Você está na página 1de 16

AULA 3: DESTILAÇÃO EM UM ÚNICO ESTAGIO

VAPORIZAÇÃO E CONDENSAÇÃO PARCIAL

(“Equilíbrio Flash”)

Uma mistura líquida é aquecida sob pressão e expandida adiabaticamente através de uma
válvula até uma pressão mais baixa, resultando na criação de uma fase vapor que é separada da
fase líquida em um tambor.

Se não houvesse a válvula o líquido em baixa pressão poderia ser parcialmente vaporizado no
aquecedor e então separado em duas fases no tambor.

Alternativamente, uma alimentação vaporizada pode ser resfriada e condensada parcialmente


com separação das fases em um tambor.

DISPOSITIVOS

1. TAMBOR DE FLASH.

Os tambores de flash são vasos separadores de fases líquido-vapor do tipo vertical.

Devido a sua forma, os tambores de flash permitem que as fases líquido e vapor separadas,
escoem sobre a toda a seção transversal do vaso.

A altura e a área transversal do vaso são calculadas a partir dos critérios de separação de
fases.

Como critério considera-se como altura necessária à fase líquida a altura correspondente ao
volume compreendido entre o nível normal e mínimo necessário para um dado tempo de residência.
Acima da entrada de carga coloca-se, normalmente, um colchão de aço conhecido como
demister, o qual tem a finalidade de reter partículas pesadas que podem ser arrastadas pela fase
vapor, como metais e resíduos, que a contaminariam.

VAPOR

VÁLVULA "VENT"

120 cm ou 0,75D 90 cm ou 1,2D


sem demister com demister
BOCA DE
VISITA

60 cm ou D/2

HL D L

NL MEDIDOR
DE NÍVEL

LL
15 cm

LIMPEZA PURGA

LÍQUIDO

2. VÁLVULAS CONTROLADORAS DE PRESSÃO

De modo geral, esta válvula apresentará um isolante térmico, promovendo portanto uma
EXPANSÃO ADIABÁTICA da corrente.

Entretanto, se a temperatura de saída estiver próxima da temperatura de congelamento do


componente menos volátil ou da água, algum calor deverá ser adicionado na válvula para evitar seu
congelamento

VOLATILIDADE RELATIVA

Definição: É a razão entre as razões de composição molar de um componente em fase em


equilíbrio termodinâmico:

yi yi
i 
1  yi  i 
xi
xi
OU
1  yi 
1  xi  1  xi 
Para o caso Binário

yA
xA KA
 A, B  OU AINDA  A, B 
yB KB
xB

CONSTANTE DE EQUILÍBRIO - EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR (ELV)

Considere um sistema com N componentes que se transferem entre a fase líquida e a fase
vapor até alcançarem o equilíbrio termodinâmico.

fˆi V   fˆi  L 
ABORDAGEM    ABORDAGEM  

fˆi L   ˆiL  xi P e fˆi V   ˆiV  yi P fˆi L  xi  i fi e fˆi V   ˆiV  yi P

ˆiV  yi ˆiL  xi ˆiV  yi P  xi  i fi

yi ˆi L  yi  f
Ki   V   Ki   Vi  i  Razão de equilíbrio
xi ˆi
Razão de equilíbrio
xi ˆi P

VARIÁVEIS DE PROCESSO

Numero de variáveis do elemento - 𝑵𝒗

Composição, Fluxos, T e P (A, B e C) 3(𝐶 + 3)


q (calor) 1
𝑵 𝒗 = 𝟑𝑪 + 𝟏𝟎

EQUILÍBRIO FLASH

Para um único estágio em equilíbrio com uma alimentação e das correntes de saída, são
aplicadas as seguintes 2C+6 equações:
BALANÇOS

F zi V yi  L xi 1 balanço material para cada um dos C componentes – 1


F V  L Balanço material total
H F qH V H L
F V L Balanço de energia

CRITÉRIO DE EQUILÍBRIO

PV  PL Equilíbrio mecânico
TV  TL Equilíbrio térmico
yi  K i xi 1 relação de equilíbrio para cada um dos C componentes
 x 1 i
1  de composições para cada corrente cruzando a
i envoltória

3C + 10 variáveis
(F, V, L, zi, yi, xi, TF, TV, TL, PF,  2C+6 equações
PV, PL, q)


C+4 graus de liberdade

C+2 variáveis são especificadas na alimentação (F, zi, TF, PF)

Resta definir apenas duas variáveis para que o processo esteja todo
especificado

P V e TV “Flash” Isotérmico

V/F = 0 e PL Temperatura de ponto de bolha

V/F = 1 e PV Temperatura de ponto de orvalho

V/F = 0 e TL Pressão de ponto de bolha

V/F = 1 e TV Pressão de ponto de orvalho

q = 0 e PV “Flash” Adiabático

q  0 e PV “Flash” não-Adiabático

V/F e PV “Flash” com fração vaporizada

Relações Auxiliares

Ki  Ki TV , PV , y, x  (constantes de equilíbrio)


H  H TF , PF , z 
F F (entalpia da alimentação)
H V  H V TV , PV , y  (entalpia da fase vapor)
H L  H L TL , PL , x  (entalpia da fase líquida)
CÁLCULO DE PONTO DE BOLHA E PONTO DE ORVALHO

Pelo balanço material e a relação de equilíbrio para o componente i:

zi 1  K i 
i 1   K  1  0
i

Para o cálculo do ponto de bolha,  = 0, zi = xi  z


i
i K i 1

zi
Para o cálculo do ponto de orvalho,  = 1, zi = yi  i K 1
i

Algoritmo de Ponto de Bolha

1. Dados Temperatura e Composição total (zi)

Operações em pressões baixas a moderadas:

γi Pisat
Ki 
P
No ponto de bolha, zi = xi,

γi  γi T, xi  e Pi
sat
 Pisat T 

K i zi
yi  yi  K i zi
1   K i  1 Ponto de bolha,  = 0

Usando Gráficos para mistura binária. Para o cálculo do ponto de bolha,  = 0, zi = xi :


2. Dados Pressão e Composição total (zi)

Método Iterativo  estimativa inicial para T:

T   xi Ti sat
i

Usando Gráficos para mistura binária. Para o cálculo do ponto de olha,  = 0, zi = xi :


Algoritmo de Ponto de Orvalho

1. Dados Temperatura e Composição total (zi)

Usando Gráficos para mistura binária. Para o cálculo do ponto de bolha,  = 0, zi = xi :


2. Dados Pressão e Composição total (zi)

Método Iterativo  estimativa inicial para T: T   yi Ti sat


i

Usando Gráficos para mistura binária. Para o cálculo do ponto de bolha,  = 0, zi = xi :

“FLASH” ISOTÉRMICO

1. Dados Temperatura, Pressão e a composição da alimentação (zi)


Inicialmente, aplicar os algoritmos de pressão de ponto de bolha e ponto de orvalho para
verificar se a pressão do “flash” encontra-se entre esses valores. Fora desse intervalo teremos
líquido subresfriado ou vapor superaquecido.

V

F
V
1 Vapor super-aquecido
F
V
1 Vapor saturado Ponto de Orvalho
F
V
0  1 Duas fases
F
V
0 Líquido saturado Ponto de Bolha
F
V
0 Líquido subresfriado
F

Usando Gráficos para mistura binária


Usando Ábacos para mistura binária

Equilíbrio Líquido-Vapor Ábaco de De Priester = Baixa T

Equilíbrio Líquido-Vapor Ábaco de De Priester = Alta T


Usando Ábacos para mistura binária. Cálculo Analítico (na ausência diagramas T,x,y)

“FLASH” ADIABÁTICO

Quando a pressão de uma corrente líquida de composição, taxa e temperatura (ou entalpia)
especificadas é reduzida adiabaticamente através de uma válvula, pode-se determinar as novas
composições, taxas e temperatura das correntes líquida e vapor que deixam o tambor por um
algoritmo de “flash” adiabático.

Método Iterativo  estimativa inicial para T: T   zi Ti sat


i
Dados Pressão, q=0, e a composição da alimentação (zi). Usando Gráficos para mistura
binária.

“FLASH” NÃO-ADIABÁTICO

Método Iterativo  estimativa inicial para T: T   zi Ti sat


i
Dados Pressão, q, e a composição da alimentação (zi). Usando Gráficos para mistura
binária

“FLASH” P

Método Iterativo  estimativa inicial para T: T   zi Ti sat


i
Dados Fração Vaporizada, Pressão e a composição da alimentação (zi). Usando Gráficos
para mistura binária

1.0
=0
V =0.2
1 Vapor super-aquecido 0.9
=0.4
F 0.8
=0.6
V Vapor saturado Ponto
1 0.7

F de Orvalho
0.6
=0.8
V
0  1 Duas fases 0.5
=1.0
F
0.4
V Líquido saturado Ponto
0
F de Bolha 0.3

0.2
V
0 Líquido subresfriado 0.1
F
0 0 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 0.8 0.9 1.0
EQUILÍBRIO FLASH ANÁLISE GRÁFICA

A interseção da reta de operação (Balanço de massa) com a curva de equilíbrio determina as


composições das correntes de saída.

 Exemplo: Uma mistura de 50% molar de benzeno e tolueno é submetida a destilação “flash”
com o separador a 1 atm. Supondo a volatilidade relativa constante, igual a 2,5, determine as
composições das correntes de saída para uma fração vaporizada de 0,6.

Na interseção da reta do balanço de massa com a curva de equilíbrio, temos, Para o caso do
exemplo:
 Exercício de Concurso: (Engenheiro de Processamento Jr. – PETROBRÁS) Uma mistura de
hidrocarbonetos contém metano (1) e propano (2) cuja composição global é z 1 = 0,3 e z2 = 0,7. Na
temperatura T e pressão P, os valores das constantes de equilíbrio K são, aproximadamente, K1=9 e
K2=0,50. Para estas condições. A fração do sistema que é líquida é: