Você está na página 1de 9

UNIP-UNIVERSIDADE PAULISTA

Instituto de Ciências Humanas

Curso de Psicologia

Dinâmicas Grupais

Análise do Filme : 12 Homens e 1


Sentença com o embasada na
teoria de Willian Schutz

Elaine Dias Silva RA: 286737-0

Maria Regina Daroz RA: 287047-9

Márcia Liberato RA: 285890-6

Erika Regina Fernandes RA 285661-1

Jundiaí/2011
Introdução

O objetivo desse trabalho, da disciplina Dinâmicas de Grupos é


relacionar a teoria das Necessidades Interpessoais de Schutz com o filme Doze
Homens e uma Sentença.

Conforme Fritzen (2005) todo indivíduo vem a um grupo com


necessidades interpessoais específicas e identificadas. Schutz, diz que os
membros de um grupo não consentem em integrar-se, senão a partir do
momento em que certas necessidades fundamentais são satisfeitas pelo grupo.
Segundo o mesmo autor para Schutz essas necessidades são fundamentais
porque todo ser humano, que faz parte de um grupo as experimenta, mesmo
que em diferentes graus, porém, por outro lado, essas necessidades são
interpessoais e somente em grupo e pelo grupo podem ser satisfeitas.

São três as necessidades identificadas por Schutz: inclusão, controle e


afeição. A primeira necessidade identificada, ao sujeito entrar no grupo, é a de
inclusão, passando a seguir para a de controle e por último a necessidade de
afeição. (Fritzen, 2005).

Considerando o filme acima citado, de 1957 que tem como enredo a


estória de um garoto de dezoito anos porto-riquenho que está sendo julgado
pelo assassinato de seu pai com nove facadas e que terá seu veredito decidido
por um júri popular composto de doze homens, os quais se reúnem por horas
em uma sala fechada e argumentam em torno de inocente ou culpado, onde
dos doze jurados, onze tem certeza que ele é culpado enquanto que apenas
um não o acha culpado, mas também não acredita na sua inocência. É por
causa da indecisão do jurado número oito que começa os conflitos no filme. Ele
vai tentando convencer os outros jurados a terem a mesma opinião que a dele,
pois eles estão lá para decidir sobre a vida de uma pessoa e não de um item
qualquer. Procuraremos identificar e relacionar os diálogos desses homens em
cenas do filme com a teoria de Schutz. A seguir faremos um breve relato de
cada uma das necessidades interpessoais e na seqüência usaremos algumas
cenas do filme para identificá-las.
Descrição das necessidades

Nesta parte iremos descrever um pouco sobre as necessidades


identificadas por Schutz fazendo um link com o filme Doze homens e uma
sentença.

A primeira necessidade é a da inclusão: é a necessidade que todo


membro novo de um grupo apresenta, para se sentir aceito e respeitado. Na
inclusão os membros procuram evidências no comportamento do grupo de que
não são rejeitados pelo mesmo. A inclusão se processa na integralidade
quando o indivíduo sente-se fazendo parte nos processo decisórios do grupo.
As pessoas que se sentem com a auto-estima baixa vão se comportar de
maneira ansiosa, sendo sub-social com atitudes retraídas se afastando das
pessoas ou ultra-social com atitudes extrovertidas. (Oliveira, 2011)

Segundo Fritzen (2005) nessa fase o sujeito formula as seguintes


perguntas: Como serei aceito? Quem me aceitará? Quem nos rejeitará? Que
devo fazer para ser aceito? Em todo grupo onde se estabelece confiança, há
um crescimento da estima e confiança pessoal. Para o funcionamento de um
grupo eficaz, a satisfação da necessidade de inclusão representa um pré
requisito indispensável. Ele ainda diz que qualquer pessoa de um grupo pode
colaborar para sua própria inclusão e a dos outros se saudar os participantes
de uma reunião, providenciar para que todos tenham um crachá, quando
houver membros novos sugerir um exercício de apresentação, fazer sua
própria apresentação, oferecer um “cafezinho” no intervalo, promovendo assim
maior socialização do grupo.

Uma vez satisfeita a necessidade de inclusão, o indivíduo passar para a


segunda necessidade que é a do controle: já incluídos pelo grupo, os
indivíduos sentem-se responsáveis por tudo aquilo que constitui o grupo, sua
estrutura, atividades, objetivos. Tornando-se uma fase onde o jogo de forças
assume caráter importante, uma vez que os membros ao procurarem firmar
seu lugar no grupo, tentam também mostrar seu poder de influência, liderança
e realização. (Oliveira, 2011).
Segundo Fritzen (2005) nessa faze o indivíduo formula as seguintes
perguntas: De quem é o controle nesse grupo que participo? Quem tem
autoridade sobre quem, em que e por quê? Como posso influenciar esse
grupo? Como são feitas as decisões? Que poder tenho eu nesse grupo? Ainda
em Fritzen, todo participante de um grupo pode igualmente aprender, praticar e
compartilhar a influência e o controle quando: Buscar uma posição de comando
ou uma função no grupo, sentir-se a vontade quando os outros buscarem o
comando, sentir que aumenta sua própria influência no grupo, aprender os
diversos estilos de decisão, aceitar a rotatividade no comando e demais
funções do grupo.

A terceira necessidade é a da afeição: onde os indivíduos buscam


provas no grupo de que sua presença é fundamental, isto mostra um desejo
grande de interação emocional. Na afeição o grupo sente confiança para
expressar sentimentos de qualquer natureza na busca do crescimento
individual e grupal. Esta é a última fase a emergir no desenvolvimento de uma
relação humana ou de um grupo. Os indivíduos dependentes tentam satisfazer
suas necessidades de afeto através de relações privilegiadas, desejam
relações hiperpessoais. (Oliveira, 2011).

Fritzen (2005) que a necessidade de afeição é considerada fundamental


por Schutz em toda dinâmica do grupo. Não somente aquele que se junta a um
grupo aspira ser respeitado, ou estimado, por sua competência ou recursos,
mas a ser aceito como pessoa humana, não apenas pelo que tem, mas
também pelo que é. As perguntas feitas pelo indivíduo são: quem gosta de
mim?, a quem eu considero mais, quais as normas usadas no grupo para
expressar afeição ou amizade? Os membros de um grupo podem satisfazer
suas próprias necessidades e a dos outros, quando: chegarem mais cedo para
reunião do grupo com o intuito de conhecerem os outros, expressarem
verbalmente o que sentem em relação aos outros ou ainda quando
demonstram verbalmente apoiar o trabalho dos outros.
Análise do Filme : “Doze Homens e uma Sentença”

O filme Doze Homens e uma Sentença mostra os fatores envolvidos no


processo grupal em um momento decisório, evidenciando como as pessoas
trazem para o grupo e para a tomada de decisão seus padrões,
condicionamentos e história de vida. Evidencia as diferenças individuais que
levam as pessoas à análise de um mesmo fato, visualizarem ângulos e
verdades diferentes; e analisa a capacidade e características no processo da
negociação.

A história gira em torno do comportamento de grupo, através do enfoque


do procedimento dos 12 jurados, com suas diferenças culturais, pessoais e de
formação, expressas em seus valores, preconceitos e falsas certezas . Cada
um dos jurados tem origem, condição social e idade diferente e, como não
podia deixar de ser, diversos tipos de personalidade: entre os doze, há o
tímido, o intelectual, o idoso, o de origem humilde, o imigrante, enfim , cada um
é um ser único e está ali para decidir sobre o destino de outro ser humano.

Analisando-se este filme, é possível discutir os processos e barreiras


comunicacionais que podem ocorrer em uma atividade grupal, expressando os
conflitos existentes, bem como as possibilidades de abertura e ressignificação
dos fatos e da própria realidade, por meio de recursos comunicacionais.

Segundo Schutz, todo grupo passa por fases ou etapas em sua vida.
Estas fases podem repetir-se diversas vezes durante a vida de um grupo,
independente da sua duração.
INCLUSÂO

Podemos notar no começo do filme a fase de inclusão, quando os


jurados entram na sala e cada um procura o seu lugar . Observa-se que havia
um jurado hipersocial, que tentava conversar com outro jurado e também havia
aquele que preferia ficar mais reservado demonstrando se hipossocial.

Exemplo:

No início do filme, quando os jurados entram na sala e cada um procura seu


lugar, buscando se estruturar no grupo

4’:00” em diante

4’:47” jurado oferece chiclete para outro, tentando se enturmar

4’:57” ele ajuda o outro jurado abrir a janela e faz comentário sobre a previsão
do tempo.

16’:00 tímido e sub-social, defende sua opinião, mas não tenta convencer os
outros a concordar com ele.

45’:40” Quer ser aceito, oferece pastilhas. Ainda está na fase da aceitação.

CONTROLE

Na fase de controle que é a fase do poder, da influência e autoridade. No


filme apareceram jurados que não queriam expor seus sentimentos, evitando
tomar decisões que pudessem influenciar os outros, fugindo assim da
responsabilidade do resultado, e outro já totalmente diferente, que se impôs e
queria que todos aceitassem suas idéias, teve jurado também que assumiu a
responsabilidade do seu voto.
Exemplos:

18’:20” Descreve o que entendeu do depoimento do réu e da testemunha,


tenta obter concordância por parte dos outros jurados, tenta manter o controle
da situação.

16’:00” Primeira vez dele em um júri, afirmou sua opinião , mas não
argumentou. Não tentou convencer outros de sua posição. Absteve-se de
tentar convencê-los.

Porém existem também pessoas que querem impor suas idéias e querem
obrigar os outros aceitá-las. Receiam não influir sobre os outros, e de vir a ser
dominado por eles.

18’:20” Defende sua opinião, demonstra autoridade no que diz e tenta manter o
controle da situação.

18’:55” Passa a vez , demonstrando comportamento sub-social.

22’:45” Defende veementemente sua opinião e espera que os outros


concordem com ele. Demonstra levar a discussão para o lado pessoa.

23’:18” Liderança e tentativa de manter o controle.

29’00” Grande embate, alguns discutem e outros se abstêm .

48’00” Pessoas de perfil democrático, que se sentem à vontade em qualquer


situação, expondo suas idéias e ouvindo as dos outros.

AFEIÇÃO:

A terceira fase é de afeição ou abertura, na qual o clima emocional do


grupo pode oscilar entre momentos de harmonia e de insatisfação, hostilidade
e tensão. Estes podem ser observados em vários momentos do filme.
Exemplos:

34’:00” Jurado vota contra, mostra que sua presença é fundamental no grupo.
Foi ignorado até então, forma que encontrou de se firmar como uma peça
importante no grupo.

36’:10” Jurado se desculpa por exaltação anterior, com o objetivo de se manter


importante no grupo.

34’:25” Neste momento, algumas pessoas guardam distância das outras,


mantendo apenas as relações superficiais, até mesmo demonstrando respeito.

44’:00” Descreve e demonstra ter conhecimento de algo que os outros não têm,
tenta se destacar no grupo desta forma.

1:12 Tímido e com comportamento sub-social.


Referências:

FRITZEN S.J. Relações Humanas Interpessoais nas convivências grupais e


comunitárias, Ed. Vozes, Petrópolis, RJ, 2005.

OLIVEIRA, M.N. Lwin, Bion e Schutz: Um olhar a respeito de fases. 2011.


Disponível em www.processosgrupais.com.br. Acesso em 10/05/2011.

Filme

DOZE HOMENS E UMA SENTENÇA. Título original: “Twelve Angry Men”.


Direção: Sidney Lumet. Produção/Distribuição: Fox/MGM. Elenco: Henry
Fonda, Lee J. Cobb, Ed Begley, E.G. Marshall, JackWarden, Martin Balsam,
John Fiedler, Jack Klugman, Edward Binns, Joseph Sweeney, George
Voskovec, Robert Webber. EUA. 1957. Drama. DVD. 96 min.