Você está na página 1de 46

1

"O matador de Santas"


de Jô Bilac
2

“O Matador de Santas”

Texto: Jô Bilac

"Querer a verdade é confessar-se incapaz de criá-la."

Personagens:

Jorgina, uma ave de rapina. (Angela Vieira)

Baltazar, arrastando os chinelos. (Tonico Pereira)

Queridinha, de uma beleza fúnebre. (Isabella Bicalho)

Diego, moreno bonito. (Rafael Fortes)

Dirigido por Guilherme Leme em 2010

“Prêmio Contigo Teatro” melhor Texto 2010


3

Prólogo

Jorgina: (séria, tensa) O senhor vai me ouvir?

TEMPO.

Jorgina: O camarada arranhou meu carro inteiro sem mais nem


menos. Não teve conversa: foi lá e pá: fez o estrago. (conclusiva)
Ele é doente. Do-en-te! Só pode ser. Eu não vejo outra
explicação. O senhor não concorda? Diz: Só gente doente faz o
que esse camarada fez. Mas gente maluca comigo não se cria.
Não se cria mesmo. Eu não sou samba! (desafiadora, apoiando-se
na mesa) Um dia, eu acordo com ovo virado, parto pra ignorância
e arranho os córnos dele!(muda o tom) Desculpa. Mas é que
estou muito nervos! Meu carro! Todo arranhado! Não dá!
Crocodilagem. Meu marido é aposentado, não tem condição. Dei
um duro danado. Consórcio. Demorou pra chuchu. E tem mais:
hoje é o carro, amanhã é o que? Porque esse tipo de gente não tem
limites! (sugere vã) Vai que ele ,sei lá, joga ácido na minha cara?
Como é que eu fico? Deformada e paciência!

TEMPO

Jorgina: Pouco me importa o matador de santas. Estou me


lixando! O meu vizinho sim é mais perigoso que qualquer
psicopata americano. Arranhar o carro dos outros sem mais nem
menos é mais doentio do que se possa imaginar.

TEMPO

Jorgina: Eu não tenho nome de santa, mas mereço atenção no meu


caso. Tem muita gente com um parafuso a menos no mundo.
Hoje é um doido que mata mulheres bíblicas, amanhã é outro que
mata as que fumam Hollywood, as que gargalham jogando a
4

cabeça pra trás, as que comem com a boca aberta, as que nunca
tiveram um gato e por aí vai. Haverá sempre uma lógica e sempre
alguém padecendo por ela. Mas que remédio? Desde que mundo
é mundo, é assim. Tem quem mata e tem quem morre. Mas o
meu caso é muito claro e simples, não há mistérios, não há lógica
alguma. Tem um psicopata morando ao meu lado, me dando
prejuízo!

TEMPO

Jorgina: O senhor acha pouco um carro arranhado? Pois então, eu


posso sair agora e arranhar o seu carro, é só o senhor delegado me
dizer qual é a placa que eu vou até lá e faço o serviço.

TEMPO

Jorgina: (melodrama) Provas? O senhor quer provas? Olha o meu


estado! Isso não é prova suficiente? Eu morro de medo! Eu não
sei o porque, mas ele cismou com a minha cara. Por isso que eu
acho que só pode ser doença... Eu nunca troquei uma palavra com
esse vira-lata. Se mudou faz pouco tempo, mas no que eu vi a cara
do sujeitinho, eu logo adivinhei: coisa boa ele não é.

TEMPO

Jorgina: ( frustrada) O senhor não ouviu uma palavra do que eu


disse, não é...? Eu não sou esse monstro egoísta que o senhor
imagina. (emocionada, transportada) Olha, eu me importo com
essas meninas estranguladas. De verdade. A maldição de ter um
nome santo. Ter na garganta a finitude do desejo alheio. Mas
acredito que quem o faça, o faz por uma homenagem divina,
quase infantil. Tem motivo. Tem pureza. Ele deve ter tanto
respeito ao matar, mas tanto, que deve até pedir "por favor"!
Sim! Esse homem pede "por favor" quando vai matar! Quisera eu
ter uma morte alinhada como essa, cercada por uma lógica, com
alguém te pedindo "por favor"! E não algo vergonhoso, como o
meu vizinho esfolando a minha cabeça no chapisco da parede
porque acordou e sentiu vontade! Eu não quero ter a minha
cabeça esfolada no chapisco! Eu não quero!

TEMPO
5

Jorgina: Tudo bem! O senhor quer uma prova? Eu vou conseguir!


Pra semana não prometo nada, pois minha filha fica noiva e eu
estou na função. (sorri animada) O noivo é médico! Minha filha
fica noiva de um médico. É sempre bom ter um médico na
família. Um médico, um advogado ou um oficial da Marinha!

TEMPO

Jorgina: Bom, não vou mais roubar o tempo do senhor. Creio que
temos um acordo e isso por enquanto me basta... Por enquanto.

Quadro 1

(Apartamento de Jorgina. Tudo combinando: os motivos


florais da cortina, com os motivos florais do sofá. Ao fundo
um viveiro com muitos pássaros, que observam tudo em
silêncio)
6

( Queridinha sempre apática recebe o namorado Diego, que


traz flores.)

Diego: (sorridente) Flores.

Queridinha: Lindas.

Diego: Como você.

Queridinha: Não é verdade. Flores como eu só servem pra


funerais.

Diego: (doce) Mas você é a minha flor...

Queridinha: Eu sou uma flor fúnebre.

Diego: Não, você é uma flor como esta. (pega uma do


ramalhete) Delicada. Branca. Pura. Perfumada e
estonteantemente bela. Sensível a um vento frívolo.
Recatada como um botão respingado por orvalho e...

Queridinha: (fria) Olha pra mim.

Diego: Como?

Queridinha: (pega a flor da mão dele) Você só está olhando


para a rosa. Olha pra mim. Repete o que acabou de dizer.
Olhando pra mim.

Diego: (sorri amarelo. Suspira, ganhando postura) Você é


delicada. Branca. Pura. Perfumada e estonteantemente bela.
Sensível... (tenta lembrar) Sensível ao vento forte. Frívolo.
Forte. Não, não, frívolo mesmo. Sensível ao vento frívolo.
Recatada como um botão... Um botão levemente...
Interessante... E...e... e atingido, não, respingado!
Respingado por um orvalho que...

Queridinha: Pára.

Diego: O que...?

Queridinha: Já chega.
7

Diego: Não entendo.

Queridinha: Eu que não entendo...

Diego: Você quer me dizer alguma coisa?

Queridinha: Já adiei demais essa conversa. Talvez por ainda


estar esperançosa de respostas. Mas, já está mais que na
hora de conversarmos francamente um com o outro.

Diego: Não houve franqueza até então?

(Queridinha encara Diego)

Diego: O que está acontecendo? Eu fiz alguma coisa?

Queridinha: Diego. Não quero me casar.

Diego: Mas, minha flor...

Queridinha: Não me chame de flor. Muito menos sua.

Diego: Que diabos! Queridinha, até ontem estava tudo na


mais perfeita ordem. Agora parece mais gélida que um
cadáver. O que aconteceu?

Queridinha: Não confio em você.

Diego: (ofendido) Queridinha...!

Queridinha: Não confio em mim também... Tem uma


coisa... Talvez você não entenda... Mas o fato é que não
confio e pronto.

Diego: O que você está dizendo?

Queridinha: Eu vou tentar te explicar. (suspira. Tempo.


Organiza os pensamentos) Não. Eu não vou te explicar não.
É isso. Está tudo acabado entre nós.

Diego: (agudo) (reprovando) Queridinha!

Queridinha: Ficaria agradecida se não subisse o tom.


8

Diego: (desajeitado) Desculpa. É que... Fiquei tonto agora.

Queridinha: Quer um copo dágua?

Diego: Não... Obrigado. Eu queria mesmo é entender o por


que disso tudo agora, tão de repente...

Queridinha: Já faz um tempo que eu queria lhe dizer isso e


não sabia como. Adiando, deixei criar uma bola de neve.
Mas agora com essa história de casamento... (serena) Está
me ouvindo?

Diego: Estou.

Queridinha: Eu fico tentando encontrar razões do seu real


interesse por mim. E do meu por você. Não consigo chegar
à conclusão alguma. Fico tão insegura...

Queridinha: E assim, insegura, não consigo te amar.


(sincera) Penso que a qualquer momento, numa manhã de
uma segunda feira, você vai acordar e se fazer a mesma
pergunta... Sem encontrar uma resposta sincera que
justifique tudo isso. E eu não vou conseguir inventar nada
criativo que suscite uma suspeita, mesmo que inviável, que
possa sugestionar uma resposta. E lamentaremos por horas a
fio todo o tempo perdido, todo esse desperdício de energia.
E tudo permanecerá triste como sempre foi. Só que agora
mais rançoso... Sebento... Está acompanhando meu
raciocínio?

Diego: Que bobagem.

Queridinha: Não banalize meus sentimentos, por favor.

Diego: Não estou banalizando...

Queridinha: Tive outros romances e passei pelo mesmo


processo, tudo muito cansativo. Só estou tentando ser um
pouco mais prática. Nos poupar desse ciclo. Pular essas
etapas desgastantes. Nisso a experiência soma.
9

Diego: Eu amo você e isso pra mim é o que basta. Se vai


durar um ano, ou a vida toda, isso nem Deus sabe. Desculpa
se eu não venho com certificado de garantia.

Queridinha: (seca) Não use de ironias.

Diego: Não estou sendo irônico. Você que de uma hora pra
outra decidiu se comportar de forma totalmente avessa.

Queridinha: Avessa a que?

Diego: O que?

Queridinha: Você acabou de dizer que estou me


comportando de forma avessa... Adversa, contrária,
antagônica, oposta... A que, exatamente?

Diego: Ao que pensei que sentia por mim...

Queridinha: E o que você pensa que eu sinto por você?

Diego: Você não me ama?

(tempo)

Diego: (num lamento sussurro) Ai meu Deus...

Queridinha: Te desejo com receio de desejar. Não há


plenitude em meu amor. Apenas incertezas. (analisa o rosto
dele) Sua beleza é um imã inevitável que me atrai. Cada
aresta, cada dobradiça de virtude. Disso, estou certa. Mas é
essa mesma beleza que me martiriza e me enrijece... A sua
beleza me fere. Em cada ângulo, em cada gesto. A perfeição
desperta inveja, admiração, respeito, recalque... Mas amor...
Amor, amor... Quando somos tão imperfeitos, se torna
impossível suportar a intensidade dessa magnitude, nos
lembrando a todo instante do abismo que existe entre nós...
E com essa lembrança diária não consigo conviver.

Diego: (sincero) Eu desfiguraria meu rosto por você. Quer?


10

Queridinha: Sua deformidade jamais me seria satisfatória. A


questão não é essa.

Diego: (num desespero apaixonado, frágil) Então me diz,


qual é a questão?

Queridinha: A questão é que não vai haver casamento.

Diego: Você não pode decidir as coisas assim de uma hora


pra outra, sem sequer tentar me ouvir.

Queridinha: Não posso?

Diego: Não pode. Não pode dispor dos sentimentos das


pessoas como um produto descartável, não pode. Quando
me apaixono por alguém, meu coração se enche de forma
tão profunda e franca a ponto do meu espírito, fraco, ser
incapaz de racionalizar qualquer sentido. Julguei que ocorria
o mesmo com você. Mas eu acho que fui ingênuo, ou
arrogante demais. Porque agora não a reconheço em nada.
Está mascarada dessa forma cruel e fria, me dispensando
sem mais nem menos, como se eu não passasse de um
inconveniente qualquer. Não pode me tratar assim. Não
pode tratar ninguém assim. Nunca fui leviano em meu
discurso, nem dei motivos para que me encarasse com
tamanho desprezo. Estamos juntos nisso. Deixa eu te
convencer que posso te fazer feliz...

Queridinha: Vai embora, por favor...

Diego: Você está com medo de que?...

Queridinha: Não estou com medo... Estou insegura...

Diego: Pára de se proteger tanto... (aproxima-se do ouvido


dela) Confia em mim...

Queridinha: (arrepiada) Você me deixa tão sem saber... Eu


também já não entendo mais nada...

Diego: Para de querer entender tudo... A felicidade se dá nas


formas espontâneas, fora de qualquer entendimento.
11

Queridinha: (num sopro) Eu preciso pensar...

Diego: Vamos pensar juntos...

Queridinha: Você está apertando a minha mão...

Diego: Você não pode resolver tudo a sua maneira, sem ao


menos saber o que sinto de verdade...

Queridinha: Diego, a minha mão...

Diego: Eu vou cuidar de você, juro. Eu não vou te magoar,


eu te amo tanto...

Queridinha: A minha mão, solta...

Diego: Eu quero ficar com você, eu fiz tantos planos,


acredita em mim...

Queridinha: Você está me machucando!

Diego: A gente demora tanto pra encontrar alguém especial


que quando encontra, nem pensa duas vezes...

Queridinha: Me solta!

Diego: Não me joga pra escanteio, por favor... Eu tenho


verdadeira devoção por você...

Queridinha: Me solta!!!!!!!!!!

(Surge Jorgina, vindo da rua. Abre a porta num


estardalhaço.)

(o casal estanca)

Jorgina: (irritadíssima) Um absurdo! Um absurdo atrás do


outro. Aí eu pergunto : onde tudo isso vai parar? Aí eu
respondo: uma falta de respeito, total e absoluta! Mas isso
não vai ficar assim... Ah, mas não vai mesmo... Ele não me
conhece! (com desdém) Delegado Gomide... Ora veja!
Grande porcaria. Eu vou ligar pro chefe da guarda
municipal e denunciar o descaso das autoridades com uma
12

cidadã que paga seus impostos em dia! Eu vou é ligar pro


ministro da segurança! Isso sim! O negócio é falar direto
com o homem. Isso aqui é tudo peixinho pequeno!
(procurando) Cadê, meu Deus???!! Baltazar!!! Baltazar!
Cadê??? Cadê a bendita lista telefônica?! Baltazar! Já deu
fim? Que inferno! A gente arruma, arruma e continua tudo
fora do lugar! Baltazar!!!!!!

Queridinha: Olha o escândalo. Tem visita.

Jorgina: (notando o casal pela primeira vez) Ah! Diego!


(sorri parva) Diego é da família, minha filha... Desculpa, o
destempero, Diego. É que acabo de confirmar a falta de
respeito que assola o sistema de segurança do nosso país.
Ninguém está interessado em proteger ninguém. Cumprir a
lei é papo furado. Passei o dia inteiro pra ser ouvida, e
quando consigo falar, sou tratada como uma demente. As
autoridades públicas não estão nem aí. A única coisa que
interessa é a propina! O faz me rir! A plata! Os cães ladram
e a caravana passa! Os bandidos permanecem impunes e
nós, contribuintes, pagamos o pato. Mas eu não me dou por
vencida. Nem que eu tenha que ligar pro Papa... (senta com
pesar) E o pior é que eu inventei de colocar esse sapato que
me aperta até a alma, esmagou o meu mindinho! É novo.
(sorri massageando o dedo mindinho) Sapato novo é fogo.
Mas eu tinha que impor seriedade. E nada melhor que um
sapato novo. Te apertando. Lembrando que você não está na
sala da sua casa. (sorri) Faz uma massagem?

Queridinha: O Diego já está de saída.

Jorgina: Ah não, por favor! Que idéia. Quer lanchar, Diego?


Eu preparo um bobagem em dois palitos.

Diego: Obrigado, dona Jorgina. Mas eu realmente já estava


de partida. Tenho que voltar pra clínica.

Jorgina: (emocionada) Repita...

Diego: Como?
13

Jorgina: O que acabou de dizer. Por favor. Repita...

Diego: “Eu tenho que ir, preciso voltar pra clínica”?

Jorgina: Ouviu, minha filha? Isso é música! (vaidosa) Ele


tem que voltar pra clínica... Pois vai clinicar.

Queridinha: (suspira saturada)

Jorgina: Seu noivo conjuga um verbo para poucos:


(saboreia) clinicar... E como vão os pacientes? Algum caso
novo?

Diego: Nada muito fora do comum... Semana passada


apareceu uma senhora com um tumor alastrado por toda a
garganta...

Jorgina: Maligno?

Diego: Contundentemente.

Jorgina: Lástima! E a operação não dá jeito?

Diego: É paliativa. Num caso como esses... É difícil.

Jorgina: Quanto tempo até o desencarno?

Diego: Dois, três dias, no máximo.

Jorgina: Minha nossa senhora... Adoxilimina não resolve?

Diego: Até resolveria, mas ela já chegou num estágio muito


avançado... Se tivesse dado entrada um pouquinho antes...

Jorgina: Trouxe a chapa?

Diego: (prontamente com o raio-x na mão, apontando o


tumor) Aqui... Está vendo?

(os dois se põem a analisar o exame, contra a luz)

Jorgina: Dois, três dias só se for devota do menino Jesus...


Tá tudo bichado...
14

Diego: ...E se a senhora reparar bem, essa área


comprometida está criando uma espécie de...

Queridinha: (prática) Diego, você não está com hora


marcada?

Diego: Sim, é claro. Eu tenho que ir. (pega na mão dela)


Pensa em tudo que te falei, por favor...

Jorgina: (ainda analisando o exame) O que foi? O que


aconteceu? A aliança não coube, não é? Eu disse.
Queridinha tem dedo de graveto. Daqui a pouco bate um pé
de vento e carrega. (ri) Mas eu também quando me casei era
bem magrinha, parecia até que ia fazer primeira comunhão,
de tão esquelética. Mas depois encorpa. Depois da
gravidez...

Diego: (se aproxima da moça) Não vamos tomar nenhuma


atitude precipitada. Por favor. Vamos fazer assim:
conversamos depois com a cabeça fria. Pode ser?

Jorgina: (estranha. Abandona a chapa.) Vocês não andaram


se estranhando, não é?

Queridinha: (ao namorado) Pode ser.

Jorgina: Está tudo bem entre vocês?

Diego: (sorri esperançoso) A sua filha é a mulher da minha


vida.

Jorgina: (quase chora) Você é um menino de ouro.

Diego: (beija a mão de Jorgina com entusiasmo) Até logo,


dona Jorgina. (vai para beijar a namorada, ela vira o rosto
sutilmente, ele a beija na bochecha) Adeus, minha flor.

(Diego sai)

(Jorgina fitando a filha)

(breve silêncio)
15

Jorgina: (tenaz) Você não andou falando nenhuma asneira...


Andou?

(Queridinha precipita-se a sair)

Jorgina: (se coloca no caminho da filha) Eu não admito que


você coloque esse casamento por água abaixo, ouviu? Um
rapaz igual a esse: médico, bonito, que te venera, você não
acha em qualquer esquina.

(Queridinha imóvel)

Jorgina: Você já não está mais na idade. Não é nenhuma


mocinha... E muito menos uma diva de cinema. Já se olhou
no espelho? Está longe disso. Se não começar a entender
como lidar com os homens, vai acabar murcha e amarga,
catando folha seca no jardim. Abre o olho. Daqui a pouco
estará velha demais, e não poderá ter filhos. Uma mulher
sem filhos é o mesmo que um relógio sem ponteiros.
Igualzinha.

(queridinha imóvel)

Jorgina: Cadê seu pai?

(Queridinha imóvel)

Jorgina: O que é que você tem? Cara feia pra mim é fome.

(sem resposta)

Jorgina: Você viu a lista telefônica? Se eu descobrir que seu


pai pegou a lista telefônica pra limpar coco de passarinho,
eu nem sei! Nem sei! (senta exausta) Você não vai me
perguntar como foi meu dia? (tempo) Passei na delegacia.
(tempo) Não vai perguntar como foi na delegacia? (tempo)
Tentaram me enrolar... Tentaram. Ninguém me enrola.
Pediram provas, alguma coisa que comprovasse a culpa do
vizinho. Você viu algo de suspeito da parte dele, ouviu dizer
alguma coisa?

(Queridinha calada)
16

Jorgina: Você nunca sabe de nada. Não sei porque ainda


perco meu tempo com você. (tempo. Incomodada)

(entra Baltazar)

Jorgina: Baltazar! (animada) Fui denunciar o camarada! Eu


falei pra você que ia, não é? Pois bem, eu fui!

(Baltazar passa reto, coloca uma gaiola no alto e pega outra.


Beija a testa da filha)

Jorgina: (na janela, fitando o que se passa na rua) Mas me


trataram com tanto pouco caso. Eles não percebem que
“esse aí” da frente não é flor que se cheire. Se duvidar deve
até ser ex presidiário, sabe? Essa gente tentando esconder o
passado. Uma nova identidade. Fiquei pensando até se ele é
estrangeiro... Nunca ouvi falar nada. Tem cara de turco
misturado com cigano. Essa gente é muito vingativa...
Lembra do Eney? O finado Eney, Baltazar. Ele era casado
com uma cigana misturada com turca. A cigana descobriu
que o Eney tinha amante, a criatura teve um piripaque na
mesma hora e morreu. No rabecão, a caminho do cemitério,
o carro deu uma freada pra evitar um acidente e o caixão
avançou na cabeça do Eney, que morreu ali mesmo com o
impacto da batida do caixão no crânio. A mulher se vingou
mesmo depois de morta! Coitado do Eney. Coitado não.
Porque ele não tinha nada que se meter com amante. Ele viu
de perto o que é a vingança de uma turca misturada com
cigana.

(não percebe que Baltazar já pegou a gaiola e já saiu de casa


novamente, enquanto a filha acaba de entrar para o quarto.)

Jorgina: (falando sozinha, delirante) Eu tenho certeza que


ele percebeu que estou desconfiada e por isso arranhou o
meu carro. Uma ameaça, quase... Está com medo que eu o
denuncie pra polícia federal. Mas está pra nascer homem
que me coloque medo. (ri amarga). Eu vou conseguir uma
prova e daí esse camarada vai ver o sol nascer quadrado.
Xilindró nele... (percebe-se só) Baltazar? Baltazar...
17

(Jorgina sozinha)

(Jorgina senta-se no sofá)

(massageando o dedinho mindinho)

(Olhar distante)

(escuridão)

Quadro 2

(Jorgina tomando café da manhã. Queridinha com


pensamento distante, lendo um artigo numa revista. Baltazar
lendo jornal em sua poltrona. Jorgina encarando os dois,
nitidamente incomodada. )

(Jorgina perplexa se levanta e toma a margarina da filha)

Queridinha: (se assusta) O que é isso?

Jorgina: Minha margarina.

Queridinha: E daí?

Jorgina: E daí que a partir de agora, aquilo que você pagar é


seu. E aquilo que eu pagar é meu. Então, se quer consumir
da minha margarina é bom me tratar com mais respeito.

Queridinha: (elegante) Você está com algum problema?

Jorgina: Dois. Estou com dois problemas. Dois grandes


problemas que não param de consumir margarinas, como
dois parasitas gordurosos.

Queridinha: O que a gente fez dessa vez?

Jorgina: Nada. Mas aí jaz o definitivo drama. Vocês não


fazem nada. O tempo todo. Dois inúteis! Negue. Negue a
inutilidade de vocês dois nessa casa. Seu pai mais parece um
18

espectro. Anda pra cima e pra baixo com essas gaiolas, se


ocupando desses pombos!

Queridinhas: São Calopsitas Lacurinas.

Jorgina: Pombos! Pra mim não passam de pombos! (para


Baltazar) E você, Baltazar, de tanto andar junto com essas
pragas, está ficando igualzinho. Só faz comer e cagar.

Queridinha: Novamente a mesma cantilena...

Jorgina: E eu não vou parar. Não dessa vez! Vou cantilenar


até que minha garganta sangre e minha boca resseque!

Queridinha: Com licença...

Jorgina: Senta aí, dondoca, porque eu ainda não acabei de


falar.

Queridinha: Desculpa, mas não sou obrigada a ouvir


desaforo nessa altura do campeonato. (vai levantar)

Jorgina: (leoa) Enquanto você estiver em minha casa,


vivendo às minhas custas, vai ter que me ouvir sim. Senta!

(as duas se encaram com fúria)

(Queridinha senta)

Jorgina: Estou cansada de vocês. Cansada! Eu me desviro


que nem uma condenada pra dar ordem nessa casa. Faço
malabares! Das tripas coração. E vocês não têm um pingo
de consideração por mim. Dois estranhos perambulando
pelos cantos. (muito séria) Ontem eu passei o dia inteiro na
rua e vocês nem pra perguntar o que aconteceu. Eu tenho a
impressão de que quando eu morrer, vocês só vão reparar
três meses depois. Mesmo assim, só porque acabou a
margarina ou porque a roupa de vocês deu bolor de tão suja.
Porque é só pra isso que eu sirvo nessa casa, não é? Cuidar
para que vocês não apodreçam.

Queridinha: (fria) O que quer de nós?


19

Jorgina: Dignidade. Quando vi meu carro arranhado, a ficha


caiu! Se aqui é cada um por si, então já é hora de vocês
tirarem o cavalinho da chuva. Pois as coisas vão mudar.
Acabou a mordomia. (ao marido) Você está velho Baltazar,
mas não está morto. Tem saúde ainda, graças a Deus. Pode
mudar. Pode inclusive, pegar uma ocupação, no lugar de
gastar o pouco que tem com essas pragas. Daí você poderia
me levar pra jantar. Me comprar um bombom que seja. Ou a
sua própria margarina. Qual é o espanto? Fala.

(ele se precipita a falar, ela corta)

Jorgina: Não...Não gaste o seu latim, eu já sei perfeitamente


o que você vai alegar. Vai dizer que passou a vida toda
trabalhando e que seu descanso é mais que merecido... Mas
meu caro, com essa merreca que você chama de
aposentadoria, não dá nem pro cheiro! É metade pros
pombos e metade pros seus remédios. E o que sobra?
Pepinos. Eu não quero passar o resto da minha vida no
sufoco. Contando moeda com vocês dois nas minhas costas.
A vizinha do 607 acabou de voltar de Papua Nova Guiné!
Vocês sabem onde fica Papua Nova Guiné? Claro que não.
O máximo que vocês fizeram na vida inteira foi atravessar a
ponte Rio Niterói. Pois aquela biscateira do 607 foi nadar
com os tubarões e dançar o ula-ula. E semana que vem ela
volta no cirurgião plástico pra fazer um retoque no botox. Aí
eu te pergunto: Ela é rica? Aí eu te respondo: Claro que
não! Ela apenas gasta o dinheiro que ganha com ela mesma
e não com sua família estorvada. Porque os filhos já estão
casados e moram na Patagônia, enquanto o marido mesmo
aposentado trabalha em uma lojinha de ração. E o velho
ainda tem disritmia cardíaca! Percebe? Não estou falando
que você deva abrir uma loja de ração na esquina, Baltazar,
e nem que você deva ir morar na Patagônia com seu marido,
Queridinha. Estou falando de dignidade! Abandonem essas
cascas de baratas e partam pra luta. Um serviço pra homens
da sua idade, Baltazar, não é difícil de encontrar. É jogo ter
um idoso trabalhando como officeboy! Não pega fila, não
paga condução, só vantagens pra empresa. Que irônico, não
20

é mesmo? Mas é a mais pura verdade. A vida está repleta


disso: ironia. Assim como o seu noivado (para a filha). É
irônico uma moça tão desprovida despertar o interesse de
um rapaz tão bem sucedido. Mas por isso vamos desprezar a
sorte que a vida nos oferece? Pelo contrário! Precisamos
agarrar com unhas e dentes. E se o Diego, cargas d’águas
por que, decidiu casar contigo, Queridinha, nem pense duas
vezes. Antes que ele se dê conta do bucho que você é e
mude de idéia. Porque você é feia, minha filha e ao invés de
ficar esnobando o médico, deveria lamber o chão que ele
passa.

Queridinha: (grave) Não merecemos palavras tão duras e


ferinas. Essa é a sua família, Jorgina, e isso não muda. Não
estamos nesse ciclo por acaso. Cada um tem aquilo que
merece ter.

Jorgina: O que eu sei é que não mereço ser enterrada viva


por dois coveiros apáticos sugando meu sangue. Eu não
mereço passar o resto da minha vida dialogando com as
paredes. Eu não mereço ter que passar o dia do meu
aniversário enfurnada numa delegacia porque um retardado
arranhou meu carro inteiro! Isso eu não mereço. Não mereço
mesmo... (senta num pesar)

(silêncio)

(ninguém se encara)

(Baltazar levanta-se. Dobra o jornal, solene e sai.)

(Queridinha faz o mesmo)

(Jorgina sozinha na mesa)

Jorgina: Imprestáveis...

(Jorgina caminha lenta pela sala. Reflexiva. Nitidamente


incomodada com alguma coisa que permeia seus
pensamentos nebulosos.)
21

(o silencio de certa forma a perturba. Rumina algumas


coisas inaudíveis, resmungando insatisfeita)

(Liga a tv.. Pega o controle remoto e zapeia, sem muita


paciência)

(variados canais)

(televenda, novelas, líderes espirituais, vídeo-clip, mais


televenda.)

Jorgina: Lixo. (troca o canal) Lixo. (troca o canal) Lixo


duplicado. (troca o canal) Nada que preste. Tudo lixo. E a
gente consumindo lixo. E a gente produzindo lixo. Um ciclo
apodrecido sem fim. Esgoto filtrado.

(Larga o controle remoto e vai para a sua janela. A tv.


Permanece ligada, num canal qualquer, talvez um programa
enlatado dos anos 50, com risadas em off.)

(Jorgina afasta uma das cortinas e observa o que se passa na


rua.)

(a programação da tv. É interrompida por um informe


jornalístico urgente. Jorgina, ainda da janela, ouve atenta.)

Repórter da tv: Mais uma vítima estrangulada por sua


própria meia calça foi encontrada nessa madrugada no
parque da cidade. A manicure Úrsula Tavares de 34 anos,
foi a oitava vítima morta pelo serial killer que vem
assombrando nossas ruas nos últimos meses. Conhecido
como o matador de santas, o assassino é um homem
perigoso que vitimiza mulheres com nomes de santas
cristãs. Como recordação sinistra, o psicopata leva um
chumaço de cabelo que é cortado bem do alto da cabeça,
deixando suas vitimas carecas como um frei. As autoridades
investigam o caso e garantem que providências estão sendo
tomadas para chegar à identidade do criminoso. O
delegado Gomide acompanha de perto as investigações.

Jorgina: (reconhecendo o delegado) Pilantra...


22

Delegado Gomide: Estamos lidando com um assassino frio


e calculista...

Jorgina: Eu quero é novidade.

Repórter da tv: O senhor acha mesmo que o assassino


possa ser uma pessoa aparentemente normal, como um
vizinho, por exemplo?

(Jorgina se inclina por cima do sofá aproximando-se mais da


tv, está muito atenta, como se farejasse algo)

Delegado Gomide: Sem dúvidas. Os assassinos em série


geralmente são pessoas extremamente comuns e reservadas.
No entanto, um comportamento bipolar, ou até mesmo,
atitudes extremistas, sem mais nem menos pode revelar uma
natureza assassina em potencial. Estejam atentos.

Repórter: Existe algum retrato falado que possa ajudar na


identificação do maníaco?

Delegado Gomide: Acredita-se ser um homem alto, moreno.


Possivelmente com olhos claros. Mais pra forte que pra
magro e sem dúvida muito atraente. Bom nível social e
intelectual. Atrai suas vítimas justamente por essas
características tão sedutoras. Estamos lidando com uma
mente brilhante e sádica, que se aproveita da fragilidade
dessas mulheres solitárias, envolvendo-as num
relacionamento e levando-as a morte!

Repórter da tv: Obrigada, delegado. Voltamos mais tarde


com mais informações a respeito do matador de santas.

(Jorgina desliga a tv imediatamente. Vai tomando um ar


assombrado. Corre para a sua janela. Permanece por lá. Em
silêncio. Escuridão)

Quadro 3
23

(Queridinha e Diego)

Diego: (muito feliz) Vim correndo, fiquei surpreso com seu


telefonema...

( ele percebe a namorada com ar angustiado)

Diego: Aconteceu alguma coisa? Algum problema sério?

Queridinha: (hesita)

Diego: Conta.

(Queridinha mais apreensiva)

Diego: Confia em mim...

Queridinha: Eu não quero ficar igual a ela...

Diego: Sua mãe...?

Queridinha: (assombrada) Eu não posso... Não desse jeito...

Diego: Desse jeito como?

Queridinha: Eu não quero envelhecer assim... Cheia de


recalque... Afundada num marasmo bolorento. Não quero
mesmo. Não sei como meu pai agüenta. Fico pensando em
quando decidiram se casar... Fico tentando imaginar na
paixão que sentiam um pelo outro... Se é que houve, um dia.

Diego: É claro que houve. É que o tempo passa, os


sentimentos se transformam e em certos casos acabam
estragando...

Queridinha: É tudo tão indiferente... Frio. Distante.


Inexistente. Eles dormem na mesa cama há tanto tempo...
Dividem a mesma mesa, o mesmo teto... Tento entender por
que não se separam se não existe mais nada...

Diego: Alguma coisa existe. As relações são sustentáveis,


ou do contrário findariam.
24

Queridinha: Não acredito numa relação onde o amor está


morto.

Diego: E quem disse que está? Essa é a forma deles se


amarem.

Queridinha: Não quero um amor assim. Nunca...

(tempo)

(ela hesitante)

(ele cabeça baixa, sem saber o que dizer)

Queridinha: Escuta.

Diego: Sim.

Queridinha: Andei refletindo sobre certas coisas e acho que


fui um tanto rude. Queria que desculpasse a minha
insegurança. Eu acabo sendo excessiva, exigindo posturas
que nem eu mesma sou capaz de assumir.

Diego: (sorri doce) Eu não tenho nada para desculpar. Você


foi sincera comigo. E eu acredito na sinceridade pra se
construir algo realmente duradouro.

Queridinha: Pois é. Com a histeria da minha mãe, a apatia


do meu pai... Tudo é tão insuportável que dilata a minha
irritação e insatisfação com tudo. Eles são estranhos a mim.
Não me considero uma comunhão dos dois. Não me
identifico em nada... Não tem nada a ver. Por um acaso
fomos impostos uns aos outros.

Diego: Talvez seja hora de você criar a sua própria família.

Queridinha: Exatamente. Pensei muito nisso a caminho


daqui. E é sobre isso que quero falar com você.

Diego: Fala.

Queridinha: Me caso com voce.


25

Diego: (emocionado) Mesmo?

Queridinha: (faz que sim com a cabeça) Já está na hora de


construir uma família na qual me identifique. (sorri) Aceita
se casar comigo?

Diego: Sim. Sim. Sim! É tudo o que eu mais quero.

Queridinha: Semana que vem.

Diego: Já?

Queridinha: Já.

Diego: (desconcertado) Mas casar assim, de uma hora pra


outra...

Queridinha: Acabou de dizer que é tudo o que você mais


quer.

Diego: Mas meus pais nem estão no país...

Queridinha: A gente casa aqui primeiro. A festa pode ser lá,


com eles, na outra semana. Não me importo. Podemos até
morar perto deles. Onde eles estão mesmo?

Diego: Na Dinamarca.

Queridinha: Sempre quis conhecer a Dinamarca.

Diego: Sim... Mas eu queria que fosse organizado. Com


toda pompa que merece. A igreja, o salão de festas... Seu
vestido de noiva...

Queridinha: Não precisa de igreja. Nem salão. Chamamos


um juiz de paz e casamos. Pronto. O vestido não precisa.

Diego: Precisa. (vidrado) Faço questão. Tudo bem que não


tenha festa, nem pompas. Mas não abro mão de vê-la
vestida de noiva... Toda de branco... Imaculada... Com um
véu em sua cabeça, estendido até o chão... Como numa
aparição celestial...
26

Queridinha: Isso fica bem pra mocinhas, não para mulheres


da minha idade. Vou parecer ridícula. Nada de vestido
branco.

Diego: (firme) Pois essa será a minha única exigência. E se


não for cumprida, quem não casa sou eu.

Queridinha: ( incrédula) Fixação!

Diego: (emocionado) Quando vi pela primeira vez a imagem


da Nossa Senhora, envolta em seu manto estrelado,
esmagando a cabeça da serpente, com a lua aos seus pés...
Eu fiquei tão impactado que jamais pude esquecer... A
serenidade em seu rosto... Acima do bem e do mal... Uma
noiva pra mim, tem a mesma beleza divina, faço questão
que a minha esposa se case vestida de noiva. Do contrário,
não me terá como marido.

Queridinha: Tudo bem. Se você faz tanta questão assim.


Tudo bem. Eu faço tudo o que você quiser, contanto que
seja o mais breve possível.

Diego: E por que toda essa pressa de uma hora pra outra?

Queridinha: (toma um ar assombrado) Presságio. Sinto que


morrerei em breve...

Diego: Não diz isso, Queridinha...

Queridinha: (séria) Não tenho uma saúde muito confiável e


você sabe disso. Tenho sentido palpitações, calafrios, como
se a própria morte viesse soprar em meu ouvido, zombando
de mim, numa provocação funesta. Não quero morrer no
seio da família... Não quero. Fico horrorizada só de pensar
na minha mãe organizando o meu velório... Me vestindo...
fechando o caixão... Fico toda arrepiada! Noutro dia sonhei
com isso... (assombrada) A minha mãe se debruçava em
meu caixão e me beijava na testa, bem aqui. Deixando uma
marca de batom manchando meu rosto... Eu tenho que me
casar o mais rápido possível! Você diz que pode me fazer
27

feliz. Então. Quero ser feliz agora. Casa comigo semana que
vem?

Diego: Caso satisfeito, te levo embora daqui e nunca mais


sua mãe verá o seu rosto.

Queridinha: (num abraço apertado, lágrimas nos olhos)


Obrigada.

Quadro 4

(Jorgina escondida por de trás da cortina, observando o que


se passa no apartamento da frente. Com uma mão abre uma
fresta entre as cortinas, suficiente para analisar o que ocorre.
Mordendo o canto da boca, com muito desprezo pelo que
vê. Baltazar lendo jornal.)

Jorgina: (mastigando alguma palavra, inaudível. Ruminando


em amargo. Entra em dúvida) Precedente...Procedente...
(berra) Baltazar! Como se diz, hein? (nova ruminada
inaudível) Como é mesmo? (sempre da janela, sem perder
seu foco de discussão) Héin, Baltazar! (confessa) Fiquei
virada no siri agora. (perdida em si mesma) Prescedente..
Prece... (saboreia) Prece- Proce... Procedente... O que
procede... (numa careta incompreensível) Faz sentido , não
faz? Faz... Héin, Baltazar... Baltazar! (desiste do marido,
que está lendo jornal e nem dá bola pra ela. Muda o tom) Eu
tenho certeza que “esse daí” da frente tem procedente
criminal. Absoluta. Tem que eu sei. Tem sim. (pausa)
Ontem eu fiquei vendo quando ele cozinhava, tinha um
prazer sombrio socando o alho e, além disso, cortava os
legumes com uma frieza animalesca. Agarrava a cenoura e
28

picava miudinha... Coisa de psicopata. Eles são muito


minuciosos... Ninguém corta cenoura assim... Cebola ainda
vai lá, mas cenoura... Nunca vi... Entende Baltazar? Lógico
que não. Você nem sequer sabe descascar uma banana.
(anima-se)
Olha lá... Lá vai ele novamente lavar a calçada. Não sei pra
que! Depois a gente fica sem água, daí vai Jorgina tomar
banho de caneco. Sujeitinho abusado... Não está aqui há um
mês e já lava a calçada. Isso é coisa de tijucano! Tijucano é
uma raça... (ri amarga) Mas eu não sou boba, Baltazar, eu-
não- sou- boba! Ele fez amizade com o apalermado do 403 e
seu yorkshire neurótico. Acredita Baltazar, que hoje pela
manhã vi esse apalermado do 403 beijar na boca do
yorkshire antes de ir trabalhar????? Boca não! Focinho!
Beijou o focinho!
Tarado!
Deveria arrumar uma esposa!
Fiquei pensando se ele mantém relações sexuais com o
yorkshire.... Um dia ainda denuncio esse sujeito pra
sociedade protetora dos animais! Se bem que esse yorkshire
não deve valer muita coisa. Não confio no caráter de cães
pequenos.
E muito menos em quem os têm.
Definitivamente.
Lembra daquela história da bibliotecária dentuça do 912,
Baltazar?
Aquela que colecionava orquídeas e escondia o cadáver do
marido emparedado na sala de jantar... Claro que lembra!
Ela tinha uma cara de camelo, horrorosa... Um bico... Uma
coisa estranhíssima.
Então, ela tinha um pequinês belga... Era cúmplice! Aquela
coisinha horrorosa com cara cínica. Me refiro ao pequinês.
Nunca me enganou. Não mesmo. Ninguém me engana,
Baltazar, você sabe disso. Estou próxima do desfecho de
minhas análises. Bem próxima... Hei de conseguir uma
prova contundente que coloque esse camarada na cadeia. E
vai ser bem feito se o apalermado do 403 for junto! Quem se
mistura com porcos, farelos come.
29

E a sociedade tem parte nisso. A sociedade sempre está por


trás de tudo. Este homem nada mais é que o resultado dessa
nojerada toda. ( Corajosa) Mas a sociedade não me intimida!
Absolutamente. Eu tenho muita personalidade e nisso não
me dobram. Não sou vaca de presépio! Eu coloco a boca no
trombone, rasgo o mapa. Porque nisso a sociedade não tem
culhão. Tudo massa de manobra. É verdade, Baltazar. Você
mesmo, estufa o peito, fala da sociedade como se fosse uma
grande coisa: (bufa) ah! A sociedade! A força da sociedade!
A dama da sociedade! Alta sociedade! Sociedade!
Sociedade! (taxativa) Sociedade é uma merdinha assim.
Medíocres!!!! Vivem suas vidinhas e nem se dão conta do
que realmente está acontecendo. As mensagens
subliminares, os códigos interligados, a lavagem cerebral...
Repetem esquemas, consomem desnecessidades, estão todos
programados como arquivos bolorentos: produzindo
parricidas, maníacos, suicidas... (triunfante) Mas eu não!
Digo e repito: Eu tenho muita personalidade.

Se eu estiver certa... Ah, Baltazar, se eu conseguir desmascarar


o matador de santas... Ganho o título de cidadã honorária! (
(maravilhada, quase num sussurro) E vou pra Papua Nova
Guiné...

(delirante, saboreando o inexistente)

( Jorgina avista algo de grave pela janela.)

Jorgina: (apavorada) Baltazar! Olha lá... Uma jovem... O vizinho


está conversando com uma jovem!... Ela está usando meia calça...
Azul petróleo... É magrinha! Magrinha e ruiva. Daqui estou
vendo a brancura dos dentes, não tem mais que vinte anos. Pega
uma máquina, Baltazar! Vou fotografar o meliante em ação! O
matador dando o bote, prova suficiente pro delegado. E essa
moça... Bárbara... Lúcia... Clara... Joana! Tem cara de Joana,
Joana Darc. Aposto e ganho. Baltazar, Joana Darc sorri ingênua...
O vizinho finge timidez, é assim que os psicopatas fazem... Você
lembra de “Louca obsessão”? (assombrada) Uma conversa mole,
um elogio certeiro... Temos que fazer alguma coisa... Ela não
30

pode entrar no partamento dele! Cadê a máquina, criatura? (se


agita. Puxa pelo marido. ) Baltazar! Ele vai matá-la! Meu Deus!
Você e nada é a mesma coisa, Baltazar! Baltazar nós vamos lá!
Vamos bater na porta desse homem e acabar com essa palhaçada.
Fazer justiça com as próprias mãos. Fomos abondonados pelo
sistema. Estamos como no período da pedra lascada, olho por
olho, dente por dente. Você não vai me acompanhar? Tudo bem.
Eu vou sozinha. Se eu não voltar, tem carne moída no congelador,
e um restinho de refolgado na porta da geladeira e... (olha pela
janela) Ele está saindo...! Ele está saindo de casa... Ela está com
ele... Ainda está viva... (fascinada) Por quanto tempo só deus
sabe... Tadinha... Sorri sem desconfiar do que lhe aguarda... Fuja
Joana, fuja!... Estão pegando um taxi... Porque taxi se ele tem
carro? É claro... Como sou ingênua! Ele não quer deixar
pistas...Vestígios! Nunca mataria ninguém em sua própria casa...
E nem deixaria digitais da vítima em seu carro. Eu sou muito
esperta. ( atenta) Abriu a porta do carro pra ela, que gentil! Coisas
de maníacos, nenhum homem normal faz isso hoje em dia. Estão
partindo... (num lamento) Perdemos.

(tempo)

Jorgina: (natural) Vou passar um café. Vai querer?

(Baltazar imóvel. Jorgina sai)

Quadro 5

(Queridinha e Baltazar vendo tv, apatia genética. Não desviam o


olhar da tv.)

Baltazar: Você viu a sua mãe?

Queridinha: Saiu cedo.

Baltazar: (aproximando-se, carinhoso) E o Diego?

Queridinha: Na clínica.

Baltazar: E o casamento?
31

Queridinha: Mês que vem.

Baltazar: Verdade?

Queridinha: Pois é.

Baltazar: Os pais dele vêm?

Queridinha: Não.

Baltazar: Onde eles moram mesmo?

Queridinha: Dinamarca.

Baltazar: Isso.

Queridinha: Eu vou morar lá mês que vem.

Baltazar: Mesmo?

Queridinha: Pois é.

Baltazar: Coisa boa.

(tempo)

Baltazar: Faz frio lá.

Queridinha: Faz.

Baltazar: Tá feliz?

Queridinha: Muito.

Baltazar: Isso que vale.

Queridinha: Pois é.
32

Baltazar: Quer pipoca?

Queridinha: Não.

Baltazar: Dinamarca é perto de onde?

Queridinha: Alemanha.

Baltazar: Hum...

Queridinha: É doce?

Baltazar: O que?

Queridinha: A pipoca.

Baltazar: Não.

Queridinha: Ah...

(tempo)

Queridinha: (sempre apática, sem desviar da tv) Você foi


apaixonado por ela?

Baltazar: Quando?

Queridinha: No começo.

Baltazar: Faz tanto tempo, que nem lembro.

Queridinha: O que sente hoje?

Baltazar: Amor... ao contrário.

Queridinha: Amor ao contrário é amor?

Baltazar: Não sei...


33

Queridinha: Entendo.

Baltazar: E o Diego?

Queridinha: O que tem?

Baltazar: Você o ama?

Queridinha: Não sei...

Baltazar: Não precisa casar se não quiser.

Queridinha: Eu sei.

Quadro 6

(entra Jorgina. Encontra Diego na sala)

Jorgina: (débil) Diego! Nem vou te abraçar, meu querido, acabei


de voltar do cemitério e estou dos pés a cabeça cheirando a
velório. (vai sentando e tirando imediatamente o sapato) Ai,ai,ai...
O enterro foi lá em Irajá. Meu pé tá que não se agüenta. Ô
lugarzinho pra ser enterrada... (tira o sapato, aliviada) Fico pasma
quando me dou conta de como as pequenas coisas são capazes de
gerar uma felicidade tão profunda e sincera...

(Diego observando, solene)

Diego: Foi algum parente?

Jorgina: O que?

Diego: O velório.

Jorgina: Ah! Não... Foi de uma moça.

Diego: Muito jovem?


34

Jorgina: Vinte anos.

Diego: Ela tinha vinte anos?

Jorgina: Foi enterrada numa ripa fina! O caixão era tão ordinário
que mais parecia um caixote. Tudo muito fajuto! A menina
parecia uma berinjela amassada. Economizaram no caixão pra
esbanjar nos arranjos. E tinha cada coroa! Uma mais linda que a
outra! Eram umas guirlandas enormes. Lindas! Eu fiquei até com
vontade de comprar uma e colocar aqui na sala.

Diego: Cruzes dona Jorgina! Uma coroa de defunto. Onde já se


viu?

Jorgina: Eu seria bem capaz!

Diego: É mau agouro.

Jorgina: Mau agouro é ser enterrada em um cemitério público que


mais parece um gaveteiro. Igualzinho ao de uma repartição
pública. Ser arquivada, catalogada sem a mínima dignidade.

Diego: Caixote ou caixão de cristal... Depois de morto não faz


tanta diferença...

Jorgina: É aí que você se engana, Diego. Sua cova é a sua última


morada. Sua cama eterna. A sua despedida dessa pra melhor.
Você passa a vida toda matando cachorro a grito, ao menos na
morte, merece alcançar dignidade. Ter uma cerimônia decente.
Até um mendigo merece isso. No meu enterro quero tudo do
bom e do melhor. Eu já até andei pesquisando preço, levantando
por alto, fiz um orçamento... Quero organizar tudo direitinho. Pois
se eu depender do Baltazar, sou enterrada num compensado que
nem a mocinha de Irajá. Eu quero pompa! (levemente triste) Eu
não tive festa de 15 anos. Meus pais não tinham condição.
Naquela época tudo era mais difícil... A cerimônia do meu
casamento também foi muito simplória. Casei com vestido
alugado. Lembro que eu fiquei pensando em quantas mulheres
haviam se casado com o mesmo vestido... Se ele me daria sorte...
35

Ou se seria amaldiçoado. (ri amarga) Bem distante de tudo o que


eu havia imaginado em um casamento... E foi ficando cada vez
mais distante... (virada de humor) Agora: o meu enterro... Ah,
Diego! O meu enterro, eu quero de rainha. De rainha! Vai ser um
evento. Vai ter convite e tudo. Só entra no velório com convite.

Diego: E do que ela morreu?

Jorgina: Quem?

Diego: A moça de Irajá.

Jorgina: Ah! Sim. Morreu assassinada.

Diego: Assassinada?

Jorgina: Estrangulada por sua própria meia calça...

Diego: O Matador de santas!

Jorgina: Exatamente. Atacou novamente. O corpo da menina foi


achado debaixo do viaduto! Os vizinhos reclamaram do mau
cheiro e quando foram ver , era a moça estrangulada. Careca
como um frei. (suspira cansada) Mas essas moças são estúpidas!
Com tantos avisos, mesmo assim acabam abatidas por esse
maníaco.

Diego: A senhora a conhecia?

Jorgina: Julguei que sim. Fui ao enterro justamente por acreditar


ser uma moça que eu havia visto noutro dia... Mas me enganei.
Era ruiva.

Diego: A morta?

Jorgina: Não. A moça que vi noutro dia era ruiva. Mas a morta era
loura. Estou com um nó na cabeça...

Diego: ( fingindo que entende) Ah...


36

Jorgina: Ele com certeza quis me confundir...

Diego: Quem?

Jorgina: O matador. A moça ruiva era um falso estratagema. Era


um cavalo de Tróia, o bode expiatório, um boi de piranha...

Diego: (cada vez mais sem entender) Boi de piranha?

Jorgina: A cenoura sustentada na vara, enganando o burro,


fazendo-o andar! Ele queria me fazer acreditar que era ela a
vitima... (vai para a janela) Subjuguei o inimigo...

Diego: Do que exatamente a senhora está falando?

Jorgina: (hipnotizada na janela) Esse doente mental é mais


inteligente do que eu pensava... Certamente a ruiva lhe serve
como álibi pra encobrir os assassinatos... O abobado do 403
também deve estar envolvido nisso tudo... Fornecendo
informações... Deve haver um código. Uma espécie de sociedade
secreta...

Diego: A senhora sabe alguma coisa a respeito do matador de


santas?

Jorgina: Desconfio...

Diego: Desconfia de alguém...?

Jorgina: Pois é. Mas não posso acusar ainda...

Diego: Acusar quem?

Jorgina: Por enquanto ninguém, não tenho provas... Mas muito


em breve... Enfim, está esperando a Queridinha?

Diego: Sim. Ela marcou comigo, mas até agora não chegou.
37

Jorgina: E como você entrou, Diego? (congela o sorriso)

(tempo)

Diego: A porta. Estava aberta.


Jorgina: Não tem problema, você é da família, meu querido. Um
filho, quase! Essa casa também é sua.

Diego: Obrigado. Fico muito feliz que me veja dessa maneira.

Jorgina: A minha filha é meio desmiolada, mas no fundo é uma


boa moça. Desconsidere seu temperamento infantil. Ela dará uma
boa esposa. Assim que vocês se casarem eu faço questão...

Diego: Dona Jorgina, nós já nos casamos.

Jorgina: (em retardo) Como?

Diego: Nos casamos há três dias.

Jorgina: Se casaram há três dias?

Diego: Sim. É que tudo foi muito rápido.

Jorgina: Vocês se casaram há três dias e não me disseram nada?

Diego: A Queridinha havia me dito que a senhora estaria ocupada


e que por isso não poderia estar conosco no cartório...

Jorgina: (quase num sopro) Ela disse isso...?

Diego: Seu Baltazar tirou as fotos, a senhora pode ver depois.

Jorgina: O Baltazar tirou as fotos.

Diego: Pois é, eu vim pegar algumas malas da Queridinha. Por


enquanto estamos em meu apartamento. Mas semana que vem
vamos pra Dinamarca, encontrar com meus pais.
38

Jorgina: Dinamarca semana que vem.

Diego: Mas é estranho, ela não chegou até agora... A senhora tem
idéia de onde ela possa estar?

Jorgina: Quem?

Diego: A Queridinha.

Jorgina: Atrás de você.

(Diego se vira e dá de cara com a esposa)

Diego: Meu amor, que susto! Estava esperando você. Entrou na


pontinha dos pés. Nem ouvi!

(Queridinha e Jorgina se olham fixamente. )

Diego: Tudo bem?

Queridinha: Tudo.

( Diego constrangido no meio das duas)

Diego: Minha santa, você não avisou a sua mãe do nosso


casamento?

Queridinha: Esqueci.

Diego: (mais constrangido, fingindo descontração) Esqueceu! (ri


amarelo) Ela esqueceu! Ai, ai... Que cabecinha...

Jorgina: Diego, você pode me deixar a sós com a minha filha por
alguns instantes, por favor? Assunto entre mulheres...

(Diego sai)

(as duas se olham demoradamente)


39

Jorgina: Parabéns por seu casamento. Estou muito feliz por você.

Queridinha: Não precisa fingir.

Jorgina: E quem disse que é fingimento? Estou feliz. Você


finalmente se casou. Finalmente conseguiu alguém que te
aceitasse do jeitinho que você é.

Queridinha: Se você conseguiu, por que eu não haveria de


conseguir também?

Jorgina: Eu nunca vou te perdoar por isso...

Queridinha: Você realmente se importa? Não mente! Olha nos


meus olhos e diz que realmente se importa. Você não se importa
com nada além de você mesma. É tão egoísta e mesquinha que é
incapaz de perceber o que de fato acontece ao seu redor. Se está
magoada, não foi porque deixei de te convidar. E sim porque
mesmo sem você, as coisas não deixaram de acontecer. Você se
tornou inútil.

Jorgina: Me respeite.

Queridinha: Me respeite você. A vida toda fui obrigada a ouvir as


suas ofensas, me tratando com desprezo. Incapaz de um gesto de
carinho. Como se houvesse uma rival em sua casa e não uma
filha.

Jorgina: Não é verdade.

Queridinha: É verdade sim. E você sabe disso.

Jorgina: Já chega. Eu não quero te ouvir!

Queridinha: (se coloca na frente da mãe) Você vai me ouvir sim.


Por muito tempo me senti culpada por não despertar em você o
amor que deveria. Me mortificando por não corresponder as suas
expectativas. Rejeitada como um fruto de seu ventre. Um fruto
podre. Estéril.

Jorgina: Você perdeu o juízo!


40

Queridinha: Nunca suportou o fato de ter gerado algo tão


medíocre, de ter fracassado tanto no papel de matriz.

Jorgina: Já chega!

Queridinha: Percebeu que o que saiu de você foi frustração. Que


não poderia produzir nada além disso. Frustrução. Mas agora eu
sei que não posso me responsabilizar por isso. Não é culpa minha.

Jorgina: Cala a boca.

Queridinha: A culpa é toda sua. Eu sou só mais um fruto


projetado pelo seu fracasso.

Jorgina: Você ultrapassou os limites!

Queridinha: Você é tão infeliz , que se desespera cada vez mais ao


perceber que está só. E vai ficar cada vez mais só. Velha e
sozinha. Vazia de qualquer sentido!

(Jorgina esbofeteia Queridinha)

Jorgina: (grita) Sai da minha casa agora!

Queridinha: (digna. Encara a mãe)

Jorgina: (entre os dentes espumando) Sua víbora! (pega a moça


pelos braços e arrasta até a porta de saída) Essa é a minha casa e
eu não permito que você me desrespeite. Saia daqui!

Queridinha: (Agarra a mãe com fúria animalesca) Você fracassou


Jorgina. (rindo possuída) Olha pra mim! Eu sou a prova viva do
seu fracasso! (Queridinha sai)

( Jorgina sozinha.)

( Escuridão.)

Quadro 7
41

( Jorgina com o delegado Gomide)

Jorgina: Delegado Gomide, o meu vizinho se encaixa


perfeitamente no perfil do matador de santas. Eu tenho vigiado
esse camarada dia e noite e estou convencida cada vez mais de
que ele é um psicopata.

TEMPO

Jorgina: Naquela época eu não tinha a dimensão da doença dele.


Não juntei “lé” com “Cré”. Mas agora eu tenho certeza. O senhor
precisa acreditar em mim. Colocar esse homem atrás das grades é
mais que garantir a segurança pública e a paz entre todos. É uma
questão de honra...

TEMPO

Jorgina: Ele sente uma estranha atração por mim. Sim. Isso
explica tudo. Assim que se mudou julguei o olhar dele como
implicância, mas agora eu sei que na verdade é atração. Pura e
simples. As mulheres que ele mata de uma forma ou de outra
atrairam sua atenção, assim como eu. E a resposta de tudo está
justamente aí, no fato de eu ainda estar viva! Ele não me mata
porque não pode: eu não tenho nome de santa! O carro arranhado
é uma prova contundente, estava lá o tempo todo, a resposta
mágica, que vide o verso ao contrário_ desvenda todo o enigma:
na incapacidade de consumar o assassínio, arranhou o meu carro.
Xeque mate!

TEMPO

Jorgina: Eu posso provar! É só o senhor me ouvir...

TEMPO

Jorgina: Me dá uma chance. Eu juro que desmascaro esse pilantra.

TEMPO

Jorgina: (desesperada agarrada nele) Sexta feira!

TEMPO
42

Jorgina: Eu não costumo pedir nada a ninguém. E ao senhor eu


estou implorando! Ouve! Sexta feira! (ferrenha) Vá até a minha
casa na sexta feira, às 17horas e eu provarei que esse homem é
um assassino!

TEMPO

Jorgina: Eu juro! Se às 17 horas da sexta feira eu não lhe entregar


o matador de santas, o senhor pode me levar algemada. Eu juro
por tudo o que há de mais sagrado. Eu juro.

Jorgina: (recuperando a dignidade) Como o senhor quiser.

Quadro 8

(Jorgina com vestido de festa. Na sala de casa espreitando o


vizinho por sua cortina. )

Jorgina: ( Febril) Baltazar! Deixei um convite pra ele, o tijucano


da frente. Escrito num papel perfumado e tudo. Coloquei debaixo
da porta. Convidando pra lanchar, hoje de tarde. A ratoeira pega
o rato, de hoje não passa. Daqui a pouco o delegado Gomide dá
as caras por aqui e eu estarei estampada nas capas de jornais!
Só estou preocupada com o papel perfumado. Idéia infeliz... Vai
que é alérgico? Ou pior, vai que acaba me tomando como vulgar?
(delirante na janela) Será que é vulgar? A idéia do perfume. Será
que vai achar que é um convite romântico...? Por outro lado um
bilhete perfumado é um bilhete perfumado. Quisera eu receber
um bilhete perfumado. Nem lembro qual foi a última vez que
recebi um bilhete perfumado.
(olha com desprezo para o marido) Que cara azeda é essa? Está
com ciúmes, Baltazar? (se diverte) O velho Balta está com
ciúmes... Muito me admira. Depois de tanto tempo. Mas também
pudera. O vizinho não é de se jogar fora... Tem um bom porte...
Cabeleira negra... Uma boca de homem... E olhos verdes... Um
homem com olhos verdes consegue tudo o que quer de uma
mulher.
(Baltazar se levanta)
43

Jorgina: Vai sair? Que ótimo. Não precisa voltar. Os jornalistas


estarão fazendo fila aqui mais tarde. Um homem como você ao
meu lado só depõe contra, quando eu sair nas revistas não quero
que façam um paralelo entre nós. Quando a poeira baixar, você
volta.

(Baltazar inerte)

Jorgina: Vai criatura! A mulher mais brilhante da cidade não pode


estar casada com você. Homens como você constroem uma
sociedade paralítica, estéril. Homens como você são como um
zero à esquerda, velhos inúteis que nunca tomam partido de nada.
Não fazem passeatas, não comparecem a panelaços. Não
torturaram e nem nunca foram torturados. Vá jogar dominó na
pracinha! (fria) Não me encare como se eu fosse uma besta
banhada em sangue. Você nunca foi capaz de ser um pai de
verdade. Um marido de verdade. Pai e marido, só no papel. O
nosso casamento é um caixão, com os vermes devorando os
cadáveres. Em anonimato isso não faz tanta diferença. Mas agora
que estou a um passo da celebridade, não preciso carregar esse
fardo. Faça a gentileza... (indicando a saída)

( Baltazar sai)

( Jorgina sozinha )

Jorgina: (da janela, transportada) Se não fosse psicopata... Olhos


verdes... Boca de homem... (olha o relógio) Mas que diabos! Por
que não vem de uma vez? Que inferno! Foi o maldito bilhete
perfumado. Vai ver deu enxaqueca na criatura e agora está com
raiva de mim... (da janela) Ei! Vizinho! Aqui! Ei! Recebeu o
bilhete? Um bilhete perfumado! Oi! Vizinho! Vizinho!!! Está
fingindo que não me ouve?! Ei! Eu sei que está me ouvindo. Não
faça o louco! Ei! Não me ignore! Detesto ser ignorada. Achei que
com a gente pudesse ser diferente! Ei! Não feche a porta na minha
cara, isso não seria educado de sua parte...Não feche a porta na
minha...! (perde o ar surpresa) Que crápula! Quem pensa que é?
Seu merdinha! Serial killer de merda terceiro mundista! Eu sei
44

tudo sobre você! Mas eu não tenho medo! “O Homem mais forte
que há no mundo é aquele que está mais só”!
E se mais sangue deverá ser derramado em nome da paz, serei eu
seu algoz!

Jorgina: (irada, revira todas as gavetas e armários) Eu tenho uma


arma e não hesitarei em usá-la se for preciso! (revirando as
gaiolas de Baltazar) Eu tenho aqui, recheada de balas! Justiça seja
feita! (revirando tudo, gerando um caos na casa) Se você não se
entregar por bem, vai se entregar por mal!

(os pássaros agitados nas gaiolas. Selvageria.)

(Jorgina acha uma caixa lacrada. Julga ser a que porta um


revólver.)

(tenta abrir a caixa, desesperada. Com dificuldade a caixa se


rompe.)

(dela sai tufos e tufos de cabelos. Uma variada quantidade


capilar.)

(Jorgina estanca.)

(Paralisada com o colo coberto por cabelos.)

( Estado de choque.)

(A garganta seca impede que qualquer som seja emitido por ela.)

( Entra Baltazar )

(Jorgina paralisada)

( Baltazar percebendo o colo de Jorgina banhado por cabelos)

Baltazar: Ah... Então você achou... Era justamente o que eu estava


vindo buscar. São lindos, não são? Como minhas calopsitas
Lacurinas. Eu gosto de fazer exatamente isso que você está
45

fazendo agora... Despejo tudo no meu colo e fico


massageando...Assim... Hum... É bom... Acalma... Tenta... Vai...
Faz Jorgina! Vai lá. Eu deixo. Ainda que você não esteja
merecendo. Assim... (pega nas mãos dela e juntos massageiam os
cabelos no colo de Jorgina. )

(Jorgina em perplexidade)

Baltazar: (sem mover um músculo do rosto, sem remorso ou


comoção espiritual) É a melhor sensação do mundo, não é? A
maior sensação que já experimentou... É parecida com a sensação
que tive em arranhar o seu carro... A sensação do poder... É
maravilhosa, não é? Só não é maior do que a sensação de te ver
com essa cara. Em silêncio. Ah... Essa sensação ainda é maior que
qualquer outra: ver você perder a fala... Você deve estar se
perguntando: “Como esse velho, zero a esquerda, conseguiu me
enganar? Conseguiu dobrar a mulher mais esperta, mais
inteligente, mais controladora de toda a cidade? Como? Como?”
E você viu como eles me descrevem nos jornais? Como um
homem atraente, olhos claros... (pega o jornal, assumindo a
postura que manteve durante todo o drama. Lê em voz alta) . Bom
nível social e intelectual. Atrai suas vítimas justamente por essas
características tão sedutoras. Estamos lidando com uma mente
brilhante e sádica... (dobrando o jornal sorrindo) Não me canso
de ler!
(ao pé do ouvido da esposa) Matar aquelas jovens era como
matar você aos poucos. ( levando o jornal para limpar uma das
gaiolas) Ver você ridicularizada, patética, emaranhada nas
próprias teias da sua imaginação, é um divertimento precioso e
inigualável. (brincando com o passarinho) Um passa tempo digno,
para um aposentado. Este verme velho e aparvalhado,
desestruturou uma cidade inteira, bem debaixo de seu nariz.
Jorgina, você é um espelho da deformidade do mundo. Um
espelho que eu acabei de estraçalhar... Mas não fique triste, você
ainda é a minha calopsita lacurina predileta.

Jorgina: (Ao telefone) Alô, delegado? Eu consegui a prova! O


matador estava aqui o tempo todo, na minha cara. Bem debaixo
do meu nariz. Diariamente. Me provocando num sadismo cruel. O
46

delegado queria a prova: Agora tem. Achei hoje cedo na casa do


meu vizinho. Ele é o matador de santas.

(Repete a frase. À medida que repete vai aumentando a


intensidade e a violência do que diz)

Trevas
Jô Bilac, 29 março de 2009.

Você também pode gostar