Você está na página 1de 199

Mina quer deixar seu encantamento por um demônio de olhos

dourados para trás, mas o nascimento de seu filho, Jacques, torna isso
impossível. Ela tenta esquecer o único homem que despertou sua
paixão, mas quando percebe que seu filho exibe um comportamento
estranho e características menos do que humanas, ela deve enfrentar
seu passado e aprender a confiar e amar novamente.

Completamente bêbado, a única coisa que Remy lembra claramente


foi de seduzir Mina. É uma pena que ele não tenha pensado em
conseguir seu endereço, especialmente porque a marcou como sua
companheira. Quando ela desaparece, ele tem muito tempo para se
arrepender e se auto flagelar, até que ela volta para sua vida com uma
surpresa inesperada.
Empurrado para o papel de pai, Remy trabalha para se aproximar de
seu filho enquanto tenta ganhar o perdão da mãe do menino. Mas ele
terá a chance de realmente fazer de Mina sua companheira antes que o
perigo ameace essa frágil felicidade?

Copyright © March 2013, Eve Langlais


Ela está aqui. Minha companheira.

O cheiro era impossível de confundir. Remy sentiu o cheiro dela no


momento em que entrou na casa da fraternidade, cheiro de sol, flores e mulher,
toda mulher. Sua mulher.

A essência, mesmo diluída pela miríade de aromas dos humanos, álcool, Mary
Jane1 e tabaco, chamou-o, girando ao redor dele em uma mistura vertiginosa
que o deixou desnorteado e despertou seu lobo. O puro ato de lutar para manter
o controle sobre si mesmo e a sua besta, já desgastada pelas copiosas
quantidades de cerveja que ele bebera com seus amigos, tornou quase
impossível conter seus impulsos mais primitivos. Ele queria cheirar mais de
perto a fêmea que o intrigava. Mais do que cheirar, queria persegui-la e colocar
o nariz em lugares que os humanos não deveriam. Deliciar-se com um profundo
conhecimento de seu perfume fresco e sedutor. Sua boca salivava e seus dentes
alongaram em sua boca enquanto ele desejava dar uma mordida nela, sentir seu
gosto, uma foda longa e dura com a mulher que o destino havia decretado ser
dele.

Minha. O sentimento possessivo, tão diferente dele, tão novo, era uma força
na qual ele não havia contado. Esqueça as histórias que seu pai e outros machos
contavam mais como histórias contadas aos filhotes jovens barulhentos. Remy
não percebeu até aquele momento o quão fortemente o impulso de
acasalamento o agarraria. Quão completamente isso o atormentaria. E tudo isso
por uma mulher que ele ainda nem tinha visto.

1 Mary jane e marijuana são como é chamada a maconha em alguns países.


Com seu olhar inabalável, ele a localizou entre a multidão, uma linda presa
tentadora que atraiu seus olhos com uma precisão infalível. Ele amaldiçoou que
sua visão aprimorada não incluísse visão de raio-x, para obter um vislumbre
preciso dela provou ser um feito difícil dado sua baixa estatura. Os cachos
escuros serpenteavam entre as mulheres mais altas, como uma pequena flor em
meio a altas ervas daninhas. Apesar de sua necessidade desesperada de vê-la, ele
não ficou na ponta dos pés, nem atravessou a multidão até o outro lado da sala.

Mas ele queria vê-la, caramba. Encontrar a mulher que cortejaria, e quando
ela o aceitasse por quem ele era, seu Companheiro. Claro que primeiro teria que
conseguir a confiança dela para que aceitasse o fato que ele podia trocar sua pele
por pelos. Um pequeno detalhe, ele tinha esperança.

Uma brecha apareceu na multidão, e ele olhou brevemente. A respiração


travou quando o desejo bateu nele com a força de um touro furioso. A dor
floresceu em sua boca enquanto mordia a bochecha para se impedir de uivar.
Um pouco menos de alto controle e seu pé teria batido no chão com entusiasmo
como um filhote não educado.

Os cabelos escuros e encaracolados caíam sobre os ombros de sua garota


misteriosa, enquadrando um rosto requintado com a pele de marfim e as
bochechas redondas. Pleno, os lábios vermelhos o chamavam, e seu pênis
respondeu com uma contração, já que ele imaginava sua suavidade aveludada
deslizando em seu comprimento. Seus olhos arregalados, de um azul lindo se
sua visão afiada não estivesse o enganando, olhava com fascinação e declarou
claramente seu status de recém-chegada. Isso explicava o porquê ele ainda não
a havia visto pelo campus. Ou senão eu já teria começado meu namoro com ela.

Remy tentou ver seu corpo, pegando apenas um vislumbre de um peito


generoso, esticando o tecido de uma forma tentadora através de sua blusa
fechada com botões. Ela parecia ter um corpo mais arredondado do que as suas
habituais parceiras de cama, o que para ele era muito bom. Já que preferia suas
mulheres com um pouco de carne em seus ossos, mais macias para se afundar.

Seu membro endureceu enquanto ele imaginava


mergulhar o pau no seu canal úmido, enquanto ela
estivesse apoiada nas mãos e joelhos, ofegando
enquanto ele a marcava. Era a ereção mais intensa
que já havia tido e, felizmente, passou despercebido no mar dos corpos na festa,
muitos dos quais estavam na mesma situação.

O desejo de acasalamento e o fascínio total o empurraram para se aproximar


de sua mulher. Ela parecia fora do lugar entre os estudantes universitários
festejando. Seus olhos arregalados, seu lábio inferior tremia em uma reação
nervosa que ele considerava adorável. A multidão a empurrou, e ela não fez
nada para empurrá-los de volta.

Como se atrevem a tocá-la! Ele resistiu à tentação de empurrar os humanos em


seu caminho e derrubá-los por sua audácia. Ele se perguntou se talvez alguma
coisa em sua expressão o entregasse por causa dos estranhos olhares lançados
em sua direção. O lado bom de todos beberem, fumar, cheirar ou engolir várias
drogas ilegais era que a maioria não lembraria nem explicaria as alucinações
sobre um cara com olhos brilhantes e dentes afiados, mas se ele se transformasse
completamente, no entanto, podia fazer bem mais que levantar algumas
sobrancelhas.

Mesmo bêbado, Remy poderia controlar sua forma, mas ele nunca lutou
tanto para manter seu lobo acorrentado.

Alguns metros o separavam dela quando ele tropeçou ao se dar conta de que
estava prestes a encontrar a mulher com quem passaria o resto da sua vida. A
mulher que ele namoraria, mas infelizmente, não teria o prazer de foder, até que
soubesse que ela tinha caído irrevogavelmente de amores por ele. O único
humano ao qual finalmente contaria seu segredo.

Porra, eu gostaria de estar usando algo legal. Ou pelo menos mais limpo, ele
pensou tristemente olhando para baixo para a sua camiseta manchada de tinta
da banda Mötley Crüe, uma relíquia dos anos oitenta que pertencera a seu pai e
que já havia tido dias melhores.

Aparência não deveria importar. Como o pai dele havia explicado, uma vez
que ele conhecesse a pessoa certa, eles se achariam inegavelmente atraídos um
para o outro. O desejo de tocar e foder seriam muito
difíceis de aguentar, mas séculos de história e
tradição demonstraram que a reivindicação era
muito mais suave se o ser humano tivesse carinho
por seu companheiro antes do acasalamento, daí o período de namoro, para se
conhecerem e criar um relacionamento, para que quando o segredo fosse
revelado a moça não corresse para longe gritando. Para não mencionar, que um
macho era menos propenso a acordar com o focinho na ponta de uma
espingarda se a fêmea escolhida compreendesse o que se juntar a um Lycan
significava. Além disso, de acordo com seu pai, aquelas poucas semanas de
espera tortuosa enquanto eles giravam em uma teia de sedução em torno de sua
mulher, atuavam como as preliminares mais intensas de todos os tempos,
tornando o evento principal uma explosão de proporções épicas.

Incrível. Ele mal podia esperar.

Respirando profundamente, se preparou para mover os últimos passos


separando-o dela, mas ela escolheu esse momento para encontrar seu olhar
ardente. Fale sobre sentir o chão se abrir debaixo de seus pés. Oh, merda. Isso
realmente está acontecendo. Pânico fez sua respiração acelerar, ele engoliu em
seco enquanto o medo, uma emoção desconhecida para ele, fez com que seus
membros tremessem. E se ela não gostasse dele? E se ela não sentisse o mesmo?
E se, e se, e se...?

Olhos fixos nela, ele poderia permanecer lá para sempre, congelado de medo
e antecipação. Quase suspirou em alívio quando seus irmãos da fraternidade
frustraram seu encontro planejado quando eles vieram correndo e quebraram o
transe. Eles o afastaram da fêmea encantadora, que o assustara, para a próxima
sala tendo um concurso de beber.

Como campeão defendendo o título, ele não podia dizer não facilmente.
Nem se quisesse. Além do fato de que ele precisava encontrar a sua coragem,
no fundo de uma garrafa marrom, os anos de faculdade eram para ter diversão
e jogos. E bebidas. Muita e muita bebida. Sua mulher deliciosa, cujo nome ele
logo descobriria, teria que aguardar um pouco mais para que o namoro
começasse. Como sua companheira, se ela aceitasse, passaria a vida inteira com
ele, tranquilizou-se, ignorando a voz sarcástica em sua mente que cacarejou. —
Covarde.

Sentando-se na velha mesa de madeira, Remy


abriu a boca e emitiu o som que era sua marca
registrada, um rugido. Aqueles da sua espécie
reconheceram o som como um desafio e juntaram-se a ele. O barulho feito por
eles era mais alto que a música que tocava na casa. Os humanos, que não tinham
noção de nada achavam hilário.

Hora de mostrar-lhes quem era o campeão. Inclinando a cabeça para trás,


Remy inseriu uma mangueira de borracha em sua boca, ligada a um funil no
qual seus irmãos da fraternidade derramavam cerveja. Rugidos e risadinhas o
exortaram enquanto ele chupava a cerveja em uma corrida contra o tempo com
um novato que pensou que poderia vencê-lo. Calouro estúpido. Ele possuía
muita coragem se achava que poderia vencer um sênior, e não apenas um sênior,
mas um Lycan.

Vou colocar o filhote humano em seu lugar. Remy bebeu mais rápido.

Reconhecimento caiu sobre ele quando Remy respirou pelo nariz, o que disse
que a mulher misteriosa estava por perto. Seu olhar vagou enquanto ele não
conseguia identificar sua localização. Será que ela sentia a mesma ligação com
ele?

Um vislumbre de olhos azuis emoldurados em cílios escuros e um lábio


inferior escondido sedutoramente entre os dentes brancos, seu corpo reagiu na
hora, e o faz inalar em um momento inoportuno. Remy engasgou e tossiu
enquanto a cerveja descia pelo tubo errado em sua garganta. Por que ele soltou
a mangueira o resto da cerveja derramou sobre ele o molhando, marcando o fim
de seu reinado como rei da cerveja.

A multidão murmurou um pouco antes de irromper em gargalhadas


zombando e depois aplausos quando o novo campeão foi coroado. Remy deu
golpes nas suas costas e se burlava de bom humor. Ele pode ter perdido por
enquanto, mas logo retomaria seu título como o mais rápido bebedor de cerveja.
O que ele perdeu em prestígio, compensou em uma determinação renovada. Eu
acho que é hora de encontrar a fonte da minha distração.

Uma rápida varredura da sala mostrou que ela havia desaparecido na multidão
observadora, não um impedimento para um como
ele. Vou seguir meu nariz. Isso sempre funciona.
Soltou um riso quando a canção comercial para
aquelas palavras dançava através da cabeça junto
com o pássaro dos desenhos animados que os cantava. Os nervos e seu estado
bêbado levaram a culpa por seu rumo de pensamento.

Alguns dos seus irmãos de bando, irmãos na mesma fraternidade, tentaram


atrapalhá-lo enquanto ele seguia seu caminho, mas ele os afastou com sorrisos
e promessas de conversar mais tarde.

— Remy, cara, talvez você devesse deitar um pouco. Você não parece muito
bem. — disse seu melhor amigo, Dean. Ou era seu gêmeo cintilante?

Remy piscou e se focou até ver apenas um amigo de cabelos loiros.

— Estou bem. — Ele quase disse isso sem mexer. O álcool enchendo seu
estômago fez com que tudo parecesse mais alto, mais vívido, incluindo sua
pulsante necessidade de encontrar a pequena humana. Como um Lycan, ele
processava o álcool mais rapidamente do que os humanos, mas, dada à
quantidade que ingeriu, demoraria mais do que algumas horas para sair de seu
sistema. Enquanto isso sentia os efeitos e podia vê-los em seus passos instáveis
e visão turva. Ele não deixou que o impedisse de perseguir seu objetivo. Ele
afastou as mãos de Dean.

— Estou b-b-bem. — E a parede em que ele tropeçou? Evidentemente se


moveu para sua frustração. Ele notou a nova parede e traçou um novo curso.

A caçada à mulher o excitava. Quanto mais ela dificultava a captura, mais seu
coração acelerou e seu pênis se endureceu.

Apareça, apareça, onde quer que esteja. Este lobo grande e mal quer dizer olá.

Depois de mais alguns tropeços finalmente a encontrou, de pé com as costas


para ele perto da pia da cozinha, e por um momento Remy quase se esqueceu
de si mesmo. Sua fera ficou perto de assumir, e o que queria fazer o chocou,
embora não deveria chocar tanto assim. Queria ir até ela e rasgar a roupa de seu
corpo. Para curvá-la e empurrar-se dentro dela, fodê-la com força até estar com
o seu pênis enterrado e os dentes firmemente plantados no ombro dela,
marcando-a.

Loucura completa é claro. Um Lycan não faria


isso com uma humana desse jeito. Mesmo bêbado
como um idiota, ele sabia disso. Havia regras a seguir, uma dança de
acasalamento projetada para seduzir a mulher até que ela concordasse
voluntariamente em se ligar a um homem que também era um lobo. Mas
conhecer as etapas envolvidas na sedução não diminuiu seu impulso. Com
grande esforço, Remy se colocou sob controle. Eu tenho mais controle que um
animal. Bêbado ou não, não vou estragar isso.

Por um momento, ele apenas ficou admirando a visão do corpo dela de


costas, o que tinha que admitir, ficaria melhor desnudo e curvado.

Forçando o olhar para longe de sua linda bunda, ele verificou o resto dela.
De perto, seus cabelos pareciam ainda mais sedosos, suas profundidades
marrons com uma pitada de castanho-avermelhado. Ela não poderia ter mais
de 1,60 de altura e ele calculou que não passaria do queixo dele. Ela é apenas o
tamanho perfeito para girar no meu pênis.

Ao contrário de algumas das outras garotas da festa, vestia-se com uma blusa
modelada em um jeans. Não eram apertados, como era a moda hoje em dia,
mas suas calças de cintura alta ainda eram confortáveis o suficiente para acariciar
a curva de seu corpo cheio e dar uma sugestão de suas coxas arredondadas.

Minha, somente minha. Oh, querida, mal posso esperar para ver seu doce
corpo nu. Paciência, no entanto. A primeira coisa que ele tinha que fazer era
descobrir o nome dela.

Aproximando-se dela silenciosamente, ele a encurralou colocando uma mão


no balcão, prendendo-a entre os braços. Antes que ele pudesse se deter, se
inclinou e inalou profundamente. Erro gigantesco. A proximidade fez seu corpo
todo estremecer, fez seu pênis suficientemente duro para usar como um
martelo. Mas que merda, este cortejo vai ser mais difícil do que eu pensava,
assim como meu pau. Uma risada explodiu antes que ele pudesse parar.

Olhos azuis assustados olharam para ele quando sua mulher virou dentro do
círculo de seus braços para encará-lo. Ele deu um sorriso torto para ela. Um
suspiro escapou de seus lustrosos lábios, a trepidação
cruzou seu rosto, e um leve tremor sacudiu seu
corpo.
Apenas centímetros os separavam, e ele podia se ver refletido em suas esferas
azuis claras. Merda. Remy interiormente amaldiçoou quando se viu em seu
olhar, viu o reflexo dos olhos brilhantes do predador. Seus olhos devem ter
mudado parcialmente com sua excitação. Malditos olhos de Lycan. Eles tendiam
a mudar de cor e brilhar quando seu lado bestial estava muito perto da
superfície. Essa característica externa mais comum de sua mudança era a razão
de por que os jovens não eram autorizados a sair de sua comunidade fechada
até que conseguissem o controle de seu animal. Aparentemente, Remy não
estava tão no comando quanto queria pensar. É bom que seu pai não estivesse
por perto. Ele teria sérios problemas com as ações de Remy.

— O que você está fazendo? — Ela perguntou, medo, deixando seus olhos
arregalados.

— Não tenha medo. — Ele sussurrou, fascinado por sua pele branca
cremosa, já imaginando o contraste que isso faria contra seu próprio tom mais
escuro.

— E-eu preciso encontrar minhas primas. — Ela gaguejou, o cheiro de sua


angústia forte. E surpreendente. Como alfa em treinamento, Remy sempre
esperava acabar com uma companheira dominante. Talvez ele a tivesse pegado
de surpresa.

— Não vá embora ainda, baby. Acabamos de nos encontrar. — Ele se


aproximou dela, sua virilha pressionando contra o ventre dela, sua boca cada
vez mais perto da dela, incapaz de se impedir. Ritual ou não, certamente um
beijo era permitido? As chances de ela ser pura eram escassas. Eles estavam,
afinal, no novo milênio, não na Idade Média, onde a maioria das mulheres eram
incentivadas e se esperava permanecerem casta até o casamento.

Ela recostou-se no balcão afastando-se dele, seu desconforto com a situação


palpável.

— Eu realmente preciso ir, elas devem estar preocupadas comigo. — Remy


franziu a testa e a paranoia se instalou. Ela não sentiu
a mesma atração que ele? Ele poderia estar de
alguma forma enganado? O álcool está nublando
meu cérebro em pensar que ela é minha companheira?

— Não vá embora ainda. Não fomos apresentados. Meu nome é Remy. —


O seu futuro marido, um pensamento silencioso que guardara para si. Ele deu um
sorriso que brilhava talvez um pouco docilmente demais quando ela se
encolheu. — Não fique assustada. Não vou te machucar.

— Eu não estou assustada.

Ele não precisava sentir o cheiro da mentira para detectá-la. O tom da voz
dela gritava medo. Ele tentou uma conversa mais calma.

— Você é nova na faculdade? Eu não acho que já te vi antes.

— Eu só estou aqui visitando.

— Legal. — Sim, resposta totalmente suave. Remy procurou em seu cérebro


por algo espirituoso para dizer, mas tão perto dela, não conseguia pensar. Não
conseguia juntar seus pensamentos errantes. — Você é bonita. — Ele deixou
escapar as palavras e imediatamente quis dar um tapa em si mesmo.

Olhos arregalados de surpresa, suas bochechas floresceram de rosa.

— Obrigada.

— Não, realmente você é. Eu gostaria de levá-la para sair algum dia. — O


brilho em seus olhos morreu.

— Eu não acho que isso seja possível. Só estou na cidade por mais um dia,
depois volto para casa com meus pais. — Embora? Ela não podia ir embora.
Não quando ele a encontrou. Seu lobo resmungou, e uma parte de sua agitação
mostrou porque o medo voltou ao seu olhar.

— Onde você mora? Eu irei te ver.

— Eu não acho que seja uma boa ideia. — Esta conversa realmente não
estava indo como ele planejou.

— Por que não? — Ele não pôde deixar de


perguntar.
— Apenas confie em mim sobre isso. Você parece um bom cara. — Sim,
isso não pareceu muito convincente. — Mas meus pais nunca me permitiram
sair com você. Eles são muito rigorosos.

— Eu posso me comportar. Dê-me uma chance, e vou te mostrar. — Ela


balançou a cabeça.

— Desculpe, mas conheço meu pai. Ele nunca me permitiria sair com você.

— Por que não?

Seus olhos caíram até um ponto abaixo do queixo, e ele podia sentir seu
constrangimento enquanto murmurava uma resposta.

— Porque sim. Ele simplesmente não vai deixar. Ele é bem rígido com suas
ideias.

Remy não se importava, como o pai dela, ele também tinha ideias bem
definidas. Esta mulher era sua companheira. Seu futuro. Minha. Ele segurou suas
bochechas e levantou o queixo, forçando-a a encontrar seu olhar.

— Eu não aceito não como resposta. — Ele baixou a cabeça para selar sua
promessa com um beijo. Ela virou a cabeça e ele pegou sua bochecha.

Sua respiração travou.

— P-por favor, não.

— Apenas um beijo? — Talvez então ela sinta a mesma atração, a mesma


urgência que ele.

— Eu não posso. Me solte... por favor.

Chocado com sua reação em pânico, ele não tentou detê-la quando ela
empurrou seu braço. Ele deixou cair ao seu lado e observou enquanto ela saiu,
desaparecendo na multidão sem um olhar para trás.

Em sua mente, quase podia ouvir o lamento de seu


lobo, desconcertado por sua reação. Como eu
poderia estar tão errado quando ela cheira tão bem?
Ou eu fui muito apressado? Talvez ele precisasse
revisar o protocolo de namoro estabelecido pelos anciãos. Aparentemente, seu
método usual de encantar uma senhora, basicamente dizendo um oi e sorrindo
para que elas deixassem cair suas calças, não funcionaria com sua companheira.
O que é totalmente uma merda. Bem. Se ela exigisse ser cortejada, ele o faria.
Mas como abordá-la de novo?

Ele se virou para a cerveja, mas o fluido dourado não o ajudou. Nem ele
encontrou consolo ou um revestimento de prata no fundo da garrafa. Mas ele
achou que lembrou as letras de — Lobisomens de Londres, — que criou com
uivos e gemidos misturados com gargalhadas.

Mina se afastou do menino, mais como um homem, que despertou


sentimentos tão desconcertantes nela. Ela se sentiu atraída por ele, apesar de
assustá-la, ele havia mexido com a mente e o corpo dela, a partir do momento
em que entrou na casa da fraternidade. Desde o momento em que ela percebeu
que ele a olhava com olhos escuros que pareciam brilhar com intensidade, ela
se achou incapaz de ignorá-lo, observando pelo canto de seus olhos quando ele
se aproximou dela. Seu coração acelerou enquanto o tempo parecia diminuir, e
o caos que os rodeava desapareceu, fazendo-a ter consciência dele e apenas ele.

No entanto, seu encontro foi adiado quando seus amigos o levaram para
longe. Ela não podia deixar de seguir os pés possuídos de sua própria mente
quando ele foi arrastado para outra sala. Hipnotizada, o observou participar de
um jogo de bebida que a repeliu, e, apesar de sua repugnância, ficou congelada
no lugar, olhando para ele.

Elevando-se sobre a maioria da multidão, sua pele escura e cremosa a


fascinou. Ele tinha um nariz forte, bochechas definidas, um maxilar quadrado e
os lábios mais sensuais que já havia visto em um homem. Seu cabelo se
encaracolava violentamente em sua cabeça, um olhar indomável que ela
realmente gostava. Quando seus olhos, de um
chocolate profundo e quente, encontraram-se com
os dela, a fome neles causou pânico e uma sensação
de borboletas no estômago. Não entendendo sua reação, ela fugiu.

Eu sabia que era uma má ideia vir com Sheila e Barb a esta festa. Ela poderia
imaginar a reação de seus pais se eles soubessem. As boas garotas não iam a
festas selvagens, onde a principal fonte de diversão era ficar tão bêbada quanto
possível, ou a alternativa mais pecaminosa que se fazia. Suas primas, porém,
deixaram de falar sobre essa parte quando a convenceram a se juntar a elas em
uma reunião no campus. Visitando a tia com a família dela, como Mina poderia
dizer, educadamente, que não? Assim, ela se encontrou empurrada no carro de
sua prima, corando ao ouvir o grito de sua mãe.

— Seja uma boa garota. — O que fez com que suas primas morressem de
tanto rir.

Preocupação enchia sua cabeça mesmo antes de chegarem a seu destino,


quando suas primas normalmente tão quietas e contidas, trocaram seus
Cardigans e calças jeans aprovadas pelos pais, por micro-saias e saltos altos
dentro do carro em movimento no meio do trânsito. Mina resistiu as tentativas
das primas para que ela trocasse de roupa e usasse algo menos conservador. Mas
ela não venceu a batalha contra a maquiagem que Sheila aplicou para que ela
“não as envergonhasse na frente de seus amigos” enquanto Barb dirigia.

Uma vez que chegaram ao seu destino, suas primas a abandonaram, e sem
dinheiro ou meio de chegar em casa, Mina vagou, meio perdida e sem rumo, a
música alta e o comportamento idiota de muitos. Procurando um lugar calmo,
ela encontrou seu caminho para uma cozinha, que na parte de trás da casa
pareceu menos ocupada, provavelmente porque as três geladeiras aonde as
pessoas pegavam suas bebidas estavam em outro cômodo da casa.

Inclinando-se sobre a pia, ela abriu a água e olhou em torno procurando um


copo limpo para beber. Não encontrando nada, pegou o líquido fresco na mão
e tomou um gole. O sabor mineral não fez nada para diminuir a sede. Ela fechou
a torneira e olhou para o dreno. O que devo fazer? Sabia o que seus pais diriam.
Saia desta casa do pecado. Honestamente, a julgar pela loucura acontecendo ao
redor dela, esse seria provavelmente o curso mais
sábio, mas como?
Duas mãos grandes se abaixaram no balcão de cada lado dela, prendendo-a.
Ela segurou o grito de terror da movimentação abrupta e invasão de seu espaço
pessoal. A presença em suas costas a perturbava, mas não tanto como o nariz
que se enterrava em seus cabelos, inalando. O que está acontecendo? Mina
virou-se, um suspiro saiu de seus lábios enquanto contemplava a perfeição.

Era o cara de antes, aquele com a pele lisa de cacau que a encarava. De perto,
ele era de tirar o fôlego, e ela só podia olhar para ele de forma idêntica. Ele se
debruçou sobre ela até estar muito próximo, o que não a assustou tanto, quanto
o fato de que quanto mais ele a encarava, mais seus olhos brilhavam. E não com
emoção, mas uma luz real que os fez parecer dourado e animal. Em outras
palavras, não muito humano.

O diabo. Ela quase podia ouvir sua mãe dizendo isso, e pior, Mina se
perguntou se seria verdade. Ela reprimiu o desejo de fazer o sinal da cruz.

Ele balançou na direção dela, e a inquietação a fez tremer.

— O que você está fazendo? — Sua voz saiu suave e fraca. Com a música
alta no fundo, ela não tinha certeza de que a tivesse ouvido.

— Não tenha medo. — Ele respondeu, sua voz era suave como uma carícia.
Uma estranha sensação fez com que sua barriga parecesse cheia de borboletas,
e um calor invadiu seus membros.

O que está acontecendo comigo? Ele lançou um feitiço sobre ela para fazer
seu corpo se sentir tão estranho?

— Eu preciso achar minhas primas. — Ela gaguejou, incapaz de controlar


completamente seu medo.

— Não vai embora ainda, baby. Acabamos de nos conhecer. — Seus olhos
brilharam, e seu corpo reagiu, seus mamilos se apertando como se estivessem
expostos ao frio, e ainda assim ela se sentia quente por dentro.

Ele se moveu para mais perto até que seus corpos se encostassem. A pélvis
dele pressionou contra seu ventre, uma
protuberância grande que mesmo ela na sua
inocência não podia confundir. Ele esta atraído por
mim. Seus lábios cheios se aproximaram e sua intenção de roubar um beijo
evidente. Uma parte dela esperou por isso, mas anos de educação rigorosa
gritavam em sua cabeça. Oh, isso é errado. Tão errado.

Afastando-se, tentou não parecer aterrorizada, mas seu corpo ainda tremia.
Terror ou alguma outra coisa?

— Eu realmente preciso ir. Elas provavelmente estão procurando por mim.


— Uma mentira branca que seguramente o bom Deus perdoaria. A confusão
em seus olhos deixou-a perplexa. Ele não deve estar acostumado a mulheres
negando-o qualquer coisa. Isso fortaleceu sua determinação.

— Não vá ainda. Não fomos apresentados. Eu sou Remy.

O sorriso que ele soltou mostrou dentes pronunciados e pontiagudos, que,


combinados com seu olhar luminoso, a fizeram estremecer. Eles falaram,
embora ela não pudesse ter dito exatamente o que eles disseram. Ela sabia o que
sentia, no entanto. Fraca. Quente. Animada. Receosa. Tentada...

Foi a tentação de dar-lhe o beijo que ele exigiu que a levou à ação. Bonito ou
não, a ameaça de seu pai a impediu de ceder ao pedido de Remy. Para sua
surpresa, quando ela empurrou seu braço, ele a deixou ir. Ela fugiu dele e o
distúrbio que sua presença causou, repreendendo-se como uma tola quando
uma certa quantidade de decepção a imbuía de sua falta de perseguição.

Ele provavelmente passou para pastagens mais fáceis. A ideia não a agradou.
Certamente, ela não queria que isso gerasse... O que exatamente ele era? Ele não
pareceu malvado, e ainda assim, bons meninos não tinham olhos que brilhavam,
nem a faziam sentir como se ela tivesse pulado em um vulcão.

Mina empurrou a multidão de alunos de faculdade bêbados. Ela tinha apenas


dezenove anos, e ainda assim se sentia mais velha que o grupo selvagem que a
cercava. Um desejo de ir embora pulsando forte em sua mente, e ela procurou
por suas primas, pronta para implorar, se necessário, qualquer coisa, para
escapar desse lugar louco. Qualquer coisa para fugir de Remy.

Pareceu demorar uma eternidade antes de


encontrar Sheila sentada no colo de um rapaz.
Neste ponto, nada poderia surpreender Mina. Ela
tinha visto coisas, coisas sujas na última hora. Atos que ela não teria ousado
imaginar existirem. Foi criada numa vida protegida, uma bem estrita com seus
pais que não permitiam qualquer desvio do caminho do que eles chamavam de
bom. Cercada pelo pecado, Mina poderia imaginar seu horror se soubessem
onde sua filha passava a noite. Ela também podia imaginar os joelhos doloridos
que teria se descobrissem. O número de Ave-marias que ela teria que dizer faria
fronteira com o ridículo, ela apostaria. Eu preciso sair daqui!

— Sheila, onde está Barb? — Perguntou Mina, torcendo as mãos.

Batom manchado, sua prima se virou de seu namorado.

— Para que você precisa dela?

— Eu quero ir embora. — Sheila riu enquanto ela se contorcia no colo do


menino.

— Ainda não acabamos.

— Por favor. Não posso ficar aqui. É-é demais para mim. — O lábio inferior
de Mina tremia enquanto implorava.

Rolando os olhos, Sheila resmungou.

— Pequena princesa Mina. Eu disse para mamãe que você arruinaria nossa
diversão. Mas, oh, não. Você tem que levar a sua prima. Não seria certo caso
contrário. — Sheila imitou sua tia com perfeição, e as lágrimas queimavam os
olhos de Mina quando de repente percebeu que a imagem agradável que sua
prima geralmente apresentava a ela era uma farsa.

— Mas...

— Oh, pelo amor de Deus. Bobby, ela pode se esconder no seu quarto até
acabarmos?

Bobby era o menino loiro com rosto bonito usando calças Cáqui que estava
sentado à esquerda de sua prima. Ele olhou Mina de
cima a baixo.

— Claro. Siga-me.
Quando Mina mordeu o lábio, uma sensação de inquietação fez com que ela
quisesse pedir a Sheila novamente para ir embora. Mas sua prima se voltou para
o namorado, beijando-o com um fervor que Mina achou perturbador,
especialmente porque isso fez com que ela se perguntasse se teria gostado de
beijar Remy assim.

Ela correu atrás de Bobby, suas bochechas quentes por causa do seu próprio
pensamento, um pensamento pecaminoso que ela tentou esquecer. Não haverá
beijo. Não com um estranho. Não com ninguém. Não que ela se importasse,
mas com a pessoa certa e depois de um período de namoro respeitável que
levaria ao casamento. Sua mãe não a criou para ser fácil, nem como suas primas.
Além disso, ela tinha decidido há muito tempo guardar-se para o casamento e
o homem que ela um dia encontraria e se apaixonaria. Só então ela permitiria a
paixão que os outros se dedicavam de forma descuidada.

Subindo as escadas seguindo Bobby, que não disse uma palavra ao seguir o
caminho. Ele abriu uma porta no segundo andar sem bater e Mina entrou depois
dele.

— Muito obrigada por me deixar ficar em seu quarto. — Disse ela,


observando as camas duplas, juntamente com a confusão de roupas e outros
detritos.

— Eu sei como você pode me pagar de volta. — Bobby lambeu os lábios


enquanto ele varria seu olhar para cima e para baixo em seu corpo.

Uma repugnância percorreu Mina porque, apesar de sua inocência, ela


entendeu o que isso implicava. Também lhe ocorreu que deixar a festa e a
multidão talvez não fosse o curso de ação mais sábio. Eu acho que preciso
encontrar outro lugar para me esconder. Antes que ela pudesse girar e voltar
para fora, a porta se fechou e a chave fechou. Quando ela se virou, o medo
agarrou-a, mesmo quando notou que um segundo garoto havia entrado depois
deles. E foi ele que trancou a porta. De repente, encontrar um lugar tranquilo
com um estranho não parecia um plano tão brilhante.

— Você sabe o que. Eu acho que vou chamar um


taxi em vez de esperar pela Sheila. — Desta vez sua
voz tremeu com medo genuíno.
Uma mão prendeu seu cabelo puxando sua nuca, e ela girou enquanto, ao
mesmo tempo, se afastava.

— Qual é a pressa? — Bobby perguntou, um sorriso ameaçador cruzando


seu rosto. — Sorte sua eu resolvi te fazer companhia por um tempo, junto com
o meu amigo Jimmy aqui.

— Eu realmente não deveria te manter longe da festa e dos seus amigos. —


Ela afirmou, tentando controlar o vacilar em sua voz. — Eu acho que vou voltar
para o andar de baixo. — Ela tentou passar por Jimmy a caminho da porta, mas
ele agarrou seu braço com os dedos a machucando.

— Não tão rápido. — Ele olhou para trás. — Ainda não chegamos à parte
divertida.

Ela não conseguiu impedi-lo de colocar um beijo molhado sobre ela, mas
conseguiu evitar sua boca, então pousou em sua bochecha. Em pânico, ela bateu
o pé, pegando o peito do pé dele.

Com um grito, ele a soltou, e ela pulou para trás.

— Não. — Ela gritou, temendo apertar a garganta. — Eu não quero isso.


Deixe-me ir embora. Por favor. — Ao contrário de Remy, esses rapazes não
pareciam compreender ou respeitar o fato de não significar, não.

Quando Bobby, com uma risada desagradável, pulou na direção dela, ela
gritou e atacou. Duvidava que fizesse algum mal, mas ele tomou uma retaliação
de qualquer jeito, dando uma bofetada de mão aberta fazendo sua cabeça
encolher de lado. Sentiu gosto de sangue na língua quando seus dentes cortaram
sua bochecha, e o zumbido na cabeça a fez agir lentamente, mas ainda podia
ouvir suas risadas impenitentes.

O som alto do tecido de seu decote rasgando. O ar mais frio da sala tocou a
parte superior do seu corpo desnudo. Ela lutou quando Jimmy agarrou seus
braços e Bobby lhe arrancou o sutiã, o elástico esticado arranhou a pele antes
de estourar. Eles a soltaram de repente e ela
tropeçou, mas não antes de Bobby beliscar seu
mamilo descoberto.
Ela não conseguiu evitar o suspiro de dor com seu tratamento bruto, e
quando as mãos de Jimmy desabotoaram sua calça, ela desmoronou e chorou.

— Não, por favor, não.

Como se eles ouvissem. Eles ficaram surdos com sua súplica, então Mina
rezou para o Senhor por um milagre. Oh, Deus, por favor me ajude. Onde
estava o anjo da guarda quando precisava de um? Dada a promessa violenta dos
olhos de Bobby e Jimmy, mesmo um diabo de olhos dourados teria sido bem-
vindo.
Remy estava bêbado. Mais tonto que um gamba e mais embriagado do que
um marinheiro. E sentindo-se triste sobre a rejeição de sua companheira,
principalmente porque ele nem conseguiu encontrá-la na multidão. Ela havia
desaparecido sem deixar uma pista sobre quem ela era.

Agora, como eu deveria encontrá-la novamente e cortejá-la corretamente?

Certamente, no entanto, se eles tivessem a intenção de acabar juntos, ele não


precisaria esperar muito para descobrir sua identidade e tentar uma segunda
oportunidade para encantá-la. Da próxima vez. Se houvesse uma próxima vez.
Ele tomou uma dose de tequila e logo depois um gole de cerveja. Ele já tinha
perdido a conta de quantas já tinha tomado, mas a quantidade deve ter sido alta
por que ele estava deitado no chão com as pernas esticadas e sem nenhuma
noção de como havia chegado ali. Quando alguém tropeçou em suas pernas, ele
automaticamente arreganhou os dentes e rosnou. Opa. Piscando algumas vezes
ele notou que ninguém em volta prestava atenção nele. Que bom. Hora de se
arrastar para cama antes que ele deixasse seu amigo peludo sair para brincar,
uma real possibilidade dada a quantidade de álcool que ele havia ingerido e que
diminuía seu controle, o problema somente aumentado por sua frustração.
Quem é ela? E onde ela está?

Tropeçando pela escada para a cama, o cheiro da fêmea que o transtornava,


cujo nome ele nunca conseguiu, provocou-o. Um tropeço em uma parede, que
ele poderia ter jurado não estava lá antes, fez com que ele parasse e tentasse
reavaliar aonde iria. Eu sei que meu quarto está por aqui em algum lugar. Se
apenas o maldito corredor parasse de girar, encontraria a porta certa.

Balançando a cabeça algumas vezes, isso apenas aumentou sua confusão. Ele
jogou as mãos e se preparou antes de pousar de rosto no chão. Respirações
profundas. Ele era um Lycan. Se ele acalmou e
esperou um segundo, seu sistema começaria a
trabalhar em seu problema. Vomitar também
aceleraria o processo. Mas deixaria um mau gosto em sua boca. Ele preferiria
esperar as rotações pararem. Enquanto respirava, o gira-gira conhecido como o
corredor se estabilizou e ele se concentrou em sua porta. Seu perfume o
assombrou enquanto ele tomava alguns passos deslizantes em direção a porta
esperançosamente correta, quase como se tivesse passado recentemente. Mas
para onde e com quem?

Minha. Seu lobo resmungou, era possessivo e não gostou nem um pouco.
Acalme-se. Ela pode ter vindo até aqui para escapar da multidão. Ela não parecia estar
à vontade. Fora do seu elemento. Talvez ela precisasse de um lugar mais
silencioso.

Ou alguma privacidade para outras coisas. . .

Remy não conseguiu evitar o grunhido que retumbou. Seu lobo passou pelos
confins de sua mente, tenso, irritado, pronto para saltar. Lutar pelo que ele sabia
ser deles.

Isso não é nada bom. Não com ele ainda tão bêbado. Em seu estado de
espírito, se ele encontrasse sua mulher na presença de outro cara, seu controle
poderia escapar. O ciúme, a mais poderosa das emoções ao lado da raiva e do
amor, poderia ser o empurrão final necessário para que seu lobo ultrapassasse
o homem. O melhor era ele descansar alguns minutos antes de investigar.
Deixar os efeitos do álcool em seu sistema diminuir.

Um plano sábio. Um bom plano, até que ouviu ao longo do corredor, quase
no final do corredor. Um gemido de dor e um grito.

— Não, por favor, não. — Um apelo assustado quase encoberto pelo som
de risadas bêbadas e altas. Um humano nunca teria ouvido pelo volume da
música. Mas Remy não era inteiramente humano. E quando seu animal ouviu
sua mulher, porque ele sabia com cada fibra do seu ser que era sua mulher, ele
não poderia ser impedido de ir atrás dela nem com correntes.

A raiva varreu seu corpo quando o lobo ergueu sua cabeça. Sem saber de
onde ele estava e quem o veria, correu pelo corredor
e pela porta onde o medo irradiava. Esqueça o
bloqueio frágil impedindo sua entrada. Ele o
quebrou com um forte empurrão de seu ombro contra a porta que o separava
de sua companheira. Ele atingiu a parede com um estrondo, surpreendendo os
ocupantes. Suas narinas se encheram com o cheiro dela e seu lábio superior se
curvou para trás.

Ele encontrou sua mulher misteriosa, seus olhos cheios de lágrimas e uma
bochecha vermelha brilhante. Em seu breve olhar, ele também notou sua camisa
rasgada, que exibia seus seios cheios, um marca com um hematoma já
avermelhado. Ela ergueu as mãos em um gesto defensivo, seu terror evidente e
inaceitável.

Quem ousava ferir nossa companheira?

A raiva de Remy ficou quente e ele concentrou sua fúria sobre os dois
humanos, os quais tinham expressões arrogantes. Adversários indignos, o
inimigo, meros seres humanos lamentáveis, quem eles pensavam que eram para
ferir sua companheira.

Com um rosnado, ele pulou e cuidou do primeiro que estava com a calça
desabotoada. Levando-o para baixo no chão, os punhos dele eram um borrão
de movimento enquanto apagava o sorriso do rosto do bastardo. Ele teve
satisfação no sangue que escorria, mas isso não fez nada para apaziguar sua
besta.

O movimento na sua visão periférica o fez parar seu ataque e girar para se
agachar em suas pernas de trás. Um grunhido escapou seus lábios. O outro
idiota pensou em escapar. Mas que inferno. Remy, mais rápido do que um
humano saltou para ele, bateu-o na porta, que se fechou.

O som de seu punho que se conectava com a carne quase mascarou os


soluços sufocados. Nossa companheira. Ela está com dor. A preocupação empurrou
a barreira de sua raiva, e Remy parou seu ataque. Abrindo o punho cerrado, a
forma solta de sua presa caiu no chão. Seu lobo pediu que ele o encerrasse. Um
tremor de sua cabeça e ele silenciou seu lado bestial, mas não podia negar o
apelo.

Uma respiração profunda através do nariz.


Através da boca. Ele tentou acalmar a sede de
sangue, a raiva ainda queimando como fogo por dentro. O peito tremendo e
seu corpo eriçado ainda com adrenalina, combinado com o álcool, ele não
conseguia pensar com clareza. Não ajudou que o cheiro do medo agitou seu
outro lado, enquanto o cheiro metálico do sangue permeava o ar. O perfume
violento não fez nada para aliviar a violência que ameaça derramar. Seu animal
se esticou e gemeu, empurrando contra os limites de sua mente. Exigindo ser
liberado.

Um leve sussurro e Remy se aproximou, pronto com um grunhido de


advertência. Ele não atacou quando uma rápida inalação não revelou nenhum
inimigo atrás dele, mas uma fêmea tremendo que cheirava bem. Os olhos
arregalados o olhavam.

Minha. Ela se encolheu diante dele enquanto ele se aproximava. Por que ela
tem medo de mim? Ou ela ainda tremia por causa do ataque? Ele mostrava que
estava segura. Ele não a deixaria ser prejudicada. Ele a protegeria com a vida
dele.

— Oh Deus. O que você é?

A fêmea fez sons melódicos, parece que ele deveria entender. Ele se inclinou,
cheirando sua pele. Ela choramingou. Ele enrugou o nariz quando pegou o
cheiro dos machos nela. Mas enquanto eles tentavam tocar, ele os parou antes
que reivindicassem o que era dele. Ainda assim, ele não gostou do aroma de
outro em sua fêmea.

Facilmente corrigido. Ele colocaria seu aroma sobre ela. Marque-a


corretamente para que isso não volte a acontecer. Não aqui, no entanto. Não
neste lugar que cheirava errado. Ele queria a privacidade de seu covil. Ele
levantou a fêmea tremendo e empurrou-a por cima do ombro, fazendo a curta
viagem até seu covil sem encontrar inimigos que ele deveria lutar.

Uma vez que fechou a porta do seu território, ele deixou sua companheira
descer, satisfeito que seu odor já cobria o dos outros. Ela recuou, mas bateu na
parede e não podia ir mais longe. Lágrimas
molhavam suas bochechas, um sinal de fraqueza
que o fez vacilar. Algo sobre isso parecia errado. Ele
balançou a cabeça, lutando para limpar a neblina em
sua mente, mas o nevoeiro se agarrava tenazmente. Ele ouviu sua companheira
resmungar, o tom e a cadência que ele quase entendeu. Apesar de não entender
sua intenção, uma parte de sua agressão eriçada recuou, mas só porque a luxúria
tomou seu lugar.

Estar tão perto dela, ele podia ver seus seios através do tecido rasgado de sua
camisa, um pano que ela apertava, mas não fez nada para ocultar seus mamilos.
Eles endureceram sobre seu olhar fixo. Um baixo grunhido de desejo rolou dele.
Ele precisava dessa mulher. Ela pertencia a ele. Ou logo seria. Aqueles outros
machos tentaram montá-la, provavelmente porque ela não tinha sua marca.
Minha.

Ele a envolveu, empurrando o corpo contra o dela, prendendo suas mãos em


uma das suas e segurando-as acima de sua cabeça. Seu corpo se curvou,
empurrando-se contra ele, empurrando sua dureza.

Hipnotizado por seu aroma de sol, flores, e superado por sua crescente
excitação, ele mergulhou a cabeça e reclamou seus lábios. Eles estavam
firmemente apertados, mas isso não o impediu que deslizasse os dele através
dos dela. Dando um puxão em seu lábio inferior, ele sugou entre os dele
enquanto empurrava sua pelve contra ela. Mas sua barriga suave não era o que
ele queria sentir. E a julgar pelo odor tentador que fez cócegas no seu nariz, ela
também queria mais.

Suas mãos rasgaram suas roupas enquanto seus lábios forjavam um caminho
pelo pescoço dela.

— Por favor pare. Isso está errado. Não devemos fazer isso. — Ela ofegou
as palavras; meio medo, parte excitada. Uma mistura confusa. Ele entendeu o
que ela disse em algum nível. Sabia que deveriam parar, mas não conseguia
lembrar o porquê. Não podia pensar além do fato de precisar dela agora. E que
a queria.

Ele beijou seus fracos protestos, mesmo que uma vaga sensação de erro
lutasse para se levantar. Excitação socando junto
com um lembrete simples, ela é minha. Se eu a
reivindicar, outros não se atreverão a tocá-la. E ela
não lutou contra ele. Pelo contrário, seus lábios se
abriram diante da insistência, da surpresa e do desejo de sua língua, afastando o
último medo.

Oh, quão doce era o gosto dela. Mas a sensação do corpo dela era ainda
melhor. Suas mãos percorreram suas costas nuas, sua camisa esfarrapada
desapareceu, deixando a pele aberta para sua exploração. E ele a explorou, do
ligeiro recuo da espinha até a covinha acima de suas nádegas. Ela estremeceu
com suas carícias, o perfume crescente de seu desejo estimulando-o. Ele deixou
o paraíso divino de sua boca dar beijos macios ao longo de sua bochecha, até o
pescoço dela. Sob seus lábios, seu pulso vibrou, uma batida rápida para
combinar com seu coração acelerado. Ele beliscou sua pele, um prelúdio
provocante para a marca que concederia uma vez que enterrasse seu pênis
dentro dela, reivindicando-a como sua companheira. Sua mulher para toda a
vida. Minha para a eternidade.

Doendo por ela, suas mãos deixaram a pele suave de suas costas e se
moveram para a cintura, dedos procurando o fecho que segurava suas calças
juntas. Um protesto simbólico deixou-a, e suas mãos puxaram a dele. Ele os
ignorou. Podia sentir o que ela queria, e pretendia dar a ela. Continuou a tirar
sua roupa. Ela apressou-se quando ele tentou abriu sua calça, frustrada quando
não conseguiu encontrar o ziper. A sua derrota o excitou. Talvez ela não fosse
tão mansa quanto aparecia. Uma boa companheira.

Juntando as mãos dela nas dele, ele usou seu braço livre para cercar sua
cintura e levantá-la o suficiente para que pudesse acariciar seu rosto contra seus
seios. Cheio e sedoso, ele resmungou suavemente enquanto puxava um de seus
mamilos para dentro de sua boca. Ela gritou, e ele sugou com mais força,
sentindo-os endurecerem. Seu corpo suavizou quando perdeu um pouco de
tensão e se arqueou em seu abraço. Um grunhido de satisfação escapou dele, e
ele tocou os seios, sugando a ponta do mamilo e mordendo com força suficiente
para fazê-la gemer.

Mas o desejo o cavalgava muito duro para brincar o tempo que desejava com
seus seios perfeitos. Ele a abaixou, mas ainda
manteve as mãos apertadas sobre a cabeça, embora
ela não mais lutasse. Balançou de volta e olhou para
ela, seu olhar começando em seus lábios inchados e
movendo-se sobre seu peito, a sua cintura fina, a barriga arredondada e. . . Ele
franziu a testa quando a viu tentar frustrar sua visão e provocá-lo apertando
suas pernas. Uma perna era tudo o que precisava para espalhá-las. Ele empurrou
uma mão entre suas pernas, agarrando sua parte feminina. O calor dela quase o
chamuscou, e a umidade infiltrada o fez salivar.

O cheiro inebriante de sua excitação surgiu, e Remy sentiu uma necessidade


irresistível de provar. Ele soltou as mãos dela e se ajoelhou entre suas pernas.
Seus dedos apertaram suas coxas, e ele acariciou seus cachos femininos.

— O que você está fazendo? — Suas mãos livres agarraram seu cabelo,
tentando afastá-lo, sem sucesso. Ele empurrou o rosto entre suas pernas e
passou a língua em sua fenda. Todo o seu corpo ficou imóvel, e ele a lambeu de
novo. Os dedos agarraram seus cabelos mais forte, mas em vez de empurrá-lo
para longe, ela o atraiu mais perto enquanto ele a deitava com prazer decadente.

O gosto dela na boca dele fez seu corpo queimar. Ele queria se afundar em
seu doce sexo e fodê-la enquanto suas unhas se abaixavam pelas costas.
Primeiro, porém, queria sentir seu prazer em sua língua. Sentir seu canal
tremendo quando gozar.

Seus lábios puxaram sua protuberância antes de lamber com movimentos


frenéticos. Seus quadris empurraram em movimentos espasmódicos contra seu
rosto e, junto com seu choramingo incoerente, disseram que ela se aproximava
rapidamente de seu clímax. Mais rápido ele trabalhou, sua língua circulando e
aplicando pressão contra o clitóris. Ele também deslizou um dedo em seu aperto
úmido e gemeu contra sua buceta com a sensação trêmula de seus músculos
pélvicos esticando em torno de seu dedo. Um segundo dedo em seu sexo
aveludado e ela gozou, um clímax glorioso que a fez chorar e seu corpo inteiro
se segurando quando seu canal apertou seus dedos.

Ansioso, tão ansioso para sentir aquela umidade em torno de seu pênis, ele
ficou parado e desabotoou as calças quando se levantou. Ele teve um momento
para notar seus olhos pesados antes que reclamasse seus lábios. Ela os abriu
largamente para sua língua empolgada, seu abraço
recíproco desajeitado, mas fervoroso.
Ele queria mais do que um beijo. Seu pau duro cutucou a barriga dela, ansioso
por sua vez. Com as mãos cruzadas em sua cintura, ele a içou, levando-a para a
altura certa e nivelar seu pau na fenda dela.

Seu corpo flexível ficou rígido. Pequenas mãos empurraram seus ombros.

— Não... — ela sussurrou contra a boca, tentando se afastar. — Eu não


posso. É...

Ele engoliu sua queixa, não mais estúpido com sede de sangue, mas muito
longe com excitação para ouvir.

— Você pertence a mim. — Ele sussurrou, ignorando sua própria mente,


que gritava para ele parar. Se pressionou entre as suas pernas, separando as
coxas com o corpo. Ela gemeu quando a ponta dele esfregou contra o clitóris.

— Oh, Deus me ajude. Por que isso tem que ser tão bom? — Ela inclinou a
testa contra a dele, a respiração pesada. Suas pernas enrolaram em seus quadris
enquanto ele pressionava seu pênis contra sua fenda molhada, empurrando para
dentro dela, o calor úmido de seu canal fazendo suas bolas apertarem.

Ela gemeu enquanto cravava os dedos nos ombros, a picada dolorosa de suas
unhas aumentava seu ardor. Ele abriu caminho através dela, seu apertado sexo
quase doloroso. Seus lábios se encontraram novamente em um beijo faminto, e
ele não pôde mais se conter. Ele empurrou forte nela, e seu grito vibrou contra
sua boca quando ele rasgou uma barreira, uma inesperada surpresa.

Uma virgem? A exultação o encheu com a evidência de que sua mulher nunca
esteve com um homem. Um grunhido possessivo e alegre escapou dele. Ela
pertencia a ele apenas.

Permitiu-lhe um momento para se ajustar ao seu tamanho antes que a


impaciência o montasse de novo. Ele se retirou e se empurrou para dentro. Ela
mexeu e seu canal estremeceu. Novamente, entrou e saiu.

Seu orgasmo estava pendurado muito perto, mas ele segurou. Queria que ela
gozasse também, queria ouvi-la gritar seu prazer em
voz alta, enquanto sua boceta sugava seu pênis. Ele
ajustou seu aperto em suas bochechas e afastou-se
da parede. Debruçando-se um pouco, usou sua força para movê-la de um lado
para o outro com seu pau enquanto enterrava o rosto no pescoço e sugava sua
carne macia. Levaram vários golpes antes de ouvir sua respiração acelerar, e um
tremor invadiu seus membros. Seus dedos caíram em seus ombros e suas pernas
apertaram sua cintura. Seu prazer aumentou quando Remy começou a penetrar
ainda mais rápido, seu próprio clímax na borda. Com um grito alto, ela veio
primeiro, seus músculos pélvicos espasmando em torno de seu pau, apertando
firmemente. Remy grunhiu quando seu clímax o atingiu e ele empurrou, com
uma estocada profunda, enquanto derramava sua semente.

E então ele a mordeu, embora uma voz fraca em sua cabeça gritasse, Não!
Ele afundou os dentes na pele macia de seu pescoço, onde se encontrava com
o ombro e provou o sabor do sangue dela. Ela gritou uma vez, então uma
segunda vez quando suas enzimas entraram em sua corrente sanguínea e foram
trabalhando, mudando-a. Marcando. Fazendo-a dele.

Ela não se tornaria uma Lycan como Remy. Nenhuma mulher poderia e os
homens Lycan nasciam, não eram criados. No entanto, depois desta noite, ela
seria mais do que humana, estaria mudada. Ainda melhor, ela seria toda sua.
Minha mulher. Minha companheira.

Uma flacidez invadiu seu corpo enquanto ela perdia a consciência, era o
modo de o seu corpo lidar com a rápida reconstrução de suas células. Foi bom
porque o esgotamento de repente o atingiu. Ele manteve apenas lucidez
suficiente para entrar em colapso em sua cama, com o cuidado de colocá-la na
cama para que não a esmagasse. Agarrou um cobertor e puxou-o sobre eles.
Então deixou o sono levá-lo enquanto estava encolhido ao redor dela.

Minha.
A desorientação fez com que Mina piscasse forte quando acordou. Levou um
momento para perceber o calor que pertencia a outro corpo. Um corpo quase
nu. Um gemido escapou dela enquanto lembranças da tentativa de estupro
seguido pela sedução de Remy lavaram-na a cometer um grande erro. A
vergonha por suas ações, e pior, sua diversão, fez com que as lágrimas
enchessem seus olhos.

Apesar do quanto ela gostaria de afirmar, mesmo que apenas em sua mente,
que Remy a tinha forçado a fazer sexo, ela sabia que poderia ter lutado mais
forte contra seu toque sedutor e não sucumbido ao prazer aquecido. Sim, ele
havia ignorado seus argumentos para parar, mas, na verdade, esperava que ele
gostasse muito das sensações evocadas.

Estou indo para o inferno.

Em uma noite, ela havia esquecido uma vida de ensinamentos, uma promessa
feita a si mesma e a Deus para manter-se pura para o homem que um dia se
tornaria seu marido. Tudo perdido em um momento apaixonado.

Ela queria chorar, não por causa da sua inocência perdida, mas porque até
agora, seu corpo pulsava em lugares que era melhor nem mencionar, e ansiava
em sentir aquele êxtase novamente. Mas ela já tinha pecado o suficiente por uma
noite.

Ela se contorceu para tentar se libertar de seu braço pesado, mas ele rosnou
suavemente e apertou o abraço.

Ela congelou. Ele parou de se mover, mesmo sua respiração. Ele ainda
dormia. Mexendo-se com cuidado, respirou fundo e saiu de seu abraço, ela
bateu no chão com um golpe, e imediatamente se
virou para olhar para Remy. Ele franziu o cenho
enquanto dormia, sua mão procurando cegamente
por ela. Lançando um olhar ao redor viu um
travesseiro caído e o empurrou para ele. Ele o abraçou no peito e parou de se
mover de novo.

Ela deixou a respiração presa sair em silêncio. Por algum motivo, não queria
que ele acordasse, embora não pudesse explicar o porquê claramente. Ela só
sabia que precisava fugir antes dele abrir novamente os olhos do diabo e fazê-
la esquecer de quem era. Precisava escapar antes que seu corpo, que latejava
com mais estranheza, sucumbisse à loucura prazerosa de antes.

No brilho das luzes da rua que atravessavam a janela, encontrou a roupa


dispersa. As calças eram vestíveis, embora o botão tivesse desaparecido. Sua
camisa, no entanto, estava esfarrapada. Encontrando uma cômoda, ela abriu
três gavetas antes de encontrar algumas camisetas, muito grande realmente para
seu corpo, mas ainda melhor do que sua blusa rasgada. Ela pôr fim deslizou nos
sapatos, que haviam sobrevivido ao colapso.

Vestida, ela se moveu para a porta, mas depois parou, hesitando. Ela virou
para a cama e seu ocupante adormecido. Ela não podia deixar de olhar para
Remy, memorizando os detalhes do homem que parecia um anjo caído ou o
diabo encarnado.

Ao vê-lo parecer tão pacífico, tão doce, quase podia esquecer como ele
parecia mais bicho do que homem quando entrou no quarto, salvando-a de um
ataque certo e violento. Observando os longos cílios que roçavam suas
bochechas em repouso, quase podia esquecer como seus olhos brilhavam com
estranheza e sua voz retumbava com grunhidos animais.

Quando ela se despediu, seu rosto para sempre gravado em sua mente, o
homem que tinha tomado sua virgindade com uma onda de prazer que nunca
tinha imaginado possível, se perguntou se ele tiraria algum tempo para pensar
na noite que a seduziu. Provavelmente não. Ela não tinha nenhuma ilusão de
que foi provavelmente apenas uma conquista, uma mais do que provável já
esquecida.

Mas nunca vou te esquecer. Meu primeiro.


Primeiro amante. Primeiro pecado importante. Ela
estava indo para o inferno.
Ela fechou a porta suavemente atrás de si e afastou-se, grata pelo corredor
que permanecia vazio. Ela deslizou pela escada, onde a música ainda tocava
vários decibéis abaixo. Não conseguiu atingir o andar inferior porque o braço
dela foi agarrado grosseiramente.

— Você está aí. — Exclamou Sheila. — Para uma menina que queria sair tão
desesperadamente, você certamente se escondeu bem.

— E parece que ela acabou se divertindo depois de tudo. — Acrescentou


Barb com um sorriso malicioso.

Elas poderiam saber o que ela havia feito? Ver o pecado marcando sua pele
e sua alma?

— Podemos ir? — Perguntou Mina, abaixando a cabeça quando a vergonha


de seus olhares conhecidos iluminou suas bochechas.

— Então, quem foi? Bobby ou Jimmy?

— Ou ambos? — Acrescentou Barb com um riso silencioso.

Elas esperavam que ela dormisse com aqueles bastardos? A Mina, geralmente
passiva, sentiu uma rápida onda de raiva. Como as odiava naquele momento,
mas ainda precisava delas para chegar em casa.

— Eu não quero falar sobre isso. — Barb e Sheila fizeram mais algumas
tentativas para incomodá-la, mas Mina as ignorou e fingiu dormir no banco de
trás enquanto voltavam para a casa da tia. Ela não tinha nada para dizer às
garotas. Por causa delas e suas maquinações, perdeu sua inocência naquela noite
mais do que uma vez. Medo, paixão e inúmeros sentimentos entre eles. Parecia
que tinha vivido uma vida inteira em algumas horas. Levaria um tempo para
resolver tudo.

Ela teve um momento de medo quando entraram na casa da tia, temendo


que seus pais ainda estivessem acordados e notassem suas roupas e, pior ainda,
fizessem perguntas. No entanto, Deus finalmente estava olhando por ela
novamente e chegou ao quarto de hóspedes sem
percalços.
Pânico a agarrou ligeiramente quando viu o sangue em suas coxas quando foi
escovar os dentes e fazer xixi. Uma limpeza frenética da evidência foi tudo o
que conseguiria até amanhã em que podia ter um banho. Ela não sabia o que
faria sobre a marca vermelha em sua bochecha, no entanto, não parecia tão ruim
quanto ela temia, mas seus pais certamente notariam.

Por fim, de manhã a bofetada no rosto tinha desaparecido e seus pais


permaneceram inconscientes do fato de Mina ter sofrido uma mudança em sua
vida. Por enquanto. Uma vez que descobrissem que ela tinha pecado, teria
problemas mais preocupantes para se preocupar. Problemas muito maiores e
que alterariam a sua vida.
Uma dor de cabeça latejante e uma enorme vontade de fazer xixi despertou
Remy.

Eu nunca mais vou beber de novo.

Remy se levantou da cama com um gemido e caiu no chão de joelhos. Com


a cabeça inclinada, esperando que a tontura passasse, viu um par de pés calçados
em botas pretas.

Isso não era bom. Ele reconheceu o couro arranhado.

— Ei, papai. — Ele disse lutando para levantar e sentar-se na cama. Ele
perdeu e atingiu o chão. Quão bêbado ele tinha estado na noite anterior? Ou,
de acordo com os números vermelhos de seu relógio, que gritava em néon
vermelho brilhante seis horas, poucas horas atrás. As lembranças nebulosas
começaram a atravessar sua mente, mas o mais importante entre elas, um
conjunto de olhos azuis cheios de lágrimas, olhos que mostravam paixão. Sua
mente acordou totalmente. O que eu fiz?

— Estava na hora de você acordar. — Seu pai rosnou. — Quanto álcool


você bebeu na noite passada para perder o controle desse jeito? Para você
continuar bêbado até de manhã?

O amanhecer não constituiu na manhã?

— Não agora, pai. — Remy gemeu. Ele virou sua cabeça girando para
examinar a cama atrás dele. Estava vazia. Uh-oh. Ele tinha sonhado? Ele
cheirou, o cheiro persistente de sexo e sangue - seu sangue de virgem - o fez
fechar os olhos e deixar cair a cabeça com horror. Oh, foda-me. Diga-me que
não fiz isso. Diga-me que eu não ferrei tudo.

— Por quê? Você tem um compromisso mais


importante? Você vai prestar atenção em mim agora
mesmo. — Seu pai rugiu, agarrando Remy pelo braço e puxando-o para ficar
de pé. — Você tem alguma ideia do que fez?

— Ferrei com tudo realmente. — Remy não era de se esconder atrás de seus
erros. Mesmo astronômicos. Ah, merda, como eu pude perder o controle assim?

— Vou dizer o que você fez. Aqueles dois meninos com os quais brigou, são
o que você chama de merda importante por aqui. E porque você não conseguiu
lidar com seu álcool ou seu lobo, você os surrou até uma fração de tirar suas
vidas. Eles estão no hospital.

Seus lábios curvaram-se com desgosto, Remy levantou a cabeça para encarar
seu pai.

— Quem diabos se importa com esses dois bastardos? Eles mereceram e


mereciam muito mais por tentarem estuprar minha companheira. — O traseiro
de Remy atingiu o colchão com força quando seu pai o soltou.

— Eles fizeram o quê?

As memórias, na sua maioria embaçadas de álcool, correram para preencher


as lacunas da noite anterior. Algumas lembranças, como a que ele reivindicou a
sua mulher, se destacaram com muita clareza.

— Eu peguei os idiotas enquanto eles estavam prestes a forçá-la. Eu cuidei


disso, sei que talvez não tenha sido a coisa mais inteligente, mas porra, o que eu
deveria ter feito em vez disso? Esperado enquanto os dois meninos ricos
tivessem sua vez e a traumatizavam?

Um suspiro alto foi a resposta de seu pai, e Remy olhou para vê-lo esfregar
uma mão sobre o rosto.

— Porra! Eu deveria ter sabido que você teria um motivo para bater neles.
Acho que não posso culpá-lo completamente. Mas isso vai causar alguns
problemas. Grandes problemas. Essa garota que você salvou, ela estaria
disposta a dar uma declaração? Algo para, pelo menos, corroborar para que
possamos, pelo menos, mostrar justa causa?

Remy balançou a cabeça.


— Eu duvido. — Poucas meninas fariam. E mesmo que ela concordasse, ele
não sujeitaria sua companheira a esse tipo de atenção, e não depois do que ele
fez.

— Quem é a menina?

Quem? Remy vasculhou suas memórias. Sondou a breve conversa da qual ele
se lembrava. Deslizou todos os momentos, a maioria deles gemeu à luz do dia.
O cheiro dela permanecia impresso em seu cérebro, a sensação de sua pele
tatuada em seus dedos, mas a única coisa que ele não tinha era o nome dela.
Alguém atira em mim agora porque esta conversa está prestes a ficar feia. Contorcendo-se
como se o momento em que sua verdadeira vergonha se aproximaria, Remy
aclarou sua garganta.

— Hum, bem, eu não consegui o nome dela. — Os olhos incrédulos se


encontraram com os dele e depois fecharam. Seu pai cheirou o ar e então se
curvou para sentir o cheiro dele. O calor vermelho invadiu as bochechas de
Remy. Uma vergonha, como ele não experimentava desde que era um filhote,
o fez querer encontrar um buraco e se esconder. Mas um homem de verdade
não se escondia de seus erros ou de sua punição.

— Você não perguntou o nome da sua companheira, mas mesmo assim


cheira a sexo e sangue. Sangue virgem. Pode me explicar a quem pertence? —
Perguntou seu pai.

— Minha companheira.

— Eu vejo. — Mas Remy poderia dizer que o pai não o fez. — Você está
tentando me dizer que salvou a menina de um estupro, e pulou o namoro para
fodê-la, e de alguma forma nunca se incomodou em perguntar seu nome?

Ele tinha que fazer parecer tão baixo? Nada como a verdade para trazer um
homem para baixo. Remy estremeceu.

— Eu... hmm... também a marquei.

— O quê! — O grito de seu pai enviou uma


facada de dor através da cabeça latejante de Remy.
— Na verdade, fica pior. — Murmurou Remy, deixando cair à cabeça quando
sua vergonha o alcançou.

— Como pode ser pior do que isso? — Ele respirou fundo antes de poder
forçar as palavras a saírem.

— Eu, hmm, tipo que não lhe dei uma escolha no assunto.

— Em qual assunto? No sexo ou na marca?

— Ambos. — Remy apertou os dentes enquanto seu pai, o alfa e o maior do


bando, o levantou e o sacudiu. Remy não se incomodou em lutar, não quando
ele merecia.

— Seu burro bastardo. Como você pode fazer isso? Que diabos está errado
com você? Criei você para ser melhor do que isso. Sua mãe provavelmente está
revirando em seu túmulo.

— Eu sei. — Sussurrou Remy, sua garganta apertada. Nada que seu pai disse
poderia ser pior do que o que o próprio Remy já pensava de si mesmo. Ele havia
perdido o controle. Claro e simples. Forçou uma menina a fazer sexo com ele e
o fato de ela ter gostado no final não justificava suas ações. Pior, ele a reclamou.
Mordida e marcada sem explicação, e agora ela estava em algum lugar passando
pela mudança sozinha.

— Foda-se, você tem alguma ideia do que isso poderia significar?

Um gesto cansado foi tudo que Remy conseguiu. Ao perder sua companheira,
uma mulher que estava se tornando algo mais, ele ia colocar todos de sua espécie
em risco de serem descobertos.

— Nós temos que encontrar a garota. — Disse seu pai, andando de um lado
para o outro. — Talvez tenhamos sorte e um de seus colegas saberá onde
encontrá-la. Enquanto eles procuram, você precisa sair daqui. — Sair?

— O que? Não posso sair. Preciso me juntar à busca. — Protestou Remy.


Ele precisava encontrar sua companheira para que
pudesse ficar de joelhos e implorar seu perdão.
— Escute aqui, menino. Eu tive que puxar muitas malditas cordas para
manter seu traseiro fora da prisão. A única coisa que não consegui fazer foi
manter a faculdade. Então, arrume sua merda e volte para casa. Quando
acharmos a garota, a levaremos para você. E então você poderá passar o resto
de sua vida pedindo desculpas por ser um idiota.

A frustração com a incapacidade de procurar por sua companheira de olhos


azuis o corroía por dentro, enquanto embalava suas coisas. O desgosto o corroía
com mais força, quanto mais suas ações repreensíveis voltavam a persegui-lo.

Ela disse não. E ele a ignorou. Ela tentou me afastar. E ele usou sua força
superior. Ela era virgem. E ele a levou contra a parede sem pensar em nada além
de sua própria necessidade. Pelo menos eu a fiz gozar. Provavelmente um
pequeno consolo para ela, dado o que ele tinha feito.

Existe alguma maneira de dizer, me desculpe, por algo assim? Ele não sabia,
e duvidava que no Hallmark2 vendesse um cartão para algo assim, mas quando
ele a visse novamente, tentaria o seu melhor.

No entanto, não importa o quanto seu pai procurou, não importa para quem
os seus colegas de fraternidade perguntaram, não importa onde eles se viraram,
nenhum vestígio de sua misteriosa mulher pode ser encontrado. Ela
desapareceu. Completamente. Tudo o que ela tinha deixado eram suas
memórias falhas e seu perfume persistente na sucata de material que ele guardou
antes de deixar seu dormitório.

Foi seu melhor amigo, Dean, que pensou em questionar Bobby, um dos
estupradores. Com a mandíbula quebrada, isso resultou em uma conversa difícil,
mas Dean encontrou as primas das quais a companheira de Remy havia falado.

2 A HALLMARK sempre foi mais reconhecida pela enorme e criativa linha de cartões festivos. Dificilmente quem
já mandou um cartão comemorativo, de agradecimento ou de boas-vindas para alguém em qualquer parte do
mundo, não teve em mãos a marca da Coroa, como a HALLMARK é reconhecida. Os produtos HALLMARK atendem
às pessoas que gostam de presentear, de expressar suas emoções, de relembrarem épocas e sentimentos através de
flores, enfeites, pacotes de presente e cartões comemorativos. A marca torna o mundo um lugar mais solidário,
ajudando as pessoas a rir, amar, curar, dizer obrigado e fazer conexões significativas e emocionais.
Remy queria acompanhar Dean quando foi questioná-los, mas seu pai o proibiu.
Dean foi sozinho e voltou com más notícias.

Com a cabeça tristemente baixa, seu amigo soltou.

— As primas da sua mulher estão em uma viagem ao exterior. Falei com a


tia, e ela não me deu o nome da menina, mas ela disse algo sobre a garota ser
expulsa por causa de algo horrível que tinha feito. — Algo na expressão de Dean
disse a Remy que havia mais.

— Derrame logo isso.

— É isso, mano. — Um único olhar de Remy e, com um suspiro, Dean


quebrou. — Você não vai gostar. As palavras exatas da tia foram as seguintes.
— “Essa prostituta já não faz parte de nossa família. Seus pais atiraram-na na
rua como o lixo que ela é. E boa viagem.”.

Eles tiveram que passar vários rebocos nas paredes depois de sua confusão,
e isso foi quando seu pai lhe disse para que fosse solto. Disse-lhe para se
esquecer de sua companheira de olhos azuis que ele havia ofendido e continuar
com sua vida.

Mas Remy não podia esquecê-la.

Ele sonhava com ela todas as noites, a censura nos olhos dela, seus suaves
suspiros de prazer, a batida de seu coração, o aperto de seu sexo. Ele vivia em
tortura, sozinho, sem sua companheira, e não tinha ideia de como encontrá-la.

Apenas uma coisa positiva veio dessa provação. Ele nunca mais tocou em
uma gota de álcool novamente. Ou outra mulher.
Quase cinco anos depois...

Mina limpou os arranhões de Jacques com um pano embebido em peróxido,


estremecendo por seu filho, que nunca parecia se encolher de dor.

— Por que você bateu naquele garoto? — Perguntou severamente. No


parque, ela só viu a reação de seu filho e não a causa de sua explosão agressiva.

— Eu tive que bater nele, Mama. Ele me chamou de um nome feio.

Estalando a língua, Mina inclinou o queixo e viu olhos azuis familiares


olhando para ela, mais atraentes por causa da pele morena que os contrastavam.

— O que eles poderiam dizer que foi tão ruim que você precisou responder
com seus punhos? — Suas sobrancelhas de quatro anos se juntaram em uma
expressão mais adequada a um homem.

— Eu não quero dizer. Não é uma boa palavra.

Não restou muita imaginação para adivinhar a palavra. Ela tinha ouvido
muitas nos últimos anos, sobretudo desde o nascimento de Jacques.
Aparentemente, mesmo nos dias de hoje, algumas pessoas ainda falavam mal
de crianças de raça mista, e eles não tinham medo de ter uma voz sobre isso.

Mas o que mais a preocupava com esse incidente, não era tanto a defesa de
Jacques quanto a si mesmo, um menino tinha o direito de enfrentar agressores,
especialmente ignorantes. O que realmente a assustou foi que antes que ele
tivesse atacado, seus olhos brilharam de um azul estranho. Adicione isso ao
corpo eriçado, os grunhidos que ele não parecia notar
que emitia, as unhas, que quase dobravam de
tamanho quando estava emocionalmente abalado e
seus caninos alongados... Juntando tudo isso
resultou em uma mãe bem preocupada. Deus nos ajude. Ele é como seu pai. O
diabo com os olhos dourados e o toque pecaminoso.

Ela empurrou os pensamentos de Remy para longe, não queria lembrar,


daquela noite fatídica, na noite em que descobriu o terror, o prazer e a vergonha.
Mas, daquela noite pecaminosa, ela também adquiriu seu maior presente e
motivo de vida. Meu bebê, que com a capacidade e resistência da juventude,
fugiu para assistir a desenhos animados.

Observando-o rir, parecendo mais uma vez tão normal, quase podia fingir
que imaginava suas explosões surpreendentes. Sua mudança. Então, um
grunhido sacudiu seu corpo quando ele ficou excitado e Mina afundou em uma
cadeira da cozinha quando a realidade bateu nela. Ela não podia ignorar mais, e
sabia disso desde no momento do nascimento dele. Jacques era diferente.
Inferno, ela era diferente. Tudo isso mudou durante essa festa anos atrás.
Perdeu sua virgindade, parte de sua mente, sua casa, sua família e qualquer
chance de uma vida normal. E acho que um pedaço do meu coração, porque
nunca encontrei mais ninguém que me fez sentir do mesmo jeito.

De alguma forma, ela duvidava que Remy acordasse no meio da noite suando
e doendo por ela, mas quando a solidão se tornou demais, às vezes fingia que
talvez, apenas talvez, ele fazia. Muitos destrutivos pensamentos, desejando o
diabo. Seu sedutor. Sua fantasia...

Apesar de seu próprio coração e desejo, havia momentos em que ela olhava
para o filho e imaginava se deveria ter tentado encontrar seu pai. Dando ao seu
menino, uma figura masculina para se espelhar. Alguém com quem compartilhar
o ônus e as alegrias da maternidade. Alguém para segurá-la quando tudo parecia
demais.

Ela ainda se lembrava do dia fatídico em que todo o seu mundo mudou. O
médico examinou os resultados de seu exame de sangue, sua mãe a tinha levado
praticamente arrastada para fazer um exame, dada a extrema fadiga e a sensação
geral de mal-estar que a perseguia cada momento do dia. Quando o médico
anunciou.

— Os seus níveis de HCG parecem indicar que


você está grávida, cerca de doze ou treze semanas
pelo meu palpite. — Mina pensou que tinha ouvido mal ou ficado surda, tão
espesso foi o trecho de silêncio após sua importante declaração. O resto desse
momento passou em um borrão quando sua mãe a empurrou para fora o mais
rápido que pôde, com manchas avermelhadas nas bochechas e os lábios
apertados, o único indicador da aproximação de uma tempestade.

Mina abriu a boca para tentar refutar ou explicar a impossibilidade.

Foi só uma vez... Eu não queria. Talvez o médico esteja errado. As palavras
nunca deixaram seus lábios. Ela sabia que algo estava acontecendo com seu
corpo, sabia quando perdeu seu primeiro período. Temeu quando sentiu o
nódulo duro em seu abdômen e a sensibilidade em seus seios. Ela rezou com
todas as suas forças que iria sumir. Que de alguma forma as coisas voltariam
para o modo como eram, que ninguém jamais descobriria o que tinha feito.

Mas Deus não ouviu sua súplica, e seu pecado voltou para assombrá-la. E
seu pai a puniu.

Ele ergueu a mão apenas uma vez, uma forte bofetada na bochecha que a
deixou tonta, a picada não tão dolorosa quanto a dor que suas palavras
trouxeram. Ela tinha escutado sem falar uma palavra.

— Não posso acreditar que criei uma prostituta na minha casa. Como você
pode me envergonhar dessa maneira? Envergonhar a nossa família? Você não
é mais bem-vinda aqui, nem você nem o bastardo em sua barriga. — Apesar de
sua tenra idade e do fato de que ela não tinha para onde ir, ele a colocou para
fora de sua casa de infância, enquanto a mãe dela ficava parada e observava em
silenciosa condenação.

Mina poderia ter vagado pelas ruas para sempre se algum estranho não a
tivesse guiado para um abrigo para sem-teto. Com apenas as roupas do corpo,
ela passou a primeira noite solitária se abraçando enquanto chorava lágrimas
silenciosas. Mas ela não lamentou por muito tempo.

Uma vida crescia dentro dela. E daí se a criança foi criada no pecado? O
aborto estava fora de questão, e não apenas porque
sua religião proibia. Mina não faria isso. Além disso,
as mulheres carregavam bebês todos os dias, com
algumas mães mais novas do que ela. Se podiam fazê-lo, ela também poderia. E
então lutou para ter uma nova vida. Usando os programas e serviços disponíveis
para os sem-teto e jovens mães solteiras, ela começou. Uma assistente social a
colocou no abrigo de uma mulher, onde morava em um minúsculo cubículo de
uma sala e compartilhava um banheiro. Ela conseguiu um emprego que não
durou muito, porque ninguém queria ter uma jovem garota grávida na equipe,
especialmente tão propensa a vomitar, às vezes até nos clientes.

Mesmo com medo de sua reação, ela tentou por um tempo localizar Remy
nos estágios iniciais de sua gravidez. Ela falhou, mas o Senhor sabia que ela
tentou mais duro ainda quando aos oito meses ninguém a contratava, ela atingiu
um ponto baixo, onde soluçava dia após dia, imaginando como sobreviveria e
como conseguiria cuidar de um bebê sozinha.

Inocentemente, ela esperava que sua busca fosse fácil, dado o jeito que a
internet era como Big Brother para os atos da sociedade. No entanto, a
faculdade que ele frequentou não tinha uma lista pública de seu corpo estudantil,
e os telefonemas para o escritório de admissão não deram em nada quando os
secretários citavam as leis de privacidade quando pedia para contatá-lo. Entrar
em contato com suas primas não levou a lugar algum também, porque sua tia
desligava o telefone assim que descobria quem ligava. Quanto a um telefonema
para o dormitório atual, onde a festa foi realizada? O jovem que respondeu
negou saber de quem ela procurava, embora oferecesse satisfazer sua
sexualidade desde que ela fosse boa. Ela desligou rapidamente, sua brincadeira
um doloroso lembrete do estupro que quase sofreu. Por isso que ela também
não se atreveu a tentar visitar a faculdade em pessoa, com medo que ela desse
de cara com seus supostos estupradores. Salva uma vez por seu diabo com os
olhos dourados, duvidava que tivesse a mesma sorte pela segunda vez.

Ela deveria ter esquecido Remy então e ali, afinal de contas, o que o jovem
caro da faculdade iria querer com uma garota que ficou uma noite e aparece
com um bebê na barriga? Mas ela não conseguiu apagá-lo de sua mente. Podia
ter sido apenas uma noite, mas a imagem de Remy ficou gravada em seu cérebro.
Inferno, ela quase apostaria, que se estivesse em um
quarto escuro com ele e uma dúzia de estranhos, ela
o encontraria porque nunca experimentara a
respiração acelerada, a energia elétrica ou a consciência de seu corpo como teve
com ele.

A busca parou quando Jacques nasceu. Apesar de ainda ser pobre e ter medo
do futuro, ela sabia quando olhou para o rosto dele que conseguiria. Ela tinha
que conseguir, porque seu bebê dependia dela. E eu nunca vou decepcioná-lo.

Uma parte de cuidar dele agora, porém, significava descobrir o que afligia o
filho dela. Ou, mais assustador, que demônio ele abrigava, um presente de seu
pai. Remy com os olhos brilhantes era um demônio? O próprio diabo? Isso
explicaria como ela sucumbiu ao pecado com tanta facilidade. No entanto,
também tornou a vida do filho uma coisa terrível, porque ela havia lido livros
suficientes para saber o que aconteceu com o filho do diabo. Se alguém
descobrisse quem era o pai de Jacques, eles viriam por ele? Iriam tirá-lo dela?

Durante anos, ela viveu com terror que alguns médicos, ou agentes do
governo, alguém sem rosto, mas que ela sabia que existia, apareceriam na sua
porta e iria levá-los, tirariam Jacques e os trataria um pouco melhor do que ratos
de laboratório. Era o que eles faziam com os loucos depois de tudo, e ela não
podia negar isso, não mais. Mina e Jacques já não eram cem por cento humanos.

E é tudo culpa de Remy, aposto. Um diabo com olhos brilhantes, um toque


mágico e um corpo que a tentou ao pecado. Ela permitiu que um demônio a
seduzisse e agora pagava o preço.

Culpar ele não impedia o fato de que ela precisava de ajuda. Mais
precisamente, Jacques precisava de ajuda. Seja o que fosse Remy, ele deixou
raízes em Jacques e Mina não sabia como pará-las. O comportamento agressivo
de seu filho aumentava diariamente, assim como as estranhas falhas que
mostravam que era mais do que humano. Se ela deixasse as coisas irem longe
demais, corria o risco de alguém perceber e denunciá-los. Ela perderia seu filho.

Não posso deixar isso acontecer.

Ela já havia perdido sua família, que, com vergonha de sua filha grávida,
atirou-a para fora, para nunca mais falar com ela.
Bem, exceto para chamar de nomes ainda piores
quando ela ousou aparecer em sua porta com o
bebê, esperando que a visão de Jacques de alguma forma superasse suas crenças.
Péssima ideia. Ela nunca mais voltou depois disso.

Ela perdeu tudo o que tinha para manter seu filho nascido do prazer proibido,
um prazer glorioso e revelador. E agora para mantê-lo, teria que arriscar tudo e
contar a alguém sobre sua criança especial. Então ore, ore ao Deus que a
abandonou, para que ela faça a escolha certa.

Antes que ela pudesse mudar de ideia, levou seu pequeno para ver um
médico. Ela não entrou em detalhes extremos, apenas o suficiente para que a
clínica a encaminhasse para um pediatra, que, com algum milagre, a atendeu
dentro de duas semanas após a decisão de pedir ajuda.

Sentada no consultório do Dr. Moireau, com a cabeça inclinada e as mãos


apertadas, Mina respirou profundamente antes de contar ao profissional
grisalho tudo. De seu encontro vergonhoso com Remy para as mudanças que
ela tinha notado em seu filho. A única coisa que ela manteve foi as mudanças
em si mesma.

Depois de terminar seu conto inacreditável, ela esperou e esperou, o


profundo silêncio no escritório quebrado apenas pelo pequeno assobio do ar
condicionado apoiado precariamente na janela.

Sabia o quão louca sua história deve parecer e quão louca ela soou. Ela se
preparou para fugir quando o Dr. Moireau finalmente falou.

— Estou feliz que você veio até mim, Mina. Embora seja raro, encontrei essa
condição uma vez antes. — As palavras a sacudiram.

— Você-você curou isso? — Ela ergueu um rosto esperançoso para ele, e


seus olhos azuis aquáticos se encontraram com os dela por um momento antes
de mudarem.

— Infelizmente a mãe fugiu com a criança antes de podermos iniciar


qualquer tipo de tratamento. Mas não se preocupe. Eu tenho algumas ideias.
Primeiro, porém, por que não conheço seu filho?

Um toque de botão, e o Dr. Moireau chamou sua


recepcionista, que entrou com o filho de Mina.
Jacques entrou com uma expressão teimosa, o lábio inferior tremendo e se
arrastando no colo da mãe.

— Olá, Jacques. Eu sou o Dr. Moireau. Sua mãe me disse que você é um
garoto muito especial.

— Quero ir embora. — Mina o manteve firme quando tentou deslizar do seu


colo.

— Quieto agora. Estamos aqui para que o médico possa ajudá-lo.

— Quero ir. — Insistiu Jacques, seu corpo eriçado de tensão.

— Você pode ir depois de fazermos alguns testes. — Disse o médico


levantando-se de sua mesa e circulando para ficar em frente a eles. Ele estendeu
a mão como se estivesse escovando o cabelo da testa de Jacques, mas nunca
terminou o movimento quando seu filho avançou na mão cheia de veias
azuladas.

— Jacques! — Exclamou Mina, com as bochechas vermelhas de vergonha.

— Quero ir para casa agora! — Um grunhido seguiu sua declaração e, a julgar


pela expressão intrigada do médico, Mina poderia facilmente adivinhar o que os
olhos de Jacques estavam fazendo.

O médico, no entanto, não recuou.

— Fascinante. Isso não demorará muito, Jacques. Apenas alguns testes e,


então, que tal ganhar algo por ser um menino tão bom?

No final, Mina segurou seu filho gritando, lágrimas escorrendo por suas
bochechas, enquanto o médico tirava sangue e fazia o melhor para realizar um
exame médico básico em seu filho. De alguma forma, sua decisão de descobrir
o que o afligia e curá-lo não parecia ser uma boa ideia agora, quando
confrontada com a realidade de sua reação.

O Dr. Moireau fez o seu melhor para tranquilizá-


la.

— Não se preocupe, Mina. Você fez a coisa certa.


Vamos descobrir o que está acontecendo com o seu
filho e fazer o nosso melhor para controlá-lo. Vá para casa agora. Eu ligo
quando receber algumas respostas. — Em outras palavras, quando os resultados
do exame de sangue retornassem do laboratório e Mina descobrisse de uma vez
por todas o que possuía seu filho.

De joelhos naquela mesma noite, orou para que Deus a ajudasse enquanto
seu filho dormia em sua cama.

Por favor, Senhor, se você ainda tem um pingo de amor por mim depois me
desviar do caminho, sei que falhei com a minha fraqueza e meu pecado
imperdoável, mas ajude meu filho.
Um toque alto soou em seu telefone celular no bolso traseiro quando Pierre
saiu do escritório do xerife. Pegando, olhou para a tela e, reconhecendo quem
chamava, ele respondeu de forma brusca.

— O que é?

— Eu tive êxito. — Tropeçando, Pierre quase acertou a cabeça na calçada.


Ele levantou.

— Você tem certeza? — Ele quase podia ver os olhos de seu irmão rolando
na outra extremidade da linha.

— Não, eu liguei para você porque é uma alegria conversar contigo. Claro
que tenho certeza. Você acha que estaria arriscando meu trabalho para lhe
enviar essa informação se eu não tivesse? Nós tivemos sorte que eu peguei isso,
desde que eu deveria estar fora hoje. Estou enviando um e-mail para você no
momento.

— É uma mulher? — Pierre fechou os olhos enquanto ele se permitia uma


esperança por seu filho.

— Não. Definitivamente masculino.

— Eu acho que era muito esperar por isso.

— Eu tenho certeza que ela irá aparecer eventualmente. Merda, meu chefe
está chegando. Eu tenho que ir.

O telefone clicou, e Pierre baixou lentamente o celular enquanto olhava para


o espaço. Pierre não pôde evitar a decepção. Uma esperança de qualquer tipo
teria sido bem-vinda, qualquer coisa para trazer um sorriso de volta ao rosto de
seu filho.

Mais de quatro anos atrás, depois de quase um


ano de busca, quando Pierre mandou o filho Remy
esquecer a garota, ele quis dizer isso. Ele esperava, mesmo sabendo da
impossibilidade, que talvez Remy descobrisse que ele estava enganado e
conhecesse uma nova mulher, uma nova companheira, ou que talvez a mulher
de alguma forma encontrasse seu caminho de volta para ele.

Ainda não tinha acontecido. Em vez disso, seu filho definhou por sua
companheira perdida e se culpou por seus erros, enquanto Pierre continuava a
procurar por ela. Ele descobriu o nome da menina, Mina Leblanc, não que isso
o tivesse ajudado. As tentativas de falar com a família sobre Mina não foram a
lugar nenhum. Além de um comentário do pai sobre a prostituta que já não
estava por perto para envergonhá-los, eles agiram como se ela nunca tivesse
existido. Eram loucos religiosos, e Pierre poderia facilmente adivinhar que a
perda da virgindade de Mina foi imperdoável para eles. Para não mencionar que
o pai não fez nada para esconder o fato sobre de ser racista e bem, praticamente
cuspindo em Pierre com desgosto quando ele ousou confrontá-lo na sua porta,
desesperado por qualquer detalhe sobre o paradeiro de Mina. Suas palavras
odiosas ainda ressoavam nos ouvidos de Pierre.

— Não é ruim o suficiente que ela seja uma vadia. E eu ainda descubro que
ela dormiu com um de vocês! — Pierre mal se conteve de bater com o punho
no nariz vermelho do pai de Mina. A violência não conserta coisas nem o
ajudaria em sua busca para localizá-la.

A pobre menina. Em vez de ser recebida em nossa família como uma adição
acalentada, ela está lá fora no mundo, lutando sozinha. Pior ainda, o vínculo de
acasalamento não permitirá que ela consiga conforto nos braços de outro
homem. Uma vez que Lycans se acasalavam, era para a vida toda.

Em sua pesquisa, Pierre aprendeu todo o tipo de coisas sobre a companheira


de seu filho, como suas notas boas, sua capacidade de cantar, o fato de ela amar
as crianças e querer se tornar uma enfermeira. Itens menores de nenhuma
consequência que ele conseguiu extrair de colegas escolares e professores. Mas
ninguém, nem uma única maldita pessoa, parecia saber para onde tinha ido ou
o que aconteceu com ela. Ela desapareceu, e nenhum
dos recursos disponíveis de Pierre parecia capaz de
encontrá-la.
Ele esperava verdadeiramente que seu irmão, trabalhando como técnico em
um laboratório provincial que testava sangue traria algum milagre através disso.
Com os exames gratuitos de saúde que os canadenses tinham, não estava além
do campo da possibilidade de que ela poderia pedir exames físicos anuais e
enviasse amostras de seu sangue. E se a sorte pudesse estar do seu lado, seu
irmão acabaria com essa amostra e descobriria os marcadores em seu sangue
que mostraria seu status como algo mais do que humana. Ainda não tinha
acontecido, mas em uma torção estranha, o irmão de Pierre localizou um macho
vivendo dentro de duas horas de carro da cidade.

Seja quem fosse esse macho, precisava ser trazido. Lycans não deveriam
existir fora de um bando. Os perigos para o seu tipo não permitiam isso, e dada
à decisão precipitada desse desconhecido para permitir que os humanos
tomassem seu sangue, precisava de algum ensinamento ou lembrança de seu
status especial.

Pierre deu a Remy um aviso antes de sair, apenas para que ele soubesse que
estaria fora pelo resto do dia, talvez mais de um se estivesse lidando com um
Lycan. Não que Remy mostrasse muito interesse. Comia, dormia e trabalhava.
Isso foi tudo que ele fez desde que havia sido expulso da faculdade.

Colocando o endereço no GPS, Pierre seguiu as coordenadas direto para a


cidade, e não era a parte agradável dela. Ele parou fora de um edifício de
concreto onde mais folhas que persianas cobriam as janelas e os grafites
forneciam um painel colorido. Armando o alarme em seu carro, Pierre saiu e
esperou que ele ficasse intacto enquanto resolvia seus negócios.

O interior do edifício, facilmente acessado através da porta de segurança


quebrada, parecia tão gasto quanto o exterior, com linóleo desgastado e caixas
de correio enferrujadas. O elevador, sem surpresa, não estava funcionando, e a
julgar pela fita esfarrapada que o fechava, não funcionava há algum tempo.
Pierre subiu as escadas, as obras de arte nas paredes proporcionavam
entretenimento visual e um novo vocabulário de palavras, bem como muitos
números de telefone para um bom tempo.

Colocando o pé no sexto andar, ele olhou para


cima e para baixo no corredor antes de escolher
uma direção. O número 613 não parecia diferente
de qualquer outra porta neste lugar. Depois de bater com firmeza, Pierre recuou
e esperou, seus olhos se deslocaram de um lado para o outro, incapazes de evitar
scanear o corredor por problemas. Fracos sons de trás da porta fizeram com
que ele se voltasse, e ele segurou um suspiro de impaciência quando ouviu
cliques de numerosas trancas. A porta com marcas de desgaste abriu, apenas
alguns centímetros, mantida no lugar por uma corrente de segurança, uma piada
considerando que ele poderia quebra-la sem sequer se esforçar.

Um rosto oval pálido olhava para ele, os olhos azuis brilhantes o encarando
com suspeita.

Como se tivesse levado um soco no intestino, Pierre sorriu de surpresa. De


todas as coisas se escondendo atrás da porta, ela não era o que esperava, mas
ele a reconheceu a partir das fotos do anuário.

— Você é Mina?

— O que quer que você esteja vendendo, não estou interessada. Tenha um
bom dia. — Quando ela ia fechar a porta, Pierre falou.

— Mas eu estava procurando por você. — Ela fez uma pausa, erguendo uma
sobrancelha.

— Procurando por mim? Pelo que? Quem é você? — Ele se debatia em


mentir, qualquer coisa para levá-la a abrir a porta, mas seu rosto expressivo, que
flutuava entre medo e suspeita, o fez optar pela honestidade.

— Eu sou Pierre, o pai de Remy. — Seus olhos se arregalaram, e ele não


perdeu o tremor de seus lábios.

— Desculpe. Eu não sei quem é. — Ela se moveu para fechar a porta, mas
Pierre passou a mão pela fenda e a deteve. — O que você está fazendo? Retire
a mão daqui. Eu não quero te machucar. — Pânico em suas palavras.

— Então me deixe entrar. Eu só quero falar com você.

— Não há nada a dizer.


— Mama. — A voz da criança enviou um arrepio frio pela coluna de Pierre.
Não pode ser. Não de uma só vez.

— De quem é essa criança? — Ele sussurrou.

— Meu-meu marido. — Ela respondeu em um tremor que gritava mentira.

Cansado de jogar esse jogo, Pierre empurrou a porta, invadindo o


apartamento e puxando a corrente. Um grito afiado escapou dos lábios de Mina
enquanto ela tropeçava, o cheiro de seu medo inundava o pequeno lugar. Pierre
entrou no apartamento quando ela girou e pegou a criança pequena junto dela.
Uma criança com pele de cacau.

Seu coração acelerou, sua cabeça girava, Pierre fechou suavemente a porta
antes de engolir e falar.

— Qual o nome dele?

— Não é da sua conta. — Ela afirmou bravamente, mesmo que ele pudesse
ver cada centímetro dela tremendo de medo.

A raiva misturada com angústia fez a voz de Pierre soar áspera.

— Eu diria que ele é meu neto, o que é muito da minha conta. — Pelo menos,
ela não negou mais nada. Lágrimas escorrendo por suas bochechas.

— Por favor, você não pode tirá-lo de mim. Ele é tudo o que eu tenho.

— Eu nunca faria isso! — A indignação fez suas palavras emergirem


bruscamente, e ela se encolheu. — Eu sinto muito. Não é por isso que estou
aqui.

— Então, por que você está aqui? O que você quer comigo? Com meu filho?

— Eu... — Por uma vez, as palavras escaparam de Pierre. Ele esperava


encontrar um Lycan macho, que talvez fugisse ou que não conhecesse seu lugar
especial na comunidade Lycan. Ele nunca suspeitou que tivesse encontrado
Mina, a companheira perdida de Remy, e ele
definitivamente nunca esperou encontrar uma
criança, uma que lembrava muito Remy, mas com
brilhantes olhos azuis. — Por favor. Eu não vim aqui para machucá-la ou ao
meu neto. Eu nem sabia que ele existia.

— E agora que você sabe? — Pierre engoliu em seco, piscando as lágrimas


que não pertenciam a um homem de sua idade.

— Eu gostaria de conhecê-lo se você não se importasse.

Uma onda de emoções passou em seu rosto expressivo: cautela, medo,


esperança, resignação. Mordendo o lábio, ela se inclinou para que a criança do
quadril se tornasse mais visível.

— Jacques, diga olá. — A criança, com a cabeça coberta de cachos castanhos


revoltos, o observou cautelosamente de seu lugar no colo da mãe. Um polegar
puxou com um pop úmido antes que a criança falasse.

— Oi. — Com a garganta apertada e olhos ardendo, Pierre não podia se


segurar. Ele estendeu a mão para acariciar a bochecha arredondada de seu neto...
e quase perdeu um dedo.

Ele puxou sua mão rapidamente quando Jacques bateu com os dentes, seu
corpo pequeno de repente rígido com a tensão.

— Jacques! — Gritou Mina. — Não!

Ao ver os olhos incandescentes do menino e a expressão sombria, o cérebro


de policial de Pierre colocou as peças juntas.

— Não foi você que foi consultar o médico, não é? Você estava fazendo
testes em Jacques. — Uma névoa caiu sobre seu rosto, apagando sua expressão,
e seus olhos ficaram cautelosos.

— Como você sabe sobre isso?

— Nós temos pessoas que trabalham na maioria dos laboratórios médicos


mantendo um olho para caso de um do nosso tipo apareça.

Ela deu um passo para trás, seus braços agarrando


seu filho com bastante força o fazendo chiar.

— Seu tipo? Então, quem e o que você é?


— Eu sou um Lycan. — Confusão nublou suas características.

— O que é um Lycan?

— Eu tenho a capacidade de mudar minha forma para a de um lobo.

Ela o observou por um momento antes que explodisse rindo alto suavizando
a tensão em seu rosto, mesmo que fosse à sua custa.

— Isso é insano.

— Realmente? — Pierre perguntou, não surpreendido por sua reação. Para


desconhecidos, sua afirmação parecia louca.

— Deixe-me perguntar-lhe, você notou como os olhos do seu filho parecem


brilhar? Como seus dentes parecem mais afiados do que os de outras crianças,
seu temperamento é mais volátil? Ele mantém você acordada nas noites da lua
cheia? Ele...

Com a boca redonda em um “O” de choque, ela levantou a mão, como se


para parar as suas palavras, e ele parou. Ela tropeçou para trás e afundou em
um sofá coberto por uma manta que ele suspeitava que escondia os buracos.
Ela correu uma mão calmante pelas costas de seu filho quando as engrenagens
em sua mente rodavam. Pierre esperou sua pergunta inevitável.

— Remy é um lobisomem?

— Um Lycan como eu? Sim.

Incrédula, ela esfregou o pescoço e seus olhos afiados viram a cicatriz em


forma de crescente. A marca de acasalamento.

— E quanto a mim? — Ela perguntou suavemente. — Você vai tentar me


convencer que eu também sou um desses Lycans?

Pierre balançou a cabeça.

— Não, você ainda é humana, embora especial.


Remy acidentalmente a reivindicou como sua
companheira. A saliva na mordida em seu pescoço
provocou uma reação em cadeia em seu corpo.
Você provavelmente notou que cura rapidamente, e é mais forte e mais rápida.
Você provavelmente tem um olfato, visão e audição mais intensos também, eu
aposto.

Ela acenou com a cabeça e olhou para o filho, que se arrastou do colo e
perseguia uma bola.

— E Jacques?

— Lycan como seu pai.

— Eu vejo. — Mina não encontrou seus olhos, escolhendo em vez disso


seguir a brincadeira de seu filho. Abruptamente, ela falou.

— Eu acho que isso explica certas coisas, mas não o que você está fazendo
aqui. Você veio procurar por Jacques ou alguém que carregasse este gene Lycan
especial. Por quê?

— Porque nós precisávamos ver o porquê e quem vive fora do nosso bando.
Há regras a seguir. Coisas que você precisa fazer para manter nosso segredo
seguro. A primeira é nada de médico humano.

— Muito tarde para isso agora.

— Não completamente. Meu irmão alterou o resultado do teste para que o


DNA de Jacques pareça normal. Mas você não pode retornar a esse médico.

— E não há cura?

— Não.

— Não é só isso. — Ela murmurou. — Diabo, lobisomem, é o mesmo no


final. Nós somos malvados? — Ela perguntou, de repente, olhando-o nos olhos.

Pierre começou a rir e viu a seriedade com que esperava uma resposta.

— Uh, não. Bem, eu pessoalmente não sou, mas estou certo de que há alguns
que podem ser, assim como há humanos que são. Ser
um lobisomem é uma coisa biológica. Não
podemos mudar isso mais do que você pode mudar
ao nascer com olhos azuis.
— Exceto que desde que Jacques nasceu desse jeito, Remy de alguma forma
me mudou quando me mordeu. Obrigada por esclarecer isso. Eu acho que ser
parte lobo é melhor do que um demônio. — Ela se levantou e gesticulou até a
porta. — É tudo o que preciso saber? Manter o segredo. Não sair às luas cheias.
Levar meu filho para passeios regulares. Suponho que não há um panfleto que
você possa me enviar por correio ou um livro que eu consiga saber como criar
o filho de um lobisomem?

— Esta não é uma questão de brincadeira.

— Sim, na verdade é tipo isso. Eu acho que dá um pouco de alívio de certa


forma. Todos esses anos eu pensei que seu filho era o diabo e que meu filho
poderia ser o anticristo, mas de fato ele é um lobo. Perdoe-me se estou achando
tudo isso um pouco difícil de acreditar, mas se coloque no meu lugar.

— Não era para acontecer dessa maneira. — Pierre tentou explicar. — Remy
não deveria ter reivindicado você como fez.

— Obviamente. — Foi sua resposta seca.

— Há regras que seguimos, passos a seguir antes de um homem reivindicar


sua companheira e lhe dizer a verdade. Remy pulou todas elas. Se tivesse a
chance, ele teria feito isso com você, mas temo que ele esteve muito além de
tolo naquela noite.

— Eu não chamaria de tolo. Ele escolheu ficar bêbado. Mas eu não escolhi
me acasalar com o diabo, desculpe, com um Lycan e ter seu filho.

— Não estou desculpando seu comportamento. No entanto, você ficará feliz


em saber que ele aprendeu sua lição naquela noite. Ele já não bebe.

— Bom para ele. Por que eu deveria me importar? Ele está em algum lugar
procurando a absolvição? Encontrando as pessoas que ele ofendeu e pedindo
desculpas por suas ações? Bem, diga-lhe que ele pode me tirar da lista. — Mina
se irritou, seu comportamento manso anterior se dissipando para mostrar o
forte espírito que escondia dentro dela, um espírito
corajoso que Pierre aprovou, mesmo se limitasse
em teimosia. Divertidos tempos esperam seu filho.
— Não estou aqui por causa de Remy.

— Então, por que você está aqui? Você diz que não sabia sobre Jacques.
Você obviamente não estava esperando me encontrar. Mas você estava
esperando encontrar um Lycan. Bem. Você conseguiu um. E agora? Você vai
nos registrar em algum diário de bordo? Talvez nos envie uma cesta de boas
vindas?

— Agora que te encontrei, encontrei vocês dois, você terá que voltar comigo.

— Engraçado.

— Eu estou falando sério. Você precisa estar com o bando. — Um olhar


incrédulo cruzou o rosto dela.

— Você está fora de sua mente? — Ela olhou para ele, e ele viu a percepção
em seu rosto quando ela percebeu que ele estava falando sério. — Você
realmente quer dizer isso. Na verdade você está esperando que eu pegue meu
filho e as nossas coisas e vá com você apenas porque diz isso.

— Não. Espero que você faça isso para que seu filho cresça sendo capaz de
entender e controlar sua herança. Eu também acho que Jacques precisa
conhecer seu pai e outros de sua espécie.

Seu queixo levantou-se enquanto o orgulho o impulsionava.

— Remy pode visitar o filho se ele quiser.

— E tenho certeza que ele vai querer se souber sobre ele. — A tensão a fez
se abraçar, e sua cabeça inclinou-se para baixo.

— Eu tentei procurá-lo, mas voltei de mãos vazias.

— Se isso te faz se sentir melhor, Remy também te procurou. — Ele podia


ver a dúvida em seus olhos. — Eu falo a verdade. Ele não tem sido o mesmo
desde aquela noite. Ele sentiu sua falta. — Um bufar escapou dela.

— Eu duvido muito disso. Então, se você está


tentando usar isso como uma maneira de
influenciar-me para me levar, está falhando
miseravelmente. — Pierre mudou de tática.
— Jacques precisa estar entre outros de seu tipo.

— Isso você diz.

— Você sabe disso. Confie em mim quando digo que sua condição vai piorar.
Se você não confia em mim, venha comigo e deixe-o aprender sobre sua
herança.

— E você não acha que deixar sua casa irá afetá-lo? Ele não lida bem com
mudança, e não o vejo chateado nem ferido.

Para a mente de Pierre, não havia nada melhor do que uma mãe protegendo
seu filhote, mas de qualquer forma, seu instinto protetor o fez querer sorrir.
Remy terá um inferno de tempo. Definitivamente, ela não era tão mansa como
ele pensou antes.

— Ele é jovem. Vai se recuperar. Ele estará muito ocupado para notar que
se mudou. E, além disso, vai me dizer que você vai sentir falta disso? — Pierre
levantou a mão e apontou seu lugar limpo, mas pobre.

Com raiva cerrou seus olhos quando o orgulho mostrou em suas feições.

— Eu trabalhei muito duro para nos dar isso, então não se atreva a pensar
que você pode simplesmente entrar aqui e agir como se fosse sujeira. Estive
sozinha há quase cinco anos. Você sabe o quanto é difícil ficar sozinha e na rua,
durante a gravidez, e depois com uma criança pequena?

— Exatamente meu ponto. Venha comigo, e você terá a vida que teria se
Remy não tivesse fodido tudo.

— Não foi culpa dele. Ele não sabia que eu estava grávida.

Interessante como ela o defendeu.

— Mas ele sabia que não deveria forçá-la a fazer sexo e reivindicá-la.

— Ele não me forçou. Eu poderia ter dito não.

— Eu pensei que sim. — Suas bochechas


enrubesceram.
— Não estou falando sobre isso.

— Bem. Mas se você acha que estou deixando meu neto aqui para viver
abaixo de sua posição, você está enganada.

Seu comentário finalmente a fez se sentir mordida. Apontou o dedo na


direção da porta.

— Saia da minha casa! Como você ousa me insultar e ameaçar levar meu
filho? Jacques está feliz. Nós não precisamos de você ou Remy. Estamos muito
bem por conta própria.

Ela demonstrou teimosia e depois desobediência ao alfa do bando, e isso não


era algo que Pierre encontrava com frequência. Isso levava a diplomacia. Como
ordenar não estava funcionando para ele, ele mudou de tática.

— Remy merece uma chance com a paternidade. Você deve a ele essa chance.

— Eu não devo a Remy uma única maldita coisa. Agora saia. — Pierre teria
discutido mais, mas sua discussão verbal com a mãe de Jacques colocou o
menino em alerta. Seu neto começou a uivar, seus olhos azuis brilhavam. Como
alfa do bando, Pierre poderia detê-lo, mas, vendo o rosto aflito de Mina, ele
decidiu não o fazer. Talvez lidar com uma criança cujo lado selvagem lutasse
pela supremacia levaria ela a repensar suas palavras.

Ele colocou um cartão no balcão da cozinha quando passou.

— Se você mudar de ideia, estarei no hotel por mais três dias. O número do
meu celular está no cartão. Não precisa ser assim. Podemos oferecer-lhe ajuda
e uma vida melhor.

Ela não respondeu, mas ele ouviu o som das fechaduras se encaixando
quando saiu, os gritos excitados de Jacques sobre seus suaves sussurros para se
acalmar.

Pobre garota. Piedade e raiva por sua situação fez com que ele quisesse se
virar e exigir que ela o deixasse voltar. Mas ele
também entendia seu orgulho.
Pierre tirou o celular e hesitou antes de discar enquanto ele descia as escadas.

Dean respondeu.

— Ei, chefe. O que está acontecendo na grande cidade?

— Nós temos uma situação. Eu vou precisar de sua ajuda.

— Por que você não está chamando Remy?

— A situação é um pouco delicada. Confie em mim quando digo que é


melhor manter Remy fora disso por enquanto. — Porque quem sabia o que
Remy faria se descobrisse que Mina e seu filho moravam nesta fossa. Pierre
preferia não descobrir. — Então você pode vir?

Um silêncio espesso caiu sobre a linha telefônica.

— Eu estarei aí em algumas horas. Imagino que você não quer que eu fale
nada a ninguém.

— Se alguém perguntar, é um negócio do bando.

Quando ele desligou, Pierre se perguntou se tinha feito a escolha certa ao


chamar Dean para ajudar em vez de Remy. O problema de chamar seu filho
para ajudar nessa situação era que ele faria qualquer coisa para fazer Mina feliz,
inclusive deixá-la ficar obstinadamente nesse depósito de lixo. Ou renunciar ao
bando que ele comandaria um dia para que pudesse proteger sua companheira
e filho. Compreensível realmente, mas não o resultado que Pierre preferia,
enquanto que Dean faria o que seu alfa lhe mandasse. Uma característica mais
útil, considerando que ele planejava ajudar Mina a tomar a decisão certa. A única
decisão. Ela e seu filho precisam voltar para casa comigo. Como ele conseguiria,
isso ainda não estava claro, mas de uma maneira ou outra, ele não estava indo
embora sem eles.
Jacques não se acalmou depois que seu avô partiu. Ainda confusa, Mina
tentou de tudo para acalmar o filho, que passou de uivar para correr ao redor
da sala, grunhindo enquanto os olhos brilhavam com espanto.

Incapaz de processar tudo o que Pierre transmitiu, ela colapsou de repente


no sofá, soluçando silenciosamente, com lágrimas salgadas deslizando por suas
bochechas em um rio sem parar. Ela não podia se ajudar. Não podia evitar a
auto piedade que pensou ter superado.

Durante anos, lutou para sobreviver e criar seu filho. Durante anos, ela vivia
praticamente sozinha e sem amigos com apenas Jacques para conversar.
Nenhum namorado, ou parceiro especial, qualquer um, para falar sobre o que a
atormentava. Ninguém com quem pudesse contar ou ligar quando as coisas
ficavam muito difíceis.

Agora, do nada, vem uma versão mais antiga de Remy, o carisma e a energia
brotando do corpo da cor de cacau, a confiança brilhando no rosto envelhecido
e dos intensos olhos escuros. Ele confirmou suas suspeitas. Ela estava certa,
havia algo diferente sobre ela e Jacques. Claro que não esperava ser mordida por
um lobisomem, mas ela encontrou uma medida de alívio ao saber o que tinha o
filho dela. Pelo menos, o filho de um homem lobo parecia um pouco melhor
que a prole do diabo.

Embora eu ainda não tenha certeza de que acreditei completamente. Nem


acreditou completamente que Pierre poderia oferecer-lhe uma vida melhor, uma
com Remy. Ele também esperava que ela retomasse com Remy? Não era
provável porque Mina, apesar de tudo o que aconteceu, ainda queria amor, um
homem que se apaixonasse por ela e não por um sentimento de obrigação.
Nenhum homem de repente decidiria as coisas por ela, não quando passara os
últimos quase cinco anos fazendo suas próprias
escolhas.
Não, ela não cometeria o erro de deixar mais alguém lhe dizer o que pensaria
ou como viveria, como seus pais tinham feito. A adversidade que ela havia
superado ajudou Mina a crescer. Na verdade, mais do que crescer, encontrou
sua espinha dorsal, e pretendia mantê-la. Ao mesmo tempo, porém, não podia
negar uma curiosidade ardente. Quem era Remy? Um garoto de faculdade e
fraternidade que cresceu... E o que? Seu breve interlúdio nunca deixou que ela
descobrisse o tipo de homem que ele realmente era: gentil, mal-humorado,
profano, carinhoso? Claro, ele a resgatou, mas também a seduziu. Uma coisa
cancelava a outra? Se eles tivessem se conhecido e saído, ela gostaria dele? Ela
ainda o acharia atraente? Sofreria o mesmo choque de seu coração acelerado
toda vez que se tocassem. Oh, como ela se lembrava daquele estranho
sentimento elétrico entre eles.

Em cima dessas meditações, não podia negar a curiosidade em descobrir se


Remy pensou nela. Pierre afirmou que sim, mas ela duvidava disso. Eu posso
sonhar com ele, meu momento prazeroso de pecado, mas tenho certeza de que
fui apenas mais uma garota para ele. Outro entalhe no posto da faculdade.

Apesar de dizer a si mesma isso, ela não podia negar o desejo de ver mais
uma vez o homem que a manteve prisioneira com sua força, enquanto fazia seu
corpo sentir coisas perversas. Encontrar o homem com quem ainda sonhava, a
quem comparava todos os outros homens e sempre faltava algo neles. O único
homem que já teve e fazia há muito tempo querer algo mais. Algo quente. Algo
carnal, nu e... pecaminoso.

Durante anos, ela lutou contra a atração para encontrá-lo. Pelo que sentiu
como uma vida, havia se escondido de sua família e do mundo, imaginando se
Remy alguma vez a procuraria. E agora ela tinha a chance de descobrir se tivesse
coragem.

Um peso em seu colo tirou-a de seus pensamentos, e ela olhou para baixo
para ver Jacques pronto para um abraço, finalmente, calmo. O bebê dela. Ela
envolveu seus braços ao redor dele e se balançou, segurando seu corpo tenso
contra o dela, desejando que ela soubesse a resposta
certa. O que é melhor para ele? Como eu sei?
Deveria virar nosso mundo de cabeça para baixo?
Como não poderia, no entanto? Este era o pai dele.
Jacques merece a oportunidade de conhecê-lo, não importa seus sentimentos
sobre o homem. Se ao menos pudesse ver o futuro e saber como tudo acabaria.

O que devo fazer?

Apesar de suas orações fervorosas, ela foi para a cama sem uma resposta
clara.

No dia seguinte no trabalho, cansada de jogar e girar, ela examinou a oferta


de Pierre. O que ela não daria por uma vida menos carregada de cansaço e a
qual talvez Jacques pudesse desfrutar de algumas das coisas mais finas da vida.
Por que Remy não deve pagar sua parcela justa? Se ele quer assumir a
responsabilidade, deixe-o começar oferecendo algum apoio para seu filho.
Outras mulheres recebiam ajuda infantil e um fim de semana ocasional para si.
Por que Mina não deveria ir atrás dessas mesmas coisas? Talvez então ela
pudesse pagar as frutas e legumes mais frescos ou um apartamento em uma boa
parte da cidade.

Seu espírito de luta crescendo apenas por ter dúvidas tentando derrubá-la. E
se eu aparecer lá com Jacques e Remy nos rejeitar?

Indignação a encheu de que Pierre era o único a tentar convencê-la a sair de


casa em vez de Remy. Mas, com justiça, Pierre não esperava encontrá-la ou
Jacques. Ele a encontrou por causa de um exame de sangue de fato. À luz do
dia, a incomodava ter aceitado tão facilmente sua explicação de que Jacques,
Remy e Pierre eram lobisomens. Ela se tornou tão crédula? Preciso de uma
resposta? Se eles falavam a verdade, por mais improvável que fosse, o que
exatamente significava Lycan? Jacques se transformaria em um lobo ou ele
simplesmente tinha algumas características externas?

Uma parte dela já sabia que teria que chamar Pierre e conversar com ele ainda
mais, o que eventualmente decidiu fazer independente do fator Remy. Se a linha
familiar de Pierre tivesse alguma anomalia genética, então, como mãe de
Jacques, ela precisava acompanhá-lo e obter toda a informação possível para
que pudesse decidir sobre um curso de tratamento.

As decisões sobre permitir Remy em suas vidas,


mais especificamente na de Jacques, podia vir mais
tarde, uma vez que ela pensasse mais nisso. Embora a ideia de não dar a Jacques
um pai e uma família parecia um pouco insensível, ela deveria aceitar e seu filho
ter a possibilidade de se ferir? E a cor da pele dela? Claro, Remy não pensou
nisso quando a seduziu, mas ele estava bêbado naquele momento. Sóbrio, sua
falta de preocupação ainda seria válida? E se a família Remy e seus amigos não
estivessem bem com o fato de ela ser branca e seu filho de sangue misto? Eles
se tornariam objeto de comentários racistas ou desprezíveis como ela já sofreu
com sua própria família e até estranhos nas ruas? Ou pior, e se Jacques crescesse
para amar sua família, contar com seu pai e algo acontecesse para mudar as
coisas, como Remy se casando com outra pessoa e gerando uma nova família,
evitando o filho que ele fez durante um erro de embriaguez na faculdade? E se
ele já se casou? Por algum motivo, essa ideia não caiu bem para ela, mas não
sabia dizer o porquê.

Mais perguntas do que respostas preencheram seu cérebro, portanto, ela não
estava muito atenta quando pegou Jacques da vizinha na rua que era sua babá.
Segurando a mão enquanto eles fizeram a curta caminhada de volta para o
apartamento, foi seu grunhido que a trouxe de volta à consciência, assim que
um furgão de vidros escuros parou ao lado deles. A porta do passageiro se abriu
e um par de homens pulou, as mãos agarrando-a e a Jacques.

O que estava acontecendo?

Choque momentaneamente a paralisou, depois se enfureceu quando um dos


estranhos agarrou seu filho. Como se atreve a colocar as mãos no meu bebê! O
instinto materno entrou em ação.

— Deixe-o ir! — Ela gritou. O homem xingou um palavrão não apto para
ouvidos, mas não por causa de suas palavras. Jacques o mordeu com força
suficiente para tirar sangue. Distraída pela reação violenta de seu filho, não
percebeu o segundo homem vindo por trás e nem conseguiu evitar o aperto de
ferro. Ele agarrou seu braço e a arrastou para a porta aberta da van. Ela lutou e
chutou, gritando, esperando por ajuda, mas neste bairro, as pessoas tendiam a
surdez e cegueira. Nem uma única janela de madeira
abriu. Nem uma única porta se abriu. Ninguém
queria se envolver.
O som de Jacques grunhindo tranquilizou-a, porque significava que eles ainda
não conseguiram levá-lo, mas foi o seu choro de dor que a desesperou. Meu
bebê.

— Jacques! Não. — Ela gritou. Aumentou sua luta, cotovelando o homem


que a segurava. Ele nem sequer grunhiu. Recordando as aulas de autodefesa que
ela tomou, caiu no chão e usou seu peso para quebrar seu controle. Sua vitória
foi de curta duração.

Um terceiro homem e então um quarto veio para se juntar aos outros, e o


desespero a encheu. Ela não poderia prevalecer contra tantos. Jacques lutou,
ágil e rápido, com os olhos brilhando com espanto, mas não era nada
comparado ao som que ele fazia. Ele está uivando. O choque dessa percepção
fez com que ela empalidecesse, no entanto, em comparação com sua situação.
O homem que ela tinha lutado para ficar livre agarrou seu braço mais uma vez,
e desta vez, ela não conseguiu evitar o aperto. Ele a arrastou para a van e a
resignação elevou sua cabeça feia. É isso. O que tive medo por tanto tempo
aconteceu. Seu segredo foi descoberto, e agora alguém pretendia levá-los- pela
força, se necessário. Ou isso era parte da trama de Pierre para fazê-los ir com
ele? De alguma forma, ela não podia imaginar o avô de Jacques fazendo algo
tão violento, não se seu neto pudesse se machucar.

Perdida em suas reflexões, demorou um momento para registrar que a mão


que a segurava tinha afrouxado. Batidas na carne encheram o ar e ela olhou
freneticamente. A quarta adição à batalha improvisada, como parecia, não era
dos aspirantes a sequestradores. Pelo contrário, o Bom Samaritano lutou com
os três sequestradores ao mesmo tempo!

Jacques saiu do interior da van, onde o jogaram e lançou seu pequeno corpo
para ela. Ela pegou seu filho, tropeçando com a força de seu salto, mas
recusando-se a soltá-lo. Abraçando-o, deixou as lágrimas rolarem por suas
bochechas enquanto seu misterioso salvador terminava de ensinar aos bandidos
uma lição violenta, assim ela protegia os olhos de seu filho. Tão rápido quanto
a luta começou, terminou com três corpos gemendo
no chão, feridos e sangrando. Bom. Eles mereceram
pelo que tentaram fazer.
Abrindo a boca, suas palavras de agradecimento ficaram presas na garganta
quando o estranho ergueu a cabeça, olhos reveladores que brilhavam. Quanto
ao seu sorriso reconfortante? Ela engoliu em seco com a visão de seus caninos
alongados descobertos.

Oh, meu Deus, o que ele é? Um lobisomem? Quase com certeza. A realidade
sendo demais.

Sobrecarregada e com a adrenalina agora baixa, o choque se instalou. Mina


afundou no chão, sua mente estava abençoadamente no escuro.
Pierre dirigiu como um lobo raivoso para chegar ao lugar de Mina, o telefone
colado em sua orelha.

— O que você quer dizer com eles foram atacados? Por quem? Bandidos da
vizinhança? — Dean bufou.

— Eu duvido. Esses caras eram bastante descarados e organizados. Eles


chegaram em uma van sem identificação. Sem placas, sem documentos, nada.
Soquei os caras que tentaram colocá-los dentro da van e chamei o chefe Lycan
local. Ele deve enviar alguém para eles.

— Você não ficou e supervisionou? — Pierre se perguntou se ele precisava


se preocupar com os bandidos se recuperando e fazendo uma segunda tentativa.

— Pensei que fosse melhor levar sua nora e seu filho até o apartamento dela.
A mãe desmaiou e o menino perdeu a cabeça. Eu precisava de algum lugar sem
olhos.

Em outras palavras, o lobo de Jacques tentou surgir. Dean fez a coisa certa
ao escondê-los. O mundo ainda não estava preparado para se encontrar ou
coexistir com Lycans. Pierre duvidava que os humanos algum dia estivessem
prontos para isso.

— Alguma outra má notícia? — Pierre tinha uma suspeita fodida de que havia
mais.

— Seu apartamento foi revirado no início do dia, ou ela é uma grande


bagunceira.

— Ela não é bagunceira. — Ele tinha visto o interior de seu apartamento


com tudo em seu lugar e nem um traço de poeira para
ser visto. Pierre apertou o volante do carro. Alguém
os alvejou, mas por que motivo? Embora ele não
conhecesse bem Mina, encontrou pessoas
suficientes em sua carreira que ele poderia se vangloriar de que os entendia.
Mina não era o tipo de se meter em drogas ou apostas, então os bandidos
provavelmente não estavam procurando por pagamento. Ela usava uma cruz
junto com roupas conservadoras, então ele duvidava que ela fosse uma
prostituta ou outro tipo de entretenimento adulto e, mesmo fofa, não era o tipo
que os cafetões seguiam. E se você adicionar a tentativa de levar Jacques
também? Com um frio fazendo cócegas na alma e arrepiando a pele de seu lobo,
ele suspeitava de uma trama mais profunda, algo envolvendo o segredo dos
Lycans. Ele precisava tirá-la de lá e deixá-la segura dentro do bando.

— Ah, porra. — Dean amaldiçoou pelo telefone.

— O que agora?

— Nós temos problemas maiores do que o lixo de seu apartamento. Acabei


de dar uma olhada pela janela. A van foi embora.

— Você acha que o bando local tinha alguém perto?

— Esperançosamente. Se não, então, quem quer que estivesse, eles já estão


informando quem os contratou.

Informando e depois, o quê? Eles retornariam em maior número? Com mais


violência? Desistiriam? O que realmente não importava. Pierre precisava
proteger a companheira de seu filho e seu neto. Apertando a ponte do nariz,
Pierre amaldiçoou o sinal vermelho que o impedia.

— Como Mina e a criança estão indo?

— Tudo bem, eu acho. A mulher desmaiou quando a luta terminou e bateu


a cabeça. Eu não vejo nenhum sangue ou vejo algo pior do que algumas
contusões e arranhões. Mas é tudo o que posso dizer. O garoto não me deixa
chegar perto dela. Ele está sentado em cima dela agora, e rosna para mim sempre
que eu sequer olho para ele.

— Então, rosne de volta.

Dean baixou a voz.


— Ele está assustado. Não quero piorar. Está apenas fazendo o que qualquer
filhote faria, mantendo a mãe segura. Eu não o castigarei por fazer isso.

— Você está certo. Deixe ele, estou quase aí de qualquer jeito.

Pierre desligou. Graças ao inferno que ele chamou Dean para dar uma
segurança extra para Mina e seu filho. Não gostando do bairro, Pierre tinha
agido por instinto e valeu a pena. Mas nunca teria acontecido se ela estivesse
conosco, onde pertence. Apesar de seus protestos, este incidente apenas
reforçou sua determinação para convencê-la a ir embora com ele, mesmo se eu
tiver que levá-la chutando e gritando.

Quando Pierre entrou em seu apartamento, seu cheiro deixando Dean saber
que era ele, parou completamente com a aparência de medo no rosto de Mina.
Parecia que ela acordara e desejava que não tivesse feito. Ela sentou-se
amontoada no canto do seu sofá, Jacques apertou-se firmemente com ela. Os
olhos arregalados davam-lhe um olhar selvagem, o de um animal preso. O tipo
mais perigoso. Adicione o instinto de mãe, e Pierre precisava ter cuidado.

Dean deu de ombros ao olhar severo de Pierre.

— Eu não fiz nada. Ela me olhou assim desde que acordou.

Levantando as mãos em um gesto de apaziguamento, Pierre aproximou-se


dela e se ajoelhou.

— Mina. — Ele disse em um tom calmante. — Tudo bem, querida. — Seu


neto rosnou. Pierre encontrou seu olhar com um de seus próprios. O menino
acalmou-se e baixou os olhos antes de enfiar a cabeça no ombro da mãe. —
Você está a salvo agora, Mina. — Ele falou baixo enquanto se ajoelhava no chão
ao lado deles, devagar e com cuidado para não assustar os dois.

Um tremor a atravessou.

— Aqueles homens, eles, eles...

— Tentaram levar você e meu neto. Eu sei. Dean


me disse.
— Você conhece esse cara? — Os olhos azuis dela o perseguiram com
acusação.

— Eu o chamei para ficar de olho em vocês dois. Perdoe-me por minha


presunção, mas não sou tão confiante no seu bairro quanto você é, e com razão
parece.

— Eles não eram daqui. — Ela sussurrou.

— Você sabe quem eles são? — Uma sacudida de sua cabeça fez com que
seus fios emaranhados voassem.

— Não. Mas eu ouvi um deles dizer que não deveriam nos machucar. Ordens
do chefe. Ele queria que Jacques e eu não tivéssemos danos.

Raiva encheu Pierre. Como alguém pensa em tocar sua família? Porque,
apesar da descoberta recente, era o que ele considerava. Sua família, e ninguém
mexe com a minha família.

— Você está machucada?

— Apenas algumas pequenas dores. Eu não sei sobre Jacques, no entanto.

— O garoto está bem.

— Como você sabe? — Porque, como alfa do bando, Pierre sentiria se um


dos seus fosse ferido, especialmente um Lycan compartilhando seu sangue. Sem
ferimentos, seu neto forte se acalmou agora que sentiu proteção. O orgulho e a
angústia preenchiam Pierre na evidente força interior e vulnerabilidade de
Jacques. Você pode compartilhar o fardo agora, pequeno. Você não está mais
sozinho.

— Apenas confie em mim quando eu digo que ele está bem. Um pouco
assustado, como é normal, mas ele não está ferido fisicamente.

— Mas e o coração e a alma dele? — Ela sussurrou, esfregando uma


bochecha úmida contra os cabelos grossos de
Jacques.

— Ele vai se recuperar. É um menino corajoso.


Ele é feito de coisas mais fortes do que você lhe dá
crédito. Vai se recuperar. Você verá. Estou mais preocupado com você. Como
você está lidando com isso?

Uma risada histérica misturada com uma tosse escapou dela.

— Como você acha que estou? Alguém tentou sequestrar eu e meu filho.
Destruiu meu apartamento. E ontem descobri que meu filho pode ser um
lobisomem. Como esta semana pode piorar?

— Eles podem voltar. — Pierre lamentou sua honestidade no momento em


que as palavras deixaram seus lábios.

Mina recuou, apertando Jacques. O menino não falou uma palavra, mas
Pierre não conseguiu perder a tensão eriçada de seu corpo. Ele esperava uma
onda de lágrimas, talvez raiva da situação. Em vez disso, ela sofreu com a
resignação.

— Já não é seguro aqui, não é? — Perguntou, levantando a cabeça para


encontrar seus olhos.

A tontura de seus olhos e o tom fizeram com que algo se estalar dentro dele.
Segurar sua ira tomou toda sua força de vontade, porque uma parte dele queria
caçar os bastardos que finalmente quebraram essa mulher corajosa, caçá-los e
matá-los. Mas, apesar de seu instinto e seu lobo rosnando, ele controlou seu
lado mais selvagem mesmo quando o matava ver como esse plano acabara um
pouco com seu espírito de luta. Como alguém ousou machucá-la assim? Seu
animal queria devolver a esperança quebrada de Mina e colocar o resplendor
teimoso em seus olhos, mas de alguma forma ele não pensava que a solução
violenta que sua besta propôs ajudaria muito, além de apaziguar sua raiva
fervente. Ele ficou preso em responder a sua pergunta em vez de se vingar.

— Seguro? Nunca é seguro para o nosso tipo fora do bando. Se você


perguntar a minha opinião profissional, digo que tenho a sensação de que
alguém descobriu seu segredo e está procurando pegar vocês dois.

— Para quê?

— Testes. Estudos. Tudo o que os médicos


fazem quando descobrem uma nova espécie.
— Usar-nos como ratos de laboratório? Mas ninguém sabia. Eu nem sabia
até... — Sua voz se apagou, e seus olhos cresceram. — Dr. Moireau. Eu falei
sobre o problema de Jacques. Mas ele me disse que poderia nos ajudar. Que ele
tinha visto essa condição antes. E ele é um médico. Eles juram confidencialidade
dos pacientes.

— Os juramentos às vezes são quebrados. — Ele respondeu mesmo quando


mentalmente guardou o nome. Ele verificaria o médico quando voltasse para
casa. — Você falou a outra pessoa?

Ela balançou a cabeça.

— Não. Estava muito assustada que algo assim acontecesse. Achei que estava
sendo paranoica. Eu deveria ter ouvido meu instinto. Preciso me mudar, não?
Esconder, então eles não podem nos encontrar novamente.

Pierre queria torcer para que ela chegasse à conclusão por conta própria. Ele
realmente odiava discutir com mulheres. Mas agora deveria seguir o próximo
passo em seu plano. Convencê-la a voltar com ele para o bando.

— Você precisa viver com o bando.

— Mas o que faremos para conseguir um lugar para viver? Não consigo pagar
muito, como você notou.

— Você não precisaria. Você já tem uma casa esperando por você. — Uma
linha apareceu em sua sobrancelha.

— O que você quer dizer?

— Minha casa tem alguns quartos não usados que você e Jacques podem
usar. Para não mencionar muito espaço ao ar livre, incluindo uma casa de árvore
antiga que com um pouco de reparo seria perfeita para um menino em
crescimento que gosta de escalar.

— E quanto ao Remy?

— A casa é grande o suficiente para todos nós.


— Ela mastigou o lábio. Pierre se impediu de
tremer.
— Eu ganhei um pouco de dinheiro. Poderia ficar em um motel até encontrar
um lugar para viver, em algum lugar que não seremos um fardo.

Irritado, Pierre franziu o cenho, e Jacques, sentindo seu aborrecimento, virou


a cabeça em sua direção e mostrou os dentes. Pierre o ignorou por enquanto.

— Você não é um fardo. Eu tenho dois quartos vazios com camas, ou se


você estiver preocupada com o menino, vocês podem compartilhar um. Minha
cozinha está sempre abastecida com comida, mais do que suficiente para
alimentar mais duas bocas. — A indecisão ainda nublava seu olhar. Controlando
um suspiro, Pierre recorreu a algo que não fez muitas vezes. Pediu em vez de
ordenar. E ele faz isso bem.

— Por favor, deixe-me ajudá-la.

— E se isso não funcionar? E se eu quiser sair? — Esquecendo-se de se


segurar, Pierre suspirou e esfregou uma mão pelos seus cabelos.

— Garota, você é mais teimosa do que uma mula. Você pode apenas dizer
sim e dar uma chance? Eu prometo que isso é o melhor para você e para o
menino.

— E se não for?

— Dê um mês. Se depois de trinta dias ainda quiser sair, vou encontrar para
você algum lugar seguro e eu vou levá-la até lá. — Ele sentou-se e observou
como as rodas de sua mente giravam, seu rosto expressivo mostrando o curso
de seus pensamentos.

— Como sei que posso confiar em você? — Como de fato? Depois do que
ele descobriu de sua família e como a tratavam, não o surpreendeu que ela
questionasse sua honra e motivos.

— Sei que você não me conhece, mas tem que acreditar em mim quando
digo que, a partir desse momento, eu morreria antes de deixar qualquer mal
chegar até você e ao menino. Se você se recusar a sair, então acho que vou ficar,
porque eles estarão de volta. Eu só espero que possa
segurá-los sozinho. Eu sou um homem velho, você
sabe. — Ele agarrou suas costas, e Dean riu de onde ele estava olhando, o
primeiro som que ele fez desde a chegada de Pierre.

O canto de seus lábios se contraiu enquanto lutava com um sorriso.

— Você está tentando me manipular.

— Estou tentando te trazer a razão. E talvez pedindo uma pequena


confiança. Sei que não é fácil, que você não teve uma vida fácil. Mas você precisa
acreditar em mim quando digo que não precisa ser assim. Onde eu quero te
levar, quase todos sabem o nosso segredo e agirão como um escudo para
proteger você e seu filho. Você não ficaria mais sozinha. Deixe-nos ajudá-los.

— Seria bom não ter medo. — Admitiu quietamente, e começou a soluçar.


Maldita seja garota por puxar as cordas de seu coração! Abençoe-a por despertá-
lo novamente. Isso deu a um velho espírito renovo para o futuro. — Bem. Você
ganhou, mas só porque não parecemos ter muita escolha por enquanto. Jacques,
quer ir para um passeio de carro? — Ela perguntou a seu filho em uma voz
animadora, mesmo que um pouco trêmula.

E assim, menos de uma hora depois, mochilas de roupas e brinquedos


embalados, apartamento semi-arrumado, Pierre encontrou-se a caminho de casa
com Mina e Jacques. Dean ficou para trás para terminar a limpeza e para
empacotar as escassas coisas que restaram, porque só sobre o seu cadáver ela
retornaria. Pierre também queria que o membro do bando ficasse de olho em
seu antigo apartamento no caso de alguém aparecer, alguém que poderia lhe dar
algumas respostas.

Olhando para Mina de vez em quando, o lábio inferior enfiado entre os


dentes, as mãos agarradas uma a outra em um aperto inquebrável, Pierre
segurou uma risada.

Remy vai ficar louco quando ver Mina e sua surpresa. Um pai mais legal teria
dado um aviso a seu filho, mas dado o estado zumbi de Remy nos últimos anos,
Pierre achou que um choque como este era exatamente o que seu filho precisava
para voltar. Quando ele tirar o seu traseiro da terra
do remorso e voltar para o mundo real. Já é hora
dele se tornar o líder que deveria ser.
A paisagem passava rapidamente, assim como perguntas, junto com o tremor
dentro de Mina. Estou fazendo o certo? O que diabos eu estava pensando?
Como posso enfrentar Remy? Enfrentá-lo e descobrir de uma vez por todas, se
o seu pedestal construído do homem diabo sobreviveria ou cairia. Ele a odiaria
por ter seu filho sem o seu conhecimento? Ele ficaria ferido? Depois, havia as
reflexões mais superficiais, como; se ele ainda a consideraria bonita? Ele tinha
uma namorada?

— Posso ver a fumaça saindo de seus ouvidos. — disse Pierre calmamente.

— Estou apenas pensando.

— Mais como preocupada. Por que você não fala sobre algumas dessas
ansiedades para mim e vamos ver se eu posso aliviá-las.

Algumas eram muito privadas e vergonhosas, mas outras derramaram de seus


lábios.

— Todos nesta cidade onde você está me levando são lobisomens? — Uma
risada fez todo o seu corpo tremer.

— Não, nem todos são Lycan. Na verdade, nenhuma das fêmeas carrega o
gene. A licantropia é uma característica dominada pelos homens.

— Então, o que são as mulheres então? — Perguntou, esfregando


distraidamente sua cicatriz.

— As mulheres são especiais. Principalmente humanas, mas com alguns


traços extras.

— E nós ficamos assim sendo mordidas?

— Nós chamamos a mordida da marca de


acasalamento. É uma união física de uma fêmea
humana e um Lycan. Deixe-me rebobinar um
momento, no entanto. Veja, você tem que entender, esse tipo de coisa
simplesmente não acontece com alguém. Nossa espécie é muito particular sobre
quem escolhemos para se acasalar. Quando um homem encontra a pessoa que
está destinado a estar, ele a procura, ganha confiança e amor, e então, com sua
permissão e compreensão, ele a morde, o que os une. Eles se tornam
companheiros, casados aos olhos do bando, para a vida toda.

Casados? Mina quase riu. Seu pai muito religioso morreria de apoplexia com
o pensamento? Ela sabia bem suas opiniões sobre o que ele considerava rituais
pagãos. De alguma forma, duvidava que a versão Lycan do casamento o
influenciasse da crença de que sua filha era uma prostituta e seu filho bastardo
a progênie do demônio.

— Uma mordida e alguém está casado? Eu acho que Remy estragou tudo
enquanto ele estava bêbado então. — Ela respondeu com uma risadinha que
surgiu agitada.

Olhos castanhos sérios, com sugestões de amarelo, voltaram-se para ela.

— Mesmo que Remy possa ter deixado o álcool influenciar seu melhor
julgamento e marcá-la sem seguir nossos rituais ou pedir sua permissão, ele não
estava enganado. Você é sua companheira.

Um tremor a atravessou.

— O que isso significa, no entanto? Você diz que somos casados, embora eu
nunca tenha concordado e não o conheça. Espero que você não espere que eu
caia de repente em sua cama e... uh... — Ela parou, o calor subindo em suas
bochechas enquanto lutava para colocar em palavras o fato de ela não dormir
com Remy. Que conversa constrangedora estava tendo com o pai dele.

Pierre não parecia ter esse problema.

— Aos olhos do bando, você é casada, mas dito isso, duvido que ele espere
que você apenas salte no seu quarto. Como eu disse, em circunstâncias normais,
meu filho teria te cortejado até você se apaixonar,
então ele teria lhe contado seu segredo antes de te
marcar. É assim que fazemos isso há centenas de
anos.
Séculos que existe uma espécie inteira sem o mundo saber? Bem,
tecnicamente, o mundo sabia de lobisomens, eles simplesmente não
acreditavam neles. Parecia confuso. E o quanto ela tinha lido e visto na mídia
era real e o que não era? Tantas perguntas que precisava fazer, mas, por
enquanto, tinha uma preocupação mais urgente. Seu suposto casamento com
um estranho. Seu demônio marido com os olhos brilhantes.

— Você faz parecer que é sempre uma coisa certa. O que acontece se uma
garota disser não? Quero dizer, com certeza, nem todas as mulheres dizem sim,
depois de ouvir que seu namorado é um lobisomem. — O que aconteceria se
um cara estivesse bêbado e mordesse a garota errada? Porque não importa o
que Pierre possa querer que ela pense, o amor teve muito pouco a ver com a
noite em que Mina e Remy se uniram.

— O vínculo de acasalamento é bastante forte, então o que você fala é muito


raro. Em todos os meus anos, só recordo um incidente.

— E o que aconteceu? — Os lábios de Pierre juntaram-se em uma linha


apertada.

— Digamos que não acabou bem. Mas, como eu disse, é raro.

— Entendo. Bem, só para ficar claro, mordida ou não, não tenho a intenção
de pular na cama com seu filho e agir como se estivéssemos casados e viver
felizes para sempre. — Agora, só de apenas dizer isso já trouxe imagens à mente,
imagens impertinentes de uma noite que ela não podia esquecer. Ela agarrou a
cruz em torno de seu pescoço em um punho branco apertado enquanto tentava
encontrar as palavras para uma oração, qualquer oração, para fazer o oh, doce,
calor pecaminoso perverso em sua cabeça ir embora.

— Nada vai acontecer que você não queira. Acasalado ou não, se Remy
quiser você ao seu lado, então ele terá que voltar o relógio e fazer-lhe a corte
apropriada que você merece.

— Mas eu não quero que ele me corteje.

— Se você diz isso, mas isso não significa que ele


não vai tentar. E, no entanto, tem Jacques? O que
você vai dizer a ele? Você vai dizer a verdade? Toda
criança merece conhecer o pai. Ambos se viraram para olhar para o menininho
curvado, dormindo com o polegar escondido na boca, um mau hábito que ela
não tinha o coração para quebrar.

Como de costume, quando olhava para o filho, seu coração se suavizava, seu
amor por ele era feroz e inabalável.

— Eu não pensei muito a frente. Tudo está acontecendo tão rápido, e eu


quero fazer o que é certo para Jacques. Sei que ele precisa de um pai ou, pelo
menos, algum tipo de influência masculina em sua vida. No entanto, isso
também me assusta. Não quero vê-lo se machucar. Eu vi muitos filhos
rejeitados por um pai.

— Remy nunca faria isso.

— Como você pode ter certeza?

— Eu conheço meu filho. Ele simplesmente não faria.

— Você falou sobre Jacques?

— Não. Não disse uma palavra para ele. Nem sobre você ou seu filho. Eu
diria que a explicação cuidará de si mesma uma vez que se encontrem.

Mina estremeceu. Virar pai sem aviso prévio?

— Ele não ficará com raiva? — Pierre nunca pareceu adoçar a verdade. Ainda
não teria decidido se gostava disso ou não.

— Sim, ele provavelmente ficará chateado. — Seus ombros caíram. Ótimo.


Outra pessoa para detestá-la. Desta vez, seu próprio marido. As coisas ficavam
melhores e melhores.

Pierre apressou-se em acrescentar.

— Ele não ficará bravo com você, mas principalmente com si mesmo por ter
ferrado tudo realmente. Remy passou todos os anos desde aquela noite
lamentando suas ações.

Claro que sim. Ela encolheu mais.


— Droga, não estou me explicando bem. — Gemeu Pierre. — Mina, ele
lamenta perder você, não o fato de que te conheceu ou que ele a mordeu. Ele
nunca se arrependeu disso, mas se chuta por se mover tão rápido e por não ter
descoberto seu nome. Ele se arrepende de não conseguir curtir e sair com você.
Comprar chocolates e jantares, flores e outras merdas como deveria ter feito.
Ele lamenta estar tão bêbado que perdeu o controle e você sabe, fez o que fez.
Especialmente se arrepende por perder você.

— Se ele tem tantos arrependimentos, então, por que ele não me encontrou?
— Certamente, essa inquietação patética suave não veio de seus lábios?

— Ele tentou, mas não chegou longe.

— Mas você sabia quem eu era. Você me encontrou.

— Por acidente. Continuei a procurar por meu filho, tendo recursos mais
vastos na mão, mas você se escondeu bem.

— Eu não me escondi.

— Não intencionalmente, talvez, mas é difícil traçar alguém quando eles não
deixam uma trilha e sua família não estava exatamente contribuindo sobre seu
paradeiro.

— Eles não têm ideia de onde estou. Eles me expulsaram quando


descobriram sobre minha gravidez e interromperam todos os contatos. Depois
que Jacques nasceu, pensei que eles poderiam ceder. Estupidamente, apareci na
sua porta com ele, pensando que ver seu rosto doce e inocente faria a diferença,
mas isso não foi tão bom. Não voltei e nem os vi desde então.

— Eu sinto muito.

— Por quê? Eu sabia que eles reagiriam dessa maneira. É por isso que nunca
disse o que aconteceu, mas quando o médico anunciou que eu estava grávida,
era meio difícil esconder.

— Eles a jogaram para fora antes de ter o bebê?


— Em seu choque, o veículo se desviou.
— Naquele mesmo dia. — Ela anunciou com uma voz falsamente animada,
satisfeita em certo sentido pelo seu horror. Certamente, um homem que parecia
tão horrorizado com as ações de seus pais não era ruim, não é? — Você sabe o
que, no entanto, foi provavelmente o melhor. Não preciso do meu filho
influenciado pelo seu ódio por qualquer coisa que consideram pecaminoso. —
E a lista de coisas que consideravam pecaminosas era longa. Mina especialmente
apreciou o desafio agradável que sentia toda vez que ela assistia um filme com
censura ou dormia em um domingo em vez de ir à igreja e machucar os joelhos
por algumas horas.

— Bem, o único tipo de pecado que você encontrará em nossa cidade é o


tipo decadente quando prova os brownies de chocolate duplo da Marjolie.

Um sorriso inclinou os lábios.

— Estou ansiosa por isso.

Enquanto sua conversa com Pierre aliviou alguns dos seus medos, ela não
conseguia evitar a vibração em sua barriga quanto mais se aproximava para ela
ficar cara a cara com Remy. Ela esperava que não fizesse algo estúpido como
fraquejar ou vomitar em seus pés. Ela tinha feito isso uma vez quando estava
grávida em um estranho no metrô. Algumas vergonhas nunca poderiam ser
recordadas.
Remy não recebeu nenhum aviso. Ele entrou na casa de seu pai, e o cheiro
instantaneamente o atingiu. Isso levantou todos os cabelos em seu corpo e fez
brotar alguns novos. A descrença o fez parar.

Isso não pode ser quem eu acho que é. Ele inalou profundamente e queria
gritar de alegria porque de alguma forma, de alguma forma, sua companheira o
havia encontrado. É um maldito milagre. Um segundo aroma mudou seu
instinto inicial ao entrar na sala, no entanto. Ele fazia cócegas no nariz com
familiaridade e, no entanto, ele não podia identificá-lo, além do fato de ser
Lycan. Outro lobo encontrou sua mulher e a devolveu? Pior ainda, o lobo agora
tentava reivindicar sua mulher?

Nunca. Eu a marquei primeiro. Ela é minha. Seu lobo despertou em seu


consciente, preenchendo os limites de sua mente, agitado pelo pensamento.

Pronto para a batalha, se necessário, Remy entrou na grande sala da casa de


sua família, ignorando o tédio e o ambiente familiar. Seus olhos se concentraram
primeiro em seu pai que estava sentado na cadeira reclinada, com os pés
apoiados enquanto observava algo no chão, escondido pelo longo sofá.

— Remy, já estava na hora de você chegar em casa. Nós temos convidados.


— Seu pai levantou-se e estendeu a mão para outra pessoa do sofá, alguém com
um cheiro de baunilha, ainda tão pequena quanto ele se lembrava e tão
curvilínea.

Lentamente, ela se virou, seus olhos encontrando os dele e se ampliando com


reconhecimento. A lembrança trouxe rosa para suas bochechas e separou seus
lábios. Há anos ou não, ela o reconheceu exatamente como ele a reconheceu.
Sua mulher. Minha companheira. O calor, a saudade e o desejo imediatos o
atingiram.

Seu pai limpou a garganta.


— Remy, esta é Mina Leblanc. Eu acredito que vocês dois se conheceram
antes. — Antes que Remy pudesse abrir a boca e recitar a desculpa que ele
praticara por tanto tempo, outra forma saltou do chão para o sofá e olhou para
ele com olhos azuis brilhantes e uma pele morena. O maxilar de Remy caiu. Um
rugido começou nos ouvidos de Remy, um ruído fraco que empurrou o seguinte
pronunciamento de seu pai a uma distância, e ainda assim ouviu, mas
fracamente — E este é o seu filho, Jacques. — As palavras ditas o seu filho. Não
foi negado ou escondido. Remy podia ver isso no menino. Ele podia sentir isso.

Sou pai.

O mundo girou. Sua mente ficou em branco. Ele poderia ter ficado em
silêncio atordoado para sempre se a criança não tivesse falado.

— Mamãe, por que esse homem cheira como eu?

Ele quase caiu de joelhos tão fraco que se sentiu.

Todo o corpo tremendo, Mina abriu a boca como se quisesse falar, mas nada
surgiu. Em vez disso, seus olhos se enrolaram na cabeça e ela caiu.

Remy foi para ela, mesmo que seu pai tenha chegado antes e não a deixou
bater no chão. Ele a arrancou de seu pai, e segurou sua companheira firmemente
junto dele. Santa merda. Ela está de volta. Ele quase uivou como um filhote
com alegria e alívio. O coração batendo loucamente, ele olhou para ela,
memorizou seus traços e os encontrou exatamente como lembrava. Parecia tão
perfeita quanto se lembrava, se mais finos.

— Por que você está segurando minha mãe?

A pequena voz, cheia de suspeita, o fez olhar para baixo, e suas pernas de
repente tremiam como gelatina. Remy afundou no sofá com Mina embalada no
seu colo. De jeito nenhum ele a deixaria ir ainda.

— Sua mãe desmaiou. Simplesmente estou certificando-me de que ela não


caia. — Uma resposta idiota, mas o menino pareceu aceitá-lo.

— Eu sou Jacques. — O menino anunciou com


o peito cheio.
— E eu sou... — Seu pai. Remy queria dizer isso. A declaração queimou a
ponta da língua, mas ele não podia dizer isso, não sem primeiro saber o que a
Mina havia dito à criança. Tanto quanto ele queria reivindicar este garoto-
sangue do meu sangue ele sabia que precisava esperar. — Eu sou Remy. Um
amigo.

— Mama não tem amigos. — O forte anúncio fez a garganta de Remy apertar
por algum motivo. Ele se perguntou o quanto de sua solidão tinha a ver com
ele, por causa do que tinha feito com ela.

— Eu sou seu amigo. E seu também, se você me deixar. — Quão bobo para
um homem adulto prender a respiração enquanto esperava a resposta de alguém
que mal alcançava seus joelhos. Mas asseguro que ele fez.

Jacques o observou cautelosamente. Ele saltou do sofá e passou pelo espaço


na frente, o corpo tenso, pronto para se mover com a menor provocação. Remy
manteve seu olhar preso em seu filho. Meu filho. Meu filho! Ele queria gritar para
o mundo.

O nariz dele enrugou enquanto seu garoto cheirava.

— Você cheira como eu. Ele também um pouco. — disse Jacques,


apontando para o pai de Remy.

— Você vai encontrar muitas pessoas aqui que cheiram parecido com você.
É porque somos especiais.

— Eu sei disso. Minha mãe me diz isso todos os dias.

Remy teve que sorrir para o seu tom imperioso.

— E ela está certa.

— Eu sei. Mamãe sempre está certa. É porque ela é uma pessoa adulta. Mas
como você cheira como eu? — Fora a questão de falar sobre os bebês, como
responder sem mentir? Seu pai resolveu seu dilema.

Pierre estendeu a mão.


— Jacques, por que não vamos ver se não podemos encontrar alguns
biscoitos na cozinha enquanto a sua mãe descansa um pouco?

— OK. Mas sem nozes. Eu gosto de cookies de chocolate. — Observando


a pequena mão de seu filho se acomodar na grande de seu pai quando eles
saíram discutindo de brincadeira sobre os méritos dos cookies, uma picada
atingiu a parte de trás da garganta. Remy engoliu em seco, mas as cócegas se
moveram para os olhos dele. Ele piscou, tentando tirar o pó de poeira, porque
com certeza a visão simples de seu pai e seu filho se relacionando com algo
estúpido como cookies não deveria lhe trazer lágrimas. Chorar era para meninas
e maricas, e talvez um homem estúpido que ganha uma segunda chance de
felicidade.

Sozinho com Mina, minha companheira perdida, ele cedeu à tentação e lhe
acariciou o cabelo de volta em sua têmpora. Ela mudou e ainda assim parecia
que não nos anos desde que a tinha visto. Embora bêbado no momento, ele se
lembrava de cada característica, sua imagem impressa em sua mente. Enquanto
ela tinha perdido suas bochechas fofas, sua pele ainda parecia cremosa e livre
de manchas. Seu cabelo pendia em cachos ao redor de seu rosto em um estilo
mais curto e fluía através de seus dedos como seda. Ele não conseguia parar de
encará-la, atordoado de que ela voltou para ele.

A mãe do meu filho. Uma criança foi gerada durante um momento de


insanidade bêbado.

Como ela deve odiá-lo. Ele se comportou irresponsavelmente. Porque ele


perdeu o controle, não só tomou sua inocência, mas sobrecarregou-a com um
bebê. Ela, ainda uma menina, forçou-se a se tornar uma mãe sem a ajuda e o
apoio de seu companheiro ou de um bando. Não havia horas suficientes em um
dia para pedir perdão. Talvez, se ele começasse agora, talvez pudesse comprar
o suficiente de chocolate e flores, pelo menos levá-la para ouvir suas desculpas.

Seus olhos vibraram primeiro, sinalizando sua ascensão à consciência. Um


rápido debate sobre mantê-la no colo ou afastar-se, para não sobrecarregar,
tornou-se discutível quando abriu os olhos.
Brilhantes profundidades azuis olharam para ele,
sugaram-no e fizeram com que ele se lembrasse de
por que se sentia tão fora de controle naquele dia muitos anos atrás.

Mesmo sabendo o que ele fazia agora, e estando completamente sóbrio, seu
pau se agitou e o coração acelerou. Não ajudou que sua consciência pareça
contagiosa. Seus lábios cheios se separaram, suas bochechas coraram em um
rosa claro, e um suave suspiro escapou dela.

— Remy. — Ela respirou seu nome, sussurrando-o para que ele o golpeasse
suave como uma carícia. Ele quase se abaixou para tomar seus lábios antes que
a sanidade o golpeasse.

A falta de controle era por que ele a havia perdido em primeiro lugar. Ele não
cometeria o mesmo erro novamente. Então senta e pare de rosnar, ele advertiu seu
lobo. Irritado, seu lado furioso recuou, mas não foi dormir. Ele também queria
saber o que aconteceria depois.

Ele tentou deixar que nada mostrasse da turbulência que estava sentindo no
momento.

— Olá baby. Como está se sentindo? — Sua testa franziu, e ela lutou para
sentar-se, então se afastou dele.

— Oh, querido céu. Não estou sonhando desta vez, estou? — Quando as
admissões inadvertidas saíram, o pegaram de surpresa.

— Você sonha comigo?

— Não. — Ela declarou com veemência, com muita veemência, suas


bochechas carmesins.

Um sorriso surgiu em seu rosto com sua óbvia mentira.

— Não há vergonha, baby. Eu também sonho com você. — A descrença


arregalou seus olhos.

— Sim, certo.

— É verdade. Sonho com você e sinto sua falta.


Eu queria me desculpar por ter me comportado mal
há tantos anos atrás.
— Sim, bem, desculpas aceitas. — Muito fácil.

— Você não quer gritar comigo? Dizer que sou um idiota? Bater-me um
pouco?

— Não. Estou bem, obrigada. — Foi sua resposta formal e adequada.

— Não, você não está. Você deve estar profundamente chateada. Eu sei que
deveria.

— O que aconteceu, aconteceu e foi há anos. Eu superei isso. Agora, onde


está o meu filho? — Ela mudou o tema abruptamente.

— Nosso filho está na cozinha com seu avô comendo cookie. Ele é um cara
precioso. — Acrescentou com um sorriso irônico.

— Você não disse a ele que é seu pai, não é? — Sua frenética preocupação
fez seu sorriso desaparecer.

— Não.

— Bom. Quero dizer, não é que você ser seu pai é seja ruim. Não é. É só que
não contei a ele ainda. E ele não sabe. Na verdade, não tem ideia.

— Então, o que você disse a ele? — Com os olhos baixos, ele não conseguiu
ler sua expressão.

— Nada na verdade. Nunca discutimos o assunto do pai inteiramente. Nunca


tivemos até agora.

— Então você vai dizer a ele? — Ela assentiu.

Ele não queria empurrá-la, mas...

— Quando? Eu sei que isso é repentino, mas eu não quero manter isso em
segredo por muito tempo. Eu gostaria de ser um pai para meu filho. Eu também
quero ter uma chance de conhecê-lo. — Remy falou a verdade. Não há
nenhuma maneira de começar tudo com qualquer
mentira, não quando ele já tinha tanto para pedir
perdão.
Ela acenou pedindo ele que parasse suas palavras, não conseguiu entender.

— Você não precisa fingir interesse em mim. Eu-eu já decidi deixar Jacques
passar algum tempo com você. Você é seu pai. — Ela fez uma careta. — Mas
isso é tão longe quanto vamos.

— O que você quer dizer? — Ele perguntou, sem saber o quanto de sua
cultura o pai dele havia transmitido.

— Eu sei.

— Sabe o que?

— Tudo sobre o lobo, morder, a coisa de casados. E está claro, se houver


uma maneira de podermos nos divorciar, ou algo assim, então está tudo bem
por mim. — Seus lábios se apertaram.

— Entendo. Meu pai não explicou que Lycans se casam para a vida toda?

— Sim. Mas você estava bêbado quando me mordeu. Você cometeu um erro.
Obviamente, não pode esperar ter que viver com isso para o resto de sua vida.

— Quem disse que você foi um erro?

— N-ninguém.

— Então, por que você pensaria isso?

— Bem, porque... Quero dizer, olhe para nós. — Ela não o olhou nos olhos
enquanto gesticulava primeiro para ele, então, ela mesma. — Você não pode
me dizer que eu sou quem você escolheria se estivesse sóbrio. Somos tão
diferentes.

— Diferentes? Por quê? É por causa da cor da minha pele? — Mina não
parecia racista, mas tudo era possível.

— O quê? — Seus olhos se levantaram para encontrar os dele. — Não, sua


cor é bonita. Muito legal. Melhor do que a minha pele
pálida. — Seu nariz enrugou. — Eu daria qualquer
coisa para bronzear e não queimar. Quero dizer,
você é bem-sucedido e parte de algo, mesmo que
ser um lobisomem seja estranho para mim ainda, mas enquanto eu sou apenas
uma ninguém com nada, somente um nome. Nem mesmo uma família.

— E?

— O que você quer dizer com ‘e’? Isso não é suficiente?

— Eu acho que suas razões são uma besteira. — Ela recuou, e ele queria
morder a língua pelo seu jeito grosseiro. — Desculpe. O que eu deveria ter dito
foi, apesar do que pensa, você estava destinada a ser minha. Bêbado ou não,
desde o momento em que te conheci, não pude parar de pensar em você.

Ela bufou e imediatamente ficou horrorizada.

— Oh, por favor. Fala sério.

— Eu estou falando sério. Foi atração instantânea e conexão que senti por
você e é por isso que perdi minha mente quando vi aqueles caras tocando em
você. — Seus lábios se curvaram com a memória. Apesar de ter sido expulso da
faculdade, ele nunca se arrependeu da surra que deu aos dois bastardos.

— Eu acho que nunca te agradeci por isso. — Ele pareceu chocado.

— Agradecer-me? Eu salvei você de um estupro apenas para seduzi-la


sozinho. Eu não fui melhor do que eles. — Seus olhos caíram e suas bochechas
viraram um rosa adorável.

— Você não me forçou.

— Quase.

— Eu poderia ter dito não ou lutado.

— E eu poderia ter mostrado mais autocontrole. — Um pequeno sorriso


enrolou seus lábios.

— Eu acho que nós poderíamos jogar o jogo da culpa um pouco mais, mas
já passaram anos suficientes. Está acabado agora.

— Acabado, exceto pelo fato de que tivemos


uma criança e estamos casados.
— Já lhe disse que você não me deve nada. Eu amo Jacques. Eu não o trocaria
por nada.

— E o pai dele? Você trocaria seu pai por algum outro se tivesse chance?

Ela encolheu os ombros.

— Honestamente? Eu não sei. Eu quase não conheço você. Quando penso


sobre isso, essa conversa é a mais longa que já conversamos. Você não pode
esperar que eu responda uma pergunta como essa com base no pouco que já vi
e ouvi até agora.

Hmm, o fato de que ela duvidava de seu vínculo não era exatamente
lisonjeiro, especialmente desde que ele não nutria nenhuma dúvida sobre ela.

— Então precisamos mudar isso. Deixe-me mostrar o tipo de homem que


sou.

— Eu não vou dormir com você.

— Ninguém disse que você precisa. — Mesmo que ele quisesse. Estar tão
próximos, fazia estragos com seu corpo, mais especificamente uma certa parte
que se recusava a voltar a dormir.

— Então, o que exatamente você quer de mim?

Tão suspeita. O que aconteceu com ela para ter tais paredes em torno das
pessoas?

— Quero muitas coisas de você, mas podemos começar com uma chance
para eu começar. A chance de conhecer verdadeiramente você e meu filho. A
chance de dar-lhe as coisas que você merece como minha companheira e mãe
do meu... — ele quase disse filhote, mas se conteve — filho.

— Você quer me fazer caridade? — Ela retrucou, seus olhos brilhando. —


Não exijo a sua piedade nem a sua caridade. Eu posso cuidar de nós muito bem.
Não preciso de você.

— Eu nunca disse que você precisava.


— Tenho tudo o que preciso. — Tudo? Incluindo um amante? O ciúme
ergueu a cabeça e grunhiu.

— Existe outro homem? — Diga-me que existe, e eu vou cortar a cabeça


dele. — Ela torceu os lábios.

— Não. Mas isso não significa que não esteja procurando. — Um suave
rosnado saiu de seus lábios, e o lobo se eriçou dentro dele.

— Não haverá outros homens. — Algo de seu animal deve ter se mostrado.
De olhos arregalados, ela se afastou dele, o aroma de seu medo aumentando no
ar.

— Você não é meu dono.

— O inferno que não. — Apesar de sua agitação, ele caminhou em sua


direção, lembrando-se para ser gentil mesmo com sua recusa em considerá-lo
como seu companheiro.

— Pare! — Ela ergueu a mão, e ele parou seu corpo. Ergueu os ombros, e
seus lábios se apertaram em uma linha fina. — Eu não sou mais uma estudante
estúpida. Você não pode apenas esperar continuar de onde nós paramos.
Tivemos um momento de loucura. Não vai acontecer de novo.

— Será? — Ele se certificaria disso.

— Eu não sou uma puta.

— Ninguém disse que você é.

— Só porque eu não namoro, não significa que estou desesperada.

Não namora, como não poderia, será que apesar de seus protestos, o vínculo
entre eles a afetou? Excelente. Isso acalmou sua besta irritada um pouco por
saber que sua fêmea permaneceu intocada. Um sorriso inclinou seus lábios. Ela
podia não saber disso, ou aceitá-lo ainda, mas pertencia a ele.

— Por que você está sorrindo?


— Porque apesar de todos os seus protestos, você está apenas enganando a
si mesma. Você não namorou ninguém porque não pode. Seu corpo sabe que
pertence a mim.

— Não.

— Oh, sim, querida. Cada polegada cremosa e gostosa sua.

— Não fale assim. — Ela gritou.

— Assim como, baby? Falar como um homem que admira o que vê? Um
homem que se lembra de como foi beijar seus lábios cheios? Tocar seu corpo?
Talvez estivesse bêbado naquela noite, mas eu tive anos para me lembrar disso.
Anos de noites solitárias sonhando com sua pele de marfim contra a minha. O
seu cheiro. O gosto...

Suas pupilas dilataram, sua respiração acelerou, ela não conseguia esconder
os sinais de sua excitação.

— Pare com isso.

— Faça-me parar. — Com sangue canino em suas veias ou não, praticamente


rufou o desafio.

— Eu não estou jogando seu jogo. Sei que você está tentando me seduzir
usando seu poder do demônio novamente. — Ele arqueou uma sobrancelha.

— Poder do demônio? — Ela corou.

— Nada. Esqueça o que eu disse.

— Você vai me contar eventualmente. Eu pretendo aprender tudo sobre


você, desde a primeira vez que machucou seu joelho, até como você gritará meu
nome quando gozar.

Ela negou com a cabeça.

Muito tarde. Ela não podia se esconder, não dele.


Ele podia sentir o cheiro de seu desejo, o cheiro
almiscarado fazia sua boca encher de água.
— Eu lhe darei o espaço que precisa, por enquanto, e vou te cortejar como
você merece, mas entenda isso, você não pode me afastar para sempre.

— Isto é o que você pensa.

— Eu sei. Já sinto seu desejo. O calor do seu corpo está chamando o meu.
Diga-me que você não sofre pelo meu toque?

Seus cachos se movimentaram freneticamente, com sua própria veemência.

Ele a encarou sério, então continuou empurrando.

— Diga-me que não deseja me sentir dentro de você, te dando prazer?

— É pecaminoso. Errado. — Ela sussurrou.

Pecados em sua mente, ainda assim o aroma pesado e almiscarado de sua


excitação aumentou.

— Não é errado se duas pessoas já estão destinadas a estarem juntas. E se há


uma coisa com a qual tenho certeza, é que você pertence a mim.

— Você está fazendo isso de novo. — Ela agarrou a cruz ao redor de seu
pescoço e recuou.

— Fazendo o que?

— Usando seus poderes do diabo para me fazer sucumbir. Eu não vou deixar
você fazer isso. Eu sei o que você é. — Antes que Remy pudesse responder ou,
ainda melhor, beijar os lábios que o provocavam, Jacques entrou na sala, um
biscoito em cada mão. Ele acenou, excitação iluminando seu rosto.
— Mama, ele tem um com cores, como Smarties3. — Um sorriso cruzou o
rosto de Remy ao ver o menino.

— Vejo que você encontrou meu esconderijo. Esses são meus cookies
favoritos. — Ele exclamou, caindo de joelhos para se colocar no nível de seu
filho.

Por um momento, Jacques olhou o par de cookies com saudade, depois


ofereceu um.

— Mamãe diz que dividir é bom. — Remy pegou o cookie e mordeu.

— Mmm, ela está certa, sabe. O que você me diz de dividirmos um pouco
de leite com chocolate e estes cookies?

— Sério? — Jacques lançou um olhar questionador para sua mãe. Ao acenar


com a cabeça, ele correu para a cozinha com um uivo digno de qualquer filhote.
O coração de Remy ficou apertado de felicidade. Meu filho.

— Vamos conversar novamente mais tarde. — Remy prometeu já seguindo


seu filho. E talvez um pouco de toques na pele. Porque apesar de sua promessa
a Mina de ir devagar, ele não tinha certeza se poderia se segurar tanto.

3 Pequenos confeitos de chocolates coloridos, como se fossem um arco-íris em pedacinhos, comercializados

dentro de tubinhos de papelão foram presença constante na infância de muitas gerações de crianças, especialmente
no continente europeu.
Mina observou com muito interesse o movimento do traseiro de Remy
enquanto ele caminhava atrás do filho deles. Ela pensou que se preparara no
caminho para o encontro. Pensou que poderia comportar-se de uma maneira
boa e civilizada. Errado! Um olhar para Remy, e ela desmaiou como uma
donzela medieval.

Acordando em seu colo, pensou que sonhava, e mesmo quando descobriu


que não, por um momento, ela se viu tentada a permanecer no círculo de seus
braços. Ah, o fogo que ele acendeu sem ter que levantar um único dedo ou
mesmo fazer uma única coisa. Aparentemente, a mera presença de Remy foi
suficiente para incendiar suas terminações nervosas.

Escapar de seu corpo quente não facilitou o calor que tocava o dela. Na
verdade, quanto mais ela olhava para ele e ouvia o rumor de sua voz, enquanto
ele discutia e a tentava, mais seu corpo queimou. O desejo pecaminoso a tinha
novamente apertado e, honestamente, apesar de saber o quão errado era sentir
esse jeito, ela ansiava mais.

Desejava Remy.

E se suas palavras fossem verdadeiras, ele ainda a queria, também. Me quer,


ou quer ter certeza de que ele tenha acesso ao nosso filho. Provavelmente
porque pensa em alguma crença arcaica de que sou sua companheira somente
porque ele me mordeu.

Ele tem tão boa aparência como se lembrava, talvez mais ainda... Mina não
conseguiu descobrir por que ele a queria. Além de Jacques, é claro. Ela não era
uma mulher linda com estilo. Droga, ela nem sequer usava maquiagem ou tinha
o corte de cabelo da última moda. Não era que se achasse atraente, ela talvez
fosse tão longe para dizer fofinha mesmo, mas para
alguém tão bonito como Remy, era definitivamente
é um pouco simples demais.
Não que sua aparência importasse. Ela não pretendia se envolver com Remy,
suposto companheiro ou não. Ela veio aqui para o bem de Jacques. Se ela
pudesse ficar focada nisso, então talvez pudesse lutar contra o fascínio de Remy.
Ou então ela rezava para isso.

Decidindo juntar-se ao filho e ao pai dele, ela seguiu o riso para uma cozinha
grande e brilhante. Jacques sentou-se empoleirado em um banquinho alto, mas
antes que ela pudesse entrar em pânico, pois ele poderia cair dado o quanto se
contorcia, ela percebeu que Remy mantinha uma mão nas costas dele, não
tocando demais, mas o suficiente para estabilizar, se necessário.

Mordendo o lábio, ela tentou não rir quando notou três gerações de machos,
a parte superior de seus lábios brilhando com umidade, usando bigodes
combinados com leite com chocolate. Lágrimas queimaram em seus olhos.

É o que Jacques estava perdendo. Não apenas companheirismo masculino,


ou seu pai, mas simplesmente pertencer. Família. Apesar de suas dúvidas, e seu
conflito sobre Remy, ela não podia negar a seu filho isso. Mas todos esses
homens que tinham esse gene Lycan em comum têm espaço para uma garota
branca ferrada cuja própria família não a amava? Só há uma maneira de
descobrir.

— Tem outro copo? — Ela perguntou com uma voz que tremia ligeiramente.
Imediatamente, eles abriram espaço para ela, atraindo-a para o círculo deles,
fazendo-a rir e sorrir e, o mais importante, sentindo como se ela voltasse para
casa.

Era uma sensação que desejava que nunca terminasse.

Mais tarde naquela noite ...

Acordou ao lado de Jacques na cama do quarto


de hóspedes, naquela hora tarde, acariciou o cabelo
de seu filho ao ler uma história para ele que pegou de sua bagagem. No entanto,
seu garoto continuou acordado, seu interesse, obviamente, não nas palhaçadas
de George o curioso.

— Quem é meu pai? — Ele deixou escapar sua pergunta, e Mina congelou.
Ela sempre soube que um dia ela teria que responder a essa pergunta específica,
só não pensou que seria tão cedo. Não hoje, não com tudo o que aconteceu nas
últimas horas, e não, enquanto a mente e o coração ainda giravam em
turbulência. Apesar de esperar a eventual consulta, a culpa a inundou, a culpa
porque ela havia procriado fora do casamento. Culpa porque ela deveria ter
tentado mais encontrar Remy. Culpa por ela ter se acovardado nesses últimos
anos em vez de dizer a ele a verdade antes.

— Por que você pergunta? — Ela foi pelo caminho covarde por mais um
momento.

— Jean tem um pai e Marie. Antoine, no entanto, só tem uma mãe como eu,
porque seu pai morreu. Eu tenho um pai?

— Claro, você tem um pai.

Ele pulou na cama e sentou-se de frente para ela, seus olhos azuis brilhavam.

— Meu pai pode ser Remy?

— Por que Remy? — O rosto de Jacques franziu enquanto pensava em uma


resposta.

— Eu gosto dele. Ele e Pierre, mas Remy não é tão velho. E ele cheira como
eu, mamãe. Cheira a mim e gosta de cookies de chocolate. Você sabia que ele
tem um caminhão, assim como o pai de Jimmy, exceto que ele é preto? E ele
também é marrom, assim como eu. — Jacques levantou o braço. — Nós
combinamos.

Sem palavras. Hora de dizer ou morrer. O que ela deveria dizer a ele? Ela
respirou fundo e tomou coragem.

— Bem, sortudo, Remy já é seu pai. Mamãe o


perdeu por um tempo, mas o encontrou de novo.
Isso não é maravilhoso? Ainda melhor, ele e seu avô
Pierre querem que fiquemos aqui para que possam te ver muito e muito. O que
você acha disso?

Alegria acendeu o seu semblante.

— Yay! — Imediatamente após o grito exuberante, a preocupação nublou


seus traços. — Você vai ficar também?

— Claro, bolinho4. Mamãe não vai a lugar algum sem você. Mas não
precisamos ficar se você não quiser. Também podemos encontrar o nosso
próprio lugar para viver, e você pode visita-los sempre que quiser.

Ele inclinou a cabeça.

— Eu quero viver com meu pai. Ele tem dos bons cookies, e ele disse que
vai me ensinar beisebol. E hóquei. Ele até disse que vai me comprar um bastão
de hóquei.

— Eu posso comprar um bastão.

— Você é uma menina. — Jacques bufou com a confiança arrogante de um


menino muito mais velho do que sua idade.

— Uma garota que ainda pode te fazer cócegas! — Advertiu Mina antes de
mergulhar nele com os dedos.

Gritos agudos e as risadas entraram em erupção, e a porta se abriu,


momentaneamente assustando ambos em silêncio. Remy ficou ali com o corpo
tenso.

— Desculpa. Não queria interromper. Eu pensei que estivessem com


problemas. Acho que estava enganado. Eu irei embora. — Mina podia ver o
anseio em seus olhos e não pode resistir.

4 Aqui ela chama ele de Muffin, que é basicamente um bolinho, é como um cupcake sem o glacê de cima.
— Fique. — Ela disse suavemente. — Eu preciso de ajuda para segurar esse
pequeno monstrinho para que eu possa fazer cócegas. — A alegria acendeu
instantaneamente as feições de Remy.

Jacques gritou enquanto se debruçava sobre ele, o sorriso ainda maior


quando seu pai se juntou à diversão. Remy pegou um pé para correr os dedos
sobre a sola enquanto seu filho gargalhou, não por toda a sua diversão, ela
suspeitava, desde que os toques eram leves, mas sim pelo momento
curiosamente íntimo.

O momento de ligação se aprofundou quando o par, com um único olhar


conspiratório masculino, a encurralou. Mina entrou em colapso com risadas
enquanto eles atacaram seus pontos fracos, Jacques traindo-a mostrando a seu
pai cada um de seus lugares sensíveis.

Depois de vários minutos de tortura, ela chorou, respirando fundo, colapsou


na cama. Jacques, muito satisfeito consigo mesmo e sem medo de mostrar com
um sorriso malicioso, aconchegado ao lado dela, e pareceu natural para Remy
requisitar o outro lado da cama.

A imagem familiar que apresentou apertou sua garganta, tornando sua voz
rouca, quando virou a cabeça para beijar seu filho e sussurrar a boa noite.

— Boa noite, bolinho. Te amo.

— Também te amo, Mama. — Jacques não tinha respondido mais cedo no


habitual ritual noturno e agora ele inclinou a cabeça para encarar seu pai. — Boa
noite, Dada5. Te amo.

A surpresa no rosto de Remy fez a bola em sua garganta engrossar.

Pausando apenas um segundo, Remy se inclinou e beijou a testa do filho.

5 Nota
da tradutora: Deixei assim por que ficou tão fofinho, deve ser uma forma abreviada ou infantil de dizer Dad
ou Daddy = pai, papai.
— Eu... — Ele engoliu em seco. — Eu também te amo. Boa noite, meu filho.
Eu vou te ver pela manhã. Podemos tomar café da manhã juntos.

— Eu gosto do Froot Loops®6. — Respondeu o pequeno malandro antes


de colocar o polegar na boca.

Afastando-se da cama, Mina não olhou para Remy quando ambos se


dirigiram para a porta. Ele a deixou sair antes, e ela apressou-se para sair, já
sentindo falta da companhia do seu menino.

Se ao menos pudesse olhar para o futuro e ver o que ele tinha. Todas as noites
se tornariam uma repetição desta com eles compartilhando risos como uma
família? Já podia ver que Jacques desejava a aprovação e o vínculo masculino
que apenas Remy poderia lhe dar. Isso a deixou feliz e triste.

Por causa de Jacques e suas necessidades, ela concordou em ficar com Remy
e seu pai, mesmo que ela planejasse integralmente ir a um motel apesar da oferta
de Pierre de um quarto. Tentou recusar as acomodações oferecidas depois do
jantar, mas Jacques e seu rosto abatido a fez mudar de ideia. Além disso, ela se
consolou, um motel teria custado mais do que poderia pagar. Ela ignorou sua
voz interior, que riu, mentirosa, você só quer uma chance de ficar perto de Remy
também.

Ela pensou em se esconder no quarto que lhe foi atribuído até a manhã ou
até se arrastar de volta para a cama com Jacques, usando-o como um escudo,
mas seria um ato de covardia. Ela se prometeu enfrentar seus medos, e isso
envolvia confrontar o homem que a trouxe até este ponto. Apesar das palavras
que eles trocaram anteriormente, ficou muito a se dizer. Decidir. Descobrir.

— Está tudo bem? — Remy perguntou, seu questionamento suave a


surpreendeu do devaneio.

6 São rosquinhas de cereal à base de milho, aveia e trigo, com sabor de frutas e fonte de vitaminas e minerais. As
crianças adoram a brincadeira de cores e sabores de Froot Loops®
— Estou bem. Apenas cansada, acho.

— Aconteceu muita coisa. Você pode ir para a cama se quiser.

— Você não quer conversar mais? Eu meio que te atrapalhei antes, mas acho
que não podemos evitá-lo para sempre.

Ele sorriu para ela, um sorriso tênue que derreteu seu interior.

— Podemos falar sobre o futuro quando estiver pronta, o que sinto que você
ainda não está. E, como você disse, precisamos de tempo para nos conhecer.
Por enquanto, é suficiente que você esteja aqui comigo. Que vocês dois estejam
protegidos.

Um tremor a atravessou.

— Pierre contou sobre esses bandidos? — Ele assentiu com a cabeça, seu
semblante escurecendo.

— Ele fez. Você não precisa se preocupar mais. Você e Jacques estão a salvos.

— Nós estamos mesmo? E se esses homens nos encontrarem?

— Eles não vão. — Ele prometeu, a veemência em seu tom surpreendendo-


a, mas não tanto quanto o fato de seus olhos começarem a brilhar daquele jeito
estranho que ela lembrou.

— Seus olhos. — Ela murmurou. — Ele piscou e virou a cabeça.

— Eu sinto muito. Costumo ter um melhor controle, mas a ideia de você e


Jacques em perigo faz com que meu lobo se mostre.

— Você realmente se transforma em a-a...

— Lobo? Sim, mas não é espontâneo, se é isso que você está preocupada. Eu
tendo deixar o meu lado peludo sair na lua cheia quando ele é mais forte e,
ocasionalmente, quando preciso correr e trabalhar com alguma camuflagem.

— Isso é tão estranho.

— E não estou falando mais sobre essas coisas


porque você ainda não está preparada. Então,
vamos mudar o assunto por enquanto. O que mais precisamos comprar além
do Froot Loops®?

— Oh, você não precisa comprar nada de especial. — Ela se apressou em


dizer. — Jacques vai comer o que tiver para o café da manhã. Ele realmente não
é tão exigente. — Isso não poderia estar no orçamento da mercearia que ela
tinha.

— Pare com isso.

— Parar com o que?

— Sendo tão malditamente acomodada. Eu quero que você me diga o que


quer. O que vocês dois querem.

Você. A palavra quase escorregou dos seus lábios, e com medo de que ainda
pudesse sair, ela girou em seus calcanhares e correu para descer as escadas,
esperando uma chance de recuperar a compostura. Remy a seguiu.

— Eu disse algo errado?

— Não, é só... — As palavras falharam enquanto ela tentava explicar como


sua simples oferta significava mais do que ele percebia. Há quanto tempo que
alguém tinha vindo em seu auxílio porque queria e não porque o governo os
pagasse para fazer um trabalho cuidando de mães solteiras de baixa renda ou
porque queriam algo em troca? Ela não conseguiu explicar, e, em vez disso,
lágrimas encheram seus olhos e transbordaram.

— Ah. Merda. Não, por favor, não chore. Porra. Eu sou um idiota.

Ela balançou a cabeça, mas não conseguiu falar. A vergonha de sua fraqueza
fez com que ela quisesse fugir. Mas ela não tinha força de vontade para deixá-
lo.

Um polegar áspero escovou a umidade em suas bochechas.

— Oh, baby, sinto muito por tudo. Eu vou fazer


isso por você, por ambos. Por favor, deixe que eu
faça.
Ela queria dizer que sim, OH, sim para sempre, mas o medo não iria deixá-
la. Ela não conseguiria lidar com o coração quebrado. E ela definitivamente não
permitiria que o coração de Jacques fosse quebrado.

Os braços fortes envolveram-na e a puxavam contra um peito que era tão


duro como ela lembrava. O perfume picante de sabão e o homem faziam
cócegas no nariz enquanto ela esfrega contra sua camisa limpa. Que idiota ela
devia parecer. Como ele poderia querê-la? Era mais como se ele tivesse pena
dela. Olhe para ela, soluçando por ele como um bebê chorão. Respirou
profundamente e estremeceu, desejando se acalmar.

— Me desculpe. — Ela murmurou.

— Pelo quê? Você levou uma vida difícil nos últimos anos, e é normal ter
que deixar escapar um pouco disso. E não estou ajudando as coisas sendo
insistente.

— Você não é insistente.

— Sim, eu sou, e é por isso que vou me afastar de você antes de te beijar até
ficarmos sem sentido. — Seus lábios se separaram de surpresa com suas
palavras. Por que diabos ele gostaria de beijá-la? Nariz cheio, os olhos
vermelhos e seu rosto inchado, ela tinha visto seu reflexo depois de uma festa
de piedade o suficiente para reconhecer que qualquer atração que poderia ter
possuído, desapareceu. Ela olhou para ele, seu peito ainda respirando forte.

Ele olhou para ela com olhos brilhantes e, pela primeira vez, percebeu o quão
bonito eles eram. As luzes douradas manchavam o escuro e adornavam-se com
cílios grossos pecaminosos. Como eu poderia compará-lo com um demônio?
Mais como um anjo tentador.

Um grunhido retumbou dele.

— Vamos.

— Onde? — Seu quarto? O rumo de seus pensamentos a envergonhou, mas


ela não conseguiu parar a emoção de formigamento.

— A mercearia, onde eu poderei ter uma chance


de manter minhas mãos para mim.
— Oh... — A resposta a exultou e a desapontou. — E quanto a Jacques?

— Meu pai está aqui. Ele vai manter um ouvido atento para ele, e confie em
mim, ele tem bons ouvidos. Eu nunca consegui escorregar furtivamente quando
era jovem, não importa o quão quieto eu fosse.

Como se ouvir seu nome o conjurasse, Pierre apareceu na cozinha.

— Podem ir. Seu filho ficará bem. Eu tenho o número de celular de Remy se
precisar de você.

— Obrigada. — Ela seguiu Remy quando ele se virou para sair da casa,
parando apenas na porta por um momento para colocar os sapatos.

Lá fora, dirigiram-se direto para uma grande caminhonete. Remy abriu a


porta e ela subiu no lado do passageiro para descobrir apenas um longo banco
assento.

Seria tão fácil deslizar sobre e...

Fazer nada. Eles não eram um casal, nem um dia aqui e já não podia segurar
os pensamentos pecaminosos. Embora o meu caminho para a tentação me deu
o meu maior presente.

Esse tipo de pensamento a levou à loucura. Ela se encolheu do lado do


assento, apertou as mãos no colo, recitando uma oração internamente, o que
não fez nada para diminuir sua consciência de Remy nos limites da cabine. Ela
tentou olhar pela janela, mas seu olhar se afastou para sua mão no câmbio. Sua
mão grande, forte e capaz. Um arrepio passou por ela quando as visões eróticas
do que aquelas mãos podiam fazer preencheram sua mente.

Mais uma vez, ela ouviu seu grunhido suave e levantou um olhar assustado
para encontrar o dele. — Você sabe o que faz comigo quando me olha assim?
— Ela balançou a cabeça.

Ele suspirou.

— Eu estava com medo disso. Você é inocente


de muitas maneiras, baby.
— Não sou inocente. Tive um filho fora do casamento.

— E eu aposto que você nunca esteve com outro homem desde então.

Uma parte dela queria dizer, Sim, eu estive com dezenas, só para provar que
ele estava errado, mas a sanidade a fez dizer a verdade.

— Não. Você foi o único. Não é que eu não pudesse ter procurado. — Ela
apressou-se a dizer. — É só que eu tinha Jacques para pensar, então eu não
queria apenas pular em um relacionamento.

— Você pertence a mim. — As palavras foram quase cuspidas, ele enunciou


cada um de forma distinta. — Eu sinto muito. Isso soou muito homem das
cavernas.

Não, pareceu certo. Ela não respondeu.

— Eu acho que precisamos mudar o assunto, porque o pensamento de você


com outro homem está fazendo com que eu e meu lobo fiquemos um pouco
loucos.

— Por quê? — Certamente, ele não estava admitindo ciúmes?

— Você é uma mulher sexy, Mina Leblanc. — Eu? Sexy? Ela não conseguiu
evitar que seus lábios se curvassem para um sorriso satisfeito.

— Obrigada. Você não é muito ruim. — Seu sorriso se alargou com seu
desgosto fingido.

— Não sou muito ruim? Você me feriu, baby. — Ela riu.

— Eu duvido. Acho que você tem mais ego do que suficiente para se
recuperar.

— Eu não sei. Talvez precise de algo para me convencer.

— E o que aconteceu com o ir devagar?

— Eu estou indo ou então você já estaria no meu


colo ajudando-me a abrir as janelas.
— Ohh... — Ela ofegou a sílaba enquanto imaginava, desejava mesmo.

Ele gemeu.

— Porra, isso vai ser mais difícil do que eu pensava. Pare de parecer tão
malditamente deliciosa.

Mina não falou uma palavra, mas não conseguiu evitar o prazer de aquecê-la
com seus olhares e palavras.

Remy gemeu novamente.

— Foda. Desculpe. Acho que preciso melhorar minhas palavras agora se eu


for mostrar que sou o homem certo em sua vida e se desejo ser um bom
exemplo para nosso filho.

— Não me importo. Acredite, já ouvimos pior.

— Você pode não se importar, mas eu sim.

O caminho para a loja terminou em silêncio. Remy deslizou a caminhonete


para uma vaga no estacionamento e antes dela terminar de desfazer o cinto de
segurança, ele parou de pé na sua porta pronto para ajudá-la. Mãos em sua
cintura, ele a baixou no chão, fazendo-a tomar consciência de cada centímetro
de seu corpo.

— Obrigada.

— O prazer é meu. — Ele limpou a garganta. — Vamos comprar alguma


comida para que possamos passar o resto desta semana em casa para nos
conhecer. — A promessa em suas palavras apenas aumentou o calor de seu
corpo, um calor que ameaçou queimar suas roupas fora de seu corpo quando
ele apertou sua mão na dele enquanto entraram na loja.

Quase dez e trinta da noite e o lugar parecia desprovido de pessoas, apenas


um caixa solitário levantou a cabeça para olhar para eles enquanto lia uma
revista. Remy soltou a mão dela para pegar um
carrinho.

— Tudo bem, querida, eu vou empurrar e você


joga o que achar que seja bom para o carrinho.
— E se eu quiser caviar ou lagosta? — Ela perguntou, tentando quebrar seu
feitiço sedutor quando ela se lembrou de não se apaixonar por seu encanto
irresistível.

— Pegue-os, mas não esqueça os biscoitos salgados para o primeiro e a


manteiga para o segundo. — Ele sorriu para o seu resmungo.

— Eu acho que vou ficar com as carnes mais básicas. — Ela jogou um pacote
de costeleta de porco no carrinho, juntamente com a carne moída que estava na
promoção. Ela poderia fazer várias refeições para todos com isso, se ela fosse
cuidadosa.

Ela foi se afastar, mas notou que Remy não seguiu. Ele balançou a cabeça e
começou a jogar mais carne: um assado grande, um presunto ainda maior, bifes
e não o tipo barato e magro. Seus olhos se arregalaram.

— Isso é muita carne.

— Os carnívoros gostam de carne, baby. — Ele piscou, e ela viu shows de


televisão suficientes para entender o que ele quis dizer. Ela corou e abaixou a
cabeça.

— Entendo. E os vegetais? — Ela pediu para mudar a direção de seus


pensamentos.

— Quanto mais melhor.

E assim foram suas compras, como costumava fazer, com moderação,


enquanto ele jogava item após item depois dos dela. Quando se tratou de cereais
ele não só pegou Froot Loops®, ele pegou alguns Cap'n Crunch®7 e
Honeycomb®8 também. Quanto aos biscoitos, ela nem conseguia imaginar a

7
8Os biscoitos honeycomb são docinhos deliciosos feitos com água, mel, xarope de milho, bicarbonato de sódio e
açúcar.
pressão do açúcar que seu filho sofreria se tentasse provar um de cada caixa que
Remy insistiu que pegassem.

A comida não foi a única coisa que Remy comprou. Ele pegou um vidro de
espuma de banho caro e explicou ao ver seu olhar questionador.

— Porque as mamães também precisam relaxar uma hora. — Um banho de


banheira sozinha? Ela nunca gostou desse privilégio mesmo quando morava
numa casa. Quanto a hoje, ela tendia a dar um pequeno mergulho na banheira
sempre que conseguia.

Enquanto carregavam as sacolas para a caminhonete, na carroceria com uma


cobertura de lona, ela não pode se segurar ao comparar sua experiência de
compra hoje com a lista cuidadosamente detalhada que precisava se estender
para tantas refeições quanto possível. Mais notável que a quantidade e a
qualidade dos alimentos, no entanto, era a companhia. Ela nunca teria
caracterizado o simples ato de fazer compras como um momento íntimo, mas
Remy conseguiu isso. Por seus simples toques em sua cintura, sua mão e o braço
aos seus sorrisos misturados com olhares ardentes, ele tornou algo mundano
em algo sexy. Isso ou ela perdeu completamente a cabeça e estava vendo coisas
que não existiam. Ou como sua mãe diria, cortejando o pecado.

Será verdadeiramente pecaminoso, porém, querer passar um tempo com o


pai de seu filho? Querer uma vida familiar normal? Amor . . . ?

Ele não questionou seu silêncio pensativo no caminho de volta, mas pegou a
mão dela e colocou-a debaixo da dele no câmbio. Atire nela por ser a idiota mais
lamentável do mundo, mas ela gostou.

Uma vez de volta para a casa, ele a enxotou para dentro da casa e disse-lhe
para começar a desembalar as sacolas enquanto ele as trazia do carro. Perplexa,
principalmente porque ela não tinha a menor ideia de onde tudo ficava, ela fez
o possível, abrindo armários para explorar. Pierre entrou enquanto ela olhava
para a despensa procurando um lugar para guardar as muitas caixas de cereais
que Remy comprou.

— Como foi? — Perguntou, encaixando a caixa.


— Jacques não acordou?
— Não. Dormiu como um bebê. Eu estava pensando, no entanto, você se
importaria se eu levasse o menino comigo para trabalhar amanhã e mostrá-lo
tudo?

Sua pergunta a surpreendeu.

— Mas as pessoas não acharão estranho que de repente você apareça com
ele?

Os lábios de Pierre apertaram em uma linha teimosa que ela estava


começando a se acostumar.

— Não vou esconder meu neto em um armário.

— O que você vai dizer?

Pierre deu de ombros.

— Isso não é da maldita conta deles.

— Onde você trabalha?

— Eu sou o xerife do condado. — Seu anúncio a assustou.

— Sério? E você dirige um carro com luzes brilhantes e sirenes? — Isso fez
Pierre parecer assustador.

— Por quê? — Remy respondeu quando entrou com as últimas sacolas.

— Porque seu neto ficará muito impressionado se o seu avô os ligar e dirigir
um pouco rápido demais, como se estivesse perseguindo bandidos malvados.

Um sorriso se espalhou pelo rosto de Pierre.

— Eu acho que isso pode ser arranjado.

— Mas só depois de tomar café da manhã com meu filho e levá-lo para
comprar o bastão de hóquei que prometi. Vou te ligar quando ele estiver pronto
para que você o pegue no cruzador.

O calor envolveu Mina no sorriso radiante no


rosto de Pierre, seu evidente orgulho e alegria ao
passar um tempo com seu neto era uma coisa bonita de ver, especialmente após
a rejeição de seus pais.

— É melhor ir polir meu crachá. — Anunciou Pierre antes de deixá-los em


paz.

Remy ficou de pé na frente dela.

— Uh-oh, por que a cara triste?

— Hmm. Desculpa. Eu estava pensando sobre o quanto seu pai é diferente


do meu.

— Em que sentido? — Remy perguntou casualmente enquanto guardava as


coisas para as quais ela não achou um lugar.

— Bem, por um lado, ele não chamou Jacques de filho do diabo enquanto
exige que eu o exorcize. — Remy tossiu, um som que se transformou em um
estrangulamento.

— O que? Eu ouvi certo? — Ela suspirou.

— Meus pais são muito religiosos. Na verdade, isso faz com que eles pareçam
normais quando na verdade são fanáticos.

— Você mencionou que eles não lidaram bem com a notícia de sua gravidez.

— Aparentemente eu era algo como a prostituta da Babilônia. — Ela tentou


responder com um sorriso brilhante. A dor ainda permanecia no fundo de sua
reação. Ela pensou, uma vez que o bebê nasceu, que talvez tivesse um pequeno
sinal de perdão, se não fosse por ela, pelo menos pelo seu neto. Eles olharam
para sua pele escura e viraram-se. Os nomes que eles chamaram seu precioso
anjo...

Mina nunca mais falou com eles.

— Embora não fosse um dos meus momentos brilhantes, não havia nada de
errado com o que fizemos. — Disse ele calmamente.
Ele apareceu atrás dela enquanto ela meditava e
colocou as mãos nos seus ombros.
— Uma parte de mim sabe disso, mas vinte anos de doutrinação religiosa
torna difícil aceitar.

— Você ainda reza?

— Todos os dias. — Admitiu. — Embora por um tempo, não pensei que


Deus se incomodasse em ouvir.

— O que a fez mudar de ideia? — As mãos nos ombros massagearam seus


músculos tensos, e ela não conseguiu evitar que sua cabeça inclinasse aliviada
pelo prazer que ele trazia.

— O nascimento do nosso filho. Eu o segurei em meus braços e olhei em


seus olhos e soube que esse ser tão lindo não poderia existir sem a benção do
Senhor.

Remy virou-a para que ela o encarasse. Um fulgor de ouro em seus olhos a
cativou.

— Somos todos filhos de Deus. — Ele respondeu. — Humano ou Lycan.

— Você acredita em Deus?

— Sim, e eu sei que ele nos ama, não importa como nascemos. — Ele se
inclinou e passou os lábios sobre os dela, uma carícia fugaz que roubou sua
respiração. Novamente, ele a provocou com um leve toque de sua boca, e ela
tremia, desejando mais, mas ao mesmo tempo temendo isso.

Ele se afastou dela, o fogo queimando nos olhos agora, um fulgor cheio de
calor.

— Boa noite, Mina. — Tocando os dedos nos lábios formigando, ela fugiu
antes que implorasse para que ele terminasse o que começou. Pedir-lhe que a
conduzisse pelo caminho da tentação e do prazer, novamente.
Depois de deixar Mina, uma tarefa mais difícil do que o esperado, quando
tudo nele o incitava a segui-la, ele decidiu ligar para Dean. Ele tinha ficado para
trás para ver se o problema voltaria, Dean atualmente estava de olho no
apartamento onde Mina havia morado.

Seu melhor amigo desde a segunda série, respondeu no segundo toque.

— Sentiu saudades de mim? — Dean o provocou.

— Como um cachorro sente falta de sua calda. Como está indo na cidade
grande?

— Está muito quieto. Tudo que as pessoas fazem por aqui é ir ao trabalho e
voltar para casa. O lugar é deprimente.

— Nenhum sinal de que esses bandidos voltaram ou alguém que se encaixe


na descrição?

— Nada. Nada. Embora, se eu tiver sorte, possa acabar morto. De tédio. —


Remy riu.

— Pobre cara. Eu quase sinto muito por você. E quanto ao bando da área?
Eles foram capazes de lançar alguma luz sobre os sequestradores? Identificar se
eles eram locais ou externos?

— Com ninguém deixado para questionar e nem uma única testemunha que
admita algo, eles não têm nada para continuar. Dei-lhes uma descrição da van e
dos idiotas, mas o veículo apareceu abandonado, foi roubado apenas algumas
horas antes do ataque de acordo com relatórios da polícia. Quanto aos homens,
ninguém reconhece a descrição. Uma coisa é certa, apesar de eles não serem
militares, eles pareciam bem treinados.

Um alívio parcial, porque a última coisa que o


bando precisava era o governo ou alguma outra
agência militar os caçando. Mas, ao mesmo tempo, era preocupante. Militar ou
não, as mãos contratadas significavam que alguém lá fora especificamente visava
Mina e seu filho. A questão era: eles continuariam procurando por outra
tentativa? Ou eles haviam sumido a tempo para que quem os caçasse perdesse
o interesse?

Até que ele soubesse a resposta a essa pergunta, um olhar bem próximo em
sua nova família não faria mal.

— Então, quanto tempo você quer que eu fique aqui? — Perguntou Dean.

— Pelo menos alguns dias. Precisamos ter certeza de que você não será
seguido quando o retirarmos.

— Ela não vai voltar, vai? Quero dizer, não porque não haja nada de errado
com este lugar que uma reforma não consertaria. Mas o lugar é um maldito
buraco.

Ótimo. Apenas o que Remy precisava ouvir, mais evidências de como ele
havia falhado com sua mulher.

— Ela não vai voltar. — Mesmo que ela ainda não soubesse.

— Você quer que eu embale algumas de suas coisas? Você sabe, fotos e livros
e toda essa merda.

— Se você não se importar e se puder fazê-lo sem levantar suspeita. Não


queremos atrair nenhuma atenção.

— Duh. Então, como foi? Seu garoto parece ser bastante animado. Ele será
um perturbador quando crescer, assim como seu velho. — Um sorriso se
formou em seus lábios.

— Jacques é um verdadeiro filhote de lobo. Sabe, nunca pensei muito antes


sobre a paternidade, mas devo dizer, apenas algumas horas com ele e é viciante.
Eu simplesmente sinto por ter perdido tanto tempo. — Havia tantas coisas
sobre o filho que ele queria aprender e ensinar.

— E sua mãe? Ela é linda.


— Ela é minha. — Remy não pôde deixar de rosnar a reivindicação
possessiva. — Dean riu.

— Haha. Eu vejo que você ainda está tão quente por ela agora quanto esteve
alguns anos atrás. Ela sente o mesmo?

— Sim e não. Ela está interessada, mas alegando que não.

— Bem, o que você esperava? — Que ela se atirasse nele sem hesitação e
aceitá-lo como seu companheiro. Tão irreal, é claro, especialmente devido a sua
entrada intensa no mundo Lycan. Ainda assim, apesar de terem passado poucas
horas juntos, os anos que ele passou sonhando com ela fizeram com que ele
sentisse que a conhecia desde sempre.

Ele e Dean falaram um pouco mais antes de desligar. Com a hora já avançada,
ele se dirigiu para a cama, mas não conseguiu escapar das perguntas e emoções
que o atormentavam. Sono evitou Remy. Como ele podia dormir quando tudo
o que podia pensar era em Mina? Fechar seus olhos apenas fez sua imagem
parecer mais acentuada em sua mente e lembrou o quanto ele havia perdido nos
últimos anos. Quando ele acordou naquela manhã, vivendo a vida no piloto
automático, ele nunca esperou encontrar sua companheira novamente e
certamente nunca teria imaginado seu filho. Agora que ambos estavam aqui,
prontos para dar-lhe uma chance, ele não queria foder nada. Não como ele tinha
feito no passado.

Não era de admirar que seus pensamentos girassem em círculos selvagens.


Que de repente ele se sentia vivo pela primeira vez no que parecia uma
eternidade. A esperança floresceu e se espalhou, um incêndio de otimismo de
um futuro já não tão sombrio. Ou solitário.

Mas ele precisava prosseguir com cautela, especialmente em relação a Mina.


Frágil de coração, se forte em espírito, mostrou a dor que tinha sofrido
claramente em seu rosto. O que ele não daria para apagar essas linhas, para
aliviar sua preocupação. Não precisava ser um gênio para ver o quanto ela
desejava confiar e ainda temia. Isso o machucou de
uma maneira que não podia suportar. Ele queria
segurá-la em seus braços, prometer-lhe o mundo,
mas sabia que levaria tempo antes dela acreditar nele. Antes de colocar sua fé
nele.

Isso aconteceria, no entanto. Se houvesse uma coisa que Remy poderia


declarar com certeza, era que ele nunca mais deixaria Mina novamente.

E isso foi triplicado para seu filho, razão número dois para seu estado de
insônia. Ele não podia esperar para passar o tempo com o menino e ensinar-lhe
as coisas que seu pai lhe ensinou: hóquei, pescaria, escalar árvores, atravessar a
floresta sob uma lua cheia. Mijar seu nome na neve. Cuspir sem sujar a si
mesmo. Ele queria compartilhar mais cookies com seu filho e ver aquele sorriso
brilhante e ouvir suas perguntas. Ele queria mostrá-lo para toda a cidade, o
inferno, o mundo inteiro, e gritar: — Este é meu filho! Meu filho. Que
maravilhoso sentimento de orgulho era.

Alguns dias atrás, ele nunca teria imaginado a profundidade da emoção que
um filho criaria. Uma pequena pessoa carregando alguns de seus genes. Um
filhote para continuar a tradição do bando. Sua responsabilidade.

E alguém queria prejudicá-lo.

Quem ousou atacar seu filho e companheira? O instinto de proteção cresceu


em sua cabeça, uma necessidade violenta de manter a família segura de quem os
prejudicaria.

Lembrar-se do ataque, um ataque que ele deveria ter evitado, fez sua besta
resmungar com descontentamento. Deixe-os tentar prejudicar sua família
novamente. Deixe-os entrar em seu mundo e tentar. Ele rasgaria membro por
membro deles, os perseguiria e iria fazê-los chorar por suas mães. Ele os
ensinaria a não olhar para seu filho e para sua companheira novamente. Ele
estimularia sua versão de proteção e justiça. E ele gostou disso.

Com dois motivos para viver de novo, não permitiria nada tirá-los dele.
Nunca.
No início da manhã seguinte, a porta de seu quarto abriu-se e Remy acordou
instantaneamente. Ele não moveu um músculo, porém, uma inalação foi tudo
o que precisou para saber quem se deslizava em pés silenciosos em seu espaço.
Ele não conseguiu evitar um grunhido, no entanto, quando cerca de dezoito
quilos de excitação pularam no seu peito, por pouco não acertando as joias da
família9. Merda, foi perto. Os joelhos pontiagudos cavaram em seu estômago.

Ele bocejou, mas manteve os olhos fechados enquanto fingia sonolência.

— Quem está aí? — Uma risada foi a resposta.

Fingiu roncar e ganhou outro riso alto, o som mais doce do mundo. Com
uma tempestade de membros que não eram exatamente cuidadosos com os
equipamentos frágeis de um pai, reforçando ainda mais sua crença de que talvez
ele devesse usar uma proteção de agora em diante, um corpo quente rastejou
sob os lençóis e se aconchegou perto.

O coração de Remy quase parou. Lentamente, como se estivesse com um


animal nervoso, ele esticou o braço para abraçar o corpo rígido de seu filho, que
soltou um rumor contente. Droga, ele precisava fazer algo sobre todo o pó na
casa. Estavam incomodando seus olhos um pouco nas últimas vinte e quatro
horas.

Em uma voz mais grossa do que o esperado, ele murmurou.

— Bom dia, pequeno rapaz.

— Dia, Dada. — Sim. Ele correria para a loja de ferragens e compraria um


novo filtro para o forno logo após o café da manhã, ele prometeu, piscando
seus olhos ardendo. Talvez contratar uma empregada doméstica também, para
conseguir acabar com toda essa poeira incômoda nos cantos. Ele não queria que
seu filho confundisse a falta de ar limpo com lágrimas não humanas.

9 Pelo que entendi como ‘joias da família’ foram suas preciosas bolas... kkk
— O que você está fazendo? — Além de dar a ele a melhor surpresa matinal
de todos os tempos.

— Nada. Mama ainda está dormindo.

— Isso é bom. Ela estava muito cansada ontem à noite.

— Uh-hunh. — Jacques murmurou em acordo e ficou em silêncio,


aconchegado em seu lado.

O momento da paz não durou por muito tempo. Sua porta abriu o resto do
caminho. Tropeçando, uma Mina desgrenhada, os olhos arregalados de pânico
e os cabelos selvagens.

— Remy! Venha rápido. Jacques não está em sua cama. Nós temos que
encontrá-lo!

Seu filho levantou a cabeça com um sorriso enorme.

— Aqui estou, mãe. — Ela apertou uma mão em seu peito, mas Remy notou
o alívio em seus olhos.

— Malcriado, bolinho. Você deu a Mama um susto. — Jacques riu.

— Você estava dormindo, então vim ver Dada.

— E ele estava dormindo? — Ela perguntou severamente.

— Não. — Jacques disse isso com a expressão inocente de um anjo que não
era bom. Remy murmurou um sorriso.

— Me desculpe. — Ela pediu, seu olhar desgostoso encontrou o dele. Os


lábios de Remy se contraíram.

— Por quê? Eu sou um madrugador. Embora, se você quiser se juntar a nós


para se aconchegar, provavelmente posso ser persuadido há ficar um pouco
mais na cama. — Ele deu um tapinha no colchão ao seu lado e sorriu mais
quando suas bochechas ficaram brilhantes de cor-de-
rosa.
— Eu acho que vou buscar um café. — Ela balbuciou. Ela se virou para sair,
seu longo robe escondendo-a do pescoço aos pés.

— Eu vou me juntar a você. — Ele rolou da cama, seu peito nu, enquanto
sua metade inferior pulava na calça solta. Ele a colocou em deferência a Mina,
no caso, dela vir buscá-lo. Por fim, ele ficou feliz que a colocou, dado o visitante
da manhã.

Mina girou em suas palavras, mas ele não pegou sua expressão até que se
virou, Jacques balançando no ombro dele rindo. Remy estufou seu peito para
fora mais do que um pavão quando pegou seus olhos vidrados olhando com
atenção em sua pele nua. Pelo menos ele sabia que ela ainda o achava atraente.

— Devemos comer? — Ele disse, contente pelo fato de seu filho estar
pendurado em suas costas agora, onde ele não conseguiria ver a tenda que ele
tinha para uma Mina agora sem fala. Ela engoliu em seco, respirou fundo e se
moveu, quase correndo à frente deles descendo as escadas. Remy tomou o seu
tempo, saltando o filho em seu ombro, deixando sua presença inocente resfriar
seu ardor, como um banho frio.

O dia estava começando muito bem e só poderia melhorar. Tendo tirado um


tempo no trabalho para gastar com sua nova companheira e filho, Remy
desfrutou um café da manhã descontraído, regalando-os com histórias de sua
infância, histórias que seu pai acrescentou. O riso encheu a cozinha, e a
facilidade com que Mina e Jacques se encaixaram fez seu coração aquecer.

Tornar-se um pai durante a noite poderia ter sido uma surpresa, mas olhando
para o semblante sorridente de seu filho, Remy poderia dizer honestamente que
nunca receberia um presente melhor. E dane-se tudo, se ele não queria mostrar
seu filho para todos.

Então ele fez. Esquecendo que deixou seu pai levá-lo para trabalhar. Remy
queria o filho dele sozinho. Seu pai poderia mostrar-lhe outro dia. Estou
passando o dia com meu filho e companheira.

Transferindo o assento elevado para criança do


veículo de seu pai para o meio do assento da
caminhonete - um veículo que ele teria que trocar
por algo um pouco mais orientado para a família, como um SUV, porque de
jeito nenhum ele estava dirigindo uma minivan. Ele empurrou sua companheira
e filho para a cabine para uma viagem até a cidade. Primeira parada, o Wal-Mart
local. Considerando que Mina e Jacques tinham chegado com apenas as roupas
em seu corpo e não muito mais, ele achava que apreciariam a chance de comprar
itens. Era o que as mulheres adoravam, ou então percebeu ao longo dos anos.

Escolha errada. Ele havia julgado mal o alcance do orgulho de sua


companheira. Fazer Mina concordar em deixá-lo gastar seu dinheiro em coisas
para ela e seu filho provou ser mais complicado do que o esperado.

Quando Jacques avançou, atravessando os racks de roupas, ela enfrentou


Remy.

— Eu não posso deixar você fazer isso. — Seus lábios puxaram em uma linha
teimosa e seus braços cruzaram sobre os seios, ela balançou a cabeça quando
ele parou pela primeira vez na seção da mulher e disse-lhe para pegar qualquer
coisa que tivesse vontade.

— Por que não? É a loja? Nós podemos ir para algum lugar mais agradável.
Há algumas boutiques no centro da cidade com algumas coisas boas para
senhoras.

— Eu não preciso de outra loja. Não preciso de nada.

— Discordo. Eu vi a pequena mala que você trouxe. De jeito nenhum há


bastante lá para passar mais do que alguns dias, se isso. Se você ficar um pouco
mais, então precisa de mais roupas, baby.

— Então vou voltar para o meu apartamento e pegar algumas. Eu não estou
deixando você comprar coisas para mim. Não quero sua caridade.

— Não é caridade.

— Se eu não estiver pagando, então é. — Ela respondeu.

— Então me pague mais tarde quando tiver uma


chance. — Não que ele planejasse fazê-la ir
trabalhar. O salário de Remy era mais que suficiente
para cobrir suas despesas.
Seu argumento não a influenciou. Ela balançou a cabeça.

— Não.

Grrr. Ele queria grunhir com sua teimosia. Se ela se recusasse a comprar algo
agora, então, tudo bem. Ele acabaria levando algumas coisas mais tarde e
entregaria em casa. O pensamento de comprar sua lingerie sexy mais do que o
agradou.

— Você não quer nada, então essa é a sua escolha, mas eu, pelo menos, posso
comprar algumas coisas para o nosso filho? Tenho quatro anos de pensão para
compensar. — Aha, deixe-a argumentar sobre isso. A dor e o desgosto
imediatamente sombrearam sua expressão, e ele se sentiu como o coração mais
tolo do mundo.

— Ah, merda, baby. Não era para sair do jeito que isso pareceu.

— Como o quê? A verdade? A verdade é que você perdeu a infância de


Jacques porque não tentei te encontrar. — Quando ele vai parar de dar
mancada?

— Você nunca me encontraria. — Remy suspirou e agarrou sua mão quando


ela não olhou para ele nos olhos. — Escute-me. Não importa o quanto você
tentasse, você não teria ido longe. A faculdade sempre teve uma caixa postal,
que nunca renovamos quando tive que abandonar. Por causa de quem e o que
somos, sempre tomamos precauções e cobrimos nossas pegadas para que, no
caso de um incidente ocorra, não há nada para levar alguém ao bando.

— Ainda assim, no entanto...

— Nada disso. Eu sou o único que falhou com minhas ações e embriaguez.
Eu sou o único que deveria pedir desculpas. Deixe-me começar pela única
maneira que sei como. Gastando um pouco do meu dinheiro. Estive guardando
isso por um tempo agora.

— Não é o seu dinheiro que ele precisa.

— Eu sei, querida, e pretendo dar a ele todas as


coisas de pai que ele perdeu, não há dúvida disso.
Mas não há nada de errado em começar com algumas roupas.

— Ele não precisa... — Ele não a deixou terminar. Mostrando seu orgulho.
Remy também tinha direitos.

— Caramba, Mina, sou seu pai. Se eu quiser comprar cuecas do Superman,


jeans e vestir-nos em camisas xadrez, eu vou. Então lide com isso. — Perdendo
um pouco de sua paciência, ele se encolheu e se preparou para lutar contra a
dureza dela ou uma bofetada por sua explosão. Em vez disso, ela o surpreendeu
com uma risada triste.

— Bem. Você ganhou. Mas combinar camisas? Não é um pouco extremo?


No entanto, eu adoraria ver. — Ela lançou lhe um sorriso de desculpas. Ele
pegou o ramo de oliveira que ela ofereceu e, assim que Jacques voltou para eles,
franziu a testa.

— Por que vocês estão brigando? — Ele perguntou, enfiando a mão na de


sua mãe.

— Não estamos brigando, bolinho. — Ela respondeu. — Nós estávamos


apenas... Um... — Remy veio em seu socorro.

— Decidindo sobre qual super-herói é o melhor. Eu digo que Wolverine é o


mais legal.

Ela jogou junto.

— Oh, por favor. Superman totalmente chuta sua bunda. — Jacques riu e,
com a seriedade que uma criança consegue, afirmou.

— Hulk é o melhor.

Eles haviam resistido a sua primeira escaramuça, e enquanto Remy não podia
reivindicar uma vitória total, ele sentiu que tinha pelo menos ganhado algum
terreno. Depois disso, levou um pouco de busca, mas no final, encontrou
camisas correspondentes para ele e seu garoto, bem como algumas outras coisas
que o pequeno precisava. Embora Mina
estremecesse com o total final dos itens que ele
insistiu para comprarem para o filho deles, ela
deixou que ele pagasse por isso. Em sua opinião, foi
uma pequena briga ganha e valeu a pena e ela riu quando Jacques e Remy saíram
do vestiário do Wal-Mart usando camisas do Star Wars ™.

— O que aconteceu com o xadrez? — Perguntou entre risadas enquanto


Jacques balançava seu sabre de luz imaginário.

— Tempo errado do ano. Nunca tenha medo, porém, está chegando, e se


você for uma boa garota, também terá uma camisa correspondente.

— Desista do pensamento. — Ela enrugou o nariz, mas ele podia dizer que
a ideia deles se vestirem como uma família não a repeliu. Ele gostava ainda mais
do fato dela não se afastar quando enfiou os dedos nos dela. De fato, ela segurou
sua mão quando eles saíram da loja para a caminhonete enquanto Jacques
apertava a outra mão de Remy, tagarelando uma milha por minuto.

Embora pudessem ter parado para comer no McDonald's dentro da loja,


Remy decidiu em vez disso levá-los ao restaurante local, um ponto de encontro
para muitos dos Lycans na cidade. Assim que ele entrou com sua nova família,
toda conversa parou, e o sorriso alegre de Mina desapareceu de seus lábios
enquanto todos os olhos se dirigiam na direção deles. Remy franziu a testa
enquanto tentava ver o motivo da súbita mudança dela. Sim, chamaram atenção,
todos os recém-chegados eram assim, e dado o boato sobre sua súbita sorte,
eles estavam recebendo mais do que sua parcela justa. O que Remy não
entendia, porém, foi por que ela se encolheu no canto do estande, fazendo-se
parecer pequena e apertando Jacques ao seu lado.

— Algo está errado?

— Não. — Sua resposta curta não o agradou, mas antes que ele pudesse
questioná-la ainda mais, Patrícia chegou para tomar seu pedido.

— Remy! Nós estávamos falando sobre você.

— Isso não pode ser bom.

— Oh, nada de ruim. — Ela piscou e fez uma bola com seu chiclete. Patrícia
deu um sorriso brilhante ao menino e à Mina. —
Este deve ser o neto que Pierre tem se vangloriado.
Sob o escrutínio curioso da garçonete, Mina encolheu ainda mais.

— Patrícia, eu gostaria que você conhecesse meu filho, Jacques e sua linda
mãe, Mina. — Incerto de como ela reagiria se ele a anunciasse como sua
companheira, Remy optou por algo um pouco menos possessivo e esperava que
ele não tivesse fodido tudo.

Mina murmurou.

— Olá. — Atrás de seu menu. Jacques, no entanto, animou-se.

— Oi. Este é o meu Dada. Ele me comprou uma camisa do Star Wars ™,
veja? — Desabotoando o casaco, seu filho empurrou o pescoço fino e mostrou
com orgulho seu desenho. Remy se juntou a ele, e Patrícia riu.

— Você é muito sortudo.

— Eu sou. Vivemos com Dada agora. Eu e a Mama. Ele vai me ensinar


hóquei.

— Vocês todos compartilham a casa de seu pai, hein?

— Por enquanto.

A pequena conversa durou um momento mais antes de Remy fazer seu


pedido de costume e Mina pediu para Jacques em um sussurro. Jacques,
sentindo o humor de sua mãe, se acalmou e se enfiou no lado dela.

Que infernos? O silêncio durou durante todo o almoço e pareceu aprofundar


à medida que as pessoas pararam na mesa para admirar e conhecer sua nova
família. Não foi até que eles saíram do restaurante que a tensão se aliviou.

Mas o Remy estava preocupado. Ele queria respostas para o seu


comportamento, e queria que elas agora.
Assim que chegaram ao parque do outro lado da rua do restaurante, Jacques
disparou correndo com um grito exuberante e Mina relaxou. Percebendo que
deveria ter mantido a guarda, porque Remy escolheu esse momento para atacar.

— Se importaria de me dizer o que aconteceu no restaurante? — Ele


perguntou enquanto se sentava no banco do parque ao lado dela.

— O que você quer dizer?

— Quero dizer, toda a tentativa de fingir que você não existia e não falar uma
palavra o tempo todo que estivemos lá.

— Eu falei. — Ele bufou.

— Mal. Você está com vergonha de ser vista comigo?

— O quê? Não. Claro que não. — Seu olhar assustado encontrou o seu sério.

— Então o que aconteceu? Por que você ficou de repente muda e parecia
que alguém roubou seu último cookie?

— Eu-uh. — Como explicar que ela não queria constrangê-lo. Que ela temia
as reações das pessoas quando viram que ele tinha gerado uma criança com uma
garota branca. E por causa de uma relação sexual de uma noite para começar.
Ela passou quatro anos ouvindo a crueldade dos outros, então ela tinha prática.
Remy, por outro lado, não.

— Mina... — Ele rosnou em um tom baixo. Ela não podia deixar de tremer.

— Eu sinto muito. Não queria incomodar, nem envergonhar você. — Ela


manteve seu olhar treinado em seu filho, que correu do escorregador para a
caixa de areia.

— Embaraçar? Agora você me deixou completamente perdido. Quero saber


por que você parecia tão chateada. Você não gostou do restaurante? Eu fiz ou
disse alguma coisa? Alguém mais?

— Você não fez nada de errado. É só... — Ela


suspirou. — Você tem certeza de que está pronto
para anunciar ao mundo que você teve uma criança
fora do casamento comigo.
— Por que eu não estaria? As pessoas têm filhos o tempo todo, com ou sem
anel. Se você está preocupada que alguém vai dizer algo sobre isso, então não
fique. Eles não se atreveriam.

Mais uma vez ela estremeceu com o tom, o que implicava claramente que
levaria alguém que a insultasse em algum lugar privado e ensinaria alguns bons
modos.

— É mais do que isso.

— Baby, você vai explicar isso para mim, porque ainda não estou
conseguindo entender.

Obviamente, e ele aparentemente não deixaria de falar sobre o


comportamento dela até que lhe desse uma explicação melhor. Mina respirou
profundamente e expressou seu medo.

— Não tenho certeza se é diferente aqui, mas na cidade, a cor da pele ainda
é importante, especialmente se você é mãe solteira. As mulheres brancas com
filhos de etnia mista tendem a ser tratadas de certa maneira. Como se tivéssemos
feito algo errado ou sujo. — Oh, as coisas desagradáveis que ela tinha ouvido
ao longo dos anos, tão vil até para ela mesma pensar. — Estou acostumada com
os insultos. Jacques, porém, ele ainda tem dificuldade.

A mandíbula de Remy ficou tensa.

— Entendo. Alguém disse algo quando entramos?

— Não, mas nós dois ouvimos quão silencioso ficou. Eu os vi olhando


fixamente. — Julgando. Notando seu pecado e condenando-a.

— Eles olharam porque estavam curiosos, amor. Nada mais. Eu posso te


garantir, ninguém vai dizer nada desagradável enquanto estou por perto.

— E quando você não estiver? — Ela finalmente o encarou. — Você não


sabe o quão cruel podem ser as pessoas. Eles me veem e a Jacques, veem nossa
diferença na cor da pele e não pensam nada sobre os
insultos que jogam em mim. Não pensam nada
sobre a dor que eles estão causando.
Os braços a envolveram, e ela não pôde evitar que as lágrimas se juntassem
em seus olhos enquanto ele a abraçava.

— Shhh, baby. Isso está tudo no passado agora. Eu sei que não posso apagar
o que esses idiotas disseram, mas posso prometer que as coisas serão diferentes.
As pessoas nesta cidade, as pessoas com quem cresci, não vão tratar você ou
nosso filho como cidadãos de segunda classe. Você não terá que aguentar mais
essas coisas.

— Você não pode prometer isso.

— Claro que posso. Lycans já tem que aguentar muita merda em nossas vidas.
Não precisamos de racismo para acrescentar mais coisas.

Mina fungou.

— Você tem uma resposta para tudo.

— Sim, meu pai sempre disse que eu era um idiota inteligente.

Uma risada aquosa escapou dela.

— O que você fez com a minha mama? — Uh-oh. Mina ergueu um rosto
úmido com lágrimas para ver Jacques eriçado diante deles, os punhos apertados
e os olhos brilhantes.

— Está tudo bem, bolinho. — Ela apressou-se a tranquilizar.

— Você está chorando.

— Sua mãe estava apenas me contando uma história triste, grande cara. Não
se preocupe. Mas bom você é muito bom por notar. Você é um bom protetor.

— Não, eu não sou. Não pude salvá-la dos homens maus. — Jacques disse
tenso ao se referir sobre o incidente que os trouxe para Remy.

— Mas você tentou. Isso é o que é importante.

— E se eles voltarem? — Perguntou Jacques, sua


expressão tão preocupada que seu coração doía.
Então o de Remy também, aparentemente, porque ele pegou seu filho e o
abraçou.

— Você não está mais sozinho, grande cara. Dada vai estar por perto para
manter você e sua mãe a salvo, assim como seu avô e muitos amigos e familiares
novos. Vamos chutar a b... — Ele parou antes de terminar a palavra. —
Qualquer um que tente ferir você ou sua mãe. Eu prometo.

— E você vai me ensinar a lutar?

— Não. — Foi sua resposta automática, enquanto Remy emergiu como um


— Sim.

Remy encontrou seu olhar sobre os cachos revoltos de seu filho.

— Sim, vou ensinar você a se defender, mas apenas se você me prometer.

— Prometer o quê?

— Usar o que eu mostrar apenas para o bem e não o mal. Esse é o caminho
para ser um Jedi.

— E eu sou um cavaleiro Jedi! — Jacques saltou no colo de seu pai com um


grito, sua juventude e otimismo levando para longe rapidamente as sombras.

Agora, se Mina pudesse fazer o mesmo. Embora, com toda a honestidade,


sentada com Remy no banco do parque, a mão entrelaçada com a dela, a cabeça
no ombro, as pessoas passageiras passando dando sorrisos e malditamente
alegres, podia admitir que talvez o que Remy prometeu poderia se tornar
realidade.

Talvez ela pudesse viver uma vida onde a cor não importava e onde seu filho
não tinha que temer se podia sair em público, com a cabeça erguida. E se as
pessoas não gostassem, ela usaria o exemplo de Remy sobre força e confiança.
Ignore-os se eles não gostarem disso. Eu amo meu filho, não importa a cor dele.
Quanto ao seu pai? Se ela não fosse cuidadosa, também se apaixonaria por ele.

— Então, qual é o plano para o resto da tarde?


— Perguntou Mina quando Jacques finalmente se
cansou de lutar contra os Stormtroopers10 imaginário.

— Eu acho que é hora de registrarmos alguém na escola. — respondeu


Remy.

— Aah. Nós temos que ir? — Jacques fez uma careta. — Eu não gosto da
escola.

— Você não gosta? — Remy agarrou seu peito e ficou horrorizado. — Por
que não?

Seu filho franziu o cenho.

— As crianças são más.

— Como assim? — Dirigindo um olhar para ele, Jacques encolheu os ombros


e seu coração apertou. Ela sabia. Crueldade, palavrões e bullying não tinham
uma idade, uma lição que ela desejava que Jacques não tivesse que aprender.

— Eu vejo. — Respondeu Remy com uma voz forte e irritada. Mina olhou
para ele, mas Remy não olhou para ela. Em vez disso, se agachou na frente do
filho. — Sua mãe e eu estávamos falando sobre isso na verdade. E eu vou te
dizer o mesmo que disse a ela. Você não precisa se preocupar com quem já te
chamou de nomes feios. A escola que estou levando tem muitas pessoas
diferentes, algumas com pele marrom como você e eu, algumas brancas. Mas
há uma coisa que eu garanto que você não irá encontrar, e isso é racismo. Você
sabe o que significa essa palavra?

Jacques acenou com a cabeça.

— Menino inteligente. Nós não toleramos isso, de ninguém.

10 Stormtroopers foram tropas de assalto do Império Galáctico. Cidadãos contrários ao regime os chamavam de

cabeças de balde, um apelido pejorativo inspirado nos capacetes dos stormtroopers.


— Mas e se alguém não ouvir? E se eles me chamarem da palavra com N?
— Jacques baixou a voz quando falou.

— Então você me diz ou ao seu avô. Nós cuidaremos disso.

— A violência não é a resposta. — Mina interveio quando seu filho e seu pai
trocaram olhares sombrios que prometeram uma vingança violenta.

— Não há nada de errado com um menino se levantando em defesa própria.


— Remy não estava de acordo.

— Sim. — Jacques falou. — Hmm, ela não contava com isso acontecendo
tão cedo.

— Eu não aprovo o uso da força.

— Nem nós, mas em alguns casos, falar não funciona. É quando um bom
golpe é útil, desde que tal seja garantido e não vá longe demais. Isso significa
não usar nosso lobo contra aqueles que não têm um.

Os olhos de Jacques ficaram largos.

— Lobo? Você sabe sobre o da minha cabeça? Aquele que quer sair?

A respiração de Mina parou com as palavras de seu filho. Por que ele nunca
mencionou essa presença canina antes?

Remy assentiu.

— Sim. Esse mesmo. Eu também tenho um.

— Você tem? — O nariz de Jacques enrugou. — Mas eles podem realmente


sair?

— Sim. Eu vou lhe mostrar, mas não hoje. Neste momento, precisamos levá-
lo para fazer a matrícula no jardim de infância.

Mais fácil falar do que fazer.

— Eu não tenho sua certidão de nascimento ou


nada comigo. — Ela sussurrou enquanto Remy os
levava para a escola primária local.
— Ele não precisa disso aqui. Na verdade, por segurança, não estaremos
solicitando seus antigos registros escolares apenas no caso de alguém estar
observando isso.

— Você acha que quem veio atrás de nós ainda podem voltar?

— Eu não sei, mas sei que não vou dar-lhes uma chance. Quanto menos
trilha deixarmos, melhor.

Mina não pensou que a escola concordaria. Eles geralmente queriam todos
os tipos de documentos para se inscreverem, mas para sua surpresa, a
recepcionista, depois de se encantar com Remy de uma forma que Mina odiou
totalmente, fez-lhes uma série de perguntas. Nome da mãe. Do pai. Endereço.
Mina apenas corou um pouco quando Remy afirmou que todos moravam na
casa de seu pai.

Não é pecado. Não é pecado. Não estamos vivendo em pecado. Ela lembrou
isso repetidamente. E então, ela quase morreu de vergonha quando a secretária
pediu o nome completo de seu filho.

— Jacques.

— Último nome?

— Leblanc. — Mina disse automaticamente assim que Remy pronunciou. —


Garoux.

O silêncio morto reinou repentinamente no escritório até Mina falar.

— Desculpe. Nunca lhe dei seu sobrenome. Quando ele nasceu, eu não sabia
se o veria de novo e não sabia o seu sobrenome e...

— Baby. — Ele segurou seu rosto, ignorando o ávido olhar da secretária. —


Você pode parar de se desculpar? Claro que você o chamou de Leblanc. Eu não
estava pensando.

E nem ela, aparentemente, o que a envergonhou


ainda mais quando percebeu o quanto a secretária
estava interessada na conversa. Bem, se as pessoas
não suspeitavam antes, então eles sabiam agora
sobre o seu pecado ou, assim que a loira alegre conseguisse que o rumor
fervesse. Ótimo.

— Então, o que fazemos agora? — Perguntou ela.

— Ele estava registrado como Leblanc antes? — Perguntou a secretária.

Mina assentiu.

— Se você está preocupado em não deixar uma trilha, então pode querer
pensar em dar-lhe o sobrenome de Remy, ou pelo menos dividir com o seu.
Dessa forma, qualquer pessoa que esteja procurando por você não pode indagar
se pesquisar registros escolares.

— Eu não tinha pensado nisso. — Seu rosto deve ter escurecido porque os
olhos da loira se arregalaram e ela ficou horrorizada.

— Eu sinto muito. Não queria assustar você ou nada, é apenas um padrão


quando alguém novo entra na cidade e estamos procurando apagar as pistas.
Nós fazemos uma ligeira mudança de nome e camuflamos os registros um
pouco apenas para manter qualquer curioso longe de fazer a conexão.

— Conexão?

— Toda a coisa dos Lycans.

— Você sabe?

— Claro. Meu pai é um. Praticamente todos na cidade estão relacionados a


alguém que é um Lycan. Nós gostamos desse jeito. Facilita manter nosso
segredo.

Isso a fez girar a cabeça. Cansada, Mina sentou-se enquanto Remy cuidava
do resto, incluindo a apresentação de Jacques para sua nova professora, que
depois o levou a uma turnê pela escola. Quando Mina fez menção de seguir, ela
acenou de volta para a cadeira.

— Ele ficará bem. Parece que você poderia usar


um momento para se recompor.
Isso era notável? Quando Mina pensou que tinha um controle sobre esse
novo mundo em que se encontrava, uma nova bola curva veio em sua direção
e a derrubou. Quando Remy continuou insinuando que estavam seguros e que
ninguém descobriria seu segredo, ela pensou que era porque o tinha escondido
muito bem. Para então descobrir que ela estava realmente cercada por outros
de sua espécie, e suas mulheres que não eram humanas, mas não supostamente
peludas, bem, isso levou as coisas a um nível completamente novo.

Sozinha na área da recepção com Remy, ela expressou isso em voz alta.

— Como pode existir toda uma cidade de lobisomens sem que as pessoas
saibam?

— Os seres humanos só veem o que querem. No nosso caso, parecemos uma


cidade pequena clássica. As pessoas raramente se mudam, então as casas não
aparecem frequentemente no mercado de imóveis, o que significa que não nos
preocupamos com estranhos. E tenha em mente que nem todos aqui têm o
gene. Apenas os homens podem herdá-lo, mas entre as taxas de natalidade e do
gene, por vezes, pulam uma ou duas gerações, enquanto nós podemos parecer
um grande grupo, na realidade, apenas dezenas entre as centenas que vivem aqui
pode realmente mudar.

Como simples ele soava quando falava disso. Dezenas de lobisomens em vez
de centenas. O número a chocou, especialmente desde que ela ainda não tinha
chegado ao fato de que eles sequer existiam.

Ela teve pouco tempo para pensar sobre isso, porque Jacques voltou saltando
e conversando animadamente sobre a sala de aula e o trepa-trepa lá fora que ele
queria brincar no recreio.

Mas ela não podia deixar de remoer a situação Lycan uma vez que Jacques
foi para a cama e ela se viu sozinha com Remy no sofá. Pierre tinha saído para
seu encontro semanal de pôquer com os meninos, o que significava que mais
ou menos tinham o lugar para si. Por alguma razão, isso a deixava nervosa.

Remy sentiu isso.

— O que te deixou tão nervosa?


— Eu sou tão óbvia?

— Sim.

Ainda bem que ela não jogava cartas.

— Você diz que Jacques é um Lycan, que ele recebeu isso de você. Presumo
que Pierre é um também?

— Papai não é apenas um lobo, ele é realmente o lobo alfa do nosso bando.
Todos os grupos Lycan tem um. Ele é o único que mantém a lei e a ordem entre
nós. Quem garante que obedeceremos às leis não escritas que regem a nossa
espécie e que faz com que o nosso segredo permaneça seguro.

— Vocês têm leis?

— É tipo isso. Elas mais ou menos se resumem a uma coisa, que é não deixar
que os seres humanos saibam que nós existimos.

— Mas eles sabem. Mais ou menos. Quero dizer, olhe todos os filmes e livros
sobre lobisomens. Falando nisso, quais partes são verdadeiras? Você é alérgico
a balas de prata?

— Balas machucam, não importa o material utilizado. Podemos curar mais


rápido, mas nós não somos imortais. Nós envelhecemos um pouco mais lento
do que os humanos. Resistimos a doenças e curamos mais rápido, mas fora uma
propensão para comer a carne mais vermelha, somos quase a mesma coisa.

— Exceto pelo fato de seus olhos brilharem no escuro e você supostamente


se tornar peludo.

— Você esqueceu a parte dos grandes dentes, também.

Mina franziu o nariz.

— Você percebe o quão louco isso tudo soa?

— Louco, mas é verdade. Eu vou mostrar-lhe,


mas meu pai odeia quando solto pelo na casa.
Entope o ralo.
O riso saltou dela antes de poder parar. Remy se juntou a ela, seus olhos
enrugando nos cantos.

— Como você pode ser tão casual sobre isso? — Perguntou ela quando
parou o seu riso.

Ele encolheu os ombros.

— Porque esta é a minha vida. Você verá. Nós somos o mesmo que qualquer
outra pessoa, bem, não exatamente. Somos, obviamente, melhores. — Gabou-
se. — Mas de uma forma boa.

— Você sabe que eu pensei que era louca por um tempo. Que tinha
imaginado seus olhos brilhando naquela noite. Então Jacques nasceu, e eu ainda
me lembro da primeira vez que seus olhos mudaram. Ele tinha apenas cerca de
seis meses de idade, e tinha acabado de aprender a engatinhar. Ele queria alguma
coisa, acho que foi o controle remoto da televisão, e eu tomei dele. Oh, ele teve
um acesso de raiva.

— Deve ter sido um show de luzes, não é? Eu acho que isso deixaria qualquer
um de fora louco.

Ela assentiu.

— Não apenas isso, mas ele rosnou para mim, e não em sua voz habitual. Eu
sabia então que havia algo diferente nele. Só não imaginava o quão diferente.

— Será que isso mudou a forma como você se sente sobre ele?

— Mudar? — Ela parecia assustada. — Claro que não. Eu amo Jacques.


Mesmo quando pensei que você fosse o diabo, nunca mudou a forma como eu
me sentia sobre meu filho.

— Diabo, hein?

Calor subiu para seu rosto.

— Bem, você tem que admitir, dada a minha


educação religiosa e dada a forma como você agiu,
era uma suposição válida.
Ele estremeceu.

— Sim. E já mencionei hoje como estou arrependido sobre isso?

— Apenas uma centena de vezes.

— Ok, então apenas falta mais um bilhão para acabar.

— Pare de se desculpar. O que está no passado está no passado. Precisamos


seguir em frente.

— Falando em frente, eu queria sua permissão para deixar o meu amigo Dean
providenciar para que suas coisas no apartamento sejam arrumadas e
encaminhadas para cá.

— Tirar de lá? Mas trazer para onde? Eu não tenho um trabalho ainda, ou
um lugar para ficar. Ou... — Ela parou quando Remy começou a sacudir a
cabeça.

— Eu te disse, você pode ficar aqui o tempo que quiser. Ou, se você quiser,
podemos procurar por um lugar só nosso. Quanto a trabalhar, faça uma
pequena pausa. Você trabalhou duro o suficiente nos últimos anos. Deixe-se
relaxar. Dê-me uma chance para mimá-la.

— Estou mais relaxada do que já estive na vida. — Isso a surpreendeu ao


perceber que era verdade. Mesmo com o estresse de lidar com suas emoções
sobre Remy, podia admitir que nunca tivesse sido mais feliz. E ela devia mais
desse sentimento ao homem sentado a poucos passos de distância. Talvez
polegadas. Ele se aproximava cada vez mais perto enquanto eles conversaram.

— Estou feliz em ouvir isso. Este é apenas o começo, baby.

Antes que ela pudesse perguntar o começo do que, ele fechou a distância
restante entre eles e sua mão segurou a parte de trás de sua cabeça.

— O que você está fazendo? — Ela perguntou em um murmúrio.

— Cedendo ao desejo que tive durante todo o dia.

— Qual é?
— De beijar você.

— Oh. — Oh, certamente. Ele não lhe deu a chance de pensar sobre suas
palavras, ao invés disso agiu sobre eles, sua boca inclinando sobre a dela em um
abraço carinhoso. Suave, sensual, e ainda, ao mesmo tempo elétrico e ardente,
o simples toque da boca dele contra a dela despertou todos os seus sentidos.

Para frente e para trás, ele deslizou seus lábios enquanto ela estremeceu de
desejo, querendo mais, mas temendo por isso. Ele não empurrou. Não levou
mais longe do que um simples beijo.

Quando ele se afastou, sua respiração dura, ela gemeu, seus lábios doloridos
com a perda. Seu corpo ansiando por mais.

— Vá dormir, baby. Logo, antes de eu fazer algo precipitado como levá-la


aqui e agora. A menos que você queira. — Olhos brilhantes encontraram os
dela, e por um momento quase disse sim. Quase.

Mas ela tinha se entregado ao prazer antes. Deixou o pecado ditar suas ações.
Ela poderia se dar ao luxo de ser tão imprudente de novo?

Ela saiu da sala, mas não podia escapar do calor percorrendo seu corpo ou o
arrependimento. De joelhos ao lado de sua cama, rezou para ter força.
Segurando a cruz com força, pediu orientação, mas Deus não respondeu.

O que devo fazer? Ceder ao pecado ou... O quê? Punir ambos? Ela sabia a
resposta do que seu corpo queria. A parte engraçada foi que isso combinava
com seu coração.
No dia seguinte, ela acordou cedo e foi até a cozinha para fazer café da
manhã. Passou a noite revirando, tentando decidir o que fazer a seguir. Até
inventou listas em sua cabeça. Engraçado, como a lista de prós ao se deixar levar
pesava fortemente a seu favor. Não ajudou quando ele entrou na cozinha, sem
camisa, e imediatamente lhe lançou um sorriso de um milhão de watts.

Sim, ela ficou boquiaberta, de queixo caído e praticamente babando. Uma


parte de Mina entendeu que ela agia como uma tola - ou uma mulher com
luxúria. Como poderia se ajudar quando Remy exibia seu corpo meio nu, seu
peito de tom cacau ondulando com músculos e pele lisa, tão suave que queria
correr as mãos...

Pare! Ela teve que parar isso agora.

As boas garotas não desejavam homens meio vestidos. Mesmo sexys. Claro,
ela perdeu seu status de boa garota anos atrás, então por que exatamente ela
estava tão empenhada em combater o fascínio sobre Remy? Ele já havia
declarado que a queria na vida dele e na cama. Então, o que a impedia?

Risadas precedeu a entrada de Pierre e Jacques, já os melhores amigos, apesar


da diferença na idade. Um olhar para o filho dela, e ela viu o principal motivo
de sua hesitação. No entanto, mais do que apenas Jacques seguro, o medo
também voltou, um medo por si mesma. Porque eu não sei se posso lidar com
Remy novamente. Um breve encontro há anos, inesquecível, e ele a arruinou
para todos os outros.

Talvez se ela tivesse conseguido sair no ínterim, encontrado alguém que a


fizesse sentir um pouco de atração, então sua presença não teria atingido tão
forte. Mas ninguém a afetou como ele faz. Duvidava que qualquer outra pessoa
pudesse. Tão perto dele, o destinatário de suas
palavras e toques provocantes, suas promessas, ela
se sentiu ofuscada. Sem sequer tentar, Remy
quebrou a parede que ela construiu em torno de
suas emoções e coração. Apesar de seu medo, ele já havia conquistado uma
parte dela. Isso ao mesmo tempo era emocionante enquanto a aterrorizava. Se
ela se permitisse confiar, como poderia sobreviver se a visse por quem ela era:
uma mulher insegura e com muita bagagem? E se ele decidisse que não gostava
de quem era e fosse embora?

Mas quanto tempo mais posso viver uma vida com medo? Estou cansada de
ficar sozinha. A solidão era ruim. Certamente, ela devia felicitar-se em um
ponto. Sim, dar a Remy uma chance a fazia correr um risco, mas todos tinham
de mergulhar eventualmente. Com amor e felicidade, nunca havia garantias. A
verdadeira pergunta era, ela ousaria?

— Mama, me dá um pouco de Froot Loops®. — Chamada por seu filho,


Mina afastou-se de seus pensamentos. Agora, não era hora nem lugar para
refletir sobre suas inseguranças. Ignorando a pequena voz gritando dentro de
si, que ela cortejava o diabo - a voz que parecia suspeita como a do pai que ela
nem gostava - aproveitou seu café da manhã. Como não poderia com o riso
correndo solto ao redor?

Que diferença de como ela cresceu, onde a hora das refeições geralmente
acabava com um caso silencioso enquanto seu pai abordava as injustiças e os
pecados do mundo. Não é assim, aqui. Remy mostrou-se divertido, mostrando
a Jacques onde as coisas estavam na cozinha, erguendo-o e balançando-o para
buscar todas as tigelas, suas mãos guiando as miniaturas enquanto derramavam
cereais e leite. Rindo da bagunça em vez de gritar. Dizendo piadas enquanto eles
comiam, cada uma mais tola que a anterior. Mina riu tanto quanto Jacques, com
tanta força que as bochechas doíam.

Esse poderia ser o resto de sua vida? Parecia bom demais para ser verdade.
E muito tentador.

Depois que os pratos foram lavados e a mesa desfeita, enviou um sorriso para
Jacques antes de ele ir se vestir. Quando ela os seguiu para a caminhonete, Remy
agarrou seu braço.

— Não. Você fica aqui. Comprar bastão de


hóquei é para meninos. — Ele sorriu e piscou
quando disse isso, para deixá-la entender a verdadeira razão de suas palavras.

Seu filho já desenhou as linhas entre os deveres da mãe e seu novo pai, tanto
lhe agradou quanto a entristeceu. — Entendo. Acho que estou ficando para
atrás. O que posso fazer para ajudar? Aspirar o pó talvez ou lavar alguma roupa?

— Você pode relaxar o seu corpo delicioso, encher a banheira com água
quente e bolhas, depois mergulhar. Eu não quero que você saia até ser uma
ameixa enrugada.

Sua boca arredondou em um O de surpresa.

— Mas é de manhã.

— E?

E as mães, especialmente as solteiras, não tomavam banhos longos e quentes


quando sempre havia algo a ser feito.

— Parece tão preguiçoso.

— Exatamente. É hora de aprender a relaxar. Tenho Jacques comigo.

Ela roeu o lábio inferior.

— Eu não sei. Ele pode ser muito para aguentar.

— Eu consigo. — Remy piscou e ela deixou cair os olhos, não era uma boa
ideia, pensava enquanto olhava para suas mãos. O calor correu para suas
bochechas, e Remy riu.

— Vá e faça algo por você mesma, para uma mudança.

Parecia grosseiro continuar discutindo, especialmente quando a ideia era


celestial. Jacques era seu filho. Ela teve que acreditar em Remy quando ele disse
que nunca deixaria que nada acontecesse com ele. Um sorriso curvou seus
lábios.

— Obrigada. Isso parece divino.

Na verdade, além do divino, era abençoado. Se


embeber na água quente, sem se preocupar com a
forma como pagaria o aluguel ou como esticaria a última caixa do jantar Kraft,
relaxou pela primeira vez em anos. A água morna acariciou sua pele, os vapores
agradavelmente perfumados incentivando-a a fechar os olhos enquanto se
banhava. Até cochilou um pouco, acordando de repente para notar que a água
começou a ficar fria, e com a sensação de que ela não estava sozinha. Ela
suspirou, seus braços cruzaram automaticamente o peito.

Espreitando os cílios úmidos, ela viu Remy de pé na entrada do banheiro, sua


expressão arrebatada, o brilho familiar iluminando seus olhos. Ela ofegou, e seu
foco aumentou em seu rosto em vez de partes mais ao sul.

— Me desculpe. — Ele murmurou, sua voz grossa. — Cheguei em casa e


você não respondeu, então pensei que deveria verificar você.

— Eu adormeci. — Ela admitiu timidamente.

— Você seguiu meu conselho então. — Ele respondeu. — Boa garota.


Provavelmente eu deveria sair. — Ele não se moveu.

Um arrepio passou por ela e Mina lambeu os lábios.

— Eu deveria sair. — Nenhum músculo se contraiu. Como se estivessem


congelados, eles permaneceram com os olhos fechados, o ar carregado de uma
estática sensual que endureceu seus mamilos, felizmente escondidos por seus
braços cruzados.

A visão dele e seu estado relaxado se mostrou difícil pensar, mas manteve o
suficiente de sua inteligência para perguntar.

— Onde está Jacques?

— Com meu pai. E não voltarão por horas.

A implicação não poderia ter sido mais clara.

Remy se ajoelhou ao lado da banheira e alcançou o lado, nunca quebrando o


olhar preso ao dela e segurou uma toalha. Mantendo-
a aberta, acenou silenciosamente.

Ela hesitou.
É muito cedo.

Já demorou muito.

Eu preciso de mais tempo.

É inevitável, então por que lutar contra isso?

Mina argumentou consigo mesma, sabendo que se ela tomasse sua mão,
estaria dizendo sim para o que brilhava em seus olhos. Se ela se levantasse da
água, uma Vênus nua e úmida, ela o convidaria a fazer o que sonhara. Remy
faria seu corpo cantar, e não haveria volta. Sem mais fingimentos. Sem nada
mais a esconder.

Ela ficou de pé, a água caindo pelo corpo, autoconsciente e suas bochechas
rosa, mas e se mantinha firme. Deixe-o ver o que ele estava recebendo, estrias
de sua gravidez, barriga arredondada e peitos não tão firmes. Deixe-o rejeitá-la
agora se ele não a querer. Sentia-se como a mais descarada das putas.

— Você é tão bonita. — Ele sussurrou enquanto se levantava. A tensão se


afastou dela. Ela ergueu os braços enquanto a envolvia na toalha, mas antes que
pudesse sair da banheira, ele a levantou contra seu peito. Por um momento, a
segurou firmemente, a batida rápida de seu coração contra sua bochecha. Ela
fechou os olhos e ouviu isso, sentindo a proximidade.

Ele esfregou a ponta do maxilar sobre seus cabelos. Lábios macios beijaram
sua têmpora, e uma mão subiu para inclinar o queixo antes de tocar sua
bochecha. Ela encontrou seu olhar suavemente brilhante. — Eu sinto muito,
querida. Sei que prometi que iria devagar e te cortejaria como você merece, mas
não consigo pensar quando você está por perto.

Ela ergueu uma mão e correu por sua bochecha eriçada.

— Eu conheço o sentimento.

— Eu vou fazer isso com você. — Ele prometeu. Antes que ela pudesse
dizer-lhe que ele já tinha feito, ele esmagou sua boca
contra a dela.
Oh, doce pecado. Um fogo a atravessou. Ou era uma onda da praia,
embriagando seus sentidos, esmagando-a com a necessidade. E fome. Ela tinha
fome de mais de seu toque. Queria aproveitar o prazer pecaminoso que tentou
negar por tanto tempo.

Ela agarrou o cabelo de Remy, devorando sua boca freneticamente e gemeu.


Temia fazer algo errado e puxou para trás.

— Me desculpe, eu machuquei você?

Ele rosnou.

— Você sabe quanto tempo sonhei em segurá-la assim? Beijando você.


Tocando. A única maneira de me machucar agora é se você me disser para parar.

— Eu não quero que você pare. — Ela também não queria que ele a deixasse
ir. Apesar de quase não se conhecerem, havia um vínculo entre eles, uma
conexão que não podia negar, uma conexão que ela queria explorar. Queria que
ele cuidasse dela, cuidasse de seu filho, amá-la, mesmo que lhe faltasse à
coragem de olhar para ele nos olhos para dizer as palavras.

Ele a beijou de novo, um abraço mais gentil, mas ainda agitou as chamas de
sua excitação. Ela abriu a boca no mesmo instante, tentativamente tocando sua
língua na dele. Com seu gemido, ficou mais ousada e fechou os dentes
suavemente na língua dele. Oh, meu, como ele a beijou então. Mina perdeu todo
o senso de tudo envolta, seu mundo se estreitando para apenas Remy. Doce
Remy.

Tecido tocou suas costas quando ele a abaixou para um colchão. Dele? Dela?
Não importava. Nada importava no momento, mas o prazer invadindo todos
os seus sentidos. Ele quebrou o beijo, deixando os lábios inchados e perdidos.
Mas quando ela abriu os olhos para ver o porquê, o viu tirando a camisa do seu
tronco.

Que obra de arte. Grandes ombros, músculos magros que levavam a uma
cintura estreita, sua carne de cor de cacau a tentava.
Ela levantou as mãos e apenas hesitou um
momento antes de colocar as palmas das mãos na
sua pele. Suave ao toque, mas ela podia sentir a
dureza embaixo, os músculos tonificados pelo trabalho. Deslizou as mãos
enquanto ele se curvava para baixo até que as pontas de seus mamilos tocassem
seu peito. Ele abaixou a cabeça para retomar seu beijo, e ela envolveu seus
braços ao redor de seus ombros para que seus dedos pudessem atravessar seus
cabelos grossos. Crespos e muito mais curtos do que quando se conheceram, a
textura dele a fascinou.

— Muito longo? — Ele murmurou contra sua boca.

— Na verdade, meio que gostei da juba selvagem que você tinha na


faculdade. — Ela respondeu.

— Então eu vou deixar crescer. — As palavras foram esquecidas quando seu


abraço apertou ainda mais. Suas mãos percorreram sua pele, as partes que ele
podia tocar. Ele deslizou por seu corpo, sentindo falta da boca, mas não
protestou quando ele arrastou seus lábios pelo pescoço dela.

O lampejo de sua língua contra um mamilo fez suas costas arquearem na


cama. Ele usou seu corpo para segurá-la, suas mãos agarrando as dela e
prendendo-as antes que ele mais uma vez acariciasse a ponta dura do mamilo.
Ela sentiu o prazer disso irradiar até a sua fenda. E quando ele sugou o seio em
sua boca, seus dentes aplicando pressão, ela esfregou seu montículo contra ele,
despreocupada e amando isso.

A dor exigia satisfação, mas Mina não sabia como pedir. O que pedir. Ela
gemeu. Engasgou. Girou os quadris, procurando alívio, mas em vez de cobrir
seu corpo com o dele, Remy desceu cada vez mais.

— O que você está fazendo? — Ela conseguiu explodir, suas últimas palavras
coerentes antes de sua língua circular seu clitóris e enviar-lhe em uma espiral
através de um túnel de felicidade tão pura, ela via o céu.

Boas intenções e promessas de levar de ir


lentamente foram pela janela no momento em que
Remy viu Mina nua na banheira. Ele não podia resistir a sua pele branca e
sedosa. Não podia resistir à chance de tocá-la. Beijá-la. Marcá-la para o mundo.
Amarrá-la nele de qualquer maneira que pudesse. Porque não posso perdê-la
novamente.

Oh, como ela superou todas as suas fantasias mais loucas. Doçura, inocência
e perfeição em uma mulher. Festejar-se na boca o deixou selvagem. Acariciar
seus seios perfeitos se provou uma tortura dolorosa. Mas sentir que ela gozou
em sua língua quando ele colocou a boca em seu sexo, seu grito de bem-
aventurança, um som tão puro que quase o fez gozar. Ele precisava fazer parte
disso. Precisava se fundir com ela.

À medida que seu prazer a tomava, ele se colocou sobre seu corpo entre suas
pernas e empurrou seu pênis no canal apertado, as paredes aveludadas de seu
sexo espasmódico agarrando-se firmemente. Querido Deus. Tão acolhedor.
Tão quente. Tão incrível. Com um grito que continha muitos uivos, ele
empurrou, marcando um ritmo que ela logo se juntou. Suas respirações curtas
e ofegantes, seus dedos agarrando seus ombros e seus quadris balançando
deixaram que ele soubesse que, apesar de seu primeiro orgasmo, ela se preparava
para um segundo clímax.

Ele pretendia se juntar a ela. Bombeou mais rapidamente, as pernas abertas


para acomodá-lo, seu corpo batendo contra sua carne acolhedora.

Juntou-se e movendo-se no ritmo, Remy acariciou-a com seu pênis e falou


sujo com ela.

— Goze para mim, querida. Vamos. Mostre-me como você gosta. Grite para
mim novamente.

Sua cabeça levantou.

— Eu-eu-

— Diz. Diga-me para foder você, baby. — Ele empurrou. — Diga-me.


Mostre-me. Deixe que essa doce boceta goze ao
redor do meu grande pau. — Não podia deixar de
falar sujo com ela, cada uma das palavras tremendo,
apertando os músculos de seu canal até ele gritar quando gozou. Mas não gozou
sozinho.

Gritando — Remy! — Mina se juntou a ele, seu canal apertando e tremendo


em ondas, prolongando seu prazer e deixando-o gasto e ofegante sobre ela. Ele
encontrou-se traçando a forma de sua cicatriz com a língua, o leve brilho de
suor em sua pele, um prazer salgado. Poderia permanecer assim para sempre,
mas sentiu o momento em que ela percebeu o que eles fizeram, o momento em
que a realidade chegou. Seu corpo perdeu a flexibilidade e seus dedos
afrouxaram seu controle.

Ele levantou a cabeça e deu-lhe um olhar feroz.

— Não se arrependa do que fizemos, amor.

— Eu não me arrependo. — Ela mentiu, então corou com a testa arqueada.


— Ok, talvez uma pequena voz na minha cabeça esteja gritando 'Pecadores!'

— Fazer o amor um com o outro não é pecado.

— Mas é amor ou luxúria? Nós mal nos conhecemos.

— Eu conheço o suficiente.

— Você conhece? — Ela olhou para ele nos olhos quando perguntou.

— Sim. Não leva tempo nem precisa ser um gênio para reconhecer o prêmio
que você é, baby.

— Um prêmio? — Ela bufou. — Um prêmio de perdedor.

— Perdedor? — Ele sorriu para ela, e seus olhos enrugaram com malícia. —
Eu diria que você marcou. Duas vezes.

Suas bochechas ficaram vermelhas e ela não respondeu.

— Eu não estou indo a lugar nenhum. Nunca. Estou no jogo, baby. Você diz
que não te conheço, e eu digo que é besteira. Já
conheço muito sobre você.

— Oh, sim, como o quê?


— Eu sei que você é uma lutadora, você faria qualquer coisa para proteger o
nosso filho. O que me leva ao fato de você ser uma ótima mãe.

— E como você pode dizer isso?

— Qualquer um que possa lidar com um lobo ativo como Jacques por conta
própria... Droga, querida, esse menino é como um redemoinho. E as perguntas.
Nunca soube que alguém poderia ter tantas.

Ela sorriu.

— Ele é bastante curioso.

— Você é paciente, trabalhadora e cuidadosa. Você ri das minhas piadas


estúpidas. Você está disposta a dar um idiota como eu uma segunda chance.
Você é linda.

— Fofa.

Ele segurou suas bochechas forçando-a a encará-lo.

— Linda. — Ele reiterou. — E minha.

— Sua? — Ela repetiu a palavra quase sem fôlego.

— Oh, sim, minha. Minha, oh minha, oh minha. Baby, não posso imaginar
viver mais um minuto sem você.

— Mesmo?

— Definitivamente. — Ele sussurrou contra seus lábios. Seu beijo começou


suave e doce. Como se sua paixão não pudesse ficar tão branda por muito
tempo.

Pouco tempo depois, ela gritou seu nome, inundando-o com uma satisfação
possessiva. Ele tinha resistido a primeira grande tempestade. Desta vez, ficou
solta e sorrindo em seus braços, até adormecendo por um curto instante
enroscada contra ele. Ela está começando a confiar
em mim. A realização o surpreendeu quando a
maldita poeira no quarto fez cócegas na sua
garganta.
Traçando seus traços finos de marfim, ele a observou enquanto dormia,
eventualmente acordando com carícias macias que culminaram em outro clímax
no chuveiro enquanto ele enxaguava os traços de seu amor de sua pele.

Mas ele não podia fazer nada sobre o sorriso suave que pairava em seus lábios
ou o brilho de seus olhos. Era um olhar que ficava bem nela. E quando seu filho
chegou a casa procurando por eles? Um fim perfeito para uma tarde perfeita.

Remy e Mina estavam na cozinha quando seu pai voltou para casa com
Jacques. O menino entrou com um sorriso enorme e começou a falar sobre o
dia dele. A emoção de sua aventura era contagiosa, e Remy se juntou a Mina
para escutar sobre sua felicidade contagiante. Quando Mina preparou um
lanche, Pierre agarrou Remy pelo braço e puxou-o arrastando-o para a sala de
estar.

— O que diabos você fez? — Sussurrou seu pai com as sobrancelhas


erguidas. — Eu posso cheirá-la por você. Eu pensei que disse para você esperar?
Para levar isso lentamente e cortejá-la, droga.

— Eu sei. E eu quis dizer isso. — Remy suspirou. — É minha culpa. Pensei


que poderia lidar com ela tão perto, mas parece que mesmo sóbrio, quando o
assunto é ela, simplesmente não posso me segurar.

— Você perdeu o controle novamente? — Seu pai lhe deu um leve soco no
braço. — Seu idiota! Você está tentando assustá-la?

— Não. E você pode parar de enlouquecer. Olhe para ela. — Ele forçou seu
pai a espreitar a entrada da cozinha. Como se estivesse sentindo seu olhar, Mina
olhou para cima e sorriu, uma coisa radiante de beleza que inchou seu coração.
Remy devolveu o sorriso feliz e depois se virou, obrigando o pai a seguir o
exemplo. — Por mais estranho que pareça, acho que
ela poderia ter precisado da conexão mais do que
eu. Mina tem alguns sérios problemas de abandono.
Tudo o que ela quer é sentir-se perto de alguém, que alguém se importe e esteja
cuidando dela. Eu dei-lhe isso. — E mais...

— Eu vou concordar que ela parece estar bem, por enquanto. Mas você foi
contra minhas ordens. Tudo poderia ter ido por água abaixo muito rapidamente
e você sabe disso. Ela é como um animal machucado, filho. Nervosa, com medo
de confiar. Um passo errado e você a terá fugindo.

— Você acha que eu não sei disso? Que não me assusta que posso fazer algo
errado? — Remy esfregou uma mão pelo cabelo dele. — Apesar disso, acho
que foi a coisa certa a fazer. Meus instintos dizem que ela precisa se sentir
conectada, que precisa sentir que eu a quero. Eu acho que você só precisa
confiar em mim nisso. Com o que já aconteceu com ela em sua vida, meu
intestino diz que um namoro lento não é o que ela precisa. Ela quer ser varrida
de seus pés.

— Ser varrida e depois há...

Remy levantou uma mão.

— Não diga isso. Se isso faz você se sentir melhor, eu trouxe flores e doces
para casa, também, ela acabou de receber isso depois. — Um sorriso tímido em
seus lábios fez seu pai balançar a cabeça. — Ei, eu até ofereci levá-la ao cinema,
mas ela disse que preferiria uma noite tranquila em casa.

— Eu só espero que você esteja certo.

— Eu também, porque ela não é a única que precisa da conexão. Também


preciso disso. É como acordar depois de estar no limbo. Tudo tem cor
novamente, pai. Tenho um propósito. Uma razão para levantar. — Uma razão
para amar.

Seu pai suspirou.

— Ah, ser jovem de novo. Bom para você, ainda me lembro de como o
vínculo de acasalamento funciona. Apenas prometa ter cuidado.

— Eu vou.
Ok, então ele mentiu. Onde o assunto era Mina, Remy não estava no banco
do motorista. Sua companheira pode possuir uma pequena voz que gritava
pecador, mas Remy tinha um grande animal peludo que se manteve rosnando,
Minha, minha, minha.

Não importava o que acontecesse, Remy não estava prestes a perder a chance
de ser feliz novamente. Mina e Jacques eram suas novas razões para existir.
Então, apesar do que seu pai pensava, Remy não estava prestes a recuar. Seu
instinto disse que precisava dele. E por tudo o que ele era, ela o teria. Ele
esperava que fosse tão frequente e tão nu quanto possível.
A noite agora tinha uma rotina estabelecida, com Mina e Remy juntos na
cama de Jacques para ler uma história. Aninhado entre eles, seu filho
praticamente explodia de felicidade. Na verdade, Mina entendeu como ele se
sentia. Tudo ao redor de Remy parecia mais vivo, sobretudo ela mesma.

Em sua presença, ela sorria mais, ria, e o peso do mundo parou de pressionar
seus ombros cansados. Quanto a Jacques, oh, como ele floresceu com um
homem, não qualquer homem, mas seu Dada, para admirar e encorajá-lo. Para
um menino que cresceu em um prédio de apartamentos com uma mãe
trabalhadora, isso era paraíso. Olhe hoje, por exemplo. Remy jogou um pouco
de hóquei com Jacques lá fora na entrada, assistiu desenhos animados com ele
e emprestou-lhe a colônia depois de banhar-se e leu uma história. O melhor de
tudo, ele ouviu e estava lá. Ali estava o pai que sempre quis para o seu filho.

Olhando para a expressão de felicidade no rosto de Remy enquanto dava um


beijo de boa noite na testa de Jacques, ela segurou um suspiro quando percebeu,
eu o amo.

Esqueça a velocidade louca em que as coisas aconteceram, ela adorava Remy.


Sempre fez desde o momento que foi em seu resgate há tantos anos atrás. Mas
essa idolatria era uma coisa do passado, com o Remy real, aquele com um grande
coração, bom senso de humor e língua má, provou ser ainda mais maravilhoso
do que aquele que sonhara por tanto tempo. Ela amava quando ele dizia as
coisas mais bonitas, fazia promessas que ela realmente acreditava que ele
manteria e lhe dizia que era linda. Corou quando disse coisas sujas, e melhor
ainda, fez o que disse. Então, e se ele carregasse algum gene de lobisomem? Se
ela ignorasse aquela estranheza, ele realmente personificava o homem perfeito.

E se ela pudesse acreditar nele, ele era seu homem perfeito. Meu. Tinha um
bom anel para isso.

Quando apagaram as luzes e fecharam a porta do


quarto de Jacques, Mina seguiu Remy de volta ao
andar de baixo, onde parecia natural sentar-se aconchegada contra ele no sofá
para assistir televisão. Por sorte, descobriu que ela não era a única viciada em
assistir The Walking Dead. Já perto das onze, com os olhos pesados após o dia
agitado, ela não protestou quando Remy sugeriu que eles se recolhessem.

Na cama de quem, pensaram? Eles fizeram amor a maior parte da tarde, mas
não falaram sobre o que aconteceria a seguir. Claro, eles passaram algum tempo
juntos aprendendo um sobre o outro, gostos e desgostos, alimentos favoritos,
cores. As coisas que um casal costumava conhecer antes de terem sexo e uma
criança. Mas uma vez que Jacques e Pierre voltaram, eles tiveram que conter seu
flerte e uma conversa íntima para o tempo em família, onde ela aprendeu ainda
mais sobre o homem, como ele odiava ervilhas e derramava pimenta em tudo.
No entanto, esse tipo de conhecimento não a ajudou quando chegou a hora de
dizer boa noite.

Chegando à porta atribuída, ela encarou-o, perguntando-se o que aconteceria


a seguir. Ele pediria para entrar? Apenas assumiria que poderia? Deveria o deixar
entrar? Ele se inclinou e deu um beijo de boa noite, um casto abraço que
quebrou antes que pudesse se tornar algo mais, então se afastou. Algo de sua
dor deve ter se mostrado em seus olhos.

— Ah, não pareça assim, amor.

— Como o quê?

— Como se eu acabei de quebrar seu coração. Quero passar a noite com


você.

— Então, por que você não passa?

— Porque eu não quero te apressar. — Ele sussurrou, acariciando seus


cabelos para trás do rosto. — O que compartilhamos esta tarde foi lindo.

— Eu ouço um, mas aí. — Seu coração se afundou. Esquecendo que ela se
perguntou se eles fizeram o certo, ele obviamente se arrependeu.

Mais uma vez, ele a surpreendeu.

— Eu queria que pudéssemos retomar o que


começamos hoje, no entanto, eu não quero que nos
esgueiremos para fazer amor como adolescentes quando ninguém está em casa.
Eu quero um para sempre, Mina. Eu quero você como minha companheira, e
quero que todos saibam disso.

— Eu não percebi que estávamos escondendo algo.

— Isso não saiu bem. O que quis dizer é, quero que sejamos uma família.
Você, eu e Jacques. Meu pai, também, obviamente, embora eu não me
importasse, de talvez conseguirmos nosso próprio lugar, eventualmente. Quero
que nos sentemos com o nosso filho e nos certificamos de que ele está bem
com todas as mudanças. Que ele está bem com nós dois como um casal.

Mina recuou quando as preocupações de Remy a atiçaram como uma


bofetada, fazendo com que ela percebesse quão rápido e precipitadamente havia
caído. Como poderia ter esquecido Jacques? O que ele deve pensar? Claro, ele
parecia feliz agora, mas como lidaria com o fato de sua mãe ter outro homem
em sua vida, mesmo que esse homem fosse seu pai? Engraçado, como Remy
expressou uma preocupação que ela já deveria ter pensado.

— Em outras palavras, mal nos conhecemos e pulamos na cama. O que você


deve pensar de mim? Você sabe, apesar das minhas ações esta tarde, não sou
esse tipo de mulher.

— Eu sei que você não é. Merda, não quis dizer isso. Não esqueça que eu
sinto a mesma conexão forte que você. Nós fomos feitos um para o outro.

— Por agora. No entanto, e em uma semana ou um mês?

— O quê?

— Bem, é por isso que você está preocupado, certo? Por que você quer ir
devagar? Por que eu deveria saber? Sou uma idiota tão desesperada. — De
repente envergonhada de suas ações, Mina passou por ele na escuridão do
quarto. Ela entendeu agora o que Remy fez. Ele estava deixando-a cair
facilmente na ilusão. Apesar do grande sexo e do fato de eles terem
compartilhado uma criança, ele realmente não queria
uma família ou...
— Pare apenas um segundo, baby. — Ele a seguiu, fechando a porta
firmemente atrás dele. — Eu sei o que você está pensando, e você precisa parar.

— Eu acho que você deveria sair. — Ela murmurou, dando-lhe as costas


para ele não ver as lágrimas brilhando em seus olhos. — Você está certo.
Estamos nos movendo muito rápido.

— Não, aparentemente, não estou me movendo com rapidez suficiente. Eu


sabia que não devia ter escutado meu pai e, em vez disso, escutei meu instinto.
Ouça, Mina, não há nada mais que quero agora do que passar a noite com você,
na cama. E não apenas esta noite, mas todas as noites.

— Não foi assim que pareceu há um minuto atrás.

— Porque meu pai me deu o inferno.

— Ele fez? Oh Deus. Ele sabe. — Mina poderia ter morrido no local quando
a implicação a pegou. O que Pierre pensaria? Ela sabia o que seu pai faria. A
prostituta nem conseguiu passar uma semana antes de se deitar com um homem
que mal conhecia.

Um que ela mal conhecia e ainda se sentia mais perto do que qualquer outra
pessoa em sua vida, mesmo Jacques.

Os braços a envolveram por trás e a força sólida de Remy a cercou.

— Quem se importa com o que ele pensa? Quem se importa com o que
alguém pensa? Estamos casados, querida. Casado aos olhos do bando. Nós
também podemos nos casar aos olhos da igreja dentro de uma semana, se quiser.

— Ninguém pode organizar um casamento tão rápido. — Ela zombou em


vez de responder a suas outras reivindicações.

— Depende de como somos complicados.

— Você mal me conhece.

— Isso de novo? Essa desculpa não vai colar, e


você sabe disso. Eu sei o suficiente sobre você,
Mina. O suficiente para saber que estou apaixonado
por você. Só posso esperar que você sinta algo por mim também.

Ela se virou em seus braços.

— Oh, eu sinto algo e isso me assusta.

— Não deixe. Abrace isso, querida. Você e eu estamos destinados. Yin e


yang. Ébano e Marfim.

— Não se atreva a cantar a música. — Ela tentou aliviar a intensidade do


momento, a fim de não o destruir. — Ele ajudou.

— Eu nunca seria tão cruel com você para cantar. — Ele sorriu e ela riu.

— Então, você acha que somos destinados a estarmos juntos?

— Assim como Barney e Betty foram perfeitos um para o outro, com Jacques
como nosso pequeno Bamm-Bamm.

— Eu acho que você está louco. — Ela descansou sua bochecha em seu
peito.

— Louco de amor. Mas eu não o trocaria por nada. — Ele havia dito isso. A
palavra com A. Ela quase se esqueceu de respirar.

— O que você disse?

— Eu disse que te amo. Acostume-se. Agora, o que você diz, vamos para a
cama? — Ele a puxou pela mão para longe de sua porta.

— Onde estamos indo?

— Meu quarto, onde eu deveria ter levado você.

— Mas Jacques...

— Irá nos encontrar se ele precisar de nós.

— O que aconteceu com sentar e conversar com


ele?

— Esqueça o que eu disse. Qualquer idiota pode


ver que ele está extasiado, somos uma família. E se
aparecer qualquer problema, então vamos lidar com isso. De jeito nenhum eu
deixo você dormir sozinha esta noite. Venha.

Ele não esperou para ver se ela obedecia, pegando-a em seus braços e
caminhando pelo corredor até seu quarto. Ela se agarrou a ele, refletindo sobre
sua declaração. Ele a amava? Ele havia dito isso. Primeiro.

Não era apropriado querer bombear o punho depois desse fato?

Ele me ama! Eu! Ela riu em voz alta, mas em vez de questionar sua erupção
de alegria, Remy sorriu.

— Faça isso novamente.

— O que?

— Rir.

— Por quê?

— Porque eu gosto. Gosto de te ver feliz.

Canalizando sua prostituta interior da Babilônia, Mina envolveu seus braços


ao redor do pescoço de Remy, lambeu seus lábios e sussurrou em sua boca.

— A única coisa que poderia me fazer mais feliz é se nós fizermos amor
novamente. Só que dessa vez... — Ela parou, quase perdendo a coragem, mas
o fogo que dançava em suas veias reforçava sua coragem. — Desta vez, deixe-
me tocar em você.
Chocado, Remy tropeçou. Suas palavras ousadas, o aroma de seu desejo, e
seu súbito fogo o deixou fraco e desajeitado. Bom, eles chegaram à sua cabeceira
ela saltou sobre o colchão quando ele a deixou cair. Segundos depois, se deitou
sobre ela, seus lábios devorando sua boca com fúria, as mãos empurrando as
roupas em seu caminho. Rasgou os artigos ofensivos em seu caminho, o som
de rasgado penetrando em sua loucura ardente. Ele parou, horrorizado por sua
perda de controle apenas para perceber que ela riu.

— Estou agindo como um animal. — Ele disse, pendurando a cabeça. — Ela


encolheu os ombros, seus lábios brilhando em um sorriso.

— Talvez um pouco, mas é lisonjeiro.

— Vou tentar me controlar.

— Não. Eu gosto disso. — Ele gemeu.

— Você não deve dizer coisas assim.

— Eu apenas estou sendo sincera. Ou isso é errado? Eu não sei muito sobre
ter um amante. — Dúvida a levou a fazer uma careta e ele queria se dar um tapa.

— Não, você é perfeita. Muito perfeita e sexy. O problema é que tudo sobre
você me excita demais. Tenho medo de assustar você.

— A única coisa que me assusta é perder você.

— Engraçado, eu ia dizer o mesmo.

— Sabe o que, se as coisas ficarem muito intensas, que tal eu dizer algo
completamente fútil. Como uma palavra-chave de segurança.

— Como você sabe sobre palavras-chave


seguras? — Ele perguntou, arqueando uma
sobrancelha. — Seu rosto corou.
— Eu talvez não tenha ido a encontros, mas eu li. Romances principalmente,
porque é o que minha vizinha continuava me emprestando.

— Baby, você fica cada vez mais fascinante a cada minuto. Tudo bem, se as
coisas ficarem muito intensas, você diz ‘Chapeuzinho Vermelho’. — Ela riu.

— Você está brincando?

— Não. Você diz Chapeuzinho Vermelho, e eu vou controlar o meu grande


Lobo Mau. — Ela soltou um gemido.

— Oh, isso foi muito ruim.

— Sim. Mas não tão ruim quanto às coisas que quero fazer com você. Meu
pau tem sofrido para afundar dentro de sua doce buceta a noite toda. — Sua
respiração pegou.

— Ah, mas você me fez uma promessa. É a minha vez. — Ela o lembrou
com as mãos na bainha de sua camiseta, deu um puxão para cima, tudo o que
ela precisava fazer para tirá-lo de seu corpo. Foda-se, como ele adorava a forma
como o encarava. Ele inchou sob o olhar dela, sua pele picava com a consciência
quando ela colocou suas mãos finas contra os músculos esticados de seu
abdômen.

— Deite-se para mim. — Ela pediu, ele obedeceu, seu escravo disposto.
Inclinou-se sobre a cintura dele, as calças finas de moletom e as calças jeans
mantendo-os separadas. No entanto, ela não podia fazer nada para esconder seu
calor, como se ele não pudesse esconder como já latejava por ela. Agarrando as
bordas de sua própria camisa, ela mal hesitou antes de removê-la, deixando
somente seu sutiã, os seios brancos cheios saindo pelo topo das taças.

Ele esticou o braço e embalou os globos, seus polegares acariciando as


pontas. Ela apoiou as mãos contra o estômago e se contorceu. Maldição. Remy
girou seus quadris contra ela, a pressão divina de sua buceta contra ele era uma
delícia erótica.

Empurrando o tecido de seu sutiã, ele soltou seus


seios, os bicos já duros e prontos para seus dedos.
Ela gemeu e a cabeça inclinada para trás, os olhos fechados e os lábios
separados.

Que imagem maravilhosa e sensual. Ele a puxou para baixo para que pudesse
saborear seus bicos, mas suas mãos se colocaram contra ele e ela se endireitou.

— Oh, não, você não pode. — Ela repreendeu com um sorriso perverso. —
Deite a cabeça, senhor. Tenho planos.

Planos que envolvem seus lábios escovando a pele do peito. Sim! Dentes
beliscando seus mamilos. Melhor ainda. Lentamente, ela abriu caminho até o
estômago tenso e chegou à cintura de sua calça. Hesitou, e ele não se atreveu a
respirar. Desabotoou o primeiro botão. O segundo... No quarto, ele ofegou e,
quando seu pênis pulou livremente de seu aperto, gemeu alto e longo.
Cometendo o erro de olhar para baixo.

Ah Merda.

Sentada em suas coxas, Mina olhou para o pau com olhos grandes e
arregalados. Ele não podia deixar de olhar, também, a sua mão branca e fina,
enrolada em torno de seu eixo escuro. Quando ela deslizou a mão para a cabeça
de cogumelo e limpou seu pré-sémen seus quadris levantaram do colchão.

Ele começou a sentar, pronto para agarrá-la e...

— Deite-se de volta. — Seu olhar encontrou-se com seu incrivelmente


brilhante.

— Mas...

— Deite-se, Remy. É minha vez de tocar. — Ele rosnou ao seu comando,


mas recostou-se, olhando para o teto, tentando segurar seu controle desajeitado,
controlar sua paixão.

— Foda-se! — Ele não conseguiu evitar o grito explosivo quando sentiu


aquela primeira tentativa de lamber. Seus dedos cavaram nos lençóis, depois os
destruíram quando engoliu a cabeça do seu pau na
boca dela. Seus quadris se curvaram no ritmo
enquanto deslizava em seus lábios sedosos para
cima e para baixo, sua companheira perfeita chupando-o. Era demais.

Desesperado, ele deixou escapar.

— Diga Chapeuzinho Vermelho, baby.

— Por quê? — Ela perguntou, levantando a cabeça.

— Porque... — Ele respondeu através de dentes cerrados enquanto ela


apertava seu pau segurando firme.

Ela aproveitou seu tempo dando bombadas com a mão antes de perguntar.

— Estou fazendo isso errado?

— Não, você está fazendo certo. Se você continuar, vou gozar.

— Bom. — A atrevida desceu de novo, lambendo e sugando seu pênis


enquanto Remy lutou pelo controle, mal podendo até que ele não conseguiu
mais.

Com um grito, ele soltou de sua boca deliciosa, rolou até ela se deitar debaixo
dele e se encaixou entre suas coxas, suas calças caíram debaixo de suas mãos
frenéticas, sua boca em seu sexo. Ele gemeu de alívio quando seu sabor bateu
em sua língua, e gemeu novamente quando ela rapidamente se separou em seus
lábios, seu primeiro orgasmo tremendo através dela. Enquanto ainda tremia, ele
os revirou de novo, deitando de costas e colocando-a acima dele. Ele não perdeu
tempo empalando-a em seu comprimento, a escavação afiada de suas unhas em
seu peito era uma dor necessária para contrariar o prazer perfeito de seu canal
úmido e tremendo envolvendo seu pau palpitante.

Ele forçou suas pesadas pálpebras a abrirem e observou com um fascínio


absoluto a conexão de seus corpos, sua pele pálida e rosada, com paixão, contra
sua pele marrom. Suas mãos em sua cintura guiando-a. Não podia ter dito o que
gostava mais, olhar seu rosto expressivo enquanto ela montava para outro
clímax, a união de seus corpos, ou a alegria que explodiu dentro dele, quando
ela gritou seu nome junto com as palavras que ele
desejava ouvir desde o momento em que a
conheceu.
— Eu te amo.

Sim! Ele levantou, seus dedos agarraram seus cabelos para puxá-la para um
beijo profundo, enquanto seu pênis pulsava dentro de seu canal tremendo. Isto
era a perfeição. Era tudo o que ele esperava.

É assim que será todas as noites pelo resto de nossas vidas. Ou então ele
esperava.
Na manhã seguinte, Mina ficou um pouco embaraçada quando Jacques veio
saltando para o quarto de Remy perguntando o que tinha para o café da manhã.
Jacques deu uma olhada em que seus pais compartilhando uma cama, as roupas
que eles colocaram sonolentos no meio da noite, uma previsão da parte de Remy
que lhe valeu um beliscão rápido quando Jacques desceu as escadas com a
promessa de panquecas em breve. Remy rolou em cima dela, com intenção de
um beijo mais profundo, mas ela tapou a boca com a mão.

— Não me diga que você está tendo um segundo pensamento? — Ele


rosnou.

Ela balançou a cabeça e murmurou atrás de sua mão.

— Não. Preciso de uma escova de dentes. — Ele riu e caiu sobre suas costas.

— Derrotada pela respiração da manhã. — Um rubor aqueceu suas


bochechas.

— Estúpido, eu sei, mas não posso ajudar. Não quero ser grossa com você.

— Você nunca poderia fazer isso, mesmo que você peidasse na cama.

— Remy!

— Tudo bem, isso pode afetar um pouco o clima se você fizesse enquanto
eu estiver entre suas coxas, mas...

Mortificada até o pensamento, ela saltou da cama e correu para o banheiro,


o que apenas percebeu tardiamente que não tinha uma escova de dentes para
ela. Voltando, a cabeça erguida, não olhou para ele, muito envergonhada apesar
do fato de não ter feito nada de errado.

Remy ainda tremia de riso. Como se fosse


controlado por outra pessoa, Mina disparou seu
primeiro dedo indicador do meio. Acabou por fazê-
lo uivar mais alto, mas com um sorriso curvando seus lábios, ela o deixou para
cuidar de suas necessidades. Parecia que estar envolvida em um relacionamento
exigiria alguns ajustes de sua parte, começando com o fato de seu amante,
companheiro, semi-marido, o que quer que fosse chamá-lo, tinha um senso de
humor impertinente.

Pouco tempo depois, ela entrou na cozinha, limpa e composta, ou estava até
que Remy olhou para ela e lhe deu uma piscadela.

— Posso ter um beijo agora, querida? — Ele perguntou.

Levando a colher de cereal a boca, Jacques fez uma pausa e enrugou o nariz.

— Por que você quer beijar minha mama?

— Porque ela é muito bonita.

— Ok. — E assim, Jacques deu de ombros e continuou comendo. Não


Remy. Ele avançou sobre ela com os pés descalços, sua camiseta desgastada
abraçando o peito que ela acariciou a noite anterior, e seus jeans pendurados em
seus quadris. Mesmo quando vestido casualmente, ele tinha a habilidade de
roubar sua respiração.

Um dedo inclinou o queixo dela.

— Dia. — Ele sussurrou antes de plantar um beijo suave em seus lábios. Um


suspiro abriu os lábios em seu gentil abraço, um muito rápido, uma vez que
estava apenas consciente de olhos pequenos os encarando.

Ruborizada e mais excitada do que deveria estar depois da noite que


passaram, ela foi pegar um pouco de café apenas para que Remy a pegasse pela
mão e a sentasse em um banquinho, colocando uma caneca em sua mão, ela
sorveu a bebida quente enquanto desfrutava da novidade de ter alguém a
servindo. Em poucos minutos, Remy colocou uma tigela de pedaços de frutas
frescas na frente dela, juntamente com um copo de suco, algumas fatias de
bacon crocante e uma flor.

Assustada, ela olhou para ele.

— Para que é isso?


— Porque eu senti que deveria. — Um brilho quente se espalhou por ela.

— Obrigada. — Parecia pouco dizer isso, mas suas palavras simples pareciam
agradá-lo a julgar pelo grande sorriso que ele lançou. Enquanto Remy e Jacques
discutiam os méritos dos personagens de super-heróis durante o café da manhã,
ela comeu devagar, um dedo acariciando as delicadas pétalas da flor.

O arrependimento e a preocupação que ela agonizava não apareceram. Pelo


contrário, sentiu-se mais relaxada do que nunca, feliz. Mais que feliz.
Apaixonada. Não era relevante que estivessem juntos apenas poucos dias,
parecia muito mais. Tão certo. Mina só podia esperar que não fosse um sonho,
porque, se fosse, nunca gostaria de acordar ou perder esse momento. Eu quero
essa nova vida. Não apenas para meu filho, mas para mim mesma.

Tudo o que fez para que ambos fossem felizes foi fazer a escolha certa.
Mesmo que a escolha certa significasse se amarrar a um lobisomem.

Seu brilho feliz parou bruscamente quando ela de repente sintonizou a


conversa acontecendo.

— Então você tem um cachorrinho dentro também? — Jacques perguntou


seu pai.

— Sim. Um grande lobo preto que gosta de correr e perseguir coelhos.

— Posso ver? — Perguntou seu filho com uma cara ansiosa.

— Não vejo por que não. Termine o seu café da manhã e iremos ao bosque
e vou lhe mostrar sua herança.

Mostrar a ele? A verdadeira transformação? Por algum motivo, Mina se


esqueceu desse aspecto de Remy. Essa suposta reivindicação. Sim, ela sabia que
eles possuíam olhos brilhantes e soltava um grunhido estranho ocasional, mas
realmente mudar de forma? Certamente, Remy exagerou. Mina pegou o braço
de Remy, e ela o arrastou para a sala de estar.

— O que você quis dizer lá? O que você vai


mostrar?

— Eu vou mudar para o meu lobo, é claro.


— Bem desse jeito? Você não precisa de uma lua cheia? — Jubilo dançou em
seu olhar.

— Não. Embora a lua cheia facilite a mudança e seja mais tentadora. Eu


posso mudar para minha besta a qualquer momento.

— Não é perigoso? — Ela sibilou.

— Apenas perigoso para minhas roupas se eu estiver vestindo. — Remy


pegou suas mãos entre as dela. — Ouça, sei que esta parte da minha herança é
assustadora, o desconhecido sempre é, mas Jacques precisa começar a aprender
sobre o outro lado. E como minha companheira e sua mãe, é hora de você ser
apresentada a isso também. Você verá, não há nada a temer. — Disse o homem
que planejava se transformar em um ser carnívoro.

— Você comeu o suficiente no café da manhã, certo? Devo trazer alguns


bifes apenas no caso? — Ela estava brincando apenas parcialmente.

Remy riu.

— Você não precisa temer o meu lobo comendo você. Embora eu planeje
fazer isso mais tarde. — Ele piscou. — Relaxe. Você verá que não é grande
coisa.

Não é grande coisa? Então, por que ela tinha borboletas em seu estômago
enquanto Remy os levava a um monte de árvores nas proximidades? Por que
ela torcia as mãos e sentia vontade de correr quando o amante dela desceu seus
boxers?

Uma parte dela realmente não pensou que ele poderia fazer isso. Outra parte
gritava... Corra do diabo! – Não teve esse problema. Ela ignorou essa voz e
ficou. Tentou se concentrar nas palavras de Remy em vez de seu corpo, na
maior parte nua, e um plano louco para se mudar para um lobo. Remy falou em
termos simples para seu filho, que observava com avidez e por uma vez,
silenciosamente.

— O lobo dentro de nós está sempre perto da


superfície, ainda mais durante uma lua cheia.
— Ele gosta de correr. — Jacques declarou isso como um fato, e Remy
assentiu com a cabeça.

— Sim. E caçar. Mas você precisa fazer isso de forma responsável. Você sabe
o que isso significa?

— Isso significa não contar a ninguém e não machucar ninguém.

— Exatamente. — Remy assentiu com aprovação e Jacques sorriu. — Pode


ser assustador as primeiras vezes que você mudar. O lobo pode ser forte e tentar
dizer o que fazer. Depende de você ser mais forte.

— E não deixar que ele faça coisas ruins.

— Está certo. Está certo querer correr e caçar, coisas como coelhos e
esquilos. Mas quando se trata de seres humanos ou caçar apenas para machucá-
los, precisamos controlar o lobo como se você tivesse outro animal de
estimação.

— Assim como o cachorro de Sylvain. Ele precisava levá-lo a alguém para


ensinar boas maneiras.

— Aulas de domesticação. — Disse Mina com o olhar intrigado de Remy.

Ele riu.

— Muito parecido, exceto que não precisamos de uma coleira.

— Discutível. — Murmurou Mina.

— Eu escutei isso, querida. Só para você saber, pode amarrar-me a qualquer


momento. — Sua piscadela lhe disse o que poderia fazer se ela fizesse, e ela
corou.

— Então, como você se transforma em um lobo? Dói? — Perguntou


Jacques, perdendo completamente a corrente de excitação entre seus pais,
graças a Deus.

— Não é muito dolorido como se sentir


realmente estranho. É como se todo o seu corpo
esticasse e puxasse ao mesmo tempo. Você vai
deixar de estar na frente comandando seu corpo para ser um passageiro, mas é
aquele que ainda pode pegar o controle remoto e controlar o que está
acontecendo. Assistindo.

Boa coisa que Mina comeu um café da manhã leve, porque o primeiro
vislumbre da mudança deixou seu estomago meio enjoado. Esticando,
moldando e brotando peles, Remy mostrou-lhe que todo o processo aconteceu
em apenas alguns batimentos cardíacos, mas foi o suficiente para fazê-la piscar
e questionar o que viu. Claro, nenhuma quantidade de piscar de olhos mudou o
fato de que um grande lobo preto estava diante deles. Um lobo com grandes
dentes.

Os joelhos de repente fracos, ela afundou no chão.

— Oh, meu Deus. — Sim, Remy falou sobre isso. Sim, ela mais ou menos
acreditou em Remy e Pierre quando falavam com indiferença de seu lado Lycan.
Ver isso, no entanto? Ver um homem se transformar em um lobo? Um homem
cuja pele tocou, lábios que ela beijou? Isso teria assustado alguém, exceto o filho
dela.

— Legal. — Jacques, sem medo, chegou mais perto do lobo, espreitando os


olhos de Remy e enterrou o rosto na pele grossa. Rindo de alegria, seu filho
abraçou a enorme fera e Mina tentou não se encolher quando um focinho cheio
de grandes dentes cutucou seu filho de volta.

Olhos amarelos viraram em sua direção, e a respiração de Mina engatou.


Besta ou não, ela reconheceu aquele olhar. Remy. Esticou a mão para tocar nele,
a suavidade de sua pele uma surpresa.

— Não é legal, mamãe? — Gemeu Jacques.

— Muito. — Ela concordou. Seu amante era um lobisomem. É melhor


comprar uma escova de pelos porque, porra, ele tinha muitos pelos.

Embora nenhuma palavra fosse dita, Remy caiu no chão em sua barriga e
Jacques subiu em suas costas largas. Dedos
segurando na pele na nuca de seu pai, Jacques
equilibrou sobre o lobo gigante quando ele se
levantou e trotou em quatro patas para a floresta. Os gritos do filho de Mina
desapareceram mais longe.

— Eu estou acasalada com um lobisomem. — Ela murmurou isso em voz


alta várias vezes, mas cada vez ainda não parecia mais sã. Mas pelo menos não
a assustou. Nada mais fazia, percebeu com surpresa.

Com Remy, sentia-se segura. Grande lobo mau ou não, confiava nele para
não a machucar ou a Jacques. Confiava nele para protegê-los e amá-los. Que
maravilhoso sentimento.

Sussurrando, ela fez algumas tarefas enquanto seu filho e seu pai se
vinculavam. Ela tinha acabado de fazer sanduíches de queijo grelhado quando
eles voltaram, cheirando o ar. Jacques devorou sua comida, tagarelando uma
milha por minuto.

— Nós vimos todos os tipos de animais, mama. Até mesmo um urso gigante.

— Dê uma distância segura. — Remy acrescentou ao ouvir o seu suspiro.

— Eu tentei fazer o meu lobo sair também, mas não consegui. — Jacques
soou triste.

— Eu lhe disse, filho. Leva tempo. Alguns meninos podem fazê-lo jovem,
outros não conseguem até a adolescência. Quando você estiver pronto, isso
acontecerá.

— Mas eu preciso que seja agora.

— Por quê?

— Então eu posso proteger Mama quando esses homens ruins voltarem.

Mina quase deixou cair o prato de sanduíches de queijo grelhado que ela
levava à mesa. Remy agarrou o prato e deslizou-o sobre a superfície lisa antes
de arrastá-la para o colo. Um braço se aproximou de sua cintura, inclinou-se
para frente para colocar-se olho no olho com
Jacques.

— Eu quero que vocês dois me escutem. Vocês


estão na terra do bando agora. Não há ninguém e
nada que possa machucar vocês. Estão me ouvindo? Nós protegemos os
nossos. Eu vou proteger vocês. O que aconteceu na cidade com esses homens
não acontecerá aqui. Eu prometo.

— Promete? — Perguntou Jacques, com medo evidente no lábio trêmulo


que ele tentou tanto controlar, fazendo seus olhos arderem.

— Eu mais que prometo. Juro para você, enquanto tiver uma respiração no
meu corpo, não permitirei que nenhum de vocês se machuque.

Mina sabia que Remy queria dizer o que disse, então, por que as palavras dele
enviaram um arrepio por sua espinha? Por que ela sentiu como se algo tivesse
escutado seu desafio e estivesse determinado a responder?
O fim de semana passou em um borrão, um agradável tempo passado com a
família em caminhadas, assistindo um filme, jogando no parque. Eles também
fizeram coisas como um casal de mãos dadas, cozinhando o jantar, fazendo
amor. A feiura do seu passado desapareceu. Esta era a sua nova realidade. Sua
nova vida. E, oh, como ela adorava.

Na segunda-feira, Jacques foi ao seu primeiro dia no jardim de infância em


sua nova escola com um pequeno adeus. Mina resmungou silenciosamente
enquanto observava o braço sólido de Remy em volta dos seus ombros. Seu
filho já havia sofrido muito e, por tudo isso, saiu mais feliz e mais forte do que
nunca.

Voltando para uma casa vazia porque Pierre já havia ido para o escritório do
xerife, ela curtiu um longo beijo antes de Remy partir para trabalhar. Bem-vinda
ao seu primeiro dia como mãe ficando em casa. Sozinha, mas se recusando a
sentar-se ociosa, Mina começou a trabalhar. Apesar das admoestações de Remy
para relaxar, ela não era preguiçosa. Primeiro, pegou as caixas que Dean trouxe
de seu apartamento. Quando o melhor amigo de Remy tinha aparecido com elas
no sábado, seu primeiro impulso foi castigar Remy por ter suas coisas embaladas
e trazidas para sua casa. Então, isso a atingiu. Ele realmente quis dizer isso
quando disse que os queria em sua vida. Ao trazer-lhe os poucos itens que
acumulou ao longo dos anos, deixou claro que ela e Jacques pertenciam, ali com
ele. Como poderia ficar brava com ele por isso?

A maioria das coisas ela deixou nas caixas, com a intenção de dar a caridade
como seus pratos desiguais e livros de bolso esfarrapados. Outros itens como
roupas foram guardados enquanto os álbuns de fotos ficavam na mesa de café.
Ela sabia que Remy gostaria de ver o crescimento de Jacques desde bebê para
menino, mesmo que ela esperasse que ambos
sentissem a tristeza e a culpa por terem perdido
aqueles anos juntos.
No entanto, ambos prometeram deixar de viver no passado. O que importava
agora era o hoje. Após o almoço e um telefonema de Remy que a fez sorrir,
encarou o trabalho doméstico com propósito. Lavanderia, pratos. Ela também
juntou os ingredientes em uma panela grande para um ensopado. Até encontrar
um emprego, o mínimo que podia fazer era tornar-se útil.

No meio da tarde, a caminhonete de Remy chegou com uma parada brusca,


levantando poeira em frente a casa.

— Não entre em pânico. — Foram as primeiras palavras que saíram da sua


boca quando ela pulou os degraus para encontrá-lo.

Ela parou, quando observou o olhar sério em seu rosto.

— O que está errado? O que aconteceu?

— Jacques desapareceu. — Seu coração parou.

— O que você quer dizer que ele desapareceu? Ele foi para a escola esta
manhã. Como poderia ter sumido assim? — Ela gritou a última palavra
enquanto o medo a atravessava com força.

— A escola não tem muita certeza. Um minuto ele estava no campo de jogos
com as outras crianças. E no outro, ele se foi.

— Ele fugiu? — Não. Não o bebê dela. Ele não faria isso.

— Possivelmente. Algumas das crianças alegaram que viram um homem mais


velho andando por ali. Antes que um professor pudesse investigar, o estranho
havia desaparecido. Pouco tempo depois, quando o sino tocou, eles perceberam
que Jacques já havia ido embora.

Mina cruzou as mãos na boca e balançou a cabeça, incapaz de conter as


lágrimas.

— Não. Não. Isso não pode estar acontecendo.

— Calma, amor. Onde quer que esteja, eu o


encontrarei.
Mas ela não conseguiu se acalmar. Não. Ela voou para ele, seus punhos
bateram no peito.

— Você prometeu que estávamos a salvo. Você disse que você nos
protegeria. — As acusações injustas, dado que eles não sabiam o que aconteceu
ainda, mas não podia se segurar, não com seu filho desaparecido.

— E eu falhei. — A miséria abjeta nessas três palavras suavemente faladas, e


ela soluçava enquanto se encolhia contra ele.

— Oh, Deus, Remy. O que nós vamos fazer?

— Encontrá-lo, é claro. Meu pai e alguns dos outros homens já estão


procurando. Acabei vindo aqui para avisá-la sobre o que aconteceu e ter certeza
de que ainda estava segura.

— Você acha que alguém o levou? — Ela ergueu um rosto manchado de


lágrimas para olhar para ele.

— Não apenas penso. Eu sei. Rastreei seu cheiro. Ele deixou a propriedade
da escola para conversar com alguém e entrou em seu carro.

— Jacques não iria com um estranho.

— Não há sinal de luta. Mas o cheiro também não era um que reconheci.
Você tem certeza de que não ligou nem contou a alguém onde estávamos
vivendo?

— Claro que não. Além disso, para quem eu diria? Não falei com ninguém
desde que nos mudamos para cá.

— Eu tenho uma descrição vaga do sequestrador. Um homem branco, mais


velho com cabelos grisalhos longos nos lados, um pouco calvo em cima e
óculos.

— Parece com o Dr. Moireau, mas isso é impossível. Nunca falei com ele
depois de fazer os testes em Jacques.

Os lábios de Remy apertaram.


— Impossível ou não, essa é a descrição do estranho que as crianças viram à
espreita.

Um médico que suspeitava de seu segredo. Ela não precisava de ninguém


para ajudá-la a tirar conclusões. Uma neblina branca desceu sobre seus olhos
naquele ponto, e as pernas de Mina se dobraram. Quase não registrou os braços
fortes que a pegaram enquanto o horror total da situação se chocava contra ela.
O belo sonho que tinha vivido acabou de chegar a uma parada terrível e gritante.
Deveria ter sabido melhor do que pensar que Deus a perdoara de seu pecado.
Ser pequeno não queria dizer que Jacques carecia de inteligência, algo com
que o médico desagradável não contava. Jacques sabia que ele tinha feito uma
coisa estúpida ao conversar com o médico quando o viu rondando fora do pátio
de sua nova escola. Mas isso não o impediu de marchar para falar com ele. O
homem era ruim. Jacques sabia disso. Seu cachorrinho sabia disso. E o mal
significava que sua Mama poderia se machucar, e talvez seu novo Dada também.
Jacques também sabia que se seu pai estivesse aqui, ele não permitiria que o
cheiro do doutor escapasse. Ele olhou para um professor, mas os que estavam
de plantão voltaram às costas enquanto lidavam com outras crianças. Ainda
assim, Jacques estava à vista e outras crianças brincavam. Quão perigoso poderia
ser?

Com a promessa de seu pai, de que ele nunca acabaria se machucando


apertando-o, ele andou com confiança para o homem gesticulando, ignorando
a pequena voz que lhe dizia que deveria chamar um professor.

O médico de cabelos brancos sorriu, mas seus olhos permaneceram frios.

Sucedendo com um suspiro, Jacques disse com coragem, com apenas um


pequeno tremor em sua voz.

— Vá embora.

— Ei, Jacques, isso é jeito de falar com um adulto? — O médico repreendeu.

Não era, e as lições de sua Mama quase o fizeram esfregar o pé na terra, mas
Jacques recusou-se a deixar as palavras do homem engana-lo. Este homem
velho chegou mais perto, o cheiro de algo errado verdadeiramente o dominou.
Quase desagradável, o odor que o médico emanava só disfarçado por uma
colônia nojenta. Ele quase deu um passo para trás,
mas os gritos atrás dele o fizeram se segurar no
chão. Estamos em um lugar aberto. Estou seguro.
Ele insinuou seu peito, seu lobo interior dando-lhe coragem adicional.

— Você não deveria estar aqui. Vá embora, ou vou contar ao professor.

— Você não quer fazer isso, Jacques. Não gosto de dedo-duro. Eu odiaria
ter que punir sua mãe por algo que você fez.

Seu estômago se apertou em uma bola.

— Não machuque minha Mama.

— Não vou, se você fizer o que digo. Entre no carro.

Palavras de sua mãe cimentaram seus pés, nunca, nunca entre em um carro
com um estranho ou alguém que eu não teria aprovado. Soou como um
excelente conselho agora.

— Não.

— Entre no carro agora ou vou sumir com sua mãe e você nunca mais a verá.

— Você não está com ela.

— Oh, sim eu estou. Ela está na parte de trás. E se você não vier comigo,
nunca mais a verá.

O médico voltou e abriu uma porta traseira. Sem sequer pensar, o medo de
nunca mais ver sua mãe fez Jacques mergulhar na van, procurando por sua mãe.
Só que ela não estava lá. Nem um perfume ou traço.

Enganado!

A porta se fechou e clicou antes que ele pudesse se virar e correr de volta.
Contra a janela, ele bateu, seus pequenos punhos inúteis contra o vidro. Virando
a maçaneta não fez nada. Não se moveu, não importa como ele se esticasse.

Um pulsar assustador depois, e o veículo entrou em movimento, fazendo


Jacques cair sobre o assento. Ele se ajoelhou na almofada acolchoada e olhou
pela janela enquanto a paisagem passava. Ele bateu
no vidro.
— Ajude-me! — Cada centímetro do menino agora gritava por ajuda,
lamentando sua tolice.

— Pare com isso agora. — Gritou o médico.

— Não!

Os pneus gritavam, a minivan virou muito rápido e enviou Jacques caindo


novamente. No entanto, não causou nenhum dano e Jacques logo voltou a
esmagar a janela, seus pequenos punhos nem sequer quebrando o vidro. Como
ele queria que fosse maior. Talvez ele devesse ter comido todos esses vegetais
como sua Mama lhe disse, talvez então ele teria tido o tamanho necessário para
fazer a diferença.

— Eu ordenando que você pare, ou então Deus me ajude... — O médico


ameaçou.

Mas Jacques não se importava.

— Não! Socorro! Ajude-me! — Mas ninguém o ouviu enquanto o médico


passava pelas ruas estéril de trânsito e de casas. O que Jacques tinha achado
lindo e libertador, todas as árvores e espaços abertos agora trabalhavam contra
ele, enquanto o médico o levava cada vez mais longe de sua escola e família.
Jacques orou como sua mãe lhe ensinou. Rezou para o carro da polícia do seu
vovô com as sirenes chegassem para resgatá-lo. Para que seu Dada chegasse
correndo atrás deles e o resgatasse do homem ruim. No entanto, ninguém
respondeu as suas preces. Ele estava sozinho. Mas não parou de lutar.

Jacques precisava fazer a van parar. Virando a cabeça, demorou apenas um


momento para tomar uma decisão. Ele pulou na parte de trás do assento do
motorista, agarrando os cabelos dos lados da cabeça do velho médico. O
homem soltou um grito e o veículo se desviou, jogando Jacques, que voou pela
van e bateu ao lado com uma batida dura.

— Seu pirralho maldito. — Amaldiçoou o médico. — Bom, trouxe algo para


te calar.

O veículo parou, fazendo Jacques cair mais uma


vez, a pancada de sua testa contra o banco da frente
o atormentou. O painel lateral se abriu e, apesar do latejar em sua cabeça,
Jacques notou que o médico se aproximava dele, uma agulha em uma mão. Odeio
agulhas.

Medo. Raiva. Medo. As emoções guerreavam dentro dele, mas o mais forte
de tudo era sua vontade de sobreviver. E mesmo que um garotinho não fosse
páreo para um homem adulto com intenção de machucá-lo, Jacques era mais
do que um pequeno menino. Ajude-me, pediu para a presença em sua mente. Nos salve.

Com um grunhido, o amigo peludo em sua cabeça correu para o resgate.


Jacques mal teve tempo de respirar antes de ser empurrado para dentro de seu
próprio corpo enquanto o lobo assumiu o controle. Não houve dor, apenas uma
estranha sensação de torção, como disse seu Dada.

E então ele era um lobo.

Dentes murmuraram na mão azulada que buscava pegar sua nuca. Meus
dentes! Mais uma vez ele/seu lobo pulou, e mordeu ao longo de um antebraço,
mesmo quando uma picada entrou em seu lado. Ouch! Ele odiava agulhas.

Rosnando, ele mordeu de novo, mas desta vez ele não perdeu o alvo e a mão
segurando o pescoço afrouxou o suficiente, ele escorregou. Agora à luz do dia,
ele conseguiu ver, saiu da van e atingiu o cascalho na estrada a quatro patas.

Não há tempo para se acostumar àquela visão estranha. Sobrevivência era o


que ele precisava se concentrar. Sua mente de lobo, ainda que distorcida ao
redor das bordas, ainda conservava o suficiente de sua consciência humana para
saber que precisava escolher uma direção para fugir: pela estrada ou na floresta?
Um gemido escapou dele enquanto tentava decidir o que fazer. Ele esperou por
muito tempo.

O instinto o fez escapar quando uma mão passou por ele e o perdeu por
pouco. Depois ele voou, quatro pernas pulando no umbroso refúgio da floresta.
Ele precisava encontrar um lugar para se esconder. Algum lugar seguro até que
sua mãe ou pai o encontrasse.

E eles virão. Com isso, ele não tinha dúvidas,


porque o amavam. Jacques agarrou-se a esse
pensamento enquanto corria e tropeçava, medo ao
lutar contra as drogas que o queriam fazer dormir, um medo aumentado pelo
médico maldito que seguia atrás. Ele correu até que não podia mais negar a
droga bombeando através de seu sistema e esperava que estivesse escondido o
suficiente.

Então, antes que a escuridão o tomasse, ele rezou. Me ajude, Mama. Me ajude,
Dada.
Remy e seu lobo lutaram pela supremacia. Uma parte dele, a parte selvagem,
queria caçar seu lobinho, rastrear aquele que o pegou e os separou. Ouvia-o
gritar. Isso o aborreceu pelo que ele fez com sua companheira e filho.

Mas o homem, que segurava os fios mais finos, sabia que sua mulher
precisava dele. Uma bagunça de soluços, ela estremeceu na mesa da cozinha,
com o rosto vermelho e manchado. Como ele poderia deixá-la assim? Mesmo
com as mulheres que tinham chegado para ficar com ela, parecia além de cruel
deixá-la sentar e esperar sozinha. Ele sabia que não podia fazê-lo. Por que ele
deveria esperar? As chances de Jacques fugir por conta própria eram escassas.

— Vamos.

— Vamos para onde? — Ela fungou.

— Procurar por nosso filho.

— Eu pensei que era melhor ficar aqui caso ele voltasse?

— Foda-se isso. Eu não posso sentar aqui e esperar, e você também não
pode. Precisamos estar fazendo algo. Se ele aparecer, então isso significa que ele
estará seguro e eles nos chamarão. Enquanto isso, poderíamos nos juntar ao
grupo de busca. Eles não podem ter ido longe demais.

Os ombros endireitam-se, Mina levantou e limpou o rosto molhado.

— Então, o que estamos esperando? — Remy estendeu a mão e, sem


hesitação, deslizou os dedos entre os dela.

— Nós o encontraremos, baby. — Eles tinham que fazer. Ele não suportava
qualquer outro pensamento.

— Eu queria poder estar tão certa disso.


— Certifique-se então. — Porque ele não estava prestes a perder sua família
e tinha uma promessa para manter. Desculpe, Jacques. Você deveria estar
seguro. Mas quem poderia ter esperado um ataque tão descarado? Dirigir
audazmente a luz do dia e sequestrar seu filho? Apenas um louco ousaria tal
coisa. Ou um bastardo realmente doente.

O último assustou Remy acima de tudo. Ele sentiu o rastro persistente do


humano, o senso de algo errado. Um homem com nada a perder poderia fazer
qualquer coisa. Tinha feito o impensável. Que outras depravações eram capazes
os sequestradores? Remy realmente não queria descobrir. Precisavam localizar
o veículo em que o sequestrador havia levado seu filho.

Entrando na caminhonete, ele ligou o rádio e ouviu a conversa, pois aqueles


que mantiveram sua forma humana relataram suas descobertas. O problema era
que eles não tinham muito para relatar. Um grupo de crianças que tinham visto
uma minivan e um estranho. Azul. Não, preto. Talvez verde. Não era uma van,
mas um carro de corrida. Não, um carro pequeno. Um carro grande. O
problema com as testemunhas é que duas pessoas podem não ver exatamente
o mesmo.

Adicionando a bagunça, de quinze minutos atrás, caiu uma leve chuva. Não
um dilúvio, mas denso e úmido o suficiente para limpar quaisquer trilhas
perfumadas, mesmo que tenham localizado uma possível. Remy queria balançar
o punho para céu e amaldiçoar. Tendo Mina tremendo miseravelmente ao seu
lado, se segurou. Não faria nada para deixá-la saber quão desesperada a situação
parecia. Sem uma pausa, Remy temia que não encontrassem seu filho.

— Para onde vamos? — Ela perguntou enquanto olhava pela janela.

Onde de fato? Seu GPS montou uma rota, mostrou um mapa das estradas,
estradas que ele conhecia como a palma de sua mão. Pense. Onde o
sequestrador iria? Ele obviamente tinha algum tipo de motivo oculto. Um
homem que tinha enfrentado as terras do bando, obviamente, tinha um plano
de fuga. Seus olhos examinaram as rotas. — Existem muitas maneiras de sair
da cidade. — Ele pensou em voz alta.

— Ele poderia ter ido por qualquer um.


Qualquer direção.
— Não necessariamente. Se assumirmos que a descrição das crianças é
precisa e o sequestrador é aquele médico que você foi ver, então ele é do Leste,
o que reduz as alternativas. Ele vai querer evitar áreas ocupadas, então vai
apontar para estradas secundárias que não o levarão pela cidade. Não há muitas
delas que se dirigem para o leste, e meu pai está indo em uma, Dean na outra.
Mas há uma terceira. Não aparece em qualquer GPS, mas se o médico fez sua
pesquisa ou acessou imagens de satélite da área e pré-definiu isso, então há uma
chance de ele saber sobre esta estrada oculta e que tenha a pegado.

— Como isso nos ajuda? Estamos quase uma meia hora atrás dele.

Preciosos minutos que Remy perdeu quando foi pela primeira vez à cena do
crime, procurando por uma pista e depois em casa para que sua companheira
ouvisse as notícias dele, mas ele poderia ganhar esses minutos.

— Não esqueça, eu conheço essa área. Ele não. Posso diminuir a lacuna.

E ele fez, atingindo a estrada aberta em tempo recorde. Os pneus da


caminhonete giraram um pouco primeiro no cascalho molhado até que ele se
deslocou com a tração nas quatro rodas. Limpadores tirando a umidade, ele
manteve os olhos abertos à frente, procurando por luzes traseiras. Quando viu
algumas no lado da estrada, estacionado e com uma porta aberta, ele
imediatamente parou e saltou. Só levou uma fungada no interior para saber que
ele havia encontrado o veículo. Inalando profundamente, ele memorizou o odor
do homem, a sensação de algo errado mais forte do que nunca. Você não pode
se esconder de mim agora, seu bastardo.

Puxando a cabeça para fora, ele rosnou quando percebeu que o cheiro se
desfazia um pouco com a chuva. A umidade frustrou seu nariz. A frustração fez
com que ele gritasse para o céu.

— Maldito inferno! — Seu filho precisava dele, e ele não tinha como
encontrá-lo. Nenhuma maneira de rastreá-lo. Ou ele podia? Rasgando sua
camisa, ignorando o suspiro de Mina, ele deixou sua besta sair.

Eu preciso caçar, e quando se tratava de uma


perseguição selvagem, o lobo precisava dominar.
Remy renunciou a seu controle para a outra metade,
de uma maneira que ele não permitiu desde a noite em que acasalou com Mina.
Mas desta vez, ele sabia muito bem o que fazia. Sabia e abraçou isso.

Caçar, ele ordenou ao seu lobo. Encontre nosso filhote. Traga-o de volta para Mina,
seguro e bem. Então mate. Mate aquele que se atreveu a tocar no que é nosso.

Meu Deus. Que pesadelo. E ela não quis dizer da maneira selvagem, Remy
tirou suas roupas enquanto se transformava em um lobo maciço com olhos
diabolicamente amarelados, uma bagunça peluda e rosada que soltou um uivo
selvagem. Remy correu dela até as sombras do bosque, mas Mina não o temia.
Não, ela realmente se animou silenciosamente com o fato dele se virar para o
lobo porque se alguém pudesse encontrar seu filho nesta bagunça, era Remy.
No entanto, a confiança nele não significava que ela ficaria quieta. Seu garotinho
estava lá fora naqueles bosques perseguidos por um louco, um louco que
conhecia seu segredo. Um doente que ela trouxe para suas vidas. Uma ameaça
que precisava ser eliminada se Deus aprovasse ou não.

Armando-se com uma chave de roda que encontrou na parte de trás da


caminhonete, ela entrou na floresta, fúria era seu único guia.

Seu bebê estava lá. Sozinho. Assustado. E tudo por causa de um homem cujo
propósito ela ainda não tinha entendido. Por que o médico passou por tantos
problemas para persegui-los? Ele trabalhava para o governo? Ou ele era apenas
um doente que viu a oportunidade no lado especial do seu filho?

Será que ela se importava? O Dr. Moireau ameaçou seu filho. Ele feriu meu
bebê. Você poderia fazer muitas coisas para Mina, chamar de nomes feios,
rebaixá-la, ignorá-la, rejeitá-la, e ela ficaria calada. Inferno, ela usou todo esse
abuso para se fortalecer. Mas machucar seu filho? Ninguém faz isso. Eu não vou
permitir isso!

E se a chance de salvar sua família chegasse?


Esqueceria os mandamentos de Deus. Não se
importava se fosse um pecado. Ela não hesitaria.
Atravessando a floresta pingando, Remy usou seus olhos afiados para rastrear
a trilha deixada para trás, uma trilha que tanto exultava quanto assustava. A
impressão úmida de patas, pequenas patas, patas de lobo pressionadas nas
folhas úmidas e na lama. Jacques mudou. Esse é meu filho. Ele conseguiu escapar.
Mas, em cima de algumas dessas marcas, estava o largo caminho de um sapato
humano. O médico seguiu seu filhote.

A chuva obscureceu muito o cheiro de sua presa e obscureceu sua visibilidade


quando a floresta grossa surgiu ao seu redor. O cano de uma arma era sua
primeira indicação de que ele havia encontrado sua presa, a bala disparada
cortando a pele de seu ombro.

Remy tropeçou e virou-se. Ele ignorou a dor florescendo em seu ombro.


Nada poderia comparar com a dor que sofreria se algo acontecesse com seu
filho.

Com os pés plantados, um humano mais velho apontou a arma. Seu cabelo
estava bagunçado em seu crânio, e um brilho selvagem brilhava em seus olhos
reumáticos.

— E você deve ser o papai. — Cacarejou o médico. — Eu acho que talvez


deveria ter trazido mais homens depois de tudo. Eu esperava conseguir minhas
mãos apenas no menino. Mas um homem adulto... Que prêmio maior.

Rosnando, Remy puxou o lábio para trás mostrando seus longos caninos e
se inclinou para frente. O humano se segurou no chão, mas a arma girou para a
esquerda.

— Eu não faria isso se fosse você.

O olhar de Remy virou, e ele parou em seu


caminho. Movendo-se perto do pé do médico
estava uma pequena pilha peluda. Jacques.
Morto ou vivo? Ele não se atrevia a piscar seu olhar ou respirar até ver um
ligeiro aumento indicando que seu lobinho ainda respirava.

Onde seu lobo agora se mostrou ineficaz, talvez o homem e a lógica


pudessem prevalecer. Remy voltou, despreocupado com o médico que viu seu
segredo. Homens mortos não falavam. E, apesar do que o médico achava, ele
não deixaria essa floresta vivo.

— Fascinante. E pensar que você conseguiu viver sob nossos próprios


narizes todo esse tempo.

— Porque matamos aqueles que podem trair o nosso segredo. — Remy


imbuiu cada pingo da ameaça que ele poderia em seu sorriso.

No entanto, o maníaco diante dele não se encolheu.

— Não é tão secreto mais. Nós sabemos sobre vocês, criaturas.

— Quem sabem?

— Você não gostaria de saber? Que vergonha que você nunca vai descobrir.
Já tenho um espécime vivo. Não preciso de dois. A arma voltou a apontar para
o seu coração.

— Como você nos encontrou? Eu sei que meu pai não deixou nenhuma
trilha.

— Ele não fez. Pensei ter perdido você, e depois de chegar tão perto de pegar
o pirralho e a mãe dele.

— Então, como você o localizou?

— Um dispositivo de rastreamento plantado nas coisas da sua namorada. Foi


estupidamente fácil e logo abaixo do nariz do seu amigo. Tornou-se muito fácil
subornar alguns bandidos locais para deslizar um em seu carro quando eles
pararam e pediram a seu amigo uma ajuda enquanto ele estava se preparando
para sair.

Maldita tecnologia.

— Por quê? O que você quer?


— Porque isso é uma impossibilidade científica, que precisa de um estudo
mais aprofundado.

— Você quer estudá-lo?

— Estudá-lo. Dissecá-lo. — O médico encolheu os ombros. — As pessoas


para as quais eu trabalho não se importam.

Novamente com essas alusões ficou claro que ele não trabalhava sozinho.

— Pegue-me em vez do garoto.

— Porque eu faria isso?

— Porque ele é uma criança. Um inocente. Certamente aqueles para quem


você trabalha não vão se importar com a diferença, especialmente porque eles
realmente podem me questionar. — Não que ele fosse responder. Se ele fosse
pego, morreria antes de contar os segredos do seu bando.

— Minha filha também era inocente. Minha linda Caroline. Doce e pura, até
que ele veio e a contaminou. — O rosto do médico escureceu. — Ela me deixou
por aquele bastardo sem dizer uma palavra, e pensei que ela tinha ido embora
até que voltou para casa, balbuciando sobre lobos e sociedades secretas. Eu
pensei que ela estava louca, que se juntou a algum culto. Até o bebê nascer.

— Sua filha tinha um filhote Lycan?

— Filhote? Você faz parecer tão normal. Não era. Ela criou um monstro.
Mas, de qualquer forma, ela também não era humana. Ou então eu fiquei
sabendo mais tarde. No entanto, já era tarde demais.

Remy manteve o médico falando, esperando que não percebesse como ele
avançava, medindo quando ele conseguiria fazer um movimento.

— O que aconteceu com ela e com a criança?

— Ela se foi. Ela e seu bebê. Deixou-me uma nota dizendo que era apenas
um mal-entendido e para esquecer que ela havia dito
qualquer coisa.
— Eu imagino que você não fez. — Olhos ardentes cheios de fúria indicaram
que o médico não tinha esquecido.

— Como se eu fosse perdoar e esquecer o que eles fizeram com ela. Você
sabe que quando eu a encontrei, ela estava usando meus contatos para realmente
tentar defender o bastardo? Ele e o monstro que eles criaram?

— O que você fez? — O que esse humano doente fez para sua própria filha
e seu neto?

— Eu apenas fiz o que tinha que fazer, claro. Cumpri meu dever com a raça
humana. Mas isso não funcionou como esperado, e por isso, desta vez, vou
fazer as coisas de forma diferente com essa anormalidade. — Quando os olhos
do médico se dirigiram para Jacques, para melhor apontar seu chute, Remy
pulou. Mas Mina estava lá primeiro e gritando.

— Sobre o meu cadáver! — Sua companheira balançou uma chave de roda


pesada e acertou o médico na parte de trás da cabeça. Com os olhos revirando,
o humano caiu no chão. Morto ou inconsciente, Remy não se importava. Ele
pegou sua companheira e seu filho, abraçando-os debaixo da chuva que caia,
suas lágrimas quentes misturando-se com as gotas geladas.

Eles estavam vivos e seguros. Isso era tudo o que importava.


Os acontecimentos depois que ela acertou o médico e ele caiu em um
amontoado passou em um borrão para Mina. Ela vagamente lembrou-se de
abraçar um pequeno corpo peludo em seu peito, soluçando incontrolavelmente
até o filhote se transformar em um pequeno garoto cuja fala familiar era
preciosa.

— Mama. — Fez com que ela o abraçasse tão forte que ele protestou. Ela
podia compreender, considerando com quanta veemência Remy abraçava ela e
seu filho.

Todos sofreram um enorme susto. Mas eles sobreviveram. Por sorte, Jacques
só sofreu algumas contusões e arranhões. Mas sua mente se recuperaria do
trauma? Só o tempo diria.

Quanto a Remy, a ferida da bala deixou um sulco profundo, que demorou


alguns dias para curar, mas de modo algum o parou. A assombração em seus
olhos, no entanto, levaria mais tempo. Cada um deles suportou o peso de sua
culpa, ela por levar o louco às suas vidas, Remy por não o pegar antes de fazer
Jacques se machucar. Não importava quantas vezes às pessoas dissessem que
tiveram sorte, ambos chegaram tão perto de perder seu filho e de perder a
felicidade que eles encontraram recentemente. E, dadas às palavras do médico,
sua provação ainda não tinha acabado. Não que o médico vivesse para contar
sua história. Mina não queria saber os detalhes, mas aprendeu o suficiente para
saber que Pierre e alguns dos outros Lycans cuidaram do Dr. Moireau. Ele não
os ameaçaria nem a ninguém novamente. Uma ameaça desapareceu. No
entanto, ele implicou que não estava sozinho.

Só depois que Jacques tinha tomado banho, vestido o pijama quente, e


aconchegado na cama, ela tentou falar sobre suas preocupações.

Ou deveria fazê-lo. Assim que fecharam a porta,


Remy a pegou em seus braços e a beijou sem fôlego.
Ele continuou beijando-a enquanto caminhava pelo corredor para o quarto dele,
onde usou o pé para fechar a porta.

Necessidade, frenética e abrupta, varreu-a. Necessidade de esquecer,


necessidade de se sentir viva. Apesar da turbulência em sua mente, ela não lutou
contra isso. Não podia.

Ela beijou Remy de volta tão rudemente, seus dentes se chocando quando
suas mãos lutaram contra o tecido mantendo-os separados.

— Eu te amo, baby. — Ele continuou murmurando.

— Eu também te amo. — respondeu ela. — Oh, Deus, Remy. Eu estava tão


assustada.

Ele pousou sua testa contra a dela com suas palavras. Seus olhos fechados e
sua respiração engatada.

— Eu falhei com você. —Ele sussurrou. — Falhei com ambos.

Seu tom quebrou seu coração. Ela segurou suas bochechas.

— Você não fez. Você o encontrou.

— Mas e se eu não tivesse? Eu prometi que ele estava seguro. Prometi aos
dois, e mais uma vez falhei com vocês dois. Talvez você esteja melhor sem mim.
— Engraçado, como ele expressou as mesmas coisas que ela pensou mais de
uma vez.

— Agora você me escute, Remy Garoux. — Ela usou um tom severo. —


Passei os últimos dois anos pensando que nunca mais o encontraria, mas veja o
que aconteceu. Contra todas as probabilidades, estamos juntos.

— Por nenhuma ação minha.

— Não. Nós temos Deus para agradecer por isso. Ou a sorte. Ou o destino.
Qualquer que seja a força que está nos guiando, obviamente significa que
estamos juntos.

— O que você está dizendo?


— Estou dizendo que tenho fé. Fé em nós. Fé nessa família. Pela primeira
vez em um longo tempo, acredito que posso ter um feliz para sempre, com você
e Jacques. Somos uma família. Não somos?

— Claro que somos.

— Então é hora de você também acreditar. Pare de se culpar pelo passado e


as coisas fora do nosso controle. Se você quer culpar alguém pelo o que
aconteceu hoje, culpe-me. Eu fui a única que levou Jacques ao médico. Mas, ao
mesmo tempo, se não tivesse feito, talvez nunca teria encontrado você de novo.
Tudo acontece por um motivo. — E enquanto algumas dessas coisas eram
difíceis de suportar, a fortalecia. Fez ela e Remy as pessoas que eram hoje.

— Quando você ficou tão sábia? — Ele perguntou.

— Não sábia, apenas realista. — Remy suspirou.

— Você sabe que eu ainda vou me culpar.

— Eu sei. Assim como também me culpo. Mas... — Ela abraçou o pescoço


dele. — Posso pensar em maneiras de pedir desculpas um ao outro.

— Você pode? — Suas mãos deslizaram em torno de sua cintura.

— Definitivamente sim. — Ela disse, seus lábios escovando os dele.

Desta vez, seu abraço se moveu com uma suave sensualidade. Bocas
deslizando entre si, eles se exploraram com uma doce ternura que continuou
enquanto ele a colocava sobre a cama. Com uma reverência doce, suas mãos a
acariciaram, acendendo as terminações nervosas em sua pele. O corpo dele
aninhava-se entre suas pernas espalhadas, a cabeça dele sondando a entrada
úmida de seu sexo, cutucando e penetrando enquanto ela silenciosamente o
encorajava, suas línguas estavam muito ocupadas lambendo para falar.

Oh, como ela amava a sensação dele dentro dela. A conexão de seus corpos.
A intimidade. Mais rápido ele empurrava, enquanto suas unhas cavavam em
seus ombros. Ele estremeceu enquanto seus dedos
roçaram sua ferida.

— Sinto muito. — Ela ofegou.


— Não sinta. Aqui, pegue o travesseiro em vez disso.

Ela não entendeu suas instruções até ele se retirar e a virar com o estômago
para baixo. Rosto enterrado no travesseiro, ela agarrou-o quando ele entrou por
trás, a posição de alguma forma mais carnal e excitante. Em cima, ele puxou os
quadris, espalhando as coxas, expondo-a.

— Tão bonita. — Ele murmurou. — Rosa, molhada e deliciosa.

A velha Mina se ruborizava com suas palavras, mas estava muito ocupada
curtindo para sentir algum embaraço, especialmente quando ele estava
profundamente enterrado nela. Juntos se mexeram, um ritmo sexual que
aumentou com o tempo, até que com um grito abafado por seu travesseiro, ela
gozou, sua buceta o ordenhando com força. Remy grunhiu e mergulhou mais e
mais fundo, chegando ao clímax. Derramando seu próprio orgasmo quente,
banhando seu canal por um momento antes de envolver seu corpo sobre o dela.
Juntos, eles ofegaram, descendo de seu pico feliz.

Depois de se retirar dela, ele se deitou a levando junto para ficarem de


conchinha. A questão que a atormentava mais cedo voltou a assombrá-la, e
apesar da paz do momento ela teve que expressá-la.

— Será sempre assim? — Perguntou a Remy.

— Bem, eu tenho certeza de que em uma dúzia de anos, o sexo vai dominar
um pouco menos, tipo, digamos, talvez apenas uma ou duas vezes por dia.

— Remy!

— Tudo bem, uma vez por dia.

— Seja sério.

— Eu pensei que estava sendo.

— Você sabe que não é o que eu quis dizer. Quis dizer que sempre vamos
ter que nos cuidar? O Dr. Moireau deixou
transparecer que outros sabem. E se este é apenas o
início das tentativas de sequestrar Jacques? E se...
— Shhh, baby. — Ele a calou com um dedo em seus lábios. — É minha vez
de dizer que tudo ficará bem.

— Então, você sabe com certeza que acabou? — Ela procurou se


tranquilizar.

— Não. Ninguém pode garantir isso. O perigo pode espreitar e atacar nos
próximos cinco minutos. Ou uma semana. Ou um ano. Ou vinte. O bando está
sempre em perigo de ser descoberto. Nosso segredo sempre nos colocará em
perigo. Nós sempre teremos que permanecer vigilantes.

— Como você pode viver assim?

— Porque somos sobreviventes. Assim como os nossos antepassados foram.


Assim como você é.

Verdade. Não tinha enfrentado tudo o que o mundo atirou nela? E ganhou.
Quando a vida finalmente ficaria mais fácil? Algo de seu abatimento deve ter
mostrado, porque Remy a abraçou por um longo e silencioso momento antes
de inclinar o queixo para olhá-la atentamente nos olhos.

— Eu percebi que a merda ficou muito ruim por um momento. Chegamos a


um obstáculo naquele caminho para a felicidade que prometi.

— Um grande.

— Um grande. — Admitiu. — No entanto, a vida continua e não será um


único golpe que nos derrubará. Mas nem sempre podemos evitá-los. No
entanto, podemos optar por não permitir que eles nos assustem. Esta é a nossa
vida, e podemos fazer aquilo o que quisermos. Podemos viver com medo ou
viver ao máximo, agarrando cada chance de felicidade que possamos.

— Como? — Ele encolheu os ombros.

— Não há uma resposta para isso, mas começa a não brincar com todas as
sombras, mas permanecer vigilantes. Ao ensinar nosso filho a ficar seguro.
Evitando coisas que possam nos expor.

Como médicos loucos com histórias sobre filhas


em cultos.
— Então eu serei como aquelas pessoas que deixaram a multidão e entraram
na proteção de testemunhas. Nunca posso confiar em ninguém.

— Nem todos. Você pode confiar em mim. Estarei com você a cada passo,
se você me quiser.

— Porque você precisa. Conheço o seu segredo. Seu bando nunca me


deixaria ir.

— Mas eu nunca a obrigaria a ficar. Quero você, Mina. Quero você e Jacques.
Quero amar você e apreciá-la pelo resto de nossas vidas. Só posso esperar que
você também queira.

Olhando em seus olhos, aqueles olhos brilhantes dourados, como poderia


dizer não? Apesar do perigo, ela precisava de Remy. Jacques precisava de seu
pai. E maldita seja, eles estavam felizes. Podiam ser felizes. Nós seremos felizes.
Confiava nisso. Em Remy, ela colocou sua fé e amor.

— Eu também te amo. E escolho estar com você.

— Para sempre? — Ele perguntou.

— Para sempre.
O nascimento de sua filha fez Mina chorar. Não por causa da dor, a peridural
cuidou disso, mas, ao contrário da sua primeira gravidez, ela não passou por
isso sozinha. Remy segurou sua mão o tempo todo e quando ela empurrou
Annette para o mundo, ele estava lá para pegá-la, o rosto dobrado em um sorriso
tão grande que Mina explodiu em lágrimas.

Ela soluçou enquanto cortava o cordão. Chorou enquanto ele a abraçava e a


beijava enquanto lhe dizia o quanto a amava. Fungou quando ele lhe entregou
o bebê sujo. Lagrimas continuou a fluir quando Jacques, que viria com Pierre,
se reuniu com ela e Remy para os oohs e aahs a mais nova adição à família.

Remy não pediu que ela parasse as lágrimas, ele apenas esfregava
pacientemente suas bochechas, assim como tinha cuidado durante toda a
gravidez. Somente os homens mais maravilhosos buscariam Dunkin 'Donuts
um deleite cheio de caramelo. Somente os mais dedicados companheiros
resolveriam esfregar seus pés todas as noites quando ficassem inchados demais
para os sapatos. Somente um homem que a amava teria aguentado durante nove
meses de balanço emocional, pois lidava com todas as mudanças que a vida
jogava, e aprendeu a aproveitar os pesadelos do sequestro até que eles
finalmente pararam de assustá-la.

Pronunciando que Mina e o bebê estavam saudáveis, o hospital, e não a


clínica de animais como Mina temia, a liberou para ir para casa na manhã
seguinte. Ela meio que sentiu falta do ritmo silencioso do centro médico, pois
teve que suportar um dia agitado de pessoas que vinham para ver a mais nova
adição. E, com alguma prática estranha, não podia entender, esses mesmos
visitantes deixavam comida e mais comida. Bastante comida para que ela não
precisasse cozinhar por semanas. A coisa toda a
esgotou, e ela adormeceu ao comer uma das
caçarolas da vizinhança, muito cansada para até terminar.

Ela acordou as primeiras horas com o som de murmúrios suaves. Se


concentrando, ela entendeu palavras e sorriu enquanto as lágrimas desciam.

— Minha pequena princesa. — Ela ouviu Remy sussurrar. — Eu vou tratá-


la como a realeza. Você vai ficar tão mimada, mas está tudo bem porque você
vai ser a pequena garota do papai. Eu vou estar lá quando você der seu primeiro
passo. Quando você jogar sua primeira bola de neve. Eu vou ensinar você a
andar de bicicleta e a socar um garoto no nariz. Eu vou te atrapalhar junto com
seu irmão. Eu estarei lá em cada momento importante de suas vidas. Eu
prometo. Eu te amo muito. E sua mãe intrometida também.

Mina sorri e rolou em suas costas enquanto Remy se dirigia para ela com o
bebê embalado em suas grandes mãos. Ela estendeu as mãos e agarrou sua filha,
guiando os lábios franzidos em seu peito, deixando sua filha saciar a fome.

Remy se sentou do lado dela, observando com uma ternura que crescia. Ah,
como ele a amava mesmo que seu reaparecimento em sua vida deixasse seu
mundo inteiro de cabeça para baixo.

A culpa que sentiu quando toda a cidade teve que se preparar e se mudar
tinham ido embora principalmente. Deus, ela ficou tão horrorizada quando
descobriu que as ações do médico significavam que a maioria da comunidade
Lycan precisava ir embora.

Incerteza de quanto o médico sabia e suspeitava, ninguém queria dar uma


segunda chance aos sequestradores. Família por família, os Lycans
desapareceram, a maioria sem um adeus. Os amigos de vida separados, as casas
de infância foram abandonadas, os empregos e as carreiras abandonadas.

— Sinto muito. — Ela sussurrou quando descobriu. Como se essas palavras


triviais pudessem fazer tudo desaparecer.

As mãos apertadas agarraram suas bochechas, e Remy a olhou nos olhos.

— Não sinta. Isso acontece com todos os bandos


Lycan eventualmente. Você só pode viver em algum
lugar tanto tempo até alguém começar a suspeitar
que as coisas não são normais. Está tudo bem. Temos protocolos para esse tipo
de situação. Tudo vai ficar bem.

Por muito tempo, porém, ela temia que não ficassem. A mudança foi bem o
suficiente, o caminhão chegando e partindo no meio da noite, suas coisas
enviadas para lá, para nunca mais serem vistas novamente. Era mais seguro
dessa maneira. Os únicos itens que eles mantiveram foram o que eles poderiam
embalar em sua primeira minivan suavemente usada.

Oh, o rosto que o pobre Remy tinha, meio doente, meio contente, quando
ele subiu no banco do motorista pela primeira vez.

— Eu não posso acreditar que estou dirigindo uma minivan. — O desgosto


em seu tom a fez rir.

— Eu sinto muito?

— Não, você não sente. — Mas ele não disse isso com raiva. Remy prosperou
em ser um homem de família. E era maravilhoso nisso. Com Pierre a reboque,
eles foram na direção oposta do caminhão com todos os seus pertences,
trocando placas ao longo do caminho, junto com minivans, para evitar serem
seguidos através do GPS. Quando terminaram em seu destino final, uma
pequena cidade aninhada em uma floresta de Nova Brunswick com um pequeno
bando que precisava de um alfa, Mina suspirou aliviada.

Estamos em casa. Agora eles realmente começariam de novo. Mas desta vez
eu estou fazendo isso com a cabeça erguida. Já não me escondendo quando as
pessoas deram a ela e à sua família um segundo olhar. Ela encontrava seus
olhares de frente e ouvia dizer algo. Esperando os insultos. Curiosamente,
diante de seu desafio, ninguém o fez.

Quanto a sua crença equivocada, há tantos anos atrás, ela se acostumou com
o diabo? Sim, sim, ela tinha, um diabo com senso de humor, uma língua perversa
e um corpo ainda mais decadente. Se acordar sorrindo com o homem que amava
fosse um pecado, então que seja assim. Passaria uma eternidade nos fogos do
amor de Remy sobre qualquer outra coisa. Porque
eu me recuso a viver nas sombras e medo para
sempre. Tomaria cada momento de felicidade que
Deus concedesse e apreciaria porque não conseguia prever o que o futuro traria,
mas poderia planejar o hoje. E hoje ela planejou sorrir e amar.
Olá e obrigada por ter tido tempo para ler algo que escrevi. Espero ter
conseguido entretê-lo e fazer você rir uma ou duas vezes. Como você realmente
leu esta nota, acho que isso significa que você é curioso sobre mim, então aqui
está a colher.

Eu sou uma mãe de três filhos, que é apenas tímida de quarenta anos. Eu sou
casada (mais de treze anos agora) com um homem que eu adoro - quando ele
não está me deixando louca. Uma verdadeira romântica, acredito totalmente no
amor à primeira vista. Mas, novamente, eu também acho que há vida “lá,”
espero que seja tão sexy quanto os alienígenas que criei na minha mente. Ri
muito.

Eu sou canadense, mas sendo uma pirralha militar, eu fui de costa a costa.
Agora, estou morando na área de Ottawa, hóquei, poutine e beavertails, yay, e
curtindo o caos da vida familiar.

Até que nos encontremos nas páginas de um livro novamente, desejo


toneladas de ótimas leituras e sorrisos.