Você está na página 1de 1

Entenda o que é a progressão continuada

Sistema de ciclos tem reprovação apenas ao final de período.


Redes de ensino têm liberdade para adotar o sistema que preferirem.

A progressão continuada é um procedimento já adotado em vários estados e municípios, no qual o


aluno não fica reprovado de ano em ano, mas sim, ao final de ciclos, caso não tenha conseguido
rendimento suficiente.

A idéia é que, durante um ciclo, o estudante seja constantemente avaliado. O professor tem de ser
bem preparado para verificar as necessidades de cada um na turma. Se notar que há dificuldades, o
docente deve auxiliar o aluno a procurar formas de recuperar o conhecimento que ficou para trás
(como aulas de reforço, programas de recuperação).

Na rede estadual de São Paulo, o ensino era organizado em dois ciclos: de 1ª a 4ª série, e de 5ª a 8ª
série. Ou seja, só poderia repetir na 4ª e na 8ª. A partir deste ano, a secretaria aumentou a
quantidade de ciclos, então o estudante pode ficar retido na 2ª, 4ª, 6ª e 8ª séries.

“A rede estadual ou municipal tem liberdade para escolher o sistema. Pernambuco, por exemplo não
tem ciclos na rede estadual, mas a rede municipal de Recife tem. São Paulo adota o sistema de
ciclos”, explica o professor Mozart Neves Ramos, do Conselho Nacional de Educação.

No Rio

A rede municipal do Rio de Janeiro, por meio de uma resolução, resolveu adotar o sistema de ciclos
e modificar os nomes dos conceitos dados aos estudantes. A pior nota é “Regular”, e significa que o
aluno teve de passar por atividades de recuperação constantemente.

A Secretaria de Educação do Rio não afirma, entretanto, se haverá reprovação ao final dos ciclos e
como acontecerá. A secretaria informou ao G1 que haverá “estratégias” para fazer com que os
alunos não sejam reprovados.

Defensores da idéia

Defensores da idéia de ciclos e da progressão continuada afirmam que a grande repetência, muitas
vezes, pode desestimular os estudantes a prosseguirem seus estudos. Isso geraria um problema
pedagógico e social: salas lotadas de alunos com dificuldades e abandono da escola.

A professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Clarilza Prado de Sousa
explica que se criou um mito em torno do sistema de ciclos: “Progressão continuada não é passar de
ano direto. Significa avaliar o estudante dia a dia, mês a mês. Uma criança de 7 anos, por exemplo,
precisa ser avaliada semanalmente, pois corre o risco de se perder”, afirma.

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Vestibular/0,,MUL48333-5604,00.html