Você está na página 1de 46

TEA

ACOMODAÇÕES

SENSORIAIS NA ESCOLA
CANTINHO SENSORIAL NA

ESCOLA

FAVOR NÃO PISAR DE SAPATO!


APRENDIZADO
SISTEMAS SENSORIAIS- TÁTIL
 RECEPTORES: PELE

 FUNÇÕES: DEFESA E DISCRIMINAÇÃO (textura,


peso, tamanho, volume, temperatura, consistência...)

 INFLUENCIA E REGULA O NÍVEL DE ALERTA E O


EQUILÍBRIO EMOCIONAL.

 AUXILIA O PROPRIOCEPTIVO NO PLANEJAMENTO


MOTOR.
SISTEMAS SENSORIAIS- TÁTIL
HIPOSSENSIBILIDADE HIPERSENSIBILIDADE
 Não percebe ou não reage a  Não gosta de determinados
machucados; alimentos por causa da textura;
 Reage ao toque;
 Não sabe o que está tocando;  Evita contato físico;
 Fica irritado em fila;
 Não consegue perceber onde foi
tocada;  Empurra colegas (não suporta
proximidade);
 Não identifica um objeto pelo tato  Evitam atividades com texturas;
sem olhar para ele;  Não suportam etiquetas, roupa de
frio, pentear cabelos, escovar
 Não percebe objetos que deixa dentes...
cair no chão;  Não exploram bem brinquedos.

 Não percebe qdo está sujo;

 Leva tudo na boca.


SISTEMAS SENSORIAIS-
VESTIBULAR
 RECEPTORES: LABIRINTO (ouvido interno)
 FUNÇÕES: informar sobre a gravidade e movimento da
cabeça em relação ao corpo
 CONTRIBUI PARA O CONTROLE DO TÔNUS
POSTURAL, EQUILÍBRIO E MOVIMENTOS REFLEXOS
DOS OLHOS.
 INFLUENCIA O NÍVEL DE ALERTA.
 INTEGRAÇÃO BILATERAL (coordenar os dois
lados,especializar hemisférios, cruzar a linha média)
SISTEMAS SENSORIAIS-
VESTIBULAR
HIPOSSENSIBILIDADE HIPERSENSIBILIDADE

 Não fica tonto ou demora qdo  Tem medo ou enjôo com o


gira; movimento;

 Agitado, procura constante  Não se arriscam qdo os pés não


movimento (pula, corre, sobe em tocam o chão;
tudo)

 Se arrisca escalando lugares  Parece não gostar de parquinhos


altos; ou andar de carro;

 Move-se rapidamente sem  Evita a sensação, não se arrisca em


respeitar a segurança. alturas, escadas, elevadores...
SISTEMAS SENSORIAIS-
PROPRIOCEPTIVO
 RECEPTORES: MÚSCULOS, TENDÕES E
ARTICULAÇÕES
 FUNÇÕES: informar sobre a posição das partes do corpo
e movimento que está realizando
 RESPONDE AO TOQUE PROFUNDO.
 AJUDA A ACALMAR, DIMINUIR O RITMO E A
CENTRAR.
 AJUDA NO ESQUEMA CORPORAL PARA O
PLANEJAMENTO MOTOR.
SISTEMAS SENSORIAIS-
PROPRIOCEPTIVO
HIPOSSENSIBILIDADE HIPERSENSIBILIDADE

 Pobre consciência da posição do  Resposta excessiva ao contato


corpo e do movimento; físico;

 Derruba objetos, tromba nas  Pouco confortável em atividades


pessoas e objetos, desajeitado, de salto, corrida, ginástica ou
postura incorreta; esportes;

 Adora brincar de pular e


trombar, anda na ponta dos pés,  Evita atividades de pular, pendurar
inquietação motora; na barra;

 Tende a agarrar, bater ou sugar  Dieta limitada qto a textura.


objetos.
SISTEMAS SENSORIAIS- VISUAL
 RECEPTORES: OLHOS
 FUNÇÕES: Acuidade visual (ver e identificar),
sensibilidade a luz, visão cromática, contraste, visuomotora
 FUNDAMENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO
COGNITIVO, MOTOR E SOCIAL.
 AJUDA NA NOÇÃO DE ESPAÇO, ORIENTAÇÃO,
EQUILÍBRIO E ESQUEMA CORPORAL.
 AJUDA NO ESQUEMA CORPORAL PARA O
PLANEJAMENTO MOTOR.
SISTEMAS SENSORIAIS- VISUAL
HIPOSSENSIBILIDADE HIPERSENSIBILIDADE

 Não percebe detalhes nos  Dificuldade para desviar o olhar de


ambientes ou livros; um objeto a outro;

 Não consegue encontar um  Cansa facilmente ou fica irritado


objeto específico na gaveta ou qdo faz atividades visuais
estante; complexas;

 Procura a estimulação visual


como: lanterna, pisca-pisca, fica  Evita ambientes muito
na frente da TV por horas; estimulantes, gosta de luz fraca e
de óculos de sol;

 Evita contato visual.


SISTEMAS SENSORIAIS-
AUDITIVO
 RECEPTORES: OUVIDOS

 FUNÇÕES: audição

 FORNECE E RECEBE INFORMAÇÕES DE REGIÕES


CEREBRAIS FACILITANDO A INTERAÇÃO,
COMPREENSÃO E DOMÍNIO DO MEIO.

 FORNECE CARACTERÍSTICAS QUANTO AO TOM,


TIMBRE, VOLUME E INTENSIDADE SONORA.

 DESENVOLVIMENTO DA COMUNICAÇÃO.
SISTEMAS SENSORIAIS-
AUDITIVO
HIPOSSENSIBILIDADE HIPERSENSIBILIDADE

 Dificuldade para ajustar o  Dificuldade para filtrar o som


volume da fala; na sala de aula;

 Gosta de som alto,fala muito,  Se afasta de sons altos e tampa


canta, faz ruídos com a boca e os ouvidos quando barulhos
com as mãos. estridentes;

 Chora em locais cheios e


barulhentos ou com som de
fogos de artifício.
SISTEMAS SENSORIAIS-

GUSTATIVO E OLFATIVO
 A CRIANÇA É HIPERSENSÍVEL A SABORES E CHEIROS;

 PODE SER DIFÍCIL DISCRIMINAR A PARTIR DOS


PROBLEMAS TÁTEIS (PODE REJEITAR A COMIDA MAIS
PELA TEXTURA QUE PELO SABOR);

 PODE TER DIFICULDADE DE DIFERENCIAR OS


CHEIROS SEM O APOIO DA VISÃO;

 PODE SE ALERTAR DEVIDO A CERTOS CHEIROS.


DESENVOLVIMENTO SENSORIAL TÍPICO
Fases do Desenvolvimento da Integração Sensorial
1º FASE: até 2 anos autorregulação de alerta e atenção,
adaptação do comportamento reflexo à ação objetiva,
exploração de objetos e brincadeiras.
2º FASE: entre 2-5 anos integração dos lados do corpo,
cruzamento da linha média, reações de equilíbrio, esquema
corporal, planejamento motor grosso, imitação,
experimentação ativa.
3º FASE: entre 5-7 anos discriminação sensorial e
planejamento motor fino, lateralização.
Interação:facilitadora da aprendizagem.
4º FASE: a partir de 7 anos: aprendizagem acadêmica,
raciocínio abstrato, uso sofisticado de ferramentas,
jogos,regras, repetições.
DESENVOLVIMENTO SENSORIAL DA
CRIANÇA COM TEA
 1943 (KANNER): FALTA DE RESPOSTA AO INPUT
(ENTRADA) AMBIENTAL.
 DIFICULDADES NAS CAPACIDADES PERCEPTUAIS.
 APRESENTAM FALTA DE RESPOSTA OU UMA REAÇÃO
EXAGERADA AO ESTÍMULO.
 ESTEREOTIPIAS: FORNECEM INTENSO INPUT
SENSORIAL
EX.: SE BALANÇAR BUSCA DE ESTÍMULO VESTIBULAR
EX.:LEVAR OBJETO A BOCA BUSCA DE ESTÍMULO
TÁTIL E PROPRIOCEPTIVO.
 OCORRE UMA FALHA EM MANEJAR ESTÍMULOS
MÚLTIPLOS DO AMBIENTE.
IMPLICAÇÕES NA ESCOLA
INFORMAÇÕES SENSORIAIS
+
ATOS AUTOMÁTICOS E
VOLUNTÁRIOS
+
PERCEPÇÃO
=
APRENDIZAGEM
IMPLICAÇÕES NA ESCOLA
PRODUTOS FINAIS DO BOM PROCESSAMENTO
SENSORIAL:

 Concentração(alerta/atenção);
 Organização;
 Autorregulação;
 Autoestima e autoconfiança;
 Habilidades para aprender;
 Capacidade para abstrair sons e ruídos e focar a
atenção;
 Especialização da lateralidade;
 Estabilidade emocional;
 Planejamento e execução motora;
 Habilidade social.
IMPLICAÇÕES NA ESCOLA
DIFICULDADES COM O TÁTIL

 Recusa-se a brincar com outras crianças;


 Alta sensibilidade ao frio ou calor;
 Preferem jogos de mesa,computador ou atividades
isoladas;
 Não suportam atividades com argila,massinha e tinta;
 Não gostam de ser abraçadas.
IMPLICAÇÕES NA ESCOLA
DIFICULDADES COM O VESTIBULAR

 Desorganização espacial;
 Problemas com o espaçamento de palavras;
 Dificuldades com a diagramação e localização espacial
das letras;
 Caligrafia desarmônica;
 Troca/inversão de letras e números;
 Demora na preferência lateral;
 Dificuldade nos conceitos: dentro/fora; em cima/
embaixo;
 Dificuldade na motricidade fina: escrita, tesoura, pintura.
IMPLICAÇÕES NA ESCOLA
DIFICULDADES COM O PROPRIOCEPTIVO

 Movimentos incoordenados;
 Quedas frequentes;
 Queda de objetos ao segurá-los;
 Dificuldade em se vestir e despir;
 Dificuldade em manter a postura sentada;
 Dificuldade em moderar a força no lápis;
 Necessidade de olhar para os pés ao andar.
IMPLICAÇÕES NA ESCOLA
DIFICULDADES COM O VISUAL

PODE TER DIFICULDADES PARA:

 Perceber forma, espaço e relação entre objetos (Ex. p


e b);
 Reconhecer, parear, categorizar cores, texturas,
formas e tamanhos;
 Olhar imagens sequenciais e mudar o foco
rapidamente;
 Colorir na linha, chutar a bola (guia visual da
motricidade fina e grossa);
 Reconhecer símbolos e gestos;
 Diferenciar a figura do fundo.
IMPLICAÇÕES NA ESCOLA
DIFICULDADES COM O AUDITIVO

PODE TER DIFICULDADES PARA:

 Diferenciar e lembrar palavras e sons;


 Seguir uma ou mais solicitações, apesar de
conseguir cumprir cada um em separado;
 Saber localizar que o chama;
 Focar, prestar atenção em algo se houver barulho
de fundo.
IMPLICAÇÕES NA ESCOLA
PROBLEMAS DE COORDENAÇÃO E BAIXO
PLANEJAMENTO MOTOR
 Desequilibra com facilidade;
 Apresenta dificuldade específica de leitura, atividades
bimanuais e escrita;
 Dificuldade em determinar e manter a preferência
lateral;
 Dificuldades em exercícios físicos;
 Desajeitada;
 Dificuldade no traçado das letras e junção de sílabas.
IMPLICAÇÕES NA ESCOLA
BAIXA ORGANIZAÇÃO DO
COMPORTAMENTO
 Agridem qdo contrariadas.
 Impulsivas;
 Distraídas;
 Dificuldade em antecipar resultados às ações;
 Má compreensão de efeitos;
 Frustram-se facilmente;
 Se magoa facilmente;
 Recusa-se a receber ordens.
IMPLICAÇÕES NA ESCOLA
BAIXA AUTOESTIMA E PERCEPÇÃO PESSOAL

 São desmotivadas;
 Passividade excessiva;
 Cansaço excessivo;
 Provocativas;
 Sensibilidade excessiva a comentários ou
repreensões;
 Fala arrastada ou choramingo para se comunicar.
ACOMODAÇÕES SENSORIAIS
OBJETIVOS:

 Focar a atenção em sala de aula;


 Concentrar-se;
 Manter estado de alerta;
 Participação em sala;
 Aumentar a qualidade do processo de aprendizagem;
 Auxiliar na detecção, correção e prevenção de
dificuldades decorrentes de dificuldades sensoriais.
ACOMODAÇÕES SENSORIAIS
ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO:

 Reduzir material visual na parede, chão e teto;


 Selecionar previamente o material e eliminar informações
desnecessárias;
 Separar os materiais em caixas identificadas;
 Indicar nos armários, caixas e gavetas o seu conteúdo com
figuras, letras, palavras e números;
 Modificar a posição das carteiras de acordo com o tipo de
atividade: fila, grupos, círculos, meia lua.
 Atentar para a luminosidade;
 Solicitar a participação dos alunos para que mudem as
carteiras de lugar antes das atividades de concentração.
ACOMODAÇÕES SENSORIAIS
ORGANIZAÇÃO DAS ATIVIDADES EM CLASSE:

 Sinalizar o início, meio e fim de uma atividade: sons,


movimentos, pista visual;
 Reduzir ruídos;
 Alocar a criança longe de janelas, portas e de circulação;
 Intercalar nesta ordem: percepção visual movimento
coordenação motora.
 Quadro de rotinas: previsibilidade;
 Usar sons e tom de voz diferentes: alerta e atenção;
 Atividades estruturadas;
 Atividades extras;
 Caixa de interesses.
ACOMODAÇÕES SENSORIAIS
RECURSOS DE PROPRIOCEPÇÃO:

 Fazer uma leve pressão sobre os ombros da criança para lhe


chamar para a atenção, em detrimento de chamar seu nome;
 Brincar de marchar qdo se desloca para outros ambientes;
 Assentos texturizados, bolas, almofadas qdo a atividade
exigir concentração;
 Colete proprioceptivo;
 Ajustar altura da mesa e cadeira: pés no chão e cotovelos na
mesa;
 Toques com pressão;
 Almofadas, cobrinhas de
peso sobre os ombros.
ACOMODAÇÕES SENSORIAIS
RECURSOS TÁTEIS:
 Aceitar que a criança mastigue balas ou chicletes para
manter o alerta;
 Criar um cantinho na sala para que a criança possa se
reorganizar;
 Evitar filas qdo a criança é hipersensível ao toque;
 Atividades bimanuais de motricidade fina;
 Texturas diversas;
 Adaptadores de lápis;
 Pinturas;
 Caixa de areia;
 Escrita divertida.
ACOMODAÇÕES SENSORIAIS
RECURSOS VESTIBULARES:

 Encorajar a criança a experimentar o parquinho;


 Coordenação motora fina em diversas posições: chão,
carteiras, em pé;
 Jogos com bola;
 Brincadeiras com movimento (danças, imitação)antes da
escrita;
ACOMODAÇÕES SENSORIAIS
RECURSOS VISUAIS:

 Engrossar as linhas do caderno com canetinha preta;


 Plano Inclinado para a escrita;
 Usar o contraste preto e amarelo ou azul e branco para
destacar enunciados;
 Utilizar quadro de rotinas visual;
 Reduzir a intensidade da luz, momentaneamente, para
chamar a atenção da turma para uma nova atividade;
 Utilizar padrões de cores para alfabetização:

A,E,I,O,U
Consoantes: cinza
ACOMODAÇÕES SENSORIAIS
RECURSOS AUDITIVOS:

 Antecipar sons inesperados como o sinal do recreio ou


fim da aula;
 Estalar de dedos ritmados para início ou término de
atividades;
 Utilizar músicas, toques, sinais para início e fim de uma
atividade.
“CRIANÇAS PODEM PENSAR ANTES DE ELABORAR UMA

RESPOSTA MOTORA, MAS NORMALMENTE O PROCESSO É

AUTOMÁTICO. SE FOR NECESSÁRIO PENSAR A TODO

MOMENTO, MUITA ENERGIA E ATENÇÃO SÃO

DESPERDIÇADAS, LOGO, ELA DESISTE DE PLANEJAR, PASSA A

ECONOMIZAR ENERGIA REALIZANDO APENAS

COMPORTAMENTOS REPETITIVOS.”(Momo e col.)


SITUAÇÕES NA ESCOLA
ENTRADA:  NÃO FAZER: elevar a voz para ser
agitação ouvido
por vários  O QUE PODE SER FEITO:
motivos -iniciar com uma música (cada cc
aumentam num tempo)
o alerta
-ir para a sala com uma atividade
de ritmo e imitação
-solicitar às cc a arrumação da sala:
cadeiras,livros, materiais pesados
SITUAÇÕES NA ESCOLA
INÍCIO DAS  O QUE PODE SER FEITO:
ATIVIDADES -quadro de rotinas (fotos,
PEDAGÓGICAS objetos concretos, palavras);
apresentação da -utilizar lousas imantadas, painéis
rotina,chamada, com feltro organiza a
calendário apresentação do conteúdo
algumas cc não
-utilizar vários canais sensoriais
acompanham
para o aprendizado;
-alterar o ambiente para regular
alerta e atenção (p/ aquelas q se
distraem podem preparar o local antes)
SITUAÇÕES NA ESCOLA
CONTAÇÃO DE  O QUE PODE SER FEITO:
HISTÓRIA -antes, realizar atividades com
 algumas cc não movimento;
ficam quietas, -delimitar o espaço com tapetes
levantam muito, de EVA;
cutucam colegas, -disponibilizar almofadas
desatentas, pesadas,puffs
irritadas (acalma,conforta);
-mudar a entonação de voz,
cantar, levantar as cc,
mímicas entradas sensoriais.
SITUAÇÕES NA ESCOLA
ATENÇÃO E  O QUE PODE SER FEITO:
CONCENTRAÇÃO -oferecer água para a cc;
 algumas cc -ginástica cerebral;
movimentam as -a atividade pode ser dividida em
pernas,bate na três etapas: sentada, no chão e
carteira, pega de pé;
objetos de outras cc
-mobiliário na altura correta;
-cadeiras bola, puffs, discos
proprioceptivos, coletes.
SITUAÇÕES NA ESCOLA
MOMENTOS DE  O QUE PODE SER FEITO:
TRANSIÇÃO:saídas -contruir uma locomotiva de
da sala cartolina ou papelão e todos
 Ocorrem seguram em sua borda;
empurrões,brigas, -Filas segurando cordas e fitas;
quedas, irritações -músicas com movimento:
marcha soldado
SITUAÇÕES NA ESCOLA
HORA DO PARQUE  O QUE PODE SER FEITO:
 Ocorrem -ofertar brincadeiras para buscar
acidentes,quedas, informações sensoriais
brigas, confusões variadas umas precisarão
ficar sentadas lendo, outras
pulando corda, outras
correndo.
-atividades em grupo.

Cada cc tem uma necessidade


sensorial diferente.
SITUAÇÕES NA ESCOLA
VOLTA À SALA  O QUE PODE SER FEITO:
 Algumas cc -um pouco antes do término do
apresentam recreio poderá ser proposta
dificuldade de brincadeira de cabo de guerra
regular o alerta ou outra que requer força;
-bater pés e mãos, imitação de
animais.
SITUAÇÕES NA ESCOLA
AGITAÇÃO DE  O QUE PODE SER FEITO:
REPENTE -começar a bater palmas ou
estalar dedos ritmados até que
todos voltem a atenção;
-mudar de posição para dar a
aula;
-apagar e ascender a luz.
SITUAÇÕES NA ESCOLA
FIM DO DIA  O QUE PODE SER FEITO:
 cansaço, é necessário -músicas
acordar o sistema -brincadeiras
nervosos -pequenos movimentos

Não é um bom momento para


organizar agenda e fazer
anotações para as tarefas de
casa CANSAÇO Nível
atencional reduz Baixa
Motivação Não combina com
organização e planejamento.
OBRIGADA
KARLEN PAGEL (41) 99908-2001
Karlen.pagel@yahoo.com.br

Referências Bibliográficas:
-Momo e col. O processamento sensorial como ferramenta para
educadores: facilitando o processo de aprendizagem.2011
-Integração Sensorial e Autismo-Curso de Formação
-Integração Sensorial-Módulo 1- Curso de Formação
-Atividades Sensoriais na Clínica, em casa e na escola.