Você está na página 1de 4

LIÇÃO – 09

SUBSÍDIO PARA O ESTUDO DA 9º LIÇÃO JOVEM


2º TRIMESTRE DE 2018

DOMINGO, 27 DE MAIO DE 2018.

CORAGEM EM MEIO A PERSEGUIÇÃO

Texto áureo
“Pelo que também rogamos sempre por vós,
Para que o nosso Deus vos faça dignos da sua
Vocação e cumpra todo desejo da sua bondade
e a obra da fé com poder.”
(1 Ts 5.15)

INTRODUÇÃO

Queridos irmão, a paz do Senhor Jesus a todos os leitores e estudiosos da lição da


EBDJ, aqui quem escreve é o Aux. Lucas Silva, e hoje, mas uma vez, estaremos
estudando e refletindo a respeito do comportamento dos irmãos tessalonicenses
diante da perseguição e compreender que, mesmo em meio às tribulações o Senhor
está conosco, “ALELUIA!”, iremos falar como uma jovem igreja deve reagir diante
de uma severa perseguição que lhe aflige? Que armas teriam a inexperiente
comunidade em Tessalônica para enfrentar as sofisticadas artimanhas do mal, cuja
principal finalidade era o desmantelamento á paz interna daquele grupo de irmão?
Como não havia e nem há manual de instruções com dicas exaustivas para cada
situação adversas que enfrentamos a saída encontrada por aquele grupo de irmãos
foi lançar-se naquilo em que eles mais prosperavam que era o AMOR, a FÉ e
ESPERANÇA.

COMO SE PORTAR DIANTE DAS TRIBULAÇÕES?

Ora! a nossa lição diz, que a fé dos tessalonicenses não estagnou, apesar das
severas tribulações, das heresias que se infiltravam naquela comunidade, eles
cresceram em confiança diante do Senhor.
A maior parte dos especialistas concorda que o contexto histórico que é
problematizado na segunda epístola que Paulo escreveu aos tessalonicenses dita
apenas em questão de meses com relação ao conteúdo da primeira, ainda que,
conforme alguns aleguem, a escrita da carta possa ter sido um pouco posterior.
Nos três pequenos capítulos que compõem 2 Tessalonicenses, temos uma
discussão constante sobre a situação adversa que os tessalonicenses enfrentavam,
no capítulo introdutório da epistola, temos uma palavra de fortalecimento àqueles
que, diante das angustias produzidas pela perseguição do estado e dos fanáticos
religiosos, devem crer que receberão a justa retribuição do Senhor, assim como da
mesma maneira acontecerá com os ímpios também.
Já no segundo capítulo, Paulo concentra-se em demostrar que o sofrimento em
tessalonicense, que pode ser facilmente inidentificável a partir de um contexto
histórico e político, faz parte de um grande plano de resistência que os filhos de
Deus impõem contra as forças do maligno que, de maneira muito insistente,
procuram dominar toda a história humana.
Por fim, no capítulo que encerra a carta, o apóstolo discute sobre os problemas
oriundos da presença de pessoas desordeiras sobre os problemas oriundos da
presença de pessoas desordeiras na comunidade, esses indivíduos estavam
causando distúrbios internos na jovem igreja que se estabeleceu naquela cidade;
homens desocupados que defendiam sua condição de ociosidade como um
comportamento recomendável; pessoas que se intrometiam na vida alheia como
instrumentos de controle, em suma, pessoas completamente insubmissas.
Fazendo uma leitura apressada, alguém talvez possa defender que esse é o
menor dos problemas; contudo, quem convive no seio de uma igreja local
sabe o quanto tais conflitos interpessoais prejudicam e desestabilizam a paz
que se espera encontrar num ambiente comunitário, temos, assim, uma carta
escrita com a intenção de consolar aquela comunidade diante desse conjunto de
problemas que se impunham, esta então, pode ser a chave hermenêutica para uma
possível leitura de 2 Tessalonicenses; consolo em meio as tribulações.
Como veremos, Paulo concentra-se em consolar os corações em Tessalônica por
meio da lembrança de que Deus que fez a semente do evangelho germinar entre
aqueles irmãos, é o mesmo que não desistirá de amá-los e protegê-los em todo o
tempo, este é o maior consolo que podemos ter em tempos de crise e medo, é a
presença do Senhor que será continuamente conosco.
Como bem demostrará Paulo, a vitória final que alcançaremos será contra as
forças da maldade que já operam entre nós hoje, mas que, no momento
determinado pelo Senhor, serão completamente destruídas conforme sua vontade;
o apóstolo dedica-se, assim, a apontar os sinais que indicam o retorno triunfante
de Jesus para o estabelecimento de seu Reino eterno.
É o consolo que Deus também virá aos tessalonicenses, como podemos perceber
na leitura da epístola, por meio da atuação ministerial do próprio apóstolo e sua
equipe, é exatamente isto que o Senhor faz primeiro ele vocaciona pessoas para
que, por meio destas, sua glória sejam revelados aqueles que necessitam de apoio.
Por vez, numa compreensão errônea da maneira como Deus age, lançamo-nos
ardorosamente em oração, na verdade, o Senhor já tem preparado, de maneira
providencial, pessoas, amigos e irmãos, isto é, gente de carne e osso, para auxiliar-
nos em nossas fraquezas.
Mesmo distante, as cartas de Paulo endereçadas àquela igreja eram um bálsamo
em tempos de fortes feridas, a presença do jovem obreiro Timóteo entre eles era
prova do imenso cuidado do Senhor por aquela comunidade, o alento de Deus para
aquele grupo de irmãos também veio por meio dos obreiros enviados pelo Senhor
para anunciar o evangelho.
Por fim, o cuidado de Deus para com os tessalonicenses manifesta-se por meio do
fortalecimento, na verdade, uma das características da ação de Deus no interior de
uma comunidade é esta; o Senhor produz unidade e mutualidade, por meio da
operação do Espirito Santo, as pessoas não se percebem mais como indivíduos
isolados, ou autônomos com relação às outras pessoas, pelo contrário, somos
conduzidos a sentir as dores e da alegria um dos outros, por meio de uma
compreensão da realidade que nos liga profundamente uns com os outros.
O QUE ESPERAR EM TEMPOS DE TRIBULAÇÃO?

Levando em consideração tudo o que aquela igreja enfrentava mui especialmente


a intolerância por parte da população local, o que poderia garantir que eles
estavam no caminho certo?
Ora! O coração dos tessalonicenses não se fechou para amar, apesar das múltiplas
dores que aquela comunidade suportou quantos de nós, ao menor sinal de
contrariedades, isolamo-nos do contato com outras pessoas e, em alguns casos,
chegamos até mesmo a romper relacionamentos.
Os cristãos em Tessalônica, ao contrário, expandiu sua compreensão de amor e
misericórdia, conforme Paulo testemunha, os sentimentos amáveis dos
tessalonicenses não eram exclusivos, ou seja, concentrados apenas em pessoas do
círculo cristão daquela comunidade; antes, tanto havia amor entre os irmãos que
comungavam da mesma fé em Cristo, como amor dos crentes também abarcou as
pessoas no entorno da igreja local que, ainda sem compreenderem as verdades da
graça de Deus, recebiam o amor e a compaixão dos nascidos de novo.
O comportamento dos tessalonicenses é muito inspirativo para os tempos de
atuais, pois vivemos em meio a acirramentos políticos, ódios culturais, mágoas
históricas que, quando envolvidas com o componente religioso, se potencializam
de maneira muito perigosa, em nosso contexto histórico, há não apenas supostos
cristãos dominados pelo ódio, como também existem pessoas que se utilizam de
supostos textos bíblicos para fundamentar seus ódios e intolerâncias, é claro que
tais comportamentos são completamente incompatíveis com a vida cristã, sim,
somos humanos e suscetíveis a iras e raivas; mas, todavia, a permanência nesses
estados emocional e mais, o aprofundamento de tais posturas, tornar-se-ão em
fundamento para o ódio.
Um mesmo coração não pode ser dominado pelo ódio e pelo amor ao mesmo
tempo, evidentemente, o ódio, por ser movido por passionalidade e impulsividade
animalesca, é muito mais fácil se se multiplica em nosso ser; entretanto, foi para
amar que Cristo resgatou-nos, desse modo, aquilo que, em tese, seria o mais
improvável de realizarmos em nosso cotidiano, torna-se realidade constante e
abundante por meio de Cristo Jesus em nós. ALELUIA!
É por isso, que, por meio do testemunho da igreja em Tessalônica apresentado
por Paulo em sua segunda carta a essa igreja, aprendemos que é possível pagar o
mal com o amor, de maneira literal e histórica, aprendemos na escrita do texto
paulino que a comunidade cristã encarou toda a situação adversa na qual estava
envolvida por meio da ótica do amor, é por isso, que somente por meio do amor,
podem-se encarar as mágoas e traições.

A ORAÇÃO DE PAULO PELOS TESSALONICENSES


Não vem dos tessalonicenses o direito a salvação; esta é uma obra
exclusivamente realizada por Deus, contudo, o eterno exige de seus filhos um
padrão ético e elevado.
Para Paulo, a espera por um mundo melhor tinha acabado com a morte e a
ressurreição de Cristo, com o advento de Cristo com o messias esperado, havia
posto um fim no presente mundo cheio de amarguras e sofrimentos, pois a morte
de Cristo e sua entrega teriam livrado a todos de seus pecados, com isso, Paulo
afirma que a promessa havia se concretizado com a morte e ressurreição de Cristo.
Como se pode perceber, a esperança do retorno de Cristo para salvar a sua igreja
fundamentada a vida cotidiana dos tessalonicenses; para alguns, como um desejo
ardentemente anelado; já para outros, como um pretexto ideal para uma
ociosidade premeditada, por tanto, tal como os irmãos de tessalônica, devemos
viver de maneira que tudo que façamos seja para a honra e o louvor ao Senhor.

CONCLUSÃO

Concluo esse subsídio falando que, os sofrimentos contínuos que a comunidade


em Tessalônica enfrentou, não foram suficientes para desmotivar aquele grupo de
irmãos a viver a verdade do evangelho que lhes foi anunciado, mais, a partir de um
tripé de virtudes cristãs que gerou fé, amor e paciência e esperança, a igreja
tessalonicense permaneceu fiel e alegre, sempre na expectativa da vinda do
Senhor.

AMÉM...

Aux. Lucas Silva