Você está na página 1de 5

1

Teste de Avaliação n.º 3 - Correção

10.º CT
março/2013
GRUPO I
1. O título “Balada do Desespero” afigura-se particularmente adequado à
canção de Pedro Barroso, uma vez que, ao longo da mesma se vai contando
a vida de um homem (o Silva), que não teve a capacidade de ser diferente,
não teve a capacidade de se individualizar, limitando-se a viver uma vida igual
à de milhares de outros Silvas, inferindo-se que terá sido particularmente
infeliz dada a ausência de objetivos por que pautou a sua existência.

Justifica com rigor a adequação do título à balada, referindo a falta de


3 objetivos do Silva, bem como a sua incapacidade de se insurgir contra 15
uma existência em tudo igual à de todos os homens.
Justifica com alguma falta de rigor a adequação do título à balada,
2 referindo a falta de objetivos do Silva. 9
Justifica de forma confusa a adequação do título à balada, salientando
1 apenas que o Silva não deve ter sido feliz. 3

2. Infeliz; vazia; condescendente; desesperada; desgraçada; funesta; miserável;


...
5 X 1 ponto ...................................................................................................................... 5 pontos

3. Pode considerar-se que este homem é, simultaneamente, uma vítima e o seu


próprio carrasco. É uma vítima porque atua de acordo com normas que lhe
são impostas pela sociedade em que vive e na qual foi educado. Por outro
lado, também é o seu próprio carrasco, já que, ao longo de toda a sua vida
jamais conseguiu insurgir-se contra as adversidades com as quais se foi
deparando.

Maria Serafina Roque


2

Justifica com rigor e pertinência o facto do homem ser, simultaneamente,


3 vítima e carrasco de si próprio. 15
Justifica com alguma falta de rigor o facto do homem ser, simultaneamente,
2 vítima e carrasco de si próprio.
OU
Justifica com rigor e pertinência o facto do homem ser uma vítima . 9
OU
Justifica com rigor e pertinência o facto do homem ser um carrasco de si
próprio.
Justifica de forma confusa o facto do homem ser vítima e/ou carrasco de si
1 próprio. 3

4. A presença de um excerto de relato de futebol no final da balada simboliza


as coisas fúteis da vida, às quais o Silva dava importância, uma vez que não
conseguiu ter um projeto de vida realmente válido e importante.

Refere apropriadamente e com rigor a simbologia do excerto de relato


3 de futebol. 15
Refere com alguma falta de rigor e de forma pouco apropriada a
2 simbologia do excerto de relato de futebol. 9
Refere-se à simbologia do excerto de relato de futebol de forma muito
1 confusa e pouco pertinente. 3

GRUPO II

1. O tema do soneto reporta-se à infelicidade do sujeito associada ao dia do seu


nascimento.

Refere apropriadamente e com rigor o tema do soneto.


3 9
Refere com alguma falta de rigor e de forma pouco apropriada o tema
2 do soneto. 6
Refere de forma confusa o tema do soneto, parafraseando-o.
1 3

Aspetos de organização e correção linguística………………………………………6 pontos


Estruturação do discuso………………………………………………………………. 3 pontos
Correção linguística …………………………………………………………………… 3 pontos

Maria Serafina Roque


3

2. O sujeito poético manifesta o desejo do desaparecimento do dia do seu


nascimento e o recurso estilístico utilizado para conferir expressividade ao
seu desejo é o pleonasmo (“moura e pereça”).

Refere apropriadamente e com rigor o desejo manifestado pelo sujeito


4 poético, mencionando o pleonasmo enquanto recurso usado para 12
manifestar esse desejo .
Refere apropriadamente e com rigor o desejo manifestado pelo sujeito
poético, não mencionando o pleonasmo enquanto recurso usado para
manifestar esse desejo.
3 OU 9
Refere apropriadamente e com rigor o desejo manifestado pelo sujeito
poético, mencionando a repetição/reiteração (“moura e pereça)
enquanto recurso usado para manifestar esse desejo.
Refere de forma confusa o desejo manifestado pelo sujeito poético,
2 mencionando adequadamente o pleonasmo enquanto recurso usado 6
para manifestar esse desejo.

1 Limita-se a parafrasear o poema, referindo a repetição do conceito 3


“moura e pereça”.

Aspetos de organização e correção linguística………………………………………8 pontos


Estruturação do discuso……………………………………………………………… 4 pontos
Correção linguística ……………………………………………………………………4 pontos

3. A causa que determina o desejo do sujeito é o facto de ele considerar que


nesse dia nasceu “a vida/mais desgraçada que jamais se viu” (vs. 13/14).

Refere apropriadamente e de forma rigorosa a causa que determina o


3 desejo do sujeito poético. 12
Refere de forma confusa a causa que determina o desejo do sujeito
2 poético. 8
Limita-se a parafrasear o soneto.
1 4

Aspetos de organização e correção linguística………………………………………8 pontos


Estruturação do discuso……………………………………………………………… 4 pontos
Correção linguística ……………………………………………………………………4 pontos

Maria Serafina Roque


4

4. O ambiente descrito corresponde a uma transposição do interior tumultuoso


do sujeito poético. O grande sofrimento e a grande infelicidade que o sujeito
sente são diretamente transpostos para a ambiência descrita, também ela
tumultuosa e suscetível de provocar os maiores horrores e infelicidade.

Relaciona com rigor e pertinência o estado de espírito do sujeito


4 poético com o ambiente descrito, evidenciando o caráter tumultuoso 12
de ambos.
Relaciona com pouco rigor mas alguma pertinência o estado de
3 espírito do sujeito poético com o ambiente descrito, evidenciando o 9
caráter tumultuoso de ambos.
Relaciona com pouco rigor e pouca pertinência o estado de espírito do
2 sujeito poético com o ambiente descrito, enbora fazendo referência ao 6
caráter tumultuoso de ambos.
Limita-se a parafrasear o soneto, estabelecendo relações muito
1 confusas e nem sempre lógicas entre o estado de espírito do sujeito e 3
o ambiente descrito.

Aspetos de organização e correção linguística………………………………………8 pontos


Estruturação do discuso……………………………………………………………… 4 pontos
Correção linguística ……………………………………………………………………4 pontos

5. O soneto pode dividir-se em duas partes, correspondendo a primeira às três


primeiras estrofes e a segunda ao último terceto. Nas três primeiras estrofes,
o sujeito poético manifesta o desejo de que o dia do seu nascimento seja
obliterado, razão que determina a utilização da terceira pessoa gramatical,
uma vez que se refere ao dia em que nasceu. Na segunda parte, o sujeito
conclui o seu pensamento através de um apelo dirigido à “gente temerosa”,
por isso é usado o vocativo (“ó gente temerosa” e a segunda pessoa, “não
te espantes”).

Maria Serafina Roque


5

Divide o soneto em duas partes, evidenciando os motivos temáticos e


4 gramaticais convenientes e apropriados. 15
Divide o soneto em duas partes, evidenciando os motivos temáticos
convenientes e apropriados.
3 OU 10
Divide o soneto em duas partes, evidenciando os motivos gramaticais
convenientes e apropriados.
Divide o soneto em duas partes, embora evidenciando os motivos
2 temáticos e gramaticais de forma pouco rigorosa. 6
Limita-se a dividir o soneto em duas partes, não justificando
1 convenientemente o que afirma. 3

Aspetos de organização e correção linguística………………………………………15 pontos


Estruturação do discuso……………………………………………………………… 8 pontos
Correção linguística ……………………………………………………………………7 pontos

GRUPO III
1.1. É desrespeitada a máxima da relevância, dado que a resposta do Pedro não
contém informação relevante face à pergunta do João.
........................................................................................................................................ 15 pontos

1.2. É desrespeitada a máxima da quantidade, pois, o transeunte fornece


informação absolutamente desnecessária e excessiva relativamente à
pergunta da senhora.
........................................................................................................................................ 15 pontos

1.3. É desrespeitada a máxima da relevância, já que a aluna, ao pretender brincar


com a professora, produz um enunciado verdadeiramente extemporâneo
face à proposta da professora.
........................................................................................................................................ 15 pontos

Maria Serafina Roque

Você também pode gostar