Você está na página 1de 20

A12 (Dis)Lexias e (Dis)Ortografias (OF-25P+25T A)

Trabalho Presencial (TP) - 25 h / Trabalho Autónomo (TA) - 25 h


2 créditos
Leitura e Escrita: aquisições e alterações

Cidália Ferreira Alves


08-11-2017 (18.30 às 21.30)
Braga
CONTEÚDOS / CRONOGRAMA
Sessão Data da sessão Horário Nº de horas Práticas Nº de horas Teóricas Formador

1ª Sessão 25-10-2017 18:30 às 21:30 2 1 Cidália Laurinda da Costa Ferreira Alves

- Comunicação e Linguagem: Conceitos; 1 horas


Conteúdos
- Dimensões e Processos de Linguagem; 2 horas

2ª Sessão 08-11-2017 18:30 às 21:30 2 1 Cidália Laurinda da Costa Ferreira Alves

- A Linguagem Oral
Conteúdos
- Sistema fonoarticulador; 3 horas

3ª Sessão 15-11-2017 18:30 às 21:30 2 1 Cidália Laurinda da Costa Ferreira Alves

- A Linguagem Oral
Conteúdos - Fonética Clínica: classificação fonética, ponto e modo de articulação; 2 horas
- Algumas perturbações da linguagem oral. 1 hora

4ª Sessão 22-11-2017 18:30 às 21:30 2 1 Cidália Laurinda da Costa Ferreira Alves

- A Linguagem Oral
- Algumas perturbações da linguagem oral. 2 horas
Conteúdos
A linguagem Escrita
- Evolução e tipos de linguagem escrita: o sistema alfabético (Português); 1 hora

5ª Sessão 29-11-2017 18:30 às 21:30 2 1 Cidália Laurinda da Costa Ferreira Alves

A linguagem Escrita
Conteúdos - A escrita: aquisição e desenvolvimento; 1 hora
- Problemas e perturbação na aquisição da linguagem escrita: a leitura e a escrita; 2 horas

6ª Sessão 06-12-2017 18:30 às 21:30 2 1 Cidália Laurinda da Costa Ferreira Alves

A linguagem Escrita
Conteúdos - Problemas e perturbação na aquisição da linguagem escrita: a leitura e a escrita; 1 hora
- A dislexia e a disortografia: critérios de “diagnóstico” e “sintomatologia”, 2 horas

7ª Sessão 13-12-2017 18:30 às 21:30 2 1 Cidália Laurinda da Costa Ferreira Alves

A linguagem Escrita
- Tipos de dislexia/disortografia; 1 hora
Conteúdos
- Classificação de erros; 1 hora
- Exercícios Práticos: estudo de casos; 1hora

8ª Sessão 29-11-2017 18:30 às 22:30 3 1 Cidália Laurinda da Costa Ferreira Alves

A linguagem Escrita
Conteúdos - Exercícios Práticos: estudo de casos; 3horas
Avaliação; 1 hora

Cidália Ferreira Alves - 26.4.2016 - CFFH - Guimarães


AVALIAÇÃO
1. ASSIDUIDADE condição
Assiduidade obrigatória (2/3 da Duração)
Limite de faltas (1/3 da Duração)
2. TRABALHO PRESENCIAL 25%
Indicadores/Critérios:
(i) pontualidade, (ii) participação, envolvimento no debate e resultados do
trabalho de grupo e (iii) “apresentação” do trabalho inter-sessões.
3. TRABALHO NÃO PRESENCIAL 60%
Indicadores/Critérios:
(i) trabalho com estudo de caso em acordo com indicações previamente
estabelecidas

4. REFLEXÃO CRÍTICA OU PROVA DE CONHECIMENTOS 15%


Indicadores/Critérios:
(i) reflexão crítica que traduza a perceção do docente sobre o impacto que a
formação teve no seu desenvolvimento profissional e mais concretamente ao nível
do seu efeito no trabalho com os alunos.

Cidália Ferreira Alves - 26.4.2016 - CFFH - Guimarães


SUMÁRIO

TRABALHO PRÉVIO
AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO

Sumário
- Comunicação e Linguagem: Conceitos; 1 hora
- Dimensões e Processos de Linguagem; 2 horas

Trabalho prévio
• Constituição de grupos de trabalho – experiência prévia
Avaliação da Formação
• Avaliação de produção escrita – prévia à formação – com vista à
avaliação da própria formação.

Cidália Ferreira Alves - 26.4.2016 - CFFH - Guimarães


Leitura e Escrita: aquisições e alterações

Evolução e tipos de linguagem escrita

a) Universalidade da linguagem oral


- Presente em todas as sociedades humanas conhecidas;
- Desenvolvimento com sequência idêntica.
b) Especificidade da Linguagem escrita
- Nem todas as sociedades humanas desenvolveram sistemas
simbólicos de representação da sua linguagem falada

Cidália Ferreira Alves - 08.11.2017 - CFBS- Braga


Evolução e tipos de linguagem escrita – Sistemas
de escrita

a) Sistema pictográfico - representam um objeto de


maneira simplificada

b) Sistema ideográfico - não representam os objetos,


mas ideias

c) Sistemas de escrita - que representam a linguagem


oral (mais tardios): logográfico, silábico e alfabético

Cidália Ferreira Alves - 08.11.2017 - CFBS- Braga


Sistemas de escrita – mais tardios
Logográfico - cada carater corresponde a uma palavra, é
pouco económico, mas muito concreto
Chinês - LGP
Silábico – cada sinal gráfico representa uma sílaba
Japonês
Alfabético – cada carater representa um fonema. É o que
comporta uma maior abstração, mas permite identificar um
n.º indefinido de palavras através de um n.º reduzido de
sinais gráficos.
O aparecimento do sistema alfabético resulta de um longo
processo evolutivo.
Cidália Ferreira Alves - 08.11.2017 - CFBS- Braga
Sistema alfabético
ver na avaliação

• Convenções gerais
- Escrita em linhas horizontais, da esquerda para a
direita, de cima para baixo e as palavras separadas por
meio de um espaço em branco.
• Regras específicas
- Relação entre grafemas e fonemas, contínuo que vai
da transparência à opacidade.

- Alfabeto e correspondência fonema grafema na escrita


direta _ é o que nos diz se o aluno percebeu a técnica
Cidália Ferreira Alves - 08.11.2017 - CFBS- Braga
Sistema alfabético

• Língua transparente: quando é possível explicitar um


conjunto de regras específicas que sejam suficientes
para ler e escrever todas as palavras de uma língua.
• Língua opaca: quando a relação entre grafemas e
fonemas não é clara.
• Português: sistema alfabético que usa 26/23 letras
para codificar todos os fonemas da língua,
transparente, mais fácil na leitura, mesmo assim não é
possível explicitar todas as regras.
• Em que é que a nossa língua é transparente e em que
é que é opaca: fonema/grafema; casos; sílabas;
palavras… frases; … texto
Cidália Ferreira Alves - 08.11.2017 - CFBS- Braga
Sistema alfabético: aquisição
Modelos ascendentes
Cada modelo denota uma forma de ler usada_em qual
delas tem o aluno dificuldade?
(Grough, 1972)
• Põem ênfase no código, perante um texto o leitor
parte de processos cognitivos de nível inferior para
processos cognitivos de nível superior – 1º
identificação das letras, continuando com as sílabas e
palavras num processo ascendente, sequencial e
hierárquico que o leva à compreensão do texto – só há
uma via de acesso ao significado: a via fonológica.
Cidália Ferreira Alves - 08.11.2017 - CFBS- Braga
Sistema alfabético: aquisição
Críticas aos modelos anteriores

Modelos descendentes

Goodman, 1970
Colocam a tónica nos processos cognitivos superiores, valorizam
o papel ativo do leitor que constrói o significado usando os seus
conhecimentos prévios de caráter geral e linguístico para fazer
antecipações sobre o conteúdo do texto, formular hipóteses que
deverá corrigir se necessário – jogo de adivinhação
psicolinguística. A leitura assenta no uso da via direta de caráter
global, sem descodificação.

Cidália Ferreira Alves - 08.11.2017 - CFBS- Braga


Sistema alfabético: aquisição
Críticas aos modelos anteriores

Modelos interativos

Rumelhart, 1977
Combinam os anteriores, defendem interação simultânea e
cooperativa de estratégias ascendentes e descendentes. O leitor
usa simultaneamente todas as fontes de informação (percetiva,
lexical, sintática, semântica e pragmática) e também os seus
conhecimentos e expectativas. Concebem a existência de duas
vias de acesso ao significado: lexical ou direta e fonológica ou
indireta.
Cidália Ferreira Alves - 08.11.2017 - CFBS- Braga
Aquisição e Perturbações_ o foco da atenção
na análise [avaliação] e intervenção

Análise Intervenção
Etiologia (mista?) O que mudo?
- Língua; - O ensino;
- Aluno; - Os objetivos/ conteúdos;
- Ensino (exemplo: caso 1) - O aluno

RELAÇÃO COM O(S) ERRO(S) E SUA TIPOLOGIA

Cidália Ferreira Alves - 08.11.2017 - CFBS- Braga


Aquisição e Perturbações

a) Língua - avaliação
- Ortografia: Os casos, A arbitrariedade; A gramática
(sintaxe, morfologia); O texto e o tipo de texto – o
treino da escrita nesta época histórica; A leitura
(formas de ler e ouvir ler): formatos de texto – suporte
físico em que o texto é escrito; O impresso e o
manuscrito; A cor usada

RELAÇÃO COM O(S) ERRO(S) E SUA TIPOLOGIA

Cidália Ferreira Alves - 08.11.2017 - CFBS- Braga


Aquisição e Perturbações
b) O aluno - avaliação c) O ensino - avaliação
- Processo e funções mentais envolvidas; a inteligência
(conceito e evolução); as funções mentais; as funções
executivas…. É ou não um problema de memória? - Os
modelos de ensino adotados – relação com a evolução
dos modelos da escrita (desenvolvimento ontogenético
e filogenético)

Erros acumulados que formam gerações de alunos e


de professores: o efeito borboleta - EXEMPLOS

Cidália Ferreira Alves - 08.11.2017 - CFBS- Braga


O problema dos conceito /designação: Specific Learning
Disorder O conceito é importante?
Specific learning disorder is now a single, overall diagnosis,
incorporating deficits that impact academic achievement. Rather
than limiting learning disorders to diagnoses particular to reading,
mathematics and written expression, the criteria describe
shortcomings in general academic skills and provide detailed specifiers
for the areas of reading, mathematics, and written expression.
• Recomendação: (3) Expand the definition to include additional
subtypes of LD supported by research Permit Subtyping and
Assignment of Multiple Subtypes for Academic Skills Including Word
Reading, Reading Fluency, Reading Comprehension, Written
Expression, Mathematics Calculations, and Mathematics Problem
Solving.
School Psychology Division (16) of American Psychological Association &
National Association of School Psychologists1

Cidália Ferreira Alves - 08.11.2017 - CFBS- Braga


Diagnóstico vs Funcionalidade (DSM vs CIF): Problemas
associados
a) Ausência de consenso no próprio conceito: alargado a restrito,
com e sem sintomas associados
b) O facto de muitos dos erros/alterações, senão quase todos,
poderem tb ser dados por indivíduos sem esse problema e por
indivíduos com muitos outros problemas;
c) O facto de não termos caracterizado o nível médio de um
leitor/escritor tipicamente desenvolvido para os diferentes anos
de escolaridade;
d) A ausência de objetividade e acordo nos critérios de avaliação: o
problema coloca-se quer no disgnóstico (e.g. DSM-V) quer na
funcionalidade (CIF);
e) A falta de intervenção específica direcionada aos erros devia ser
fator impeditivo do diagnóstico (há resiliência à intervenção) –
“diagnóstico feito pelo efeito da medicação e não pelo exame”;
f) As Equipas!!!!!!
Há desvantagens no diagnóstico da dislexia?
Cidália Ferreira Alves - 08.11.2017 - CFBS- Braga
Fluência leitora - avaliar
• Praticar a fluência é tão importante como medi-la =
gráfico semanal para intervenção
1º ano = 40 a 60 palavras por minuto (alto risco abaixo de
10)
2º ano = 80 a 100 (abaixo de 50)
3º ano = 100 a 120 (abaixo de 70)
4º ano = 120 a 180 (abaixo de 50)
1º ler – depois ler depressa e contar um minuto, ou 3 e
fazer a média
Score = n.º palavras lidas menos os erros.
Fonte: Shaywitz, (2008, p. 301)

Importância da fluência leitora – determina a qualidade do acesso à informação


e portanto ao conhecimento

Cidália Ferreira Alves - 08.11.2017 - CFBS- Braga


Intervenção: ligação direta à avaliação
através de modalidades informais
O que é útil para o professor?
Registos essenciais para a leitura e para a escrita:
- Leitura: avaliação da descodificação (leitura de
palavras e pseudopalavras); avaliação da fluência;
avaliação da compreensão leitora – discriminar o ler e
o ouvir ler (independentemente da ordem da leitura)

- Escrita: leitura ditada, copiada e expressão livre;


análise das diferentes dimensões - ortográfica,
morfossintática, semântica (diversidade lexical) e
estrutura textual

Cidália Ferreira Alves - 08.11.2017 - CFBS- Braga


Intervenção: estudo de caso

Cidália Ferreira Alves - 08.11.2017 - CFBS- Braga