Você está na página 1de 27

“Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes

serão acrescentadas.” Mateus 6:33

Você já se perguntou sobre o que é o Reino de Deus? Eu admito que algumas vezes eu também
já. Somos humanos, pendemos para o que é da carne e somos inclinados para o que é mau.
Nossa natureza nos puxa sempre para nos afastarmos do que é de Deus. Dessa forma, não
conseguimos enxergar o Reino de Deus entre nós, manifesto em Jesus Cristo, porém ao sermos
transformados pela ação do Espírito Santo, somos religados a Deus e passamos a fazer parte
de um Reino celestial que veio à Terra.

No contexto desse versículo bíblico, Jesus ensinava a seus discípulos sobre a confiança em
Deus, em sua provisão e também falava sobre a responsabilidade que aquele que pertence a
Deus tem de ser um voraz multiplicador do Reino de Deus e de Sua Justiça aqui nessa Terra. É
papel de todo cristão verdadeiro procurar a todo custo manifestar em sua vida e procedimento,
atos que estejam de acordo com a justiça do Reino de Deus.

E o que é, na verdade, o Reino de Deus? O Reino de Deus está presente entre nós, pois aqueles
que fazem parte da Igreja, que também chamamos de Noiva, vivem suas vidas de acordo com
a vontade do Rei. Nós que somos os escolhidos somos orientados por Jesus no capítulo 6 de
Mateus (que não é o tripulante do Podcast No Barquinho) a vivermos a nossa vida, não
baseados nesse mundo, mas guiados pelo Reino. Assim, se manifesta o Reino de Deus aqui
nessa Terra, por meio de seus filhos que vivem em suas vidas uma constante batalha pelo
Reino e sua Justiça.

O desafio pra você é manifestar em sua vida atos que identifiquem um cidadão do Reino. Tanto
aqui no virtual quanto no seu dia a dia, no procedimento diário, no trabalho, no futebol, na
rua, em família, faça como aconselhou o apóstolo Paulo em 1 Coríntios 10:31:

“Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de
Deus.”

Viva a sua vida de modo a glorificar o nome do Rei dos reis. Isso é buscar o Reino de Deus da
maneira correta!

E você que ainda não conhece o Rei também pode fazer parte desse Reino, basta reconhecer
Jesus Cristo como único mediador entre você e Deus, pois o Cristo, através de Seu sacrifício
comprou para Deus habitantes e multiplicadores desse Reino que é eterno. Venha fazer parte
dele com a gente!
Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? Ou: Com o que nos
vestiremos? Porque os gentios é que procuraram todas estas coisas; pois Vosso Pai Celeste
sabe que necessitais de todas elas; buscai, pois, em primeiro lugar, o Seu Reino e a Sua Justiça,
e todas estas coisas vos serão acrescentadas. (Mateus 6:31-33)

A Busca Espiritual, A Busca da Intimidade com Deus através da Oração, do Louvor, da Adoração
ao Senhor em Espírito e em Verdade. Devemos buscar primeiramente o Reino de Deus, porque
somente vamos encontrar as demais coisas quando nos importarmos menos com coisas que
não edificam nossas vidas e buscarmos mais e mais do Reino de Deus em nossas vidas. Deus
sabe das nossas necessidades enquanto aqui vivermos, Ele não nos desamparará, Ele sempre
estará conosco, porém o que deixa Jesus Cristo triste é que as pessoas primeiramente buscam
as coisas terrenas, se preocupam com o dia a dia mais do que com as coisas Espirituais, com
Deus. Devemos primeiramente Amar a Deus sobre todas as coisas, Primeiro Deus, Primeiro o
Reino de Deus, e todas as demais coisas Deus o fará.

Deus nosso Pai Celestial quer o melhor para Seus Filhos. A Palavra de Deus nos Revela no Livro
de Lucas 11:11-13 "Qual dentre vós é o pai que, se o filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra?
Ou se pedir um peixe, lhe dará em lugar de peixe uma cobra? Ou, se lhe pedir um ovo lhe dará
escorpião? Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais o
Pai Celestial dará o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?

Amados irmãos e irmãs em Cristo Jesus, Deus nos deixou o Espírito Santo de Deus aqueles que
Aceitarem Jesus como Único e Suficiente Salvador de suas vidas, Deus nos deixou o Consolador
para nos Orientar nos Caminhos do Senhor Jesus Cristo a fazermos somente a Vontade de
Deus Pai Celestial, pois a Vontade de Deus em nossas vidas é Maravilhosa. Deus quer o Melhor
para os Seus Filhos mas devemos estar em Obediência a Palavra de Deus, devemos estar
Buscando ao Senhor a todo momento, devemos entregar as nossas vidas a Jesus, e todas as
demais coisas vos serão acrescentadas. Tenhamos Fé em Deus e vamos esperar no Tempo de
Deus todas as coisas sendo concretizadas pelas Poderosas Mãos de Deus. Confie, Creia em
Deus, no Agir de Deus e no Tempo de Deus para nossas vidas. "SOMOS MAIS QUE
VENCEDORES EM CRISTO JESUS" Amém
Reflexão sobre a distorção de Mateus 6:33

Poucos textos são tão distorcidos, num sentido expansionista de seu significado, como vejo
sendo feito com o contexto de Mateus 6:25-34. Vou explicar o porquê, mas antes complete
para mim o seguinte versículo: “buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e
todas ???????“.

Se você for como a grande maioria das pessoas que conhecem essa referência, deve ter
completado o texto assim: “as DEMAIS coisas lhe serão acrescentadas“.

Bem, aí está justamente o problema, as pessoas expandiram o sentido original do texto para
abarcar o que ele não diz, mesmo que tenha sido com uma boa intenção, talvez; … mas o texto
não diz isso, … sendo assim observe o que diz o texto :

“buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas ESTAS coisas vos serão
acrescentadas“. (Mateus 6:33)

Entenda, o texto não diz as DEMAIS coisas, o texto diz ESTAS coisas; e sobre quais coisas ao
que o texto se refere? A resposta está no contexto, veja:

“Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? Ou: Com que nos
vestiremos? Porque os gentios é que procuram todas ESTAS coisas; pois vosso Pai celeste sabe
que necessitais de todas elas;” (Mateus 6:31-32)

Observe que em todo o contexto dos versículos 25 ao 34, Jesus se refere à alimentação
(comida e bebida) e ao vestuário, e quando se refere a ESTAS coisas está se referindo
unicamente ao que foi referenciado anteriormente. Mas o que vemos hoje? As pessoas
trocaram o ESTAS, relacionados às questões de necessidade básica, para as DEMAIS,
expandindo o conceito para abranger até mesmo o supérfluo, indo para os desejos pessoais
(muitas vezes egocêntricos); coisas que abrangem carros, casas, iates, fortunas e outros.

Não estou dizendo que desejar estas outras coisas seja um problema em si ou que seja ruim,
toda recompensa ao trabalho é bem-vinda, ainda mais quando abençoa aos demais, mas o que
eu quero enfatizar é que o compromisso do texto e da promessa divina para com quem busca
o Reino de Deus e a Sua justiça em primeiro lugar é de ter ESTAS necessidades básicas de
alimento e vestuário atendidos, na verdade, todo o mais (as DEMAIS), em grande parte são
apenas supérfluos, mas infelizmente o que vemos hoje em dia é que o supérfluo é o que é, de
certa forma, enfatizado e não o básico ao que o texto se refere.

O que dizer então da prioridade recomendada pelo Senhor (de buscar primeiro o Seu reino e a
Sua justiça)? A maioria esquece da recomendação sobre a prioridade, que deve ser atendida, e
se concentra apenas no resultado desejado e expandido. Sendo assim, por vezes estamos
incorrendo no erro que Paulo recomenda que se evite e que está relatado em I Coríntios 4:6:
“… aprendais isto: não ultrapasseis o que está escrito; …“.

Esse tipo de distorção, acaba focando no TER ao invés de focar no SER, e este é um grande
problema, entre muitos outros, dos dias atuais.

Portanto, quando ler e meditar nesse trecho novamente, preste bem atenção nesse detalhe
importante.

BUSCAR EM PRIMEIRO LUGAR O REINO DE DEUS

BUSCAR EM PRIMEIRO LUGAR O REINO DE DEUS


CLICK E BAIXE LIVROS PDF E BÍBLIAS GRÁTIS

Quando a bíblia fala de buscar em primeiro lugar o reino de Deus ela está falando de
prioridade, fala daquilo que tem mais importância para nós, é aquilo que ocupa mais a nossa
mente e o nosso tempo. Aquilo que vem a sua mente quando você acorda é algo importante
pra você. Quando Jesus vem a sua mente logo que você acorda é por que e Ele é importante
na sua vida, quando pensar nele te deixa feliz, isso mostra que Ele tem valor pra você. Quando
você cumpre suas ordens você está mostrando que seu reino tem valor, e quando o seu reino
for mais valioso do que todas as outras coisas, é por que você está no lugar onde Deus te quer.

Buscar em primeiro lugar o reino de Deus não quer dizer largar tudo, deixar de trabalhar e
viver integralmente na obra, para alguns isso é literal, por causa do chamado ministerial, mas a
maioria não vai para o ministério, mas mesmo assim Deus os chama a buscar em primeiro
lugar o reino de Deus, e isso quer dizer viver uma vida que exalta a Deus, também quer dizer
viver uma vida de confiança e entrega, onde confiamos o que somos e o que temos a Deus.

Podemos trabalhar secularmente e mesmo assim servir a Deus, com nossas atitudes, com
nossas obras e com nossas palavras.
Jesus quer que seu reino se espalhe e alcance vidas, o objetivo de Jesus é salvar e Ele vai te
usar para proclamar esse reino, seja no seu trabalho, na sua família, na sua escola, ou no seu
bairro, saiba também que onde você estiver aí também estará o Reino de Deus, pois esse reino
está dentro de voz diz o Senhor.

Para buscarmos o seu reino em primeiro lugar precisamos de um pouco de renuncia e


confiança, renunciamos a nossa vontade, damos á Deus mais tempo, e aquilo que deixamos de
investir em nossa vida está sendo dedicado para a glória de Deus e Deus está vendo. Podemos
então ter a certeza que Deus vai suprir cada uma das nossas necessidades, pois ele disse que
cuida de nós, que nos sustenta, e que acrescenta aquilo que precisamos. Quando deixamos de
investir em nosso reino, e passamos a investir no reino de Deus, ganhamos com essa atitude
alguém que cuida da gente, Deus passa a lutar as nossas lutas e pelejar ás nossas batalhas.

1Sm 17.47 Todos que estão aqui saberão que não é por espada ou por lança que o Senhor
concede vitória; pois a batalha é do Senhor, e ele entregará todos vocês em nossas mãos.

Fp 4.19 Meu Deus suprirá todas as vossas necessidades segundo as suas riquezas na glória
em Cristo Jesus.

Is 64.4 - Desde os tempos antigos ninguém ouviu, nenhum ouvido percebeu, e olho nenhum
viu outro Deus, além de ti, que trabalha para aqueles que nele esperam.

Precisamos confiar que Deus é um pai e que cuida dos seus filhos. O grande problema é que
muita vezes não confiamos no cuidado de Deus, e temos medo de se entregar mais a Deus.
Saiba que nossa vida está no controle de Deus, quando nos damos mais a Deus, recebemos
mais Dele em nossas vidas, saiba também que Deus não desamparará aquele que ousa confiar
Nele.

Para sermos discípulos precisamos confiar nossa vida a Deus e crer que Deus fará o resto.

Lc 12.21 Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus.

Lc 12.22 E disse aos seus discípulos: Por isso vos digo: Não estejais ansiosos quanto à vossa
vida, pelo que haveis de comer, nem quanto ao corpo, pelo que haveis de vestir.

Lc 12.23 Pois a vida é mais do que o alimento, e o corpo mais do que o vestuário.

Lc 12.24 Considerai os corvos, que não semeiam nem ceifam; não têm despensa nem celeiro;
contudo, Deus os alimenta. Quanto mais não valeis vós do que as aves!

Lc 12.25 Ora, qual de vós, por mais ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado à sua
estatura?

Lc 12.26 Porquanto, se não podeis fazer nem as coisas mínimas, por que estais ansiosos pelas
outras?

Lc 12.27 Considerai os lírios, como crescem; não trabalham, nem fiam; contudo vos digo que
nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como um deles.
Lc 12.28 Se, pois, Deus assim veste a erva que hoje está no campo e amanhã é lançada no
forno, quanto mais vós, homens de pouca fé?

Lc 12.29 Não procureis, pois, o que haveis de comer, ou o que haveis de beber, e não andeis
preocupados.

Lc 12.30 Porque a todas estas coisas os povos do mundo procuram; mas vosso Pai sabe que
precisais delas.

Lc 12.31 Buscai antes o seu reino, e estas coisas vos serão acrescentadas.

Lc 12.32 Não temas, ó pequeno rebanho! porque a vosso Pai agradou dar-vos o reino.

Lc 12.33 Vendei o que possuís, e dai esmolas. Fazei para vós bolsas que não envelheçam;
tesouro nos céus que jamais acabe, aonde não chega ladrão e a traça não rói.

Lc 12.34 Porque, onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.

Deus nos ensina que o reino de Deus é nosso maior tesouro, e que existe uma recompensa
para nós, tanto terrena como celestial, quando Deus é o primeiro em nossas vidas, recebemos
então o cuidado de Deus. Quando nossa vida é mais importante do que Deus, então não
recebemos o cuidado dele, e somos nós mesmos que precisamos cuidar da nossa vida.

Deus quer reinar na vida de cada pessoa e nós somos responsáveis em levar Jesus até ás elas,
para que assim Deus possa reinar.

Para que Deus reine em nossas vidas precisamos demonstrar isso com obras e atitudes.

São ás nossas atitudes que demonstram o quanto buscamos o reino de Deus e também por
nossas atitudes demonstramos o tamanho da nossa fé.

Nossas atitudes demonstram o nosso compromisso com Deus, para isso temos que refazer
nosso estilo de vida e mudar nossas prioridades.

A nossa vida deve ser parecida com a vida de Jesus, devemos buscar diariamente caminhar
para a vontade de Deus, e cumprir o que Deus espera nós. Nossa vida diária deve ser
carregada dos sentimentos que havia em Jesus, deve ser cheia de amor humildade e
compaixão.

Devemos vigiar contra a preguiça e o conformismo, que acabam entrando em nossa vida sem
avisar e sufocam a palavra de Deus.

Muitas vezes nós temos preguiça de ir á igreja, de visitar, de falar de Jesus, de ler a bíblia e de
orar, isso nos mostra que não estamos buscamos em primeiro lugar o reino de Deus, e muitas
vezes nós até torcemos para que o culto acabe logo para que possamos fazer outra coisa,
talvez assistir TV, sair com os amigos, ou buscar algum divertimento qualquer.

Em nosso dia a dia encontramos varias pessoas, mas não nos preocupamos em saber se elas já
possuem Jesus em suas vidas, falamos com elas sobre vários assuntos, mas não falamos sobre
a palavra de Deus. Vivemos em uma comodidade, pensamos que já estamos fazendo nossa
parte e isso já está bom, está tudo bem por que já somos salvos, mas e os outros? E o reino de
Deus como fica?

Muitas vezes não fazemos nada para Deus, mas criticamos os que fazem, acabamos colocando
barreiras e vemos defeitos um todo mundo, em vez de ajudar nós atrapalhamos.

O nosso papel no reino de Deus é pregar a palavra e levar o evangelho ás pessoas, para que
pela verdade elas sejam livres e Deus possa reinar sobre elas.

Mt 10.7 e, indo, pregai, dizendo: é chegado o reino dos céus.

Lc 9.60 mas Jesus lhe observou: deixa aos mortos o enterrar os seus mortos; porém tu vai e
anuncia o reino de Deus.

Temos que confiar no acrescentar de Deus em nossas vidas, pois quando fazemos algo para
Deus, Ele por outro lado faz algo por nós. Muitas pessoas vão se surpreender quando verem
que sua vida se tornou muito abundante depois que começaram a buscar em primeiro lugar o
reino de Deus, pois Deus vai trabalhar em seu favor.

O medo paralisa, pois nós nos perguntamos, quem é que vai cuidar de mim se eu dedicar mais
tempo a Deus?

Mais aí entra o acrescentar de Deus e o seu cuidado de pai que nunca se esquece de seu filho.

Mt 6.27 Ora, qual de vós, por mais ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado à sua
estatura?

Mt 6.33 mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão
acrescentadas

Deus acrescenta até ás almas que vão ser salvas, quando confiamos Nele.

At 2.47 louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E cada dia acrescentava-lhes o
Senhor os que iam sendo salvos.

O que Deixamos por amor a Deus Ele mesmo acrescentará.

Mc 10.29 Respondeu Jesus: Em verdade vos digo que ninguém há, que tenha deixado casa,
ou irmãos, ou irmãs, ou mãe, ou pai, ou filhos, ou campos, por amor de mim e do evangelho,

Mc 10.30 que não receba cem vezes tanto, já neste tempo, em casas, e irmãos, e irmãs, e
mães, e filhos, e campos, com perseguições; e no mundo vindouro a vida eterna.
Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas as coisas vos serão
acrescentadas. Não vos inquieteis, pois, pelo dia amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de
si mesmo. Basta a cada dia o seu mal. (Mateus 6:33-34).

O que podemos ver nesses últimos dias, é que não buscamos mais o Reino de Deus, e muito
menos a Sua justiça. Queremos que seja feita a justiça como imaginamos. As igrejas, de um
modo geral, não pregam mais sobre o Reino de Deus, mas sobre tantas outras coisas, coisas
essas que os ouvintes se interessam.

Esses versos de Mateus nos revelam que se buscarmos em primeiro lugar o Reino de Deus e a
Sua justiça todas as coisas nos serão acrescentadas. Mas queremos buscar primeiro os nossos
interesses, a nossa vontade. Na verdade não sabemos esperar a vontade de Deus.

Quando buscamos o Reino de Deus, começamos a valorizar as coisas que Deus valoriza, e uma
das coisas que Deus mais valoriza é a vida humana pode ter certeza. De nada vale vivermos
uma vida inteira dentro da igreja e ao final dela não apresentarmos frutos dignos de
arrependimento. Se não revelarmos em nossa vida uma mudança, uma transformação, e
levarmos pessoas a essa mudança, a essa transformação, não há sentido algum na vida cristã.
Em conseqüência a isso, não há sentido vivermos na igreja e em momento algum nos
interessarmos pelos propósitos de Deus.

Deus nos chama e esse chamado deve revelar uma essência. A obra da nossa vida tem um
propósito, o propósito que Deus
quer.

Deus quer nos usar, Ele quer uma igreja que seja usada, mas precisamos entender esse
chamado, e aprendermos a buscar a manifestação do Reino de Deus. E o Espírito Santo é quem
pode nos ajudar, “Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome,
esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito” (João
14:26). Deus nos tirou das trevas com um propósito.

Precisamos dar prioridade a um relacionamento com Deus, um relacionamento que dá frutos,


que gera filhos.
Para isso precisamos discernir as coisas espirituais, “Pois, o homem natural não compreende
as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque
elas se discernem espiritualmente”, (I Coríntios 2:14).
Buscando o Reino de Deus em primeiro lugar passamos a entender as coisas espirituais, e
começamos a nos interessar cada vez mais por elas. E as coisas materiais passam a ficar em
segundo plano em nossas vidas, começamos a dar menos valor a elas.

A nossa vida deve revelar que somos salvos, que somos um cidadão do céu. Isso é o que Deus
quer extrair das nossas vidas. Como diz: “Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que
apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto
racional. E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação
do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade
de Deus, (Romanos 12:1-2).
Com tudo que nos é apresentado nos dias atuais, está ficando cada vez mais difícil ser um
servo onde Deus possa extrair algo de bom. Mas Deus insiste em nossa vida, Ele quer nos ver
buscando o Seu Reino e a Sua justiça a cada dia, por mais que o mundo diga que isso está
ultrapassado, que isso não tem mais importância, devemos continuar, pois Deus jamais desiste
de nós.

Que Deus o fortaleça e o abençoe a cada dia.

O Mais Alto E O Maior

APRENDENDO O QUE É PRIMEIRO, O MAIS ALTO E O MAIOR

A vida de muitas pessoas é uma confusão. Tudo é aceito sem importar o valor, e passa a uma
massa sem relação e fora de foco. Isto não é verdadeiro em Cristo.

PARA SER UM CRISTÃO A PESSOA PRECISA COLOCAR SEUS VALORES EM ORDEM E SUA VIDA
EM FOCO

É preciso buscar em primeiro lugar, o reino de Deus e sua justiça:

"Mas buscai, em primeiro lugar, o reino de Deus e sua justiça, e todas estas coisas vos serão
acrescentadas." (Mateus 6:33)

Escolher a boa parte, que não será tirada:

"Respondeu-lhe o Senhor: Marta, Marta, estás ansiosa e perturbada com muitas coisas;
entretanto poucas são necessárias, ou mesmo uma só; e Maria escolheu a boa parte, a qual
não lhe será tirada."(Lucas 10:41-42)

E, esquecendo todas as outras coisas, prosseguir para o alvo "da soberana vocação de Deus em
Cristo Jesus":

"Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que,
esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante, prossigo
para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo Jesus." (Filipenses 3:13-14)

TAL CONCENTRAÇÃO DO CORAÇÃO E DA VIDA É DA PRÓPRIA ESSÊNCIA DO DISCIPULADO

Mas se há um foco em Cristo essencial para se tornar um cristão, há também um foco em


Cristo que é essencial para o desenvolvimento de uma vida espiritual bem equilibrada. Nem
tudo no reino de Deus tem igual importância. Algumas verdades assentam no coração do
evangelho e são estas verdades fundamentais que impregnam todo o resto do evangelho com
significado. Precisamos portanto encontrar o centro de gravidade do evangelho e fazer dele o
foco de nossa pregação e nossa fé.

Jesus, em sua fulminante repreensão dos escribas e fariseus pela hipocrisia deles, ataca seus
valores espirituais como completamente fora de condições. "Ai de vós, escribas e fariseus,
hipócritas, porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e tendes negligenciado os
preceitos mais importantes da lei: a justiça, a misericórdia e a fé; devíeis, porém, fazer estas
cousas, sem omitir aquelas! Guias cegos, que coais o mosquito e engolis o camelo!" (Mateus
23:23)

Lucas relata: "... Ai de vós, fariseus! Porque dais o dízimo da hortelã, da arruda e de todas as
hortaliças e desprezais a justiça e o amor de Deus." (Lucas 11:42)

Nas palavras de nosso Senhor não é dirigido ao cuidadoso pagamento do dízimo de ervas
miúdas da horta ("Isto devíeis ter feito") mas à grosseira negligência hipócrita deles de coisas
imensamente mais importantes.

Eles estavam na posição ridícula de um homem que de modo algum comesse uma mosca
(imunda), mas desse um jeitinho de comer camelos (igualmente imundos).

O princípio do foco e do equilíbrio está evidente aqui. Algumas coisas na lei de Deus são mais
pesadas do que outras. Não mais necessárias, porém mais pesadas. E a razão do seu peso
maior é que elas são atitudes do coração que ficam bem no meio de uma vida devota.

SÃO OS VALORES QUE DETERMINAM A ATITUDE DE UM HOMEM PARA COM O PRÓPRIO


DEUS

Uma coisa é ser comprometido com certos mandamentos e Deus e outra ser comprometido
com o Senhor. Não somente algumas coisas na lei de Deus são mais pesadas do que outras,
mas alguns dos mandamentos de Deus são maiores do que outros. Quando a Jesus foi
perguntado por um certo escriba qual era o "GRANDE MANDAMENTO" da lei ou, como Marcos
o diz, "QUAL É O PRINCIPAL DE TODOS?", Jesus respondeu que era o mandamento para amar a
Deus com todo o coração:

"Mestre, qual é o grande mandamento na lei? Respondeu-lhe Jesus: Amarás ao Senhor teu
Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento." (Mateus
22:36-37)

"Aproximou-se dele um dos escribas que os ouvira discutir e, percebendo que lhes havia
respondido bem, perguntou-lhe: Qual é o primeiro de todos os mandamentos? Respondeu
Jesus: O primeiro é: Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor." (Marcos 12:28-29)

E o que torna esse mandamento maior do que "não roubareis" ou "não cometereis adultério,"
ou "não arredondareis as extremidades de vosso cabelo"? O fato que esse mandamento está
no coração da relação de um homem com Deus e determina sua atitude para com tudo que
Deus pediu a ele.

Um judeu, muito cônscio de não danificar as extremidades de sua barba (Levítico 19:27),
provavelmente trataria com indiferença os mandamentos menos atraentes quando não havia
nele amor a Deus.

Mas o homem que ama a Deus tratará tudo o que ele tem dito com reverência, até mesmo o
menor deles:

"Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos
homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar
será chamado grande no reino dos céus." (Mateus 5:19)

Amar a Deus com todo o coração não é o único mandamento de Deus, mas é o primeiro e o
maior, porque nossa atitude para com Deus determina nossa atitude para com sua palavra,
toda ela.

O MESMO PODE SER DITO DO PLANO DA REDENÇÃO

Há muitas coisas no Novo Testamento ditas serem essenciais à salvação, mas são certamente
de modo nenhum iguais em peso.

 O batismo não é igual em importância à graça de Deus.

 A fé não é igual em valor à cruz.

 A igreja local não está nivelada em importância com a intercessão de Cristo por seus
santos.

E isso é verdadeiro ainda que a salvação fosse anulada pela rejeição de qualquer destas
coisas. Paulo não disse: "Longe esteja de mim gloriar-me, salvo na autonomia das igrejas
locais" ou batismo, ou fé, ou a Ceia do Senhor, mas "na cruz de nosso Senhor Jesus
Cristo." (Gálatas 6:14)

Sua fórmula simples era: "Aquele que se gloria, glorie-se no Senhor" (1 Coríntios 1:31; 10:17).
Em resumo, o que Deus tem feito e está fazendo em Cristo para nos dar a redenção sempre
será enormemente mais importante do que poderíamos fazer para aceitar a redenção que
Deus livremente dá em sua misericórdia.

O propósito da severa repreensão ao muito arrevesado sistema de valor dos fariseus não foi
forçar uma escolha entre "justiça, misericórdia e fé" e "dar o dízimo da hortelã, da erva doce e
do cominho". Ele afirma claramente que não era uma questão de "ou isto ou aquilo", mas de
"tanto isto quanto aquilo".

O que o Senhor queria deles era um reconhecimento de onde o âmago da questão está, para
que eles pudessem continuar construindo aquela bela, bem equilibrada integridade espiritual
que ele tem desejado para todos os homens.

No sermão da montanha Jesus fez a seguinte afirmação depois de declarar que não era para
nos preocuparmos com comida, com roupa, com o dia de amanhã: “buscai, pois, em primeiro
lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. ” (Mateus
6:33, BEARA).

Precisamos compreender o que significa buscar o reino de Deus e a Sua justiça em primeiro
lugar, caso contrário, empreenderemos ações equivocadas, cheias de religiosidade e que não
traduzem o significado do que Jesus estava ensinando.

Quando enxergamos a nossa vida como departamentos, como áreas isoladas e não como um
todo, e tudo integrado, temos a ideia de ter uma vida pessoal, uma profissional, uma religiosa,
uma vida relacionada aos amigos, outra com relação aos parentes, outra para com a família,
mas não é assim. Somos um só e tudo está integrado. Quando pensamos em áreas, temos a
noção de poder agir e ser um em cada local. No trabalho somos um e temos uma cara, em casa
somos ou podemos ser outro totalmente diferente, assim nas atividades religiosas, como
qualquer outra ação que façamos. Resumimos nossa vida religiosa a algumas horas de nossa
semana, quando nos aprontamos para ir a missa, a um culto, ou qualquer outra atividade. E
então, pensamos que buscar o reino de Deus em primeiro lugar é levantarmos um pouco mais
cedo e dedicarmos um tempo para orar a Deus, ler a bíblia, fazer uma meditação, depois,
fechamos este departamento e vamos cuidar da nossa vida, sem lembrar que Deus existe, e o
que Ele deseja. Colocamos regras e condições, andamos por aparência, nos esforçamos para
fazer a Sua vontade, ou mesmo pensamos que buscar o Seu reino é “trabalhar na obra” e
“viver da obra”. Tudo isso é pensamento equivocado e não traduz o ensinamento de Jesus.

Precisamos parar de sermos religiosos e buscar em Deus o entendimento da Sua vontade.


Temos que compreender que ser cidadão e filhos de Deus, viver o Seu reino não é coisa que
fazemos “part-time”, mas requer de nós dedicação completa e o tempo todo, não para para
fazer parte do dia, algumas horas do nosso dia, mas temos que entender que vivemos o reino
de Deus de forma plena e integral no que fazemos no nosso dia a dia.

Jesus em Sua oração afirmou o seguinte: “E a vida eterna é esta: que eles conheçam a ti, que
és o único Deus verdadeiro; e conheçam também Jesus Cristo, que enviaste ao mundo.” (João
17:3, NTLH). A vida eterna está relacionada a conhecer a Deus, como único. Conhecendo a
Deus, compreenderemos sobre o Seu reino, e sobre a Sua justiça. Não existe vida eterna sem o
conhecimento do autor da vida, sobre o Criador, que por meio da Sua graça nos salva através
da fé em Jesus Cristo como o Salvador. Tendo sido transportados para o Seu reino, libertos do
reino das trevas, temos que viver neste mundo, no meio dos homens como filhos da luz, como
o sal da terra, como a luz do mundo. Mas precisamos entender a maneira de vivermos aqui.

Por querermos preservar a nossa vida, segundo o nosso pensamento, desprezamos o


ensinamento de Deus, Sua vontade e criamos uma religião que atende aos nossos desejos e
caprichos e nos mantém longe da vontade Daquele que nos chamou para o Seu reino, para a
Sua família.

Precisamos compreender que buscar o reino de Deus está em compreender os Seus valores e
como filhos, no nosso dia a dia, devemos revelar os valores que estão relacionados à Ele e Sua
justiça. Temos que entender que isto não depende dos outros, mas de nós nos empenharmos
em conhecer e compreender a vontade Daquele que nos libertou; pois nisto está a vida eterna,
em conhecê-Lo.

Quando falamos de conhecer Deus, de conhecer os valores do Seu reino, de buscar a Sua
justiça estamos falando das coisas que Ele faz, que revela através de Jesus Cristo. Pensamos
normalmente em regras, em condições, em aparência, em templos, mas nada disto tem a ver
com o reino de Deus. Estas coisas são coisas do homem, e não de Deus. Quando falamos de
Deus a Sua palavra revela quem Ele é, e ela fala que Deus é amor, que revela misericórdia,
graça, bondade, compaixão com os homens. Fala que na cruz Ele cumpriu, por meio de Jesus
Cristo toda a Sua justiça.

Por isso precisamos, com Paulo escreve, como Pedro nos instiga a sermos imitadores de Deus,
a sermos santos, e sermos santos está relacionado a fazermos as mesmas coisas que Deus fez
e faz por nós. Pensamos em Deus como aquele que condena, e Ele não nos condena, já
estamos condenados por causa da nossa rebeldia, porque queremos viver de forma separada
da Sua vontade, vivermos o nosso mundo, do jeito que pensamos e achamos ser o melhor e
não compreendemos que o que Ele planejou quando nos criou é muito maior, muito superior
ao que experimentamos no nosso dia a dia e no nosso viver, sem considerar que não podemos
fazer nada e nem sabemos o que irá nos acontecer no próximo instante, pois não temos o
controle e nem o destino de nossa vida, embora o desejemos ardentemente. Vivermos desta
forma, é vivermos de forma rebelde e fora da Sua vontade, é vivermos longe da Sua família e
do Seu plano para nós homens.

As características, os valores de Deus estão relacionados à graça, a revelação de amor,


compaixão, misericórdia. Jesus não veio para condenar, mas para salvar o que estava perdido.
É nisto que está a revelação e a manifestação do reino de Deus. Outra coisa que precisamos
compreender é sobre a justiça do reino. Ela não fala de condenar, de punir, de apontar a falha,
mas, de reconciliar, salvar, repartir com o outro o que não se tem. Assim Deus fez. Na cruz, ele
reparte conosco a Sua vida, nos tira do poder e domínio do pecado, que nos escraviza e nos
concede vida. Esta é a justiça de Deus, justiça que se revela pelo partilhar, pelo conceder sem
que o outro tenha qualquer merecimento de receber.

Por isso precisamos compreender que buscar o reino de Deus em primeiro lugar está
relacionado a revelarmos no nosso dia a dia os valores do reino. Temos sim, que orar, ler a
bíblia, fazermos a devocional, para compreendermos e entendermos quem é Deus e como Ele
deseja que vivamos neste mundo. Ao termos este entendimento então que pratiquemos os
valores do reino de Deus no nosso dia a dia.

Por isso precisamos, manifestar a misericórdia de Deus, a Sua compaixão, o Seu amor para
com todos os homens e conduzir todos ao conhecimento da Sua vontade. Devemos servir às
pessoas, levando-as ao entendimento e crescimento de maneira que se empenhem em ser
vasos para a honra.

Praticamos a justiça de Deus quando cuidamos daqueles que necessitam: órfãos, viúvas, etc.
Quando ajudamos as pessoas em suas dificuldades, quando repartimos o que temos com os
outros, estamos identificando o reino de Deus aqui na terra. Quando assim andamos, tudo o
que precisamos é de Deus, por meio da Sua graça que supre tudo o que precisamos.

Por isso, vamos parar, vamos repensar sobre o quê e como queremos viver o próximo ano de
nossa vida. Queremos ser filhos de Deus, Seus imitadores, ou queremos continuar em nossa
vida religiosa e cheia de egoísmo e caprichos? Este é o momento de pararmos e refletirmos
onde queremos chegar.
Buscai Primeiro o Reino de Deus

Buscai o Primeiro Reino de Deus

O dinheiro tem sido a resposta para muitos problemas para qualquer pessoa desse mundo,
essa semana me deparei com Roberto, ele tinha discutido com sua mãe e esposa pois viu que
estava atolado em dividas, saiu de sua casa chorando e muito desanimado com toda a
situação. Eu cheguei a Roberto e mostrei um versículo muito maravilhoso da Palavra do
Senhor que diz: "Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos
serão acrescentadas." - Mateus 6:33

Então Roberto parou e me perguntou: "O que é que tem haver meu problema financeiro com
esse versículo?" Se você também fez essa mesma pergunta eu irei te responder com muito
carinho e sei que essa resposta vai mudar tua vida grandemente, pois a partir desse momento
você não ficará mais ansioso(a) e nervoso(a) com as dificuldades deste mundo.

Se pararmos para pensar o mundo é totalmente capitalizado, hoje em dia quem tem mais
dinheiro é quem consegue ter respeito dos outros e quem não tem muitas vezes é humilhado,
mas uma verdade desse mundo que poucas pessoas preferem não ver é que na verdade
ninguém é dono de nada, pois o dono deste mundo é DEUS e mais ninguém, é DEUS quem
decide tudo, então se Deus é dono de tudo, porque é que nós nos estressamos tanto com as
coisas deste mundo? Vamos primeiro buscar o Reino de Deus, dar prioridade as coisas dos
céus, Deus diz em Sua palavra que as outras coisas nos serão acrescentadas e se Deus fala isso
em Sua palavra é porque é verdade. Deus não mente, Deus promete e faz, então se
procurarmos dar prioridade a Deus em tudo em nossa vida, Deus se cuidará de preencher suas
necessidades, tenha certeza disso.
Então voltando para meu amigo Roberto, após ele descobrir essa tão grandiosa verdade e ver
que realmente a Palavra de Deus é verdadeira, ele voltou para sua casa, pediu perdão a sua
esposa e mãe e falou a elas: "Minha esposa e minha mãe, estamos com dificuldades
financeiras hoje, mas eu entreguei nas mãos de Deus, vamos se preocupar em procurar nosso
Pai que é muito mais importante que toda a prata e ouro desse mundo, vamos se preocupar
em espalhar o amor de Deus entre nós e entre todos, porque eu aprendi que meus problemas
Deus já está cuidando de tudo, eu creio no Seu poder, eu creio no me Pai."

A partir dessa mudança do meu amigo Roberto tudo melhorou na sua vida, ele viu que estava
só perdendo sua saúde e sua salvação por causa dos problemas desse mundo e viu que
quando estamos ao lado Deus tudo em nossa vida para a andar para frente, muitas bençãos
vemos dia após dia e o principal garantimos a melhor coisas que irá acontecer em nossa vida
que é viver para sempre ao lado de Deus no REINO DOS CÉUS.

Por Eliseu Antonio Gomes

"Buscai em primeiro lugar o reino de Deus e sua justiça" -Mateus 6.33.

O versículo acima é parte de sermão do monte, é muito conhecido no meio cristão, é muito
comum ser recitado em momentos de adoração. Realmente, trata-se de uma sublime
exortação e precisa mesmo estar em voga. Mas, mesmo tão evocado em tantas gerações de
cristãos, quantos crentes sabem o que significa buscar em primeiro lugar o reino de Deus?

Na dúvida, é importante observar o texto e o contexto para ter condições de interpretar


corretamente o que Jesus quis nos ensinar em Mateus 6.33. Ao nos lançar no estudo do
capítulo, a pesquisa no leva a perceber que o Mestre não fala diretamente "como fazer". A
linha de raciocínio do sermão de Cristo nos traz ilustrações de provisões de Deus para as aves e
para os lírios do campo.

"Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar a um e amar o outro, ou há de


dedicar-se a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas" - Mateus 6.24.

"Por isso vos digo: Não estejais ansiosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer, ou
pelo que haveis de beber; nem, quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a
vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que o vestuário? Olhai para as aves do céu,
que não semeiam, nem ceifam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta.
Não valeis vós muito mais do que elas? Ora, qual de vós, por mais ansioso que esteja, pode
acrescentar um côvado à sua estatura? E pelo que haveis de vestir, por que andais ansiosos?
Olhai para os lírios do campo, como crescem; não trabalham nem fiam; contudo vos digo
que nem mesmo Salomão em toda a sua glória se vestiu como um deles" - Mateus 6.25-29.

Para entender o que o Mestre quis dizer sobre como buscar o reino de Deus, é necessário
fazer a conexão dos versículos 24, 25 ao 29 com o 33.

Não é possível ao ser humano servir inteiramente a Deus e ao Dinheiro. A ansiedade em não
ter o necessário é um sinal negativo. A pessoa que vive ansiosa e temerosa em faltar o
suficiente para comer e vestir-se é escravizada pelo Dinheiro, não é serva de Deus. .

As ilustrações de Deus alimentando pássaros e proporcionando beleza às flores do campo é


uma lição para nós, nos ensina que o Criador - que dá água e comida aos pássaros e faz o
serviço de jardineiro às plantas que, humanamente, estão abandonadas - é o nosso Provedor.

"Mas buscai primeiro o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão
acrescentadas" (versículo 33) é um imperativo que decorre da frase reveladora "não vos
inquieteis, pois, pelo dia de amanhã; porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo"(34). Ou
seja, a inquietação é uma ocupação mental precipitada e inútil!

Na preleção do monte, Jesus Cristo nos convida a servir a Deus de maneira clara e plena,
solicita-nos a escolher quem é o nosso Senhor. Apresenta a opção de desprezar o atrativo que
o Dinheiro tem e descansar na fé e amor de Deus, que zela eficazmente pelo nosso bem-estar.
Afirma que não é possível servir a Deus e ao Dinheiro ao mesmo tempo, ser uma pessoa
escravizada pelo medo da escassez e simultaneamente agradar a Deus. Nos diz que é preciso
escolher apenas um senhorio. Assim, o Mestre, tal qual a sugestão encontrada em
Deuteronômio 30.19, nos mostra que de maneira voluntária o crente deve fazer sua opção
pelo bem e pela vida.

É importante escolher o caminho correto. Faça a sua escolha! Não há nenhuma necessidade de
viver angustiado pensando que passaremos fome e sede, vergonha e frio por carência de
roupas. Quando o crente de aplica a priorizar as coisas pertinentes ao reinado de Deus em seu
viver, sua vida é devidamente cuidada por Aquele que criou todas as coisas.
Ser cristão autêntico é mais do que apenas ter uma vida religiosa de oração e leitura da Bíblia
Sagrada e viver socialmente com uma moral aceitável pela sociedade. Este tipo de
pensamento equivocado era o engano do jovem rico, que foi ao encontro de Jesus e desistiu
de segui-lo quando Cristo solicitou que distribuísse suas riquezas com os pobres (Mateus
19.16-23). Na mente religiosa e mundana daquele jovem religioso, não havia a fé de que Deus
era o seu Provedor, ele acreditava que a resposta de todos os seus problemas estava no poder
aquisitivo das riquezas, ao ouvir a sugestão de compartilhamento de seus bens logo se
amedrontou pensando que passaria por privações se compartilhasse sua fortuna, e
entristecido deu às costas para o Salvador.

Como priorizar de maneira correta o reino de Deus e sua justiça? O sermão do monte e o
relato do jovem rico nos revelam que o coração do ser humano precisa fazer a sua escolha
entre servir ao Dinheiro (confiar no poder de resposta que o Dinheiro dá substituindo
problemas por soluções) e servir a Deus (confiar em Deus e seu amor, que gera a provisão sob
medida às aflições desse mundo).

A relação com a preocupação em possuir Dinheiro, a riqueza como solução para tudo, é
incompatível com a fé em Deus. Qualquer pessoa que busque em primeiro lugar o Dinheiro e
dê vazão à preocupação com o que tem para comer e vestir, jamais será realmente realmente
serva de Deus, no mínimo será uma pessoa religiosa e bem quista aos olhos humanos.

O medo é o inverso da fé e sem a fé é impossível agradar ao Senhor, quem se aproxima dEle


precisa crer que Ele é galardoador, isto é, dá presentes, aos que o buscam (Hebreus 11.6).

A caminhada de busca ao reino de Deus e sua justiça exclui apenas a "preocupação" e não a
ocupação com as coisas desse mundo. "Não andeis ansiosos por coisa alguma; antes em tudo
sejam os vossos pedidos conhecidos diante de Deus pela oração e súplica com ações de
graças; e a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os
vossos pensamentos em Cristo Jesus. Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo
o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de
boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai" - Filipenses 4.6-8. No
idioma grego, neste versículo, o verbo pensar tem a ver com planejamento.

Jamais devemos pensar que importar-se com as coisas dessa vida será sempre algo
pecaminoso. Aos casados, afirmou o apóstolo Paulo, cabe a responsabilidade de cuidar das
coisas dessa vida em como agradará ao seu companheiro de matrimônio (1 Corintios 7.32-33).
Deus não censura o preparo educacional, a reciclagem profissional e o fruto trabalho honesto
que gera uma vida de conforto e riqueza. É importante ocupar-se de maneira digna para
através do próprio suor comprar a alimentação e o vestuário pessoal e da família, ter a
habitação que o abrigará e abrigará a família. A prosperidade conquistada honestamente é um
dom de Deus (Eclesiastes 5.19).

A nossa fé em Jesus Cristo como Filho Unigênito de Deus nos faz filhos de Deus. Ele é nosso Pai
Celestial, sabe de tudo que precisamos, nos ama e vê a realidade antes que o ontem se torne
hoje e o hoje se torne em amanhã e dessa maneira cuida de nós, não permitindo que
nenhuma necessidade básica não seja suprida, portanto, ignoremos o desconforto das
incertezas. É um despropósito ignorar a justiça do Senhor, perder a paz e alegria no Espírito ao
ponto de trocar a busca do reino de Deus pela ansiedade provocada pelo medo da falta de
comida e bebida (Romanos 14.17).

"Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que havemos de comer? ou: Que havemos de beber?
ou: Com que nos havemos de vestir? (Pois a todas estas coisas os gentios procuram.) Porque
vosso Pai celestial sabe que precisais de tudo isso" - Mateus 6.31-32.

Amados irmãos, vamos ler Mateus 6:25-34


25
Por isso, vos digo: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou
beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o
alimento, e o corpo, mais do que as vestes? 26 Observai as aves do céu: não semeiam, não
colhem, nem ajuntam em celeiros; contudo, vosso Pai celeste as sustenta. Porventura, não
valeis vós muito mais do que as aves? 27 Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar
um côvado ao curso da sua vida? 28 E por que andais ansiosos quanto ao vestuário? Considerai
como crescem os lírios do campo: eles não trabalham, nem fiam. 29 Eu, contudo, vos afirmo que
nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. 30Ora, se Deus veste assim
a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós outros,
homens de pequena fé? 31Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? Que
beberemos? Ou: Com que nos vestiremos? 32 Porque os gentios é que procuram todas estas
coisas; pois vosso Pai celeste sabe que necessitais de todas elas; 33buscai, pois, em primeiro
lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. 34 Portanto, não
vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará os seus cuidados; basta ao dia o seu
próprio mal.

“Buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão
acrescentadas”.

Em nossa meditação de hoje, eu não pretendo, mais uma vez, falar aos irmãos sobre o reino
de Deus: a sua origem, a sua natureza e o seu progresso sobre a terra. Pois quando estudamos
o livro de Daniel, e ao começar os nossos estudos aqui no Evangelho de Mateus, aprendemos
que a vinda do reino de Deus era uma promessa antiga, dada através dos profetas do Senhor.
Promessa que iniciou seu cumprimento com a vinda de Jesus ao mundo, com a sua presença
física entre nós, com suas obras de ensino, cura, libertação, com sua morte e ressurreição
pelos nossos pecados. Na vinda de Jesus ao mundo, o reino de Deus se tornou presente entre
nós (Mt 12:28).

Mas o reino de Deus não se resume a isto: ainda conforme as antigas profecias, a cada dia o
reino de Deus continua a crescer entre os homens, onde quer que o Evangelho seja pregado e
recebido com fé; onde quer que os homens, sem distinção de etnia, cor da pele, cultura, sexo,
idade, se convertam ao Senhor Jesus.

Onde quer que, por meio do Espírito Santo falando no Evangelho, os homens são regenerados,
ali o reino de Deus se instala, ali as pessoas são tiradas do império das trevas e transportadas
para o reino do Filho do amor de Deus (Cl 1:13). As pessoas regeneradas começam uma nova
maneira de viver, um novo relacionamento com Deus e os homens, que se estende para o
além, para a eternidade. Quando partem desta vida, é para estar com Cristo, no Paraíso (Lc
23:43; Fp 1:23).

E também a Bíblia nos ensina que este reino que veio em Jesus, que se manifesta agora
quando as pessoas se convertem, este reino também se revelará em toda a sua plenitude no
futuro da terra e do universo inteiro, quando Jesus voltar ao mundo para o dia do juízo final.
Aquele glorioso dia em que Jesus dirá aos que creram nele: “Vinde, benditos de meu Pai, e
entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo” (Mt 25:34).

Quanto à cronologia, então, dizemos que o reino de Deus se manifesta em três tempos: ele já
veio, no passado, na vida, morte e ressurreição de Jesus. Ele acontece agora, por meio do
Espírito e da Palavra de Deus na vida de todos aqueles que, ouvindo o evangelho, se
arrependem de seus pecados e se convertem a Jesus. Eles “nascem de novo” e entram no
reino de Deus (Jo 3:5). A acontecerá no futuro, quando Jesus voltar pessoalmente (Mt 25, etc).

Mas também temos visto o que significa “reino de Deus”: não é, no tempo presente, assim
como não foi no tempo passado, um reino de coisas materiais. O reino de Deus “não é deste
mundo”, não possui sede própria, quartel general, soldados armados, comitês políticos (Jo
18:36) “não é comida nem bebida, mas justiça, alegria e paz no Espírito Santo” (Rm 14:17).
Também não é um reino geograficamente visível, não está aqui ou ali, porque o reino de Deus
está dentro de nós (Lc 17:21). Estas coisas sobre o reino nós temos visto em várias ocasiões.

Também não vamos hoje, meus irmãos, investir o nosso tempo dizendo que no ensino de
Jesus aqui em nosso texto temos a orientação bíblica sobre como devemos fazer para lidar
com a ansiedade. Certamente este é um ensino maravilhoso e necessário, porque neste
mundo temos muitas preocupações que nos afligem: o que comer, o que beber, com o que
vamos nos vestir, são necessidades legítimas, e muitas vezes ficamos ansiosos quanto a estas
coisas. E Jesus nos ensina aqui também sobre esta importante questão.

Mas eu gostaria hoje de focalizar a nossa atenção no mandamento de Jesus no v. 33: “Buscai
primeiro o reino de Deus e a sua justiça”.

Mais especificamente, na palavra “primeiro”. O que, dentro do contexto significa: não se


preocupe, primeiro, com as suas necessidades; confie que o Pai sabe de tudo o que você
precisa, e cuida de você; não se coloque a si mesmo em primeiro lugar, mas coloque o reino de
Deus em primeiro lugar.

E desejo apresentar a nossa meditação a partir de uma pergunta: “O que você tem estado a
buscar primeiro”? Em sua vida diária, em suas atividades, em meio aos seus afazeres... O que,
ou quem você mais deseja? O que, ou quem é que ocupa os teus pensamentos? O que, ou
quem, é o centro das afeições?

Pois buscar primeiro o reino de Deus significa ter a mente e o coração envolvidos com as
coisas de Deus, ou antes, cativados pelas coisas de Deus.

1. Buscar primeiro o reino de Deus significa ter um coração cativado pelo amor do Rei

Quando um homem está cativado pelo reino de Deus, deseja a Deus acima de tudo e de todos.
Mesmo quando está sozinho, o seu rei está com ele, nos seus pensamentos, no seu coração.

Por isto que orar sem cessar é algo natural. Tendo iluminados os olhos do entendimento,
através da fé em Jesus, ele percebe a presença de Deus, o seu rei e soberano Senhor, em todas
as circunstâncias, em todas as situações. Ele vê a presença de Deus na beleza dos lírios do
campo; ele vê o cuidado de Deus na provisão para os pardaizinhos, ele sabe que toda a sua
vida, desde o primeiro momento, até o último, está nas mãos do Senhor. E não fica
preocupado com quantos dias vai viver, pois sabe que, apesar de todo o seu esforço, não pode
acrescentar um côvado ao cumprimento de sua vida. Uma vez que ele percebe a presença e a
providência de Deus em tudo, ele fala com Deus em todo o tempo, em tudo o que faz. E se
alegra em Deus, se deleita em Deus. Se estiver triste, leva a Deus; nas horas de provação, leva
tudo a Deus; deseja fazer o que Deus quer; leva a Deus as suas tentações, os seus pecados;
deposita os seus fardos aos pés da cruz, confiando que o seu Salvador realmente salva,
realmente perdoa, realmente restaura sua alma triste.

Ele deseja a Deus em todo o tempo. Um desejo, uma sede de Deus que se manifesta, por
exemplo, em suas orações particulares.

Voltemos ao ensino de Jesus sobre oração aqui mesmo no capítulo 6:9, 10. Portanto, vós
orareis assim:
9
Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; 10 venha o teu reino; faça-se a tua
vontade, assim na terra como no céu.

Não que a cada vez que oramos tenhamos que começar exatamente com estas palavras. Na
própria Bíblia vemos diversidade na maneira como os homens de Deus oram. Mas há uma
coisa em comum: aquilo que é revelado em cada caso é uma preocupação com a vontade de
Deus, de se promover o seu reino.

Paulo passou vários anos de seu ministério preso, em várias ocasiões. Foi na prisão que
escreveu as cartas aos Efésios, aos Filipenses, aos Colossenses, a Filemon, a 2ª a Timóteo. E em
cada uma delas, diz que se ocupava de orar muito, por todas as igrejas, em pedir que o Espírito
Santo as iluminasse quanto aos propósitos de Deus a fim de que conhecessem sua vontade, de
que crescessem no conhecimento de Deus, que vivessem para o seu inteiro agrado.

O homem que coloca o reino em primeiro lugar se levanta com Deus, caminha com Deus,
trabalha com Deus; quando vai dormir, Deus está em seus pensamentos, e às vezes até sonha
com Deus. Buscar o reino de Deus, entre outras coisas, significa ter o reino de Deus como o
mais proeminente objeto das nossas afeições, dos nossos pensamentos. E ele quer que as
coisas de Deus, a vontade de Deus, os planos de Deus prevaleçam na terra. Ele deseja isto para
a sua vida, para a sua família, para a igreja e para o mundo. Ele ora por isto, ele busca, se
empenha.

2. Buscar primeiro o reino de Deus significa ter um coração cativado pelo amor à igreja, o
povo do reino

O reino de Deus, naturalmente, não se restringe à igreja. Ele é muito mais abrangente, mas a
Bíblia diz que a igreja foi feita reino de Deus.

A visão daquele que busca o reino em primeiro lugar é que igreja espalhada sobre a terra, e
cada igreja em particular, a igreja é, por excelência, a manifestação do reino de Deus sobre a
terra, e também uma agente do reino de Deus no mundo, por meio da qual este reino deve
chegar ao coração dos homens.

Uma das mais belas descrições do relacionamento de Deus com a igreja está no livro do
Apocalipse:

Ap 1:4-6
4
João, às sete igrejas que se encontram na Ásia, graça e paz a vós outros, da parte daquele
que é, que era e que há de vir, da parte dos sete Espíritos que se acham diante do seu trono 5 e
da parte de Jesus Cristo, a Fiel Testemunha, o Primogênito dos mortos e o Soberano dos reis da
terra. Àquele que nos ama, e, pelo seu sangue, nos libertou dos nossos pecados,6 e nos
constituiu reino, sacerdotes para o seu Deus e Pai, a ele a glória e o domínio pelos séculos dos
séculos. Amém!

As sete igrejas da Ásia eram pequenas igrejas que ficavam nas cidades de Éfeso, Esmirna,
Laodicéia, Tiatira, Pérgamo, Filadélfia e Sardes. O apóstolo João, antes de ser preso por causa
do Evangelho, residia em Éfeso, e sua influência se estendia por toda a região da Ásia Menor.
Aqui ele dirige cartas a cada uma destas igrejas, cartas da parte de Deus Pai, do Espírito de
Deus (que aqui é mencionado como sete Espíritos – dando a ideia de perfeição), e de Jesus
Cristo, a fiel testemunha, o que tem a proeminência sobre os mortos, o soberano dos reis da
Terra. Cartas para estas igrejas que, em cada caso, em maior ou menor grau, precisavam ser
consoladas, orientadas, e também corrigidas. Algumas delas incorrendo em pecados graves.
Outras espiritualmente melhores.

Agora prestem atenção nestas palavras sobre Jesus que ele dirige para cada igreja:

“Aquele que nos ama, e, pelo seu sangue nos libertou dos nossos pecados, e nos constituiu
reino, sacerdotes para o seu Deus e Pai...”.

Por isto digo que dedicar-se ao reino de Deus significa também dedicar-se à igreja de Deus,
pois ela foi constituída reino.

Pensemos novamente no apóstolo Paulo. Vejamos o testemunho de suas afeições quanto à


igreja de Deus.

2ª Co 11:20-30
20
Tolerais quem vos escravize, quem vos devore, quem vos detenha, quem se exalte, quem vos
esbofeteie no rosto.21 Ingloriamente o confesso, como se fôramos fracos. Mas, naquilo em que
qualquer tem ousadia (com insensatez o afirmo), também eu a tenho.22 São hebreus? Também
eu. São israelitas? Também eu. São da descendência de Abraão? Também eu.23 São ministros
de Cristo? (Falo como fora de mim.) Eu ainda mais: em trabalhos, muito mais; muito mais em
prisões; em açoites, sem medida; em perigos de morte, muitas vezes.24 Cinco vezes recebi dos
judeus uma quarentena de açoites menos um;25 fui três vezes fustigado com varas; uma vez,
apedrejado; em naufrágio, três vezes; uma noite e um dia passei na voragem do mar;26 em
jornadas, muitas vezes; em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos entre
patrícios, em perigos entre gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos
no mar, em perigos entre falsos irmãos;27 em trabalhos e fadigas, em vigílias, muitas vezes; em
fome e sede, em jejuns, muitas vezes; em frio e nudez.28 Além das coisas exteriores, há o que
pesa sobre mim diariamente, a preocupação com todas as igrejas.29 Quem enfraquece, que
também eu não enfraqueça? Quem se escandaliza, que eu não me inflame?30 Se tenho de
gloriar-me, gloriar-me-ei no que diz respeito à minha fraqueza.

Paulo reconhece que o tom com o qual estava falando não era dos melhores – no v. 21 diz que
estava sendo insensato. No v. 23, que estava como que fora de si. Nos dias de hoje alguns
diriam que ele estava psicologicamente “descompensado”. Ele estava assim porque, assim
como hoje, a igreja estava correndo um grave perigo, o de se deixar iludir por alguns a quem,
no v. 5 deste mesmo capítulo, Paulo chama de “super-apóstolos”. Gente que a pretexto de
milagres, novas visões, mais eloquência, dizia-se melhor que o apóstolo Paulo. Pessoas que se
diziam enviadas por Jesus, que se apresentavam com um nível de espiritualidade superior ao
próprio apóstolo Paulo, que se afastavam da simplicidade do Evangelho de Jesus. Era gente
que não tinha o menor escrúpulo de explorar os fiéis. Como diz o v. 20, os devoravam, se
exaltavam, escravizavam os crentes a si mesmos.

Então Paulo, não por preocupação consigo mesmo, mas por causa do zelo que tinha pelo bem
estar da igreja, diz que não era em nada inferior aos tais “super-apóstolos” (esta é a palavra no
texto grego – na verdade, “hiperlian”, sobre-excelente, além da medida). Mas que em toda sua
vida se gastava, sofria, passava por privações e provações, por amor à igreja de Jesus.
Trabalhos, fadigas, vigílias, perseguições. Mas, além de todas as coisas exteriores, e é aqui que
desejo colocar a ênfase, a preocupação diária com todas as igrejas.

v. 28 – Além das coisas exteriores, há o que pesa sobre mim diariamente, a preocupação com
todas as igrejas.

Preocupação diária com todas as igrejas.

2.1. Em todas as suas cartas, Paulo demonstra uma grande preocupação doutrinária.

Pense nas cartas aos Gálatas, aos Romanos, aos Efésios, aos Colossenses. Pense em como
Paulo investe grande parte de seus escritos estabelecendo doutrinas sobre as quais a nossa fé
e as igrejas são edificadas.

Em vários lugares ele se preocupa em combater os ensinamentos errados, enfatizando que


somente através de uma sã doutrina podemos entender o caminho da salvação. Em sua última
reunião com os pastores da igreja em Éfeso, ele os exortou a vigiarem quanto a isto:

At 20:29-31
29
Eu sei que, depois da minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes, que não pouparão o
rebanho.30 E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervertidas para
arrastar os discípulos atrás deles.31 Portanto, vigiai, lembrando-vos de que, por três anos, noite
e dia, não cessei de admoestar, com lágrimas, a cada um.

Homens falando coisas pervertidas, isto é, distorcidas; coisas que parecem ser verdadeiras mas
não são. Então Paulo, aqui em Éfeso, e em muitas cartas, exorta as igrejas a permanecerem na
doutrina certa. E não faz isto despreocupadamente, como se a doutrina fosse uma coisa
secundária. Mas o faz apaixonadamente, com lágrimas (também não eram lágrimas teatrais,
encenadas para arrancar dinheiro das pessoas, mas de preocupação). Ao seu amado Timóteo
escreveu: “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina, pois fazendo isto te salvarás, tanto a ti
mesmo como aos teus ouvintes” (1ª Tm 4:16).

2.2. Além disto, Paulo também tinha uma grande preocupação com a transformação espiritual
dos crentes

2ª Co 12:20, 21
20
Temo, pois, que, indo ter convosco, não vos encontre na forma em que vos quero, e que
também vós me acheis diferente do que esperáveis, e que haja entre vós contendas, invejas,
iras, porfias, detrações, intrigas, orgulho e tumultos. 21 Receio que, indo outra vez, o meu Deus
me humilhe no meio de vós, e eu venha a chorar por muitos que, outrora, pecaram e não se
arrependeram da impureza, prostituição e lascívia que cometeram.

O que podemos notar, amados, é que o cuidado com o povo de Deus era uma coisa diária na
vida de Paulo. Algo que tirava o sono dele. Que o fazia orar muito pelas igrejas. Que às vezes o
deixava até “insensato”, tal era o seu envolvimento emocional, tal era a sua dedicação.

Buscar primeiro o reino de Deus significa também pensar primeiro na igreja de Deus

3. Buscar primeiro o reino de Deus também significa ter um coração cativado pela pregação
do Evangelho do reino

Em Mateus 24:14, nosso Salvador ensina que “será pregado este evangelho do reino por todo o
mundo, para testemunho a todas as nações, e então virá o fim”.

Os súditos do reino de Jesus anseiam pela volta do seu rei. E sabem que, antes dessa volta
acontecer, é necessário que esta palavra se cumpra. Então se dedicam a pregar o Evangelho,
para que Jesus possa voltar. Mas entendem não somente isto, pensam também que o reino
precisa se instalar nos corações dos homens, do contrário estão perdidos. Por isto se dedicam
a pregar o evangelho aos homens perdidos, que são amados e desejados por Deus.

1ª Co 9:20-23
20
Procedi, para com os judeus, como judeu, a fim de ganhar os judeus; para os que vivem sob o
regime da lei, como se eu mesmo assim vivesse, para ganhar os que vivem debaixo da lei,
embora não esteja eu debaixo da lei.21 Aos sem lei, como se eu mesmo o fosse, não estando
sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo, para ganhar os que vivem fora do regime
da lei.22 Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os fracos. Fiz-me tudo para com
todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns.23 Tudo faço por causa do evangelho,
com o fim de me tornar cooperador com ele.

O mesmo envolvimento, o mesmo amor que vemos Paulo demonstrando para com as igrejas,
nós o vemos demonstrando para com os de fora, fossem judeus ou gentios.

Uma palavra de cuidado, irmãos: algumas pessoas não entendem bem e acabam indo longe
demais. Paulo não disse que para ganhar os pecadores você tem que se portar como um deles,
praticar o pecado com eles.

Conheci um rapaz que chegou a fumar maconha para provar que estava livre e que podia
fumar ou não, para ganhar seus ex-companheiros, usuários de drogas. O triste resultado é que
seus ex-companheiros o ganharam de novo.

Infelizmente há daqueles que, a pretexto de pregação do Evangelho, acabam tornando-se


mundanos. Não foi isto o que Paulo fez. Ele se tornava como um judeu, ou como um gentio,
naquilo que havia de melhor, e não no que havia de pior.Para você ganhar pessoas de lábios
impuros você não precisa falar palavrões também. Eles entendem uma linguagem sadia. Para
ganhar pessoas da prostituição você não precisa andar com sensualidade, e assim por diante.

Paulo não media esforços, não media o negar-se a si mesmo, a fim de proclamar o Evangelho.
Se entre os gentios, Paulo se portava como um gentio. Por exemplo, em Atos 17, nós o vemos
no Areópago, usando os poetas gregos, para ganhar os Atenienses que não conheciam o
Antigo Testamento. Para com os que não tinham lei, Paulo não usava a lei.

Em Atos 18 o vemos em Jerusalém, raspando a cabeça, fazendo um voto de nazireado, a fim


de identificar-se com os judeus, a fim de criar laços fraternos que tornassem seu ministério
mais aceitável aos judeus. Para os que estavam debaixo da lei, Paulo procedia como se assim
estivesse, para ganhar os que viviam sob a lei.

Como Hudson Taylor na China, vestindo-se como um chinês, comendo como um chinês,
fazendo-se como um chinês para ganhar os chineses, aos quais amava. Por isto tornou-se o
“pai das missões modernas”.

Como Davi Wilkerson, dormindo dentro do próprio carro numa zona perigosa, de tráfico de
drogas, para ganhar os jovens viciados. E por isto também se tornou o pai espiritual de uma
multidão incontável.

O homem que busca primeiro o reino de Deus e a sua justiça, anela ardentemente ver a
conversão de pessoas ao Senhor Jesus. Por isto ele ora, e se ora de verdade ele busca, e se
dispõe, se dedica, se sacrifica, mas para ele não é sacrifício, é o seu prazer e o seu desejo. Ele
admoesta com lágrimas. Ele ora com lágrimas. E quem perece, sem que ele se importe? Pois
ele tem o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus, o sentimento de compaixão pelas
almas, o desejo de que elas não pereçam, mas tenham a vida eterna.

Conclusão

O que é que tira o teu sono? No que é que você investe, ou “gasta” tua vida, teus bens, teu
tempo, teus talentos? O que você busca em primeiro lugar?

Duas aplicações

1. Uma exortação aos que estão distraídos com as coisas desta vida:

Se você não busca o reino em primeiro lugar, está perdendo seu tempo com coisas que não
satisfazem a alma, nem aqui nem na eternidade.

Está jogando sua vida fora, gastando seu dinheiro e seu tempo com bobagens.

Está buscando prazeres que não duram. Como quem usa drogas.

Não perca tempo atrás de riquezas, de intelectualidade mundana, nem de poder e status.

Jr 9:23, 24
23
Assim diz o SENHOR: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte, na sua força, nem o
rico, nas suas riquezas; 24 mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu
sou o SENHOR e faço misericórdia, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz
o SENHOR.

Busque andar com Deus. Busque o bem da igreja. Busque a salvação de almas. Busque estas
coisas em primeiro lugar

2. Uma consolação aos que buscam o reino em primeiro lugar

Se você busca, o Pai, que vê todas as coisas sabe. Ele vê você. A tua vida, o teu coração. Ele
sabe quem é o teu Senhor. O Pai, que vê a beleza dos lírios do campo, diz que a tua vida é
ainda mais bonita que a dos lírios. Ele valoriza a tua vida. Ele, que cuida dos passarinhos,
pequenos, dependentes, cuida de você. Mas você também sabe, não é? E ele promete que não
somente te dá o necessário a cada dia, mas também que você tem um tesouro que está sendo
acumulado no céu. Seja perseverante. Sê fiel até o fim, e você receberá a coroa da vida.