Você está na página 1de 2

Literatura Coreana Moderna I

Daniela Andrade Moraes

A Restauração Meiji

A restauração Meiji, que aconteceu em 1868 e durou até 1912, se deu


com a derrubada do xogunato Tokugawa e o reestabelecimento da figura do
imperador como líder de governo (levando o nome “Meiji”, que significa “reinado
iluminado”). Nesses 44 anos, o Japão, um país isolado e em desvantagem em
relação às potências ocidentais, teve rápido crescimento econômico e social.
Todas as mudanças que ocorreram nesse período foram feitas em nome
do imperador, seguindo a ideologia cívica centrada nele e a religião shinto, que
o reclama como descendente dos deuses que criaram o Japão – sendo, assim,
símbolo de unidade nacional. No entanto, a verdadeira liderança se encontrava
naqueles que derrubaram o xogunato, um grupo de baixo escalão dos samurai
e conselheiros do imperador.
O Japão da era dos xogum deixara centenas de lordes feudais com o
controle do país, e o povo dividido em classes. Destas, as mais poderosas eram
a dos samurais e dos lordes feudais. O país era militarmente fraco, tinha
produção prioritariamente agrícola e era tecnologicamente pouco avançado.
Tinha também pouco controle sobre o comércio internacional e até sobre
estrangeiros que desobedecessem as leis do país, no país – estes deveriam ser
julgados fora do Japão.
Uma das primeiras mudanças dos líderes Meiji ocorreu em 1869, quando
foi pedido que os lordes feudais desistissem de seus territórios. Em 1871, esses
domínios foram abolidos e transformados em prefeituras. Os samurais, também,
perderam seus privilégios de classe. Em 1876, foi banido o uso de espadas
samurai e, então, os samurais cortaram seus cabelos, favorecendo cortes de
cabelo ocidentais e arranjaram funções em negócios e como professores. Com
isso, foram possíveis grandes avanços sociais e políticos. Agora, as pessoas
estavam livres para escolher empregos.
O governo investiu em novas indústrias e tecnologias, criando linhas
férreas e náuticas, minas, estaleiros, sistemas de telégrafos e telefone, e
indústrias de consumo como açúcar, vidro, produtos têxteis, cimento, químicos,
etc. Isso tudo era muito caro, então o governo vendendo muitas dessas
indústrias para investidores privados. Estes, que acabaram criando grandes
conglomerados, chamaram-se zaibatsus.
Em 1889, uma constituição foi criada e, em
1890, um parlamento foi eleito. Além disso, o
governo estabeleceu um sistema de educação
nacional. No final da era Meiji, o governo era
centralizado e burocrático; uma constituição
estabelecia um parlamento eleito; um sistema de
transporte e comunicação bem desenvolvido; uma
população educada e livre das restrições de classe feudais; um setor industrial
baseado nas mais novas tecnologias; e um exército e marinha poderosos.

Fonte

Asia for Educators, Columbia University. Disponível em:


< http://afe.easia.columbia.edu/special/japan_1750_meiji.htm>. Acesso em 12
de março de 2018.