Você está na página 1de 30
CETCC - CENTRO DE ESTUDOS EM TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL DANIELA DA SILVA MINDFULNESS (ATENÇÃO PLENA)

CETCC - CENTRO DE ESTUDOS EM TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL

DANIELA DA SILVA

MINDFULNESS (ATENÇÃO PLENA) NA TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL

São Paulo

2017

DANIELA DA SILVA

MINDFULNESS (ATENÇÃO PLENA) NA TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL

Trabalho de conclusão de curso Lato Sensu Área de concentração: Terapia Cognitivo-Comportamental Orientadora: Profa. Dra. Renata Trigueirinho Alarcon Coorientadora: Profa. Msc. Eliana Melcher Martins

São Paulo

2017

Fica autorizada a reprodução e divulgação deste trabalho, desde que citada a fonte.

SILVA, DANIELA DA

Mindfulness

Comportamental

(Atenção

Plena)

na

Terapia

Cognitivo-

Daniela da Silva, Renata Trigueirinho Alarcon, Eliana Melcher Martins São Paulo, 2017.

28 f. + CD-ROM

Trabalho de conclusão de curso (especialização) - Centro de Estudos em Terapia Cognitivo-Comportamental (CETCC).

Orientadora: Profª. Drª. Renata Trigueirinho Alarcon Coorientadora: Profª. Msc. Eliana Melcher Martins

1 Mindfulness 2. Terapia Cognitivo Comportamental. I. Silva, Daniela. II. Alarcon, Renata Trigueirinho. III. Martins, Eliana Melcher.

DANIELA DA SILVA

MINDFULNESS

COGNITIVO-COMPORTAMENTAL

(ATENÇÃO

PLENA)

NA

TERAPIA

Monografia apresentada ao Centro de Estudos em Terapia Cognitivo-Comportamental como parte das exigências para obtenção do título de Especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental

BANCA EXAMINADORA

Parecer:

Parecer:

São Paulo,

de

de

DEDICATÓRIA

maneira

contribuíram para a realização deste trabalho, que é mais um passo na busca do conhecimento.

A

todos

que

de

alguma

AGRADECIMENTOS

Aos mestres do Centro de Estudos em Terapia Cognitivo-Comportamental (CETCC), faróis na jornada pela busca do conhecimento.

RESUMO

A Terapia Cognitivo-Comportamental envolve técnicas e teorias que auxiliam o terapeuta na orientação do tratamento, por isso definiu-se como tema desta pesquisa: “Mindfulness (Atenção Plena) na Terapia Cognitivo-Comportamental”. A TCC agrega várias técnicas na psicoterapia e se constitui como uma abordagem estruturada, focal, diretiva e ativa, utilizada no tratamento de diversos transtornos. Delimitaram-se como objetivos da investigação: analisar como a técnica de meditação mindfulness (Atenção Plena) pode contribuir na Terapia Cognitivo-Comportamental; fazer uma breve revisão bibliográfica da Terapia Cognitiva Comportamental e compreender o processo de desenvolvimento da Atenção Plena (Mindfulness). A pesquisa foi bibliográfica exploratória. Os resultados apontaram que quando o indivíduo procura ajuda psicológica é porque tem dificuldade de lidar com emoções, por isso a mindfulness pode reduzir seu sofrimento ao voltar sua atenção para o momento presente, dado que lhe permite perceber sua visão de mundo como algo interno e não como uma realidade posta, por isso esta ferramenta tem feito parte dos tratamentos com a Terapia Cognitivo-Comportamental, como coadjuvante.

Palavras-chave: Terapia Cognitivo-Comportamental; Mindfulness.

ABSTRACT

Cognitive-Behavioral Therapy involves techniques and theories that help the therapist in the orientation of the treatment, so it was defined as the theme of this research: "Mindfulness in Cognitive- Behavioral Therapy". CBT adds several techniques in psychotherapy and constitutes a structured, focal, directive and active approach used in the treatment of several disorders. They were delimited as research objectives: to analyze how the mindfulness meditation technique can contribute in Cognitive- Behavioral Therapy; To make a brief bibliographic revision of Cognitive Behavioral Therapy and to understand the process of development of Mindfulness. The research was an exploratory bibliography. The results pointed out that when the individual seeks psychological help it is because they have difficulty dealing with emotions, so mindfulness can reduce their suffering by turning their attention to the present moment, since it allows them to perceive their world view as something internal and not As a reality put, so this tool has been part of the treatments with Cognitive-Behavioral Therapy, as an adjunct.

Keywords: Cognitive behavioral therapy; Mindfulness.

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO

8

2 OBJETIVOS

10

2.1 Objetivo principal

10

2.2 Objetivos secundários

10

3 METODOLOGIA

11

4 RESULTADOS

12

4.1 Terapia Cognitivo-Comportamental

12

4.2 Mindfulness

14

4.3 Mindfulness na Terapia Cognitivo-Comportamental

16

5 DISCUSSÃO

23

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

25

REFERÊNCIAS

26

8

1 INTRODUÇÃO

Conforme Wright (2008), na prática clínica, a Terapia Cognitivo- Comportamental (TCC) compõe-se por teorias que auxiliam o terapeuta na orientação do tratamento. No início (década de 60), Aaron Beck chamou-a de “Terapia Cognitiva”, sendo atualmente usada por muitos profissionais com a nomenclatura de “Terapia Cognitivo-Comportamental” (J. BECK, 2013). J. Beck afirma que a TCC, muitas vezes, agrega técnicas de outras psicoterapias na estrutura cognitiva, apresentando uma rica descrição de como começaram as diferentes formas de TCC (DOBSON e DOZOIS, 2009). Conforme Wright, Basco e Thase (2008), a TCC é uma abordagem estruturada, focal, diretiva e ativa, que pode ser utilizada com sucesso no tratamento de diversos transtornos. Segundo Girard e Feix (2016), um dos grandes motivos que leva o indivíduo à procura de ajuda psicológica é a dificuldade de lidar com as emoções. Entre as técnicas utilizadas está o mindfulness para reduzir sofrimento, tendo grande relevância na prática clínica, em sintomas relacionados ao estresse. Para Beck et al (1997), a TCC considera que o comportamento de uma pessoa sofre influência da forma como ela percebe o mundo. Diante do exposto, definiu-se como tema da presente investigação “Mindfulness (Atenção Plena) na Terapia Cognitiva Comportamental, estabelecendo-se como objetivo “analisar as contribuições da Mindfulness como técnica auxiliar na Terapia Cognitivo Comportamental”. A pesquisa foi bibliográfica exploratória, usando como recursos, artigos científicos e livros clássicos da TCC. Os resultados da investigação estão assim expostos: introdução, na qual se apresenta a proposta do trabalho, possibilitando ao leitor acompanhar o seu desenvolvimento; no item “objetivos” delineia-se o que se pretende com a investigação; a metodologia expõe o caminho seguido para o desenvolvimento do estudo; em resultados expõe-se o estado em que se encontram as pesquisas, expondo-se a Terapia Cognitiva Comportamental, a Mindfulness e as possibilidades

9

de sua aplicação na TCC, o que gera o item “discussão”. Finalmente apresentam-se as considerações finais e as referências.

10

2 OBJETIVOS

2.1 Objetivo principal

Esse trabalho tem como objetivo analisar como a técnica de meditação Mindfulness (Atenção Plena) pode contribuir na Terapia Cognitivo-Comportamental.

2.2 Objetivos secundários

Fazer uma breve revisão bibliográfica da Terapia Cognitiva Comportamental.

Compreender o processo de desenvolvimento da Atenção Plena (Mindifuness).

11

3 METODOLOGIA

Optou-se pela pesquisa bibliográfica exploratória para a o desenvolvimento deste trabalho, a fim de se identificar nos trabalhos científicos como o mindfulness está sendo aplicado na TCC. Para tanto, realizou-se uma busca no scielo, Google acadêmico e psicodoc utilizando-se as palavras-chave: mindfulness, Terapia Cognitiva Comportamental e Técnicas de Terapia Comportamental. A busca remeteu acerca de 800, publicados em língua portuguesa. Selecionaram-se artigos que tratavam, simultaneamente, de TCC e Mindfulness. Além dos artigos científicos, a pesquisa se ampara em livros clássicos como de Judith Beck e Dobson e Dozoi entre outros autores. A pesquisa bibliográfica objetiva familiarizar o pesquisador dom o assunto ainda pouco conhecido, tornando-o apto a construir hipóteses (GIL, 2008). Conforme Medeiros (2012), a pesquisa bibliográfica é aquela na qual o pesquisador trabalha com informações já publicadas por outros autores em livros, jornais e revistas. Para Santos (1998), independente do campo e do tema a ser pesquisado, é necessário fazer pesquisa bibliográfica, a qual permite o acesso a conhecimentos prévios. Foram excluídos os artigos que não estabeleciam a relação entre TCC e Mindfulness. Assim, o material selecionado compôs-se por artigos que estabeleciam elo TCC e Mindfulness, trazendo essas como palavras-chave, em língua portuguesa.

12

4 RESULTADOS

4.1 A TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL

Observa Knapp (2004) que a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) foi assim nomeada a partir de uma linguagem genérica, pois há uma variedade de mais de vinte abordagens dentro do seu modelo Cognitivo e Cognitivo-Comportamental (MAHONEY e LYNDON, 1998). Os primeiros estudos que existem sobre transtornos emocionais na Terapia Cognitivo-Comportamental aparecem entre 1960 e 1970, com autores como: Aaron Beck (1963, 1967); Beck et al (1979); Albert Ellis (1962), Lazarus (1966); Meichenbaum (1973) e Mahoney (1974), entre outros. As terapias cognitivo-comportamentais surgem de um modelo cognitivo-base e compartilham de algumas interpretações básicas até o ponto em que se diferenciam na forma de conceitualizar e elaborar estratégias nos quadros clínicos (KNAPP 2004, p.19 apud DOBSON, 2001). Assim, existem três conceitos fundamentais que caracterizam as terapias cognitivo-comportamentais. Primeiro: a atividade cognitiva influencia o comportamento; segundo: a atividade cognitiva pode ser monitorada e alterada e terceiro: o comportamento desejado pode ser influenciado mediante a mudança cognitiva. A criação da Terapia Cognitiva surgiu em uma época na qual a Psicanálise, o Behaviorismo e o humanismo, com menos influência, eram dominantes (DOBSON, BACKS-DERMOTT e DOZOIS, 2000). Segundo J. Beck (2013), Aaron Beck criou um método de psicoterapia, na década de 1960, com o nome inicialmente de Terapia Cognitiva, atualmente denominada como Terapia Cognitivo-Comportamental, para trabalhar com depressão, criando uma psicoterapia estruturada, com poucas sessões, focada no presente, com a resolução de questões atuais, modificando pensamentos e comportamentos disfuncionais, ou seja, comportamentos inadequados ou inúteis (BECK,1977) . Outros autores seguiram o modelo de Beck e aplicaram-no, adaptando-o a diversos tipos de transtornos ou problemas. Desta maneira, alteraram o foco, que era a depressão, e incluíram algumas técnicas, mas seguiram a regra do modelo Beck, baseandose na formulação cognitiva, crenças, estratégias comportamentais.

13

Pode-se dizer que o modelo cognitivo mostra que o pensamento disfuncional altera o humor, assim podendo gerar os transtornos psicológicos. As crenças constituem-se como um conceito fundamental na Terapia Cognitivo-Comportamental. Não necessariamente são conhecidas pelo próprio indivíduo, mas correspondem a ideias gerais que estabelece em sua vida. As crenças centrais são globais, rígidas e generalizantes, presentes em seu dia-a-dia (J. BECK, 1997). As crenças intermediárias emanam das crenças centrais e correspondem a atitudes, regras e suposições que determinam a maneira como o indivíduo age, direcionando seu comportamento. As crenças podem gerar comportamentos disfuncionais (J. BECK, 1997). As crenças dão origem a pensamentos automáticos, que se tornam previsíveis quando as crenças são identificadas. Os pensamentos automáticos surgem sem que haja motivo real ou reflexão e são considerados verdades, mesmo sem qualquer avaliação, por isso podem se tornar disfuncionais (J. BECK, 1997).

A TCC tem características que podem ser utilizadas em sessões breves como

o empirismo colaborativo, técnicas psicoeducação, métodos práticos e tarefas de casa. A TCC, muitas vezes, se torna chamativa para clínicos e pacientes por se caracterizar por métodos simples que mostram bons resultados e ajudam a amenizar os sintomas (WRIHGT et al 2012).

A seguir, apresenta-se um quadro (quadro 1) com alguns métodos possíveis,

de grande resultado, que podem ser considerados adequados em atendimentos de 45 a 60 minutos.

14

Quadro 1 - Métodos de Alto Rendimentos da TCC para sessões breves

Programação de atividades

Prescrição de tarefas graduais

Retreinamento da respiração

Listagem das vantagens e desvantagens

TCC da insônia

Adesão às intervenções medicamentosas

Dramatização TCC

Treinamento da consciência plena (mindfulness)

Estabelecimento colaborativo de metas

Entrevista motivacional

TCC assistida por computador

Normalização

Cartões de enfrentamento

Solução de problemas

Exames de evidências

Prevenção a recaída

Exposição e prevenção de respostas

Questionamento socrático

Identificação de erros cognitivos

Diários de sintomas

Imagens mentais

Registro de pensamentos

Geração de motivos para ter esperança/viver

Registro de bem estar

Fonte: WRIGHT, J. H.; SUDAK, D. M. e TURKINGTON, D. Terapia Cognitivo-Comportamental de Alto Rendimento para Sessões Breves. Porto Alegre: Artmed, 2012. p.22.

Entre

as

ferramentas

possíveis

de

se

trabalhar

em

Terapia

Cognitivo-

Comportamental está Atenção Plena (Mindfulness).

4.2 MINDFULNESS

A palavra mindfulness, que significa atenção plena, é a tradução para o inglês da palavra sati, de pali, linguagem da psicologia budista antiga de 2,5 mil anos atrás. Sati remete à capacidade de lembrar, de recordar, de tornar consciente o que se passa nos pensamentos e emoções.(GERMER, 2016). As pessoas estão sempre em alerta (awareness). Pode-se dizer que agem como se estivessem agindo automaticamente, sem refletir sobre o que está ocorrendo. Tem-se a impressão de que mente e o corpo tem vida própria. O objetivo

15

do mindfulness é que o indivíduo retome esse controle, a partir da atenção plena, percebendo o que ocorre (DANNY; MARK, 2015). Conforme Danny e Mark (2015), o mindfulness apresenta-se no fluxo contrário à esta forma de agir e racionalizar no piloto automático, possibilitando focar totalmente no que está acontecendo no presente Ao ser usado, o mindfulness remete à consciência sincera de momento a momento, sem expor nenhum tipo de julgamento. Esse modelo, tirado das tradições budistas antigas, e usado no século atual, dirige-se para a potencialidade de prestar atenção no momento presente (ROEMER e SUSAN, 2010). Desta forma, mindfulness é uma técnica que pode ser utilizada para diminuir tristezas e incentivar o indivíduo a desenvolver pontos positivos, conscientização, insighs, sabedoria, compaixão e equanimidade. Estar consciente (mindful) é acordar e enxergar o que se está vivenciando no momento atual, com uma reação amiga e de agilidade, que aceita ser menos ser reativo de forma ao vivenciar as provas (DANNY; MARK, 2015). Kabat-zinn (1990) descreve mindfulness como forma de atenção plena por focar no momento atual intencionalmente e sem se julgar, possibilitando a vivencia do presente e não ficar preso a lembranças ou pensando no futuro. Essa técnica tem com objetivo ajudar o indivíduo a liberar o sofrimento conforme se foca em aprofundar em sabedoria e compaixão, assim começa naturalmente a liberdade psicológica. A prática de mindfulness libera de pensamentos repetitivos (GERMER, 2016). Existem três formas de meditação com o nome de mindfulness (SALZBERG, 2011 apud GERMER, 2016). A primeira atenção focada (concentração), a segunda monitoramento aberto (mindfulness per ser) e a terceira amor-bondade e compaixão. Pontua-se que os dois primeiros estão sendo mais utilizados na prática da psicoterapia (CARMODY et al.2011). As práticas de Atenção Focada têm por princípio a concentração da atenção sobre um determinado objeto externo, corporal ou mental, ignorando os demais estímulos. A técnica de monitoramento ampliado tem por fim ampliar o foco de atenção, abrangendo todas as sensações recebidas, emoções e pensamentos, sem, no entanto, focar em nenhuma delas (SALZBERG, 2011). Conforme a tradição budista, a mindfulness e compaixão são as duas asas do pássaro da sabedoria. Portanto, são fundamentais para que o indivíduo se desprenda, que voe.

16

Campayo e Demarzo (2015) observam que para praticar a compaixão, antes o individuo precisa tomar consciência de seu próprio sofrimento e dos outros, sem julgar, sem rejeitar e sem se apegar àquele que sofre. Para alcançar a compaixão é preciso desenvolver a atenção plena (CAMPAYO; DEMARZO, 2015). Tendo em vista os resultados apresentados, a atenção plena pode ser uma ferramenta importante na Terapia Cognitivo-Comportamental.

4.3 MINDFULNESS NA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL

Há algumas décadas, a prática de mindfulness para trabalhar com os transtornos mentais e físicos vem se expandindo em várias áreas da saúde, medicina, psiquiatria, psicologia, entre outras áreas da saúde. O interesse de profissionais da saúde em aplicar essa prática como auxílio nos tratamentos fármacos e psicoterápicos cresce. Assim como a psicologia budista, a prática de mindfulness se interliga com as práticas de mindfulness na clínica (SHAKER, 2015). Atualmente, as intervenções estruturadas e fundamentadas no mindfulness para trabalhar vários transtornos mentais e físicos, mostram, por meio de pesquisas neurobiológicas avançadas, a eficácia do treinamento da mente para alterar a estrutura e função do cérebro; dão a entender que estamos vivenciando a criação de um novo modelo unificado de psicoterapia tendo como base o mindfulness, que pode ser denominado transteórico. Conforme vários terapeutas comportamentais, psicodinâmicos, humanistas e de sistêmica familiar e o transdiagnóstico, os resultados mostram que pode-se diminuir diferentes transtornos mentais e físicos (GERMER, 2016). Kabat-Zinn (2003) viu nas TCCs um lugar positivo e aberto para a prática de mindfulness pela forma demostrar que as emoções negativas não precisam questionadas e sim aceitas. A terceira onda das terapias cognitivo-comportamentais, se diferencia das duas primeiras, que mantém seu método na mudança especifica, com foco na resposta emocional inadequada ou nas crenças disfuncionais. A terceira onda mostra como o foco encher de ênfase a vivencia subjetiva, ao invés de analise racional (GIRARD, FEIX apud KABAT-ZINN, 2013). Os estudos empíricos e o processo de aceitação do mindfulness são formas de transformação de terapias, mas a literatura ainda não informa claramente que as

17

terapias cognitivo-comportamentais cresceram em aplicações (ROEMER, ORISLLO,

2010).

Friary (2016) afirma que é possível trabalhar com a Terapia Cognitivo- Comportamental tradicional unindo à da terceira geração, trabalhando-se com psicoeducação e reestruturação cognitiva em tratamentos no início, com foco de conseguir uma ordem no pensamento e, adiante, pode-se incentivar a aceitação da vivências internas, na exposição de estímulos aversivos ao invés de continuar usando métodos de reestruturação cognitiva (GIRARD e FEIX, data apud FRIARY,

2016).

Segundo Barlow (2016), a psicoeducação é importante para a discussão

sobre a natureza do medo da ansiedade e da preocupação. Assim, o terapeuta pode indicar o mindfulness, destacando-o como técnica que pode ajudar a esclarecer as respostas emocionais. Desta maneira, optou-se por investigar nesta pesquisa como o mindfulness

tem sido usa na Terapia Cognitivo-Comportamental.

investigação, nas bases de dados pesquisadas, utilizou-se as palavras-chave:

mindfulness e Terapia Cognitivo-Comportamental. O resultado remeteu a 204 artigos, mas tendo em vista o critério de inclusão, os objetivos e o problema levantado, selecionaram-se cinco artigos, cujas palavras-chave continham:

mindfulness e terapia cognitivo-comportamental e abordavam diretamente o uso dessa ferramenta à TCC. O artigo “Mindfulness nas Terapias Cognitivas e Comportamentais”, de Kuc Vanderbeghe e Ana Carolina Carolina Aquino de Souza (2006), ambos psicólogos clínicos teve por objetivo apresentar a mindfulness aplicada a diversas terapias contemporâneas e quais as possibilidades terapêuticas que o conceito traz a partir de diferentes perspectivas teóricas. De acordo com os autores, a terapia Cognitivo- Comportamental tradicional promove mudanças amplas na relação do indivíduo com seus pensamentos, a partir da identificação de suas crenças e distorções. Desta forma, são vistos como eventos internos que não tem valor literal. Consideram, assim, que esta visão facilitou a absorção da mindifulness por esta linha de terapia. Na prática de mindfulness não é proveitoso entrar no mérito dos conteúdos ou controlar os pensamentos negativos, é melhor aceitar sua natureza distorcida. Considera-se isso uma inovação (VANDERBEGHE e SOUZA, 2006).

A fim de se realizar a

18

Para Beck (1997), a modificação de crenças irracionais possibilita ao indivíduo identificar distorções cognitivas específicas e corrigi-las, pois ele aprende que o que pensa sobre si não é a representação da realidade e que os conteúdos de seus pensamentos são produções subjetivas dele mesmo, por isso não são confiáveis. Essa possibilidade de promover mudanças, como resultado da identificação de pensamentos, crenças e distorções, pode provocar uma mudança geral, quando compreendidos como eventos internos e não como representação real dos fatos. É esse ponto de vista que, segundo a autora, talvez tenha facilitado a absorção de mindfulness na terapia cognitivo-comportamental. No entanto, é preciso observar que na prática de mindfulness não se entra no mérito dos conteúdos, nem se tenta controlar pensamentos negativos, mas busca-se observá-los para aceitar sua natureza defeituosa. A mindfulness não tocanos conteúdos dos pensamentos. Por seus resultados torna-se uma prática inovadora na clínica, que agrega material às técnicas terapêuticas conhecidas (VANDERBEGHE; SOUZA, 2006). O artigo “Concepções de mindfulness em Langer e Kabat-Zinn: um encontro da ciência ocidental com a espiritualidade oriental” de Vanderbeghe e Assunção (2009) traz que a prática de mindfulness é compatível com a tradição da pesquisa experimental sobre mindlessness, pois as duas abordagens buscam entender o sofrimento humano. O artigo cita a Terapia Cognitivo-Comportamental e uma possível aplicação da mindfulness no manejo de situações como depressão e terapia de casais. O estudo trata-se de uma revisão bibliográfica, que tem como palavras-chave: meditação; Terapia Cognitivo-comportamental e aceitação. O foco principal é o uso da mindfulness em vários processos como: redução de estresse e recaída de depressão, para, depois, associá-lo com a Terapia Comportamental- dialética, desenvolvida para tratamento de pessoas com borderline. Para eles, a mindfulness exige: observar, estar atento a eventos, a emoções e a diversos aspectos do próprio comportamento. É necessário que o participante detecte e reconheça os eventos, não usando estratégias de esquiva ou controle das emoções. A observação permite que os pensamentos aversivos deixem de ser ameaçadores. A segunda habilidade necessária é descrever, contar verbalmente os eventos e as reações a eles, de forma descritiva, sem avaliar ou explicar. Em terceiro lugar é preciso participar plenamente das atividades, fazendo uma coisa de cada vez (VANDERBEGHE e ASSUNÇÃO, 2009).

19

Vanderbeghe e Souza (2009) apontam que a Terapia Cognitivo- Comportamental tradicional atua na relação que o indivíduo tem com seus pensamentos, crenças e distorções e o mindfulness pode ajudá-lo a aceitá-los e a lidar com eles. Segundo Vanderbeghe e Souza (2009), aprender a lidar com as emoções é um dos principais motivos que leva o indivíduo aos consultórios de Psicologia. Na busca de ferramentas, nas duas últimas décadas, a mindfulness adentrou à Terapia Cognitivo-Comportamental. Langer (1989 apud VANDERBEGHE; SOUZA, 2009) afirma que há similaridades entre a mindfulness e a Terapia Cognitiva porque a meditação promove o processo de desautomatização cognitiva, rompendo categorias antigas vividas pelo indivíduo, o que quebra uma visão unidimensional. A mindfulness possibilita maior sensibilidade em relação ao contexto e ao sentido da vivência de forma que a pessoa aja com mais consciência. O artigo “A terapia cognitiva e o mindfulness: entrevista com Donna Sudak, de Renata Ferrarez Fernandes, Filipe Silva Castro e Carmem Beatriz Neufeld, de 2012, defende que a interface espiritualidade e saúde vem crescendo na Psicologia, no que se refere às intervenções. Assim, apresenta a visão de Donna Sudak sobre a aceitação da técnica mindfulness pela Terapia Cognitiva Comportamental. O artigo cita o encontro entre o 14º Dalai Lama e Aaron Beck, na abertura do V Congresso Internacional de Psicoterapia Cognitiva, em junho de 2005, na Suécia, quando se discutem as origens da Terapia Cognitiva e alguns pontos do budismo em como se lidar com a mente. Ambos tentam eliminar o sofrimento e gerar o bem- estar e defendem que as emoções não são resultados de eventos reais, mas são forma de a mente processá-los. Desta forma, tentam treinar a mente para melhorar a objetividade, diminuir as distorções e erradicar o sofrimento, valorizando a sabedoria, a compaixão, o entendimento e a aceitação, além de cultivar um estado de alerta e atenção mental (FERNANDES; CASTRO; NEUFELD, 2012). Para Donna Sudak (FERNANDES; CASTRO; NEUFELD, 2012), a mindfulness permite ao indivíduo “dar-se conta” dos conteúdos e aceitá-los sem julgamento. A mindfulness é uma técnica, que não está associada a nenhuma tradição religiosa específica, a qual permite que a mente possa ser treinada com a prática de observar, participar e descrever os fenômenos sem julgá-los. A questão

20

mais importante que aponta é que os benefícios da mindfulness são evidentes, mas só faz sentido se estiver claro de que se trata de um procedimento terapêutico. O texto “Atentando-se ao mindfulness: uma revisão sistemática para análise dos conceitos, fundamentos, aplicabilidade e efetividade da técnica no contexto da Terapia Cognitiva, de Filipe Silva Castro (2014) trata-se na verdade de uma tese, mas considerou-se relevante apresentá-lo tendo em vista os objetos do trabalho. Castro (2014) considera que apesar da mindfulness derivar de uma prática religiosa, pode ser uma aliada na Terapia Cognitiva-Comportamental tendo em vista a saúde e bem-estar do indivíduo, ajudando-o a perceber que o pensamento é uma construção mental que pode ser modificada. Desta maneira, pode ser utilizada para melhorar a atenção, diminuir estresse, angústia, dores crônicas, entre outras possibilidades. Desta maneira, é uma importante ferramenta para os terapeutas, que pode ser aprendida e ensinada ao próprio paciente. O artigo “A prática da Terapia Cognitivo-Comportamental baseada em mindfulness e aceitação”, de Lisabeth Roemer e Susan M. Orsillo, resenhado por Michele A. G. dos Santos (2012), considera que a mindfulness refere-se à capacidade de se prestar atenção no momento presente, adquirindo-se consciência plena da situação, sem julgamentos ou desejos de que sejam diferentes, sem se apegar ao valorizador e sem querer se livrar dos dolorosos. Assim, trata-se de uma ferramenta importante para a clínica contemporânea, contextualizada num mundo apressado, embora o conceito advenha da tradição budista. A seguir tabela com um resumo dos artigos avaliados (tabela 1) Os artigos analisados convergem para a afirmação de que a mindfulness pode ser usada pelos terapeutas cogntivo-comportamentais e se mostra eficaz no combate ao estresse e a muitos problemas da sociedade contemporânea, por ajudar o individuo a identificar e conviver com suas falhas, de forma mais harmoniosa.

21

Tabela1. Resumo dos artigos avaliados

Artigo

Tipo

Objetivos

 

Resultados

VANDENBERGHE

e

Revisão

Apresentar

o

As técnicas de mindfulness não tocam no conteúdo dos pensamentos e podem ser aplicadas a diversas técnicas psicoterapeuticas, para tratar diversos problemas decorrentes de distorções cogntivas.

mindfulness

na

SOUSA, 2006.

bibliográfica

forma é praticada

em

diferentes

terapias.

 

Discutir

as

possibilidades

terapêuticas

do

 

mindfulness.

LOPES, CASTRO, , NEUFELD, 2013.

Análise

de

Apresentar uma breve revisão da literatura sobre o tema.

Apesar das origens da mindfulness estarem vinculadas ao bismo, hoje considera-se que é possível usá-la para melhorar o estado de alguns paciente, enquanto técnica a ser aprendida e treinada na Terapia Cognitivo- Comportamental, como ferramenta terapêutica

entrevista.

 

Revisão

bibliográfica.

Relatar

um

entrevista com

Donna Sudak,

 

CASTRO, 2014.

Revisão

Realizar

uma

Embora nascida no budismo a técnica mindfulness tem apresentado efetivamente bons resultados em relação ao bem- estar e a saúde. Assim, apesar de iniciais, os estudos reforçam que mindfulness pode ser uma ferramenta terapêutica importante para terapeutas cognitivo- comportamentais.

revisão

 

bibliográfica

bibliográfica para

sistematização

 

das

produções

cientificas

que

abordam

a

técnica

mindfulness

SANTOS e LISABETH,

Resenha

do

Oferecer

uma

Conclui-se que são necessárias mais pesquisas sobre a efetividade clínica das terapias de aceitação, incluindo-se o mindfulness, considerando-se a diversidade cultural, de modo a garantir um tratamento eficaz.

2012.

trabalho

de

síntese de várias

Lisabeth

das

importantes

Roemer

e

terapias

 

Susan

M.

comportamentais

Orsillo,

baseadas

em

publicado

em

mindfulnesse

na

2010.

aceitação.

 

VANDERGEERGHE,

Revisão

Fazer

uma

Apesar das suas origens distintas, as duas abordagens compartilham um entendimento do sofrimento humano, além de promover soluções similares para as vivências problemáticas trazidas à terapia pelos clientes. Além disso, aponta-se que as duas abordagens trazem considerações similares, tanto para o aprimoramento pessoal quanto para o trabalho terapêutico no consultório.

e

ASSUNÇÃO,

bilbliográfica

revisão

 

2009.

bibliográfica

sobre

a

mindfulness

e

a

psicologia

experimental.

Também observam o fato de que embora a técnica seja resultante de uma prática religiosa, o budismo, é pertinente à Terapia Cognitivo-comportamental por desenvolver a capacidade de o indivíduo prestar atenção ao momento presente. É

22

pertinente frisar que essa terapia integra técnicas e conceitos da teoria cognitiva e comportamental, bem como abre possibilidades para o uso de outras ferramentas, como a mindfulness. De acordo com a TCC, os indivíduos atribuem significado a acontecimentos, pessoas e sentimentos, gerando crenças e pensamentos dissociativos, o que lhes permite construir hipóteses sobre sua identidade. Para Beck (1997), uma estrutura cognitiva é um componente da organização cognitiva em contraste com os processos cognitivos que são passageiros. A integração da TCC e da mindfulness possibilita o aumento da aceitação de pensamentos disfuncionais para que se processe a mudança comportamental.

.

23

5 DISCUSSÃO

Com base nas pesquisas, este trabalho mostra que a Terapia Cognitivo- Comportamental é eficiente para ser trabalhada em psicoterapia, pois apresenta resultados positivos na maioria dos transtornos trabalhados. Os resultados desta pesquisa mostram que dentro das diferentes Terapias Cognitivo-Comportamentais existe uma base que é fazer o psicoterapeuta trabalhar com seu paciente os pensamentos, as emoções e o comportamento. Neste trabalho é citada uma das terapias que teve grande sucesso, a Terapia Cognitivo- Comportamental de Aaron Beck, inicialmente nomeada por ele de Terapia-Cognitiva. Trata-se de uma Psicoterapia estruturada, com número menor de sessões, que tem foco no presente, com a ideia de resolver questões atuais mudando os pensamentos e comportamentos que seriam inadequados ou inúteis. Mesmo alguns autores que criaram outras bases através dos estudos de Beck, mantiveram algumas regras do modelo que são: a formulação cognitiva, crenças e estratégias comportamentais, que mostram os pensamentos disfuncionais que alteram o humor e o pensamento do paciente comum nos transtornos psicológicos.

O mindfulness, em sua definição, remete à consciência sincera do momento,

sem fazer nenhum tipo de julgamento. Esse modelo vem das tradições budistas antigas, que dirige a potencialidade do indivíduo de prestar atenção no momento presente. Mindfulness é uma forma de atenção plena no momento vivenciado, intencionalmente, e sem julgar, focando no presente sem ficar presa às lembranças ou ao futuro. Apesar de sua origem ser budista, a prática foi incorporada pelos

terapeutas cognitivo-comportamentais por se mostrar eficaz no contato do indivíduo com suas crenças e pensamentos disfuncionais.

A Terapia Cognitivo-Comportamental da terceira geração usa a técnica de

mindfulness na sua formulação de atendimento com a psicoeducação e a

restruturação cognitiva, com o objetivo de conseguir uma ordem de pensamentos.

A Terapia Cognitivo-Comportamental em sessões breves também se utiliza

de algumas técnicas de mindfulness, obtendo bons resultados, sendo utilizada nas psicoterapias para trabalhar transtornos de ansiedade mostrando bons resultados.

24

Os textos estudados, após a seleção remetem à importância da atenção plena no processo psicoterápico. Todos tentam justificar que apesar de ser derivado do budismo, a mindfulness pode ser coadjuvante nas terapias cognitivas comportamentais, de terceira linha, por focar o presente, sem se apegar a pensamentos disfuncionais. Essa atenção aos eventos presentes, aos próprios pensamentos e sentimentos é também proposta da Terapia Cognitivo- Comportamental, assim a mindfulness pode ser um importante coadjuvante no processo de aumentar a consciência dos pacientes, de forma que percebam que os pensamentos são realidades criadas e não reais, por isso podem ser revistos.

O objetivo da mindfulness é possibilitar ao individuo tomar contato com seus

pensamentos por meio da atenção concentrada para que possa auferir benefícios. Apesar de vários relatos de caso sobre a aplicação da mindfulness, como obesidade e depressão, a convergência do material publicado tem como foco a atenção plena para a revisão de pensamentos e crenças disfuncionais, desta

maneira, considera-se que se trata de uma técnica pertinente à Terapia Cognitiva- Comportamental de terceira geração. A técnica permite que o indivíduo amenize sua emoção e estabeleça novas perspectivas em relação aos conteúdos que construiu sobre si e por isso melhora o estado geral de saúde.

É importante frisar que todos os artigos apontam a mindfulness como uma

ferramenta auxiliar na Terapia Cognitivo-Comportamental. De modo geral, os textos analisados remetem sempre à possibilidade de viver melhor o presente, mas sem perder de vista o caráter científico em que se deve pautar o trabalho do terapeuta cognitivo-comportamental.

25

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Percebe-se que as técnicas de Mindfulness estão sendo cada vez mais agregadas à psicoterapia e estão ganhando espaço nas abordagens cognitivo- comportamentais, apresentando bons resultados nos transtornos de ansiedade. A técnica mindfulness, vem de origem budista e trabalha com meditação. Essa técnica está conseguindo, nos tempos atuais, ganhar grande destaque. Apesar de tanto a TCC quando a mindfulness estarem sendo cada vez mais utilizadas em conjunto, ainda há poucos artigos e livros que discutam essa união. Assim, encontram-se apenas alguns capítulos ou artigos com esse enfoque. Isso justifica a importância de mais estudos e pesquisas para falar desta técnica, na abordagem da terapia cognitivo-comportamental. A pesquisa considerou apenas artigos publicados em língua portuguesa, no Brasil, o que conduz a resultados parciais, sendo um importante limitador do trabalho. De forma geral, os estudos mostram os bons resultados de trabalhar com técnicas em conjunto em casos semelhantes, mas ainda há que se pensar mais pesquisas empíricas de seus resultados, para dar fidedignidade a eles quanto à eficácia quanto aos resultados no tratamento de diversos problemas pela Terapia Cognitivo-Comportamental, bem como é preciso atenção dado que sua origem é budista para que não se confundam a ciência e a religião, provocando um viés na Teoria Cognitiva-Comportamental. Importante salientar que esse estudo restringiu-se a pesquisa de trabalhos em português e bases de dados limitadas. Mas, mesmo assim, acredita-se que é possóvel afirmar que a mindfulness é uma mediadora na Terapia Cognitiva- Comportamental, dado que essa privilegia o desenvolvimento de estratégias de alteração de pensamentos, focalizando-o diretamente, por isso pode ser utilizada nas diversas demandas.

26

REFERÊNCIAS

BARLOW, H, D. Manual clinico dos transtornos psicológicos: tratamento passo a passo. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.

BECK. A. et al. Terapia Cognitiva da Depressão. Porto Alegre: Artmed, 1997.

BECK, J. S. Teoria Cognitiva: teoria e prática. Porto Alegre: Artmed, 1997

BECK, J. S. Terapia cognitivo-comportamental: teoria e prática. alegre: Artmed, 2013.

2.

.ed. Porto

CAMPAYO, G. e DEMARZO, M. Manual de mindfulness: curiosidad y aceptácion. Barcelona: Siglatana, 2015.

CASTRO, F. S. Atentando-se ao mindfulness: uma revisão sistemática para análise dos conceitos, fundamentos, aplicabilidade e efetividade da técnica no

contexto da Terapia Cognitiva. Uberlândia, MG: Universidade Federal de Uberlância,

2014.

DANNY, P; MARK, W. Atenção Plena - Mindfulness: como encontrar a paz em um mundo frenético. São Paulo: Sextante, 2016.

DOBSON, K. S; DOZOIS, D. J. A. Historical and philosoplical bases of the cognitive-behavioral. New York: Handbook, 2009

FEIX, L.; GIRADR, T. G. Mindfulness: concepções teóricas e aplicações clínicas. Hígia Revista de Ciências da Saúde do Oeste Baiano. Disponível em:

http://fasb.edu.br/revista/index.php/higia/article/view/132. Acesso em: 12/03/2017.

FRIARY, V. B. Superando a procrastinação: guia prático de técnicas de Terapia- Comportamental e Mindfulness para clientes. Amazon: Kindle, 2016.

GERMER, K, C; SIEGEL, D, R; FULTON, R, P. Mindfulness e Psicoterapia. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.

LOPES, R. F.

mindfulness: entrevista com Donna Sudak. Rev. bras.ter. cogn., Rio de Janeiro , v.

8, n.

<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-

em

o

F.; CASTRO, F. S.; NEUFELD, C. B. A terapia cognitiva

67-72, jun.

2012

.

Disponível

e

1, p.

56872012000100010&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 12 abr. 2017

KABAT-ZINN, J. Mindfulness-based intervencions in context: past, presente and future. Clinical Psychology: Science and Practice, 10(2), 144-156.

KNAPP, P. Terapia cognitivo comportamental na prática psiquiátrica. Porto alegre: Artmed, 2004.

VANDENBERGHE, Luc; ASSUNCAO, Alysson Bruno. Concepções de mindfulness

em Langer e Kabat-Zinn: um encontro da ciência Ocidental com a espiritualidade

Oriental. Contextos Clínic,

São Leopoldo ,

v. 2, n. 2, p. 124-135, dez.

2009 .

27

Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983- 34822009000200007&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 12 abr. 2017

ROEMER, E; ORSILLO, M, S. A prática da Terapia Cognitivo-Comportamental baseada em Mindfulness e aceitação. Porto alegre: Artmed, 2010.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

MEDEIROS, J. B. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. São Paulo: Atlas, 2012.

SANTOS, João Almeida. Metodologia científica. São Paulo: Futura, 1998.

SANTOS, Micheli Aparecida Gomes dos. A prática da terapia cognitivo- comportamental baseada em mindfulness e aceitação. Psicol. rev. (Belo Horizonte), Belo Horizonte , v. 18, n. 3, p. 527-530, dez. 2012 . Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_

SHAKER,A. A difusão de mindfulness nas áreas de saúde: benefícios e cuidados, na perspectiva da Psicologia Budista. São Paulo. Disponível em:

http://saudemindfulness.blogspot.com.br/p/artigos.html. Acesso em 11/03/2017.

VANDENBERGHE, L.; SOUSA, A. C. A. de. Mindfulness nas terapias cognitivas e

comportamentais. Rev. bras.ter. cogn., Rio de Janeiro ,

em

2006

<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-

56872006000100004&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 13 mar. 2017.

WRIGHT,H.J; BASCO, R. M; THASE, M. E. Aprendendo a terapia cognitivo

comportamental. Porto alegre: Artmed,2008

v. 2, n. 1, p. 35-44, jun.

Disponível

.

28

ANEXO

Termo de Responsabilidade Autoral

Eu Daniela Da Silva, afirmo que o presente trabalho e suas devidas partes

são de minha autoria e que fui devidamente informado da responsabilidade autoral

sobre seu conteúdo.

Responsabilizo-me

pela

monografia

apresentada

como

Trabalho

de

Conclusão de Curso de Especialização em Terapia Cognitivo Comportamental, sob

o

título

MINDFULNESS

(ATENÇÃO

PLENA)

NA

TERAPIA

COGNITIVO-

COMPORTAMENTAL,isentando, mediante o presente termo, o Centro de Estudos

em Terapia Cognitivo-Comportamental (CETCC), meu orientador e coorientador de

quaisquer ônus consequentes de ações atentatórias à "Propriedade Intelectual", por

mim

praticadas,

assumindo,

assim,

as

responsabilidades

civis

e

criminais

decorrentes das ações realizadas para a confecção da monografia.

São Paulo,

de

de

Assinatura do (a) Aluno (a)