Você está na página 1de 18

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR


DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA REDE IFES

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL

Planejamento Anual de Atividades – 2010


(01 de janeiro de 2010 a 31 de dezembro de 2010)
1. IDENTIFICAÇÃO

1.1. Instituição de Ensino Superior: Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)


1.2. Grupo: PET/Agronomia
1.3. Home Page do Grupo: http:\\www.petagronomia.com.br
1.4. Data da Criação do Grupo: 09/1996
1.5. Tema (somente para os grupos criados a partir dos lotes temáticos):
1.6. Curso de graduação ao qual o grupo está vinculado: Agronomia
1.7. Habilitação oferecida pelo curso de graduação ao qual o grupo está vinculado:
( ) Licenciatura ( X ) Bacharelado ( ) Licenciatura e Bacharelado
1.8. Nome do Tutor: Paula Pinheiro Padovese Peixoto
1.9. E-Mail do Tutor: paulapeixoto@ufgd.edu.br
1.10. Titulação e área: Doutorado em Agronomia (Energia na Agricultura)
1.11. Data de ingresso do Tutor (mês/ano): 05/2008

2. ATIVIDADES PROPOSTAS
No planejamento geral das atividades considere:
O compromisso com a formação acadêmica de qualidade, ética e cidadã; com a indissociabilidade
ensino, pesquisa e extensão; com a preparação dos alunos para atuar no seu futuro campo
profissional e com a melhoria do curso de graduação ao qual o grupo está vinculado.
Participação dos integrantes do grupo em atividades que visem à interação entre bolsistas e não
bolsistas e com o curso de graduação ao qual está vinculado, de modo a viabilizar o efeito
multiplicador do PET sobre a comunidade acadêmica e a interação do grupo com o projeto
pedagógico do curso.
O desenvolvimento de competências básicas pelos integrantes do grupo no uso da linguagem
escrita e oral, em idioma estrangeiro e na área de tecnologias de informação e comunicação.
Atividades inovadoras na graduação.
Ações para diminuir a evasão e repetência no(s) curso(s) de graduação.
O caráter multi e interdisciplinar das atividades.

* Os grupos criados em 2009 deverão manter, no preenchimento do formulário, as atividades


definidas na proposta que encaminharam a SESU/MEC por ocasião do referido Edital.

2.1. Atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão


No planejamento de atividades de ensino considere:
Pertinência das atividades no contexto do PET.
Contribuição para o desenvolvimento de novas práticas e experiências pedagógicas no curso de
graduação ao qual o grupo está vinculado.
Complementaridade entre ações de pesquisa e extensão e os temas/ações tratados no âmbito do PET.
Benefícios acadêmicos da atividade para o grupo e para a comunidade acadêmica do curso ao qual
está vinculado.
A contribuição para a formação cidadã dos integrantes do grupo e o desenvolvimento social.
Resultados esperados (produção de material didático, apresentação e publicação de trabalhos).

* Na descrição das atividades, destacar a forma como as ações de ensino, pesquisa e extensão serão
desenvolvidas.
ENSINO:
As atividades de ensino contam com a participação de todos os bolsistas do grupo PET-
Agronomia, bem como dos acadêmicos voluntários. Além dos doze bolsistas o Grupo
conta com a participação de 3 voluntários cadastrados na Pró-Reitoria de Ensino de
Graduação da UFGD, pelo nosso interlocutor Eduardo Barbosa Lenzi. O Grupo
PET/Agronomia, desde a sua criação em 1996, está aberto à participação dos estudantes
do curso de Agronomia. Nossas reuniões ocorrem as terças e quintas-feiras, no intervalo
do almoço, com participação de muitos acadêmicos do curso de Agronomia que não
possuem vínculo com o PET. Os trabalhos realizados pelo PET nestes anos têm
promovido a integração dos alunos do curso de graduação e contribuído efetivamente com
a melhoria do mesmo. Em nenhum momento o PET/Agronomia é visto como um grupo
isolado ou privilegiado, mas sim como uma equipe dinâmica que está continuamente
envolvida com atividades de ensino, pesquisa e extensão no curso de Agronomia da
UFGD e na comunidade.

As seguintes atividades de ensino serão realizadas no decorrer do ano de 2010:

1. Os calouros do Curso de Agronomia são recepcionados pelos bolsistas e


voluntários do grupo PET. Em janeiro de 2010 foi implantada, na Faculdade de
Ciências Agrárias, uma área demonstrativa de espécies de adubos verdes para visita dos
calouros. Durante a primeira semana de aulas, os petianos oferecerão palestras para os
calouros do Curso de Agronomia sobre o Programa PET e acerca da profissão de
engenheiro agrônomo. Estas palestras ocorrerão no horário das aulas de Iniciação à
Agronomia Regional, disciplina ministrada no 1º semestre do curso de Agronomia, pelo
Prof. Dr. Munir Mauad. Após as palestras, os calouros visitarão a área demonstrativa,
bem como o experimento de pesquisa conjunto que o Grupo PET implantou em novembro
de 2009.

2. Organização e divulgação do Ciclo de Palestras Técnicas. É uma atividade semanal,


no horário do intervalo de almoço (12h00 as 13h00) e que ocorre na sala do
PET/Agronomia ou na sala de seminários da Pós-Graduação em Agronomia, conforme o
número de interessados. As palestras são proferidas por profissionais da área de ciências
agrárias, pós graduandos da UFGD, ex-alunos que foram bolsistas do PET, profissionais e
professores de outras áreas. As palestras contam com a participação dos bolsistas e

Planejamento de Atividades
voluntários do Grupo PET-Agronomia e acadêmicos da Faculdade de Ciências Agrárias
(FCA). Os integrantes dos demais Grupos PET da UFGD (Zootecnia, Geografia e
Biologia) também são convidados a participar. Esta atividade pretende mostrar a
importância da pesquisa e da extensão como complemento essencial para o ensino. É uma
atividade que, pela diversidade dos temas abordados, desperta o interesse de toda a
comunidade universitária.
Como A UFGD está inserida em uma região essencialmente agropecuária, alguns
profissionais que atuam em Dourados são egressos de PETs/Agronomia de outras
universidades brasileiras. Sempre que sabemos da existência de um ex-petiano na região,
este é convidado a proferir uma palestra em nosso Ciclo. Fato interessante é que este
convívio tem aberto outros horizontes aos nossos bolsistas e alunos. Vários ex-petianos e
ex-alunos estão cursando Pós-Graduação em outras universidades brasileiras devido ao
conhecimento de profissionais oriundos de diversas regiões do País e que proferiram
palestras para o nosso Grupo PET.

3. Ciclo de palestras técnico-científicas proferidas pelos bolsistas e voluntários do


Grupo PET-Agronomia. É uma atividade semanal, no horário do intervalo de almoço
(12h00 as 13h00), onde os petianos apresentam na forma de palestra, resultados de
pesquisas e de projetos de extensão e/ou ensino em que estão engajados. Cada
bolsista/voluntário apresenta pelo menos uma palestra por semestre, para o público
interno. Durante os anos de 2008 e 2009 realizamos uma reunião mensal com o Grupo
PET-Zootecnia e trocamos idéias sobre projetos e atividades conjuntas. Em 2010
manteremos o encontro mensal, pois este se mostrou produtivo. Periodicamente um aluno
do Grupo PET-Agronomia apresenta palestra aos membros do PET-Zootecnia e vice-
versa. A atuação conjunta é maior entre os PETs Agronomia e Zootecnia, pois tais cursos
são lotados na Faculdade de Ciências Agrárias da UFGD. Esta atividade tem como
objetivo principal o treinamento do acadêmico para expor em público. É natural a inibição
que todos apresentamos no início, ao proferirmos uma palestra em público. Esta atividade
colabora não apenas com a desinibição, como também suscita discussões e debates entre
os acadêmicos.

4. Produção e interpretação de textos. Os bolsistas do PET/Agronomia têm por hábito


lerem ao menos um livro ao mês, seja ele técnico ou não. Entretanto, eles relatam que às
vezes sentem dificuldade em produzir um texto científico ou interpretar algo que leram.

Planejamento de Atividades
Desta maneira, será oferecido um curso de produção e interpretação de textos, oferecido
pela Profª Sônia Maria Zanchettin, professora de Língua Portuguesa e diretora do Colégio
Lumiére, em Dourados-MS. Como o Colégio Lumiére possui curso pré-vestibular e
ensino médio, os bolsistas do PET, em contra partida, oferecerão palestras sobre as
características da profissão de engenheiro agrônomo aos alunos do Colégio. Os atuais
quatro Grupos PETs da UFGD (Agronomia, Zootecnia, Geografia e Biologia) estarão
envolvidos nesta atividade de ensino.

5. Visita ao XXII SHOW RURAL COOPAVEL 2010, em Cascavel-PR. Há muito


tempo os bolsistas e voluntários do PET/Agronomia planejam uma viagem a Cascavel, na
época do Show Rural. Em 2010 a viagem será possível, pois contamos com os recursos
disponibilizados pela CAPES aos Grupos PETs. O evento ocorrerá no período de 08 a 12
de fevereiro de 2010. A sua importância justifica-se pelo novo perfil que tal evento
imprimiu à produção regional, inserindo novas culturas e incrementando a
agroindustrialização. O Show Rural Coopavel cumpre também uma função social de
educar e orientar o produtor rural, que tem se profissionalizado e hoje faz parte de um
novo ciclo, o da agricultura sustentável, que utiliza de tecnologia para gerar produtos de
qualidade e atender a um mercado globalizado. Na sequência o grupo pretende estender a
viagem até Foz do Iguaçu, distante 130 km de Cascavel, para uma visita institucional à
Itaipu Binacional. A visita institucional à Itaipu Binacional, quando solicitada com
antecedência, monitora os alunos a diversos setores internos da usina, com profissionais
explicando o funcionamento e a geração de energia resultante.

6. Monitoria voluntária prestada pelos bolsistas e voluntários do PET aos alunos do


curso de graduação em Agronomia da UFGD. O Grupo PET/Agronomia considerou
muito boa a sugestão de um dos pareceres dado por tutores de outros PETs ao nosso
Planejamento 2009, de oferecer atividades de monitoria voluntária em disciplinas básicas
aos calouros de Agronomia e em disciplinas de maior número de reprovações. Como os
bolsistas PET são alunos que apresentam um rendimento acima da média, nossos petianos
discutiram a sugestão e consideraram que será uma atividade de integração com os
calouros e demais alunos do curso de Agronomia. Cada um possui habilidades e talentos
em determinada área de conhecimento. Portanto, pode-se realizar um trabalho de
qualidade, em que trocas proveitosas, tanto científicas quanto de relacionamento, serão
realizadas. Esta atividade será semanal, após as aulas do período vespertino, na sala do
PET/Agronomia. Desde o início do curso o aluno poderá ter contato com uma maneira

Planejamento de Atividades
inovadora de formação acadêmica: de qualidade, ética e cidadã.

7. Visita ao SHOWTEC 2010 (Show de Tecnologia da Fundação MS), na cidade de


Maracajú-MS. O SHOWTEC é um evento tecnológico e de negócios que se firma pela
difusão das tecnologias agropecuárias prontamente disponíveis e em desenvolvimento
pelas principais instituições de pesquisa e empresas atuantes no Brasil e no mundo, em
torno da produção de alimentos e energia. Anualmente, nos meses de fevereiro, ocorre o
Showtec e o Grupo PET/Agronomia participa das atividades em parceria com
pesquisadores da Embrapa-CPAO.

8. Museu Didático de Solos da FCA/UFGD. O PET/Agronomia tem realizado diversas


atividades de pesquisa e de extensão na área de solos, com ênfase na educação em solos.
A Profª Drª Elaine Reis Pinheiro Lourente, professora da FCA/UFGD, junto com esta
tutora sugeriram a criação de um Museu de Solos na FCA que contemplasse atividades de
ensino para os cursos de graduação da Faculdade (no momento Agronomia, Zootecnia e
Engenharia Agrícola) e atividades de extensão em solos para a comunidade (projetos de
extensão do nosso PET, desde 2007). Esta atividade tem como objetivos complementar os
aspectos abordados nas disciplinas oferecidas pela FCA na área de solos e melhorar a
visão da importância do solo e sua conservação, com demonstrações estáticas e dinâmicas
sobre vários aspectos dos solos. As experiências positivas demonstradas pelo Museu de
Ciências da Terra Alexis Dorofeef da Universidade Federal de Viçosa e o Projeto Solo na
Escola da Universidade Federal do Paraná serviram de base para a fundamentação desta
atividade do PET. Serão separadas e catalogadas rochas e minerais formadores de solos,
maquetes demonstrando perfis de solos, serão coletados em campo e catalogados
diferentes tipos de estrutura de solos, para observação dos alunos.
Experimentos de caráter dinâmico também serão desenvolvidos, como por exemplo, a
demonstração do impacto das gotas de chuva em solos descobertos e em solos com
presença de cobertura vegetal.

9. Palestras sobre ética. O Grupo PET/Agronomia considerou muito importante a


sugestão dada por um tutor acerca do planejamento de 2009, com a inclusão de palestras
ministradas por especialistas no campo da ética e cidadania. O Prof. Dr. Ademir Antunes
Moraes, da FCA, ministrará um curso, na forma de palestras, sobre ética, ética
profissional e cidadania, aos participantes dos Grupos PET da UFGD. O curso terá
duração de 12 horas.

Planejamento de Atividades
10. Planejamento da Feira das Faculdades, realizada pela Pró-Reitoria de Extensão,
Cultura e Assuntos Estudantis/UFGD. Anualmente, entre os meses de setembro a
outubro, a UFGD recebe alunos do 3º ano do Ensino Médio das escolas públicas de
Dourados e região. A Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis (PROEX)
organiza o evento. Cada curso das diversas faculdades da UFGD apresenta as
peculiaridades de cada profissão, antes que os alunos se inscrevam no vestibular. Os
acadêmicos do PET participam ativamente desta feira, mostrando as características da
profissão de engenheiro agrônomo. São oferecidas palestras de curta duração e realizadas
demonstrações práticas (água desagregando solos descobertos e solos com cobertura
morta, plantas produtoras de biocombustíveis, etc.).

11. Curso de irrigação de gramados e jardins. O professor da FCA responsável pela


disciplina de Irrigação e Drenagem (Prof. Dr. Guilherme Augusto Biscaro) cedeu ao
PET/Agronomia material para que fosse instalado um sistema de irrigação no gramado e
nos jardins da entrada principal do prédio da Faculdade de Ciências Agrárias. O professor
também ministrará um curso de 4 horas de duração para montagem do equipamento com
os alunos do PET/Agronomia que já cursaram a disciplina. Posteriormente, estes
bolsistas, em número de quatro, ministrarão o curso para os demais bolsistas e voluntários
do PET. A intenção é que sempre haja alunos do PET/Agronomia cuidando da
manutenção e da irrigação do gramado, numa multiplicação de saberes, com a supervisão
do professor responsável da área.

Além das atividades acima relacionadas, o Grupo é incentivado a buscar meios de


enriquecer os seus conhecimentos, que auxiliem na formação integral dos alunos
desenvolvendo temáticas que subsidiem a estrutura curricular. Os bolsistas e voluntários
sempre participam de dias de campo promovidos pela Embrapa-CPAO, Embrapa-
CNPGC, Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural), Fundação MS
e UFGD. Busca-se estimular o estudo de uma língua estrangeira, pois há um projeto de
extensão na universidade denominado Centro de Línguas da UFGD que oferece cursos
de inglês, espanhol e inglês instrumental, em vários níveis, a preços bem abaixo das
escolas tradicionais da região. Também oferecem bolsa parcial ou integral aos alunos da
universidade. Outra atividade que vem sendo desenvolvida desde 2009 é o treinamento,
pela tutora, de como o aluno pode preencher corretamente o currículo na Plataforma
Lattes. Parece uma atividade simples, mas os alunos sempre encontram dificuldades ao

Planejamento de Atividades
trabalhar, pela primeira vez, nesta Plataforma. Mesmo profissionais mais experientes
encontram dificuldades. Como um currículo bem elaborado é imprescindível na profissão,
procuramos explicar-lhes os itens que devem ser observados e, estes alunos, auxiliam
outros colegas quando necessário. Ou seja, aplica-se o efeito multiplicador do PET na
comunidade acadêmica.

Os resultados esperados para as ações previstas serão imprescindíveis para que possamos
atender à concepção filosófica do Programa de Educação Tutorial. Dessa forma as ações
têm como objetivo desenvolver a articulação entre ensino, pesquisa e extensão,
proporcionando aos alunos do grupo uma compreensão integral do que ocorre consigo
mesmo e com o mundo.

PESQUISA:

Embasado na filosofia da tríade ensino-pesquisa-extensão, o envolvimento com os


projetos de pesquisa, tanto na forma individual como coletiva, visa atender as propostas
de formação ampla e integral dos bolsistas. Todos os projetos de pesquisa desenvolvidos
contam com a orientação de professores da UFGD, em especial da Faculdade de Ciências
Agrárias (FCA), da Faculdade de Ciências Biológicas e Ambientais (FCBA) e de
pesquisadores da Embrapa-CPAO. Continua a recomendação de se obedecer a um prazo
máximo de um ano para participação ou vínculo numa mesma área, como forma de evitar
especialização precoce. Entretanto, fica a critério do bolsista continuar em determinada
área ou não. Todos os bolsistas do grupo têm participação efetiva em pelo menos um
projeto de pesquisa individual e em um projeto coletivo. Os planos e relatórios de
pesquisa individuais são elaborados pelos alunos em conjunto com seus respectivos
orientadores.

Os acadêmicos do grupo PET-Agronomia, neste ano de 2010, realizarão


pesquisas nas seguintes linhas do Curso de Agronomia da FCA/UFGD:

- Agricultura familiar;

- Forragicultura e pastagem;

- Mecanização agro-zootécnica;

- Fertilidade do solo e nutrição de plantas;

- Manejo e conservação dos solos;

Planejamento de Atividades
- Plantas medicinais;

- Olericultura;

- Jardinocultura e paisagismo;

- Produção vegetal e melhoramento de plantas;

- Produção animal;

- Economia rural;

- Sistemas de produção agrícola;

- Entomologia e ecologia de insetos;

- Manejo integrado de pragas;

- Fisiologia vegetal;

- Irrigação e fertirrigação;

- Fitopatologia e controle de doenças;

- Agrometeorologia e hidrologia.

A pesquisa conjunta do PET/Agronomia denomina-se: Avaliação de híbridos de milho


em diferentes densidades populacionais sob pivô central
O milho (Zea mays L.) é um dos cultivos agrícolas mais importantes do mundo em função
de seu potencial produtivo, nutritivo e composição química, servindo desde a alimentação
humana, produção animal, até de matéria prima para a produção de biocombustível.
Historicamente, a cultura do milho está entre as que apresentaram maiores incrementos no
rendimento de grãos, em conseqüência do melhoramento genético e da adoção de práticas
agronômicas mais adequadas. Entre as atuais práticas agronômicas, a redução do
espaçamento entre linhas e o aumento da densidade populacional é uma realidade na
cultura do milho, promovendo incrementos no rendimento da cultura.
O objetivo do presente trabalho é avaliar as características agronômicas de diferentes
híbridos de milho sob sistema de irrigação de pivô central em diferentes densidades
populacionais. O Grupo dividiu-se em 3 sub grupos para implantação e desenvolvimento
da pesquisa conjunta:
- aspectos fitotécnicos;
- solos e nutrição de plantas;

Planejamento de Atividades
- controle de pragas e doenças.
Cada sub grupo repassa aos demais o que está ocorrendo em sua área de controle.

As pesquisas individuais, orientadas por professores da UFGD, são:

1 - Seleção de linhagens de milho eficientes na utilização de nitrogênio


A detecção e possibilidade de exploração e de uso das diferenças genotípicas em milho
para a eficiência na utilização de nitrogênio se apresentam como uma das estratégias
viáveis para contornar o problema da falta desse elemento. Dessa forma, o
desenvolvimento de genótipos de milho adaptados às condições adversas de fertilidade do
solo é extremamente importante. O objetivo deste trabalho é selecionar populações de
famílias de meio-irmãos que apresentem eficiência na absorção e utilização de nitrogênio,
através da seleção recorrente intrapopulacional e avaliar o comportamento das populações
selecionadas em relação à eficiência na utilização da adubação nitrogenada.

2 - Efeitos de doses de nitrogênio em diferentes genótipos de milho (Zea mays L.)


O nitrogênio assume grande relevância por sua atuação no metabolismo na planta de
milho, principalmente na síntese de proteínas, sendo essencial tanto no incremento de
produção de grãos como na elevação do teor protéico. É o elemento que mais onera a
cultura, sendo os fertilizantes nitrogenados uma das maiores fontes de poluição ambiental.
Desta maneira a utilização dos teores adequados de nitrogênio no manejo da cultura,
aliado a genótipos que possuem capacidade de absorver e utilizar o nitrogênio de forma
eficiente é uma forma de aumentar a eficiência do adubo. O objetivo deste trabalho é
avaliar cultivares de milho de diferentes origens (variedades, híbridos simples e híbridos
duplos), sob diferentes doses de nitrogênio.

3 - Efeito da alimentação artificial proteica na longevidade de abelhas africanizadas


Apis mellifera
Ao fornecer diferentes tipos de alimentação proteica para as abelhas, espera-se que estas
respondam à mesma, melhorando o estado nutricional das colméias. Essa melhoria pode
ser demonstrada com um aumento de sua longevidade, mensurada em laboratório. O
objetivo da pesquisa é testar diferentes formulações comerciais de alimento proteico na
longevidade de abelhas operárias de Apis mellifera.

Planejamento de Atividades
4 - Resistência de genótipos de soja à mosca-branca Bemisia tabaci (Genn.) biótipo B
(Hemiptera: Aleyrodidae)
Os tricomas podem atuar como forma de resistência a insetos pragas nas culturas de
importância econômica. O presente trabalho visa determinar a resistência de cinco
genótipos de soja à mosca-branca Bemisia tabaci biótipo B, bem como a correlação de
densidades de tricomas presentes nos folíolos dos genótipos estudados e a preferência de
oviposição da espécie. O ensaio será realizado sob condição de casa-de-vegetação com
blocos ao acaso contendo 5 tratamentos e 12 repetições. Neste trabalho os cultivares
escolhidos serão classificados quanto ao grau de pilosidade: glabra, moderadamente
pilosa ou pilosa. Os dados serão submetidos à análise de variância, conforme
delineamento proposto, e as médias transformadas em √x+0,5, serão comparados pelo
teste de Tukey a 5% de probabilidade.

5 - Comportamento e danos da mosca-branca Bemisia tabaci (Genn.) biótipo B na


cultura da soja Glycine Max (L.) Merril em MS.
Diferentes genótipos de soja serão avaliados com relação ao comportamento de Bemisia
tabaci biótipo B, tais como a sua distribuição vertical, número total de ninfas, preferência
de ovoposição entre as variedades.

6 - Levantamento da artropodofauna em duas variedades de milho, em Dourados -


MS.
O trabalho tem como objetivo avaliar a ocorrência de insetos caracterizados como
maléficos e benéficos à cultura do milho na região de Dourados, MS, num sistema de
manejo em conformidade com princípios da agroecologia. A pesquisa utilizará duas
variedades de milho e as avaliações serão realizadas nos estádios: V3 (três folhas
desenvolvidas), V9 (mostrando espigas em potencial), V15, R1 (embonecamento e
polinização), R4 (grão pastoso).

7 – Monitoramento dos atributos químicos, físicos e biológicos em função do uso e


manejo do solo.
A necessidade de atribuir formas de manejo e uso mais conservacionistas, em sistemas
agrícolas, é fundamental para obter uma melhoria dos atributos químicos, físicos e
biológicos do solo. Assim, no monitoramento da variação da qualidade do solo pelo
manejo agrícola, a escolha de indicadores deve incluir atributos de diferentes escalas

Planejamento de Atividades
temporais de variação observados, de preferência, em ensaios de longa duração. Neste
contexto, o objetivo deste trabalho será avaliar o efeito do manejo e uso sobre os atributos
químicos, físicos e biológicos do solo. Será realizado um estudo de casos em diferentes
propriedades particulares que envolvam os seguintes sistemas de uso e manejo do solo,
sendo eles: sistema plantio direto; sistema plantio convencional; pastagem contínua;
integração lavoura - pecuária e vegetação nativa. Para o estudo do impacto do manejo
sobre o solo e água serão realizadas análises físicas do solo (granulometria, densidade do
solo, densidade de partícula, macro e microporosidade, porosidade total e estabilidade de
agregados), análises químicas (análise de rotina) e as análises biológicas consistirão no
estudo da macrofauna edáfica e atributos microbiológicos do solo. Serão realizados testes
de infiltração de água no solo, por meio de duplos anéis concêntricos e posteriormente
será realizado um estudo da relação entre infiltração de água e atributos físicos do solo.

8 – Manejo de nematóide das galhas pelo tratamento de sementes de soja.


O objetivo da pesquisa é testar o efeito de produtos utilizados em tratamento de sementes
sobre o controle de nematóides. O experimento será conduzido em vasos, em casa de
vegetação, com 9 tratamentos e 20 repetições.

9 – Avaliação da qualidade sanitária de lotes de sementes comercializados em Mato


Grosso do Sul, com ênfase aos fungos Colletotrichum truncatum, Sclerotinia
sclerotiorum e Peronospora manshurica.
O objetivo principal da pesquisa é conhecer a qualidade sanitária das sementes
produzidas e/ou comercializadas em Mato Grosso do Sul.

10 – Desfolha conduzida pelo método artificial, na cultura do milheto granífero


irrigado por gotejamento, em resposta a produtividade.
O objetivo desse trabalho será avaliar a produtividade da cultura do milheto, submetida a
cinco níveis de desfolha (0%, 25%, 50%, 75% e 100%), em 3 épocas distintas, em
diferentes fases e estágios de crescimento e desenvolvimento da planta, conduzida pelo
método artificial, no sistema de irrigação por gotejamento.

11 – Aspectos bioecológicos e de impacto econômico dos percevejos dispersantes da


família Pentatomidae sobre o algodoeiro Bt cultivado no cerrado brasileiro.
O objetivo deste projeto é o de avaliar aspectos bioecológicos e de impacto econômico
dos percevejos pentatomídeos fitófagos, dispersantes da soja, especialmente da espécie

Planejamento de Atividades
Euschistus heros (Fabr., 1794), sobre o algodoeiro Bt cultivado no cerrado. Em casa-de-
vegetação, níveis de infestação de E. heros em diferentes estádios fenológicos do
algodoeiro Bt 1 (Bollgard®) serão estudados para sintomas de ataque, injúria e danos em
estruturas reprodutivas imaturas e maduras. Os mesmos parâmetros serão testados a
campo, em maçãs de algodoeiro Bt 1 e não-Bt de idades diferentes, para infestação com
adultos e ninfas de 5º instar de E. heros. Esta pesquisa, orientada pelo Prof. Dr. Paulo
Eduardo Degrande é objeto da tese de doutoramento de aluno da Pós-Graduação em
Agronomia da UFGD e 2 bolsistas do PET/Agronomia são colaboradores.

12 – Estudos de culturas com potencial bioenergético para a região do cerrado em


Mato Grosso do Sul – Fase I: Épocas de aplicação da adubação nitrogenada na
cultura da mamona.
O objetivo deste trabalho está implícito no seu próprio título.

13 – Persistência da palhada e liberação de nutrientes do crambe (Crambe


abyssinica) em sistemas de plantio direto.
O objetivo principal da pesquisa é avaliar a taxa de acúmulo de macronutrientes durante o
ciclo do crambe, bem como a taxa de decomposição e a velocidade de liberação de
macronutrientes da palhada do mesmo, na região sul do estado do Mato Grosso do Sul.

14 – Marcha de absorção de nutrientes em plantas de crambe (Crambe abyssinica).


Os objetivos da pesquisa são avaliar a composição e o acúmulo de macronutrientes nas
diferentes partes vegetais do crambe durante o seu ciclo produtivo., assim como a taxa de
acúmulo de macronutrientes durante o ciclo do Crambe na Região Sul do Estado do Mato
Grosso do Sul. Servindo de subsídio para estimar a quantidade dos nutrientes a ser
fornecido as áreas de cultivo de crambe em Mato Grosso do Sul, além de conhecer o
período de maior demanda de nutrientes pelas plantas de crambe
Professor orientador: Munir Mauad

Planejamento de Atividades
Os resultados dos trabalhos científicos realizados durante o período serão submetidos à
apresentação em Congressos, Simpósios, Seminários, Encontros de Iniciação Científica,
Workshops e publicação nos respectivos anais. Também são previstas publicações de
artigos científicos em periódicos da área de Ciências Agrárias. As pesquisas poderão ser
integradas, tanto com a comunidade como com outras entidades e serão realizadas no
âmbito ou fora da UFGD.

O momento interdisciplinar que objetiva incentivar a participação em pesquisas é também


uma oportunidade de enriquecer os conhecimentos agronômicos e despertar o interesse
científico. Ao final do Programa PET, cada bolsista avalia se iniciará ou não um programa
de pós-graduação. O tempo mínimo de dois anos que o aluno permanece no PET é
suficiente para que ocorram trocas efetivas de experiências e conhecimentos, tanto entre
tutor e acadêmico, quanto entre estudantes. A relação da atividade científica praticada em
grupo é uma forma de construir uma mentalidade como pesquisador complementando as
ações com o ensino e a extensão. Entre outros, os bolsistas e voluntários do PET-
Agronomia têm apresentado resultados de pesquisas nos seguintes eventos:
- Congresso Brasileiro de Ciência do Solo
- Congresso Brasileiro de Olericultura
- Seminário Nacional de Milho Safrinha

Planejamento de Atividades
- Congresso Nacional de Milho e Sorgo
- Congresso Brasileiro de Extensão Universitária
- Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas
- Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola
- Congresso Brasileiro de Entomologia

EXTENSÃO:
Durante o ano de 2010, as seguintes ações de extensão contarão com a participação dos
bolsistas e voluntários do Grupo PET-Agronomia:

2. Organização da XIX Semana Agronômica da Faculdade de Ciências Agrárias/UFGD.


O Grupo PET-Agronomia promove e organiza anualmente a Semana Agronômica,
debatendo, com antecedência, os assuntos que serão abordados no evento e contatando os
palestrantes.

3. Participação na Feira das Faculdades. Esta atividade também se encontra listada nas
Atividades de Ensino. O Grupo PET-Agronomia promove palestras e realiza aulas
demonstrativas de assuntos inerentes à profissão. Durante o evento, escolas de Ensino
Médio de Dourados e região visitam as Faculdades da UFGD.

4. Participação na Expoagro e Expodinâmica de Dourados – MS, evento que ocorre


anualmente. Durante a Exposição, os petianos atuam na recepção e inscrição dos
participantes do Ciclo de Palestras Técnicas.

5. Participação no projeto “Transferência de tecnologias agronômicas, zootécnicas e


ambientais para agricultores familiares no sudoeste de Mato Grosso do Sul”, coordenado
por docente da FCA/UFGD e com recursos do CNPq. Objetiva-se com este projeto
orientar os agricultores familiares tradicionais, assentados e quilombolas, caracterizados
todos como pequenos produtores rurais, no uso de técnicas apropriadas visando à auto-
suficiência na produção de alimentos para a geração de receita e renda. Diversas
atividades são desenvolvidas em várias áreas do conhecimento, conforme a especificidade
de cada comunidade. Serão ministrados cursos (teórico-prático), mini-cursos, palestras,
oficinas e implantadas áreas demonstrativas. Estas áreas visam o fornecimento de material
vegetativo para os produtores, bem como para as aulas práticas.

6. Cursos de apicultura aos moradores dos Assentamentos Lagoa Grande e Amparo, no


distrito de Itahum, Dourados-MS.

Planejamento de Atividades
7. Visita de alunos do 3º ano do Ensino Médio, da rede pública e privada do município de
Dourados, à Faculdade de Ciências Agrárias. Nesta visita os bolsistas do PET levam os
alunos a conhecer os laboratórios e campos experimentais da Faculdade de Ciências
Agrárias.

8. Participação nos torneios esportivos da Agrocopa.

9. Projeto de execução e manutenção de hortas em lares de idosos, creches e escolas de


Ensino Fundamental.

10. Projeto “O solo na escola fundamental: vamos por as mãos na massa!”. Neste projeto,
os alunos do ensino fundamental de escolas públicas e privadas do município são levadas
a valorizar o solo, a água e demais recursos ambientais. São oferecidas palestras, aulas de
campo e atividades com tintas feitas a base de solo.

11. Participação no projeto “Festa da Guavira”, realizada na aldeia indígena de Amambaí-


MS, em conjunto com professores e acadêmicos do Curso de Biologia da FCBA/UFGD.

12. Oferecimento de oficinas sobre Ensino de Solos a professores da rede de ensino


fundamental de Dourados, em projeto do Curso de Pedagogia da FAED/UFGD.

Algumas ações poderão ser desenvolvidas com os Grupos PET Zootecnia e Geografia da
UFGD. O PET-Agronomia auxiliou, em 2008, o PET/Zootecnia, nas ações do I Simpósio
Sul-Mato-Grossense de Avicultura e Suinocultura.

A proposta trazida pelo PET à comunidade universitária estabelece um divisor importante


entre ele e os demais programas de formação acadêmica: a idéia de enfatizar o ensino, a
pesquisa e a extensão, pilares básicos que sustentam o saber universitário,
consubstanciada pelo aspecto político adquirido ao longo dos anos pelo programa e pela
ideia de tutoria de pequenos grupos por docentes capacitados para a função definem os
ingredientes básicos necessários para a formação de líderes.

As atividades de extensão têm como objetivo primordial fortalecer o aprendizado e


reforçar a auto–estima dos alunos envolvidos no Programa de Educação Tutorial. Os
bolsistas serão formados não apenas como técnicos, mas como cidadãos formadores de
opinião, comprometidos com o meio e o homem. Espera-se que estas atividades
contribuam para que os bolsistas e voluntários tenham uma visão crítica e filosófica da
pratica acadêmica e contribuam para sua formação profissional e cidadã.

Planejamento de Atividades
2.2. Impacto no(s) Curso(s) de Graduação
No planejamento de atividades considere:
Atividades Inovadoras na Graduação.
Benefícios acadêmicos da atividade para o grupo e para a comunidade acadêmica relacionada a ações
de diminuição da evasão e repetência do curso ao qual está vinculado.
Ações relacionadas com a inclusão de deficientes no curso (quando for o caso).

2.3. Atividades de Caráter Coletivo


participação em eventos científicos, feiras, mostras, encontros locais, regionais e nacionais.
atividades integradas com bolsistas de monitoria, iniciação científica e extensão na IES.

Todos os bolsistas e voluntários são estimulados a participar de eventos na área


agronômica e outras áreas, sejam locais, regionais e nacionais, como forma de enriquecer
os seus conhecimentos. É recomendado aos petianos participarem do maior número de
atividades que compreendam ações de dias de campo, cursos técnicos, palestras,
encontros de Iniciação Científica e outros eventos realizados na região de Dourados –
MS.
Em 2009 realizaremos o I INTERPET na UFGD, pois já contamos com três grupos PET:
Agronomia, Zootecnia e Geografia (Licenciatura). O VII ECONPET (Encontro dos
Grupos Pet das regiões Norte e Centro-Oeste) será em Campo Grande-MS, na UFMS, no
período de 14 a 16 de maio de 2009. Os PETs da UFGD participarão do evento e também
farão parte da Comissão Científica. Em julho de 2009 pretendemos participar do
ENAPET em Manaus-AM.
Os participantes do PET-Agronomia estão oferecendo aulas de reforço de português,
matemática, inglês e ciências para crianças carentes em algumas instituições do município
de Dourados. Também oferecem aulas de recreação e atividades de artes e de contação de
estórias. Algumas das instituições atendidas: Lar Santa Rita, CEIA ( Centro de Integração

Planejamento de Atividades
do Adolescente “D. Alberto”), Centro Espírita Emmanuel.
Em maio iniciaremos a atividade PET-Aquece, de recolhimento de agasalhos para doação.
Em dezembro realizamos o Dia do Bem. Nesta atividade escolhemos uma entidade
infantil e proporcionamos uma tarde de brincadeiras e lanches em comemoração ao Natal.

3. CRONOGRAMA PROPOSTO PARA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DO GRUPO

2009 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ
Ensino
Recepção aos X X
calouros e
preparo áreas
demonstrativas
Projeto X X X X X X X X X
Pedagógico do
Curso de
Agronomia
Palestras X X
técnicas para os
calouros
Ciclo de X X X X X X X X X
palestras
técnicas aos
bolsistas
Viagens X X X X X X
técnicas
Cursos X X X X X X
Museu Didático X X X X X X X X X X X X
de Solos

Demais X X X X X X X X X X X
atividade de
ensino
Pesquisa
Atividades de X X X X X X X X X X X
pesquisa que
envolve
trabalhos de
campo,
laboratórios,
redação de
trabalhos
científicos e
apresentação
em reuniões
técnicas.

Extensão
Integração X X X X X X X X X X X
universitária
Agrocopa X X X X

Planejamento de Atividades
Transferência X X X X X X X X X X X
de tecnologias
agronômicas e
zootécnicas
Ensino de solos X X X X X X X X X X
Visita de alunos X X X X X X X X X
do ensino
médio à FCA
Feira das X
Faculdades
IV Congresso X X
Brasileiro de
Extensão
Universitária
Execução e X X X X X X X X
manutenção de
hortas escolares
e entidades
filantrópicas
Educação X X X X X X X X
ambiental
Assentamentos X X
EXPOAGRO X
XIX Semana X
Agronômica

Atividades
coletivas
INTERPET X
ECONPET X
ENAPET X
Atividades X X X X X X X X X X X
culturais
Atividades X X X X X X X X X X
esportivas
Atividades X X X X X X X X X X
filantrópicas

4. OUTRAS AÇÕES QUE O GRUPO ACHAR PERTINENTE

Local e Data:

_______________________________________________
Tutor

Planejamento de Atividades