Você está na página 1de 105

ESPECIALIZAÇÃO EM PROCESSO CIVIL E

GESTÃO DO PROCESSO

Disciplina: Fundamentos e Aplicação das Normas


Processuais
Professor: Nilsiton Aragão
CONSTITUCIONALIZAÇÃO DO PROCESSO

 Devido processo legal  Primazia da tutela de mérito


 Contraditório e ampla defesa  Efetividade processual
 Inércia e impulso oficial  Publicidade processual
 Inafastabilidade da jurisdição  Adequação
 Solução consensual de conflitos  Autonomia da vontade
 Boa-fé processual  Postulado interpretativo
 Isonomia processual  Respeito à ordem cronológica
 Postulado interpretativo
 Cooperação
 Duração razoável do processo

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


CONSTITUCIONALIZAÇÃO
DO PROCESSO
CONSTITUCIONALIZAÇÃO DO PROCESSO

 Direito Processual Constitucional

Novo CPC, Art. 1º - O processo civil será ordenado,


disciplinado e interpretado conforme os valores e as
normas fundamentais estabelecidos na Constituição
da República Federativa do Brasil, observando-se as
disposições deste Código.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


CONSTITUCIONALIZAÇÃO DO PROCESSO

PARTE GERAL

LIVRO I
DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS

TÍTULO ÚNICO
DAS NORMAS FUNDAMENTAIS
E DA APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


CONSTITUCIONALIZAÇÃO DO PROCESSO

 Normas jurídicas
 Regras
 princípios

 FPPC – Enunciado nº 370. (arts. 1º a 12) Norma


processual fundamental pode ser regra ou princípio.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


CONSTITUCIONALIZAÇÃO DO PROCESSO

 Instrumento da Dignidade Humana


 CF/88, Art. 1º - A República Federativa do Brasil,
formada pela união indissolúvel dos Estados e
Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em
Estado Democrático de Direito e tem como
fundamentos:
III - a dignidade da pessoa humana;
 Novo CPC, Art. 8º - Ao aplicar o ordenamento
jurídico, o juiz atenderá aos fins sociais e às exigências
do bem comum, resguardando e promovendo a
dignidade da pessoa humana e observando a
proporcionalidade, a razoabilidade, a legalidade, a
publicidade e a eficiência.
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
Constitucionalização do Processo

 Rol meramente exemplificativo

FPPC – Enunciado nº 369. (arts. 1º a 12) O rol de


normas fundamentais previsto no Capítulo I do Título
Único do Livro I da Parte Geral do CPC não é exaustivo.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


DEVIDO PROCESSO LEGAL
DEVIDO PROCESSO LEGAL

 Supraprincípio ou Princípio estruturante

CF/88, art. 5º LIV - ninguém será privado da


liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal;

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


DEVIDO PROCESSO LEGAL

Isonomia Contraditório

Efetividade Etc.

Boa-fé Publicidade

Duração
razoável

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


DEVIDO PROCESSO LEGAL

Art. 26. A cooperação jurídica internacional será


regida por tratado de que o Brasil faz parte e
observará:
I - o respeito às garantias do devido processo legal no
Estado requerente;

 Art. 36. O procedimento da carta rogatória perante


o Superior Tribunal de Justiça é de jurisdição
contenciosa e deve assegurar às partes as garantias do
devido processo legal.
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
DEVIDO PROCESSO LEGAL

Dimensões

Formal

Material

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


POSTULADO
INTERPRETATIVO
POSTULADO INTERPRETATIVO

Novo CPC, Art. 8º - Ao aplicar o ordenamento


jurídico, o juiz atenderá aos fins sociais e às exigências
do bem comum, resguardando e promovendo a
dignidade da pessoa humana e observando a
proporcionalidade, a razoabilidade, a legalidade, a
publicidade e a eficiência.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


POSTULADO INTERPRETATIVO

FPPC – Enunciado nº 380. (arts. 8º, 926, 927) A


expressão “ordenamento jurídico”, empregada pelo
Código de Processo Civil, contempla os precedentes
vinculantes.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


CONTRADITÓRIO E
AMPLA DEFESA
CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA

CF/88, art. 5º, LV - aos litigantes, em processo


judicial ou administrativo, e aos acusados em geral
são assegurados o contraditório e ampla defesa, com
os meios e recursos a ela inerentes;

Novo CPC, Art. 7º - É assegurada às partes paridade


de tratamento em relação ao exercício de direitos e
faculdades processuais, aos meios de defesa, aos ônus,
aos deveres e à aplicação de sanções processuais,
competindo ao juiz zelar pelo efetivo contraditório

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA

Dimensões

Formal

Substancial

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA

 Quanto à exigência:
 Efetiva manifestação
 Possibilidade de manifestação

 Quanto ao momento:
 Prévia
 Diferido

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA

• Quanto ao momento
 Sistemático
 Eventual

• Quanto à decisão
 Surpresa
 dialogada

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA

Novo CPC, Art. 9º Não se proferirá decisão contra


uma das partes sem que ela seja previamente ouvida.
Parágrafo único. O disposto no caput não se aplica:
I - à tutela provisória de urgência;
II - às hipóteses de tutela da evidência previstas no
art. 311, incisos II e III;
III - à decisão prevista no art. 701.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA

• Decisão favorável sem contraditório

• Releitura dos brocardos:


 Iura novit curia
 da mihi factum dabo tibi jus

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


BOA-FÉ PROCESSUAL
BOA-FÉ PROCESSUAL

Novo CPC, Art. 5º Aquele que de qualquer forma


participa do processo deve comportar-se de acordo
com a boa-fé.

FPPC – Enunciado nº 374. (art. 5º) O art. 5º prevê


a boa-fé objetiva.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


BOA-FÉ PROCESSUAL

• Destinatários:
 partes
 terceiros
 auxiliares da justiça
 magistrados

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


BOA-FÉ PROCESSUAL

 Deveres das partes, de seus procuradores e de todos


aqueles que de qualquer forma participem do processo
(art. 77)
 Litigância de má-fé (arts. 80 e 81)
 Pleito de gratuidade da justiça de má-fé (art. 100)
 Cotas marginais ou interlineares (art. 202)
 Não devolução de autos em carga (art. 234, § 2º)
 Alegação dolosa de cabimento de citação por edital
(art. 258)
 Perito que não cumprir o encargo (art. 468, § 1º)

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


BOA-FÉ PROCESSUAL

 Descumprimento dos deveres do inventariante (art. 625)


 Proposição indevida de ação ou embargos à monitória
(art. 702, §§ 10 e 11)
 Arrependimento de arrematação em leilão judicial (art.
896, § 2º)
 Inadmissibilidade ou improcedente da ação rescisória
(art. 968)
 Agravo interno manifestamente inadmissível ou
improcedente (art. 1.021, § 4º)
 Embargos de declaração manifestamente protelatórios
(art. 1.026, § 2º)

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


BOA-FÉ PROCESSUAL

Ato atentatório à dignidade da justiça

 Execução (art. 774, Parágrafo único)

 Não comparecimento injustificado do autor ou do


réu à audiência de conciliação (art. 334, § 8º)

 Deveres das partes (art. 77, §§ 1º e 2º)

 Depositário infiel (art. 161, Parágrafo único)


Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
BOA-FÉ PROCESSUAL

FPPC – Enunciado nº 375. (art. 5º) O órgão


jurisdicional também deve comportar-se de acordo
com a boa-fé objetiva.

FPPC – Enunciado nº 376. (art. 5º) A vedação do


comportamento contraditório aplica-se ao órgão
jurisdicional.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


BOA-FÉ PROCESSUAL

FPPC – Enunciado nº 377. (art. 5º) A boa-fé


objetiva impede que o julgador profira, sem motivar a
alteração, decisões diferentes sobre uma mesma
questão de direito aplicável às situações de fato
análogas, ainda que em processos distintos.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


BOA-FÉ PROCESSUAL

FPPC – Enunciado nº 378. (arts. 5º, 6º, 322, §2º, e


489, §3º) A boa fé processual orienta a interpretação
da postulação e da sentença, permite a reprimenda do
abuso de direito processual e das condutas dolosas de
todos os sujeitos processuais e veda seus
comportamentos contraditórios.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


COOPERAÇÃO
COOPERAÇÃO

Novo CPC, Art. 6º Todos os sujeitos do processo


devem cooperar entre si para que se obtenha, em
tempo razoável, decisão de mérito justa e efetiva.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


COOPERAÇÃO

Cooperação

Contraditório Boa-fé

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


COOPERAÇÃO

PARTES

boa-fé Proteção Esclarecimento disponibilidade

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


COOPERAÇÃO

MAGISTRADO

dever de
Esclarecimento Prevenção
consulta

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


COOPERAÇÃO

 Dever de prevenção

Novo CPC, Art. 77, § 1o Nas hipóteses dos incisos IV


e VI, o juiz advertirá qualquer das pessoas
mencionadas no caput de que sua conduta poderá ser
punida como ato atentatório à dignidade da justiça

Novo CPC, Art. 772 - O juiz pode, em qualquer


momento do processo:
II - advertir o executado de que seu procedimento
constitui ato atentatório à dignidade da justiça;
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
COOPERAÇÃO

 Dever de consulta

Novo CPC, Art. 10. O juiz não pode decidir, em


grau algum de jurisdição, com base em fundamento a
respeito do qual não se tenha dado às partes
oportunidade de se manifestar, ainda que se trate de
matéria sobre a qual deva decidir de ofício.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


COOPERAÇÃO

 Dever de consulta

Novo CPC, Art. 493. Se, depois da propositura da


ação, algum fato constitutivo, modificativo ou
extintivo do direito influir no julgamento do mérito,
caberá ao juiz tomá-lo em consideração, de ofício ou
a requerimento da parte, no momento de proferir a
decisão.
Parágrafo único. Se constatar de ofício o fato
novo, o juiz ouvirá as partes sobre ele antes de
decidir.
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
COOPERAÇÃO

FPPC – Enunciado nº 381. (arts. 9º, 350, 351 e


307, parágrafo único) É cabível réplica no
procedimento de tutela cautelar requerida em caráter
antecedente.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


FUNDAMENTAÇÃO
DAS DECISÕES
FUNDAMENTAÇÃO DAS DECISÕES

CF/88, Art. 93. Lei complementar, de iniciativa do


Supremo Tribunal Federal, disporá sobre o Estatuto
da Magistratura, observados os seguintes princípios:
IX - todos os julgamentos dos órgãos do Poder
Judiciário serão públicos, e fundamentadas todas as
decisões, sob pena de nulidade, podendo a lei limitar
a presença, em determinados atos, às próprias partes
e a seus advogados, ou somente a estes, em casos nos
quais a preservação do direito à intimidade do
interessado no sigilo não prejudique o interesse
público à informação;
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
FUNDAMENTAÇÃO DAS DECISÕES
Art. 489, § 1o Não se considera fundamentada qualquer decisão
judicial, seja ela interlocutória, sentença ou acórdão, que:
I - se limitar à indicação, à reprodução ou à paráfrase de ato normativo,
sem explicar sua relação com a causa ou a questão decidida;
II - empregar conceitos jurídicos indeterminados, sem explicar o motivo
concreto de sua incidência no caso;
III - invocar motivos que se prestariam a justificar qualquer outra
decisão;
IV - não enfrentar todos os argumentos deduzidos no processo capazes
de, em tese, infirmar a conclusão adotada pelo julgador;
V - se limitar a invocar precedente ou enunciado de súmula, sem
identificar seus fundamentos determinantes nem demonstrar que o caso
sob julgamento se ajusta àqueles fundamentos;
VI - deixar de seguir enunciado de súmula, jurisprudência ou precedente
invocado pela parte, sem demonstrar a existência de distinção no caso
em julgamento ou a superação do entendimento.
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
FUNDAMENTAÇÃO DAS DECISÕES

• Destinatário:
 Partes
 Sociedade
 Poder Judiciário

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


INÉRCIA E
IMPULSO OFICIAL
INÉRCIA E IMPULSO OFICIAL

Novo CPC, Art. 2º O processo começa por iniciativa


da parte e se desenvolve por impulso oficial, salvo as
exceções previstas em lei.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


INAFASTABILIDADE
DA JURISDIÇÃO
INAFASTABILIDADE DA JURISDIÇÃO

CF/88, art. 5º, XXXV - a lei não excluirá da


apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a
direito;

Novo CPC, Art. 3º - Não se excluirá da apreciação


jurisdicional ameaça ou lesão a direito.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


DURAÇÃO RAZOÁVEL
DO PROCESSO
DURAÇÃO RAZOÁVEL DO PROCESSO

PACTO INTERNACIONAL SOBRE DIREITOS


CIVIS E POLÍTICOS 1966. - Decreto nº 592/92

Art. 14, 3. Toda pessoa acusada de um delito terá


direito, em plena igualmente, a, pelo menos, as
seguintes garantias:
c) De ser julgado sem dilações indevidas;

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


DURAÇÃO RAZOÁVEL DO PROCESSO

Convenção Americana sobre Direitos


Humanos (Pacto de São José da Costa Rica) de
1969 - Decreto nº 678/92
Artigo 8º - Garantias judiciais
1. Toda pessoa terá o direito de ser ouvida, com as
devidas garantias e dentro de um prazo razoável, por
um juiz ou Tribunal competente, independente e
imparcial, estabelecido anteriormente por lei, na
apuração de qualquer acusação penal formulada
contra ela, ou na determinação de seus direitos e
obrigações de caráter civil, trabalhista, fiscal ou de
qualquer outra natureza.
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
DURAÇÃO RAZOÁVEL DO PROCESSO

CF/88, art. 5º, LXXVIII a todos, no âmbito judicial e


administrativo, são assegurados a razoável duração
do processo e os meios que garantam a celeridade de
sua tramitação.

 Princípio da celeridade?

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


DURAÇÃO RAZOÁVEL DO PROCESSO

 Respeito à ordem cronológica dos processos (art.


12)
 Contagem de prazos em dias úteis (arts. 212)
 Unificação de prazos recursais (art. 1.003, § 5º)
 Técnica de julgamento de apelações não unânimes
(art. 942)
 Proibição de decisão surpresa (art. 10)

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


DURAÇÃO RAZOÁVEL DO PROCESSO

Novo CPC, Art. 4º As partes têm o direito de


obter em prazo razoável a solução integral do
mérito, incluída a atividade satisfativa.

Novo CPC, Art. 139. O juiz dirigirá o processo


conforme as disposições deste Código, incumbindo-
lhe:
II - velar pela duração razoável do processo;

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


DURAÇÃO RAZOÁVEL DO PROCESSO

 Calendário processual (art. 191)


 Peça de defesa única (art. 336)
 Cooperação nacional (arts. 67/69)
 Fortalecimentos das execuções
 Precedentes vinculantes (arts. 926/928)
 Admissibilidade única no juízo a quem (art. 1.010)
 Restrição do agravo de instrumento (art. 1.025)

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


DURAÇÃO RAZOÁVEL DO PROCESSO

 Representação por excesso de prazo Art. 235.


 Mandado de segurança
 Responsabilidade civil do Estado
 Critério de promoção – art. 93, II, “e”, CF/88

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


DURAÇÃO RAZOÁVEL DO PROCESSO

 Corte Europeia dos Direitos do Homem:


 Complexidade da causa
 Comportamento das partes e dos procuradores
 Atuação do órgão jurisdicional

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


PRIMAZIA DA
TUTELA DE MÉRITO
PRIMAZIA DA TUTELA DE MÉRITO

Novo CPC, Art. 4º As partes têm o direito de obter


em prazo razoável a solução integral do mérito,
incluída a atividade satisfativa.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


PRIMAZIA DA TUTELA DE MÉRITO

Novo CPC, Art. 139. O juiz dirigirá o processo


conforme as disposições deste Código, incumbindo-
lhe:
IX - determinar o suprimento de pressupostos
processuais e o saneamento de outros vícios
processuais;

Novo CPC, Art. 317. Antes de proferir decisão sem


resolução de mérito, o juiz deverá conceder à parte
oportunidade para, se possível, corrigir o vício.
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
PRIMAZIA DA TUTELA DE MÉRITO

Novo CPC, Art. 488. Desde que possível, o juiz


resolverá o mérito sempre que a decisão for favorável à
parte a quem aproveitaria eventual pronunciamento
nos termos do art. 485.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


PRIMAZIA DA TUTELA DE MÉRITO

Novo CPC, Art. 932. Parágrafo único. Antes de


considerar inadmissível o recurso, o relator concederá
o prazo de 5 (cinco) dias ao recorrente para que seja
sanado vício ou complementada a documentação
exigível.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


PRIMAZIA DA TUTELA DE MÉRITO

Art. 1.029, § 3o O Supremo Tribunal Federal ou o


Superior Tribunal de Justiça poderá desconsiderar
vício formal de recurso tempestivo ou determinar sua
correção, desde que não o repute grave.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


PRIMAZIA DA TUTELA DE MÉRITO

FPPC – Enunciado nº 372. (art. 4º) O art. 4º tem


aplicação em todas as fases e em todos os tipos de
procedimento, inclusive em incidentes processuais e
na instância recursal, impondo ao órgão jurisdicional
viabilizar o saneamento de vícios para examinar o
mérito, sempre que seja possível a sua correção.
(Grupo: Normas fundamentais)

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


PRIMAZIA DA TUTELA DE MÉRITO

 Correção da capacidade processual (art. 76)


 Restrição a nulidade do ato (art. 282, § 2º)
 Emenda à inicial (art. 321)
 Efeito regressivo das decisões terminativas (art.
485, § 7º)

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


EFETIVIDADE PROCESSUAL
EFETIVIDADE PROCESSUAL

Art. 139. O juiz dirigirá o processo conforme as


disposições deste Código, incumbindo-lhe:
VI - dilatar os prazos processuais e alterar a ordem de
produção dos meios de prova, adequando-os às
necessidades do conflito de modo a conferir maior
efetividade à tutela do direito;

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


SOLUÇÃO CONSENSUAL
DE CONFLITOS
SOLUÇÃO CONSENSUAL DE CONFLITOS

 Resolução Nº 125 de 29/11/2010


 Política Judiciária Nacional de tratamento
adequado dos conflitos de interesses no âmbito
do Poder Judiciário.

• Lei nº 13.140 de 26/06/2015.


 Mediação entre particulares como meio de
solução de controvérsias e sobre a
autocomposição de conflitos no âmbito da
administração pública

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


SOLUÇÃO CONSENSUAL DE CONFLITOS

Novo CPC, Art. 3º ...


§ 2º O Estado promoverá, sempre que possível, a
solução consensual dos conflitos.
§ 3º A conciliação, a mediação e outros métodos de
solução consensual de conflitos deverão ser
estimulados por juízes, advogados, defensores
públicos e membros do Ministério Público, inclusive
no curso do processo judicial.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


SOLUÇÃO CONSENSUAL DE CONFLITOS

 Certificação de autocomposição por oficial de justiça


(art. 154, VI).
 Disciplinamento dos Conciliadores e Mediadores
Judiciais (Art. 165 e ss).
 audiência de conciliação ou de mediação (art. 334).
 Tentativa de conciliação no início da audiência de
instrução e julgamento (art. 359).
 Produção antecipada de prova para viabilizar a
autocomposição (art. 381, II).

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


SOLUÇÃO CONSENSUAL DE CONFLITOS

 Homologação de atucomposições (art. 515, II e III)


 Máxima priorização da solução consensual nas ações
de família (art. 694)
 Homologação de autocomposição no s tribunais (art.
932, I)

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


SOLUÇÃO CONSENSUAL DE CONFLITOS

FPPC – Enunciado nº 371. (arts. 3o, §3º, e 165). Os


métodos de solução consensual de conflitos devem ser
estimulados também nas instâncias recursais.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


AUTONOMIA DA VONTADE
AUTONOMIA DA VONTADE

 Manifestação da autonomia
 Arbitragem (art. 3º, § 1º)
 Delimitação da demanda (art. 141 e 490)
 Audiência de conciliação e mediação (art. 334)
 Homologação de autocomposição (art. 515, II e
III)
 Devolutividade recursal (art. 1.002 e 1.013)
 Desistência da execução (art. 775)
 Desistência do recurso (art. 998)
 Renúncia ao recurso (art. 999)
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
AUTONOMIA DA VONTADE

 Negócios processuais
 Delimitação de foro por eleição ((art. 63)
 Escolha de mediador ou conciliador (art. 168)
 Calendário processual (art. 191)
 Acordo para suspensão do processo (art. 313, I)
 Acordo para adiamento de audiência (art. 362, I)
 Distribuição do ônus da prova (art. 373, § 3º).
 Escolha do perito (art. 417)

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


AUTONOMIA DA VONTADE

Novo CPC, Art. 190. Versando o processo sobre


direitos que admitam autocomposição, é lícito às partes
plenamente capazes estipular mudanças no
procedimento para ajustá-lo às especificidades da causa
e convencionar sobre os seus ônus, poderes, faculdades e
deveres processuais, antes ou durante o processo.
Parágrafo único. De ofício ou a requerimento, o juiz
controlará a validade das convenções previstas neste
artigo, recusando-lhes aplicação somente nos casos de
nulidade ou de inserção abusiva em contrato de adesão
ou em que alguma parte se encontre em manifesta
situação de vulnerabilidade.
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
ISONOMIA PROCESSUAL
ISONOMIA PROCESSUAL

CF/88, Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem


distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos
brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a
inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à
igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos
seguintes:

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


ISONOMIA PROCESSUAL

Novo CPC, Art. 7º É assegurada às partes


paridade de tratamento em relação ao exercício de
direitos e faculdades processuais, aos meios de
defesa, aos ônus, aos deveres e à aplicação de
sanções processuais, competindo ao juiz zelar pelo
efetivo contraditório.

Novo CPC, Art. 139. O juiz dirigirá o processo


conforme as disposições deste Código, incumbindo-
lhe:
I - assegurar às partes igualdade de tratamento;
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
ISONOMIA PROCESSUAL

FPPC – Enunciado nº 379. (art. 7º) O exercício


dos poderes de direção do processo pelo juiz deve
observar a paridade de armas das partes. (Grupo:
Poderes do juiz)

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


ISONOMIA PROCESSUAL

Valorização dos procedentes vinculantes

Art. 926. Os tribunais devem uniformizar sua


jurisprudência e mantê-la estável, íntegra e
coerente.

Art. 928. Para os fins deste Código, considera-se


julgamento de casos repetitivos a decisão proferida
em:
I - incidente de resolução de demandas repetitivas;
II - recursos especial e extraordinário repetitivos.
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
ADEQUAÇÃO
ADEQUAÇÃO

• Adequação legislativa:
 Nomeação de curador especial (art. 72)
 Competência territorial para vulneráveis (art. 53)
 Intervenção do Ministério Público (art. 178)
 Proibição de citação postal para incapaz (art. 247, II)
 Prazo dobrado para entes públicos (art. 183)
 Tramitação prioritária de processos de idosos e
doentes graves (art. 1.048)
 Procedimentos especiais
 Procedimentos executórios específicos

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


ADEQUAÇÃO

 Adequação judicial
 Dilação de prazo (art. 139, VI)
 Distribuição dinâmica do ônus da prova (art. 373,
§ 1º)
 Atipicidade dos meios executórios (art. 139, VI e
art. 536)
 Flexibilização da legalidade na jurisdição
voluntária (art. 723, parágrafo único

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


PUBLIDADE PROCESSUAL
PUBLICIDADE PROCESSUAL
 CF/88, art. 5º LX - a lei só poderá restringir a
publicidade dos atos processuais quando a defesa da
intimidade ou o interesse social o exigirem;
 CF/88, Art. 93. Lei complementar, de iniciativa do
Supremo Tribunal Federal, disporá sobre o Estatuto da
Magistratura, observados os seguintes princípios:
IX - todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário
serão públicos, e fundamentadas todas as decisões, sob
pena de nulidade, podendo a lei limitar a presença, em
determinados atos, às próprias partes e a seus advogados,
ou somente a estes, em casos nos quais a preservação do
direito à intimidade do interessado no sigilo não
prejudique o interesse público à informação;
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
PUBLICIDADE PROCESSUAL

Novo CPC, Art. 11. Todos os julgamentos dos


órgãos do Poder Judiciário serão públicos, e
fundamentadas todas as decisões, sob pena de
nulidade.
Parágrafo único. Nos casos de segredo de justiça,
pode ser autorizada a presença somente das partes, de
seus advogados, de defensores públicos ou do
Ministério Público.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


PUBLICIDADE PROCESSUAL
Novo CPC, Art. 189. Os atos processuais são públicos,
todavia tramitam em segredo de justiça os processos:
I - em que o exija o interesse público ou social;
II - que versem sobre casamento, separação de corpos,
divórcio, separação, união estável, filiação, alimentos e
guarda de crianças e adolescentes;
III - em que constem dados protegidos pelo direito
constitucional à intimidade;
IV - que versem sobre arbitragem, inclusive sobre
cumprimento de carta arbitral, desde que a
confidencialidade estipulada na arbitragem seja
comprovada perante o juízo.
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
PUBLICIDADE PROCESSUAL

Novo CPC, Art. 189.


§ 1o O direito de consultar os autos de processo que
tramite em segredo de justiça e de pedir certidões de
seus atos é restrito às partes e aos seus procuradores.
§ 2o O terceiro que demonstrar interesse jurídico pode
requerer ao juiz certidão do dispositivo da sentença,
bem como de inventário e de partilha resultantes de
divórcio ou separação.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


PUBLICIDADE PROCESSUAL
 Controle de ordem cronológica dos processos (art.
12)
 Direito de consulta e vista (art. 107, I)
 Editais de citação (art. 257)
 Publicidade de audiência (art. 368)
 Editais de leilões judiciais (art. 886)
 Publicidade estendida no julgamento das causas
repetitivas (art. 979)
 Audiência pública na formação dos precedentes
vinculantes (arts. 983, § º e 1.038,II)
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
RESPEITO À ORDEM
CRONOLÓGICA
RESPEITO À ORDEM CRONOLÓGICA

Novo CPC, Art. 12. Os juízes e os tribunais


deverão obedecer à ordem cronológica de conclusão
para proferir sentença ou acórdão.
§ 1º A lista de processos aptos a julgamento deverá
estar permanentemente à disposição para consulta
pública em cartório e na rede mundial de
computadores.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


RESPEITO À ORDEM CRONOLÓGICA

Novo CPC, Art. 12. § 2o Estão excluídos da regra


do caput:
I - as sentenças proferidas em audiência,
homologatórias de acordo ou de improcedência liminar
do pedido;
II - o julgamento de processos em bloco para aplicação
de tese jurídica firmada em julgamento de casos
repetitivos;
III - o julgamento de recursos repetitivos ou de
incidente de resolução de demandas repetitivas;
IV - as decisões proferidas com base nos arts. 485 e 932;
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
RESPEITO À ORDEM CRONOLÓGICA

Novo CPC, Art. 12. § 2o


V - o julgamento de embargos de declaração;
VI - o julgamento de agravo interno;
VII - as preferências legais e as metas estabelecidas
pelo Conselho Nacional de Justiça;
VIII - os processos criminais, nos órgãos
jurisdicionais que tenham competência penal;
IX - a causa que exija urgência no julgamento, assim
reconhecida por decisão fundamentada.
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
RESPEITO À ORDEM CRONOLÓGICA

FPPC – Enunciado nº 382. (art. 12) No juízo onde


houver cumulação de competência de processos dos
juizados especiais com outros procedimentos diversos,
o juiz poderá organizar duas listas cronológicas
autônomas, uma para os processos dos juizados
especiais e outra para os demais processos.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


RESPEITO À ORDEM CRONOLÓGICA

Art. 1.046. Ao entrar em vigor este Código, suas


disposições se aplicarão desde logo aos processos
pendentes, ficando revogada a Lei no 5.869, de 11 de
janeiro de 1973.
§ 5o A primeira lista de processos para julgamento em
ordem cronológica observará a antiguidade da
distribuição entre os já conclusos na data da entrada
em vigor deste Código.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


RESPEITO À ORDEM CRONOLÓGICA

Art. 153. O escrivão ou chefe de secretaria deverá


obedecer à ordem cronológica de recebimento para
publicação e efetivação dos pronunciamentos judiciais.
§ 1o A lista de processos recebidos deverá ser
disponibilizada, de forma permanente, para consulta
pública.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


APLICAÇÃO DAS
NORMAS PROCESSUAIS
APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS

• Conflito

Art. 13. A jurisdição civil será regida pelas normas


processuais brasileiras, ressalvadas as disposições
específicas previstas em tratados, convenções ou
acordos internacionais de que o Brasil seja parte.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS

• Lei processual no tempo

Art. 14. A norma processual não retroagirá e será


aplicável imediatamente aos processos em curso,
respeitados os atos processuais praticados e as
situações jurídicas consolidadas sob a vigência da
norma revogada.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS

• Lei processual no tempo


 Procedimento
Art. 1.046. Ao entrar em vigor este Código, suas
disposições se aplicarão desde logo aos processos
pendentes, ficando revogada a Lei no 5.869, de 11 de
janeiro de 1973.
§ 1o As disposições da Lei nº 5.869, de 11 de janeiro
de 1973, relativas ao procedimento sumário e aos
procedimentos especiais que forem revogadas
aplicar-se-ão às ações propostas e não sentenciadas
até o início da vigência deste Código.
Prof. Nilsiton Aragão ESMEC
APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS

• Lei processual no tempo


 Provas

Art. 1.047. As disposições de direito probatório


adotadas neste Código aplicam-se apenas às provas
requeridas ou determinadas de ofício a partir da
data de início de sua vigência

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC


APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS

• Aplicação subsidiária

Art. 15. Na ausência de normas que regulem


processos eleitorais, trabalhistas ou administrativos,
as disposições deste Código lhes serão aplicadas
supletiva e subsidiariamente.

Prof. Nilsiton Aragão ESMEC