Você está na página 1de 45

TORNEIO DE ACESSO À COMPETIÇÃO

SAE BRASIL AERODESIGN


2017

REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO

Elaborado pela Comissão Técnica da Competição

Revisão_01

09 de maio de 2016

45 páginas
DICAS PARA LEITURA DESTE DOCUMENTO
Observar sempre a quais classes da competição cada capítulo ou seção é aplicável.

PARTE A
Seção inicial (Capítulo 1 ao 4): Nesta seção são divulgadas:
 Informações de aspectos gerais da competição
 Objetivos da competição
 Regras gerais comportamentais

PARTE B

Introdução: Aspectos gerais da Competição SAE AeroDesign no Brasil.


Capitulo 6: Requisitos iniciais.
Capítulo 7: Requisitos de Projeto válidos SOMENTE para o Torneio de Acesso.
Capitulo 8: Requisitos de Missão.
Capitulo 9: Regras Gerais para Plantas (Competição de Projeto).
Apêndices.

2 de 45
ÍNDICE
PARTE A ___________________________________________________________________________ 5
1. Introdução _____________________________________________________________________ 6
2. Objetivos da Competição _________________________________________________________ 6
3. Contatos com a SAE BRASIL e Comissão Técnica ___________________________________ 7
4. Regras Gerais __________________________________________________________________ 7
4.1 Anos Anteriores _____________________________________________________________ 7
4.2 Alterações nas Regras ________________________________________________________ 7
4.3 Interpretação do texto deste Regulamento e demais documentos ______________________ 7
4.4 Esclarecimento de Dúvidas ____________________________________________________ 8
4.5 Segurança e Saúde __________________________________________________________ 8
4.6 Conduta ___________________________________________________________________ 8
4.7 Medidas e Precisões _________________________________________________________ 8
4.8 Comunicação e troca de experiências ____________________________________________ 9
4.9 Documentos Importantes ______________________________________________________ 9
4.10 Reclamações, Protestos e Sugestões ___________________________________________ 10
4.10.1 Reclamações e Protestos ________________________________________________ 10
4.10.2 Sugestões ____________________________________________________________ 11
PARTE B __________________________________________________________________________ 12
5. Introdução ____________________________________________________________________ 13
6. Requisitos Iniciais _____________________________________________________________ 15
6.1 Escopo e Elegibilidade _______________________________________________________ 15
6.2 Objetivo de Projeto __________________________________________________________ 15
6.3 Organização da Competição __________________________________________________ 15
6.4 Ajuda Externa ______________________________________________________________ 16
6.5 Requisitos do Piloto _________________________________________________________ 16
6.6 Inscrição e Taxa de Inscrição _________________________________________________ 16
6.6.1 Número Máximo para o Total de Equipes na Competição _________________________ 16
6.6.2 Número Máximo de Integrantes por Equipe ____________________________________ 16
6.6.3 Inscrições de Vários Aviões da Mesma Instituição de Ensino ______________________ 16
6.6.4 Forma de inscrição _______________________________________________________ 17
6.6.5 Procedimento de inscrição para o Torneio de Acesso à Competição SAE BRASIL
AeroDesign 2017 e Procedimentos de inscrição para a Competição SAE BRASIL AeroDesign 2017
17
6.6.5.1 Introdução ao Torneio de Acesso e procedimento de inscrição para 2016 _______________________ 17
6.6.5.2 Inscrições para a Competição SAE BRASIL AeroDesign de 2017 _____________________________ 17
6.7 Envio de Documentos em Formato Eletrônico ____________________________________ 21
6.8 Configuração do Avião _______________________________________________________ 22
6.8.1 Tipo do Avião e Restrições _________________________________________________ 22
6.8.2 Reutilização do Avião _____________________________________________________ 22
6.9 Uso de Material Explosivo ____________________________________________________ 23
7. Requisitos – Torneio de Acesso __________________________________________________ 24
7.1 Elegibilidade - Membros das equipes ___________________________________________ 24
7.2 Formato da Competição ______________________________________________________ 24
7.3 Restrições Geométricas ______________________________________________________ 24
7.4 Motor ____________________________________________________________________ 25
7.4.1 Reparos no Motor ________________________________________________________ 25
7.4.2 Modificações no Motor _____________________________________________________ 25
7.4.3 Inspeção do Motor ________________________________________________________ 25

3 de 45
7.4.4 Caixas de Transmissão, Correias e Eixos de Hélice______________________________ 26
7.5 Combustível e Tanque de Combustível __________________________________________ 26
7.6 Carga e Compartimento de Carga ______________________________________________ 26
7.6.1 Compartimento de Carga (Restrições Geométricas) _____________________________ 26
7.6.2 Carga Paga _____________________________________________________________ 26
7.7 Eletrônica _________________________________________________________________ 28
7.7.1 Pack de Bateria __________________________________________________________ 28
7.8 Sistemas de Controle de Voo _________________________________________________ 28
7.9 Vídeo do voo e pesagem (obrigatório) ___________________________________________ 28
7.10 Peso Máximo Elegível – Torneio de Acesso ______________________________________ 30
7.11 Distância de Decolagem _____________________________________________________ 30
7.12 Pontuação – Torneio de Acesso _______________________________________________ 30
7.12.1 Pontuação de Voo ______________________________________________________ 30
7.12.2 Bonificação por Taxiamento ______________________________________________ 31
7.12.3 Pontuação de Projeto ___________________________________________________ 31
8. Requisitos de Missão ___________________________________________________________ 32
8.1 Voo ______________________________________________________________________ 32
8.1.1 Decolagem válida ________________________________________________________ 32
8.1.2 Trecho no Ar – Circuito Padrão ______________________________________________ 32
8.1.3 Pouso Válido ____________________________________________________________ 32
8.1.4 Voo Padrão (voo totalmente válido) __________________________________________ 32
8.2 Inspeção do estado da aeronave após o voo _____________________________________ 32
8.3 Verificação Dimensional da Envergadura ________________________________________ 33
8.4 Processo de Pesagem _______________________________________________________ 33
8.5 Retirada da Carga Paga _____________________________________________________ 33
8.6 Pontuação ________________________________________________________________ 33
8.6.1 Competição de Projeto ____________________________________________________ 33
8.6.2 Competição de Voo _______________________________________________________ 33
8.6.3 Carga Paga mínima (classificação) ___________________________________________ 34
8.6.4 Penalidades _____________________________________________________________ 34
9. Requisitos de Projeto ___________________________________________________________ 35
9.1 Plantas ___________________________________________________________________ 35
9.1.1 Plantas de Três Vistas da aeronave __________________________________________ 35
9.1.2 Planta Livre _____________________________________________________________ 36
9.2 Desconto por Atrasos ________________________________________________________ 36
9.3 Erratas ___________________________________________________________________ 36
9.4 Divergências de informações __________________________________________________ 36
9.5 Feedback sobre o Projeto por parte dos Juízes ___________________________________ 37
APÊNDICE 1 Exemplo de Suporte de Carga e Carga ____________________________________ 39
APÊNDICE 2 RESERVADO _________________________________________________________ 40
APÊNDICE 3 Planta de Três Vistas __________________________________________________ 41
APÊNDICE 4 Termo de Responsabilidade ____________________________________________ 42
APÊNDICE 5 Penalidades __________________________________________________________ 43
A.5.1 Plantas e outros documentos – Envio ___________________________________________ 43
A.5.2 Plantas - Formatação ________________________________________________________ 43
A.5.3 Itens Operacionais __________________________________________________________ 43
APÊNDICE 6 Datas e Documentos Importantes ________________________________________ 45

4 de 45
PARTE A

5 de 45
1. Introdução
A Competição SAE AeroDesign ocorre nos Estados Unidos desde 1986, tendo sido
concebida e realizada pela SAE International, sociedade que deu origem à SAE
BRASIL em 1991 e da qual esta última é afiliada. A partir de 1999 esta competição
passou a constar também do calendário de eventos estudantis da SAE BRASIL.
Ao longo de todos esses anos de existência o AeroDesign no Brasil tornou-se
visivelmente um evento crescente em quantidade e qualidade dos projetos
participantes. Esta evolução foi uma resposta direta às exigências técnicas por parte
das Regras da Competição. A evolução, presente nas aeronaves atuais frente a suas
precursoras é considerável, não somente sob o ponto de vista construtivo, mas
também nos métodos de projeto utilizados, estes últimos desenvolvidos com o uso de
ferramentas sofisticadas criadas pelas próprias equipes. Certamente esta evolução se
reflete também em cada um dos participantes através de maior aprendizado e
formação profissional mais sólida.
Em todas as edições precedentes do SAE AeroDesign, a Comissão Técnica sempre
teve como um dos seus principais objetivos, uma ativa contribuição à formação
profissional de todos os participantes. Não apenas um incentivo à formação na área
técnica, mas também nos aspectos organizacionais, através do fundamental e
importantíssimo “trabalho em equipe”, item tão importante no mundo da engenharia
atual.
Esperamos que esta primeira edição do Torneio de Acesso á Competição SAE
AeroDesign seja mais um marco evolutivo das equipes. Que a imagem da
competência, conhecimento, solidariedade, amizade e elevado nível técnico presente
em toda a história do AeroDesign esteja também presente nesta nova competição que
há de vir. A Comissão Técnica sente-se honrada e feliz em elaborar desafios cada vez
maiores para as equipes tendo a certeza que estes serão cada vez mais bem
respondidos.

2. Objetivos da Competição
 Promover uma oportunidade única de aprendizado na área aeronáutica através
de um projeto multidisciplinar desafiador;
 Despertar interesse na área aeronáutica;
 Promover o intercâmbio técnico e de conhecimento entre as equipes, por meio
de contato direto ou por meio de redes sociais;
 Desenvolver o espírito de trabalho em equipe;
 Desenvolver capacidade de liderança e planejamento;
 Desenvolver a capacidade de vender ideias e projetos;
 Incentivar o comportamento ético e profissional.

6 de 45
3. Contatos com a SAE BRASIL e Comissão Técnica
A inscrição deverá ser feita através do formulário no site da SAE BRASIL:

WWW.SAEBRASIL.ORG.BR
Informações sobre elegibilidade para inscrição são detalhadas na Seção 7.1.
Os e-mail’s de contato com a SAE e Comissão Técnica do AeroDesign são:

1) diana.krug@saebrasil.org.br

2) aerodesign@saebrasil.org.br

Atenção: Todos os documentos, como Atestados de Matricula, etc., devem ser


enviados para a SAE BRASIL conforme especificações que se encontram no site do
AeroDesign no link de Informações.

4. Regras Gerais
4.1 Anos Anteriores
A Competição do ano de 2016 é totalmente independente das competições dos anos
anteriores. Decisões tomadas pela Comissão Técnica em anos anteriores e regras
válidas para anos anteriores não são aplicáveis a 2016, a não ser que explicitadas nos
documentos listados na Seção 4.9. As equipes serão informadas oportunamente sobre
todas as decisões, procedimentos e ou mudanças na regra que por ventura ocorram ao
longo do ano de 2016.

4.2 Alterações nas Regras


Sem intenção de prejudicar nenhuma equipe, mas sim de permitir melhor
prosseguimento da Competição, qualquer aspecto do Regulamento poderá ser
alterado pela Comissão Técnica antes ou durante a competição, se considerado
necessário. Estas alterações serão comunicadas em momento oportuno e, quando
possível, os capitães das equipes serão consultados. É intenção da Comissão Técnica
que qualquer modificação feita após a liberação do Regulamento não venha a afetar os
projetos já em desenvolvimento. Uma modificação que por ventura interfira na filosofia
de projeto adotada pela equipe será feita somente em caso de extrema necessidade ou
visando melhorias efetivas na segurança das aeronaves.

4.3 Interpretação do texto deste Regulamento e demais


documentos
Caso haja discordância entre equipes e Comissão Técnica com relação à interpretação
do texto deste regulamento, a interpretação considerada será a da Comissão Técnica.
Em caso de dúvida, a equipe deve proceder conforme apresentado na seção 4.4.

7 de 45
4.4 Esclarecimento de Dúvidas
Dúvidas referentes à inscrição na competição e/ou envio de documentos requeridos
pela SAE BRASIL, deverão ser encaminhados à SAE BRASIL. Os contatos deverão
ser efetuados através da equipe do Escritório Central da SAE BRASIL, por meio do e-
mail especificado na Seção 3, que encaminhará à Comissão Técnica quando
necessário.
Dúvidas referentes à parte técnica da competição (Regulamento e documentos citados
na seção 4.9) devem ser enviadas a partir do site www.aeroct.com.br, que exige no
envio:
 E-mail do orientador, para o qual uma cópia da dúvida será enviada;
 Número da seção deste regulamento a qual a dúvida está relacionada.
Atenção: dúvidas acerca de itens presentes neste regulamento e que podem ser
esclarecidas via leitura detalhada do mesmo não serão respondidas. A leitura
completa das regras da competição faz parte do desafio.

4.5 Segurança e Saúde


A SAE BRASIL não irá se responsabilizar pelas pessoas participantes do evento.
Todos os inscritos deverão assinar o termo explicito de participação e encaminhá-lo à
SAE BRASIL (conforme Seção 3). Seguro médico (obrigatório, conforme seção 6.1) e
contra acidentes são de inteira responsabilidade dos participantes.

4.6 Conduta
É importante ressaltar que a competição AeroDesign é organizada e realizada por
voluntários, engenheiros, atuantes na área aeronáutica, que sabem o valor educacional
que esta iniciativa proporciona. Qualquer atitude de equipe, professor ou escola, que
seja entendida pela Comissão Técnica como sendo contrária a esta filosofia será
punida, independentemente de ter sido prevista no Regulamento, ou de ter havido
precedentes. O intuito educacional está acima do Regulamento, e não há como prever
todas as possibilidades de desrespeitá-lo. A colaboração de todos é de fundamental
importância.

4.7 Medidas e Precisões


É de responsabilidade da equipe garantir a precisão das medidas realizadas. Se a
comissão técnica suspeitar de falta de precisão ou adulteração das medidas, poderá
invalidar o voo da equipe. A partir das medidas, todos os cálculos serão realizados
utilizando-se do número de algarismos significativos presentes no software Microsoft
Excel®.
Apenas o resultado final será arredondado para a segunda casa decimal.
Considerando esta precisão, para as equipes que estejam empatadas e disputando o
título ou a classificação para a competição a ser realizada no ano seguinte em São

8 de 45
José dos Campos, o desempate será feito utilizando-se o maior valor de CP (ver
seção7.12.1):

No caso do empate permanecer, a nota das Plantas será usada. Se ainda houver
empate, a Comissão Técnica irá decidir sobre qual o próximo item que será utilizado
para desempate. Não caberão recursos quanto a esta decisão.

4.8 Comunicação e troca de experiências


A Comissão Técnica incentiva a comunicação entre as equipes através de:
 Participação em comunidades do AeroDesign na Internet, redes sociais e fóruns
similares.
 Recomendações de literatura.
 Consultas a bibliotecas de outras escolas.
 Empréstimos de equipamentos e locais de teste.
 Sites da Internet.
 Exposição e intercâmbio de fotos.
 Discussão sobre resultados de testes com motores e hélices.
 Compra de material importado em conjunto.
 Trocas de materiais descritivos de equipamentos.
 Conversas e discussões entre as equipes durante o projeto ou na competição.
 Entre outros.
Porém, o fornecimento de plantas, técnicas de projeto prontas e soluções prontas para
problemas, de uma equipe para outra (inclusive da mesma Escola) não é
recomendado, pois a descoberta de análises necessárias, soluções para problemas
relevantes, e conclusões a respeito de relações importantes entre os aspectos de um
projeto, são a chave de um bom projeto e aprendizado.

4.9 Documentos Importantes


Documentos emitidos pela SAE BRASIL referentes à competição:
 Regulamento Torneio de Acesso à Competição SAE BRASIL AeroDesign
2017: Documento no qual são enumerados todos os requisitos que direcionam o
projeto das aeronaves no Torneio de Acesso. Todos os itens deste documento
são obrigatórios.
 Regulamento SAE BRASIL AeroDesign 2016: Documento no qual são
enumerados todos os requisitos que direcionam o projeto das aeronaves nas
seguintes categorias: Classe Regular, Classe Advanced e Classe Micro. Todos
os itens deste documento são obrigatórios para a categorias em questão. Para o

9 de 45
Torneio de Acesso, este documento pode servir como caráter informativo, para a
equipe conhecer os detalhes da competição presencial.
 Manual de Boas Práticas de Segurança – SAE BRASIL AeroDesign 2016:
Documento contendo sugestões e recomendações para aumentar a segurança
da competição. É de extrema importância que as equipes iniciantes e membros
iniciantes, mesmo de equipes experientes, leiam este documento para se
familiarizar com as lições aprendidas em todas as edições de AeroDesign
anteriores.
 Mensagens e Informativos: Informações gerais a respeito da competição,
organização, eventos paralelos, inscrição, entre outros. Podem ter caráter
obrigatório ou informativo. Os informativos e mensagens são colocados no site
da SAE BRASIL, e são numerados progressivamente à medida que vão sendo
lançados. No caso de informações conflitantes, vale a mais recente.
No caso de um eventual conflito entre os documentos acima, a Comissão Técnica deve
ser avisada e consultada. Interpretar deliberadamente a informação que mais convier
configura uma atitude totalmente desaconselhada e pode comprometer o projeto
desenvolvido pela equipe bem como o andamento da competição (ver seção 4.3).

4.10 Reclamações, Protestos e Sugestões

4.10.1 Reclamações e Protestos


Quaisquer reclamações, em relação a erros na pontuação ou outro aspecto da
competição, deverão ser realizadas por escrito. As reclamações deverão ser
obrigatoriamente identificadas e assinadas pelo capitão da equipe reclamante. Os
formulários deverão ser entregues a um representante da Comissão Técnica e serão
devidamente considerados pela Comissão tão logo seja possível.
Se pertinentes, a Comissão Técnica tomará as ações necessárias com a devida
notificação à equipe reclamante logo que possível. Reclamações feitas no último dia da
competição terão resposta até uma semana após a competição, antes da divulgação
oficial da pontuação.
Reclamações a respeito da pontuação divulgada na ocasião da premiação deverão ser
encaminhadas a Comissão Técnica via e-mail respeitando o prazo determinado no
APÊNDICE 6.
A decisão da Comissão Técnica será final e irrevogável, será feita por escrito e
divulgada durante ou após a Competição. Qualquer argumentação com a Comissão
Técnica, depois da decisão ter sido declarada, poderá resultar em penalidade conforme
APÊNDICE 5 (seçãoA.5.3). Insistência em discutir decisões da Comissão Técnica que
estão amparadas pelo Regulamento, ou seja, insistência em abrir exceções ao
Regulamento por qualquer motivo poderá resultar em penalidades similares.

10 de 45
4.10.2 Sugestões
Após a competição, as equipes serão contactadas pela Comissão Técnica para
participar de uma pesquisa por meio de um formulário no qual cada equipe (ou
componente de equipe) poderá avaliar a organização, o andamento da competição ou
outros aspectos pertinentes. Essa avaliação servirá como base para futuras melhorias.
A Comissão Técnica incentiva que todas as equipes preencham a pesquisa.
Tais observações ou sugestões são extremamente importantes para a melhoria
contínua da Competição sobre todos os aspectos. Diversas sugestões enviadas pelas
equipes já foram utilizadas, portanto é sempre muito enriquecedor conhecer a opinião
de todos.
Reiteramos que a colaboração de TODOS é um fator essencial para o sucesso e o
crescimento da Competição SAE BRASIL AeroDesign.

11 de 45
PARTE B

12 de 45
5. Introdução
O Projeto AeroDesign consiste de uma competição de engenharia, aberta a estudantes
universitários de graduação e pós-graduação em Engenharias ligadas à mobilidade. É
organizado pela SAE BRASIL (Sociedade dos Engenheiros da Mobilidade) cumprindo
uma de suas missões, a de contribuir para a formação acadêmica dos futuros
profissionais da mobilidade.
A competição oferece uma oportunidade única aos estudantes, organizados em
equipes, de desenvolverem um projeto aeronáutico em todas as suas etapas, desde a
concepção, detalhamento do projeto, construção e testes, até colocá-lo efetivamente à
prova diante de outros projetos congêneres. Os estudantes são estimulados a
desenvolverem aptidões importantes em suas futuras carreiras: liderança, espírito de
equipe, planejamento e capacidade de vender projetos e ideias.
A Competição SAE BRASIL AeroDesign tem o apoio institucional do Ministério da
Educação, por alinhar-se e vir ao encontro de objetivos das políticas e diretrizes deste
Ministério.
Até o ano de 2015, a competição AeroDesign presenciou um grande crescimento no
número de equipes interessadas. Este número cresceu até atingir e superar 95
equipes, valor considerado hoje um limite operacional na competição.
Com o intuito de continuar oferecendo um desafio técnico a todas as equipes
excedentes ao limite operacional descrito, a partir de 2016, um novo Torneio foi
adicionado à competição, na busca de manter o alinhamento com o principal objetivo
do SAE BRASIL AeroDesign: contribuir para a formação dos engenheiros. Devido à
limitação operacional já descrita, este Torneio assume um novo formato, realizada à
distância, mas mantendo os mesmos níveis de dificuldades técnicas em termos de
desafios de engenharia (projeto, contrução e testes).
As equipes melhor classificadas neste Torneio ganharão o direito de participar nas
demais catogorias da competição no ano seguinte.
Com o objetivo de competir na edição de 2016 do Torneio de Acesso SAE BRASIL
AeroDesign (que dará acesso à competição 2017), cada equipe concorrente deve
conceber, projetar, documentar, construir e voar um avião rádio controlado, que seja o
mais otimizado possível em todos os aspectos da missão, através de soluções de
projeto criativas, inovadoras e multidisciplinares, que satisfaçam os requisitos e
restrições impostas neste Regulamento. Alguns dos desafios adicionais de projeto,
especialmente desenvolvidos para 2016, são descritos ao longo do Regulamento, e
outros são incentivados através de bonificações. Uma série de aspectos devem ser
observados a fim de garantir o sucesso do projeto:
 Análise criteriosa do Regulamento da Competição.
 Projeto conceitual e preliminar consistentes.
 Definição e/ou elaboração da metodologia de projeto.
 Elaboração e/ou definição das ferramentas de análise (Cálculos).

13 de 45
 Detalhamento do projeto.
 Construção, qualidade construtiva, robustez e confiabilidade do projeto.
 Elaboração e desenvolvimento de ensaios de engenharia.
 Preparação das Plantas .
 Elaboração de video de voo segundo a seção 7.9.
Além dos requisitos técnicos, a equipe deverá preocupar-se com vários outros
aspectos para alcançar o sucesso do projeto:
 Procura de patrocínio (apoio financeiro).
 Planejamento.
 Liderança eficaz.
 Trabalho em equipe.
 Logística.
 Habilidade de comunicação.
 Interpretação de regras e dos documentos adicionais (ver Seções 4.9 e 4.3).
 Criatividade e inovação.
 Ter espírito esportivo.
Todos estes aspectos fazem parte do desafio, e a sua prática durante um curso de
graduação complementa os aspectos técnicos que são aprendidos em sala de aula ou
em livros. Os projetos são julgados por uma variedade de áreas.
A pontuação total engloba os seguintes itens:
 Competição de Projeto
 Competição de Voo

14 de 45
6. Requisitos Iniciais
6.1 Escopo e Elegibilidade
A Competição SAE BRASIL AeroDesign é destinada a estudantes de graduação e pós-
graduação (stricto sensu) em Engenharia, Física e Tecnologias relacionadas à
“mobilidade” associados à SAE BRASIL, que deverão conceber, projetar, fabricar e
testar um avião em escala rádio controlado buscando o objetivo mostrado na Seção
6.2.
A decisão final sobre a elegibilidade de um determinado curso de engenharia
será da SAE BRASIL e quaisquer consultas acerca destas situações somente
poderão ser feitas através do e-mail especificado na seção 3.
Conforme explicitado na Seção 4.1, a Competição deste ano é independente das
competições passadas, e qualquer decisão tomada relativa à elegibilidade no passado
não se aplica ao presente ano.
Todos os membros da equipe devem ser ASSOCIADOS VIGENTES à SAE BRASIL no
ato da inscrição da equipe. Para a associação, informações adicionais estão
disponíveis no site da SAE BRASIL (Seção 3).
Todos os participantes da equipe devem possuir Plano de Saúde (particular ou SUS). A
garantia disso é de responsabilidade da equipe.

6.2 Objetivo de Projeto


A equipe deverá projetar, construir e testar um avião rádio controlado original, que seja
o mais otimizado possível em todos os aspectos da missão, através de soluções de
projeto criativas, inovadoras e multidisciplinares, que satisfaçam os requisitos e
restrições impostas no Regulamento. Alguns dos desafios adicionais de projeto são
descritos ao longo do Regulamento, e incentivados através de bonificações.

6.3 Organização da Competição


A Competição é dividida em duas partes:
 Competição de Projeto - as equipes apresentarão seus projetos através de
duas plantas, uma três vistas e uma livre, a fim de demonstrar os aspectos
principais de sua aeronave e sua concepção.
 Competição de Voo - determina a carga máxima que cada avião pode carregar,
a eficiência estrutural, o peso vazio real da aeronave, sua confiabilidade e vários
outros aspectos. Esta fase acontecerá exclusivamente por vídeo, cada equipe
em sua sede. Os voos serão verificados por meio de vídeos enviados à
Comissão Técnica para avaliação.

15 de 45
6.4 Ajuda Externa
Com o objetivo de assegurar a credibilidade da Competição SAE BRASIL AeroDesign e
preservar os propósitos educacionais desta competição, o professor responsável de
cada equipe deve proibir, durante todas as fases de projeto e construção, a ajuda e/ou
participação de pessoa(s) com amplo conhecimento e experiência relacionados à
competição (ex. um construtor profissional de modelos) e cuja contribuição poderia
desequilibrar, de forma decisiva, a condição de igualdade entre as equipes
competidoras. Todas as decisões relativas ao projeto (processo criativo),
pesquisa de soluções, bem como a escolha e/ou elaboração das ferramentas de
análise devem ser feitas PELOS MEMBROS DA EQUIPE.

6.5 Requisitos do Piloto


Embora o projeto e construção da aeronave devam necessariamente ser de autoria dos
estudantes que integram cada equipe, o piloto não precisa ser um membro da equipe e
tampouco associado à SAE BRASIL. É condição necessária, entretanto, que o piloto
seja experiente. É responsabilidade da própria equipe convocar um piloto experiente
para pilotar suas aeronaves.

6.6 Inscrição e Taxa de Inscrição


O formulário de inscrição encontra-se disponível no site da SAE BRASIL na Internet
(ver Seção 3 deste documento).
A taxa de inscrição do Torneio de Acesso não será restituída sob qualquer hipótese. É
responsabilidade da equipe certificar-se de que o pagamento da taxa tenha sido
recebido a fim de garantir sua inscrição.

6.6.1 Número Máximo para o Total de Equipes na Competição


A quantidade de vagas para o Torneio de Acesso é ilimitada.

6.6.2 Número Máximo de Integrantes por Equipe


É limitada em 15 o número de integrantes por equipe para o Torneio de Acesso.
O Piloto será contabilizado dentro desse limite quando o mesmo:
 For associado da SAE e tenha apresentado o comprovante de matrícula do 2º
semestre de 2016 conforme APÊNDICE 6.
 Desejar fazer parte efetiva da equipe para ter direito ao certificado de
participação.

6.6.3 Inscrições de Vários Aviões da Mesma Instituição de Ensino


Será permitido somente 1 (uma) equipe por Instituição de ensino superior no Torneio
de Acesso.

16 de 45
Equipes que já possuem inscrições nas 3 categorias que participam da competição
presencial em São José dos Campos (Regular, Advanced e Micro) não são elegíveis a
participar do Torneio de Acesso.

6.6.4 Forma de inscrição


As inscrições serão realizadas através do site da SAE BRASIL, e serão interrompidas
na data especificada no próprio site da SAE BRASIL (seção 3).

6.6.5 Procedimento de inscrição para o Torneio de Acesso à


Competição SAE BRASIL AeroDesign 2017 e Procedimentos de inscrição
para a Competição SAE BRASIL AeroDesign 2017

6.6.5.1 Introdução ao Torneio de Acesso e procedimento de inscrição


para 2016
Já para este ano, de 2016, este novo torneio está sendo criado. Ele será chamado de
Torneio de Acesso, pois dará acesso às três Classes da Competição SAE BRASIL
AeroDesign (Regular, Advanced e Micro) para 2017.
O Torneio de Acesso é uma competição que tem por fim garantir que um número
ilimitado de equipes possam se inscrever na competição SAE BRASIL AeroDesign,
mediante à participação sob regras e limitações diferentes das categorias Regular,
Advanced e Micro, mas que permitem a competição à distância entre as equipes.
As datas para inscrição no Torneio de Acesso estão descritas no APÊNDICE 6.
As regras de projeto para o Torneio de Acesso estão descritas na Seção 7 deste
documento.
O Torneio de Acesso é uma competição que, igualmente às categorias da Competição
SAE BRASIL AeroDesign, traz um desafio de engenharia, baseado em projeto,
construção e teste da melhor aeronave possível segundo as limitações deste
regulamento. Por isso, os estudantes participantes do Torneio de Acesso também terão
direito a certificados de participação, e as equipes mais bem classificadas neste
Torneio também serão premiadas e/ou homenageadas.
É mandatório que todas as equipes que estejam buscando participação numa das
categorias da Competição SAE BRASIL AeroDesign 2017 participem do Torneio SAE
BRASIL AeroDesign 2016. As equipes que já possuem vagas nas demais categorias
poderão manter ou não as suas vagas, conforme os critérios explicados a seguir.
Para 2017, o procedimento de inscrição será descrito a seguir.

6.6.5.2 Inscrições para a Competição SAE BRASIL AeroDesign de 2017


6.6.5.2.1 Número Máximo para o Total de Equipes na Competição
Algumas categorias da Competição SAE BRASIL AeroDesign possuem vagas
limitadas, porém o Torneio de Acesso à Competição SAE BRASIL AeroDesign possue
vagas ilimitadas, conforme a tabela abaixo:

17 de 45
Tabela 1
Categoria Total Vagas
Regular 60
Advanced 10
Micro 25
Torneio de Acesso Ilimitada
Para as categorias que possuem número de vagas limitadas, haverá dois tipos de
vagas: Reservadas e Abertas. As vagas reservadas serão ocupadas pelas equipes
mais bem classificadas na competição anterior (2016), sendo que o número de vagas
reservadas em cada categoria é definido pela equação abaixo:

NVRES CAT  roundup min NECLASSIF , 0,80  NVCAT 


Onde:

NVRES CAT = Número de vagas reservadas para uma certa categoria;

NECLASSIF = Número de equipes que conseguiram realizar o voo válido nas baterias de
classificação no ano anterior;
NVCAT = Número de vagas disponível para a categoria em questão;

min = Função que retorna o mínimo entre seus atributos;


roundup = Função que retorna o valor da entrada arredondado para cima.
As vagas restantes em cada categoria serão as chamadas vagas abertas, e serão
preenchidas conforme o procedimento apresentado na seção 6.6.5.2.5. O número de
vagas abertas pode ser calculado como:

NVABERTA  NVCAT  NVRES CAT  NVRES INT


Onde:

NVRES INT = Número de vagas reservadas às equipes internacionais para uma certa
categoria. Esse valor pode variar de 0 a 2, conforme descrito na seção 6.6.5.2.2.

6.6.5.2.2 Vagas reservadas para as equipes internacionais


Serão reservadas 2 vagas para as equipes internacionais, sendo:
 1 vaga reservada exclusivamente para a equipe vencedora do AeroDesign
Venezuela (competição equivalente realizada naquele país), devido a um acordo
de participação com a SAE BRASIL.

18 de 45
 1 vaga para a equipe internacional mais bem pontuada no ano anterior, com
excessão da equipe campeã do aeroDesign Venezuela (que já possui sua vaga,
conforme item acima) e que tenha realizado voo válido ao menos nas baterias
de classificação. Somente no caso de nenhuma equipe atender a este critério,
então a equipe mais bem pontuada, será selecionada mesmo sem voos válidos
realizados.
Caso uma ou mais equipes acima, já possuam vagas reservadas conforme os critérios
da seção 6.6.5.2.1, não serão acrescidas novas vagas reservadas às equipes
internacionais.
Caso uma ou mais equipes acima, não estejam selecionadas dentro do critério de
vagas reservadas da seção 6.6.5.2.1, então vagas adicionais para estas equipes serão
criadas. Única e exclusivamente neste caso, o número de vagas da Tabela 1 poderá
ser extrapolado em 1 ou 2 vagas, conforme as categorias em que participam as
equipes internacionais com vaga reservada segundo este requisito.

6.6.5.2.3 Número Máximo de Integrantes por Equipe


As equipes da Classe Regular e Advanced e do Torneio de Acesso não poderão ter
mais que 15 integrantes. As equipes da Classe Micro estão limitadas a 10 integrantes.
O Piloto será contabilizado dentro deste limite quando o mesmo:
 For associado da SAE e tenha apresentado o comprovante de matrícula no 2º
semestre de 2016 conforme APÊNDICE 6.
 Desejar fazer parte efetiva da equipe para ter direito ao certificado de
participação.
6.6.5.2.4 Inscrições de Vários Aviões da Mesma Instituição de Ensino
Cada instituição de ensino pode se inscrever nas categorias que possuir vaga
reservada, ou nas categorias onde conquistou uma vaga aberta. Contudo, em resumo,
deve ser observado que será permitida a participação de no máximo de 3 equipes por
instituição, desde que o número máximo em cada categoria seja:
 Classe Regular: 1
 Classe Advanced: 1
 Classe Micro: 1
 Torneio de Acesso: 1
Para as instituições de ensino que inscreverem mais de uma equipe, as seguintes
restrições devem ser observadas:
 A cada avião inscrito deverá corresponder uma equipe distinta.
 Cada estudante poderá se inscrever em somente uma equipe.

19 de 45
 As equipes poderão eventualmente trabalhar juntas, porém suas filosofias de
projeto deverão ser distintas.
6.6.5.2.5 Forma de Preenchimento das Vagas e Inscrição
As vagas limitadas (Tabela 1) serão preenchidas seguindo os seguintes passos:
 1º Passo: Conforme Seção 6.6.5.2.1 e 6.6.5.2.2, as vagas reservadas em cada
categoria ( NVRES CAT ) mais as vagas reservadas às equipes internacionais
( NVRES INT ) serão destinadas às equipes melhor classificadas no ano anterior
(2016), e que fizeram voo válido na competição.

 2º Passo: As vagas abertas ( NVABERTA  NVCAT  NVRES CAT  NVRES INT ) serão
destinadas às equipes melhor classificadas no Torneio de Acesso e nas demais
classes no ano anterior, tendo prioridade às equipes que realizaram voos válidos
nas suas respectivas categorias. A ordem de ocupação das vagas será:
1º: Equipes do Torneio de Acesso que conseguiram realizar um vídeo de
voo válido com no mínimo a carga de classificação deste torneio (Seção
8.6.3).
o 2°: Equipes das Classes Regular, Advanced e Micro, que conseguiram
realizar voos válidos nas baterias de classificação, mas não conquistaram
vagas reservadas. Este item só é aplicável no caso de haver vagas
disponíveis na respectiva categoria.
o 3°: Equipes do Torneio de Acesso que não conseguiram realizar um vídeo
de voo válido, ou cujo vídeo foi realizado com uma carga inferior à carga
de classificação (seção 8.6.3). Este item só é aplicável no caso de haver
vagas disponíveis na respectiva categoria.
o 4º: Equipes das Classes Regular, Advanced e Micro, que não
conseguiram realizar voos válidos nas baterias de classificação. Este item
só é aplicável no caso de haver vagas disponíveis na respectiva
categoria.
 Nota 1: Dentro de cada um dos 4 casos de prioridade descrito no
2º passo, o preenchimento das vagas é feito por ordem de
classificação do ano anterior.
 Nota 2: O preenchimento das vagas será interrompido quando
número limite de vagas em cada categoria for atingido,
independente de qual posição esteja a lista de preferências acima.
 Nota 3: Em cada sub-passo acima, as equipes das Classes
Regular, Advanced e Micro, não podem optar por trocar de
categoria, e as equipes do Torneio de Acesso deverão, uma a uma,
escolher em qual categoria desejam participar, desde que existam
vagas na categoria desejada. Ex: O 1º colocado no Torneio de
Acesso escolhe uma das 3 categorias. Em seguida o segundo

20 de 45
colocado escolhe uma das 3 categorias, e assim por diante.
Conforme cada categoria completa o número de vagas disponível
(Tabela 1), as opções de escolha das equipes seguintes são
reduzidas apenas às categorias que possuem vagas.
 Nota 4: Em cada sub-passo acima, as equipes do Torneio de
Acesso poderão escolher a categoria que em que deseja participar
com exceção das categorias onde alguma equipe da mesma
instituição de ensino já tenha participado no ano anterior.
 Nota 5: Pode-se notar que dentro deste 2º Passo a regra geral é:
as equipes que realizaram voos válidos com carga de classificação
em suas respetivas categorias têm prioridade sobre as que não o
fizeram. E as equipes do Torneio de Acesso tem prioridade sobre
as equipes das outras Classes.

 3º Passo: Todas as equipes que ocuparem as vagas Reservadas e Abertas


deverão formalizar suas inscrições, mediante o pagamento das inscrições e
comprovação do pagamento, conforme procedimento a ser descrito em mais
detalhes em 2017. As equipes que não efetuarem seus pagamentos, perdem o
direito à vaga. Esta nova vaga, seja ela oriunda de uma equipe de vaga
Reservada ou de vaga Aberta, será considera uma nova vaga Aberta, a ser
preenchida continuando à partir de onde havia parado na ordem de prioridades
do 2º passo acima.
 4º Passo: Quando todas as vagas Reservadas e Abertas tiverem sido
efetivadas, as demais equipes interessadas em participar podem se inscrever
para participar no Torneio de Acesso (equipes que buscarão acesso às demais
classes no ano seguinte).
A figura a seguir mostra as fases de inscrição:

Execução do 1º e 2º passos. Execução do 3º passo. Execução do 4º passo.


Composição da lista inicial de equipes das Efetivação da inscrição Inscrição das equipes
vagas Reservada e Aberta das cas Regular, das equipes e pagamento. para o Torneio de Acesso
Advanced e Micro. Preenchimento das novas
vagas abertas no caso de
inscrições não efetivadas.

6.7 Envio de Documentos em Formato Eletrônico


Os documentos enviados em formato eletrônico devem obrigatoriamente respeitar as
seguintes regras:
 Formato obrigatório, para as Plantas: PDF
 Formato aceito para figuras: JPG
 Formato aceito para vídeos: link para vídeo no youtube

21 de 45
 Nenhum documento enviado via e-mail poderá ultrapassar o tamanho máximo
de 5 Mb. E-mails maiores são bloqueados.
 Documentos enviados à Comissão Técnica através de upload no site
www.aeroct.com.br poderão ser limitados conforme o caso. Os tamanhos
máximos destes arquivos estarão especificados no site e, quando aplicável, nas
respectivas seções deste Regulamento.
Em casos específicos, e somente quando o Regulamento exigir, ou for solicitado
durante o decorrer desta competição, outro formato poderá ser usado.
Plantas e/ou desenhos, mesmo que solicitados pela Comissão Técnica, devem ser
enviados em formato PDF ou JPG. Arquivos em SolidWorks ®, CATIA®, AutoCAD®, ou
similares não serão aceitos.

6.8 Configuração do Avião

6.8.1 Tipo do Avião e Restrições


Somente aeronaves de asas fixas têm permissão de competir. É vetada a participação
de quaisquer aeronaves que:
 Façam uso de gases menos densos que o ar para proporcionar qualquer tipo
contribuição para a sustentação (por exemplo, dirigíveis e balões).
 Produzam sustentação por asas rotativas (por exemplo, helicópteros, autogiros e
girocópteros), asas articuladas (ornitópteros) ou que possuam asas sem
elementos rígidos (ex. paragliders, paraquedas, ou similares).
 Utilizem dispositivos auxiliares na decolagem que não pertençam ao avião e que
não estarão conectados fisicamente ao avião quando ele pousar.
 Tenham outro tipo de propulsor, adicional ou auxiliar em voo ou no solo. A única
forma de propulsão do avião deve ser através do motor.
 Tenham pontas ou bordas afiadas e arestas cortantes que possam causar
acidentes no local da competição.

6.8.2 Reutilização do Avião


Quando um avião já tiver participado de uma competição SAE AeroDesign no Brasil
(por qualquer equipe, seja da mesma escola ou não) a utilização do mesmo, sua
estrutura ou do mesmo projeto são proibidos, a não ser que modificações substanciais
tenham sido feitas e possam ser claramente demonstradas.
Estas mudanças devem ser pré-aprovadas pela Comissão Técnica e devem ser
também devidamente documentadas. A data máxima para envio da documentação
relativa à reutilização do avião pode ser vista no APÊNDICE 6. A aprovação será
respondida no máximo em duas semanas. Esta documentação, de aprovação deve ser
postada no site www.aeroct.com.br.

22 de 45
A documentação (inclusive desenhos e plantas) deverá ser enviada via e-mail,
conforme Seção 6.7.
Exemplo de projetos que REQUEREM APROVAÇÃO (repetição de componentes de
grande significância, como asa, fuselagem, empenagem, etc.):
 Aeronave constituída por um ou mais componentes de grande significância,
como asa, fuselagem, empenagem, etc. que foram utilizados (ou projetados)
pela equipe nos anos anteriores.
 Componentes de grande significância com a mesma geometria, mesmo no caso
estruturas diferentes em material, etc. (ex.: asa com mesma geometria em
planta).
 Componentes de grande significância com o mesmo conceito estrutural, mesmo
que com geometria um pouco diferentes (ex.: fuselagem construída exatamente
igual, com as mesmas posições de treliças, mesmo material, mesmo processo
construtivo, mudando apenas sua geometria externa).
Exemplo de projetos que NÃO REQUEREM APROVAÇÃO (repetição de componentes
de pequena significância, como rodinhas, mecanismos, carga, ou itens similares):
 A aeronave é totalmente diferente, mas é equipada com rodas já utilizadas em
competições anteriores.
 A aeronave é totalmente diferente, mas repetiu o mecanismo de retirada de
carga.
As Plantas devem claramente mostrar que se trata de um projeto novo. Plantas muito
semelhantes entre as do ano corrente e dos anos anteriores ou de outras equipes não
serão aceitos e constituirão base para penalidade por plágio do projeto em questão.
Caso sejam detectados aviões que não se caracterizem como projetos novos, e a
autorização não tiver sido requerida e aprovada, a equipe será devidamente informada
e poderá até não ser mais autorizada a participar da Competição. Tal medida pode
ocorrer até mesmo durante o transcorrer da Competição.
O critério de reutilização do avião é analisado levando-se em consideração somente as
competições brasileiras. Aeronaves que participaram em competições SAE AeroDesign
nos Estados Unidos, e estejam competindo no Brasil pela primeira vez, não precisam
aprovar a reutilização do avião.

6.9 Uso de Material Explosivo


Devido ao risco inerente que este tipo de equipamento pode trazer, está proibido o seu
uso para qualquer fim.

23 de 45
7. Requisitos – Torneio de Acesso
7.1 Elegibilidade - Membros das equipes
É limitada a estudantes de graduação e pós-graduação (stricto sensu) em Engenharia,
Física e Tecnologia relacionadas à “mobilidade” (Seção 6.1), associados à SAE
BRASIL. Para outros cursos, checar as condições expostas nas Seção 6.1.
Estudantes que tiverem se formado no semestre letivo imediatamente anterior à
competição NÃO são elegíveis a participar. É obrigatório o envio da documentação
referente à matrícula do segundo semestre de 2016 até prazo especificado no
APÊNDICE 6.
ATENÇÃO: As equipes mais bem classificadas no Torneio de Acesso serão
selecionadas e poderão escolher em qual Classe querem competir no próximo ano,
conforme procedimento descrito na seção 6.6.5.2.5. Sendo assim, é importante que,
caso no momento da escolha, não houverem vagas disponíveis nas classes Advanced
e Micro, havendo vagas disponíveis apenas na Classe Regular, os estudantes de pós-
graduação não poderão se inscrever. Para mais informações sobre a elegibilidade para
as demais categorias, checar seções 7.1, 8.1 e 9.1 do Regulamento da competição
aplicável às demais categorias.

7.2 Formato da Competição


Este Torneio ocorrerá apenas por vídeo, ou seja, as equipes não participarão de voos e
apresentações nos dias e local da competição das demais classes.

7.3 Restrições Geométricas


As aeronaves do Torneio de Acesso deverão ser projetadas respeitando a seguinte
restrição dimensional:
Envergadura máxima = 2,00 m
Caso a aeronave possua superfícies ou qualquer outro componente articulado na ponta
da asa que altere a envergadura, a envergadura deve ser medida na pior posição
destes componentes.
Itens salientes como servo-atuadores, parafusos, pinos nas pontas das asas, devem
ser incluídos na envergadura. Por exemplo, se um servo-atuador possui algum
componente saindo da asa, como um braço de link, de tal forma que a envergadura
medida considerando este item saliente aumente, então tal medição deverá ser
considerada.
Em outras palavras, a envergadura será a maior distância lateral medida na aeronave,
na direção perpendicular ao plano longitudinal de voo.

24 de 45
Uma planta deve ser enviada para demonstrar que o projeto cumpre com este requisito
geométrico, conforme descrito na seção 9.1.1 e no APÊNDICE 3.
Após o voo válido, a equipe deverá mostrar a conferência deste requisito utilizando
uma trena.
Caso a medida seja maior que o limite imposto por este requisito, o voo não será aceito
para fins de pontuação.

7.4 Motor
O motor deve ser somente um, a ser escolhido pela equipe entre:
 K&B 0.61 RC/ABC (PN 6170), (tipo glow),
 O.S. 0.61 FX, (tipo glow),
 O.S. 0.55 AX, (tipo glow),
 Magnum XLS-61A, (tipo glow),
 ASP S61AII (tipo glow).
O motor escolhido deve ser original e usar o escapamento original do motor. Os
motores especiais não serão aceitos.

7.4.1 Reparos no Motor


Troca de componentes danificados (exemplo: carburador) são permitidos desde que o
substituto seja do mesmo modelo. Peças de modelos mais antigos ou mais modernos
não são aceitas como reposição.
É liberado o uso de qualquer marca de vela, porém é vetado o uso de qualquer
dispositivo de ignição por centelha ou injeção eletrônica.

7.4.2 Modificações no Motor


Modificações externas no motor e/ou retirada de qualquer componente externo NÃO
são permitidas. A infração deste requisito implica em invalidação do voo da equipe.
Modificações internas no motor serão permitidas, desde que externamente o motor seja
idêntico ao original. As únicas alterações externas permitidas são:
 Instalação de eixo reverso para configurações “pusher” é permitida.
 É permitido o uso de “caps” (ou extensores entre o motor e o “muffler”) não
originais (usinados por exemplo).

7.4.3 Inspeção do Motor


A inspeção e verificação do motor será feita a partir do próprio vídeo de voo.

25 de 45
7.4.4 Caixas de Transmissão, Correias e Eixos de Hélice
Caixas de transmissão, correias e eixos de hélice separados do eixo do motor são
proibidos.

7.5 Combustível e Tanque de Combustível


O combustível para o Torneio de Acesso é de responsabilidade da própria equipe.
O tanque de combustível deve ser acessível e possuir certo nível de transparência para
visualização de seu conteúdo durante o vídeo.
O combustível deve ser pressurizado pela pressão do “muffler”.
Recomenda-se que o tanque de combustível seja esvaziado e reabastecido antes de
cada voo. Recomenda-se também que o abastecimento seja total, independentemente
do tamanho do tanque. Caso haja falha de motor em voo, após o pouso a equipe
deverá filmar o tanque de combustível para comprovar que não está vazio, pois a
ocorrência comprovada de pane seca durante o voo incorrerá na invalidação do voo.
Se a equipe não realizar esta filmagem, será considerada pane seca, invalidando o
vídeo.

7.6 Carga e Compartimento de Carga

7.6.1 Compartimento de Carga (Restrições Geométricas)


O compartimento de carga poderá ser projetado com as dimensões que a equipe
desejar. Não haverá limites para o volume do compartimento. Este deve ficar a critério
da equipe.
O compartimento de carga deverá ser único e totalmente fechado, com portas de
acesso à carga que devem fazer parte do avião. Em outras palavras, o escoamento de
ar não deve entrar em contato com a carga ou com o suporte de carga, ou seja, toda e
qualquer geometria que defina a forma aerodinâmica da aeronave deverá fazer parte
da aeronave, contabilizando como peso da aeronave, e não como carga paga. Caso no
instante da pesagem for constatado que a carga paga (toda a carga a ser pesada, i.e.,
carga e suporte de carga) possui componentes externos, o vídeo de voo será
invalidado.

7.6.2 Carga Paga


Carga paga é o peso transportado pelo avião. A carga paga total consistirá na soma
dos pesos das placas (ou carga) mais o suporte de carga. O peso do avião e o
combustível NÃO são considerados como carga paga (Vide APÊNDICE 1).
A carga paga poderá ser confeccionada em qualquer material.
Toda a carga paga deverá estar contida num único compartimento de carga, conforme
Seção 7.6.1 e montadas entre si de forma a compor o “suporte de carga” mais as
“placas de carga” (ver exemplo no APÊNDICE 1). O conjunto suporte + carga pode ser
menor que o volume do compartimento especificado na seção 7.6.1, podendo ser

26 de 45
posicionado no interior do compartimento, com sobra de espaço, de forma conveniente
para ajuste do CG da aeronave.
A carga paga deve ser adequadamente fixada no compartimento de carga de modo a
impedir sua movimentação durante o voo, porém esta não pode contribuir
estruturalmente para a estabilidade da estrutura do avião nem fazer parte da estrutura
do mesmo. Em outras palavras, não serão aceitas estruturas cuja estabilidade seja
auxiliada pelo contato com o suporte de carga ou com a carga paga. Exemplos:
 Estruturas onde a fixação do suporte de carga em qualquer uma das faces do
compartimento de carga possibilite que este suporte de carga auxilie na
estabilidade estrutural. A princípio, a estrutura deve ser estável e resistir aos
esforços de voo por si só, ou seja, mesmo sem o suporte de carga.
 Estruturas onde a simples colocação da carga (ou do suporte de carga) permita
dimensionar uma estrutura com barras de treliça a menos, ou seja, não é
permitido que esforços estruturais que normalmente deveriam ser transmitidos
pela estrutura da aeronave sejam aplicados e transmitidos pelo suporte de
carga.
 Outros casos, mesmo que não citados nestes exemplos, em que a Comissão
Técnica julgar que o suporte de carga ou a própria carga estejam contribuindo
para suportar os esforços ou estejam contribuindo para a estabilidade da
estrutura, serão avaliados caso a caso.
Este item será verificado através das Plantas e possivelmente na ocasião da
verificação dos vídeos de voo, e caso seja constatado que não esteja sendo cumprido
O vídeo de voo será invalidado.
O mecanismo de travamento do suporte de carga no avião pode fazer parte do suporte
da carga sendo pesado como carga paga ou da própria estrutura do avião devendo ser
contabilizado como peso vazio. Caso a porta do compartimento de carga seja usada
para travar a carga dentro do compartimento, esta deve ter sua estrutura dimensionada
adequadamente.
A carga paga deve ficar inteiramente dentro do compartimento de carga e a porta do
compartimento de carga deve fazer parte do avião, e não da carga conforme já citado
na Seção 7.6.1. Ao mesmo tempo, o dispositivo (ou mecanismo) de abertura da porta
deve fazer parte do avião, e não da carga, ou seja, a porta (ou carenagem) não pode
ser travada ou fixada no suporte de carga, mas sim na estrutura da aeronave.
É responsabilidade das equipes providenciar sua própria carga. A verificação do peso
carregado será feita após voo numa filmagem continua, sem cortes após o pouso. O
avião que não permitir a retirada do suporte para pesagem não terá este peso incluído
na carga paga.

27 de 45
7.7 Eletrônica
7.7.1 Pack de Bateria
Não existem restrições com relação ao pack de baterias. A equipe pode projetar e
construir seu sistema elétrico conforme seu próprio interesse. Vale apenas uma
recomendação, que a equipe busque sempre informações sobre o tipo de bateria que
estiver usando, e as recomendações dos fabricantes, para garantir sempre uma
operação segura de cada equipamento.

7.8 Sistemas de Controle de Voo


O uso de giroscópios de qualquer tipo e sistemas automáticos de controle de voo são
permitidos para as aeronaves do Torneio de Acesso.

7.9 Vídeo do voo e pesagem (obrigatório)


O vídeo de voo do Torneio de Acesso é um item de extrema importância e a equipe
deve tratá-lo com todo rigor e profissionalismo possível, uma vez que a pontuação de
voo será calculada levando-se em conta os dados apresentados no vídeo.
Deverá ser apresentado um, e apenas um, vídeo demonstrando claramente que a
aeronave em condições normais, é segura, manobrável e capaz de executar ao menos
um circuito completo de voo até um pouso seguro sem acidentes. O voo completo
(decolagem, circuito padrão e pouso) precisa ser totalmente filmado (filmagem
contínua, livre de edição e de boa qualidade). A aeronave deve ser visível durante todo
o voo.
Se mais de um vídeo for enviado, apenas o primeiro será considerado.
O voo deve ser realizado com a carga máxima que a equipe conseguir demonstrar,
uma vez que a pontuação da equipe será baseada no vídeo. Esta carga deve ser
claramente demonstrada no vídeo com uma pesagem logo após a remoção da carga
após o pouso.
O vídeo de voo deverá exibir uma série de itens em filmagem contínua, conforme
abaixo:
 Decolagem
 Trajeto do voo
 Pouso
 A aeronave deve preferencialmente taxiar até o cinegrafista (a fim de fazer jus à
bonificação da seção 7.12.2 e facilitar a interpretação do juiz quanto à validação
do voo segundo a seção 8.2). Se a equipe preferir, o cinegrafista pode se dirigir
ao avião.
 O cinegrafista deve mostrar que não existem itens danificados, de forma a
demonstrar o cumprimento com a seção 8.2.

28 de 45
 O cinegrafista deve mostrar, no caso do motor ter falhado em voo, que ainda
existe combustível no tanque, comprovando que não houve pane seca. Se a
aeronave pousou sem falha de motor, essa filmagem do tanque não é
necessária.
 Com uma trena, a equipe mostra a medição da envergadura. A trena deve ser
posicionada com a filmagem mostrando a aeronave completa e depois deve-se
dar um close no valor medido, demostrando o cumprimento da seção7.3.
 O vídeo deve mostrar claramente o motor utilizado, de acordo com as seções
7.4 e 7.4.3.
 Caso a equipe não queira considerar o peso do combustível residual no peso
vazio da aeronave, ela deverá fazer o desabastecimento, também acompanhado
pelo cinegrafista.
 Uma balança deve ser posicionada ao lado da aeronave
 A aeronave deve ser posicionada carregada sobre a balança (peso total, avião +
carga). O cinegrafista deve mostrar o valor medido do peso total de voo (avião +
carga) da aeronave. Para este item um requisito importante deve ser observado:
um componente da equipe deve segurar uma linha mostrando a direção do
vento. A aeronave deve ser pesada perpendicularmente ao vento, para que a
sustentação altere o menos possível o valor da pesagem.
 A equipe deve retirar a aeronave de cima da balança e o cinegrafista deve filmar
a retirada da carga.
 A carga deve ser colocada sobre a balança, e o cinegrafista deve mostrar o valor
medido da carga paga carregada.
Todo o procedimento acima deve ser filmado sem cortes, para mostrar que todos os
itens presentes no vídeo pertencem ao mesmo voo. Se o vídeo não mostrar todos os
itens acima, numa filmangem sem cortes, o voo será considerado inválido, e não será
usado para cálculo da pontuação da equipe. É obrigatório também que entre retirada
da carga e pesagem, a carga paga esteja sempre visível no vídeo para garantir que
não houve troca na carga.
Se a equipe optar, poderá utilizar como recurso dois vídeos sincronizados, um em tela
cheia e um menor em um dos cantos, desde este vídeo não entre em desacordo com
nenhum item citado acima. Este recurso deverá ser utilizado apenas se a equipe julgar
que facilitou o cumprimento dos requisitos, de modo a não poluir o vídeo com
informações excessivas e desnecessárias.
OBS: Existe uma carga de classificação para as equipes do Torneio de Acesso,
conforme seção 8.6.3. Esta carga separa as equipes em 2 blocos para seleção de
equipes para o ano seguinte, conforme seção 6.6.5.2.5.
As equipes deverão postar o vídeo no site www.youtube.com, e deverão indicar no site
www.aeroct.com.br o link para o vídeo. O vídeo poderá ser privado se a equipe desejar,
porém após a data final de entrega do vídeo os links serão disponibilizados às outras

29 de 45
equipes para que todas possam ver os voos e as aeronaves das equipes com as quais
competiram.
O prazo para apresentação do vídeo de voo (via link do Youtube) sem penalidade é até
a data especificada no APÊNDICE 6, e a partir desta data uma penalidade será
aplicada de acordo com o APÊNDICE 5 seção A.5.1 (a qual será contabilizada na
pontuação final da Competição). Para efeitos de penalidade, a data a ser contabilizada
é a de postagem do link no site www.aeroct.com.br. Somente serão aceitos vídeos até
a data limite com penalidade, especificada no APÊNDICE 6, e após esta data, os
vídeos de voo não serão aceitos.
IMPORTANTE: Pode-se notar, que a filmagem do voo de forma a cumprir com os
requisitos desta seção, será bastante complexa. Sendo assim, a equipe não deve
acrescentar nenhuma outra informação que aumente o tamanho do vídeo além do
necessário. Vídeos assim serão passíveis de invalidação. Exemplos: Vídeos em que a
equipe fica apresentado a história da equipe e/ou uma retrospectiva da construção do
protótipo não serão aceitos. Este vídeo tem caráter importantíssimo para uso no cálculo
da pontuação. Este deve ser o foco da equipe.
A equipe não precisa se preocupar em editar o som, para cobrir gritos exaltados
durante a filmagem. A Comissão Técnica entende a alegria das equipes em atingir os
objetivos de projeto, e pede que o som do vídeo seja mantido original, para que seja
possível ouvir o som dos motores e etc.

7.10 Peso Máximo Elegível – Torneio de Acesso


As aeronaves do Torneio de Acesso não poderão ter seu peso total (peso vazio +
carga máxima) maior que 20kg. É de responsabilidade da equipe respeitar este limite.
Se, após o voo for constatado que os valores de peso da aeronave mais a carga
transportada ( PV + CP ) excedem este limite, o voo será invalidado.

7.11 Distância de Decolagem


Para o Torneio de Acesso o comprimento da pista de decolagem é livre.

7.12 Pontuação – Torneio de Acesso


A pontuação da equipe é a soma das pontuações PVOO e PP (descritos nas Seções .

A contabilização de demais penalidades, e penalidades acumulativas, entre outras


(APÊNDICE 5) será feita no cômputo final da pontuação da equipe.

7.12.1 Pontuação de Voo


Para o vídeo de voo enviado (veja Seção 8.1.4 e seção7.9), será computada uma
pontuação proporcional à carga carregada e ao peso vazio da aeronave conforme a
seguir:
PVOO  15  EE  CP

30 de 45
Sendo:
PVOO : Pontos obtidos devido à carga paga carregada e eficiência estrutural da
aeronave;
CP : Carga Paga total (em kg);
EE : fator de Eficiência Estrutural, definido como:
CP
EE 
PV
onde:
PV : peso vazio (com ou sem combustível, conforme opção da equipe) (em kg), obtido
da diferença entre os pesos da aeronave carregada (peso total) e da carga paga – Ver
seção 7.9.

7.12.2 Bonificação por Taxiamento


A fim de demonstrar a integridade da aeronave após o voo, um bônus de cinco (5)
pontos será concedido às equipes cujas aeronaves forem capazes de efetuar taxi após
o voo.
Para tal demonstração a aeronave deve, após o pouso, taxiar em solo até o
cinegrafista se mostrando controlável e utilizando apenas a tração de seu próprio
motor, sem que nenhum membro da equipe toque na aeronave durante o trajeto. O
trajeto deve ter comprimento considerável (sugere-se em torno de 10 metros ou mais) e
a aeronave deve ser claramente manobrável sugere-se executar pelo menos duas
curvas, uma para cada lado, com mais de 90º).
Se durante o taxiamento o juiz que assistir ao vídeo julgar que há falha estrutural, seja
no trem de pouso ou qualquer outro componente da aeronave, o vídeo será
considerado invalidado e a equipe não fara juz aos pontos desta bonificação nem aos
pontos de voo.

7.12.3 Pontuação de Projeto


Duas plantas, uma três vistas e uma livre, devem ser entregues através do site
www.aeroct.com.br. Estas plantas devem seguir as mesmas restrições das seções 9.1,
9.1.1 e 9.1.2.
As esta plantas será atribuída uma nota de 0 a 10, PP (uma nota para ambas as
plantas).

31 de 45
8. Requisitos de Missão
8.1 Voo

8.1.1 Decolagem válida


Não há limite para o comprimento da pista para decolagem, portanto qualquer
decolagem em que a aeronave sair do chão inteira e por meios próprios é uma
decolagem válida.

8.1.2 Trecho no Ar – Circuito Padrão


A aeronave deve fazer pelo menos uma volta de 360 graus e em seguida pousar.
Não há limite de quantas voltas o avião poderá dar antes de pousar, desde que não
ocorra pane seca.

8.1.3 Pouso Válido


Toques e arremetidas não serão permitidos. Caso o piloto precise arremeter este deve
fazê-lo com a aeronave ainda no ar. Uma queda invalida a tentativa. Um pouso válido é
definido como toque, rolagem e parada (sem limite de comprimento).
“Zig-zagues”, “cavalos de pau”, e pousos oscilantes (pousos pingando ou em pulos)
são permitidos, porém não recomendados.

8.1.4 Voo Padrão (voo totalmente válido)


Um voo será considerado válido quando a decolagem for válida (Seção 8.1.1), o
circuito padrão for realizado (Seção 8.1.2) e o pouso for válido (Seção 8.1.3) Contudo o
Voo somente será declarado totalmente válido após a verificação do estado da
aeronave após o pouso (seção 8.2). Esta verificação do estado da aeronave será feita
por juízes através do vídeo de voo. Nenhum membro da equipe poderá efetuar reparo
de qualquer natureza na aeronave até que todos os procedimentos de pesagem da
aeronave e carga sejam realizados.

8.2 Inspeção do estado da aeronave após o voo


O avião deve decolar e aterrissar com todas as partes originais (i.e. aquelas definidas
em projeto) para receber os pontos da tentativa. O avião deve pousar com as mesmas
partes que decolou, portanto não sendo permitido descarte de partes na decolagem (ou
antes dela) ou em qualquer outro momento do voo. Todas as partes deverão
permanecer fixas, inteiras e sem deformações permanentes no avião para uma
aterrissagem válida, exceto a hélice que pode ser quebrada pelo contato com o solo.
A palavra final sobre a invalidação do voo ou não será sempre dos juízes que
estiverem assistindo ao vídeo. O mesmo critério e rigor será adotado para todas as
equipes com relação à interpretação desta seção do regulamento. A decisão deste juiz

32 de 45
será considerada final e irrevogável. Em casos de dúvidas, um fórum composto por
membros da Comissão Técnica será formado para a tomada de decisão sobre a
validação do voo. A partir da decisão tomada, o mesmo padrão será adotado para os
demais casos em que ocorrerem situações semelhantes.

8.3 Verificação Dimensional da Envergadura


Os aviões do Torneio de Acesso que tiverem seus voos válidos serão submetidos ao
processo de verificação dimensional conforme descrito nas seções 7.3 e 7.9
É de responsabilidade das equipes garantirem que as dimensões externas e internas
da aeronave estejam de acordo com o projeto e com este Regulamento, para que não
sejam aplicadas penalidades e invalidações de voo.

8.4 Processo de Pesagem


A pesagem da aeronave carregada (peso vazio + carga paga) e da carga paga será
feita conforme descrito na seção 7.9.

8.5 Retirada da Carga Paga


A equipe deverá remover a carga da aeronave para pesagem conforme descrito na
seção 7.9. Não há bonificação pelo tempo de retirada da carga.

8.6 Pontuação
A divulgação preliminar e final da pontuação serão feitas através do site SAE BRASIL
na Internet.
A pontuação geral será calculada como segue:
 Pontos da competição de projeto
 Pontos da competição de voo

Total de Pontos   
 Bonus aplicáveis
 Penalidades

8.6.1 Competição de Projeto


A Competição de Projeto será pontuada de acordo com os seguintes critérios:
 Plantas: máximo de 10 pontos e mínimo 0 (zero).
Conforme apresentado acima, mesmo que eventuais penalidades aplicadas na fase de
projeto levem a pontuações negativas, estas serão corrigidas para o valor mínimo igual
a 0 (zero).

8.6.2 Competição de Voo


A seção correspondente à pontuação aplicável ao Torneio de Acesso é a 7.12.

33 de 45
8.6.3 Carga Paga mínima (classificação)
A carga paga mínima para o Torneio de Acesso é de 5 kg.
É muito importante que a equipe esteja atenta a este valor. Voos abaixo da carga
mínima também serão pontuados, para efeitos de classificação, contudo, os voos com
carga abaixo da mínima perdem prioridade na seleção das equipes para o ano
seguinte, conforme descrito na seção 6.6.5.2.5.

8.6.4 Penalidades
Algumas penalidades previstas são apresentadas nas tabelas do APÊNDICE 5, porém
conforme o caso, outras penalidades poderão ocorrer.
A pontuação total da competição nunca será menor que Zero, mesmo que eventuais
penalidades aplicadas ao longo de toda a competição leve a pontuações negativas.

34 de 45
9. Requisitos de Projeto
A Competição SAE AeroDesign é dividida em duas partes:
 Competição de Projeto
 Competição de Voo
A Competição de Voo, detalhadamente descrita no Capítulo 8, avalia a capacidade real
da aeronave construída.
Na Competição de Projeto, a equipe apresentará uma Planta Três Vistas da aeronave
e uma Planta Livre. Esta parte da competição precede a Competição de Voo.

9.1 Plantas
As plantas devem ser feitas em folha tamanho A3.
Cada planta é normalmente avaliada pelos seguintes critérios:
1. Clareza e Limpeza. Desenhos muito ‘poluídos’ ou confusos são de difícil
visualização e/ou compreensão.
2. Detalhamento dos componentes da aeronave em cada uma das vistas;
3. Possibilidade de se entender a aeronave e seus detalhes a partir das três vistas.
A planta possui todas as informações visuais (e escritas) necessárias para a
completa descrição das características gerais da aeronave?
4. Uso de normalização técnica para representação da aeronave e seus
subconjuntos (cotas, cortes, vistas, detalhes, entre outros).
5. Detalhamento geral da aeronave. Carga, suporte de carga, e fixação destes na
fuselagem. Estruturas básicas e fixação dos principais componentes; instalação
das superfícies de comando, servos e links, instalação do sistema elétrico.
As equipes podem confeccionar a planta colorida desde que o padrão de cores usado
não afete a clareza nem a interpretação dos desenhos. Uma planta excessivamente
colorida não é necessariamente de mais fácil compreensão que uma confeccionada em
preto e branco.

9.1.1 Plantas de Três Vistas da aeronave


Uma folha deve conter o desenho de três vistas em formato aeronáutico padrão, ou
seja, vista superior do avião no lado superior esquerdo da folha, com o nariz para
baixo; abaixo deste, a vista frontal do avião com a vista lateral à sua direita com o nariz
do avião para a esquerda da folha (ver APÊNDICE 3). No topo da vista lateral deverá
existir uma tabela com o resumo dos dados do avião com no MÍNIMO as informações
solicitadas nos exemplos do APÊNDICE 3. As unidades devem ser sempre no sistema
métrico, conforme a tabela exemplo.

35 de 45
A ausência desta planta poderá incorrer em penalidade para a equipe conforme
definido no APÊNDICE 5 seção A.5.2.
Uma vista em perspectiva da aeronave pode também ser acrescentada nesta vista,
acima da vista lateral, desde que não prejudique a visualização das três vistas bem
como da tabela de dados.

9.1.2 Planta Livre


A equipe poderá escolher quais desenhos, vistas, cortes, mecanismos, sistemas e etc.
serão mostrados para complementar as informações mostradas na Planta Três Vistas.
É recomendável utilizar esta planta para mostrar vistas e detalhes de montagem de
partes da aeronave, mecanismos, estrutura, sistema elétrico ou outros itens que a
equipe julgar importantes.
É importante lembrar que se a equipe desejar mostrar tudo que foi sugerido a cima a
planta poderá ficar poluída, portanto será julgado também a capacidade da equipe em
selecionar as isformações mais relevantes a serem mostradas.

9.2 Desconto por Atrasos


As Plantas e valor da carga paga prevista bem como demais documentos aplicáveis,
deverão ser enviados através do site www.aeroct.com.br para a Comissão Técnica até
a data limite indicada no APÊNDICE 6.
As Plantas e demais documentos enviados atrasados serão penalizados conforme
APÊNDICE 5 seção A.5.1. A data máxima para envio das Planta com penalidade está
informada no APÊNDICE 6.

9.3 Erratas
ATENÇÃO: NÃO SERÃO ACEITAS ERRATAS NAS PLANTAS, E DADOS POSTADOS
SITE www.aeroct.com.br. Qualquer documento que chegar à Comissão Técnica como
Errata ou Correção de qualquer tipo será desconsiderado.

9.4 Divergências de informações


Uma série de informações significativas para os cálculos das pontuações das equipes
são fornecidas em documentos variados, como planta e o site www.aeroct.com.br.
Em caso de divergência de informações, aquela fornecida no site www.aeroct.com.br
deve prevalecer.
Caso a informação fornecida no site seja justamente a informação incorreta, não serão
aceitas erratas, conforme seção 9.3.
Contudo, apenas para os valores digitados no site, casos excepcionais poderão ser
aceitos, em que for constatado um erro de digitação (exemplo: peso vazio inserido em
gramas em vez de kg. Este é obviamente um erro de digitação, pois 3500,0g é um
valor razoável para um peso vazio, enquanto que 3500,0kg é um valor absurdo.

36 de 45
Obviamente a intenção era digitar 3,5000kg). Ainda assim, para casos de erro de
digitação, o valor somente será corrigido se puder ser rastreado o valor correto de
maneira bastante clara utilizando-se os demais documentos da equipe (planta). Não
serão considerados erros de digitação quando os valores errados forem próximos aos
valores corrigidos.
Ainda assim, para o caso de erros de digitação no site www.aeroct.com.br, uma
penalidade será aplicada conforme APÊNDICE 5 seção A.5.1.

9.5 Feedback sobre o Projeto por parte dos Juízes


Os projetos (plantas) não serão corrigidos, mas sim lidos, verificados, discutidos entre
os juízes e pontuados.
As notas dos juízes serão finais e não serão admitidas revisões.
O “feedback” em relação a cada projeto poderá, ser feito por meio de formas variadas,
como abaixo exemplificado:
 Análise pela equipe do desempenho obtido pelo avião nos testes e provas de
voo;
 Análise comparativa dos aviões de outras equipes e desempenho deles durante
a competição;
 Conversas com outras equipes;
 Após a competição, mediante divulgação das anotações feitas pelos juízes
durante avaliação das plantas.

37 de 45
38 de 45
APÊNDICE 1 Exemplo de Suporte de Carga e Carga
Outras peças, que não as placas de carga fazem parte do
suporte de carga (Ver Seção7.6.2)

Placas de Carga
(Ver Seção7.6.2)
Suporte de carga
(Ver Seção7.6.2)

(As dimensões mostradas abaixo são apenas ilustrativas)

Vista Superior Vista Isométrica

Porca
Barra roscada

Vista Frontal Vista Lateral

39 de 45
APÊNDICE 2 RESERVADO

40 de 45
APÊNDICE 3 Planta de Três Vistas
(Utilizar as dimensões no Sistema Internacional)

41 de 45
APÊNDICE 4 Termo de Responsabilidade
Nome da Equipe:________________________________Número da Equipe:________
Escola: _______________________________________________________________
Responsável da Escola:__________________________________________________
E-mail oficial: __________________________________________________________

TERMO DE RESPONSABILIDADE
Como responsável da Escola, EU certifico que os membros da equipe são estudantes
regulares do curso de Engenharia, Física ou Tecnologia relacionadas à “mobilidade”.
Atesto para os devidos fins que esta equipe concebeu, projetou e construiu um avião
rádio controlado, que será utilizado para a Competição SAE BRASIL AeroDesign 2016,
sem assistência direta de engenheiros, professores, aeromodelistas profissionais,
pilotos ou profissionais correlatos. Se este avião, ou partes deste, tiver competido
em anos anteriores, o Relatório do Projeto irá incluir documentação suficiente
para provar que este foi significativamente modificado caracterizando se,
portanto um projeto inédito.
Data: ____/____/____ _______________________________________________
Assinatura do Responsável da Escola

Equipe: ____________________________________________________________________________
Piloto: Nome __________________________ Assinatura __________________________
Capitão: 1) Nome __________________________ Assinatura __________________________
Membros: 2) Nome __________________________ Assinatura __________________________
3) Nome __________________________ Assinatura __________________________
4) Nome __________________________ Assinatura __________________________
5) Nome __________________________ Assinatura __________________________
6) Nome __________________________ Assinatura __________________________
7) Nome __________________________ Assinatura __________________________
8) Nome __________________________ Assinatura __________________________
9) Nome __________________________ Assinatura __________________________
10) Nome __________________________ Assinatura __________________________
11) Nome __________________________ Assinatura __________________________
12) Nome __________________________ Assinatura __________________________
13) Nome __________________________ Assinatura __________________________
14) Nome __________________________ Assinatura __________________________
15) Nome __________________________ Assinatura __________________________

42 de 45
APÊNDICE 5 Penalidades
As penalidades estão divididas por assunto:

A.5.1 Plantas e outros documentos – Envio


5 – Relatório e outros documentos – Envio

Descrição Penalidade
Atraso de entrega das Plantas de Projeto através do site
0,5 pontos por dia
Data máxima para envio sem penalidade: APÊNDICE 6 corrido (fracionados
Data máxima para recebimento (aceitação) do Relatório: APÊNDICE 6 pelo horário)

1 ponto por dia de


Atraso no envio do vídeo de voo completo da aeronave conforme Seção 7.9
atraso
Perda de direito aos
Falta das informações presentes no site www.aeroct.com.br, de forma que tais
bônus ou penalidade
informações não possam ser recuperadas por meio de outras fontes, como as
máxima associada à
Plantas.
informação faltante
Penalidade da ordem
de até 50% do bônus
Correção de valores relevantes que estejam incorretos no site www.aeroct.com.br
ou valor associado
por erro de digitação.
ao número que foi
digitado errado.

A.5.2 Plantas - Formatação


6 – Plantas – Formatação

Descrição Penalidade
3 pontos / planta
Excesso de plantas. Envio de planta extra, além da planta 3 vistas
excedente
Falta de uma planta – além de não ganhar os pontos relativos à avaliação da planta
10 pontos
faltante, a equipe ainda recebe esta penalidade

A.5.3 Itens Operacionais


3 – Itens Operacionais

Descrição Penalidade
Definida caso a
Alteração de projeto ou não concordância com o projeto (Planta de Projeto)
caso
Protestos infundados Max 25 pontos

43 de 45
3 – Itens Operacionais

Descrição Penalidade
Atitude não desportiva e/ou infração de regras de forma deliberada (má conduta
Desclassificação
comprovada).

Se necessário, penalidades não previstas acima serão determinadas conforme o caso.


A deliberação quanto a estas penalidades será de inteira responsabilidade dos
membros da Comissão Técnica (camisas amarelas). Somente estes podem atribuir
penalidades não previstas em Regulamento.

44 de 45
APÊNDICE 6 Datas e Documentos Importantes
Documento Quando deve ser entregue
Inscrição para o Torneio de Acesso. A descrição de cada fase é descrita
na seção 6.6.4 23/maio a 03/junho
Autorização para reutilização do avião (Seção 6.8.2) 01 de junho de 2016
Data máxima de envio
sem penalidade:
Postagem no site www.aeroct.com.br de:
05 de setembro de 2016
- Plantas (Seção 9.1)
Data máxima de envio
- Documentos requeridos na seção 6.8.2 (quando aplicável).
com penalidade:
26 de setembro de 2016.

Comprovante de matrícula no segundo semestre de 2016 e termo


Até 05 de setembro de 2016
explícito de participação.

Envio do termo de responsabilidade (APÊNDICE 4) no site


Até 26 de setembro de 2016
www.aeroct.com.br
Data máxima de envio
sem penalidade
03 de outubro de 2016
Vídeo de voo do Torneio de Acesso (seção 7.9)
Data máxima de envio
com penalidade
17 de outubro de 2016
Limite para envio de reclamações de erros de pontuação detectados na Até 5 dias após o
liberação da pontuação preliminar. encerramento da competição.
Até 10 dias após o
Publicação da pontuação oficial
encerramento da competição.
* A data da competição é preliminar, uma mensagem será enviada em momento oportuno confirmando
as datas definitivas da competição.

45 de 45

Você também pode gostar