Você está na página 1de 4

RECUPERAÇÃO JUDICIAL

1. CONCEITO
- medida genérica para solucionar a crise pela qual a empresa passa, nos termos do art.
47 da Lei 11.101/05.
- ato privativo da sociedade empresária, por meio de uma série de atos, dependente de
concessão judicial, tem por objetivo a superação da crise de empresas viáveis.

• Fases do processo de recuperação judicial


• Fase postulatória
• Petição inicial ao despacho de processamento.
• Fase deliberativa
• Despacho de processamento até decisão concessiva do benefício.
• Fase de execução
• Decisão concessiva até sentença de encerramento.

2. OBJETIVOS
- art. 47
- manutenção da fonte produtora;  FISCO
 CREDORES
- manutenção do emprego dos trabalhadores e;  COMUNIDADES
- preservação do interesse dos credores.  TRABALHADORES

3. PRINCÍPIOS
- função social da empresa – art. 5º, XXII, CF (direito de propriedade ligado aos meios de
produção e exercício de atividades econômicas empresariais). Dever de agir no interesse
de outrem – poder-dever.

- preservação da empresa – ligado ao princípio da garantia do desenvolvimento nacional


– art. 192, CF – manutenção da atividade – STJ – CC 79.170/SP, Rel. Ministro Castro Meira,
PRIMEIRA SEÇÃO, julgado em 10/09/2008.

- dignidade da pessoa humana – limitação do tempo de pagamento dos créditos


trabalhistas – art. 54 da LF “o plano de recuperação não poderá prever prazo superior a
um ano para pagamento dos créditos derivados da legislação do trabalho ou decorrentes
de acidente de trabalho vencidos até a data do pedido de recuperação judicial”.
4. NATUREZA JURÍDICA
- ato completo – natureza processual e natureza contratual

5. PEDIDO
- não pode ocorrer de ofício, dependerá da provocação dos interessados por meio de uma
ação. Segue um rito especial constante na LF

6. REQUISITOS ESPECÍFICOS
- não poderá requerer recuperação judicial:
- todos aqueles elencados no art. 2º da LF
- sociedade em comum
- sociedade em conta de participação
- art. 48
- exercício regular das atividades há mais de dois anos;
- não ser falido ou, se falido, que suas obrigações já tenham sido extintas;
 OBS.: Nesse caso, trata-se de empresário individual. Quando da sociedade
empresária, o óbice será pela existência de sócio com responsabilidade
ilimitada que já tenha a sua falência decretada.

- não ter obtido recuperação judicial há menos de 5 anos;


- não ter obtido recuperação judicial, com base em plano especial, há menos de 5
anos;
- não ter sido condenado por crime falimentar, nem ter como sócio controlador ou
administrador pessoa condenada por crime falimentar.

7. LEGITIMIDADE ATIVA
- art. 48, p. único
- próprio empresário
- herdeiros, cônjuge e inventariante
- sócio remanescente – sócio dissidente.

8. CREDORES ABRANGIDOS
- art. 49
- todos os créditos existentes à data do pedido
- não são exigíveis: art. 5º
- obrigações a título gratuito
- despesas que credores fizerem para tomar parte na recuperação judicial, salvo as
custas judiciais decorrentes de litígio com o devedor.
- créditos excluídos:
- créditos fiscais – não há suspensão das ações em curso, ressalvada a hipótese de
parcelamento especial. Art. 6º, § 7º, LF
- credores proprietários – art. 49, § 3º - trava bancária

9. JUÍZO COMPETENTE
- art. 3º

10. PETIÇÃO INICIAL


- requisitos formais e estruturais
- art. 51

11. ANÁLISE DA PETIÇÃO PELO JUIZ


- havendo irregularidade – emenda à petição inicial, nos termos do art. 284 do CPC –
prazo – 10 dias.
- não sanados os vícios – indeferimento da petição inicial, permitindo ao devedor a
renovação do pedido. Não há falência!
- estando em TERMOS – despacho de processamento.

12. DESISTÊNCIA DO PEDIDO


- art. 52, § 4º