Você está na página 1de 8

CAPÍTULO V.

VALOR DE USO, VALOR DE TROCA E A


TEORIA DO USO DO SOLO URBANO
DAVID HARVEY '"
In: A Justiça Social e a Cidade. 1980.

"A palavra VALOR, é preciso observar, tem dois significados diferentes; algumas vezes expressa
a utilidade de algum objeto particular e algumas vezes o poder de compra de outros bens que a
posse daquele objeto transmite. O primeiro pode ser chamado 'valor de uso' e o outro 'valor de
troca'.131
A distinção entre valor de uso e valor de troca foi urna fonte preponderante de consideração
para os economistas políticos do século dezenove. Ela estipulou o ponto de partida dos
Princípios de Economia Política e Tributação, de Ricardo, assim corno O Capital, de Marx. Jevons
(1871, 128-44) tornou valor de uso igual à "utilidade total", e valor de troca à "proporção de
troca". 131

OBJETIVO.
Parece relevante, por isso, relembrar a distinção entre valor de uso e valor de troca em sua
forma original e indagar se o debate clássico pode prover qualquer esclarecimento a respeito
dos problemas urbanos contemporâneos.132

DIALÉTICA RELACIONAL.
Marx usa as palavras de modo dialético e relaciona!. Valor de uso e troca não têm significado
em si próprios. Para Marx, eles ganham significado (passam a existir) através do relacionamento
entre si (e a outros conceitos) e através de sua relação às situações e circunstâncias em
discussão (Ollman, 1971, 179-89). 132
A expressão "valor de uso" pode, assim, ser aplicada a toda a classe de objetos, atividades e
eventos em situações particulares sociais e naturais. Pode referir-se à ideologia religiosa,
instituições sociais, trabalho, linguagem, mercadorias, recreação etc.132

TEXTO DE MARX - Marx deu bastante atenção ao significado de valor de uso e valor de troca
na sociedade capitalista. Tanto nos capítulos iniciais de O Capital como em Uma Contribuição à
Critica da Economia Politica ele detalha o significado desses conceitos no contexto
capitalista.132

MERCADORIA
Ele afirma que "um valor de uso tem valor somente em uso, e realiza-se no processo' 'de
consumo". Os valores de uso, consequentemente, "servem diretamente como meios de
existência". Empregado dessa maneira, contudo, "o valor de uso como tal 'está fora da esfera
de investigação da economia política". Marx passa então a considerar o valor de troca. 132
Este, sugere, aparece à primeira vista como' 'relação quantitativa; a proporção pela qual valores
de uso' são trocados por outros". Mas, em seu modo típico, passa, então, a indagar das forças
que geram o valor de troca na sociedade capitalista. Ele conclui que a criação de valor de troca
reside no processo social de aplicação de trabalho socialmente necessário aos objetos 9a
natureza para criar objetos materiais (mercadorias) apropriados para o consumo (uso) pelo
homem. Marx, então, relaciona valor de uso e valor de troca entre si.133
“A mercadoria, contudo, é a unidade direta do valor de uso e do valor de troca, e ao mesmo
tempo é mercadoria somente em relação a outras mercadorias. O processo de troca de
mercadorias é a relação real que existe entre elas. Este é o processo social desempenhado
pelos indivíduos independentemente uns dos outros, mas eles somente tomam parte nele como
possuidores de mercadorias (...). A mercadoria é um valor de uso, mas como mercadoria, ela
em si simultaneamente não é valor de uso. Não seria mercadoria se fosse valor de uso para seu
possuidor; isto é, meio direto para a satisfação de suas próprias necessidades. Para seu
possuidor é. ao contrário, não valor de uso, que é meramente o depositário físico do valor de
troca ou simplesmente meio de troca. O valor de uso como ativo portador de valor de troca
torna-se meio de troca. A mercadoria é valor de uso para seu possuidor somente na medida em
que é valor de troca.”133
A mercadoria, como simples objeto ou "coisa em si mesma", é substituída na análise de
Marx pela mercadoria como expressão de inumeráveis relações sociais que, através de simples
mudança de mãos, pode passar por uma transformação radical de significado. A "mercadoria"
assume consigo mesma tudo o mais que está acontecendo na situação social, na qual ela é
produzida e consumida. 134

METODO MARXISTA E O USO DO SOLO


O método marxista de colocar o valor de uso e o valor de troca em relação. dialética entre si
merece consideração porque favorece [...] construir uma ponte entre as abordagens espaciais e
econômicas dos problemas de uso do solo.135

O VALOR DE USO E O VALOR DE TROCA DO SOLO E DAS


BENFEITORIAS
CARACTERISTICAS DA MERCADORIA SOLO
(i) FIXA - O solo e as benfeitorias não podem deslocar-se livremente, e isso os
diferencia de outras mercadorias, têm localização fixa. A localização
absoluta confere privilégios de monopólio à pessoa que tem os direitos de
determinar o uso nessa localização.
(ii) INDISPENSÁVEIS - O solo e as benfeitorias são mercadorias das quais
nenhum indivíduo pode dispensar.
(iii) MENOR CAMBIO DE DONO - O solo e as benfeitorias mudam de mãos
relativamente com pouca freqüência. A interpenetração dialética do valor
de uso e do valor de troca na forma mercadoria não se manifesta no
mesmo grau nem ocorre com a mesma freqüência em todas as seções da
economia urbana.
(iv) INDESTRUTIVEL, FUTURA - O solo é algo permanente e a probabilidade de
vida das benfeitorias é muitas vezes considerável. Numa economia
capitalista um individuo tem duplo interesse na propriedade, ao mesmo
tempo como valor de uso atual e futuro e como valor de troca potencial ou
atual, tanto agora como no futuro.
(v) CONSUMO DURÁVEL - A troca no mercado ocorre em um momento do
tempo, mas o uso se estende por um período de tempo.
(vi) MULTIUSO SIMULTANEAMENTE - O solo e as benfeitorias têm usos
diferentes e numerosos. Cada individuo e grupo determinará,
diferentemente, o valor de uso.
Os valores de uso refletem um misto de necessidade e reivindicações sociais,
idiossincrasias, hábitos culturais, estilos de vida e similares, que, deve dizer-se, não
são arbitrariamente estabelecidos pela “pura" soberania do consumidor.137
O valor de uso, concebido em seu sentido cotidiano, "permanece fora da esfera da
economia política". Quando o valor de uso e o valor de troca colidem para tornar o
solo e as benfeitorias mercadorias.
EXPLICAÇÃO [a parir do momento que o valor de uso do solo, passa a ser discutido
para além da esfera do cotidiano, ou seja na esfera política econômica, o valor de uso
colide-se ao valor de troca, e o solo torna-se mercadoria]

A TEORIA DO USO DO SOLO URBANO


As análises se concentram, tipicamente, quer nas características do valor de uso
(através do estudo do sistema de sustentação de vida) ou nas características do
valor de troca (o sistema de mercado de troca), mas há pouca ou nenhuma
informação sobre como as duas podem ser relacionadas entre si.

GRUPOS DE TEORICOS.
Geógrafos e sociólogos, por exemplo, têm desenvolvido uma variedade de teorias
de uso do solo, que se atém a padrões de uso.
Por contraste, as teorias de uso do solo criadas fora da microeconomia neoclássica
recaem sobre o valor de troca.138

A TEORIA MICROECONÔMICA DE USO DO SOLO URBANO


Há numerosos e diversos atores no merçado de moradia, e cada grupo tem um modo distinto
de determinar o valor de uso e o valor de troca. Consideraremos a perspectiva de cada um dos
principais grupos que operam no mercado de moradia.
(i) Os USUÁRIOS DE MORADIA consomem os vários aspectos da habitação de acordo
com seus desejos e necessidades. Os usuários proprietários estão relacionados com
os valores de uso e agem de acordo com isso. Mas, tanto quanto uma casa tem uso
como potencial de riqueza, o valor ~ troca pode ser considerado.140
(ii) CORRETORES DE IMÓVEIS operam no mercado de moradia para obter de troca.
Eles obtém lucro através de compra e venda ou através de cobrança de custos de
transação para seus 'serviços como intermediários.
(iii) PROPRIETÁRIOS operam, na maioria, com valor de troca como seu objetivo. (Usuários
proprietários, proprietários rentistas)
(iv) Os INCORPORADORES E A INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO de moradias estão
envolvidos no processo de criar novos valores de uso para outros, a fim de realizar
valores de troca para si próprios. A compra do solo, sua preparação (particularmente a
provisão de utilidades públicas) e a construção de moradia requerem considerável
desembolso de capital em adiantamento à troca. Esses dois grupos estão interessados
em valores de uso para outros, somente na medida em que criam valores de troca
para si próprios.141
(v) INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS desempenham papel importante no mercado de moradia
em relação às característica particulares da habitação. O financiamento da casa
própria, empreendimentos de proprietários, desenvolvimento e nova construção,
recaem pesadamente sobre os recursos de bancos, companhias de seguros,
sociedades de construção e outras instituições de financiamento.
(vi) INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS usualmente surgidas de processos políticos aliadas
na carência de valores de uso disponíveis para os consumidores de moradia,
frequentemente, interferem no mercado de moradia. A produção de valores de uso
através da ação pública é uma forma direta: de intervenção; mas, a intervenção é
frequentemente indireta, (particularmente, nos Estados Unidos). Esta última pode
assumir a forma de auxilio a instituições financeiras aos incorporadores e à indústria
da construção para obter valores de troca pela ação do governo ao prover isenção de
impostos, para garantir lucros, ou para eliminar o risco. O governo também impõe e
administra uma variedade de restrições institucionais na operação do mercado de
moradia (o zoneamento e os controles de planejamento do uso do solo sendo os mais
conspícuos).

O QUE É VALOR DE USO PARA UM PODE SER VALOR DE TROCA PARA OUTRO
As operações de todos esses diversoS grupos no mercado de moradia não podem ser
facilmente agrupados em uma estrutura compreensiva de análise . O que é valor de uso
para um é valor de troca para outro, e cada um concebe o valor de uso
diferencialmente. A mesma casa pode assumir significado diferente, dependendo das
relações sociais que os indivíduos, as organizações e as instituições expressam nela.
Smith(1970,40) a concluir que "o conceito tradicional de 'equilíbrio da oferta e demanda' não é
muito relevante para a maioria dos problemas ou assuntos que estão associados com o setor de
moradia da economia."

CRÍTICA A RESPEITO DAS TEORIAS MICROECONÔMICAS


Esse tratamento da singularidade espaçial (ou espaço absoluto) evidentemente não satisfaz. A
singularidade espacial não pode ser reduzida à mera imobilidade nem a uma questão
meramente de acesso ao transporte. 143
A distância entre dois pontos é relativa porque ela depende dos meios de transporte, da
percepção da distância pelos atores na cena urbana etc. Devemos, também, pensar
relaciona/mente o espaço porque há um sentido importante no qual um ponto no espaço
contém" todos os outros pontos.
Mas, não podemos jamais dar-nos ao luxo de esquecer que não pode haver mais do que uma
parcela de solo exatamente na mesma localização. Isso significa que todos os problemas
espaciais têm qualidade monopolistica inerente a eles. O monopólio no espaco absoluto é
uma condição de existência, e não alguma coisa vivida como um desvio do mundo
espacial da competição perfeita.

PROBLEMA SEQUENCIAL DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO


Podemos começar a incorporar considerações contrárias à concepção de espaço absoluto se
visualiz.armos a alocação ocorrendo de um modo seqüencial através de um espaço urbano
dividido em grande mas finito número de parcelas de terra. A teoria do uso do solo aparece,
então, como problema sequencial de ocupação do espaço144

DISTRIBUIÇÃO DIFERENCIAL NO ESPAÇO URBANO


Uma distribuição diferencial surge, parcialmente, porque os benefícios, custos, oportunidades,
acessibilidades etc. estão, diferencialmente, distribuídos no sistema de recursos produzidos pelo
homem que é a cidade.145
Desde que a DISTRIBUIÇÃO DE RENDA É ALTAMENTE ASSIMÉTRICA NAS
SOCIEDADES CAPITALISTAS e o número de boas locações é presumivelmente limitado, é
muito possível que a quantidade de excedente do consumidor declinará,
desproporcionalmente, com o declínio da renda do grupo.
A ausência de escolha torna o pobre mais inclinado a ser esmagado por políticas quase
monopolísticas. 146
estamos lidando com um MONOPÓLIO DE CLASSE DOS PROPRIETÁRIOS relativo à
provisão de moradia para uma classe de locatários de baixa renda. O fenômeno de monopólio
de classe é muito importante para explicar a estrutura urbana, e por isso requer elucidação. Há
uma classe de consumido res de moradia que não tem nenhuma fiança de crédito e que não
tem escolha senão alugar onde possam.
Isso significa gasto mais baixo, preço mais alto e lucro mais alto sob monopólio, tanto individual
como de classe. Os ricos, que estão plenos de escolha econômica, são mais capazes de escapar
das consequências de tal monopólio, do que os pobres, cujas escolhas são muitíssimo limitadas.
Por isso, chegamos à conclusão fundamental de que o rico pode dominar o espaço enquanto o
pobre está aprisionado nele
Mesmo se levamos em consideração que uma nova construção é possível (isto é, que o estoque
de moradia não é fixo) essa condição é insatisfatória para mudar a situação, porque os pobres,
certamente, não estão em condição de gerar atividade no setor privado por causa da fraca
demanda efetiva (capaz de realizar aquisição = demanda solvável) por moradia que eles são
capazes de expressar no mercado.
Os grupos mais pobres que têm maior demanda latente (não oferecida) por moradia, e os
menores recursos para obtê-la não podem conseguir nova moradia.147
DESVALORIZAÇÃO DA EDIFICAÇÃO POR VALORIZAÇÃO DO SOLO
Na prática. a dinâmica do mercado de moradia pode, provavelmente, ser melhor observada
como combinação de "explosão" e "filtro por baixo". 148
Moradias deterioradas estão tipicamente sujeitas à pressão especulativa pressão que pode levar
à renovação urbana sob diferentes espécies de moradias ou a uma transformação no uso do
solo. 149
A evidência da cidade americana contemporânea sugere que a dinâmica da mudança de uso do
solo permanece, razoavelmente, constante sob o modo de produção capitalista.
a maximização de valores de troca por diversos atores produz benefícios
desproporcionais para alguns grupos e diminui as oportunidades para outros.

A RENDA E A ALOCAÇÃO DO SOLO URBANO PARA OBTER


VANTAGENS
O conceito de rentabilidade ocupa uma posição crítica nas teorias de uso do solo urbano.
da fusão da teoria da renda com a teoria da localização. O conceito de renda tem uma história
longa e controversa no pensamento econômico-politico
Marx está principalmente interessado nas manifestações da renda em uma economia de
mercado competitivo, e este é o tópico que ele persegue completamente. Ele enumera três
espécies básicas de renda que, tipicamente, surgem no modo capitalista de produção:
(i) A RENDA DE MONOPÓLIO surge porque é possível gravar um preço de monopólio
"determinado pela avidez do comprador em comprar e capacidade de pagar,
independentemente do preço determinado pelo preço geral de produção, tanto como
pelo valor do produto". as rendas de monopólio são cruciais no caso do solo e
propriedade urbanos,
[renda de monopólio resulta da disponibilidade da sociedade de pagar um preço
acima do comum por ser este um lugar específico/ produto de qualidade substancial]
Parece-me que as rendas obtidas na competição espacial são um caso clássico de
renda absoluta (definida abaixo) e que as rendas de monopólio no sentido de
Marx surgem somente através de imperfeições substanciais na competição
espacial.
Único, privilegiado, absoluto
(ii) A RENDA DIFERENCIAL. Situações vantajosas existem por uma variedade de
razões, e Marx discute-as de modo bem mais geral que Ricardo, diferenciando entre
aplicações intensivas e extensivas de capital e trabalho sob diferentes condições. A
vantagem da localização relativa. Marx, então, combina todos esses elementos, e
mostra como várias combinações de solos em diferentes localizações com
características diferentes, exploradas em sequências diferentes, com diferentes
quantidades de capital, podem dar origem a vários padrões de "renda diferencial”
A renda diferencial assume seu significado em um espaço relativo que é estruturado
por diferenciais em capacidade produtiva, em localizações diferentes e que é
integrado, espacialmente, através das relações de custo de transporte. A renda
diferencial, parece, não pode ser conceituada sem a projeção em um espaço relativo.
Mas, a renda diferencial é criada, na ótica de Marx, através da operação do modo
capitalista de produção no contexto da instituição da propriedade privada.
(iii) A RENDA ABSOLUTA distingue-se da renda do monopólio, por dar origem ao preço
de monopólio. [quando resulta do monopólio da terra]. na agricultura os lucros em
excesso são institucionalizados em renda absoluta através da força de monopólio da
propriedade privada. Cartel, domínio social

EXPLICAÇÕES - RENDAS
A produção capitalista não pode, na ótica de Marx, destruir a instituição da propriedade privada
porque sua própria existência está fundamentada na propriedade privada dos meios de
produção. 156
Mas, o aspecto de monopólio não tem sido bem entendido, porque ele pode surgir quer nas
formas absoluta ou de monopólio, como Marx as categoriza. Em ambos os casos o preço de
monopólio está presente, mas no caso da renda absoluta é a renda que determina o preço de
monopólio mais do que o outro modo indicado. Essa distinção é relevante para nosso
entendimento da competição espacial.
Na esfera da atividade social o espaço absoluto emerge corno a base da renda de monopólio.
Mas, o espaço absoluto é em geral superado pela interação entre diferentes esferas de
atividade em diferentes localizações e os atributos relativos do espaço emergem como o
princípio condutor para o estabelecimento tanto da renda diferencial como absoluta, embora o
espaço absoluto extraia sua taxa em todos os casos através do privilégio de monopólio da
propriedade privada.
o espaço urbano não é absoluto, relativo ou relacional, mas todos os três
simultaneamente, dependendo das circunstâncias de tempo.
As categorias marxistas de renda do monopólio, renda diferencial e renda absoluta abrangem
todo o pensamento na economia política clássica 158

ESPECULAÇÃO
"Hoje em dia muitas decisões de alocação são tomadas à sombra de aumentos iminentes (no
valor do solo). Visualize-se a hierarquia de usos do solo como uma série de circulos concêntricos.
A demanda usos mais altos não é plenamente satisfeita em seus próprios circulos causa dos
especuladores do solo. A demanda não satisfeita examina a parte de fora, lançando um "valor
incerto" difuso sobre zonas exteriores.160
O valor alto da renda do solo nas cidades centrais não deveria ser, necessariamente,
interpretado como reflexo das diferenças na produtividade marginal do solo (como sugere MilIs).
As rendas absoluta e de monopólio nessas localizações entram no custo de produção. As rendas
diferenciais, não. Se as rendas absoluta e de monopólio são dominantes na determinação do
valor do solo nas locações centrais então é o valor do solo que determina o uso. Se as rendas
diferenciais dominam então é o uso que determina o valor do solo. Na prática, naturalmente, a
renda surge das três circunstâncias, e ê muitas vezes difícil determinar que porção do valor de
renda adicional surge de qual circunstância

O VALOR DE USO, O VALOR DE TROCA, O CONCEITO DE


RENDA E AS TEORIAS DO USO DO SOLO URBANO - UMA
CONCLUÇÃO
A renda é a parte do valor de troca que se destina ao proprietário e possuidor do solo. Os valores
de troca relacionam-se (através da circulação de mercadorias) aos valores de uso socialmente
determinados. Se argumentamos que a renda pode prescrever o uso, então isso implica que os
valores de troca podem determinar os valores de uso, criando novas condições, ás quais os
indivíduos devem adaptar-se se desejam sobreviver em sociedade, Essas condições são
relevantes, não somente nos momentos catalíticos, quando as decisões sobre o solo e a
propriedade são tomadas em sua forma de mercadoria, mas elas também criam pressões
persistentes pela continua captura de custos e benefícios externos por parcelas de solo, através
de trocas relacionalmente estabelecidas no valor do solo etc.
O mercado capitalista de economia de troca penetra tanto em cada aspecto da vida social e
privada que exerce controle quase tirânico sobre o sistema de sustentação da vida, nos quais os
valores de uso estão inseridos. Um modo de produção dominante, observou Marx, cria
inevitavelmente as condições de consumo. Por isso, a evolução dos padrões de uso do solo
urbano pode ser entendida somente em termos do processo geral pelo qual a sociedade é
arrastada em direção a (sabe-se há muito) um padrão de necessidades sociais e relações
humanas (que não são nem compreendidas nem desejadas) pelas forças cegas de um sistema
envolvente de mercado. A evolução da forma urbana é parte integral desse processo geral, e a
renda, como medida de interpretação dos valores de uso e valores de troca, contribui
notavelmente para a manifestação desse processo.
Em economias capitalistas, a renda surge sob formas de monopolio, diferenciai e absoluta. Uma
vez surgida, a renda serve para alocar o uso do solo. Quando o uso determina o valor, uma
exceção pode ser feita para a racionalidade social da renda como artifício alocativo que leva à
eficiência os padrões de produção capitalista (embora a quantidade agregada de renda paga
pareça um preço extra ordinariamente alto para a sociedade pagar por tal mecanismo
alocativo). Mas, quando o valor determina o uso, a alocação ocorre sob os auspícios da
especulação desabrida, da escassez artificialmente induzida e similares e desaparece qualquer
pretensão de ter algo a ver com a eficiente organização da produção e distribuição.
Além disso, são discerníveis diferenças no modo pelo qual a renda é obtida ao longo do tempo.
A renda de monopólio (no sentido marxista) e a renda absoluta (se é olhada como fenômeno de
monopólio de classe) são mais significativas do que jamais o foram, parcialmente porque as
cidades são maiores e geograficamente mais diferenciadas.
Talvez, a tarefa mais urgente nas circunstâncias contemporâneas seja entender como as rendas
do indivíduo e do monopólio de classe surgem, e conseguir alguma introspecção nos processos
pelos quais a criação de escassez artificial, o crescimento de áreas urbanas, e o poder de
reaiizar tais rendas estejam intimamente ligados. A teoria de uso do solo urbano tem pouco a
dizer sobre este importante tópico, na atualidade.