Você está na página 1de 130

Nº 1314 . 10/5 A 16/5/2018 . CONT. E ILHAS: €3,50 .

SEMANAL
A NEWSMAGAZINE MAIS LIDA DO PAÍS WWW.VISAO.PT

INVESTIGAÇÃO
MANUEL PINHO
VENDE CASAS
E OBRAS DE ARTE

SALVADOR LIVRO
“PREFERIA NÃO A MINHA
BREVE HISTÓRIA
IR À EUROVISÃO DE STEPHEN HAWKING
UM ANO DEPOIS, €4,99
(CONT.)

CONFESSO”

€2 000 €1 300 €710 €750 €650


GRANDE INQUÉRITO

QUANTO GANHAM
(MESMO)
OS PORTUGUESES
€1 820 €1 150

AS PROFISSÕES EM QUE SE RECEBE MAIS


QUANTO VALEM A ANTIGUIDADE E O GRAU DE FORMAÇÃO
AS REMUNERAÇÕES MÉDIAS POR DISTRITO
€3 071 €1 500

€580 €1 100 €2 500 €1 518 €1 290


VISÃO
10 MAIO 2018 / Nº 1314

10 Entrevista: Éric Vuillard

RADAR
14 Imagens da semana
22 Raios X
24 A semana em 7 pontos
RUI MINDERICO/LUSA

26 Holofote
28 Almanaque
30 Inbox
32 Transições
33 Próximos capítulos
68 Rebelde e fiel a si próprio
Não sabe brincar ao futebol nem admite que brinquem com
FOCAR o trabalho dele. E ai de quem beliscar a sua devoção ao profissionalismo.
74 Manuel Pinho: história Perfil de Sérgio Conceição, o treinador do campeão nacional
de uma coleção de arte
78 Igreja conservadora:
mulheres de calças?
36 A nova era dos homens fortes
Ambiciosos, megalómanos, demagogos, perigosos. Do czar Putin
80 Nova vaga do Simplex ao imperador Xi Jinping, passando pelo caudilho Nicolás Maduro,
os governantes adeptos da mão dura voltam a mandar
82 Fotografia inclusiva
84 Eleição da PME Líder
42 Salários à lupa
VAGAR Os ordenados marcam passo e, para muitos, a precariedade ainda
é a regra. A VISÃO traça a radiografia dos vencimentos dos portugueses
88 Salvador, um ano e ouve as suas histórias
depois da grande vitória
94 Pessoas
54 Sócrates, as ondas de choque
Muitos notáveis do PS apoiaram o antigo primeiro-ministro antes
VISÃO SETE e depois da detenção em Évora. E, agora, quem os apaga da fotografia?

60 Eu, fã incondicional, me confesso


Pelos caminhos dos admiradores da Eurovisão, descobrimos uma tribo
que segue apaixonadamente as emissões anuais do festival e que torce
pelo seu país como se de um clube desportivo se tratasse

97 Roteiro do Parque
Online W W W.V I S A O . P T
Últimos artigos na BOLSA DE ESPECIALISTAS VISÃO
das Nações, nos 20 anos
da Expo’98

OPINIÃO
6 António Lobo Antunes
8 Mafalda Anjos Sandra Duarte Tavares Hugo Rodrigues Margarida Vieitez
LINGUÍSTICA PORTUGUESA PEDIATRIA RELAÇÕES
34 Rita Rato A língua portuguesa Emergência com Narcisistas:
77 Pedro Norton é muito traiçoeira crianças – o que fazer? os 25 grupos de risco
96 Capicua
130 Ricardo Araújo Pereira Todos os dias, um novo texto assinado por um dos 28 especialistas convidados

10 MAIO 2018 VISÃO 3


LINHA DIRETA Correio do leitor
Radiografia aos nossos salários
A economia está a crescer como há muito não é visto, mas o mesmo não
se passa com os salários dos portugueses. Depois dos duros anos de crise,
o nível de remuneração até foi subindo, mas timidamente, e muitas vezes
ficou abaixo da inflação. Um fenómeno que não é exclusivo de Portugal,
embora por cá se apontem razões específicas: a maior parte do emprego
está a ser criada no turismo, que tem os salários mais baixos. Afinal, quanto
ganham os portugueses e quais as profissões com as melhores perspetivas
salariais para os próximos anos? Foi este o ponto de partida do tema de
capa desta edição, num dossier para o qual contribuíram dez jornalistas da
nossa Redação, de várias secções, e que inclui tabelas salariais por setores,
diferenças de remuneração por região do País, análise ao efeito da formação e
da antiguidade nas empresas, e ainda uma comparação com a média europeia.
As teias de interesses
Na página 42 e seguintes, poderá ainda encontrar a evolução dos rendimentos começam a ser
ao longo dos últimos cinco anos. Tudo isto acompanhado com retratos de
trabalhadores que aceitaram ser fotografados pela VISÃO e divulgar a sua
descobertas. E os jogos
atual renumeração mensal. No fim, o leitor terá uma radiografia dos salários escuros ficam claros
dos portugueses e das suas tendências futuras. Daniel Sousa, Amadora

O SACO DE PINHO
O tema de capa da VISÃO (1313)
chamou-nos a atenção dos que
têm acesso a um roteiro de alto luxo,
dos que vivem ostensiva
e principescamente.
Gustavo Reis, Ferragudo

(AINDA) O VISÃO FEST


A VISÃO só nos surpreende. Uma
conversa dos deuses, entre José
Tolentino Mendonça e António Lobo
Antunes, celebrativa dos
25 anos da nossa revista, realçou
a esperança e a redenção na
estrutura das suas identidades
biográficas (V1312). Eugénio de
Andrade foi recordado com ternura.
O autor de Coração Habitado
escreveu: “Com palavras amo.”

World Press Photo, no Hub Criativo do Beato


Ademar Costa, Póvoa de Varzim

CORREÇÕES
Até dia 20, é possível ver as melhores imagens de fotojornalismo do Na edição da semana passada
mundo em World Press Photo 2018, exposição trazida para Portugal pela (V1313), na abertura da revista, o
VISÃO, numa parceria com a GALP, e com o apoio da Câmara Municipal entrevistado estava mal identificado.
Tratava-se de Jorge Soares, diretor
de Lisboa. Continua também o programa paralelo organizado pela VISÃO:
do Programa Inovar em Saúde, da
já no próximo sábado, 12, às 16 horas, Luís Mileu, o fotógrafo do projeto Fundação Calouste Gulbenkian.
Futuros Presidentes, assegurará a talk da tarde e Diana Tinoco, da VISÃO, Ao próprio e aos leitores, as nossas
a partir das 17 horas, orientará o rally fotográfico pelo Hub Criativo desculpas.
do Beato (incrições no local). Toda a informação em visao.pt.
No artigo O mundo, esse lugar
terrivelmente maravilhoso (V1313),
Montra dizia-se que a fotografia vencedora
do 2º prémio do World Press Photo,
na categoria de Pessoas, tinha sido
AUTOBIOGRAFIA tirada no Zimbabué, mas na verdade
DE STEPHEN HAWKING foi captada em Zanzibar.
À venda, com esta edição da VISÃO, estará
Contactos
A Minha Breve História, de Stephen Hawking.
CORREIO: Rua Calvet de Magalhães, 242,
Trata--se de um livro autobiográfico através do
2770-022 Paço de Arcos
qual o cosmólogo britânico, falecido a 14 de março,
visao@visao.pt
passa em revista o seu próprio percurso: desde a
As cartas devem ter um máximo
sua infância, no pós-II Guerra Mundial, até aos anos
de 60 palavras e conter nome, morada
em que se tornou uma celebridade. A Minha Breve
e telefone. A revista reserva-se
História é uma edição da Gradiva, tem revisão
€4,99 o direito de selecionar os trechos
científica de Carlos Fiolhais e custa 4,99 euros.
que considerar mais importantes.

4 VISÃO 10 MAIO 2018


CRÓNICA

Embrulhem
e vão buscar
POR ANTÓNIO LOBO ANTUNES
ILUSTRAÇÃO: SUSA MONTEIRO

6 VISÃO 10 MAIO 2018


A
ndo às voltas com um livro dificílimo submisso, impossível e fácil. Era o que faltava que
de escrever, chamado “A Outra Margem Do me deixasse vencer. A única questão complicada
Mar”, tenho quatro capítulos mais ou menos é que é perigoso, não existe rede por baixo como têm os
10-05-18 09:01
alinhavados depois de não sei quantas trapezistas. Há uma semana ou duas aprendi num livro
versões e ainda não estou contente com elas, de filosofia quem inventou a rede para os artistas de
ou seja falta-me imenso texto e continuo circo e fiquei banzo, como vocês vão ficar quando
a fazer e a riscar, a fazer e a riscar, a fazer eu disser: foi o imperador Marco Aurélio. E esta?
e a riscar numa lentidão enervante, passo O imperador Marco Aurélio que tanto admiro. A certa
os dias sentado à mesa com isto, não sei altura informaram-no que dois ginastas tinham morrido
se vou ser capaz, penso, como os Marines e a ao caírem do trapézio
Tereza, que se fosse fácil não era para mim de modo que (já havia trapézios nesse tempo, o que eu nem
recomeço, e continuo, e teimo e não desisto. E no meio sonhava)
deste penar tenho que interromper uns dois dias por e Marco Aurélio, comovido, mandou que os artistas
mês a fim de botar cá fora estas prosinhas para a Visão passassem a trabalhar com uma rede por baixo,
(logo quatro) ordenando que lhes acrescentassem
que servem para me complicar o colchões na ideia de diminuir
regresso ao romance, que espera aqui Apesar da angústia ainda mais os riscos. Quando
na mesa amuado comigo, decidido
a dar-me cabo da cabeça quando
que traz consigo há aperfeiçoaram a eficácia das redes
os colchões desapareceram. As redes
voltar a ele. Se me perguntarem que não sei quê ficaram, claro, até hoje. Desde que
raio de coisa ando a compor lembro-
-me logo da senhora que falava aos
de divertidamente aprendi isto penso sempre nele ao
começar a escrever: já não corro
amigos de uma estátua que vira apaixonante na o risco de quebrar a espinha. Há
em Itália, alguém quis saber se era composição de um uma obra muito curiosa, chamada
equestre, ela pensou no assunto, disse
– Assim assim
livro. Escreve-se numa The Last Word, um best-seller que é
uma seleção dos obituários do New
e Cocteau achava que nunca espécie de estado York Times. Não são artigos tristes,
ninguém tinha definido tão bem
o centauro. Quanto ao livro lá vai
segundo, a flutuar, são celebrações da vida, da mesma
forma que não são sobre pessoas
avançando em passitos minúsculos, tudo é ao mesmo famosas, são sobre as criaturas
um quarto de página por dia já não tempo denso e leve, que quase ninguém conhece e
é mau, os húngaros têm uma frase
engraçada a respeito disto
resistente e submisso, mudaram a nossa vida. Por exemplo
o sujeito que inventou que a água
(“qualquer bocadito acrescenta, impossível e fácil. sai quente puxando o manípulo
declarou o rato, e fez chichi no mar”)
de modo que lá vou caminhando
Era o que faltava que para um lado e fria puxando para o
outro, ou o senhor que descobriu os
de mijinha em mijinha, na esperança me deixasse vencer. pacotinhos de chá, o que inventou
que estas gotas se transformem em A única questão o guardanapo, que Leonardo da
ondas, a avançarem e a recuarem
no papel, como esses velhos sentados
complicada é que Vinci aperfeiçoou bastante como
aperfeiçoou quase tudo, ou o
nas praças das aldeias a esfregarem é perigoso, não existe caramelo que nos deu o nylon e tão
as palmas nos joelhos das calças.
Estou para aqui a queixar-me
rede por baixo como combatido foi, ou o deus que trouxe
a esferográfica, ou a senhora que
mas não trocava este trabalho por têm os trapezistas concebeu as pipocas, ou seja dúzias
nenhum outro: tudo começa, muito e dúzias de anjos desconhecidos,
devagarinho, a palpitar de vida de quem dependemos tanto. E cada
e eu, ao mesmo tempo fora e dentro da página, avanço obituário, em lugar de cinzento e lamentoso é uma festa
como posso, a dançar, a dançar. Ainda por cima está sol, de alegria. O miúdo que aos dezassete anos fez o Super
vejo as gaivotas na janela, vejo o lado oposto do rio, Homem. Ou a senhora dos quadradinhos de marmelada.
vejo o bico da esferográfica a comer papel, vejo Centenas de sobredotados tratados com respeito,
as folhas do bloco que se vão enchendo de palavras por carinho, admiração e humor. Não percebo o motivo de
enquanto trémulas, inseguras, apoiadas em bengalas de nenhum editor português ter publicado este campeão
consoantes que vacilam. Que trabalho mais fascinante de vendas. Não querem ficar ricos, os idiotas, ainda por
este, assistir ao nascimento de sei lá o quê que não cima com uma obra espantosa, divertida, apaixonante.
entendo bem de onde vem, de uma zona minha cheia Preferem o lixo: é lá com eles. Na contracapa tem
de trevas mas com um riso de criança lá dentro. apreciações críticas excelentes. Uma conhecida
Apesar da angústia que traz consigo há não sei quê de romancista americana, por exemplo, diz mais ou menos:
divertidamente apaixonante na composição de um livro. “estes obituários são magníficos: mal posso esperar para
Escreve-se numa espécie de estado segundo, a flutuar, ler o meu”. Os portugueses são estúpidos, não é? Não
tudo é ao mesmo tempo denso e leve, resistente e merecem, não é? Vão à merda. visao@visao.pt

10 MAIO 2018 VISÃO 7


OPINIÃO
HISTÓRIAS
DA CAPA
Até que enfim

P O R M A F A L D A A N J O S / Diretora
1

U
m amigo que trabalhou anos a da política, mais do que ao nível da Justi-
atender ao público costuma dizer ça. Aconteça o que acontecer ao processo
que o pior que lhe podia acontecer judicial, incluindo uma absolvição por falta
num dia de enchente era aparecer de prova, de uma coisa o ex-primeiro-mi-
no balcão o que ele chamava “agita- nistro, o PS e a democracia portuguesa não
dor de fila”. Aquela pessoa que, des- se poderão livrar: do juízo fatal de ter tido
contente por estar à espera ou por um dirigente que viveu por vários anos às
ser mal atendida, começa a mostrar custas de um amigo empresário, que recebia
a sua indignação e a falar a quem está ao seu molhos de notas às escondidas e que men-
lado, sem escandaleiras nem berros. Num tiu aos portugueses em diversas vezes sobre Temos para capa
ápice, a indignação generalizava-se, conta- a sua condição e fortuna. E só isso bastaria um tema sobre
quanto ganham,
minando todos à sua volta e era impossível para que, há muito tempo, o partido e as
afinal, os
de conter o rol de reclamações gerais. pessoas de bem à sua volta se tivessem de-
portugueses.
O PS e os velhos amigos de Sócrates só marcado dele. Não há decisão judicial, mas Vamos pegar num
precisavam de um destes agitadores de fila não estamos longe da desonra democrática caso real
para, num ápice, poderem fazer aquilo por a que se referiu António Costa.
que há muito esperavam: demarcarem-se, Se todos estes indignados pós-Socráticos
finalmente, do ex-primeiro-ministro. Uma eram só, afinal, crédulos, tontos ou verda-
vez aceso, o rastilho rapida- deiramente ignorantes das 2
mente pegou fogo e fez explo-
dir a bolha de silêncio, azia e
Finalmente, relações suspeitas, dificil-
mente se saberá. Judicial-
acrimónia. Em duas semanas, a discussão mente, essas responsabi-
José Sócrates passou de incó- pública em lidades deverão ser-lhes
modo assunto tabu “da ordem torno de assacadas caso se provar que
da Justiça” a uma espécie de foram cúmplices. Já moral e
cão sarnento de quem todos se Sócrates está politicamente nada nos im-
querem afastar. A sobrevivên- onde deve pede de julgar se é aceitável
cia política e a lavagem de ima- estar: na ordem que tenham ignorado aquilo
gem pública são feitas destes que, em princípio, estariam
momentos embaraçosos para da moral e da obrigados a saber ou seria Mas melhor
todos os intervenientes. política, mais expectável que soubes- do que um são
Surgiram as mais variadas do que ao nível sem. Esta meada em torno vários casos reais,
explicações para o fenómeno: de José Sócrates, Ricardo
uns garantiram que a gota de
da Justiça Salgado e outros ex-Donos
temos cerca
de duas dezenas
água foi a descoberta de mais Disto Tudo parece ter um de situações
um elo que fecha o círculo desta alegada fio interminável, e é bom que não se pare de identificadas
corrente de corrupção política e económica puxá-lo. Custe a quem custar.
– a história de Manuel Pinho e das trans- Lembremo-nos disto quando em breve
ferências que terá recebido; outros dizem for discutida no Parlamento a lei que vem
que foi toda uma estratégia de comunica- regulamentar a legislação comunitária sobre 3
ção montada por António Costa para livrar a proteção de dados, que entra em vigor no
o partido deste lixo tóxico e preparar as fim do mês. Nos moldes como está dese-
próximas eleições legislativas. Outros ainda nhada (espera-se que impere o bom senso
acham que a fome se juntou à vontade de e seja alterada), os jornalistas não pode-
comer: a estratégia de defesa parece tão rão escrever sobre pessoas envolvidas em
inquinada que não há defesa possível (até o processos judiciais, a menos que tenham a
advogado João Araújo saiu do processo em autorização dos próprias. Se já estivesse em
abril) e, por isso, mais vale saltar do barco já vigor, estaríamos, pois, anos sem conhecer
para não ir ao fundo com ele. nada acerca dos “financiadores” de José Só-
Pouco importa, na verdade, qual a expli- crates e das suas “amizades”, até à existência
cação para o timing deste afastamento ao de uma acusação formal. Mas contá-lo não Uma solução
pontapé do “cão sarnento”. Finalmente, a só é a obrigação profissional de quem tem deste tipo pode
discussão pública em torno de José Sócrates de se pautar pelo interesse público como funcionar. Vamos
está onde deve estar: na ordem da moral e também é um dever moral. manjos@visao.pt por aqui...

8 VISÃO 10 MAIO 2018


O ROSTO DO TEMPO. DESDE 1868.
A CELEBR AR OS 150 ANOS DA IWC SCHAFFHAUSEN.

Grande Relógio Aviador Calendário a 150 relógios. Elegância intemporal e precisão


Anual Edição “150 Years” Ref. 5027: Para co- suprema na sua máxima expressão. Na verdade,
memorar este aniversário da IWC, apresentamos exatamente aquilo que temos feito nos últimos
a coleção especial Jubilee com apontamentos de 150 anos. IWC. ENGINEERED FOR MEN.*
design comuns que percorrem os seus modelos,
*IWC. Concebido para homens.

todos apresentam mostradores azuis ou brancos. Edição limitada a 150 relógios · Movimento mecânico ·
Estão revestidos com doze camadas de verniz da Corda automática Pellaton · Calibre manufaturado IWC
52850 · reserva de marcha para 7 dias depois da corda
máxima qualidade que evocam os mostradores de
completa · Indicação da reserva de marcha · Calendário
esmalte de outros tempos. O Grande Relógio anual · Massa oscilante com medalhão de aniversário em
Aviador Calendário Anual com caixa de aço inoxi- ouro de 18 quilates · Coroa de rosca · Fixação segura do
vidro em caso de despressurização · Fundo transparente
dável e mostrador azul – o único modelo da cole-
com vidro safira · Resistente à água 6 bar ·
ção com calendário anual – é uma edição limitada Diâmetro 46,2 mm · Aço inoxidável

Amoreiras Shopping Center, 213 827 440 · NorteShopping, 229 559 720 · CascaiShopping, 214 607 060 · Centro Colombo, 217 122 595 · Av. da Liberdade, 129, 213 430 076
Éric Vuillard Escritor

A maior dificuldade, hoje,


talvez seja a de libertarmo-nos
de um discurso único,
o económico, que se tornou
a cantiga moderna. Quem diria
que seria a China a defender
o comércio livre face aos EUA?!
LUÍS RICARDO DUARTE ERIC FOUGERE/GETTYIMAGES

10 VISÃO 10 MAIO 2018


P
Poucos dias antes da atribuição do
prémio literário mais importante de
França, o Goncourt, ao livro A Ordem
do Dia, correu o boato de que muitos
livreiros estariam descontentes com
essa possibilidade, dado o livro custar
apenas €16 (€13,90 em Portugal, na
edição da D. Quixote). O caso, nunca
confirmado nem desmentido, provoca
Fica surpreendido com esses
resultados?
Completamente. O cenário em
França e na Europa é muito
diferente. A nossa cultura ficou
muito marcada pelo Holocausto,
com imensos livros e filmes, alguns
integrados nos programas escolares.
Claro que o conhecimento do
passado, e também da Segunda
Guerra Mundial, é reconfigurado a
cada geração.
Em que sentido?
Com o passar do tempo surgiram
mais testemunhos, foi possível
ter uma noção concreta do que
aconteceu. Além disso, cada tempo
tem a sua ideologia, a sua conjuntura,
o que influencia a maneira como
vemos o passado e determina o que
valorizamos. Ninguém faz nada,
hoje em dia, ao nível da criação e do
pensamento, sobretudo na Europa,
noutra. Hoje, ninguém sabe o que vai
acontecer nos próximos dez anos.
Vemos formas autoritárias a emergir
por todo o lado e uma intensificação
das desigualdades sociais entre
continentes, Estados e classes sociais.
No período que mediou as duas
guerras mundiais não foi assim.
Mas ninguém foi capaz de prever
o que aconteceu...
Num certo sentido, ninguém foi.
Porém, quando se viam grupos
armados na rua, era possível intuir o
que ia acontecer: um golpe de Estado.
E, ao dar-se um em Itália, era possível
prever outro na Alemanha. Nada disso
se vê hoje. A incerteza é maior, porque
as causas que levam a determinadas
consequências estão escondidas.
Até algumas decisões de grande
importância se tornaram invisíveis.
Marcaram-me muito os comentários
de Yanis Varoufakis quando era
um sorriso no laureado, Éric Vuillard, sem ter o Holocausto no horizonte, ministro das Finanças da Grécia.
50 anos, uma das mais singulares mesmo que isso seja inconsciente. Sobre a opacidade da Europa?
vozes francesas da atualidade. “Voilà, No seu livro chega a falar Mais: sobre a proibição de se tomar
fake news...”, diz a brincar. Não numa falsa consciência. notas nas reuniões. “Salvar a Grécia”
frequenta as redes sociais, mas está É um tema central. A negação ou o era uma expressão consagrada e à
a par da desinformação de que tanto falso conhecimento. De que forma conta dela não se podia contestar
se fala. Para ele, no entanto, o grande esta se manifesta em nós, enquanto nada. Do que lá se passou não haverá
exemplo das “fake news do século” é a indivíduos e coletivo, a ignorância rasto. Se não podemos tomar nota
invasão do Iraque; um político, George de alguma coisa que devíamos ou ninguém redige tudo o que se
W. Bush, a dizer que existem armas saber ou ter sabido? O que sabiam disse numa comissão, como é norma
que não existem. São essas encenações os franceses, durante a ocupação, nos parlamentos, não podemos
que lhe interessam e que ele tenta sobre as deportações para os campos confiar no que se diz à saída. Somos
recriar nos seus livros: a social e a de concentração? Esta pergunta contemporâneos de instituições que
cultural, e, sobretudo, a económica determina todas as outras. Quando tomam decisões que não podem ser
e a política. Já o fez a propósito da não enfrentada, pode levar a uma falsa escrutinadas.
Revolução Francesa, da questão consciência. Temos falado de temas atuais
colonial, do genocídio dos índios E tornar-se um tema esquecido? e históricos que também são
americanos e da Primeira Guerra Não diria esquecido, porque é assunto abordados no seu livro. Por que
Mundial. muito estudado. Mas escrever livros razão os tratou ficcionalmente
Volta, agora, a essas encenações ou ensaios sobre este assunto, ou e não num ensaio?
a propósito da Segunda Guerra outro, nunca tem nada de neutro. No sentido mais corrente, o meu livro
Mundial. A Ordem do Dia, Prémio Imagino que não se escreva da mesma não é de ficção. Chamam-lhe uma
Goncourt e sucesso de vendas em forma em Portugal desde a crise “narrativa”. Não inventei personagens
França, é um espantoso fresco sobre económica, que foi muito mais dura nem acontecimentos. Mesmo as
os antecedentes daquele conflito: do que noutros países europeus. palavras de Hitler são retiradas das
jogos de bastidores, pactos entre Certamente que os leitores criaram memórias de quem se cruzou com ele.
empresários e ditadores, planos uma nova relação com os livros, No entanto, acredito que a verdade
megalómanos e nunca concretizados; mudando talvez os seus interesses e tem sempre uma estrutura ficcional,
e, ainda, as muitas danças sociais a perceção que tinham do país e da de montagem e de composição.
entre um mundo antigo e aristocrático atualidade. Eu próprio, ao escrever É uma construção?
e uma nova desordem liderada por este livro, não fui indiferente ao tempo Não nesse sentido pejorativo.
demagogos e gangsters. De Paris, ao em que estamos a viver. A ficção é intrínseca ao Saber.
telefone, Éric Vuillard revela à VISÃO Vê paralelismos entre a atualidade Os acontecimentos que descrevo,
a “verdade” que encontrou, através e a Segunda Guerra Mundial? e que são anteriores ao início da
da ficção, sobre o que nos levou à Vejo este meu interesse pela Segunda Guerra Mundial, adquirem
Segunda Guerra Mundial. Segunda Guerra Mundial como um no seu conjunto um significado maior,
Um estudo recente de uma sintoma do nosso tempo, das nossas exterior ao livro. É a montagem
associação judia concluiu que preocupações, mas não cheguei que cria o efeito de ficção e está
muitos jovens norte-americanos a conclusões. Em cada época, o profundamente ligada à busca da
não sabem o que foi o Holocausto. futuro é incerto, numa mais do que verdade que sempre move a literatura.

10 MAIO 2018 VISÃO 11


Um exemplo no livro que pode
ilustrar esse efeito?
Tenho consciência Os nazis eram uma amálgama
de antigos políticos, de fervorosos
Não contar as atrocidades cometidas política há pelo prussianos e de gangsters.
nos campos de concentração teve dois
efeitos. O primeiro foi o de libertar-
menos 30 anos. Quando esse grupo tão diverso se
confrontou com o Velho Mundo,
me da falsidade da testemunha: Desde então, só aristocrata, o que aconteceu?
nasci depois da Segunda Guerra
Mundial, não sou filho ou neto de
tenho visto, sob Os primeiros ganharam e os segundos,
que fizeram frente a comunistas, sin-
um sobrevivente. Falar como se a proteção da lei, dicatos e outras organizações, cede-
tivesse conhecimento direto seria
indecente. Não nos podemos apropriar
crescer a ram. O I Conde de Halifax, que liderou
os negócios estrangeiros do Reino
da dor dos outros. O segundo foi o desigualdade Unido, confundiu Hitler com um em-
de poder tratar o assunto de outra
forma. No penúltimo capítulo cito
e a autoridade. pregado, quando este lhe abriu a porta
do carro. Calças e sapatos daqueles só
quatro necrologias de judeus que se A segurança podiam ser de um campónio, pensou.
suicidaram. O jornalista que as assina
diz que se ignoravam os motivos dos
sobrepõe-se A sua cegueira era social.
Na ocupação da Áustria, sobressaem
seus atos. à liberdade. ainda a manipulação de líderes fracos,
Uma frase feita.
E uma falsidade. Todos conheciam
O que mais conta a diplomacia enganosa e a realidade
longe dos planos megalómanos. Com
a perseguição aos judeus. Ao falar é a eficácia as devidas diferenças, parece que
desses suicídios já estou a falar estamos a comentar... o presente.
do Holocausto que, na verdade, Vivemos tempos estranhos?
começa aí. Estou a colar, em alguns Todas as épocas são perigosas.
casos apenas a sugerir, as causas e Apesar das atrocidades que A maior dificuldade, hoje, talvez seja
as consequências. Isso permite-me cometeram, dos trabalhos forçados a de libertarmo-nos de um discurso
sublinhar que na História existem fios. de que beneficiaram, das magras único, o económico, que se tornou a
Podemos seguir uns ou outros. E isso indemnizações que pagaram, os cantiga moderna. Quem diria que seria
é ficção. Uma ficção que estrutura a produtos dessas grandes empresas a China a defender o comércio livre
minha relação com a verdade. continuam à venda. O que podemos face aos EUA? Isso, sim, parece-me
A ficção toca o coração do leitor? fazer? problemático.
Sem uma tonalidade afetiva não há Às vezes mais, outras menos. E políticos imprevisíveis,
literatura. Até um escritor como As determinações sociais, como como Trump?
Flaubert, aparentemente neutro, se sabemos, são muito potentes. Definem- É preciso desconfiar da
revela extremamente irónico nesse -nos. Felizmente, há quem consiga imprevisibilidade. Hitler, por exemplo,
distanciamento. A forma como se libertar-se e desobedecer à ideologia foi muito previsível na sua ação, mas
escreve é tão importante como a da sua classe ou do seu tempo. a elite, com algumas exceções, não
investigação que se faz. Pelos tons da Quanto aos produtos, não deixa de antecipou a ameaça. Devemos temer
escrita, as personagens tornam-se ser curioso sermos representados por tanto uns quanto outros. As políticas
verdadeiras, e o leitor sente o livro. marcas. Já não somos artesanais, mas atuais são perfeitamente previsíveis,
Como chegou à sequência inicial estandardizados. O mundo económico por exemplo. Em França, vota-se à
dos 24 empresários que se reúnem paga-nos, mas também nos vende. direita, ao centro ou à esquerda, e o
com Hitler e acabam por financiar A ocupação da Áustria é central resultado é o mesmo. As variações são
a campanha eleitoral de 1933? no seu livro. Que significado tem ridículas. É como se uma corrente mais
Essa sequência é um bom exemplo de na sua procura de uma verdade forte passasse por cima de todas as
como escrever indica caminhos. No superior aos factos? alternativas. Tenho consciência política
início, queria mostrar o meu choque É o primeiro grande momento da há pelo menos 30 anos. Desde então,
com essa colaboração tão precoce expansão nazi. Pode ser resumida em só tenho visto, sob a proteção da lei,
dos empresários. Escrevi-a a frio, no três frases: as autoridades foram pres- crescer a desigualdade e a autoridade.
registo da surpresa. O bom da escrita sionadas; depois vieram os ultimatos; A segurança sobrepõe-se à liberdade.
é que te diz quando não funciona. finalmente a Áustria foi ocupada sem O que mais conta é a eficácia.
Como? resistência. Se tivermos três pará- Nasceu em maio de 1968. Antecipa
Começamos a ouvir um ruído grafos, como nos manuais escolares, uma revolução?
desagradável, de panelas a bater ou podemos dar o contexto. E se tivermos Apenas sei que vivemos num mundo
de papel amachucado, o que significa ainda mas espaço, conseguimos sur- que se apresenta como definitivo.
que nos enganámos. Deitei tudo fora e preender o balbuciar da História. E isso não existe, como a História nos
recomecei. Pois, o que surpreende na O balbuciar da História? ensina. Os povos levantarem-se contra
vassalagem daquele poder económico Não podemos cair em discursos as desigualdades, isso parece-me uma
é, precisamente, não ser uma surpresa. grandiosos ou mitificados. A Áus- inevitabilidade. Será amanhã? Daqui
É banal e constante. Todos os patrões tria também tinha o seu ditador. a dez ou a 100 anos? Não sei. Mas as
pactuaram e continuam a pactuar com A diferença é que, ao contrário revoluções surgem regularmente. Será
ditaduras. E, quando há embargos, de Hitler, pertencia a uma classe diferente no futuro? Não vejo quem
encontram vias para os contornar. social elevada. possa afirmá-lo. rduarte@trustinnews.pt

12 VISÃO 10 MAIO 2018


NOVO RANGE ROVER VELAR

OIÇA OS
SEUS INSTINTOS

G A R A N T I A
A N O S

OU 100.000 QUILÓMETROS

Algumas pessoas preferem ouvir a cabeça, outras o coração. Mas olhe


para esta silhueta imponente. Depois pense na capacidade lendária
da Land Rover, de chegar a qualquer lugar. Com o Novo Range Rover
Velar, podemos dar-nos ao luxo de ouvir os dois.

Gama Novo Range Rover Velar: consumo combinado 5,4-9,4 l/100 km, emissões de CO2 142-214 g/km.
RADAR

> Contestação azul


Anunciaram um protesto,
todas as sextas-feiras, contra
a ocupação israelita – já vai na
sexta semana consecutiva –,
mas não se pode dizer que
os palestinianos não têm
imaginação. Em tempos,
vestiram-se de pais natais.
Agora, socorreram-se do
imaginário de Avatar, a última
das aventuras de James
Cameron na ficção científica,
e apareceram de azul. Tal
qual os Nav'i – povo nativo
do planeta Pandora e que,
se calhar pela cor, parecia
primitivo, mas era altamente
evoluído – que enfrentaram
os invasores terráqueos com
pedras e facas. A Grande
Marcha do Regresso, como
é conhecido este protesto
semanal, decorre na fronteira
da Faixa de Gaza com Israel
e acabará supostamente a
15 de maio, dia que marca
a expulsão de milhares de
palestinianos no conflito que
levou à criação de Israel,
em 1948, e que, obviamente
por isso, é por ali apelidado
nakba, que é como quem diz
“catástrofe”, em árabe.

Foto: Said Khatib/AFP/Getty Images

14 VISÃO 10 MAIO 2018


10 MAIO 2018 VISÃO 15
> Há lugar para todos
O Hezbollah venceu
categoricamente as eleições
realizadas no Líbano, a 6 de
maio, e a festa fez-se de forma
efusiva nas ruas de Beirute.
O movimento xiita, apoiado
pelo Irão, terá roubado um
terço dos votos à aliança
sunita Futuro, liderada pelo
atual primeiro-ministro.
Apesar da derrota, Saad
Hariri deverá permanecer
no cargo, uma vez que
vigora há mais de meio
século um acordo informal,
definindo que a presidência
da República é entregue a
um cristão maronita, que o
primeiro-ministro tem de ser
um sunita e que o Presidente
do Parlamento será um xiita.
Também os 128 lugares do
Parlamento são divididos por
quotas religiosas, quaisquer
que sejam os resultados:
64 lugares para muçulmanos
e 64 para cristãos. Depois, ali
se encaixam as 18 religiões
reconhecidas, dos bahá'ís aos
drusos. Ao Hezbollah, esta
maioria interessa, sobretudo,
pelas pastas que poderá
reclamar no Governo.
O Líbano vive uma grave
crise económica e é já o país
com a maior percentagem de
refugiados do mundo (25%),
com a entrada de um milhão
de sírios nos últimos cinco
anos.

Foto: Joseph Eid/AFP/Getty Images

16 VISÃO 10 MAIO 2018


10 MAIO 2018 VISÃO 17
18 VISÃO 10 MAIO 2018
> Descarga de lava
Já destruiu dezenas de casas,
engoliu carros e até boa
parte da floresta, depois de
milhares de pessoas terem sido
retiradas das suas habitações.
Desde que o vulcão Kilauea
entrou em erupção, no dia 3,
sucedem-se as fissuras no solo
da Big Island, a maior das ilhas
havaianas. A lava tem descido
lentamente, mas com uma força
incontrolável, incinerando,
literalmente, o que encontra pelo
caminho, descrevem os locais às
agências internacionais.
O Hawai é um arquipélago
formado por vulcões, e o Kilauea
é um dos mais ativos do mundo.
Quando não há risco, é uma fonte
de lucro para a região: milhares
de turistas visitam as crateras
e os rios de lava todos os anos.
Kilauea significa “cuspindo”,
ou então “espalhando”, em
referência às suas recorrentes
descargas de lava.

Foto: USGS/Anadolu Agency/Getty Images

10 MAIO 2018 VISÃO 19


INVESTIGAÇÃO, REPORTAGENS, NOTÍCIAS,
ENTREVISTAS COM OS MELHORES ESPECIALISTAS, DICAS E SUGESTÕES
A NOVA REVISTA
PARA QUEM SE INTERESSA POR SAÚDE

PRIMEIRA EDIÇÃO DIA 19 DE MAIO_


PARA ASSINAR LIGUE 21 870 50 50_
DIAS ÚTEIS, DAS 9H ÀS 19H
RAIOS X

ETA, o mito do terror Após meio século de violência, o grupo


que tentou impor pela força uma pátria
basca dissolveu-se sem pedir perdão

F I L I P E F I A L H O ffialho@visao.pt

Explicação final 93%


A ETA não deixou Militantes
de matar por da ETA (997
iniciativa própria. indivíduos) que
O seu fim deve-se à apoiaram o fim A ETA jamais ficará impune pelos
pressão das forças da organização, seus crimes. Não lhe devemos
de segurança numa votação nada e não temos nada de
e da sociedade supostamente agradecer-lhe”, Mariano Rajoy,
espanholas. organizada nos primeiro-ministro espanhol
A democracia últimos meses

3 645 171
derrotou o
terrorismo
23%
Habitantes do
224 País Basco que
defendem a
Visitantes que o País Basco
recebeu em 2017, um recorde
Atentados que que pode ser batido novamente
independência da neste ano. San Sebastian é o
continuam por
região, segundo a símbolo da nova era de paz na
esclarecer e
Universidade de região. A cidade foi palco de 94
cujos autores
Deusto, em Bilbau. atentados da ETA, mas agora
permanecem
Um valor que tem vive um boom turístico sem
impunes
baixado nos últimos precedentes
anos

854
Número oficial de
282
Etarras detidos e
vítimas mortais da condenados em
ETA, desde a sua Espanha (224) e
fundação, a 31 de França (58), incluindo boa
julho de 1959, até parte dos dirigentes históricos.
ao anúncio da sua É o caso de María Soledad
dissolução, a 3 de Iparraguirre, vulgo Anboto,
maio de 2018 a quem já chamaram Rainha da
Morte devido à sua participação
em 14 homicídios

HOMICÍDIOS 29%
HOMICÍDIOS
POR ANO 86
93
População basca que
identificava o terrorismo como a
POR ANO 65
sua principal preocupação, em
2002. Agora só 1% diz o mesmo

46
41 44 38 41 41
32 32
25 26 23
18 17 18 20 19
12 14 13 15 13 15
2 1 1 6 5 6 5 3 2 2 4 3 1
2000

2004

2006

2009
2005

2008
2003
2002

2007
1990
1980
1969

1994

1996

1999
1968

1984

1986

1989

1995

1998

2001

2010
1985

1988

1993
1970

1983

1992
1976

1979

1982

1997
1975

1978

1987
1973
1972

1977
1974

1991
1981
1971

22 VISÃO 10 MAIO 2018


Silicon Valley Sede da Apple,
em Cupertino

7
PONTOS DA SEMANA

POR
RUI TAVARES GUEDES*
D.R.

UMA LIÇÃO CALIFORNIANA


Se fosse um país independente, a serviços financeiros e no imobiliário.
economia da Califórnia seria a quinta No entanto, a grande lição é que
maior do mundo, ultrapassando a do este crescimento foi alcançado num
Reino Unido e sendo apenas superada estado onde, como escreveu o New
pelo PIB dos Estados Unidos da York Times, “existem leis de proteção
América, China, Japão e Alemanha. ambiental extremamente rigorosas,
É isso que indicam os dados divulgados um sistema fiscal progressivo e um
nesta semana e que fizeram regressar ordenado mínimo ascendente” (está
o estado de 40 milhões de habitantes atualmente nos €9 por hora e subirá
para o posto que já tinha ocupado em para mais de €13 até 2023). Mas não
2002. A verdade é que, há cerca de uma só: “O estado acolhe imigrantes,
década, na sequência da crise financeira celebra a diversidade linguística e
que abalou o mundo, a economia da étnica, e combate de forma ativa as
Califórnia tinha sido uma das mais mudanças climáticas. E com isso tudo
afetadas e, em 2012, desceu mesmo a sua economia continua a voar.”
para décimo lugar nessa lista. Quando, Ou seja: um estado que, em certa
nessa época, Jerry Brown reocupou o medida, faz tudo ao contrário do que
posto de governador, o estado tinha um preconiza o Presidente Donald Trump
défice orçamental de 27 mil milhões de – com quem, aliás, o governador Jerry
dólares (o de Portugal está atualmente Brown está quase em guerra aberta.
próximo dos 2 mil milhões de euros). Na Califórnia, durante estes anos de
Agora, após anos de expansão, a crescimento, foram aumentados os
Califórnia tem um superavit de 6 mil impostos e criadas novas taxas para
milhões de dólares e, no entretanto, promover a redução das emissões de
criou dois milhões de empregos, além gases com o efeito de estufa. “Mas
de ter acrescentado mais 700 mil nada disso fez minar o poder de
milhões de dólares à sua economia. atração do estado para acolher cada
Este crescimento foi sustentado, vez mais talento, inovação e espírito
naturalmente, no setor da tecnologia e empreendedor”, sintetizou Stephen
da indústria do entretenimento Levy, diretor do centro de estudos
– Silicon Valley e Hollywood são duas económicos da Califórnia. E essa é a
“bandeiras” da Califórnia –, mas os maior lição da quinta maior economia
ganhos maiores foram obtidos nos do mundo.
*Diretor-executivo
rguedes@visao.pt

24 VISÃO 10 MAIO 2018


2,4
NÚMERO FRASE

Mentiu tanto e tão bem que


conseguiu que muita gente séria
não só acreditasse nele como o
defendesse, em privado e em público”
Milhões de Fernanda Câncio, jornalista, sobre José Sócrates,
com quem manteve uma relação pessoal
portugueses em
risco de pobreza
Embora seja muito eleva-
PROTEÇÃO CIVIL
do o número de portugue-
ses que, em 2017, corria
o risco de pobreza ou de
Cadeira quente
exclusão social, há uma O posto de comandante
boa notícia escondida nes- operacional da Autoridade
ta notícia: apesar de tudo, Nacional de Proteção Civil
são menos 196 mil do que (ANPC) começa a asse-
no ano anterior. Os dados melhar-se ao de treinador
foram revelados pelo últi- em alguns clubes de
mo Inquérito às Condições futebol: ninguém consegue
de Vida e Rendimento manter-se muito tempo no
do Instituto Nacional de lugar. O rodopio iniciou-se
Estatística (INE). Do total em janeiro de 2017, quando
de pessoas em risco de Rui Esteves substituiu José
pobreza ou de exclusão Manuel Moura (coman-
social, 18% (431 mil) eram dante desde 2012), mas
FUTEBOL
menores de 18 anos, aquele só aguentou o lugar
enquanto 18,8% (451 mil)
tinham 65 ou mais anos.
A Europa só sabe falar espanhol? até setembro – demitiu-se
aquando da descoberta de
Os números são elucidativos – apesar de se pensar que que a sua licenciatura tinha
a hegemonia da Europa do futebol está dividida em cinco sido feita quase só com
grandes ligas, a verdade é que há uma que domina todas recurso a equivalências.
CINEMA
as outras, quando se fazem as contas nas competições Durante perto de três me-
Cannes europeias de clubes: a Liga espanhola teve 11 represen-
tantes entre os últimos 20 finalistas da Liga dos Campeões
ses, Albino Tavares exerceu
o cargo de forma interina,
vs. Netflix e da Liga Europa. E se se fizer o balanço desde o início
deste século XXI, o panorama também não muda muito: os
até que António Paixão
foi nomeado, em novem-
É uma espécie de luta espanhóis ganharam tantas vezes (9) a Liga dos Campeões bro. Apenas cinco meses
entre o velho e o novo quanto os clubes italianos (3), ingleses (3), alemães (2) depois, apresentou a
mundo, entre os organiza- e portugueses (1). E o recorde pode alargar-se nos demissão e foi substituído,
dores do mais prestigiado próximos dias, com os dois clubes de Madrid (Real e Atlético) nesta semana, por Duarte
festival de cinema do a surgirem como favoritos nas duas finais europeias. da Costa. Até quando?
mundo e a plataforma
que está a revolucionar a
forma como se distribuem AUTOMÓVEIS
as obras cinematográfi-
cas. Resultado: o Festival
de Cannes não exibirá,
Ferrari? Só para o ano...
este ano, qualquer pro- Um sinal dos tempos: o motor V12, responsáveis Ferrari com motor híbrido:
dução da Netflix, já que a mítica marca italiana por um aumento de a abrir caminho para os
a empresa de streaming anunciou que já tem toda a 23,5% nas vendas. Sergio elétricos.
recusa-se a ceder à sua produção de automóveis Marchionne, que preside
exigência francesa de ter vendida até meados do agora a marca, depois de
de esperar três anos entre próximo ano. Quem quiser ter liderado a Fiat durante
a estreia dos seus filmes comprar um Ferrari vai ter 14 anos, prepara
nas salas de cinema e de esperar, na melhor das o lançamento
a difusão para os seus hipóteses, pelo final de 2019 de uma nova
assinantes. Quem ficará – quando voltarão a estar revolução:
mais a perder? disponíveis os modelos com o primeiro

10 MAIO 2018 VISÃO 25


HOLOFOTE

João Sousa Match point histórico


Aulas
O TENISTA em catalão

VIMARANENSE João Sousa


ainda guarda os
TORNOU-SE O PRIMEIRO apontamentos das
aulas, escritos
PORTUGUÊS A VENCER numa mistura de
português com
O ESTORIL OPEN. catalão, língua A subir
que, no primeiro
Pele de galinha O Conquistador
SUBINDO 20 POSIÇÕES dia de escola
no ranking
Há 15 dias, um
No passado domin- O pai de João NO RANKING ATP, em Barcelona, o
deixou aflito, sem
sonho premonitório
do treinador
go, 6, nas bancadas Sousa reparou,
do Clube de Ténis quando ele tinha PASSOU A OCUPAR O 48º perceber nada. Foi
determinado que,
Frederico Marques
do Estoril, o público
presente entoou o
apenas dois
anos, na sua LUGAR, REGRESSANDO aos 15 anos, João
Sousa se mudou
já dava a vitória a
João Sousa. Este,
hino de Portugal,
algo pouco usual
coordenação
motora fora de
AO TOP 50. COMO O PAI para Barcelona
ao saber-se na
final, não resistiu
no circuito, para
receber João Pedro
série. A sua paixão
pelo ténis vem
SEMPRE LHE DISSE: com o objetivo de
tornar-se tenista
a um pedido
especial: “Espero
Coelho Marinho de desde os quatro “O CÉU É O LIMITE” profissional. Tinha
de treinar-se com
que Marcelo possa
Sousa. No court, o ou cinco anos, lá estar para ter
os melhores. o carinho dele.”
tenista nascido em quando todos os SÓNIA CALHEIROS
A grande aposta E o Presidente da
Guimarães, há 29 fins de semana
da sua vida foi “um República assim
anos, emocionou- acompanhava
tiro no escuro”, fez. No início,
-se, ficando mesmo Armando Marinho
como lhe dizia o para lhe dar um
com pele de de Sousa (o pai,
pai. Sem amigos abraço, no fim,
galinha. Campeão claro) até ao
nem um tutor, nos balneários,
da 4ª edição do Clube de Ténis
nos primeiros para lhe dar os
Millennium Estoril de Guimarães e
meses na BTT parabéns. Mas
Open, João Sousa tinha de esperar
Tennis Academy, esta não é a sua
chegou à final pelo fim da partida
passou várias única grande
contra o norte-a- para bater umas
noites a chorar, a vitória; afinal ele
mericano Frances bolas com ele. Ali
enfrentar alguns já foi campeão: em
Tiafoe, depois de chegou a campeão
medos. Tinha de Kuala Lumpur, na
defrontar Medve- nacional, aos
lavar as t-shirts Malásia (2013),
dev, Pedro Sousa, 12 anos, antes
à mão e andava e em Valência,
Kyle Edmund e de mudar-se de
de bicicleta para Espanha (2016).
Tsitsipas. Venceu-o armas e bagagens
poupar dinheiro. Adepto de jogo
depois em dois sets, para Espanha. Com
A capacidade de em terra batida,
com um duplo 6-4. Afonso Henriques,
trabalho nunca adapta-se a
Para onde irá levar João Sousa
lhe faltou, mas qualquer piso
o troféu: Barcelona, partilha a cidade
a disciplina foi – e só não aceita
onde mora desde onde nasceu
fundamental o antijogo dos
os 15 anos, ou e o cognome,
para o percurso adversários, como
Guimarães, terra o Conquistador,
vencedor. aconteceu em
natal? Ainda não ainda usado por
decidiu. Para já, irá alguns amigos. 2001 quando o
rumo a Roma, onde tenista polaco
participará na fase Jerzy Janowicz
de qualificação do tocou na bola sem
Masters local. o árbitro ver, mas
não deu o ponto
ao português.

26 VISÃO 10 MAIO 2018


JON HAMM
ALMANAQUE

NÚMEROS DA SEMANA

7
Hospitais em que metade
das urgências é falsa.
A região de Lisboa é onde
se verifica a maior parte:
48% dos atendimentos não
são urgentes, segundo dados
do Portal do SNS. Além disso,
dois terços dos doentes
não sabem que podem ser
tratados onde quiserem.

19
Muito mais do que amigos Alunos do Colégio Militar
suspensos preventivamente
a um mês dos exames finais
Facebook mostra que tem mesmo olho para o negócio do secundário. São mais de
e aventura-se nos encontros amorosos. Manobra de diversão dois terços, e a medida foi
anunciada depois de estes
ou teoria da conspiração? se terem autodesgraduado
em protesto face às atitudes
Foi um ano intenso para o Facebook, número que pode muito bem ter disciplinares do Corpo
depois do escândalo da Cambridge pesado na decisão: 200 milhões de de Alunos.
Analytica. Mas o que vemos agora utilizadores da rede assumem-se como

57
é que este, além de ter acabado por solteiros. Segundo anunciou o CEO
render mais uns milhões a Mark da empresa, durante o encontro anual
Zuckerberg, ainda encorajou os em San Jose, vai ser possível criar um
criativos da marca a inventarem uma perfil para encontros diferente daquele Percentagem das estudantes
alternativa ao Tinder, a aplicação mais que já se tem na rede social, ou seja, portuguesas que escolhem
famosa do momento para conhecer essa informação não vai ser visível para cursos de ciências. O País
pessoas novas e que se gaba de já os “amigos”. Depois de criado, a pessoa é líder da OCDE no número
ter conseguido 20 mil milhões de receberá informação sobre os perfis de de mulheres que frequenta
correspondências. Garantindo que outros, e poderá contactá-los de forma cursos científicos.
a proteção de dados vai ser “tomada independente do Messenger e do
em conta” – seja lá o que isso quer WhatsApp. Além disso, os utilizadores
dizer... –, a ideia é pôr todos a namorar
através do Facebook. Há ainda outro
só serão sugeridos a quem não for
“amigo” naquela rede.
72
Postos de vigia para a
prevenção e deteção de
incêndios, com 288 vigilantes,
FELICIDADE vão estar em funcionamento
A receita finlandesa até ao início de novembro,
durante 24 horas por dia.
Depois do lagom, na Suécia, e do lykke,
na Dinamarca, eis que chega o sisu. A vizinha
Finlândia começara por receber a nomeação
para melhor governo, país mais estável e seguro.
O reconhecimento como nação mais feliz do
mundo veio logo a seguir, no ranking mundial
824
Queixas de prática de crime
da felicidade de 2018, feito pela ONU. A chave, dizem os finlandeses, chama-se sisu. ambiental, registadas
Sem tradução para português, o termo é usado há vários séculos e está relacionado com pelas autoridades em 2017.
a combinação de coragem, resiliência, tenacidade e perseverança. Para cultivar o sisu No último ano, houve
que há em nós, os finlandeses aconselham: correr longas distâncias (porque nos desafia um acréscimo de 36%
a ir mais longe), pensar em momentos felizes (para nos relembrar a capacidade de de situações consideradas
ultrapassar situações piores ) e em ocasiões históricas em que foi possível ir mais além suspeitas neste tipo
(ajuda a ver outras possibilidades à nossa frente). de ilícitos.

28 VISÃO 10 MAIO 2018


© ADAM FERGUSON, FOR THE NEW YORK TIMES
EXPOSIÇÃO
2018
27 de abril Hub Criativo do Beato
a 20 de maio Lisboa
De quinta a domingo das 10h às 19h
ENTRADA LIVRE

www.worldpressphoto.org
TRANSIÇÕES

A P R E S E N TA Ç Ã O

As primeiras fotos oficiais


do novo bebé da realeza
europeia são feitas pela
mãe, Kate Middleton, a
duquesa de Cambridge,
e, sinais dos tempos,
tornaram-se públicas
através da rede social
Twitter. Foram tiradas no
Palácio de Kensington e
mostram Louis Arthur
Charles, nome recebido

pelo príncipe, ora encostado


a uma almofada ora ao
colo da irmã, Charlotte, no
AFONSO DHL AKAMA 1953-2018
dia do seu 3º aniversário.

O líder da parte incerta


Esta foi também a forma,
dizem os especialistas no
assunto, que os duques de
Cambridge encontraram
para agradecer as
mensagens carinhosas O histórico da Renamo acertava os últimos detalhes de um acordo
pelo nascimento de um e de paz, mas não conseguiu sair da mata onde vivia refugiado
pelo aniversário de outro.
A escolha do nome, já Quando o helicóptero de emergência de uma bárbara guerra civil, que matou
se sabe, foi estratégica:
abriu caminho pela densa serra da à fome mais de um milhão de moçam-
Louis é um dos nomes do
Gorongosa e aterrou junto ao local bicanos, Dhlakama assinou os Acordos
pai William, que por sua
vez foi batizado assim por
onde Afonso Dhlakama definhava, já de Paz com Joaquim Chissano em
escolha do avô, o príncipe era demasiado tarde. O histórico líder Roma, em 1992, depois de uma altera-
Charles, para homenagear da Resistência Nacional Moçambica- ção à Constituição permitir o multi-
a figura masculina mais na morreu minutos antes, na manhã partidarismo. Contudo, as eleições que
importante da sua vida, de 3 de maio, vítima de uma crise de se seguiram nunca foram reconhecidas
Lord Mountbatten, nascido diabetes, segundo adiantou à Agência pela Renamo, acusando a Frelimo de
Louis Francis Albert Victor Lusa um dos homens que o acompa- manipulação dos resultados. O ponto
Nicholas Mountbatten e nhavam. Foi o Presidente da República, alto da discórdia deu-se em 2000, nas
assassinado pelo IRA em Filipe Nyusi, quem ordenou o envio do presidenciais: Dhlakama obteve 47,71%,
1979. Arthur é outro nome helicóptero para lhe ser prestado apoio Chissano 52,29%. Agravou-se, a partir
de William, além do nome médico no estrangeiro. “Infelizmente, de então, o estatuto de quase clandesti-
do meio de George VI, pai não me disseram que ele estava tão mal nidade do maior partido da oposição e
da rainha Elizabeth. Quanto com mais antecedência”, lamenta num a partidarização dos órgãos do Estado.
a Charles, trata-se de uma comunicado oficial em que trata por Em 2013, um ataque das forças do go-
homenagem ao avô. “irmão” o inimigo político. verno à base da Renamo em Sanduigira
O quinto na linha sucessória Tinha 65 anos e deixa, além de oito levou Dhlakama a manter-se longe da
– a mudança da lei em 2013 filhos, um partido órfão. A sua his- família, “em parte incerta”. Em 2016, foi
determina que um novo tória de vida confunde-se com a da negociada uma trégua no conflito que
príncipe não substitui a irmã
própria Renamo, fundada em 1975 opunha as duas forças, e Nyusi deslo-
mais velha na sucessão
como movimento “anticomunista”. cou-se à Gorongosa em 2017, dando
– terá menos de um mês
no dia do casamento do
Assumiu a liderança em 1979, aos 26 um firme passo para a “paz duradoura”
príncipe Harry, a 19 de anos, sucedendo a André Matsangaissa, que ambos diziam querer alcançar. Este
maio, e por isso não estará morto pelas forças governamentais na ano previa-se que Dhlakama regres-
presente na cerimónia. Gorongosa – território que se tornaria sasse a Maputo para assumir um papel
quartel-general do partido da oposição honroso na cena política moçambicana.
até aos dias de hoje. Depois de 15 anos P.F.

30 VISÃO 10 MAIO 2018


uma exposição
sobre pessoas A Galp, parceiro principal do World
Press Photo desenvolveu, em conjunto
com a VISÃO, um projeto documental
que retrata profissionais da empresa
que, a partir de Portugal, Espanha, Brasil
e Moçambique, asseguram a energia
necessária para garantir que o seu
mundo não pára.
Através da vida destas 12 pessoas
conseguimos ter uma perspetiva
particular dos bastidores da Galp.

Para além da exposição, com imagens


produzidas por Arlindo Camacho
(Portugal), Enric Vives-Rubio (Espanha),
Mauro Vombe (Moçambique) e Jardiel
Carvalho (Brasil), decorrerão também
no Hub Criativo do Beato, as “Photo
Talks”, com conferências e workshops
sobre fotografia (inscrições no local).

Susete Patrício

Foto por Arlindo Camacho

Fotografia para a VISÃO


em parceria com a Galp eletricidade • gás • combustível
INBOX

M O D É S T I A À PA R T E
Isto está
Sou a artista
com maior a acontecer
acolhimento
junto dos na vida
portugueses
JOANA VASCONCELOS real.
Pessoas,
Artista plástica, a primeira
portuguesa a entrar pela porta
grande do Museu Guggenheim,
em Bilbau, com a exposição

acordem
I'm Your Mirror

ELISABETH MOSS
Atriz americana e protagonista
da série The Handmaid's Tale,
uma distopia que explora
o tema da subjugação das mulheres
e as várias formas pelas quais elas
perdem o individualismo
e a independência

Não estou muito


convencido de que FRASE DA SEMANA

tenha mesmo morrido


MARK HAMILL
Ator norte-americano que foi
Por Deus, nada
de governantes
a cara de Luke Skywalker,
em Star Wars, a desabafar sobre
o destino da sua personagem

filósofos
Sobre o amor livre JÜRGEN HABERMAS
só tenho a dizer que Filósofo e sociólogo alemão
que dedicou a vida ao estudo
todo o amor é livre C H O Q U E F R O N TA L da democracia, por muitos considerado
ou não é amor um dos mais importantes intelectuais
contemporâneos
SÉRGIO GODINHO
Autor e compositor português a
lembrar os tempos do Maio de 68

Foi muito duro ouvir


que tinha cancro
JOSÉ MARIA TALLON
Espanhol há muitos anos
radicado em Portugal,
conhecido como o médico Governo tem Não podemos dar
dos gordos e dos famosos de fazer mais e todos os passos ao
melhor. A CGTP mesmo tempo
apoia-o, mas é ANA CATARINA
É hora de acabar preciso andar mais MENDES
Secretária-geral-adjunta
com o tabu da saúde depressa do PS, a assumir que o
mental no trabalho ARMÉNIO CARLOS aumento de rendimentos
é para continuar, mas
Secretário-geral da
ANTÓNIO HORTA OSÓRIO CGTP, a aproveitar as devagarinho – até
O banqueiro mais bem pago da celebrações do Dia ao final do ano, a
cidade londrina e que sofreu de do Trabalhador para precariedade está na
exaustão por excesso de trabalho mandar recados mira

Fonte: Correio da Manhã, El País, Expresso, Jornal i, Observador, The Guardian, The Washington Post
32 VISÃO 10 MAIO 2018
O PS quer
proteger o
PRÓXIMOS CAPÍTULOS
património dos
filhos de relações
anteriores

PERISCÓPIO

RECADO
Marcelo entala Costa
Em coerência com o discurso de 17 de outubro
último, logo a seguir ao grande incêndio, em que
afirmou que faria da forma como o País conseguisse
lidar com a tragédia e prevenir novas ocorrências
uma avaliação do seu próprio mandato, Marcelo
Rebelo de Sousa afirmou, esta semana, em entrevista
ao Público, que, caso haja uma nova tragédia, não
demitirá o Governo – mas não se recandidatará ele
próprio. Com esta declaração, Marcelo entala, de
forma subtil, o primeiro-ministro: pois se ele, que
não tem responsabilidades executivas na prevenção
dos incêndios, mesmo assim retira consequências
políticas, o que é que deverá fazer António Costa?...

POLÉMICA
A ousadia de Fernanda
A crónica muito crítica da jornalista Fernanda
Câncio sobre José Sócrates, publicada, esta
LEGISLAÇÃO semana, no DN, provocou ondas de choque em
diversos meios socialistas. No Facebook, João

Vêm aí novas regras


Soares, embora ressalvando que sempre foi um
adversário interno de Sócrates, e que nunca
votou nele para a liderança, afirmou que, “vindo

no direito sucessório
de quem vem”, o texto de Câncio “é um nojo”. E a
deputada socialista Isabel Santos foi ainda mais
violenta: “(...) Desprezo pavonadas feministas, que
se passeiam à custa dos homens que lhes pagam
as contas... armadas em virgens ofendidas. Eu
Diploma do PS recebe contributos de todos sempre paguei as minhas férias! Sim... isto é a
propósito de um certo texto de uma certa Câncio.”
O projeto de lei do PS que permite deserdar o cônjuge,
privilegiando os laços de sangue em detrimento da família
conjugal, foi bem acolhido pelos restantes partidos políticos
no debate na generalidade, ocorrido no Parlamento na quinta-
-feira, dia 3. Na especialidade, espera-se que venha a receber
alterações de todos os grupos parlamentares.
Como a VISÃO noticiou no artigo de capa Filhos de uma
herança maior (V1310), o PS quer introduzir uma “válvula
de escape” no direito sucessório para proteger os interesses
patrimoniais dos filhos de relações anteriores. As alterações
preveem que duas pessoas possam contrair matrimónio, no
regime de separação de bens, sem efeitos sucessórios, desde que
assinem, de mútuo acordo, uma convenção antenupcial em que
renunciam à condição de herdeira legal uma da outra. Assim, na
morte de qualquer um dos membros do casal, herdam os seus IRONIA
descendentes (filhos ou netos) ou os ascendentes (pais ou avós). O dr. Sócrates e o sr. José
Mas o novo regime também prevê que a renúncia inicial possa Na mesma semana em que o PS montava a
ser “fintada”, através de doação ou testamento. operação do “descarte” de José Sócrates, com
A proposta foi bem recebida por todas declarações críticas de vários dirigentes, incluindo
a do presidente do partido e do Grupo Parlamentar,
O DIREITO AO as forças políticas mas, na especialidade,
o PSD vai propor que a hipótese de Carlos César, que falou de “vergonha”, o site oficial
USUFRUTO DA renúncia seja alargada ao regime de do partido celebrava os 45 anos de existência
com a publicação das fotografias de 45 rostos de
CASA DE FAMÍLIA comunhão de adquiridos e que não tenha
de ser recíproca. O Bloco de Esquerda figuras marcantes na história do PS. Entre elas... a
POR QUEM defende as mesmas alterações, acrescidas do próprio José Sócrates. O cúmulo da ironia foi o
desfecho de todo este pequeno drama: a desfiliação
RENUNCIA À da salvaguarda do direito ao usufruto
da casa de família por quem renuncia
do antigo primeiro-ministro. Será que agora, como
fez Paulo Portas quando Freitas do Amaral aceitou
HERANÇA VAI à herança – uma condição igualmente ser ministro no primeiro Governo de Sócrates, a
SER PROPOSTO proposta pelo CDS. A bancada bloquista
quer ainda alargar o novo regime a quem
direção do PS vai retirar o retrato do Largo do Rato?...
POR BE E CDS já é casado. Clara Teixeira
10 MAIO 2018 VISÃO 33
OPINIÃO

Searas de vento
no século XXI
P O R R I T A R A T O / Deputada do PCP

O
vento corta a pele como uma navalha calou a sua filha, não calaram tantos outros,
afiada. Deixa marcas nas mãos e nos porque há mulheres e homens que se erguem do
rostos magros de quem sabe mais chão e resistem.
vezes o que é a fome do que outra No nosso país, os últimos a conquistar as oito
coisa. Queima a pele, escurece-a horas de trabalho foram os operários agrícolas, e
na mistura de pó da terra e do sol. neste ano assinalam-se 56 anos dessa vitória nos
Manuel da Fonseca escreveu sobre campos do Sul que pôs fim à jornada de trabalho
mulheres e homens assim, cortados de sol a sol. Diziam que tinham deixado de ser
pelo vento e pela “bichos da noite”, porque era
fome, e, como só a primeira vez que saíam de
ele, de uma forma crua e inteira
descreveu estas gentes que Passados 132 anos casa com sol e regressavam
com sol.
sobreviviam nos campos do Sul. do primeiro Passados 132 anos do
Num posfácio datado de 1984,
de uma reedição da Seara de
1º de Maio, primeiro 1º de Maio, é
imensamente atual a luta
Vento, explicou que escrevia é imensamente pela redução do horário de
assim porque assistiu “às
consequências do levantamento
atual a luta pela trabalho. Neste tempo em que
vivemos de desenvolvimento
de novembro de 1918, acontecido redução do horário científico e tecnológico,
ao mesmo tempo em Vale de
Santiago e Odemira, dos rurais
de trabalho. Neste estes avanços devem servir
a redução do horário, da
de Santiago do Cacém. tempo em que vivemos precariedade e da penosidade
A razão desse levantamento, que
o governo sidonista, tal como
de desenvolvimento do trabalho. À nossa frente
temos a decisão de colocar
outros governos, não consentiu científico e as potencialidades da ciência
ouvir e fingiu desconhecer, era
evidente e antiquíssima: a fome”.
tecnológico, estes e da tecnologia ao serviço
do progresso e da justiça
E confessa que, da repressão avanços devem servir social ou ao serviço apenas
selvagem desses longos meses,
houve um momento que
a redução do horário, da acumulação do lucro
de uma minoria. Direitos
guardou para sempre, “guardas da precariedade e avanços científicos são
a cavalo envolvem, ao meio do
largo, um trabalhador rural.
e da penosidade aliados, não inimigos; para tal
basta colocar os segundos ao
Abatem-no à espadeirada. do trabalho serviço dos primeiros.
Continuam É por isso que no próximo dia
a golpeá-lo, a pisá- 18, por proposta e iniciativa
-lo com as patas dos cavalos”. Esse romance foi do PCP, discutiremos a redução do horário
proibido pelo fascismo, interdita a sua venda de de trabalho de 35 horas para todos, enquanto
1958 até 1974. medida de valorização do trabalho, mas
Agora, quase 60 anos depois da primeira também enquanto instrumento de dinamização
edição, Sérgio Tréfaut cinematografou o Palma, económica, pois permitiria criar mais 440 mil
a Júlia, o Bento, a Mariana, a Amanda Carrusca, empregos e reduzir 240 horas de trabalho/ano
o Elias Sobral em Raiva, que se antestreou na a cada trabalhador.
edição deste ano do Indie Lisboa. Imperdível. Está nas nossas mãos ceifar as searas de vento
Numa das cenas, o protagonista é alertado: “Tu do século XXI, é uma exigência da democracia e
falas demais, Palma. A única coisa que tens a uma homenagem a todas as mulheres e homens
fazer é engolir e calar.” Não calou o Palma, não que se ergueram do chão. visao@visao.pt

34 VISÃO 10 MAIO 2018


E SE LHE
SUGERIRMOS
UM PLANO?
#JUSTINCASECORTEFIEL

Javier Rey, ator.

Descubra o filme de Martina Klein e Javier Rey em cortefiel.com


A ERA
DOS HOMENS
FORTES
COMO OS DUROS ACABARAM
A MANDAR NO MUNDO
IAN BREMMER

36 VISÃO 10 MAIO 2018


10 MAIO 2018 VISÃO 37
C
Como resposta à turbulência social
dos anos 60, Hollywood produziu
uma série de filmes policiais – mui-
to populares – com “durões”, ao
longo de toda a década de 70. Eram
histórias de vigilantes e de polícias
renegados, papéis representados por
Clint Eastwood, Charles Bronson e
afins, que empurravam para o lado
burocratas sem garra, políticos cor-
ruptos e a própria letra da lei para
restaurar a justiça em tempos de
violência. Homens que nunca permi-
tiriam que a lei atrapalhasse a ordem.
Os Estados Unidos da América es-
tão hoje a emergir de outro período de
geiros ou os membros de minorias
raciais, étnicas ou religiosas – ou
políticos desleais, burocratas, ban-
queiros e juízes, ou ainda jornalistas.
Desta dicotomia emerge um novo
arquétipo de líder. Estamos na era
do Homem Forte.
Talvez o caso mais evidente desta
realidade seja o da Rússia. Após a que-
da da União Soviética, o medo do caos
económico e da impotência política
criou as condições para a emergência
de Vladimir Putin, o qual respondeu
à chamada para a restauração da
Rússia que foi, durante três séculos,
o centro de um império. Putin, um
datos presidenciais. A era do governo
pelo consenso do partido terminou,
pelo menos por agora. Não pode
haver dúvidas sobre quem manda.
Nas Filipinas, uma vaga de crimes
violentos nas ruas ajudou a eleger Ro-
drigo Duterte, um antigo presidente
de câmara que fala mais como um pa-
drinho da máfia do que como um Pre-
sidente, nas suas promessas de varrer
o tráfico de droga com um sistema de
justiça só seu. As disfuncionalidades
políticas na Tailândia permitiram aos
militares tomar o poder em 2014, com
pouca resistência popular e, apesar
das repetidas promessas de eleições, o
grandes mudanças sociais, ansiedade homem com 65 anos num país em general Prayuth Chan-ocha continua
económica, crime urbano e guerras que a esperança de vida masculina é a liderar o país e a exibir o título de
sem sentido, o que criou as condições de 64 anos, deu corpo à imagem da primeiro-ministro.
para o reaparecimento de uma figura virilidade e arrogância russas. Na América Latina, o espectro do
com voz dura, capaz de dar uma lição caudilho ou do líder militar regres-
aos “panhonhas” liberais. Porém, desta CAUDILHOS, CZARES E SULTÕES sou. Daniel Ortega, da Nicarágua,
vez, a personagem não é uma criação Os homens fortes também podem ser calou os dissidentes e arrastou o li-
de Hollywood. Vive na Casa Branca e vistos na Ásia. Na China, a memória mite do seu mandato. Na Venezuela,
está a desempenhar o seu papel com dos traumas de Tiananmen e o horror em crise económica, Nicolás Maduro
entusiasmo. do colapso soviético levaram o Parti- prendeu figuras da oposição e pôs fim
Esta tendência não se resume aos do Comunista a ter pulso firme com aos protestos recorrendo à violência.
EUA. Nos quatro cantos do mun- a dissidência. No poder desde 2012, A tendência pode ser infecciosa; uma
do, os tempos de mudança corres- Xi Jinping usou uma campanha anti- sondagem da Universidade Van-
ponderam à exigência popular de corrupção para afastar potenciais ri- derbilt revela que quase 40% dos
lideranças mais musculadas. Estes vais, enquanto consolidava o poder a brasileiros, exaustos com o crime
populistas de voz grossa prometem uma escala histórica. Anunciou, para e a corrupção, apoiariam um golpe
proteger-nos “deles”. Dependendo a China, o nascer de uma “nova era” militar no seu país.
de quem fala, “eles” podem significar que trará o seu país para o centro do E depois há o Médio Oriente, onde
uma elite corrupta ou os pobres que palco mundial. E, já neste ano, acabou alguns imaginaram que a Primavera
nos ameaçam; podem ser os estran- com os limites temporais aos man- Árabe poderia dar força à democra-

38 VISÃO 10 MAIO 2018


DOIS MIL RUSSOS cidadãos americanos pudessem votar.
Estes líderes ganharam seguido-
FORAM PRESOS res ao apontarem como alvo “eles”,
incluindo neste termo as fontes tra-
NO ÚLTIMO FIM dicionais de poder e de influência
DE SEMANA norte-americanas e europeias. Tive-
ram êxito, porque sabem algo acerca
DEVIDO AOS de “nós” ou do povo a que se dirigem.
PROTESTOS Percebem o sentimento de ameaça – e
estão desejosos de explorá-lo.
CONTRA PUTIN. O fim da Guerra Fria parecia ter
O PRESIDENTE aberto uma era de valores liberais
em ascensão, em que a democracia,
PROMETE o primado da lei e os mercados livres
comandariam a vida daí para a frente.
“AUMENTAR E, porém, vejamos como estão os po-
O PODER líticos que ainda cantam os amanhãs.
Angela Merkel, na Alemanha, atingiu
E A GLÓRIA o seu ponto mais baixo em dez anos
DA RÚSSIA” no poder, com o partido de extrema-
-direita Alternativa para a Alemanha
como principal adversário da sua
enfraquecida coligação. O francês
Emmanuel Macron enfrenta protestos
irados de estudantes e de funcioná-
rios públicos, e recentes sondagens
mostram uma queda acentuada do
cia. No Egito, Abdul Fattah al-Sisi, o seu próprio lote de inimigos do Estado apoio popular. No Japão, Shinzo Abe,
general cujas forças reprimiram vio- e prendeu um extraordinário número envolvido em muitos escândalos, é
lentamente os protestos que levaram à de jornalistas. cada vez mais impopular, e, no Reino
queda do Presidente Mohamed Morsi, A personagem do homem forte Unido, Theresa May continua a lutar
em julho de 2013, foi eleito Presidente está também a reaparecer no coração pela sua sobrevivência política.
no ano seguinte. Como Putin, ganhou do Velho Continente. Na sequên- São tudo líderes que se veem pe-
outro mandato, nesta primavera, a cia de uma crise de refugiados que rante escolhas difíceis para prote-
adversários que se contentaram com acendeu o medo e a indignação na ger a sua base eleitoral e manter os
meia dúzia de votos. Europa de Leste, Viktor Orbán da princípios em resposta à pressão
Na Arábia Saudita, a Primavera Hungria ganhou mais um mandato populista. Os homens fortes não têm
Árabe deu à família reinante uma vi- como primeiro-ministro, defendendo estes problemas. São eles quem, por
são do precipício, e uma queda aguda a “democracia iliberal” – um sistema norma, exerce pressão e dita as regras
dos preços do petróleo tornou claro político com eleições livres, mas com do jogo político em função dos seus
que não se podiam evitar dolorosas uma visão estranha das liberdades. interesses. E nada lhes deu tantas
reformas económicas. O homem Para Orbán, a ameaça vem dos imi- ferramentas para o fazer como os
que as lidera é o príncipe herdeiro grantes muçulmanos e dos defensores avanços tecnológicos.
Mohammed bin Salman, que está a da democracia liberal ocidental – Há uma década, parecia que a revo-
substituir o consenso da elite por um como o americano-húngaro George lução das tecnologias de informação
novo nível de controlo. Isso nunca foi Soros – que ameaçam os “valores e de comunicação dariam poder aos
tão evidente como no final do ano nacionais” do país. indivíduos, à custa do poder do Es-
passado, quando ordenou a prisão tado. Os líderes ocidentais julgavam
de, pelo menos, 17 príncipes sauditas REDES CONTRA O PODER POPULAR que as redes sociais criariam “poder
e alguns dos mais ricos e bem rela- O que nos traz de novo para Donald popular”, permitindo o levantamento
cionados homens do reino. Trump. Os eleitores que dizem que a das massas, como sucedeu na Pri-
Na Turquia, Recep Tayyip Erdogan classe trabalhadora norte-americana mavera Árabe. Porém, os autocratas
e o seu Partido da Justiça e do Desen- está em crise, por causa das desloca- mundiais retiraram daqui uma lição
volvimento, no poder desde 2003, lizações da indústria, da imigração e diferente. Viram uma oportunidade
ganharam um apaixonado apoio dos do crime, têm uma lealdade pessoal para os governos passarem a controlar
cidadãos socialmente conservadores a Trump que excede as fronteiras da o jogo, na forma como a informação é
ao desafiarem o domínio das elites lealdade partidária. Uma sondagem partilhada e na forma como o Estado
seculares. Atualmente, ele manipula o de agosto de 2017, publicada pelo The pode usar os dados para apertar o seu
sistema político do país para perma- Washington Post, revelava que 52% controlo político.
necer no poder. Um golpe militar fa- dos eleitores republicanos aceitavam Em muitos países, estes esfor-
lhado em 2016 serviu-lhe de pretexto adiar as eleições de 2020 se Trump ços foram bem-sucedidos. No Irão,
para suspender o Estado de Direito e dissesse que a suspensão do escrutínio onde o supremo líder, o ayatollah
perseguir os opositores. Identificou o era necessária para garantir que só Ali Khamenei, se mantém firmemen-

10 MAIO 2018 VISÃO 39


DIA 20, OS
VENEZUELANOS
VÃO ÀS URNAS
MAS NICOLÁS
MADURO TEM
A PRESIDÊNCIA
GARANTIDA. NOS
ÚLTIMOS DOIS
ANOS, 1,3 MILHÕES
FUGIRAM DO PAÍS

te no poder, o governo há muito que A revolução nas comunicações tam- sistémica do que foi antes o farol oci-
pretende criar uma “internet halal”, bém teve um forte impacto nos países dental da democracia. Neste momen-
cujo conteúdo possa ser controlado democráticos. Nas redes sociais e nos to, alguns americanos pensam que os
pelas autoridades e cada utilizador canais de notícias por cabo, o sucesso EUA precisam, com mais urgência do
ser identificado. Os Repórteres sem depende da capacidade de os fornece- que a China, de uma reforma política
Fronteiras descrevem-na como uma dores de informação maximizarem a estrutural. Isso é uma vitória para
“intranet que pode ser completamente quantidade de tempo que os utiliza- os homens fortes. E as exigências de
desligada da World Wide Web, quando dores gastam a participar ou a ver as mudanças que os eleitores – “nós” –
as autoridades o quiserem”. Em agosto páginas, bem como a quantidade de fazem tornam cada vez mais difícil,
de 2016, o Irão anunciou a abertura dados que partilham. Os fornecedores para os partidos e líderes das nações
da Rede Nacional de Informação, ao de informação têm por alvo segmentos democráticas, a sua manutenção no
mesmo tempo que fechava agências particulares do mercado dos média, poder pelo tempo suficiente para
de imprensa e sites de notícias – e ideológicos, políticos e demográficos, constituírem um exemplo ou forjarem
prendia pelo menos 100 utilizadores que recebem diferentes conjuntos de estratégias a longo prazo. Em países
da internet. conteúdos sobre o mundo. O fosso como a China e a Rússia, os líderes
entre “nós” e “eles” aprofunda-se, e têm muitos anos à frente para atin-
NÓS E O GRANDE CANHÃO os homens fortes estão em posição de girem objetivos estratégicos, como
Na Rússia, o Estado mantém os seus recolher os lucros. o plano de infraestruturas de Xi (a
cidadãos às escuras, banindo páginas Qual é o lugar de Trump em tudo nova rota da seda conhecida como
e conteúdos que considera contro- isto? O Presidente norte-americano “One Belt, One Road”) ou a guerra de
versos. Quando protestos antigover- exprimiu sincera admiração pelas atrito às normas e valores ocidentais,
namentais eclodiram em todo o país atitudes de Putin, de Xi, de al-Sisi e de promovida por Vladimir Putin.
em março de 2017, muitos russos nem Duterte. Tal como muitos dos líderes O elemento mais preocupante
souberam deles – a Yandex News, o do género, ele sabe muito bem o que da ascensão dos homens fortes tal-
maior agregador de notícias, partilha os seus apoiantes querem ouvir. Já vez seja a mensagem que transmite.
preferencialmente os artigos de pu- fez pontaria sobre muitas formas de O sistema que deu poder aos vence-
blicações cujos pontos de vista estão “eles” e prometeu construir um “belo dores da Guerra Fria parece muito
mais próximos do Kremlin. e grande muro”. menos apelativo hoje do que há uma
Os líderes da China salvaguarda- Mas o sistema político norte-a- geração. Para quê seguir os sistemas
ram a cibersoberania com uma “Gran- mericano demonstrou ter um bom políticos europeus ou norte-ameri-
de Muralha Cibernética” que bloqueia conjunto de forças. Trump pode quei- canos com todos os seus equilíbrios
o acesso a dezenas de milhares de xar-se dos juízes, mas não consegue e garantias, quando um determinado
páginas no ciberespaço. O “Escudo evitar as suas sentenças. Entusiasma líder pode dar um atalho credível para
Dourado” é um sistema de vigilância audiências com ataques à imprensa, uma maior segurança e um orgulho
online que usa palavras-chave e outras mas o fascínio do público com o seu nacional mais inflado? Enquanto isto
ferramentas para travar tentativas de discurso continua a encher os cofres soar a verdade, podemos afirmar que
acesso a conteúdos politicamente sen- dos média. O seu partido pode perder a maior ameaça são os homens fortes
síveis. A China também usa, hoje, um o controlo do Congresso em novem- que ainda estão por vir. visao@visao.pt
“Grande Canhão” que pode alterar o bro. A sua taxa de aprovação nunca Ian Bremmer é autor do livro Us vs. Them: The
conteúdo acedido online e atacar sites chegará provavelmente aos 50%. E Failure of Globalism (Nós vs. Eles: O Falhanço
do Globalismo), acabado de publicar.
que o Estado considere perigosos para pode até enfrentar um impeachment.
a segurança nacional, dirigindo-lhes O impacto que este Presidente
ataques a interditar o acesso ao servi- teve na política dos EUA – incluindo
© 2018, TIME Inc. Todos os direitos reservados.
ço, deliberadamente concebidos para o próprio facto de ter conseguido ser Traduzido da TIME Magazine
sobrecarregar os servidores. eleito – expôs os buracos na fachada e publicado com autorização da TIME Inc.

40 VISÃO 10 MAIO 2018


Vamos viver juntos
uma grande história?
Ganhe um bilhete para o Rock in Rio 2018
com a adesão ao Cartão de Crédito Cofidis
até 25 de maio, sem sorteio.

Saiba como em cofidis.pt


Oferta limitada ao stock existente

TAEG 15,9%
Sem anuidade
Cashback de 1% (até 100€ TAEG para um limite de crédito de 1.500€, pago
por cada período de 12 meses) em 12 prestações mensais iguais de capital, às quais
acrescem juros (TAN 15,67%) e Impostos do Selo.
Transferências sem comissões para
a conta à ordem, através do homebanking

cofidis.pt
808 25 25 25
De 2ª a 6ª feira das 9H às 20H De pessoas para pessoas
Sábados das 9H às 18H
Chamada Local
Salários ainda não descolaram
Depois de subir de forma robusta entre 2007 e 2012, as remunerações dos €1 085
portugueses recuaram até 2014, tendo começado a recuperar há dois anos,
mas a um ritmo muito lento

€1 036
€1 076
€965
€1 010
2007

A BONANÇA
CHEGOU AOS
Após a tempestade dos anos da Troika, a VISÃO foi perguntar aos
portugueses quanto ganham e dá a conhecer o retrato salarial de um
País bastante desigual. Que profissões garantem mais dinheiro ao final
do mês? E que setores deverão continuar a contratar?
N U N O A G U I A R , M A R G A R I D A VA Q U E I R O L O P E S E PA U L O M . S A N T O S*

42 VISÃO 10 MAIO 2018


€1 094 €1 097 2016

€1 108
€1 096 €1 093

AINDA NÃO
SALÁRIOS
A
MIGUEL PENTEADO a diferença nas contas do final do mês – como
PROFESSOR DO é o caso de vantagens no crédito à habitação e
ENSINO BÁSICO seguro de saúde para a família. Este é um dos
€1 518,63 casos recolhidos pela VISÃO com o objetivo de
É professor desde tentar traçar um retrato salarial do País.
2002 e entrou Neste país muito desigual, a diferença entre
para os quadros os setores mais e menos bem pagos é de mais
da Função Pública de dois mil euros. Os trabalhadores de hotelaria
em 2014. “Durante e restauração têm salários médios brutos de 759
12 anos ganhei euros/mês. É o valor mais baixo entre todas as
exatamente o
atividades profissionais para as quais existem
mesmo – 1 268
dados. A seguir surge outro setor que costuma
euros brutos.”
Professor de
estar presente nas notícias: o têxtil, com uma
Educação Visual remuneração bruta de 769 euros/mês, seguido
e Tecnológica até pela agricultura (793 euros) e atividades de apoio
2012, concorreu social, como em lares de idosos (803 euros). Ana
A radiografia não deixa margem para dúvidas. ao primeiro ciclo Penedo, outro dos casos que pode conhecer nos
Portugal tem mais emprego mas ainda não tem do Ensino Básico perfis que acompanham este texto, é ajudante
melhor emprego. A recuperação da economia quando houve de ação direta e conseguiu finalmente ver o seu
deu trabalho a mais 300 mil portugueses nos cortes nas horas salário subir acima dos 1 000 euros brutos. Mas
últimos dois anos, mas nem todos os sintomas do Ensino Artístico. teve de deixar de trabalhar por conta de outrem.
apontam para uma retoma saudável. Setores Hoje, leva para casa Importa, no entanto, voltar a olhar para o
como a hotelaria e a restauração são responsá- pouco mais de 1 100 turismo. Mais hotéis e restaurantes a abrir ou a
veis por uma grande fatia dos postos de trabalho euros líquidos, um expandirem-se traduziu-se na criação de 65 mil
criados – quase um terço –, mas são também valor que considera postos de trabalho nos últimos dois anos. “Um
atividades com um salário bruto inferior a 760 “injusto para a carga dos grandes motores do crescimento nacional”,
euros. Que é como quem diz, o setor mais di- académica e para o classificou António Costa. O facto de ser um
nâmico da economia e que o próprio primei- volume e excesso de setor de mão de obra intensiva ajudou a absor-
ro-ministro aponta como fundamental para a trabalho” que tem, ver parte do exército de desempregados que se
retoma é o que paga pior. Um reflexo do que se sobretudo porque acumulou nos anos da crise, mas significa que
acumula funções
passa um pouco por todo o País. os salários são tendencialmente mais baixos. No
de coordenador
Este desfasamento entre criação de emprego e turismo, menos de 8% dos trabalhadores tem
pedagógico dos
subida de salários está, finalmente, a esbater-se, professores de
mais qualificações do que o Ensino Secundário,
mas há ainda um longo caminho pela frente. An- 1º ano do seu e os salários brutos acima de 800 euros na área
tiguidade na empresa, qualificações e geografia agrupamento turística estão normalmente “reservados” para
são fatores fundamentais para determinar o de escolas sem quem tem licenciatura ou outro grau superior.
rendimento, a que se junta, naturalmente, a área receber mais por É o caso de Andrei Silva, chefe de sala de um ho-
de atividade em que se trabalha. isso. Complementa tel de cinco estrelas em Cascais, que conta com
A notícia razoável é que os salários aumen- o salário com 1 500 euros de salário e nos deu o seu testemunho.
taram 2,1% entre 2011 e 2016, o último ano para explicações
qual há dados administrativos. Nesse ano, a particulares e já ESTAGNAÇÃO E ACRÉSCIMOS REDUZIDOS
média fixou-se em 1 108 euros brutos para os pensou em ir para O turismo constitui um microcosmo do resto do
trabalhadores por conta de outrem, do setor o ensino particular. País, onde os salários ainda se arrastam. Os dados
privado. Um valor que pode estar influenciado Mas, além de mostram que “a situação dos últimos anos foi de
pelo peso dos extremos (a mediana, menos sen- não acreditar que estagnação ou de acréscimos muito reduzidos”,
sível a essa distorção, é de apenas 800 euros). compense, acha que pode ler-se no último relatório do Ministério do
A má notícia é que os preços dos bens e serviços “ainda é possível um Trabalho sobre os desenvolvimentos salariais. De
avançaram quase duas vezes mais depressa, o ensino de qualidade facto, os 2,1% de crescimento acumulado entre
que significa que a generalidade dos portugueses no público”. 2011 e 2016 contrastam com a subida de 12% nos
perdeu poder de compra. Os aumentos reais só quatro anos anteriores. E em 2016, dois terços dos
chegaram em 2015. trabalhadores por conta de outrem recebiam me-
Mas, como em tudo, há exceções à regra – ou nos de mil euros, enquanto apenas 2% auferiam
aos salários mais baixos. Genericamente, quem mais de 3 750 euros.
leva mais dinheiro para casa, em Portugal, tra- Contudo, é justo notar que os desenvolvimentos
balha no setor da eletricidade e do gás, onde o recentes são mais promissores. Através de outra
rendimento mensal bruto ronda os 2 942 eu- base de dados, que inclui as remunerações-base
ros. Também acima dos dois mil euros estão os de todos os trabalhadores do privado, concluímos
trabalhadores da banca e seguros, organismos que a partir de 2015 os portugueses deixaram
internacionais com sede em Portugal (pense na de perder poder de compra – o que aconteceu
ONU ou no FMI) e telecomunicações. Patrícia entre 2011 e 2014. E no ano passado os salários
Gonçalves, bancária, tem uma folha de venci- subiram quase 2%, o que significa um aumento
mento muito perto deste valor e afirma que, real de 0,5%.
além disso, tem alguns benefícios que fazem Um olhar mais fino sobre os números pode,

44 VISÃO 10 MAIO 2018


HELENA CANHOTO
RÁCIO
ATIVIDADES PROFISSIONAIS
LICENCIATURA VS.
MENOS DE 1º CICLO
DO BÁSICO
ATRIZ
ONDE AS QUALIFICAÇÕES SÃO MAIS IMPORTANTES €750
Prod. petrolíferos, químicos,
356% Licenciada em Audiovisual e Multimédia,
fibras sintéticas
saiu do País para trabalhar como produtora
Cinema, TV, música e rádio 349% na Escola de Cinema de Cuba, mas queria
Atividades postais 345% ser atriz. Foi para Nova Iorque e Los Angeles
estudar representação, passou por São Paulo
Administração Pública e voltou a Portugal há quase cinco anos. Não
314%
e Defesa; Segurança Social tem um salário – “há meses em que não recebo
Transportes terrestres, dinheiro” –, mas recorda que faturou 7 mil
305% euros em 2016. “No ano passado, faturei
por água e aéreos
16 mil. Neste ano, ainda não cheguei aos 3 mil.”
Comércio por grosso 288% Faz teatro, televisão, cinema e publicidade.
Programação informática “Para uma novela chegam a oferecer 200 euros
279% por sessão [dia de trabalho
e informação
de 12 horas], que é um
Reparação e instalação de máquinas 275% valor muito, muito baixo.
Indústria alimentar, O razoável são 450 ou
275% 500 euros.” Uma saída
das bebidas e tabaco
seria um contrato
Outros produtos minerais com a estação para
272%
não metálicos uma participação
mais alargada. Falta
ONDE AS QUALIFICAÇÕES SÃO MENOS IMPORTANTES regulação no setor,
lamenta, e espera
Atividades de construção 209% que em breve
haja uma tabela
Comércio a retalho 207% de referência
Imobiliário e engenharia civil 203% salarial. “Há anos
em que posso
Atividades de apoio social 195% pagar jantares,
outros em que
Agricultura e silvicultura 190% tenho de pedir
dinheiro aos meus
Atividades científicas e técnicas 183%
pais. Mas eu tenho
Hotelaria e restauração 181% a quem pedir.
QUADROS DE PESSOAL, GEP

Há atores a
Eletricidade e gás 178% viverem na
miséria”, avisa a
Pesca e aquicultura 175% atriz de 32 anos.
Atividades financeiras e de seguros 133%

no entanto, revelar outras tendências. O Jornal ser interpretada com cautela, uma vez que ocorre
de Negócios noticiou, em fevereiro, que os traba- num ambiente de subida do salário mínimo. Hoje,
lhadores por conta de outrem que se mantiveram quase um quarto dos trabalhadores portugueses
empregados tiveram aumentos médios de 3,7% recebe o ordenado mínimo, que aumentou de
entre abril de 2016 e abril de 2017; e os que muda- €505 para 580 euros desde 2015. Vivalda Silva foi
ram de trabalho beneficiaram de subidas médias uma das pessoas que beneficiaram. A empregada
de quase 8%. Então porque é que as estatísticas de limpeza consegue complementar este valor
parecem mais modestas? Há dois movimentos com os subsídios de turno.
que diluem esse crescimento: o número ainda E a verdade é que não se esperam grandes al-
grande de pessoas a sair do desemprego e aqueles terações nos próximos tempos. Especialistas em
que procuram o primeiro trabalho, normalmente recursos humanos ouvidos pela VISÃO acreditam
jovens. Em ambos os casos, as pessoas tendem a que o turismo vai continuar a ser o setor onde a
aceitar salários mais baixos. procura mais deverá continuar a subir – a par do
Bruxelas já avisou que esta debilidade salarial marketing e das vendas, que nos últimos dois anos
deverá continuar, com a criação de emprego em têm estado particularmente ativos –, mas é nas
setores que pagam menos, como o turismo. Mes- engenharias e na informática que se continuará a
mo quando há subida das remunerações, ela deve pagar mais. “A área das tecnologias da informa-

10 MAIO 2018 VISÃO 45


P E D R O G O N ÇA LV E S EDGAR ROCHA PAT R Í C I A G O N Ç A LV E S

MOTORISTA DE TÁXI MOTORISTA


DA CARRIS BANCÁRIA
€650 €1 820
€1 100
Em nove anos de
ligação à Carris,
nunca pensou mudar
Começou a trabalhar por conta de outrem aos 16 de emprego. Ainda Patrícia Gonçalves é uma entusiasta que gosta
anos. Há sete, aproveitando o facto de os que tenha entrado de desafios, e é talvez por isso que já passou
pais terem uma empresa de táxis, começou a na empresa mesmo por diversas áreas na instituição bancária
conduzir um pelas estradas de Lisboa. O seu a tempo de sofrer no onde trabalha desde 2000. Esteve sete anos
salário bruto – que tem dificuldade em decifrar recibo as reduções na rede de balcões, passou depois para os
nos primeiros minutos de conversa porque diz salariais da Troika, serviços centrais na sede, onde trabalhou em
pensar no dinheiro que vê “ao fim do mês” e não como o corte das várias áreas incluindo a formação, e está há
no que está no recibo de vencimento horas extraordinárias cinco anos num segmento digital do banco,
– ronda os 650 euros, o que, em líquidos, no que lhe levou o uma área em forte crescimento onde não
seu caso concreto, não vai além dos 580 euros. vencimento para a tem mãos a medir. Explica que as contas ao
O motorista de táxi de 42 anos admite, porém, casa dos 900 euros. seu salário têm de ser vistas com cuidado:
que além desse salário fixo consegue levar mais O motorista diz que como bancária reconhece que tem condições
“um extra” para casa entre os 100 e os 150 este ano “já se sentiu excecionais, como um bom
euros mensais, mediante o número de serviços alguma coisa” no seguro de saúde para toda
que faça e o valor dos mesmos. “É um prémio valor recebido ao a família e um crédito à
que não nos é dado, porque nos sai do corpo, final do mês, depois habitação com taxas
das horas que trabalhamos a mais”, diz Pedro do descongelamento muito vantajosas, “e isso
Gonçalves, queixando-se de que, à semelhança de valores vale muito dinheiro”.
da maioria dos seus colegas, não consegue suspensos durante a Para casa traz cerca de
“dar o acompanhamento necessário à família”. intervenção externa. 1 280 euros líquidos,
Entra normalmente ao serviço às 15h30 e acaba Mas admite que incluindo o subsídio
de trabalhar já de madrugada. No dia em que não haverá grande de refeição, e trabalha
foi fotografado para este artigo da evolução salarial aos sábados.
VISÃO, domingo, também estava nos próximos anos, “Face à minha
a trabalhar. Além do salário, que que atribui ao responsabilidade
considera “injusto”, o que o deixa “desinvestimento e à pressão
mais abatido é o ódio generalizado brutal” na Carris. diária, acho que
à profissão. “Nos últimos dois anos, Defende que merecia uma
sinto-me muito triste, porque nos “o ordenado devia remuneração
rotulam de ladrões. Se adoro ser um bocado um bocadinho
fazer isto? Já gostei mais. mais acima, com mais alta.”
Ultimamente não se vê melhores condições Infelizmente, há
ética nem civismo. Se para trabalhar,” o que dez anos que não
venho num carro, sou não chega para se é aumentada. Mas
uma pessoa normal. arrepender da opção: não é por isso que
Se venho num táxi, “Conheço quase baixa os braços.
sou o diabo.” todas as empresas
deste setor e a
Carris é a melhor
para trabalhar,” diz
ção é aquela que apresenta mais solicitações de o também dirigente entrada de players internacionais ajuda a explicar
profissionais e onde a procura de especialistas é sindical. a necessidade de jogar noutro campeonato no que
claramente superior à oferta disponível no País”, a remunerações diz respeito – fontes do setor re-
explica Isabel Meireles, da consultora Egor. “Neste velaram à VISÃO que a Google, por exemplo, está
domínio tem-se sentido uma clara alteração nos a oferecer salários 30% acima do que é a média
sistemas de compensação que passam não só por nacional. É possível que esta tendência se agrave
salários mais altos (um jovem recém-formado até 2020, “porque muitos dos investimentos que
pode auferir 1 500 euros ilíquidos) mas também foram feitos há dois ou três anos começam agora
por um conjunto de benefícios". “Os candidatos a ser rentabilizados”, adianta Isabel Meireles. Ou
procuram empresas com flexibilidade de horário e dito de outro modo: é aqui que as remunerações
que o pacote salarial inclua remuneração variável, deverão continuar a subir e a procura a aumentar.
seguro de saúde…”, exemplifica Álvaro Fernandez,
diretor da Michael Page Portugal. ONDE SUBIRAM MAIS OS SALÁRIOS?
E enquanto o País se debate com este défi- Os salários diferem entre setores e também na
ce de talentos, tem-se tornado berço de novas sua evolução. A maioria das atividades viu as re-
tecnológicas nacionais e gigantes estrangeiros munerações agregadas aumentar, mas nenhuma
que estão determinadas em conseguir todos os se aproximou do crescimento de 27% que os já
quadros possíveis. Esta escassez de recursos e a referidos trabalhadores de instituições internacio-

46 VISÃO 10 MAIO 2018


ANA BERJANO PENEDO

Em que profissões se recebe mais? AJUDANTE DE AÇÃO DIRETA


Conheça os setores da economia portuguesa com os salários mais
elevados. A diferença entre o topo e a base é superior a dois mil euros
SALÁRIO BRUTO VARIAÇÃO
€1 150
ATIVIDADES PROFISSIONAIS (EUROS) 2011/2016
Foram precisos mais de 15 anos – e a
Eletricidade e gás 2 941,60 8,1%
decisão que mudou a sua vida – para que
Atividades financeiras e de seguros 2 313,46 2,3% a folha de salário de Ana pudesse mostrar
Organismos internacionais 2 228,17 26,9% alguma evolução. Começou por ganhar o
correspondente a 486 euros, em 2000, na
Telecomunicações 2 164,78 -0,3% Santa Casa da Misericórdia de Oeiras, depois
Prod. petrolíferos, químicos, fibras sintéticas 1 834,17 -0,2% de algum tempo a trabalhar como voluntária
Produtos farmacêuticos 1 724,18 -0,2% no banco alimentar da instituição. “Oitenta
contos!” líquidos, recorda. Dois anos depois,
Programação informática e informação 1 714,18 -4,6% começou a trabalhar noutra IPSS e viu o
Atividades artísticas e desporto 1 710,96 4,3% vencimento aumentar para 575 euros por mês,
um patamar que não se alteraria muito mais
Cinema, TV, música e rádio 1 706,07 -0,1% na década seguinte. Há um ano, veio a grande
Atividades postais 1 493,82 -0,2% mudança – após várias formações, começou
Atividades científicas e técnicas 1 358,58 -1,8% a trabalhar por conta própria na assistência
domiciliária a idosos e a dependentes na
Transportes terrestres, por água e aéreos 1 343,97 2,4% zona de Linda-a-Velha. A ajudante de ação
Indústrias extrativas 1 286,78 12,5% direta passou a ganhar
o dobro, 1 150 euros
Equip. informático e produtos eletrónicos 1 273,29 8,5%
brutos por mês, e com
Comércio por grosso 1 266,07 2,8% vantagens para os dois
Pesca e aquicultura 1 261,27 -1,4% lados: “É um serviço
mais personalizado e
Fabrico de pasta, de papel e cartão 1 235,51 1,9% tenho tempo para gerir
Fabrico de veículos automóveis 1 232,01 3,7% melhor o meu trabalho.
Não tem nada a ver”,
Educação 1 218,18 1,1%
diz, comparando
Atividades de saúde humana 1 211,02 3,1% com a anterior
Reparação e instalação de máquinas 1 205,13 -10,2% situação. Hoje
divide trabalho com
Fabrico de artigos de borracha e plástico 1 195,99 5,3% mais uma pessoa
Atividades imobiliárias 1 101,57 -1,6% e antecipa que o
envelhecimento da
Água, saneamento e resíduos 1 092,50 -0,9%
população lhe traga
Outros produtos minerais não metálicos 1 084,52 2,0% mais oportunidades
Indústrias metalúrgicas de base 1 056,10 5,5% de trabalho:
“Gostava de
Administração Pública e Defesa; Seg. Social 1 031,68 -2,6% continuar nesta área
Indústria da madeira e da cortiça 997,01 7,8% e ter mais pessoas a
Indústria alimentar, das bebidas e tabaco 995,64 4,0% meu cargo”, conclui.

Outras indústrias transformadoras 981,50 8,4%


Comércio e reparação de automóveis 979,15 1,9%
Imobiliário e engenharia civil 969,59 -2,8% nais tiveram desde 2011. Outra área que também
recebeu boas notícias foi a da indústria extrativa,
Outras atividades de serviços 964,70 4,1% com a média salarial a subir 12,5%. Curiosamente,
Atividades de construção 933,51 6,0% em terceiro lugar surge o setor têxtil, que deu um
Atividades administrativas e serviços de apoio 915,81 1,3% salto de quase 11%. Não foi suficiente para o tirar
do grupo dos mais mal pagos, mas deixou de ser
Comércio a retalho 910,71 4,4% o lanterna vermelha. Veja-se o caso de Rosa Ma-
Atividades de apoio social 802,88 5,3% ria, costureira de uma fábrica em Guimarães há
Agricultura e silvicultura 793,26 4,8% 33 anos e cujo ordenado só variou em função do
QUADROS DE PESSOAL, GEP

aumento do salário mínimo. E se esta atividade


Fabrico de mobiliário e de colchões 785,38 7,3% tem escalado nas cadeias de valor internacionais,
Têxteis, vestuário e calçado 769,31 10,6% também é verdade que é um setor que vive so-
Hotelaria e restauração 758,99 5,1% bretudo de processos mecânicos, precisamente os
que necessitam de cada vez menos mão de obra.
TOTAL 1 107,86 2,1% “Com as crescentes automação e digitalização, as

10 MAIO 2018 VISÃO 47


B E AT R I Z D O M I N G U E S GONÇALO PEDREIRINHO CARLOS GIL

ENFERMEIRA AUXILIAR
DE TRATADOR
ZOOLÓGICO
AGENTE IMOBILIÁRIO
€1 290 €710
Aos 38 anos, tem uma
€3 071
coisa boa a apontar:
Enquanto fazia o curso na Escola Superior faz aquilo de que O segredo é a alma do negócio, particularmente
de Enfermagem de Lisboa, na reta final do gosta. O seu primeiro no setor imobiliário, em que se ganha em
programa de resgate financeiro, havia uma emprego – e até hoje função do que se produz, sem contrato efetivo
certeza na cabeça de Beatriz: teria de emigrar o mais bem pago – foi ou salário fixo. Há mais de uma década na
quando obtivesse a licenciatura. “A única ideia na Worten, mas depois profissão, Carlos Gil trabalha a recibo verde
que tinha era a de sair do País”, admite. Porém, disso esteve sempre e o seu rendimento anual foi 43 mil euros, o
ao contrário de outros colegas – que, mesmo ligado ao mundo dos equivalente a um valor mensal médio bruto,
com mais possibilidades de trabalho em animais. O salário é a dividir por 14 meses, de 3 071 euros. “Não é
Portugal, acabaram por ir para o estrangeiro –, pequeno, desabafa, real face ao valor líquido, mas considero que
ela optou por ficar. A oportunidade surgiu ali a bater o mínimo: sou bem remunerado”, admite.
numa área em que nunca esperou trabalhar, são 710 euros brutos, Quanto às comissões que
a oncologia. Na folha salarial do primeiro já com o subsídio de ganha por cada imóvel
emprego, no IPO, estava inscrito um salário refeição, para um vendido, elas variam
bruto de 1 201,40 euros, recorda, ao cêntimo. total líquido de 643 muito e dependem das
Esteve lá “seis ou sete meses” até que surgiu euros. As perspetivas condições da agência e
a possibilidade de ingressar no setor privado. de progressão na da capacidade negocial
Com a mudança, o salário bruto subiu quase carreira, de formação dos comerciais. O
90 euros – para 1 290 euros. “Mas depois dos ou de aumentos são colaborador da 2 Easy
descontos fica mais ou menos na mesma”, nulas, exceção feita às mostra-se otimista
reconhece. Se, no imediato e no início de carreira atualizações do salário quanto ao futuro
(leva dois anos de profissão), o ganho é marginal, mínimo, decididas do setor: “Com a
Beatriz acredita que a longo centralmente. Ainda Banca a voltar
prazo a transição para o privado assim, admite, não a emprestar
fará a diferença. “Durante o pondera mudar de dinheiro,
curso é-nos dito o valor de área. Trabalha numa acredito que
tabela que vamos ganhar [no das maiores empresas os preços
público], mas não sabemos do setor dos animais das casas
o que vamos progredir na em Portugal e tem vão continuar
carreira”, explica. Já no atual ali a oportunidade a subir nos
emprego, que prefere não de viver experiências próximos
identificar, vê um horizonte que dificilmente quatro anos.”
menos nebuloso: “Aposta conseguiria noutra
muito nas pessoas, na companhia. Casado
formação, na carreira”, e com três filhos, o
diz da instituição onde orçamento familiar
hoje trabalha. Emigrar equilibra-se com o
passou de ideia certa a salário da mulher,
cenário afastado: “Está um pouco melhor
fora de questão”, assegura. do que o seu, e com
a vantagem de não
pagar renda, por ter
casa própria que
funções repetitivas e sem criatividade tenderão a lhe foi deixada pela tegoria (-4,6%). Carlos Gil, consultor imobiliário,
ser progressivamente eliminadas, sendo substi- família. tem um salário médio acima dos 3 000 euros e
tuídas por outras”, acredita Nuno Troni, diretor acredita que nos próximos quatro anos o setor
da Randstad. Algo que não acontecerá no curto vai continuar a crescer.
prazo, acredita o especialista, mas que tem de ser E se isolarmos a área da informática, há certa-
considerado a médio prazo. mente motivos para sorrir no futuro. Atualmente
Entre as atividades que vivem um ajustamen- as ofertas rondam os 1 964 euros brutos para um
to salarial mais forte parecem estar a instalação developer e os 2 140 euros para um analista de big
e a reparação de máquinas e equipamento, cuja data. Nas engenharias, as propostas podem variar
remuneração caiu mais de 10% desde a entrada entre os 1 466 euros (produção) e os 3 200 (dire-
da Troika. Em 2016, a área do imobiliário e da ção de qualidade), segundo dados da Randstad.
engenharia civil também ainda não tinham re- Mas o que conta, efetivamente, na hora de
cuperado até ao nível em que estavam antes do pagar a um empregado? O tempo parece ser
período mais difícil de austeridade (-2,8%), bem um fator determinante. Em Portugal, em ter-
como as atividades de programação informática mos globais, o salário de um trabalhador que
e de informação, que são colocadas na mesma ca- tenha mais de 20 anos de casa é equivalente a

48 VISÃO 10 MAIO 2018


VIANA DO CASTELO
SALÁRIO VARIAÇÃO
BRUTO 2011/2016 VILA REAL BRAGANÇA
899,57 4,5% SALÁRIO VARIAÇÃO SALÁRIO VARIAÇÃO
BRUTO 2011/2016 BRUTO 2011/2016
897,29 5,7% 858,81 0,2% ROSA MARIA
BRAGA
SALÁRIO VARIAÇÃO
BRUTO 2011/2016
895,72 5,1%
COSTUREIRA
€580
PORTO
SALÁRIO VARIAÇÃO
BRUTO 2011/2016 É costureira há 33 anos. Começou com 13 e
1 058,57 3,4% VISEU hoje já conta 46. Ocupa o seu último posto de
SALÁRIO VARIAÇÃO trabalho, numa têxtil de Pevidém, Guimarães,
BRUTO 2011/2016 há 20 anos. E ganha 580 euros brutos. Quem a
AVEIRO 894,61 2,5% conhece qualifica-a de “excelente profissional”
SALÁRIO VARIAÇÃO numa atividade em falta. Mas isso não parece
BRUTO 2011/2016
GUARDA fazer qualquer diferença no que lhe entra no
1 001,02 5,7% bolso no fim do mês.
SALÁRIO VARIAÇÃO
BRUTO 2011/2016 Rosa Maria ganhou “o salário mínimo nacional
COIMBRA 857,61 6,1% durante toda a vida”. E passou quase toda a
SALÁRIO VARIAÇÃO vida sentada à frente da máquina de costura,
BRUTO 2011/2016 oito horas diárias, de segunda a sexta, para
990,53 2,2% CASTELO BRANCO perfazer as 40 horas semanais, as quais se
SALÁRIO VARIAÇÃO comprometeu fazer. “A tesoura anda sempre
BRUTO 2011/2016 comigo.”
LEIRIA
875,03 4,4% Tem uma filha de 20 anos – não deu para ter
SALÁRIO VARIAÇÃO mais –, que é auxiliar de Saúde, e um marido
BRUTO 2011/2016
tecelão. Todos os dias, aproveita as duas horas
975,87 3,7% PORTALEGRE do horário de almoço para ir a casa comer.
SALÁRIO VARIAÇÃO Só assim consegue governar-se
SANTARÉM BRUTO 2011/2016 com os 52 euros de subsídio
SALÁRIO VARIAÇÃO 915,42 3,9% de alimentação que recebe
BRUTO 2011/2016 a cada mês. “Não dá para ir
ÉVORA
962,52 2,4% comer ao restaurante.”
SALÁRIO VARIAÇÃO O que ela gostava mesmo era
BRUTO 2011/2016
de ver um qualquer
LISBOA 967,64 3,3%
governante viver com
SALÁRIO VARIAÇÃO o salário mínimo.
BRUTO 2011/2016
1 395,75 0,4% Só para perceber
BEJA se aguentavam.
SALÁRIO VARIAÇÃO “Mas sabe, o
SETÚBAL BRUTO 2011/2016 que é preciso é
SALÁRIO VARIAÇÃO 981,92 1,2% dignidade acima
BRUTO 2011/2016 de tudo. E não ter
QUADROS DE PESSOAL, GEP

1 190,04 3,9% medo de dizer o que é


a realidade. Porque as
FARO
pessoas nem sabem
SALÁRIO VARIAÇÃO SALÁRIOS a força que têm. Se
BRUTO 2011/2016
942,73 0,0%
POR DISTRITO todos se unissem…”
Embora o salário
bruto em Portugal
supere os 1 100 euros,
178% de outro que tenha menos de um ano. Os em 14 dos 18 distritos inteligência emocional, liderança e resolução
setores onde a antiguidade faz mais diferença do Continente, o de problemas complexos” vão ser cada vez mais
são produção petrolífera, transportes terrestres ordenado médio não valorizados, diz o especialista.
e aéreos e eletricidade e gás. Nestes três casos, chega a mil euros,
as remunerações são mais de 210% superiores. com os valores mais VALE A PENA ESTUDAR
Claro que esta análise não é linear e há mesmo baixos a observarem- Tem crescido a ideia de que estudar já não é ga-
setores em que a antiguidade até é sinónimo de -se em Bragança e na rantia de um salário mais alto. Mas a realidade é
menos dinheiro ao final do mês. Na pesca e nas Guarda. Os lisboetas que um licenciado em Portugal tem um ordenado
são, de longe, aqueles
atividades artísticas, por exemplo, os ordenados mais de duas vezes superior a um trabalhador que
que tendem a receber
de quem tem mais de 20 anos de casa são mais não tenha concluído o primeiro ciclo do Ensino
mais dinheiro ao final
baixos do que os de quem entra agora na ativida- do mês, com perto de
Básico (255%). Se os primeiros têm um salário
de. Nuno Troni acredita que a digitalização veio 1 400 euros. bruto médio de 1 814 euros, os segundos ficam-se
trazer alguns desafios aos trabalhadores, que têm por 711 euros (se a comparação for feita com os
de valer cada vez mais por tudo o que são caracte- SALÁRIO VARIAÇÃO doutorados, a diferença é ainda maior). Dispa-
BRUTO 2011/2016
rísticas humanas e não replicáveis por máquinas. ridades que, naturalmente, podem acentuar-se
“Pensamento crítico, criatividade, negociação, TOTAL 1 107,86 2,1% consoante o setor. A diferença entre um licenciado

10 MAIO 2018 VISÃO 49


VIVALDA SILVA A N D R E I S I LVA
RÁCIO MAIS
ATIVIDADES PROFISSIONAIS
DE 20 ANOS
DE ANTIGUIDADE VS.
MENOS DE UM ANO
EMPREGADA
DE LIMPEZA CHEFE DE SALA
€1 500
€834
Aos 57 anos,
ONDE É QUE A ANTIGUIDADE É MAIS IMPORTANTE trabalha desde
1991 no Aeroporto
Prod. petrolíferos, químicos, de Lisboa, a limpar Aos 34 anos, Andrei está no topo da área
230%
fibras sintéticas os aviões antes de operacional de um hotel de cinco estrelas, em
iniciarem viagem. Cascais – a partir daí, só subindo à direção.
Transportes terrestres, Ganha 580 euros, o
222% Com o apoio de quatro subchefes, gere três
por água e aéreos ordenado mínimo, restaurantes, dois bares e nove salas de
Eletricidade e gás 216% mais €254 devido reuniões, sendo que o brunch ao fim de semana
aos subsídios de é muito concorrido. Nada que o assuste, porque
Programação informática turno. “Isto porque está há 18 anos no turismo de luxo. Terminado
209% trabalhamos aos
e informação o 12.º ano, começou como empregado de mesa
sábados, domingos e aos 26 já era chefe de sala, embora numa
Atividades administrativas e à noite”, conta. operação mais pequena. Neste hotel, entrou
204%
e serviços de apoio Depois dos como subchefe e pouco tempo depois foi
descontos, leva promovido, passando a coordenar uma equipa
Água, saneamento e resíduos 204% para casa perto de 40 pessoas e a ganhar 1 500 euros brutos,
Fabrico de pasta, de papel de 650 euros. Não valor que inclui a isenção de horário. “Trabalho
194% foi sempre assim. 10 a 12 horas por dia e mesmo em casa o
e cartão
“Em 1991, estava telemóvel não para. Não é uma vida fácil, temos
Atividades imobiliárias 191% a trabalhar no de gostar do que fazemos.” Todos
comércio e ganhava os meses leva no bolso mil e
Atividades postais 183% 32 contos por poucos euros, mais xis das
Fabrico de veículos automóveis 178% mês, e quando fui gratificações, sempre variáveis
para a empresa de e taxadas a 10% quando são
ONDE É QUE A ANTIGUIDADE É MENOS IMPORTANTE limpeza passei a pagas com cartão juntamente
ganhar 65”. Mas com o quarto. Sabe que há
Agricultura e silvicultura 137% tudo mudou. “Com hotéis a pagar melhor
os anos, muitas (“No Ritz se calhar são
Atividades de apoio social 137% profissões foram 2 500€”), mas valoriza
ficando encostadas a vertente humana
Atividades de saúde humana 134% ao ordenado mínimo do grupo (“Temos
Indústria da madeira e da cortiça 128% nacional”, conta. nove hotéis e fazem
É exatamente o muitas ações de
Outras indústrias transformadoras 125% ordenado mínimo team building”) e a
que muitas margem de manobra
Fabrico de mobiliário e de colchões 123% empregadas que lhe dão para ser
domésticas criativo. “O dinheiro
Têxteis, vestuário e calçado 121%
QUADROS DE PESSOAL, GEP

declaram, não é mesmo tudo. O


Organismos internacionais 119% área complexa trabalho também tem
porque boa parte de dar prazer e puxar
Atividades artísticas e desporto 87% declara menos por nós.”
do que recebe.
Pesca e aquicultura 77%
Esta dirigente
do Sindicato dos
e um trabalhador pouco qualificado na área da Trabalhadores de ouvidos pela VISÃO, que salientam a escassez
produção petrolífera – pense na Galp – é enorme: Serviços de Portaria, de recursos altamente especializados em áreas
de 801 para 2 856 euros. Outros casos em que os Vigilância, Limpeza, tão diversas como a logística, a manutenção ou o
Domésticas
licenciados têm um “prémio” de mais de 300%: digital. A metalurgia e metalomecânica precisam,
e Actividades
televisão, rádio e música, atividades postais, admi- por exemplo, de mais 28 mil trabalhadores no
Diversas, confirma.
nistração pública, e transportes terrestres e aéreos. “A maior parte
curto prazo, escreveu o Público há poucos meses.
Por outro lado, é na área financeira e das pescas das trabalhadoras É preciso salientar que estas necessidades
que as diferenças são menores, embora sejam ca- domésticas declara não são homogéneas. Cada região tem níveis
sos totalmente diferentes. O primeiro explica-se à Segurança de procura diferentes e oferece também re-
pelo facto de as remunerações já serem bastante Social um valor e munerações distintas. Embora o ordenado
elevadas (os rendimentos dos menos qualificados recebe outro”, diz, bruto nacional ronde os 1 100 euros, apenas
são superiores a 1 900 euros), enquanto nas pescas admitindo que não quatro distritos apresentam médias de quatro
ocorre o contrário: um licenciado ganha pouco há dados sobre o dígitos: Lisboa, Setúbal, Porto e Aveiro, com
mais de 1 600 euros brutos. assunto por ser a capital a rondar os 1 400 euros. Em Bra-
A especialização, aliás, é apontada como re- impossível de gança e na Guarda, os salários são conside-
quisito por praticamente todos os profissionais identificar. ravelmente mais baixos, à volta de 850 euros.

50 VISÃO 10 MAIO 2018


ISLÂNDIA 21 857

SUÉCIA 22 516

Na cauda da Europa NORUEGA 31 028


FINLÂNDIA 22 046

Portugal está entre os países


da Zona Euro com salários mais
baixos, acima da Grécia e de três
países de leste. Pouco mais de um
terço do Luxemburgo

REINO UNIDO 20 394


ESTÓNIA 13 865

DINAMARCA 23 679
LETÓNIA 10 887
IRLANDA 20 275

HOLANDA 23 697 LITUÂNIA 11 545

POLÓNIA 12 310
BÉLGICA 22 636
ALEMANHA 23 946
R. CHECA 14 063
LUXEMBURGO 32 969
ESLOVÁQUIA 11 173

ÁUSTRIA 24 767
PORTUGAL 12 885 HUNGRIA 9 495

ROMÉNIA 5 297
ESLOVÉNIA 16 588
PORDATA, EUROSTAT

SUÍÇA 31 193 BULGÁRIA 8 327


CROÁCIA 9 559

FRANÇA 24 155 ITÁLIA 17 380

ESPANHA 17 572
MALTA 19 196
GRÉCIA 10 219 CHIPRE 19 318

QUE NÚMEROS
“Há muita timidez quando se trata de investir SÃO ESTES? atualidade económica. A lógica devia ser simples:
noutras cidades, sobretudo no interior”, sublinha Em vez de euros, este menos desemprego significa menos mão de obra
Afonso Carvalho, diretor-geral da Kelly. mapa está expresso disponível, portanto um estímulo para exigir e
em paridade de pagar salários mais altos. Esse mecanismo pa-
UM PROBLEMA MUNDIAL poder de compra. rece ter deixado de funcionar da mesma forma.
Uma moeda fictícia
A evolução salarial dos portugueses não tem sido O desemprego está em níveis muito baixos em
que procura eliminar
particularmente entusiasmante, sobretudo se vários países – nos EUA ronda os 4% e no Japão
diferenças de preços
compararmos com o resto dos países europeus. entre os países,
está abaixo dos 3% –, sem que os salários reajam
Mesmo que utilizemos paridades de poder de permitindo uma em consonância.
compra – uma forma de harmonizar os salários melhor comparação Não existe uma explicação consensual para
levando em conta o custo de vida –, Portugal tem de níveis de bem- este comportamento. Há quem argumente que
a quinta remuneração mais baixa da Zona Euro, -estar. Os portugueses é o “novo normal”, que faltam mais estímulos à
pouco mais de um terço do nº 1, o Luxemburgo. ganham menos do procura pelos governos ou que é preciso abater
Embora no contexto europeu o nosso nível de que os alemães, mas as montanhas de dívida pública e privada. Mas
partida seja baixo, a débil evolução dos salários também têm bens e no centro das explicações tende a estar a desi-
é um problema mundial. É um dos mistérios da serviços mais baratos. gualdade. Os trabalhadores com qualificações

10 MAIO 2018 VISÃO 51


MARCELO
REBELO DE SOUSA
“Acho que o que
Salários dos políticos
Os vencimentos dos titulares de cargos políticos estão indexados ao do
ganho é justo. Agora, Presidente da República. O presidente da Assembleia da República recebe
tenho de ter cuidado 80% do salário de Marcelo Rebelo de Sousa, o primeiro-ministro 75%, os
na gestão, para dar o ministros 65%, etc. Atualmente, os salários dos políticos (Administração
exemplo ao Estado”, Central e Local) estão sujeitos a um corte de 5 por cento. Ao vencimento
disse Marcelo, poucos acrescem as despesas de representação, que são pagas ao longo de 12 meses
meses depois de ter
tomado posse VENCIMENTO- DESPESAS DE REMUNERAÇÃO
CARGOS
BASE BRUTO REPRESENTAÇÃO TOTAL ILÍQUIDA
ANTÓNIO COSTA Presidente da República €7 630,33 €3 052,13 €10 682,46
“Infelizmente, o Presidente da Assembleia
ordenado do €6 104,26 €2 441,71 €8 545,97
da República
primeiro-ministro
é muito inferior ao Primeiro-ministro €5 722,75 €2 289,10 €8 011,85
que existe na Banca, Ministros €4 959,71 €1 983,89 €6 943,60
mas não me queixo”, Secretários de Estado €4 578,20 €1 602,37 €6 180,57
disse, num debate Deputados €3 815,17 €0,00* €3 815,17
sobre os salários dos
gestores da CGD Presidente das câmaras
€4 196,68 €1 222,07 €5 418,75
de Lisboa e Porto
Câmaras com mais
€3 815,17 €1 110,97 €4 926,14
de 40 mil eleitores
ASCENSO SIMÕES
Câmaras entre 10 mil
Publicou o seu recibo €3 433,65 €999,88 €4 433,53
e 40 mil eleitores
de vencimento no
Facebook logo após Câmaras com menos
€3 052,13 €888,78 €3 940,91
a polémica sobre os de 10 mil eleitores
apoios e subsídios Nota: tabela em vigor sem o corte de 5% a que os governantes estão sujeitos
ganhos pelos por imposição do Artigo 11º, nº 1 e 2 da Lei nº 12-A/2010, de 30-06-2010;
deputados, por vezes *os deputados não têm despesas de representação mas podem receber
superiores ao salário mais consoante a sua atividade política e outros fatores

FERNANDO MEDINA
O Presidente da Câmara
de Lisboa, a par do seu
homólogo do Porto,
Salários da Função Pública
Salários médios brutos dos trabalhadores de vários setores das
são os autarcas mais
administrações públicas e a sua evolução ao longo dos últimos
bem pagos do País,
quatro anos, segundo o Boletim Estatístico do Emprego Público
com um vencimento
equivalente a 55% do 2013 2017 VARIAÇÃO
auferido pelo Presidente
da República Transportes 1608,2 1960,6 21,9127
Comunicação 2233,5 2408,1 7,817327
Ensino Básico 1653,8 1692,2 2,321925
médias perderam espaço, deixando o mercado Ensino Superior 2292,1 2507,2 9,384407
mais estratificado entre muito e pouco qualifica- Actividades artísticas 1824 1904,1 4,391447
dos. Estes últimos têm de lidar com uma quebra Bibliotecas, museus, arquivos 1304,3 1339,8 2,721766
generalizada da contratação coletiva que, con-
jugada com a vaga de automatização, lhes reduz Agricultura, caça, floresta 1028,3 1048,1 1,925508
o poder de negociação. A globalização tem um Alojamento, restauração 1366,5 1439,6 5,349433
papel importante. Embora seja uma história com Financeiros 2155,2 2541,8 17,93801
vencedores claros – e milhões saídos da pobre-
za –, coloca trabalhadores de diferentes países Consultoria técnica 1867,8 1976,7 5,830389
em competição direta uns com os outros, com Saúde 1663,5 1731 4,05771
grandes disparidades salariais. Em paralelo, há Apoio social 1206 1321,2 9,552239
QUADROS DE PESSOAL, GEP

cada vez mais riqueza concentrada na ponta mais


estreita da pirâmide. Os sete milhões de pessoas Atividades recreativas 977,3 1013,8 3,734779
que constituem os 0,1% mais ricos do mundo Defesa, justiça, segurança 1784,1 1921,4 7,695757
capturaram tanta da nova riqueza criada desde Segurança Social 1340,9 1406,8 4,91461
os anos 80 como os 3,8 mil milhões que estão
entre os 50% mais pobres. MÉDIA TOTAL 1593,4 1676,8 5,234091

52 VISÃO 10 MAIO 2018


NUNO POÇAS CATARINA SANTOS JOÃO TORGAL
ESPECIALISTA
ADVOGADO DE SOLUÇÕES
PRÉ-VENDA DE
JORNALISTA
€2 000 SOFTWARE
€2 500
€1 300
Aqui está um caso
em que a mudança
Sabe que ganha um salário acima da média Fazer contas à vida é um exercício a que o
de emprego – do
nacional, mas acredita que este não paga jornalista João Torgal está habituado – até
I&D em Defesa para
o peso da responsabilidade que tem um porque é licenciado e mestre em Matemática.
a área comercial,
advogado. “Temos a vida das pessoas nas Há três anos e meio que tem vínculo precário
numa multinacional
mãos. E mesmo que esteja a tratar de um com a estação informativa da rádio pública,
de software – se
processo de 2 milhões, eu ganho os mesmos a Antena 1. Passa um recibo de 1 300 euros
revelou um pulo de
€100 a 150 euros à hora, numa sociedade.” mensais, mas o seu ordenado líquido é 850
gigante em termos
Nuno Poças passou por várias sociedades de euros. Na verdade, deveria ser 725 euros,
salariais. Quando
advogados, por um gabinete governamental se descontasse o valor da Segurança Social
entrou na SAP
e até pela campanha de Marcelo Rebelo de correspondente ao ordenado bruto, mas optou
Portugal, no início
Sousa, antes de decidir trabalhar por conta por baixar de escalão e desconta como se
de 2016, Catarina
própria. Sentia-se “cansado do ambiente de ganhasse o salário mínimo nacional, uma opção
Santos passou de
sociedade”, onde trabalhava mais de 10 horas prevista na lei e que irá prejudicá-lo na altura
um ordenado de
por dia para conseguir ganhar o mesmo do da reforma. Subsídios não existem, nem sequer
1 200 euros para
que hoje. Com a diferença de que agora “tem o de refeição. “Claro que este ordenado e estas
1 700 euros brutos
uma vida”, trabalha com horário fixo e não condições de trabalho não são justos”, desabafa
por mês. Nestes
leva o computador para casa. Lamenta que as o jornalista, que assume responsabilidades
mais de dois anos
contribuições para a Caixa de Previdência e a editoriais regularmente. João Torgal é um
o vencimento
carga fiscal sejam tão penalizadoras e acredita dos profissionais que esperam ver a sua
passou para os 2
que quem escolhe a profissão vai “ao precariedade resolvida através do programa de
500 euros – só na
engano”, fascinado por algumas regularização dos recibos verdes do Estado. “Se
componente fixa,
grandes figuras que não são eu estivesse no quadro da empresa a ganhar o
já que a parcela
representativas do setor. “Nem mesmo ordenado bruto não seria tão mau, mas
de remuneração
todos são o Proença de Carvalho a recibos verdes os descontos são tremendos”,
variável (20% do
ou o José Miguel Júdice”, atira, lamenta. “Há muitos jornalistas
total) lhe eleva o
meio a sério meio a brincar. a ganharem ainda menos do
vencimento para os
Assume que continua que eu, o que ilustra o estado
45 mil euros brutos
na advocacia para pagar catastrófico da profissão em
anuais, a que se
contas, e porque começar termos financeiros”, constata.
juntam benefícios
uma carreira do zero, Aos 34 anos, João partilha um
conquistados,
agora, seria ainda apartamento com várias
entretanto, como o
mais penalizador. pessoas, em Lisboa. Com
plano de pensões,
Chama aos advogados o seu ordenado seria
o carro para uso
“proletários de impossível alugar ou
profissional ou
colarinho-branco” comprar, sozinho, uma
o incentivo para
que não têm horários, casa na cidade. Por
compra de ações;
recebem pouco e enquanto, apenas os
e a possibilidade
trabalham apenas para seus sonhos estão
de fazer carreira
pagar contas. hipotecados.
internacional: “Aqui
há muita facilidade
em mobilidade,
Recorde-se que, na última mensagem de Na- estamos expostos também o ordenado médio bruto dos novos
tal do primeiro-ministro, António Costa elegeu a diferentes contratos não chega a 700 euros. No centro dos
o emprego como a prioridade do Governo para ambientes, culturas problemas do mercado de trabalho está ainda a
2018. Não apenas a criação de mais postos de tra- e mercados. desigualdade profunda entre homens e mulhe-
Se surgir a
balho, mas a melhoria da qualidade dos mesmos. res: em média, as mulheres recebem 230 euros
oportunidade...”
“Essa é a prioridade que definimos para o ano a menos do que os homens. Mas há alguns sinais
de 2018: emprego digno, salário justo, oportu- de otimismo. Nos últimos dez anos, o ordenado
nidade de realização profissional são condições bruto delas aumentou mais de 18%, enquanto
essenciais para os jovens perspetivarem o seu o deles subiu menos de 14%. A “qualidade” do
futuro aqui connosco, em Portugal”, afirmou o emprego também não está a melhorar no que
governante. diz respeito aos vínculos: os contratos a prazo
Um objetivo que tem tido resultados mistos. e falsos recibos verdes representam 22% dos
Embora Portugal venha transformando cada trabalhadores por conta de outrem, rácio que
trimestre numa surpresa agradável no mercado está estável e que continua a ser um dos mais
de trabalho, o mesmo não se pode dizer dos elevados da Europa. visao@visao.pt
salários. Não só a evolução tem sido débil mas *com C.P., C.S., M.A., C.G., S.C., V.M., T.F., P.Z.G. e R.R.

10 MAIO 2018 VISÃO 53


ACERTO DE

54 VISÃO 10 MAIO 2018


CONTAS FINAL

Pouco mais de 24 horas bastaram para o núcleo duro


de Costa deixar cair Sócrates. Augusto Santos Silva diz que
a investigação a Pinho foi “a gota de água que fez transbordar
um copo demasiado cheio” O C TÁV I O L O U S A D A O L I V E I R A

10 MAIO 2018 VISÃO 55


E
Estávamos a 22 de novembro de 2014,
sábado. António Costa preparava-se
para ser oficialmente secretário-ge-
ral do PS, após um prolongado duelo
fratricida com António José Seguro.
Aquele fim de semana adivinhava-se
pacífico. Porém, a detenção de José
Sócrates, na noite da véspera, relegava
as diretas para segundo plano e amea-
çava contaminar o 20º Congresso,
aquele que serviria para o aclamar.
Por isso, numa jogada de antecipação,
nessa manhã, o agora primeiro-mi-
nistro escreveu aos militantes. Numa
SMS que se transformou no mantra
para a maioria dos socialistas, pediu SEGUNDA-FEIRA, 7 DE MAIO guião de fidelidade à separação de
contenção no verbo e procurou con- poderes, mesmo quando choveram
trolar os danos. “SE OS ataques ao trabalho do Ministério
“Os sentimentos de solidariedade Público, quer pela morosidade da
e de amizade pessoais não devem COMPORTAMENTOS investigação quer pelas fugas de infor-
confundir a ação política do PS, que CRIMINOSOS mação que acabavam nas páginas de
é essencial preservar, envolvendo o jornais e nas revistas, ou até exibidas
partido na apreciação de um processo DE QUE SE FALA em vídeo em horário nobre televisivo.
que, como é próprio de um Estado FOREM PROVADOS,
de Direito, só à justiça cabe conduzir
com plena independência que res- SENTIR-ME-EI NÃO PINHO, “O TRIGGER”
A lei não escrita vigorou mais de três
peitamos”, defendeu nessa mensa- SÓ EMBARAÇADO anos: 1258 dias, em bom rigor, até
gem em que pedia nervos de aço aos quarta-feira passada, 2. Em pouco
camaradas, mesmo àqueles que se COMO TRAÍDO” mais de 30 horas, sete dos principais
sentissem “chocados” com a notícia quadros do PS revogaram a norma
sobre o ex-primeiro-ministro. A lei Augusto Santos Silva que impuseram a si mesmos e aos de-
não escrita – e repetida à saciedade, em declarações à VISÃO, já depois mais: os alegados pagamentos (perto
mesmo quando serviu de subterfúgio de José Sócrates ter anunciado de 15 mil euros/mês) do Grupo Es-
para que a cúpula dirigente não falas- o adeus ao PS pírito Santo (GES) ao ex-ministro da
se sobre a Operação Marquês – de Economia, Manuel Pinho, quando este
que “à política o que é da política, e à desempenhava funções executivas,
justiça o que é da justiça” tinha nessa forçaram-nos a um novo posiciona-
SMS o primeiro ensaio. mento e reconheceram o embaraço e
Poucos foram aqueles que desa- a vergonha que poderão vir a sentir,
fiaram o discurso dominante, raras caso as suspeitas sejam confirmadas
foram as vozes que se desviaram do em tribunal. Até porque o PSD já

56 VISÃO 10 MAIO 2018


chamara Pinho ao Parlamento, e o BE QUARTA-FEIRA, 2 DE MAIO Em todo o caso, fontes partidá-
avançara com a proposta de uma co- rias ouvidas pela VISÃO, mostram-se
missão de inquérito alargada (a incidir “O MINISTÉRIO desconfiadas “É óbvio que foi algo
sobre as rendas do setor energético
e também sobre os Executivos de
PÚBLICO orquestrado e validado pelo Costa”,
garante um dirigente do PS, para quem
Durão Barroso, de Pedro Santana E AS INSTÂNCIAS o timing das declarações, feitas em “ca-
Lopes, de Pedro Passos Coelho e do
próprio António Costa).
JUDICIAIS DEVEM tadupa”, indicia que a direção nacional
percebeu que seria “insustentável” não
Fernando Medina deu o mote, por SER IMPLACÁVEIS criar um perímetro de segurança face
volta das 12 horas, num debate na
Rádio Renascença, ao advogar que
NA AFERIÇÃO àqueles dois casos. “Basta ver quem
foram as pessoas que falaram...”, confi-
“o Ministério Público e as instâncias DA LEGALIDADE dencia o mesmo interlocutor. “Isto não
judiciais devem ser implacáveis na
aferição da legalidade dos atos” e que
DOS ATOS” foi inocente, claro que não”, realça um
deputado. Outro parlamentar, também
esta deveria ser “tão ou mais rigorosa sob anonimato, duvida de que se tenha
quanto mais elevado for o cargo de Fernando Medina lançou um tratado de uma estratégia maquiavélica
quem está na vida pública”. Uma hora duro recado a Sócrates e a Pinho, de Costa e dos seus, embora saliente
depois, na TSF, foi a vez de Carlos Cé- defendendo que quanto mais elevado que “toda a gente percebeu que o cami-
sar, presidente do PS e líder do grupo for o cargo público que se exerce, nho era esse”, isto é: entregar o antigo
parlamentar; à noite, perto das 21h30, maiores são as exigências inerentes secretário-geral à sua sorte.
quase em simultâneo na SIC Notícias e Sócrates percebeu que os socialistas
na TVI 24, a secretária-geral-adjunta, – muitos dos quais seus compagnons
Ana Catarina Mendes, e o porta-voz de route nos governos que chefiou
do PS, João Galamba, decalcaram os – estavam a deixá-lo cair e saiu pelo
argumentos; seguiu-se-lhes o minis- próprio pé, entregando o cartão de
tro dos Negócios Estrangeiros, Au- militante. Num texto intitulado A cla-
gusto Santos Silva e ainda o secretário rificação devida, lamentou o silêncio
de Estado da Energia, Jorge Seguro dos socialistas em torno do processo
Sanches, ambos na SIC Notícias. em que é acusado de 31 crimes (entre
Faltava Costa que viria a dar a es- eles corrupção passiva para titular
tocada final, já na quinta-feira, 3, e de cargo político, branqueamento de
a precipitar a decisão de Sócrates capitais, falsificação de documentos e
abandonar o PS, anunciada num ar- fraude fiscal qualificada) e criticou a
tigo publicado no Jornal de Notícias, “condenação sem julgamento” de que
na sexta-feira, 4. Confrontado pelos QUARTA-FEIRA, 2 DE MAIO se diz alvo.
jornalistas no Canadá, onde estava em
visita oficial, e ladeado pelo homólogo “FICAMOS ATÉ Uma “injustiça” da direção do PS,
que acusou ainda de aliar-se “à direita
Justin Trudeau, Costa afirmou que se ENRAIVECIDOS política na tentativa de criminalizar
as “ilegalidades” imputadas a Sócrates
e a Pinho “se vierem a confirmar serão COM PESSOAS QUE uma governação”. “Ultrapassa os li-
mites do que é aceitável no convívio
certamente uma desonra para a nossa SE APROVEITAM pessoal e político. Considero, por isso,
democracia”.
DOS PARTIDOS ter chegado o momento de pôr fim a
este embaraço mútuo. Enderecei, hoje
UMA DEMARCAÇÃO CONCERTADA? PARA TEREM [sexta-feira], uma carta ao Partido
A versão oficial da cúpula socialista é
que não houve concertação entre as COMPORTAMENTOS Socialista, pedindo a minha desfilia-
ção do partido. Pronto, a decisão está
principais figuras do costismo para DESTA NATUREZA” tomada”, anunciou. Pelo meio, saiu em
isolar, de vez, Sócrates, tal como nota defesa do amigo Manuel Pinho (que
à VISÃO o número 2 do Executivo. classificou como um homem “hones-
Augusto Santos Silva frisa que a pro- Carlos César aludia às suspeitas em to”), recordou que é “quem acusa que
ximidade temporal entre as frases dos torno do ex-ministro da Economia, tem o dever de provar o que diz” e re-
mas garantia que no caso de Sócrates
vários dirigentes devem-se “objetiva- correu à expressão “ignóbil intrujice”
“a vergonha” seria maior por ter sido
mente” ao “surgimento de informações para se defender da suspeita de que
primeiro-ministro
relativas a Manuel Pinho” e que, no seu terá sido Ricardo Salgado a indicar
caso, tendo ido à televisão para falar Pinho para o seu governo.
sobre a proposta da Comissão Euro-
peia para o novo quadro de fundos “A GOTA DE ÁGUA”
comunitários, foi questionado sobre E A GESTÃO DO SILÊNCIO
o assunto “em direto”. “Respondi, rea- Apesar do adeus de Sócrates, Augusto
firmando uma linha de argumentação Santos Silva não se desvia do seu ca-
que sempre foi a minha. Não se tratou minho. Recusa que tenha havido um
de colaborar em qualquer estratégia juízo político extemporâneo dos atos
preconcebida”, assegura. de Sócrates e de Pinho, e salienta que

10 MAIO 2018 VISÃO 57


todos os responsáveis do PS que abor- QUARTA-FEIRA, 2 DE MAIO do Sócrates”, assevera um elemento
daram o assunto “disseram (com maior desses Executivos, que garante que o
ou menor veemência) uma coisa básica:
se os crimes de que José Sócrates é
“A SER VERDADE ex-líder do PS mais depressa ignora a
demarcação pública de João Galamba
acusado ou se as suspeitas que recaem [AS SUSPEITAS do que o “taticismo” do seu antigo
sobre Manuel Pinho forem provados,
isso seria ou será um facto de enorme
SOBRE SÓCRATES braço-direito. Augusto Santos Silva
fez parte desse inner circle político,
gravidade”. Santos Silva recusa apeli- E PINHO], É mas carrega nas tintas da revolta e lava
dá-los de “ativos tóxicos”, mas assume
que “uma eventual condenação, seja de
LAMENTÁVEL E as mãos de quaisquer responsabilida-
des: “Se os comportamentos crimi-
que membro dos governos passados do ENVERGONHA-NOS nosos de que se fala forem provados,
PS for, sobre crimes cometidos aquan- A TODOS” sentir-me-ei não só embaraçado
do das suas funções, será certamente como traído. Devo, entretanto, dizer
negativa para a imagem desses gover- que, enquanto fui ministro de José
nos e, portanto, para o PS”. Já quando Ana Catarina Mendes pediu também Sócrates, ele nunca me pediu qualquer
questionado sobre se a investigação a ao ex-ministro que se apressasse a dar coisa que fosse ilegal, nem nunca me
Pinho terá sido o pretexto perfeito para uma resposta sobre as imputações que apercebi de qualquer conduta sua que
que fosse traçada uma linha vermelha estavam a ser-lhe feitas pudesse indiciar a prática de crimes.”
em relação a Sócrates, a resposta é
explosiva: “No que respeita ao PS, não CONGRESSO COMO PALCO DE BATALHA
é certamente um álibi; foi mais a gota Atento ao tumulto está Daniel Adrião,
de água que fez transbordar um copo que volta a desafiar a liderança de Costa
já demasiado cheio.” nas diretas de sexta-feira e de sábado.
Ora, a pouco mais de duas sema- O membro da Comissão Política Na-
nas do conclave socialista, convocado cional do partido entende que o caso
para os dias 25, 26 e 27, na Batalha, que envolve Pinho não passou de “um
começaram as ondas de choque. No pretexto” para uma “mudança abrupta
Parlamento, há quem critique a direção de estratégia” acerca das investigações
por “dar pontapés num morto”, mas o em curso. Na sua opinião, a profusão
desagrado com o desfecho desta guerra de palavras de destacados socialis-
estende-se a figuras de relevo na era QUARTA-FEIRA, 2 DE MAIO tas “não aconteceu por acaso”, e “foi
costista. A muralha de silêncio, que vai António Costa a quebrar o silêncio e
do Conselho de Ministros ao hemiciclo,
de Lisboa até Bruxelas, passando pelos
“SE ME PERGUNTAM o cordão sanitário que ele próprio ti-
nha imposto ao PS”. Com os olhos na
chamados “indefetíveis socráticos”, é SE FICO SATISFEITO reunião magna, Adrião lamenta que a
sintomática do estado de alma do PS.
Ultrapassada a fase dos remoques ao
POR UM direção “tenha posto o tema na agenda”
e que “o congresso seja contaminado”
ex-primeiro-ministro, parece ter sido EX-SECRETÁRIO- por presumíveis casos de corrupção.
decretado o silêncio obrigatório. Dos
ministros contactados (Augusto San-
-GERAL DO PS, E vai mais longe: “Este comportamento
só confirma que em política não há
tos Silva, José Vieira da Silva, Eduardo QUE FOI PRIMEIRO- memória nem gratidão. O Fernando
Cabrita, Maria Manuel Leitão Marques
e Manuel Heitor), só o chefe da diplo-
-MINISTRO, ESTAR Medina e o João Galamba ascenderam
pela mão de José Sócrates...”
macia respondeu. A lista de quem se FORMALMENTE Quanto ao ex-primeiro-ministro,
escusou a falar ou nem acedeu às tenta-
tivas de contacto é extensa: inclui ainda
ACUSADO, fontes socialistas admitem que pos-
sa contra-atacar. Agora que a rutura
o ex-ministro da Administração Interna OBVIAMENTE foi oficializada, nada o impede de
Rui Pereira, o antigo ministro da Justiça
Alberto Martins, bem como Fernando
QUE NÃO” arregimentar as próprias tropas e, se
necessário for, de tornar o combate
Medina, Carlos César, o secretário de mais intenso. No dia 20, domingo, o
Estado da Defesa Marcos Perestrello, os João Galamba disse ainda que o Movimento Cívico José Sócrates Sem-
deputados Joaquim Raposo e Renato caso de Pinho, a confirmar-se, seria pre convocou mais de 400 apoiantes
Sampaio (ambos muito próximos de “verdadeiramente insólito” para um almoço de confraternização
Sócrates), o ex-parlamentar Fernando no Parque das Nações, em Lisboa. Ana
Serrasqueiro e os eurodeputados Carlos Lúcia Vasques, uma das promotoras,
Zorrinho e Pedro Silva Pereira. diz à VISÃO que a iniciativa “não se
O caso deste último, ministro da reporta aos últimos acontecimentos” e
Presidência nos dois governos de “está na linha de todos os outros que já
Sócrates, é aquele que tem suscitado existiram”. O almoço custará 20 euros e
mais críticas. “Silva Pereira tinha a o nome do evento criado no Facebook
obrigação de falar. Ele e o Sócrates é todo um programa: “Tu avanças sem-
são duas faces da mesma moeda. Ele pre e não recuas.” Haverá estrada para
nunca existiu politicamente além andar? ooliveira@visao.pt

58 VISÃO 10 MAIO 2018


NÃO PRECISA SER ATLETA
PARA FICAR COM O CORPO BEM DEFINIDO

ESTAS FOTOGRAFIAS SÃO IMAGENS REAIS DE CLIENTES DA CLÍNICA DO TEMPO®


3 MESES DEPOIS

3 MESES DEPOIS

3 MESES DEPOIS

PERCA ATÉ 20 CM NUMA ÚNICA SESSÃO DE 90 MINUTOS

LIPOSHAPER
SEM ANESTESIA
® A 1ª “LIPOASPIRAÇÃO” SEM DOR
NÃO-INVASIVA SEM TEMPO DE RECUPERAÇÃO

PAREDE - LISBOA - PORTO - ALMANCIL - MAPUTO


www.clinicadotempo.com clinicadotempo
info@clinicadotempo.pt clinicadotempo

MARQUE JÁ A SUA CONSULTA CALL CENTER INTERNACIONAL 00351 21 458 85 00

LÍDER MUNDIAL EM ANTI-ENVELHECIMENTO E “LIPOASPIRAÇÃO” NÃO-INVASIVA

AGORA NO ALGARVE !
No coração da cidade
O Terreiro do Paço é um
dos centros do Eurovisão.
Ali situa-se a Eurovillage,
espaço aberto
a toda a população

60 VISÃO 10 MAIO 2018


Eu, fã, me
confesso
Se a maioria dos portugueses deixou
o festival da canção no sofá, onde em
tempos o via com a família, ainda resistem
fãs dignos desse nome. Andámos pelos
caminhos dos admiradores da Eurovisão
e descobrimos uma tribo com saber
enciclopédico e paixão assumida, nesta
semana em que a Europa brinda
à tolerância, através da música
LUÍSA OLIVEIRA MARCOS BORGA

10 MAIO 2018 VISÃO 61


C
Chegaram os cinco a Lisboa no mesmo dia,
em horários desencontrados. Saíram de vá-
rias cidades espanholas e usaram meios de
transporte diferentes. Têm profissões distin-
tas e idades que oscilam entre os 29 anos, de
Jorge Nogales, e os 40, de Lukas Gonzalez.
Mas há uma paixão que une estes amigos: a
Eurovisão.
O encontro em Portugal, aliás, ficou logo
marcado na hora da despedida em Kiev, na
Ucrânia, depois de terem chorado graças
à vitória de Salvador Sobral. O prometido
só foi cumprido na tarde de sexta, dia 4 de
maio, quando se abraçaram no lounge dos
fãs, na zona restrita montada no Parque das
Nações, a que só tem acesso quem possui
uma credencial. E todos eles têm o distintivo
que lhes dá passagem, porque pertencem à
associação espanhola de fãs. Minutos antes
de encontrá-los nesta tenda improvisada,
com sofás brancos e um balcão de comida
saudável ao fundo da sala, estava o grupo a
assistir, no ecrã montado, ao ensaio da du-
pla francesa no palco do Altice Arena (onde
decorrem os nove espetáculos abertos ao
público).
Além da música e do show, estes espanhóis
Sabia
que...?
Em 62 anos de
emissões, muitas
são as curiosidades
do maior programa
de entretenimento
televisivo europeu.
Conheça estas
cinco:

A canção E Depois do
Adeus, de Paulo de
Carvalho, utilizada
pelos Capitães de
Abril como senha
para a Revolução dos
Cravos, em 1974, tinha
representado Portugal
na Eurovisão, em
Brighton, apenas
18 dias antes?

O francês Serge
Gainsbourg compôs
músicas para o
festival da canção em
1965, 1967 e 1990?

Seán Patrick
Michael Sherrard,
conhecido como
Johnny Logan, foi o
artista que mais vezes
venceu a Eurovisão,
sempre pela Irlanda:
em 1980 e 1987,
também procuram o folclore que se cria à enquanto cantor,
volta desta transmissão europeia, que capta e em 1992 como
200 milhões de telespectadores em todo o compositor?
mundo (Austrália, China e EUA incluídos). Até
sabem em que hotéis se hospedam as delega-
ções e batem-lhes à porta, na ânsia de arran- A cantora canadiana
jarem selfies e autógrafos. Não escondem que Céline Dion,
a fiesta é outro dos atrativos destas viagens, então uma ilustre
desconhecida, venceu
que alguns já fazem há mais de dez anos; ou
a Eurovisão, em 1988,
melhor, festas, no plural, porque, além das
concorrendo pela
oficiais que se desdobram entre o Euroclub Suíça?
(só para quem tem credencial), o Eurocafé
(sócios da associação de fãs) e o Eurovillage
(aberto a toda a população), há vários bares e Os finlandeses
discotecas lisboetas que assumem o tema para Lordi ganharam a
animar as suas noites. Não admira, por isso, competição, em 2006,
que os 15 dias de férias que estes espanhóis com um tema de hard
reservam, normalmente em maio, para viajar rock e fatos
ao país organizador sejam religiosos. a condizer?
Conheceram-se em festivais por essa Eu-
ropa fora e, apesar das diferenças de estilo e Fonte: Eurovisão, dos Abba
a Salvador Sobral,
de vida, quando lhes perguntamos de onde de Nuno Galopim (Esfera
vem esta febre, todos estão em uníssono, dos Livros)

62 VISÃO 10 MAIO 2018


Todos em Lisboa Um grupo
de espanhóis (em cima) e outro de
australianos. Amigos que se conheceram
em festivais por essa Europa fora

justificando-a com quatro ideias: bandeiras,


competições internacionais, viagens e inte-
resse por outras culturas. “O que conheço da
Arménia, aprendi na Eurovisão. Além disso,
até sei letras de músicas em finlandês”, conta
Ivan Iñarra, 38 anos, entoando, de imediato,
uma delas, numa língua incompreensível para
quem está a ouvi-lo.

“PORTUGAL, ZERO POINTS”


Deixamos os espanhóis seguirem o seu
caminho e continuamos no ambiente con-
tagiante das redondezas do Altice Arena. É
neste recinto, onde só se entra depois de os
sacos passarem num raio-x e de a polícia
fazer revistas minuciosas, que encontramos
o crítico de música Nuno Galopim, 50 anos,
considerado por muitos o maior especialista
português da Eurovisão. Desde fevereiro
que passa aqui os dias, de sol a sol. “O meu
hábito do festival da canção começou com
os discos: tenho todos os singles, de todos
países e de todos os anos, em vinil, guarda-
dos em seis caixas grandes.” E esse hábito
fez com que ele não se desligasse, quando
quase toda a Nação desistiu de ouvir “Por-
tugal, zero points”.
Além disso, sente que tem uma dívida de
gratidão, porque foi a ver as finais internacio-
nais que aprendeu a reconhecer as bandeiras
da maioria dos países europeus, a saber quais
as suas capitais e até a aprender algumas pa-
lavras das línguas mais difíceis. “Criei uma
familiaridade tão grande com este universo
que transcende a música, de que posso gostar
ou não, sem culpas”, assume. No entanto, e
apesar de ser aficionado, nunca saiu do País
para assistir ao festival ao vivo, preferindo o
recato do seu sofá e o convívio dos amigos
que o acompanham nesta saga, desde 1996.
Até que, em 2016, foi convidado pela direção
da RTP para integrar a equipa que repensaria
o formato do Festival da Canção (apostando
em compositores que, por sua vez, procu-
rariam os melhores intérpretes para os seus
temas). O resultado deste reposicionamento
já se conhece.
Agora como supervisor criativo e de guião
para os espetáculos em Portugal, Nuno Ga-
lopim exclama: “É o sonho de qualquer fã,
o trabalho de uma vida!” No meio de tanta
agitação, ainda conseguiu acabar de escrever o
livro Eurovisão, dos Abba a Salvador Sobral,
em que traça a cronologia do certame, a par
com a História da Europa. Lembre-se, a tí-
tulo de exemplo, que tudo começou em 1956,
com a participação dos países que assinariam
o Tratado de Roma no ano seguinte, dando
origem ao Mercado Comum, e com o intuito
de unir as nações do pós-guerra em torno
da música. Estão na sua génese os valores de
tolerância, respeito e igualdade, que até hoje
se mantêm. “Trata-se do state of the art do

10 MAIO 2018 VISÃO 63


audiovisual, um espetáculo só ultrapassado Palcos
em audiência pela final da Champions Lea-
gue”, nota Galopim. para
PRAZER CULPADO
o mundo
Não é por acaso que o recinto estará vedado Números da
durante 42 dias e que os números que rondam operação Eurovisão

9
o festival são astronómicos (ver caixa Muito
mais do que canções). Mesmo assim, Gonçalo
Madaíl, subdiretor da RTP, clama que os 20
milhões de euros que a Eurovisão irá custar espetáculos com
é um valor baixo, quando comparado com as audiência, 3 dos
organizações anteriores. Deste montante, a quais em direto
Câmara e o Turismo de Lisboa contribuem com
cinco milhões, provenientes da taxa turística. Se

200 MILHÕES
ainda somarmos as contribuições da European
Broadcast Union, dos patrocinadores e da bi-
lheteira, os custos estarão cobertos em 80 por
cento. Apesar de ter participado quase todos os de telespectadores
anos desde 1964, é a primeira vez que Portugal
se vê envolvido numa organização deste calibre.
As apresentadoras escolhidas para darem
a cara, sempre a falar em inglês, são quatro
mulheres da televisão – Catarina Furtado, Da-
niela Ruah, Filomena Cautela e Sílvia Alberto.
100 MIL
espectadores
(11 500 em cada um
A música vencedora, Jardim, também tem
dois rostos femininos: Isaura, que a escreveu, dos nove concertos)
e Cláudia Pascoal, que a interpreta, dando nas

3 MIL
vistas com o seu cabelo cor de rosa.
É no Parque das Nações que encontramos
o ator Pedro Granger, 38 anos, de fato bege,
ténis pretos e um relógio em cada pulso, a
sua imagem de marca. “Eu bem uso dois, adereços de palco terial que existe na internet”, revela. Não pode
mas neste momento faltam-me horas do esquecer-se, aliás, de que foi a internet que

200
dia”, queixa-se, satisfeito por estar a traba- lhe mostrou como não estava sozinho neste
lhar na sua oitava Eurovisão. A primeira foi mundo que muitos consideravam obscuro.
em Dusseldorf, na Alemanha, enquanto co- Juntou-se então a outros fãs, em fóruns,
mentador, e depois nunca mais se desligou passou muitas horas a falar do “clube” que era
das organizações, nem mesmo nos anos em quilómetros sempre perdedor, do orgulho de ser o pior.
de cabos
que Portugal não participou. E eis que, em 2002, um amigo que ganhara
Quando era pequeno podia assumir a sua uma viagem à Estónia o desafiou a embarcar

220
adoração declaradamente, mas, a partir de também. “Nem sequer sabia que era possível
certa altura, o festival transformou-se num ir à Eurovisão.” Isto tanto se tornou possível
guilty pleasure (prazer culpado). “A Eurovisão que a versão portuguesa será já a 10ª na sua
nunca morreu, esteve sempre aqui para quem lista, a primeira que sente por dentro. Os
quisesse aderir à festa, e eu aderi. Entrar na-
quelas arenas, cheias de bandeiras, com toda
TONELADAS
de equipamento
amigos que fez por essa Europa fora, e que
partilham da sua “maluqueira”, andam todos
a gente a celebrar a música, é uma experiência suspenso no teto pelas ruas de Lisboa, mas ele nem vai con-
social e cultural única. Tenho amigos de toda a seguir dar-lhes assistência, tal o volume de
Europa, que fiz nos festivais.” Agora, é a vez de trabalho que terá até sábado, dia 12.

2 632
ajudar o seu País a erguer este monstro. Ele e
também o ator Pedro Penim são moderadores NA FINAL, EM PÉ, POR 120 EUROS
das quase cem conferências de imprensa, que All Aboard é o lema do festival luso, como um
acontecem em looping, desde que as portas acessórios de convite implícito para que todos se juntem à
se abrem aos jornalistas. iluminação festa, espalhando pela cidade os 13 logótipos
Os dois atores já fizeram algumas viagens inspirados no mar, o tema que serve de base
juntos, para assistirem a espetáculos nos países à organização. Rodrigo Pratas, 41 anos, pivô

30
vencedores. Antes de se tornar peregrino dos da SIC Notícias, conhece estes e muitos mais
festivais, Pedro Penim, 42 anos, gravava tudo pormenores acerca da história da Eurovi-
em cassetes VHS, que via e revia vezes sem são. Falar com ele é ouvir, sem hesitações,
conta – atualmente faz o mesmo no Youtube. câmaras em que em 1997 ficámos em último lugar, com
“Na época baixa, que vai de maio a outubro, permanência zero pontos, ou que em 2000 nem sequer
temos tempo para remastigar o imenso ma- participámos.

64 VISÃO 10 MAIO 2018


Cenários Nuno Duarte e Oldrich Hrdina vieram da Áustria
para o Terreiro do Paço (em cima); ambiente no Eurocafé
(instalado na antiga discoteca Kapital); e o jovem português
Bernardo Pereira, que escreve no wiwibloggs, um site
de referência sobre a Eurovisão (em baixo)

O que faz um fã deste calibre quando


percebe que Portugal vai organizar uma
Eurovisão em Lisboa? Corre para as filas da
FNAC, logo que soam as nove da manhã do
primeiro dia de venda de bilhetes. Valeu o
esforço, porque conseguiu entrada para as-
sistir à final, em pé, por 120 euros. Rodrigo
irá também a outros espetáculos, com os
amigos que normalmente o acompanham
nestes momentos – em festas, em casa ou
em viagens. O jornalista estreou-se em Es-
tocolmo, há dois anos, aproveitando a viagem
para gozar umas miniférias pela Suécia, em
ambiente Eurovisão: “Embora tivesse a noção
do que se tratava, porque já era fã há muitos
anos, ainda assim fiquei arrasado perante
aquela máquina.”
O wiwibloggs, um site independente de-
dicado à Eurovisão, nasceu no auge dessa
entourage que rodeia os festivais nacionais e
depois a competição entre países – tem mais
de três milhões de utilizadores. A sua sede
é em Inglaterra, mas desde 2009 já reuniu
60 voluntários de 30 nacionalidades, que
escrevem, fotografam, filmam ou editam, a
um ritmo diário.
Bernardo Pereira, 22 anos, a acabar o mes-
trado em gestão de empresas, é o único por-
tuguês que assina as páginas do site – proeza
que conseguiu ao voluntariar-se para que
existisse uma perspetiva nacional nos con-
teúdos online que sempre seguiu com afinco.
Depois disso, já se fartou de viajar, embora às
suas custas. Esteve em Estocolmo e em Kiev,
nas finais de 2016 e 2017, mas também em
encontros em Malta, Azerbaijão, Inglaterra e
Espanha, sempre ao serviço do wiwibloggs.
Em Lisboa, estão cerca de 20 pessoas para a
cobertura de tudo o que se passa no Altice
e em todos os poisos com a chancela Euro-
visão. No site, isso reflete-se em críticas às
canções, em dezenas de vídeos diários, em
momentos de humor, transmissões em direto
e muitas entrevistas. “Até na época baixa são
disponibilizados dois a três vídeos por dia”,
revela Bernardo.
Apesar de o target do wiwibloggs serem os
millennials, Oldrich Hrdina e Nuno Duarte,
ambos com 46 anos, a trabalhar em business
inteligence, em Viena, são leitores assíduos
das notícias ali publicadas. Encontramo-los
a beber uma cerveja, ao cair do dia, na espla-
nada da zona de food trucks do Eurovillage,
instalada na Praça do Comércio. Antes, sujei-
taram-se a uns 15 minutos de espera da fila,
a serem revistados à entrada. O austríaco e
o português ainda chegam a tempo de ouvir
o tributo às Doce, que pôs o Village inteiro a
trautear as letras.
Oldrich e Nuno dispensam as bandeiri-
nhas, os sacos ou as camisolas que se vendem
na tenda de merchandising, porque são o
que se pode chamar fãs a meio-termo. Ado-

10 MAIO 2018 VISÃO 65


O presidente José
Carlos Garcia é o líder
português da Associação
de Fãs da Eurovisão

ram assistir à Eurovisão, mas normalmente


fazem-no em Viena, em festas “à séria”, com Muito cantar, uma sessão de fado ou transmissões
em direto, e isto sempre com um bar que os
amigos, em que até se imprimem as folhas de mais alimenta sobretudo de cerveja. Quando cai a
votação oficiais. Claro que depois da vitória
da Conchita Wurst, a “mulher barbuda”, e da do que noite, abre também a pista de dança no andar
de baixo, e a playlist estará sempre relacio-
organização austríaca, ficaram contagiados. canções nada com esta festa da canção.
“Chegámos tarde aos bilhetes, mas vivemos José Carlos segue o festival desde pequeni-

88
todo aquele ambiente intensamente”, conta no, mas tornou-se um verdadeiro fã por amor.
Nuno, que se mudou para Viena em 2012. Lá, “Em 2010, ofereci ao meu companheiro uma
até os semáforos dos peões mudaram para ida a Oslo, para ver a final da Eurovisão, e eu
vários pares de casais, porque a mensagem da Diferentes também fui, claro. Fiquei logo rendido ao res-
Eurovisão é sempre o amor (o logótipo tem nacionalidades entre peito que há entre países e ao ambiente de ca-
o formato de um coração em que só muda a as pessoas que maradagem.” Desde então, os dois vão sempre
bandeira do país). compraram bilhetes uma semana para onde quer que seja a final.
E o que faz aqui um grupo de australianos
DAQUI ATÉ À AUSTRÁLIA que encontramos à conversa num sofá? Estão

1 600
Do Eurovillage rumamos ao Eurocafé, ins- a matar saudades, porque, apesar de viverem
talado na 24 de Julho, onde já funcionou a no mesmo país, não se viam desde Kiev. Os
Kapital e, mais recentemente, o Main. É aqui três amigos, na casa dos 20, e ainda a estuda-
que tem passado os dias João Carlos Garcia, jornalistas rem em part-time, têm um bom “currículo”
41 anos, o presidente da OGAE Portugal, acreditados – com 24 anos, Jemma, por exemplo, já foi às
uma organização de fãs fundada em 1985 e últimas cinco finais. Note-se que a Austrália
que conta com delegações em 40 países. Por é uma das duas nações não europeias que

500
cá são apenas 300 sócios, mas o Eurocafé participam no certame (a outra é Israel), por
enche-se, sobretudo, dos quatro mil fãs es- ser um espetáculo seguido com paixão na-
trangeiros que estão na capital e que agora quele país, como se pode ver por estes jovens
sobem as escadas de chinelos e calções, en- bloggers fãs que aproveitam a ocasião para viajar por
cantados com o clima lisboeta. Lá em cima, acreditados Portugal, claro. Uma contribuição para os 25
podemos encontrar académicos a mostrar os milhões de euros que se espera que a Eurovi-
seus trabalhos sobre a Eurovisão, artistas a são traga de retorno à capital. loliveira@visao.pt

66 VISÃO 10 MAIO 2018


MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

68
VISÃO 10 MAIO 2018
O BOM
REBELDE Entre amigos, é capaz
de roubar a bola e acabar
com o jogo. A sério, uma
derrota dá direito a dois dias
de azia. Sérgio Conceição
não sabe brincar ao futebol.
E ai de quem beliscar a sua
devoção ao desporto-rei, tão
acima de qualquer
clube que tem um filho
no FC Porto, outro
no Benfica e um outro
que passou pelo Sporting.
Retrato do treinador
Histórico
campeão
Conceição é o terceiro
a ser campeão no FC Porto
como jogador e treinador, RUI ANTUNES
depois de Pedroto
e de Oliveira

10 MAIO 2018 VISÃO 69


D
De tão irritado com a apatia dos jogadores
num treino matinal, Sérgio Conceição can-
celou a folga vespertina. Era a sua primeira
experiência como treinador principal, ao ser-
viço do Olhanense, e não ia admitir faltas de
empenho só porque do outro lado estava uma
equipa de tostões, dos escalões secundários.
Logo ele, que nem entre amigos perdoa uma
atitude mais descontraída, como adiante se
verá. Em vez da tarde livre, agendou novo
treino para as 16 horas. E uma ideia tomou
conta do balneário: “Vamos levar uma coça.”
A mudança de planos repentina não caiu
bem, mas à hora marcada, equipados a rigor,
os jogadores preparavam-se para correr até à
exaustão. Conceição começou a falar, exigiu
maior compromisso, mais profissionalismo
e, ao fim de meia hora, ditou a sentença: “Não
há treino nenhum, vão para casa.” A folga

Palmarés
perdida era castigo suficiente, a mensagem preparação para o particular Portugal-Bra-
fora transmitida, não havia necessidade de sil, no Porto, em março de 2003. Com golos
humilhar o plantel com voltas ao campo para de Pauleta e Deco, a vitória sorriu a Portugal
marcar pontos na sua autoridade. Como treinador (2-1). “Quando duas pessoas partilham uma
“Ele é muito inteligente na gestão do gru- alcançou o seu gargalhada tornam-se mais próximas”, defen-
po”, salienta Fernando Alexandre, um médio primeiro título, mas de o humorista, convencido de ter ajudado ao
que Sérgio Conceição levou de Olhão para como jogador somou resultado favorável.
Coimbra quando foi treinar a Académica, em mais de uma dezena
2013. “No trabalho ninguém brinca, muito SANGUE DE DRAGÃO
menos com o trabalho dele, mas é tipo para 1 Taça das Taças | Lazio Churrascos, sessões de paintball, audições
marcar um jantar com os jogadores.” 1 Supertaça de concertina e corridas de kart são outras
Certo dia, na cidade dos estudantes, houve Europeia | Lazio fórmulas utilizadas por Sérgio Conceição
mais do que isso. O treinador encomendou 3 Liga Portuguesa para contrabalançar a exigência máxima nos
frango assado para o balneário e, surpresa ge- FC Porto treinos e fortalecer os laços de união com os
ral, abriu a porta a um convidado inesperado, 1 Liga Italiana |Lazio jogadores. Foi no FC Porto, onde chegou aos
o amigo Fernando Rocha, conhecido conta- 1 Taça de Portugal 16 anos, que aprendeu a importância do cole-
dor de anedotas. Uma iniciativa que haveria FC Porto tivo, ao lado de jogadores carismáticos como
de repetir em Braga e Guimarães, mas com 2 Taças de Itália |Lazio João Pinto, Jorge Costa, Paulinho Santos ou
raízes nos tempos em que Sérgio Conceição 1 Supertaça Domingos Paciência. Não é por acaso que fala
representou a Seleção Nacional. de Portugal | FC Porto sempre em “nós” e nunca em “eu”. Nem é à
“À revelia do selecionador [Scolari], entrei à 1 Supertaça toa que, com ele, os jogadores têm de comer
socapa no hotel e fiz uma sessão de anedotas de Itália | Lazio a relva, como se diz na gíria futebolística.
no quarto do Figo para todos os jogadores”, 1 II Liga Portuguesa “Não há dúvida de que recuperou referên-
conta Fernando Rocha, sobre o momento Leça cias do passado para o clube, a base do que
de humor improvisado em pleno estágio de fez sempre do FC Porto campeão. Ele sabe

70 VISÃO 10 MAIO 2018


FERNANDO VELUDI/LUSA

JOSÉ JOÃO SÁ
como ganhar. Viveu isso no convívio com O voo do campeão Pior, acrescenta, só quando o treinador esteve
outros jogadores e trouxe para esta equipa o Na festa do título, alguns meses sem trabalhar, entre a saída do
espírito vencedor, a capacidade de trabalho e não podia faltar Vitória de Guimarães, em junho de 2016, e a
uma forma especial de encarar os jogos”, ob‑ o habitual momento chegada ao FC Nantes, de França, em dezembro
serva Domingos, um dos amigos, não muitos, em que os jogadores do mesmo ano. Ainda hoje se riem da história
que ficaram dos tempos de jogador. atiram o treinador de um bibelô que tinha em casa e com o qual
O que Sérgio Conceição não sabe é brincar ao ar. Ao lado, 20 anos Sérgio decidiu embirrar. O que levou a mulher
ao futebol ‑ nem entre amigos. São famosos mais jovem, quando da sua vida, Liliana, com quem se casou aos
os convívios que organiza na Mealhada, onde era jogador do FCP 20 anos (tinha ela 17), a desabafar com Jorge
mantém a casa de família. Anfitrião dedicado, Manuel Mendes: “Veja lá se arranja qualquer
sempre pronto a partilhar as melhores gar‑ coisa para ele porque já não se pode aturar.”
rafas de vinho, a coisa dá para o torto ainda O bibelô estava no mesmo sítio há cinco anos.
antes de almoço quando a habitual futebolada Sérgio Conceição é o primeiro a reconhe‑
não corre de feição. Já aconteceu roubar a cer o feitio difícil, inconformado, de “eterno
bola e acabar com a “festa” antes de tempo insatisfeito”, como ainda agora o resumiu, na
e são inevitáveis as reprimendas aos colegas celebração do título de campeão, no último
de equipa, como aquela em que perguntou a fim de semana. Após uma vitória recente,
um convidado se estava a dormir e este lhe ainda com as contas do campeonato em aber‑
respondeu para ter calma, que era apenas to, chegou sorumbático para cumprimentar
uma brincadeira. “Só se for para ti. O melhor Pinto da Costa. “Ó Sérgio, anima essa cara,
é ires para a bancada”, retribuiu Conceição. cara alegre”, disse‑lhe o líder portista, ao que
“É impossível quando perde, durante dois o treinador ripostou com um “deixe lá isso,
dias não se pode falar com ele”, atira Jorge Ma‑ presidente”, adiando os sorrisos.
nuel Mendes, o amigo que também é empresá‑ Está‑lhe no sangue esta ânsia de ir à luta,
rio de jogadores e o ajuda na gestão da carreira. de competir e ganhar. Sempre esteve. Ali‑

10 MAIO 2018 VISÃO 71


O homem
menta-a uma revolta forjada no berço e acen-
tuada na adolescência, com a morte precoce
dos pais. “O meu carácter foi formatado e
ganhando forma com todas as dificuldades
por que passei”, afirmou, há dois anos, numa
e a fúria
entrevista à revista Flash, assumindo a tal A carreira de jogador
“vontade de querer chegar” e “de querer jus- de Sérgio Conceição
ficou marcada
tificar sempre”, por se sentir “em dívida” com
por várias reações
o que os pais fizeram por ele. “Tenho de os
impulsivas
orgulhar sempre, durante a minha vida toda.”

FIEL A SI PRÓPRIO
Era o pai que o levava aos treinos na Aca-
démica, à boleia de uma motoreta desde a MANGUITO PARA
aldeia de Ribeira de Frades, a terra natal, a OS ADEPTOS DO INTER
meia dúzia de quilómetros de Coimbra. Ali Regressando de uma
deu os primeiros passos e recebeu o primei- lesão, foi lançado na
ro salário – 15 contos, com idade de juvenil segunda parte de um
– além da ajuda com livros escolares. Com jogo que estava a correr
sete irmãos todo o apoio era bem-vindo. mal ao Inter de Milão,
O infortúnio chegou um dia depois de assinar com os adeptos em
contrato com o FC Porto. O pai não resistiu protesto. À sua primeira
a um acidente de moto, a mesma que tan- intervenção falhada, ULLSTEIN BILD/GETTYIMAGES

tas vezes guiara para o levar aos treinos em assobios. À segunda,


Coimbra. E, dois anos mais tarde, perderia idem. À terceira, mais do
também a mãe, vítima de doença. mesmo. Não aguentou:
Foi ao recordá-los que lhe vieram as lágri- fez-lhes um manguito
mas aos olhos, durante a festa do título que e lançou a ira nas
bancadas.
quebrou um ciclo de quatro anos de jejum
portista. Na casa da aldeia onde moravam, a que Moisés, de 17, esteja agora no FC Porto.
zona do lume a lenha, na cozinha, permanece Há ainda Sérgio, o filho mais velho, de 21
intocada, por vontade de Sérgio Conceição. anos, ao serviço do SC Espinho, e José, que
Atribui-lhes o sucesso que teve no futebol. CUSPIDELA E CAMISOLA aos dois anos já dá uns toques lá em casa.
Não é a primeira vez que fala deles. Em Bra- ATIRADA AO ÁRBITRO Com o regresso de Conceição ao FC Porto, no
ga, quando puseram em causa a entrega da “Tive um gesto estú- arranque desta temporada, surgiram notícias
sua equipa frente ao FC Porto, supostamente pido, mas não agredi sobre a possibilidade de desviar Rodrigo da
já a pensar no jogo seguinte com o Benfica, ninguém.” Assim se Luz para o Dragão, mas tudo não terá passado
soltou: “Nunca na vida eu pensaria em tirar defendeu, em 2006, no de especulação. “Impossível. Nem o Sérgio
o pé do acelerador contra qualquer equipa. Standard Liège, quando permitiria uma coisa dessas”, garante Jorge
Nem que tivesse o meu pai, a minha mãe e os atirou a camisola ao ár- Manuel Mendes, que o conhece desde miúdo.
meus filhos do outro lado. Agarrava nas ma- bitro, depois de ter sido
las e ia-me embora. Eu não sou igual a esses expulso por cuspir num GUERRA E PAZ
comentadores, dirigentes e ex-futebolistas adversário. Pediu des- Mal-educado e arrogante ou rebelde e genuí-
que comentam na televisão. Sou diferente.” culpa e apanhou quatro no? Direto, com certeza, doa a quem doer.
Na época seguinte, já em Guimarães, sentiu meses de suspensão. Sérgio Conceição nunca foi de meias tintas.
outra vez o seu profissionalismo posto à prova, “Tem um coração enorme, não aceita injusti-
quando defrontou os dragões convencido de ças, quando é amigo é amigo, não faz frentes
que iria assumir logo depois o comando téc- a ninguém”, dispara Domingos Paciência. “Um
nico do FC Porto. Acusado de falta de ética, homem de afetos, sem medo das palavras, que
GARRAFA COM IDA E
respondeu com um triunfo (a transferência ainda o rastilho não chegou ao fim e já está a
VOLTA PARA A BANCADA
cairia por terra). “Posso ter muitos defeitos, mas explodir”, descreve Toy, o cantor de música
Preparava-se para um
há princípios que os meus pais me passaram e canto, no PAOK, quando
popular portuguesa que é amigo de longa data
dos quais não abdico, como a dignidade, a ho- choveram objetos de Sérgio Conceição, fã assumido do tema
nestidade e a frontalidade”, declarou na altura. na sua direção, entre Estupidamente Apaixonado – a ponto de ter
Sportinguista em criança, apaixonou-se em eles uma garrafa. Não ouvido a canção num concerto em Caxinas,
jovem pelo FC Porto, mas a camisola que veste se ficou: agarrou-a através do telemóvel de um ex-companheiro
“por dentro é a da cor da pele”. Acima de qual- e atirou-a de volta no FC Porto, quando se encontrava na Grécia,
quer clube, Sérgio Conceição é fiel a si próprio. para os adeptos, a jogar no PAOK. “As pessoas com sentimentos
Não é por isso de estranhar que o filho recebendo ordem de precisam de exorcizar mágoas e revoltas, mas
Rodrigo, de 18 anos, represente o Benfica. expulsão. Revoltado, ele está mais maduro. E sempre teve a humil-
Nem que Francisco, três anos mais novo, te- só se acalmou com a dade suficiente, uma humildade autêntica,
nha jogado até à época passada no Sporting intervenção do treinador para reconhecer os erros e pedir desculpa”,
(mudou-se entretanto para o Padroense). Ou Fernando Santos. sublinha Toy.

72 VISÃO 10 MAIO 2018


Álbum de família No dia do casamento
com Liliana, a mãe dos seus cinco filhos,
tinha 20 anos e ela 17. O casal com o filho
Rodrigo, que assinou contrato com o Benfica

José Eduardo Simões e António Salvador, não bebe nem come carne na Quaresma e vai
com quem o treinador chocou de frente e a pé a Fátima. Só que o brasileiro tirou-lhe
esteve na iminência de partir para a violência o prazer de representar a Seleção Nacional,
física, revelam que esses episódios estão ultra- afastando-o de vez após uma derrota por
passados. O antigo presidente da Académica e o 3-0, em junho de 2003, num particular
homem que se mantém à frente do Sporting de frente à Espanha. Saiu ao intervalo e nunca
Braga atestam a capacidade de Conceição para mais voltou. Tinha 28 anos – e um hat-trick
enterrar o machado de guerra com a mesma histórico à Alemanha, no Euro 2000, para
facilidade com que faz peito quando lhe chega contar aos netos.
a mostarda ao nariz. “Tem sangue na guelra, A passagem por Itália terminaria na época
mas dali a pouco já não se passa nada. É uma seguinte ao adeus à Seleção, com o regresso
pessoa de bem, decente, não é maldoso”, diz o ao FC Porto, de José Mourinho, campeão eu-
primeiro, que agora troca mensagens por te- Sorrisos e lágrimas ropeu sem o contributo de Sérgio Conceição,
lemóvel com o treinador, mas ouviu das boas Ao serviço que não podia atuar na Liga dos Campeões
e quase foi agredido depois de o ter provocado da Seleção Nacional, por já ter jogado pela Lazio na primeira me-
numa visita da Académica a Braga, em 2015. Já no Euro-2000, marcou tade da temporada. Era o percurso inverso ao
Salvador, que despediu Conceição por “insultos os três golos do triunfo que tinha seguido em 1998, após dois anos
e ameaças de agressão de uma forma desabrida sobre a Alemanha fulgurantes nas Antas, na campanha rumo ao
e fez capa da VISÃO,
e tempestuosa” e se queixou do carácter “con- penta (esteve no terceiro e no quarto títulos).
a receber o consolo
flituoso, autoritário e agressivo” do treinador, De quatro mil euros mensais passou a rece-
de Fernando Couto,
elogia-lhe hoje a “qualidade humana”. A paz após a derrota com
ber 100 mil, aliando o sucesso desportivo à
ficou selada no Algarve: “Tenho de reconhecer França, nas meias- estabilidade financeira, depois reforçada com
publicamente o gesto que ele teve. É preciso -finais, sentenciada as experiências no Parma e no Inter de Milão.
uma enorme humildade e um grande carácter pelo penálti, devido Para treinar agora o FC Porto, aceitou per-
para esquecer um episódio menos feliz como à mão de Abel Xavier der dinheiro. Em Nantes, ia arrecadar mais
aquele que vivemos.” Até Waldemar Kita, o de quatro milhões de euros por cada ano de
presidente do FC Nantes, que ficou magoado contrato. Na Invicta, ficou-se pela metade,
pela saída de Conceição para o FC Porto pouco o que mereceu o reconhecimento público de
depois de ter renovado contrato com o clube Pinto da Costa. Se vai ou não continuar na
francês, já admitiu que as feridas estão saradas. próxima época, depende dos desafios que lhe
Nem sempre acaba tudo bem. A Luiz Fe- chegarem do estrangeiro e da disponibilida-
lipe Scolari dificilmente perdoará algum dia, de do presidente portista para o libertar do
embora seja um homem religioso, devoto a segundo ano de contrato. Se ficar, está em
Jesus Cristo, que não falha a missa dominical, casa. rantunes@visao.pt

10 MAIO 2018 VISÃO 73


FOCAR

“A natureza
a todos os
homens fez
iguais; a fortuna
é que fez os altos,
os baixos,
e os baixíssimos”
Padre António Vieira
Filósofo e escritor
(1608-1697)

74 VISÃO 10 MAIO 2018


Suspeito de corrupção Pinho
diz que ficará em silêncio sobre o
dinheiro que terá recebido do saco

U
azul do GES até ser interrogado

ma parte da coleção de
fotografia de Manuel Pinho
e da mulher foi recente-
mente posta à venda numa
das maiores leiloeiras de
Lisboa. Estas obras poderão
agora ir a leilão, ou manter-
-se num circuito fechado
e mais reservado, sendo
vendidas diretamente a in-
teressados. Ao que a VISÃO
averiguou, Alexandra Fon-
seca, mulher de Manuel Pinho e antiga
curadora da BESArt, terá sondado uma
série de pessoas ligadas ao mercado da
arte e pedido avaliações a algumas das
mais conceituadas casas de leilões, de
que é uma antiga cliente. As leiloeiras são
obrigadas contratualmente a manter si-
gilo sobre a identidade dos proprietários
das obras que decidem vender.
O ex-ministro da Economia sempre
se orgulhou de ter, juntamente com a
mulher, “uma coleção grande de foto-
grafia” e nunca se coibiu de falar sobre
ela publicamente. Do espólio do casal
constavam obras de alguns dos mais im-
portantes fotógrafos contemporâneos,
como Robert Frank, Thomas Struth,
Jeff Wall, Man Ray e Cindy Sherman,
artista que, em 2011, alcançou uma
meta que parecia inatingível, lucrando
3,89 milhões de dólares com a venda de
um autorretrato em leilão.
A VISÃO tentou obter esclarecimen-
tos sobre a venda destes bens através
INVESTIGAÇÃO do advogado de Manuel Pinho. Mas

A fuga de Pinho
Ricardo Sá Fernandes anunciou que
a posição do ex-ministro não mudou:
“Mantendo-se a situação – o Ministério
Público continua a não querer ouvir o
dr. Manuel Pinho ou sequer a indicar a
data em que o quer ouvir –, o dr. Manuel
Pinho mantém a posição de não prestar
declarações públicas acerca do assunto
Manuel Pinho está a desfazer-se de praticamente em investigação, existindo razões subs-
tanciais para agir dessa maneira.”
todos os bens que tem em Portugal. A mulher pôs A mesma discrição posta na venda
à venda parte da coleção de fotografia, a casa das fotografias foi mantida na transação
de Campo de Ourique foi arrematada por do rés do chão de Campo de Ourique,
que durante anos foi a morada de Ma-
2,8 milhões de euros e apenas resta um T1 nuel Pinho e da família. De acordo com
no Porto avaliado em 48 mil euros. A Justiça teme a escritura de compra e venda a que a
que exista uma estratégia para evitar arrestos VISÃO acedeu, esse duplex com cinco
quartos, pátio inglês, jardim, piscina
S Í LV I A CA N E C O e cinco lugares de estacionamento foi
vendido por 2,8 milhões de euros, em
janeiro de 2017, a um francês residente na
República Dominicana e à sua mulher, de
LUÍS BARRA

nacionalidade portuguesa. O negócio, de


montante quatro vezes superior ao valor

10 MAIO 2018 VISÃO 75


INVESTIGAÇÃO

patrimonial do imóvel, foi intermediado


pela Travessiaazul – Mediação Imobiliária.
Esta casa, no número 68 da Rua Sa-
raiva de Carvalho, nunca esteve em nome
de Pinho mas da Pilar Jardim, a empresa
de compra e venda de imobiliário que o
ex-ministro fundou com a mulher, em
2004, para comprar ao BES, por cerca de
800 mil euros, todo o prédio que antes
foi morada do escritor Almeida Garrett,
demolindo-o e construindo um edifício
de luxo com quatro apartamentos.

OUTRAS CASAS
Uma semana depois de se demitir do
cargo de ministro, a 9 de julho de 2009,
Manuel Pinho e a mulher venderam,
através da Pilar Jardim, dois T4, no
2º e no 3º andares do mesmo edifício,
ao Fundo de Gestão de Património
Imobiliário do Banco Espírito Santo –
o FUNGEPI/BES –, por 1,5 milhões de
euros. Cada um dos imóveis estava então
LUÍS BARRA

avaliado em cerca de 300 mil euros. Dois


anos depois, este fundo imobiliário do
BES voltou a vender as casas, perdendo
dinheiro. O 3º andar, por exemplo, foi
vendido por 577 mil euros a um diretor O NEGÓCIO DA CASA lhões de euros que já tinham sido en-
contrados nos ficheiros da Operação
da consultora Accenture. Marquês, e que a VISÃO revelou. Ou
Já o 4º andar, correspondente a um Em 2004, Manuel Pinho comprou seja, Pinho é para já suspeito de ter rece-
T2 com arrecadação e dois lugares de ao BES por cerca de 800 mil euros bido 3,57 milhões de euros do GES entre
estacionamento, foi vendido antes, a 24 um prédio em ruínas (a antiga casa 2002 e 2014, mas o valor final pode ain-
de junho de 2009, pela empresa de Pinho de Almeida Garrett), em Campo da não estar fechado. Só no período em
a Manuel Sebastião, então presidente da de Ourique. Transformou-o num que foi ministro, esses pagamentos terão
Autoridade da Concorrência, por meio edifício de luxo (na foto), e foi viver somado perto de 1,3 milhões de euros,
milhão de euros. Hoje, de acordo com os para o rés do chão. Os restantes em transferências mensais de cerca de
registos das Finanças, também a Pilar Jar- andares, vendeu-os logo em 2009: 15 mil euros e uma outra, adicional, de
um deles a um amigo, e dois a um
dim não tem qualquer bem em seu nome. 500 mil euros, em 2005.
fundo imobiliário do BES
Enquanto punha à venda a casa de Os procuradores suspeitam que Ri-
Campo de Ourique, o ex-ministro da cardo Salgado – que também já foi
Economia, hoje professor em Nova €2,8 MILHÕES constituído arguido neste processo
Iorque e em Pequim, arrendava um T3 Foi por quanto a Pilar Jardim, – terá ordenado estes pagamentos como
com mais de 142 metros quadrados na empresa de Manuel Pinho e da contrapartida por decisões do minis-
Avenida Santos Dumont. É ali, num pri- mulher, vendeu, em janeiro de 2017, tro favoráveis à EDP, de que o BES era
meiro andar junto à Fundação Calouste a sua casa em Campo de Ourique. acionista. Em troca, também a elétrica
Gulbenkian, com uma renda mensal de É um T5 em duplex, com piscina e nacional teria mais tarde favorecido
1 850 euros, que Manuel Pinho fica aloja- jardim Manuel Pinho, doando 1,2 milhões de
do quando vem a Lisboa. Fontes judiciais dólares à Universidade de Columbia,
ouvidas pela VISÃO temem que esteja €1,5 MILHÕES onde o ex-governante viria a dar aulas.
Um fundo de gestão imobiliário do
em curso uma estratégia de ocultação de As apreensões preventivas podem ser
BES gastou este dinheiro em julho de
património para evitar que as casas e as 2009, quando comprou à empresa
determinadas a qualquer momento
obras de arte sejam apreendidas ou alvo de Pinho dois apartamentos do num processo-crime, sobretudo se se
de arrestos preventivos, num momento edifício. Ambos tinham quatro suspeitar que os bens vendidos foram
em que crescem as suspeitas criminais quartos. Um deles foi depois comprados com o dinheiro do crime. Os
sobre o antigo ministro. novamente vendido por este fundo, terceiros, como familiares ou compra-
Os procuradores Carlos Casimiro em 2011, por 577 mil euros dores, poderão também ficar sem estes
e Hugo Neto descobriram mais três bens se se provar que agiram de má-fé.
transferências de cerca de 1,5 milhões €1 850
de euros da Espírito Santo Enterprises, É quanto custa a renda mensal do O PATRIMÓNIO
a empresa escondida do GES, para as apartamento onde Manuel Pinho fica Se as declarações de rendimentos fos-
offshores que dizem ser de Manuel Pi- alojado quando vem a Lisboa. sem um espelho real da riqueza, Manuel
nho. Essas transferências, divulgadas É um T3 com 142 metros quadrados Pinho era um homem bem mais rico
pelo Expresso, somam-se aos 2,11 mi- e situa-se perto da Gulbenkian quando chegou a ministro do que é hoje.

76 VISÃO 10 MAIO 2018


OPINIÃO

Do juízo
Em maio de 2005, quando apresentou
a primeira declaração de rendimentos e
e da falta dele
património no Tribunal Constitucional,
POR PEDRO NORTON
o então ministro da Economia tinha em

A
seu nome um 4º andar na Rua D. Pedro V,
em Lisboa, com quatro assoalhadas e
dois lugares de estacionamento; um justes de contas à parte, bastar-me a dúvida sobre a honradez
apartamento num 1º andar da Avenida arrependimentos e vergo- de alguém – e não a certeza da falta
de Roma, também em Lisboa, com seis nhas mais bem ou mais mal dela – para decidir que essa pessoa
divisões; um T1 em Paranhos, Porto, digeridas, vale a pena fazer não deve ocupar um cargo político);
com 60 metros quadrados de área bruta; alguma doutrina geral e na medida em que os timings dos
uma carteira de títulos composta por sobre o caso José Sócrates. juízos legal e político são necessaria-
ações do Banco Espírito Santo (BES), da Importa, antes de mais, mente irreconciliáveis (o juízo legal
Brisa, da Nova Base e da Portugal Tele- perceber a questão de é mais lento precisamente por causa
com; e uma conta bancária no BES com fundo. E a questão de fundo é que, de todas as garantias dadas – e bem
406 302 euros à ordem e 2 433 euros gostemos ou não, o juízo legal e o juí- – aos acusados, sendo que cada um
a prazo. zo político são conceitos de natureza de nós faz juízos políticos a todos os
Todo esse património foi-se diluindo. profundamente diferente. momentos e lavra sentenças em cada
Um ano depois, essa conta do BES já só O juízo legal (na cabeça deste ato eleitoral).
tinha 3 157 euros à ordem e zero euros escriba pouco versado em coisas de Ilustremos isto de novo com o
a prazo. A carteira de títulos foi alienada leis) funda-se, nos estados de direito caso em apreço. Sócrates tem obvia-
em 2009. E do património em seu nome civilizados, na ideia de que alguém só mente direito a um julgamento penal
resta apenas o apartamento do Porto, pode ser condenado se não subsistir com todas as salvaguardas que um
avaliado pelas Finanças em 47 800 euros. nenhuma dúvida razoável sobre a sua país civilizado tem para lhe garantir.
O apartamento da Avenida de Roma foi culpabilidade (é o célebre in dubio Desse ponto de vista queixaram-se
doado às filhas do primeiro casamento pro reo que julgo ainda recordar das provavelmente bem todos quantos
e a casa da Rua D. Pedro V foi vendida superficiais pinceladas jurídicas com (socialistas ou não) se insurgiram
poucos meses depois de se ter demitido que se embelezavam os cursos de contra um aparente excesso do tem-
do cargo de ministro, em outubro de economia e gestão na década de 80). po da sua prisão preventiva, contra a
2009, por 600 mil euros. É por isso, é por causa desta ideia morosidade do processo (que é uma
No ano que antecedeu a sua ida para basilar, que se erigiu um conjunto de forma de injustiça em si mesma) e
o Governo, Pinho declarou 413 870,57 princípios (como o da presunção da sobretudo com as escandalosas viola-
euros de rendimentos brutos pelos seis inocência ou o de o ónus da prova ções do segredo de justiça que foram
cargos que desempenhara no Grupo Es- recair sobre o acusador) e de meca- ocorrendo em todo este caso. É a jus-
pírito Santo. A juntar ao que terá recebi- nismos processuais (em particular, a tiça que nestes particulares clamoro-
do da Espírito Santo Enterprises através hipótese de sucessivos recursos) que samente falha.
da offshore Masete II, só nesse ano de no essencial servem para proteger o Mas enganam-se todos quantos
2004 Pinho terá recebido do GES mais réu. Acrescente-se que, em nome da alegam que não é possível fazer um
de 593 mil euros. Os rendimentos decla- separação de poderes, este juízo é da julgamento político até ao fim do
rados caíram a pique nos anos seguin- exclusiva competência dos tribunais. processo legal. Não é assim de facto e
tes para valores anuais brutos entre os O juízo político é de natureza provavelmente nunca pode ser assim.
86 e os 89,9 mil euros. Mas, se juntarmos totalmente diferente. Porque é, desde Pelo meu lado esperarei tranquila-
a estes os montantes que não declarou logo, não tanto matéria para tribu- mente que o tribunal condene ou
ao fisco, e que terá recebido do antigo nais, mas feito, em última análise, absolva o ex-primeiro-ministro. Mas
patrão enquanto era ministro, Pinho terá por cada um de nós (somos, de certa há muito tempo que para mim é claro
conseguido receber em cada ano, pelo forma, juízes da última instância de que Sócrates não tem quaisquer con-
menos, 265,5 mil euros. recurso nesta frente). O juízo político dições para exercer um cargo político.
A conta do BES foi a única declarada é o que cada um de nós faz no mo- É certo que a fasquia da prova é aqui
por Pinho nas sucessivas declarações de mento de decidir se entendemos que menos elevada e as garantias para o
rendimentos que apresentou no Tribunal alguém tem condições para exer- réu muito menores. Mas a reversibi-
Constitucional. Em nenhum momento cer cargos políticos e públicos. E é lidade dos juízos políticos também é
declarou as contas bancárias que teria também o que os próprios partidos e total. Vitorino que o diga.
no estrangeiro: nessa altura, seria ti- demais atores políticos têm de fazer Tudo isto dito, importaria agora
tular de, pelo menos, uma, no Banque em primeira instância. Este juízo é que os partidos políticos fizessem
Privée Espírito Santo, mas o Ministério diferente do primeiro na medida em alguma doutrina abstrata sobre estes
Público tem ainda outras contas para que é diferente no âmbito (há com- casos. Porque mais existirão. E por-
analisar. Se se solidificarem as suspeitas portamentos perfeitamente legais que seria higiénico para a democra-
de que o ex-ministro não declarou em que podemos considerar inadmis- cia que – até os juízos políticos – se
Portugal todos os seus rendimentos, síveis politicamente); na medida em enquadrassem, sempre que possível,
Pinho poderá vir a ser indiciado por que as fasquias são diferentes (pode em regras gerais.
fraude fiscal. Também a venda dos bens
poderá configurar um crime de bran-
queamento. scaneco@visao.pt

10 MAIO 2018 VISÃO 77


A crescer Às igrejas que já tem em Chelas
RELIGIÃO (Lisboa) e Fátima, a Fraternidade S. Pio X
vai somar mais três templos, em Marvila
(também na capital), no Funchal e no Porto

CRÉDITO FOTO
Quando as calças são o demónio
Se “uma mulher veste roupas de homem”, isso “deve ser considerado
um fator da desintegração da ordem humana”, diz aos fiéis portugueses
uma congregação católica ultraconservadora

U
J. PLÁCIDO JÚNIOR

m leitor incauto e apressado do O Farol. Ponto de partida: “A roupa eterno sentido de feminilidade, aquela
julgará estar perante um ser- masculina muda a psicologia da mulher.” feminilidade que, mais do que qualquer
mão da arqueologia católica. A preleção agarra-se às calças num outra coisa, todas as crianças continua-
Situemo-nos, então. É ver- corpo feminino, como exemplo para- rão a associar à face da sua mãe”.
dade que o texto, intitulado digmático da “imodéstia”. Consequências Depois, torna-se feroz. Assim: “(…)
Notificação concernente às do “uso de vestes masculinas por parte Fazemos bem em recordar as demandas
mulheres que vestem roupas das mulheres”? Além da mencionada severas que as crianças instintivamente
de homem, tem 58 anos. Foi “mudança da psicologia feminina pró- fazem à sua mãe, e as profundas e até
escrito em 1960 pelo cardeal pria da mulher”, afeta-a também “como terríveis reações que nelas se afloram
Giuseppe Siri, à época arce- esposa do seu marido, por tender a viciar pela observação dos seus maus compor-
bispo de Génova. Mas a Fraternidade a relação entre os sexos”. E ainda “como tamentos.” Para logo acrescentar, ainda
Sacerdotal de São Pio X, sociedade de mãe das suas crianças, ferindo a sua mais ferino, que “a criança pode não
vida apostólica da Igreja Católica, con- dignidade ante os seus olhos”. O sermão saber a definição de exposição [de partes
siderou-o de absoluta atualidade. Tanto apenas visa o “decoro” da mulher, dando do corpo], de frivolidade ou infidelidade,
assim que preencheu na íntegra com o passos em volta para chegar sempre à mas possui um sentido instintivo que re-
sermão do cardeal Siri a última edição do prédica de partida, sublinhando que o conhece quando essas coisas acontecem,
boletim que distribui aos fiéis, chama- importante “é preservar a modéstia, e o sofre com elas, e é amargamente ferida

78 VISÃO 10 MAIO 2018


por elas (...)”. A conclusão encontra-se a
meio da prédica: “(…) Quando uma mu- IMPORTA-SE DE REPETIR? “É mais nobre educar filhos ou estar
na caixa de um supermercado a passar
lher veste roupas de homem”, isso “deve produtos o dia todo?” O responsável da
ser considerado um fator, a longo prazo, Excertos das “sábias considerações”, Fraternidade diz que “as mulheres são
da desintegração da ordem humana”. como se lê na nota introdutória, muito capazes para exercer qualquer
A VISÃO abordou o porta-voz da do sermão que preenche na íntegra profissão, mas, se têm filhos, há uma
Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), a última edição do boletim da escolha a fazer” – ponderar “se sacrificar
padre Manuel Barbosa, para um comen- Fraternidade S. Pio X, de abril de 2018 a função de mãe de família vale mesmo
tário sobre este texto, distribuído a fiéis a pena”. Nem quando se invocam neces-
católicos. Mas a resposta chegou seca, “Quando vemos uma mulher de sidades financeiras o padre desiste. “Há
por email. “Não faço comentários sobre calças, deveríamos pensar não tanto estudos económicos a comprovar que
o conteúdo do jornal da Fraternidade nela, mas em toda a humanidade, de mais de metade do salário das mulheres
S. Pio X, é a eles que devem ser pedidos como será quando todas as mulheres é gasto em consumos que não fariam se
esclarecimentos”, escreveu o porta-voz se masculinizarem. Ninguém estivessem em casa.” Já “se não tiver um
da CEP. O padre Manuel Barbosa lembra ganhará [com] uma futura época de certo recato”, a mulher “vai ser objeto
que a Fraternidade “não está em comu- imprecisão, ambiguidade, imperfeição de tentações por parte dos homens”, e
nhão com a Igreja Católica”. Reconhece, e, numa palavra, monstruosidades.” ninguém pode “levar o outro a pecar”.
porém, que “nos últimos anos o Santo O padre ilustra com o trânsito: “É como
Padre concedeu, nalguns casos e de for- “Se o sentido de vergonha é impedido parar num sinal vermelho.” De resto,
ma excecional, a celebração de alguns de colocar os freios, as relações castidade rigorosa antes do casamento
ritos (confissão, matrimónio) para bem entre homem e mulher afundam-se e, depois, sexo só para procriar.
dos fiéis” pertencentes à Fraternidade. em degradação e puro sensualismo, Sob anonimato, pais crentes, mas
O porta-voz da CEP esqueceu-se dos separadas de todo o respeito mútuo avessos ao radicalismo, contam à VI-
batizados, que também estão autorizados. ou estima.” SÃO que as respetivas famílias passaram
num ápice “de normais a disfuncionais”,
CAIXA DE SUPERMERCADO OU MÃE? “O que estas mulheres serão capazes quando filhos rapazes, com 16, 17 anos,
Em janeiro passado, numa reportagem de dar às suas crianças, tendo usado fizeram das missas, dos terços, da lei-
de capa, a VISÃO revelou os bastido- calças durante tanto tempo, e com tura de Bíblias antigas e da catequese da
res da “igreja que desafia o Papa”, com a autoestima determinada mais pela Fraternidade o epicentro das suas vidas.
o regresso das missas em latim, dos competição com os homens do que “A intolerância é total: deixaram de sair
padres de costas para os fiéis, ou das pelo seu papel como mulheres?” com as mães, porque estas insistem em
mulheres com véus. É a dinâmica de um vestir calças e maquilhar-se”, ouvimos.
movimento ultraconservador que, como “Pelo ‘conteúdo pecaminoso’, a mera
escreveram os repórteres Catarina Guer- leitura de um livro policial é criticada e
reiro e Rui Antunes, “está a crescer no as discussões sucedem-se. Na escola, são
País”, atraindo “jovens fiéis e sacerdotes marginalizados ou automarginalizam-se.
que aprendem o ritual em segredo”. Em Amigos, só os da Fraternidade. Até já se
destaque surge a Fraternidade S. Pio X afastam da prática desportiva, por causa
(criada em 1970 pelo arcebispo francês da exposição do corpo.”
Marcel Lefebvre), que planeava passar, Na sociedade atual, “a proposta de
em Lisboa, de um apertado oratório em comportamentos que o boletim sugere
Chelas para uma nova igreja em Marvila, contribuirá para um afastamento total
com 200 lugares. Quatro meses depois, a dos jovens da Fraternidade em relação
juntar à capela em Fátima que já utiliza, a aos seus pares”, analisa o psiquiatra
congregação trabalha para também abrir AO NÃO TER Daniel Sampaio. O especialista nota
templos no Funchal e no Porto. que hoje “a adolescência é cada vez mais
Em declarações que agora prestou “UM CERTO caracterizada por numerosos contactos,
à VISÃO, o padre francês Samuel Bon,
que lidera em Portugal a Fraternidade, RECATO”, quer em presença quer virtuais”, e que
a maioria desses jovens “não subscreve
coloriu as “sábias considerações de um
Príncipe da Igreja”, como escreveu na
A MULHER “VAI a ideia de um corpo escondido nem se
limita às relações sexuais apenas com
nota introdutória ao sermão do car- SER OBJETO vista à procriação”. Já na família, “os
deal Siri. “A felicidade do homem e da comportamentos dos jovens da Fra-
mulher é a possibilidade de cumprir na DE TENTAÇÕES” ternidade configuram uma inversão da
plenitude a sua natureza, de acordo com
o plano de Deus”, alega. E “a questão E “LEVAR hierarquia, em que os filhos mandam
nos pais e impõem o seu modo de ves-
das calças, no sentido em que as rou-
pas também têm uma função social, foi
O OUTRO tir e de pensar, conduzindo a conflitos”.
Daniel Sampaio aconselha estes pais a
o primeiro passo do que vemos hoje”.
O que observamos, então? Samuel Bon
A PECAR” “pedirem ajuda nos centros de saúde e
nos serviços de saúde mental”. Chegará?
SAMUEL BON,
responde com uma pergunta retórica: líder da Fraternidade S. Pio X jjunior@visao.pt

10 MAIO 2018 VISÃO 79


I N O VA Ç Ã O

Do jazz à modernização
do Estado
Nova vaga do Simplex foi inspirada nas “jam sessions”
e preparada com mais de 100 funcionários públicos.
A secretária de Estado explica: “Quando vamos a uma
repartição de Finanças, com quem é que reclamamos?
Com o senhor que está lá a atender”
O C TÁV I O L O U S A D A O L I V E I R A

I CRÉDITO FOTO
magine o seguinte cenário: está de para ajudar na elaboração da nova fase
férias no Algarve com um amigo es- do Simplex +, estabeleceu a regra de que
panhol, francês ou alemão, e decidem pessoas das mesmas entidades públicas
ir à pesca juntos. O plano parece nor- não poderiam ficar nos mesmos grupos.
mal e, em tese, fácil de realizar. Obter E havia de tudo: funcionários do Ins-
a licença, no seu caso, seria um mero tituto dos Registos e Notariado (IRN), da
pró-forma. Bastaria deslocar-se ao Autoridade Tributária e Aduaneira (AT),
multibanco mais próximo, indicar o da Direção-Geral das Artes, do Instituto aspetos (penteado, vestuário, adere-
número do Cartão de Cidadão e o seu do Emprego e Formação Profissional, ços) da sua aparência ou pedir-lhes
Número de Identificação Fiscal (NIF), da Administração Regional de Saúde que revelassem um presente que ti-
pagar a respetiva taxa e tudo estava pronto. de Lisboa e Vale do Tejo, do Instituto vessem oferecido recentemente –,
No entanto, enfrentaria um problema: o da Mobilidade e dos Transportes (IMT), bastaram algumas voltas pelas mesas
seu amigo teria de passar por um balcão da Direção-Geral do Património ou da para se perceber que a máquina co-
do Instituto da Conservação da Natureza Direção Regional de Agricultura e Pescas meçava a funcionar. E as ideias fluíram
e das Florestas (ICNF) ou esperar pela luz de Lisboa e Vale do Tejo. com maior facilidade – desde a criação
verde do site deste organismo (nem sem- Após exercícios que serviram de uma ferramenta online que dispen-
pre disponível) para poder acompanhá-lo. para deixar os participantes à von- sasse os desempregados do chamado
O empecilho foi notado numa das cinco tade – como obrigá-los a mudarem “controlo postal” até à criação de um
sessões do Simplex Jam, um modelo de sistema de devolução de chamadas nos
trabalho inspirado nas sessões de im- organismos públicos, designado “Ligo
proviso características dos clubes de jazz, Já”, através de um call center específico.
que envolveu 150 trabalhadores de vários Nessa sessão, foi também afinada a
organismos da Administração Pública
na preparação das medidas que poderão “É DIFÍCIL FAZER proposta “Stop Final”, que visa a simpli-
ficação (por intermédio de uma aplicação
constar no Simplex + deste ano. De-
pois das jornadas no Porto, em Coimbra,
FUNCIONAR informática) do cancelamento da matrí-
cula de veículos em fim de vida, uma vez
Évora e Faro, a 23 de março reuniram-se OS MINISTÉRIOS; que os centros de desmantelamento in-
26 funcionários públicos numa sala do r/c seririam diretamente a informação sobre
da Presidência do Conselho de Ministros, SE AINDA TENTAMOS as viaturas e esta seria descarregada na
em Lisboa, para alinhavarem as propostas
que tinham submetido pela internet. SINCRONIZÁ-LOS, base de dados do IMT, com a sequen-
te transmissão à AT e ao IRN. Já como
Às 10h25, quando a jam teve início,
Pedro Janeiro, especialista em design
SOFREMOS incentivo ao investimento, apareceria
o “Balcão Verde Jovem Agricultor”, que
thinking, sócio da Design Thinkers Group
e líder da Trusted Thinker, a empresa que
DE ELEFANTÍASE”, disponibilizaria toda a informação, hoje
dispersa, relativa aos apoios destinados
o Governo contratou por 72 mil euros DIZ PEDRO JANEIRO a jovens empreendedores e garantiria a

80 VISÃO 10 MAIO 2018


Animação Em Lisboa,
os funcionários públicos juntaram-se
em pares e tiveram de alterar
pormenores da sua aparência

design thinking, passa pela aproxima-


ção das pessoas às estruturas do Estado
através da tecnologia, mas sem deixá-las
“a nu”, com acesso a dados desneces-
sários. “As soluções têm de ser mobile!
O próprio contacto do Estado com o ci-
dadão tem de ser cada vez mais de con-
ta-corrente, em que o Estado comunica,
até para informações mais simples,
pelos canais que o cidadão mais usa, ou
seja, ferramentas como o WhatsApp, o
e-mail, SMS...”, enfatiza. “Se juntarmos
centenas destes pormenores, poupamos
muitíssimo tempo e dinheiro ao Estado
e às pessoas”, assegura Pedro Janeiro.

OS MILHÕES POUPADOS
Mesmo tendo como suporte um estudo
feito pelo Instituto Superior de Estatís-
tica e Gestão de Informação da Univer-
sidade Nova de Lisboa, que analisou o
impacto de 13 medidas do Simplex 2016
e estimou que estas permitiram uma
poupança de 624 milhões de euros/ano
para empresas, mil milhões de euros
de ganho para a economia nacional e a
redução de 490 mil horas de trabalho
na Administração Pública, Graça Fon-
MARCOS BORGA

seca mostra-se cautelosa em relação à


migração para o digital e confessa que os
serviços físicos vão ter de coabitar com
a evolução tecnológica.
atribuição de um gestor/mentor público O desenho da nova vaga de medidas “O País não é Lisboa e é preciso per-
a esses projetos agropecuários. de simplificação administrativa, diz a ceber que o resto é muito diferente de
governante, visa “cumprir o princípio Lisboa”, frisa a secretária de Estado, que
500 PROPOSTAS SOBRE A MESA only once [apenas uma vez]”, ou seja, puxa do “exemplo clássico”: “As pessoas
Após as cinco sessões do Simplex Jam, garantir que os serviços do Estado te- podem pagar impostos através do multi-
a secretária de Estado-adjunta e da Mo- nham infraestruturas que assegurem “a banco. [Mas] há milhares de pessoas aos
dernização Administrativa contou à VI- interoperabilidade” e “comuniquem uns balcões das repartições de Finanças para
SÃO que o Governo recebeu, “em bruto”, com os outros sem andarem a perder pagar impostos, porque querem ter a cer-
500 propostas que serão avaliadas e re- tempo” e a incomodar os cidadãos com teza, cara a cara, e saber que, se tiverem
metidas para os diversos ministérios, de a burocracia em dose dupla ou tripla. algum problema, podem culpar alguém.
modo a serem analisadas e/ou aperfeiçoa- Pedro Janeiro reforça essa perspetiva. É uma questão de relação de confiança.”
das. A inclusão dos funcionários públicos “Como estão quatro, cinco ou seis or- Para esta nova versão do Simplex, Gra-
no processo, sustenta Graça Fonseca, tem ganismos na mesma mesa, quando eles ça Fonseca adianta que vai ser feito um
uma justificação simples: “Era importante começam a partilhar as dores que sen- levantamento técnico similar ao de 2016
encontrar uma forma de eles próprios se tem na ligação ao cidadão, ou mesmo as e que a Comissão Europeia está neste mo-
sentirem quase coautores de medidas que internas, as do próprio funcionamento do mento a selecionar a entidade, “uma con-
depois constem no Simplex. Se sentirem organismo, estes descobrem que alguns sultora de âmbito internacional”, que vai
que isto não é algo imposto lá de cima deles já as resolveram enquanto outros conduzir o estudo de impacto económico.
(do Governo, entenda-se), as resistências sofrem dos mesmos problemas e, às vezes, O novo programa arrancará “em junho”,
de adaptação serão menores.” estão a trabalhar em conceitos diferentes segundo a secretária de Estado, e algumas
Por isso, ilustrou: “Quando vamos a para resolver essas dores. Há muito pou- medidas poderão estender-se para lá desta
uma repartição de Finanças, com quem é cos mecanismos comuns para fazê-los legislatura. A intenção é assegurar a sus-
que reclamamos? Não é com o ministro funcionar entre eles. Os ministérios são tentabilidade do programa, sem que este
das Finanças, é com o senhor que está lá a muito grandes, têm milhares e milhares fique “dependente de conjunturas políticas
atender. E começámos a perceber que quem de pessoas, e já é difícil fazê-los funcio- ou administrativas”. “Para esta ideia da
trabalha na frente, no atendimento e tam- nar; se ainda tentamos sincronizar isso desburocratização, a boa imagem é a roda
bém em backoffice tem um conhecimento com outro ministério com mais 100 mil quadrada: se pararmos de empurrá-la, ela
interessante – e é preciso aproveitá-lo – so- pessoas, sofremos de elefantíase”, aponta. vai parar porque haverá sempre resistên-
bre os bloqueios que os cidadãos colocam.” O futuro, considera o especialista em cias”, conclui. ololiveira@visao.pt

10 MAIO 2018 VISÃO 81


INCLUSÃO

DIANA TINOCO
A vida em modo manual
O fotógrafo americano Fredric Roberts esteve em Lisboa para dar
um curso intensivo a 21 adolescentes de origens sociais diferentes.
E mostrou como os conceitos básicos da fotografia se aplicam à vida

O
SÓNIA CALHEIROS

acesso ao telemóvel é limi- são pensada para quebrar o estigma de câmara como forma de promover a auto-
tado. Uma regra que, num bairro problemático. confiança e a independência, bem como
grupo de adolescentes, parece Quebrar preconceitos e ideias mal o hábito do trabalho em equipa.
mesmo feita para quebrar. formadas pelo desconhecimento é, aliás, Aqui todos estão unidos pela curio-
Foram 21 jovens, dos 14 aos 17 uma das bases da Fundação Aga Khan, sidade de perceber como conseguirão
anos, os que naquela manhã que, anualmente, investe 490 milhões de ultrapassar barreiras com uma máqui-
de abril madrugaram para euros na educação, na cultura e no com- na fotográfica na mão. Não é um típico
participar no Curso Residen- bate à pobreza, em vários países. Criada workshop para jovens desfavorecidos de
cial de Fotografia, organizado em 1967 pelo príncipe Karim, nomeado bairros pobres, até porque eles têm vá-
pela Fundação Aga Khan. Esta Aga Khan IV em 1957 (sendo o líder es- rias proveniências sociais. “São miúdos
parceria com o fotógrafo americano piritual de 15 milhões de muçulmanos que estavam destinados a não se cruzar,
Fredric Roberts funciona como uma xiitas ismaelitas), a instituição iniciou mas que afinal ficaram amigos”, explica
espécie de residência artística. Durante atividades em Portugal em 1983, focando- António Brito Guterres, conselheiro do
uma semana, os adolescentes oriundos -se sobretudo na inclusão de imigrantes. desenvolvimento comunitário da fun-
da Grande Lisboa instalaram-se num O curso intensivo de fotografia pretende dação. “Mas o objetivo não é que todos
hostel no Bairro Padre Cruz, uma deci- dar ferramentas a estes jovens, usando a se transformem em artistas...”

82 VISÃO 10 MAIO 2018


Pelas ruas de Lisboa O grupo de jovens à
procura de algo interessante para fotografar
(à esquerda) e o resultado do curso nas fotos
de quatro dos participantes (à direita)

O cabelo azul de Raquel destaca-se no ano, devido a várias condicionantes: os


grupo, que anda rua acima e rua abai- jovens têm de estar de férias escolares
xo de câmara em riste. Fotografar uma e os fotógrafos que o acompanham
Lisboa em Mudança, tema deste ano, (Mike Sakas, Esha Chiocchio, Thomas
foi a missão de uma tarde passada no Kelly e Wendy Walsh) deixam tudo
Poço dos Negros. Uma zona emergente, para trás durante três semanas. Depois
onde ainda se encontram antigos ofí- de Lisboa, a equipa irá para os Hima-
cios, verdadeiras instituições na cidade. laias, seguindo-se o México e a Grécia.
As fotografias devem mostrar como os Na Oficina Tomás Miranda, dedi-
artesãos se adaptaram às mudanças na cada à reparação, ao restauro e à afi-
cidade. “Eles têm de entrar nas lojas nação de instrumentos de sopro, “são
e movimentarem-se como se fossem os detalhes que interessam”. Joana
água. Devem ser quase invisíveis, mesmo dos Santos é a mais alta do grupo. Aos
estando debaixo do nariz das pessoas”, 17 anos, mais do que gostar de fotogra-
explica Giorgia Consoli, gestora comu- far, agrada-lhe o objetivo do workshop.
nitária da fundação. “Precisamos todos de um Fredric nas
“Cuidado com o reflexo”, alerta nossas vidas para aprendermos a viver
Raquel à porta da Oficina 37, restauro de modo manual.” O fotógrafo retribui-
de móveis na Rua de S. Bento. Este ano, -lhe o elogio: “A Joana é calma, pensa,
integra o grupo como mentora dos ini- olha e descobre o que quer, enquanto
ciados, depois de ter feito o curso, em outros fotografam o mundo de um
2016, pela primeira vez em Portugal. modo louco”, vai dizendo, enquanto
Apesar de já estudar Fotografia na Escola a conduz para a Fotografia Triunfo,
Artística António Arroio, sente falta da antiga loja na Rua do Poço dos Ne-
componente de Fotojornalismo, em que gros. A estudar no liceu de Oeiras, no
tem de contar uma história. 12º ano, na área de Ciências, Joana ainda
não sabe o que fazer com a Fotografia.
COMO ANDAR DE BICICLETA Quem quer rentabilizar a máquina
Os primeiros dias do curso serviram fotográfica é Bruninho da Silva Maia,
para aprender a funcionar com a câma- que soube do curso através do Projeto
ra, sempre em modo manual – nem o Sementes a Crescer, da Casa da Cultura
autofocus é exceção. “Isto é como andar do Beato. Aos 17 anos e a poucos dias
de bicicleta. Mas o interessante é onde de ser pai, o jovem estava apreensivo
a bicicleta nos leva. A câmara é apenas quanto ao facto de passar uma semana
um veículo de autoexpressão”, sublinha fora de casa. Como não tinha experiên-
Fredric Roberts. “Façam as fotografias cia em fotografar, também não sabia se
com amor, como se estivessem apai- ia conseguir. O resultado alargou-lhe
xonados”, recomenda aos jovens que horizontes e já o levou a pensar num
entraram na tipografia Artes e Letras nicho de negócio: fotografar casamen-
Atelier para ver a dona Inês a imprimir tos e festas ciganas, que todos os meses
uma linogravura. acontecem na sua comunidade e duram
Só quando se reformou, no ano vários dias.
2000, Fredric Roberts se dedicou à Ilyian Habibo, 15 anos, sempre fo-
fotografia. Após 30 anos no mundo da tografou as suas viagens, mas está
alta finança, em Wall Street, rodeado motivado para melhorar os resulta-
de “pessoas que só se interessavam por dos. “Não queria ser um escravo da
“FOTOGRAFAR É COMO dinheiro, mas que eram pouco felizes”, máquina automática”, conta o aluno
ANDAR DE BICICLETA. decidiu criar uma organização não go-
vernamental e fazer da arte fotográfica
do Colégio Planalto. Português com
ascendência moçambicana e indiana,
MAS O MAIS uma forma de inclusão. “Viajei muito
por países subdesenvolvidos e perce-
soube do workshop graças à mãe. “Aqui
aprendemos a fazer escolhas, a tomar
INTERESSANTE bi que o dinheiro pouca ou nenhuma decisões e a ganhar concentração”, diz
felicidade trazia”, lembra o fotógrafo Ilyian que, durante a tarde, tirou cerca
É ONDE A premiado internacionalmente. Mas as de 400 fotografias. De Castanheira do
BICICLETA NOS suas incursões não se fazem apenas
em países mais carenciados. Em Los
Ribatejo, mas também a estudar Têx-
teis na Escola Artística António Arroio,
LEVA”, FREDRIC Angeles, onde está radicado, também
dá cursos e organizou uma competição
Alexandra Simões, 17 anos, aprendeu
que “é preciso olhar duas vezes para a
ROBERTS, universitária à volta das artes perfor-
mativas. O antigo executivo de Wall
mesma coisa. Só assim se ganha uma
perceção diferente”. Na fotografia, tal
FOTÓGRAFO Street só faz quatro workshops por como na vida. scalheiros@visao.pt

10 MAIO 2018 VISÃO 83


Exemplo Caldeira Cabral,
I N O VA Ç Ã O Tiago Freire (revista Exame)
e António Ramalho (Novo Banco)
visitam a Feedzai

LUÍS BARRA
Voando sobre um ninho
de empresas
Incubadora ligada à Universidade de Coimbra gerou
mais de 165 milhões de euros de volume de negócios
e já criou mais de dois mil empregos diretos

A
M A R G A R I D A VA Q U E I R O L O P E S E T I A G O F R E I R E

Critical Software, empresa no seu portefólio clientes como a Nike, Interface, por exemplo, tem no apoio aos
portuguesa que trabalha para o Lloyds Bank ou o Barclays, ainda tem centros tecnológicos um dos seus pilares
a NASA, foi criada com 5 000 os escritórios no IPN, enquanto continua fundamentais.
euros e incubada no Instituto a assinar contratos avaliados em mais Foi precisamente aqui, em Coimbra,
Pedro Nunes (IPN), que tra- de 100 milhões de euros. A incubadora, que foi lançada a iniciativa PME Líder
balha em estreita colabora- criada em 1995 – e reformulada em 2007 2018, uma parceria entre a revista Exame
ção com a Universidade de –, é uma das mais antigas do País e es- e o Novo Banco, e que tem distinguido,
Coimbra. Atualmente fatura pelha precisamente o que o ministro da todos os anos, as companhias que se des-
quase 100 milhões de euros Economia, Manuel Caldeira Cabral, tem tacam no panorama nacional, sobretudo
e tem mais de 300 funcio- pedido: que se alargue o canal de passa- nas áreas da tecnologia e da inovação.
nários. Já a Feedzai, que desenvolve tec- gem de conhecimento entre o meio cien- O evento contou com as presenças do mi-
nologia na área da cibersegurança e tem tífico e o meio empresarial. O programa nistro da Economia, da administração do

84 VISÃO 10 MAIO 2018


Novo Banco, da Universidade de Coim- que pode ser uma enorme esperança em
bra, da Câmara Municipal de Coimbra, caso de desastres ambientais. “Agora, do
da CCDR Centro e do IPN. que precisamos é de escala”, atira Ramos
“Os laboratórios nasceram consoante de Carvalho, recordando que esta é uma
as necessidades que foram surgindo”, tecnologia de conceção significativamente

280
explica Teresa Mendes, professora da dispendiosa. “A norte-americana Aspen
Universidade de Coimbra e presidente Aerogel, o maior produtor de aerogel do
no IPN, antes de revelar que tanto pe- mundo, fatura 100 milhões de euros, mas
quenas empresas como grupos de maio- precisou de investir 500 milhões para
res dimensões procuram os serviços da o conseguir”, atira a título de exemplo.
incubadora. O problema é que a taxa de Apesar de a Active Aerogels usar uma
ocupação é 100%, “embora se faça sem- Já passaram pelo
tecnologia de produção mais barata do
pre um esforço”, admite a responsável Instituto Pedro Nunes que a Aspen, são necessários “cerca de
que conduziu a visita ao instituto. Aqui mais de 50 milhões de euros para nos verem no
podem chegar alunos da Universidade 280 empresas mundo”. Já quanto ao volume de negó-
de Coimbra para desenvolver ideias ou, desde o início da sua cios, esse chegou aos 173 mil euros em
então, empresas que precisem de ajuda atividade, em 1995 2016. Por essa razão, a Active Aerogels vai
– a título de exemplo, foram os labora- mudar-se para Aveiro, onde conseguirá
tórios do IPN que conseguiram perceber um laboratório maior e mais adequado
por que razão uma determinada gama às necessidades – e está à procura de um
de papel produzido pela The Navigator parceiro industrial ou de um investidor
Company estava a encravar nas impres- para garantir a escala de que precisam.
soras (resposta: a qualidade do papel era Seguimos viagem para outro piso,
demasiado boa). “Já também entrámos atrás do responsável financeiro da Feed-
com força em projetos europeus, e desde zai. A empresa tem sido por várias vezes

75%
2015 que coordenamos a incubadora de apontada como a startup de referência,
empresas portuguesas da Agência Espa- por se ter destacado na área do com-
cial Europeia (ESA).” Teresa Mendes apro- bate às fraudes de pagamentos. “Re-
veitou também a ocasião para apresentar centemente, em cerca de 30 minutos,
três empresas que servem como exemplo salvámos a Nike de um ataque de dez
do que tem sido feito pelo IPN, onde já milhões de euros” revelou Filipe Neves,
foram “incubadas” quase 300 empresas Taxa de sobrevivência CFO da Feedzai, antes de explicar que
e onde a taxa de sobrevivência ronda os das empresas esta foi fundada por cientistas de dados
75%, muito alta para empresas com pou- criadas no IPN, e por engenheiros aeroespaciais, e que
cos anos de vida. Particularmente ligadas o que o coloca atualmente têm armazenados dados de
à tecnologia, e sempre com estreitos laços entre as melhores aproximadamente 670 milhões de cartões
com a Universidade, estas companhias incubadoras do País de todo o mundo. A empresa desenvolveu
apresentam uma capacidade de exporta- uma plataforma informática alimentada
ção elevada e já permitiram a criação de por Inteligência Artificial e Big Data para
2 200 empregos diretos, revelou ainda. combate à fraude nos pagamentos (lem-
bre-se dela cada vez que usar o PayPal,
VOLTA À INCUBADORA por exemplo), uma ideia que surgiu em
A primeira empresa que visitámos, e que Coimbra e que foi desenvolvida na Uni-
é o espelho desta excelência procurada versidade de Austin, no Texas, duran-
pelo IPN, é a Active Aerogels, uma startup te um intercâmbio. No ano passado, a

2 200
dirigida por Bruno Ramos de Carvalho Feedzai garantiu um financiamento de
e dedicada a produzir e a comerciali- 50 milhões de dólares naquele que foi
zar produtos nanoestruturados, que é o maior levantamento de investimento
como quem diz, “produtos que estão a de uma startup nacional. Fatura mais de
revolucionar a tecnologia devido às suas 11 milhões de euros por ano e debate-se
capacidades de isolamento, flexibilidade e atualmente com um problema que tem
durabilidade”, explica o CEO da empresa. Número de empregos
pouco que ver com dinheiro: precisa de
O aerogel é criado através de processos diretos criados pelas talentos, e esses são escassos no País.
químicos e pode ter várias formas: em empresas e startups A vinda das multinacionais como a Goo-
banda, flexível, em pedra ou em pó. que passaram no IPN, gle não está a ajudar, uma vez que pre-
Pode ser utilizado para isolar edifícios, aos quais acrescem cisará de recrutar profissionais num
por exemplo, ou para absorver produtos ainda os empregos mercado já em esforço no que às tec-
químicos. Devido às suas características indiretos que são nologias de informação e às engenha-
únicas, o aerogel é capaz de absorver incontáveis, segundo rias diz respeito. “Não temos talentos”,
petróleo que tenha sido derramado em a presidente repete Luís Silva, CEO da Wiit, “que já
água, sem absorver a água que o rodeia, o do instituto não é bem uma startup”, atira com um

10 MAIO 2018 VISÃO 85


I N O VA Ç Ã O

sorriso. Fundada em 2001, no seio da


Universidade de Coimbra, vai perder o
estatuto de PME devido ao número de
empregados – que eram três centenas
em 2016. “Vou continuar a preencher
Portugal com centros para conseguir
captar todos os engenheiros de software
que conseguir”, afirma, perante o ministro
da Economia, o engenheiro informático
que lamenta a falta de capacidade de mo-
bilização do País. “Já abrimos centros no
Porto, em Leiria, em Aveiro e em Lisboa”,
mas a mão de obra continua a ser escassa.
“Por isso, desculpe, mas não partilho do

LUÍS BARRA
seu entusiasmo com a vinda da Google”,
diz a Caldeira Cabral, meio a sério, meio
a brincar. A estratégia passa por abrir Laboratório Saem daqui algumas das ideias mais lucrativas
centros de forma descentralizada, para
conseguir captar o talento local. A Wiit Particularmente atentos a tudo quan-
desenvolve software para empresas de to foi debatido e mostrado estiveram
telecomunicações e exporta para todo o António Ramalho e Vítor Fernandes,
mundo, numa altura em que fatura mais respetivamente CEO e administrador-
de 25 milhões de euros. Como resposta, -executivo com o pelouro das empresas
o ministro da Economia recorda que o do Novo Banco, instituição que se distin-
Executivo está a criar uma espécie de gue exatamente pelo foco no segmento

165
“Via Verde” para que as startups possam empresarial – daí também a associação,
contratar rapidamente pessoas vindas de há largos anos, à distinção das empresas
fora, ou seja, descomplicar a burocracia PME Líder.
dos vistos que atualmente existe para O selo de distinção como PME Líder
muitas nacionalidades e que atrasa sig- foi criado pelo IAPMEI e é atribuído
nificativamente os processos de recruta- anualmente em conjunto com o Turismo
mento. “Nós temos pessoas que querem Até ao ano passado, de Portugal, contando com a colabora-
o volume de negócios
vir para cá, mas depois demoramos tanto ção de uma dezena de bancos e ainda
gerado na incubadora
tempo a tratar dos vistos que muitas ve- com sociedades de garantia mútua. Na
já ultrapassava
zes os projetos já estão a meio”, lamenta os 165 milhões de
prática, esta classificação é vista como
Filipe Neves. Caldeira Cabral garante que euros, e a perspetiva uma marca de qualidade e de sustenta-
o novo mecanismo deverá ajudar nestes é de crescimento bilidade das empresas que a recebem,
constrangimentos e que serão as próprias tendo em atenção os indicadores finan-
incubadoras a fiscalizarem o processo de ceiros e o desenvolvimento operacional
recrutamento e a fazerem a ponte com equilibrado.
as autoridades competentes. Na prática, No caso do Novo Banco, o envolvi-
ficarão como responsáveis pela valida- mento vai mais longe, já que há vários
ção do perfil das pessoas que virão ao anos que a instituição liderada por An-
abrigo deste programa, até porque têm tónio Ramalho se associa à publicação
mais capacidade do que o Serviço de de uma revista especial sobre as empre-
Estrangeiros e Fronteiras para avaliar se sas distinguidas e sobre a realidade das

6,5
estes profissionais são ou não qualifica- PME portuguesas. A próxima, que é já a
dos. O ministro da Economia reconhece décima, será editada pela Exame com a
ainda a urgência na aposta em algumas edição de junho.
áreas críticas e recorda que “a geografia A visita ao Instituto Pedro Nunes, que
perde peso nesta área de software, de já recebeu várias distinções que o posi-
telecomunicações”, instando as empre- cionam entre as melhores incubadoras do
sas a terem mais academias próprias ou O IPN coordena mundo, completou o ciclo virtuoso desta
a trabalharem em estreita colaboração o programa ligação à universidade e à investigação:
com universidades e politécnicos, de da Agência Espacial uma empresa jovem, uma em fase de
forma a garantirem que haja mais oferta Europeia dedicado franca expansão e outra que já bateu as
adequada à procura. No fundo, se é cada às startups, asas para fora deste ninho de excelência.
vez mais difícil ir buscar gente qualificada o que já gerou Estas são, no fundo, as empresas que os
ao mercado, então uma boa alternativa um impacto de bancos procuram apoiar e que Caldeira
6,5 milhões
será a criação interna de talento, da qual Cabral quer ver multiplicadas pelo País,
de euros
todo o ecossistema acaba por beneficiar. nos próximos anos. visao@visao.pt

86 VISÃO 10 MAIO 2018


NIF: 506723364
MODELO 3 CAMPO 11
INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

Ajude a Associação Salvador


sem custos para si

JUNTOS APOIAMOS CENTENAS


DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA MOTORA
VAGA R

Salvador
MÚSICA

“A vida só pode

“Antes, sentia que não


ser compreendida
olhando para
trás, mas tem de
ser vivida olhando

tinha nada a perder”


para a frente”
Søren Kierkegaard
Filósofo
(1813-1855)

VIBRANTE, INQUIETO, ENÉRGICO.


SALVADOR SOBRAL APRESENTA UMA CANÇÃO
NOVA NESTA SEMANA. VAI CANTAR
“AMAR PELOS DOIS” EM DUETO COM CAETANO
VELOSO NA FINAL DA EUROVISÃO E REGRESSA
AOS PALCOS CHEIO DE FORÇA COM A BANDA
ALEXANDER SEARCH. ACOMPANHÁMOS
UM ENSAIO E CONVERSÁMOS COM ELE
CLÁUDIA LOBO ARLINDO CAMACHO

88 VISÃO 10 MAIO 2018


10 MAIO 2018 VISÃO 89
S
Planos? “Tocar, mostrar a minha
MÚSICA música às pessoas, ir a Paris o mais
possível, ler, ver cinema, correr,
aproveitar a minha boa saúde”

Salvador Sobral: O que vamos tocar? a mesma música da mesma forma, mes-
mo quando decidem que vão fazê-lo.
Ninguém lhe responde, e percebe-se
porquê. Os outros quatro músicos que Júlio Resende: Conforme nos vamos
estão na sala, uma pequena assoalhada conhecendo melhor, vamos ficando mais
de cerca de nove metros quadrados com livres. A liberdade aprisiona-nos!
vista para os jardins da Gulbenkian, em
Lisboa, ainda têm de pousar o material, Este é o segundo ensaio de Alexander
montar os seus instrumentos, ligá-los. Search, com o qual Salvador Sobral, 28
Joel Silva coloca o prato da bateria. Júlio anos, vai voltar aos palcos, já no próximo
Resende, que ocupa o centro da sala, liga dia 18, no Centro Cultural Olga Cadaval,
o cabo do teclado, porque não vai apenas em Sintra. Trata-se de um projeto conce-
tocar piano. Daniel Neto monta os três bido por Júlio Resende, em que as letras
pedais da guitarra. André Nascimento das canções são poemas em inglês de
tem de se sentar no sofá, colocar o te- Fernando Pessoa e em que cada músico
clado no colo, o computador em cima se torna personagem, assumindo o nome
de uma cadeira e o finger pad no banco de um heterónimo do poeta. Uma sema-
do piano. As paredes da sala estão re- na depois, nos Açores, Salvador Sobral
pletas de postais, fotografias, posters. apresenta-se em nome próprio, regres-
Na mesinha ao lado, dois discos de vinil sando ao disco de estreia, Excuse Me.
de Amália, comprados já no tempo dos
euros, e um livro de poemas escolhidos Salvador: É bom voltar ao palco com
de Alberto Caeiro. Salvador ajeita-se na Alexander Search, porque me tira um
ombreira da porta. Tem uma cadeira, bocadinho de pressão, de responsabi-
onde se senta, e se olhar por cima do lidade. Vai primeiro o tipo de óculos, o
ombro direito, vê a pintura de Costa Benjamin, ver se o caminho está bom, e
Pinheiro dos óculos de Fernando Pessoa. depois diz-me se eu posso ir...
São parecidos com os óculos que ele usa Júlio: Estás em grande forma.
quando se veste de Benjamin Cymbra, Salvador: Não, não. Eu é que sei.
a personagem que encarna enquanto Júlio: És como um tipo que está louco,
vocalista de Alexander Search, a banda diz que só ele é que sabe...
que estás prestes a começar a ensaiar.
Ninguém responde à pergunta de Aqui pelo meio faltam umas frases:
Salvador, ninguém diz nada, mas Júlio “Vamos comer qualquer coisa”, disse
começa a tocar agora que os instrumen- Salvador, uma hora e meia depois de
tos estão a postos. Entra a bateria de o ensaio ter começado. É, finalmente,
Joel, depois a guitarra de Daniel, faltam primavera e escolheu-se uma esplanada.
os sons eletrónicos de André. “We pass Juntou-se à mesa Ana Paulo, manager
and dream”, canta Salvador. A sua voz de Salvador Sobral e de Júlio Resende, e
tem força, emoção, ritmo. “Hope for the os seus dois filhos. O mais novo nasceu
best and for the worst prepare.” no mesmo mês em que o cantor teve de
Esperar o melhor e estar preparado deixar os palcos. Chama-se... Salvador.
para o pior. É impossível ouvir a frase e Faltam não só umas frases mas tam-
não pensar se seria esse o seu estado de bém uma atuação: o cantor apresenta-se
espírito em setembro, quando o cantor
teve de parar tudo o que fazia e ser in-
ternado, à espera de um coração novo,
que chegaria a 8 de dezembro. Onde
isso já vai.
Salvador acelera, acelera muito, ace-
lera muitíssimo. Os outros vão atrás,
“PREFERIA NÃO IR
sorriso aberto. Imita o som de um trom- À EUROVISÃO UM ANO
pete. Faz um rap. Inventa a letra. Daniel
olha para Júlio, Júlio olha para Joel, Joel DEPOIS, CONFESSO,
olha para Salvador. Olhares cúmplices.
A sua voz está em grande forma. O res- PORQUE ESTOU NO
to da banda também. Há uma energia
contagiante, uma empatia total. Nem
PROCESSO DE TIRAR
se percebe bem como começam a tocar
todos ao mesmo tempo sem ninguém
ESSA ETIQUETA. MAS
fazer sinal. Divertem-se, e nunca tocam FAZ SENTIDO, CLARO”

90 VISÃO 10 MAIO 2018


Ao vivo
Os espetáculos com o projeto
Alexander Search regressam já no
próximo dia 18, em Sintra. A 26,
Salvador Sobral estará em nome
próprio no Teatro Micaelense, em
Ponta Delgada. E há outros palcos
portugueses a receberem o músico nos
próximos meses. Com o seu trio, vai
fazer uma digressão por Espanha no
verão. A agenda de Salvador prolonga-
se já até abril de 2019, data em que
tem marcados concertos na Polónia.

na final do Festival da Eurovisão já neste


sábado, 12, onde vai cantar com Caeta-
no Veloso. Será a sua primeira aparição
pública “assumida” (fez uma perninha
“às escondidas” num concerto do gru-
po La Canalla, em Cádiz, e outra num
show da irmã, Luísa Sobral, há cerca
de um mês). É um regresso antecipado
em relação à data inicialmente previs-
ta, com autorização médica, o que quer
dizer que a recuperação não podia estar
a correr melhor.

Salvador: Isso de cantar com o Caetano


ainda é mais difícil… Houve um encontro
em casa da Carminho, uma noite. Foi
fantástico, ele é mesmo muito querido e
simpático, fartou-se de tocar. Eu preferia
não ir à Eurovisão um ano depois, confes-
so, porque estou no processo de tirar essa
etiqueta. Mas faz sentido, claro. E cantar
com o Caetano – vamos interpretar Amar
pelos Dois – é muito entusiasmante. Tam-
bém vou apresentar uma música nova,
Mano a Mano, que está lindíssima. Lin-
díssima se eu cantar bem, coisa que não
sei se vou conseguir… Agora fico nervoso.

Quem o ouviu em dois ensaios sabe


que não há razão para ficar nervoso.
E diz-lho.

Salvador: A minha voz está a melhorar,


sem dúvida. Sinto-me mais confiante,
a arriscar mais, mas há coisas técnicas
que ainda não consigo fazer como antes.
Acho que quando parei estava no topo
da minha forma vocal. Sentia que podia
fazer tudo – tudo! – com a minha voz, e
agora sinto imensas limitações. Mas há
de passar. Gosto de pensar que antes
não tinha nada a perder e agora tenho.

Tem?

10 MAIO 2018 VISÃO 91


Ensaio de Alexander Search Joel
Silva na bateria (não se vê), Daniel
MÚSICA Neto na guitarra, Júlio Resende
no teclado, André Nascimento na
eletrónica (no sofá) e, claro, Salvador

Salvador: Antes, sentia que não tinha


nada a perder porque podia morrer a
qualquer momento e agora tenho uma
vida nova e parece que é essa sensação…
Não sei. Sei que é uma estupidez, porque
agora é que não tenho nada a provar,
não é? Ganhei a Eurovisão, agora é que
eu devia sentir-me superconfiante, com
o ego lá em cima. Mas não.
Júlio: Agora é relaxares.
Salvador: Mas agora as pessoas estão à
espera, a ver o que eu vou fazer: “Será
que ele é só aquela canção?”

Salvador Sobral não é só aquela can-


ção, claro, nunca o foi, e não será pre-
ciso esperar pelo próximo disco para
o confirmar: nos concertos com o seu
trio – Júlio Resende (piano), André
Rosinha (contrabaixo) e Bruno Pedroso
(bateria) – haverá quatro canções novas
a rodar. Na tournée programada para
Espanha, Salvador está em pulgas para Vida nova, A boa disposição de Salvador Sobral e do
cantar um tema em basco, em San Se-
bastián. Adoraria também experimentar música nova grupo é evidente. Brinca consigo pró-
prio, é atencioso com a criança sentada
o francês, agora que Paris é o seu refúgio Mano a Mano é agora à mesa, explica ao senhor do restaurante
(“lá ninguém me conhece, posso andar revelada que o coração dele está ótimo e que pode
à vontade na rua”), mas essa ideia deve beber café (“eu vi logo que era ele”, ex-
ficar para o estúdio. Uma nova canção de Salvador plicaria o senhor mais tarde, “mas não
Sobral estará disponível a
disse nada porque sei que ele não gosta
partir de amanhã, sexta-feira,
Ana Paulo: Vai haver um disco novo, de ser incomodado”; coisa que Salvador
11, nas plataformas digitais.
mas pode não ser este ano. Se não for Com letra de Maria do Rosário
confirmaria: “Estou sempre a sentir-me
daqui a sete meses, é daqui a oito ou Pedreira e música de Júlio observado, é horrível”). Desde que saiu
nove. Logo se vê... Resende, Mano a Mano foi do hospital, já esteve em França em Es-
Salvador: O disco está na minha ca- gravada há três semanas e será panha; foi condecorado pelo Presidente
beça, mas só vou gravar quando me interpretada pela primeira vez da República com a Ordem de Mérito;
sentir confortável. Gravar discos, sin- por Salvador neste sábado, 12, voltou a frequentar o circuito notívago
ceramente, não é algo de que goste na final do Festival Eurovisão das jam sessions, onde começou, e onde
muito. Do que eu gosto mesmo é de da Canção. diz que há gente nova muito boa. “Lisboa
tocar ao vivo. Mas já tenho muitas mú- está a ferver de cultura!”, comenta.
sicas. Há canções do Júlio [Resende],
canções minhas e do Leo [Aldrey], a Salvador: Há bocado, no ensaio, está-
da minha irmã, um tema em francês… vamos a falar de coisas triviais e de re-
E há uma canção linda com um poema E sente-se capaz disso, fisicamente? “Ah pente, pum!, começámos a tocar a partir
do Gonçalo M. Tavares e música do Mário sim, estou cheio de força e de energia!” do nada. Pensei: “Que giro, podermos
Laginha. Como diria o Chico Buarque fazer música todos juntos!” A mesma
[e começa a falar com sotaque brasileiro]: Ana Paulo: Daqui a duas semanas, pas- música, todos em sintonia, a tocar os
“Essa não vai passar na rádio. É uma flor!” sado o barulho à volta da Eurovisão, mesmos acordes.
vamos começar a perceber o que sobrou
Brasil, América do Sul, a conversa segue deste boom todo. E sobraram coisas André Nascimento: Também já senti
para outras paragens. A seguir à Euro- muito boas, tenho a certeza. Recebemos isso. Às vezes, quando estamos a en-
visão, chegaram convites de locais tão imensas mensagens de pessoas que lhe saiar, falamos de coisas completamente
longínquos como Rússia, Geórgia e Re- agradecem porque foi através dele que diferentes e depois, de repente, a cena
pública Checa, a que não foi possível dar descobriram outros músicos. No outro arranca.
resposta, conta Ana Paulo. Uma agência dia, uma miúda escreveu a dizer que Salvador: Vou divertir-me tanto com
em Espanha trata agora das marca- tinha descoberto o Bernardo Sassetti esta banda na estrada! Os meus planos
ções dos espetáculos fora de Portugal. porque o Salvador falou dele. agora são tocar, mostrar às pessoas a
Onde gostaria Salvador de tocar? “Chile, Salvador: A sério? Isso é incrível! minha música, ir para Paris o mais pos-
Colômbia, Peru, Venezuela, Uruguai, Ana Paulo: Só o facto de o disco mais sível, ler, ver tudo o que é bom cinema,
Argentina, Bolívia, Equador, Paraguai…”, vendido em Portugal em 2017 ser um passear, correr, aproveitar a minha boa
responde ele, num espanhol perfeito. disco de jazz [Excuse Me] já é fantástico. saúde. clobo@visao.pt

92 VISÃO 10 MAIO 2018


PESSOAS

Scarlett Johansson
MÚSICA PARA OS
NOSSOS OUVIDOS
Aos 33 anos, continua a ser vista como
uma das sex symbols do nosso tempo,
sempre associada ao mundo do cinema.
Quando, em 2008, lançou o disco
Anywhere I Lay My Head − com produção
de Dave Sitek, dos TV On The Radio, e
maioritariamente composto por canções
de Tom Waits −, o gesto foi visto por
muitos como um capricho, não inédito,
de uma estrela de cinema a querer
aventurar-se noutros territórios. Mas logo
a seguir, em 2009, Scarlett Johansson
mostrou que o seu caso podia ser levado
mais a sério quando lançou o álbum
Break Up, assinado, e cantado, a meias
com o músico norte-americano Pete Yorn.
O que agora se anuncia é o regresso a
essa parceria. A 1 de junho chegará o EP
Apart, que mais uma vez junta Yorn e
Johansson. O vídeo de Bad Dreams (uma
versão do tema Worried, dos The Echo
Friendly) já se pode ver e ouvir por aí, num
pequeno ecrã perto de si.

Pedro Cabrita Reis


Inédito
O artista plástico tem mantido os admiradores nas
pontas dos pés: no último ano, dedicou-se a comissariar
as montras do British Bar no lisboeta Cais do Sodré, aí
expondo obras de artistas diversos, e a ser notícia pela
venda da sua considerável coleção de arte à Fundação EDP
(mostrada na exposição Germinal, na Galeria Municipal
do Porto até 20 deste mês). Agora, Pedro Cabrita Reis
regressa à obra feita em nome próprio. O título da nova
exposição, patente na Cooperativa Árvore a partir desta
sexta-feira, 11 (e aí ficando até 30 de junho), não podia
ser mais objetivo e descritivo: Algumas peças em bronze,
uns quantos pratos em cerâmica nas paredes e ainda um
indeterminado número de trabalhos em papel. Trata-se
de obras inéditas e feitas especificamente para a ocasião,
diz o artista, que trabalhou as peças cerâmicas no ateliê da
instituição. Uma nova experiência para alguém que nunca
receou correr riscos. S.S.C.

94 VISÃO 10 MAIO 2018


A Exame, em parceria com a everis e a AESE, elege, pelo 17º ano consecutivo,
as melhores empresas para trabalhar em Portugal. Inscreva-se já!

Inscrições de 18 de abril a 8 de junho


REUNIÕES TÉCNICAS DE ESCLARECIMENTO

14 DE MAIO, 14 HORAS 21 DE MAIO, 11H30 HORAS


Casa da Arquitectura, Matosinhos AESE Business School, Lisboa

Mais informações em www.mept.pt ou eventos@mept.pt


CRÓNICA

P
assei na loja das sementes para comprar coisas para a
minha horta. Uma dúzia de mudas de pepino, mais meia
dúzia de tomate coração-de-boi, uns morangueiros, uma
rede para guiar o maracujá e umas luvas novas. Enquanto
esperava que me atendessem ouvi dizer que já estava tudo
pronto para a mudança. Na próxima semana já estariam
no espaço novo. As senhoras na fila devidamente avisadas
P O R C A P I C U A / Rapper despediam-se, habituando-se à ideia. Na loja ao lado
repetiu-se o aviso. Fui comprar um tapete para a cozinha e o senhor logo me
informou que já estavam de partida, e que da próxima vez teria de procurá-lo

Bolhão
no espaço novo. Ali bem perto. No centro comercial.
Tantos anos a ouvir falar em obras e finalmente tinha chegado a hora.
O Bolhão de mudanças para o quarteirão acima, para que se restaure
o edifício. E depois das décadas, dos andaimes, dos recuos, das ameaças,
era surpreendente sentir otimismo nas vozes, ouvir falar de mudança
com tranquilidade, como quem sabe que vai voltar, que a espera vai correr
bem e, sobretudo, que o lugar de cada um está garantido.
Pouco habituada a tanta serenidade, num povo tão resmungão
e desconfiado como o portuense, dei por mim a matutar no milagre. Esta
semana voltei. Os caracóis comeram metade das mudas de pepinos, apesar
dos esforços e das armadilhas, e tive de ir ao senhor das sementes. Na
esquina do mercado reparei que o alcatrão estava pintado de fresco e que
uma passadeira quadriculada me guiava até à porta do centro comercial.
Subi a rua até encontrar a fachada azul, igualmente quadriculada, decorada
com frutas e legumes. As letras garrafais indicavam: Mercado Temporário
do Bolhão. Que bem.
Flores à entrada e dezenas de fotografias penduradas, com os nomes
e rostos das mulheres que fazem do Bolhão o templo da mulher tripeira.
A que trabalha muito, mas diverte-se mais. A matriarca, que se governa,
de manga arregaçada e avental de bolsos para guardar os trocos. A que
é doce no trato da freguesia, mas tem na eloquência do vernáculo o seu
superpoder. A que fez corar Anthony Bourdain. A que lutou contra Rui Rio,
quando quis concessionar o mercado a uma empresa holandesa para mais
um shopping. A que tantos políticos quiseram beijar em frente às câmaras,
mas evitaram por temer a frontalidade e a valentia. A que toda a gente
conhece, mesmo nunca tendo cruzado os velhos portões do mercado,
porque a sua reputação é lendária. Uma instituição.
Desci as escadas rolantes, e lá estava a figura da Nossa Senhora entre
as flores, no altarzinho, abençoando quem entra no novo espaço, como
sempre fez no antigo. Mais adiante o amolador. A melhor broa de Avintes
do mundo. A Manteigaria do Bolhão com o seu clássico letreiro luminoso,
pendurado na nova banca, tal e qual na antiga. Os jarrinhos de flores nas
bancadas, os napperons, os sant’antoninhos. Todos os detalhes que servem
para atenuar as saudades das velhas paredes e esquecer que estamos na
cave de um centro comercial.
Procurei pelo senhor das sementes. Passei pelas tasquinhas à pinha, em
período de almoço. Vi as bancas de frutas e legumes, mais adiante o peixe.
Esgueirei-me pelo meio da gente que veio ver o mercado novo. De olhos
Flores à entrada arregalados e surpresos, como os meus. E, depois de perguntar por ele a uma
e dezenas colega, fiz mais um corredor e lá cheguei à sua loja provisória. Bem arrumada
de fotografias e cheia como sempre. O único senão é o chão branco, diz a esposa. Como é
que havemos de sacudir a terra? De resto está tudo um brinquinho.
penduradas, com Também achei. O mercado temporário não é seguramente o Bolhão, mas
os nomes e rostos é vibrante e colorido, bem organizado e feito com cuidado. O cuidado que
reconhece ser tão precioso o velho edifício que agora se restaura quanto
das mulheres que aqueles que o mantiveram vivo durante todos estes anos. E que se é hora
fazem do Bolhão de cuidar dos alicerces, não podemos descuidar da sua gente. Gostei muito
o templo da mulher e mantenho-me freguesa. Torcendo sempre para que as obras se façam
depressa e que o Bolhão nos seja devolvido intacto. Lavado, mas com
tripeira a mesma cara e entregue a quem sempre pertenceu. Oxalá. visao@visao.pt

96 VISÃO 10 MAIO 2018


POR ESSE
PASSEIO
FORANos 20 anos
da Expo’98,
o melhor do
Parque das Nações
– os restaurantes,
os bares, as lojas,
os passeios
de bicicleta e os
lugares aonde vale
sempre a pena
voltar
Homem-Sol,
de Jorge Vieira
(1998)
Pizzaria ZeroZero

98 VISÃO 10 MAIO 2018


Cinco quilómetros de frente de rio
Nos 20 anos da Exposição Mundial, e na semana da grande
final do Festival Eurovisão, a VISÃO Se7e palmilhou
o Parque das Nações ao ritmo dos seus restaurantes e bares,
das suas lojas e dos seus jardins. Pelo caminho espreitou
o Oceanário, o Pavilhão do Conhecimento e andou
no Teleférico. Razões não faltam para rumar ao lugar
a que continuamos a chamar Expo
S A N D R A P I N T O spinto@visao.pt

DIANA TINOCO

OS SABORES DO PARQUE No restaurante


DAS NAÇÕES italiano Forne-
Ninguém pára José Avillez, ria, bruschetta
comer apetece logo escrever, para dizer
que o chefe de cozinha – que
com queijo de
cabra, azeito-
ainda há dois meses inaugurava nas e tomate
a Cantina Zé Avillez, no Campo das Cebolas seco é uma das
– acaba de abrir, no Parque das Nações, o seu novas entradas
(terceiro) Cantinho do Avillez. “É uma zona da preparadas
cidade que está ligada aos oceanos e à abertura pelo chefe de
de Portugal a outros povos e culturas, uma faceta cozinha André
Veríssimo
do País e dos portugueses que eu tanto admiro.
Achei que faria sentido trazer para aqui um
restaurante que celebra também essa abertura
ao mundo”, justifica.
Na Rua do Bojador, entre restaurantes
e bares – e alguns espaços vazios, diga-se –,
o novo Cantinho do Avillez, também ele pizza bem fina com azeite, alecrim e acompanha
decorado pela arquiteta e designer Joana Astolfi, com pesto (€2,50), e a bruschetta com queijo
inclui os clássicos peixinhos da horta (€5,50), de cabra, azeitonas e tomate (€6). A refeição
o tártaro de atum com sabores asiáticos (€11,25), pode continuar com o linguini de camarão e
os carabineiros do Algarve com molho thai cogumelos (€14,50) ou o gnocchi com salsicha
(€39,50) e a sobremesa Avelã3 (€5,50). Nesta fresca (€13). “É tudo feito aqui, com produtos
nova morada, haverá um ou outro prato novo, comprados em Itália. Queremos ser genuínos”,
como a moqueca de corvina e camarão (€14). afirma André Veríssimo, que em outubro
“O Parque das Nações está, e estará sempre, do ano passado assumiu também a cozinha da
ligado à Expo’98, um acontecimento que mudou nova mariscaria Mar. Ali, o peixe e o marisco
para sempre a zona oriental de Lisboa, que servem-se à mesa já cozinhados, mas também
projetou o nome de Portugal no mundo e que se pode levar cru para serem preparados em casa.
nos deixou ótimas recordações”, diz José Avillez. Dentro de duas semanas, haverá novos pratos
Muito antes de o chefe com duas estrelas para saborear, até lá prove-se a mariscada
Michelin aqui instalar-se, já André Veríssimo (€60, 2-3 pessoas), composta por percebes,
andava por estes lados a comandar a cozinha ostras, camarões, gambas do Algarve, lagosta
do restaurante Forneria, aberto em setembro de e sapateira. Entre as sugestões mais pedidas
2016, perto da Ponte Vasco da Gama. Aproveite- encontram-se o arroz de marisco (€38,
-se a esplanada para provar duas novidades 2 pessoas) e o polvo assado com batata-doce,
da ementa: a focaccina, que tem uma base de molho fricassé e pimentos padrón (€16).
D.R.

10 MAIO 2018 VISÃO 99


JOSÉ CARIA

River Lounge Bar

Desde o verão passado que a pizzaria


ZeroZero, conhecida no Príncipe Real pelas
suas pizzas artesanais, de massa fina, crocante
e de longa fermentação, chegou ao Parque das
Nações. Além da Formaggiosa (€13,50) com
tomate, mozzarella Fior di Latte, gorgonzola,
espinafres e nozes, e da Salsiccia e provola
affumicata (€16,50), feita com mozzarella
Fior di Latte, salsicha, queijo provola fumado,
tomate-cereja marinado e alecrim, por
exemplo, a carta desta ZeroZero aposta ainda
em risotos. Mudando dos sabores italianos
para os asiáticos, o Quanjude quer distinguir-
-se dos demais restaurantes chineses por servir
uma cozinha genuína – e pelo pato à Pequim
(€26,90 meio pato, €49,90 pato inteiro, para
3 pessoas). Aberto em agosto de 2017, o Quanjude O chefe José DIVERSÃO À BEIRA-RIO
é o primeiro em Portugal e na Europa de uma Avillez é o Do 16º andar do hotel Tivoli
cadeia, composta por mais de 50 restaurantes mais recente Oriente avista-se o Oceanário,
na China, reconhecida por confecionar o melhor
pato à Pequim. Mas a ementa apresenta outras
“inquilino”
do Parque das
noites o Pavilhão de Portugal, o Altice
Arena, o teleférico e a Ponte
sugestões da região de Sichuan, província do Nações. Para Vasco da Gama. Foi neste
Sudoeste da China: ovos mil anos (de pato) com a zona oriental terraço de vistas amplas que nasceu, em julho do
tofu (€7), algas pretas picantes (€4,90) e peixe de Lisboa levou ano passado, o Oriente Sky Bar, o único terraço
grelhado à Zhuge (€39,90). o (terceiro) Can- no topo do Parque das Nações. E está-se bem
Muito perto da Torre Vasco da Gama fica o tinho do Avillez, aqui nas alturas, seja ao fim da tarde ou ao início
restaurante vegan Miss Saigon, aberto há nove restaurante de da noite. Depois, existe uma ementa recheada
ambiente fami-
anos, que junta à mesa o Ocidente e o Oriente, de coisas para picar, com destaque para o sushi
liar e cozinha
de forma sustentável, equilibrada, amiga dos (a partir de €8), os minipregos do lombo (€20)
portuguesa
animais e do ambiente. “A ideia foi pegar em contemporânea,
ou guacamole e camarão (€14). A lista de bebidas
pratos típicos de todo o mundo e adaptá-los com influência também é extensa, com cocktails de autor como
à cozinha vegana, retirando-lhes a carne e o de viagens o B24 Chai Chai 2 Sky (€13).
peixe e utilizando produtos, na sua maioria, Com os pés assentes em terra, chega-se num
biológicos e de pequenas produções”, descrevem pulinho ao Casino Lisboa, edifício vanguardista
os proprietários Cláudia Salú e Paulo Almeida. inaugurado em 2006, no local onde funcionou
As especiarias e as ervas aromáticas frescas, o Pavilhão do Futuro durante a Expo’98. O jogo
dizem, são as matérias-primas a partir das quais é a máquina que faz mover qualquer casino, mas
criam novos pratos, sempre diferentes todos os neste, em particular, há outras atrações como
dias e todas as semanas (€9,95, degustação que o Arena Lounge, um bar-esplanada disposto
inclui a prova dos três pratos diários), como os em plataformas rotativas (que giram em sentidos
korokkes (um croquete japonês), cubos de tofu inversos), localizado no centro do edifício.
tostados com lemongrass, malagueta e arroz A agenda é preenchida com novo circo (à sexta
negro (Vietname), Pad Thai (Tailândia), rendang e ao sábado), música ao vivo (de quarta a sábado)
de seitan (Indonésia), biriani com tofu ou tikka e ainda djs (de quinta a sábado) que entram
(Índia), palak de tofu (Nepal) e hunkar begendi em cena depois da meia-noite. Tudo isto
(Turquia). com entrada livre, só paga o consumo.

100 VISÃO 10 MAIO 2018


UM PASSEIO
AO LONGO DO TEJO
Pedem mesmo uma caminhada,
Ar livre os cerca de cinco quilómetros
sempre paralelos ao rio e ao
longo dos quais se estende
o Parque das Nações. Seja, ora por pontes em
madeira ora por caminhos em calçada portu-
guesa, seja de bicicleta (basta procurar uma das
estações da Gira, serviço de bicicletas partilhadas
de Lisboa) ou mesmo em passo de corrida, que a
distância também pode servir de treino.
Das várias alternativas, escolha-se como
ponto de partida a Torre Vasco da Gama, que,
com os seus 145 metros de altura, foi miradouro
durante a Expo’98, e, posteriormente, transfor-
mada em hotel. Dali até à Ponte Vasco da Gama
é um “pulinho” de 1 500 metros. Pelo caminho,
aprecia-se a paisagem, feita de diversas tona-
lidades do azul da água e do céu, do verde dos
pinheiros-mansos e das zonas relvadas. E para
exercitar pernas e braços, não faltam sete apare-
lhos, chamados biossaudáveis. A nossa atenção
foi, no entanto, para a escultura em bronze da
autoria da pintora e escultora Audrey Flack,
nascida em Nova Iorque. A obra presta home-
nagem a Catarina de Bragança, filha de D. João
IV, e é uma das muitas que embelezam o Parque
das Nações. Dos bancos listados de Carrilho
da Graça às estátuas de João Cutileiro, basta
estar atento para encontrar trabalhos de artistas
D.R.

portugueses fundamentais: Fernanda Fragateiro,


À beira Tejo, o River Lounge Bar do hotel Pedro Calapez, Pedro Cabrita Reis, Jorge Vieira,
Myriad by Sana Hotels, “acoplado” à Torre Vasco entre muitos outros.
da Gama, tem música ao fim do dia, cocktails, Estamos na Estacada das Gaivotas e nesta
petiscos, chá das cinco e ainda um brunch ponte em madeira veem-se dois pontões, poiso
(sáb-dom, 11h30-15h30) – tudo isto com vista preferido de Joaquim Pinto, 64 anos, e António
para o rio, que aqui, de tão largo, leva o nome de César, 65, moradores em Sacavém. “Há mais de
Mar da Palha. E se vale a pena espreitar o piano dez anos que venho para aqui pescar”, conta-nos
vermelho – uma edição especial da Yamaha feita Joaquim, o mais conversador. “É uma terapia”,
em parceria com Elton John –, dizemos-lhe atira em tom animado, antes de deixar uma
que é ao pôr do Sol, sentado no deck exterior, queixa. “Já se pescou melhor, a poluição e a apa-
decorado em tons de vermelho, preto e branco, nha da amêijoa tem afastado o pescado daqui.”
que se aproveita o melhor do bar deste hotel António, que pesca desde pequeno, concorda.
cinco estrelas, com assinatura do arquiteto Nuno O pato à Pequim Com o adiantar da conversa, ficamos a saber que
Léonidas. S.L.F. é a especialida- por aqui ainda vão passando robalos e xarrocos,
de do restau- e nesta época começam a entrar as corvinas,
rante chinês para a desova. Lição aprendida. Seguimos adian-
Quanjude. Este te e, já no Caminho dos Estorninhos, numa zona
prato leva três rodeada por árvores, descobre-se o Clube de
dias a ser pre- Padel. Com sete campos, ali pode-se jogar o dia
parado e, até inteiro, e à noite, porque têm iluminação artifi-
chegar à mesa, cial. “Os principais utilizadores são pessoas que
há ainda que trabalham na zona, mas o número de moradores
pincelar o pato tem crescido muito”, diz Eduardo Santos, um
com uma calda dos responsáveis. Para lá de reservar os campos,
feita de mel e há aulas com monitores especializados, torneios
açúcar, rechear e jogos organizados pelo clube.
o interior com O passeio segue (literalmente!) debaixo da
um estufado de
Ponte Vasco da Gama – inaugurada a 29 de
MÁRIO JOÃO

cenoura, aipo e
março de 1998, dois meses antes da abertura
alho-francês
da Exposição Mundial – e a ligar o Montijo e

10 MAIO 2018 VISÃO 101


Ao longo do
passeio ribeiri-
nho, há bancos
de jardim para
ficar a apreciar
a vista e máqui-
nas de exercício
físico para os
mais desportis-
tas. Por ali tam-
bém se pode
correr e andar
Arcádia de bicicleta

Alcochete a Lisboa e Sacavém. Neste canto,


quase deserto, Valter Sousa, 28 anos, aproveita
as miniférias em Lisboa para dar umas voltas e
saltos no skate park. “Está cheio de buracos e
degradado”, diz, e deixa um aviso: “Quem sabe
andar bem de skate consegue evitá-los, mas
para os mais pequenos, ou inexperientes, pode
ser um perigo.” Quem quiser continuar,
o caminho segue até ao rio Trancão, a marcar
a fronteira com o concelho de Loures. Nós, fica-
mos já por aqui.

DE OLHO NAS MONTRAS


Na 4Run, no Passeio Júlio
Verne, pode dar-se uma volta
comprar ao quarteirão com os ténis
antes de os comprar. “Assim a
experiência é mais real”, diz
Ricardo Sá, um dos sócios desta loja especiali-
zada em corrida e trail, que conta com marcas
como as americanas Brooks e Saucony. Do
desporto para a decoração, descobre-se a Loja
Minimal, mesmo ali perto, que reúne mobiliário
e peças de design com assinatura de nomes como
Achille Castiglioni, Arne Jacobsen ou Philippe
Starck. Já no coração do Parque das Nações, na
movimentada Avenida D. João II, está a livra-
ria Almedina Oriente. A funcionar desde 2009,
numa área de 300 metros quadrados, aposta nos
segmentos de direito, fiscalidade e negócios, mas
também nos livros de ficção e infantis. Bem per-
to do Casino Lisboa, a montra colorida da Batuke
atrai o olhar de quem passa, convidando a entrar
para espreitar o mobiliário, as peças de roupa
e bijuteria, e os objetos decorativos africanos.
Nesta loja aberta há uma década, chamam ainda
a atenção as capulanas, panos tradicionalmen-
te usados pelas mulheres moçambicanas para
cobrir o corpo e a cabeça, também utilizados
para transportar os filhos ao colo. Da Suazilândia
chegam a cestaria e as velas, e, da África do Sul,
os anéis, fios, pulseiras e castiçais feitos
de maboque, um fruto tropical africano. S.L.F.

102 VISÃO 10 MAIO 2018


OS LUGARES ONDE VALE SEMPRE
A PENA VOLTAR
Neste sábado, 12, as atenções vão
ver estar centradas no Altice Arena,
que recebe a final do Festival
Eurovisão da Canção de 2018,
com a participação de 42 países – e que acontece
pela primeira vez em Portugal, depois de Salvador
Sobral ter vencido, com a canção Amar pelos Dois,
a edição do ano passado na Ucrânia. A designação
para a maior sala polivalente de espetáculos em
Portugal, com capacidade para 20 mil espectadores,
Livraria Almedina
é recente – quando se inaugurou a Exposição
Mundial de Lisboa (Expo’98) chamava-
-se Pavilhão Utopia, projeto de arquitetura
inovador, assinado pelo português Regino Sousa,
que nos transportava para dentro de uma nau,
com a quilha virada para o céu e com o palco
do espetáculo multimédia Oceanos e Utopias
– uma viagem desde a origem do Universo até
à atualidade. Depois rebatizaram-no Pavilhão
Atlântico, e esse, sim, continuará a ser, para muitos,
Na loja Batuke o seu nome, pelo qual passaram, ao longo destes
são as cores 20 anos, nomes maiores da música internacional:
fortes dos Massive Attack, Lady Gaga, Prince, Beyoncé,
tecidos africa- Jennifer Lopez, Justin Bieber, Shakira, Caetano
nos que cha- Veloso, Roberto Carlos e, mais recentemente, Bob
mam a atenção Dylan. Mas não foram os únicos a esgotar a lotação;
MÁRIO JOÃO

Loja 4Run de quem passa também as nossas “estrelas” nacionais tiveram o


mesmo mérito: Rui Veloso, Tony Carreira, GNR,
Mariza e Xutos & Pontapés, por exemplo. Ainda A viagem de
na área da música, recorde-se a realização da teleférico faz-se
gala MTV European Music Awards, em 2005, a 30 metros de
apresentada pelo comediante britânico Sacha Baron altura e dura
Cohen, no papel de Borat Sagdiyev. Mas nem só de entre oito a dez
música se faz a história do Pavilhão Atlântico, que minutos
já foi palco de acontecimentos desportivos, como
a Monster Jam, em 2006, e a Final Four do UEFA
Futsal Cup, em 2010, bem como de congressos
partidários e conferências internacionais, como a
Web Summit, em 2016 e 2017.
Há 20 anos, também, inaugurava-se o Oceanário
de Lisboa, com o seu grande aquário central, com Oceanário de Lisboa
5 milhões de litros de água salgada, e os quatro
habitats que recriam os mares do Atlântico, os
recifes do Índico tropical, o oceano Pacífico e o António Adão da Fonseca – um dos edifícios
Antártico. De todas as espécies que por ali vivem temáticos mais visitados durante os 132 dias que
– contam-se cerca de oito mil, entre animais e durou a Expo’98, no qual se mostrava modelos
plantas, e mais de 500 espécies diferentes – são de barcos de todo o mundo, com destaque para
as lontras-marinhas, os pinguins-de-Magalhães, o protótipo em tamanho real de um submarino
os tubarões-touro, o peixe-palhaço e o polvo- idealizado por Leonardo da Vinci. Depois, foi
-gigante que mais atenção recebem dos visitantes: remodelado para receber o maior centro de
23 milhões, na soma dos 20 anos; 1,3 milhões só ciência e tecnologia da rede de centros Ciência
em 2017, ano em que venceu, pela segunda vez, Viva do País. Trata-se de um museu interativo
o prémio de Melhor Aquário do Mundo, pelo que, através da exploração do mundo físico
Travellers Choice do TripAdvisor. Para se evitar e da experimentação, simplifica temas
as longas filas de espera, aconselha-se a compra complicados. Até 30 de setembro, pode visitar-
antecipada de bilhetes, fica a nota. -se a exposição Angry Birds, inspirada no célebre
Bem perto do Oceanário fica o antigo Pavilhão jogo dos pássaros, que se divide em cinco áreas
do Conhecimento dos Mares, projetado pelo temáticas e aborda temas, desde a biologia, física,
arquiteto Carrilho da Graça e pelo engenheiro matemática, engenharia e artes.

104 VISÃO 10 MAIO 2018


e bombons sortidos. ZEROZERO
Para completar a
ALTICE ARENA oferta, há gelados 
e macarons. Al. dos Oceanos,
 lt. 2.11.01H >
Rossio dos Olivais, T. 21 895 7016
Lisboa > T. 21 891 8409  > dom-qui 12h-24h,
Al. dos Oceanos, 41, sex-sáb 12h-1h
OCEANÁRIO DE LISBOA Lisboa > T. 21 895 1036
> seg-sáb 9h-19h, dom
11h-18h30

Doca dos Olivais, Lisboa
> T. 21 891 7000 > seg- OFICINA DO GELADO
-dom 10h-20h (última Junto ao Casino
4RUN
entrada até às 19h) > 0-3 Lisboa, os gelados e
anos grátis; 4-12 anos e 
> 65 anos €10 a €12; 13-
sorbets são prepara- Passeio Júlio Verne,
-64 anos €15 a €18 dos à vista dos clien- Lisboa > T. 21 154 3649
tes. Comuns a todos > seg-sáb 10h-20h
PAVILHÃO DO são os ingredientes:
leite do dia e natas ALMEDINA ORIENTE
CONHECIMENTO – frescas, fruta nacio-
CENTRO DE CIÊNCIA VIVA nal e frutos secos de 
Ed. Infante, Av. D. João
qualidade. Para quem II, lt. 1.16.05, fração B

Lg. José Mariano Gago, não é de arriscar, há loja, piso 1, Lisboa
Lisboa > T. 21 891 7104 chocolate, nata, mo- > T. 21 894 1285 >
> ter-sex 10h-18h, sáb- rango e pistácio; para seg-sex 10h-19h
-dom 11h-19h > 3-11 os mais aventureiros,
anos €6, 12-17 anos €7, caramelo com flor de BATUKE
> 65 anos €9 sal ou chocolate ne-
gro com laranja que, à 
TEATRO CAMÕES boa maneira italiana, Al. dos Oceanos, 43F
> T. 21 894 3238 >
se servem à espátula seg-sex 10h-19h

Passeio do Neptuno, e não em bola.
Lisboa > T. 21 892 3470 LOJA MINIMAL

Alameda dos Oceanos, 
43E, Lisboa > T. 21 192 Pátio das Pirogas, 3F,
9540 > ter-qui 12h-20h, Lisboa > T. 21 894 1040
sex-sáb 12h-23h > ter-sáb 11h-21h, dom
CASINO LISBOA 14h30-21h
 CANTINHO DO AVILLEZ
Al. dos Oceanos, 45,
Lisboa > T. 21 892 9000 
> seg-dom 15h-3h R. do Bojador, 55, Lisboa
> T. 21 870 0365 > seg-
-sex 12h30-15h, 19h-24h,
CLUBE DE PADEL
RIVER LOUNGE BAR sáb-dom 12h-24h 
 Caminho dos Estorni-
Myriad by Sana Hotels > FORNERIA nhos > T. 21 096 6443
Cais das Naus, Lt. 2.21.01, > €6/hora, €60/mês
Lisboa > T. 21 110 7800 > 
seg-dom 10h-2h Via do Oriente, 16,
Lisboa > T. 21 803 9954
GIRA – BICICLETAS
> seg-dom 11h-23h DE LISBOA
Skate Park Terreiro dos Radicais ORIENTE SKY BAR
LISBOA MAR 
T. 21 116 3060 > €2
 (passe diário), €15
 (passe mensal), €25
A trilogia de edifícios nesta zona do Parque Hotel Tivoli Oriente
R. Ilha dos Amores,
> Av. D. João II, Parcela (passe anual)
das Nações fica completa com o Teatro Camões, 1.14, Lt. 3, 16º andar,
62E, Lisboa > T. 96 016
desenhado pelo arquiteto Manuel Salgado, e casa 6641 > seg-sáb 12h30-
Lisboa > T. 21 891 5100
-15h, 19h-23h
TELEFÉRICO
da Companhia Nacional de Bailado. Por esta bonita > seg-dom 17h-1h – TELECABINE LISBOA
sala – equipada com um teto técnico sobre a plateia MISS SAIGON 
– passam muitos dos principais espetáculos de Passeio das Tágides
dança da cidade, dos clássicos O Lago dos Cisnes 
– Estação Norte
ou o Quebra-Nozes às criações contemporâneas. ARCÁDIA Av. Boa Esperança, 4C,
(próximo da Torre
Lisboa > T. 21 099 6589
A loja de chocolates Vasco da Gama),
Por último, mas não em último, fale-se do > seg-sex 12h-16h
Passeio Neptuno
Teleférico, onde vale sempre a pena a viagem a fundada no Porto, – Estação Sul (próximo
em 1933, abriu em
30 metros de altura e que dura entre oito a dez novembro passado
QUANJUDE do Ocenário) > seg-dom
10h30-20h > adultos
minutos – para ficar depois a olhar o Pavilhão no Parque das Na- €3,95 (ida), €5,90

de Portugal, de Siza Vieira, a Gare do Oriente, ções. Ali vendem-se R. do Polo Norte, 1.06 (ida e volta), 7-12 anos,
de Santiago Calatrava, a Torre Vasco da Gama, a amêndoas de choco- 21, Lisboa > T. 92 603 > 65 anos €2 (ida),
late de leite, línguas- 3333 > seg-dom 12h-15h, €3,35 (ida e volta),
ponte e, claro, toda a extensão do Tejo que tanto > 6 anos grátis
-de-gato de chocolate 19h-23h
nos encanta.

10 MAIO 2018 VISÃO 105


Manifesto
O QUE ANDAMOS A GOSTAR (OU NEM POR ISSO) DE DESCOBRIR POR AÍ

J O A N A L O U R E I R O jloureiro@visao.pt

> muitíssimo bom > bom


O TALENTOSO MR. A O ROMANCE DAS CIDADES
Nas ruas, André Saraiva O festival Literatura em Viagem
(LeV) regressa nestes sábado e
é conhecido pelo seu alter- domingo, dias 12 e 13, a Matosinhos.
Adriana Calcanhotto, Jonathan
-ego, Mr. A, personagem Coe, Sjón Sigurdsson, João Tordo,
Isabel Lucas e Enric González, entre
traquinas de cara redonda outros, falam sobre as cidades de
e sorriso rasgado que Matosinhos, Rio de Janeiro, Nova
Iorque, Paris e Jerusalém
pisca o olho a quem passa.
Nesta segunda, 14, o
artista português inaugura > bonzinho
a sua primeira exposição
individual na Galeria
ROSTOS DE MOÇAMBIQUE
Futuros Presidentes, projeto
Underdogs, em Lisboa, que da Helpo que partilha as histórias
de crianças moçambicanas, com
se divide entre a galeria imagens de Luís Mileu e palavras
e a rua, com trabalhos de Ricardo Henriques, vai agora ser
exibido ao ar livre. Até dia 20,
inéditos em azulejo na Ribeira das Naus, em Lisboa

> assim-assim
BIOLÓGICO E SAUDÁVEL
O primeiro supermercado
e restaurante Go Natural já abriu na
Foz, Porto, na Rua Senhora da Luz.
Com mais de quatro mil produtos
biológicos à venda, a loja tem ainda
um restaurante com esplanada

> para esquecer


E AGORA, INÊS?
O encerramento do restaurante
Casa Inês, no Porto, foi uma
surpresa. O adeus a Campanhã
parece certo, mas os proprietários
Inês e Germano Diniz prometem
novidades em breve. Assim seja

106 VISÃO 10 MAIO 2018


CO MER E BEBER

Soão – Taberna Asiática Lisboa


Um continente à mesa
Os pratos mais emblemáticos de seis países da Ásia provam-se no novo restaurante
de Alvalade. Aqui não falta dim sum, bao, sushi, pho, caril, pad thai ou robata,
tudo cheio de sabor e muitos aromas

Para quem nunca viajou para a Ásia, de cabra andam a dar que falar, com mais de 70
O Soão tem a uma refeição no novo Soão poderá ser por dia. “Quisemos abrir um restaurante asiático
maior carta um aperitivo para se pôr a caminho. Já em Lisboa, mas fugir dos bairros ditos da moda
de destilados
para os que a conhecem, é um reavivar e investir nos lugares vividos por lisboetas”, diz
asiáticos,
de boas recordações. Antes de os António Querido, um dos sócios do grupo Sea Me
pelo menos
de Lisboa,
sabores nos arrebatarem à mesa, é a que escolheu Alvalade para o seu novo projeto.
com gins, decoração que surpreende de tão bem Com provas dadas no Sea Me – Peixaria Moderna
saké japonês, conseguida que está. A conjugação de madeira, e nos quatro Prego da Peixaria espalhados pela
soju coreano ferro, latões, redes de pesca típicas ou barris de cidade, o Soão vai, seguramente, ser um dos
(aguardente saké abre caminho para uma viagem pela restaurantes mais cobiçados deste ano.
de arroz), gastronomia de seis países asiáticos: China, Na cozinha liderada por Luís Cardoso,
baijius da Coreia, Índia, Japão, Tailândia e Vietname. discípulo do mestre Takashi Yoshitake (falecido
China (a partir Ainda nem há três semanas abriu, e o chefe fundador do restaurante Aya), trabalham pessoas
de grãos Luís Cardoso já pede que não se faça mais de sete nacionalidades, incluindo Buranet
de sorgo publicidade ao pad thai – por dia, estão a sair Pornthep, que muitos conhecem do Thai Garden,
fermentado) mais de 30 doses deste prato picante tailandês em Almancil. Na cozinha toda a preparação
e uísques. (€16, massa de arroz salteada com ovo, camarão das receitas começa de véspera, pois não há
ou frango, cebolo, amendoim, rebentos de soja margem para falhar. Depois de uma viagem
e tamarindo). Da Índia, também as chamuças de três semanas às voltas pelo Oriente, Luís

108 VISÃO 10 MAIO 2018


Kasutera Lisboa
Tradicional ou chá verde
Na Rua do Poço dos Negros produz-se Castella,
o pão de ló japonês com origem na doçaria portuguesa

Ingrid Correia passou quatro meses a aprender a


fazer Castella. “Foi um processo intenso, este é o
bolo mais sensível que conheço, até as condições
atmosféricas interferem no fabrico”, explica
Ingrid, que largou o mestrado em Ciências
Cognitivas para pôr literalmente a mão na massa.
A oportunidade surgiu quando Paulo Duarte decidiu fechar
o salão de chá luso-japonês na Rua da Alfândega – o único
sítio em Lisboa onde se comia esta especialidade –, para
rumar ao Japão. Foi no casal Tiago Cabral Ferreira e Ingrid
Correia que o pasteleiro encontrou as pessoas certas para
fazer perdurar a Castella, feita a partir da receita tradicional
de pão de ló e que foi levada para o Japão no século XVI
pelos missionários portugueses.
DIANA TINOCO

Ainda antes de abrirem a loja e fábrica Kasutera (Castella,


em japonês), em novembro do ano passado, Tiago e Ingrid
já vendiam o bolo para vários restaurantes, como o Kampai,
o Go Juu e o Kanazawa, e na Conserveira de Lisboa (que
pertence à família de Tiago). Agora é nesta loja, com uma
pequena janela para a Rua do Poço dos Negros e ambiente a
remeter-nos para o Oriente, que o pão de ló é confecionado
Cardoso concluiu que a melhor forma de criar em duas versões: tradicional ou chá verde (matcha). É feito
uma ementa que refletisse tudo era fazendo dois em grandes formas quadradas de seis quilos e, depois de
pratos de cada país – e mesmo assim, ainda não repousar seis horas, cortado em pedaços com 300 ou 600
conseguiu incluir todos os do Sudeste Asiático. gramas. A receita leva ovos, açúcar, mel e farinha, sendo o
“O mais difícil foi reproduzir o dim sum, tivemos matcha o único produto importado incorporado na massa.
de aprender a fazer a massa, depois o recheio e O resultado é um bolo leve, fofo mas consistente e doce
tudo no ponto certo”, explica o chefe. Encontrar q.b. Embalado à mão com a mesma delicadeza com que
o equilíbrio tailandês, entre o doce, o cítrico, é produzido, é bom para comer e para oferecer, tal como
o salgado e o picante, de pratos tão emblemáticos fazem os japoneses por terras do Sol Nascente. S.L.F.
como o pad thai ou a sopa tom yum, também deu
água pela barba.
Para uma refeição mais informal, escolha-se
a taberna com balcão e mesas intimistas.
Ali, vemos os sushimen a trabalharem quer os
peixes frescos quer a robata, tradicional grelha
japonesa a carvão (a 500o). À boleia do néon
vermelho com a frase “Sake is a drink best served
hot” (saké bebe-se melhor quente), descemos
até à cave, onde, além das quatro salas privadas,
parece que andamos a deambular nas ruas
de Quioto, cheias dos tradicionais izakayas
(tabernas). Que melhor sensação se pode ter?
É fechar os olhos e sentir os aromas, antes dos
sabores nos arrebatarem à mesa. Sónia Calheiros
MARCOS BORGA


Av. de Roma, 100, Lisboa > T. 21 053 4499 > seg-sex
12h30-15h30, 19h30-23h, sex até 24h, sáb 12h30-24h,
dom 12h30-23h > menu degustação €85 ou €65 s/ bebidas 
> cerimónia do chá €9,50 a €19 R. do Poço dos Negros, 51, Lisboa > T. 21 395 1596 > ter-sáb 11h-20h

10 MAIO 2018 VISÃO 109


COMER E B E B E R

O Pascoal Pampilhosa da Serra


Cozinha regional autêntica
POR
MANUEL
O fogo deixou Fajão em ruínas, mas esta Aldeia do Xisto ainda tem motivos de grande interesse,
G O N ÇA LV E S como a gastronomia
D A S I LVA

comer&beber@visao.pt

D.R.
Bacalhau Há meses, precisamente a 16 de e ligações clássicas que resultam muito bem.
à Pascoal, em outubro do ano passado, os incêndios Nos pratos principais, quatro iguarias que
posta que vai ao que devastavam matas e florestas no O Pascoal nunca dispensa: bacalhau à Pascoal, em
forno envolvida centro do País e que, desde a véspera, posta que vai ao forno envolvida em pão ralado
em pão ralado ameaçavam Fajão, no concelho de com cebolada, servido com migas (broa, feijão-
com cebolada, Pampilhosa da Serra, em plena Serra -frade e couve ripada, maior do que é habitual
servido com do Açor, chegaram à aldeia e deixaram-na em e com mais sabor); cabrito assado à moda da
migas de broa, ruínas. Escapou O Pascoal, restaurante de cozinha serra, aromatizado com serpão (tomilho bravo) e
feijão-frade e regional conhecido pelo ambiente agradável outras ervas, acompanhado com batatas coradas,
couve ripada
e pela boa comida, mas não ficou incólume, castanhas e as inevitáveis migas; chanfana, de
porque o rebentamento de botijas de gás numa cabra velha, cozinhada no forno e servida em
casa vizinha, que ardeu, estilhaçou-lhe as vidraças tacho de barro preto com batatas cozidas e, claro,
e danificou-lhe a sala de cima. Só a persistência migas; e javali estufado com guarnição idêntica à
do casal Lucília e Carlos Simão e a ajuda dos do cabrito. Também não falta, ultimamente, um
vizinhos permitiram a continuidade do serviço. dos pratos mais antigos da região, mas novo aqui:
Fajão, antiga vila, hoje integrada na rede maranhos, feitos de bucho de cabra recheado
Aldeias do Xisto, perdeu boa parte do património com carnes, presunto e ervas aromáticas, cozido
e do encanto, mas ainda é atraente com as lentamente e cortado em fatias, com batatas
montanhas que a cercam, o rio Ceira que e hortaliça a acompanhar. Há outras propostas
nasce muito perto dali, o verde que a natureza mais vulgares, como costeletas de novilho,
vai devolvendo e, entre outros motivos, lombo de porco, grelhada mista e um ou outro
a gastronomia que O Pascoal preserva. peixe para cozer ou grelhar. Doçaria caseira
No restaurante há pão e azeitonas sobre a mesa, com a tigelada e o arroz-doce em destaque.
à espera da morcela com abacaxi e do doce Pequena garrafeira com uma dúzia de referências
de gila (chila) com queijo da Serra – duo correntes e um bom vinho da casa, que vem
de entradas indispensável com bons produtos do Douro. Serviço eficiente e simpático.


R. das Flores, Fajão, Pampilhosa da Serra > T. 235 751 219 e 963 012 659 > ter-dom 12h-15h, 19h30-22h > €15

110 VISÃO 10 MAIO 2018


Casa Ferreirinha
A Tasca do Tio Candinho Papa-Figos Branco
Lisboa 2016
Predomina a casta
Se passamos à porta e esprei- Rabigato. Cor de li-
tamos a ementa, é certo que mão com reflexos
ficamos. Assim aconteceu dourados, aroma
num dos primeiros dias deste forte com notas
mês, porque havia pataniscas florais e frutadas,
de bacalhau douradas, secas e apontamentos
e com ar estaladiço, prenún- minerais, paladar
cio de bom sabor a bacalhau, cheio e final
e também cozido à portu- persistente. Acom-
guesa à moda do Minho, com panha mariscos,

Sogrape Douro
carnes de vaca e de porco, peixes, carnes
presunto fumado, chouriço brancas, massas
de carne, chouriça de cebola, e saladas. €6,49
farinheira, arroz, batata,

Quarteto fantástico
cenoura, couves e feijão.
Mas a ementa d’A Tasca do
Tio Candinho, que é extensa,
Casa Ferreirinha Vinha
comportava outros reptos Grande Branco 2016
a chamarem para a mesa.
Do lado dos petiscos
Luís Sottomayor apresentou quatro vinhos Predominam as
castas Viosinho e
(grafados como “tapas”, ilustrativos do trabalho que a empresa desenvolve Arinto. Cor citrina,
vá lá saber-se porquê), a par na região e do mérito da equipa de enologia que dirige aroma com notas
dos populares portugueses florais, frutadas e
peixinhos da horta, choco minerais, paladar
frito, pica-pau, moelas, empa- Na segunda etapa da “viagem a Portugal com volume
dinhas de alheira e ovos com através do vinho”, que decorreu no âmbito e frescura, final
farinheira, há outros com ori- do VISÃO Fest, estiveram em destaque quatro equilibrado. Pede
gens diferentes, como polvo vinhos produzidos pela Sogrape no Douro: mariscos, peixes,
à galega, camembert gratina- saladas. €8,99
Papa-Figos Branco, Vinha Grande Branco,
do com mel e ervas aromáti-
Vinha Grande Tinto e Quinta da Leda.
cas ou folhadinhos de queijo
São outros tantos casos de sucesso que o enólogo Luís
brie com doce de abóbora,
Sottomayor, responsável pelos vinhos da Sogrape Casa Ferreirinha Vinha
todos bem feitos e saboro-
sos. Nos pratos principais naquela região, deu a conhecer e a provar. A Sogrape, Grande Tinto 2015
destacam-se as sugestões recorde-se, é uma empresa familiar que desde a sua Cor rubi profunda,
do dia, entre as quais podem fundação, em 1942, por Fernando van Zeller Guedes, aroma a frutos
surgir as tais pataniscas de não parou de crescer, detendo hoje mais de 830 vermelhos e
bacalhau com arroz de feijão, hectares de área de vinha nas principais regiões pretos com notas
o arroz “malandrinho” de pol- vitivinícolas portuguesas, com um portefólio notável de especiarias e
vo, as lulas recheadas com em que sobressaem as duas grandes marcas de vinhos madeira. Paladar
puré de batata, os filetes de portugueses no mundo – Mateus Rosé e Sandeman, os elegante com
pescada fresca com arroz de Porto Ferreira e Offley, e marcas representativas das taninos finos, final
lingueirão ou salada-russa, a principais denominações de origem, como Barca Velha longo e harmonio-
feijoada do mar, os bacalhaus (Douro), Quinta dos Carvalhais e Grão Vasco (Dão), so. Requer peixes
à Brás e à Gomes de Sá, a Herdade do Peso (Alentejo), Quinta de Azevedo e Gazela gordos e boas
mão de vaca com grão-de-bi- (vinhos verdes), entre outros. carnes. €9,99
co, a feijoada à transmontana, O Papa-Figos Branco é um dos quatro recentes
a dobrada e o pianinho gre- elementos da Casa Ferreirinha, criado na vindima
lhado. São cozinhados sim- de 2015, a pensar no consumo diário, mas com nível Casa Ferreirinha
ples e surpreendentemente
agradáveis com sabores
para ocasiões especiais. O Vinha Grande Branco é o Quinta da Leda 2015
primeiro branco da marca, lançado na colheita de 2005,
bem definidos e conhecidos: Cor rubi, aroma
nossos. Doçaria diversificada.
e caracterizado pela sua intensidade aromática e pela
complexo com
Garrafeira insuficiente para elegância. O Vinha Grande Tinto vem de 1960 e tornou- notas de frutos
tanta variedade de comida. -se um clássico, intenso e com carácter vincado. pretos, especiarias,
Serviço simpático. E o Quinta da Leda nasceu em 1995, como monovarietal balsâmicas e
de Touriga Nacional, passou a ser de lote e referência madeira, paladar

da quinta que lhe dá o nome. Chega ao mercado pronto com volume e har-
R. Dom Jerónimo Osório, 10 C, a saborear, mas com capacidade de envelhecimento. monia. Ideal para
Lisboa > T. 21 301 0170 > seg-sáb Um grande vinho, sempre. pratos de carne,
12h30-15h, 19h-2h > €15
caça e queijos. €40

10 MAIO 2018 VISÃO 111


COMER E B E B E R

A Brasileira Porto
Lugar de memórias
O chefe Rui Martins comanda o restaurante, ao lado da cafetaria centenária da Baixa,
onde se homenageia a cozinha portuguesa de uma forma reinventada. E, diríamos, surpreendente
Rui Martins – chefe do Rib Beef nossas raízes, acrescentando-lhes o olhar
& Wine do Pestana Vintage Porto, da cozinha contemporânea. Além do tradicional
Cozinheiro do Ano 2016 e, agora, caldo-verde, das tripas à moda do Porto,
também d’A Brasileira – tem passado do bacalhau à Brás, que chega com os ovos à
os dias em experiências gastronómicas. parte para serem envolvidos com a batata cortada
No restaurante de autor da Baixa finamente, prove-se o arroz negro com lulas
do Porto, que abriu, renovado, juntamente com (inspirado no tradicional arroz de cabidela)
a cafetaria centenária (faz 115 anos no dia 4 de ou a presa de porco ibérico coberta com uma
maio) e um novo hotel Pestana de cinco estrelas, espuma de batata frita e vinho do Porto, a levar
viaja-se pelo receituário antigo da nossa cozinha a nossa memória para o típico prego no pão. Nem
numa carta de sabores elaborados e ao mesmo a francesinha foi esquecida e é apresentada – de
tempo divertidos. uma forma desconstruída, bem menos calórica
O tomate tradicional vem em forma de – num pão bijou com chouriço, como se fosse
tártaro (passa dois dias em salmoura) envolto uma sanduíche para comer à mão, ao qual
em massa de azevia, os ovos mexidos chegam se juntam o fiambre curado de presa de porco,
em mousseline, que se deita na açorda feita um molho picante e um refogado de tomate
com broa de Avintes e espargos, as lulas estufadas e cebola. O remate final é uma tarte de queijo
vêm numa taça para sorver à colher. “Não é uma com gelado de frutos vermelhos e chocolate com
caldeirada nem é uma sopa”, avisa cardamomo, fava-tonca e gelado de baunilha,
o chefe. Mas que o sabor é maravilhoso e genuíno que pode acompanhar com café de especialidade
– cheira e sabe mesmo a lulas estufadas –, num lote próprio torrado pela Vernazza. Ou não
isso é. O restaurante quer prestar homenagem às estivéssemos n’A Brasileira. Florbela Alves

O restaurante
dá acesso
à antiga
cafetaria que,
à noite, se
transforma
em bar, onde
se servem
cocktails e se
ouve música
eletrónica
com DJ.
A curadoria
é de Rui
Trintaeum.
LUCÍLIA MONTEIRO


Pestana Porto – A Brasileira > R. Sá da Bandeira, 91 > T. 22 531 1000 > seg-dom 12h20-15h30, 19h30-23h

112 VISÃO 10 MAIO 2018


SAIR POR LISBOA
ROSA RUELA

Azulejos
e patos
Aproveitem-se estes dias
de primavera e reservem-se
as primeiras horas de uma
manhã de segunda-feira

LUCÍLIA MONTEIRO
para ir com outros olhos ao
Jardim Botânico Tropical.
O portão abre às 9 e, por
essa altura, já os verdadeiros
donos do lugar – os patos-

Pallco Porto -mudos – se bamboleiam


entre o lago principal
e as figueiras-da-Austrália

Antes das luzes da ribalta


majestosas, ao som dos
gritos dos poucos pavões
locais e do cacarejar
das galinhas da vizinha
presidência. E por ser
No primeiro conservatório de dança e de música o dia em que a maioria
da cidade, além do ensino oficial, há cursos livres dos museus de Belém
está fechada, não se tropeça
para crianças e adultos em centenas de turistas.
Ao entrar, será difícil resistir
à alameda de palmeiras
Nos concursos internacionais, as alunas ficaram americanas e mexicanas
No Pallco conhecidas como as Oporto Girls, tal o prestígio
há estúdios centenárias. Siga-se, então,
da Oporto Ballet School, distinguida em 2016 por ela e até ao final, subindo
de dança
como a melhor escola europeia de dança, pelo depois sempre pela direita,
e de música,
salas poliva-
Youth America Grand Prix. Os resultados rumo ao Palácio dos Condes
lentes e um alcançados em 15 anos levaram Sofia Marques dos
auditório com Santos, a diretora, a acreditar que era possível (e desejável)
200 lugares, crescer. A 19 de abril, inaugurou o Pallco, o primeiro
muita luz conservatório de dança e de música do Porto, com cursos
natural, além oficiais do 5º ao 12º ano, mas também com cursos livres,
de um enorme nomeadamente de teatro musical, em que o cruzamento entre
jardim. as diferentes áreas artísticas será estimulado. “Queremos
preparar artistas versáteis, porque o mercado assim o exige”,
defende Sofia, ela própria antiga bailarina profissional, com
participações em criações clássicas e contemporâneas.
da Calheta. Talvez a um
Nas novas instalações, na zona da Prelada, “a arquiteta
terço da subida, chega-se
Alexandra Borges pegou numa nave industrial vazia e fez à Casa da Direção que já
magia”, sublinha Sofia Marques dos Santos. Manteve-se a foi chamada Casa Colonial,
atmosfera industrial e, à rudeza do ferro, foi contraposta um edifício de dois pisos
a nobreza da madeira. Há estúdios de dança e de música, que copiava as moradias
salas polivalentes e um auditório com 200 lugares, muita portuguesas nas colónias.
luz natural, além de um enorme jardim. Cá fora, no seu pátio
Entre os cursos livres de música, a partir dos exterior, há um “lago das
três anos e sem limite de idade, haverá o ensino de cobras” rodeado de bancos-
instrumentos, da harpa ao contrabaixo, do acordeão -namoradeiras, cobertos
à bateria. Quanto à dança, haverá aulas de ballet de azulejos povoados de
clássico, dança contemporânea e jazz, entre outros aves, e um alpendre a pedir
estilos. Já o teatro musical combinará música, dança, trepadeiras, com painéis
canto e representação. E foi também criado o Pallco de tigres, gazelas e leões.
Fit, com modalidades como Pilates, ioga, salsa, tai Dentro, é todo outro filme
chi, dança contemporânea e ballet para adultos, entre que desde o verão passado
outras. Uma escola de artes para todos. J.L. pode ser visto a pretexto de
um café ou de um souvenir.
É espreitar, senhores, é
 espreitar, porque o casal da
Trav. da Prelada, 516, Porto > T. 22 606 2057 > seg-sex 8h-22h, sáb 10h-14h fotografia é só uma amostra.
> cursos livres de dança a partir de €30, música €35

10 MAIO 2018 VISÃO 113


SA IR

Jardim Mário Soares e Jardim Botânico Lisboa


À sombra, no meio da cidade
Acabam de ser renovados dois dos mais importantes jardins da capital. Para respirar os trópicos,
descansar no meio dos verdes e ainda descobrir uma parte da nossa História

No Jardim No Jardim Mário Soares, em Lisboa, tardes de domingo. Quem explorar os diferentes
Mário Soares, resultado da requalificação da zona Sul caminhos entre as árvores e a relva encontrará
renovaram-se os do Campo Grande, todos os caminhos várias referências à vida de Soares, que morreu
pavimentos para vão dar a uma novidade. Há os em janeiro de 2017, como um memorial onde se
as bicicletas percursos curvilíneos que atravessam lê uma biografia, que relata as suas principais
e ampliaram- os lagos, os parques infantis, agora conquistas, ou um speaker's corner, que incentiva
-se os parques ampliados e com novas brincadeiras, os bancos ao debate de ideias entre cidadãos, construído
infantis. que convidam a paragens demoradas ou o em frente à rua do Colégio Moderno e à casa
Já no Jardim imponente quiosque encarnado que aguarda uma onde Mário Soares sempre morou. O projeto da
Botânico, há um
esplanada. “Passou a ser um lugar onde se pode CML contou, assim, com a colaboração da família
novo anfiteatro
estar,” resume José Sá Fernandes, vereador da Soares, do amigo José Manuel dos Santos e do
e caminhos para
descobrir
Estrutura Verde e Energia da Câmara Municipal designer Henrique Cayatte.
(no sentido de Lisboa (CML), que tinha neste projeto um Em linha com o que aconteceu na zona
dos ponteiros objetivo antigo. “Era um dos últimos espaços Norte do Campo Grande, com a construção
do relógio) verdes que nos faltavam recuperar em Lisboa.” de novas áreas desportivas ou as obras no
Simbolicamente inaugurado no passado Edifício Caleidoscópio, as principais prioridades
dia 25 de abril, o Jardim Mário Soares é uma passaram pela requalificação. José Sá Fernandes
homenagem da cidade ao antigo Presidente da explica à VISÃO Se7e que “todo o jardim estava
República, que ali passeava tantas vezes com o pai muito degradado, da piscina aos caminhos; o
e mais tarde com os filhos, levados pela mão nas aproveitamento da água não era bem-feito, a

114 VISÃO 10 MAIO 2018


Floresta
de brincar
Ideias em tons
de verde para
levar a Natureza
para dentro
de casa

Livro
Florilegium.
The Book of
Plants, Taschen

FOTOS LUÍS BARRA


€15

vegetação já não estava em boas condições”. Com rega, agora independente do sistema de águas
um orçamento de cerca de 1,2 milhões de euros, urbanas, terá um grande impacto no ambiente
quiseram-se alargar os espaços para os visitantes, e nos custos. Fez-se ainda a instalação de
instalar sistemas de rega inteligente e de novas redes no subsolo, elétricas e não só, que
iluminação noturna, renovar pavimentos, pistas permitirão iluminar o jardim e ter wi-fi em toda
de bicicleta e mobiliário urbano, plantar verdes e a área.
pensar uma zona onde se pudesse estar e tomar “Outra grande novidade é o anfiteatro no
um café. “Agora, é só esperar que a relva comece arboreto”, continua José Pedro Sousa Dias, que Palmeira
a crescer”, remata o vereador. terá uma programação própria virada para a chamaedorea,
cultura e a cidade. “Há ainda o lago de baixo, Horto do Campo
PALMEIRAS E CICADÁCEAS que continua em reparação e que, por isso, ainda Grande
Na outra ponta da cidade, escondido entre os está vazio.” O diretor mostra-nos um dos novos a partir €7
prédios coloridos do Príncipe Real, também o caminhos que dará acesso a uma esplanada, em
Jardim Botânico de Lisboa reabriu mais verde, fase de concurso, cujos responsáveis também
mais sustentável e com vontade de receber tomarão conta da cafetaria do museu.
melhor os seus visitantes, como avança José As mudanças ocorreram a pensar no futuro
Pedro Sousa Dias, diretor do Museu Nacional de do Jardim Botânico, que faz parte do Museu de
História Natural e da Ciência da Universidade História Natural e da Ciência, cujo rico programa
de Lisboa. São quatro hectares de palmeiras, de iniciativas e de exposições se mantém (inclui
cicadáceas e muitas espécies raras, vindas de visitas ao laboratório do século XIX). Tal como
países como a Nova Zelândia, Austrália, China e o sublinha Raquel Barata, botânica e responsável
Japão, cada uma com segredos e histórias. Logo pelo serviço educativo, o Jardim Botânico, Veja dos Açores
à entrada, que ganhou novas plantas e cores, há fundado em 1878, no antigo Colégio dos Nobres, ao vapor, arroz
também outros pavimentos e gradeamentos, e classificado como monumento nacional em de amêijoas à
bancos reconstruídos e pintados, bebedouros 2010, sempre teve uma base científica e de Bulhão Pato
aqui e ali. A sustentabilidade era uma das ensino. Afinal, são 140 anos de História que e sodium, um
prioridades, por isso a reparação do sistema de se contam num só jardim. Rosário Mello e Castro dos pratos da
ementa Costa
a Costa, do

Jardim Mário Soares > Campo Grande, Lisboa > 24 horas > Jardim Botânico de Lisboa > R. da Escola Politécnica, 54, Lisboa restaurante
> T. 21 796 7624 > ter-dom 9h-20h Alma, em
Lisboa

10 MAIO 2018 VISÃO 115


COMPRA R

MARCOS BORGA
The Tintin Shop Lisboa
Aventura em Belém
Abriu em março, na Rua da Junqueira, e é a primeira loja oficial em Portugal da personagem
criada por Hergé. Para descobrir livros, mas também figuras, peças de coleção, t-shirts e sacos

A relação de Portugal com Tintin postais e uma coleção de 24 relógios acabada de


Na The Tintin vem de longe. Em 1936, foi o primeiro lançar. Nathalie destaca a estante com os livros em
Shop Lisboa
país do mundo a traduzir as suas português – estão lá os 24 álbuns de As Aventuras
encontra os
histórias, publicadas na revista juvenil de Tintin –, e há, ainda, os exemplares disponíveis
24 álbuns em
português de
O Papagaio, da Rádio Renascença, em línguas como inglês, francês, castelhano,
As Aventuras que também as mostrou pela primeira e até mandarim e islandês. Nas prateleiras
de Tintin. Há vez a cores. “Há cinco anos, eu e o meu marido encontram-se outras edições especiais, como a
ainda exem- Luis visitámos Portugal e pensámos logo nestas cronologia da obra de Hergé em inglês e francês,
plares nou- ligações, percebemos o quanto os portugueses livros especialmente dedicados aos aviões, carros,
tras línguas, gostam desta banda desenhada”, diz Nathalie barcos e comboios, usados nas histórias de
como inglês, Castellano, proprietária da The Tintin Shop. Tintin, e, uma edição especial do livro Le Musée
francês, cas- Inaugurada em março, no número 450 da Rua Imaginaire de Tintin e a respetiva coleção de
telhano, e até da Junqueira, em Belém, é a primeira loja oficial figuras de resina, com o mesmo nome, que integra
em mandarim de Tintin em Portugal. “O Luis está ligado à peças como as estatuetas Arumbaya e Raspar
e em islandês. Moulinsart, a empresa responsável por proteger Capac e o homem-leopardo. Quanto aos preços,
e promover o trabalho de Hergé, por isso tudo variam entre um euro, custo de um postal, e peças
o que se vende na loja tem esse carimbo”, que podem ultrapassar a centena.
explica Nathalie. Não é preciso procurar muito para os olhos
Na montra, o célebre foguetão às riscas e um se fixarem em figuras de outras coleções, uma
Tintin de tamanho generoso aguçam o apetite perdição para os fãs destas aventuras. É o caso da
para o que se encontra no interior. Entre paredes Les Icônes com o submarino-tubarão ou o pote
brancas, distribuem-se várias estantes e mesas com Tintin e Milou à espreita, imagem que fez
onde repousam peças relacionadas com o mundo capa da aventura O Lótus Azul. Normalmente,
da personagem criada pelo cartoonista belga “cada pessoa gosta de uma personagem, mas aqui
Hergé: figuras de vários tamanhos, sacos, bonecos encontram-se todas”, explica Nathalie.
de peluche, posters, livros, puzzles, canecas, Susana Lopes Faustino


R. da Junqueira, 450, Lisboa > T. 21 362 0480 > qui-ter 11h-19h

116 VISÃO 10 MAIO 2018


VE R

Cristina Branco Lisboa


Música sem preconceitos Omar Souleyman
A cantora apresenta ao vivo o já aclamado disco “Branco”, que Lisboa
abriu um novo capítulo numa carreira com mais de duas décadas
Começou a carreira
como músico de
casamentos no Norte
O primeiro passo foi dado em 2016, com o disco Menina, da Síria. Dificilmente
que marcou o final de um silêncio de três anos sem editar. imaginaria, então,
Na altura, a cantora, que, verdade seja dita, nunca se que um dia pisaria
assumiu como fadista, chamou para junto de si um os palcos dos maio-
conjunto de novos autores, oriundos das mais variadas res festivais de rock
latitudes da música portuguesa, como Jorge Cruz (Diabo na do mundo... Depois
Cruz), Peixe e Nuno Prata (ex-Ornatos Violeta), Kalaf, Luís Severo, de um produtor ame-
Filho da Mãe e André Henriques (Linda Martini), para expandir as ricano descobrir uma
fronteiras da sua música muito para além da tradição do fado que das suas cassetes,
cantou durante quase duas décadas. O objetivo não era renegá-la, aquela mistura de
sonoridades locais
antes libertar-se de barreiras e constrangimentos estéticos. Em suma,
e eletrónica conquis-
Cristina Branco queria ser livre. No novo disco, Branco, editado no
tou admiradores em
início deste ano, alargou mais uma vez, e talvez até ao infinito, o seu já todo o mundo. Neste
de si muito abrangente universo musical. Para isso voltou a reunir à regresso a Portugal,
sua volta os nomes atrás citados, convocando outros, como Mário apresenta o disco
Laginha, a jovem Beatriz Pessoa e o decano Sérgio Godinho, uma das To Syria With Love,
maiores referências de Cristina Branco, como já por diversas ocasiões dedicado ao país que
assumiu, e desde há muito seu habitual colaborador. O resultado disto abandonou há seis
tudo foi “um disco livre de qualquer preconceito”, no qual as anos, devido à guerra.
“realidades se transformam gradualmente num novo normal, em que
tudo é possível”. As palavras são da própria e foram proferidas 
aquando do lançamento de Branco, um trabalho pessoal, que tanto Musicbox > R. Nova
soa a jazz como a fado, sem ser uma coisa nem outra. Ou, antes, sendo do Carvalho, 24, Lisboa
> T. 21 347 3188 > 11 mai,
isso tudo e muito mais, mercê dos exemplares arranjos musicais do sex 24h > €20
trio composto por Bernardo Couto (guitarra portuguesa), Bernardo
Moreira (contrabaixo) e Luís Figueiredo (piano), que também irão
acompanhá-la em palco. Miguel Judas
Erlend Øye Lisboa
Depois deste Uma das metades da
concerto em dupla Kings of Conve-
Lisboa, Cris- nience, o compositor
tina Branco e cantor norueguês
apresenta o regressa a Portugal
novo disco para três concertos
também no intimistas, com temas
Porto, a 23 de novíssimos e antigos
maio, na Casa em formato acústico.
da Música. Nesta minidigressão,
Erlend Øye segue de
Lisboa para Coimbra
(Convento de São
Francisco, a 17 de
maio) e Guimarães
(Centro Cultural Vila
Flor, a 19).
D.R.


 Cineteatro Capitólio
Teatro Tivoli > Av. da Liberdade, 182-188, Lisboa > T. 21 315 1050 > 15 mai, ter 21h30 > Pq. Mayer, Lisboa
> €15 a €24 > T. 21 138 5340 > 16 mai,
qua 21h30 > €20

10 MAIO 2018 VISÃO 117


VER

Angel Olsen Guimarães e Lisboa Señoritas Porto


Dois anos depois do álbum

Uma certeza para (re)descobrir


de estreia, as antigas
companheiras no projeto
A Naifa, Sandra Batista e
Mitó, regressaram aos discos
no início deste mês, com As
A cantora americana está de regresso a Portugal para uma muito aguardada Saudades que Eu Não Tenho,
atuação em nome próprio, que servirá para apresentar dois discos lançados que agora apresentam ao
quase de uma assentada, em 2016 e 2017 vivo. A exemplo do registo de
estreia, também este novo
trabalho é baseado nas suas
experiências pessoais, que
mais uma vez surgem embru-
lhadas numa banda sonora
avessa a rótulos, feita de fado,
eletrónica, tango e trip-hop.


Maus Hábitos > R. Passos Manuel,
178, 4º, Porto > T. 22 208 7268
> 10 mai, qui 22h30 > €4

Niall Horan Lisboa


O antigo membro dos One
Direction está de volta a Por-
tugal, mas desta vez a solo,
para apresentar aos fãs por-
tugueses o álbum de estreia
em nome próprio, Flicker, edi-
D.R.

tado no final do ano passado.


Deu-se a conhecer ao lado universo musical ao rock e à country. Segundo o próprio músico e
do mestre Bonnie ‘Prince’ Foi este o disco que a trouxe pela cantor irlandês, este trabalho
é inspirado no folk rock de
Billy, no coletivo Cairo primeira vez a Portugal, à galeria ZDB,
bandas clássicas como os
Gang, deixando no ar Lisboa, aonde regressaria em 2016 para
Eagles e os Fleetwood Mac
algumas pistas a indiciarem uma residência artística, concluída e não tanto pela pop do seu
que viria a tornar-se uma com mais uma atuação esgotada na anterior grupo. E isso perce-
das estrelas mais cintilantes do pequena sala de espetáculos do Bairro be-se bem ao ouvirmos os
universo da música alternativa. Alto. No ano passado viajou até ao singles já extraídos do disco,
A curiosidade despertada então Porto, para um concerto no festival This Town, Slow Hands, Too
nalguns ouvidos mais atentos Primavera Sound, onde apresentou Much to Ask e On the Loose.
continuou a ser aguçada no primeiro o aclamado álbum My Woman,
registo a solo, o EP Strange Cacti, de considerado o mais completo da sua 
2010, mas seria com o álbum de (ainda) curta discografia. Um trabalho Coliseu dos Recreios > R. das
estreia, Half Way Home, editado dois que voltará a ser revisitado nesta nova Portas de Santo Antão, 96, Lisboa
> T. 21 324 0580 > 12 mai,
anos depois, que Angel Olsen se vinda a Portugal, agora para três sáb 19h30 > €39 a €46
apresentaria finalmente ao mundo concertos em nome próprio, um em
como uma cantautora folk como há Guimarães e dois em Lisboa.
muito já não se ouvia, daquelas cujas O alinhamento incluirá também alguns
aparentes delicadeza e fragilidade se dos temas do último trabalho, Phases,
transformam, ao primeiro acorde, compilação de maquetas e demos
numa imensa força da natureza. antigas, que a trouxe de volta à folk
O capítulo seguinte foi Burn Your Fire dos primeiros tempos, quando a sua
for No Witness (2014), um disco de voz ainda era um tesouro por
crescimento, no qual alargou o seu descobrir. M.J.


Centro Cultural Vila Flor > Av. D. Afonso Henriques, 701, Guimarães > T. 253 424 700 > 13 mai, dom
21h30 > €15 > Teatro da Trindade > R. Nova da Trindade, 9, Lisboa > T. 21 342 3200 > 14 e 15 mai,
seg e ter 21h30 > €25

118 VISÃO 10 MAIO 2018


Estruturas, Índices
e Protótipos Lisboa
Revisão da matéria dada
Uma antologia de Manuel Casimiro, discreto
artista plástico, filho de Manoel de Oliveira D.R.

São quatro andamentos que -Georges Lemaire, uma série de Photographies O artista faz
expressam as linhas vitais de 40 anos Érotiques, para a qual Casimiro intervencionou da apropriação
de trabalho de Manuel Casimiro um álbum de fotografias eróticas do século XIX e pictórica
(Porto, 1941), aqui com a curadoria uma remontagem de Estrutura de Frutos uma das suas
de António Cerveira Pinto. O artista e Legumes (originalmente realizada em 1975, marcas, visível
regressa a Lisboa com 43 trabalhos, na Sociedade Nacional de Belas-Artes), instalação no tratamento
prenunciadores da exposição agendada para octogonal coberta com batatas, laranjas, limões, dado a esta
2019, no MEIAC, em Badajoz. Reconhecido pelas peras e tomates – peça desafiadora do tempo imagem erótica
intervenções em forma de manchas pictóricas e da iconografia museológica. S.S.C. do século XIX
ovais que subvertem imagens e a espacialidade,
o artista mostra agora pinturas inéditas e obras
apresentadas pela primeira vez em Lisboa. 
Espaço Camões da Livraria Sá da Costa
Juntam-se-lhes a apropriação anarquizante do > P. Luís de Camões, 22, 4º andar, Lisboa > T. 917 071 693
livro L' Univers des Orientalistes de Gérard- > 11 mai-30 mai, seg-sex 13h-19h
VER

Now I Become Aged


Lisboa
Henrique Pavão
visitou a Barragem
do Lindoso e a aldeia
de Aceredo (habitual-
mente submersa),
reclamando o espírito
de outras viagens:

D.R.
o título da exposição,

A Coleção Sonnabend: Meio Século de Arte Europeia


retirou-o do livro de
C.A. Burland (acadé-
mico de etnografia,
mitologia e religiões)

e Americana, Part II Porto que o land artist Ro-


bert Smithson levou
para o Yucatan em

Ainda o gosto de Ileana


1969. Depois, Pavão
criou três obras,
curadas por Sérgio
Mah: um vídeo, foto-
grafias e projeção de
Nesta exposição, regressa-se ao acervo deixado pela influente galerista norte- slides com som.
-americana, Ileana Sonnabend, desta vez com o foco na fotografia – e em Jeff Koons

Uma Lulik > R. Centro
Cultural, 15 - Porta 2,
Dois anos após a realização da primeira exposição dedicada à Coleção Sonnabend Lisboa > T. 91 813 6527
no Museu de Serralves, em que foram mostradas obras sob a mesma designação > 11 mai-19 jul, qua-sáb
– Meio Século de Arte Europeia e Americana –, a instituição portuense volta a abrir 14h-20h
portas a este acervo particular (gesto também já feito pelo Museu Arpad Szenes
– Vieira da Silva, em Lisboa, em 2015-2016). A história da Coleção Sonnabend
marcou os trânsitos artísticos entre América e Europa. Quando Ileana Sonnabend O Estranho Substituto
(1914-2007) teve a sua galeria parisiense (1962-1980), ela apoiou fortemente os artistas
norte-americanos, nomeadamente os das correntes conceptuais e minimalistas. A partir dos Lisboa
anos 1970, no espaço nova-iorquino, Ileana divulgou a arte europeia contemporânea, com
destaque para a arte povera e conceptual. Agora dirigida pelo seu filho adotivo, o português Jorge Molder, mestre
António Homem, a Coleção Sonnabend pretende mostrar outros trunfos do atual acervo. da autorrepresenta-
A Coleção Sonnabend: Meio Século de Arte Europeia e Americana, Part II, anuncia- ção, protagoniza esta
-se com dois grandes temas: “O uso da fotografia desde a arte conceptual dos anos edição do Projecto
1960 até ao presente; e os trabalhos de artistas dos anos 1980 relacionados com a pop art, Entrevista, em que
o minimalismo e a arte conceptual.” Duas linhas curatoriais ambiciosas, geradoras de os consagrados são
grandes expectativas. Em Serralves, haverá obras do casal alemão Bernd e Hilla Becher, entrevistados e foto-
grafados por artistas
reconhecido pelas tipologias fotográficas de estruturas industriais; da dupla Gilbert
do Atelier de Artes
& George, eternos dandies miméticos representados em vitrais profanos que abrangem
do Centro Hospitalar
tanto temas da política britânica como outros mais escatológicos, patentes em Mental Psiquiátrico de Lis-
nº 4 (1976), Seven Heroes (1982) e Clean Me (2014) – também chamados: Hiroshi Sugimoto boa: Pedro Ventura,
(cujas irrepreensíveis fotografias a preto e branco são habitualmente classificadas como Luís Lemos e Artur
tempo congelado), John Baldessari (imagens intervencionadas com cor) ou Candida Höfer Moreira revelam as
(grandes formatos de espaços inabitados). Mas a pièce de résistance poderá ser a “pequena suas obras ao lado
retrospetiva” de Jeff Koons, núcleo de esculturas produzidas pelo ex-enfant terrible entre das do fotógrafo.
1985 e 2012. Um aperitivo? A escultura insuflável Hulk (Friends). Sílvia Souto Cunha

Pavilhão 31 > Hospital
 Júlio de Matos, Av. do
Museu de Arte Contemporânea de Serralves > R. D. João de Castro, 210, Porto > T. 22 615 6500 > 10 mai-23 set, Brasil, 53, Lisboa > T. 21
seg-sex 10h-19h > €10 791 7000 >11 mai-31 ago,
seg-sex 10h-16h > grátis

120 VISÃO 10 MAIO 2018


O Senhor Pina Porto Aurora de Areia Lisboa
Antes de o espetáculo

O palco de pernas para o ar


começar, há já um vídeo
a ser projetado que mostra
várias polaroides tiradas
por Aurora Pinho e também
A companhia de teatro Pé de Vento celebra 40 anos de existência algumas imagens sacadas
da Internet de pénis
homenageando Manuel António Pina, cúmplice de muitas peças e aventuras eretos, representativos de
todas as etnias. Uns fios
de pesca, presos no teto,
têm também fotografias
Durante uma longa dos livros. “Ele era tão inventivo e
penduradas. A um canto da
parceria, Manuel António criativo como a sua própria escrita”,
sala do espaço da Rua das
Pina escreveu para a Pé de diz João Luiz à VISÃO Se7e. Gaivotas 6, Aurora Pinho
Vento mais de 30 originais, O espetáculo adapta à cena o livro tem uma lingerie da mãe
apresentados pela (O Senhor Pina) publicado, em 2013, vestida, um corpete de cor
companhia em estreias por Álvaro Magalhães, poucos meses bege, e está pronta para
absolutas. O autor tornou-se o após a morte de Manuel António Pina, começar o espetáculo.
cúmplice perfeito do teatro idealizado em sua homenagem. “Um retrato Apresentado no âmbito
pelos fundadores, dando ao texto “um íntimo, sensível e bem-humorado do do Young Emerging
papel fulcral, de modo a romper com a autor fundamental da nossa literatura Performers, uma parceria
tradição do ‘teatro infantil’ que então infanto-juvenil”, descreve o seu amigo entre a Rua das Gaivotas 6
se fazia, pobre em ideias e em de longa data. Joanica-Puff, o famoso e O Espaço do Tempo, em
imaginação”, recorda João Luiz, urso com poucos miolos, retirado do Montemor-o-Novo, Aurora
encenador e diretor artístico, no clássico da literatura infantil escrito por de Areia apresenta, ainda,
programa da peça. “Um teatro em que A. A. Milne (no original inglês, Winnie uma série de desenhos que
a palavra, além do seu poder narrativo, the Pooh), um dos livros preferidos de ajudam a compor o cenário.
tivesse uma dimensão poética capaz Pina, é o seu companheiro de palco Todos estes elementos,
de convocar as forças da imaginação, nesta busca pela infância perdida, desenhos e polaroides,
da fantasia, do sonho, do mistério, com uma simplicidade desarmante. resultaram de um processo
desencadeadoras de novas formas As idiossincrasias do poeta, como criativo de um ano
de Aurora Pinho, após
possíveis de representação teatral”, a montanha de coisas sempre por
uma tentativa de suicídio.
continua. Em O Senhor Pina, no lugar fazer, a falta de pontualidade ou a
A sobrevivência,
dos textos, convoca-se para o palco disponibilidade para se perder pelas encontrou-a ao decidir
o escritor, o dramaturgo, o poeta e o encruzilhadas da vida, são retratadas pegar no que sentia e
amigo, confundindo-se as memórias não de forma melancólica mas transformar tudo em arte.
de quem o conheceu com o imaginário celebratória. Joana Loureiro Através das polaroides,
as pessoas podem
conhecer o Flávio antes
de ser Aurora. Aurora
de Areia é um espetáculo
que nos permite fazer
caminho com Aurora Pinho
durante o período em que
se sujeitou à mudança de
género. É, sobretudo, um
espetáculo de partilha com
o público. Aurora Pinho faz
parte dos Cargo Collective
e é também música. Editou
um disco em 2016 (Velvet
N’ Goldmine) e em agosto
será lançado o segundo,
Útero (ambos podem ser
ouvidos no Bandcamp
LUÍSA FERREIRA

da artista). C.M.S.


Rua das Gaivotas, 6

> R. das Gaivotas, 6, Lisboa
Teatro Carlos Alberto > R. das Oliveiras, 43, Porto > T. 22 340 1910 > 10-13 mai, qui 21h, sex 15h-21h,
> T. 91 219 1940 > 10-12 mai,
sáb 19h, dom 16h > €10
qui-sáb, 21h > €7,5

10 MAIO 2018 VISÃO 121


Luz Obscura
Em 48, Susana Sousa Dias
fez um documentário de
cortar a respiração, em
que nos confrontava de
viva-voz com homens e
mulheres torturados pela
PIDE e pela DGS. Um filme
sóbrio, austero, em tons
de luto, no qual ouvíamos
os relatos das terroríficas
histórias acompanhando
as fotografias de cadastro.

D.R.
Nada mais. O despojamento
gráfico servia para dar todo

Frantz o protagonismo aos relatos.


Em Luz Obscura, Susana
Sousa Dias como que

Flores no campo de batalha


encurta o campo, fazendo
um close-up à família
Pato, vítima da tortura e da
perseguição da PIDE sob os
mais diversos termos.
Um filme pacifista e poético, falado em francês e em alemão, Desta vez, apesar de
no rescaldo da Primeira Guerra Mundial continuar a ser um filme
em que o áudio predomina
sobre o visual, a realizadora
François Ozon é um dos mais pertinentes realizadores franceses sentiu a necessidade de
da sua geração, com uma constante capacidade de surpreender. recorrer a outras imagens,
Mas ao contrário do que acontece em Ricky, no qual se conta a sendo que nunca chega
história de um bebé com asas, em Frantz a surpresa chega pelo seu a perder a total sobriedade e
gravidade, não concedendo
aparente classicismo. É um tipo diferente de voo, mais subtil, mas
qualquer tipo de ponto
com uma densidade maior. Um argumento bem construído, cheio
de fuga. Deparamo-nos
de mudanças de direção, que Ozon soube tratar cinematograficamente com com Carlos Pato, irmão
a sobriedade de um clássico. de Otávio (conhecido
Frantz é a adaptação livre de O Homem que eu Matei (1932), filme antibelicista dirigente comunista), que
de Ernst Lubitsch, a partir de uma peça de teatro de Maurice Rostand. Lubitsch morreu após torturas
filmou-o entre guerras, na tentativa poética de contribuir para a verdadeira sucessivas. Mas também
reconciliação entre França e Alemanha, sarando as feridas da Primeira Guerra Rui, o filho de Otávio, que
Mundial através da arte. Ozon situa-se no mesmo tempo e espaço históricos, como mais tarde sofreu, entre
quem, passados estes anos todos, redescobre a necessidade de reafirmar a amizade outras provações, onze dias
entre os dois povos e a admiração recíproca das culturas que, em termos efetivos, de tortura do sono. Ou da
definem muito daquilo que somos enquanto Europa. mulher que bateu à porta
O filme constrói-se através de situações de rutura criadas por revelações. da casa de Rui, revelando-se
São essas revelações que fazem com que as personagens avancem e mudem sua mãe, que acabara de
de paradigma. De início, encontramos um soldado francês em território alemão, sair da prisão.
em pleno pós-guerra, a tentar consolar a família e a noiva-viúva de um soldado São tragédias de uma
alemão morto. É algo profundamente romântico. O retrato é forte. violência atroz, que
E é, sobretudo, muito bem conseguida a reconstituição do ambiente de marcaram gerações e
hostilidade e de ressentimento do pós-guerra, mostrando que o conflito, devem permanecer na
no interior das pessoas, não termina com um armistício. É uma época de luto, nossa memória coletiva.
em que se chora pelos mortos, os estropiados e os desaparecidos. Porque, na verdade,
também devemos a nossa
Ainda não nascem flores onde eram campos de batalha. E, por isso, o filme
liberdade à família Pato e a
é quase todo rodado a preto e branco, realçando os tons de luto. Contudo, com
tantos outros que sofreram
um engenhoso artifício, Ozon colore a tela nos momentos felizes, como quem e lutaram pela democracia.
dá sinais de esperança, como quem subitamente encontra o futuro. Frantz foi O 25 de Abril foi apenas o
selecionado para o Festival de Veneza, tendo Paula Beer, com justiça, recebido culminar de um processo
o prémio para melhor atriz. Manuel Halpern revolucionário que há muito
se construía. M.H.

De François Ozon, com Pierre Niney, Paula Beer, Ernst Stötzner > 113 minutos 
De Susana Sousa Dias > 78 min.

122 VISÃO 10 MAIO 2018


“Apesar de ter
uma nuvem suspensa
sobre a minha cabeça,
percebi que estava
a apreciar a vida”
Stephen Hawking

Apenas

4,99€

Na autobiografia de Stephen Hawking, à venda com a VISÃO, CARAS


e TVmais, o cientista revela facetas desconhecidas da sua vida.
Procure nas bancas ou encomende por telefone 21 870 50 50
Dias úteis, das 9h às 19h. Indique ao operador o código promocional: V1630
LIVROS E DISCOS

Ph.02 Paulo Nozolino


O mestre do “chiaroscuro”
Uma monografia irrepreensível sobre um nome maior da fotografia
de autor, que ilumina o seu universo complexo e sempre inquieto

Concertante!
Les Vents Français
Os quatro
compositores neste
duplo CD (Mozart,
Franz Danzi, Ignaz
Pleyel e François
Devienne) são
representativos
do lado elegante
da música europeia,
na segunda metade
JOSÉ CARIA
do século XVIII.
Melodias graciosas,
timbres frescos,
Este volume abre com uma imagem atípica no corpo de texturas suaves
trabalho de Paulo Nozolino, povoado de corpos crepusculares e claras, por vezes
e cicatrizes históricas: a fotografia de dois espelhos, um tingidas com
enquadrado numa banal moldura retangular pendurada na pormenores que
parede; o outro, redondo e retro, espécie de lupa pousada anunciam
num tampo de pedra. Ambos refletem uma porta entreaberta, o Romantismo.
mas não da mesma maneira. É um manifesto visual, uma metáfora da A chamada “Sinfonia
ars photographica, e um desafio ao leitor – instado a ver-se ao espelho, Concertante”, tipo de
a escolher o ângulo ou a aceitar transpor a enigmática porta e a defrontar peça em que vários
Paulo Nozolino o mundo, convulso, negro, em ruínas. Como o faz Nozolino, apóstolo da instrumentos solistas
(Imprensa dialogam entre si e
“viagem ao fim da noite” (Céline aparece em epígrafe), nos últimos 46
Nacional-Casa com uma orquestra,
anos: a sua primeira fotografia assumida, uma acrópole melancólica, data
da Moeda, encontra-se, como
de 1972. O escritor Rui Nunes descreve-o, no posfácio Intempestivo até o nome indica,
136 págs., €19) à Desolação, como “íntegro na sua incompletude”, “um homem sem
é o segundo entre o concerto
álibis”. Pardonner, Oui, Oublier, Non (Colmar, 1999), lê-se numa página e a sinfonia.
volume da série capturada por entre outras imagens das séries Testemunha em Fuga,
Ph., coleção Dificilmente poderia
Limbo, Penumbra e Far Cry. haver instrumentos
de monografias Há uma mnemónica visual em Ph.02: um olho ciclópico sobrevivente
dedicadas tão agradáveis como
ao varrimento da luz na página 30 (Lisboa, 1979), um terrível olhar sem a flauta, o oboé,
a grandes
vida a emergir de um corpo tapado por lençóis na página 50 (Berlin, o clarinete, o fagote
fotógrafos
portugueses,
1984), o olhar direto de um adolescente, único a fitar-nos na vintena e a trompa, para
dirigida por de rostos da quadrícula policiária (New York, 2007), os olhos inocentes executar esse jogo,
Cláudio Garrudo. do menino pintado da página 100 (Gottingen, 2005), até chegar ao ou intérpretes tão
O primeiro era autoretrato de um jovem Nozolino ao espelho – e fecha-se o círculo do ilustres como os que
dedicado a volume. Esta é a penúltima fotografia, logo antes da imagem simbólica da compõem o coletivo
Jorge Molder traça, criatura que receia a luz... “Profundamente vivencial e meditativa, Les Vents Français,
poética e dionisíaca, a obra de Nozolino revela-nos uma visualidade de quem já tínhamos
sensível às formas do páthos. A fotografia é assumida como um meio desfrutado um
privilegiado de exprimir e organizar a sua visão inquieta e dramática do disco de Beethoven
mundo”, escreve Sérgio Mah. E em que, defende, “escurecer representa e uma caixa tripla
de compositores
um fechar de olhos... para se ver, plenamente”. S.S.C.
franceses. L.M.F.

124 VISÃO 10 MAIO 2018


TV

Quatro Caminhos para Fátima RTP2


Visões da fé
Trabalho de Rita Nunes abre ciclo de documentários com diferentes perspetivas sobre
o fenómeno de Fátima. Seguem-se Miguel Gonçalves Mendes, Inês Mendes Gil e Jorge Pelicano

Mesmo sem o entusiasmo do ano Em Fátima LDA, o realizador Miguel Gonçalves


passado, com a vinda do Papa Mendes questiona o fenómeno comercial,
Francisco a Portugal e a comemoração industrial e turístico em torno do santuário de
do Centenário das Aparições de Fátima, durante as comemorações dos 100 anos
Fátima, maio continua a ser sinónimo da aparição de Nossa Senhora de Fátima aos
de fé e devoção à Virgem Maria, num pastorinhos. O autor de José e Pilar e O Sentido
País de Estado laico e um povo maioritariamente da Vida acompanhou os preparativos da receção
cristão. O ciclo Quatro Caminhos para Fátima, ao Papa Francisco e o jornalista Paulo Moura
com início neste domingo, 13, vai passar quatro reflete sobre o fenómeno que tornou o Santuário
documentários de realizadores portugueses, de Fátima um centro religioso único. A relação
mostrando diferentes perspetivas sobre o do nome Fátima, atribuído a muitas mulheres
fenómeno de Fátima. A abrir, Aritmética da nascidas em maio, dá o mote ao documentário
Salvação, trabalho de Rita Nunes, que, sobre o de Inês Mendes Gil. Em Fátimas conhecemos
episódio, considera “ter-se tornado um mulheres que se sentem abençoadas e outras
fenómeno tão cristão como pagão”. Com constrangidas pela conotação religiosa que
20 anos de trabalho na publicidade, a cineasta incorporam. Mas são poucas as que sabem
lisboeta, que recentemente assinou a série Madre que afinal o seu nome não tem origem cristã.
Paula, partiu de um conjunto de entrevistas a A terminar, A Fé que Nos Salva, de Jorge
diferentes personalidades de áreas tão diversas Pelicano, regressa ao seio da família Mendes,
com a publicidade e a História para depois após o atropelamento mortal do filho mais
explicar, através de uma linguagem matemática, novo durante a peregrinação. Dois anos depois,
a relação dos crentes com a promessa. como lidam estes pais com a fé? S.C.

No
documentário
Fátimas, de
Inês Mendes Gil,
mulheres de
três gerações
diferentes
contam como
convivem com
o seu nome.
Poucas sabem
que afinal não
tem uma origem
cristã
D.R.


Estreia 13 mai, dom 23h15

10 MAIO 2018 VISÃO 125


E SCA PA R

D.R.
Hotel Rural Misarela Montalegre
Abençoado pela Natureza
Próximo da Ponte da Misarela, conhecida por ser “do diabo”, este hotel dos anos 50 foi reabilitado
sem perder as características que o tornaram um símbolo da arquitetura modernista

Isolado pela Os algoritmos colocaram a antiga do Parque Nacional da Peneda-Gerês, que aqui faz
vegetação, no pousada da Hidroelétrica do Cávado fronteira com a região do Barroso. A tranquilidade
limite do Parque no caminho de João Pinheiro. é absoluta e o conforto é a nota predominante nos
Nacional da Vagueava pela internet em busca de quartos e nas áreas comuns, com uma decoração
Peneda-Gerês, uma oportunidade para investir no informal e uma ou outra peça de família.
este hotel é turismo quando lhe apareceu este Os hóspedes são livres de agarrar um dos muitos
uma referência edifício de 1950 à venda, originalmente projetado livros da biblioteca e de se servirem de uma bebida
da arquitetura pelo arquiteto Januário Godinho para albergar os no bar (as contas são feitas no final). À frente da
modernista, técnicos envolvidos na construção de barragens lareira ou perto da piscina, terão oportunidade
ideal para quem
daquela zona. “No dia seguinte pus-me a de se perder nas leituras e descansar. O hotel tem
procura
caminho e, apesar de estar bastante degradado, ainda uma app com a indicação dos pontos de
o sossego
fiquei com uma ideia do que isto poderia ser”, interesse na região e sugestões de percursos.
conta o proprietário. O espaço, anteriormente O restaurante Ponte do Diabo, aberto a não
dividido em duas alas (uma para técnicos hóspedes, merece uma referência especial. “Tem
superiores, outra para quadros médios), foi uma carta atípica, com pratos da gastronomia
reabilitado pelo arquiteto Teotónio Santos, tradicional (ou de influência) portuguesa, sem
preservando ao máximo as características concessões na qualidade da confeção e dos
originais. Agora, e sem distinção de classes, todos ingredientes”, assegura João Pinheiro, que
os 13 quartos têm varanda com vista abençoada também dá um apoio na cozinha, não fosse ele
da montanha e do rio Rabagão. filho de uma professora de culinária. Galinha
Protegido pela copa das árvores, o Hotel Rural mourisca, alcatra açoriana, posta à transmontana,
Misarela, de quatro estrelas, passa despercebido a caril à goesa ou bacalhau à moda de Braga são
quem vai a caminho da Ponte do Diabo (segundo algumas das sugestões, sempre com sabores
a lenda, foi o próprio a construí-la), ou na direção irrepreensíveis. Joana Loureiro


R. da Pousada, 1, Ferral, Montalegre > T. 25 375 9010 > quarto duplo a partir de €80

126 VISÃO 10 MAIO 2018


O gosto dos outros

Vasco Coelho
Santos Adepto do Futebol Clube
Chef's Table 24 Kitchen As preferências do Porto, o chefe confessa
Vasco acredita que “uma das formas do chefe de cozinha, “vibrar bastante com as vitórias
e conquistas do clube”
de evoluir é conhecer o trabalho
dos outros”, e esta série documental
responsável pelos
norte-americana, exibida na Netflix, restaurantes
“é ótima para descobrir o percurso e Euskalduna Studio
as motivações de outros chefes”, diz.
e pelo novo Semea,
que abre, no fim de
maio, na Rua das
Flores, no Porto
F L O R B E L A A L V E S falves@visao.pt

Japão
A viagem que fez a este país asiático,

“The Family Meal”, em 2016, antes de abrir o Euskalduna


Studio, no Porto, foi a que mais o

Ferran Adrià marcou. “Sou um apaixonado pela


cultura e gastronomia japonesas. Uma
das memórias que guardo foi a de ter
“O El Bulli fez parte do meu percurso e
conhecido o mestre artesão [Shosui]
influenciou muito a minha cozinha”, diz
Takeda e de ter trazido uma faca feita
acerca do restaurante do chefe catalão,
por ele”, conta.
encerrado em 2011, mas considerado,
por várias vezes, o melhor do mundo.
Este livro, inclui algumas receitas que
Vasco conhece bem.

Três Bairros
Vasco conta ter descoberto a música
“O rabo de boi é um prato do grupo Três Bairros durante um
de infância, que me lembra os jantar na Taberna Ó Balcão, em
momentos na cozinha da minha Santarém, onde atuava o trio composto
avó”, recorda. Daí que no seu por Guilherme Madeira, João Correia e
Euskalduna faça questão de servir Ricardo Gama, cujo álbum de estreia se
uma interpretação deste prato chama O Turno da Noite.

10 MAIO 2018 VISÃO 127


JOGOS

Palavras cruzadas O S T E R M O S - C H AV E D A AT U A L I D A D E

>> HORIZONTAIS >> 1. Larva da mosca varejeira. Adolescente em (…) terminal tem
recuperação “milagrosa” depois de a mãe lhe dar canábis às escondidas – em 2013,
Deryn Blackwell, 14 anos, tinha apenas dias de vida, segundo os médicos – diagnosticado
com dois tipos de cancro, o adolescente contava as horas até à próxima dose de morfina.
// 2. Vereador. Acafelou. // 3. Tipo de memória mais usada nos computadores. O m. q.
raridade. // 4. Género de plantas a que pertencem a erva-moura, a batateira, o tabaco,
etc. // 5. Muito oiro. Som imitativo do da campainha. // 6. Emprega-se para excitar ou
animar (interj.). Cargo, função ou dignidade de deão. // 7. “O grande erro do século XX foi
acharmos que o amor era só um sentimento, que vai e vem – na realidade, é um ato de
vontade e inteligência” – entrevista ao psiquiatra e (…) espanhol Enrique Rojas, o homem
do momento em Espanha. Extraterrestre (abrev.). // 8. Ecoo. Nome de duas espécies
de cotovias. Vende a crédito. // 9. Cultivador. Ave pernalta africana. // 10. Letra do alfabeto
arábico. Cerimónia pública e solene (pl.). // 11. Contr. do pron. pess. compl. lhe com o pron.
pess. compl. ou pron. dem. a. Violino fabricado em Cremona (Itália). >> VERTICAIS >>
1. Os melhores locais para voltar à costa antes do (…) – a VISÃO percorreu o País à
beira-mar para, do Sotavento Algarvio ao Alto Minho, descobrir os melhores sítios para
regressar ao Litoral antes das enchentes estivais. Conjunto das pessoas mais cultas.
// 2. Sufixo de filiação, descendência. Tenho a natureza de. // 3. Órgão excretor que
tem a função de formação da urina. Paulo Paiva dos Santos, fundador da farmacêutica
portuguesa Generis, vai promover uma campanha de (…) de fundos para manter de pé a
colónia balnear d’O Século – o objetivo é levar 640 crianças à praia e angariar mais 100
mil euros para a obra social da Fundação. // 4. Artigo antigo. Brotar. Basta. // 5. Referente
aos Gregos modernos. // 6. Causa inquietação. Extrair. // 7. Altar cristão. Cidade capital do
Catar. A ti. // 8. Ranger os dentes. Grau de abaixamento ou elevação de voz. // 9. Planta
anual da família das compostas. Pequeno instrumento de madeira roliço com que se fia.
// 10. Ecoa. Representação abstrata e geral de um objeto ou relação. // 11. A minha pessoa.
Terra que se amontoa em volta das árvores. Contr. da prep. de com o art. def. a.

>> Q U I Z >> 1. A. // 2. A // 3. B // 4. C // 5. C // 6. B // 7. B // 8. A // 9. A // 10. C


SOLUÇÕES

// 4. El, Sair, Tá. // 5. Romaico, // 6. Abala, Tirar. // 7. Ara, Doa, Te. // 8. Frender, Tom. // 9. Arzola, Fuso. // 10. Soa, Ideia. // 11. Eu, Amota, Da.
// 8. Soo, Cia, Fia. // 9. Cultor, Tua. // 10. Hã, Atos. // 11. Lha, Cremona. >> VERTICAIS >>1. Verão, Escol. // 2. Ada, Sou. // 3. Rim, Recolha.
>> HORIZONTAIS >>1. Vareja, Fase. // 2. Edil, Barrou. // 3. RAM, Rareza. // 4. Solano. // 5. Oirama, Dlim. // 6. Eia, Deado. // 7. Escritor, Et.

Sudoku DIFÍCIL Quiz


POR PEDRO DIAS DE ALMEIDA

1. Que futebolista está no centro 6. Onde nasceu a fadista


da ação do filme Ruth, Gisela João?
a longa-metragem de estreia A. Esposende
de António Pinhão Botelho? B. Barcelos
A. Eusébio C. Alfândega da Fé
B. Chalana
C. Garrincha 7. Como se chama o novo disco
de Carolina Deslandes?
2. Ikaruga é... A. Lar
A. Um videojogo B. Casa
B. Um modelo de automóvel C. Quarto
C. Um prato japonês
8. Em que ano foi inaugurada a
3. Em que concelho fica Estação Ferroviária de Lisboa-Santa
a Praia da Ursa? Apolónia?
A. Peniche A. 1865
B. Sintra B. 1891
C. Nazaré C. 1911
4. Em que ano aconteceu 9. Onde se pode visitar
a primeira edição do Festival Rock o Rijksmuseum?
in Rio, em Lisboa? A. Amesterdão
A. 1998 B. Viena
B. 2001 C. Berlim
C. 2004
10. Em quantos países vai decorrer
5. Qual destas cidades não é Capital o Campeonato Europeu de Futebol
Europeia da Cultura, em 2018? em 2020?
A. Leeuwarden A. 3
DÊ-NOS NOTÍCIAS > T.21 469 8101 > T. 22 043 7025 B. La Valetta B. 8
> VISAOSE7E@VISAO.PT C. Essen C. 13

128 VISÃO 10 MAIO 2018


Proprietária/Editora: TRUST IN NEWS, UNIPESSOAL LDA.
Sede: Rua Rodrigo Reinel, 9, 1.º - Esq. 1400-319 Lisboa.
NIPC: 514674520.
Gerência da TRUST IN NEWS: Luís Delgado,
Filipe Passadouro e Cláudia Serra Campos.
Composição do Capital da Entidade Proprietária: 10.000,00 euros,
Principal acionista: Luís Delgado (100%)
Publisher: Mafalda Anjos
PURESSENTIAL
Sono & Relaxamento

Constituída por três produtos diferentes,


Diretora: Mafalda Anjos o objectivo desta gama é proporcionar
Diretor-Executivo: Rui Tavares Guedes relaxamento de dia e de noite. Durante o dia
Subdiretora: Sara Belo Luís
Editores-Executivos: Catarina Guerreiro e Filipe Luís acalma o stress e tranquiliza e durante a noite
Gabinete Editorial: José Carlos de Vasconcelos (Coordenador) promove noites de sono calmas e repousantes.
EXAME/Economia: Tiago Freire (diretor) A eficácia está comprovada: após a aplicação dos
Editores: Alexandra Correia (Sociedade), Filipe Fialho (Mundo), Inês Belo produtos verificam-se melhorias significativas
(VISÃO Se7e), João Carlos Mendes (Grafismo), Manuel Barros Moura (visao.pt)
e Pedro Dias de Almeida (Cultura) na qualidade e na duração do sono. Os produtos,
Redatores Principais e Grandes Repórteres: Cláudia Lobo, José Plácido por não conterem substâncias quimicas, não
Júnior, Miguel Carvalho, Patrícia Fonseca e Rosa Ruela provocam efeitos secundários nem sintomas de
Redação: André Moreira, Carmo Lico (online), Cesaltina Pinto, Clara Cardoso, abstinência observados após parar o tratamento.
Clara Soares, Clara Teixeira, Florbela Alves (Coordenadora VISÃO Se7e/Porto),
Joana Loureiro, José Pedro Mozos, Luísa Oliveira, Luís Ribeiro (Coordenador
Sociedade), Margarida Vaqueiro Lopes, Nuno Aguiar, Paulo C. Santos, Paulo Zacarias
Gomes, Rosário Mello e Castro (Coordenadora VISÃO Sete),
Rui Antunes, Sandra Pinto, Sara Rodrigues, Sara Santos (redes sociais), Sara Sá, ELIZABETH ARDEN Green Tea Fig
Sílvia Caneco, Sílvia Souto Cunha, Sónia Calheiros, Susana Lopes Faustino, Susana
Silva Oliveira, Teresa Campos (Coordenadora Radar) e Vânia Maia
Grafismo: Paulo Reis (Editor adjunto), Teresa Sengo (Coordenadora), Elizabeth Arden apresenta Green Tea Fig, uma
Ana Rita Rosa, Edgar Antunes, Hugo Filipe e Patrícia Pereira
Infografia: Álvaro Rosendo e Manuela Tomé
fragrância refrescante que a transporta para uma
Fotografia: Fernando Negreira (Coordenador), Diana Tinoco, paisagem campestre num ambiente estival e alegre.
José Carlos Carvalho, Lucília Monteiro, Luís Barra e Marcos Borga Inspirado na figueira, símbolo de paz e prosperidade,
Copydesk: Rui Carvalho Green Tea Fig realça qualquer visual de forma simples,
Secretariado: Sofia Vicente (Direção), Teresa Rodrigues (Coordenadora),
Ana Paula Figueiredo e Luís Pinto
doce e encantadora. As notas de topo de Folhas de
Colunistas: Adolfo Mesquita Nunes, António Lobo Antunes, Capicua, Figo e Hera associam-se a nuances cítricas para
Germano Silva, Isabel Moreira, João Semedo, José Eduardo Martins, Paul Krugman, elevar o seu espírito. Maravilhoso, o Acorde de Chá
Pedro Norton, Ricardo Araújo Pereira, Rita Rato e Thomas Piketty Verde e o Figo Pingo de Mel (ou Kadota) envolvem-
Colaboradores Texto: Manuel Gonçalves da Silva, Manuel Halpern, Miguel Judas
na num ambiente tranquilo; uma oportunidade para
Ilustração: João Fazenda (Boca do Inferno), Susa Monteiro (António Lobo Antunes)
Centro de Documentação: Gesco esquecer todos os seus problemas com as notas finais
Redação, Administração e Serviços Comerciais: Rua Calvet de Magalhães, reconfortantes de Almíscares e Salva Esclareia.
nº 242, 2770-022 Paço de Arcos – Tel.: 214 698 000 Fax: 214 698 500
Delegação Norte: Rua Conselheiro Costa Braga nº 502 – 4450-102 MATOSINHOS
Telefone – 220 993 810

SAMSONITE
Marketing: Marta Silva Carvalho (diretora) e Teresa Gomes (gestora de marca)
Publicidade: Directora Comercial – Vânia Delgado – vdelgado@trustinnews.pt
Directora Coordenadora Publicidade – Maria João Costa – mjcosta@trustinnews.pt Almond Blossom
Gestora de Marca – Ana Ribas – aribas@trustinnews.pt
Gestor de Marca – José Carolino – jcarolino@trustinnews.pt
Gestora de Marca – Mariana Jesus – mjesus@trustinnews.pt Samsonite em colaboração com Van Gogh Museum
Assistente Comercial – Elisabete Anacleto – eanacleto@trustinnews.pt cria uma coleção cápsula em tribute ao grande artista
Assistente Comercial – Florbela Figueiras – ffigueiras@trustinnews.pt e à sua obra Almond Blossom. Com a obra-prima do
Delegação Porto: Gestora marca – Margarida Vasconcelos artista holandês Vincent van Gogh, Almond Blossom,
– mvasconcelos@trustinnews.pt
Assistente Comercial – Rita Gencsi – rgencsi@trustinnews.pt como inspiração, a Samsonite capta lindamente a
Telf. Lisboa – 21 469 80 00 – Telf. Porto – 220 990 052 beleza poética da flor numa coleção exclusiva de malas
Branded Content: Directora – Rita Ibérico Nogueira – rnogueira@trustinnews.pt e mochilas. A coleção reinterpreta três das gamas mais
Produção, circulação e assinaturas: Vasco Fernandez (Diretor), leves da Samsonite, adicionando a frescura de uma
Nuno Carvalho, Nuno Gonçalves, Pedro Guilhermino e Paulo Duarte (Produtores).
Helena Matoso (Coordenadora de assinaturas). das obras de renome mundial de Vincent van Gogh.
Serviço de apoio ao assinante. Tel.: 21 870 50 50 (Dias úteis das 9h às 19h) De malas a elegantes mochilas para senhora,
Impressão: Lisgráfica – Casal de Sta. Leopoldina – 2745 Queluz de Baixo. a edição limitada Almond Blossom oferece
Distribuição: VASP MLP, Media Logistics Park, Quinta do Grajal. Venda Seca, uma solução de viagem para todas as mulheres
2739-511 Agualva-Cacém Tel.: 214 337 000.
Pontos de Venda: contactcenter@vasp.pt – Tel.: 808 206 545, Fax: 808 206 133
contemporâneas que gostam de moda.
Tiragem média: 76 100 exemplares
Registo na ERC com o nº 112 348
Depósito Legal nº 127961/98 – ISSN nº 0872-3540
Estatuto editorial disponível em www.visao.pt
COACH FLORAL
A nova fragrância feminina floral
A Trust in News não é responsável pelo conteúdo dos anúncios
nem pela exatidão das características e propriedade dos produtos
e/ou bens anunciados.
A respetiva veracidade e conformidade com a realidade, são da integral A inspiração na origem de Coach Floral é o aplique em
e exclusiva responsabilidade dos anunciantes e agências ou empresas forma de flor “Tea Rose”, uma assinatura da marca que
publicitárias. Interdita a reprodução, mesmo parcial de textos,
fotografias ou ilustrações sob qualquer meios, e para quaisquer reencontramos nas malas em pele e outros acessórios.
fins, inclusive comerciais.
Celebração da criatividade e do trabalho artesanal de
Coach, este elemento de design feminino apareceu
pela primeira vez no desfile da coleção Primavera 2016,
e tem evoluído continuamente de forma inovadora.

Coach Floral Eau de Parfum 90 ml – Pvpr 100 ¤


ASSINATURAS Coach Floral Eau de Parfum 50 ml – Pvpr 78 ¤
Ligue já Coach Floral Eau de Parfum 50 ml – Pvpr 46 ¤
21 870 50 50
Dias úteis – 9h às 19h
BOCA DO INFERNO

Só falta a mãe
POR RICARDO ARAÚJO PEREIRA

T
enho estado a reflectir e, pouco a pouco, rancor. Nem a direita dos lacticínios.) Mas, não sei
começo a desconfiar que o meu filho Ze- porquê, começo a ter dúvidas. Por isso, decidi dar
zinho, que conheço vagamente, talvez seja o exemplo e, com muita frontalidade, declarar aqui
um bocadinho aldrabão. Durante muito que, ao contrário do que se diz por aí, ele talvez não
tempo acreditei na teoria segundo a qual seja flor que se cheire. Sei que vou contra a corrente,
ele vivia muito acima dos seus rendi- mas este é o momento de ser corajosa.
mentos por eu ser milionária. Eu não me E tenho vergonha, claro. Muita vergonha. Ontem
lembrava de ser milionária, mas a partir encontrei o Carlos César e o João Galamba, e orga-
de uma certa idade é normal as pessoas nizámos mesmo um mini-campeonato de vergonha.
esquecerem-se de pequenas coisas. Além Foi muito renhido, mas ganhou o João Galamba. Ele
disso, ele tinha muito, muito talento para mentir. estava com uma vergonha imbatível. Níveis extre-
Era quase impossível suspeitar da integridade dele. mamente elevados de vergonha. O Carlos César
Tirando a informação errada na biografia do Parla- obteve um honroso segundo lugar. Mas nessa altura
mento, a trapalhada da licenciatura, a pressão para eu fiquei com vergonha de ficar em último naquele
que não se falasse na trapalhada da licenciatura, as torneio de vergonha e esse suplemento de vergonha
suspeitas do caso Freeport, a tentativa de comprar por não ter suficiente vergonha, curiosamente, ca-
os meios de comunicação que divulgaram as sus- tapultou-me para primeiro lugar. O meu filho, neste
peitas do caso Freeport, o processo Cova da Beira, o momento, parece ser o único que não tem vergonha.
processo Face Oculta e mais 10 ou 20 casos, ele era Mas acredito que já tenha pedido dinheiro empres-
absolutamente insuspeito de ser mentiroso. tado para ir comprar. visao@visao.pt
Enganou-me bem, o pirata. Recordo com saudade
a criança adorável que ele era, e os natais em que lhe
perguntávamos: “Que presente gostarias de rece-
ber, Zezinho?” E ele, muito inocente: “Fotocópias.”
Quem poderia prever este desfecho? A explicação
dele era tão simples e plausível: tudo isto começou
por ser uma campanha negra da direita política.
Depois, uma perseguição da justiça ao serviço da
direita política. A seguir, uma canalhice da imprensa,
instrumentalizada pela justiça, ao serviço da direita
política. E agora, uma cedência do PS à canalhice da
imprensa, instrumentalizada pela justiça, ao serviço
da direita política. (O meu filho diz sempre “a direita
política”, porque é só essa direita que o persegue.
A direita futebolística, por exemplo, não lhe guarda

Tenho estado a reflectir


e, pouco a pouco, começo
ILUSTRAÇÃO: JOÃO FAZENDA

a desconfiar que o meu


filho Zezinho, que conheço
vagamente, talvez seja um
bocadinho aldrabão

130 VISÃO 10 MAIO 2018