Você está na página 1de 10

A Greve GERAL à Moda Brasileira

A Greve GERAL à Moda Brasileira Não mais Aturdido, muito menos Perplexo, nem Inconformado, nem Indignado,

Não mais Aturdido, muito menos Perplexo, nem Inconformado, nem Indignado, mas, em total submissão à REALIDADE BRASILEIRA, me proponho, a, empiricamente, tentar efetuar avaliações, sobre, o concreto, existente, notícia “Temer ignorou alertas de caminhoneiros sobre greve”, https://www.oantagonista.com/sociedade/temer-

inquestionável, REFLETE a concreta, AMORALIDADE, consistente, e persistente, nos quatros Poderes Institucionais da “República de Bananas”, presidida por um “Golpista Zé NINGUÉM”, alicerçada por um “Congresso Golpista Ilegítimo”, abençoada por um “Judiciário que Persegue, e Protege, Politicamente”, fiscalizada por um “Ministério Público Cego de um Olho, e Surdo de um Ouvido” (por atuar em uma única direção), razão pela qual, o Brasil, se transformou, apenas e tão somente, em um, “NADA”, que aí esta, o que explica que a Sociedade Brasileira é PREJUDICADA, e ENVERGONHADA, diariamente, de tal forma, ser possível, mesmo que injustamente, alcunhá-la como uma Sociedade de Ignorantes, e uma Sociedade de Alienados, uma Sociedade de Bárbaros, quiçá uma Sociedade de Cruéis.

irrefutável,

algo

que

de

maneira

Afinal, nela consta que, Entidades representativas dos caminhoneiros afirmam que o Palácio do Planalto foi avisado em pelo menos quatro ocasiões dos riscos de paralisação da categoria.

Quando então, apresento minha participação, na Audiência Pública do Senado Federal, ocorrida no Auditório do BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento, relacionada a MP 777 : Comissão Mista da Medida Provisória nº 777, de 2017, Taxa de Longo Prazo para contratos do BNDES, ocorrida em 24/07/2017, https://youtu.be/uWbzAyvNp4U, onde, em curtíssimo espaço ce tempo, pude manifestar:

1 - Fiquei estarrecido ao saber que um financiamento do BNDES pode chegar na ponta com juros de 21% sendo 6% spread do agente financeiro.

2 - O problema no Brasil é a Legalidade onde todo dia se rasga a Constituição Federal, temos um Presidente Ilegítimo por ser INELEGÍVEL desde maio/2016 e diplomado em agosto/2016, condenado pelo TRE-SP por Crime Eleitoral de Doação.

LEGÍTIMA ELEIÇÃO.

4 - Temos Senadores e Deputados Federais ILEGÍTIMOS porque na última eleição foram "eleitos" através de Coligações Proporcionais de circunscrição FEDERAL, que DESRESPEITARAM, a Coligação Majoritária à Presidência da República.

5 - O Banco Central do Brasil tem MUITO PODER, sendo sua atribuição COIBIR o ABUSO DE PODER ECONOMICO, se o aumento da gasolina no Posto for alto o Governo entra com ABUSO DE PODER, mas Juros de 300% à 500% não são reconhecidos como tal pelo BC.

6 - Um senador foi reempossado apesar de ter sido flagrado combinando "a gente coloca alguém de confiança que mata antes de delatar", em situação de um empréstimo, isto é, um empréstimo precisa se matar antes de delatar.

7 - Temos um Supremo Tribunal Federal MEDÍOCRE.

8 - Resgatou-se a "lei de terceirização" aprovado a mais de 10 anos pelo Senado Federal, para que a Câmara de Deputados Federais pudesse avaliá-la sem que a ATUAL LEGISLATURA do Senado Federal também a pudesse avaliar.9 - O Brasil tinha 5 (cinco) "Braços de Fomento": Vale do Rio Doce, Petrobrás, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco Nacional de Desenvolvimento. Perdemos a Vale do Rio Doce e ainda nos ressentimos disto.

9 - Carta enviada pelo presidente se comprometendo a Legislar em nome do

Senado Federal, convence Senadores a não alterarem a "lei trabalhista" para que a

mesma não seja reavaliada pela Câmara de Deputados Federais, os Senadores PREVARICARAM.12 - A MP que outorga ao Banco Central do Brasil a efetuar acordos de leniência e julgar crimes financeiros é um ABSURDO, pois, qualquer judicialização é RESPONSABILIDADE do Poder Judiciário, portanto, é INCONSTITUCIONAL.

10 - A Petrobrás foi descapitalizada Patrimonialmente, onde a Venda de seu

"Óleo Duto" não nos permite saber quanto é pago pelo seu aluguel, uma vez que, este governo mudou o referencial de menor Custo para maior Preço, o custo não tem importância só o preço de venda.

11 - A MP que outorga ao Banco Central do Brasil a efetuar acordos de leniência e julgar crimes financeiros é um ABSURDO, pois, qualquer judicialização é RESPONSABILIDADE do Poder Judiciário, portanto, é INCONSTITUCIONAL.

12 - O Banco Central do Brasil já tem MUITO PODER, onde é sua Atribuição e

Responsabilidade COIBIR o ABUSO DE PODER ECONÔMICO. Numa relação o Governo aumentou o preço da gasolina e se os postos aumentarem muito o Governo entra com ABUSO DE PODER ECONÔMICO.

13- Como JUROS de 300% à 500% pode não ser, para o Banco Central do Brasil, ABUSO DE PODER ECONÔMICO, em plena recessão ?

14 - A conclusão, que não foi declarada, naquela oportunidade, é de que a MP

777/17 tem como foco principal a desarticulação do BNDES, em harmonia, à

desestruturação dos Braços de Fomento do Estado Brasileiro, logo, sua discussão não passa de hipócrita legitimação.

15 - Afinal, Ela será APROVADA pela Base Parlamentar do governo, que é substancial maioria.

Logo, a GREVE dos Caminhoneiros, previamente ANUNCIADA, e ALERTADA, por Órgãos Representativos, em, essência, pela explícita concordância, da População Brasileira, apenas e tão somente, nos apresenta a substituição, concreta, posição do Brasil, de Proprietário do Petróleo Brasileiro, através da Gigante Petrobrás S.A., como, efetivo, administrador de todos os recursos oriundos de Petróleo no Brasil, pela concreta, posição do Brasil, de Arrendatador do Petróleo Brasileiro, através da INSIGNIFICANTE Petrobrás S.A., em função de IMPLEMENTADA REDUÇÃO da atuação da Petrobrás S.A. no Mercado Brasileiro, sem qualquer contrôle sobre os recursos oriundos de Petróleo no Brasil.

Afinal, a DESCAPITALIZAÇÃO PATRIMONIAL da Petrobrás S.A., que entre outras coisas, teve, a “perda” de participação Obrigatória na Exploração de 30% do

“Pré-Sal”, a “venda” de Gasoduto, a “venda” de Plataformas, em curtíssimo prazo, a “venda” de sua Distribuidora, tem seu AVILTAMENTO, na ORIGEM da “NOVA política de Preços”, acertadamente batizada pela AEPET – Associação dos Engenheiros da Petrobrás, de “America First”, “Os Estados Unidos primeiro!”, em seu Editorial, publicado em dezembro de 2017, “Política de preços de Temer e Parente é 'America

First'

abaixo,

do

Governo Brasileiro, através da Petrobrás S.A., administrar os Preços do Petróleo e

seus derivados no Brasil.

”,

reproduzida

parcialmente

a

TOTAL

INCAPACIDADE

Este fato, toma vulto exacerbado, quando em passado recentíssimo, mesmo com o barril do Petróleo cotado a U$120.00, a Política de Preços da Petrobrás S.A., de então, não exigiu significativos aumentos dos Preços dos Derivados de Petróleo, e não impediu Faturamento Significativo, e LUCROS Reais, Concretos, compatíveis às necessidades do Maior, e Mais Importante, BRAÇO de Fomento de TODOS os Governos Brasileiros, desde de sua Criação.

Logo, a História nos apresenta a certeza, de que, o Preço do Petróleo,e de seus Derivados, podem, e devem, estar sob o Contrôle do Governo Brasieliro, através da GIGANTE Petrobrás S.A., e que, a INSIGNIFICANTE Petrobrás S.A., bem como, a “NOVA política de preços da Petrobrás”, é acintoso, abominável, intolerável, inadmissível, CRIME LESA-PÁTRIA.

Portanto, o APOIO da População Brasileira à GREVE dos Caminhoneiros, sem qualquer dúvida, é a DESCULPA Pacífica, para o implícito estabelecimento, de uma GREVE GERAL, contra TODOS os Mandos, e Desmandos ILEGAIS e INCONSTITUCIONAIS, praticados pelo Executivo, Assistido pelo Legislativo, e Referendados pelo Judiciário, incluso o Ministério Público Federal, resultante no “CAOS” que aí está.

Portanto, a cada novo dia, infelizMENTE, efetivaMENTE, é revigorada, a minha crença, de que, a decisão proferida na ADI 2.649, voto da Min. Cármen Lúcia, julgamento em 8-5-08, Plenário, DJE de 17-10-08, tem como autor(a) um(a) Ministro do

Supremo Tribunal Federal FANTASMA, e por isso, a citada decisão foi, apenas e tão somente, assinada pela Ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha.

RealMENTE, a “República de Bananas”, onde o “CAOS” é Moral, é Ético, e, é Profissional, nos apresenta, em meu empírico entendimento, a “certeza” da existência de Autoridades Institucionais, em também meu empírico entendimento, Levianas, fica- nos, quase impossível, admitir, que, algum dia, poderemos nos firmar, e afirmar, como uma Sociedade Livre, Justa e Fraterna, o que nos obriga a reafirmar Ruy Barbosa de Oliveira, o Águia de Haia.

Portanto, reafirmando Ruy Barbosa de Oliveira, o Águia de Haia, apenas e tão somente, posso dizer: “TENHO VERGONHA DE MIM”.

Texto de Cleide Canton e Rui Barbosa por Rolando Boldrim.

Afinal, a Instituição Democrática Supremo Tribunal Federal, em seu site oficial, na página “A Constituição e o Supremo”, nos assegura, a certeza, de que não basta o Poder Institucional decidir, é imperioso que seja Legítimo, Justo, e Legal, uma vez que, consta:

"Ninguém é obrigado a cumprir ordem ilegal, ou a ela se submeter, ainda que emanada de autoridade judicial. Mais: é dever de cidadania opor-se à ordem ilegal; caso contrário, nega-se o Estado de Direito." (HC 73.454, Rel. Min. Maurício Corrêa, julgamento em 22-4-96, 2ª Turma, DJ de 7-6-96)

“Separação dos poderes. Possibilidade de análise de ato do Poder Executivo pelo

Cabe ao Poder Judiciário a análise da legalidade e

Poder Judiciário. (

constitucionalidade dos atos dos três Poderes constitucionais, e, em vislumbrando mácula no ato impugnado, afastar a sua aplicação.” (AI 640.272-AgR, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgamento em 2-10-09, 1ª Turma, DJ de 31-10-07). No mesmo sentido: AI 746.260-AgR, Rel. Min. Cármen Lúcia, julgamento em 9-6-09, 1ª Turma, DJE de 7-8-09.

“Devem ser postos em relevo os valores que norteiam a Constituição e que devem servir de orientação para a correta interpretação e aplicação das normas constitucionais e apreciação da subsunção, ou não, da Lei n. 8.899/94 a elas. Vale, assim, uma palavra, ainda que brevíssima, ao Preâmbulo da Constituição, no qual se contém a explicitação

dos valores que dominam a obra constitucional de 1988 (

de ser convocado para formular as políticas públicas que podem conduzir ao bem-estar, à

igualdade e à justiça, mas a sociedade haverá de se organizar segundo aqueles valores, a fim de que se firme como uma comunidade fraterna, pluralista e sem

preconceitos (

brasileira de 1988, escolia José Afonso da Silva que ‘O Estado Democrático de Direito destina-se a assegurar o exercício de determinados valores supremos. Assegurar’, tem, no contexto, função de garantia dogmático-constitucional; não, porém, de garantia dos valores abstratamente considerados, mas do seu ‘exercício’. Este signo desempenha, aí, função pragmática, porque, com o objetivo de ‘assegurar’, tem o efeito

E, referindo-se, expressamente, ao Preâmbulo da Constituição

Não apenas o Estado haverá

)

).

).

imediato de prescrever ao Estado uma ação em favor da efetiva realização dos ditos valores em direção (função diretiva) de destinatários das normas constitucionais que dão

a esses

Na esteira destes valores supremos

valores

conteúdo

específico’ (

).

explicitados no Preâmbulo da Constituição brasileira de 1988 é que se afirma, nas normas constitucionais vigentes, o princípio jurídico da solidariedade.” (ADI 2.649, voto da Min. Cármen Lúcia, julgamento em 8-5-08, Plenário, DJE de 17-10-08) como também, os princípios da Segurança (inclusa a Jurídica), da Liberdade, da Justiça, da Igualdade, que, efetivamente, permitirão, a Construção de uma Sociedade Livre, Justa e Fraterna. (Plinio Marcos Moreira da Rocha).

“Enquanto os direitos de primeira geração (direitos civis e políticos) – que compreendem as liberdades clássicas, negativas ou formais – realçam o princípio da liberdade e os direitos de segunda geração (direitos econômicos, sociais e culturais) – que se identifica com as liberdades positivas, reais ou concretas – acentuam o princípio da igualdade, os direitos de terceira geração, que materializam poderes de titularidade coletiva atribuídos genericamente a todas as formações sociais, consagram o princípio da solidariedade e constituem um momento importante no processo de desenvolvimento, expansão e reconhecimento dos direitos humanos, caracterizados, enquanto valores fundamentais indisponíveis, nota de uma essencial inexauribilidade.” (MS 22.164, Rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 30-10-1995, Plenário, DJ de 17-11-

1995.)

Atenciosamente,

Dr. Plinio Marcos Moreira da Rocha

Colando” (copiando) Grau de Doutor, com Doutorado em Direito de “Merda” (inexistente), em Estabelecimento de “Merda” (inexistente), reconhecido pelo Ministério de Estado da Educação de “Merda (que TUDO assiste, duplo sentido), de um Estado de Direito de “Merda” (que TUDO permite), conforme o documento “Resposta a Sérgio Rodas de um Cinquentão com Índole de Jovem”, onde estamos utilizando do direito de resposta, face a tendenciosa, e achincalhada, “avaliação” do documento “Petição como Amicus curiae”, feita, e publicada, pelo “repórter” Sérgio Rodas da Revista Consultor Jurídico.

Rua Gustavo Sampaio nº112 apto. 603 – LEME – Rio de Janeiro – RJ

CEP – 22.010-010

Tel. (Res) 2542-7710

Tel. (Cel) 9 8618-3350

Penso, não só Existo, Me Faço PRESENTE

Um Cinquentão com índole de um Jovem revolucionário apaixonado por TUDO que se envolve, por isso, tem a Despreocupação Responsável em MUDAR Conceitos e Valores.

A Despreocupação Responsável em MUDAR Conceitos e Valores

La leggerezza responsabile di MODIFICARE Concetti e Valori

Die Nachlässige verantwortlich zu ändern Konzepte und Werte

Descuidos a la Responsable de CAMBIAR conceptos y valores

De onzorgvuldige Verantwoordelijke VERANDERING van concepten en Waarden

The Responsible Easiness in CHANGING Concepts and Values

Le négligent responsable de changement Concepts et valeurs

ميقلاو ميهافملا رييغت ىلإ نيلوؤسملا لامهإ نإ

不注意な変更概念と値に責任

Analista de Sistemas, presumivelmente único Cidadão Brasileiro COMUM, que mesmo não tendo nível superior completo (interrompi o Curso de Executivo, com o primeiro semestre completo em 1977), portanto, não sendo Advogado, nem Bacharél, nem Estudante de Direito, teve suas práticas inscritas nas 6ª, e 7ª, edições do Prêmio INNOVARE, ambas calcadas no CAOS JURÍDICO que tem como premissa o PURO FAZER DE CONTAS, reconhecidas, e DEFERIDAS pelo Conselho Julgador, conforme o documento INNOVARE Um Brasileiro COMUM No Meio Juridico II,