Você está na página 1de 162

Introdução Teórica

Banda Larga e ADSL


Objetivos do curso

- Compreender os conceitos básicos envolvidos nas


redes de acesso e NGN;

- Conhecer características das tecnologias da família


xDSL (ADSL, VDSL, etc);

- Básico de TCP/IP, seus protocolos e a tecnologia


ATM;

- Compreender VLAN e suas aplicações.


Redes de Acesso Banda Larga

 1 - Introdução à Banda Larga

 2 - Conceitos Fundamentais de ADSL

 3 - TCP/IP e ATM

 4 - VLAN e aplicações

 5 - Solução ADSL para Operadoras de Telecomunicações


O que é Rede de Acesso?

Rede de
Acesso
Metálica,
Óptica e
Rádio

Rede de
Acesso
Metálica,
Óptica e
Rádio

Rede de
Acesso
Metálica,
Óptica e
Rádio

Rede de
Acesso
Operadora de
Metálica,
Óptica e
Telecomunicações
Rádio
Este SLIDE foi deixado propositalmente em branco
Tecnologias de Acesso

HFC VSAT

Coaxial MMDS
RDSI
LMDS
ADSL
Trançado

DigiRadio
HDSL Acesso
Par

Alternativas
GPRS
VDSL
WiMax
Ethernet
SHDSL WiFi
Fibra Óptica
UDSL WCDMA
PLC EPON GPON HSDPA
Evolução do acesso à Internet

Tecnologias de acesso de banda larga

Fibra Fibra Fibra

FTTB FTTB/FTTC HFC

Cabeamento Linha trançada Cabo coaxial


integrado

LAN ADSL Cable Modem

FTTH WLAN
Evolução do equipamento DSLAM

NGN
Evolução da DSLAM

Núcleo IP + Full Service =


Plataforma de Acesso

Núcleo IP Full Service

DSLAM

Núcleo ATM
DSLAM

1G 2G 3G Tempo
Evolução da telefonia fixa
NGN
Evolução da telefonia fixa

Comutação de Núcleo IP + Full Service =


Plataforma de Acesso
Pacotes
Full Service
Comutação de
Circuitos

SoftSwitch
CPA: tronco Media Gateway Analog+AG+MG
analógico/digital Tempo
Alta Velocidade

High Definition TV
100
Standard Definition TV
High Speed Internet
VOIP
bandwidth requirement £º Mbps

50
37
VOIP
VOIP 100K
HSI
5M
21 SDTV
VOIP
SDTV
10 HSI 4M
VOIP
SDTV HDTV
HSI
VOIP
SDTV HDTV HDTV
internet 12M
2002 2004 2006 2008 20010

YEAR
Visão das Redes de Acesso NGN
Qualquer hora, quaisquer serviços. Qualquer lugar, qualquer acesso.
Conferência
Multimídia
Vídeo fone
IP Centrex Internet
… Pacotes de
Soluções

Telefone … Voz – E-mail


Público …
FSAN …

xDSL Modem IAD


Gateway
domiciliar Terminal
WLAN Multimídia

Usuário de
Usuários finais de
consumo final/Soho
negócios
Arquitetura das Redes de Acesso NGN ZTE
IAD Manager ZXSS1 ZXUP10 APP Router Server
SHLR 0 NMS
Service

ZXSS10 SS1 ZXSS10 SS1

Control

Core Core Packet Network

ZXMSG9000 ZXMSG720 ZXMSG ZXSS10 Soft- Video


0 ZXSS10
5200 IAD series BGW Phone phone
Access

Private
PSTN/ Broadband Network
SS7 ISDN
Network Access

PBX
Características da Plataforma
Full-Service da rede NGN

 Alta velocidade
 Possibilidade de garantia de QoS
 Diversos métodos de acesso
 Capacidade de multicast
 Alta Segurança e confiabilidade
 Facilidade de operação e manutenção
Redes de Acesso NGN

Protocolos Utilizados na rede NGN


OSS Open Service NMS
Router Server Application Server

IN XML/FTP
/Radius Parlay
LDAP/TRIP SIP
INAP SNMP
SG OutraOther
Rede
Hl323 Network
Softswitch
SS7 Sigtran Softswitch
TUP/ISUP SIP-
SIP-T

TG H.248 H.323
Other
H.323
Hl323 Network
PSTN
H.248 H.323/MGCP/ H.248 VOIP
H.248/SIP

IAD AG
Terminal Inteligente
Características dos serviços da rede NGN
Serviços focados em TV Largura de banda Largura de banda típica Atraso compelido Perda de Sob
típica (downstream) pacote dema
(upstream) nda
TV radiodifusão – ex. MPEG2 2 - 6 Mb/s ~1s 10-5 Sim
TV de alta definição – HDTV 12 - 19 Mb/s1 ~1s 10-5 Sim
TV paga e NVOD – ex. MPEG2 2 - 6 Mb/s1 ~1s 10-5 Sim
VOD – ex. MPEG2 2 - 6 Mb/s1 ~1s 10-5 Sim
Navegador e EPG (pode ser lançado e < 0.5 Mb/s N/a N/a Não
atualizado localmente, não em
tempo real)
Tela em Tela – dois canais MPEG2 Até 12 Mb/s1,2 ~1s ~1% Sim
Tela em Browser – um MPEG2 Até 9 Mb/s1,2 ~1s 10-5 Sim
Registro de Vídeo Pessoal PVR – 2 - 6 Mb/s local1 N/a N/a Sim
repete arquivo MPEG2 fora do
disco rígido
ITV - TV facilidades de telefonia < 64 kb/s < 64 kb/s <400ms (RTT) ~1% Sim
- TV browser Até 3 Mb/s N/a N/a Sim / Não
- TV e-mail 128 - 640 kb/s Até 3 Mb/s N/a N/a Não
- TV mensagens instantâneas 128 - 640 kb/s Até 3 Mb/s N/a N/a Não
- TV Chat 128 - 640 kb/s Até 3 Mb/s N/a N/a Não
- TV notificação em tela < 64 kb/s N/a N/a Não
- TV jogos interativos 128 - 640 kb/s Até 3 Mb/s ~10ms 10-5 Sim
- TV jukebox de áudio < 128 kb/s ~1s <1% Sim
Características dos serviços da rede NGN
Velocidade
Aplicações entregues em PC
Serviços focados em PC Largura de banda Largura de banda Atraso Perda de Sob demanda
típica típica compelido pacote
(upstream) (downstream)
Acesso de Internet de Alta velocidade (browsing, IM, Chat, 128 - 640 kb/s Até 3 Mb/s N/a N/a Sim/Não
FTP, VPN, acesso, etc.) Até 6 Mb/s Até 6 Mb/s N/a N/a Sim/Não
- Residencial (tipicamente assimétrica)
- SME/SOHO (tipicamente simétrica)

E-Mail baseado em servidor conforme acima conforme acima N/a N/a No

TV ao vivo no PC 300 - 750 kb/s ~1s ~1% Sim

Vídeo sob Demanda 300 - 750 kb/s ~1s ~1% Sim/Não

Vídeo Conferência 300 - 750 kb/s 300 - 750 kb/s <400ms (RTT) ~1% Sim/Não

Telefonia de Voz/Vídeo 64 - 750 kb/s 64 - 750 kb/s <400ms (RTT) ~1% Sim

Jogos Interativos 10 - 750 kb/s 10 - 750 kb/s ~10ms 10-5 Sim

Educação Remota 300 - 750 kb/s ~1s ~1% Sim/Não


Características dos serviços da rede NGN
Qualidade de Serviço

Garantia de QoS

QoS Garantido

RSVP
MPLS-DiffServ
802.1p
QoS Relativo
Classificação
DiffServ Forma
802.1p Marcação
Classificação Queda…
Melhor Esforço Forma
Marcação
Queda… Tempo
Redes de Acesso Banda Larga
Capítulo 2 – Conceitos Fundamentais de ADSL

 Histórico da família xDSL

 A tecnologia ADSL

 ADSL2, ADSL2+, SHDSL, VDSL

 Comparação entre tecnologias xDSL

 Aplicações banda larga


O que é xDSL
 É uma família de tecnologias desenvolvida para prover comunicação de voz
e dados em alta velocidade, utilizando pares de fios metálicos;

 É um sistema de transmissão de dados “last mile” usado para prover ao


assinante, um acesso em banda larga;

 Aproveita a estrutura das linhas telefônicas existentes das companhias;

 O resultado é um baixíssimo custo de implantação.


Histórico da Família xDSL

DSL - Digital Subscriber Line – Linha Digital do Assinante

 Começou nos anos 70

 O ITU-T propôs o ISDN (Integrated Services Digital Network)


 BRI - Basic Rate Interface
 PRI - Primary Rate Interface

 No fim da década de 80 surgiu o HDSL


Histórico da Família xDSL

 1990: A Bell Communications desenvolveu um serviço assimétrico

 Início dos anos 90: Surge o ADSL

 No fim de 1990 surge o VDSL

 Novas tecnologias xDSL (ADSL2, 2+...)


Histórico da Família xDSL

Meio dos Fim dos Começo Fim dos


anos 70 80 dos 90 90

ISDN HDSL ADSL VDSL Outros DSL

Tecnologias xDSL
A Tecnologia ADSL
Evolução no Acesso à Internet

ANTES Central
Telefônica
PSTN
Modem DSLAM
Dial--up
Dial ATU--C
ATU

telefone
splitter splitter

Internet
HOJE
modem
A Tecnologia ADSL
Estrutura da Tecnologia

No ADSL os dados são transmitidos de forma assimétrica.


A taxa de transmissão (largura de banda) de download (direção do assinante) é
bem maior que a taxa de upload.

Download (Mbps)

Server
Upload (Kbps) User

Com o ADSL o mesmo par de fios de cobre pode ser utilizado


simultaneamente para comunicação de voz e dados,
descongestionando as centrais telefônicas e a linha do assinante.
A Tecnologia ADSL
Estrutura da Tecnologia

Residencial
Escritório

Provedores de
Serviços de
Dados (MAN,WAN)
Linha Digital de Assinante
1024 Kbps
8 Mbps
ADSL ADSL

Provedor de
Vídeo
Provedor de
Telefonia
A Tecnologia ADSL
Componentes do Sistema Internet

PSTN
Comunicação entre ATU-C e ATU-R
DSLAM
ATU-R Splitter
Home
network ATU-C
Par Splitter
Trançado

- Ajuste de Velocidade: Fixa, At StartUp ou At RunningTime

- Tipo de Canal: Interleaved ou Fast

- Power Mode: L0, L1, L2

- Modulação: G.dmt, D.lite, Re-adsl, ADSL2, ADSL2+, ANSI T1E1.4, ...


A Tecnologia ADSL
Espectro de Freqüência

POTS Canal de Uplink Canal de Downlink

4kHz 30kHz 138kHz 1.104MHz

(a) Multiplexação por divisão de freqüência (fdm)

POTS Canal de Uplink Canal de Downlink

4kHz 30kHz 138kHz 1.104MHz

(b) Cancelador de Eco (edc)


A Tecnologia ADSL
G.DMT – SNR, ruído e atenuação do canal

69KHz:Upstream pilot 276KHz:Downstream pilot

4.3125KHz

1 7 16 31 64 256
26KHz 1.1MHz
Voice

Upstream sub carrier


band

Downstream sub carrier


Simetria x Assimetria
Provedor de Serviço de Rede Premissas do Cliente
Rede DSL
Arquitetura de Alto Nível
Dados
SHDSL

SIMÉTRICO
Dados SHDSL SHDSL (DSL Par Simples de Alta Taxa de Bits)
 Um par de fios  Transmissão simétrica
 Taxas variáveis de taxa de dados de 192 kbps ~ 2.312 Mbps
 Comprimentos de até 5.5 km

Dados
VDSL

Dados VDSL
VDSL (DSL com Taxa de Dados Bastante Elevada)

ASSIMÉTRICO
 Um par de fios  Oito comprimentos de operação de taxas de linha variáveis
 Configuração plug-n-play auto-rate  Taxas de dados de até 13/52 Mbps
 Comprimento de até 1.5 km

ADSL Dados

Dados ADSL
ADSL (DSL assimétrico)
 Um par de fios  Transmissão assimétrico
POTS
 Taxas de dados de 1.5Mbps/64kbps a 8Mbps/1024kbps com POTS
 Comprimento de até 5.5 km
Organizações Internacionais

Comitê T1E1: responsável pela interface,


alimentação e proteção de redes.
T1E1.4: desenvolve os padrões de acesso DSL

European Telecommunications Standards Institute


TM6 Working Group: responsável pelo
desenvolvimento dos padrões de acesso DSL.
Padrões DSL

G.991.1 High Bit Rate Digital Subscriber Line (HDSL) Transceivers


G.991.2 Single-pair High Speed Digital Subscriber
Line (SHDSL) Transceivers (HDSL2 or SDSL)
G.992.1 Asymmetrical Digital Subscriber Line (ADSL) Transceivers (G.dmt)
G.992.2 Splitterless Asymmetrical Digital Subscriber Line (ADSL) Transceivers (G.lite)
G.992.5 Asymmetric Digital Subscriber Line (ADSL)
) Transceivers (ADSL2+)

G.993 Very High Speed Digital Subscriber Line Foundation
G.994.1 Handshake Procedures for Digital Subscriber Line (DSL) Transceivers (G.hs)
G.995.1 Overview of Digital Subscriber Line (DSL) Recommendations
G.996.1 Test Procedures for Digital Subscriber Line (DSL) Transceivers (G.test)
G.997.1 Physical Layer Management for Digital Subscriber Line (DSL) Transceivers (G.oam)
O ADSL2

O que temos hoje: G.992.1&2 (G.DMT e Lite)

 ADSL2 - padrão ADSL atualizado - G.992.3

 A versão lite: G.992.4 (mais barata)

 Single Ended Line Testing (SELT)

 Maior alcance: 5.5 km


Mudanças Inseridas no ADSL2

ITU-T G.992.3 (G.dmt.bis) – ADSL2


ITU-T G.992.4 (G.lite.bis) – ADSL2 sem splitter

Publicado em Junho de 2002

 Novas características:
 downstream de até 12Mbps
 upstream de 1,2Mbps
 modo standby
 potência baixa (L0, L1, L2)
 re-treinamento em funcionamento
 diagnósticos melhorados
ADSL2+ e suas características
 Ratificado pela ITU-T em Janeiro de 2003 – G.992.5
 Alta Velocidade – Maior Largura de Banda
 24Mbps de downstream (2,2MHz)
 Maior frequência de operação
ADSL2+ e suas características
 Compressão de cabeçalho de célula (alta velocidade)

 ADSL: 32/128 = 25% de overhead

 ADSL2+: 4/128 = 3,125% de overhead

 Granularidade (passos de 4KHz)

 Tom Piloto Adaptativo

 “Seamless Speed Adaptive”

 Controle de Potência

 Benefício a curtas distâncias


Comparação ADSL, ADSL2 e ADSL2+
SHDSL
(Symmetric High Bit Rate Digital Subscriber Line)
 Largura de banda simétrica, variando de 192kbps
(6 km) a 2.3Mbps (2 km)

 Idealmente projetada para o mercado SME / SOHO

 Par simples ou dois pares

 Adequado para transportar voz e dados


 Latência baixa
VDSL
(Very High Bit Rate DSL)
 Características Técnicas:
 VDSL:Very High Bit Digital Subscriber Line
 Taxas de até 52 Mbps (em 30 MHz)
 Simétrico e Assimétrico
 Distância de link: 300 m ~ 1,5 Km
 Compatível com POTS e ISDN

Trasmissão em altas frequencias Melhores características do canal Comprimento da linha


VDSL2
 Taxas de Downstream:
 12,96 Mbps (1500m)
 25,82 Mbps (1000m) = FTTN (Fiber-to-the-Node)
 51,84 Mbps (300m) = FTTC (Fiber-to-the-Curb)
 Taxas de Upstream de 1,6 a 2,3 Mbps
 Taxa Simétrica possível (13 Mbps)
 Mais simples que o ADSL
 Linhas mais curtas, menos restrições de transmissão
 Até 10 vezes mais rápido
 Permite múltiplos video streams
 Compatível com HDTV (19 Mbps ou 10 Mbps comprimido)
Comparação ADSL2+, SHDSL e VDSL1
Mbps
100
Projetado para curtas distâncias
60
Pouca banda larga para suportar
canais multi-HDTV

20
Não suporta triple-play

2
SHDSL
Distância
1 km 2 km 3 km 4 km 5 km
 2005-05-27 ITU-T G.993.2
 VDSL2 :
VDSL1(velocidade alta) & ADSL2+(longa distância)
Totalmente compatível com VDSL1 e ADSL2+
Comparações  ADSL e VDSL1
 Alta velocidade & curta
distância
 Baixa velocidade & longa
distância
250
Mbps

 VDSL2
DS VDSL2 (30MHz)
 Velocidade muito alta & curta
200 distância
 Alta velocidade & média
100Mbps(Sim) & 30MHz distância
 Velocidade de ADSL2+ & longa
150 distância

Média Distância baseada na codificação


em treliça
DS VDSL1 (12 MHz)
100

Tipo ADSL - Longa distância, baseada


na codificação em treliça e correção de
50 erros
DS ADSL2+ (2.2 MHz)

0
0 500 1000 1500 2000 2500 3000 3500 metro
Modelo de Referência Banda Larga

Acesso Equipamentos de Acesso: DSLAM, ATU-C

Borda Servidores de Acesso Banda Larga: conexão do DSLAM com o


backbone

Núcleo Roteamento e processamento do núcleo da rede:


Switch ATM e roteadores de grande porte
Aplicação – Camadas Banda Larga
Assinantes Access
Acesso Edge Core
Administration
Center
WBAS
Estação de usuário
IP/ATM
UAS
DSLAM

ZXDSL
Switch

Ethernet switch
HPNA

Ethernet switch
L2/L3/L4
Ethernet Switch

LAN

ATM

ATM Access
Equipment
Aplicação Banda Larga - Operadoras
DHCP
IP backbone
network
VOD

Concentrador AAA Web


Radius Server

DSLAM
DSLAM
ADSL
LAN
LAN
ADSL
Aplicação Vídeo Sobre ADSL

 Aplicações de Streaming de Vídeo


TV sobre IP
TV Interativa
TV de Negócios
Notícias sob Demanda
Aprendizado à Distância
TCP/IP e ATM
Capítulo 3 – TCP/IP e ATM

 Introdução ao Protocolo TCP/IP


 A camada de aplicação – Visão geral
 A camada de Transporte – Visão Geral
 A camada de Internet – Visão Geral
 ATM – Visão Geral
Conceito básico

Host Host

Internet

TCP/IP
Comparação entre o modelo OSI e o TCP/IP
Modelo OSI Hierarquia TCP/IP Protocolos

7a
Camada de aplicação
Camada
6a de
Camada de apresentação Aplicação
5a
Camada de sessão

4a Camada de
Camada de transporte Transporte

3a Camada de
Camada de rede Rede

2a
Camada de enlace Camada
de
1a Enlace
Camada física
Encapsulamento de pacotes

22Bytes 20Bytes 20Bytes 4Bytes

64 to 1500 Bytes
Principais protocolos da camada de Aplicação

Transferência de arquivos
- TFTP *
- FTP *
- NFS
E-Mail
Aplicação - SMTP
Acesso Remoto
- Telnet *
- rlogin *
Transporte Gerenciamento de rede
- SNMP *
Internet Gerenciamento de nomes
- DNS*
Link de dados

*Usado pelo roteador


Física
Principais protocolos da camada de Transporte

Transmission Control Orientado à


Aplicação Protocol (TCP) conexão
Transporte User Datagram
Protocol (UDP) Sem conexão
Internet

Link de Dados

Física
TCP- Formato do segmento
Bit 0 Bit 15 Bit 16 Bit 31

Porta de origem (16) Porta de destino (16)

Número de sequência (32)

Número de reconhecimento (32)


20
Comprimento Bytes
do Cabeçalho
Reservado (6) Bits de código(6) Window (16)

Checksum (16) Ponteiro de Urgência (16)

Opcionais (0 or 32)

Dados (variável)
Número das portas

F T S D T S R
T E M N F N I
Camada de P L T S T M P
Aplicação N P P P
E
T

21 23 25 53 69 161 520 Port


Numbers
Camada de TCP UDP
Transporte
Número de portas TCP

Porta de Porta de

Origem(SP) Destino (DP)

Telnet Z
Host A Host Z

SP DP Dest. port = 23.


Envie pacotes
1028 23 …
para minha aplicação
de Telnet
Características do UDP – User Datagram Protocol

 Sem confirmações.
 Sem verificações.
 Não confiável.
 Não Orientado a conexão.
 Rápido
 Simples
Formato do segmento UDP

Bit
1 0 Bit 15 Bit 16 Bit 31

Porta de Origem (16) Porta de Destino (16)


8
Bytes
Comprimento (16) Checksum (16)

Dados (Se existir)

TCP x UDP
Principais protocolos da camada de internet

Internet Protocol (IP)


Aplicação
Internet Control Message
Transporte Protocol (ICMP)

Internet Endereço Resolution


Protocol (ARP)
Link de dados
Reverse Endereço
Física Resolution Protocol (RARP)

 Existe no modelo OSI a camada correspondente a camada de Internet no


modelo TCP/IP.
O datagrama IP
Bit
1 0 Bit 15 Bit 16 Bit 31
Versão Comprimento Prioridade & Tipo
(4) Comprimento Total(16)
do cabeçalho(4) de serviço (8)
Flags
Identificação (16) (3) Offset do Fragmento (13)

Tempo de vida (8) Protocolo (8) Checksum do cabeçalho. (16) 20


Bytes
Endereço IP de origem (32)

Endereço IP de destino (32)

Opções (0 or 32 se qualquer)

Dados (Se existir valor)


ICMP – Internet Control Message Protocol

Aplicação

Transporte Destino
1 Não alcançável
ICMP
Echo (Ping)
Internet
Outro
Link de
dados

Físico
ARP- Endereço Resolution Protocol

Eu preciso do
Eu ouço o broadcast. A
endereço
mensagem é para mim.
Ethernet de
Aqui está meu
176.16.3.2.
endereço Ethernet.

172.16.3.1 172.16.3.2

IP: 172.16.3.2 = ???

IP: 172.16.3.2
Ethernet: 0800.0020.1111

Map IP MAC
Local ARP
RARP- Reverse Endereço Resolution Protocol
Eu ouço o
Qual é o Broadcast.
meu Seu endereço
endereço IP é
IP? 172.16.3.25.

Ethernet: 0800.0020.1111 IP = ???

Ethernet: 0800.0020.1111
IP: 172.16.3.25

 Map MAC IP
Endereçamento IP

172.18.0.1 172.16.0.1

172.18.0.2 172.16.0.2
HDR SADA DATA
192.168.1.0
10.13.0.1 172.17.0.1 172.17.0.2 192.168.1.1

 Um endereço único permite a comunicação entre estações finais.


 O Caminho escolhido é baseado no endereço de destino.
Classes de endereço IP
8 bits 8 bits 8 bits 8 bits
Classe A: Rede Host Host Host

Classe B: Rede Rede Host Host

Classe C: Rede Rede Rede Host

Classe D: Multicast
Classe E: Research
Exemplos de endereços de host

172.16.2.2 10.1.1.1
10.6.24.2
E1
172.16.3.10 E0 10.250.8.11
172.16.2.1

172.16.12.12

Tabela de roteamento
Rede Interface
172.16 . 12 . 12 172.16.0.0 E0
Rede Host
10.0.0.0 E1
Endereçamento sem sub-redes

172.16.0.1 172.16.0.2 172.16.0.3 172.16.255.253 172.16.255.254

…...

172.16.0.0

Rede 172.16.0.0
Endereçamento com sub-redes

172.16.3.0

172.16.4.0

172.16.1.0 172.16.2.0

Rede 172.16.0.0
Vantagem do endereçamento com sub-redes
172.16.2.200 172.16.3.5
172.16.3.1
E1
172.16.2.2 E0 172.16.3.100
172.16.2.1

172.16.2.160
172.16.3.150

Tabela de Roteamento
Rede Interface
172.16 . 2 . 160
172.16.0.0 E0
Network Host
172.16.0.0 E1
Vantagem do endereçamento com sub-redes
172.16.2.200 172.16.3.5
172.16.3.1
E1
172.16.2.2 E0 172.16.3.100
172.16.2.1

172.16.2.160 172.16.3.150

Nova Tabela de Roteamento


Rede Interface
172.16 . 2 . 160
172.16.2.0 E0
Network Subnet Host
172.16.3.0 E1
Endereço de Broadcast

172.16.3.0

172.16.4.0

172.16.1.0

172.16.3.255 172.16.2.0
(Broadcast Direcionado)

255.255.255.255
(Broadcast na Rede local)
X
172.16.255.255
( Broadcast para todas as sub-redes)
Planejamento de Sub-rede

20 Sub-redes
5 hosts por Sub-rede
Classe C:
192.168.5.16 192.168.5.0
Outra
Sub-rede

192.168.5.32 192.168.5.48
Planejamento de Sub-rede classe C
IP Host Endereço: 192.168.5.121
Sub-rede Mask: 255.255.255.248
Rede Rede Rede Sub-redeHost

192.168.5.121: 11000000 10101000 00000101 01111001


11111111 11111111 11111111 11111000

Sub-rede : 11000000 10101000 00000101 01111000


Broadcast: 11000000 10101000 00000101 01111111

Sub-rede = 192.168.5.120
Host = 192.168.5.121–192.168.5.126
Broadcast = 192.168.5.127
Cinco Bits de Sub-rede
O que é ATM?
ATM - Asynchronous Transfer Mode

Multiplexação
Exchange
Mecanismo de transmissão
ATM - Introdução
Voz

Dados

Multimídia Célula

• Usa células de comprimento pequeno e fixo (53 bytes)


• É possível obter altas velocidades e grande capacidade para o Hardware
• Não orientada à conexão
• Tipos de serviços
• Altera entre LAN e WAN
• Medições de controle de fluxo
Célula ATM
Cabeçalho Payload

5 Bytes 48 Bytes

 Tamanho reduzido
 5 Bytes de Header
 48 Bytes de Payload
 Tamanho fixo
 Header contém informações do circuito virtual
 Payload pode ser voz, vídeo ou outro tipo de informações.
ATM – Camada de Adaptação

Voice Data Video


Cell Cell Cell
ATM – Camada de Adaptação
AAL Tipos
1 Circuit Emulation
-Constant Bit Rate (CBR)
48 Bytes
2 Low Bit Rate Voice (Real Time)
-Variable Bit Rate (VBR)
3/4 Time Invariant Data

5 Dados Simples

 Faz o mapeamento de aplicações para serviços ATM de mesmo tipo


 Segments/Reassembles em 48 Payloads
 Trata 48 Byte Payloads para a camada ATM
Camada ATM
48-Byte
Payloads
From AAL 5-Byte Header

}
53-Byte Cell
To Physical Layer

Header Contains Virtual


Path
and Channel Identifiers

 Adiciona/remove cabeçalho para 48 Bytes de Payload


 Cabeçalho contém a identificação da conexão
 Multiplexa 53 Byte para conexão Virtual
 Seqüência de entrega dentro da conexão virtual
Camada Física

Enquadramento e Planta de Cabos


Ajuste de
velocidade

Meios Utilizados:
Ampla faixa de
• Par trançado Frame de transmissão
velocidade
• Cabo Coaxial
• Fibra
Compatibilidade
com: - Monomodo

LAN, MAN, WAN - Multimodo


Criação e Transmissão da Célula ATM

Encaminha-
mento da
célula atravéz
Conversão da rede Converte
para ATM, para o
formato Voice Data Video
48-Bytes Cell Cell Cell
Adiciona um correto:
cabeçalho de Elétrico ou
5 Bytes Óptico

Serviços Camada de Camada Camada


Adaptação ATM física
Detalhes do formato da Célula ATM
GFC (4) VPI (8) VPI (12)
GFC General Flow Control VCI (16)
VCI (16) (Solicitado pela UNI cell)

PTI CLP VPI/VCI Virtual Path Identification PTI CLP
HEC /Virtual Channel Identification HEC
PTI Payload Type Identification
48 Byte 3 bit: 48 Byte
Payload 1. User / Control data Payload
2. Congestionamento
3. Subsequence cell
ATM UNI Cell CLP Cell Loss Precedence ATM NNI Cell
HEC Header Error Check:
8 bit CRC
ATM – Rede e Interface
Public UNI
B-ICI
Rede pública ATM

UNI NNI

NNI
Token
Ring
NNI
Rede ATM

• UNI = Interface “User to Network”.


• NNI = Interface “Network to Network”.
• O conteúdo do cabeçalho é trocado com diferentes entidades de
conversação.
Virtual Channel (VC) e Virtual Path (VP)
Virtual Channels (VC)

ATM – Conexão Física Virtual Path (VP)


“Virtual Path Connection”
Virtual Channel Connection (VCC)
E3 Virtual Path (VP)
OC12

Virtual Channels (VC)

Em um VCC Em um VP podem VC é um caminho


podem existir muitos existir muitos VCs lógico na rede ATM
VPs
Connection Flag = VPI/VCI
VCC e VPC
VCC

VPC

UNI
UNI
NNI NNI
VC VP VC
Switch Switch Switch

VPI = 1 VPI = 2 VPI = 26 VPI = 20


VCI = 1 VCI = 44 VCI = 44 VCI = 30

Este tipo de transmissão entre cada elemento (cada salto) é chamado


“cell transmit”.
VP e VC – Comutação

VC exchange/
/cross connection

VCI 1 VCI 2 VCI 3 VCI 4

VP exchange// VPI 1 VPI 3 VPI 2 Port 2


cross connection
VPI 2 VCI 4
Port 1

VCI 1
VCI 2 VPI 1 VPI 3 VCI 3
Port 3

VCI 1 VCI 1
VCI 2 VPI 4 VPI 4 VCI 2
ATM – Comutação
Entrada Saída
Port VPI/VCI Port VPI/VCI 45

1 29 2 45 2
29 64
2 45 1 29 1
1 64 3 29 3
3 29 1 64 29

 A comutação ATM resolve o valor de VPI/VCI


 O valor VPI/VCI de cada porta deve ser único
Tipos de VCs
Permanent Virtual Circuit (PVC)
 Um PVC é um caminho fixo entre sistemas finais específicos. Ele representa
uma conexão que é manualmente configurada e está sempre disponível,
sem nenhum atraso associado ao estabelecimento do circuito.

Switched Virtual Circuit (SVC)


 Diferente do PVC, o SVC é automaticamente criado pela
rede quando necessário e removido após a célula transferida chegar ao
destino.

Soft Permanent Virtual Circuit (SPVC)


 Um SPVC é um circuito híbrido, combinando os elementos encontrados nos
PVCs e SVCs. Com um SPVC a conexão entre cada sistema final
corresponde a uma conexão PVC.
PVC – Permanent Virtual Circuit
Input Output Input Output
Port VPI/VCI Port VPI/VCI Port VPI/VCI Port VPI/VCI
1 29 3 45 1 33 3 02
29 2 30 4 15 2 15 3 14
A 1 64 3 29 1 64 3 29
3 29 1 64 3 29 1 64
1 4 15 2
C
45
B 2 3 3 14
30 43
16 3
1 2
Input Output Input Output
Port VPI/VCI Port VPI/VCI 2 1 Port VPI/VCI Port VPI/VCI
10 4 1 16 2 43
1 45 2 16
2 52 1 29 D 3 14 4 10
1 64 3 29 1 64 3 29
3 29 1 64 3 29 1 64
Classes de serviço ATM
 O modo de transferência assíncrona resume as classes de serviço ATM, sua
característica e relacionamento com os processos específicos ALL.
ATM - Resumo

• Conceito de célula
• Comutação de célula: VPI/VCI
• Tipos de conexões ATM: PVC, SVC, Soft-PVC
• Estrutura da rede ATM: 3 interfaces e 4 níveis
• Tipos de adaptações ATM: CBR, VBR, ABR, UBR
Virtual Local Area Network
Capítulo 4 – VLAN e aplicações

 Introdução à VLAN (Virtual Local Area Network)

 Características da VLAN

 O padrão IEEE 802.1q

 VLAN estática e VLAN Dinâmica


Domínios de Colisão e de Broadcast

Roteador
Repetidor

Ponte
Domínio de Colisão
Domínio de Broadcast
Redes Locais - LAN

Rede Local

Tráfego Broadcast: ARP request,RIP,DHCP,NetBEUI,IPX

Roteador x VLAN
Domínios de Broadcast

Domínio de broadcast 2

Domínio de broadcast 1
Identificação de Quadro - VLAN
VLAN1

VLAN1 VLAN2 VLAN3

Backbone

VLAN1
VLAN3
VLAN2
VLAN3 VLAN2

 Especialmente desenvolvida para comunicações multi-VLAN, inter-switch


 Coloca um identificador único no cabeçalho de cada quadro
 Funções na Camada 2
VLAN 1 VLAN 2 VLAN 3

• Segmentação.

° andar • Flexibilidade.
• Segurança.

° andar


° andar
VENDAS RH ENGENHARIA

VLAN = Domínio de Broadcast = Rede Lógica


Links de Acesso e Tronco
Access Link Trunk Links

É membro de apenas uma VLAN Várias VLANs na mesma interface


Inserção e Remoção dos rótulos

Identificação dos pacotes VLAN:

- IEEE 802.1q
- Cisco ISL
O protocolo 802.1q

DA SA Type Data CRC

Standard Ethernet Frame

DA SA tag Type Data CRC

4 bytes
TCI

TPID Priority CFI VLAN ID

0x8100 0-7 0 ou 1 2 - 4093


Adição dos rótulos de cada VLAN

 Executado com ASIC

Adição do Tag
da VLAN pela Link marcado  Transparente para as estações cliente,
porta de entrada carrega o o cabeçalho 802.1q
identificador de
VLAN
 Efetivo entre switches, roteadores e
switches, switches e servidores 802.1q

Extração do Tag
VLAN pela porta
de
redirecionamento
VLAN Estática

 VLANs baseadas em portas, ou seja, você diz que


qualquer dispositivo que se conecte a uma determinada
porta do swicth pertence a um determinada VLAN.
Exemplo:
VLAN Dinâmica
 VLAN Baseada em MAC — Camada 2
 Opções:
 VLAN Baseada em Sub-rede — Camada 3
 VLAN Baseada em Usuário — Acima da Camada 4
 Exemplo:
Revisão de Termos

 Collision Domain e Broadcast Domain


 Access Link e Trunk Link
 Access port e Trunk Port
 802.1Q
 Static Vlan e Dynamic Vlan
Virtual Local Area Network
Capítulo 5 – Conceitos para Solução ADSL em Operadors

 AAA – Autenticação, Autorização e Bilhetagem


 PPPoE e PPPoE TAG
 Multicast
 STP,RSTP e MSTP
 QoS
 Link Aggregation
 Cascateamento
Tecnologias empregadas no acesso
AAA – Authentication, Authorization and Accouting
 Autenticação
 Confirmação e validação
 ID
 Password, token, certificados digitais, nº telefônico
 Autorização
 Restrições hora, dia, local, múltiplos logins
 Natureza do serviço
 Filtragem de IP
 Designação de endereço, rota
 Controle de banda e tráfego
 Tunelamento compulsório
 Encriptação
Tecnologias empregadas no acesso
AAA – Authentication, Authorization and Accouting
 Tarifação
 Planejamento, gerência, bilhetagem
 Tempo real
 Batch
 Informações típicas:
 ID do usuário
 Natureza do serviço
 Início da comunicação
 Duração

 RADIUS
 DIAMETER
 TACACS (Terminal Access Controller Access-Control System)
 TACACS+
Tecnologias empregadas no acesso
RADIUS – Remote Authentication Dial In User Device

 Dispositivo AAA para acesso de rede ou mobilidade IP


 Usado no Dial-Up e xDSL
 Autenticação PAP, CHAP, EAP
 Sendo aceito ele atribuirá IP, e outros parâmetros
 Eventos monitorados:
 Início / Fim de Sessão
 Total de pacotes transferidos
 Volume de dados da sessão
 Razão do término
PPPoE - motivações
 Diferentes formas de acesso em banda larga
 Crescente número de assinantes
 Dilema de funcionamento das empresas
 Como resolvê-los?
 PPPoE(Point to Point Protocol over Ethernet)
Concepção do PPPoE
 Função
Realizar comunicação ponto a ponto em uma rede de broadcast

 Realização
Encapsular pacote PPP em um quadro Ethernet
Concepção do PPPoE (PPP Packet in Ethernet Frame)

Endereço MAC de destino (6 bytes)

Fonte do endereço MAC (6 bytes)


Tipo de protocolo:
Tipo de protocolo (2 bytes) 0x8863 (Discovery step)
0x8864 (Session step)
Payload
(pacote PPP) Payload: carrega pacote PPPoE

FCS (4 bytes)
Concepção do PPPoE (PPP Packet Format)
Versão Tipo Código Sessão ID
(4 bits) (4 bits) (8 bits) (16 bits)
Comprimento do pacote PPP Payload
(16 bits) Pacote PPP

Payload do pacote PPP

 Versão: 0x01
 Tipo: 0x01
 Código: para identificar os diferentes passos
 Sessão ID: identificar diferentes sessões, por padrão é 0x0000
 Comprimento do Pacote PPP: o comprimento do payload do pacote PPP
 Payload do pacote PPP: o conteúdo detalhado do pacote de protocolos PPP
Princípio do PPPoE
Dois passos:

 Discovery
Usar o protocolo do quadro Ethernet para achar uma ligação para
comunicação entre dois pontos

 Sessão
Construir uma conexão ponto-a-ponto, e transferir dados com
protocolo PPP
Princípio do PPPoE (Discovery)
Quatro passos e quatro pacotes de decoberta:
1. Host envia um quadro de broadcast para procurar por um nó de
acesso (PADI--PPPOE Active Discovery Initiation)
2. Nó de acesso responde ao host que envia PADI (PADO--PPPOE
Active Discovery Offer)
3. O host solicita serviço ao nó de acesso (PADR--PPPOE Active
Discovery Request)
4. Se o nó de acesso satisfizer o exigido, dará ao host um ID de sessão
(PADS--PPPOE Active Discovery Session-confirmation)
Além disso: Qualquer lado pode finalizar uma intercomunicação
(PADT--PPPOE Active Discovery Terminate)
Discovery
PADI (Who has ticket?)

PADO (Seller: I have!)

POWERFAULT DATA ALARM

PADR (Any football ticket?)

BAS
Host PADS (Yes, do you want?)

Session
PPP Session
PPPoE Principle (PADI)

1 2 3 4 5 6 7 8
Endereço Mac de destino: All 1s
Endereço de MAC de destino (6 bytes) Fonte de endereço MAC: endereço
de host
Fonte de endereço MAC (6 bytes)
Tipo de protocolo: 0x8863
Tipo de protocolo (2 bytes) Payload: pacote PPPoE

O 1º passo da descoberta do PPPoE,


Payload PADI é enviado pelo host. É um
quadro de broadcast, então todos os
(pacote PPP) hosts na mesma LAN podem receber
o quadro, incluindo o BAS, se
tivermos apenas um BAS na LAN.
FCS (4 bytes)
Princípio do PPPoE (PADO)

1 2 3 4 5 6 7 8 Endereço Mac de destino: o endereço


MAC que envia PADI
Endereço do MaC de destino (6 bytes)
Fonte de endereço MAC: endereço
Fonte do endereço MAC (6 bytes) de nó de acesso
Tipo de protocolo: 0x8863
Tipo de protocolo (2 bytes)
Payload: pacote PPPoE

O 2º passo da descoberta PPPoE ,


Payload
PADO é do nó de acesso que envia
(pacote PPP) PADI para o host. Após este passo, o
host sabe o endereço MAC do nó de
acesso
FCS (4 bytes)
Princípio do PPPoE (PADR)
 Endereço MAC de destino: endereço do nó de acesso
 Fonte de endereço MAC: o endereço do host
 Tipo de protocolo: 0x8863
 Payload: pacote PPPoE
 O 3º passo do PPPoE discovery ,quando o host recebe PADO de
vários nós de acesso, será selecionado um para enviar PADR, que
é utilizado para requisitar serviço ao nó de acesso com um quadro
unicast.
Princípio do PPPoE (PADS)

 Endereço MAC de destino: endereço do nó do host


 Fonte de endereço MAC: endereço de acesso
 Tipo de protocolo: 0x8863
 Payload: pacote PPPoE
 O último passo do PPPoE discovery, quando o nó de acesso recebe
PADR do host, se satisfizer o exigido, vai atribuir uma única ID de
sessão para o host e depois envia PADS incluindo ID da sessão
PRincípio PPPoE (PADT)

ID da  PADT é usado para finalizar uma


Versão Tipo Código comunicação PPPoE
sessão
(4 bits) (4 bits) (8 bits)  PADT pode ser enviado a
(16 bits)
qualquer momento durante a
Comprimento do pacote Payload comunicação PPPoE
PPP do
 PADT pode ser enviado por um
pacote
(16 bits) host ou nó de acesso, seu quadro
PPP
unicast
 Código: 0x07

Payload do pacote PPP


Princípio PPPoE (Session)

1 2 3 4 5 6 7 8  Endereço MAC de destino:


endereço unicast
Endereço Mac de destino (6 bytes)  Fonte de endereço MAC:
endereço unicast
Fonte de endereço MAC (6 bytes)
 Tipo de protocolo: 0x8864
Tipo de protocolo (2 bytes)  Código do pacote PPP: 0x00
 Como dialogar?
Payload
(pacote PPP)

FCS (4 bytes)
Multicast
Visão Geral de Multicast
 Tráfego Unicast
 Tráfego de Broadcast
 Tráfego de Multicast
 Características do multicast IP
Tráfego Unicast

Video
Server

Receptor Receptor Receptor Not A


Receptor
• Aplicações Unicast enviam uma cópia de cada pacote para todos os endereços de
cliente Unicast
Tráfego Unicast (cont.)
1.5 Mb x 3 = 4.5 Mb

Servidor
de Vídeo

1.5 Mb x 2 = 3 Mb 1.5 Mb x 1 = 1.5 Mb

1.5 Mb x 1 = 1.5 Mb

1.5 Mb x 1 = 1.5 Mb 1.5 Mb x 1 = 1.5 Mb

Receptor Receptor Receptor Não


Receptor
Tráfego Unicast (cont.)

1.5 Mb x 100 = 150 Mb

Video 1.5 Mb x 100 = 150 Mb


Server

1.5 Mb x 100 = 150 Mb

1.5 Mb x 100 = 150 Mb

...
Receptor 1 Receptor 100
Tráfego de Broadcast
1.5 Mb

Servidor
de Video

Eu não quero receber


1.5 Mb 1.5 Mb este streaming de video,
mas a minha CPU ainda
necessita processar
aqueles 1.5 MB de dados!

1.5 Mb 1.5 Mb 1.5 Mb 1.5 Mb

Receptor Receptor Receptor Não


Receptor
• Hosts não utilizando uma aplicação multimídia devem ainda processar o tráfego de broadcast
Tráfego Multicast
1.5 Mb

Servidor
de Video

1.5 Mb 1.5 Mb

1.5 Mb 1.5 Mb 1.5 Mb

Receptor Receptor Receptor Não


Receptor
• Um servidor multicast envia um único stream de dados para múltiplos clientes usando um
endereço especial de broadcast
Características de Multicast IP
 Transmite para um grupo de hosts
 Entrega com confiabilidade “best
effort”

 Suporta membros dinâmicos


 Suporta números e localizações
diversas
 Suporta membros em mais de um
grupo
 Suporta múltiplos fluxos de host
Características baseadas em receptor de Multicast IP
 Receptores enviarão pedidos para se tornarem parte de um grupo
de sessão multicast.

 Roteadores não precisam saber a lista dos hosts membros de cada


grupo. Os roteadores somente precisam saber o grupo, onde haja
pelo menos um host membro naquela subrede.

 Cópias da mensagem são feitas quando a mensagem encontra uma


rota e há membros interessados em outros segmentos do roteador.
STP - Topologia Redundante

Servidor/host X Roteador Y

Segmento 1

Segmento 2

 Topologias redundantes eliminam pontos únicos de falha;


 Porém causam tempestade de broadcast, cópia de vários quadros e problemas de instabilidade
na tabela de endereços MAC
Tempestade de Broadcast

Servidor/host X Roteador Y

Segmento 1
Broadcast

Switch A Switch B

Segmento 2

host X envia um Broadcast


Tempestade de Broadcast

Servidor/host X Roteador Y

Segmento 1
Broadcast

Switch A Switch B

Segmento 2

host X envia um Broadcast


Tempestade de Broadcast

Servidor/host X Roteador Y

Segmento 1

Switch A Broadcast Switch B

Segmento 2

Os Switches continuam a propagar o tráfego de broadcast repetidamente


Cópias de Múltiplos Quadros

Servidor/host X Unicast Roteador Y

Segmento 1

Switch A Switch B

Segmento 2

 O host X envia um quadro para o Roteador Y


 O Roteador Y e os Switches ainda não aprenderam o endereço MAC
Cópias de Múltiplos Quadros
Unicast Roteador Y
Servidor/host X
Segmento 1
Unicast
Unicast

Switch A Switch B

Segmento 2
 O host X envia um quadro unicast ao Roteador Y;
 O Roteador Y e os Switches ainda não aprenderam o endereço MAC;
 O Roteador Y recebe duas cópias do mesmo quadro.
Instabilidade na base de dados MAC

Servidor/host X Roteador Y

Segmento 1
Unicast Unicast

Porta 0 Porta 0
Switch A Switch B
Porta 1 Porta 1

Segmento 2

 O host X envia um quadro unicast ao Roteador Y;


 O Roteador Y e os Switches ainda não conhecem o endereço MAC;
 O Switch A e B aprendem o endereço MAC do host X e mapeiam este na porta 0.
Instabilidade na base de dados MAC

Servidor/host X Roteador Y
Segmento 1
Unicast Unicast
Porta 0 Porta 0
Switch A Switch B
Porta 1 Porta 1

Segmento 2
 O host X envia um quadro unicast ao Roteador Y;
 O Roteador Y e os Switches ainda não conhecem o endereço MAC;
 O Switch A e B aprendem endereço MAC do Host X e mapeiam este na porta 0;
 O quadro para o Roteador Y é repetido por toda a rede;
 O Switch A e B aprendem incorretamente o endereço MAC do Host X na porta 1.
Problemas de Múltiplos Loops
Servidor/host
Broadcast
Loop

Loop

Loop

Workstations

 Complexas topologia pode causar múltiplos loops


 A camada 2 não possui mecanismos para parar o loop
Solução: Spanning Tree Protocol

x Block

 Permite a liberdade de redundância da topologia da rede através do estado de bloqueio de


algumas portas
Funcionamento do STP
 Uma root bridge por rede;
 Uma porta root por nonroot bridge;
 Uma porta designada por segmento.

100baseT

Designated port (F) Root port (F)


Root bridge Nonroot bridge
SW X SW Y
Designated port (F)
x
10baseT Nondesignated port (B)
Seleção da Root Bridge

Switch X Switch Y
Default priority 32768 BPDU Default priority 32768
(8000 hex) (8000 hex)
MAC 0c0011111111 MAC 0c0022222222

 BPDU = Bridge protocol data unit (padrão = envia a cada 2 segundos)


 Root bridge = Bridge com o menor bridge ID
 Bridge ID = Bridge prioridade + endereço MAC da bridge
 Neste exemplo, qual o switch com o menor bridge ID?
Estado das Portas

100baseT

Designated port (F) Root port (F)


Port 0 Port 0
Switch X Switch Y
Default priority 32768 Root bridge Default priority 32768
MAC 0c0011111111 MAC 0c0022222222
Port 1 Port 1
Designated port (F)
x Nondesignated port (B)

10baseT
Bridge Protocol Data Unit (BPDU)

Bytes Field  O BPDU é responsável por:


2 Protocol ID  Eleger uma root bridge;
1 Version
 Determinar a localização dos loops;
1 Message Type
1 Flags  Bloquear portas para impedir loops;
8 Root ID  Notificar mudanças na rede;
4 Cost of Path
 Monitorar o estado do spanning tree protocol.
8 Bridge ID
2 Port ID
2 Message Age
2 Maximum Time
2 Hello Time
2 Forward Delay
Rapid Spanning Tree Protocol

O Rapid Spanning Tree protocol evoluiu a partir do spanning tree protocol e


compartilha os mesmos conceitos bá
básicos;

O RSTP tem todas as funç


funções do STP

O objetivo da evoluç
evolução pro RSTP é a de restaurar a conexão da rede o mais
rápido possí
possível quando a estrutura da topologia mudar
Melhoria do Rapid Spanning Tree

TO ROOT TO ROOT

LAN A LAN A

Designated Port F F Designated Port Designated Port F F Designated Port

LAN A LAN A LAN A LAN A

Blocked Port F Root Port Root Port F Blocked Port


Melhoria do Rapid Spanning Tree

LAN A

Designated Port F
4 1
Handshake request

LAN B Handshake response

3 2
Root Port

A porta designated pode fazer o handshake com a bridge de forma a


entrar no status Forwading rapidamente.
Melhoria do Rapid Spanning Tree
Handshakes devem ocorrer em links ponto a ponto;
Depois do handshake, a porta designada que não está na borda irá mudar para o status de discarding, e
iniciará o handshake nas bridges adjacentes.

F
Designated Port

LAN A

LAN A
Designated Port F F Designated Port

LAN B LAN C

Não em links ponto a ponto


Handshake Diffusion
Melhoria do Rapid Spanning Tree
 Portas da borda de uma rede, ou seja, aquelas ligadas diretamente aos terminais, podem
entrar no status Forwarding, sem nenhum atraso.

TO ROOT

LAN A

LAN B LAN C

Designated Port Blocked Port


F LAN D
Edge Port
Diferenças entre STP e RSTP
 Mudan
Mudançça no modo status da porta;
 Diferentes formatos da mensagem de configuraç
configuração;
 Modos de broadcasting de mensagens de mudanç
mudança topologicas

Nota: O Rapid Spanning Trees també


também usa um único spanning tree, em toda a rede e
não pode resolver o problema de deterioraç
deterioração do desempenho causado pelo
crescimento da rede. É recomendado que a rede tenha menos de 7 dispositivos.
MSTP – Multiple STP

 Multiple STP (MSTP) encaminha quadros com VLAN IDs.

 A topologia pode ser definida como um sistema Common and Internal Spanning Tree (CIST),
que pode ainda ser dividida em CST e Internal Spanning Tree (IST).
MSTP – Multiple STP

CST

IS T
O que é QoS?
 QoS: Quality of Service.
Serviços de rede com diferentes qualidades de serviço são
disponibilizados para satisfazer diferentes requisitos tais como
packets loss rate,delay,jitter e bandwidth, etc.
 Objetivos do IP QoS:
 Prevenir e gerenciar congestionamento de Ip
 Redução da taxa de perda de pacotes
 Controle de Tráfego
 Assegurar largura de banda dedicada para serviços especiais
 Suporte a serviços real-time
Sem QoS…
Me
desculpe
Sou VIP!
Não sou
nada.
IP

Sou
emergência!
Perda de pacotes…

Internet

H e l l o ……

Falando …...

H e o o ……

Ouvindo …...
Atraso…

Internet

O primeiro bit encaminhado O último bit recebido

A A
Processamento Processamento t
de atraso Atraso de atrso
de transmissão

Atraso de fim a fim


Jitter…

Internet

3 2 1 envia
r

3 2 1 recebe

D3 D2 D1

D3=D2=D1
Poor Bandwidth …

10M???
IP

2M!
Garantia de QoS

Garantia de Qos

QoS Garantido

InterServ(RSVP)
MPLS-TE
QoS Relativo

DiffServ

Best Effort

Time
Modelos de QoS
 Modelo de serviço Best-effort
 Modelo de Serviço integrado(Intserv model)
 Modelo de serviço diferenciado(Diffserv model)
 Modelo de serviço MPLS TE
Link Aggregation

 É um método para agregar (combinar) duas ou mais portas/links de


forma a que o switch as considera como um único link lógico.
 Vantages do Link Aggregation
 Permite balanceamento de carga (load-balancing)
 Permite redundância
 Permite criar links agregados (multiplas ligações
 físicas combinadas num única ligação lógica)
Link Aggregation

Uplink 1: 100Mbps

Uplink 2: 100Mbps

Internet 200Mbps DSLAM

 Nota:
 Para combinar 802.3ad e 802.1Q nas mesmas portas, primeiro deve-se
definir o link-aggregation e depois o 802.1Q.
Cascateamento
univ.zte.com.cn