Você está na página 1de 7

ÓRGÃO DELIBERATIVO DO SISMUMA – SISTEMA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, INTEGRANTE DO SISEMA – SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E DO SISNAMA – SISTEMA

NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

RECOMENDAÇÃO NORMATIVA Nº 0004/2014, de 15 de Abril de 2014.

Encaminha, esclarece e aconselha a


SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE
REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL NORTE DE MINAS
– SUPRAM-NM, com o fim de indicar,
padronizar e ou agilizar procedimentos
operacionais de licenciamento ambiental no
município de Jaíba/MG, e ou de cumprimento às
Leis e Deliberações legais das instâncias
competentes.
O Presidente do Conselho Municipal de Desenvolvimento Ambiental – CODEMA de Jaíba,
Estado de Minas Gerais, Ad Referendum deste na forma da Lei, no uso de suas atribuições legais,
tendo em vista o disposto na LEI MUNICIPAL Nº 654/2009, também o disposto na LEI MUNICIPAL
Nº 655/2009 e, principalmente, as determinações do DECRETO EXECUTIVO MUNICIPAL Nº 524
de 13/09/2011, que regulamenta a primeira;
CONSIDERANDO que o CODEMA de Jaíba é órgão regulador do SISMUMA - Sistema
Municipal de Meio Ambiente, integrante do SISEMA/MG - Sistema Estadual de Meio Ambiente
de Minas Gerais e do SISNAMA - Sistema Nacional de Meio Ambiente;
CONSIDERANDO que compete ao CODEMA o licenciamento ambiental de empreendimentos
que se utilizem de recursos ambientais e ou que sejam efetiva e ou potencialmente poluidores e
ou degradadores do meio ambiente, dentro dos limites do município de Jaíba/MG;
CONSIDERANDO que o CODEMA de Jaíba/MG é a instância de normatização e deliberação
da legislação ambiental municipal e que “Serão adotados no Município as normas e padrões de
emissão de poluentes e de qualidade ambiental estabelecidas para o Estado, respeitada a legislação
federal que regula a matéria e em situações que o CODEMA considerar necessário, este
estabelecerá para o Município, através de Deliberação Normativa, padrões mais restritivos (Lei
Municipal Nº 654/2009, Art. 26º [Grifo nosso]);
CONSIDERANDO, por fim, que o Pleno do CODEMA é fórum legítimo para normatizar suas
próprias ações, na forma que estabelece a legislação ambiental, especificamente:

1 - LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011. Art. 2o Para os fins desta


Lei Complementar, consideram-se: I - licenciamento ambiental: o procedimento
administrativo destinado a licenciar atividades ou empreendimentos utilizadores de
recursos ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores ou capazes, sob qualquer
forma, de causar degradação ambiental; Art. 9o - São ações administrativas dos
Municípios: I - executar e fazer cumprir, em âmbito municipal, as Políticas Nacional e
Estadual de Meio Ambiente e demais políticas nacionais e estaduais relacionadas à
proteção do meio ambiente; II - exercer a gestão dos recursos ambientais no âmbito de
suas atribuições; III - formular, executar e fazer cumprir a Política Municipal de Meio
Ambiente; XIII - exercer o controle e fiscalizar as atividades e empreendimentos cuja
atribuição para licenciar ou autorizar, ambientalmente, for cometida ao Município; XIV
- observadas as atribuições dos demais entes federativos previstas nesta Lei

AV. JOÃO TEIXEIRA FILHO, Nº 335 – CENTRO COMUNITÁRIO RIO VERDE – JAÍBA/MG – 39508-000
ÓRGÃO DELIBERATIVO DO SISMUMA – SISTEMA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, INTEGRANTE DO SISEMA – SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E DO SISNAMA – SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

Complementar, promover o licenciamento ambiental das atividades ou


empreendimentos: a) que causem ou possam causar impacto ambiental de âmbito local,
conforme tipologia definida pelos respectivos Conselhos Estaduais de Meio Ambiente,
considerados os critérios de porte, potencial poluidor e natureza da atividade; ou b)
localizados em unidades de conservação instituídas pelo Município, exceto em Áreas de
Proteção Ambiental (APAs); XV - observadas as atribuições dos demais entes federativos
previstas nesta Lei Complementar, aprovar: a) a supressão e o manejo de vegetação, de
florestas e formações sucessoras em florestas públicas municipais e unidades de
conservação instituídas pelo Município, exceto em Áreas de Proteção Ambiental (APAs);
e b) a supressão e o manejo de vegetação, de florestas e formações sucessoras em
empreendimentos licenciados ou autorizados, ambientalmente, pelo Município. Art.
15. Os entes federativos devem atuar em caráter supletivo nas ações administrativas de
licenciamento e na autorização ambiental, nas seguintes hipóteses: I - inexistindo órgão
ambiental capacitado ou conselho de meio ambiente no Estado ou no Distrito Federal, a
União deve desempenhar as ações administrativas estaduais ou distritais até a sua
criação; II - inexistindo órgão ambiental capacitado ou conselho de meio ambiente no
Município, o Estado deve desempenhar as ações administrativas municipais até a sua
criação; (Grifos nossos). E,

2 - DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 74, DE 09 DE SETEMBRO DE 2004. Art. 1º - Os


empreendimentos e atividades modificadoras do meio ambiente sujeitas ao licenciamento
ambiental no nível estadual são aqueles enquadrados nas classes 3, 4, 5 e 6, conforme a
lista constante no Anexo Único desta Deliberação Normativa, cujo potencial
poluidor/degradador geral é obtido após a conjugação dos potenciais impactos nos meios
físico, biótico e antrópico, ressalvado o disposto na Deliberação Normativa CERH n.º 07,
de 04 de novembro de 2002. Art. 4° - Os empreendimentos e atividades modificadoras
do meio ambiente não passíveis de licenciamento no nível estadual poderão ser
licenciados pelo município na forma em que dispuser sua legislação, ressalvados os de
competência do nível federal (Grifos nossos). E,

3 - RESOLUÇÃO CONAMA 237, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1997. Artigo 10 – O


procedimento de licenciamento ambiental obedecerá as seguintes etapas: §1o – No
procedimento de licenciamento ambiental deverá constar, obrigatoriamente, a certidão da
Prefeitura Municipal, declarando que o local e o tipo de empreendimento ou atividade
estão em conformidade com a legislação aplicável ao uso e ocupação do solo e, quando
for o caso, a Autorização para supressão de vegetação e a outorga para o uso da água,
emitidas pelos órgãos competentes. Artigo 12 – O órgão ambiental competente definirá,
se necessário, procedimentos específicos para as licenças ambientais, observadas a
natureza, características e peculiaridades da atividade ou empreendimento e, ainda, a
compatibilização do processo de licenciamento com as etapas de planejamento,
implantação e operação; §1o – Poderão ser estabelecidos procedimentos simplificados
para as atividades e empreendimentos de pequeno potencial de impacto ambiental, que
deverão ser aprovados pelos respectivos Conselhos de Meio Ambiente. §3o – Deverão
ser estabelecidos critérios para agilizar e simplificar os procedimentos de licenciamento
ambiental das atividades e empreendimentos que implementem planos e programas
2
ÓRGÃO DELIBERATIVO DO SISMUMA – SISTEMA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, INTEGRANTE DO SISEMA – SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E DO SISNAMA – SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

voluntários de gestão ambiental, visando a melhoria contínua e o aprimoramento do


desempenho ambiental. Artigo 20 – Os entes federados, para exercerem suas
competências licenciatórias, deverão ter implementados os Conselhos de Meio Ambiente,
com caráter deliberativo e participação social e, ainda, possuir em seus quadros ou a sua
disposição profissionais legalmente habilitados (Grifos nossos). E,

4 - LEI MUNICIPAL Nº 654 DE 19 DE OUTUBRO DE 2009. Art. 1.°- A Política Municipal


do Meio Ambiente, respeitadas as competências da União e do Estado, tem por objetivo
assegurar a todos os habitantes do Município um meio ambiente ecologicamente
equilibrado propiciando saúde e qualidade de vida aos habitantes de Jaíba. Art. 3º - O
Sistema Municipal de Meio Ambiente, integrante do Sistema Nacional de Meio Ambiente
– SISNAMA e do Sistema Estadual de Meio Ambiente - SISEMA, é constituído pelos
órgãos e entidades responsáveis pela proteção, conservação e melhoria do meio
ambiente, na forma e com as características que se seguem: I - como órgão
normativo, consultivo e deliberativo, o Conselho Municipal de Meio Ambiente -
CODEMA, com as finalidades precípuas de formular e propor ao Executivo Municipal
as diretrizes, normas e regulamentação da Política Municipal de Meio Ambiente, bem
como atuar nos processos de licenciamento e de sanção às condutas lesivas ao meio
ambiente, conforme previsto nesta Lei. Art. 4º - Compete ao CODEMA: XXlll - Apreciar
e deliberar sobre a emissão de Alvarás, Certidões de Localização ou Declaratórias de
que empreendimentos sabiamente poluidores, já implantados ou visando implantação,
estão conforme as leis e Regulamentos Municipais. Art. 7º - O CODEMA, no exercício
de sua competência de controle ambiental, expedirá as seguintes licenças: I - Licença
Prévia (LP), na fase preliminar do planejamento da atividade, contendo requisitos básicos
a serem atendidos nas fases de localização, instalação e operação, observados os planos
municipais, estaduais ou federais de uso do solo; II - Licença de Instalação (LI),
autorizando o início da implantação, de acordo com as especificações constantes do
Projeto Executivo aprovado; III - Licença de Operação (LO), autorizando, após as
verificações necessárias, o início da atividade licenciada e o funcionamento de seus
sistemas de controle ambiental, de acordo com o previsto nas Licenças Prévia e de
Instalação. Parágrafo único - O procedimento administrativo para a concessão e
renovação das licenças contidas no caput deste artigo será estabelecido em ato
normativo do CODEMA. Art. 8º - Os empreendimentos classificados como 1 e 2 segundo
a DN COPAM 74/2004, ou menores, poderão ser licenciados em uma única etapa, a
critério da Secretaria Municipal de Agricultura por meio da Gerência de Meio Ambiente,
com aprovação do CODEMA (Grifos nossos). E,

5 - DECRETO EXECUTIVO MUNICIPAL Nº 524 DE 13 DE SETEMBRO DE 2011


(REGULAMENTA A LEI MUNICIPAL Nº 654/2009). Art. 5º - As atribuições de
licenciamento ambiental serão exercidas pelo CODEMA, por intermédio da Secretaria
Municipal de Meio Ambiente, Turismo, Esporte, Lazer, Cultura e Comunicação -
SEMATELC. Art. 6º - Para o exercício da competência estabelecida no artigo anterior,
incluem-se nas atribuições de controle, preservação e melhoria do meio ambiente do
CODEMA, as seguintes: VIII – Analisar, orientar e licenciar no âmbito do município, a
implantação e a operação de atividade efetiva ou potencialmente poluidora ou
3
ÓRGÃO DELIBERATIVO DO SISMUMA – SISTEMA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, INTEGRANTE DO SISEMA – SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E DO SISNAMA – SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

degradadora do meio ambiente, determinando igualmente a relocalização, a suspensão ou


o encerramento dessas atividades, quando necessário; IX – Homologar acordos, visando
a transformação de penalidade pecuniária em obrigação de execução de medidas de
interesse de proteção ambiental, além das exigidas em lei; Art. 8º - A construção,
instalação, ampliação e funcionamento de estabelecimento que utilize recursos
ambientais, considerado efetiva ou potencialmente poluidor, bem assim o
empreendimento capaz, sob qualquer forma, de causar degradação ambiental, ficam
sujeitos ao licenciamento pelo CODEMA, por intermédio da Secretaria Municipal de
Meio Ambiente, Turismo, Esporte, Lazer, Cultura e Comunicação - SEMATELC, sem
prejuízo de outras licenças legalmente exigíveis. § 1º - Os órgãos e entidades da
administração municipal direta e indireta somente aprovarão projeto de implantação ou
ampliação de atividade efetiva ou potencialmente degradadora do meio ambiente após o
licenciamento a que se refere este artigo, sob pena de responsabilização administrativa
e nulidade de seus atos. Art. 9º - O CODEMA, no exercício de sua competência de
controle ambiental, expedirá as seguintes licenças: I – Licença Prévia (LP) ... II – Licença
de Instalação (LI) ... III – Licença de Operação (LO) ... V – As declarações de
conformidade exigidas no licenciamento ambiental no âmbito estadual. § 4º - As taxas
referentes ao Licenciamento serão definidas e corrigidas periodicamente pela Secretaria
Municipal de Meio Ambiente, Turismo, Esporte, Lazer, Cultura e Comunicação -
SEMATELC com aprovação do CODEMA. Art. 39º - Ao CODEMA compete baixar
deliberações aprovando instruções, normas e diretrizes e outros atos complementares
necessários ao funcionamento do sistema municipal de licenciamento ambiental e à
proteção, conservação e melhoria do meio ambiente. Parágrafo Único – As
deliberações do CODEMA constituem complemento deste Regulamento. Art. 40º - Os
casos omissos neste Regulamento serão resolvidos pelo Plenário do CODEMA; (Grifos
nossos). E,

6 - DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 0004/2013 DO CODEMA DE JAÍBA/MG. Art. 1º -


Esta Deliberação Normativa disciplina e regula a concessão do Licenciamento Ambiental
Simplificado no município de Jaíba e dá outras providências. Art. 2º - Estão sujeitos ao
Licenciamento Ambiental Simplificado os empreendimentos e atividades de pequeno
potencial de impacto poluidor, considerados, em função de sua natureza, pouco lesivos
ao Meio Ambiente. Art. 3º - A Licença Ambiental Simplificada será concedida pelo
presidente do CODEMA em etapa única. Art. 7º - Os empreendimentos e atividades
sujeitos ao Licenciamento Ambiental Simplificado já instalados e ou em funcionamento
serão regularizados mediante convocação do CODEMA, para Licenciamento Corretivo
com a assinatura do TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) entre o empreendedor e o
Conselho, contendo as normas e técnicas que tornarão o empreendimento
ecologicamente correto, dentro dos prazos estipulados. Art. 8º - O procedimento para a
concessão do Licenciamento Ambiental Simplificado e ou Declaratória de Conformidade
Legal no município de Jaíba fica assim estabelecido: I. Requerimento devidamente
protocolado e instruído com: A). Cópia dos documentos pessoais do Empreendedor (CPF
e RG) se Pessoa Física ou, se Pessoa Jurídica, cópia dos documentos da empresa (Atos
Constitutivos atualizados e com todas as alterações sofridas, Cartão CNPJ, Inscrição
Estadual, Inscrição Municipal, Alvará de Funcionamento) e cópias dos documentos
4
ÓRGÃO DELIBERATIVO DO SISMUMA – SISTEMA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, INTEGRANTE DO SISEMA – SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E DO SISNAMA – SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

pessoais dos Sócios (CPF e RG); B). Comprovantes de endereço do Empreendedor e do


Empreendimento; C). Documento que comprove a posse do imóvel, atualizado e com
firma reconhecida em Cartório ou, no caso de empreendimentos de Parcelamento do Solo,
Certidão de Inteiro Teor da Matrícula do imóvel, com data inferior a 01 (um) ano; D).
Certidão Negativa de Débitos municipais, com data inferior a 30 (trinta) dias; E).
Comprovante de pagamento da Taxa de Protocolo; F). Procuração do titular do
Empreendimento, caso o Requerente não seja o Empreendedor. II. Comprovante de
pagamento da Taxa de Vistoria; III. Comprovante de pagamento da Taxa de
Licenciamento Ambiental e ou Comprovante de pagamento da Taxa de Emissão de
Declaratória de Conformidade Legal e ou Comprovante de Isenção de Pagamento de
Taxas, na forma da Lei. § Terceiro - Poderão ser exigidos do Empreendedor os seguintes
Projetos e Laudos Técnicos, de acordo com o tipo de Empreendimento, a critério do
CODEMA ou de seu órgão executivo, sem prejuízo das exigências das legislações
estadual e federal: IV. Empreendimentos de Parcelamento do Solo: A). Levantamento
Planialtimétrico do Loteamento, com ART; B). Memorial descritivo do Empreendimento,
com ART; C). Decreto Municipal de aprovação do Empreendimento (exceto no caso de
emissão de Declaratória de Conformidade Legal); D). Certidão de Dispensa de
Licenciamento Estadual ou AAF (exceto no caso de emissão de Declaratória de
Conformidade Legal); E). Inventário Florestal com ART; F). Laudo de Supressão
Vegetal do Arruamento com ART; G). Projeto de Arborização das Ruas e Avenidas do
Loteamento (e se necessário das Áreas Verdes) com ART; H). Projeto de Pavimentação
das Vias Públicas com ART; I). Projeto de Distribuição de Energia Elétrica aprovado
pela CEMIG com ART; J). Projeto da Rede de Abastecimento de Água Potável e de Rede
de Esgotos, aprovado pela COPASA com ART; k). Projeto de Redes de Galerias de Águas
Pluviais, aprovado pela Prefeitura com ART; L). Anuência do Proprietário da área, caso
o mesmo não seja o Empreendedor; M). Laudo Biológico da área do Empreendimento
com ART; N). Laudo Hidrogeológico da área do Empreendimento com ART; O).
Cadastro Simplificado de Usuário de Água (caso o Empreendimento possua Poço
Tubular); P). RCA - Relatório de Controle Ambiental; Q). PCA - Plano de Controle
Ambiental; R). Cronograma de execução das Obras do Empreendimento. § Quarto – O
Órgão Executivo de Meio Ambiente e ou o CODEMA realizarão, quando necessário,
vistorias técnicas no empreendimento, a fim de melhor instruir o processo em andamento
e verificar sua conformidade com a Lei Municipal Nº 92/95, de Parcelamento do Solo, e
com o Plano Diretor de Jaíba. § Quinto – O Órgão Executivo de Meio Ambiente e ou o
CODEMA, em decorrência da vistoria mas não somente em virtude desta, poderão
requerer esclarecimentos, novos documentos e ou apresentação de novos estudos e
projetos, quando couber. § Sexto – Após devidamente instruído o Processo, o Órgão
Executivo de Meio Ambiente, e ou Técnico designado pelo CODEMA às expensas do
Empreendedor, procederá a Análise Prévia com Parecer Técnico Conclusivo, indicando
o deferimento ou indeferimento da Licença Ambiental Simplificada e ou da Declaratória
de Conformidade Legal, sugerindo medidas mitigadoras, compensatórias, condicionantes
e prazos. § Sétimo – O CODEMA acatará ou não o Parecer Técnico Conclusivo emitido
pelo seu Órgão Executivo e ou pelo Técnico designado, assim como sua sugestão de
medidas mitigadoras e ou compensatórias e ou condicionantes, podendo, às expensas do
Fundo Municipal Ambiental ou do Empreendedor, exigir novos pareceres técnicos, a fim
5
ÓRGÃO DELIBERATIVO DO SISMUMA – SISTEMA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, INTEGRANTE DO SISEMA – SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E DO SISNAMA – SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

de garantir uma decisão técnica que propicie efetivamente o desenvolvimento sustentável.


§ Oitavo - A critério do CODEMA, as exigências contidas no § Terceiro, acima,
integrarão Termo de Compromisso e ou Termo de Ajustamento de Conduta, assinado
pelo Empreendedor, com eficácia de título executivo extrajudicial, na forma do Art. 5º, §
6º da Lei 7.347/85, e sob as penas previstas no § 3º do Art. 19º, Inciso III, e Art. 21º,
Inciso III do Decreto Executivo Municipal nº 524/2011, com prazos definidos para
entrega de cada documento requerido. § Nono - Firmado o Termo de Compromisso e ou
Termo de Ajustamento de Conduta, será emitida a Licença Ambiental Simplificada ou a
Declaratória de Conformidade Legal, pelo presidente do CODEMA, e as medidas
mitigadoras e ou compensatórias e ou condicionantes que forem estabelecidas, se farão
constar na mesma. Art. 9º - As mesmas regras estabelecidas nesta Deliberação Normativa
para o Licenciamento Ambiental Simplificado, poderão ser aplicadas no Licenciamento
Ambiental Corretivo previsto no Art. 7º acima (Grifos nossos):

ESCLARECE, ACONSELHA E RECOMENDA:


1. Todo e qualquer empreendimento, efetiva e ou potencialmente causador de
poluição e ou degradação ambiental, dentro das fronteiras do município de
Jaíba/MG, instalado e ou em instalação na data de 19 de Outubro de 2009, e desde
esta data, terá que ser licenciado por este CODEMA;
2. Todo e qualquer documento, licença, certidão, declaração, de licenciamento
ambiental e ou de conformidade legal com as leis municipais, que NÃO tenha
sido emitido por este CODEMA, após a data de 19 de Outubro de 2009, é passível
de NULIDADE, assim como de RESPONSABILIZAÇÃO ADMINISTRATIVA
do órgão e ou da entidade e ou do Servidor que o emitiu;
3. Todos os documentos licenciatórios e ou autorizativos de intervenção no meio
ambiente dentro do território do município de Jaíba/MG, emitidos por órgãos
estaduais e ou federais, baseados em DECLARATÓRIA DE CONFORMIDADE LEGAL
da Prefeitura de Jaíba, fora do que determina a legislação ambiental municipal,
são passíveis de CONTESTAÇÃO ADMINISTRATIVA E OU JUDICIAL, por parte deste
CODEMA;
4. A AUTORIZAÇÃO AMBIENTAL DE FUNCIONAMENTO (AAF), emitida pelo Estado, é
instrumento legal autorizativo de âmbito estadual, requerido para a instauração de
Processo de Licenciamento Ambiental Municipal em Jaíba/MG, em
empreendimentos de Classes 1 e 2, e não Instrumento Licenciador destes, dentro
do território do município;
5. Compete, por força de Lei, ao município de Jaíba/MG, através deste CODEMA,
proceder o Licenciamento Ambiental de empreendimentos efetiva e ou
potencialmente poluidores e ou degradadores do meio ambiente, de Classes 1 e 2,
na forma da legislação competente, dentro dos limites de seu território;
6. No exercício dos poderes que as Leis supra citadas lhes conferem, o CODEMA
de Jaíba/MG e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Turismo, Esporte,
Lazer, Cultura e Comunicação – SEMATELC, da Prefeitura de Jaíba/MG, não
poderão se furtar à busca do entendimento e da conciliação, desde que se garanta

6
ÓRGÃO DELIBERATIVO DO SISMUMA – SISTEMA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, INTEGRANTE DO SISEMA – SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E DO SISNAMA – SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

o desenvolvimento municipal de forma equilibrada e sustentável, sem prejuízo da


efetiva garantia da qualidade de vida da população jaibense.
7. O CODEMA e a SEMATELC buscarão a efetivação de convênio, entre a
Prefeitura de Jaíba e o Governo do Estado de Minas Gerais, para fins de
Licenciamento Ambiental de empreendimentos locais enquadrados nas Classes 3,
4, 5 e 6.
É o que ESCLARECE, ACONSELHA E RECOMENDA.

PUBLIQUE-SE.
ENCAMINHE-SE.
CUMPRA-SE.

Jaíba/MG, 15 de Abril de 2014.

NEMÉSIO RODRIGUES COSTA FILHO


CONSELHEIRO DO CODEMA - PRESIDENTE