Você está na página 1de 28

CARLOS MENDONÇA

DIREITO CONSTITUCIONAL
01.(FCC 2018 ALESE TÉCNICO) A Constituição
Federal reconhece como instituição permanente,
essencial à função jurisdicional do Estado, à qual
incumbe a defesa da ordem jurídica, do regime
democrático e dos interesses sociais e individuais
indisponíveis,

a) a Defensoria Pública.
b) a Advocacia-Geral da União.
c) o Ministério Público.
d) a Controladoria-Geral da União.
e) a Justiça Federal.
02. (CESPE 2018 TCM-BA AUDITOR) No que se refere às funções essenciais à
justiça, é correto afirmar que

a) a defesa dos denominados interesses sociais e individuais indisponíveis


cabe à advocacia pública.
b) o Ministério Público dos estados é integrante do Ministério Público da
União.
c) a Advocacia-Geral da União é a instituição responsável pela representação
judicial da União, não possuindo competência para representá-la
extrajudicialmente.
d) os procuradores dos estados são servidores públicos concursados
incumbidos da função de representação judicial e consultoria jurídica às
respectivas unidades federadas.
e) a Defensoria Pública, por estar vinculada à procuradoria estadual,
encontra-se sujeita às mesmas regras funcionais e administrativas
estabelecidas pelo procurador-geral.
03. (CESPE 2018 SEFAZ-RS AUDITOR) A respeito das funções essenciais à justiça, julgue os seguintes
itens.

I O Ministério Público estadual possui legitimidade ativa autônoma para ajuizar reclamação no Supremo
Tribunal Federal (STF), desde que haja ratificação da inicial pelo procurador-geral da República.

II A Defensoria Pública possui legitimidade ativa para ajuizar ação civil pública e defender interesses
transindividuais — coletivos stricto sensu e difusos — e interesses individuais homogêneos.

III Os procuradores dos estados, que possuem remuneração estabelecida exclusivamente por subsídio
fixado em parcela única, exercem funções de consultoria jurídica e representação judicial dos
respectivos entes federados.

Assinale a opção correta.

a) Apenas o item I está certo.


b) Apenas o item II está certo.
c) Apenas os itens I e III estão certos.
d) Apenas os itens II e III estão certos.
e) Todos os itens estão certos
CF/88
Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público:

II - zelar pelo efetivo respeito dos Poderes Públicos e dos


serviços de relevância pública aos direitos assegurados nesta
Constituição, promovendo as medidas necessárias a sua
garantia;

§ 1º - A legitimação do Ministério Público para as ações civis


previstas neste artigo não impede a de terceiros, nas mesmas
hipóteses, segundo o disposto nesta Constituição e na lei.
Lei 7.347/85

Art. 5o Têm legitimidade para propor a ação principal e a ação


cautelar:
I - o Ministério Público;
II - a Defensoria Pública;
III - a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios;
IV - a autarquia, empresa pública, fundação ou sociedade de economia
mista;
V - a associação que, concomitantemente:
a) esteja constituída há pelo menos 1 (um) ano nos termos da lei civil;
b) inclua, entre suas finalidades institucionais, a proteção ao meio
ambiente, ao consumidor, à ordem econômica, à livre concorrência ou
ao patrimônio artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico.
03. (CESPE 2018 STM ANALISTA) Com relação à
organização dos poderes e às funções essenciais
à justiça, julgue o item a seguir.

Cabe ao Ministério Público Federal representar a


União em caso de ação judicial proposta por
servidor da justiça militar da União que cobre
diferenças devidas em razão de erro no cálculo
de sua remuneração.
04. (FCC 2018 DPE-AM DEFENSOR) Sob a justificativa de que não dispõe de prédios
e profissionais em condições adequadas ao atendimento a crianças e adolescentes
com mobilidade reduzida em todas as unidades escolares de ensino regular da
rede pública, tampouco de recursos financeiros para promover no momento novas
reformas e contratações, determinado Estado da federação direciona a matrícula
de alunos com mobilidade reduzida exclusivamente para escolas cujos prédios já
sejam adaptados e concentra nessas unidades os profissionais de seus quadros
habilitados ao atendimento desses alunos.

Diante disso, certa aluna cadeirante do 5º ano do ensino fundamental, que desde o
início do ciclo frequentava uma unidade que, embora não adaptada fisicamente,
era próxima de sua residência e contava com servidor habilitado a acompanhá-la,
tem sua matrícula transferida para unidade escolar adaptada e com pessoal
habilitado, porém distante de sua residência, fazendo-se necessário que a criança
seja conduzida para a escola mediante transporte, o que, no entanto, não foi
oferecido pelo Estado. Os pais da aluna, qualificados para recebimento de
assistência jurídica gratuita, pretendem obter ordem judicial para que sua filha
volte a frequentar a unidade escolar em que cursou os anos anteriores do ensino
fundamental ou, sucessivamente, que lhe seja assegurado transporte gratuito para
a unidade escolar à qual foi direcionada sua matrícula.

Nessa situação,
a) não há que se falar em omissão do Estado na prestação do serviço educacional
que lhe incumbe, não estando a decisão da Administração sujeita, no caso, a
controle jurisdicional.
b) não há que se falar em omissão do Estado na prestação do serviço educacional
que lhe incumbe, embora, em tese, tanto Ministério Público quanto Defensoria
Pública estejam legitimados a promover a defesa em juízo de interesses individuais
dessa natureza.
c) tanto Ministério Público quanto Defensoria Pública estariam legitimados a
promover a defesa em juízo dos interesses da aluna, cabendo ao órgão judicial
sopesar os interesses colidentes envolvidos, de modo a assegurar a máxima
efetividade ao direito à educação, integrante do mínimo existencial, assegurado
constitucionalmente.
d) apenas a Defensoria Pública estaria legitimada a promover a defesa em juízo dos
interesses da aluna, cabendo ao órgão judicial sopesar os interesses colidentes
envolvidos, de modo a assegurar a máxima efetividade ao direito à educação,
integrante do mínimo existencial, assegurado constitucionalmente.
e) apenas o Ministério Público estaria legitimado a promover a defesa em juízo dos
interesses da aluna, cabendo ao órgão judicial sopesar os interesses colidentes
envolvidos, de modo a assegurar a máxima efetividade ao direito à educação,
integrante do mínimo existencial, assegurado constitucionalmente.
05. (FGV 2018 CÂMARA DE SALVADOR-BA ADVOGADO) Em razão de falhas
no sistema de filtros de uma siderúrgica, foram despejadas diversas
toneladas de resíduos em um rio do Município Delta, o que causou
grandes danos ao meio ambiente. Assim que esse fato ocorreu, diversas
pessoas procuraram o Ministério Público e solicitaram que fossem
adotadas providências para a responsabilização da siderúrgica pelos danos
causados ao meio ambiente.

À luz da sistemática constitucional, o Ministério Público tem atribuição


para adotar as providências cabíveis, pois estamos perante interesse:

a) coletivo;
b) local;
c) individual homogêneo;
d) associativo;
e) difuso.
CDC
Art. 81. A defesa dos interesses e direitos dos consumidores e das vítimas
poderá ser exercida em juízo individualmente, ou a título coletivo.

Parágrafo único. A defesa coletiva será exercida quando se tratar de:

I - interesses ou direitos difusos, assim entendidos, para efeitos deste


código, os transindividuais, de natureza indivisível, de que sejam titulares
pessoas indeterminadas e ligadas por circunstâncias de fato;

II - interesses ou direitos coletivos, assim entendidos, para efeitos deste


código, os transindividuais, de natureza indivisível de que seja titular
grupo, categoria ou classe de pessoas ligadas entre si ou com a parte
contrária por uma relação jurídica base;

III - interesses ou direitos individuais homogêneos, assim entendidos os


decorrentes de origem comum.
06. (CESPE 2018 PC-MA ESCRIVÃO) A instituição
permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, à
qual incumbe a defesa da ordem jurídica, do regime
democrático e dos interesses sociais e individuais
indisponíveis é o(a)

a) advocacia pública.
b) Conselho Nacional de Justiça.
c) polícia judiciária.
d) Defensoria Pública.
e) Ministério Público.
07. () Observada a ordem de nomeação, o ingresso
na carreira do Ministério Público se dará mediante
concurso público de provas e títulos, exigindo-se do
bacharel em direito, no mínimo,
a) cinco anos de atividade jurídica.
b) um ano de atividade jurídica.
c) dois anos de atividade jurídica.
d) três anos de atividade jurídica.
e) quatro anos de atividade jurídica.
08. (FGV 2018 SEFIN-RO AUDITOR) O estado Beta celebrou termo de acordo com
certo contribuinte que tinha um elevado débito tributário, pois deixara de recolher
o ICMS por alguns anos. Logo após a celebração, um cidadão encaminhou
representação ao Ministério Público, argumentando que o acordo causara grande
prejuízo ao erário.

À luz da sistemática constitucional e das atribuições do Ministério Público, é


correto afirmar que essa Instituição

a) está obrigada a arquivar a representação, pois, por ser órgão do Poder


Executivo, não poderia insurgir-se contra suas decisões.
b) teria legitimidade para ajuizar ação civil pública em defesa do erário,
principalmente por ser autônoma em relação ao Poder Executivo.
c) está obrigada a arquivar a representação, pois, apesar de ser autônoma em
relação ao Poder Executivo, não teria legitimidade para defender os interesses do
Estado.
d) poderia adotar as medidas administrativas cabíveis, pois, apesar de ser órgão
do Poder Executivo, atua no controle interno de defesa da juridicidade.
e) está obrigada a arquivar a representação, pois, apesar de ser autônoma em
relação ao Poder Executivo, somente pode defender os interesses difusos, coletivos
e sociais.
Lei 7.347/85
Art. 1º Regem-se pelas disposições desta Lei, sem prejuízo da ação
popular, as ações de responsabilidade por danos morais e
patrimoniais causados:
l - ao meio-ambiente;
ll - ao consumidor;
III – a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e
paisagístico;
IV - a qualquer outro interesse difuso ou coletivo.
V - por infração da ordem econômica;
VI - à ordem urbanística.
VII – à honra e à dignidade de grupos raciais, étnicos ou religiosos.
VIII – ao patrimônio público e social.
09. (CESPE 2017 TRF1 ANALISTA) A respeito do
Poder Judiciário e das funções essenciais à
justiça, julgue o item que se segue.

O ato de vitaliciamento de membro do


Ministério Público, por ter natureza de ato
administrativo, está sujeito ao controle de
legalidade pelo Conselho Nacional do
Ministério Público.
10. (CESPE 2017 TRF1 ANALISTA) Acerca das
funções essenciais à justiça, julgue o próximo
item.

São princípios institucionais do Ministério


Público e da Defensoria Pública, enquanto
funções essenciais à justiça, a indivisibilidade,
a unidade e a independência funcional.
11. (CESPE 2017 TRF1 ANALISTA) Acerca das
funções essenciais à justiça, julgue o próximo
item.

O Ministério Público é instituição permanente


e essencial à função jurisdicional cujo rol de
funções previsto pela Constituição Federal de
1988 é não exaustivo e inclui a titularidade
para promover ação penal pública e ação
direta de inconstitucionalidade.
CF/88
Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público:

I - promover, privativamente, a ação penal pública, na forma da lei;


II - zelar pelo efetivo respeito dos Poderes Públicos e dos serviços de relevância pública aos direitos
assegurados nesta Constituição, promovendo as medidas necessárias a sua garantia;
III - promover o inquérito civil e a ação civil pública, para a proteção do patrimônio público e social,
do meio ambiente e de outros interesses difusos e coletivos;
IV - promover a ação de inconstitucionalidade ou representação para fins de intervenção da União e
dos Estados, nos casos previstos nesta Constituição;
V - defender judicialmente os direitos e interesses das populações indígenas;
VI - expedir notificações nos procedimentos administrativos de sua competência, requisitando
informações e documentos para instruí-los, na forma da lei complementar respectiva; (LC 75/93)
VII - exercer o controle externo da atividade policial, na forma da lei complementar mencionada no
artigo anterior; (LC 75/93)
VIII - requisitar diligências investigatórias e a instauração de inquérito policial, indicados os
fundamentos jurídicos de suas manifestações processuais;
IX - exercer outras funções que lhe forem conferidas, desde que compatíveis com sua finalidade,
sendo-lhe vedada a representação judicial e a consultoria jurídica de entidades públicas.
12. (CS-UFG 2017 TJ-GO JUIZ) A Constituição da República Federativa do
Brasil, denominada “Constituição Cidadã”, assegurou ao Ministério Público
uma série de garantias e prerrogativas na defesa do interesse da
sociedade. É uma função institucional do Ministério Público:

a) promover a ação de inconstitucionalidade ou Ação Civil Pública para fins


de intervenção da União, dos Estados e dos Municípios, nos casos
previstos nesta Constituição.
b) exercer o controle externo da atividade policial, na forma da lei
ordinária.
c) expedir autorizações nos procedimentos administrativos de sua
competência, requisitando informações e documentos para instruí-los, na
forma da lei ordinária respectiva.
d) promover o inquérito policial e a ação civil pública, para a proteção do
patrimônio público e social, do meio ambiente, e de outros interesses
difusos e coletivos, na forma da lei complementar.
e) defender judicialmente os direitos e interesses das populações
indígenas.
13. (CS-UFG 2017 JUIZ) A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 dispõe sobre
as funções essenciais à justiça e, no tocante ao Ministério Público, assegura que

a) o Ministério Público da União tem por chefe o Procurador-Geral da República, nomeado


pelo Presidente da República dentre integrantes da carreira, maiores de trinta anos, após a
aprovação de seu nome pela maioria absoluta dos membros do Senado Federal, para
mandato de dois anos, vedada a recondução.
b) os Ministérios Públicos dos Estados e o do Distrito Federal e Territórios formarão lista
tríplice dentre integrantes da carreira, maiores de trinta anos, na forma da lei respectiva, para
escolha de seu Procurador-Geral, que será nomeado pelo Chefe do Poder Executivo, para
mandato de dois anos, vedada a recondução.
c) a destituição do Procurador-Geral da República, por iniciativa do Presidente da República
deverá ser precedida de autorização da maioria absoluta do Congresso Nacional.
d) os Procuradores-Gerais nos Estados e no Distrito Federal e Territórios poderão ser
destituídos por deliberação da maioria simples do Poder Legislativo, na forma da lei ordinária
respectiva.
e) o Ministério Público da União tem por chefe o Procurador-Geral da República, nomeado
pelo Presidente da República dentre integrantes da carreira, maiores de trinta e cinco anos,
após a aprovação de seu nome pela maioria absoluta dos membros do Senado Federal, para
mandato de dois anos, permitida a recondução.
CF/88
ART. 128
§ 1º O Ministério Público da União tem por chefe o Procurador-Geral da República,
nomeado pelo Presidente da República dentre integrantes da carreira, maiores de trinta e
cinco anos, após a aprovação de seu nome pela maioria absoluta dos membros do Senado
Federal, para mandato de dois anos, permitida a recondução.

§ 2º A destituição do Procurador-Geral da República, por iniciativa do Presidente da


República, deverá ser precedida de autorização da maioria absoluta do Senado Federal.

§ 3º Os Ministérios Públicos dos Estados e o do Distrito Federal e Territórios formarão lista


tríplice dentre integrantes da carreira, na forma da lei respectiva, para escolha de seu
Procurador-Geral, que será nomeado pelo Chefe do Poder Executivo, para mandato de dois
anos, permitida uma recondução.

§ 4º Os Procuradores-Gerais nos Estados e no Distrito Federal e Territórios poderão ser


destituídos por deliberação da maioria absoluta do Poder Legislativo, na forma da lei
complementar respectiva.
14. (MPE-SP 2017 PROMOTOR) A Constituição Federal
atribui, de forma expressa e direta, legitimidade ativa
para a propositura de ação civil pública para a defesa de
interesses difusos, ao Ministério Público,
a) assim como às Pessoas Políticas e à Defensoria
Pública.
b) assegurando-lhe a privatividade de tal iniciativa.
c) assim como às Associações Civis.
d) permitindo a instituição de concorrência de iniciativas
no âmbito legal.
e) assim como às Pessoas Políticas e às Associações Civis.
15. (MPE-SP 2017 PROMOTOR) O conflito de atribuições
entre Órgãos de Execução que integram Ministérios
Públicos de Estados diversos será dirimido pelo

a) Superior Tribunal de Justiça.


b) Conselho Nacional do Ministério Público.
c) Supremo Tribunal Federal.
d) Procurador-Geral da República.
e) Procurador-Geral de Justiça dos Estados envolvidos,
por prevenção.
16. (FGV 2017 MPE-BA ANALISTA) O Conselho Nacional do Ministério Público foi criado em 30
de dezembro de 2004, pela Emenda Constitucional nº 45, e tem como objetivo imprimir uma
visão nacional ao MP, orientando e fiscalizando todos os ramos do MP brasileiro. De acordo
com a Constituição da República de 1988, o CNMP:

a) compõe-se por dez membros nomeados pelo Presidente da República, depois de aprovada
a escolha por dois terços do Congresso Nacional, para um mandato de dois anos, admitida
uma recondução;
b) tem competência para receber e conhecer das reclamações contra membros ou órgãos do
Poder Judiciário, inclusive contra seus serviços auxiliares, serventias e órgãos prestadores de
serviços notariais e de registro que atuem por delegação do poder público;
c) aprecia a legalidade dos atos administrativos praticados por membros ou órgãos do
Ministério Público da União e dos Estados, podendo desconstituí-los, revê-los ou fixar prazo
para que se adotem as providências necessárias ao exato cumprimento da lei;
d) exerce a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial dos
entes federativos e das entidades da administração direta e indireta, quanto à legalidade,
legitimidade, economicidade, aplicação das subvenções e renúncia de receitas;
e) é órgão de consulta da Presidência da República nos assuntos relacionados com o MP e a
defesa do Estado democrático, competindo-lhe sugerir alterações nas leis orgânicas do
Ministério Público da União e dos Estados.
CF/88
Art. 130-A. O Conselho Nacional do Ministério Público compõe-se de quatorze
membros nomeados pelo Presidente da República, depois de aprovada a escolha
pela maioria absoluta do Senado Federal, para um mandato de dois anos, admitida
uma recondução, sendo:

I o Procurador-Geral da República, que o preside;


II quatro membros do Ministério Público da União, assegurada a representação de
cada uma de suas carreiras;
III três membros do Ministério Público dos Estados;
IV dois juízes, indicados um pelo Supremo Tribunal Federal e outro pelo Superior
Tribunal de Justiça;
V dois advogados, indicados pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do
Brasil;
VI dois cidadãos de notável saber jurídico e reputação ilibada, indicados um pela
Câmara dos Deputados e outro pelo Senado Federal.
§ 2º Compete ao Conselho Nacional do Ministério Público o controle da atuação administrativa e
financeira do Ministério Público e do cumprimento dos deveres funcionais de seus membros,
cabendo lhe:

I zelar pela autonomia funcional e administrativa do Ministério Público, podendo expedir atos
regulamentares, no âmbito de sua competência, ou recomendar providências;

II zelar pela observância do art. 37 e apreciar, de ofício ou mediante provocação, a legalidade dos
atos administrativos praticados por membros ou órgãos do Ministério Público da União e dos
Estados, podendo desconstituí-los, revê-los ou fixar prazo para que se adotem as providências
necessárias ao exato cumprimento da lei, sem prejuízo da competência dos Tribunais de Contas;

III receber e conhecer das reclamações contra membros ou órgãos do Ministério Público da União
ou dos Estados, inclusive contra seus serviços auxiliares, sem prejuízo da competência disciplinar e
correicional da instituição, podendo avocar processos disciplinares em curso, determinar a
remoção, a disponibilidade ou a aposentadoria com subsídios ou proventos proporcionais ao tempo
de serviço e aplicar outras sanções administrativas, assegurada ampla defesa;

IV rever, de ofício ou mediante provocação, os processos disciplinares de membros do Ministério


Público da União ou dos Estados julgados há menos de um ano;

V elaborar relatório anual, propondo as providências que julgar necessárias sobre a situação do
Ministério Público no País e as atividades do Conselho, o qual deve integrar a mensagem prevista no
art. 84, XI.
§ 3º O Conselho escolherá, em votação secreta, um Corregedor nacional, dentre os
membros do Ministério Público que o integram, vedada a recondução,
competindo-lhe, além das atribuições que lhe forem conferidas pela lei, as
seguintes:

I receber reclamações e denúncias, de qualquer interessado, relativas aos


membros do Ministério Público e dos seus serviços auxiliares;

II exercer funções executivas do Conselho, de inspeção e correição geral;

III requisitar e designar membros do Ministério Público, delegando-lhes


atribuições, e requisitar servidores de órgãos do Ministério Público.

§ 4º O Presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil oficiará


junto ao Conselho.

§ 5º Leis da União e dos Estados criarão ouvidorias do Ministério Público,


competentes para receber reclamações e denúncias de qualquer interessado
contra membros ou órgãos do Ministério Público, inclusive contra seus serviços
auxiliares, representando diretamente ao Conselho Nacional do Ministério Público.