelas, se olhar para elas como
51
aquelas que lutam contra sua pureza, santidade e
paz, se orar por libertação delas, elas não são
argumento do domínio do pecado; sim, uma grande
evidência do contrário pode ser tirada daquela firme
oposição daqueles em que a mente está
constantemente engajada.

(3) Elas não são provas do domínio do pecado


quando há uma predominante detestação da luxúria
de onde elas procedem e cuja promoção elas
projetam, mantida no coração e na mente. Confesso
que às vezes isso não pode ser descoberto. E todas
essas várias imaginações são meros efeitos da
vaidade incurável e instabilidade de nossas mentes,
pois estas administram uma ocasião contínua a
pensamentos aleatórios; mas, na maior parte (como
observamos antes), elas são empregadas a serviço de
alguma luxúria e tendem à satisfação dela. Elas são o
que é proibido pelo apóstolo: Romanos 13:14, “Não
faça provisão para a carne”. E isso pode ser
descoberto em exame rigoroso. Agora, quando a
mente está fixada em uma constante detestação
daquele pecado ao qual elas levam, como é pecado
contra Deus, com uma firme resolução contra ele, em
todas as circunstâncias que possam ocorrer,
nenhuma prova pode ser tomada para o domínio do
pecado.

(4) Às vezes, os maus pensamentos são as injeções


imediatas de Satanás, e eles são, em muitos relatos,
52
os mais terríveis para a alma. Geralmente, para ela,
eles são terríveis e muitas vezes blasfemos; e quanto
à maneira de sua entrada na mente, ela é, na maior
parte, surpreendente, furiosa e irresistível. De tais
pensamentos, muitos concluíram que estão
absolutamente sob o poder do pecado e de Satanás.
Mas eles são, por meio de certos sinais infalíveis,
descobertos de onde procedem; e nessa descoberta
todas as pretensões ao domínio do pecado neles
devem desaparecer. E este é o primeiro caso, que
torna a questão duvidosa se o pecado tem o domínio
em nós ou não.

2. É um sinal do domínio do pecado, quando, em


qualquer instância, prevalece em nossas afeições;
sim, eles são o trono do pecado, onde ele age em seu
poder. Mas este caso das afeições que tenho tratado
tão amplamente em meu discurso de espiritualidade,
como aqui farei resumidamente, de modo a dar uma
só regra para fazer um julgamento, concernente ao
domínio do pecado neles. Isto é certo, que onde o
pecado tem a prevalência e predomínio em nossas
afeições, lá tem o domínio em toda a alma. A regra
nos é dada para esse propósito, em 1 João 2:15.
Somos obrigados a "amar o Senhor nosso Deus com
todo o nosso coração e com toda a nossa alma”; e,
portanto, se existe em nós um amor predominante a
qualquer outra coisa, pelo que é preferível a Deus,
deve ser da prevalência de um princípio de pecado
em nós. E assim é com respeito a todas as outras
53
afeições. Se amamos alguma coisa mais que Deus,
como fazemos se não nos separarmos dela por ele,
seja como um olho direito ou como uma mão direita
para nós; se tivermos mais satisfação e complacência
nisso, e nos apegarmos mais a ela em nossos
pensamentos e mentes do que a Deus, como os
homens comumente fazem em suas luxúrias,
interesses, prazeres e relações; se nos confiamos
mais a ela, como suprimento de nossas necessidades,
do que a Deus, como a maioria faz no mundo; se
nossos desejos forem ampliados e nossa diligência
aumentada em buscar e alcançar outras coisas, mais
do que em direção ao amor e favor de Deus; se
temermos a perda de outras coisas ou o perigo delas
mais do que tememos a Deus, não estamos sob o
domínio de Deus ou de sua graça, mas estamos sob o
domínio do pecado, que reina em nossas afeições.
São exemplos deste poder do pecado em e sobre as
afeições dos homens. O amor-próprio, o amor ao
mundo, o prazer nas coisas sensuais, uma
supervalorização dos parentes e dos prazeres, com
várias outras coisas de natureza semelhante,
facilmente o evidenciarão. E para resolver o caso sob
consideração, podemos observar:

(1.) Que a prevalência do pecado nas afeições, tanto


quanto ser um sintoma de seu domínio, é discernível
até o menor raio de luz espiritual, com uma diligente
sondagem e julgamento de nós mesmos. Se é assim
com qualquer coisa que eles não sabem, nem serão
54
convencidos disso (como é com muitos), eu não sei o
que pode livrá-los de estar sob o governo do pecado.
E nós vemos isso todos os dias. Homens cujos todos
modos e ações proclamam que eles são agenciados
em todas as coisas por um amor desordenado do
mundo e do ego, mas não acham nada de errado em
si mesmos, nada que eles não aprovem, a menos que
seus desejos não sejam satisfeitos de acordo com
suas expectativas. Todos os mandamentos que temos
nas Escrituras para autossondagem, julgamento e
exame; todas as regras que nos são dadas para esse
fim; todas as advertências que temos do engano do
pecado e de nossos corações - nos são dadas para
evitar esse mal de fechar nossos olhos contra a
corrupção e desordem predominantes de nossas
afeições. E a questão de todos os nossos esforços
nesse tipo está no apelo de Davi ao próprio Deus,
Salmo 139: 23,24.

(2) Quando os homens têm convicções da


irregularidade e desordem de suas afeições, ainda
estão decididos a continuar no estado em que estão
sem a correção e emenda deles, por causa de alguma
vantagem e satisfação que recebem em seu estado
atual, eles parecem estar sob o domínio do pecado.
Assim é com aqueles mencionados, em Isaías 57: 10.
Depois do relato da satisfação presente, deleite e
prazer, que suas afeições corruptas tomam em
decompor-se desordenadamente em seus objetos,
eles não se empenharão em sua mudança e alteração,
55
é a única regra segura neste caso: O que quer que o
pecado possa ter sido obtido em nossas afeições,
qualquer que seja a prevalência que possa ter nelas,
porém podemos destruí-lo, se nos empenharmos
sinceramente na descoberta desse mal e
constantemente para a mortificação de nossos afetos
corruptos por todos os meios, não há em sua
desordem qualquer argumento para provar o
domínio do pecado em nós. Nossas afeições, como
são corruptas, são os objetos apropriados do grande
dever da mortificação; que o apóstolo, portanto,
chama de nossos "membros que estão sobre a terra",
em Colossenses 3: 5. Esta é uma âncora segura para
a alma nesta tempestade. Se ela vive em um esforço
sincero para a mortificação de toda corrupção e
desordem detectáveis nas afeições, está segura do
domínio do pecado. Mas quanto aos que são
negligentes em examinar o estado de suas almas,
quanto à inclinação e engajamento de suas afeições,
que se aprovam em suas maiores irregularidades,
envolvem-se em qualquer forma de pecado para
satisfazer suas afeições corruptas, e devem prover de
apelos por sua vindicação; eu não os conheço.

Mas o significado da nossa regra atual será mais


evidente no que se segue. 3. É um sinal perigoso do
domínio do pecado, quando, depois de uma
convicção de sua necessidade, prevalece uma
negligência daqueles modos e deveres que são
peculiarmente adequados, dirigidos e ordenados,
56
para sua mortificação e destruição. Isso pode ser
esclarecido em alguns detalhes: -

(1.) A mortificação do pecado é o dever constante de


todos os crentes, de todos os que não têm o pecado
tendo domínio sobre eles. Onde a mortificação é
sincera, não há domínio do pecado; e onde não há
mortificação, o pecado reinará.

(2) Há algumas graças e deveres que são


peculiarmente adequados e ordenados para esse fim,
que por eles e por sua agência o trabalho de
mortificação pode ser realizado constantemente em
nossas almas. O que eles são, ou alguns deles,
veremos imediatamente.

(3) Quando o pecado coloca seu poder em qualquer


luxúria especial, ou em uma forte inclinação para
qualquer pecado real, então é dever da alma fazer
aplicação diligente daquelas graças e deveres que são
específicos e apropriados à sua mortificação.

(4.) Quando os homens tiveram uma convicção


desses deveres, e compareceram a eles de acordo com
essa convicção, se o pecado prevalecer neles para
uma negligência ou abandono dos deveres como para
o seu desempenho, ou como para a sua aplicação
para a mortificação do pecado, é um sinal perigoso
que o pecado tem domínio neles. E eu faço distinção
entre estas coisas, a saber, uma negligência de tais
57
deveres quanto ao seu desempenho, e uma
negligência da aplicação deles para a mortificação do
pecado; pois os homens podem, em outros relatos,
continuar a observá-los, ou alguns deles, e ainda não
aplicá-los para esse fim especial. E assim todos os
deveres externos podem ser observados quando o
pecado reina em triunfo, 2 Timóteo 3: 5. O
significado da asserção sendo declarada, eu irei agora
nomear algumas dessas graças e deveres sobre cuja
omissão e negligência o pecado pode prevalecer,
como para um aplicação deles para a mortificação de
qualquer pecado: - O primeiro é o exercício diário da
fé em Cristo como crucificado. Este é o grande meio
fundamental da mortificação do pecado em geral, e
que devemos aplicar em cada instância particular
dele. Isto o apóstolo discorre em geral, Romanos 6:
6-13. “Nosso velho homem”, diz ele, “está crucificado
com Cristo, para que o corpo do pecado seja
destruído, para que não sirvamos ao pecado”. Nosso
“velho homem”, ou o corpo do pecado, é o poder e o
reino do pecado em nós. Estes devem ser destruídos;
isto é, tão mortificado que "doravante não devemos
servir ao pecado", que devemos ser libertos do poder
e do governo dele. Isto, diz o apóstolo, é feito em
Cristo: "Crucificado com ele". É tão meritório, em sua
morte real ou sendo crucificado por nós; é tão
virtualmente, por causa da provisão certeira que é
feita para a mortificação de todo pecado; mas é
assim, na verdade, pelo exercício da fé sobre ele como
crucificado, morto e sepultado, que é o meio da
58
comunicação real da virtude de sua morte para nós
para esse fim. Aqui nos é dito que estamos mortos e
sepultados com ele; do qual o batismo é o penhor.
Assim, pela cruz de Cristo, o mundo está crucificado
para nós, e assim o somos para o mundo, Gálatas
6:14; o que é a substância da mortificação de todo
pecado. Existem várias maneiras pelas quais o
exercício da fé em Cristo crucificado é eficaz para este
fim:

[1.] Olhando para ele como gerando o luto santo em


nós: Zacarias 12:10, "Eles devem olhar para mim a
quem eles traspassaram e lamentarão”. É uma
promessa dos tempos do evangelho e da graça do
evangelho. Uma visão de Cristo como perfurado
causará luto naqueles que receberam a promessa do
Espírito de graça e súplica ali mencionado. E esse
luto é o fundamento da mortificação. É aquela
“tristeza segundo Deus produz arrependimento para
a salvação, que a ninguém traz pesar.”, (2 Coríntios
7:10). E a mortificação do pecado é a essência do
arrependimento. Quanto mais os crentes são
exercidos nessa visão de Cristo, mais humildes eles
são, mais eles são mantidos naquele quadro de luto
que é universalmente oposto a todos os interesses do
pecado, e que mantém a alma vigilante contra todas
as suas tentações.

[2] É eficaz para o mesmo fim pelo caminho de um


motivo poderoso, como aquele que chama e leva à
59
conformidade com ele. Isso é pressionado pelo
apóstolo, em Romanos 6: 8-11. Nossa conformidade
com Cristo como crucificado e morto consiste em
estarmos mortos para o pecado e, assim, derrubar o
reino dele em nossos corpos mortais. Esta
conformidade, diz ele, devemos considerar como
nosso dever: “Considerai-vos como mortos para o
pecado”; isto é, que devem ser assim, nessa
conformidade a que devem visar a Cristo crucificado.
Pode algum olho espiritual contemplar Cristo
morrendo pelo pecado e continuar a viver em
pecado? Devemos manter vivo em nós por que ele
morreu, para que não nos destrua eternamente?
Podemos vê-lo sangrando por nossos pecados e não
nos esforçando para lhes dar sua ferida de morte? A
eficácia do exercício da fé aqui para a mortificação do
pecado é conhecida por todos os crentes pela
experiência.

[3]. A fé aqui nos dá comunhão com ele em sua


morte, e une a alma a ela em sua eficácia. Por isso,
diz-se que somos “sepultados com ele em sua morte”
(Romanos 6: 4,5). Nosso “velho homem está
crucificado com ele”, verso 6. Temos pela fé a
comunhão com ele em sua morte, até a morte do
pecado. Portanto, esta é a primeira graça e dever que
devemos atender para a mortificação do pecado. Mas
onde o pecado tem aquele interesse e poder na mente
de tirá-la deste exercício de fé, preveni-lo ou obstruí-
lo, como ele fará, de modo que não ouse pensar ou
60
meditar em Cristo crucificado, por causa da
inconsistência de tais pensamentos com uma
indulgência a qualquer luxúria, é de temer que o
pecado esteja no trono. Se assim for com alguém; se
eles ainda não fizeram uso deste caminho e meios
para a mortificação do pecado; ou se, estando
convencidos disso, eles foram por qualquer época
impedidos do exercício da fé aqui, - não tenho nada a
oferecer para libertá-los dessa evidência do governo
do pecado, senão apenas que eles deveriam se
apressar, e serem cuidadosos. endereçando-se ao seu
dever aqui; e se eles prevalecerem sobre si mesmos,
trarão uma evidência de sua liberdade.

Alguns, pode ser, dirão que de fato eles são “inábeis”


nesta “palavra de justiça”, como alguns em Hebreus
5: 13. Eles não sabem como fazer uso de Cristo
crucificado para este fim, nem como se preparar para
isso. Outras formas de mortificação eles podem
entender. A disciplina e penitências designadas pelos
papistas para esse fim são sensatas; assim são nossos
próprios votos e resoluções, com outros deveres que
são prescritos; mas, quanto a esse modo de derivar a
virtude da morte de Cristo para a morte do pecado,
eles não podem entender nada disso. Creio
facilmente que alguns podem dizer que sim, sim,
deveria dizer, se falassem o que pensam; pois a
sabedoria espiritual da fé é necessária para isso, mas
nem “todos os homens são da fé”. Sobre a perda
dessa sabedoria, os papistas inventaram outra
61
maneira de fornecer aqui todo o exercício da fé. Eles
farão crucifixos, - imagens de Cristo crucificado,
então eles vão adorar, abraçar, lamentar e esperar
grande virtude deles. Sem essas imagens, eles não
conhecem nenhuma maneira de se dirigir a Cristo
para comunicar qualquer virtude de sua morte ou
vida. Outros podem estar com a mesma perda; mas
eles podem fazer bem em considerar a causa disto:
porque, não é da ignorância do mistério do
evangelho, e da comunicação de provisões de coisas
espirituais de Cristo assim, - da eficácia da vida dele
e morte para nosso santificação e mortificação do
pecado? Ou não é porque, na verdade, eles nunca
estiveram completamente angustiados em suas
mentes e consciências pelo poder do pecado, e por
isso nunca, em boa fé, procuraram alívio? Convicções
leves e gerais, seja da culpa ou do poder do pecado,
não levarão ninguém a Cristo. Quando suas
consciências são reduzidas a reais dificuldades, e elas
não sabem o que fazer, elas aprenderão melhor como
“olhar para Aquele a quem eles trespassaram”. Sua
condição, quem quer que sejam, é perigosa, que não
encontra uma necessidade todos os dias, de aplicar-
se pela fé em Cristo para ajuda e socorro. Ou não é
porque eles têm outros relevos para chamarem a si
mesmos? Tais são suas próprias promessas e
resoluções; que, na maioria das vezes, serve apenas
para enganar e acalmar a consciência por uma hora
ou um dia, e depois desaparecer em nada. Mas seja
qual for a causa dessa negligência, aqueles em quem
62
ela se encontra pecam em seus pecados; pois nada
além da morte de Cristo por nós será a morte do
pecado em nós.

Em segundo lugar, outro dever necessário para esse


fim é a oração contínua, e isso deve ser considerado
como sua aplicação à prevalência de qualquer desejo
particular em que o pecado exerça de maneira
peculiar seu poder. Esta é a grande ordenança de
Deus para sua mortificação; pois,

[1.] Obtemos aqui ajudas espirituais e suprimentos


para fortalecê-la. Não estamos mais necessariamente
e fervorosamente orando para que o pecado seja
perdoado quanto à sua culpa, do que quando estamos
a ponto de ser subjugados quanto ao seu poder.
Aquele que é negligente no segundo nunca é sincero
no primeiro. As pressões e problemas que recebemos
do poder do pecado são tão pungentes na mente
quanto os da sua culpa estão na consciência. O mero
perdão do pecado nunca dará paz a uma alma,
embora não possa ter nenhuma sem ela. Deve ser
mortificado também, ou não podemos ter descanso
espiritual. Agora, esta é a obra da oração, a saber,
buscar e obter tais suprimentos de graça mortificante
e santificante, como pelo qual o poder do pecado
pode ser quebrado, sua força abatida, sua raiz
murcha, sua vida destruída, e assim todo o velho
homem sendo crucificado. Aquilo que foi o pedido do
apóstolo para os tessalonicenses é a oração diária de
63
todos os crentes por si mesmos, 1 Tessalonicenses
5:23.

[2] Um atendimento constante a esse dever de


maneira devida preservará a alma em tal estrutura
como a que o pecado habitualmente não pode
prevalecer nela. Aquele que pode viver em pecado e
permanecer nos deveres ordinários da oração nunca
ora como deveria. A formalidade, ou alguma reserva
secreta ou outra, vicia o todo. Um quadro de orar
verdadeiramente gracioso (em que oramos sempre)
é totalmente inconsistente com o amor ou reserva de
qualquer pecado. Orar bem é orar sempre, isto é,
manter o coração sempre naquela condição que é
requerida na oração; e onde isto está, o pecado não
pode ter o governo, não, nem porto tranquilo, na
alma.

[3] É o conflito imediato da alma contra o poder do


pecado. O pecado é formalmente considerado como
a inimizade da alma que luta contra ele. Na oração, a
alma se coloca para lutar, ferir, matar e destruir. É
através disso que ela aplica todos os seus
mecanismos espirituais para a sua completa ruína;
aqui exerce uma graciosa aberração, uma clara
autocondenação por causa disso; e engaja a fé em
todas as promessas de Deus para sua conquista e
destruição. É evidente, portanto, que se o pecado
prevaleceu na mente por negligência deste dever,
seja em geral ou quanto à aplicação efetiva dele a
64
qualquer caso especial onde ela exerce seu poder, é
um sintoma ruim do domínio do pecado na alma. É
certo que o pecado não mortificado, gradualmente o
afastará do dever de orar, e alienará a sua mente da
oração, seja quanto ao assunto ou maneira de seu
desempenho. Vemos isso exemplificado todos os dias
em professantes apóstatas. Eles tiveram um dom de
oração e foram constantes no exercício dele; mas o
amor do pecado e a vivência nele devoraram o dom
deles, e tiraram completamente a mente do próprio
dever; qual é o caráter adequado dos hipócritas -
“Deleitar-se-á no Todo-Poderoso? Ele sempre
invocará a Deus?”, Jó 27:10. Ele pode fazê-lo por um
período, mas, caindo sob o poder do pecado, ele não
continuará a fazer. Agora, porque o pecado emprega
grande engano aqui, em um progresso gradual para
alcançar seu fim, e assim assegurando seu domínio,
podemos, em um modo de advertência ou cautela,
prestar atenção a alguns de seus passos, para que a
entrada dele seja resistida: pois, assim como a
“entrada da palavra de Deus dá luz”, Salmo 119: 130,
- pondo adiante Seu poder sobre a alma e dando luz
espiritual à mente, que deve ser melhorada - assim, a
entrada do pecado, os primeiros atos dele na mente,
para a negligência deste dever, traz consigo uma
escura ilusão, que é para ser combatida, porque: - 1º.
Produzirá na mente uma ingenuidade para esse
dever em suas ocasiões apropriadas. O coração deve
sempre se regozijar na aproximação de tais ocasiões,
por causa do deleite em Deus que se tem nelas.
65
Regozijar-se e ser feliz em todas as nossas
abordagens a Deus é todo caminho exigido de nós; e,
portanto, com os pensamentos sobre a aproximação
de tais ocasiões, devemos gemer em nós mesmos por
uma disposição mental que nos torne dignos desse
diálogo com Deus, ao qual somos chamados. Mas
onde o pecado começa a prevalecer, todas as coisas
estarão despreparadas e fora de ordem.
Tergiversações estranhas surgirão na mente, tanto
quanto ao dever em si quanto à maneira de seu
desempenho. Rotina e formalidade são os princípios
que atuam neste caso. O corpo parece levar a mente
ao dever, quer queira ou não, em vez de a mente
conduzir o corpo em sua parte; e empregar-se-á em
qualquer coisa, e não no trabalho e no dever que lhe
são inerentes. Aqui, então, reside uma grande parte
de nossa sabedoria em evitar o poder do pecado em
nós: mantenhamos nossos corações continuamente
em uma disposição graciosa. e prontidão para este
dever, em todas as suas próprias ocasiões. Se você
perder este fundamento, você continuará indo mais
para trás continuamente. Saibam, portanto, que não
há mais preservativo eficaz da alma do poder do
pecado do que uma disposição graciosa e disposição
para este dever em público e privado, de acordo com
suas próprias ocasiões.

2º. Em seu progresso, até a falta de firmeza, isso


adicionará falta de vontade; pois a mente predisposta
pelo pecado a acha diretamente contrária a seu
66
interesse, disposição e inclinação presentes. Não há
nada nela, a não ser o que os incomoda. Por isso, uma
falta de vontade secreta prevalece na mente e uma
aversão por um envolvimento sério nela; e a presença
de tais pessoas é como se estivessem sob uma força,
em conformidade com os costumes e convicções.

3º. O pecado irá finalmente prevalecer até uma total


negligência deste dever. Esta é uma observação
confirmada pela longa experiência: se a oração não
procura constantemente a ruína do pecado, o pecado
arruinará a oração e alienará completamente a alma
dela. Este é o caminho dos apóstatas no coração; à
medida que crescem em pecado, decaem em oração,
até que estejam cansados disso e abandonem-no
completamente. Então eles falam, Malaquias 1:13:
“Eis que cansaço é isso!” E “vós o apagastes”. Eles o
encaram como uma tarefa, como um fardo, e estão
cansados de cuidar disso. Quando eu coloco isso
como um efeito da prevalência do pecado, a saber, a
renúncia ao dever de orar, eu não estou afirmando
que as pessoas o façam total e absolutamente, ou de
todas as maneiras, públicas e privadas, e em todas as
ocasiões, negando-o completamente. Poucos se
elevam a essa falta de perdão no pecado, a uma
resolução tão desesperada contra Deus. Pode ser que
eles ainda comparecerão às ocasiões declaradas de
oração em famílias ou assembleias públicas, ao
menos se aproximando de Deus com seus lábios; e
eles vão em surpresas e perigos, pessoalmente
67
clamar a Deus, como a Escritura em todos os lugares
testifica deles. Mas isto somente pretendo - a saber,
que eles não mais sinceramente, imediatamente, e
diretamente, apliquem oração à mortificação e ruína
daquela luxúria ou corrupção em que o pecado coloca
seu poder e governo neles; e onde é assim, parece ter
o domínio. Dos tais diz o salmista: “Deixou de ser
sábio e de fazer o bem. Ele se coloca de uma maneira
que não é boa; ele não aborrece o mal ”, Salmo 36: 3,
4. Mas tal renúncia a esse dever, como até o fim
mencionado, quando é habitual, e torna a alma
segura sob ele, é pretendido; pois pode, através do
poder da tentação, prevalecer este mal nos crentes
por um tempo. Assim, Deus reclama de seu povo, em
Isaías 43:22: “Não me invocaste, ó Jacó; mas tu estás
cansado de mim, ó Israel”; isto é comparativamente
quanto ao fervor e sinceridade do dever requerido
deles. Agora, quando é assim com os crentes por um
período, através do poder do pecado e da tentação, -

(1º.) Eles não se aprovam nisto. Eles sempre chamam


as coisas para consideração, e dizem: “Não está
conosco como deveria ser, ou como era nos dias
anteriores. Isso não é bom que fazemos, nem haverá
paz no final.”

(2º.) Eles terão resoluções secretas de sacudir-se do


pó deste estado maligno. Eles dizem em si mesmos:
“Iremos e voltaremos ao nosso primeiro marido, pois
68
então seria melhor do que agora”, como a igreja fez,
Oseias 2: 7.

(3º.) Cada coisa que peculiarmente lhes acontece, de


uma forma de misericórdia ou aflição, eles olham
como chamados de Deus para libertá-los e recuperá-
los de seu quadro desviado.

(4º.) Eles receberão nas advertências que lhes são


dadas pela palavra pregada, especialmente se o seu
caso particular for tocado ou colocado em aberto.

(5º.) Eles não terão quietude, descanso ou


autoaprovação, até que eles venham completamente
a uma cura e recuperação, como a descrita, em Oseias
14: 1-4.

Assim, pode ser com alguns sobre quem o pecado não


tem o domínio; todavia, a primeira entrada deve ser
diligentemente observada, como aquilo que tende ao
perigo e à ruína da alma.

Em terceiro lugar, auto-humilhação constante,


condenação e abominação, é outro dever que é
diretamente oposto ao interesse e domínio do pecado
na alma. Nenhum estado de espírito é um melhor
antídoto contra o veneno do pecado. “Aquele que
anda, com humildade, anda com segurança.” Deus
tem um respeito contínuo pelos que choram, aqueles
que têm “coração quebrantado e espírito contrito”. É
69
o solo onde toda a graça florescerá e frutificará. Um
constante senso de pecado como pecaminoso, de
nosso interesse por natureza e no decorrer de nossas
vidas, com uma lembrança aflitiva contínua de
alguns desses exemplos como tendo tido agravações
peculiares, emitindo uma auto-humilhação graciosa,
é a melhor postura da alma em vigiar contra todos os
enganos e incursões do pecado. E este é um dever
para o qual devemos diligentemente prestar atenção.
Manter nossas almas em um quadro constante de
luto e auto-humilhação é a parte mais necessária de
nossa sabedoria com referência a todos os fins da
vida de Deus; e está tão longe de ter qualquer
inconsistência com aquelas consolações e alegrias
que o evangelho nos oferece em acreditar, já que é a
única maneira de deixá-los entrar na alma de uma
maneira devida. São tais os que choram, e somente
aqueles, aos quais se administram os confortos
evangélicos, Isaías 57: 18. Uma das primeiras coisas
que o pecado faz quando visa ao domínio é a
destruição desse estado de espírito; e quando de fato
tiver o governo, não permitirá que ela entre. Torna os
homens descuidados e indiferentes a esse assunto,
sim, ousados, presunçosos e destemidos; e obstruirá
toda a entrada na mente de tais autorreflexões e
considerações que levam a esse quadro; os
representará como desnecessários ou fora de época,
ou fará com que a mente tenha medo deles, como
coisas que tendem à sua inquietação e perturbação
sem qualquer vantagem. Se prevalecer aqui, abre
70
caminho para a segurança de seu próprio domínio.
Nada é mais visto do que uma estrutura de coração
orgulhosa, indiferente e insensata, por aqueles que
estão sob o domínio da graça. 4. Uma reserva para
qualquer pecado conhecido, contra a luz e a eficácia
das convicções, é um argumento do domínio do
pecado. Assim foi no caso de Naamã. Ele faria todas
as outras coisas, mas colocaria uma exceção para
aquilo em que sua honra e lucro dependiam. Onde há
sinceridade na convicção, ela se estende a todos os
pecados; porque é pecado como pecado, e também de
todo pecado conhecido, que tem a natureza do
pecado nele. E ser fiel às convicções é a vida da
sinceridade. Se os homens puderem escolher o que
quiserem, exceto e reservando, apesar de estarem
convencidos de seu mal, é do poder dominante do
pecado. Fundamentos na mente em nome de
qualquer pecado, isto é, para uma continuação,
prevalecente então, estraga toda a sinceridade. Pode
ser a pretensão de que é apenas um pouco, não de
grande momento, e aquilo que deve ser compensado
com outros deveres de obediência; ou será retido
somente até a época mais adequada para sua
renúncia; ou os homens podem ser cegados após a
condenação disputando novamente se o que eles
aceitariam seria pecaminoso ou não, como é o caso
frequentemente com relação à cobiça, orgulho e
conformidade com o mundo. É um efeito terrível do
poder dominante do pecado. O que quer que impeça

71
a universalidade da obediência em uma coisa
derruba sua sinceridade em todas as coisas.

5. Dureza de coração, tão frequentemente


mencionada e reclamada na Escritura, é outra
evidência do domínio do pecado. Mas porque há
vários graus também aqui, eles devem ser
considerados, para que possamos julgar
corretamente o que é uma evidência desse domínio,
e o que pode ser consistente com a regra da graça;
pois é esse mal misterioso do qual os melhores
homens mais se queixam, e do qual os piores não têm
nenhum senso.

CAPITULO 4.

Dureza de coração falada como um sinal eminente do


domínio do pecado; e é mostrado que deve ser
considerado como total ou parcial. A dureza do
coração é total e absoluta, ou parcial e comparativa
apenas. A dureza total é natural e universal, ou
judiciária em alguns indivíduos em particular. A
dureza natural é a cegueira ou a obstinação do
coração no pecado por natureza, que não deve ser
curada pelo uso ou aplicação de qualquer meio
exterior: “Dureza e coração impenitente”, Romanos
2: 5. Este é o coração de pedra que Deus promete no
pacto tirar pela eficácia de sua onipotente graça,
Ezequiel 36:26. Onde esta dureza permanece não
curada, não removida, lá o pecado está
72
absolutamente no trono. Sobre isso, portanto, não
indagamos. A dureza judiciária é imediatamente de
Deus, ou é do diabo através de sua permissão. Na
primeira maneira, de Deus é frequentemente dito
endurecer o coração dos homens em seus pecados e
para a ruína deles; como ele fez com o Faraó, Êxodo
4:21. E ele o faz em geral de duas maneiras: 1. Ao
reter deles aqueles suprimentos de luz, sabedoria e
entendimento, sem os quais eles não podem
entender sua condição, verem seu perigo, ou
evitarem sua ruína. 2. Retendo a eficácia dos meios
pelos quais eles desfrutam por sua convicção e
arrependimento, sim, e dando-lhes uma eficácia para
sua compreensão, Isaías 6: 9,10. E com relação a essa
endurecimento divino, podemos observar: 1. Que é a
mais severa das punições divinas neste mundo. 2.
Que, portanto, não é executado, senão para aqueles
que são habitualmente iníquos, e assim de escolha se
endurecem em seus pecados, Romanos 1: 26,28. 3.
Na maior parte, respeita a alguns tempos e ocasiões
especiais, em que são os pontos de virada para a
eternidade.

4. Que a condição dos que são tão endurecidos não


tenha remédio, e que suas feridas sejam incuráveis.
Onde quer que alguém esteja endurecido, não há
dúvida sobre o domínio do pecado. Tal coração é o
seu trono, o seu assento apropriado, ao lado do
inferno.
73
Em segundo lugar, há uma dureza do poder
judiciário que Satanás, mediante a permissão de
Deus, traz aos homens, 2 Coríntios 4: 4; e há muitas
maneiras pelas quais ele a efetua, e que não
consideraremos aqui. Mas há uma dureza de coração
que é de fato parcial e comparativa, qualquer que seja
a aparência que possa fazer daquilo que é total e
absoluto; de onde surge a indagação se é uma
evidência do domínio do pecado ou não. Há uma
dureza de coração que é conhecida e lamentada por
aqueles em quem ela está. Aí se queixa a igreja, em
Isaías 63:17: “Ó SENHOR, por que nos fazes desviar
dos teus caminhos? Por que endureces o nosso
coração, para que te não temamos?” Ou “sofrendo
assim, não curando, não recuperando a nossa
dureza”. E há muitas coisas que concorrem para esse
tipo de dureza de coração; como:

1. Desejo de prontidão para receber impressões


divinas da palavra de Deus. Quando o coração é
macio e terno, também é humilde e contrito, e pronto
a tremer diante da palavra de Deus. Assim diz-se de
Josias que "seu coração era terno" e "se humilhou
diante da SENHOR" quando ouviu a sua palavra, II
Reis 22: 18,19. Isso pode ser necessário em grande
parte, e eles podem ser sensíveis a isso. Eles podem
encontrar em si mesmos uma grande falta de cuidado
para cumprir as advertências divinas, reprovações,
chamados. Eles não são afetados com a palavra
pregada, mas às vezes se queixam de que eles se
74
sentam sob ela como ações e pedras. Eles não têm
uma experiência de seu poder e não são moldados no
molde dela. Aqui eles compreendem que seus
corações estão endurecidos pelo temor de Deus,
como a igreja reclama. Não há, de fato, melhor
estrutura de coração a ser alcançada nesta vida do
que aquela pela qual é a palavra como a cera para o
selo, apto e pronto para receber impressões dela, -
um quadro que é terno para receber as comunicações
da palavra em toda sua variedade, seja para
repreensão, instrução ou consolo; e a falta disso é
uma dureza de coração culpável.

2. Pertence a isso uma afetividade com a culpa do


pecado, como para a tristeza e arrependimento que
isso exige. Não há ninguém em quem haja qualquer
centelha de graça salvadora, que não sinta uma dor
graciosa pelo pecado, em algum grau ou outro. Mas
há uma proporção necessária entre o pecado e a
tristeza. Grandes pecados requerem grandes
tristezas, pois Pedro, em seu grande pecado, “chorou
amargamente”, e todos os agravos especiais do
pecado requerem um sentido especial deles. Isso a
alma não encontra em si mesma. (Nota do tradutor:
somente o Espírito Santo produz tal sentimento
naqueles que estão caminhando humildemente com
Deus, desejando sinceramente fazer toda a Sua
vontade. O Espírito produz uma dor no coração
sensível quando peca, ainda que seja uma irritação
fora de medida acompanhada de ira.) Suporta os
75
pensamentos do pecado e as repreensões da
consciência sem grande concussão ou remorso; pode
passar a acusação de pecado sem ceder, lamentar,
dissolver-se em suspiros e lágrimas; e não pode
deixar de dizer às vezes que seu coração é como a
rocha inflexível. Isso faz com que muitos temam que
estejam sob o domínio do pecado; e eles temem isso
mais porque esse medo não afeta e humilha como
deveria. E deve-se admitir que toda a indiferença
com o pecado, toda falta de humilhação e pesar
piedoso, é resultante de uma dureza indevida de
coração; e aqueles que não são afetados por ela têm
grandes razões para serem zelosos sobre si mesmos,
assim como para seu estado e condição espiritual.

3. Do mesmo tipo, em sua medida, é a insatisfação


com os pecados dos outros, entre os quais vivemos ou
com os quais nos preocupamos. Lamentar pelos
pecados dos outros é um dever altamente aprovado
por Deus, Ezequiel 9: 4. Ele argumenta a operação
eficaz de muitas graças, como zelo pela glória de
Deus, compaixão pelas almas dos homens, amor à
glória e interesse de Cristo no mundo. A necessidade
disto é da dureza de coração; e é isso que abunda
entre nós. Alguns não se encontram aqui envolvidos;
alguns fazem pretextos por que eles não precisam ser
assim, ou que não é seu dever, o que é para eles quão
perverso é o mundo? Responderá por seus próprios
pecados. Nem são movidos quando se aproxima
deles. Se seus filhos vêm para as perdas, a pobreza, a
76
ruína, então eles são realmente afetados; mas
enquanto eles florescerem no mundo, sejam eles
apóstatas da profissão, sejam inimigos de Cristo,
pertencendo ao mundo e andando nos caminhos
dele, eles não estão muito preocupados,
especialmente se eles não são escandalosamente
devassos . Mas isto também é da dureza de coração,
que será lamentada onde a graça é vigilante e ativa.

4. O desejo de um devido senso de indicações de


desprazer divino é outro exemplo dessa dureza de
coração. Deus, muitas vezes dá sinais disso, seja
como o estado público da igreja no mundo, ou como
para nossas próprias pessoas, em aflições e castigos.
Nas estações do ano, ele espera que nossos corações
sejam suaves e ternos, prontos para receber
impressões de sua ira, e maleáveis para sua mente e
vontade. Isso em certa medida pode estar nos
crentes, e eles podem ser sensíveis a isso, à sua
tristeza e humilhação. Essas coisas, e muitas outras
da mesma natureza, procedem da dureza de coração,
ou do restante de nossa dureza por natureza, e são
grandes promotores do interesse do pecado em nós.
Mas onde qualquer pessoa é sensível a esta estrutura,
onde é humilhada por ela, onde chora e clama por sua
remoção, está tão longe de ser uma evidência do
domínio do pecado sobre aqueles em quem ela está,
que é um sinal eminente do contrário - a saber, que o
poder dominante do pecado é certamente quebrado
e destruído na alma. Mas há outros exemplos de
77
dureza de coração, que têm muito mais dificuldade
nelas e que dificilmente são conciliáveis. à regra da
graça. Eu mencionarei alguns deles: -

1. Segurança carnal e insensatez sob a culpa de


grandes pecados reais. Eu não digo que isto é, ou
pode ser a qualquer momento absoluto em qualquer
crente; mas tal pode ser o mesmo em que os homens
podem continuar em seu antigo ritmo de deveres e
profissão, embora sem qualquer humilhação
peculiar, embora estejam sob a culpa provocadora de
algum pecado conhecido, com seus agravos. Ela
voltará à mente deles, e à consciência, a menos que
esteja cauterizada, tratará com eles sobre isso; mas
eles a transmitem, como aquilo que antes esqueciam
e se desgastavam do que trazem as coisas para seu
devido assunto por meio de arrependimento
particular. Assim, parece ter sido com Davi após seu
pecado com Bate-Seba que não duvido, senão que
antes da mensagem de Deus para ele por Natã, ele
tinha pensamentos desagradáveis sobre o que havia
feito; mas não há o menor número de passos na
história ou qualquer de suas orações, que ele o
colocou seriamente no coração e foi humilhado por
isso antes. Esta foi uma grande dureza de coração; e
sabemos quão difícil foi a sua recuperação para que
fosse salvo, mas como através do fogo. E onde é assim
com qualquer um que tenha sido tomado por
qualquer grande pecado, como embriaguez ou outra
loucura, que ele se esforça para gastá-lo, passá-lo,
78
esquecê-lo, ou dar-se sem qualquer razão ou
consideração contra o sentido especial de
humilhação por isso, ele pode, durante esse estado e
estrutura, não ter evidências sólidas de que o pecado
não tenha o domínio nele. E que tais pecadores sejam
advertidos, os quais passaram os pecados excedentes
até que tenham perdido completamente todo o
sentido deles, ou estejam sob tal estrutura no
presente, que eles se lembrem de outras coisas, e não
sofram nenhum pecado sem uma humilhação
peculiar, ou seja qual for a questão final das coisas
com eles, eles não podem ter uma base sólida de paz
espiritual neste mundo.

2. Há uma dureza de coração tão perigosa, onde a


culpa de um pecado não torna a alma vigilante contra
outro de outro tipo. Onde quer que o coração esteja
terno, sob uma surpresa no pecado, ele não apenas
vigiará contra o seu retorno ou recairá nele, mas será
feito diligente e cuidadoso contra todos os outros
pecados. Assim é com todos os que caminham
humildemente sob o sentido do pecado. Mas quando
os homens estão em tal estado, eles são descuidados,
ousados e negligentes, de modo que, se eles não
repetem o mesmo pecado, eles são facilmente
apressados para os outros. Assim foi com Asa. Ele
estava "indignado com o profeta" que veio a ele com
uma mensagem divina, e o feriu, e o colocou em uma
casa de prisão, porque ele estava furioso, 2 Crônicas
16:10. Um homem pensaria que, quando fosse
79
recuperado dessa enfermidade, poderia tê-lo feito
humilde e vigilante contra outros pecados; mas não
foi assim, pois acrescenta-se que ele "oprimiu
algumas pessoas ao mesmo tempo". E ele não
descansou lá, mas "em sua enfermidade ele não
procurou o Senhor, mas os médicos", verso 12. Para
a perseguição ele acrescentou opressão e a esta,
incredulidade. No entanto, apesar de tudo isso, “o
coração de Asa foi perfeito com o SENHOR todos os
seus dias”, 1 Reis 15:14; isto é, ele tinha uma
sinceridade predominante nele, apesar desses
abortos espontâneos. Mas ele estava, sem dúvida, sob
o poder de grande dureza de coração. Assim é com os
outros em casos semelhantes, quando um pecado os
torna não cuidadosos e vigilantes contra os outros;
como quando os homens se mancharam com a
intemperança da vida, podem cair em excesso de
paixão com suas famílias e relações, ou em
negligenciar o dever, ou fingir qualquer outro passo
torto em sua caminhada. Isso argumenta uma grande
prevalência de pecado na alma, embora, como vemos
no exemplo de Asa, não seja uma evidência infalível
de seu domínio; contudo, dessa natureza é com que a
paz e o consolo divinos são inconsistentes.

3. Quando os homens caem em tais condições não-


espirituais, tais mortes e decadências, a partir das
quais eles não são recuperáveis pelos meios
ordinários da graça, é uma certa evidência de dureza
de coração e da predominância do pecado nisso. É
80
assim, se isso é culpa de igrejas ou de pessoas
particulares. A pregação da Palavra é a ordenança
divina especial para a cura e recuperação de
apóstatas no coração ou na vida. Onde isto não
afetará em nada, mas eles seguirão freneticamente
nos caminhos de seus próprios corações, a menos
que Deus tome algum curso extraordinário com eles,
eles estão à beira da ruína, e vivem somente na graça
soberana sem andarem nela. Assim foi com o Davi.
Depois de seu grande pecado, não há dúvida, que ele
atendeu a todas as ordenanças do culto divino, que
são os meios comuns para a preservação e a
recuperação dos pecadores de seus desvios. Mas elas
não tiveram esse efeito sobre ele. Ele viveu
impenitentemente em seu pecado, até que Deus se
agradou em usar meios extraordinários, na
mensagem especial de Natã e na morte de seu filho,
para seu despertar e recuperação. E assim, Deus
lidará às vezes com igrejas e pessoas. Onde os meios
ordinários para a sua recuperação não o afetarão, ele
por graça soberana, e pode ser por uma concordância
de providências extraordinárias, curar, reviver e
salvá-los. Assim, ele promete fazer, em Isaías 57: 16-
19. Mas onde isto é confiado, na negligência dos
meios ordinários de cura, visto que não há promessa
direta dele, mas é um caso reservado à soberania
absoluta, o fim pode ser amargura e tristeza. E deixe-
nos tomar cuidado com aqueles que estão sob este
quadro; pois, embora Deus possa libertá-los, ainda
assim será pelas “coisas terríveis”, como Salmo 65: 5,
81
coisas tão terríveis como as que ele “tomará vingança
de suas invenções”, Salmos 99: 8, embora ele as
perdoe. Assim Davi afirma de si mesmo que Deus em
seu trato com ele havia quebrado todos os seus ossos,
Salmo 51: 8. Eu temo que este seja o caso presente de
muitas igrejas e professantes neste dia. É evidente
que eles estão sob muitos aspectos espirituais
decaídos; nem os meios ordinários de graça,
arrependimento e humilhação, embora respaldados
por várias advertências providenciais, foram eficazes
para sua recuperação. É muito temeroso que Deus
use uma severa dispensação de coisas terríveis em
relação a eles para o seu despertar, ou, o que é mais
terrível, retire sua presença deles.

4. Da mesma natureza é, e não argumenta nenhum


pequeno poder deste mal, quando os homens
satisfazem e agradam a si mesmos em uma profissão
não amadurecida, infrutífera; um sintoma severo do
domínio do pecado. E há três coisas que manifestam
a consistência de tal profissão com dureza de
coração, ou são frutos dela nisso:

(1) Uma negligência dos principais deveres dela. Tais


são a mortificação em si mesma e a utilidade ou
fecundidade para com os outros. Uma deficiência e
negligência nessas coisas são evidentes entre muitos
que professam a religião. Não parece que em
qualquer coisa eles se esforçam seriamente na
mortificação de suas luxúrias, seu orgulho, sua
82
paixão, seu amor pelo mundo, seus desejos
desordenados e apetites sensuais. Eles ou entregam-
se a todos eles, ou pelo menos não mantêm um
conflito constante contra eles. E quanto à utilidade
nos frutos da justiça, que são para o louvor de Deus
por Jesus Cristo, ou aquelas boas obras que são a
evidência de uma fé viva, eles são abertamente
estéreis nelas. Agora, enquanto estes são os
principais ditames daquela religião que eles
professam, sua negligência deles, sua deficiência
neles, procedem de uma dureza de coração,
subjugando sua luz e convicções. E que demora,
nesse caso, impedirá que o pecado saia do trono?
Autossatisfação em tal profissão argumenta um
estado muito perigoso e hábito mental. O pecado
pode ter um domínio total sob tal profissão.

(2) A admissão de uma formalidade habitual no


desempenho de deveres religiosos é da mesma
natureza. Em alguns, o poder do pecado, como
observamos antes, prevalece até a negligência e
omissão de tais deveres. Outros continuam na
observação deles, mas são tão formais e sem vida
neles, tão descuidados quanto ao exercício da graça
neles, como dá uma evidência incontrolável do poder
do pecado e uma falta de sentido espiritual do
coração. Não há nada que a Escritura denuncie com
mais frequência e severidade, e dê como caráter de
hipócrita, do que um atendimento diligente a uma
multiplicação de deveres, enquanto o coração não
83
está espiritualmente envolvido neles. Por essa razão,
o Senhor Jesus Cristo ameaçou com a rejeição total a
igreja morna de Laodiceia; e Deus pronunciou uma
sentença muito severa contra todos os que são
culpados disso, em Isaías 29: 13,14. Contudo, assim
pode ser com muitos, e que assim tem sido com eles
muitos se manifestam por sua apostasia aberta, que
é o evento comum deste quadro e curso há muito
continuado; para alguns no desempenho diário de
deveres religiosos exercem e preservam seus dons
durante um período, mas, não havendo nenhum
exercício de graça neles, depois de um tempo esses
dons também murcham e decaem. Eles estão sob o
poder do mal, a saber, com um coração duro e sem
sentido, que pode se aprovar em uma profissão de
religião sem vida e sem coração, e no desempenho
dos deveres dela.

(3.) Quando os homens crescem sem sentido sob a


dispensação da palavra, e não se aproveitam dela. Os
fins gerais de pregar a palavra aos crentes são: -

[1.] O aumento da luz, conhecimento e entendimento


espiritual neles;

[2.] O crescimento da graça, permitindo a


obediência;

[3.] Excitação santa da graça, por impressões de seu


poder na comunicação da mente, vontade, amor e
84
graça de Deus, para nossas almas; - que é assistido
com:

[4]. Uma impressão sobre os afetos, renovando e


tornando-os mais santos e celestiais continuamente;
com,

[5.] Direção e administração de força espiritual


contra tentações e corrupções; e,

[6.] Frutificação nas obras e deveres de obediência.


Onde os homens podem permanecer sob a
dispensação da palavra sem nenhum destes efeitos
em suas mentes, consciências ou vidas, eles são
grandemente endurecidos pelo engano do pecado,
como em Hebreus 3: 12,13, esta causa é afirmada.
Agora, se isto é, -

[1] Da negligência e segurança que é cultivada em


todos os tipos de pessoas, contra as quais Deus
justamente expressa sua indignação, retendo o poder
e eficácia de sua palavra em sua administração deles;
ou,

[2.] De um aumento de uma luz não santificada e de


dons, que enchem os homens de altos pensamentos
de si mesmos, e os mantêm afastados daquele quadro
humilde que somente é ensinável; ou,

[3.] De uma perda de toda devida reverência ao


ministério como a ordenança de Deus por todos os
85
fins da Palavra, com uma fortificação secreta de
consciência por preconceitos contra o seu poder,
pelas sugestões de Satanás; ou,

[4.] Do amor do pecado, que o coração abrigaria e


protegeria da eficácia da Palavra; ou de qualquer
outra causa, seja ela procedente de uma perigosa
dureza de coração, do poder do pecado. Onde este é
o estado das mentes dos homens, onde essa dureza é
prevalecente neles, nem eu, nem o homem pode dar-
lhes a certeza de que o pecado não tem o domínio
neles; mas como todas essas coisas são capazes de
vários graus, pode não ser absolutamente concluído
de qualquer um ou de todos eles, em qualquer grau,
que assim seja. Mas isso nós podemos seguramente
concluir,

1. Que é impossível para qualquer homem em quem


este quadro maligno é encontrado em qualquer grau,
e que não esteja sinceramente se esforçando para
evitar e manter uma paz verdadeira com Deus ou
com sua própria alma; o que parece ser assim nele é
apenas uma segurança desastrosa.

2. Que esta é a estrada alta até a conclusão final da


impenitência. E, portanto,

3. É dever presente daqueles que têm algum cuidado


de suas almas se livrarem deste pó, e não se darem
descanso algum até que entrem nos caminhos da
86
recuperação. Os chamados de Deus para tais
apóstatas no coração por um retorno são
multiplicados; as razões para isso e seus motivos são
inumeráveis. Isto nunca deve se afastar de suas
mentes, que sem isso eles perecerão eternamente, e
eles não saberão quão logo eles serão alcançados com
essa destruição.

Até agora temos procedido na investigação, se o


pecado tem o domínio em nós ou não. Do outro lado,
há muitas evidências do domínio da graça,
suficientes para descartar os apelos e pretensões do
pecado ao trono; mas a consideração deles não é meu
projeto atual.

Só examinei as solicitações de pecado que tornam a


investigação difícil e o caso duvidoso; e elas surgem
de todos os atos do pecado em nós, enquanto lutam
contra a alma, que é o seu trabalho constante, 1 Pedro
2:11. É contra o desígnio da lei, que é viver para Deus;
contra a ordem e a paz dela, que perturba; e contra a
sua bem-aventurança eterna, da qual ele a privaria.
O exame dos pretextos insistidos pode ser de alguma
utilidade para aqueles que sejam sinceros. Mas, por
outro lado, existem evidências incontroláveis do
domínio do pecado nos homens, algumas das quais
eu mencionarei, e apenas mencionarei, porque elas
não precisam de prova, nem de ilustração:
87
1. É assim onde o pecado possui a vontade. E possui
a vontade quando não há restrições do pecado tiradas
de sua natureza, mas somente de suas
consequências.

2. Quando os homens proclamam seus pecados e não


os escondem, quando eles ferem neles e por eles,
como ocorre com multidões; ou,

3. Aprovem a si mesmos em qualquer pecado


conhecido, sem arrependimento renovado, como
embriaguez, impureza, palavrões e afins; ou,

4. Vivam negligenciando os deveres religiosos em


seus quartos e famílias, de onde toda a sua
assistência pública é apenas hipocrisia; ou,

5. Têm uma inimizade para a verdadeira santidade e


o poder da piedade; ou,

6. São apóstatas visíveis da profissão, especialmente


se acrescentarem, como é habitual, perseguição à sua
apostasia; ou,

7. Ignoram os princípios santificadores do evangelho


e da religião cristã; ou,

8. São desprezadores dos meios de conversão; ou,


88
9. Vivem em segurança carnal sob advertências
providenciais abertas e apelos ao arrependimento;
ou,

10. São inimigos em suas mentes ao verdadeiro


interesse de Cristo no mundo.

Onde essas coisas e coisas semelhantes são


encontradas, não há dúvida sobre o que é que tem
domínio e governa as mentes dos homens. Todos os
homens podem facilmente saber, como declara o
apóstolo em Romanos 6: 16.

CAPÍTULO 5.

O terceiro inquérito tratado, ou seja, o que é a certeza


que nos foi dada, e quais são os fundamentos disso,
que o pecado não terá domínio sobre nós - O
fundamento dessa certeza é que não estamos
“debaixo da lei, mas debaixo da graça” - A força desta
razão mostrada, a saber, como a lei não destrói o
domínio do pecado, e como a graça destrona o
pecado e dá domínio sobre o pecado.

III. E assim muito tem sido dito da segunda coisa


proposta na entrada deste discurso, a saber, uma
investigação, se o pecado tem o domínio em algum de
nós ou não. Eu procedo àquilo que se oferece das
palavras, em terceiro lugar: Qual é a segurança que
nos é dada, e quais são os fundamentos disto, que o
89
pecado não terá domínio sobre nós; que está nisso,
que não “estamos debaixo da lei, mas debaixo da
graça”.

Onde os homens estão engajados em um constante


conflito contra o pecado; onde eles olham para isto e
julgam isto o inimigo principal deles que contende
com eles, contra as almas deles e para a ruína eterna
deles; onde eles têm experiência de seu poder e
engano, e através da eficácia deles têm sido
frequentemente abalados em sua paz e conforto;
onde eles estão prontos para desanimar, e dizem que
um dia perecerão sob seus poderes, - é uma palavra
do evangelho, uma palavra de boas novas, que lhes
garante que isto nunca terá domínio sobre eles. O
fundamento desta garantia é que os crentes “não
estão debaixo da lei, mas debaixo da graça”. E a força
desta razão podemos manifestar em alguns poucos
exemplos: - porque,

1º. A lei não dá força contra o pecado para aqueles


que estão debaixo dela, mas a graça o faz. O pecado
não será lançado nem mantido fora de seu trono,
senão por um poder espiritual e força na alma para
se opor, conquistar e destronar. Onde não é
conquistado, reinará; e conquistado não será sem um
poderoso poder prevalecente: isto a lei não dará, não
poderá dar. A lei é tomada de duas maneiras:
90
1. Para toda a revelação da mente e vontade de Deus
no Antigo Testamento, neste sentido tinha graça, e
assim deu vida, luz e força contra o pecado, como o
salmista declara, Salmo 19: 7-9. Nesse sentido, ela
continha não apenas a lei dos preceitos, mas também
a promessa e o pacto, que era o meio de transmitir
vida e força espiritual à igreja. Neste sentido, não é
aqui falado nem é oposto à graça.

2. Para a regra da aliança de perfeita obediência:


“Faça isto e viva”. Neste sentido, os homens são
considerados “sob ela”, em oposição a estarem
“debaixo da graça”. Eles estão sob seu poder, regra,
condições, e autoridade, como um pacto. E, nesse
sentido, todos os homens estão debaixo dela, que não
estão instalados na nova aliança por meio da fé em
Cristo Jesus, que estabelece neles e sobre eles a regra
da graça; pois todos os homens devem estar de um
jeito ou de outro sob o governo de Deus, e ele governa
somente pela lei ou pela graça, e nenhum pode estar
sob ambos ao mesmo tempo. Neste sentido, a lei
nunca foi ordenada por Deus para transmitir a graça,
ou força espiritual para as almas dos homens; se
fosse assim, a promessa e o evangelho teriam sido
desnecessários: “Se houvesse uma lei dada que
pudesse dar vida, em verdade, a justiça deveria ter
sido pela lei”, Gálatas 3: 21. Se ela pudesse ter dado
vida ou força, teria produzido justiça, nós deveríamos
ter sido justificados por isso. A lei descobre o pecado
e o condena, mas não dá forças para se opor a ele.
91
Não é a ordenança de Deus para destronar o pecado,
nem para a destruição de seu domínio. Esta lei cai
sob uma dupla consideração, mas em nenhum deles
foi designada para dar poder ou fortalecer contra o
pecado:

1. Como foi dado à humanidade no estado de


inocência; e então, absolutamente e exatamente,
declarou todo o dever do homem,
independentemente do que Deus em sua sabedoria e
santidade exigisse de nós. Foi a decisão de Deus para
o homem de acordo com o princípio da justiça em
que ele foi criado. Mas não deu novos auxílios contra
o pecado; nem havia necessidade de fazê-lo. Não era
a ordenança de Deus administrar nova ou mais graça
ao homem, mas governá-lo de acordo com a que ele
recebera; e isso continua a fazer para sempre. A lei
reivindica e continua uma regra sobre todos os
homens, de acordo com o que eles tinham e o que eles
têm; mas nunca teve o poder de barrar a entrada do
pecado, nem de expulsá-lo quando foi entronizado.

2. Como foi renovada e intimada à igreja de Israel no


Monte Sinai, e com eles a todos os que se unissem ao
Senhor dentre as nações do mundo. No entanto, nem
foi então, nem como tal, destinada a qualquer fim tal
que destruísse ou destronasse o pecado por meio de
uma administração de força e graça espirituais. Ela
tinha alguns novos fins dados a ela, o que não havia
em sua constituição original, cujo principal era levar
92
os homens à promessa, e Cristo nela; e isto por todos
os atos e poderes sobre as almas dos homens. Ao
descobrir o pecado, ao irritá-lo e provocá-lo por sua
severidade, ao julgá-lo e condená-lo, como denuncia
uma maldição contra os pecadores, dirige-se a esse
fim; pois isto foi acrescentado de graça na renovação
da mesma no Sinai, este novo fim foi dado a ela. Em
si mesma, nada tem a ver com os pecadores, senão
para julgá-los, amaldiçoá-los e condená-los. Não há,
portanto, nenhuma ajuda a ser esperada contra o
domínio do pecado da lei. Nunca foi ordenada por
Deus para esse fim; nem contém, nem é
comunicativa da graça necessária para esse fim,
Romanos 8: 3. Portanto, aqueles que estão “debaixo
da lei” estão sob o domínio do pecado. “A lei é santa”,
mas não pode torná-los santos porque se fizeram
profanos; é "justa", mas não pode fazê-los justos, não
pode justificar quem condena; é "boa", mas não pode
fazer bem a eles, quanto à sua libertação do poder do
pecado. Deus não a designou para esse fim. O pecado
nunca será destronado por ela; porque ele não dará
lugar à lei, nem em seu título nem em seu poder.
Aqueles que estão debaixo da lei, em algumas
ocasiões, se esforçarão para livrar-se do jugo do
pecado e resolver não mais estar sob seu poder;
como:

1. Quando a lei pressiona suas consciências,


desconcertando-as e inquietando-as. O mandamento
vem para casa para eles, o pecado revive e eles
93
morrem, Romanos 7: 9,10; isto é, dá poder ao pecado
para matar as esperanças do pecador e para afligi-lo
com a apreensão de culpa e morte: pois “a força do
pecado é a lei”, 1 Coríntios 15:56; - o poder que tem
de inquietar e condenar os pecadores está na e pela
lei. Quando é assim com os pecadores, quando a lei
os pressiona com um senso da culpa do pecado, e
priva-os de todo descanso e paz em suas mentes, eles
resolverão se livrar do jugo do pecado, renunciar ao
seu serviço, que eles podem ser libertados da
urgência da lei em suas consciências; e eles se
empenharão em alguns casos de dever e abstinência
do pecado.

2. Eles farão o mesmo sob surpresas com doenças,


dor, perigos ou a própria morte. Então eles vão
chorar, orar e prometer reforma, e colocar sobre isso,
como eles supõem, com muita sinceridade. Este caso
é totalmente exemplificado, no Salmo 7 8: 34-37; e
manifesta-se na experiência diária entre multidões.
Há poucos que são tão perdulários, mas em tais
ocasiões, eles vão pensar em retornar a Deus, de
renunciar ao serviço do pecado, e reivindicar-se sob
o seu domínio. E em alguns isso produz uma
mudança duradoura, embora nenhuma conversão
real ocorra; mas com o máximo esta “bondade é
como uma nuvem matutina, e como o orvalho da
manhã que vai logo embora”. 3. O mesmo efeito é
produzido em muitos pela pregação da Palavra.
Alguma flecha de convicção é fixada em suas mentes,
94
seus modos anteriores os desagradam e julgam que é
melhor que eles mudem o curso de suas vidas e
renunciem ao serviço do pecado. Essas resoluções, na
maior parte, permanecem com eles de acordo com a
sociedade em que eles se encontram ou se
enquadram. A boa sociedade pode muito ajudá-los
em suas resoluções por um tempo, quando por
aqueles que são maus e corruptos estão atualmente
extintos.

4. Às vezes, as providências misericordiosas e


afetuosas terão o mesmo efeito nas mentes dos
homens que não se obstinam no pecado. Tais são as
libertações de perigos iminentes, poupando a vida de
parentes próximos, e assim por diante. Nestas
épocas, os homens sob a lei atenderão às suas
convicções, e se esforçarão por um tempo para livrar-
se do jugo do pecado. Eles atenderão àquilo que a lei
diz, sob cujo poder eles estão, e empenhar-se-ão no
cumprimento dela; muitos deveres devem ser
cumpridos, e se absterão de muitos males, a fim de se
abandonarem do domínio do pecado. Mas, ai de
mim! A lei não pode capacitá-los até aqui, - não pode
dar-lhes vida e força para prosseguir com o que suas
convicções os pressionam; portanto, depois de um
tempo, eles começam a desmaiar e a se cansar de seu
progresso e, por fim, acabam completamente onde
começaram. Pode ser que eles possam se separar de
alguns grandes pecados em particular, mas livrar-se
de todo o domínio do pecado, isto eles não podem. É
95
diferente com aqueles que estão “debaixo da graça”.
O pecado não terá domínio sobre eles; força será
administrada a eles para destroná-lo. “Graça” é uma
palavra de várias aceitações nas Escrituras. Como a
temos aqui, dizemos estar sob ela, e como ela se opõe
à lei, ela é usada para o evangelho, pois é o
instrumento de Deus para a comunicação de si
mesmo e de sua graça por Jesus Cristo àqueles que
creem, com aquele estado de aceitação com o qual
eles são trazidos para dentro disso, Romanos 5: 1,2.
Portanto, estar “debaixo da graça” é ter interesse no
pacto e no estado do evangelho, com direito a todos
os privilégios e benefícios, a serem colocados sob a
administração da graça por Jesus Cristo – é ser um
verdadeiro crente. Mas a investigação aqui é, como se
segue daí que o pecado não terá domínio sobre nós,
que o pecado não pode estender seus territórios e
governar nesse estado, e em que sentido isso é
afirmado.

1. É que não haverá mais pecado? Até isso é verdade


em algum sentido. O pecado quanto ao seu poder
condenatório não tem lugar neste estado, Romanos
8: 1. Todos os pecados daqueles que creem são
expiados ou eliminados, quanto à culpa deles, no
sangue de Cristo, Hebreus 1: 3; 1 João 1: 7. Este ramo
do domínio do pecado, que consiste em seu poder de
condenação, é totalmente expulso deste estado. Mas
o pecado quanto ao seu ser e operação ainda continua
nos crentes enquanto eles estão neste mundo; e disto
96
todos eles são sensatos. Aqueles que se enganam com
uma apreensão contrária estão, acima de tudo, sob o
poder disto, 1 João 1: 8. Portanto, libertar-se do
domínio do pecado não deve ser absolutamente
libertado de todo pecado, assim como não deveria
haver mais nenhum pecado habitando em nós. Isso
não é estar sob a graça, mas estar na glória.

2. É esse pecado, que embora permaneça, que não


lutará mais pelo domínio em nós? Que isto é de outra
maneira nós temos antes declarado. As Escrituras e a
experiência universal de todos os que creem
testificam o contrário; assim, a certeza aqui nos é
dada de que não obterá esse domínio: pois, se não
contendesse, não poderia haver graça nesta
promessa - não há nenhuma libertação daquilo de
que não estamos em perigo. A garantia aqui dada é
construída sobre outras considerações; do que o
primeiro é, que o evangelho é o meio ordenado e
instrumento usado por Deus para a comunicação de
força espiritual para aqueles que creem, para
destronar o pecado. É o “poder de Deus para a
salvação”, Romanos 1:16, que através do qual e onde
ele coloca seu poder para esse fim. E o pecado deve
ser realmente destronado pela ação poderosa da
graça em nós, e isto por uma maneira de dever em
nós mesmos. Somos absolvidos, livres do domínio do
pecado, com seu pretenso direito e título, pela
promessa do evangelho; pois assim somos libertos e
dispensados da regra da lei, na qual todo o título do
97
pecado para o domínio é fundado, pois “a força do
pecado é a lei”, mas somos libertos dela, assim como
de seu poder interno e exercício da lei. De seu
domínio, pela graça espiritual interna e força em seu
devido exercício. Agora, isso é comunicado pelo
evangelho; dá vida e poder, com tais suprimentos
contínuos de graça que são capazes de destronar o
pecado, e para sempre proibir seu retorno. Este,
então, é o caso presente supostamente determinado
pelo apóstolo: “Vocês que são crentes estão todos
vocês conflitando com o pecado. Vocês acham isso
sempre inquietando, às vezes forte e poderoso.
Quando estiver em conjunção com qualquer tentação
urgente, vocês têm medo de que ela prevalecerá
completamente sobre vocês, para a ruína de suas
almas. Portanto, vocês estão cansados disso, gemem
sob ele e clamam por libertação”. Todas essas coisas
o apóstolo em geral insiste neste e no próximo
capítulo. “Mas agora”, diz ele, “tenha bom consolo;
apesar de todas estas coisas, e todos os seus medos
sobre eles, o pecado não prevalecerá, não terá o
domínio, nunca arruinará a sua alma.” Mas que
fundamento temos para esta esperança? Que
garantia desse sucesso? “Isto tu tens”, diz o apóstolo,
“não estás debaixo da lei, mas debaixo da graça” ou
da regra da graça de Deus em Cristo Jesus,
administrada no evangelho. Mas como isto dá alívio?
“Ora, é a ordenança, o instrumento de Deus, que ele
usará para esse fim - ou seja, a comunicação de tais
suprimentos de graça e forças espirituais derrotará
98
eternamente o domínio do pecado.” Essa é uma das
principais diferenças entre a lei e o evangelho, e foi
sempre assim estimado na igreja de Deus, até que
toda a comunicação da graça eficaz começou a ser
questionada: A lei guia, dirige, ordena todas as coisas
que são contrárias ao interesse e domínio do pecado.
Julga e condena as coisas que o promovem e as
pessoas que o praticam; assusta e aterroriza as
consciências daqueles que estão sob seu domínio.
Mas se disseres: Que faremos então? Esse tirano,
esse inimigo, é muito difícil para nós. Que ajuda e
assistência contra isto você nos proporcionará? Que
poder você comunicará para a sua destruição?” Aqui
a lei é totalmente silenciosa, ou diz que nada desta
natureza é cometido a ela por Deus; sim, a força que
tem para o pecado é para a condenação do pecador:
“A força do pecado é a lei”. Mas o evangelho, ou a
graça dele, é o meio e instrumento de Deus para a
comunicação da força espiritual interna para os
crentes. Porque eles recebem suprimentos do
Espírito ou ajudas da graça para a subjugação do
pecado e a destruição de seu domínio. Por isso, eles
podem dizer que podem fazer todas as coisas, através
dAquele que os capacita. A partir de então, depende,
em primeiro lugar, a certeza da afirmação do
apóstolo, de que “o pecado não terá domínio sobre
nós”, porque estamos sob a graça. Nós estamos em
tal estado, como em que temos suprimentos em
prontidão para derrotar todas as tentativas do
pecado de governar e dominar em e sobre nós. Mas
99
alguns podem dizer aqui, que eles temem que eles
não estejam neste estado, pois eles não encontram
tais suprimentos de força e graça espirituais a ponto
de lhes dar uma conquista sobre o pecado. Eles ainda
estão perplexos com isso, e está pronto para invadir
o trono em suas mentes, se já não estiver possuído.
Por isso eles temem que sejam estranhos à graça do
evangelho. Em resposta, as coisas que se seguem são
propostas.

1. Lembre-se do que foi declarado sobre o domínio do


pecado. Se não se sabe o que é e em que consiste,
como alguns podem agradar a si mesmos enquanto
sua condição é deplorável (como é com muitos),
outros podem ficar perplexos em suas mentes sem
justa causa. Uma clara distinção entre a rebelião do
pecado e o domínio do pecado é uma grande
vantagem para a paz espiritual.

2. Considere o fim para o qual as ajudas da graça são


concedidas e comunicadas pelo evangelho. Agora,
não é que o pecado seja imediatamente destruído e
consumido em nós, que não deve haver, movimento
ou poder em nós. Mais. Esta obra é reservada para a
glória, na plena redenção do corpo e da alma, que
aqui fazemos, mas na qual gememos. Mas é-nos
dado, para este fim, que o pecado possa ser
crucificado e mortificado em nós, isto é,
gradualmente enfraquecido e destruído, como se isso
não arruinasse a vida espiritual em nós, ou obstruísse
100
sua ação necessária nos deveres, e por prevalência de
tais pecados que anulariam a relação de aliança entre
Deus e nossas almas. Enquanto nós temos
suprimentos que são suficientes para este fim,
embora nosso conflito com o pecado continue,
embora estejamos perplexos com isso, ainda estamos
sob a graça, e o pecado não terá mais domínio sobre
nós. Isto é suficiente para nós, que o pecado será
gradualmente destruído, e nós teremos uma
suficiência de graça em todas as ocasiões para evitar
sua prevalência dominante.

3. Vivam na fé desta verdade sagrada, e sempre


mantenham vivas em suas almas a expectativa de
suprimentos de graça adequados para isso. É da
natureza da fé verdadeira e salvadora, inseparável
dela, crer que o evangelho é o caminho da
administração da graça de Deus para a ruína do
pecado. Aquele que crê, crê no evangelho, que é “o
poder de Deus para a salvação”, Romanos 1:16. Se
vivemos, andamos e agimos, como se não tivéssemos
nada em que confiar senão em nós mesmos, nossos
próprios esforços, nossas próprias resoluções, e que
em nossas perplexidades e surpresas, não é de
admirar que não sejamos sensíveis aos suprimentos
de divina graça; provavelmente estamos debaixo da
lei e não debaixo da graça. Este é o princípio
fundamental do estado do evangelho, que vivemos na
expectativa de comunicações contínuas de vida,
graça e força, de Jesus Cristo, que é “nossa vida”, e de
101
cuja “plenitude recebemos graça sobre graça”. Nós
podemos, portanto, neste caso, continuamente
expostular com nossas almas, como Davi diz: “Por
que você vai lamentar por causa da opressão do
inimigo? Por que você está abatida? E por que você
está inquieta dentro de mim? Ainda espero em Deus;
ele é a saúde do meu semblante”. Podemos ser
sensíveis a uma grande opressão do poder desse
inimigo; isso pode nos levar a ficar de luto o dia todo
e, em certo sentido, deveria fazê-lo. Contudo, não
devemos, portanto, nos desanimar, ou sermos
expulsos de nosso dever ou conforto. Ainda assim,
podemos confiar em Deus por meio de Cristo e viver
na expectativa contínua de tais alívios espirituais,
que certamente nos preservarão do domínio do
pecado. A essa fé, esperança e expectativa, somos
chamados pelo evangelho; e quando eles não são
acariciados, quando eles não são mantidos em
exercício, todas as coisas irão para trás em nossa
condição espiritual.

4. Faça uma aplicação especial ao Senhor Jesus


Cristo, a quem a administração de todos os
suprimentos espirituais é confiada, para sua
comunicação a você, de acordo com todas as ocasiões
especiais. O pecado tem a vantagem de uma poderosa
tentação, de modo que parece ser duro para domínio
na alma; como foi com Paulo sob as bofetadas de
Satanás, quando recebeu a resposta do Senhor, sobre
102
sua reiterada oração: “Minha graça é suficiente para
ti” - “O pecado não terá domínio sobre ti”.

Por isso, por sua falsidade, levou a alma a um quadro


sem vida e sem sentido, esquecendo-se dos deveres,
negligenciando-os ou sem deleite espiritual em seu
desempenho? Por acaso quase habituou a alma a
inclinações descuidadas e corruptas, ao amor ou à
conformidade com o mundo? Tirou vantagem da
nossa escuridão e confusão, sob problemas,
angústias ou tentações? Nestas e outras ocasiões, é
necessário que façamos uma aplicação especial e
fervorosa ao Senhor Jesus Cristo para provisões da
graça que sejam suficientes e eficazes para controlar
o poder do pecado em todas elas. Isto, sob a
consideração de seu ofício e autoridade para esse fim,
sua graça e prontidão de incentivos especiais, somos
dirigidos a Hebreus 4: 14-16. 5. Lembre-se sempre do
caminho e método da operação da graça divina e dos
auxílios espirituais. É verdade que, em nossa
primeira conversão a Deus, somos surpreendidos por
um poderoso ato de graça soberana, mudando nossos
corações, renovando nossas mentes e nos
estimulando com um princípio de vida espiritual.
Ordinariamente, muitas coisas são necessárias para
nós em uma forma de dever para isso; e muitas
operações prévias de graça em nossas mentes, na
iluminação e no sentido do pecado, nos dispensam
material e passivamente, como a madeira quando
seca é disposta ao fogo, mas a obra em si é realizada
103
por um ato imediato de poder divino, sem qualquer
cooperação ativa de nossa parte. Mas esta não é a lei
ou regra da comunicação ou operação da graça real
para a subjugação do pecado. É dado de forma a
concordar conosco no cumprimento de nossos
deveres; e quando somos lânguidos neles, podemos
ter certeza de que falharemos na assistência divina,
de acordo com a regra estabelecida da administração
da graça evangélica. Se, portanto, nos queixamos de
que não encontramos as ajudas mencionadas, e se ao
mesmo tempo não estamos atentos a todos os
deveres pelos quais o pecado pode ser mortificado
em nós, somos excessivamente prejudiciais à graça
de Deus. Apesar desta objeção, a verdade permanece
firme, que "o pecado não terá domínio sobre nós,
porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da
graça", por causa das ajudas espirituais que são
administradas pela graça para sua mortificação e
destruição.

Segundo, a lei não dá liberdade de nenhum tipo;


torna-nos cativos e, portanto, não pode nos libertar
de nenhum domínio - não do pecado, pois deve ser
por liberdade. Mas isso nós também temos pelo
evangelho. Há uma dupla liberdade:

1. De estado e condição;

2. De operação interna; e nós temos ambos pelo


evangelho.
104
A primeira consiste em nossa libertação da lei e sua
maldição, com todas as coisas que reivindicam um
direito contra nós em virtude disso; isto é, Satanás,
morte e inferno. Desse estado, de onde nunca
podemos ser libertos pela lei, somos transportados
pela graça a um estado de liberdade gloriosa; porque
por ele o Filho nos faz livres. E nós recebemos o
Espírito de Cristo; agora, “Onde está o Espírito do
Senhor, há liberdade” (2 Coríntios 3:17). Essa
liberdade Cristo proclama no evangelho a todos os
que creem, Isaías 61: 1. Aqui, os que ouvem e recebem
o som alegre são exonerados de todas as dívidas,
contas, direitos e títulos, e são levados a um estado
de perfeição e liberdade. Neste estado, o pecado não
pode reivindicar domínio sobre qualquer alma. Eles
foram para o reino de Cristo, e para fora do poder do
pecado, Satanás e trevas. Aqui, de fato, está o
fundamento de nossa liberdade garantida do governo
do pecado. Não pode fazer uma incursão no reino de
Cristo, de modo a levar qualquer um de seus súditos
a um estado de pecado e trevas. E um interesse neste
estado deve ser pleiteado contra todas as tentações
do pecado, Romanos 6: 1,2.

Não há nada mais para ser detestado do que qualquer


um que é libertado por Cristo, e morto para o poder
do pecado, e que deve dar lugar a qualquer um de
seus pretextos ou esforços por regras. Mais uma vez,
há uma liberdade interna, que é a liberdade da mente
das poderosas cadeias internas do pecado, com uma
105
capacidade de agir de todas as faculdades da alma de
uma maneira graciosa. Por meio deste é o poder do
pecado na alma destruído. E isso também nos é dado
no evangelho. Há poder administrado nele para viver
para Deus e andar em todos os seus mandamentos; e
isso também evidencia a verdade da afirmação do
apóstolo.

Terceiro, a lei não nos fornece motivos e incentivos


eficazes para empreender a ruína do domínio do
pecado em uma forma de dever; o que deve ser feito,
ou no final prevalecerá. Funciona apenas pelo medo
e pavor, com ameaças e terrores de destruição; pois
embora também diga: “Faça isto e viva”, mas ao
mesmo tempo descobre que é impossível, em nossa
natureza, cumprir seus mandamentos, da maneira
em que isso nos é ordenado, que a própria promessa
disso se torna uma questão de terror, como incluindo
a sentença de morte contrária ao nosso fracasso em
seus comandos. Agora, essas coisas enervam,
enfraquecem e desencorajam a alma em seu conflito
contra o pecado; eles não dão vida, atividade, alegria
ou coragem para o empreender. Portanto, aqueles
que se empenham em oposição ao pecado, ou
renunciam ao seu serviço, meramente sobre os
motivos da lei, rapidamente cedem. Nós vemos isso
com muitos todos os dias. Um dia eles abandonarão
todo pecado, seu amado pecado, com a companhia e
ocasiões induzindo-os a isso. A lei os assustou com a
vingança divina. E às vezes eles prosseguem até aqui
106
nesta resolução que parecem fugir das poluições do
mundo; mas em breve eles voltarão aos seus antigos
caminhos e loucuras, 2 Pedro 2: 20-22. "Sua bondade
é como uma nuvem matutina, e como o orvalho da
manhã que logo vai embora." Ou se eles não voltarem
a chafurdar no mesmo. Em meio a suas antigas
poluições, eles se entregam às nuances de algumas
observâncias supersticiosas, como é no papado: pois
eles abertamente entram na sala dos judeus, que,
sendo ignorantes da justiça de Deus, e não se
submetendo a eles, foi para estabelecer sua própria
justiça, como o apóstolo fala, Romanos 10: 3,4; pois
nessa igreja apóstata, onde os homens são forçados
pelos terrores da lei a renunciar ao pecado e se
colocar em oposição ao seu poder, encontrando-se
completamente incapazes de fazê-lo pelas obras da
própria lei, que deve ser perfeitamente santa, eles se
dirigem a um número de observâncias
supersticiosas, nas quais confiam no lugar da lei, com
seus mandamentos e deveres. Mas a lei não faz nada
perfeito, nem os motivos que ela dá para a ruína do
interesse do pecado em nós são capazes de nos
sustentar e nos levar através dessa tarefa. Mas os
motivos e encorajamentos dados pela graça para
empreender a completa ruína do pecado. em uma
forma de dever são como dar vida, alegria, coragem e
perseverança; e animam continuamente, aliviam e
revivem a alma, em todo o seu trabalho e dever,
conservando-a do desmaio e do desânimo: pois são
todos tirados do amor de Deus e de Cristo, de toda a
107
obra e do fim da sua mediação, as prontas
assistências do Espírito Santo, de todas as promessas
do evangelho, das suas próprias com as experiências
de outros crentes; todos lhes dando a mais alta
garantia de sucesso e vitória final. Quando a alma
está sob a influência desses motivos, qualquer que
seja a dificuldade e a oposição que ela encontre de
tentações ou surpresas, “renovará sua força, correrá
e não se cansará, caminhará e não desmaiará”,
segundo a promessa, Isaías 40:31.

Quarto, Cristo não está na lei; ele não é proposto


nela, não é comunicado por ela, - nós não somos
feitos participantes dele por meio dela. Esta é a obra
da graça, do evangelho. Nela é Cristo revelado; por
ela é proposto e exibido para nós; assim somos feitos
participantes dele e de todos os benefícios de sua
mediação. E somente ele é quem veio para, e pode
destruir este trabalho do diabo. O domínio do pecado
é o complemento das obras do diabo, onde todos os
seus desígnios se concentram. Este “o Filho de Deus
se manifestou para destruir”. Ele sozinho destrói o
reino de Satanás, cujo poder é exercido no domínio
do pecado. Portanto, a nossa certeza desta verdade
confortável é principalmente resolvida. E o que
Cristo fez, e faz, para este fim, é uma grande parte do
assunto da revelação do evangelho. O mesmo pode
ser dito da comunicação do Espírito Santo, que é a
única causa eficiente principal da ruína do domínio
do pecado; porque “onde está o Espírito do Senhor,
108
há liberdade” e em nenhum outro lugar. Mas nós
recebemos este Espírito não “pelas obras da lei”, mas
“pelo ouvir da fé”, Gálatas 3: 2.

CAPÍTULO 6.

As observações práticas tiradas da aplicação feita de


todo o texto. Tendo aberto as palavras, e feito
algumas aplicações delas, vou agora tomar uma ou
duas observações do desígnio delas, e emitir o todo
em uma palavra de aplicação.

1. É uma misericórdia indescritível e privilégio ser


libertado do domínio do pecado. Como tal, é aqui
proposto pelo apóstolo; como tal, é estimado por
aqueles que acreditam. Nada é mais doce, precioso e
valioso para uma alma em conflito com o pecado e a
tentação do que ouvir que o pecado não terá domínio
sobre ele. Ah! o que alguns dariam para que lhes
fosse dito com poder, para que pudessem acreditar e
ter o conforto disso? “Os insensatos zombam do
pecado” e alguns se gloriam ao serviço dele, que é sua
vergonha; mas aqueles que entendem qualquer coisa
corretamente, seja do que está presente ou do que
está por vir, sabem que essa liberdade de seu domínio
é uma misericórdia inestimável; e podemos
considerar os fundamentos que evidenciam ser
assim. Primeiro, parece ser das causas dela. É aquilo
que nenhum homem pode por seu próprio poder e o
máximo de seus esforços alcançar. Os homens por
109
eles podem se tornar ricos, sábios ou instruídos; mas
nenhum homem por eles pode livrar-se do jugo do
pecado. Se um homem tivesse toda a riqueza do
mundo, ele não poderia comprar essa liberdade;
seria desprezado. E quando os pecadores vão para o
lugar onde o homem rico foi atormentado, e nada
mais têm a ver com este mundo, eles dariam tudo, se
tivessem um interesse nesta liberdade. É isso que a
lei e todos os deveres dela não podem adquirir. A lei
e seus deveres, como declaramos, nunca podem
destruir o domínio do pecado. Todos os homens
encontrarão a verdade disso, que venham a cair sob
o poder da verdadeira convicção. Quando o pecado
os pressiona, e eles temem suas consequências, eles
descobrirão que a lei é fraca, e a carne é fraca, e seus
deveres são fracos, e suas resoluções e votos são
fracos; - tudo insuficiente para aliviá-los. E se eles se
acharem livres um dia, eles encontrarão no próximo
que estão sob cativeiro. O pecado, por tudo isso,
governará sobre eles com força e rigor. E nessa
condição, alguns passam todos os dias neste mundo.
Eles acendem suas próprias faíscas e andam na luz
deles até se deitarem na escuridão e na tristeza. Eles
pecam e prometem emendas, e se esforçam por
recompensar alguns deveres, mas nunca podem se
libertar do jugo do pecado. Podemos, portanto,
aprender a excelência deste privilégio, primeiro, de
suas causas, das quais mencionarei apenas algumas:

110
1. A causa meritória desta liberdade é a morte e o
sangue de Jesus Cristo. Por isso é declarado, em 1
Pedro 1: 18,19; 1 Coríntios 6:20, 7:23. Nada mais
poderia comprar essa liberdade. Sob o poder e
domínio do pecado nós estávamos e não poderíamos
ser libertados sem um resgate. "Cristo morreu,
ressuscitou e penetrou os céus", para que ele pudesse
ser nosso Senhor, Romanos 14: 9, e assim nos libertar
do poder de todos os outros senhores. É verdade que
não houve resgate devido ao pecado ou a Satanás que
foi o autor dele. Eles seriam destronados ou
destruídos por um ato de poder. Tanto o diabo
quanto o pecado, que é sua obra, devem ser
“destruídos”, não apaziguados, Hebreus 2:14; 1 João
3: 8. Mas “a força do pecado é a lei” (1 Coríntios
15:56); isto é, através da justa sentença de Deus,
fomos mantidos pela lei, tão nociva ao poder de
condenação do pecado. Daquela lei não poderíamos
ser livrados, senão por esse preço e resgate. Duas
coisas, portanto, seguem: (1) Aqueles que vivem em
pecado, que voluntariamente permanecem em seu
serviço, e suportam seu domínio, lançam o maior
desprezo na sabedoria, amor e graça de Cristo. Eles
desprezam aquilo que lhe custou tanto; eles julgam
que ele fez uma compra muito tola desta liberdade
para nós com seu querido sangue. Seja o que for, eles
preferem a satisfação atual de suas luxúrias perante
ele. Este é o veneno da incredulidade. Há nele uma
elevada ignorância da sabedoria e do amor de Cristo.
A linguagem dos corações dos homens que vivem no
111
pecado é que a liberdade que ele comprou com seu
sangue não deve ser valorizada ou estimada. Eles o
lisonjeiam com seus lábios no desempenho exterior
de alguns deveres; mas em seus corações eles o
desprezam e todo o trabalho de sua mediação. Mas
está chegando o tempo em que eles aprenderão a
diferença entre a escravidão do pecado e a liberdade
com a qual Cristo torna os crentes livres. E isso é o
que agora é oferecido aos pecadores na dispensação
do evangelho. A vida e a morte estão aqui diante de
vocês; escolha a vida, para que você possa viver para
sempre.

(2) Que aqueles que são crentes, em todos os seus


conflitos com o pecado, vivam no exercício da fé
nesta compra de liberdade feita pelo sangue de
Cristo; porque duas coisas, portanto, resultarão:

[1.] Que eles terão um argumento pesado sempre em


prontidão para se opor ao engano e violência do
pecado. A alma, então, dirá a si mesma: “Devo abrir
mão e separar-me daquilo que Cristo comprou para
mim a um preço tão caro, dando lugar às solicitações
de luxúria ou pecado? Devo desprezar sua compra?
Deus me livre!”, Veja Romanos 6: 2. Por tais
argumentações, a mente é frequentemente
preservada do fechamento com as tentações e
seduções do pecado.
112
[2] É um argumento eficaz para a fé usar em sua
defesa pela libertação do poder do pecado. Não
pedimos nada além do que Cristo comprou para nós;
e se este pedido for seguido, prevalecerá.

2. A causa eficiente interna desta liberdade, ou


aquela pela qual o poder e o domínio do pecado é
destruído em nós, é o próprio Espírito Santo; que
mais adiante evidencia a grandeza desta
misericórdia. Todo ato pela mortificação do pecado
não é menos imediato dele do que as graças positivas
são as pelas quais somos santificados. É “através do
Espírito” que “mortificamos as obras do corpo”,
(Romanos 8:13). Onde ele está, ali e ali sozinho, há
liberdade. Todas as tentativas de mortificação do
pecado sem suas ajudas e operações especiais são
frustrantes. E isso manifesta a extensão do domínio
do pecado no mundo. Somente Aquele por quem
pode ser destruído, e todas essas operações eficazes
por meio das quais é assim, são geralmente
desprezados; e eles devem viver e morrer escravos do
pecado por quem eles são assim. Portanto, grande
parte de nossa sabedoria para alcançar e preservar
essa liberdade consiste no agir da fé na promessa de
nosso Salvador de que nosso Pai celestial “dará o
Espírito Santo àqueles que o pedirem”. Por exemplo,
por qualquer tentação, pedindo poder e domínio em
nós, estamos prontos para nos transformarmos em
nossas próprias resoluções, que em seu lugar não
devem ser negligenciadas; mas clamar
113
imediatamente a Deus para tais suprimentos de seu
Espírito, quando sem os quais o pecado não será
subjugado, e encontraremos nosso melhor alívio.
Tenha isso em mente, tente na próxima ocasião, e
Deus abençoará com sucesso.

3. A causa instrumental dessa liberdade é o dever dos


próprios crentes na destruição do pecado. E isso
também manifesta a importância desse privilégio.
Este é um dos principais objetivos de todos os nossos
deveres religiosos - de oração, de jejum, de
meditação, de vigilância a todos os outros deveres de
obediência; todos eles são projetados para prevenir e
arruinar o interesse do pecado em nós. Somos
chamados para um campo de batalha, para lutar; em
um campo, para ser tentado em uma guerra. Nosso
inimigo é esse pecado, que luta e luta pelo domínio
sobre nós. Isso nós devemos resistir até mesmo ao
sangue; isto é, ao máximo em fazer e sofrer. E
certamente isso é em si mesmo e para nós da mais
alta importância, que, em nomeação divina e
comando, é o grande fim dos esforços constantes de
toda a nossa vida. Segundo, Parece ser da
consideração da servidão que nós somos livrados a
partir daí. A escravidão é aquilo a que a natureza
humana é mais avessa, até que seja degradada e
devassada pelas luxúrias sensuais. Homens de
espíritos ingênuos, em todas as épocas, foram
escolhidos antes para morrer do que para se
tornarem escravos. Mas não existe essa escravidão
114
como aquela que está sob o domínio do pecado. Estar
sob o poder das concupiscências, como a cobiça, a
impureza, a embriaguez, a ambição, o orgulho e
coisas semelhantes, para fazer provisão para
satisfazer seus desejos nas vontades da mente e da
carne, é o pior da escravidão. Mas podemos dizer o
que nos agrada sobre este assunto; ninguém se acha
tão livre, nenhum faz uma aparência de generosa
liberdade para os outros, como aqueles que são
declarados servos do pecado. Se esses não são
homens livres que fazem o que querem, e são, na
maior parte, aprovados naquilo que fazem, que
ofendem todos os seus inimigos, e desprezam como
escravos pusilânimes que não vão ao cúmulo do
excesso com eles, quem será estimado livre? Eles
argumentam, com os fariseus, que eles são os únicos
homens livres e nunca foram escravos de ninguém!
As restrições servis do medo do julgamento divino e
relatos futuros que eles desprezam totalmente! Veja
a descrição, no Salmo 73: 4-11. Quem é tão livre, tão
alegre como essas pessoas! Quanto aos outros, eles
são “atormentados o dia todo e são castigados todas
as manhãs”, versículo 14; sim, eles vão pesadamente
e tristemente sob a opressão deste inimigo, gritando
continuamente pela libertação. Mas a verdade
insistiu em não ser de modo algum impugnada por
esta observação. É uma grande parte da escravidão
dessas pessoas que elas mesmas não sabem ser
escravas, e se orgulham de que são livres. Eles
nascem em um estado de inimizade contra Deus e
115
escravidão sob o pecado; e gostam disso, como todos
os escravos abjetos fazem sob o pior dos tiranos: eles
não conhecem nada melhor. Mas a verdadeira
liberdade consiste em paz interior, tranquilidade
mental, desígnios e inclinações para as melhores
coisas, os objetos mais nobres de nossas almas
naturais e racionais. Todos eles são estranhos para
quem passa suas vidas a serviço da vil e da baixa
luxúria. Não inveje sua galanteria, suas aparições
brilhantes, seus montes de riqueza e tesouros; eles
são, no geral, escravos desprezíveis. O apóstolo
determina seu caso, Romanos 6:17. É uma questão de
eterna gratidão a Deus que somos libertos de sermos
“servos do pecado”. Sim, é uma evidência de graça,
de uma boa estrutura de espírito, quando uma alma
se torna realmente sensível à excelência desta
liberdade, quando encontra o poder e interesse do
pecado para ser tão enfraquecido, quanto ele pode
regozijar-se em Deus e ser grato a ele por isso,
Romanos 7: 25.

Terceiro, é assim com respeito ao fim deste cativeiro,


ou o que traz os homens a isto. Se, depois de toda a
labuta básica que os homens pecadores são postos a
serviço de suas concupiscências; se, depois de todos
os conflitos em que suas consciências os puseram,
com medos e terrores no mundo, - pudessem esperar
alguma coisa de futura recompensa, algo poderia ser
dito para aliviar sua atual miséria: mas “o salário do
pecado é a morte”; a morte eterna, sob a ira do
116
grande Deus, é tudo o que eles devem procurar. O fim
do domínio do pecado é entregá-los à maldição da lei
e do poder do diabo para sempre. Em quarto lugar,
impede os homens de participarem de todo bem real,
aqui e no futuro. O que os homens sob o poder do
pecado desfrutam rapidamente parecerá “coisa de
nada”. Entretanto, eles não têm o menor sabor do
amor de Deus; o que sozinho tira o veneno de seus
prazeres. Eles não têm a menor visão da glória de
Cristo; sem os quais eles vivem em trevas perpétuas,
como aqueles que nunca contemplam a luz nem o sol.
Eles não têm experiência da doçura e excelência das
graciosas influências da vida, da força e do conforto,
do Espírito Santo, nem dessa satisfação e
recompensa que está em santa obediência; nem
jamais chegará ao desfrute de Deus. Todas essas
coisas, e diversas outras do mesmo tipo, poderão ser
insistidas e ampliadas, para manifestar a grandeza da
misericórdia e privilégio que está em uma libertação
do domínio do pecado, como é aqui proposto pelo
apóstolo; mas o projeto principal que eu pretendo é
realizado, e faço apenas um contato com essas coisas.
Acrescentarei uma observação a mais e, com ela,
aproximo-me do final desse discurso: -

2. É o grande interesse de uma alma em conflito com


o poder do pecado se assegurar contra seu domínio,
que não está sob seu domínio, não ter a causa
pendente duvidosa na mente. Para esclarecer a
verdade, podemos observar as seguintes coisas: -
117
Primeiro, o conflito com o pecado, tornando o
arrependimento e a mortificação contínuos
absolutamente necessários, continuará em nós
enquanto estivermos neste mundo. As condenações
da perfeição aqui são contrárias às Escrituras,
contrárias à experiência universal de todos os
crentes, e contrárias ao sentido e consciência
daqueles por quem elas são defendidas, como elas se
tornam evidentes a cada dia. Nós oramos contra isto,
nos esforçamos contra isto, gememos pela libertação
disto; e que, pela graça de Cristo, curando nossa
natureza, não sem sucesso. Mas este sucesso não se
estende à sua absoluta abolição enquanto estamos
neste mundo. Permanecerá em nós até a união da
alma e do corpo, onde se incorporou, se dissolveu.
Essa é a nossa porção; isto é consequente de nossa
apostasia de Deus, e da depravação de nossa
natureza. Assim, você dirá: “Onde serve o evangelho
e a graça de nosso Senhor Jesus Cristo neste caso, se
não for capaz de nos dar libertação aqui?” Eu
respondo: Ela nos dá um alívio quádruplo, o que
equivale virtualmente a uma libertação constante,
embora o pecado permaneça em nós enquanto
estamos neste mundo:

1. É tão ordenado que a continuação do pecado em


nós será o fundamento, a razão e a ocasião do
exercício de toda a graça e de colocar brilho em nossa
obediência. Algumas excelentes graças, como
arrependimento e mortificação, não poderiam ter
118
nenhum exercício, se fosse de outro modo; e
enquanto estamos neste mundo, há uma beleza nelas
que é um desequilíbrio para o mal dos resquícios do
pecado. E a dificuldade que é colocada em nossa
obediência, chamando continuamente para o
exercício e aperfeiçoamento de toda a graça, torna-a
mais valiosa. Aqui está a fonte da humildade e da
autoindulgência para a vontade de Deus. Isso nos faz
amar e ansiar pelo agrado de Cristo, colocando uma
excelência em sua mediação; de onde o apóstolo, ao
considerá-lo, cai naquela expressão: “Agradeço a
Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor!”, Romanos
7:25. Isso nos adoça em nosso descanso e nos
recompensa no futuro. Portanto, a nossa continuação
neste estado e condição neste mundo - um estado de
guerra espiritual - é melhor para nós e altamente
adequado à sabedoria divina, considerando o ofício e
cuidado de nosso Senhor Jesus Cristo para nosso
alívio. Não nos queixemos, não desmaiemos, mas
continuemos fortalecidos até o fim, e teremos
sucesso; pois,

2. Existem, pela graça de Cristo, tais suprimentos e


ajudas de força espiritual concedidas aos crentes, que
o pecado nunca deve prosseguir neles mais do que é
útil e necessário para o exercício de suas graças.
Nunca terá sua vontade sobre eles nem domínio
sobre eles, como já dissemos antes.
119
3. Há misericórdia administrada no e pelo evangelho
para o perdão de tudo o que é mau em si mesmo ou
em qualquer de seus efeitos: “Não há condenação
para os que estão em Cristo Jesus.” Ministrando a
misericórdia, de acordo com o teor da aliança,
sempre desarma este pecado nos crentes de seu
poder condenatório; de modo que, apesar dos
esforços mais elevados, “sendo justificados pela fé,
eles têm paz com Deus”.

4. Há um período em que o pecado, pela graça de


Cristo, será totalmente abolido, isto é, na morte,
quando o curso de nossa obediência está terminado.
Portanto, afirmar que esse pecado e,
consequentemente, um conflito com ele, permanece
nos crentes enquanto eles estão neste mundo, não é
menosprezo à graça de Cristo, que dá tal libertação
abençoada de Deus. Em segundo lugar, há um duplo
conflito contra o pecado. Um está naqueles que são
não regenerados, consistindo na rebelião da luz e da
consciência contra o domínio do pecado em muitos
casos particulares; pois embora o pecado esteja
entronizado na vontade e nas afeições, ainda assim o
conhecimento do bem e do mal na mente, excitado
pelas esperanças e temores das coisas eternas,
elevará a cabeça contra ele, assim como a realização
de deveres diversos e a abstinência do pecado. Este
conflito pode estar quando o pecado está no trono, e
pode enganar a si mesmo, supondo que seja do
domínio da graça, quando é somente da rebelião da
120
luz e da acusação de uma consciência ainda
desmotivada. Mas há um conflito com o pecado onde
a graça tem o domínio e é entronizada; pois embora
a graça tenha a soberania na mente e no coração,
ainda assim os resquícios do pecado, especialmente
nos afetos corruptos, continuamente se rebelarão
contra ela. Agora, este, nós dizemos, é o interesse de
todos, a saber, indagar de que tipo é o pecado com o
qual entram em conflito. Se for do primeiro tipo, eles
ainda podem estar sob o domínio do pecado; se deste
último, eles estão livres dele. Portanto, enquanto a
mente é duvidosa neste caso e indeterminada, muitas
consequências más ficarão perplexas com ela. Eu
mencionarei algumas delas:

1. Tal alma não pode ter paz sólida, porque não tem
satisfação no estado a que ela pertence.

2. Não pode receber refrigério pelas consolações do


evangelho em qualquer condição, pois seus medos
justos do domínio do pecado irão derrotá-la.

3. Ele será morto e formal em todos os seus deveres,


sem coragem e prazer espiritual, o que o fará se
cansar deles. Então,

4. Toda a graça, especialmente a fé, será enfraquecida


e prejudicada continuamente sob esta condição.
121
5. O medo da morte manterá a alma em cativeiro.
Portanto, é altamente necessário ter este caso bem
declarado e determinado em nossas mentes; por isso,
se os discursos precedentes podem contribuir com
qualquer coisa, é o que foi projetado nelas. Só resta
dar algumas poucas instruções de como a prevalência
do pecado, a ponto de tornar o caso sobre seu
governo duvidoso na mente, pode ser evitado. Alguns
dos muitos que podem ser dados eu proponho:

1. A grande regra para prevenir o aumento e o poder


de hábitos viciosos é, em princípio, contra começos.
O pecado não tenta dominar, senão em casos
particulares, por uma luxúria especial ou outra.
Portanto, se algum pecado ou luxúria corrupta
começar, por assim dizer, a estabelecer-se para uma
predominância ou interesse peculiar na mente e nas
afeições, se não for entretido com severa
mortificação, arruinará a paz, se não colocar em
perigo a segurança da alma. E quando isto é assim,
pode ser facilmente descoberto por qualquer um que
mantém uma vigilância diligente em seu coração e
caminhos; porque nenhum pecado se impõe tão
completamente na mente e nas afeições, mas é
promovido nelas pelas inclinações naturais dos
homens, ou por suas circunstâncias em ocasiões de
vida, ou por alguma tentação à qual se expuseram, ou
por alguma negligência em que a frequência dos atos
fortaleceu as inclinações viciosas. Mas essas coisas
podem ser facilmente discernidas por aqueles que
122
estão de alguma forma despertos para as
preocupações de suas almas. O encargo estrito dado
a nós por nosso Senhor Jesus Cristo “vigiar” e “o
sábio”, “acima de tudo, para guardar o coração”, têm
em especial consideração o início do poder de vitória
do pecado em nós. Tão logo uma descoberta é feita
de sua coincidência ou conjunção com qualquer uma
dessas formas de promoção de seu poder, se não se
opuser com a mortificação severa e diligente,
procederá no método declarado, em Tiago 1: 14,15.
Aqueles que seriam sábios devem familiarizar a
sabedoria em suas mentes com uma conversa livre e
contínua com ela. Eles devem dizer à sabedoria: "Tu
és minha irmã", e chamarem a compreensão de sua
parenta, Provérbios 7: 4. Assim, a sabedoria terá
poder sobre suas mentes E se sofrermos algum
pecado, por qualquer uma das vantagens
mencionadas, para nos familiarizarmos com nossas
mentes, se não dissermos a ela: “Ide daqui”, na
primeira aparição de sua atividade na mente para ter
poder em nós, - isto o levará ao trono.

2. Indague cuidadosamente e veja se tais coisas que


você pode fazer ou aprovar em si mesmo não
promovem o poder do pecado, e ajudam em seu
governo em você. Este método David prescreve,
Salmos 19: 12,13. “Pecados secretos”, tais como não
são conhecidos como pecados, podem, para nós
mesmos, abrir caminho para aqueles que são
“presunçosos”. Assim, o orgulho pode parecer nada
123
mais que um estado de espírito pertencente à nossa
riqueza e dignidade, ou nossas partes e habilidades;
a sensualidade pode parecer apenas uma
participação legítima das coisas boas desta vida;
paixão e impertinência, senão um devido sentimento
da falta daquele respeito que supomos devido a nós;
cobiça, um cuidado necessário de nós mesmos e de
nossas famílias. Se as sementes do pecado forem
cobertas com tais pretensões, elas surgirão com o
tempo e produzirão frutos amargos nas mentes e
vidas dos homens. E o início de toda a apostasia,
tanto na religião quanto na moralidade, está em tais
pretextos. Os homens alegam que podem fazê-lo e
legalmente, até que possam fazer coisas abertamente
ilegais.

3. Mantenham seus corações sempre sensíveis sob a


Palavra. Este é o verdadeiro e único estado de
inconsistência e repugnância à regra do pecado. A
perda disto, ou uma decadência aqui, é aquela que
abriu as comportas do pecado entre nós. Onde esse
quadro é um medo consciencioso de pecar, sempre
prevalecerá na alma; onde está perdido, os homens
serão ousados em todo tipo de loucuras. E para que
esse quadro seja preservado, é requerido, -

(1.) Que nós expulsemos todos os hábitos viciosos da


mente que são contrários a ele, Tiago 1:21;
124
(2) Que nos preservemos de uma experiência de seu
poder e eficácia em nossas almas, 1 Pedro 2: 1-3;

(3) Que deixemos de lado todos os preconceitos


contra aqueles que o dispensam, Gálatas 4:16;

(4) Que mantenhamos o coração sempre humilde,


em que somente é a condição ensinável, Salmo 25: 9,
- cada coisa na pregação da palavra vem com uma
cruz e é desagradável para as mentes dos homens
orgulhosos;

(5.) Que oremos por uma bênção no ministério, que


é a melhor preparação para receber benefício por
meio dele.

4. Abster-se daquela paz de espírito que é consistente


com qualquer pecado conhecido. Os homens podem
ter frequentes surpresas em pecados conhecidos,
mas se, enquanto é assim com eles, recusarem toda a
paz interior, senão a que vem pelos mais fervorosos e
sinceros desejos de libertação deles e
arrependimento por eles, podem estar a salvo do
domínio do pecado; mas se os homens puderem, em
quaisquer esperanças, ou suposições, ou resoluções,
preservar uma espécie de paz em suas mentes
enquanto vivem em qualquer pecado conhecido, eles
estão perto das fronteiras daquela segurança carnal
que é o território onde o pecado reina.
125
5. Fazer aplicações contínuas ao Senhor Jesus Cristo,
em todos os atos de sua mediação, para a ruína do
pecado, especialmente quando ele tenta dominá-lo,
Hebreus 4:16. Esta é a vida e alma de todas as
direções neste caso, que não precisa ser ampliada.
Por fim, lembre-se de que a devida sensação de
libertação do domínio do pecado é o motivo mais
eficaz para a obediência universal e para a santidade;
como tal, é proposto e administrado pelo apóstolo em
Romanos 6.

126