Você está na página 1de 12

• Conceito: "Art. 194, CF/88.

A seguridade social compreende um


conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da
sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à pre- A seguridade social é direito
de qualquer pessoa.
vidência e à assistência social."

SAÚDE - art. 196 a 200,


CF/88 - acesso independe de
pagamento e é irrestrito.
Braz Cubas cria plano de pensão para empregados da
1543
PREVIDÊNCIA SOCIAL - art. Santa Casa de Santos.
201 e 202, CF/88 - sistema
MONGERAL - Montepio Geral dos Servidores do
contributivo e de filiação
1835 Estado: primeira entidade privada organizada de
obrigatória, observados critérios
que preservem o equilíbrio previdência.
financeiro e atuarial. Constituição Federal assegura aposentadoria por
1891
ASSISTÊNCIA SOCIAL - art. invalidez aos funcionários públicos.
203 e 204, CF/88 - independe Lei Eloy Chaves - primeira lei previdenciária
de contribuição, mas precisa
1923 brasileira: criou caixas de aposentadorias e pensões
comprovar necessidade.
para os trabalhadores das estradas de ferro.

Constituição Federal previu tríplice forma de


1934 custeio e contribuições obrigatórias - busca do
equilíbrio financeiro.

Criação de Institutos de Aposentadoria e Pensão (IAP),


A partir
Instituições Restritas a organizações divididos em categorias profissionais.
de 1930
mutualistas profissionais Ex IAPI (industriais)

Igreja combate a miséria, Lei 3.807 - Lei Orgânica da Previdência Social-


1960
Lei dos Pobres atendendo especialmente unificou a legislação sobre a previdência social.
- Poor Law Act - crianças, velhos, inválidos
Inglaterra e desempregados - 1967 Unificação dos Institutos com a criação do INPS.
contribuições obrigatórias. 1988 Constituição Federal- instituição da Seguridade Social.

.. Declaração dos
Direitos do Homem
Seguridade social é direito de
todos: ideia de 1990
Criação do INSSe unificação do Ministério do Trabalho
e Previdência Social (hoje separado novamente)
e do Cidadão universalização do sistema.
1991 Lei 8.212 (custeio) e Lei 8.213 (benefícios)
10 Sistema de Seguro
Alemanha - Social: derivado da pressão 1998 Reforma da Previdência pela EC 20/98.
.. Otto Von exercida pelos trabalhadores
2003 Reforma da Previdência pela EC 41/03.
Bismarck - contribuições do Estado,
empregados e empregadores. Criação da Secretaria da Receita Previdenciária (SRP)-
2004 órgão arrecadador que surge da cisão do INSS.Este passa
Primeira a tratar da segu-
Constituição a atuar, unicamente, na concessão de benefícios.
ridade social com status
Mexicana
constitucional. 2005 Reforma da Previdência pela Emenda Constitucional 47.

Organização Criação da Secretaria da Receita Federal do Brasil


Convenções que tratam tam-
Internacional do - SRFBa partir da fusão das Secretarias da Receita
bém de seguridade social.
Trabalho - OIT 2007 Federal e da Receita Previdenciária, concentrando em
Plano Beveridge- "do Atender a toda a sociedade e um único órgão a arrecadação, fiscalização e cobrança
berço ao túmulo" não apenas aos trabalhadores. de todos tributos federais.

1
PRINCípIOS DA SEGURIDADE SOCIAL valor nominal (de face) ou real (poder aquisitivo), parece-nos mais
(ARTS. 194, PARÁGRAFO ÚNICO, E 195, § 5.°, CF/88) adequado adotar a irredutibilidade do valor nominal em razão de
decisão do STF(STF,RE 263252/PR, 1a T, reI. Min. Moreira Alves,
• Princípio do solidarismo ou da solidariedade: o financiamento
O) 23.062000}
do sistema deve ser suportado por toda a sociedade, adotando o
sistema de repartição simples e impedindo a adoção de um sistema • Equidade na forma de participação no custeio: impõe que as
de capitalização. Dentro da Previdência Social, podemos afirmar contribuições sejam cobradas de acordo as possibilidades de cada
que não existe a correlação exata entre o valor contribuído e o um dos contribuintes. É a aplicação do princípio da capacidade
recebido em forma de benefícios. Também é possível citar a solida- contributiva ao Direito Previdenciário.
riedade entre gerações. • Diversidade da base de financiamento: determina que a base
• Universalidade da cobertura e do atendimento: a universali- de financiamento da Seguridade Social deve ser a mais variada
dade de cobertura (objetiva) determina que a Seguridade Social possível, de modo que oscilações setoriais não venham a compro-
tem como objetivo cobrir todos os riscos sociais. Já a universalidade meter a arrecadação de contribuições.
de atendimento (subjetiva) orienta que o sistema deve atender a • Caráter democrático e descentralizado da administração:
todas as pessoas. objetiva a participação de toda a sociedade na administração da
• Uniformidade e equivalência dos benefícios e serviços às po- Seguridade Social, mediante gestão quadripartite, com par-
pulações urbanas e rurais: determina que as prestações securitá- ticipação dos trabalhadores, empregadores, aposentados e do
rias devem ser idênticas para trabalhadores rurais ou urbanos, não governo.
sendo lícito a criação de diferenças. • Preexistência da fonte de custeio: determina que nenhum
benefício ou serviço da Seguridade Social poderá ser criado,
• Seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e
majorado ou estendido sem a correspondente fonte de custeio
serviços: a seletividade procura mitigar a universalidade de cober-
total.
tura (selecionar as prestações mais importantes), enquanto a distri-
butividade ameniza o da universalidade de atendimento (distribuir REGIMES PREVIDENCIÁRIOS BRASILEIROS
para os mais necessitados) Ex. salário família é pago apenas para
No Brasil temos diversos regimes previdenciários que convivem si-
alguns segurados baixa renda.
multaneamente conforme esquema abaixo. Neste trabalho cuida-
• Irredutibilidade do valor dos benefícios: embora não exista um remos do RGPScujas principais leis são Lei 8.212/91, Lei 8.213/91
posicionamento pacífico sobre se esta irredutibilidade se refere a e Dec. 3.048/99.

Regimes
Próprios de

r---_/
SETOR
Previdência
Social - RPPS
PÚBLICO (art. 40, CF)
'--------''\..11III

SETOR PRIVADO - RGPS (INSS): Lei 8.212/91, Lei 8.213/91


e Decreto 3.048/99.

Aberto
Fechado .
BENEFICIÁRIOS DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL
Os beneficiá rios são divididos em duas categorias: segurados e dependentes que, por sua vez, comportam novas subdivisões conforme dis-
posto abaixo.

Obrigatórios: Empregado, empregado doméstico,


contribuinte individual, trabalhador avulso
e segurado especial

Facultativos: não exercem atividade remunerada e devem ter


16 anos ou mais. Estãodispostos no art. 11 do Dec. 3048/99.
Ex.:dona de casa, estudante, presidiário

1.a Classe: chamados preferenciais, possuem presunção legal de dependência


econômica. São o cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não
emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido.
2.a Classe: necessitam comprovar dependência econômica. São os pais.
3.a Classe: necessitam comprovar dependência econômica. São os irmãos
não emancipados, de qualquer condição, menores de 21 (vinte e um) anos ou
inválidos.

• Segurados 3) Contribuinte individual: a) a pessoa física, proprietária ou não,


a) Segurados obrigatórios: são pessoas físicas maiores de 16 anos que explora atividade agropecuária, a qualquer título, em caráter
(exceto menor aprendiz que pode ter 14 anos) que exercem ativida- permanente ou temporário, em área superior a 4 (quatro) módulos
de remunerada. Dispostos no art. 11 da Lei 8.213/91, art. 12 da Lei fiscais; ou, quando em área igualou inferior a 4 (quatro) módulos
8.212/91 e art. 9° do Dec. 3.048/99, são divididos em: fiscais ou atividade pesqueira, com auxílio de empregados ou por
intermédio de prepostos; ou ainda nas hipóteses dos §§ 9° e 10 do
1) Empregado: a) aquele que presta serviço de natureza urbana ou
art. 11 da Lei 8.213/91; b) a pessoa física, proprietária ou não, que
rural à empresa, em caráter não eventual, sob sua subordinação e
explora atividade de extração mineral - garimpo, em caráter perma-
mediante remuneração, inclusive como diretor empregado; b) aquele
nente ou temporário, diretamente ou por intermédio de prepostos,
que, contratado por empresa de trabalho temporário, definida em
com ou sem o auxílio de empregados, utilizados a qualquer título,
legislação específica, presta serviço para atender a necessidade tran-
ainda que de forma não contínua; c) o ministro de confissão religiosa
sitória de substituição de pessoal regular e permanente ou a acrés-
e o membro de instituto de vida consagrada, de congregação ou
cimo extraordinário de serviços de outras empresas; c) o brasileiro
de ordem religiosa; d) o brasileiro civil que trabalha no exterior para
ou o estrangeiro domiciliado e contratado no Brasil para trabalhar
organismo oficial internacional do qual o Brasil é membro efetivo,
como empregado em sucursal ou agência de empresa nacional no
ainda que lá domiciliado e contratado, salvo quando coberto por re-
exterior; d) aquele que presta serviço no Brasil a missão diplomática
gime próprio de previdência social; e) o titular de firma individual
ou a repartição consular de carreira estrangeira e a órgãos a elas
urbana ou rural, o diretor não empregado e o membro de conselho
subordinados, ou a membros dessas missões e repartições, excluídos
de administração de sociedade anônima, o sócio solidário, o sócio
o não-brasileiro sem residência permanente no Brasil e o brasileiro
amparado pela legislação previdenciária do país da respectiva mis- de indústria, o sócio gerente e o sócio cotista que recebam remune-
são diplomática ou repartição consular; e) o brasileiro civil que tra- ração decorrente de seu trabalho em empresa urbana ou rural, e o
balha para a União, no exterior, em organismos oficiais brasileiros ou associado eleito para cargo de direção em cooperativa, associação ou
internacionais dos quais o Brasil seja membro efetivo, ainda que lá entidade de qualquer natureza ou finalidade, bem como o síndico ou
domiciliado e contratado, salvo se segurado na forma da legislação administrador eleito para exercer atividade de direção condominial,
vigente do país do domicílio; f) o brasileiro ou estrangeiro domiciliado desde que recebam remuneração; f) quem presta serviço de natureza
e contratado no Brasil para trabalhar como empregado em empresa urbana ou rural, em caráter eventual, a uma ou mais empresas, sem
domiciliada no exterior, cuja maioria do capital votante pertença a relação de emprego; g) a pessoa física que exerce, por conta própria,
empresa brasileira de capital nacional; g) o servidor público ocupan- atividade econômica de natureza urbana, com fins lucrativos ou não.
te de cargo em comissão, sem vínculo efetivo com a União, Autar- 4) Trabalhador avulso: aquele que, sindicalizado ou não, presta ser-
quias, inclusive em regime especial, e Fundações Públicas Federais; h) viço de natureza urbana ou rural, a diversas empresas, sem vínculo
o empregado de organismo oficial internacional ou estrangeiro em empregatício, com a intermediação obrigatória do órgão gestor de
funcionamento no Brasil, salvo quando coberto por regime próprio mão de obra, nos termos da Lei 8.630, de 25 de fevereiro de 1993,
de previdência social; i) o exercente de mandato eletivo federal, es- ou do sindicato da categoria, assim considerados: a) o trabalhador
tadual ou municipal, desde que não vinculado a regime próprio de que exerce atividade portuária de capatazia, estiva, conferência e
previdência social. conserto de carga, vigilância de embarcação e bloco; b) o trabalha-
2) Empregado doméstico: aquele que presta serviço de natureza dor de estiva de mercadorias de qualquer natureza, inclusive carvão
contínua a pessoa ou família, no âmbito residencial desta, em ativi- e minério; c) o trabalhador em alvarenga (embarcação para carga e
dades sem fins lucrativos. descarga de navios); d) o amarrador de embarcação; e) o ensacador
de café, cacau, sal e similares; f) o trabalhador na indústria de extra- outro regime previdenciário O INSSnão admite a desaposenta-
ção de sal; g) o carregador de bagagem em porto; h) o prático de ção (art. 181-B do Dec. 3.048/99 - ato jurídico perfeito), mas o
barra em porto; i) o guindasteiro; e j) o classificador, o movimentador judiciário vem permitindo.
e o empacotador de mercadorias em portos.
c) Segurado filiado a Regime Próprio de Previdência Social (RPPS)
5) Segurado especial: a pessoa física residente no imóvel rural que exerce, ao mesmo tempo, atividade remunerada abrangida
ou em aglomerado urbano ou rural próximo a ele que, individual- pelo RGPSserá, obrigatoriamente, filiado aos 2 regimes.
mente ou em regime de economia familiar, ainda que com o auxílio
d) Na interpretação das normas previdenciárias deve ser aplicada a
eventual de terceiros, na condição de: a) produtor, seja proprietário,
usufrutuário, possuidor, assentado, parceiro ou meeiro outorgados, norma mais favorável ao segurado.
comodatário ou arrendatário rurais, que explore atividade: 1. agro-
pecuária em área de até 4 (quatro) módulos fiscais; 2. de seringueiro • Inscrição e filiação:
ou extrativista vegetal que exerça suas atividades nos termos do inc. a) Filiação: é o nascimento do vínculo jurídico que se estabelece
XII do caput do art. 2° da Lei 9.985, de 18 de julho de 2000, e faça entre o segurado e a previdência, do qual decorrem direitos e obri-
dessas atividades o principal meio de vida; b) pescador artesanal ou gações. Decorre do exercício da atividade remunerada e gera efeitos
a este assemelhado que faça da pesca profissão habitual ou principal somente a partir da inscrição e do primeiro recolhimento.
meio de vida; e c) cônjuge ou companheiro, bem como filho maior
de 16 (dezesseis) anos de idade ou a este equiparado, do segurado b) Inscrição: é o ato pelo qual o segurado e o dependente são ca-
de que tratam as letras a e b anteriores, que, comprovada mente, dastrados no RGPS,mediante comprovação de dados pessoais e de
trabalhem com o grupo familiar respectivo. outros elementos necessários. É a formalização do vínculo da fi lia-
ção. Inscrição do dependente art. 22, Dec. 3.048/99 "A inscri-
• Segurados facultativos: são pessoas físicas maiores de 16 anos
ção do dependente do segurado será promovida quando do requeri-
que não exercem atividade remunerada e nem participem de regi-
mento do benefício a que tiver direito, mediante a apresentação dos
me próprio de previdência (salvo na hipótese de afastamento sem
seguintes documentos: (...)"
vencimento e desde que não permitida, nesta condição, contribui-
ção ao respectivo regime próprio). O art. 11 do Dec. 3.048/99 traz
um rol exemplificativo: I - a dona de casa; II - o síndico de condo- MANUTENÇÃO, PERDA E RESTABELEClMENTO DA
mínio, quando não remunerado; 111- o estudante; IV - o brasileiro QUALIDADE DE SEGURADO
que acompanha cônjuge que presta serviço no exterior; V - aquele
Em regra uma pessoa mantém a condição de segurado enquanto
que deixou de ser segurado obrigatório da previdência social; VI -
contribui. No entanto, a legislação prevê, em alguns casos, a manu-
o membro de conselho tutelar de que trata o art. 132 da Lei 8.069,
tenção do vínculo sem a necessidade de contribuições. É o chamado
de 13 de julho de 1990, quando não esteja vinculado a qualquer
período de graça previsto no art. 15 da Lei 8.213/91. Os períodos
regime de previdência social; VII - o bolsista e o estagiário que
de graça são:
prestam serviços a empresa de acordo com a Lei 11.788, de 25
de setembro de 2008; VIII - o bolsista que se dedique em tempo
integral a pesquisa, curso de especialização, pós-graduação, mes-
trado ou doutorado, no Brasil ou no exterior, desde que não esteja
vinculado a qualquer regime de previdência social; IX - o presidi-
ário que não exerce atividade remunerada nem esteja vinculado a
qualquer regime de previdência social; X - o brasileiro residente ou 2. Segurado que deixar de Até 12 meses após a
domiciliado no exterior, salvo se filiado a regime previdenciário de exercer atividade remunerada cessação de benefício por
país com o qual o Brasil mantenha acordo internacional; e XI - o ou estiver suspenso ou licen- incapacidade ou após a
segurado recolhido à prisão sob regime fechado ou semiaberto, ciado sem remuneração. * cessação das contribuições.
que, nesta condição, preste serviço, dentro ou fora da unidade
penal, a uma ou mais empresas, com ou sem intermediação da 3. Segurado acometido de
Até 12 meses após cessar a
organização carcerária ou entidade afim, ou que exerce atividade doença de segregação com-
segregação.
artesanal por conta própria. pulsória.
• Regras sobre a relação entre os dependentes: a) A ordem
4. Segurado detido ou Até 12 mesesapós o
de vocação é determinada no momento do evento gerador; b) Classe
recluso. livramento.
superior exclui classe inferior; c) Participantes de mesma classecon-
correm entre si; d) Quando um dependente perde esta qualidade, 5. Segurado incorporado às
sua cota será distribuída aos restantes; e) Extinta a primeira classe, Até 3 meses após o
Forças Armadas para prestar
extinto o benefício. licenciamento.
serviço militar.
• Observações:
Até 6 meses após a
a) Aposentado que retorna a atividade volta a contribuir como se- cessação das contribuições.
gurado obrigatório.
b) Desaposentação é o ato de desfazimento da aposentadoria por * No caso da situação 2 (segurado que deixou de exercer atividade
vontade do titular, para fins de aproveitamento do tempo de fi- remunerada), temos uma ampliação do período de graça da seguinte
liação em contagem para nova aposentadoria, no mesmo ou em forma:
. Recebeu seguro- BENEFICIO CARÊNCIA
<ou=120
contribuições + desemprego ou se
cadastrou no Ministério
do Trabalho
a) Contribuinte indivi-
dual e facultativa: 10
contribuições.
b) Empregada, emprega-
da doméstica e trabalha-
dora avulsa: dispensadas
Recebeu seguro-
+ de 120
contribuições + desemprego ou se
cadastrou no Ministério
do Trabalho
Salário maternidade
do período de carência.
c) Segurada especial:
comprovação do exer-
cício de atividade rural
nos últimos 10 meses
imediatamente anterio-
A perda da qualidade de segurado não prejudica o direito à aposen-
res ao requerimento do
tadoria para cuja concessão tenham sido preenchidos todos os requi-
benefício.
sitos, segundo a legislação em vigor à época em que estes requisitos
foram atendidos.
• Benefícios em que não é exigida a carência: pensão por morte,
• Carência: é o tempo correspondente ao número mínimo de contri- auxílio-reclusão, salário família e auxílio-acidente.
buições mensais indispensáveis para que o beneficiá rio faça jus ao
benefício, consideradas a partir do transcurso do primeiro dia dos SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO
meses de suas competências. As contribuições anteriores à perda É o valor que serve de base de incidência das alíquotas das contri-
da qualidade de segurado somente serão computadas para efeitos buições previdenciárias, sendo também utilizado para o cálculo de
de carência depois que o segurado contar, a partir da nova filiação . alguns benefícios. Tem definição diversa para cada tipo de segurado
ao RGPS,com no, mínimo, um terço do número de contribuições (art 28, Lei 8.212/91).
exigidas para o cumprimento da carência. Os períodos de carência
• Empregado e trabalhador avulso: a remuneração auferida em
dos benefícios previdenciários são: uma ou mais empresas, assim entendida a totalidade dos rendi-
mentos pagos, devidos ou creditados a qualquer título, durante
BENEFICIO CARÊNCIA o mês, destinados a retribuir o trabalho, qualquer que seja a sua
forma, inclusive as gorjetas, os ganhos habituais sob a forma de
Auxílio-doença comum ou previden- utilidades e os adiantamentos decorrentes de reajuste salarial, quer
12 contribuições
ciário pelos serviços efetivamente prestados, quer pelo tempo à disposi-
ção do empregador ou tomador de serviços nos termos da lei ou do
Auxílio-doença acidentário (aciden- contrato ou, ainda, de convenção ou acordo coletivo de trabalho
te; doença profissional ou doença do Não tem carência ou sentença normativa.
trabalho) • Empregado doméstico: a remuneração registrada na Carteira de
Trabalho e Previdência Social, observadas as normas a serem esta-
Auxílio-doença - doenças graves (art
belecidas em regulamento para comprovação do vínculo emprega-
151, Lei 8.213/91 + hepatopatia gra-
Não tem carência tício e do valor da remuneração.
ve - Portaria Interministerial 2.998 de
23.08.2001). • Contribuinte individual: a remuneração auferida em uma ou
mais empresas ou pelo exercício de sua atividade por conta própria,
Aposentadoria por invalidez comum durante o mês.
12 contribuições
ou previdenciária • Segurado especial: este segurado faz seus recolhimentos sem a
utilização do conceito de salário de contribuição e sim sobre a co-
Aposentadoria por invalidez aciden-
mercialização da produção rural.
tário (acidente; doença profissional Não tem carência
ou doença do trabalho) • Segurado facultativo: o valor por ele declarado.
• Parcelas que não integram o salário de contribuição (indeni-
Aposentadoria por invalidez - doen- zatórias - art. 28, § 9.°, Lei 8212/91): a) Benefícios da previdên-
ças graves (artigo 151, Lei 8.213/91 cia (exceto o salário maternidade); b) Ajuda de custo e adicional
Não tem carência
+ hepatopatia grave - Portaria Inter- mensal do aeronauta nos termos da Lei 5.929, de 30 de outubro de
ministerial 2.998 de 23.082001) 1973; c) Alimentação fornecida de acordo com o PAT- Programa
de Alimentação do Trabalhador; d) Férias indenizadas; e) Indeniza-
Aposentadoria por idade 180 contribuições ções trabalhistas. Ex.: pagamento de 40% do FGTSnas demissões
sem justa causa; f) Incentivo à demissão (PDV); g) Abono de férias
Aposentadoria tempo de contribuição 180 contribuições
("venda" dos dez dias); h) Ganhos eventuais e abonos expressa-
Aposentadoria especial 180 contribuições mente desvinculados do salário (pela lei); i) Vale transporte; j) Aju-
da de custo própria (decorrente da mudança do local de trabalho,
recebida em parcela única); k) Diárias de viagem não excedentes a RENDA MENSAL INICIAL
50% da remuneração; I) Participação do empregado no lucro da
A RMI corresponde à primeira parcela do benefício de prestação con-
empresa; m) Abono do PIS; n) Transporte, alimentação e habitação
tinuada a ser pago pela Previdência Social. Este valor vai depender da
fornecidos aos empregados contratados para trabalhar em canteiro
espécie do benefído e do valor do salário de benefício.
de obra ou local que exija deslocamento e estada; o) Previdência pri-
vada, seguro de vida em grupo, assistência médica ou odontológica BENEFíCIO RENDA MENSAL INICIAL
e complementação do auxílio doença, desde que disponibilizados a I I
todos os empregados e dirigentes da empresa; p) Ressarcimento de Auxíl io-doença 91 % do salário de benefício
despesas pelo uso de veículo do empregado, quando devidamente
Aposentadoria especial 100 % do salário de benefício
comprovadas; q) Plano educacional (educação básica ou capacitação
profissional vinculada à atividade desenvolvida na empresa) desde Aposentadoria por invalidez 100 % do salário de benefício
que não substitua parcela salarial e seja disponível a todos os empre-
gados e dirigentes; r) Valores decorrentes de cessão de direitos auto- Aposentadoria por tempo de
100 % do salário de benefício
rais; s) Reembolso creche (criança até seis anos), quando comprova- contribuição
das as despesas; t) Reembolso babá (criança até seis anos) (limitado Auxílio-acidente 50 % do salário de benefício
ao menor salário de contribuição, ao registro na CTPSe comprovação
do pagamento da remuneração e das contribuições sociais); u) Valo- 70 % do salário de benefício
res despendidos pelas entidades religiosas com ministros de confissão mais 1% por grupo de 12
Aposentadoria por idade
contribuições mensais até o
religiosa. Ex.: padres, pastores. v) Vestuário e equipamentos para uso
máximo de 100%
no local de trabalho.
• Salário maternidade: depende do tipo de segurada:

SALÁRIO DE BENEFíCIO a) empregada e trabalhadora avulsa: igual à remuneração integral.


É o valor-básico utilizado para cálculo da renda mensal dos benefícios b) doméstica: igual ao último salário de contribuição.
de prestação continuada, inclusive os regidos por normas especiais, ex- c) segurada especial: salário-mínimo.
ceto o salário família, a pensão por morte, o salário-maternidade e os
d) contribuinte individual e segurada facultativa: 1/12 da soma
demais benefícios de legislação especial.
dos 12 últimos salários de contribuição, apurados em um período não
superior a 15 meses.
• Salário família: fixado anualmente através de portaria.
• Pensão por morte: 100% do valor da aposentadoria que o segura-
• Média aritmética simples dos maiores do recebia ou daquela a que teria direito se estivesse aposentado por
salários de contribuição correspondentes invalidez na data de seu falecimento.
a 80 % de todo período contributivo,
Aposentadoria por • Auxílio reclusão: 100% do valor da aposentadoria a que o segura-
multiplicada pelo fator previdenciário (na
idade do teria direito se estivesse aposentado por invalidez na data de seu
aposentadoria por idade a aplicação do
Aposentadoria por fator é opcional). recolhimento.
tempo de contribuição
• Para os filiados até 28.11.1999, o perío-
do básico de cálculo será contado a partir
de julho/94 (implantação do real).
EDITORA f'IiI
REVISTA DOS TRIBUNAIS
• Média aritmética simples dos maiores
Aposentadoria por salários de contribuição corresponden- COLEÇÃO RETA FINAL
invalidez tes a 80 % de todo período contribu- Coordenação: Marco Antonio Araujo Junior e Darlan Barroso
tivo.
Aposentadoria especial Direito Previdenciário - Parte I
• Para os filiados até 28.11.1999, o perío-
Auxílio-doença do básico de cálculo será contado a partir Flávia Cristina Moura de Andrade

Auxílio-acidente de julho/94 (implantação do real) © desta edição [201 OJ


Publicação licenciada mediante contrato.
Aqui não se aplica o fator previdenciário.
Criação: Equipe RT • Díagramação: Linotec • Impressão: Gráfica Ripress
+'"o,.»~~

EDITORA REVISTA DOS TRIBUNAIS LTDA.


18\
FATOR PREVIDENClÁRIO
Estabelecido pela Lei 9.876/99, é um coeficiente atuarial criado como
Diretor responsável:
Carlos Henrique de Carvalho Filho
Rua do Bosque, 820 - Barra Funda
,~~/
~g~.B-_

EDITORA AFlUADA
uma forma de o Poder Público estimular as pessoas a se aposentarem Tel 11 3613.8400 Fax 11 3613.8450
mais tarde (4 ou 5 anos para manter os valores de uma aposentadoria CEP 01136-000 - São Paulo, Sp, Brasil
concedida antes de 1999). Será aplicado no cálculo da aposentadoria Central de Relacionamento RT:
por tempo de contribuição de forma obrigatória e na aposentadoria 0800.702.2433
sac@rtcom.br-wvvw.rtcom.br
por idade de forma opcional. As variáveis utilizadas no cálculo do fator
Impresso no Brasil [05-2010]
previdenciário são: a) a idade do segurado na data da aposentadoria;
Fechamento desta edição: [10.04.201 OJ
b) o tempo que ele contribuiu para a previdência; c) a sua expectativa
de sobrevida, ou seja, o prazo médio durante o qual o benefício será
pago (calculado pelo IBGE).
OBSERVAÇÕES GERAIS SOBRE BENEFíCIOS c) Para efeito de aposentadoria, é assegurada a contagem recíproca do
tempo de contribuição entre os regímes previdenciários.
a) É vedada a utilização de requisitos e critérios diferenciados para a con-
cessão de aposentadoria, ressalvados os casos de atividades exercidas
sob condições especiais que sejam prejudiciais à saúde ou à integridade
física e quando se tratar de segurados portadores de deficiência, nos A seguir apresentamos um quadro comparativo contendo informações so-
termos definidos em lei complementar. bre os benefícios previdenciários.
b) Nenhum benefícío que substitua o salário de contribuição ou o rendi- ímportante ressaltar que a Previdência Social coloca à disposição de segura-
mento do trabalho do segurado terá valor mensal inferior ao salário- dos e dependentes as prestações serviço social e habilitação e reabilitação
mínimo. profissional (art. 88 e 89, Lei 8213/91)

Art 52 a 56, Lei 8.213/91. Art. 48 a 51, Lei 8213/91. Art. 42 a 47, Leí 8213/91

• Todos os tipos de segurados.


Segurados:
• O segurado especial só terá
empregado,
direito se contribuir como
trabalhador avulso
contribuinte individual. Todos os tipos de segurados. Todos os tipos de segurados.
e contribuinte
• Segurados que optarem pelo individual
PPS(Plano de Previdência cooperado.
Simplíficado) não tem direito.

Trabalho sob
Idade mínima de: condições
Doença ou acidente de qualquer
Tempo de contribuição mínimo: • 65 anos homem urbano prejudiciais
• • natureza causando incapacídade
: . •
• • 35 anos para homens. • 60 anos mulher urbana
à saúde ou à
integridade física
total e definitiva para o trabalho
ou atividade habitual, e insuscetível
• 30 anos para mulheres. • 60 anos homem rural que darão direito a
de reabilitação.
• 55 anos mulher rural aposentadoria aos
15, 20 ou 25 anos.

Depende do evento causador da


incapacidade:
• Se decorrente de acidente de
qualquer natureza ou doença
do trabalho ou
doença profissional: não tem
carência.
180 contribuições. 180 contribuições. 180 contribuições.
• Se decorrente de doença grave
(art 151, Lei 8.213/91 acrescida
da hepatopatia grave): não tem
carência.
• Se decorrente de outras
situações que não as 2
anteriores: 12 contribuições.

• 70% do salário de bene-

.• • ••
• 100% do salário de benefício. fício, mais 1% para cada
grupo de 12 contribuições 100% do salário de
100% do salário de benefício.
• • Aplicação obrigatória
fator previdenciário.
do mensais até 100% .
• É facultativa a aplicação do
benefício.

fator previdenciário.
• Se o segurado estiver recebendo
auxílio-doença: a partir do dia
imediatamente posterior ao
término do auxílio-doença.
Empregado e
doméstico: a partir da • Se o segurado não estiver
Empregado e doméstico: recebendo auxílio-doença:
data de desligamento A parti r da data do
a partir da data de
do emprego, quando desligamento do a) Empregado, a contar do
desligamento do emprego,
solicitada até essa emprego, quando 16° dia do afastamento da
quando solicitada até essa
data ou até 90 dias solicitada até essa atividade ou a partir da entrada
data ou até 90 dias depois
depois dela; a partir data ou até 90 dias do requerimento, se entre o
dela; a partir da data de
da data de entrada depois dela; a partir afastamento e a entrada do
entrada do requerimento,
do requerimento, da data de entrada requerimento decorrerem mais de
quando não houver
quando não houver do requerimento, trinta dias;
desligamento do emprego
desligamento do quando não houver
ou quando solicitada após 90 b) Demais segurados: a contar
emprego ou quando for desligamento do
dias do desligamento. da data do início da incapacidade
requerida depois de 90 emprego ou for
dias do desligamento. Demais segurados: a ou da data da entrada do
solicitada após 90 dias
partir da data de entrada do requerimento, se entre essas datas
Demais segurados: do desligamento.
requerimento. decorrerem mais de trinta dias.
a partir da data do
requerimento. Durante os primeiros quinze dias
de afastamento da atividade
por motivo de invalidez, caberá
à empresa pagar ao segurado
empregado o salário.

• Morte do beneficiá rio. • Morte do beneficiário.

• Retorno ou manuten- • Recuperação da capacidade


Morte do beneficiá rio. Morte do beneficiá rio. ção do segurado em laborativa atestada por médico
atividade sob condi- perito.
ções especiais • Retorno à atividade laborativa

• Lei 10.666/2003: a perda • Não é pré-requisito para o


da qualidade de segurado recebimento da aposentadoria
não será considerada • O trabalhador deverá por invalidez o pagamento
para a concessão de comprovar, além do anterior de auxílio-doença
aposentadoria por idade, tempo de trabalho,
• Lei 10.666/2003: • A doença ou lesão de que o
desde que o trabalhador efetiva exposição aos
perda da qualidade segurado já era portador ao
tenha cumprido o tempo agentes químicos,
de segurado não filiar-se ao Regime Geral de
mínimo de contribuição físicos, biológicos ou
será considerada Previdência Social não lhe
exigido. associação de agentes
para a concessão do conferirá direito à aposentadoria
prejudiciais pelo
benefício. • A aposentadoria por idade por invalidez, salvo quando
período exigido para a
pode ser requerida pela a incapacidade sobrevier por
• Professores de concessão do benefício
empresa, desde que o motivo de progressão ou
ensino básico, (15, 20 ou 25 anos)
segurado empregado tenha agravamento dessa doença
fundamental e ou lesão.
cumprido o período de • A comprovação
médio podem pedir do tempo especial
carência e completado 70 • Se o beneficiá rio necessitar
aposentadoria após será feita através do
(setenta) anos de idade, de assistência permanente
30 anos (homens) e Perfil Profissiográfico
se do sexo masculino, de outra pessoa (Anexo I do
25 anos (mulheres) de Previdenciário (PPP)
ou 65 (sessenta e cinco) Dec. 3.048/99) o valor da
contribuição, desde
anos, se do sexo feminino, • A caracterização e aposentadoria será aumentado
que comprovem
sendo compulsória, caso a comprovação do em 25% e, neste caso, poderá
exclusivamente tempo
em que será garantida ao tempo de atividade superar o teto previdenciário.
de efetivo exercício de
empregado a indenização sob condições É a chamada grande invalidez.
atividade docente em
prevista na legislação especiais obedecerá ao Este acréscimo será recalculado
sala de aula.
trabalhista, considerada disposto na legislação quando o benefício que lhe deu
como data da rescisão do em vigor na época da origem for reajustado e cessará
contrato de trabalho a prestação do serviço. com a morte do aposentado,
imediatamente anterior à não sendo incorporável ao valor
do início da aposentadoria. da pensão.
AuxíLiO DOENÇA AuxíLiO ACIDENTE SALÁRIO FAMíLIA SALÁRIO MATERNIDADE
~
FUNDAMENTA-
Arts 59 a 63, Lei 8.213/91. Art. 86, Lei 8.213/91. Arts. 65 a 70, Lei 8.213/91. Arts 71 a 73, Lei 8.213/91.
çÃO LEGAL
• Os segurados empregado
e trabalhador avulso, des-
de que de baixa renda.
• O aposentado por inva-
Segurados: lidez ou por idade e os
empregado, demais aposentados com
BENEFICIÁRIO Todos os tipos de segurados. 65 anos ou mais de idade, Todos os tipos de seguradas.
trabalhador avulso e
segurado especial. se do sexo masculino, ou
60 anos ou mais, se do
feminino, terão direito
ao salário família, pago
juntamente com a apo-
sentadoria.

Redução da capaci-
Doença ou acidente de qualquer dade laborativa em Existência de dependentes
PRESSUPOSTO Nascimento de filho, adoção ou
natureza causando incapacidade razão de sequelas de- menores de 14 anos ou
BÁSICO guarda para fins de adoção.
por mais de 15 dias consecutivos. correntes de acidente inválidos de qualquer idade.
de qualquer natureza.

Depende do evento causador da


• Empregada, empregada
incapacidade:
doméstica e trabalhadora
• Se decorrente de acidente de avulsa: não tem.
qualquer natureza ou doença do
• Contribuinte individual e facul-
trabalho ou doença profissional
tativa: 10 contribuições.
não tem carência.
CARÊNCIA Não há Não há. • Segurada especial: deverá
• Se decorrente de doença grave
comprovar efetivo exercício da
(art. 151, Lei 8213/91 acrescida
atividade rural por 10 meses.
da hepatopatia grave) não tem
carência. Se o nascimento for prematuro, a
carência será reduzida no mesmo
• Se decorrente de outras situa-
número de meses em que o parto
ções que não as 2 anteriores: 12
foi antecipado.
contribuições.

• Empregada: valor integral da


remuneração mensal.
• Trabalhadora avulsa: o equiva-
• Fixado anualmente por lente ao último mês de trabalho.
portaria. • Empregada doméstica: o
• O valor da quota será equivalente ao último salário de
proporcional nos meses contribuição.
VALOR DO 50% do salário de de admissão e demissão
91 % do salário de benefício. • Contribuinte individual e a fa-
BENEFíCIO benefício. do empregado. Para o tra- cultativa: o equivalente a 1/12
balhador avulso, a quota da soma dos 12 últimos salários
será integral independen- de contribuição apurados em um
temente do total de dias período de no máximo 15 meses.
trabalhados.
• A segurada especial terá direito
a um salário mínimo, se não
contribuiu como contribuinte
individual.

• Empregados: a partir do 16.0 dia


de afastamento do trabalho
• Demais segurados: a partir da • A partir do dia se-
data da incapacidade ou a partir guinte em que cessa
da data de entrada do requeri- o auxílio-doença.
INíCIO DO Da data de apresentação Será pago por 120 dias,
mento e enquanto ele permane- • Se não houver o pa-
PAGAMENTO dos documentos. com exceção da mãe adotante.
cer incapaz. gamento do auxílio-
• Quando solicitado por segurado doença, da data do
afastado por mais de 30 dias, requerimento.
será devido a partir da data de
entrada do pedido.
Dependentes de qualquer tipo de segurado desde
que este seja baixa renda.

Morte de segurado. Prisão do segurado.

Não há. Não há.

• 100 % do valor da aposentadoria que o segurado


recebia no dia da morte ou que teria direito se
estivesse aposentado por invalidez. 100 % do valor da aposentadoria que o segurado
• O dependente do segurado especial terá direito a teria direito se estivesse aposentado por invalidez.
um salário mínimo, se este não contribuiu como
contribuinte individual.

• Se requerido até 30 dias da data do óbito, será


pago do óbito. • Se requerido até 30 dias da data do recolhimento à
• Se requerido após 30 dias da data do óbito, será prisão será pago do recolhimento.
pago da data do requerimento • Se requerido após 30 dias da data do recolhimento
• No caso de morte presumida: a partir da data da será pago da data do requerimento
decisão judicial.

• Morte do segurado.
• Morte do pensionista
• Quando dependente perde tal qualidade.
• Quando dependente perde qualidade de dependente.
• Quando segurado sai da prisão.

• Benefício será pago se o trabalhador não estiver


recebendo salário da empresa, auxílio-doença ou
aposentadoria.
• Dependentes devem apresentar à Previdência
Social, de três em três meses, atestado de que o
trabalhador continua preso, emitido por
autoridade competente.
hospedagem, alimentação, recepção, recreação e atividades pedagógi-
cas, bem como taxa de visitação e serviços especiais. O segurado especial
o artigo 195 da CF traz as principais fontes de custeio da Seguridade So-
pode contribuir, facultativamente, da mesma forma que o contribuinte
cial: " A seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma
individual que presta serviços somente a pessoa física.
direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes dos
orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, d) Segurado facultativo: 20% sobre o valor por ele declarado entre
e das seguintes contribuições sociais 1- do empregador, da empresa e o salário mínimo e o teto previdenciário. Podem optar pela alíquota
da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes sobre: a) a folha de 11 % mas, neste caso, não terão direito a aposentadoria por tem-
de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados, a po de contribuição e seus benefícios serão de, no máximo, 1 salário
qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo mínimo.
empregatício; b) a receita ou o faturamento (COFINS - Contribuição para
o Financiamento da Seguridade Social); c) o lucro (CSLL - Contribuição
Sobre o Lucro Líquido) II - do trabalhador e dos demais segurados
da previdência social, não incidindo contribuição sobre aposentadoria e De acordo com o art. 26, § 1°, Lei 8.212/91 são considerados concursos
pensão concedidas pelo regime geral de previdência social de que trata de prognósticos todos e quaisquer concursos de sorteios de números,
o art. 201. II1- sobre a receita de concursos de prognósticos IV - do loterias, apostas, inclusive as realizadas em reuniões hípicas, nos ãmbitos
importador de bens ou serviços do exterior, ou de quem a lei a ele federal, estadual, do Distrito Federal e municipal
equiparar. "

A seguir trazemos uma análise sintética destas fontes de custeio. CONTRIBUiÇÕES DOS EMPREGADORES DOMÉSTICOS

Empregador doméstico (art. 15, 11,Lei 8.212/91) a pessoa ou família que


admite a seu serviço, sem finalidade lucrativa, empregado doméstico. É
A União vai contribuir destinando recursos da arrecadação de outros diferente do conceito de empresa, pois o empregador doméstico não de-
tributos para a saúde, assistência social e previdência social. A União senvolve atividade econõmica. A contribuição do empregador doméstico
é responsável pela cobertura de eventuais insuficiências financeiras da tem alíquota de 12 % e está sujeita ao teto previdenciário
seguridade social quando decorrentes do pagamento de benefícios de
prestação continuada da previdência social, na forma da Lei Orçamentá-
ria Anual (art. 16, parágrafo único, Lei 8212/91)
• Empresa (art. 15, I, Lei 8.212/91): a firma individual ou sociedade
que assume o risco de atividade econômica urbana ou rural, com fins
lucrativos ou não, bem como os órgãos e entidades da administração
São chamadas, juntamente com as contribuições das empresas sobre a pública direta, indireta e fundacional.
folha de pagamentos, de previdenciárias. Os aposentados e pensionistas
estão imunes com relação aos valores pagos a título de aposentadoria • Equiparam-se a empresa para fins previdenciários: o contribuinte
e pensão, mas devem continuar a contribuir caso exerçam atividade re- individual em relação a segurado que lhe presta serviço (ex. advogado
munerada. que contrata secretária para auxiliá-Io no escritório), bem como a coo-
perativa, a associação ou entidade de qualquer natureza ou finalidade,
Os inativos e pensionistas dos RPPS po- a missão diplomática e a repartição consular de carreira estrangeiras; o
dem vir a contribuir nos termos do art. OGMO e o proprietário ou dono de obra de construção civil, quando
40, § 18.°, CF/88. pessoa física, em relação a segurado que lhe presta serviço

• Cooperativa: também é considerada empresa para fins previdenciá-


• Contribuem com as seguintes alíquotas: rios, independente de não perseguir finalidade lucrativa. Mas só vai
contribuir quando remunerar segurados a seu serviço (ex. empregados
a) Empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso: 8%, que trabalham no setor administrativo), e não em relação aos serviços
9% ou 11 % a depender do valor do salário de contribuição. Os em-
prestados a terceiros pelos seus cooperados
pregadores devem reter estas contribuições e repassá-Ias à Previdência
Social. As contribuições patronais são

b) Contribuinte individual: 11 % quando presta serviços a pessoa jurí- • Contribuição sobre a folha de pagamento dos empregados e tra·
dica e, neste caso, a pessoa jurídica deve fazer a retenção e o repasse à balhadores avulsos:
Previdência. O contribuinte individual que presta serviços a pessoa física
a) 20% sobre o total das remunerações pagas, devidas ou creditadas a
deve recolher pessoalmente 20%. Aqueles que trabalham por conta pró-
qualquer título, durante o mês, aos segurados empregados e traba-
pria, sem relação de trabalho com empresa ou equiparado podem optar
pela alíquota de 11 % sobre o valor do salário mínimo, mas, neste caso, lhadores avulsos que lhe prestem serviços No caso de banco e ins-
não terão direito a aposentadoria por tempo de contribuição e seus be- tituições financeiras em geral, será devida contribuição adicional de
nefícios serão de, no máximo, 1 salário mínimo. 2,5% (art. 22, § 1°, Lei 8212/91

c) Segurado especial: contribui com 2% sobre a comercialização da b) 1 %, 2% ou 3% referente ao SAT/GILRAT, dependendo do risco de
produção rural, de artigos de artesanato elaborados com matéria-prima acidentes de trabalho ser leve, médio ou grave, respectivamente. O
produzida pelo respectivo grupo familiar; de artesanato ou do exercício grau de risco é avaliado segundo a atividade preponderante, ou seja,
de atividade artística e de serviços prestados, de equipamentos utilizados a que tiver maior número de funcionários. O grau de risco pode ser
e de produtos comercializados no imóvel rural, desde que em atividades reduzido em 50% ou aumentado em 100% a depender do FAP- Fa-
turística e de entretenimento desenvolvidas no próprio imóvel, inclusive tor Acidentário de Prevenção
c) As alíquotas do SAT/GILRAT serão acrescidas em 6%, 9% ou 12% se a
atividade exerci da pelo segurado ensejar a concessão de aposentadoria
• Instituição de novas contribuições para a seguridade social - lei
especial após 25, 20 ou 15 anos de contribuição, respectivamente.
ordinária ou complementar?: posição majoritária entende que se a
• Contribuição sobre a remuneração dos contribuintes individuais: União for instituir uma contribuição de seguridade social sobre uma base
de cálculo já autorizada nos incisos do art. 195 da CF ela só precisará de
a) 20% sobre o total das remunerações pagas ou creditadas a qualquer
lei ordinária; agora, se a União precisar instituir outra contribuição social
título, no decorrer do mês, aos segurados contribuintes individuais que
(nova fonte) de seguridade social, incidente sobre uma base de cálculo
lhe prestem serviços. No caso de banco e instituições financeiras em
não autorizada nesses dispositivos, ela terá que editar uma lei comple-
geral, será devida contribuição adicional de 2,5% (art. 22, § 1 ° Lei
mentar, por força do art. 195, § 4.°, CF/88.
8.212/91.
• Da vedação de contratar ou receber benefícios: a pessoa jurídica em
b) As cooperativas de produção devem pagar adicional de 6%, 9%
débito com o sistema da seguridade social, como estabelecido em lei,
ou 12% no caso de exercício de atividade que autorize a concessão
não poderá contratar com o Poder Público nem dele receber benefícios
de aposentadoria especial após 25, 20 ou 15 anos de contribuição,
ou incentivos fiscais ou creditícios.
respectivamente.
• Da anterioridade nonagesimal em matéria de contribuições so-
• Contribuição sobre os serviços prestados por cooperativas de
ciais: as contribuições sociais de que trata o art. 195, CF, só poderão ser
trabalha:
exigidas após decorridos noventa dias da data da publicação da lei que
a) 15% sobre o valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de servi- as houver instituído ou modificado, não se Ihes aplicando o disposto no
ços de cooperados por intermédio de cooperativos de trabalho. art. 150,111, b.

b) As empresas que contratam profissionais filiados as cooperativas de • Imunidade das beneficentes: são isentas (a CF fala em isenção quando
trabalho para exercerem atividades sob condições especiais que prejudi- o correto seria imunidade) de contribuição para a seguridade social as
quem a saúde ou a integridade física contribuem, adicionalmente, com entidades beneficentes de assistência social que atendam às exigências
a alíquota de 5%, 7% ou 9% nos casos de aposentadoria especial de estabelecidas em lei.
25, 20 ou 15 anos de contribuição, respectivamente.
• Progressividade das contribuições sociais: as contribuições sociais
previstas no art. 195, I, CF poderão ter alíquotas ou bases de cálculo di-
ferenciadas, em razão da atividade econômica, da utilização intensiva de
mão de obra, do porte da empresa ou da condição estrutural do mercado
de trabalho.

• Receitas das contribuições sociais das associações desportivas com


clube de futebol profissional: a contribuição é de 5% sobre a receita EDITORA ('i'iI
REVISTA DOS TRIBUNAIS
bruta de rendas de jogos em qualquer modalidade esportiva incluindo
jogos internacionais, patrocínios em geral, licenciamento de uso de mar-
cas e símbolos, publicidade, propaganda de transmissão de espetáculos
COLEÇÃO RETA FINAL
desportivos (art. 22, § 6°, Lei 8212/91)
Coordenação: Marco Antonio Araujo Junior e Darlan Barroso
Aplica-se somente aos clubes que têm futebol profissional com filiação Direito Previdenciário - Parte 11
a entidade federal. Os demais seguem a regra geral. Mas tendo futebol
profissional, todas as demais modalidades esportivas serão tributados com
base na receita bruta. © desta edição [2010J
Publicação licenciada mediante contrato.
• Contribuição do produtor rural pessoa física - PRPF: contribuem Criação: Equipe RT • Diagramação: Linotec • Impressão: Gráfica Ripress
com alíquotas de 2%, 0,1% (SAT/GILRAT) e 0,2% (SENAR) incidentes
sobre a receita bruta decorrente da comercialização de sua produção.

• Contribuição do produtor rural pessoa jurídica - PRPJ: contribuem EDITORA REVISTA DOS TRIBUNAIS LTDA.
com alíquotas de 2,5%, 0,1 % (SAT/GILRAT) e 0,25% (SENAR) incidentes Diretor responsável: ~_._~
sobre a receita bruta decorrente da comercialização de sua produção Carios Henrique de Carvalho Filho ~/
EDITORA AFIUADA
Rua do Bosque, 820 - Barra Funda
• Agroindústrias: é o produtor rural pessoa jurídica cuja atividade econô- Tel. 11 36138400 - Fax 11 36138450
mica seja a industrialização de produção própria ou de produção própria CEP 01136-000 - São Paulo, SP,Brasil
e adquirida de terceiros. Caso beneficie apenas produção de terceiros, Central de Relacionamento RT:
recebe tratamento de empresa comum. Contribuem com alíquotas de 08007022433
sac@rtcom.br-www.rtcom.br
2,5%, 0,1 % (SAT/GILRAT) e 0,25% (SENAR) incidentes sobre a receita
bruta decorrente da comercialização de sua produção. A lei afasta dessa Impresso no Brasil [05-201 OJ
Fechamento desta edição: [1004.201 OJ
forma de contribuição as sociedades cooperativas e as agroindústrias de
Proibida a reprodução total ou
DIREITOS RESERVADOS.
piscicultura, carcinicultura, suinocultura e avicultura, que devem contri-
parcial, por qualquer meio ou processo - Lei 9.610/98.
buir de acordo com a regra geral