Você está na página 1de 59

Módulo III

Aconselhamento

Capítulo 8:Noções de Aconselhamento:


Definição e Objectivos
Capítulo 9:Processo de aconselhamento: Suas
Fases, Habilidades, Aspectos Culturais
e Princípios
Capítulo 10:Aconselhamento, Gravidez,
Contracepção e Aborto
Capítulo 11: Aconselhamento em DTS/HIV/SIDA

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Sumário

Este módulo é constituído por quatro capítulos que propiciarão uma visão geral da área de
aconselhamento.

O capítulo 8 apresenta os conceitos introdutórios e definições básicas sobre o que é o


aconselhamento, quem e em que condições o mesmo deve ser proporcionado.

O capítulo 9, discutirá o processo de aconselhamento e as suas fases, enfatizando as principais


características e as habilidades necessárias para cada uma das suas fases. Aborda ainda os
aspectos culturais e os princípios do aconselhamento.

O capítulo 10 apresenta as contribuições do aconselhamento em situações particulares,


especificamente, na área da gravidez, contracepção e aborto, enfatizando os tipos de
aconselhamento, as preocupações mais comuns e os ingredientes de um aconselhamento eficaz.

No capítulo 11 se examina a questão do processo de aconselhamento para as DTS/HIV/SIDA,


com especial atenção para os direitos do/a cliente, quem deve dar/receber o aconselhamento e os
seus principais tipos.

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
MÓDULO III: ACONSELHAMENTO

CAPÍTULO 8: NOÇÕES DE ACONSELHAMENTO

TEMA I: Definição do objecto: o que é aconselhamento, o papel do conselheiro/a, locais e


habilidades.

Objectivos

• Introdução.
• Definir e indicar a finalidade do aconselhamento.
• Diferenciar aconselhamento e educação para a saúde.

Tópicos

• O que é aconselhamento?
• Quem deve fazer aconselhamento para os/as jovens?
• Onde deve ser oferecido o aconselhamento?
• Como o aconselhamento se relaciona com a educação para a saúde?
• Habilidades básicas do aconselhamento.

Alguns conceitos

Introdução

O processo de aconselhamento pode ser um campo fundamental para um programa de saúde


reprodutiva. Longe de ser um conjunto do saber que se mostra rígido e definitivo, este campo
possui uma certa flexibilidade e consistência no trabalho desenvolvido pelos profissionais
envolvidos na sua produção teórica e prática.

A utilização dos postulados do aconselhamento psicológico tem um raio de acção amplo e, muitas
vezes, pode servir de base para determinados tipos de programas com exigências específicas.

O tipo de aconselhamento aqui proposto está baseado em pressupostos teóricos, utilizados pelas
teorias humanísticas da escola americana, que, por sua vez, fazem parte da psicologia
contemporânea. Carl Rogers é considerado um dos seus fundadores e algumas variações teóricas
foram apresentadas pelos seus seguidores, em especial, pelo grupo chamado de neo-rogerianos
liderado por Carkuff. O campo do aconselhamento sistematizado pelos neo-rogerianos pode ser
adaptado a um trabalho rápido e eficaz junto dos grandes sectores sociais que necessitam de
orientações básicas em determinadas situações produtoras de sofrimento e que possam ser
remediadas com um mínimo de informação e orientação.

O aconselhamento, aliado a acções multi-disciplinares, pode ser de grande contribuição em


diversos sectores sociais. Passaremos a examinar os conceitos gerais do aconselhamento em
relação ao programa de saúde reprodutiva.

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
O QUE É O ACONSELHAMENTO?: DEFINIÇÃO GERAL

O aconselhamento é uma forma de ajudar as pessoas a definir, para si próprias, a natureza dos
problemas que estão a viver. Assim, elas podem tomar decisões realistas em relação ao que
podem fazer para diminuir o impacto desses problemas sobre si, sua família e seus amigos/as.
Ajudar as pessoas a adquirirem confiança para mudar o seu estilo de vida é uma parte
fundamental do aconselhamento. O aconselhamento ajuda as pessoas a reflectirem sobre os seus
valores, atitudes, percepções e condutas para que possam fazer escolhas informadas e consistentes
com os seus valores e prioridades.

O processo de aconselhamento inclui a avaliação de riscos pessoais em relação a um determinado


problema ou situação e facilita a adopção de comportamento preventivo.

O aconselhamento também oferece o suporte necessário para provocar e manter mudanças no


comportamento. O conhecimento, por si só, não basta para reduzir a resistência das pessoas à
mudança. Através do aconselhamento, o/a jovem torna-se capaz de encontrar novas ou diferentes
formas de sexo protegido e responsabilidade nas relações sociais.

Ao serem criados os serviços e divulgadas as informações sobre a sexualidade e a saúde


reprodutiva de adolescentes e jovens em determinado lugar, é provável que diversos/as jovens se
sintam à vontade e motivados/as para procurar ajuda de conselheiros/as, solicitando mais
informações ou mesmo aconselhamento sobre determinados problemas que estejam a enfrentar.
Em outras regiões onde estão a ser introduzidos esses conteúdos, tais problemas costumam estar
ligados com o relacionamento familiar, relacionamento afectivo ou questões específicas de saúde
reprodutiva e sexualidade.

Além dos/as jovens, pode acontecer também que os familiares ou os responsáveis de educação
procurem esclarecimentos de natureza similar. É possível, inclusivé, que os familiares queiram
informações sobre como conversar com os filhos e as filhas.

Numa ou noutra situação, é conveniente que os/as conselheiros/as melhorem as suas habilidades
para manter uma boa comunicação interpessoal e possam ajudar os jovens e os familiares a
estabelecerem um relacionamento harmonioso e, sobretudo, a tomarem decisões apropriadas
perante situações que possam estar a enfrentar.

Em situações que ultrapassam as habilidades do/a conselheiro/a, ou que exigem um


acompanhamento profissional especializado de um trabalhador da saúde, por exemplo, caberá
ao/a conselheiro/a encaminhar a pessoa ao profissional competente.

O papel do/a conselheiro/a enquanto conselheiro/a é diferente em relação ao tipo de


responsabilidade que os familiares e os responsáveis têm na educação dos filhos/as.

No caso específico de saúde reprodutiva, é importante que o/a conselheiro/a consiga transmitir e
tornar aceite na comunidade o facto de que a saúde reprodutiva diz respeito a mulheres, homens,
adolescentes, jovens e adultos, e que, portanto, todas as pessoas, independentemente do sexo e do

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
seu estado civil, têm o direito de se informar para poderem fazer escolhas e tomar decisões livres
e responsáveis sobre a sua vida em geral, e a sexualidade e a saúde reprodutiva em especial.

Este material é apenas um guião, não deve ser usado como um script ou um “livro de receitas”.
O/a conselheiro/a provavelmente terá que adaptá-lo ao seu estilo e à sua experiência, ou às
necessidades de cada pessoa em particular. O/a conselheiro/a deve referir-se a costumes e práticas
da comunidade local. Se qualquer um dos exemplos fornecidos neste Manual for impróprio, deve
mudá-lo e adaptá-lo à realidade local.

Numa situação de aconselhamento, à medida que o/a adolescente começa a falar, ele/a passa a ter
uma ideia mais clara do que pensa ou sente e das escolhas que tem na sua vida. O/a conselheiro/a
pode ajudá-lo/a a examinar as alternativas para escolher uma delas. Quando o/a jovem começa a
agir segundo escolhas informadas, ele/a sente-se mais confiante, compreende que tem algum
controle sobre os seus comportamentos e está em melhor posição para aprender o que é melhor
para si, como um elemento importante do processo de amadurecimento.

O aconselhamento pode ajudar o/a jovem a melhorar o seu auto-desenvolvimento em direcção à


maturidade pela resolução de dificuldades através do auto-conhecimento, auto-compreensão e
agindo conforme decisões tomadas.

Um bom aconselhamento deverá estar centrado no/a jovem, ou seja, o aconselhamento deve
concentrar-se nos seus sentimentos, pensamentos, temores e preocupações.
No aconselhamento, a responsabilidade pela tomada de decisão é do/a jovem.

• Quem deve fazer aconselhamento para jovens?

Enfermeira/os, activistas sociais, professores/as e outros/as técnicos de serviços


especialmente treinados/as em aconselhamento em HIV/SIDA e gravidez, contracepção e
aborto, com especial ênfase em sexualidade, saúde e direitos reprodutivos de adolescentes
e jovens;
Conselheiro/as (psicólogo/as, terapeutas) treinados/as em aconselhamento em HIV/SIDA e
gravidez, contracepção e aborto;
Pessoas de grupos religiosos ou das comunidades com habilidades para lidar com
informação confidencial e questões emocionais com o público jovem;
Membros da comunidade, de organizações de apoio à prevenção do SIDA, pessoas que
vivem com SIDA (PVCS), de organizações de mães adolescentes, associações juvenis, etc.

• Onde deve ser oferecido o aconselhamento?

O aconselhamento pode ocorrer em espaços hospitalares, centros de tratamento de DTS, centros


laboratoriais, clínicas de pré-natal e pós-parto, de planeamento familiar, centros de doação de
sangue, serviços para adolescentes e jovens, centros de saúde da comunidade, escolas, igrejas,
clínicas móveis, moradias, lares e qualquer outro programa de base comunitária.

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
No caso do HIV/SIDA, e em países ou áreas geográficas com alta prevalência de HIV, o
aconselhamento em HIV/SIDA deve existir nos seguintes lugares: locais da comunidade que já
estejam a oferecer apoio às pessoas com HIV/SIDA; escolas, serviços de adolescentes, clínicas de
saúde (inclusivamente nos locais de trabalho), ou em locais independentes onde o aconselhamento
voluntário pode ser oferecido. Independentemente do local onde ocorra o aconselhamento, a
privacidade deve sempre ser levada em consideração.

• Como o aconselhamento se relaciona com a educação para a saúde?

A relação é grande, pois, ambos dependem da habilidade do/a provedor/a de comunicar


eficazmente, o seu papel de proporcionar informação precisa sobre a prevenção e cuidado em
HIV/SIDA, gravidez, contracepção e aborto; a necessidade de se adequar à cultura e de averiguar
o conhecimento do/as jovens antes de iniciar a comunicação.

O aconselhamento, entretanto, é uma comunicação confidencial oferecida em função das


necessidades do/a jovem e que oferece apoio emocional de forma a assistir pessoas e familiares
que possam ter problemas e preocupações relacionadas com HIV/SIDA e gravidez, contracepção
e aborto.

A educação para a saúde é uma comunicação que não é confidencial, é desenhada em função das
necessidades de saúde pública e fornece informação e discussão para responder às necessidades
da saúde pública, isto é, de prevenir a transmissão do HIV, desencorajar a discriminação e
facilitar a oferta de serviços às pessoas afectadas pelo HIV/SIDA ou por uma gravidez não
planeada.

O elemento chave do aconselhamento é a comunicação personalizada, com amplo recurso às


habilidades de comunicação entre duas pessoas, apoiando-se em habilidades de diálogo e
principalmente de escuta.

• Habilidades Básicas do Aconselhamento

As habilidades de comunicação permitem que uma pessoa entenda e se faça entender. Estas
habilidades devem incluir:

Criar uma relação agradável;


Escuta activa;
Linguagem corporal;
Empatia;
Perguntas;
Desafios.

As habilidades de assertividade permitem que as pessoas mantenham respeito, satisfaçam e


defendam as suas necessidades e direitos, sem manipular, dominar ou abusar dos outros. Incluem:

Habilidade de distinguir entre assertivo, passivo e agressivo;


Habilidade de dar e receber críticas;

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Falar “não” sem sentimento de culpa;
Expressar sentimentos de forma apropriada;
Identificar as causas do problema e gerir o stress.

As habilidades de cooperação permitem às pessoas trabalhar com as outras para atingir metas e
resolver problemas. Incluem:

Fortalecimento da equipa;
Negociação;
Gestão de problemas;
Resolução de conflitos;
Trabalho em grupo;
Liderança.

As habilidades de tomada de decisão permitem fazer escolhas e empreender acções com vista a
atingir objectivos. Incluem:

Habilidade de reunir informação, priorizar e focalizar;


Sumarizar e estabelecer metas;
Criar opções para acção;
Decidir quais as habilidades de comunicação são mais apropriadas para diferentes
situações.

METODOLOGIA

Duração: 90 minutos (Exposição do tema: 50 minutos; 1a dinâmica: Esperanças, Medos e


Expectativas: 20 minutos; 2a dinâmica: Porque os/as adolescentes nos procuram: 20 minutos)

Processo:

1. Apresentar o tema programado.

2. Apresentar as transparências.

3. Coordenar as equipas de trabalho.

4. Orientar as dinâmicas:

• Esperanças, Medos e Expectativas;


• Porque os/as adolescentes nos procuram?.

5. Pontos de discussão.

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Dinâmicas

No. 1. Esperanças, Medos e Expectativas


Duração: 20 minutos

Os participantes terão que responder a três perguntas:

• O que eu espero que aconteça nesta formação sobre aconselhamento?


• O que tenho medo que aconteça?
• Qual a possibilidade de realizar as minhas expectativas? E os medos?

Pede que discutam essas perguntas inicialmente em pares (5 minutos) e que depois apresentem ao
grupo sob forma bem sucinta (palavras ou frases – chaves). O assistente do facilitador/a anota no
flip chart as respostas.

No. 2. Porque os/as adolescentes nos procuram?

Duração: 20 minutos

Processo:

1. O/a facilitador/a escreve a pergunta no flip chart.

2. Os/as participantes formam duplas ou triplas e produzem inicialmente uma lista e seleccionam
2.

3. Os 3 pontos mais importantes são seleccionados, escritos nas folhas VIPP e colados na parede.

4. Encerre a dinâmica, valorizando a experiência e os conhecimentos dos/as participantes.

• Pontos de discussão

Existem outras finalidades de aconselhamento não mencionadas?


Quais são os possíveis problemas e as implicações para o aconselhamento para uma
pessoa cujo/a parceiro/a é HIV positivo?
Porque os/as adolescentes têm uma elevada vulnerabilidade à infecção pelo HIV? Ou
elevada incidência de gravidez não planeada?

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
CAPÍTULO 9: O PROCESSO DE ACONSELHAMENTO

TEMA I: Fases do aconselhamento e as respectivas habilidades

Objectivos

• Os/as conselheiros/as deverão ser capazes de:

Descrever os principais elementos de aconselhamento.


Descrever os três passos de aconselhamento.
Descrever as principais características das fases de aconselhamento.
Demonstrar habilidades de aconselhamento.

Tópicos

• A situação de aconselhamento.
• Habilidades primárias de contacto no aconselhamento.
• As 3 fases de aconselhamento:

Fase da investigação: principais habilidades;


Fase da tomada de decisão: principais passos;
Fase da acção: principais aspectos.

• Barreiras para uma comunicação efectiva e estratégias de superação em momentos difíceis de


aconselhamento.
• Passos para o aconselhamento.
• A questão do feedback ou retroalimentação/rectro-informação.

METODOLOGIA

Duração: 180 minutos (Exposição do tema: 50 minutos; Dinâmica - Exercício N.º 1: 50 minutos
Dinâmica - Exercício N.º 2: 50 minutos; Dinâmica - Exercício N.º 3: 50 minutos)

Processo:

1. Apresentar o tema programado.

2. Apresentar as transparências.

3. Coordenar as equipas de trabalho.

4. Orientar as dinâmicas:

• Dinâmica sobre escuta;


• Dinâmica sobre parafrasear;
• Dinâmica sobre o espelho e a linguagem corporal.
9

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
TEMA II: Aspectos culturais e os princípios do aconselhamento

Objectivos

• Sensibilizar o conselheiro sobre as diferenças culturais.


• Ajustar o tipo de aconselhamento às demandas culturais.
• Revisão dos principais conceitos.

Tópicos

• A cultura e a mudança de comportamento.


• A especificidade de cada cultura.
• A influência dos valores do conselheiro.

Alguns conceitos

A SITUAÇÃO DE ACONSELHAMENTO

No aconselhamento, duas pessoas encontram-se para resolver uma crise, um problema ou tomar
decisões, envolvendo assuntos e comportamentos altamente pessoais e íntimos. A maneira como
o/a conselheiro/a recebe o/a jovem é essencial. Falar sobre assuntos íntimos com um/a
conselheiro/a frio/a, distante, pode ser ameaçador.

No entanto, um certo grau de distanciamento emocional da parte do/a conselheiro/a é importante.


O/a conselheiro/a precisa de encontrar o balanço ideal entre abordar o problema de maneira
calorosa e objectiva. Isso é importante para desenvolver habilidades de resolução de problemas
nos/as jovens.

O/a conselheiro/a deve começar por descobrir o que o/a jovem sabe sobre o aconselhamento e o
que espera do/a conselheiro/a. Se for preciso, o/a conselheiro/a deve explicar brevemente o
processo de aconselhamento, dando exemplos, discutir os medos e ouvir o que o/a adolescente
tem a falar sobre o problema. A exposição sobre o problema será provavelmente muito subjectiva
e imprecisa, mas o/a adolescente precisa de sentir que o/a conselheiro/a está dando total atenção à
matéria. Esta é a base da confiança.

HABILIDADES PRIMÁRIAS DE CONTACTO NO ACONSELHAMENTO

As habilidades primárias definidas por Rogers são: ser genuíno, aceitação e empatia.

• Ser genuíno: habilidade de tratar o/a jovem como uma pessoa real sem esconder-se atrás de
um uniforme, um avental ou de uma organização;
• Aceitação: não julgar e não ser possessivo/a;
• Empatia: habilidade de entender a outra pessoa e o seu mundo. Envolve experimentar os
sentimentos do/a outro/a sem perder a sua própria identidade.

10

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
AS TRÊS FASES DE ACONSELHAMENTO

O processo de aconselhamento costuma ser visto em três distintas fases:

• Investigação;
• Decisão;
• Acção.

Investigação: a primeira tarefa do/a conselheiro/a é a de descobrir o problema, descobrir a relação


do/a jovem com o problema, clarificar o tipo de ajuda necessária, etc, apoiando-se em habilidades
de vários tipos (a seguir).

Decisão: é a fase de decisão da acção a tomar. O/a conselheiro/a precisa de introduzir novas
maneiras de ver o problema, sugerir formas distintas de encarar a situação.

Acção: refere-se à acção que o/a conselheiro/a e o/a jovem decidiram implementar. Nesta fase,
o/a conselheiro/a apoia o/a jovem na acção que ele/a decidiu tomar e, finalmente, avalia a
situação.

• Fase da Investigação: Principais Habilidades

Escuta activa/Expressões corporais/Facilitadores

A escuta activa é mais do que sómente ouvir aquilo que a pessoa diz. Implica escutar de uma
maneira que comunica afinidade, compreensão e interesse. Bons ouvintes mantêm o olhar da
pessoa, evitam ser irrequietos e dão toda a sua atenção à pessoa que está a falar. Maus ouvintes
evitam manter o olhar de quem fala, folheiam papéis ou olham para fora da janela, e dão a
impressão de impaciência, tédio ou distracção.

Um bom relacionamento baseia-se naquilo que o/a jovem ouve, observa e sente sobre o/a
conselheiro/a.

Para demonstrar que está a escutar activamente, o/a conselheiro/a acompanha o que o/a jovem
está a dizer, dando várias dicas verbais, tais como, “Sim”, “Estou a ver”, “Mm-mm”, “Certo”, ou
“OK”.

É bom lembrar que as insinuações não verbais variam de cultura para cultura, e, de vez em
quando, dentro de grupos e dentro de uma cultura (por exemplo, homens e mulheres, adolescentes
e adultos poderão mostrar diferentes padrões não verbais).

O que escutar?

• Factos;
• Opiniões, sentimentos;
• A maneira da pessoa falar ou dizer as coisas;
11

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
• As reacções que a pessoa expressa apenas por sons (suspirando, aprovando, sorrindo ...);
• O silêncio da pessoa (significa indiferença? timidez? raiva contida? tristeza? falta de
entendimento, etc. ?);
• A "agenda escondida": o que incomoda a pessoa, mas que ainda não foi por ela expressado.

Como escutar?

Uma escuta eficaz nunca é passiva. Uma boa escuta mostrará à pessoa que estamos interessados
no que ela tem para dizer, que a respeitamos, que estamos atentos e que somos capazes de
compreendê-la.

Um elemento-chave da escuta activa é manter o contacto com a pessoa através dos olhos. Por
isso, é bom não ficar a escrever ou tomar notas durante o aconselhamento.

A linguagem corporal

Um outro aspecto-chave é demonstrar interesse através da linguagem corporal:

• Manter os nossos movimentos sincronizados com os que a pessoa faz. Por exemplo, se ela se
curva para a frente, fazemos o mesmo, e assim por diante;
• A distância entre nós e a pessoa deve ser confortável para ela, e, sobretudo, não é conveniente
ter uma mesa a separar ambos;
• Fazer movimentos com a cabeça, indicando que estamos a concordar, ou temos dúvida, mas,
sobretudo, que estamos a acompanhar o que a pessoa diz;
• Usar sons que, na cultura da pessoa tenham significado de que estamos a concordar, algo
como "mm hmm", "sim, sim", etc;
• Usar, de maneira apropriada e equilibrada, a tonalidade da voz: falar muito alto e depressa
pode deixar a pessoa mais ansiosa, retraída; falar muito baixo e devagar pode demonstrar que
estamos a achar monótono o que a pessoa está a dizer.

Exemplos de insinuações não verbais positivas

• Inclinar-se na direcção da pessoa;


• Sorrir, não mostrar tensão;
• Evitar gestos nervosos ou inapropriados;
• Apresentar expressões faciais que inspiram confiança;
• Manter o olhar da pessoa;
• Fazer gestos animadores, tais como, acenar com a cabeça de maneira simpática.

Exemplos de insinuações não verbais negativas

• Ler uma tabela;


• Olhar para o relógio;
• Bocejar, folhear papéis, ou olhar para fora da janela;
• Franzir sobrancelhas;

12

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
• Estar irrequieto;
• Não manter o olhar da pessoa.

Exemplos de Técnicas Não-Verbais


Positivas Negativas
Usar um tom de voz similar ao do/a jovem. Tom de voz desagradável.
Olhar nos olhos. Olhar para longe com frequência.
Usar a expressão facial, os movimentos do Fazer caretas.
corpo e uma postura de atenção. Manter uma distância inapropriada.
Manter uma distância espacial razoável. Falar rápido ou devagar.
Não falar nem rápido nem devagar. Não reagir às palavras e gestos do/a jovem.
Usar eventualmente gestos (acenos da cabeça) Usar humor inadequadamente, ou ser muito
para demonstrar aprovação. sério/a.
Usar humor, se for apropriado, para reduzir a
tensão.

Parafrasear e sintetizar

Parafrasear é exprimir novamente a mensagem da pessoa em termos simples. O/a conselheiro/a


deve sempre procurar repetir o que o/a jovem diz, sem, contudo, mudar o sentido das palavras
ditas pelo/a adolescente. Também é conveniente uma síntese, sumarizando os pensamentos do/a
adolescente de uma forma breve.

Ao parafrasear e sintetizar, o/a conselheiro/a funciona como um espelho do que o/a jovem disse,
introduzindo apenas uma ligeira diferença na linguagem, sem, contudo, alterar o sentido. Essa
técnica do "espelho" é muito boa, sobretudo para que o/a adolescente possa pensar melhor no que
acabou de falar e ir progressivamente tendo mais clareza de seus pensamentos e sentimentos, em
especial, quando existe alguma confusão interna sobre eles.

Ao parafrasear e sintetizar, o/a conselheiro/a compreende melhor o que a pessoa estava a dizer e
faz com que a pessoa tenha a certeza de que foi compreendida. A pessoa sente-se apoiada e
estimulada para continuar a falar. A técnica também ajuda o/a conselheiro/a no sentido de que
estará preocupado em realmente ouvir o/a jovem e poderá confirmar ou não algumas conclusões
que possa ir tirando durante a conversa.

Directrizes para parafrasear:

• Prestar atenção à mensagem básica da pessoa;


• Reafirmar à pessoa um sumário daquilo que você pensa que é a mensagem básica dela;
• Não adicionar quaisquer ideias novas;
• Observar uma dica ou pedir uma resposta por parte da pessoa, confirmando ou rejeitando a
exactidão da paráfrase;
• Não reafirmar as imagens negativas que a pessoa possa ter dito sobre ela mesmo. Por
exemplo, se a pessoa diz: “Eu sinto-me estúpida ao fazer esta pergunta,” não é apropriado o/a
conselheiro/a dizer “Você sente-se ignorante.”
13

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Perguntar

O/a conselheiro/a encoraja o/a jovem a falar sobre si, colocando-lhe algumas perguntas. As
melhores questões são as "perguntas abertas", que dão possibilidade ao/à adolescente de falar
aquilo que de facto o/a está a preocupar. As perguntas fechadas podem ser usadas para uma ou
outra situação, mas, em geral, deixam de oferecer informações muitas vezes importantes.

O que perguntamos?

Perguntamos sobre factos, sentimentos, opiniões, contradições, silêncio e outras reacções


expressas verbal ou não-verbalmente (coçar a cabeça, fazer caretas, etc).

Perguntamos apenas no que acreditamos ou que sentimos necessário saber da outra pessoa para
melhor compreender os seus problemas ou as suas preocupações e poder ajudá-la.

Como perguntamos?

• Naturalmente/facilmente, de uma forma amiga, para que a pessoa se sinta confortável. Caso
contrário, ela se sentirá num interrogatório e poderá sentir-se intimidada. Se demonstramos
impaciência ou irritação, a pessoa também ficará pouco à vontade.
• Simplesmente, evitando usar termos difíceis, questões complicadas ou muitas perguntas ao
mesmo tempo.
• Sinceramente, de maneira que a pessoa sinta que realmente estamos interessados no que ela
tem a dizer. Fazer perguntas desnecessárias ou artificiais pode desviar o fluxo da conversa ou
dar a impressão de pouca seriedade.
• Abertamente, ou seja, fazendo perguntas em aberto, que permitam à pessoa reflectir e falar
mais livremente sobre a questão que estamos a discutir. Por exemplo: "O que tu sentes
sobre...;” "O que tu pensas sobre....”; "Suponha que ....", etc. Perguntas fechadas cuja resposta
é “Sim” ou “Não” pouco acrescentam à comunicação interpessoal, além de, geralmente,
contribuírem para uma atmosfera autoritária. Devemos também evitar fazer perguntas usando
o “PORQUÊ”, pois, em geral, elas são difíceis de ser respondidas e a pessoa pode interpretá-
las como uma acusação.
• Subtilmente, de forma a considerar os sentimentos da pessoa. Evitar perguntas muito directas,
que possam intimidar, a não ser que conheça muitíssimo bem a pessoa.
• Respeitosamente, considerando a pessoa como alguém com dignidade, honra, integridade.
• Profundamente. Sempre que julgarmos necessário, devemos fazer mais perguntas para
aprofundar o tema em discussão.

Finalmente, devemos fazer com que a pessoa se sinta confiante de que tudo o que ela disser será
mantido em segredo, em confidência.

Apoiar

Fazer afirmações positivas, ou algum cumprimento sobre a pontualidade, a aparência, etc, pode
ajudar o/a adolescente a sentir-se melhor, sobretudo, se ele/a está numa situação de crise. Deve-se,
contudo, evitar falsos elogios.
14

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
No aconselhamento, o/a jovem, em geral, quer ser confortado/a em relação à situação que está a
passar. Embora seja importante assegurarmos que podemos ajudá-lo/a de alguma maneira, será
sempre inadequado fazer "promessas falsas", afirmações incorrectas ou pouco condizentes com a
realidade. A honestidade é um princípio que deve guiar o processo de aconselhamento. A
honestidade é a forma mais clara de manifestarmos respeito e estabelecermos uma relação
baseada na confiança.

Informar

Ao dar alguma informação, a explicação deve ser breve, clara e numa linguagem compreensível.
É bom usar material audiovisual, se houver. Uma parte do acto de informar é verificar se o/a
jovem está a compreender a mensagem (solicitar o feedback), fazendo-lhe perguntas sobre a
informação que está a ser transmitida.

Devemos informar sobre:

• Factos, informação;
• Sentimentos, pensamentos, opiniões e ideias;
• Opções, alternativas;
• Razões, explanações;
• Procedimentos.

Falar

No aconselhamento, falamos para informar, demonstrar empatia, aceitação, dar apoio, assegurar,
esclarecer mal-entendidos e superar dificuldades de compreensão.

Como falar?

• Usando palavras simples, claras, não ameaçadoras;


• Com ânimo, com interesse;
• Usando palavras que, provavelmente, a pessoa esteja a querer ouvir;
• Evitando palavras que possam causar medo, rejeição;
• Evitando termos técnicos que nem sempre a pessoa poderá compreender;
• Evitando um tom de voz que possa soar como ameaçador;
• Usando material impresso ou visual, como recurso ou apoio;
• Dando uma informação completa e correcta;
• Demonstrando respeito e consideração pela pessoa.

Não é adequado dizer "Fale-me do seu problema", porque o propósito do aconselhamento é falar
do/a jovem e não do problema, especialmente porque, durante a conversa, surgirão maneiras
indirectas de conhecer o problema e conseguir que a pessoa procure alternativas de como superá-
lo ou lidar melhor com ele.

Esclarecer/clarificar
15

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Clarificar é fazer uma suposição educada sobre a mensagem da pessoa, para que ela possa
confirmá-la ou rejeitá-la.

De vez em quando, a mensagem do/a jovem é tão vaga que é difícil de compreender. Nessa altura,
é útil para o/a conselheiro/a ajudar o/a jovem a clarificar a sua mensagem.

O/a conselheiro/a deve sempre procurar manter a comunicação bem clara. Assim, o problema e as
soluções poderão ficar mais claros também. Fazer perguntas para esclarecimento mútuo é
apropriado.

Directrizes para clarificar:

• Reconhecer que não está a ter uma compreensão clara daquilo que a pessoa está a dizer;
• Reafirmar a mensagem da pessoa conforme a compreendeu, perguntando-lhe se a sua
interpretação é correcta; Fazer perguntas que começam com frases, tais como “Quer dizer que
…?” ou “Está a dizer que …?”;
• Pessoas não devem sentir que foram interrompidas ou que não conseguiram fazer entender-se.
Por conseguinte, não convém usar a clarificação em demasia.

Demonstrar empatia

A empatia é a habilidade de compartilhar emoções e sentimentos. Um/a jovem está a passar por
mudanças físicas, emocionais e psicológicas e podem encontrar dificuldades em lidar com essas
mudanças. O/a conselheiro/a deve tentar sempre colocar-se na situação do/a adolescente e pode
ser útil fazer comentários do tipo "acho que posso compreender o que tu estás a sentir..."

Uma pessoa com capacidade de empatia é:


• Genuína, simpática;
• Amiga, prestativa;
• Alguém que responde honestamente a outras pessoas;
• Alguém que estabelece relacionamentos rapidamente;
• Alguém que ouve e se preocupa;
• Alguém que compartilha os mesmos sentimentos, que sente compaixão;
• Alguém que compreende;
• Alguém que não faz juízos de valor.

Confrontar

Quando o/a adolescente faz afirmações contraditórias, o/a conselheiro/a deve assinalar o facto e
solicitar que ele/a analise e se manifeste sobre isso. O/a conselheiro/a poderá confrontar uma
afirmação feita com outras ditas noutros encontros.

Observar

16

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Observar é o acto de olhar, perceber e tomar nota de uma forma directa, organizada e analítica.
No aconselhamento, é útil o/a conselheiro/a observar no/a jovem:

• A sua postura, os gestos, as expressões faciais (distraída, atenta, feliz, irritada...), a forma de
vestir, de andar, de sentar, de fazer contacto com os olhos, o tom de voz;
• A disposição ou o humor em geral (jovial, amigável, sorridente, snobe, fechada...);
• As reacções a situações imprevistas (um ruído, uma interrupção...);
• O uso do tempo (dá a impressão de contar os minutos? de que ficaria a conversar todo o
tempo do mundo?);
• O uso do espaço: a que distância ele/a prefere ficar de você? ele/a se movimenta pela sala?;
• As reacções, os sentimentos e a receptividade em relação a você;
• O uso da linguagem, a flexibilidade, a adaptabilidade;
• Os seus valores, os costumes, o seu meio social (amigos, pessoas que a influenciam...).

Por que observamos?

• Para reunir aspectos-chave que poderão ajudar-nos a responder ou estarmos preparados para
uma situação de motivação;
• Para orientar as nossas conclusões;
• Para compreender melhor a pessoa e poder ter com ela uma relação de empatia.

Como observamos?

• Integralmente, abrindo os nossos sentidos para percebermos no máximo as mensagens que a


pessoa emite, mesmo as mais subtis.
• Prudentemente e com tacto, para que a pessoa não se sinta vigiada, observada, analisada.
Contudo, é importante que ela saiba que estamos a tentar conhecê-la no máximo.
• Com empatia. Diferentemente de uma observação científica, a observação na comunicação
interpessoal não requer objectividade ou distanciamento. Pelo contrário, o facto de colocarmo-
nos no lugar do outro, pode-nos ajudar a compreendê-lo melhor.
• Objectivamente, ter consciência de tudo o que está a acontecer: ouvir exactamente o que está
a ser dito, observar exactamente o que está a ser feito. Tais factos devem ser diferenciados das
opiniões, interpretações e significados que poderemos atribuir a eles.

• FASE DA TOMADA DE DECISÃO: PRINCIPAIS PASSOS

Durante a nossa vida todos temos de tomar decisões. Algumas das decisões que tomamos, podem
não trazer o resultado esperado. Uma boa decisão é aquela que diminui o risco disso acontecer.

A decisão é o acto de escolher, seleccionar e decidir, entre as várias possibilidades, com base nos
nossos julgamentos. O resultado é o efeito, a consequência do acto ou decisão. As pessoas têm o
controle sobre a decisão mas não sobre o resultado.

Aprender a tomar boas decisões aumenta as nossas possibilidades de obter bons resultados, mas
não os garante totalmente porque não temos controle sobre os resultados.

17

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Na adolescência e juventude, os tipos de decisão mais comuns a serem tomados referem-se a
amizades, estudos, profissão, trabalho, namoro, casamento, vida sexual, relacionamento familiar e
lazer.

Dentre os factores que influenciam as decisões encontramos: a família, as amizades, a religião, a


sociedade, a cultura, os meios de comunicação, etc.

Os principais passos no processo de tomada de decisão são:

• Definir o problema: Dizer exactamente qual é o problema ou a situação em relação à qual a


decisão precisa de ser tomada;
• Considerar todas as alternativas: Listar todas as possíveis formas de resolver o problema e
todas as possíveis decisões que poderão ser tomadas;
• Considerar as consequências de cada alternativa: Listar todos os possíveis resultados,
positivos e negativos, para cada alternativa ou cada acção que poderá ser tomada;
• Considerar os valores pessoais e familiares: Valores são crenças sobre como devemo-nos
comportar e as regras familiares e pessoais que regem a nossa conduta e que consideramos
importantes, como por exemplo, a honestidade, a lealdade, não fumar, etc. Muitos dos nossos
valores são recebidos em casa, outros são adquiridos no contacto com os amigos, com a
sociedade. Na tomada de decisão, considera-se se cada alternativa é consistente ou não com os
valores pessoais e familiares;
• Considerar o impacto sobre as outras pessoas: As nossas decisões afectam muitas pessoas
que são importantes para nós, como familiares e amigos. É preciso avaliar o efeito de cada
alternativa sobre essas pessoas;
• Escolher uma alternativa: Após avaliar cuidadosamente cada alternativa, escolhe-se uma
que pareça a mais apropriada, segundo os nossos conhecimentos, valores, moral, religião,
metas presentes e futuras e efeitos sobre as pessoas importantes para nós;
• Colocar em prática a decisão: Fazer o que for necessário para implementar a decisão
tomada.

• FASE DA ACÇÃO: PRINCIPAIS ASPECTOS

Uma proposta para colocar em prática a decisão tomada é representá-la graficamente num
desenho, escrevendo nos espaços os pontos a seguir sugeridos:

• Decisão: Escrever a decisão tomada de uma forma simples e clara;


• Acções: Pensar numa acção que pode ser realizada na próxima semana (ou mês) que
contribuirá para colocar em prática a decisão;
• Detalhes: Listar quando, onde, como, com quem e com que frequência a acção será realizada;
• "Zona de perigo": Cada processo de mudança tem uma "zona de perigo". Por isso, listar os
maiores "perigos" (medos, influências, etc.) para ajudar a reconhecê-los e ter mais condições
de evitá-los ou lidar melhor com eles;
• Sucesso: Escrever, de uma forma simples e clara, onde pretendemos chegar, qual a meta que
nos orienta, para tentar evitar riscos de nos desviarmos da direcção.

18

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Decisão
Acções
Detalhes
Zona de Perigo
Sucesso

O compromisso com a decisão tomada em geral, exige esforços próprios e requer apoio e
colaboração de outras pessoas. Mas a chave para aprender a tomar boas decisões e colocá-las em
prática é repetir esse tipo de exercício com uma certa frequência.

• BARREIRAS PARA UMA COMUNICAÇÃO EFECTIVA E ESTRATÉGIAS PARA


SUPERÁ-LAS NO ACONSELHAMENTO

Barreiras Pessoais

• Conhecimento: o/a conselheiro/a não poderá comunicar eficazmente se o seu conhecimento


sobre o assunto for inadequado.
• Estratégia: O manual para o conselheiro/a constitui um material de consulta importante, mas
outros materiais poderão ser tomados como referência, quando disponibilizados: pelos
Ministérios, ONGs ou associações que trabalham com adolescentes e jovens, etc.

• Atitude: uma atitude negativa do/a conselheiro/a pode interferir no impacto da mensagem.
Uma boa comunicação deve ser não julgar.
• Estratégia: Estar consciente de atitudes negativas e constrangedoras, procurando evitá-las
durante a comunicação. Nunca impôr as nossas opiniões em tópicos controversos.

Barreiras Sócio-Económicas

• Idade: Em algumas culturas, muitos adolescentes não se sentem confortáveis com pessoas
muito mais velhas que eles.
• Estratégia: Demonstrar respeito. Identificar-se como uma pessoa responsável que lida com
questões sensíveis.

• Religião e Cultura: Alguns elementos religiosos e culturais podem interferir na comunicação.


• Estratégia: Ajuda muito a ter informações sobre as crenças religiosas e culturais do
adolescente. Procurar descobrir de que forma esses valores interferem na comunicação e
conversar sobre isso (não ignorar o facto). Sempre que falar sobre temas de saúde reprodutiva
e sexualidade fazê-lo de uma forma culturalmente respeitosa. Respeitar os valores das
pessoas, mesmo se não concordar com eles.

• Linguagem: Os sdolescentes podem ter dificuldades com termos técnicos. É importante usar
termos que possam ser compreendidos.
19

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
• Estratégia: Usar linguagem simples. Confirmar se os termos são familiares e compreendidos.
Se não, explicá-los ou recorrer a sinónimos.

• Filtragem ou excesso de informação: A selecção voluntária ou involuntária de uma parte das


informações prejudica a comunicação. Acrescentar informações não pertinentes sobrecarrega
a comunicação com detalhes, prejudicando-a.
• Estratégia: Evitar "agendas escondidas" ou, ao contrário, a "sobre-informação".

• Interpretação: A transformação das informações pode deturpar a compreensão e prejudicar a


comunicação.
• Estratégia: Sempre que julgar necessário, fazer perguntas para esclarecimento e clarificação
dos pontos ambíguos. Reformular as ideias, se for necessário.

• Estatuto económico: Os adolescentes podem considerar difícil comunicar-se com alguém que
aparente ter um estatuto económico diferente do seu.

• Estratégia: Demonstrar respeito, não importando quão pobre um ou outro possa ser.

Barreiras/Obstáculos:

• Tempo: A falta de tempo de uma ou de outra parte pode desfavorecer a comunicação.


• Estratégia: Quando possível, deixe a outra pessoa sugerir a hora do encontro. Lembrar que
uma boa comunicação pode ocorrer mesmo num breve espaço de tempo.

• Local: Um local barulhento, inadequado, com falta de privacidade pode prejudicar a


comunicação.
• Estratégia: Assegurar um local com privacidade, algum conforto e de fácil acesso.
Momentos Difíceis no Aconselhamento

Um encontro de aconselhamento pode deparar-se com momentos difíceis como:

• Silêncio;
• Choro;
• Negação;
• Medo;
• Culpa;
• Perda de auto-estima;
• Jovem ameaça matar-se;
• Jovem recusa ajuda;
• Jovem sente-se pouco à vontade com o sexo do/a conselheiro/a;
• Jovem faz perguntas sobre a vida pessoal do/a conselheiro/a;
• Jovem fala demais sobre assuntos inadequados à conversa;
• Conselheiro/a não vê uma saída;
• Conselheiro/a comete um erro;
• Conselheiro/a não consegue estabelecer um bom relacionamento;
20

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
• Conselheiro não responde de maneira adequada.

Silêncio

O/a jovem, muitas vezes, não consegue falar e isso é um fenómeno muito comum. O/a
conselheiro/a pode sentir um desconforto com o silêncio, mas é melhor aguardar e tentar entender
o motivo do silêncio: às vezes, o/a jovem não gostou de alguma reacção do/a conselheiro/a, outras
vezes tem dificuldade em falar de um segredo, ou então pode estar simplesmente a pensar ou
reflectir sobre alguma coisa. O/a conselheiro/a não tem necessidade de quebrar o silêncio, ao
contrário, pode demonstrar não-verbalmente (com o olhar, a postura do corpo, etc.) que momentos
de silêncio são plenamente aceites.

Choro

O/a conselheiro/a pode sentir desconforto quando o/a jovem começa a chorar. A primeira reacção
quando alguém chora é tentar tocá-la, confortá-la e fazê-la parar de chorar. Se for um rapaz, é
comum fazer afirmações estereotipadas do tipo "homem não chora". Nada disso é recomendado
no aconselhamento.

O/a jovem pode ter vários motivos para chorar e, muitas vezes isso ajuda a aliviar alguma tensão.
Uma reacção adequada do/a conselheiro/a é aguardar e dizer que está tudo bem, que chorar faz
bem. Isso permite ao/à jovem expressar os seus sentimentos. O choro costuma passar depois de
um tempo.

Negação

Algumas pessoas respondem a notícias sobre gravidez não planeada ou infecção por HIV não
reconhecendo o facto: “Isso não pode estar a acontecer comigo”. Apesar da negação inicial,
ajudar a reduzir o stress, se ele persistir pode impedir mudanças apropriadas no comportamento
ou estilo de vida. Se a negação persiste, principalmente no caso de uma DTS ou HIV, as pessoas
dificilmente aceitarão a sua responsabilidade social em evitar a sua propagação.

Medo

Jovens que engravidam sem querer, ou são HIV positivo têm muitos medos. O medo da morte, do
abandono, da dor são comuns. Outros medos como o da rejeição, das sequelas, da perda da saúde
mental, da perda da confidencialidade ou privacidade são comuns. O medo pode ser baseado na
experiência vivida por outras pessoas. Ou ainda decorrer da falta de informação sobre
DTS/HIV/SIDA ou gravidez, método contraceptivo e aborto. O medo é substancialmente
reduzido quando se fala abertamente sobre ele.

Culpa

Quando uma gravidez não planeada ou uma infecção por DTS/HIV é diagnosticada, em geral há o
sentimento de culpa por não se ter protegido. Há também culpa em relação à tristeza ou perda que

21

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
a situação poderá trazer às pessoas queridas ou familiares. Qualquer culpa passada não resolvida
voltará com muita intensidade.

Perda da Auto-Estima

A auto-estima é geralmente ameaçada logo que uma gravidez não planeada ou o vírus de HIV é
diagnosticado. A rejeição na comunidade, a rejeição dos/as colegas, conhecidos/as, das pessoas
queridas podem provocar perda do estatuto social e de confiança, levando à depreciação da auto-
estima.

Jovem ameaça matar-se

A maioria dos/as jovens que ameaça matar-se não comete o suicídio na prática. A ameaça é uma
forma de expressar o quanto estão desesperados perante a uma situação. O mais importante é o/a
conselheiro/a demonstrar o quanto gosta do/a jovem, o quanto o/a admira e o quanto se preocupa
em ajudá-lo/a a encontrar uma solução ao problema.

Quanto melhor o relacionamento do/a conselheiro/a com o/a jovem, menor a possibilidade deste/a
ameaçar matar-se. Assim, a melhor forma de evitar ameaças de suicídio é estabelecer desde o
início do aconselhamento um bom relacionamento com o/a jovem.

Jovem recusa ajuda

Encorajar o/a jovem a falar sobre o motivo de recusar ajuda é uma maneira de abrir a conversa
sobre o assunto. Se o/a jovem continua sem vontade de falar, o/a conselheiro/a pode reforçar o
lado positivo de que ao menos, ele/a veio ao seu encontro e que poderá retornar quando quiser.
Deixar esta "porta aberta" mostra que a possibilidade da ajuda continua a existir e o/a jovem pode,
de facto, retornar mais tarde.

Jovem sente-se pouco à vontade com o sexo do/a conselheiro/a

Algumas pessoas preferem comunicar-se com pessoas do mesmo (ou outro) sexo, especialmente
em temas sensíveis. O/a conselheiro/a reconhece que a situação pode ser embaraçosa, mas pode
explicar que, da sua experiência, esse factor torna-se pouco importante à medida que ambos/as
passam conhecer-se melhor. O/a conselheiro/a deve esforçar-se em despertar no/a jovem a
confiança para tentar e acreditar que vale a pena continuar. Em geral, o/a jovem aceita e o
problema de facto desaparece se o/a conselheiro/a mantém uma postura de respeito e de não-
julgamento. Reconhecer que existe algum embaraço pode ajudar o adolescente a superar a
dificuldade.

Jovem faz perguntas sobre a vida pessoal do/a conselheiro/a

A melhor resposta é dizer que falar da sua vida pessoal não vai ajudar o/a jovem e que essa é uma
das regras do aconselhamento.

22

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Jovem fala demais sobre assuntos triviais e repetitivos

O mais apropriado é interromper e dizer, por exemplo, "Desculpa, mas estou a pensar se tu te dás
conta de que estás a repetir a mesma coisa. Tu estás com dificuldade de falar sobre o outro
assunto?" Isso pode ajudar a centrar o foco no/a jovem.

Conselheiro/a sabe que não há solução para o problema

O importante é ter sempre claro que a prioridade no aconselhamento é a pessoa, não o problema.
Mesmo diante de um problema "sem solução", o/a conselheiro/a sempre poderá contribuir com a
sua ajuda. No caso de um/a jovem estar com o vírus HIV, o/a conselheiro/a pode dizer que,
embora não possa mudar este facto, o aconselhamento pode contribuir para mudar a perspectiva
das coisas, encará-la com menos fatalismo, etc.

Conselheiro/a comete um erro

O/a conselheiro/a pode cometer vários erros: dar informação incorrecta, tirar falsa conclusão, ficar
embaraçado numa situação, reagir de uma maneira inadequada, etc. Considerando que a
honestidade é um princípio básico no aconselhamento, o melhor é admitir que cometeu um erro e
pedir desculpas por isso.

Conselheiro/a não consegue estabelecer um bom relacionamento

Às vezes, o/a conselheiro/a tem dificuldade em estabelecer um bom relacionamento com um/a
jovem. Sem quebrar o sigilo da identidade, é melhor pedir ajuda a um colega, tentar rever o que se
passou, identificar o que o/a deixa com desconforto e entender onde reside a sua própria
dificuldade.

Conselheiro não sabe responder a uma pergunta

É perfeitamente adequado admitir que não sabe, mas que vai tentar encontrar a informação. Pior
será dar uma informação incorrecta.

Pontos para discutir

• Porque é importante para o/a conselheiro/a examinar e compreender os seus próprios valores
e preconceitos?
• Porque é necessário conhecer as influências culturais ao fazer aconselhamento?
• Quando o/a conselheiro/a sabe de uma tradição ou prática que é criticável, de que maneira
poderia reagir?
• Quais são algumas das reacções às notícias de que um/a jovem foi infectado/a pelo HIV por:
(a) transfusão de sangue; (b) pela/o parceiro/a; (c) numa relação casual?

23

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
• PASSOS DO ACONSELHAMENTO
Os passos de um aconselhamento podem ser representados pela sigla "AFIADO", que ajuda os/as
conselheiros/as a se lembrarem dos passos essenciais do aconselhamento e significa:

A- Apresentar-se e cumprimentar a pessoa


F- Fazer perguntas
I- Informar
A- Auxiliar na escolha de decisões
D- Dar feedback para a pessoa
O- Os encontros seguintes

Apresentar-se e Cumprimentar a Pessoa

É o momento em que o/a conselheiro/a constrói o relacionamento com a pessoa, começando com
o contacto inicial, quando cumprimentam um ao outro.

Apesar do passo de saudar no aconselhamento ser muito breve, ele é importante porque é o
primeiro contacto entre o/a conselheiro/a e a pessoa. Estabelecer uma afinidade positiva com a
pessoa logo de início, facilita a comunicação nos dois sentidos.

Fazer Perguntas

Muitas referências sobre porque, como, quando e que tipo de perguntas pertinentes ao
aconselhamento já foram feitas neste manual, tanto na secção sobre a comunicação interpessoal
como na de aconselhamento, quando falamos do ENFOQ.

Apenas como revisão, o/a conselheiro/a deve explorar sentimentos, emoções e percepções do
problema, descobrir que informações o/a jovem tem ou necessita, perguntar sobre outras
preocupações e, principalmente, sobre os seus planos. Várias perguntas também servirão para
encorajar o/a jovem a falar mais livremente e também a fazer as suas perguntas.

Informar

O objectivo deste passo é o de proporcionar ao/à jovem informações sobre a sua preocupação com
vista a que ele/a tome decisões informadas e possa solucionar o problema que o/a aflige.

Auxiliar

O papel do/a conselheiro/a é o de apoiar o/a jovem a tomar decisões adequadas à situação,
permitindo-lhe, dentre outras coisas:

• Identificar áreas de decisão, problemas, desafios;


• Desenvolver opções, fazer escolhas com mais fundamento;
• Examinar as consequências de cada escolha;
• Confirmar as suas decisões;

24

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
• Ter confiança para agir conforme a decisão tomada.

Dar Feedback/Retróalimentação/Rectróinformação

O feedback ou retróalimentação não se confunde com dar conselhos ou julgar. Ele deve referir-se
sómente a comportamentos e nunca aos valores das pessoas.

O feedback pode ocorrer em diferentes momentos, durante as discussões em grupo ou


individualmente. Ele é sempre mais eficaz quando é solicitado ou dado no momento oportuno. No
processo de comunicação a retróalimentação não precisa de ser necessariamente imediata.

O feedback é útil, pois permite às pessoas rever comportamentos ou identificar potencialidades e


dificuldades individuais. Neste sentido, é útil para apoiar processos que visem a tomada de
decisão e mudança de comportamento ou atitude.

Os Encontros Seguintes

No final de cada encontro, o/a conselheiro/a e jovem definem o horário do próximo encontro, se
houver necessidade para tal.

O fim do processo de aconselhamento deve ser decidido em comum acordo entre ambos. É
importante não terminá-lo de uma forma abrupta. Por isso, é melhor começar a discutir porque e
quando terminar o processo com alguma antecedência.

Se o/a jovem simplesmente deixa de comparecer aos encontros, o/a conselheiro/a deve fazer um
esforço para tentar descobrir o motivo, sem violar a norma da confidencialidade, como já foi
visto. Se for possível um novo encontro, deverá ficar claro para o/a jovem que um processo de
aconselhamento pode terminar antes da previsão, mas sempre é bom ter um último encontro para
um encerramento adequado.

• A QUESTÃO DO FEEDBACK OU RETRÓINFORMAÇÃO

Há várias regras a serem observadas no processo de fornecimento de feedback, conforme o quadro


a seguir indica.

O feedback é, portanto, uma maneira de ajudar a outra pessoa a perceber:

• Como o seu comportamento pode estar a afectar a si mesma e aos outros;


• De que maneira o seu comportamento combina ou não com as suas intenções;
• O que pode ser mudado no seu comportamento de forma a aproximá-lo/a das suas intenções.

O feedback deve ser usado para ajudar

• O receptor (neste caso o/a jovem) deve entender/compreender o feedback:

25

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Ser específico;
Fornecer exemplos recentes e concretos.

• O receptor (neste caso o/a jovem) deve conseguir aceitar o feedback:

Desenvolver senso de confiança;


Ser descritivo, não avaliativo;
Permitir que o receptor discuta o feedback.

O receptor (neste caso o/a jovem) deve estar em condições de fazer alguma coisa com a
informação fornecida:

• Dar feedback em relação a um comportamento que possa ser mudado;


• Comentar apenas uma ou duas coisas de cada vez.

Dar feedback com eficiência requer outras técnicas que são necessárias para o aconselhamento:
objectividade, respeito pelos sentimentos da pessoa que recebe o feedback, comunicação verbal e
não verbal positiva.

Para ser eficaz, o feedback deve ser sempre construtivo. Um feedback construtivo pode ajudar a
construir um bom relacionamento entre o/a conselheiro/a e o/a jovem, pois este irá sentir-se
tratado com respeito e consideração.

METODOLOGIA

Duração: 105 minutos (Exposição do tema: 30 minutos; Dinâmica - Exercício Nº 1: 15 minutos


Dinâmica - Exercício Nº 2: 15 minutos; Dinâmica - Exercício Nº 3: 15 minutos)

Processo:

1. Apresentar o tema programado.

2. Apresentar as transparências.

3. Coordenar as equipas de trabalho.

4. Orientar as dinâmicas.

5. Pontos de discussão.

Dinâmicas

No. 1. Dinâmica sobre a escuta activa

26

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
O objectivo desta dinâmica é o de exercitar a escuta dentro de uma situação de aconselhamento.
Praticar uma situação de simulação de atendimento e seguir os seguintes passos:

1. Iniciar a simulação de atendimento, utilizando os exercícios anteriormente feitos neste


capítulo.

2. O/a conselheiro/a fará uma escuta activa do material que o cliente está a trazer e devolverá ao
cliente através do parafraseamento dos principais pontos que este ouviu. A escuta activa
reproduz de uma forma dinâmica as principais ideias apresentadas pelo cliente e permite que
o/a conselheiro/a entenda quais as principais ideias trazidas pelo cliente e as secundárias. A
ideia principal geralmente é aquela que o cliente repete com mais insistência e. muitas vezes, a
que o/a encaminhou para a situação de aconselhamento.

Processo:

1. Explicar que o exercício é feito em pares e uma terceira pessoa será o/a observador que dará
feedback para o par. Na dupla, um/a será o/a conselheiro/a e o/a outro/a o/a cliente e depois
inverter-se-ão os papéis.

No. 2. Dinâmica sobre parafrasear

O objectivo desta dinâmica é o de exercitar o parafraseamento dentro de uma situação de


aconselhamento. Praticar uma situação de simulação de atendimento e seguir os seguintes passos:

1. Iniciar a simulação de atendimento, utilizando os exercícios anteriormente feitos neste


capítulo.

2. O/a conselheiro/a iniciará o atendimento e durante os 10 primeiros minutos iniciais sómente


repetirá o que o cliente está a dizer. O/a conselheiro/a devolverá com as suas próprias palavras
o que ouviu e não acrescentará nenhum conteúdo novo e nem dará qualquer outra orientação
nestes 10 minutos iniciais. É importante também que o/a conselheiro/a espere 5 segundos em
silêncio antes de iniciarem as devoluções através do parafraseamento para os clientes.

Processo:

• Explicar que o exercício é feito em pares e uma terceira pessoa será o/a observador/a que dará
o feedback para o par. Na dupla, um será o conselheiro e o outro cliente e depois inverter-se-
ão os papéis.

No. 3. Dinâmica sobre o espelho e a linguagem corporal

O objectivo desta dinâmica é o de exercitar a linguagem corporal do cliente e espelhá-la ao


cliente. Praticar uma situação de simulação de atendimento e seguir os seguintes passos:

1. Iniciar a simulação do atendimento, utilizando os exercícios anteriormente feitos neste


capítulo.

27

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
2. O/a conselheiro repetirá discretamente os gestos mais frequentes dos/das clientes e os
expressará durante a situação de atendimento. O/a cliente tende a se sentir mais incluído
dentro da relação com o/a conselheiro/a quando este/a tem o mesmo comportamento que o/a
cliente. É importante ressaltar que este exercício tem de ser feito de uma forma discreta para
que não produza o resultado inverso, ou seja, o/a cliente se sinta mais nervoso/a e
desrespeitado/a.

Processo:

• Explicar que o exercício é feito em pares e uma terceira pessoa será o/a observador/a que dará
feedback para o par. Na dupla, um será o conselheiro e o outro o cliente e depois inverter-se-
ão os papéis.

Exercícios Complementares

• Exercício N.º 1

O objectivo desta dinâmica é o de exercitar o aconselhamento. Praticar os procedimentos


utilizados no acto de aconselhamento propriamente dito. Passos a serem executados:

1. Como receber a pessoa – De uma forma amigável e chamando-a pelo nome.

2. Fazer perguntas ao/à entrevistado/a de uma forma aberta. Por exemplo: “Podes dizer o que te
trouxe aqui...”; “Então, o que está a acontecer contigo...”; “O que se passa...”.

3. Escutar activamente o que está a ser dito e repetir com outras palavras para o/a entrevistado/a.

Processo:

• Explicar que o exercício é feito em pares e uma terceira pessoa será o/a observador/a que dará
feedback para o par. Na dupla, um será o conselheiro e o outro o cliente e depois inverter-se-
ão os papéis.

• Exercício Nº 2

Exercitar o aconselhamento utilizando os seguintes procedimentos:

1. Além dos passos utilizados na dinâmica anterior, acrescentar a técnica de parafrasear, ou seja,
repetir intencionalmente com outras palavras o que foi dito pelo/a entrevistado/a e fazer uma
síntese de todo o material analisado durante a sessão de aconselhamento.

2. O observador fará as considerações sobre a técnica utilizada e que pontos deveriam ser
melhorados.

28

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
• Exercício Nº 3

1. Exercitar as intervenções do conselheiro no sentido de que elas sejam: amigáveis, sem


preconceitos, genuinamente interessadas no problema apresentado, cuidadosas e directas.

2. Tendo incorporado as duas dinâmicas anteriores, esta dinâmica prender-se-á, de uma forma
mais específica, ao papel do conselheiro e como ele/a expressa as suas ideias e afirma o seu
conhecimento e existência. Prestar atenção à postura corporal.

3. Os/as observadores/as tecerão comentários sobre o trabalho realizado e apresentarão sugestões


para o conselheiro.

4. Far-se-á uma discussão em grupo para que colectivamente busquem alternativas para
atendimento propriamente dito e o mesmo grupo se envolverá no trabalho.

TEMA II: Aspectos culturais e princípios do aconselhamento

Objectivos

• Sensibilizar o conselheiro sobre as diferenças culturais.


• Ajustar o tipo de aconselhamento às demandas culturais.
• Rever os principais conceitos.

Tópicos
• A cultura e a tradição.
• Os valores e as atitudes do/a conselheiro/a.
• Características importantes de um bom aconselhamento.
• Revisão dos princípios básicos do aconselhamento.

METODOLOGIA

Duração: 105 minutos (Exposição do tema: 30 minutos; Dinâmica - Exercício N.º 1: 15 minutos
Dinâmica - Exercício N.º 2: 15 minutos; Dinâmica - Exercício N.º 3: 15 minutos)

Processo:

1. Apresentar o tema programado.

2. Apresentar as transparências.

3. Coordenar as equipas de trabalho.

4. Orientar as dinâmicas.

29

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
5. Pontos de discussão.

Alguns conceitos

CULTURA E TRADIÇÃO

Uma das principais tarefas do aconselhamento é encorajar e motivar as pessoas a mudar os seus
comportamentos e estilos de vida. Isto será mais fácil se o/a conselheiro/a levar em consideração a
importância cultural do comportamento a ser modificado.

A cultura define-se como hábitos, expectativas, comportamentos, ritos, valores e crenças que os
grupos humanos desenvolvem na história. A cultura é o produto da interacção de pessoas, ideias e
ambientes. Através da cultura e tradição, as pessoas aprendem comportamentos aceites como
“certos” ou “errados”.

A cultura influencia fortemente os sentimentos e as crenças das pessoas sobre saúde e doença,
sobre cuidados com pessoas doentes, sobre morte e perda. As tradições podem ser muito
importantes em momentos de stress, especialmente em situações de morte ou doença. Por
exemplo, uma cultura pode ver a doença como punição, enquanto que a outra a vê como o
destino, a sina. O que uma cultura considera uma resposta normal à doença, outra pode considerá-
la estranha. A cultura e a tradição influenciam a forma como as pessoas interpretam, explicam e
respondem à gravidez na adolescência ou à infecção pelo HIV e SIDA.

Os valores de uma cultura traduzem-se em costumes, práticas, cerimónias e ritos de iniciação.


Alguns valores são praticamente universais, como por exemplo, o de preservar a vida. No entanto,
os valores que orientam o comportamento quotidiano costumam ser específicos à cultura onde
evoluem. Os/as conselheiro/as devem examinar as suas próprias crenças para serem capazes de
escutar, sem preconceito ou censura, as pessoas que vêm de diferentes ambientes, situações ou
culturas.

O/a conselheiro/a deve estar bastante inteirado dos rituais empregues para conforto ou protecção
espiritual na região. Deve sentir-se à vontade para conversar facilmente sobre tais assuntos,
inclusivé sobre o facto de que no aconselhamento em sexualidade e saúde reprodutiva é preciso
falar abertamente sobre os comportamentos íntimos das pessoas. Pelo facto de o HIV ser
transmitido sexualmente – ou a gravidez resultar de um acto sexual – as atitudes culturais e
pessoais em relação ao sexo e à sexualidade são extremamente importantes. O/a conselheiro/a
deve estar ciente de que várias pessoas poderão hesitar – por razões culturais, religiosas ou morais
- em considerar/aceitar o uso do preservativo masculino ou feminino ou outra forma de
contracepção.

No caso das DTS/HIV/SIDA, o/a conselheiro/a deveria explorar questões como:

• Quais são as crenças das pessoas sobre as causas das doenças e como explicam a morte?
• Qual o nome popular do HIV/SIDA e qual a explicação da sua causa?
• Como são consideradas as pessoas HIV positivas? São discriminadas, abandonadas?
• Quem pratica a medicina tradicional? Que tipo de tratamento costumam oferecer?
30

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
• Quem costuma cuidar dos/as doentes?
• Como as pessoas se sentem a conversar sobre a sexualidade?
• Como as pessoas encaram uma conversa sobre o uso do preservativo ou outra prática de sexo
protegido com o/a parceiro/a?
• Qual o posicionamento das principais religiões em relação ao uso do preservativo, aborto e
questões de desigualdade de Género?

As expectativas culturais sobre o papel de género, da sexualidade, de ter ou não filhos/as são
importantes e devem ser levadas em conta. Em algumas culturas, a ausência da penetração não é
considerada um acto sexual.

O/a conselheiro/a deve saber de antemão que algumas informações ou conversas durante o
aconselhamento podem criar embaraço, risada ou raiva, dependendo do contexto. Para algumas
pessoas, a simples menção à masturbação pode provocar raiva. O/a conselheiro/a deve respeitar as
crenças dos/as jovens, mas sempre informá-los/as sobre as opções para mudarem o seu
comportamento.

Os valores e as atitudes do/a conselheiro/a


Uma das principais responsabilidades do/a conselheiro/a é ajudar as pessoas a reflectirem sobre os
seus valores, atitudes, percepções e condutas, para que possam fazer escolhas consistentes com os
seus valores e as suas prioridades.

Valor é uma crença que é importante para um indivíduo. Os valores podem ser influenciados por
factores religiosos, educativos ou culturais, ou por outras experiências pessoais. Mesmo entre as
pessoas da mesma cultura, com vários pontos em comum, costuma haver diferenças entre os seus
valores. É muito raro, quase impossível, encontrar dois indivíduos que tenham valores idênticos.

Atitude é a predisposição das pessoas para agir. Reflecte as predilecções e aversões, partindo dos
seus valores e das experiências vividas.

Percepção é a forma como cada pessoa vê a realidade que a rodeia. A nossa percepção é
influenciada pela idade, sexo, grupo étnico, classe social, religião, personalidade e pela
experiência pessoal.

Conduta é a maneira como as pessoas manifestam e põem em prática as suas atitudes.

No aconselhamento, o/a conselheiro/a deve estar atento tanto para os valores, atitudes e
percepções do/a jovem, como para os seus próprios, para evitar cair no erro muito comum que é o
de tentar convencer o/a outro/a do seu próprio ponto de vista. Esta é uma tendência tão natural
nas pessoas que, muitas das vezes, nem nos damos conta dela.

A clarificação dos nossos próprios valores pode ajudar-nos a perceber e aceitar melhor os valores
das pessoas, em geral, diferentes dos nossos. Pode ajudar-nos a estabelecer limites para que não
influenciemos as pessoas com os nossos pontos de vista pessoais.

31

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Portanto, sobretudo no aconselhamento, o/a conselheiro/a precisa de criar a consciência dos
valores que há por trás das suas próprias opiniões, para evitar impô-los ao/à jovem. Ele/a deve
tentar apresentar as informações e alternativas de uma forma neutra e objectiva para que o/a
jovem possa tomar as suas próprias decisões. No aconselhamento, o/a jovem tem o direito de
fazer uma escolha diferente da escolha do/a conselheiro/a, o que, aliás, pode acontecer.

Características Importantes para um Bom Aconselhamento

• Tempo

Dispôr de um tempo adequado é importante desde o começo. O processo de aconselhamento não


pode ter pressa. O tempo também é importante para desenvolver uma relação de ajuda.

• Aceitação

Os/as jovens que procuram o aconselhamento devem sentir-se plenamente aceites pelo/a
conselheiro/a, independentemente da sua condição económica, étnica, religiosa ou das relações
pessoais. Os conselheiros/as não devem fazer julgamentos.

• Acesso

Os/as jovens devem sentir-se à vontade para procurar o/a conselheiro/a em qualquer momento.
Isto pode requerer a disponibilidade de conselheiros/as numa base relativamente regular. Pode
também significar ter outras pessoas a quem recorrer em caso de apoio. O local do
aconselhamento também deve ser de fácil acesso.

• Consistência e precisão

Qualquer informação oferecida no aconselhamento deve ser consistente em matéria de conteúdo e


momento. No caso de HIV/SIDA, o/a conselheiro/a deve ter um claro entendimento dos factos
sobre a infecção e a doença. Todos/as conselheiro/as devem ter acesso a uma informação
actualizada.

• Confidencialidade

Essa é uma das questões chaves num processo de aconselhamento com os adolescentes e, de uma
certa maneira, uma das mais difíceis. Os adolescentes costumam ser resistentes ou ansiosos
quanto ao revelar os seus sentimentos, pensamentos ou actos que mantiveram em segredo por
algum tempo. Podem sentir vergonha, culpa, embaraço ou simplesmente, estar confusos/as.

A confidencialidade significa protecção da identidade do/a jovem. Isto significa que o/a
conselheiro/a nunca deve discutir o caso de algum/a adolescente com mais alguém sem o
consentimento do/a jovem. Numa situação em que o/a conselheiro/a julgue que a outra pessoa
deve ser informada de algum problema do/a jovem, a quebra de confidencialidade deverá ser
prévia e amplamente negociada com o/a jovem. Contudo, considerando que o princípio maior do
aconselhamento é ajudar o/a jovem a ser capaz de tomar as suas próprias decisões sobre o seu
32

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
comportamento, a necessidade de quebra da confiança raramente aparecerá. O/a conselheiro/a
poderá abordar essa questão da confidencialidade logo no primeiro encontro.

O importante é lembrar que um/a conselheiro/a pode ajudar o jovem a falar sobre os seus
problemas, mas o aconselhamento não dará certo se o/a jovem tiver dúvidas sobre a
confidencialidade, se não tiver certeza que o/a conselheiro/a guardará segredo das suas conversas.

Pode acontecer que o/a conselheiro/a tenha que entrar em contacto com o/a jovem por algum
motivo. Nunca deve ser o caso de mandar uma carta, bilhete ou recado, pois essa pode ser uma
forma de quebrar a confidencialidade. É melhor discutir com o/a jovem logo no início a melhor
forma de se comunicar, caso essa necessidade surja algum dia.

• Privacidade

A privacidade do aconselhamento é fundamental. Se houver a possibilidade do encontro acontecer


numa sala, isso é muito bom. Contudo, nem sempre essa sala tranquila e confortável existe, mas
não será o caso de anular o aconselhamento por esse motivo. Algum lugar, que não seja local de
passagem de pessoas e onde a privacidade possa ser mantida, sempre poderá ser encontrado.

Um encontro costuma durar 30 a 45 minutos; mas, muitas vezes, o conselheiro e o jovem podem
encontra-se por 5 minutos e discutir algum ponto chave do problema.

• Negociação

Às vezes podemos considerar que a pessoa com quem estamos a interagir está a passar por uma
situação tal que, um terceiro indivíduo, que poderá ser um profissional de saúde, alguém da
família, etc, deveria também ser informado. Para não quebrar a confiança, que é uma coisa
essencial no aconselhamento, podemos fazer com que a pessoa compreenda porque queremos
relatar o facto a uma terceira pessoa, e tentar que ela concorde com isso. Caso ela não concorde,
podemos rever ou não a nossa posição. Se continuarmos a achar que o melhor é relatar o facto a
alguém, a pessoa deverá ser informada de quem, como e quando isso irá acontecer.

Num processo de negociação é importante:

Compreender a situação do/a jovem, colocar-se no lugar dele/a, respeitar os seus


sentimentos;
Argumentar com ele/a as vantagens e as desvantagens de cada passo a ser dado e mostrar
que nem sempre é possível ter-se tudo ao mesmo tempo; que, às vezes, é necessário ceder
em alguma coisa para se obter outra;
Ver com o/a jovem o que ele/a quer, onde pode ceder e o que é inegociável para si;
Deixar claro que o que importa é o bem-estar do/a jovem;
Procurar um acordo mútuo.

33

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
• Potencialização (Empowerment)

Potencialização (empowerment) é o processo que permite ao/à jovem identificar as suas


necessidades, fazer escolhas, tomar decisões e exercer os seus direitos. Fornecer uma informação
correcta e pertinente é um importante elemento de potencialização (empowerment) no
aconselhamento e de fortalecimento da tomada de decisões próprias.

O/a conselheiro/a deve usar sempre uma linguagem compreensível para o/a jovem, para que a
comunicação seja clara. Diferente de uma conversa, a informação discutida no aconselhamento
deve ser:

Específica;
Centrada, focalizada;
Basear-se num propósito.

Uma informação específica permite ao/a conselheiro/a averiguar uma situação de risco ou
determinar o melhor curso da acção, e daí concentrar-se nas reacções emocionais do/a jovem e as
suas necessidades de cuidados de saúde e de apoio social.

Para um bom aconselhamento é conveniente:

• conduzir o aconselhamento num local que assegure a confidencialidade e a privacidade;


• dar total atenção à pessoa;
• pôr sempre as necessidades da pessoa em primeiro lugar;
• respeitar a pessoa independentemente do seu estatuto sócio-económico, étnico ou civil, idade,
sexo, nível educacional, religião ou língua;
• nunca fazer comentários críticos aos valores da pessoa;
• escutar activamente a pessoa;
• enfatizar o que deve ser relembrado;
• usar linguagem corporal para demonstrar interesse pelo que a pessoa diz;
• fazer perguntas apropriadas;
• encorajar a pessoa a fazer perguntas;
• dar instruções específicas e concretas;
• usar linguagem compreensível;
• explicar as coisas de formas diferentes para assegurar que a pessoa compreenda;
• usar material audiovisual de suporte, quando disponível;
• pedir para a pessoa repetir o que entendeu para assegurar que ela tem a informação correcta
(feedback).

Revisão dos Princípios Básicos do Aconselhamento

Antes de envolver-se em alguma prática de aconselhamento, convém que o/a conselheiro/a leia as
afirmações abaixo indicadas, pense sobre elas e discuta-as com os outros colegas do centro de
aconselhamento ou do projecto, pois pode acontecer discordar ou ter dúvidas sobre algumas delas.

34

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
A adolescência é um período de transição da infância à vida adulta em que os jovens começam a
adquirir controle sobre a sua vida e a tomar decisões próprias.

• A tarefa do/a conselheiro/a durante esse processo de mudança é a de ajudar o/a jovem a fazer
escolhas informadas.
• A relação do/a jovem com o/a conselheiro/a é muito importante no processo de transição para
a vida adulta.
• A relação deve basear-se no respeito pelo/a jovem como um indivíduo.
• O respeito pelo/a jovem pressupõe que o/a conselheiro/a acredite na possibilidade de ajudar
o/a jovem.
• O/a conselheiro/a deve ter habilidades para demonstrar respeito e disponibilidade para ouvir
o/a jovem.
• O/a conselheiro/a deve ser capaz de fazer o/a jovem acreditar que tem algum controle sobre a
sua própria vida, que ele/a pode tomar as suas próprias decisões, agir conforme as mesmas e
avaliar as suas consequências.
• O/a conselheiro/a deve ser capaz de permitir que o/a jovem fale livremente e sem
constrangimento sobre si mesmo.
• O/a conselheiro/a deve ser capaz de ajudar o/a jovem a explorar os sentimentos que estão por
detrás dos factos e dos acontecimentos relatados.
• O/a conselheiro/a deve entender que os sentimentos são involuntários; que uma pessoa não
pode escolher o que sente e, portanto, não deveria sentir-se culpado em relação ao que está a
sentir.
• O/a conselheiro/a deve entender que o comportamento é voluntário; que geralmente, a pessoa
é capaz de escolher a forma como se comporta e, portanto, é responsável pelo que faz.
• Entretanto, se uma pessoa faz alguma coisa que ele/a considera errada, isso não a torna
automaticamente uma pessoa má.
• É importante que o/a conselheiro/a aceite o/a jovem como um indivíduo, mesmo que o seu
comportamento seja visto como inadequado.
• É gratificante para o/a jovem o facto de ser capaz de mudar o seu comportamento, tendo
conversado sobre as possibilidades de acção e as consequências dessas acções.
• O/a jovem ganhará mais auto-confiança se for capaz de tomar decisões informadas para si
mesmo.
• O/a conselheiro/a pode ajudar o/a jovem a sentir maior controle sobre a sua vida e a sentir
auto-confiança. Inicialmente, isso pode acontecer com o/a jovem que esteja a passar por
pequenas mudanças.
• A gratificação por sentir-se mais confiante tem mais efeito sobre um desenvolvimento
saudável e mudanças no comportamento do que a punição.
• A gratificação interna é mais duradoira que a externa.
• Ajudar o/a jovem a experimentar gratificação interna motiva para futuras práticas de auto-
ajuda.
• A gratificação interna ajuda o/a jovem a tentar fazer mudanças mais significativas na sua vida
e a aguardar mais tempo por gratificações.
• O estabelecimento de controle interno sobre o próprio comportamento, o auto-entendimento e
a capacidade para planificar a longo prazo são características de maturidade, que é uma das
finalidades do aconselhamento de jovens.
35

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
METODOLOGIA

Duração: 105 minutos (Exposição do tema: 30 minutos; Dinâmica - Exercício Nº 1: 15 minutos


Dinâmica - Exercício Nº 2: 15 minutos; Dinâmica - Exercício Nº 3: 15 minutos)

Processo:

1. Apresentar o tema programado.

2. Apresentar as transparências.

3. Coordenar as equipas de trabalho.

4. Orientar as dinâmicas.

5. Pontos de discussão.

Dinâmicas

No. 1. Dinâmica dos princípios básicos

O objectivo desta dinâmica é o de exercitar os principais passos dentro de uma situação de


aconselhamento. Praticar uma situação de simulação de atendimento e seguir os seguintes passos:

1. Iniciar a simulação do atendimento utilizando os exercícios anteriormente feitos neste


capítulo.

2. O/a conselheiro/a irá receber o/a cliente e fará uma simulação de atendimento envolvendo
todas as suas fases deste, ou seja, receber o cliente, sentar-se, o/a conselheiro/a deve
apresentar-se e fazer perguntas abertas ao cliente, parafrasear durante dez minutos, em
seguida, dar um resumo geral ao cliente e iniciar a orientação propriamente dita. Após a
orientação, o/a conselheiro/a deverá marcar o/s próximo/s encontro/s.

Processo:

1. Explicar que o exercício é feito em pares e uma terceira pessoa será o/a observador/a que dará
o feedback para o par. Na dupla, um/a será o/a conselheiro/a e o/a outro/a o/a cliente e depois
inverter-se-ão os papéis.

No. 2. Dinâmica sobre as diferenças

O objectivo desta dinâmica é o de exercitar a diferença cultural entre o/conselheiro/a e o/a cliente
dentro de uma situação de aconselhamento. Praticar uma situação de simulação de atendimento e
seguir os seguintes passos:

36

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
1. Iniciar a simulação do atendimento utilizando os exercícios anteriormente feitos neste
capítulo.

2. O/a conselheiro/a deverá explorar e investigar junto do/a cliente os seus aspectos culturais e os
seus costumes. A fase da exploração é importante para o conselheiro certificar-se de que as
orientações que porventura sejam dadas não caiam em contradição com a cultura do/a cliente,
a não ser que, a contradição apresentada pelo/a conselheiro/a seja propositada. Por exemplo: O
cliente homem procura aconselhamento sobre DTS, que é fruto de uma relação poligâmica
acordada, e o/a conselheiro/a orienta-o dentro de uma perspectiva monogâmica.

No. 3. Dinâmica da extravagância

O objectivo desta dinâmica é o de exercitar os passos que NÃO devem acontecer dentro de uma
situação de aconselhamento. Praticar uma situação de simulação de atendimento e seguir os
seguintes passos:

1. O/a conselheiro/a será extravagante durante o encontro e no atendimento junto do cliente. O/a
conselheiro/a falará alto, usará roupas provocadoras, olhará para a janela e relógio algumas
vezes, passará os seus valores ao cliente sem levar em conta a procedência do/a mesmo/a . O/a
conselheiro/a falará mais que o/a cliente, não fará parafraseamento e nem fará orientação
alguma e esquecerá de marcar um outro encontro.

Processo:

1. Explicar que o exercício é feito em pares e uma terceira pessoa será o/a observador/a que dará
o feedback para o par. O/a observador/a terá um papel fundamental nesta dinâmica.

37

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
CAPÍTULO 10: ACONSELHAMENTO EM GRAVIDEZ, CONTRACEPÇÃO E
ABORTO.

TEMA 1: Aconselhamento sobre Gravidez, Métodos Contraceptivos e Aborto

Objectivos

• Os/as conselheiros/as deverão ser capazes de:

Responder a preocupações, mitos e desinformações sobre gravidez, contracepção e aborto.


Estabelecer um vínculo efectivo com o/a adolescente.
Explicar os direitos do/a adolescente.
Demonstrar as formas de incentivar condutas de prevenção de gravidez em adolescentes.

Tópicos

Aconselhamento em gravidez, contracepção e aborto.


Aconselhamento sobre a contracepção.
Ingredientes de um aconselhamento eficaz.
Tipos de aconselhamento.
Preocupações mais comuns em relação aos métodos contraceptivos.

Alguns conceitos

ACONSELHAMENTO EM SITUAÇÕES ESPECÍFICAS

Aconselhamento em Gravidez, Contracepção e Aborto

O aconselhamento é uma oportunidade para os adolescentes e os jovens puderem reflectir sobre


os seus valores e as suas intenções reprodutivas, e as suas expectativas quanto à gravidez. É
também um momento para explorar as opções de contracepção existentes e adaptadas à sua faixa
etária, a fim de puderem obter informação precisa e clara sobre os métodos contraceptivos,
clarificar os seus sentimentos e valores sobre a prática de contracepção, ou identificar os seus
planos em matéria de vida futura, inclusivamente dos que são relacionados com a sexualidade e
com a saúde reprodutiva e discutir as suas preocupações sobre a segurança, a eficácia e a
aceitação social.

Há várias razões para os adolescentes e os jovens, individualmente ou em casal, procurarem


aconselhamento em questões de gravidez, métodos contraceptivos e aborto. Quando já possuem
uma vida sexual activa é comum procurarem aconselhar-se sobre como evitar uma gravidez não
planeada, o que fazer para adiar a primeira gravidez, como resolver os problemas e tomar decisões
no caso de uma gravidez não planeada. Quando não têm uma vida sexual activa, podem também
querer aconselhar-se para exercerem os seus direitos de obter informação e o seu dever de auto-
cuidado e respeito mútuo em matéria de saúde reprodutiva.

38

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
As escolhas e as necessidades de contracepção variam durante o ciclo de vida da mulher e do
homem. O/a conselheiro/a tem um papel importante em ajudar os/as jovens a escolherem os
métodos contraceptivos que são adequados à sua etapa de desenvolvimento e, principalmente, à
situação actual de elevada incidência e prevalência de DTS/HIV/SIDA no país.

Aconselhamento sobre a Contracepção

O aconselhamento em métodos contraceptivos é fundamental para que os/as jovens tomem a


decisão mais acertada no tocante à saúde reprodutiva e à contracepção, podendo assim usar o
método contraceptivo adaptado ao seu desenvolvimento físico, de sua preferência, de forma
segura e eficaz.

Geralmente, os/as jovens têm acesso apenas a uma informação padronizada ou não são
encorajados/as a adoptar um determinado método, em vez de receberem um atendimento
personalizado que vá ao encontro das suas necessidades específicas e esclarecimento das suas
dúvidas.

Não existe um único método de aconselhamento que sirva para qualquer caso. As abordagens de
aconselhamento variam de região para região. A escolha da técnica a ser usada depende de muitos
factores, tais como recursos locais.

Numa boa sessão de aconselhamento sobre os métodos contraceptivos:

• Os/as jovens sentem-se à vontade para comentar as suas necessidades;


• O/a conselheiro/a interessa-se pela situação do/a jovem;
• O/a conselheiro/a fornece informação suficiente para que o/a jovem escolha o método
contraceptivo mais adequado e o utilize com segurança e eficácia;
• O/a conselheiro/a deve compreender as necessidades e as circunstâncias dos/as jovens,
incluindo o seu estado emocional, o seu tipo de problema e o estágio de desenvolvimento do
problema ao iniciar o aconselhamento.

A grande finalidade do aconselhamento em contracepção é a de dar aos/às jovens condições de


discutirem os seus objectivos no que se refere à sexualidade e à vida reprodutiva e as formas de
alcançá-los, valendo-se do apoio do profissionais da área.

Aconselhar significa ainda debater as preocupações e os receios quanto a determinados métodos


contraceptivos, assim como sobre as outras questões pessoais que possam influenciar na escolha e
na utilização do sistema anticoncepcional: por exemplo, a intenção de ter ou não ter filhos, como
o/a jovem encara a própria sexualidade, a relação com os/as parceiros, a dupla protecção, as
desigualdades de género e as habilidades de assertividade (negociação, resolução de conflitos).
etc).

Um estudo recente revelou que o aconselhamento influencia muito a continuidade do uso dos
métodos contraceptivos. Revelou também que o excesso de informação desagrada as pessoas e
que a qualidade da relação profissional/cliente é medida menos pelo volume de informação e mais
pela relevância dessas informações às necessidades do/a cliente.
39

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Finalmente, um bom aconselhamento é pautado pelo respeito pelos/as clientes, que são, pois
encorajados/as a tomar as suas próprias decisões de acordo com as suas necessidades, munidos de
informações prestadas pelo/a conselheiro/a.

Ingredientes de um Aconselhamento Eficaz

Vimos anteriormente uma série de elementos necessários a um bom aconselhamento. As técnicas


abaixo mencionadas integram os procedimentos das principais organizações de planeamento
familiar, incluindo dos “Direitos dos/as Clientes” da IPPF.

• Relação com o/a jovem: o/a conselheiro/a precisa de criar um clima onde os/as jovens se
sintam à vontade para falar dos seus anseios, temores e dúvidas. As características de um bom
aconselhamento e as habilidades de intervenção, decisão e acção aplicam-se a este aspecto;
• Respondendo às preocupações do/a jovem: o aconselhamento deve enfatizar as
necessidades do/a jovem em vez de se prender a um protocolo pré-determinado (sem se opôr a
este, evidentemente). A seguir, sumarizamos as preocupações mais comuns nesta área:
• Assegurar a escolha do melhor método contraceptivo, bem como o seu uso correcto:
aconselhar é também fornecer informação precisa para que o/a jovem possa escolher o melhor
método para o seu caso e usá-lo com segurança e eficácia.

Quando os/as jovens escolhem um método contraceptivo, precisam de receber informação


do tipo:

• Como usá-lo;
• Os efeitos colaterais mais comuns e como remediá-los;
• Quando e onde obter novos suprimentos;
• Possíveis complicações ou sintomas indicadores de complicações;
• Onde obter atendimento de emergência.
• Informar sobre a necessidade da dupla protecção: prevenir uma gravidez não desejada e,
ao mesmo tempo, prevenir infecção por DTS/HIV/SIDA;
• Informar sobre a contracepção de emergência: no caso de uma relação sexual sem
protecção (incluindo a violação), ou no caso de problemas com o uso do método (camisinha
mal colocada) e não existindo a intenção de engravidar, há métodos de contracepção de
emergência que convém os/as jovens conhecerem e saberem como usar e onde buscar.

Tipos de Aconselhamento

Existem vários tipos de aconselhamento. No caso de gravidez, contracepção e aborto, os tipos


mais comuns são:

1. Aconselhamento geral

• Costuma ocorrer na primeira visita;


• Discute as necessidades do/a jovem;
40

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
• Averigua as preocupações do/a jovem;
• Oferece informação geral sobre os métodos anticonceptivos;
• Responde a questões;
• Discute sobre os mitos e as desinformações;
• Inicia o processo de escolha do método contraceptivo e a tomada de decisão.

2. Aconselhamento sobre um método contraceptivo específico

• A decisão e a escolha do método contraceptivo é feita;


• Oferece mais informação sobre o método contraceptivo escolhido;
• Explica melhor os procedimentos, como e quando usar;
• Discute o que fazer, se houver problemas;
• Discute quando deve haver retorno, isto é, voltar;
• O/a jovem deve repetir as instruções chaves;
• O/a jovem recebe material para levar para casa, se houver.

3. Aconselhamento de retorno/ na sessão seguinte

• Problemas e efeitos secundários são discutidos e geridos;


• Encoraja a continuidade do uso, excepto se houver problema sério;
• Repete instruções;
• Responde às questões e às preocupações do/a jovem.

Preocupações mais comuns em relação aos Métodos Contraceptivos

Método Preocupações
Condom • Como falar com o/a parceiro/a sobre o uso.
(masculino e • Medo de rasgar.
feminino) • Conceito de que usar preservativo é sinal de promiscuidade.
• Medo do condom ficar na vagina ou no ventre.
Pílulas • Como falar com o/a parceiro/a sobre o seu uso.
• Medo de efeitos colaterais ou de problemas de saúde a longo prazo
(inclusivé câncro).
• Como se lembrar de tomar a pílula diariamente e o que fazer quando se
esquecer.
Calendário • Como se abster de relações sexuais no período fértil.
• Como falar com o/a parceiro/a sobre o método.
• Medo do método falhar.
Métodos de • Como falar com o/a parceiro/a sobre o uso.
barreira vaginal • Dificuldade em tocar nos órgãos genitais.
• Receio de que o método falhe.
• Noção de que é difícil remover os dispositivos de barreira.
DIUs • Medo dos efeitos colaterais ou dos prejuízos para a saúde, a longo prazo
(infertilidade).

41

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
• Medo de que o dispositivo se desloque no organismo.
• Tamanho do aparelho.
• Preocupação com a disponibilidade de serviços para a retirada do DIU.
• Receio do aumento do risco de DTS.
• Receio de que o parceiro sinta os fios ou se fira por causa deles.
Injectáveis • Como enfrentar os efeitos colaterais mais comuns.
• Como explicar ao parceiro os sangramentos irregulares (tabú em certas
culturas).
• Medo de efeitos colaterais ou de problemas de saúde, a longo prazo
(inclusivé câncro).
• Preocupação com a recuperação da fertilidade após a interrupção do seu
uso.
• Inconveniência de ter que tomar outras doses.
• Medo de transmissão de doenças através de agulhas contaminadas.
Implantes • Como enfrentar os efeitos colaterais mais comuns.
• Como explicar ao parceiro os sangramentos irregulares (tabú em certas
culturas).
• Medo de efeitos colaterais ou ‘de problemas de saúde, a longo prazo
(inclusivé câncro).
• Preocupação com a recuperação da fertilidade após a interrupção do uso.
• Medo de que os implantes se desloquem pelo corpo.
• Medo da dor provocada pela inserção ou retirada.
• Preocupação com a disponibilidade de serviços para a retirada dos
implantes.
Esterilização • Não recomendada para adolescentes e jovens.
voluntária na
mulher e no
homem

METODOLOGIA

Duração: 70 minutos (Exposição do tema: 30 minutos; Dinâmica - Exercício Nº 1: 20 minutos


Dinâmica - Exercício N.º 2: 20 minutos)

Processo:

1. Apresentar o tema programado.

2. Apresentar as transparências.

3. Coordenar as equipas de trabalho.

4. Orientar as dinâmicas.

5. Pontos de discussão.
42

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Desenvolvimento das actividades:

• Ao expositor caberá:

Facilitar as discussões;
A leitura participativa do texto;
A apresentação de tema.

Dinâmicas

No. 1. Dinâmica de Aconselhamento de Gravidez e Aborto

O objectivo desta dinâmica é o de exercitar os principais passos para aconselhamento numa


situação de gravidez e aborto Praticar uma situação de simulação de atendimento e seguir as
seguintes etapas:

1. Iniciar a simulação de atendimento, utilizando os exercícios anteriormente feitos neste


capítulo.

2. O/a conselheiro/a irá receber o/a cliente e fará uma simulação de atendimento envolvendo as
seguintes fases, ou seja, receber o cliente, sentar-se apresentar-se e fazer perguntas abertas ao
cliente.

3. O/a cliente trará uma situação de gravidez não planeada e a sua preocupação com a família
que não sabe do assunto, já que é solteira, não tem emprego e o namorado também não tem
mínimas condições e não foi apresentado à família.

4. A ênfase aqui será dada ao papel do/a cliente.

Processo:

1. Explicar que o exercício é feito em pares e uma terceira pessoa será o/a observador/a que dará
o feedback para esta dupla. Na dupla, um será o conselheiro e o outro o cliente e depois
inverter-se-ão os papéis.

No. 2. Dinâmica de Aconselhamento sobre a Contracepção

O objectivo desta dinâmica é o de exercitar os principais passos para o aconselhamento numa


situação de contracepção. Praticar uma situação de simulação de atendimento e seguir as
seguintes etapas:

1. Iniciar a simulação de atendimento utilizando os exercícios anteriormente feitos neste


capítulo.

43

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
2. O/a conselheiro/a irá receber o/a cliente e fará uma simulação de atendimento envolvendo as
seguintes fases, ou seja, receber o cliente, sentar-se, apresentar-se e fazer perguntas abertas
ao/à cliente

3. O/a cliente trará uma situação de dúvida se está grávida ou não e o/a conselheiro/a aproveita e
introduz, no momento em que se der a orientação, a questão do melhor contraceptivo para a
pessoa da idade do/a cliente. A ênfase aqui será no tipo de orientação que o/a conselheiro/a vai
dar e qual é a aceitação por parte do/a cliente.

Processo:

1. Explicar que o exercício é feito em pares e uma terceira pessoa será o/a observador/a que dará
o feedback para esta dupla. Na dupla, um será o conselheiro e o outro o cliente e depois
inverter-se-ão os papéis.

CAPITULO 11: A CONSELHAMENTO EM PREVENÇÃO DAS DTS/HIV/SIDA

TEMA 1: Aconselhamento em situações relacionadas com o HIV/SIDA

Objectivos

• Os/as conselheiros/as deverão ser capazes de:

Responder a preocupações, mitos e desinformações sobre as DTS/HIV/SIDA.


Demonstrar o uso do encorajamento e do elogio no aconselhamento.
Explicar os direitos do/a cliente.
Demonstrar as formas de incentivar as condutas de prevenção das DTS/HIV/SIDA em
adolescentes.

Tópicos

• O que é o aconselhamento em HIV/SIDA.


• Porque o aconselhamento é necessário.
• Quem deve receber aconselhamento em HIV/SIDA.
• Tipos de aconselhamento para os casos de HIV/SIDA.
• Qualidade de aconselhamento em HIV/SIDA: algumas orientações.

Alguns conceitos

ACONSELHAMENTO EM SITUAÇÕES RELACIONADAS COM O HIV/SIDA

O que é o aconselhamento em HIV/SIDA?

É um diálogo entre o/a jovem e o/a conselheiro/a que visa ajudar o/a jovem a lidar melhor com o
stress e tomar decisões pessoais informadas em relação ao HIV/SIDA.
44

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
O aconselhamento em HIV/SIDA tem duas finalidades principais:

• Dar apoio psicológico às pessoas cujas vidas estão a ser afectadas pelo HIV;
• Prevenir a infecção pelo HIV e a sua transmissão para outras pessoas.

Essas finalidades são obtidas ao:

• Oferecer aos/às jovens informação sobre HIV/SIDA (formas de transmissão, prevenção,


teste);
• Ajudar as pessoas infectadas, as suas famílias e amigo/as a lidar com as possíveis reacções
emocionais ao HIV/SIDA (raiva, medo, negação);
• Discutir as possibilidades de acção adaptadas às necessidades e às circunstâncias do/a jovem;
• Encorajar as mudanças necessárias para a prevenção ou controle da infecção (através de sexo
protegido).

O apoio psicológico do aconselhamento fortalece o sentido de responsabilidade individual


necessária à aceitação de novas informações e mudanças de estilo de vida.

A necessidade para apoio contínuo e ajuda na resolução de problemas é uma característica comum
a situações relacionadas com o HIV/SIDA e deve ser um aspecto chave do aconselhamento.

Porque é necessário o Aconselhamento?

A infecção por HIV é longa. Durante a infecção, a pessoa vivencia muitas necessidades e
problemas físicos, sociais e psicológicos, que tendem a ficar progressivamente mais sérios e
difíceis de se lidar.

Essas mudanças constituem uma sobrecarga emocional e psicológica para as pessoas com HIV
positivo e SIDA e também para as pessoas que lhes são próximas.

A doença envolve custos financeiros, principalmente quando a produtividade económica é


afectada. Muito do stress vivido pelos seropositivos reflecte a sua ansiedade pela situação
económica e obrigações da família.

O aconselhamento ajuda as pessoas, a família e a comunidade onde vivem, a lidar melhor com
essa situação.

A mudança de comportamento pode prevenir uma pessoa de adquirir infecção por HIV ou
transmiti-la para outros/as.

Viver com o HIV ou SIDA não significa “viver apesar do HIV”. O aconselhamento ajuda as
pessoas a lidarem, de facto, com os problemas de forma a levarem uma vida mais plena. As
pessoas tornam-se capazes de retomar o controle sobre as suas vidas ao aprenderem a resolver os
seus problemas e a tomarem as suas próprias decisões.

45

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Quem deve receber aconselhamento em HIV/SIDA?

O aconselhamento em HIV/SIDA é para pessoas, casais (denominados/as jovens neste Manual),


famílias e grupos. É especificamente destinado a:

• Pessoas que forem testadas ao HIV (pré e pós-teste), independentemente da sua


seropositividade;
• Pessoas com HIV/SIDA e parceiro/as;
• Pessoas com problemas de emprego, habitação, finanças em consequência da infecção por
HIV;
• Pessoas que procuram ajuda por causa de um comportamento passado ou presente de maior
vulnerabilidade à infecção.

Todas as pessoas sexualmente activas devem saber que uma relação sexual não protegida contem
um risco de transmissão do HIV. Em todas as sociedades, uma variedade de indivíduos ou grupos
pode enfrentar maior ou menor risco dependendo da sua situação, da sua vulnerabilidade e do seu
comportamento. Em regiões de alta prevalência, todas as pessoas sexualmente activas estão
vulneráveis e, qualquer actividade sexual não protegida, pode ser arriscada, mesmo com o/a
parceiro/a regular ou esposo/a.

As pessoas que procuram aconselhamento têm o direito absoluto à confidencialidade, a não ser
que decidam o contrário. O/a jovem pode decidir, juntamente com o/a conselheiro/a, envolver
mais pessoas no aconselhamento:

• Pessoas da família;
• Um/a outro/a conselheiro/a, para ajudar num problema mais específico;
• Membros de um grupo de auto-ajuda de pessoas afectadas pelo HIV/SIDA;
• Outras pessoas de recurso como médicos/as, etc.

O aconselhamento é útil para as pessoas com maior vulnerabilidade à infecção, mas que ainda não
são HIV positivas, como por exemplo, o/as adolescentes e os jovens. Alguns têm maior facilidade
de perceberem comportamentos de maior vulnerabilidade que os outros. Nestes casos, o/a
conselheiro/a discute tais comportamentos e a forma como mudá-los.

O/a conselheiro/a deve averiguar até que ponto os grupos de referência do/a jovem deverão ou
não ser envolvidos/as e, se apoiarão ou não, o desejo do/a jovem de prevenir a infecção. Numa
cultura que valoriza o homem com muitas parceiras, procurar uma alternativa social de apoio
pode ser uma tarefa do/a conselheiro/a. Grupos de auto-ajuda são uma motivação para resistir à
pressão social e reforçar a decisão de mudar o comportamento.

Se alguém passou por uma situação de risco, e se há possibilidades de realizar teste, a questão de
fazer o teste deve ser discutida.

Os/as conselheiro/as devem saber os factos básicos sobre a transmissão e a epidemiologia da


infecção pelo HIV/SIDA e doenças relacionadas com esta epidemia. Como o conhecimento sobre
o HIV/SIDA está a expandir-se rapidamente, os conselheiro/as podem sentir dificuldades em
46

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
manter-se actualizados/as. Neste caso, devem estar conscientes das limitações de seus
conhecimentos e serem encorajados a procurar informação adicional em fontes actualizadas ou
através de treinamentos oferecidos pelos programas nacionais de controle do SIDA.

A informação deste Módulo é provavelmente de conhecimento de muitos/as participantes. Sem


dúvida, que não é completa. Informação mais detalhada pode ser encontrada em diversos
materiais de referência do MOZ/98/P04 ou de outros projectos e instituições.

Tipos de aconselhamento para casos de HIV/SIDA

Em caso de HIV/SIDA, as formas mais comuns de aconselhamento são:

• Aconselhamento de crise;
• Aconselhamento para resolução de problema;
• Aconselhamento para tomada de decisão.

• Aconselhamento de crise

Costuma ser o mais usado dada à ameaça que o HIV/SIDA coloca à sobrevivência e dado o
estigma social envolvido.

Uma crise emocional existe quando um/a adolescente se sente:

• Intensamente ameaçado/a;
• Completamente apanhado de surpresa;
• Emocionalmente perturbado/a e com consequente perda de controle;
• Emocionalmente paralizado/a porque não vislumbra nenhuma solução: todos os esforços para
resolver a crise parecem sem esperança, ou parecem ser tão dolorosos quanto a própria
ameaça.

Qualquer situação que um/a jovem perceba ou defina como crise é uma crise para ele/a.

O/a conselheiro/a deve “começar onde o/a jovem está”. Não deve brincar, dizendo que o/a jovem
está a exagerar, mesmo ao perceber que não existe uma crise real. Ao invés disso, deve ouvir com
cuidado e comentar sobre os sentimentos, medos ou esforços do/a jovem para lidar com o
problema. O importante é aceitar a definição da crise do/a jovem.

O aconselhamento de crise enfatiza os sentimentos do/a jovem e aceita a sua definição. Com
jovens com medo de terem sido infectados pelo HIV, uma questão boa para começar é:

O que você fez que o/a faz ficar com tanto medo?

No aconselhamento de crise, o/a conselheiro/a deve ficar calmo e aceitar o medo como genuíno.
Deve reconhecer a necessidade da negação ou raiva. O/a conselheiro/a não deve entrar em pânico,
dar conselho ou sentir-se ofendido/a.

47

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Numa situação de crise, o/a conselheiro/a movimenta-se rapidamente para definir o problema e
restaurar o sentido de controle. Isso pode ser feito com as seguintes técnicas:

• Perguntas estruturadas: “Nós precisamos de saber o que se passa. Por isso, vou fazer umas
perguntas muito directas. Depois você pode falar o que desejar”.
• Aceitação: “Aceito o que você pode sentir de si, de mim, de todo mundo. Eu aceito esses
sentimentos”.
• Apoio emocional: “Você pode sentir-se ameaçado/a e desejar ficar mais tempo. Eu estou aqui
para isso”.

No aconselhamento de crise, o/a conselheiro/a deve:

• Enfatizar no que o/a jovem expressa como sendo seus sentimentos e ansiedades naquele
momento (centrar no aqui e agora), e afirmar/aceitar esses sentimentos;
• Verificar se o/a jovem mostra habilidades de tomada de decisão ou demonstra sentimentos de
desespero, perda de controle;
• Clarificar o que o/a jovem considera como sendo de crise e concordar numa estratégia para
resolver ou diminuir a crise;
• Começar a trabalhar num aspecto da crise – de preferência, o mais fácil de se lidar – para
recuperar a confiança em lidar com futuros problemas.

• Aconselhamento para Resolução de Problemas

Em geral, ocorre ao mesmo tempo que o aconselhamento de crise. Uma pessoa sente-se capaz de
lidar com a crise em função do grau de compreensão do problema. No caso de HIV/SIDA, por
exemplo, enquanto o aconselhamento de crise centra-se directamente no presente; o
aconselhamento para resolução de problemas ajuda a planificar a prevenção da transmissão, os
métodos de suportar as manifestações da doença e os cuidados médicos.

O aconselhamento de resolução de conflitos apoia-se no suporte emocional e na empatia. É usado


para ajudar as pessoas a:

• Entender a natureza do problema;


• Pensar no impacto do problema na sua vida quotidiana;
• Adquirir ou fortalecer habilidades pessoais para lidar com a crise;
• Mudar o comportamento para proteger-se a si próprio e às outras pessoas.

No aconselhamento para resolução de problemas, o/a conselheiro/a:

• Define todos os aspectos do problema, incluindo a duração e os efeitos, da forma como o/a
jovem o vê;
• Encoraja a discussão aberta sobre os seus sentimentos e demonstra apoio e assegura que tais
sentimentos são normais;
• Averigua as habilidades passadas e presentes do/a jovem para resolver os problemas;

48

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
• Reduz o problema a um número menor de componentes menos complicadas e estabelece um
plano de acção para cada sub-problema;
• Discute os recursos pessoais ou não disponíveis ou necessários.

Etapas para a Resolução de Problemas

• Descrever o problema ou meta de uma forma bem clara;


• Definir com o aluno um plano de acção. Discutir as possíveis maneiras de resolver o
problema ou de atingir a meta;
• Motivar o aluno, encorajando-o positivamente a adoptar responsabilidades individuais em
relação ao problema ou meta e a tomar iniciativas para o seu contínuo desenvolvimento;
• Adoptar uma atitude bastante colaborativa ao discutir com o aluno as possibilidades de
resolver o problema ou de atingir a meta, procurando chegar à melhor solução possível no
momento;
• Sugerir passos de acção concretos em direcção à solução do problema ou à meta;
• Oferecer ajuda ou encaminhar a outros serviços, se necessário.

• Aconselhamento para Tomada de Decisão

Ajuda a pessoa a concentrar-se em decisões perturbadoras mas necessárias. A tomada de decisão


pode incidir sobre:

Quem deverá ser comunicado/a da situação? Como? Quando?


Como o/a jovem vai lidar com os assuntos financeiros?
Quem vai poder oferecer apoio emocional? E cuidados físicos (no caso de SIDA)?
No caso de SIDA, quem cuidará das crianças?
Que mudança pode ser feita na dieta ou estilo de vida para manter a saúde?

Para mais informações sobre o aconselhamento em tomada de decisão, ver o Módulo 11 sobre O
Processo do aconselhamento.

Qualidades do aconselhamento em HIV/SIDA: Algumas Considerações

As orientações que se seguem podem melhorar a qualidade do aconselhamento em HIV/SIDA:

• Faça perguntas directas para ter a clareza do que está a preocupar o/a jovem e o que ela/e
deseja e espera do/a conselheiro/a:

O que você quer de mim neste momento? O que fez você decidir vir aqui neste
momento?

• Estabeleça as razões das preocupações do/a jovem quanto à possibilidade de infecção:

Você me diz que tem medo de estar com SIDA. Diga-me o que você sabe sobre as
formas de as pessoas apanharem a infecção. Dentre essas formas, em qual você acha
que se expôs?
49

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
• Antecipe um certo grau de embaraço ao falar de sexo. Diga que reconhece que não é comum
as pessoas falarem desse assunto em profundidade:

Nós raramente falamos abertamente sobre o sexo neste país. Mas agora que você está
preocupado/a com a possibilidade de uma infecção, nós dois/duas precisamos de
determinar o grau do risco. Portanto, tenho de fazer algumas perguntas específicas.
Muitas pessoas sentem-se embaraçadas e pode ser que você também se sinta assim.
Por exemplo, eu preciso saber se você fez sexo com parceiros ocasionais nos últimos
seis meses.

• Explique ao/à jovem claramente o que você precisa de saber sobre as práticas sexuais e outras
como o uso de drogas injectáveis, para determinar mais precisamente o que ele/a precisa fazer
para prevenir-se da infecção ou evitar passar uma eventual infecção para outras pessoas:

O Vírus HIV é transmitido de algumas formas específicas. A mais comum é através


da relação sexual vaginal com penetração e sem protecção do condom masculino ou
feminino. A outra forma é a relação anal heterossexual ou homossexual, sem
protecção. Se um dos parceiros tem uma DTS, as possibilidades de transmissão do
HIV são maiores.

• Explique porque você faz perguntas sobre formas de transmissão:

As pessoas, às vezes, ofendem-se quando pergunto sobre práticas que parecem


estranhas ou repulsivas, porque, podem não ser comuns nesta região. Mas, as pessoas
viajam e, às vezes, experimentam outro tipo de práticas. Portanto, a pessoa deve
estar segura de que todos os possíveis riscos estão a ser cobertos.
Na entrevista, o/a conselheiro/a deve primeiro usar a expressão formal (relação
vaginal, relação anal). Se não for compreendido/a, pode perguntar se o/a jovem
prefere usar a gíria local. O/a jovem deve sentir que o/a conselheiro/a não está a fazer
qualquer tipo de juízo ou julgamento sobre qualquer comportamento sexual.
O/a conselheiro/a deve sempre certificar-se se o/a jovem está a compreender o que
está falar, inclusivé usando a linguagem do/a jovem.

• Não existe cura para a infecção pelo HIV. Mas, a infecção pode ser evitada e a prevenção é a
única defesa que existe actualmente.

Como você imagina (ou sabe) que a infecção se propaga? Se você quer ficar livre da
infecção, que mudanças deve fazer na sua vida? Mudanças desse tipo são difíceis
para muitas pessoas – o que podemos fazer aqui para ajudar você a mudar? O que
você dirá às outras pessoas (parceiros/as) sobre estas mudanças no seu
comportamento sexual?

• Mudar o comportamento é difícil. Cada pessoa precisa de identificar a sua percepção de risco
e vislumbrar maneiras de reduzí-lo.

50

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
O que você pensa que as pessoas acham mais difícil quando param de fazer alguma
coisa (não importa que comportamento seja, por exemplo, Fumar)? O que você
pensa que seria mais difícil para você? Quando você fala que faz coisas que
aumentam a sua vulnerabillidade, o que você quer dizer com isso?

• A transmissão do HIV pode ser prevenida pela abstinência, ou sexo sem exposição ao sangue,
sêmen ou fluido vaginal/cervical. Para diminuir o risco da transmissão, os parceiros devem
usar preservativo em todas as relações, do começo ao fim. Quanto mais parceiros/as sexuais,
maior vulnerabillidade à infecção. Quem usa drogas injectáveis ou faz piercing não deve
compartilhar os instrumentos perfurantes com as outras pessoas (brincos, agulhas, seringas).

Você pensa que é possível para você ou para o/a sua/seu parceira/o deixar de fazer
sexo? Vocês já tentaram algum tipo de preservativo? Sentem-se confortáveis? O que
você sabe sobre o uso correcto do preservativo?

METODOLOGIA

Duração: 70 minutos (Exposição do tema: 30 minutos; Dinâmica - Exercício Nº 1: 20 minutos


Dinâmica - Exercício Nº 2: 20 minutos)

Dinâmicas sobre o aconselhamento em geral: Tempo livre

Processo:

1. Apresentar o tema programado.

2. Apresentar as transparências.

3. Coordenar as equipas de trabalho.

4. Orientar as dinâmicas.

5. Pontos de discussão.

Desenvolvimento de Actividades:

• Ao expositor caberá:

Facilitar as discussões;
Fazer a leitura participativa do texto;
Apresentar o tema;
Coordenar as dinâmicas.

51

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Dinâmicas

No. 1. Dinâmicas de aconselhamento sobre um caso de HIV em crise

O objectivo desta dinâmica é o de exercitar os principais passos sobre o aconselhamento numa


situação de HIV positivo. Praticar uma situação de simulação de atendimento e seguir os
seguintes passos:

1. Iniciar a simulação do atendimento utilizando os exercícios anteriormente feitos neste


capítulo.

2. O/a conselheiro/a irá receber o/a cliente e fará uma simulação do atendimento envolvendo as
seguintes fases, ou seja, receber o cliente, sentar-se, apresentar-se e fazer perguntas abertas ao
cliente.

3. O/a cliente trará uma situação de HIV positivo já por si reconhecida, uma vez que este já
havia feito o teste e sabia do seu estado. O/a cliente passou a ter nos últimos tempos
pensamentos suicidas e não deseja mais sofrer tanto.

4. A ênfase aqui será dada ao papel do/a conselheiro/a em dissuadir o cliente de pensamentos
suicidas e desfazer a equação que o cliente possivelmente está a fazer de que o HIV positivo é
igual a morte. O/a conselheiro/a deverá marcar vários outros encontros com o/a cliente. Caso
persistam pensamentos suicidas, o/a conselheiro deverá encaminhar o caso para um
tratamento psicológico mais especializado. Dependendo do caso, será necessário um contacto
com os familiares/responsáveis ou pessoas indicadas pelo/a cliente.

Processo:

1. Explicar que o exercício é feito em pares e uma terceira pessoa será o/a observador/a que dará
o feedback para a dupla. Na dupla, um/a será o/a conselheiro/a e o/a outro/a o/a cliente e
depois inverter-se-ão os papéis.

No. 2. Dinâmica de informar a um cliente sobre a seropositividade

O objectivo desta dinâmica é exercitar os principais passos a dar numa situação de


aconselhamento, num momento de testagem de seropositividade, na qual o/a cliente vai ficar a
saber que é seropositivo. Praticar uma situação de simulação de atendimento e seguir os seguintes
passos:

1. Iniciar a simulação do atendimento utilizando os exercícios anteriormente feitos neste


capítulo.

52

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
2. O/a conselheiro/a irá receber o/a cliente e fará uma simulação do atendimento envolvendo as
seguintes fases, ou seja, receber o cliente, sentar-se, o/a conselheiro/a deverá apresentar-se e
fazer perguntas abertas ao cliente.

3. O/a conselheiro depois de saber da seropositividade do/a cliente terá que informar-lhe o
resultado da testagem. O/a conselheiro/a depois de seguir os trâmites normais do
aconselhamento recomendados, irá informar de uma forma carinhosa e directa sobre a
seropositividade do/a cliente. Cabe ao conselheiro/a dar imenso apoio ao cliente neste
momento deveras difícil e afirmar que, apesar da gravidade da doença e dos problemas
relacionados a ela, não significa absolutamente que a pessoa está a morrer. Os/as seropositivos
devem saber que, caso tenham uma vida regrada, boa alimentação, sem fumar ou beber,
fazendo uso da prática de sexo seguro (com camisinha), eles/as podem ter uma vida
prolongada e, caso tenham acesso a medicação, os prognósticos actualmente são
razoavelmente optimistas.

4. A ênfase aqui será no papel do/a conselheiro/a, em que este/a deve dar o máximo de apoio ao
cliente e ter muitos encontros regulares com este/a, neste momento da sua vida.

5. Cabe ao/à conselheiro/a fazer perguntas ao cliente e saber se este está a entender o que este/a
está a dizer e a informar. Relembrar ao cliente os problemas relacionados com os cuidados
consigo mesmo e da sua sexualidade.

Processo:

1. Explicar que o exercício é feito em pares e uma terceira pessoa será o/a observador/a que dará
o feedback para a dupla. Na dupla, um/a será o/a conselheiro/a e o/a outro/a o/a cliente e
depois inverter-se-ão os papéis.

Dinâmicas para exercitar o Aconselhamento

1. Parafrasear

Duração: 20 minutos

Objectivos:

• Praticar a técnica da repetição;


• Aprender a repetir, para indicar que compreendemos a mensagem e para apoiar o/a
adolescente a concentrar-se no conteúdo da sua mensagem.

Processo:

1. Explicar que farão um exercício num grupo grande, mas que normalmente formam-se tríades
para este exercício (pessoa A, pessoa B e pessoa C).

53

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
2. A pessoa A (1ª. pessoa), inicialmente no papel do/a adolescente, faz uma afirmação que deve
ser parafraseada pela pessoa B (2ª. pessoa, do lado esquerdo). A seguir àquela, a pessoa B, faz
outra afirmação como se fosse um outro/a adolescente, que deverá ser parafraseada pela
pessoa C (à sua esquerda) e assim sucessivamente, até que a pessoa A parafraseie a última
“fala adolescente” e encerre o ciclo.

3. Todas as pessoas que não estão a jogar naquele momento (todo o mundo excepto a dupla),
devem observar para que o exercício seja feito correctamente.

4. No final, fazem-se os comentários.

Frases para Exercitação do Parafraseamento

• “As DTS só se contagiam se tivermos relações com prostitutas.”


• “O SIDA só acontece com homossexuais … como não sou homossexual, nada vai-me
acontecer.”
• “Só tive uma relação com o meu namorado e (silêncio)…”
• “Com o preservativo não se sente o mesmo… por isso, não o uso.”
• “Não quero usar o preservativo. Interrompe o clima e, além disso, tenho que pedir para ele
usar.”

• “Não quero usar preservativos, pois tenho medo que a minha mãe os encontre na minha
pasta.”
• “Estou com uma DTS e não sei como contar aos meus pais. Eles pensam que sou perfeita.”
• “Li que a masturbação deixa as pessoas loucas… e eu faço isso.”
• “Apesar de todas as recomendações da minha mãe, eu perdi a minha virgindade.”
• “Sei que as mulheres podem fazer algo para não ter filhos e nem contaminar-se com o SIDA.”
• Estive a pensar… é uma boa ideia saber como cuidar de nós próprios.”
• Estou chateado. Os meus amigos dizem que sou matreco porque não faço amor com a minha
namorada.”

2. Clarificar

Duração: 20 minutos

Objectivos:

• Praticar a técnica de clarificação para apreendê-la, com vista a:

Ter segurança de o/a adolescente ter entendido correctamente;


Ajudar o/a adolescente a explorar ideias, sentimentos e clarificar mensagens confusas ou
vagas.

54

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
Processo:

1. Explicar que farão um exercício num grupo grande, mas que normalmente formam-se tríades
para este exercício (pessoa A, pessoa B e pessoa C).

2. A pessoa A (1ª. pessoa) inicialmente no papel do/a adolescente, faz uma afirmação que deve
ser clarificada pela pessoa B (2ª. pessoa, do lado esquerdo). A seguir àquela, a pessoa B, faz
outra afirmação como se fosse um outro/a adolescente, que deverá ser clarificada pela pessoa
C (à sua esquerda) e assim sucessivamente, até que a pessoa A clarifique a última “fala
adolescente” e encerre o ciclo.

3. Todas as pessoas que não estão a jogar naquele momento (todo o mundo excepto a dupla)
devem observar para que o exercício seja feito correctamente.

4. No final, fazem-se os comentários.

Frases para praticar a Técnica da Clarificação

• O meu namorado faz-me amor e eu não gosto que ele seja tão meloso.
• Os meus pais matar-me-iam se soubessem que tenho relações com o Pedro.
• Não quero saber nada de preservativos.
• Dizem que a nossa relação é leve … e isso não me preocupa.
• Essa rapariga agrada-me mas, dizem que é uma brincalhona.
• As raparigas não me notam.
• Dizem que o meu namorado está queimado e não sei como ajudá-lo.
• Venho aqui para que me ajudes. Estou tão só!
• Tenho vários irmãos, mas todos são tão matrecos!
• Às vezes uso condom, mas, outras vezes não.
• Sim, tenho relações, mas nunca se passou nada que não pudesse solucionar.

OBS. As palavras em bold são as que devem ser clarificadas.

3. Espelho

Duração: 20 minutos

Objectivos:

• Praticar a Técnica do Espelho para apreendê-la com vista a:

Tomar nota do que o/a adolescente disse e enfatizar a descrição dos seus sentimentos.

Processo:

1. Explicar que farão um exercício em pares mas que manterão a estrutura do grupo grande.
Normalmente formam-se tríades para este exercício (pessoa A, pessoa B e pessoa C).
55

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
2. Começa-se com a dupla 1: a 1ª. pessoa da dupla (pessoa A), inicialmente no papel do/a
adolescente, faz uma afirmação que deve ser espelhada pela 2ª. pessoa da dupla (a pessoa B,
do lado esquerdo). A seguir àquela, a pessoa B, faz uma outra afirmação como se fosse um
outro/a adolescente, que deverá ser espelhada pela pessoa A da mesma dupla. A seguir, passa-
se para a próxima dupla, à esquerda, e assim sucessivamente, até encerrar o ciclo.

3. Todas as pessoas que não estão a jogar naquele momento (todo mundo excepto a dupla),
devem observar para que o exercício seja feito correctamente.

4. No final, fazem-se os comentários.

Frases para Exercitar a Técnica do Espelho

Par 1

a. Tive relações e usei o preservativo, mas quando o retirei notei que tinha um furo. Agora não
sei se ela vai pegar a doença (temor).
b. Uso preservativo, mas, às vezes esqueço de ter um comigo. Parece que o meu pai suspeita.
Não sei o que faria se ele me dissesse algo (vergonha, medo de decepcionar os pais).

Par 2

a. Quando eu era pequeno, uma vez um tio quis abusar de mim (cabisbaixo e melancólico)…
não sei se as raparigas me agradam (confusão).
b. Quando me masturbo, sinto-me bem… mas logo vem-me a ideia de que vou ficar louco
(culpa, temor).

Par 3

a. A minha mãe diz -me “os rapazes respeitam-te se ficares em casa”… mas eu gosto de sair, de
ficar o tempo todo com os/as amigos/as (confusão).
b. Adoro o Pedro e gostaria de fazer amor com ele, mas a minha mãe disse que, para ser feliz
tenho que chegar virgem ao casamento (confusão).

Par 4

a. Namorei outras raparigas enquanto a minha namorada Rosa não estava aqui (olhando para
baixo) e ela sem dúvida confia tanto em mim… (culpa).
b. Não é justo!! Isto não pode acontecer comigo!! Só tive relações uma vez!! Como é que posso
estar nesta situação!!!??? (desespero, raiva)

Par 5

a. Não sei como pude ser tão tonta e deixar-me convencer (raiva, decepção).

56

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
b. Acontece que não confiam em mim, não me deixam sair sózinha a não ser na companhia do
meu irmão (raiva).

Par 6

a. Os meus amigos disseram-me para ir “nessa casa de encontros” só por curiosidade. Mas
depois, obrigaram-me a entrar. Não sabia o que fazer (confusão).
b. Eu não queria fazer… mas ele assegurou-me que não aconteceria nada (decepção).

Par 7

a. A única rapariga com quem estive, também esteve com os meus amigos… um deles está
muito doente e não sabe o que é que tem (medo).
b. Eu estive com uma rapariga o mês passado e não usei o condom…Quero fazer o teste do HIV
(temor).

4. Sintetizar ou Resumir

Duração: 20 minutos

Objectivos:

• Praticar a técnica da síntese ou resumo;


• Aprender a resumir aplicando os distintos tópicos apresentados pelo/a adolescente,
centralizando a discussão, moderando a sessão no caso de esta ser muito rápida.

Processo:

1. Solicitar que um/a voluntário faça uma apresentação para o grupo, das 4 técnicas
fundamentais: paráfrase, clarificação, espelho e resumo.

2. O/a facilitador/a deve enfatizar esta última, destacando que o resumo é útil porque demonstra
que o/a adolescente prestou atenção e permite corrigir algum erro. É também uma maneira
conveniente de encerrar um tema e passar para um outro com quase nenhum dano. O resumo
deve abarcar os pontos principais, mais importantes, especialmente aqueles reforçados pelo/a
adolescente. Pode contribuir para uma expressão mais clara da experiência do/a adolescente
sem cair numa interpretação.

3. Como nos exercícios anteriores, o/a facilitador/a explica que farão o exercício num grupo
grande, mas que, normalmente, formam-se tríades para este exercício (pessoa A, pessoa B e
pessoa C).

4. A pessoa A (1ª. pessoa), no papel do/a adolescente, lê o texto. A pessoa B deve resumir. A
pessoa seguinte (pessoa C, à esquerda) comenta o resumo. E assim, sucessivamente com o
próximo texto até fechar o ciclo.

57

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
5. Todas as pessoas que não estão a jogar naquele momento (todo o mundo excepto a dupla)
devem observar para que o exercício seja feito correctamente.

6. No final, fazem-se os comentários.

Textos para Exercitar a Síntese

1. Não sei o que fazer. O meu namorado vai trabalhar fora do país. Estivemos juntos durante
tanto tempo… fizemos planos juntos… ele ajudava-me muito com os assuntos lá de casa… os
meus irmãos tinham muito respeito por ele… eu quero-o muito e tenho medo de perdê-lo…
Gostaria de lhe demonstrar quanto o quero, embora ele nunca me tenha pedido nada.
Concordámos que faríamos amor quando os dois desejássemos. Agora não sei o que fazer… e
se não o vejo mais … e se não volta… não sei se fica bem fazermos amor… Falta tão pouco
para terminar os meus estudos! E se eu ficar grávida? Ou apanhar alguma doença? Não sei …

2. Desde bem criança a minha mãe tratou-me de uma forma diferente… dizia que parecia o meu
pai… Não sei… Levanto-me cedo e vou com ela receber a mercadoria no mercado… À tarde,
vou ao colégio. Quando volto à casa, ela nunca me pergunta como foi… Às vezes, demoro-me
e nunca me pergunta porquê… Na rua passam-se coisas ruins, como daquela vez em que um
senhor levou-me com mentiras dizendo que ia dar-me trabalho… Mas isso já passou e agora
sei cuidar-me. Agora prefiro estar com os meus colegas. Sinto-me atraído pelas raparigas mas
não sei como tratá-las. Os meus amigos incentivam-me, mas não sei, tenho vergonha…

3. Não entendo.. Ainda no ano passado diziam-me que era uma menina. Agora tudo mudou em
mim, o meu corpo, a minha cara, até o meu carácter. Não sei porquê, respondo mal à minha
mãe. Não entendo. Ela diz que não lhe respondo mas nem me dou conta… Além disso, ela diz
que sou criança para sair com namorados, mas as minhas amigas já namoram. Bem, há dois
rapazes que me agradam. A minha mãe diz que eles têm um aspecto ruim, mas eu não
concordo. Conheci um há pouco tempo na associação. É boa gente, e lindo! O outro chama-se
Ricardo. Ele sempre me agradou mas, estava com uma outra rapariga da associação. No outro
dia, ele, o Ricardo, acompanhou-me até à casa do meu avô e disse-me que queria terminar
com a namorada por causa de uma outra rapariga. Eu disse-lhe que “isso não se faz” e ele
respondeu–me “nem mesmo se essa pessoa for você?”. Não soube o que falar, não sei se fica
bem, não sei se ele fala a sério…

Simulação de um Bom Aconselhamento por 2 pessoas com experiência sobre as seguintes


situações:

• Um adolescente de 18 anos volta à consulta de aconselhamento para saber o resultado do teste


de HIV, que é positivo.
• Um adolescente de 17 anos solicita aconselhamento porque tem medo de ter contraído uma
DTS. É uma pessoa muito tímida, a quem os seus amigos obrigaram a iniciar-se sexualmente
há algum tempo.
• Uma adolescente de 14 anos vai ao aconselhamento porque encontra-se com um corrimento
estranho e os seus pais não sabem que ela é sexualmente activa. Ela é a menor das três irmãs
educadas tradicionalmente. Ela está a frequentar a 5ª. classe. O namorado também estuda na

58

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.
mesma classe. Ele não sabe que ela está nessa situação.
• Uma jovem de 20 anos solicita aconselhamento para um pré-teste de HIV. Ela esteve com um
rapaz que não conhecia.
• Uma jovem de 24 anos volta à consulta de aconselhamento para saber o resultado do teste de
HIV, que é negativo.
• A Maria soube que a mãe da amiga, a Vanda, está com SIDA. E é uma senhora séria. A Maria
e a Vanda não entendem como ela apanhou SIDA. A Maria vai ao aconselhamento porque não
quer que o mesmo lhe aconteça.
• O Jonas soube que o ex-namorado da sua actual namorada fez teste de SIDA e deu positivo.
Ele procura o aconselhamento pela primeira vez porque não sabe o que fazer.

59

Manual de Formação de Facilitadores. Educação e Aconselhamento em Sexualidade, Saúde, Direitos Reprodutivos e


HIV/SIDA para Adolescentes e Jovens.