Você está na página 1de 27

Estrutura do Curso

Estrutura do Curso

I TEX, o nome do Jogo.


Curso de LATEX I Como escrever um texto em TEX.
II LATEX, organização geral de um documento.
Pedro Quaresma II Estilos, divisões, estruturas de texto.
III Modo matemático.
Departamento de Matemática
Faculdade de Ciências e Tecnologia IV Gráficos e outras Extensões.
Universidade de Coimbra
V Apresentações & Estilos DMUC
DEEC, 28 de Novembro de 2014
I O sistema TEX.
I Editores de texto dedicados.

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 1 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 2 / 107

Bibliografia TEX, Texto

Bibliografia TEX, O nome do Jogo

Donald E. Knuth, The TEXbook, Addisson-Wesley, 1986.


Leslie Lamport, LATEX:A Document Preparation System, 2nd Edition,
Addisson-Wesley, 1994. τ χ - Arte & Tecnologia
M. Goossens et. al., The LATEX Graphics Companion, Addison-Wesley,
1997. → Necessidade de ter um processo computacional capaz de competir
Pedro Quaresma de Almeida, Introdução ao LATEX, Escolar Editora, com os processos tradicionais.
1996. → Necessidade de ter um programa independente de um dado sistema
Mateus Mendes e Jorge Almeida, Preparação de Textos Cientı́ficos computacional particular.
Usando o LATEX, Edições Sı́labo, Lisboa, 2005. → Necessidade de produzir textos capazes de serem enviados por via
electrónica.
TEX Users Group — http://www.tug.org → Programa de distribuição gratuita & Multi-plataforma.
Grupo de Utilizadores de TEX, Portugal —
http://gentzen.mat.uc.pt/GUTpt/

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 3 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 4 / 107
TEX, Texto TEX, Texto

TEX, O nome do Jogo O Sistema TEX

1 Estrutura Lógica dos textos. TEX


Sistema — Processador; Tipos; Ficheiros auxiliares.
2 Textos em ASCII - distribuição electrónica
Linguagem de Programação.
3 Textos Matemáticos + Texto Corrente + . . . . Conjunto de comandos para a escrita de textos (TEX
4 Máxima Qualidade Final. plain).
5 Ampla divulgação do programa. LATEX
Conjunto de comandos (extenso) para a escrita de
textos (lplain).
1 ∧ 2 ∧ 3 ⇒ Linguagem de Comandos para a escrita de Textos.
4 ⇒ Formato intermédio Device Independent (dvi). Sistemas concretos:
5 ⇒ Todo o sistema TEX é gratuito e pode ser distribuı́do MS-Windows: proTEXt (baseado no MiKTEX, https://www.tug.org/protext/);
livremente. O sistema está disponı́vel em todas as
Mac OS X: MacTEX (https://tug.org/mactex/);
plataformas computacionais.
Plataformas Unix e MS-Windows: TEXLive (https://www.tug.org/texlive/).

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 5 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 6 / 107

TEX, Texto TEX, Texto

TEX, modo de operação O Ambiente de Trabalho

 
- - teste.tex Todos os passos descritos anteriormente são usualmente integrados por
 
Pessoa Editor
editores especializados para a escrita de textos em LATEX.
 

Indentação automática, Coloração diferenciada, visualização de
 latex teste.tex
  pdflatex teste.tex

 

teste.dvi sı́mbolos especiais.
Compilação integrada, correcção de erros.
 - xdvi|acroread|... 
- Ecrã Interacção com o visualizador.

H  ? 
H
Y Interacção com o gestor de Impressões.
 
H
- dvips+ps2pdf|dvipdf|... - teste.pdf
 
+ Verificador ortográfico + Programas Gráficos + . . .
Além destes sistemas existem ainda sistemas que procuram ter um
 
interface completamente gráfico que de alguma forma simulam o resultado
Texto  Impressora 
final. São em geral programas comerciais.

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 7 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 8 / 107
TEX, Texto TEX, Texto

(X)Emacs Kile
Um sistema deste tipo é-nos dado pelo editor (X)Emacs1 quando Um outro sistema (mais especı́fico) é-nos dado pelo programa Kile2 .
combinado com as “personalidades” AUCTeX, X-symbol, e combinado com (Plataformas Unix/KDE; GPL).
um sistema TEX (e.g. texlive), e o verificador ortográfico ispell.

2
1
http://www.xemacs.org/ http://kile.sourceforge.net/
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 9 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 10 / 107

TEX, Texto TEX, Texto

TEXniccenter TEXstudio
TEXniccenter3 (MS-Windows; GPL).
TeXnicCenter is a feature rich and easy-to-use integrated
environment for creating LATEXdocuments on the Windows platform. Its
powerful editor and its tight integration with the LATEXenvironment
helps you to concentrate on what matters: The content of your http://texstudio.sourceforge.net/
document. TeXnicCenter is Free Open Source Software (GPL). TEXstudio is an integrated writing environment for creating LATEX
documents. Our goal is to make writing LaTeX as easy and comfortable as
possible. Therefore TEXstudio has numerous features like
syntax-highlighting, integrated viewer, reference checking and various
assistants.
TEXstudio is open source and is available for all major operating systems.

3
http://www.texniccenter.org/
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 11 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 12 / 107
TEX, Texto TEX, Texto

TEXna Nuvem TEX, a Linguagem

Um texto TEX é um texto ASCII que contém:


É também já possı́vel usar editores na Nuvem. Texto normal (ASCII).

   
sequências de controlo: palavras e caracteres de controlo.
-   
 
- -
 
https://www.writelatex.com/ — Online Collaborative LATEX Editor ‘\’ Letra ‘ ’ -
The easiest way to create, edit and publish your research.
  
- Não Letra 

https://pt.sharelatex.com/ — LATEX, Evoluı́do. O editor LATEX fácil  


-
 
de usar, online e colaborativo ‘\’ - Não Letra -

LATEX + \usepackage[utf8x]{inputenc} — UTF8

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 13 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 14 / 107

TEX, Texto TEX, Texto

Comandos LATEX Grupos e Ambientes

A noção de sub-entidade está presente tanto no TEX como no LATEX.


Tanto em TEX, como em LATEX, os comandos podem aceitar argumentos (até 9
argumentos). Grupos em TEX/LATEX {. . . }
No caso do LATEX a convenção para a escrita de comandos é a seguinte: Os sı́mbolos de agrupamento definem uma sub-entidade, os
comando aı́ definidos só aı́ são válidos. Por exemplo:
\nome do comando{arg1}{arg2}...{arg9} . . . {\it frase em itálico} . . .

ou, no caso em em que o comando tem argumentos opcionais: Ambientes em LATEX \begin{id ambiente} . . . \end{id ambiente}
Os ambientes definem também sub-entidades, no entanto a
\nome do comando[lista arg opc]{arg1}{arg2}...{arg9} sua utilização transcende a dos simples grupos dado que
definem comandos para a escrita lógica de textos.

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 15 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 16 / 107
TEX, Texto TEX, Texto

LATEX, um exemplo. TEX, como escrever um texto

Sı́mbolos acessı́veis directamente: Sı́mbolos ASCII:


\documentclass[a4paper,11pt]{article} as letras A . . . Z , a . . . z
os dı́gitos 0 . . . 9
\usepackage[portuguese]{babel} % hifenizaç~
ao em Portugu^
es sinais de pontuação : ; ! ? ‘ ’ . ,
\usepackage[latin1]{inputenc} % escrita em ISO-8859-1, (ç, ...) outros sı́mbolos ( ) [ ] + - * / = @
\begin{document} Outros sı́mbolos: Só através de comandos.
Olá Mundo.
\end{document} Espaçamento O espaçamento usado não se reflecte directamente no texto
final.
vários espaços contam como um só.
uma mudança de linha é igual a um espaço.
Olá Mundo uma, ou mais, linhas em branco marcam o fim de um
parágrafo.

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 17 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 18 / 107

TEX, Texto TEX, Texto

Acentos em TEX Classes de caracteres em TEX

Como escrever, por exemplo: “O princı́pio da acção-reacção”? O TEX divide os caracteres que podem ser usados num texto em diversas
categorias. Eis as mais importantes:
princ\’\i pio da ac\c c\~ao-reac\c c\~ao
Categoria Sı́mbolos Significado
Acentos em TEX 0 \ caracter de controlo
\’x x́ \’x x̀ 1 { começo de grupo
\ˆx x̂ \˜x x̃ 2 } fim de grupo
\c{x} x̧ \”x ẍ 5 <return> fim de linha
{\i} ı 10 espaço
11 Letra A,. . . ,Z,a,. . . ,z
12 Não letra +,-,. . .
Bem. . . felizmente é possı́vel escrever de forma “normal”.
14 % comentários
escrevendo texto “8bits” (LATEX– \usepackage[utf8x]{inputenc})

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 19 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 20 / 107
TEX, Texto TEX, Texto

Um exemplo TEX Um exemplo TEX


In the beginning was the word.

And for a Stanford math professor name Donald Knuth, In the beginning was the word.
the word was difficult to manage. Difficult, that is, And for a Stanford math professor name Donald Knuth,
whenever Dr. Knuth had to communicate to his publishers the word was difficult to manage. Difficult, that is, whenever
exactly now a formula in one of his textbooks was to Dr. Knuth had to communicate to his publishers exactly now
be typeset. So the computer program named \TeX was a formula in one of his textbooks was to be typeset. So the
written to do the job of describing and typesetting computer program named TEX was written to do the job of de-
formulas. In time, it developed into a complete scribing and typesetting formulas. In time, it developed into a
document formatting system, sufficient for producing complete document formatting system, sufficient for producing
entire textbooks or other technical documents. entire textbooks or other technical documents.
To prepare a document with TEX, you type your text into
To prepare a document with \TeX, you type your text into an ASCII file, seasoning it with TEX commands wherever spe-
an ASCII file, seasoning it with \TeX\ commands wherever cial formatting or non-ASCII symbols are desired.
special formatting or non-ASCII symbols are desired.

LATEX for everyone, Jane Hann, Prentice-Hall.


P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 21 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 22 / 107

TEX, Texto TEX, Texto

Um exemplo TEX Hifenação em LATEX

A composição do texto em linhas, parágrafos, e páginas é feita A tabela de hifenação para o Português existe.
automaticamente.
é fácil de integrar no TEX:
O espaçamento entre sı́mbolos e entre palavras é também ajustado Running ‘LaTeX’ on ‘apresentacao’ with
automaticamente. ‘‘latex ’\nonstopmode\input{apresentacao.tex}’’’
This is TeX, Version 3.14159 (Web2C 7.4.5)
O “partir” (hifenar) de palavras é feito automaticamente. LaTeX2e <2001/06/01>
Babel <v3.7h> and hyphenation patterns for american,
1
Este último ponto implica que: french, portuges, nohyphenation, loaded.
haja uma tabela de hifenação para a lı́ngua em questão;
que essa tabela seja incorporada no TEX; é fácil seleccionar essa tabela num texto LATEX:
que essa tabela seja seleccionada no texto. \usepackage[portuguese]{babel}

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 23 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 24 / 107
TEX, Texto TEX, Texto

Tipos de Letras Tipos de Letras


O TEX define um conjunto de Tipos que têm de estar presentes em todos
as distribuições.
texto {\tiny. . . }
Computer Modern Roman texto {\scriptsize . . . }
texto {\footnotesize. . . }
Os quais podem ser declinados de muitas formas (LATEX). texto {\small . . . }

Tamanho
texto {\normalsize . . . }
Texto Comando Declaração Dec. abreviada
texto {\large . . . }
“roman” \textrm{. . . } {\rmfamily. . . } {\rm . . . }
Série Famı́lia

“sans sherif” \textsf{. . . } {\sffamily. . . } {\sf . . . } texto {\Large . . . }


“typewriter” \texttt{. . . } {\ttfamily. . . } {\tt . . . } texto {\LARGE . . . }
médio \textmd{. . . } {\mdseries. . . } texto {\huge . . . }
carregado
direito
\textbf{. . . }
\textup{. . . }
{\bfseries. . . }
{\upshape. . . }
{\bf . . . }
texto {\Huge . . . }
Aspecto

itálico \textit{. . . } {\itshape. . . } {\it . . . }


“slanted” \textsl{. . . } {\slshape. . . } {\sl . . . } é no entanto possı́vel escrever com tamanhos diferentes destes (extsize,
“Small Caps” \textsc{. . . } {\scshape. . . } {\sc . . . } . . . ), assim como outros tipos (palatino, . . . ).

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 25 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 26 / 107

LATEX LATEX

LATEX, Design Lógico LATEX, Design Lógico

O LATEXé um formato TEX (lplain), o qual contém um conjunto de Decidir o estilo global do documento — article, report, book,
comandos para a escrita de texto muito completo. Além disso permite de letter, dmucthesis, dmucSA
uma forma simples incorporar em si um grande número de extensões. Decidir as opções globais ao estilo escolhido — 11pt, 12pt,
a4paper, ....
O autor deve decidir: Decidir as extensões a incorporar — babel, inputenc, ..., ver
LATEX Catalogue Online
(obrigatório) o estilo global do documento; Decidir o estilo da página — plain, empty, headings, ....
Decidir as modificações/extensões que quer fazer para este texto em
(opcional) as opções globais ao estilo escolhido;
particular.
(opcional) as extensões a incorporar; \documentclass[a4paper,11pt]{report}
\usepackage[portuguese]{babel}
(opcional) o estilo da página; \usepackage[utf8x]{inputenc}
(opcional) as modificações/extensões que quer fazer para este texto em
\pagestyle{empty}
particular;
\addtolenght{\textwidth}{2cm}
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 27 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 28 / 107
LATEX LATEX

LATEX, Estrutura de um Documento LATEX, Extensões

Através do mecanismo de “pacotes” (packages), é possı́vel incorporar


\documentclass[a4paper,11pt]{report}


 muitas extensões ao LATEX.

 \usepackage[portuguese]{babel}
Babel ambiente multi-lı́nguas: adaptação automática dos textos às


\usepackage[utf8x]{inputenc}


convenções de cada paı́s, selecção automática da tabela de

preâmbulo
hifenação: \usepackage[portuguese]{babel}
\pagestyle{empty}







 inputenc utilização de uma codificação de caracteres 8-bits:

\addtolenght{\textwidth}{2cm} \usepackage[utf8x]{inputenc}
 Graphics pacote para a inclusão/manuseamento gráfico (PostScript,

 \begin{document} PDF, JPEG, PNG) em LATEX: \usepackage{graphicx}
corpo do .
.
. DCpic escrita de grafos, nomeadamente diagramas comutativos,
documento necessita do pacote pictex:

\end{document}

\usepackage{dcpic,pictexwd}

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 29 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 30 / 107

LATEX LATEX

LATEX, Extensões LATEX, modificações nas dimensões

geometry interface completo e flexı́vel para as dimensões dos textos


\usepackage[a4]{geometry} As dimensões pré-definidas dos documentos podem ser alteradas.
\usepackage[textwidth=15cm,textheight=22cm]{geometry}
\addtolenght{<dimens~
ao>}{medida}
lamstex O incorporar do AMSTEX no LAT EX\usepackage{lamstex}. \setlenght{<dimens~
ao>}{medida}
listing escrita de fragmentos de programas (Pascal, C, etc.) num
texto LATEX \usepackage{listing} As várias dimensões que se podem alterar são (entre outras):
\lstset{language=SQL} \voffset, \hoffset, \textwidth, \textheight.

dsfont os sı́mbolos habituais para o conjuntos numéricos (N, Z, . . .).


(Pascal, C, etc.) num texto LATEX \usepackage{dsfont} As “medidas” podem ser expressas em várias unidades: cm, in, pt, em,
\mathds{N} 7−→ N ex, ...
O “LATEX Catalogue Online” é um repositório de todos os pacotes existentes nos
arquivos oficiais. (http://www.tex.ac.uk/ctan/help/Catalogue/)

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 31 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 32 / 107
LATEX LATEX

LATEX, corpos adicionais LATEX, seccionamento

Após o preâmbulo podemos ainda optar por incluir, ou não, no nosso texto Um texto é normalmente dividido em secções:
alguns “corpos” adicionais, nomeadamente:
\part, \chapter, \section, \subsection, \subsubsection,
Página de rosto \maketitle + comandos para definir a informação
\paragraph, \subparagraph, \appendix
pertinente.
Todos estes comandos são afectados pelo estilo global do documento.
Índice \tableofcontents (automático).
Os comando são ainda afectados pelo pacote “babel”.
A sintaxe destes comandos é:
Índice alfabético makeindex + marcas no texto.
\cmd secc[texto toc]{texto tı́tulo}
Lista de Tabelas \listoftables (automático).
Cada um destes comandos gera automaticamente um número de secção.
Lista de Figuras \listoffigures (automático). O ı́ndice do documento é gerado automaticamente a partir da informação
contida nestes comandos.
Bibliografia BibTeX, ou lista de referências bibliográficas.
Os cabeçalhos podem ser construı́dos com informação destes comandos.

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 33 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 34 / 107

LATEX LATEX

LATEX, seccionamento LATEX, seccionamento

\documentclass[a4paper,11pt]{article}
\usepackage[portuguese]{babel}
1 INTRODUÇÃO 1
\pagestyle{headings}

\begin{document} 1 Introdução
\section{Introduç~
ao}
\label{sec:Introducao}
1.1 O que são o TEX e o LATEX?
\subsection{O que s~
ao o \TeX\ e o \LaTeX?}
\label{sec:TeXLaTeX} No prı́ncipio era a palavra. E para um professor de Stanford. . . .

No prı́ncipio era a palavra. Como veremos na 1.2 Edição vs Processamento de Texto


secç~
ao~\ref{sec:edicaoProcessamento} E para um professor de {\em Stanford}\dots.
Como vimos na secção 1.1 a edição diz respeito à escrita dos textos o pro-
\subsection{Ediç~
ao vs Processamento de Texto}
\label{sec:edicaoProcessamento} cessamento ao seu tratamento final. . . .

Como vimos na secç~


ao~\ref{sec:TeXLaTeX} a ediç~
ao diz respeito à
escrita dos textos o processamento ao seu tratamento final\dots.

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 35 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 36 / 107
LATEX LATEX

Estruturas de Texto LATEX, Destaques

Palavras.
Texto enfatizado - “emphasized” - {\em ...}
Parágrafos, sequências de palavras separadas por linhas em branco.
Citações (uma frase) - \begin{quote}...\end{quote}
Destaques:
frases; Citações (várias frases) - \begin{quotation}...
citações;
texto centrado; Texto centrado - \begin{center}...
Figuras e Tabelas. Tabelas e Figuras - \begin{table}..., \begin{figure}...
Listas:
lista simples; Estes dois últimos casos são diferentes dos anteriores dado que:
lista numerada;
lista etiquetada. podem servir para criar os corpos “lista de figuras” e “lista de
tabelas”.
Tabelas.
são considerados “corpos flutuantes”, sendo a sua colocação exacta
Notas de rodapé. determinada de forma automática pelo LATEX.
Notas à margem.
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 37 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 38 / 107

LATEX LATEX

LATEX, Listas LATEX, Listas - um exemplo

A sintaxe comum a todas as listas é a seguinte:


• Cada item tem uma etiqueta. No caso do comando itemize essa etiqueta
é uma “bullet”.
\begin{cmd lista}\item[opç~
ao]...\end{cmd lista} • Há quatro nı́veis possı́veis de indexação, podendo os vários comandos de
indexação ficar aninhados, desde que não haja colisões.
1. No caso do comando enumerate a etiqueta dá-nos o número do item
itemize lista de frases precedidas por uma “bullet” (•). Como opção, 2. (a) Os vários nı́veis de indexação provocam modos de enumeração
pode-se usar um outro elemento para preceder a frase. adequados.
(b) A enumeração é feita automaticamente.
enumerate lista de frases numeradas (automaticamente). 3. Cada meio ambiente de indexação tem de ter pelo menos um item.
description lista de frases com uma etiqueta (em destaque) definida • Linhas em branco entre comandos \item não têm efeito.
através do argumento opcional.
ASCII Norma americana que constitui o abecedário de base da quase totali-
dade dos computadores;
Há quatro nı́veis de indexação. EBCDIC Norma estabelecida pela IBM e que, ainda hoje, constitui o abecedário
de base de alguns computadores.
Os vários tipos podem ser combinados desde que não haja colisões.

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 39 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 40 / 107
LATEX LATEX

LATEX, Tabelas LATEX, Tabelas


Tabelas bi-dimensionais. É possı́vel explicitar a posição relativa da tabela,
o número de colunas, o alinhamento de cada uma delas, linhas horizontais
e verticais, . . . . Linhas Verticais podemos especificar linhas verticais introduzindo ’|’ na
A sintaxe geral é: zona de especificação de colunas.
\begin{tabular}[pos relativa]{esp n colunas} Linhas Horizontais podemos especificar linhas horizontais através dos
pos11 & pos12 & . . . & pos1n \\ comandos:
pos21 & pos22 & . . . & pos2n \\ \hline - linha a todo o comprimento da tabela;
.. \cline{i-j} - linha entre as colunas i e j.
.
posm1 & posm2 & . . . & posmn Subversão é possı́vel subverter a especificação global através do
\end{tabular} comando “multicolumn”
\multicolumn{n col}{esp n colunas}{texto}
Posição relativa: t - top; b - bottom; c - center. É possı́vel incluir tabelas dentro de outras tabelas.
alinhamento: c - center; l - left; r - right; p{comp} - parágrafo com
largura dada por “comp”.
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 41 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 42 / 107

LATEX LATEX

LATEX, Tabelas - um exemplo LATEX, Notas de Rodapé

exemplo de uma
O comando \footnote[num]{texto} produz uma nota de rodapé.
tabela muito simples
Por exemplo a tabela incorporada no texto foi construida do Se se não usar o argumento opcional, as notas de rodapé são numeradas
seguinte modo . . . (exercı́cio). automaticamente (por capı́tulo).

Vendor Product Equations Capabilities


Sub- & Mixed Over- & Não é possı́vel usar este comando quando se está dentro de uma “caixa”.
Super- At- Under-
Scripts tributes Charac-
ter Nestes casos é necessário recorrer aos comandos:
Personal TEX PCTEX Yes Yes Yes
v.1.0 \footnotemark[num], o qual coloca a marca da nota de rodapés, e
Image Processing ProofWriter Yes Some Yes incrementa o contador.
Systems v. 2.23b
Lifetree Volkswriter Yes Yes Yes \footnotetext[num]{texto}, o qual coloca o texto no rodapé da
Software Scientific página mas não produz a marca, nem incrementa o contador.
v. 1.0

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 43 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 44 / 107
LATEX LATEX

LATEX, Quadros e Figuras LATEX, Bibliografia


O LATEX tem dois “ambientes” cujo objectivo é o de destacar certo tipo de informação
como sejam figuras e tabelas de grandes dimensões.
A sua sintaxe, para as figuras, é: Lista de referências bibliográficas e citações com a numeração e
sincronização feitas de forma automática.
\begin{figure}[htbp]
...
\caption{legenda} Para citar basta introduzir: \cite[texto opcional]{chave} no local em
\label{fig:refer^
encia} que se quer a citação. Por exemplo:
\end{figure}
no caso das tabelas é idêntico, basta mudar de “figure” para “table”, e já agora, de ... ver em~\cite{Lamport94} para ...
“fig:” para “tbl:”.
O argumento opcional especifica a colocação do Quadro (Figura). obter-se-ia algo como:
A “caption” produz a legenda do Quadro (Figura).
O “label” produz uma etiqueta para ser usada como forma de referenciar o ... ver em [4] para ...
Quadro (Figura).
A informação da “caption” é também usada na construção da lista de quadros e na lista
de figuras.
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 45 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 46 / 107

LATEX LATEX

LATEX, Bibliografia BibTeX


A lista de referências bibliográficas é semelhante às outras listas.
Ponto prévio: criar um ficheiro contendo as referências bibliográficas4 (.bib), por
\bibliographystyle{IEEEtran} exemplo refsbib.bib.
\begin{thebibliography}{xx}
\bibitem[etiqueta]{Santos2012} V.~Santos and P.~Quaresma, 1 pdflatex texto.tex 7−→ texto.{pdf,log,aux} (ou utilizando o latex).
‘‘Integrating {DGSs} and {GATPs} in an {A}daptative and
{C}ollaborative {B}lended-{L}earning {W}eb-{E}nvironment,’’ in
O ficheiro aux contém todas as referências contidas no texto, nomeadamente as
\emph{First {W}orkshop on {CTP} {C}omponents for {E}ducational citações bibliográficas.
{S}oftware ({TH}edu’11)}, ser. EPTCS, vol.~79, 2012. O ficheiro LATEX deve conter os comandos

... \bibliographystyle{splncs03} % estilo bibliográfico


\bibliography{refsbib}
\end{thebibliography}

2 bibtex texto 7−→ texto.{blg,bbl}. O ficheiro bbl contêm o texto a incluir


O estilo da lista de citações é definido pelo comando “bibliographystyle”. (automaticamente) no texto principal.
O segundo argumento do ambiente “thebibliography” deve dar uma indicação da 3 pdflatex texto.tex. Para produzir o texto já com a lista de referências
largura máxima das etiquetas. bibliográficas.
O argumento opcional do comando “bibitem” dá-nos a possibilidade de especificar
a forma como queremos ver etiquetada a citação, caso esteja omisso a etiqueta é Poderá ser necessário recompilar o texto mais do que uma vez.
numérica. 4
JabRef, http://jabref.sourceforge.net/
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 47 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 48 / 107
LATEX LATEX

LATEX, Referências LATEX, “Empurrões”

Nos vários “ambientes” LATEX em que ocorre uma numeração automática é Bem . . . mas será que eu não posso “empurrar” aquele texto mais para
possı́vel introduzir referências, as quais podem ser usadas em outros baixo?
pontos do texto. Por exemplo:
\hspace{medida} - espaço horizontal.
. . . como vimos no capı́tulo 2 . . .
\hspace*{medida} - espaço horizontal obrigatório.

Temos os comandos: \hfill - “empurra” com espaços em branco.


\label{chave} - que produz a referência.
\vspace{medida} - espaço vertical.
\ref{chave} - utilização da referência.
\pageref{chave} - utilização da referência a uma dada página do \vspace*{medida} - espaço vertical obrigatório.
texto.
Os ambientes são: secções, quadros, figuras, equações, . . . . \vfill - “empurra” com espaços em branco.

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 49 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 50 / 107

LATEX LATEX

LATEX, Sub-divisão do Texto LATEX, Sub-divisão do Texto

Quando o texto se torna demasiado extenso torna-se útil dividi-lo em vários


ficheiros (eventualmente em vários directórios distintos):
teseMestrado.tex

\input{nome de ficheiro} - inclue o texto, sem uma mudança de


\include{capitulo1}
página. Apropriado para a inclusão de partes de um texto num documento \include{capitulo3}
TEX/LATEX. \include{capitulo2}

capitulo1.tex capitulo2.tex capitulo3.tex


\include{nome de ficheiro} - inclue o texto, com uma mudança de
página. Apropriado para a divisão/inclusão de capı́tulos de um livro/tese.
\input{seccao7} \input{textoAuxiliar}
\includeonly{lista de nomes} - no preâmbulo, especifica quais dos
“include” é que vão ser considerados para processamento, sem destruir os
seccao7.tex textoAuxiliar.tex
ficheiros auxiliares (numeração automática) que já foram processados
anteriormente.

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 51 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 52 / 107
Modo Matemático Modo Matemático

TEX, Texto Matemático TEX, Texto Matemático

Texto matemático, ou como escrever uma fórmula em TEX. Texto Normal vs. Texto Matemático.
...x+2 ... 7−→ . . . x+2 . . .
...$x+2$ ... 7−→ . . . x + 2 . . .
Modo Matemático Fórmulas em linhas de texto.
$ ...$ TEX/LATEX Texto Matemático vs. Texto Matemático em Destaque.
\begin{math} . . . \end{math} LATEX
Qn
\( . . . \) LATEX ...$n!=\prod {i=1}^n i$ ... 7−→ . . . n! = i=1 i ...

...$$n!=\prod {i=1}^n i$$ ... 7−→ . . .


Modo Matemático em Destaque Fórmulas destacadas do texto.
n
$$ . . . $$ TEX/LATEX Y
\begin{displaymath} . . . \end{displaymath} LATEX n! = i
i=1
\[ . . . \] LATEX
...

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 53 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 54 / 107

Modo Matemático Modo Matemático

TEX, Texto Matemático TEX, Índices & Expoentes & Barras

Índices & Expoentes


Sı́mbolos acessı́veis directamente: x (x, mas com um tipo de letra <sı́mbolo> <ı́ndice>^<expoente>
próprio). x i 7−→ xi
Sı́mbolos acessı́veis indirectamente: letras gregas, caligráficas, x i^j 7−→ xij
operadores, . . . x {i+1}^{j-1} 7−→ xi+1 j−1

Estruturas simples: ı́ndices, expoentes, fracções, radicais, . . . x {i j^k} 7−→ xi k


j
Estruturas mais complexas: matrizes, equações, sistemas de equações, x {i j}^k 7−→ xikj
...
barras inferiores e superiores
Proposições, Lemas, Teoremas, . . . \overline{x^i\times 3} 7−→ xi × 3
Extensões (AMSTEX, dcpic, . . . ) \underline{x i\times 3} 7−→ xi × 3
\underline{\overline{x i^j}} 7−→ xij

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 55 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 56 / 107
Modo Matemático Modo Matemático

TEX, Chavetas Horizontais & Fracções TEX, Radicais & Reticências

Chavetas Horizontais inferiores e superiores


z }| { Radicais (sı́mbolo de raı́z de grau n)
\overbrace{x^i\times3} xi × 3 7−→
\sqrt[<expoente>]{<fórmula>}
\underbrace{x i\times 3} xi × 3 7−→ √
| {z } \sqrt[n]{x} 7−→ √ n
x
\underbrace{x+\cdots+x} {n\mathrm{\ vezes}} \sqrt{b^2-4ac} 7−→ rb 2 − 4ac
7−→ |x + ·{z
· · + x} q
1
n vezes \sqrt{\sqrt{x^2+\frac{1}{x+y}}} 7−→ x 2 + x+y
Fracções
Reticências
\frac{<numerador>}{<denominador>} LATEX
\dots “dots” a. . . z ambos os modos
<numerador> \atop <denominador> TEX/LATEX
\ldots “low dots” a. . . z ambos os modos
<numerador> \choose <denominador> TEX/LATEX
\cdots “center dots” x + ··· + x só modo matemático
<numerador> \above<dimens~
ao> <denominador> TEX/LATEX ..
1 1 \vdots “vertical dots” . só modo matemático
\frac{1}{n+1} 7−→ n+1 1\atop{n+1} 7−→ n+1 ..
\ddots “diagonal dots” . só modo matemático
1
 1
1\choose{n+1} 7−→ n+1 1\above2pt{n+1} 7−→
n+1
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 57 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 58 / 107

Modo Matemático Modo Matemático

TEX, Sı́mbolos Variáveis Tabela de Sı́mbolos Variáveis


Somatórios, Produtórios, União de Conjuntos, . . . (ver tabela 1)
Modo matemático
P+∞ {i=0}^{+\infty} i$ ... 7−→
...$\sum P X T \ J K
... i=0 i... \sum \bigcap \bigodot
Q Y S [ N O
Modo matemático em Destaque \prod \bigcup \bigotimes
...$$\sum {i=0}^{+\infty} i$$ ... 7−→ ... ` a F G L M
\coprod \bigsqcup \bigoplus
+∞
Z _ ]
R W U
\int \bigvee \biguplus
X
i
I
i=0 H V ^
... \oint \bigwedge
Este comportamento variável de acordo com o modo em que se está é
Tabela : Sı́mbolos Variáveis
também seguido por outros sı́mbolos/comandos (ver tabela 2)
limx→0 f (x)
\lim {x\rightarrow 0} f(x) lim f (x)
x→0
em que o comando “lim” faz parte de um conjunto de “funções usuais”
em textos matemáticos.
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 59 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 60 / 107
Modo Matemático Modo Matemático

Tabela de Funções e Limites TEX, Letras Gregas, Caligráficas, . . .

Letras Gregas para se obter uma letra grega basta usar o comando com o
nome (em inglês) da letra grega que se pretende (ver
tabela 3)
\alpha 7−→ α
Letras Caligráficas para se obter uma letra caligráfica (só maiúsculas),
\arccos \cos \csc \exp \ker \limsup \min \sinh tem-se o comando “cal”.
\arcsin \cosh \deg \gcd \lg \ln \Pr \sup
{\cal A} 7−→ A
\arctan \cot \det \hom \lim \log \sec \tan
\arg \coth \dim \inf \liminf \max \sin \tanh “Blackbord Bold” o TEX não possuı́ os sı́mbolos habituais para o
conjuntos numéricos (N, Z, . . .).
Tabela : Funções e Limites
AMSTEX \usepackage{amssymb} \mathbb{N} 7−→
N
Dstroke \usepackage{dsfont} \mathds{N} 7−→
N
Sı́mbolos Variados ver tabelas 4, 5, 6, 7
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 61 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 62 / 107

Modo Matemático Modo Matemático

Tabela Letras Gregas Tabela Operadores Binários


Minúsculas
α \alpha θ \theta o o τ \tau
β \beta ϑ \vartheta π \pi υ \upsilon ± \pm ∩ \cap  \diamond ⊕ \oplus
γ \gamma ι \iota $ \varpi φ \phi ∓ \mp ∪ \cup 4 \bigtriangleup \ominus
δ \delta κ \kappa ρ \rho ϕ \varphi × \times ] \uplus 5 \bigtriangledown ⊗ \otimes
 \epsilon λ \lambda % \varrho χ \chi ÷ \div u \sqcap / \triangleleft \oslash
ε \varepsilon µ \mu σ \sigma ψ \psi ∗ \ast t \sqcup . \triangleright \odot
ζ \zeta ν \nu ς \varsigma ω \omega ? \star ∨ \vee C \lhd \bigcirc
η \eta ξ \xi ◦ \circ ∧ \wedge B \rhd † \dagger
Maiúsculas • \bullet \ \setminus E \unlhd ‡ \ddagger
Γ \Gamma Λ \Lambda Σ \Sigma Ψ \Psi · \cdot o \wr D \unrhd q \amalg
∆ \Delta Ξ \Xi Υ \Upsilon Ω \Omega Tabela : Sı́mbolos de Operadores Binários
Θ \Theta Π \Pi Φ \Phi
Tabela : Letras Gregas

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 63 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 64 / 107
Modo Matemático Modo Matemático

Tabela Operadores Relacionais Tabela Setas

≤ \leq ≥ \geq ≡ \equiv |= \models ← \leftarrow ←− \longleftarrow ↑ \uparrow


≺ \prec  \succ ∼ \sim ⊥ \perp ⇐ \Leftarrow ⇐= \Longleftarrow ⇑ \Uparrow
 \preceq  \succeq ' \simeq | \mid → \rightarrow −→ \longrightarrow ↓ \downarrow
 \ll  \gg  \asynp k \parallel ⇒ \Rightarrow =⇒ \Longrightarrow ⇓ \Downarrow
⊂ \subset ⊃ \supset ≈ \approx ./ \bowtie ↔ \leftrightarrow ←→ \longleftrightarrow l \updownarrow
⊆ \subseteq ⊇ \supseteq ∼
= \cong o
n \Join ⇔ \Leftrightarrow ⇐⇒ \Longleftrightarrow m \Updownarrow
@ \sqsubset A \sqsupset 6= \neq ^ \smile 7→ \mapsto 7−→ \longmapsto % \nearrow
.
v \sqsubseteq w \sqsupseteq = \doteq _ \frown ←- \hookleftarrow ,→ \hookrightarrow & \searrow
∈ \in 3 \ni ∝ \propto ( \leftharpoonup * \rightharpoonup . \swarrow
` \vdash a \dashv ) \leftharpoondown + \rightharpoondown - \nwarrow
Tabela : Sı́mbolos Relacionais
\rightleftharpoons \leadsto
Tabela : Setas

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 65 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 66 / 107

Modo Matemático Modo Matemático

Tabela Miscelânea TEX, Negação & Espaçamento


“Negação” de sı́mbolos comando “not”
ℵ \aleph 0 \prime ∀ \forall ∞ \infty \not= 7−→ = 6
~ \hbar ∅ \emptyset ∃ \exists  \Box \not\in 7−→ 6∈
ı \imath ∇ \nabla ¬ \neg ♦ \Diamond Espaçamento todo o espaçamento é feito de forma automática em Modo

 \jmath \surd [ \flat 4 \triangle Matemático, para o podermos controlar podemos recorrer
` \ell > \top \ \natural ♣ \clubsuit aos comandos:
℘ \wp ⊥ \bot ] \sharp ♦ \diamondsuit \quad e \qquad 7−→ | | e | | (ambos os
< \Re k \| \ \backslash ♥ \heartsuit modos)
= \Im ∠ \angle ∂ \partial ♠ \spadesuit um espaço \ 7−→ | | (ambos os modos)
f \mho comandos de espaçamento, ver tabela 8.
introduzir uma caixa “mbox” em modo texto, por
Tabela : Miscelânea
exemplo:
$. . . \mbox{| \hspace{2cm}|}. . . $ 7−→
The Comprehensive LATEX Symbol List ...| |...
http://www.ctan.org/tex-archive/info/symbols/comprehensive/ Esta última forma de introduzir espaço serve também para
introduzir texto corrente dentro de texto matemático.
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 67 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 68 / 107
Modo Matemático Modo Matemático

TEX, Acentos Tabelas Espaçamento & Acentos

|| \, espaço pequeno || \: espaço médio


Acentos não é possı́vel usar os comandos “normais” para produzir os || \! espaço pequeno negativo || \; espaço grande
acentos dentro do modo matemático, é necessário usar os Tabela : Espaçamento em Modo Matemático
comandos descritos na tabela 9.

É de destacar o “acento” \vec{x} 7−→ ~x .


x̂ \hat{x} x́ \acute{x}
x̃ \tilde{x} x̀ \grave{x}
Acentos longos os acentos “˜” e “ˆ” têm versões alongadas.
x̌ \check{x} x̆ \breve{x}
\widetilde{xyz} 7−→ g xyz
ẋ \dot{x} ẍ \ddot{x}
\widehat{xyz} 7−→ d xyz
o exemplo apresentado dá-nos a máxima extensão existente. x̄ \bar{x} ~x \vec{x}
Tabela : Acentos em Modo Matemático

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 69 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 70 / 107

Modo Matemático Modo Matemático

LATEX, Empilhando Sı́mbolos LATEX, Equações


Como é que poderemos produzir o seguinte? O meio ambiente matemático “equation”
X \begin{equation}<linha> \end{equation}
aij bjk cki .
1≤i≤p
pode ser usado para produzir equações (linha destacada), numeradas
1≤j≤q automaticamente, e com possibilidade de referenciação.
1≤k≤r
\begin{equation}
O LATEX define o comando “stackrel” para este efeito. e^{i\pi}+1=0 \label{eq:Euler}
\end{equation}
f
$A \stackrel{f}{\longrightarrow} B$ 7−→ A −→ B
produz
Note-se que:
e iπ + 1 = 0 (1)
o primeiro argumento vai ficar em tamanho reduzido;
a numeração é por capı́tulo, em livros, e por documento, em artigos e
o segundo argumento fica alinhado com a restante linha. relatórios.
Podemos explicitar a forma dos diferentes intervenientes numa fórmula através pode-se inibir a produção do número através do comando “nonumber”
dos comandos \displaystyle, \textstyle, \scriptstyle, \scriptscriptstyle. a utilização do comando “ref” com a chave respectiva dá-nos a referência da
equação.
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 71 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 72 / 107
Modo Matemático Modo Matemático

LATEX, Sistemas de Equações LATEX, Sistemas de Equações

O meio ambiente matemático “eqnarray”


alinhamento - r c l;
\begin{eqnarray} numeração automática - como para as equações;
<lado_esq1> & <sı́mbolo> & <lado_dir1> \\ o comando “nonumber” inibe o numero na equação em que é usado;
...
o ambiente “eqnarray*” é igual ao ambiente “eqnarray” mas sem a
<lado_esqN> & <sı́mbolo> & <lado_dirN>
produção de números de equação.
\end{eqnarray}
Para dividir uma dada equação por mais do que uma linha é
pode ser usado para produzir sistemas de equações (linhas destacadas), necessário usar o comando “lefteqn”
numeradas automaticamente, alinhadas em relação ao “sı́mbolo”, e com < sı́mbolo > < lado dir >
possibilidade de referenciação.

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 73 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 74 / 107

Modo Matemático Modo Matemático

TEX, Matrizes TEX, Delimitadores

O TEX possuı́ um conjunto de sı́mbolos (ver tabela 10) capazes de


O meio ambiente matemático “array” é idêntico ao ambiente tabular, mas delimitar uma dada construção matemática e que se ajustam
para ser usado em modo matemático. automaticamente às dimensões da mesma.
O ajuste automático é feito através dos comandos \left<sı́mboloA> e
$$ \right<sı́mboloB>.
\begin{array}{<esp_alinhamento>}
... & ... \\ Por exemplo:
...
$\left|
... & ...
\begin{array}{cc}
\end{array}
1 2

1 & 2 \\
= −2
$$
3 4
3&4

É necessário explicitar a mudança para modo matemático. \end{array}\right|


= -2$

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 75 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 76 / 107
Modo Matemático Modo Matemático

TEX, Delimitadores Tabela de Delimitadores

Os comandos “left” e “right” tem de emparelhar.


podemos aninha-los; ( ( ) ) ↑ \uparrow
[ [ ] ] ↓ \downarrow
o sı́mbolo usado não necessita de ser o mesmo;
{ \{ } \} l \updownarrow

1 2
 b \lfloor c \rfloor ⇑ \Uparrow
3 4 d \lceil e \rceil ⇓ \Downarrow
h \langle i \rangle m \Updownarrow
existe o delimitador invisı́vel ’.’ para quando só se quer usar um / / \ \backslash
sı́mbolo delimitador; | | k \|

−x, se x < 0 Tabela : Delimitadores
|x| =
x, se x ≥ 0

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 77 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 78 / 107

Modo Matemático Modo Matemático

LATEX, Teoremas, Corolários, . . . LATEX, Teoremas, Corolários, . . .

Teoremas (Fermat)
Não existem inteiros n > 2, e x, y , z tais que x n + y n = z n .
Teoremas, Lemas, Corolários, Definições, . . . , são estruturas de texto que:
Para poder definir ambientes deste tipo o LATEX providência o constructor.
estão destacadas do restante texto;
Nome do ambiente; \newtheorem{<nome>}[<amb>]{<etiqueta>}[<secç~
ao>]}
espaçamento;
tipo de letra.
nome - nome do novo contexto;
têm (opcionalmente) um tı́tulo;
amb - nome de um outro ambiente, os dois ambientes irão partilhar o
sejam numeradas automáticamente; mesmo contador;
sejam referenciáveis. etiqueta - nome do ambiente a aparecer no texto;
secç~
ao - secção do texto que determina a numeração automática,
por omissão:
“chapter”, no estilo livro;
“section”, nos estilos artigo e relatório.
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 79 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 80 / 107
Modo Matemático Pacotes de Extensão

LATEX, Teoremas, Corolários, . . . LATEX, Extensões


Embora não seja obrigatório é usual colocar a definição dos novos ambiente no
preâmbulo.

\newtheorem{teo}{Teorema}[chapter] TEX Catalogue Online


\newtheorem{cor}[teo]{Corol\’ario}
http://www.tex.ac.uk/tex-archive/help/Catalogue/catalogue.html
a numeração será do tipo n.m, com n o número do capı́tulo, e m o número do
teo/cor. 4.738 pacotes e ferramentas
num mesmo capı́tulo a numeração será incremental e comum para os teo e cor. ı́ndice das extensões existentes;
Na utilização dos novos ambientes é possı́vel especificar um argumento opcional. ligação ao CTAN para o descarregar das extensões;
ligação às páginas das extensões (nem todas);
\begin{teo}[Fermat]
N~
ao existem inteiros $n>2$, e $x,y,z$ tais que $x^n+y^n=z^n$. amssymb tipos e sı́mbolos do AMSTEX para o LATEX.
beamer Para produzir apresentações e acetatos.
\end{teo} color Manuseamento de cores.
longtable Suporta a construção de tabelas que ultrapassem uma página de comprimento.
listings incluir código (programação) num texto LATEX.
makecirc Uma biblioteca MetaPost para construir diagramas de circuitos eléctricos.
Teoremas (Fermat) ...

Não existem inteiros n > 2, e x, y , z tais que x n + y n = z n .

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 81 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 82 / 107

Pacotes de Extensão Pacotes de Extensão

Listings, Utilização Listings, Resultado


No preâmbulo

\usepackage{listings}
O pacote (extensão) listings dá-nos a oportunidade de incluir excertos de
\lstset{language=C++, código nos nossos textos.
extendedchars=true,
inputencoding=latin1,
morekeywords={cin,cout,endl,NULL,string},
c l a s s Data {
basicstyle=\footnotesize} private :
i n t d i a , mes , ano ;
No documento public :
void i n i c d a t a ( int , int , int ) ; // ( int , int , i n t ) −> Data
\begin{lstlisting}[frame=single] void adicionar anos ( int ) ; // adiciona n a n o s a Data ( ano )
void adicionar meses ( int ) ; // adiciona n meses a Data ( mês , ano )
class Data { void a d i c i o n a r d i a s ( int ) ; // adiciona n d i a s a Data ( d i a , mês , ano )
private: };
int dia,mes,ano;
public:
void inicData(int, int, int); // (int,int,int) -> Data
void adicionarAnos(int); // adiciona n anos a Data (ano) Linguagens suportadas: Java, C/C++, Lisp, Python, Prolog, HTML,
void adicionarMeses(int); // adiciona n meses a Data (m^
es,ano)
void adicionarDias(int); // adiciona n dias a Data (dia,m^
es,ano) PHP, XSLT, . . . e é possı́vel definir (ou extender) uma linguagem.
};
\end{lstlisting}

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 83 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 84 / 107
Pacotes de Extensão Gráficos

TEX, Gráficos & Imagens & Desenhos Gráficos no TEX


O sistema TEX não é um sistema de criação/manipulação de imagens. O LATEX picture environment conjunto de tipos próprios: setas; linhas;
único objecto do sistema TEX é o texto. cı́rculos; ovais; curvas de “Bezier”; grelhas.
Gráficos no TEX comandos gráficos no TEX: Leslie Lamport, LATEX, 2nd Ed., Addison-Wesley, 1994,
com tipos especiais - uma “frase” é um desenho (LATEX); Capı́tulo 7, pags 117 a 128.
gráficos feitos com linhas e pontos - PiCTEX. PiCTEX desenhos produzidos através de linhas e pontos (elementos
dos tipos normais do TEX).
Gráficos no sistema TEX é possı́vel utilizar o programa que criou os tipos
Michael J. Wichura, The PiCTEX Manual, 3rd ed, Personal
do TEX, o programa Metafont para produzir gráficos:
TEX Inc., 1992.
Metapost;
Prós e Contras:
Inserção de Gráficos no TEX o sistema TEX tem um comando próprio para + capazes de produzirem desenhas elaborados (++ PiCTEX);
introduzir “objectos estranhos” num texto TEX:
+ completa integração no sistema TEX;
O pacote graphicx possui um conjunto extenso de
comandos para lidar com a inserção de imagens num − não apropriados para a construção de desenhos complexos;
texto LATEX. − pouco eficientes (−− PiCTEX);

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 85 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 86 / 107

Gráficos Gráficos

Gráficos em LATEX & PiCTEX Gráficos em LATEX& PiCTEX


LATEX picture environment
\begin{picture}(100,100)(0,0)
\put(0,0){\line(1,1){100}}
\put(60,5){\framebox(120,20){linhas/caixas/c{\’\i}rculos}} y
i
\put(40,60){\circle*{10}}
\put(60,40){\circle*{10}}
\end{picture}
linhas/caixas/cı́rculos
PiCTEX
..
...
....
\beginpicture ...
....
.
.....
.
....
\setcoordinatesystem units <1pt,1pt> ....
....
...

.....
\setplotarea x from 0 to 100, y from 0 to 100 ..
.. .... ..
..... ... ............................
.................... ....
...
......
... ... ....
...
\setlinear ... .... ...
.... ...... ..
........ ..
. . ...
\plot 0 0 100 100 / .
..
.. ....
.. .
... ....
...
...

\put {\frame <3pt> {linhas/caixas/c{\’\i}rculos}} [cb] at 140 20 ..


.
.
.
...
..
. ....
..
......
............................
...
...
.
. linhas/caixas/cı́rculos
...
....
...
....
\circulararc 360 degrees from 45 60 center at 40 60 .
...
..
....
....
\circulararc 360 degrees from 65 40 center at 60 40
\endpicture
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 87 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 88 / 107
Gráficos Gráficos

Gráficos no TEX Gráficos – Xfig

Gráficos no TEX mas produzidos por programas exteriores.


Xfig X-windows (Linux/MacOS) – um programa muito completo
para a construção de desenho esquemáticos e com a
capacidade de exportar para PiCTEX, LATEX picture
environment, entre outros, http://www.xfig.org/.

winfig versão para o MS-Windows do Xfig,


http://www.schmidt-web-berlin.de/winfig/.

gnuplot programa para o desenho de gráficos de funções.


Multi-plataforma. Utilizado pelo Octave para a geração dos
gráficos, http://www.gnuplot.info/.

...

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 89 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 90 / 107

Gráficos Gráficos

Gráficos Gnuplot Inserção de Gráficos


No Gnuplot:
set terminal pslatex; set output "graficoGnuPlot.pslatex"; set format "%.5f"
A inserção de objectos gráficos num texto LATEX é possı́vel através da
plot [x=-pi:pi] sin(2*x)*exp(-x/4),sin(2*x),exp(-x/4) inclusão do pacote graphicx5 .
No LAT X E A inclusão do pacote graphicx num texto LATEX
\input{graficoGnuPlot.pslatex}
\usepackage{graphicx}
Resultado final
2.50000
sin(2x) × exp(−x/4)
sin(2x)
permite a utilização de um conjunto muito extenso de comandos para
2.00000 exp(−x/4)

1.50000
a manipulação de imagens, por exemplo
1.00000
\includegraphics[angle=15,scale=.20]{retiro-dos-poetas}
0.50000

0.00000

-0.50000
aquando da visualização e/ou impressão o objecto é, ou não, incluı́do
-1.00000

-1.50000
conforme as capacidades do programa. Caso ele não seja incluı́do o
-3.00000 -2.00000 -1.00000 0.00000 1.00000 2.00000 3.00000
seu espaço é ocupado por uma caixa vazia.
Esta é uma aproximação integrada, isto é, os tipos de letra usados são os do LATEX e foi possı́vel
manipular a legenda de modo a passar para modo matemático as expressões matemáticas. 5
Nos estilos Tese e Seminário Avançado é carregado por omissão
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 91 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 92 / 107
Gráficos Gráficos

Inserção de Gráficos LATEX — Formatos Inserção de Gráficos PDFLATEX — Formatos


Que tipos de gráficos?
Que tipos de gráficos?
Postscript é uma linguagem:
capaz de descrever qualquer elemento gráfico
PDF é uma linguagem (derivada do PostScript).
(escalável);
capaz de lidar com cores; capaz de descrever qualquer elemento gráfico
7bits (texto); (escalável);
uma norma no sector da impressão. capaz de lidar com cores;
conjunto extenso de comandos para lidar com a inserção 8bits;
de objectos Postscript em textos. uma norma na “Web”.
Outros formatos (JPEG, PNG, . . . ) Não escaláveis (em geral).
apropriados para a representação de imagens; jpeg, png . . . vários formatos gráficos:
inserção nos textos TEX/LATEX por: apropriados para a representação de imagens;
conversão para o Postscript;
inserção directa (em geral nos sistemas comerciais). Michel Goosens et. al., The LATEX Graphics Companion (2nd Edition),
Michel Goosens et. al., The LAT
EX Graphics Companion (2nd Edition), Addison-Wesley, 2008.
Addison-Wesley, 2008.
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 93 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 94 / 107

Gráficos Gráficos

Gráficos — Extensões Manipulações Gráficas — Comandos

Centrando a nossa atenção nos formatos Postscript/PDF temos um Alguns dos comandos disponı́veis:
conjunto extenso de comandos adicionais à nossa disposição.
Pacotes (packages) gráficos (entre outros): Manipulações em texto (graphicx)

graphicx — inclusão, manipulação de imagens, . . . ; \scalebox{<fact esc>}{<texto>}, escala o “texto”


num dado factor de escala.
color — cores;
\scalebox{<larg>}[<alt>]{<texto>}, escala o “texto”
de forma diferente na largura e na altura.
rotating — rotações.
\resizebox{<dim larg>}{<dim alt>}{<texto>},
especifica as dimensões da caixa.

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 95 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 96 / 107
Gráficos Gráficos

Manipulações Gráficas — Comandos Inserção de Gráficos — Comandos

Manipulações em texto (color): O pacote graphicx define um comando para inclusão de “objectos”
\textcolor{<cor>}{<texto>}, define a cor do texto; Postscript (LATEX) ou PDF/JPEG/PNG (PDFLATEX).
{\color{<cor>}<texto>}, define a cor do texto;
\colorbox{<cor>}{<texto>}, define a \includegraphics[<lista opções>]{<nome ficheiro>}
cor da caixa que contém o texto .
Opções:
Manipulações em texto graphicx, rotating:
\rotatebox{<ang graus>}{<texto>}, roda o texto angle=<ang graus>, ângulo de rotação;
num determinado ângulo (em graus); scale=<fact esc>, factor de escala;
\begin{rotate}{<ang graus>}<texto>}\end{rotate}, width=<medida>, largura da imagem;
roda o texto num determinado ângulo (em graus); height=<medida>, altura da imagem;
\begin{sideways}<texto>}\end{sideways}, roda o
...
texto 90 graus.

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 97 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 98 / 107

Gráficos Gráficos

Inserção de Gráficos — Como proceder Manipulações Gráficas & Inserção de Gráficos — Exemplos

Para incluir uma imagem e/ou gráfico num texto LATEX (PDFTEX) temos
então que:
criar o ficheiro Postscript (PDF,JPEG,PNG):
\scalebox{2} \resizebox{3.5cm}{1.5cm}

5}
.. .

3
6
por conversão de formatos;
25}

{4
} {

ox
por criação directa. te

2
5
a

eb
ot
n{r

at
inclusão do pacote graphicx; g i
ot
\b e

1
4
utilização do comando apropriado; \r
\includegraphics[angle=-85,scale=.25]{poetas.ps}
compilar com o LATEX (PDFTEX);
transformar o formato dvi em formato Postscript através do
programa dvips (já está em formato PDF);
visualizar/imprimir.

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 99 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 100 / 107
Apresentações Apresentações

Criação de PDFs & Apresentações Beamer & PowerDot

O Beamer e o PowerDot são extensões ao LATEX, definem estilos de


Textos em formato PDF documento apropriados para a construção de uma apresentação, seja em
latex dvips ps2pdf forma de acetatos, seja em forma de uma projecção.
texto.tex −→ texto.dvi −→ texto.ps −→ texto.pdf
pdflatex Faz-se uso de todas as potencialidades do formato PDF, tais como
texto.tex −→ texto.pdf
animação, cores, e referências e hiper-referências.
Tem-se acesso a todos os comandos normais do LATEX,
Apresentações projecções e/ou acetatos nomeadamente aos comandos em modo matemático.
Beamer, para projecções e/ou acetatos. O formato final é um ficheiro PDF, o que significa uma enorme
PowerDot, para projecções e/ou acetatos. portabilidade, qualidade, e fiabilidade.
As ferramentas necessárias fazem parte do sistema TEX.

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 101 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 102 / 107

Apresentações Apresentações

Beamer, Um Documento Tipo Beamer Sobreposições

\documentclass{beamer}
\usetheme{Boadilla} Sobreposições (“overlays”) para controlar as sobreposições têm-se os
seguintes comandos:
\title[Curso de \LaTeX - IV]{Curso de \LaTeX\\ {\ }\\ Parte IV}
\author[P. Quaresma]{Pedro Quaresma} \pause
\institute[DM/FCTUC]{Departamento de Matemática\\Faculdade de Ci^
encias
e Tecnologia\\ Universidade de Coimbra} \onslide<m>{texto para o passo m, e só
\date{Março de 2011} esse};
\subject{Curso de \LaTeX}
\onslide<m->{texto para o passo m em
\setbeamercovered{dynamic} diante};
\onslide<-m>{texto até ao passo m};
\begin{document}
\onslide<m-n>{texto do passo m ao n};
\frame{\titlepage}
Sobreposições em listas nas listas é também possı́vel definir sobreposições
\begin{frame} para os diferentes items. Por exemplo:
\frametitle{\LaTeX, Extens~
oes}
\item<m> texto do Item
\begin{center} iria mostrar este item somente no passo m.
\Large\TeX\ Catalogue Online
\end{center}
P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 103 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 104 / 107
\ end{frame}
Estilos Tese Estilos Tese

Estilos Tese e Seminário Estilos Tese e Seminário


Os estilos dmucthesis e dmucSA para a escrita de Teses de Mestrado e Teses da
disciplina de Seminário Avançado do Mestrado em Matemática do Departamento
de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de
Coimbra respectivamente.
Estes estilos são, a exemplo dos estilos exigidos por muitas das revistas cientı́ficas, Após a fase de preenchimento da informação aos corpos iniciais da tese
estilos com uma pré-formatação bem definida e em que: (tı́tulo, resumo, abstract, agradecimentos, tabela de conteúdos), o texto
o autor TEM/DEVE: da tese é um texto LATEX normal (estilo livro), organizado em capı́tulos e
preencher a informação exigida: nome do autor, tı́tulo da tese, etc; secções, contendo texto normal, matemático, figuras, tabelas, etc.
escrever o texto da tese utilizando os comandos usuais do LATEX;
O autor NÃO deve: A construção da bibliografia não deve ser esquecida, aconselha-se a usar o
deixar de preencher a informação necessária à completa definição das partes estilo plain, embora possa ser usado um outro estilo disponı́vel no
pré-formatadas; sistema LATEX.
Utilizar comandos de formatação que alterem o formato pré-definido (tipos
de letras, dimensões dos tipos, dimensões das páginas, etc).

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 105 / 107 P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 106 / 107

Estilos Tese

TEX & METAFONT

Boa Escrita

P. Quaresma (DMUC/FCTUC) Curso de LATEX (versão 5) DEEC, 2014–11–28 107 / 107