Você está na página 1de 11

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

EXCELENTÍSSIMA SENHORA JUÍZA DE DIREITO DA COMARCA DE


MODELO

O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA


CATARINA, pelo titular da Promotoria de Justiça de Modelo, com
fundamento nos arts. 127 e 129, III da Constituição da República,
bem como no art. 225 da Constituição da República, propõe AÇÃO
CIVIL PÚBLICA em face de:

ALMIR HAMMERSCHMITT, brasileiro, casado,


madeireiro, natural de Modelo, nascido em 2 de junho de 1965, filho
de João Hammerschmitt e de Alcídia Hamerschmitt, residente no
Distrito Machado, Município e Comarca de Pinhalzinho;

MARKÍLIO BORMANN, brasileiro, solteiro, agricultor,


filho de Benone José Bormann e de Catarina Bormann, portador da CI
nº 4.891.565-5, inscrito no CPF sob o nº 050.235.379-19, domiciliado
na Linha Cesco, Município de Comarca de Modelo;

MÁRCIO BORMANN, brasileiro, solteiro, agricultor, filho


de Benone José Bormann e de Catarina Bormann, portador da CI nº
4.910.256.7, inscrito no CPF sob o nº 047.517.379-10, domiciliado na
Linha Cesco, Município de Comarca de Modelo;

1
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

CATARINA BORMANN, brasileira, viúva, agricultora,


inscrita no CPF sob o nº 020.811.089-50, domiciliada na Linha Cesco,
Município de Comarca de Modelo.

1. Objetivo da ação

Esta ação civil pública tem por objetivo obter provimento


jurisdicional que determine aos requeridos a adoção de todas as
providências que se fizerem necessárias a fim de promover a
recomposição de área de Mata Atlântica situada no Município de
Modelo, área que sem autorização e em total desconformidade com
a legislação vigente desmataram.

Tem também por objetivo obter sentença condenando-os


à obrigação de compensar o dano ambiental causado, única forma
de se obter cabal reparação e sanção pela conduta ilegal praticada.

2. Legitimidade passiva

Antes de expor os fatos cumpre observar que Benone


José Bormann, co-responsável pelo dano ambiental causado, faleceu
em 3 de maio de 2006, como comprova a certidão de óbito anexa.

Nessa situação, considerando que a responsabilidade


pelos danos ambientais tem característica propter rem, seus
sucessores tornaram-se igualmente co-obrigados à reparação do

2
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

dano1, motivo pelo qual direciona-se esta ação também contra a


viúva Catarina e os filhos Markílio e Márcio Bormann.

De qualquer forma, como se verá, inicialmente buscará o


Ministério Público que a obrigação de fazer seja imposta ao poluidor
primário, o requerido Almir Hammerschmitt, que deverá realizar a
recomposição do dano ambiental na propriedade dos demais
requeridos.

3. Fatos

Conforme está claro na Notícia de Infração Ambiental


lavrada pela Polícia Militar Ambiental, e que instruiu a ação penal nº
256.05.000557-3, em trâmite nesta Comarca, em setembro de 2005
o requerido Almir Hammerschmitt, proprietário de uma madeireira,
negociou com falecido Benone José Bormann, a compra de cinco
pinheiros brasileiros (Araucaria angustifolia).

Nem Almir nem Benone dispunham de autorização


ambiental para o corte das espécies, e nem mesmo poderiam ter,
porque as árvores estavam em área de preservação permanente no
imóvel de propriedade dos filhos de Benone, os requeridos Markílio e
Márcio.

1
Vide, por exemplo, Recurso Especial nº 222.349-PR: “Administrativo. Reserva Florestal.
Novo proprietário. Legitimidade passiva. O novo adquirente do imóvel é parte legítima
passiva para responder por ação de dano ambiental, pois assume a propriedade do bem
rural com a imposição das limitações ditadas pela lei federal”.

No mesmo sentido, acórdão da Segunda Turma do STJ: “Administrativo. Dano ao meio


ambiente. Indenização. Legitimação passiva do novo adquirente. A responsabilidade pela
preservação e recomposição do meio ambiente é objetiva, mas se exige nexo de
causalidade entre a atividade do proprietário e o dano causado (Lei nº 6.938/81). Em se
tratando de reserva florestal, com limitação imposta por lei, o novo proprietário, ao
adquirir a área, assume o ônus de manter a preservação, tornando-se responsável pela
reposição, mesmo que não tenha contribuído para devastá-la. Responsabilidade
independe de culpa ou nexo causal, por imposta por lei” (REsp nº 282.781/PR, j.
16.4.2002).
3
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

O crime foi comunicado à esta Promotoria de Justiça, que


propôs ação penal pública visando à punição do poluidor. Aplicou-se
ao caso a Lei nº 9.099/95, e o processo foi suspenso sob o
compromisso de Benone e Almir em recuperarem a área.

No entanto, com a morte de Benone, em 3 de maio de


2006, e com a total inércia de Almir em cumprir o compromisso
assumido, não há outra alternativa que não a propositura desta ação
civil pública. A gravidade da possível sanção penal, pelo que indicam
os autos, não afeta a vontade do requerido Almir; talvez, por outro
lado, a perda patrimonial decorrente desta ação tenha o efeito
desejado.

4. Direito

Para a Constituição da República, a Mata Atlântica, assim


como a Floresta Amazônica brasileira, a Serra do Mar, o Pantanal
Mato-Grossense e a Zona Costeira, é patrimônio nacional, e sua
utilização far-se-á dentro de condições que assegurem a
preservação do meio ambiente (§4º do art. 225 da Constituição da
República).

Quando se fala em patrimônio nacional, evidentemente,


não se está a mencionar patrimônio da União, mas sim patrimônio
de toda a nação, patrimônio de alta relevância para os brasileiros.
Daí porque o princípio foi assim inserido na Carta Magna.

Por sua vez, a Constituição do Estado de Santa Catarina


considera a Mata Atlântica dentre as “áreas de interesse ecológico,
cuja utilização dependerá de prévia autorização dos órgãos
competentes homologada pela Assembléia Legislativa” (art. 184, I).

4
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

A novíssima Lei Federal nº 11.428/2006, que trata da


proteção à Mata Atlântica, contém restrições importantes sobre o
manejo deste “patrimônio nacional”.

Para a Lei da Mata Atlântica, por exemplo, o corte e a


supressão de vegetação primária ou nos estágios avançado e médio
de regeneração ficam vedados quando a vegetação abrigar espécies
da flora e da fauna silvestres ameaçadas de extinção (art. 11, I, a).

Além disso, “a supressão de vegetação primária e


secundária no estágio avançado de regeneração somente poderá ser
autorizada em caso de utilidade pública, sendo que a vegetação
secundária em estágio médio de regeneração poderá ser suprimida
nos casos de utilidade pública e interesse social, em todos os casos
devidamente caracterizados e motivados em procedimento
administrativo próprio” (art. 14).

Especificamente em Santa Catarina, a Lei nº 10.472/97,


que trata da política florestal do Estado, contém regras bastante
rígidas para o manejo de áreas de Mata Atlântica, justamente por
considerar a relevância do ecossistema.

Pela primeira das normas da Lei Estadual, a extração ou a


utilização de espécies da floresta primária (virgem) ou secundária (já
regenerada) da Mata Atlântica necessariamente deve passar por
procedimento administrativo para obtenção de licença da Fatma.

A Fatma, por óbvio, não pode autorizar a extração


quando não “seja elaborado projeto de manejo fundamentado, entre
outros aspectos, em estudos técnico-científicos de estoques e de
capacidade e sustentabilidade das espécies a manejar” (art. 18).

5
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

Não bastassem essas normas, todas vigentes e aplicáveis


ao caso dos autos, a Lei de Crimes Ambientais (Lei nº 9.605/98)
considera criminosas as condutas do requerido (arts. 38 e 39). Vale
transcrever os dispositivos:

Art. 38. Destruir ou danificar floresta considerada de


preservação permanente, mesmo que em formação, ou
utilizá-la com infringência das normas de proteção:
Pena - detenção, de um a três anos, ou multa, ou ambas
as penas cumulativamente.
Parágrafo Único - Se o crime for culposo, a pena será
reduzida à metade.

Art 39 - Cortar árvores em floresta considerada de


preservação permanente, sem permissão da autoridade
competente:
Pena - detenção, de um a três anos, ou multa, ou ambas
as penas cumulativamente
Não há dúvidas, portanto, de que o requerido Almir
Hammerschmitt descumpriu frontalmente a legislação vigente no
Brasil, ao cortar cinco pinheiros (Araucaria angustifolia) em área de
preservação permanente, sem qualquer autorização dos órgãos
competentes.

Vale anotar, por fim, que o pinheiro brasileiro é espécie


considerada pelo Ibama como ameaçada de extinção, conforme
relação expressa da Portaria Ibama nº 37-N, de abril de 1992.

Tal é a necessidade de proteção da espécie que a


Resolução nº 278, do Conama, proibiu o Ibama de autorizar corte ou
exploração de todas as espécies arrolada na Portaria nº 37-N,
conforme comprovam os documentos anexos.

5. Reparação do dano

6
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

Para que o meio ambiente volte à sua natural


conformação, isto é para que volte à sua integridade, é necessário
que se determine a recuperação da área degradada.

A reparação encontra abrigo no disposto no §3º do art.


225 da Constituição da República, que determina que “as condutas e
atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os
infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e
administrativas, independentemente da obrigação de reparar os
danos causados”.

Para Édis Milaré, de fato a recuperação natural do


ambiente degradado é a modalidade mais adequada de reparação
do dano, “e a primeira que deve ser tentada, mesmo que mais
onerosa”. E justifica sua posição afirmando, com Paulo Affonso Leme
Machado, que “não basta indenizar, mas fazer cessar a causa do
mal, pois um carrinho de dinheiro não substitui o sono recuperador,
a saúde dos brônquios ou a boa formação do feto”2.

Constatada a ocorrência de infração à legislação federal e


estadual, bem como do dano ambiental daí decorrente, além do
nexo de causalidade entre a conduta do requerido e o dano, cumpre
ao Ministério Público requerer provimento jurisdicional que
determine de imediato a recuperação ambiental da área degredada.

Mas a reparação do dano não pode, evidentemente, dar-


se pelo simples plantio de outros cinco exemplares de pinheiro
brasileiro. Até que as plantas adquiram novamente o porte que
tinham quando cortadas, muito tempo terá transcorrido e o dano

2
MILARÉ, Édis. Direito do ambiente. 4ª ed. São Paulo : Revista dos Tribunais, 2005. p.
741.
7
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

causado – que persistirá durante este período – não terá sido


convenientemente reparado.

Eis o porquê exigir nestes casos – e foi justamente o que


comprometeram-se a fazer o requerido Almir Hammerschmitt e o
falecido Benone José Bormann no processo penal – o plantio de
cinqüenta mudas de árvores nativas idênticas às que existiam no
local, bem como a recomposição da área de fixação de mata ciliar
em toda a extensão da propriedade dos requeridos Catarina, Márcio
e Markílio.

6. Antecipação de tutela

A Natureza, como se viu acima, não pode aguardar pelo


desfecho da ação para só então ver-se reparada. Os danos
ambientais decorrentes, como por exemplo a fuga de animais
silvestres, a quebra do equilíbrio ambiental, dentre outros, penderão
enquanto não se promover a restauração da área ao que era antes.

Nessa situação, é passível de aplicação o art. 461 do


Código de Processo Civil, que determina que “na ação que tenha por
objeto o cumprimento de obrigação de fazer ou não fazer, o juiz
concederá a tutela específica da obrigação ou, se procedente o
pedido, determinará providências que assegurem o resultado prático
equivalente ao do adimplemento”.

E, segundo o §3º do art. 461, “sendo relevante o


fundamento da demanda e havendo justificado receio de ineficácia
do provimento final, é lícito ao juiz conceder a tutela liminarmente
ou mediante justificação prévia, citado o réu”. Complementa a regra
o §4º, autorizando o juiz a “impor multa diária ao réu,
independentemente de pedido do autor, se for suficiente e

8
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

compatível com a obrigação, fixando-lhe prazo razoável para


cumprimento do preceito”.

Por fim, autoriza o §5º: “Para efetivação da tutela


específica ou a obtenção de resultado prático equivalente, poderá o
juiz, de ofício ou a requerimento, determinar as medidas
necessárias, tais como a imposição de multa por tempo de atraso,
busca e apreensão, remoção de pessoas e coisas, desfazimento de
obras e impedimento de atividade nociva, se necessário com
requisição de força policial”.

O fundamento da demanda, como se vê, é relevante,


porque pautado pela infringência em uma série de dispositivos
legais em vigor. Não bastasse isso, o dano ambiental está
cabalmente comprovado documentalmente nos autos, como
comprova o auto de infração lavrado pela Polícia Militar Ambiental.

Para tanto, requer desde já o Ministério Público do Estado


de Santa Catarina ordem dirigida ao requerido Almir Hammerschmitt
para que promova a revitalização da mata na área degradada e o
plantio de espécies nativas. Devem os co-réus Catarina, Markílio e
Márcio ser obrigados a permitir o cumprimento da ordem por Almir.

A plausibilidade do direito se encontra não apenas nas


normas fundamentais da Constituição da República, mas também no
princípio jurídico-ambiental do poluidor-pagador. Como exposto
acima, a Natureza não pode aguardar pela decisão final para só
então ver-se novamente equilibrada.

Por outro lado, a lesão, se perdurar, será irreparável, pelo


simples fato de se estar diante da possibilidade de afugentamento
de espécimes da fauna local, isso sem falar em outros danos, tais

9
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

quais os prejuízos a mananciais hídricos, ao solo (erosão, por


exemplo) e à qualidade do ar.

Assim, estão presentes o fumus boni juris e o periculum


in mora, sendo caso de deferimento da liminar, inclusive sem a
oitiva da parte contrária.

7. Pedidos

Ante o exposto, requer o Ministério Público:

a) o recebimento da presente ação civil pública;

b) a concessão de tutela específica antecipada para


determinar que Almir Hammerschmitt, sob pena de multa diária de
R$ 500,00 e prisão pelo crime de desobediência:

b1) plante na propriedade dos co-réus Catarina, Markílio


e Márcio cinqüenta mudas de árvores nativas, dentre elas
araucárias, sob acompanhamento e supervisão da Polícia Militar de
Proteção Ambiental;

b2) recomponha a faixa destinada à fixação da mata ciliar


nas margens do rio Joelho, em toda a extensão que o curso d´água
cortar o imóvel da família Bormann, plantando no local cinqüenta
mudas de árvores nativas e adequadas à região, também sob
acompanhamento e supervisão da Polícia Militar de Proteção
Ambiental;

c) tendo em vista o caráter mandamental da ação, bem


como o envolvimento do patrimônio dos requeridos, requer-se seja
determinado aos Oficiais do Registro de Imóveis de Pinhalzinho e de
Modelo que averbem na matrícula dos imóveis registrados em nome
dos réus a pendência desta ação civil pública, mencionando-se o

10
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

valor da causa (art. 615-A do Código de Processo Civil, por


analogia)3;

d) a citação dos requeridos para, querendo,


apresentarem a defesa que entenderem pertinente;

e) a produção de todos os meios de prova admitidos,


notadamente a prova pericial, documental e testemunhal, se for
necessário;

f) a condenação do requerido Almir Hammerschmitt a


recuperar a área degradada e a recompor o dano ambiental,
confirmando-se as determinações requeridas no item ‘b’;

g) a condenação dos requeridos em custas, despesas


processuais e honorários advocatícios (estes conforme art. 4º do
Decreto Estadual nº 2.666/04, em favor do Fundo de Recuperação
de Bens Lesados do Estado de Santa Catarina).

Atribui-se à causa o valor de R$ 20.000,00 (vinte mil


reais).

Modelo, 4 de maio de 2007

Eduardo Sens dos Santos


Promotor de Justiça

3
Art. 615-A. O exeqüente poderá, no ato da distribuição, obter certidão comprobatória
do ajuizamento da execução, com identificação das partes e valor da causa, para fins de
averbação no registro de imóveis, registro de veículos ou registro de outros bens sujeitos
à penhora ou arresto.
11