Você está na página 1de 468

Conteúdo

1 Psicologia cognitiva 1
1.1 Grandes áreas de investigação em psicologia cognitiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.1.1 Percepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.1.2 Memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.1.3 Representação de conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.1.4 Linguagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.1.5 Pensamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.2 Terapia Cognitiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.3 Psicólogos cognitivos famosos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.4 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.5 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4

2 Cognição 5
2.1 Psicologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
2.2 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

3 Comportamento 6
3.1 Individualidades e teoria de sistemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
3.2 Instinto e cultura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
3.3 Respondente e operante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
3.4 Psicologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
3.4.1 Behaviorismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
3.4.2 Freud . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
3.5 Antropologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
3.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
3.7 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
3.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

4 Ciência cognitiva 8
4.1 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
4.2 Princípios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
4.2.1 Abordagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8

i
ii CONTEÚDO

4.3 Escopo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
4.4 Pesquisadores notáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
4.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
4.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
4.7 Publicações sobre Ciências Cognitivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

5 Memória 10
5.1 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
5.2 Tipos de memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
5.3 Bases anatómicas da memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
5.4 Bases moleculares do armazenamento da memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
5.5 Neuromodulação da memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
5.6 Fatores relacionados com a perda de memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
5.6.1 Amnésia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
5.6.2 Doença de Alzheimer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
5.6.3 Outros fatores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
5.7 A memória e o olfato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
5.8 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
5.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
5.10 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

6 Atenção 16
6.1 Anormalidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
6.2 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

7 Percepção 18
7.1 O estudo da percepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
7.2 Percepção e realidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
7.3 Fatores que influenciam a percepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
7.3.1 Fatores externos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
7.3.2 Fatores internos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
7.3.3 Princípios da percepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
7.3.4 Outros fatores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
7.4 Tipos de percepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
7.4.1 Percepção visual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
7.4.2 Percepção auditiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
7.4.3 Percepção olfactiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
7.4.4 Percepção gustativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
7.4.5 Percepção tátil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
7.4.6 Percepção temporal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
7.4.7 Percepção espacial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
7.4.8 Propriocepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
CONTEÚDO iii

7.5 Intensidade da percepção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23


7.5.1 Lei de Weber-Fechner . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
7.6 Percepção Social . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
7.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
7.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

8 Raciocínio 25

9 Criatividade 26
9.1 Tipos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
9.1.1 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
9.2 Potencial criativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
9.3 Processo criativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
9.4 Importância da criatividade nas organizações de Ensino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
9.5 Forma de expressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
9.6 Medição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
9.7 Criatividade em equipe: um produto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
9.8 Como ampliar o potencial criativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
9.9 Criatividade e inovação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
9.10 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
9.11 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

10 Platão 30
10.1 Vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
10.1.1 Origem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
10.1.2 Infância e juventude . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
10.1.3 Afastamento da política e primeira viagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
10.1.4 Primeira viagem à Sicília . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
10.1.5 Fundação da escola e ensino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
10.1.6 Segunda viagem à Sicília . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
10.1.7 Terceira viagem à Sicília . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
10.1.8 Velhice e morte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
10.2 Obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
10.2.1 Tradição e autenticidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
10.2.2 Forma literária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
10.2.3 Cronologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
10.3 Filosofia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
10.3.1 Teoria das Ideias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
10.3.2 Epistemologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
10.3.3 Dialética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
10.3.4 Ética e justiça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
10.3.5 Conceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
iv CONTEÚDO

10.4 Legado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
10.5 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
10.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
10.6.1 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
10.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

11 Aristóteles 40
11.1 Vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
11.2 Campos de estudo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
11.2.1 Lógica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
11.2.2 Física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
11.2.3 Óptica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
11.2.4 Química . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
11.2.5 Astronomia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
11.2.6 Biologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
11.2.7 Metafísica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
11.2.8 Psicologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
11.2.9 Ética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
11.2.10 Retórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
11.2.11 Artes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
11.2.12 Política . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
11.3 Obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
11.4 Legado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
11.4.1 Filósofos gregos posteriores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
11.4.2 Influência sobre os eruditos bizantinos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
11.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
11.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
11.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

12 Paradigma 49
12.1 A comunidade científica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
12.2 Ciências Humanas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
12.3 Filosofia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
12.4 Linguística . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
12.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
12.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

13 Cérebro humano 53
13.1 Hemisférios cerebrais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
13.2 Córtex cerebral e lobos cerebrais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
13.3 Lobo Frontal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
13.4 Lobo occipital . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
CONTEÚDO v

13.5 Lobos temporais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55


13.6 Lobos parietais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
13.7 Área de Wernicke . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
13.8 Estudo científico do cérebro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
13.9 Métodos de Observação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
13.10Galeria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
13.11Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

14 Wilhelm Wundt 57
14.1 Formação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
14.2 Carreira de Trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
14.3 Estudos e Publicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
14.4 Vida e Obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
14.5 O estudo da consciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
14.6 Psicologia social . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
14.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
14.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

15 Ernst Heinrich Weber 61


15.1 Obras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
15.2 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61

16 Francis Galton 62
16.1 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
16.2 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62

17 Psicologia social 63
17.1 Categorias fundamentais da Psicologia Social . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
17.2 Histórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
17.3 Psicologia Social no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
17.4 Críticas à Psicologia Social . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
17.4.1 Uma nova Psicologia Social e Institucional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
17.5 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
17.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
17.7 Leitura adicional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
17.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
17.9 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69

18 Personalidade 70
18.1 Definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
18.2 Etimologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
18.3 Aspectos da personalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
18.3.1 Forma física e personalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
vi CONTEÚDO

18.3.2 Temperamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
18.3.3 Competências ou habilidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
18.3.4 Disposições ligadas à ação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
18.3.5 Disposições ligadas à valoração (ou ao juízo de valor) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
18.3.6 Disposições ligadas à própria pessoa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
18.4 Desenvolvimento da personalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
18.4.1 A estabilidade da personalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
18.5 Distúrbios de personalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
18.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
18.7 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
18.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

19 Psicopatologia 76
19.1 Normalidade, saúde mental e psicopatologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
19.2 Visões sobre a psicopatologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
19.2.1 Psicologia cognitiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
19.2.2 Comportamentalismo (Behaviorismo) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
19.2.3 Psicanálise . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
19.2.4 Fenomenologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
19.3 Sistemas de classificação dos transtornos mentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
19.3.1 CID-10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
19.3.2 DSM-IV-TR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
19.4 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
19.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
19.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
19.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

20 Psicologia do desenvolvimento 82
20.1 Teorias e teóricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
20.2 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
20.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82

21 Psicologia comparada 83

22 Século XX 84
22.1 Importantes desenvolvimentos, eventos e conquistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
22.2 Doença e medicina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
22.3 Cultura e entretenimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
22.4 Guerras e política . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
22.4.1 “A Grande Guerra” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
22.4.2 Entre duas guerras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
22.4.3 Segunda Guerra Mundial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
22.4.4 O mundo do pós-guerra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
CONTEÚDO vii

22.4.5 “Um salto gigante para a humanidade” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103


22.4.6 União Europeia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
22.4.7 O mundo no fim do século XX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
22.5 Papas do século XX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
22.6 Anos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
22.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
22.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
22.8.1 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
22.9 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
22.10Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106

23 Inteligência artificial 107


23.1 Visão geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
23.2 Abordagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
23.2.1 Cibernética e simulação cerebral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
23.2.2 Sub-simbólica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
23.3 IA forte e IA fraca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
23.3.1 Inteligência artificial forte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
23.3.2 Inteligência artificial fraca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
23.3.3 Impossibilidade de Simulação Qualitativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
23.3.4 Críticas filosóficas e a argumentação de uma IA forte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
23.4 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
23.4.1 Investigação na IA experimental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
23.5 Abordagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
23.6 Aplicações Práticas de Técnicas de IA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
23.7 Pesquisadores de IA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
23.8 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
23.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
23.10Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
23.10.1 Organizações relacionadas a IA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116

24 Ambiente social 117


24.1 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

25 Visão 118
25.1 A olho nu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
25.2 Visão biológica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
25.3 Via visual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
25.3.1 Retina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
25.3.2 Células fotossensíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
25.3.3 Nervo ótico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
25.3.4 Quiasma ótico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
viii CONTEÚDO

25.3.5 Fita ótica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120


25.3.6 Corpo geniculado externo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
25.3.7 Área visual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
25.4 Lesões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
25.5 Reflexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
25.5.1 Reflexo fotomotor direto e consensual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
25.5.2 Reflexo de acomodação - convergência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
25.5.3 Reflexo de ameaça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
25.5.4 Reflexo corneopalpebral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
25.6 A televisão e a visão digital . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
25.7 Resolução da visão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
25.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
25.9 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
25.10Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122

26 Olfato 123
26.1 Disfunções olfativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
26.2 O olfato e as emoções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
26.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
26.4 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124

27 Tato 125
27.1 Outras possíveis subdivisões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
27.2 Em cegos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
27.3 Em animais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
27.4 Sensores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
27.5 Efeito psicológico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
27.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
27.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126

28 Paladar 127
28.1 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
28.2 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127

29 Audição 128
29.1 Audição nos vertebrados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
29.1.1 Audição nos mamíferos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
29.1.2 Funcionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
29.2 Perda da audição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
29.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128

30 Propriocepção 129
30.1 Inteligência corporal-cinestésica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
CONTEÚDO ix

30.2 Sensores ou Fuso Muscular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129


30.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130

31 Ilusão 131
31.1 Etimologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
31.2 Tipos de ilusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
31.2.1 Ilusões de óptica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
31.2.2 Ilusões auditivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
31.2.3 Ilusões táteis, gustativas e olfativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
31.3 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132

32 Ilusão de óptica 133


32.1 Uma explicação possível das muitas ilusões ópticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
32.1.1 Uma ilusão de luminosidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
32.1.2 Uma ilusão de distância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
32.2 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
32.3 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135

33 Consciência 136
33.1 Etimologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
33.2 Consciência - função alta da mente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
33.2.1 Modelo de bloco de construção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
33.2.2 Modelo do campo unificado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
33.3 Consciência, autoconsciência e autoconhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
33.4 Definições do Senso Comum . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
33.5 Definições concorrentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
33.6 Alterações da consciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
33.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
33.8 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138

34 Mensagem subliminar 139


34.1 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
34.2 Diferenças entre subliminar e subentendido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
34.3 Versão científica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
34.4 Publicidade subliminar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
34.5 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
34.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
34.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144

35 Reconhecimento de padrões 145


35.1 Aplicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
35.2 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
35.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
x CONTEÚDO

35.4 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146

36 Memória a curto prazo 147


36.1 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
36.2 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147

37 Memória de longo prazo 148

38 Memória episódica 149

39 Amnésia 150
39.1 Causas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
39.2 Classificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
39.2.1 Amnésia anterógrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
39.2.2 Amnésia retrógrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
39.3 Tipos de amnésia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
39.3.1 Amnésia global transitória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
39.3.2 Amnésia psicogênica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
39.3.3 Síndrome de Korsakoff . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
39.3.4 Amnésia Alcoólica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
39.4 Diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
39.5 Tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
39.6 Prevenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
39.7 Fontes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
39.8 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
39.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152

40 Representação de conhecimento 153


40.1 Cadeias semânticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
40.2 Frames . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
40.3 Redes Neurais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
40.4 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155

41 Imagem mental 156


41.1 Uso terapêutico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
41.2 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156

42 Modelo mental 157


42.1 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
42.2 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157

43 Linguagem 158
43.1 Definições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
43.1.1 Faculdades mentais, órgãos do corpo ou instintos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
CONTEÚDO xi

43.1.2 Sistema simbólico formal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159


43.1.3 Ferramenta para comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
43.1.4 O que torna a linguagem humana única . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
43.2 Origem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
43.3 Aquisição da linguagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
43.4 Linguagem humana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
43.5 Línguagem artificial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
43.6 Linguagem de animais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
43.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
43.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
43.9 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
43.10Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165

44 Ambiente 166
44.1 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166

45 Antropologia 167
45.1 Divisões e campo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
45.2 Considerações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
45.3 História da Antropologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
45.3.1 Primórdios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
45.3.2 O século XVIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
45.3.3 O século XIX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
45.3.4 O século XX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170
45.4 Áreas de estudo em Antropologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
45.5 Conceitos e métodos da Antropologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
45.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
45.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
45.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173

46 Sociologia 174
46.1 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
46.1.1 Correntes sociológicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
46.2 A sociologia como ciência da sociedade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
46.3 Comparação com outras ciências sociais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
46.4 Sociologia da Ordem e Sociologia da Crítica da Ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
46.5 A evolução da sociologia como disciplina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
46.6 Áreas e tópicos da sociologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
46.6.1 Áreas de estudo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
46.6.2 Tópicos e palavras-chave . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
46.6.3 Sociólogos notórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
46.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
xii CONTEÚDO

46.8 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181


46.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
46.10Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181

47 Filosofia 182
47.1 Definição de filosofia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
47.1.1 Etimologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
47.1.2 Conceito de filosofia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
47.2 Métodos da filosofia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185
47.3 Disciplinas filosóficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
47.4 Cronologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
47.5 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
47.5.1 Pensamento mítico e pensamento filosófico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
47.5.2 Filosofia antiga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
47.5.3 África . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192
47.5.4 Filosofia oriental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192
47.5.5 Filosofia medieval . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
47.5.6 Filosofia do Renascimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
47.5.7 Filosofia moderna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
47.5.8 Filosofia do século XIX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195
47.5.9 Filosofia do século XX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
47.5.10 Movimentos filosóficos da atualidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
47.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
47.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
47.8 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
47.9 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201

48 Comunicação 202
48.1 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
48.2 Teoria da Comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
48.3 Formas e Componentes da Comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
48.4 Comunicação e Tecnologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
48.5 Dinamismo da Comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
48.6 Telecomunicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
48.7 Comunicação segmentada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
48.8 Comunicação crível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
48.8.1 Estratégia de comunicação crível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
48.9 Ensino de comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
48.10Importância da comunicação na gestão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
48.11Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
48.12Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
48.13Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
CONTEÚDO xiii

48.14Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206

49 Pensamento 207
49.1 Definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
49.2 Características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
49.2.1 Latência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
49.3 Diferentes abordagens do pensamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
49.3.1 Biologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
49.3.2 Psicologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
49.3.3 Sociologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
49.3.4 Filosofia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
49.3.5 Linguagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210
49.3.6 Logosofia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210
49.4 Classificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
49.5 Operações racionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
49.6 Patologias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212
49.6.1 Transtornos no curso do pensamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212
49.6.2 Transtornos de conteúdo de pensamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212
49.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
49.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
49.9 Referências citadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
49.9.1 Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
49.10Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214

50 Afasia 215
50.1 Características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
50.2 Causas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
50.3 Classificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
50.4 Tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
50.5 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
50.6 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
50.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216

51 Esquizofrenia 217
51.1 Sinais e sintomas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
51.1.1 Sintomas positivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
51.1.2 Sintomas negativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 218
51.2 Causas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 218
51.2.1 Teoria genética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219
51.2.2 Teoria neurobiológica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219
51.2.3 Teorias psicanalíticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219
51.2.4 Teorias familiares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219
xiv CONTEÚDO

51.2.5 Teoria dos neurotransmissores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219


51.3 Diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219
51.3.1 Classificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 220
51.4 Tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221
51.4.1 Tratamento farmacológico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221
51.4.2 Tratamento não farmacológico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221
51.5 Epidemiologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
51.6 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
51.7 Sociedade e cultura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
51.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224
51.8.1 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 226
51.9 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227

52 Gramática 228
52.1 Teoria geral da gramática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228
52.1.1 Acepções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228
52.1.2 A noção do correto e a mutabilidade linguística . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228
52.2 História da gramática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229
52.3 Outras gramáticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
52.4 Classificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
52.5 Tipos de gramática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
52.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230

53 Linguística 232
53.1 Divisões da linguística . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232
53.2 A linguística histórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232
53.3 Escolas de pensamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 233
53.4 Falantes, comunidades linguísticas e universais linguísticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234
53.5 Fala versus escrita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234
53.6 Descrição e prescrição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234
53.7 Estudos inspirados no cérebro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234
53.8 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
53.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
53.10Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
53.11Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235

54 Fonética 236
54.1 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 236
54.2 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 236
54.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 236

55 Fonologia 237
55.0.1 Fonologia gerativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237
CONTEÚDO xv

55.1 Fonemas e ortografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237


55.2 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237
55.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238

56 Aquisição da linguagem 239


56.1 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239
56.2 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239
56.3 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239

57 Lógica 240
57.1 O estudo da lógica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 240
57.2 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 241
57.3 Lógica aristotélica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 241
57.3.1 Lógica formal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 241
57.3.2 Lógica material . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242
57.4 Lógica matemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242
57.5 Lógica filosófica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242
57.6 Lógica de predicados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243
57.7 Lógica de vários valores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243
57.8 Lógica e computadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243
57.9 Tipos de lógica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244
57.10Testes de lógica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245
57.11Respostas dos “testes de lógica” citados acima . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245
57.12Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245
57.13Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 246
57.14Leituras adicionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 246

58 Resolução de problemas 248


58.1 Definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 248
58.1.1 Psicologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 248
58.2 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 248
58.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 248

59 Terapia cognitiva 249


59.1 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
59.2 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249

60 Dialética 250
60.1 Visões sobre a dialética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
60.2 Método dialético . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251
60.3 História da dialética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251
60.4 Dialética e trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 252
60.5 Dialética e totalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 252
xvi CONTEÚDO

60.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253


60.7 Notas e referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253
60.7.1 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253
60.7.2 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253
60.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253

61 Psicoterapia 254
61.1 Características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 254
61.2 Estrutura básica da psicoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255
61.3 Efetividade da psicoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255
61.4 O funcionamento da psicoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255
61.4.1 Fases de mudança do paciente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256
61.4.2 Fases da terapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256
61.5 Mecanismos de mudança em psicoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256
61.6 Efeitos da psicoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257
61.7 Tipos de psicoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258
61.7.1 Classificações sob aspectos formais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258
61.7.2 Classificação de acordo com a perspectiva teórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258
61.7.3 Abordagens transteóricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 259
61.8 Serviços psicológicos realizados por meios tecnológicos de comunicação a distância[16] . . . . . . . 259
61.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 259
61.10Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260
61.11Ligações Externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260

62 Aaron Temkin Beck 261


62.1 Biografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
62.1.1 Infância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
62.1.2 Família . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
62.1.3 Educação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
62.1.4 Pesquisa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
62.2 Prêmios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
62.3 Trabalhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
62.3.1 Livros publicados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
62.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262
62.5 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262
62.6 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262

63 Albert Ellis 263


63.1 Obra literária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263

64 Atitude 265
64.1 Definições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265
64.1.1 Psicologia social . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265
CONTEÚDO xvii

64.1.2 Definição de Jung . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265


64.2 Mensuração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266
64.2.1 Atitudes Explícitas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266
64.2.2 Atitudes Implícitas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266
64.3 atitude natural . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266
64.3.1 Satisfação com o trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266
64.3.2 Envolvimento com o trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267
64.3.3 Comprometimento Organizacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267
64.4 Teoria da dissonância cognitiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267
64.5 Atitudes na psicologia da personalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267
64.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 268
64.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 268
64.8 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 268

65 Valor 269

66 Fenomenologia 270
66.0.1 A redução Fenomenológica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 270
66.0.2 Consciência e Intencionalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 271
66.0.3 A Redução Eidética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 271
66.0.4 A Intuição do Invariante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 271
66.0.5 Redução Transcendental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272
66.0.6 Fenomenologia e Fenomenalismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272
66.1 Outros Pensadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272
66.1.1 Max Scheler . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272
66.1.2 Heidegger . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272
66.1.3 Merleau-Ponty . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273
66.1.4 Sartre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273
66.2 A Fenomenologia e Outras Filosofias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273
66.2.1 O Empirismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273
66.2.2 Psicologismo e Historicismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 274
66.2.3 Idealismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 274
66.3 Fenomenologia e Psicologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275
66.3.1 Karl Jaspers . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275
66.4 Críticas à Fenomenologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275
66.5 Lista de Pensadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275
66.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275
66.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275

67 Psicologia humanista 277


67.1 Origem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277
67.2 Conceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277
xviii CONTEÚDO

67.3 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277


67.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277
67.5 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278

68 Terapia comportamental 279


68.1 Introdução histórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279
68.2 Abordagens da terceira geração da terapia comportamental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279
68.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279

69 Terapia cognitivo-comportamental 280


69.1 Princípios básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280
69.2 Princípios etiológicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280
69.3 Estrutura da terapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281
69.4 Eficácia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 282
69.5 Desenvolvimento posterior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 282
69.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 282
69.7 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 282

70 Psicologia 283
70.1 Etimologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 283
70.2 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 283
70.3 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 284
70.3.1 Perspectivas históricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 284
70.3.2 Perspectivas atuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 286
70.4 A perspectiva biopsicossocial e a multidisciplinaridade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 288
70.5 Crítica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 289
70.5.1 O status científico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 289
70.5.2 Terapias “alternativas” não psicológicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 289
70.6 Especializações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 289
70.7 Ver Também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 290
70.8 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 290
70.9 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 290
70.10Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 290
70.11Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 291
70.12Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 291

71 Transtorno mental 292


71.1 Definição do conceito de “anormalidade” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 292
71.2 Classificação dos transtornos mentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 293
71.2.1 O sistema de Jaspers (1913) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 293
71.2.2 Os sistemas atuais de classificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 293
71.3 Epidemiologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 294
71.4 Etiologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 294
CONTEÚDO xix

71.4.1 O modelo bio-psico-social . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 294


71.4.2 O modelo estresse-vulnerabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 295
71.4.3 Fatores genéticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 295
71.4.4 Fatores biológicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 295
71.4.5 Fatores psicológicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 295
71.4.6 Fatores Socio-culturais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297
71.5 Intervenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297
71.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297
71.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297
71.8 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 298

72 Emoções 299
72.1 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 299
72.2 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 299

73 Psicodiagnóstico 300
73.1 Áreas de atuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 300
73.2 O processo diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 300
73.3 Métodos do diagnóstico psicológico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 301
73.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 301
73.5 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 301

74 Análise 302
74.1 Usos em campos específicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 302
74.1.1 Arte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 302
74.1.2 Computação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 302
74.1.3 Criptografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 302
74.1.4 Direito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 302
74.1.5 Economia / Contabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 302
74.1.6 Engenharia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 302
74.1.7 Filosofia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 302
74.1.8 Lingüística . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 303
74.1.9 Matemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 303
74.1.10 Psicologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 303
74.1.11 Química . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 303
74.2 Notas e Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 303

75 Transtorno depressivo maior 304


75.1 Sinais e sintomas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 304
75.2 Classificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 305
75.2.1 Depressão maior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 305
75.2.2 Distimia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 306
75.2.3 Depressão atípica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 306
xx CONTEÚDO

75.2.4 Depressão pós-parto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 306


75.2.5 Distúrbio afetivo sazonal (DAS) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 306
75.2.6 Tensão pré-menstrual (TPM) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 307
75.2.7 Pesar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 307
75.3 Causas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 307
75.3.1 Fatores psicossociais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 307
75.3.2 Fatores biológicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 307
75.3.3 Fatores Físicos (Traumatismos) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 308
75.3.4 Outros fatores relacionados ao desenvolvimento de depressão . . . . . . . . . . . . . . . . 308
75.4 Diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 308
75.5 Tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 308
75.5.1 Medicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 309
75.6 Epidemiologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 309
75.7 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 310
75.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 310
75.9 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 311
75.10Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 311

76 Salutogénese 312
76.1 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 312
76.2 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 313

77 Doença 314
77.1 Conceitos de doença– . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 314
77.1.1 Conceito médico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 314
77.1.2 Conceito bio-psicossocial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 315
77.2 Significado social da doença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 315
77.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 316
77.4 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 316
77.5 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 317

78 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde 318


78.1 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 318
78.2 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 318
78.2.1 Em português . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 318
78.2.2 Em inglês . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 318

79 Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 320


79.1 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 320
79.2 Uso do DSM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 321
79.3 O DSM e a política . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 321
79.4 O DSM anterior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 321
79.4.1 Categorização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 321
CONTEÚDO xxi

79.4.2 Sistema Multiaxial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 322


79.4.3 Cuidados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 322
79.4.4 As fontes do DSM-IV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 322
79.5 Planejamento do DSM-V . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 322
79.6 Críticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 323
79.7 Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 323
79.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 324

80 Indicação 325
80.1 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 325
80.2 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 325

81 Emoção 326
81.1 Classificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 326
81.1.1 Teoria das Emoções Básicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 327
81.2 Teorias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 327
81.2.1 Teorias somáticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 327
81.2.2 Teoria de Joseph LeDoux . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 327
81.2.3 Teoria de James-Lange . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 328
81.2.4 Teorias neurobiológicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 328
81.2.5 Outras definições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 329
81.3 Etimologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 329
81.4 Emoção cognitiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 329
81.5 Abordagens interdisciplinares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 330
81.5.1 Ciência da Computação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 330
81.6 Teóricos notáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 330
81.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 331
81.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 331
81.9 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 332

82 Motivo (psicologia) 334


82.1 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 334
82.2 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 334
82.3 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 334

83 Sistema 335
83.1 Tipos de sistemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 335
83.2 Sistemas biológicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 336
83.3 Sistemas de informação e ciência da computação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 336
83.4 Sistemas em pesquisa operacional e ciência do gerenciamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 336
83.5 Causando mudanças em sistemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 336
83.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 336
83.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 336
xxii CONTEÚDO

83.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 337

84 Anamnese 338

85 Hipótese 339
85.1 Dicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 339
85.2 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 340
85.3 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 340
85.4 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 340

86 Etiologia 341
86.1 Modelo biopsicossocial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 341
86.2 Mito etiológico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 341
86.3 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 342
86.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 342
86.5 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 342

87 Trabalho produtivo e improdutivo 343


87.1 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 343
87.2 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 343

88 Transtorno de ansiedade generalizada 344


88.1 Classificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 344
88.1.1 Diagnósticos diferenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 344
88.2 Causas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 344
88.3 Sinais e sintomas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 344
88.4 Epidemiologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 345
88.5 Tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 345
88.5.1 Terapia não farmacológica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 345
88.5.2 Terapia farmacológica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 345
88.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 346

89 Transtorno de pânico 347


89.1 Causa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 347
89.2 Sintomas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 347
89.3 Epidemiologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 348
89.4 Tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 348
89.4.1 Medicamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 349
89.4.2 Prognóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 349
89.5 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 349
89.6 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 349
89.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 349

90 Fobia social 350


CONTEÚDO xxiii

90.1 Sintomas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 351


90.2 Situações temidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 351
90.2.1 Características e exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 352
90.3 Diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 353
90.4 Características associadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 353
90.5 Enfrentamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 354
90.6 Incapacitação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 354
90.7 Tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 354
90.7.1 Terapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 354
90.8 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 355
90.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 356
90.10Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 356
90.10.1 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 356

91 TOC 357

92 Agressão sexual 358


92.1 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 358
92.2 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 358
92.3 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 358

93 Transtorno bipolar 359


93.1 Classificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 359
93.2 Sinais e sintomas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 360
93.3 Causas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 360
93.3.1 Genéticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 361
93.4 Diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 361
93.4.1 Episódio maníaco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 361
93.4.2 Depressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 361
93.5 Tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 362
93.5.1 Medicamentoso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 362
93.5.2 Psicoterapêutico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 362
93.5.3 Eletroconvulsoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 362
93.6 Prognóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 362
93.7 Sociedade e cultura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 363
93.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 364

94 Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade 365


94.1 Características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 365
94.2 Critérios Diagnósticos (CID-10 F90) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 366
94.2.1 Com predomínio de desatenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 366
94.2.2 Os sinais para vir a ter um possível TDAH, tem que ter as seguintes características: . . . . 366
94.2.3 Critérios para ambos os casos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 367
xxiv CONTEÚDO

94.3 Causas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 367


94.4 Fases da vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 368
94.4.1 Quem pode diagnosticar TDAH . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 368
94.5 Os dois lados de uma síndrome . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 368
94.6 Tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 369
94.7 Comorbidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 369
94.8 Controvérsias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 369
94.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 370
94.10Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 372
94.11Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 372

95 Anorexia nervosa 373


95.1 Sintomas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 373
95.2 Causas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 374
95.2.1 Anorexia e bulimia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 375
95.3 Diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 375
95.4 Tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 375
95.4.1 Tratamento farmacológico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 375
95.4.2 Psicoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 376
95.5 Prognóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 376
95.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 376
95.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 376

96 Transtorno dismórfico corporal 378


96.1 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 378
96.2 Tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 378
96.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 378
96.4 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 379

97 Jogo patológico 380


97.1 Classificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 380
97.2 Causa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 380
97.2.1 Falácia do jogador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 380
97.3 Diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 381
97.4 Comorbidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 381
97.5 Epidemiologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 381
97.6 Referências na cultura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 381
97.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 381

98 Transtorno de estresse pós-traumático 383


98.1 Etiologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 383
98.2 Sinais e sintomas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 383
98.3 Diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 384
CONTEÚDO xxv

98.3.1 Diagnóstico em crianças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 384


98.4 Diagnóstico diferencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 385
98.5 Comorbidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 385
98.6 Epidemiologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 385
98.7 Tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 385
98.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 386
98.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 386

99 Psicologia da saúde 387


99.1 Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 387
99.2 Multidisciplinaridade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 387
99.3 Instituições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 388
99.3.1 Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 388
99.3.2 Instituto de Terapia Cognitiva em Psicologia da Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 388
99.3.3 Instituto Brasileiro de Psicologia da Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 388
99.4 Publicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 388
99.5 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 388
99.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 388
99.7 Bibliografia complementar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 388
99.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 389

100Atenção plena 390


100.1Atenção plena no Budismo (Sati) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 390
100.2Atenção plena e Psicoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 390
100.3Terapia Cognitiva baseada em Mindfulness (MBCT) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 390
100.4Mindfulness no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 391
100.5Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 391
100.6Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 391
100.7Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 392

101Psicanálise 393
101.1Definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 393
101.2Correntes, dissensões e críticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 394
101.3Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 395
101.4Autores importantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 395
101.5Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 395
101.6Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 396
101.7Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 396

102Terapia gestalt 397


102.1Visão Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 397
102.2Enfoque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 397
102.3Histórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 397
xxvi CONTEÚDO

102.4Influências da gestalt-terapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 398


102.4.1 Psicologia da Gestalt . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 398
102.4.2 Teoria Organísmica de Kurt Goldstein . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 399
102.4.3 Humanismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 399
102.4.4 Fenomenologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 399
102.4.5 Existencialismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 400
102.5Conceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 400
102.5.1 Contato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 400
102.5.2 O Ciclo do Contato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 401
102.5.3 A Neurose . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 401
102.6Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 402
102.7Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 402

103Abordagem centrada na pessoa 403


103.1Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 403

104Transtorno de personalidade 404


104.1Critérios de diagnóstico do DSM-IV-TR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 404
104.1.1 Critérios gerais de diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 404
104.2Lista de transtornos de personalidade definidos no DSM-IV-TR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 404
104.2.1 Cluster/Grupo A (Transtornos Excêntricos ou Estranhos) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 405
104.2.2 Cluster/Grupo B (Transtornos Dramáticos, Imprevisíveis ou Irregulares) . . . . . . . . . . 405
104.2.3 Cluster/Grupo C (Transtornos Ansiosos ou Receosos) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 406
104.3Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 407
104.4Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 407

105Terapia de aceitação e compromisso 408


105.1Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 408
105.2Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 408

106Jeffrey Young 409


106.1Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 409

107Conhecimento 410
107.1Análise fenomenológica do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 411
107.2Críticas e objeções à análise fenomenológica do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 411
107.3Conhecimento como crença verdadeira e justificada (CVJ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 411
107.4Crítica à teoria CVJ e contra-exemplos de Gettier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 411
107.5Modos de conhecer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 411
107.6A intuição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 412
107.7Conhecimento discursivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 412
107.8Tipos de conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 412
107.9O conhecimento científico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 413
CONTEÚDO xxvii

107.10Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 413
107.11Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 413
107.12Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 414
107.13Fontes dos textos e imagens, contribuidores e licenças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 415
107.13.1Texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 415
107.13.2Imagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 427
107.13.3Licença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 440
Capítulo 1

Psicologia cognitiva

A psicologia cognitiva estuda a cognição, os proces- cações de teorias cognitivas na psicologia comparada
sos mentais que estão por detrás do comportamento. É conduziram a muito estudos recentes sobre a cognição
uma das disciplinas da ciência cognitiva. Esta área de animal.
investigação cobre diversos domínios, examinando ques- No século XX, a psicologia cognitiva recebeu um grande
tões sobre a memória, atenção, percepção, representação impulso através de estudos sobre inteligência artificial,
de conhecimento, raciocínio, criatividade e resolução de
que permite relacionar e comparar, em certa medida, o
problemas. Pode-se definir cognição como a capacidade processamento humano e animal da informação com pro-
para armazenar, transformar e aplicar o conhecimento,
cessos eletrônicos, como o computador. Como teoria
sendo um amplo leque de processos mentais[1] . do comportamento humano, a psicologia cognitiva sur-
Ao longo da história, filósofos, matemáticos, biólogos e giu como uma alternativa. A fisiologia não alcançava os
outros pesquisadores se interessaram pelas capacidades níveis superiores do comportamento, e o behaviorismo
mentais que os seres humanos possuem, constituindo vá- não colocava sob foco de sua análise os processos cog-
rias teorias a respeito de porquê elas existem e como elas nitivos, visto que estes eram apenas um comportamento
funcionam. Platão e Aristóteles, por exemplo, já teori- dentre vários.
zavam sobre o pensamento e a memória, partindo de sua
base empírica[2] . Assim, o problema do conhecimento
humano sempre esteve intimamente relacionado com os
temas estudados pela psicologia cognitiva.
1.1 Grandes áreas de investigação
A psicologia cognitiva é um dos mais recentes ramos da em psicologia cognitiva
investigação em psicologia, tendo se desenvolvido como
uma área separada desde os fins dos anos 1950 e prin- 1.1.1 Percepção
cípios dos anos 1960. Pode-se dizer, entretanto, que
foi desde a segunda metade do século XIX que as fun- A percepção refere-se às funções que permitem captar os
ções mentais humanas deixaram o terreno da filosofia e estímulos do ambiente, para posterior processamento de
começaram a se tornar objeto legítimo de investigação informação.
científica[2] . O termo começou a ser usado com a pu-
Os órgãos dos sentidos são responsáveis pela captação
blicação do livro Cognitive Psychology de Ulrich Neisser
das informações do ambiente, que podem ser de natu-
em 1967. No entanto a abordagem cognitiva foi divul-
reza visual, olfativa, tátil, gustativa, auditiva e cinestésica
gada por Donald Broadbent no seu livro Perception and
(equilíbrio e movimento do corpo). O processamento ce-
Communication em 1958. Desde então o paradigma do-
rebral depende bastante das informações fornecidas pelas
minante na área foi o do processamento de informação,
estruturas sensoriais, sendo estas a base de nossa compre-
modelo defendido por Broadbent. Neste quadro de pen-
ensão do mundo.
samento, considera-se que os processos mentais são com-
paráveis a software a ser executado num computador que Existe uma grande quantidade de pesquisas sobre os pro-
neste caso seria o cérebro. As teorias do processamento cessos perceptivos na psicologia cognitiva que são utili-
de informação têm como base noções como: entrada; re- zadas para compreender o comportamento. Um exemplo
presentação; computação ou processamento e saídas. disso são os estudos sobre as ilusões, especialmente as
ilusões de óptica.
O estudo dos processos mentais tinha já sido abordado
de uma forma geral pela psicologia, especialmente pe- A atenção também é tópico de estudo relacionado ao pro-
los pioneiros Wilhelm Wundt, Gustav Teodor Fechner, cesso cognitivo, embora vários autores a considerem fun-
Ernst Heinrich Weber e Francis Galton. Encontramos ção derivada da consciência. Através da atenção é possí-
teorias cognitivas na psicologia social, personalidade, vel que a mente selecione os estímulos recebidos, dando
psicopatologia e na psicologia do desenvolvimento. Apli- prioridade a uns enquanto outros são minimizados ou
mesmo excluídos do processamento. Exemplos de estu-

1
2 CAPÍTULO 1. PSICOLOGIA COGNITIVA

dos sobre a atenção incluem alguns controversos, como das as informações sobre a direção da luz e a sombra que
os de estímulos subliminares. Portanto, embora a aten- o cubo projeta, bem como a textura de sua superfície (es-
ção possa ser estudada no tópico da percepção, ela seria boço primário). Em seguida, são observadas como as
considerada um nível inicial de processamento dos estí- bordas, ângulos e outros elementos estão posicionados,
mulos. dando a forma da figura (esboço 2½D). Finalmente, há a
Da mesma forma, o reconhecimento de padrões depende elaboração da representação do cubo, que pode ser visu-
de um nível básico de processamento de informação. Os alizada e rodada mentalmente (modelo em 3D).
vários estímulos sensoriais recebidos do ambiente são or-
ganizados de maneira ativa por vários sistemas percepti- 1.1.2 Memória
vos do cérebro, de maneira a constituir um “padrão que
faça sentido”. Assim, muitas vezes aquilo que chamamos A memória é a capacidade de registrar, armazenar e
de percepção não é o que os órgãos sensoriais identifi- evocar as informações recebidas e processadas pelo or-
caram inicialmente, mas é uma organização, um arranjo ganismo. Ela é provavelmente uma das funções men-
que passa a fazer um sentido para o cérebro. tais mais estudadas pela psicologia cognitiva, juntamente
Por exemplo, no desenho abaixo com a linguagem e a inteligência. Talvez isso se deva ao
fato de que é relativamente simples solicitar a memori-
... ...
zação e recordação de informações através das experiên-
identificamos “dois conjuntos de três pontos” distribuídos cias. Contudo, existe um número expressivo de modelos
de forma horizontal. Mas se o arranjo de pontos fosse de memória, categorizando-as de várias formas.
modificado
Resumidamente, a memória pode ser dividida em três
...... processos[5] :
diríamos que são “três conjuntos de dois pontos”. Mesmo Codificação: processo de entrada e registro inicial da in-
que o estímulo sensorial seja o mesmo (seis pontos), a dis- formação. A codificação diz respeito à capacidade que o
tância entre eles acaba gerando uma organização percep- aparato cognitivo possui de captar a informação e mantê-
tiva diferente, e isto dá um novo significado àquilo que la ativa por tempo suficiente para que ocorra o processo
está sendo percebido. de armazenamento, segunda etapa da memória.
Mais do que estudar a maneira como captamos os estí- Armazenamento: capacidade de manter a informa-
mulos visuais, a psicologia cognitiva se interessa em co- ção pelo tempo necessário para que, posteriormente, ela
nhecer como o cérebro organiza as informações capta- possa ser recuperada e utilizada
das pela visão e permite que reconheçamos o ambiente.
Evocação ou reprodução: capacidade de recuperar a
Existem vários modelos explicativos para este processo.
informação registrada e armazenada, para posterior utili-
David Marr[3] coloca três fases no processo de interpreta-
zação por outros processos cognitivos (pensamento, lin-
ção dos estímulos visuais[4] :
guagem, afeto, etc.).
1. Esboço primário: é o primeiro nível de organiza-
Abaixo estão algumas das possibilidades de classificação
ção perceptiva visual. Aqui são organizados os estímu-
da memória:
los como luz e sombra, que permitem identificar dados
como textura e as bordas da figura, que são os elementos
que dão as características básicas do objeto percebido. O • Memória de curto prazo e memória de longo prazo
esboço primário contém, segundo este modelo, somente
• Memória autobiográfica
informações bidimensionais.
2. Esboço 2½D (bi-e meio-dimensional): segundo ní- • Memória episódica
vel de organização. Aqui é “montada” uma imagem que
• Memória sensorial
contém dados referentes à profundidade do objeto ou
cena, e dados mais complexos, como concavidades e sa-
liências, através da combinação de dados do esboço pri- A perda ou dificuldade de armazenar e/ou recuperar a in-
mário. formação é chamada de amnésia. É uma situação clínica
relativamente comum em casos de lesão cerebral, seja por
3. Modelo em 3D (tridimensional): consiste na cons- patologias ou por traumas de diversas espécies.
trução de um modelo estável, que permite “rotações men-
tais” da figura. Nestas rotações, as informações do objeto
percebido não variam conforme o observador vai se des- 1.1.3 Representação de conhecimento
locando, porque é construída a imagem mental do objeto
percebido, que pode ser manipulada mentalmente. • Imagem Mental
Como exemplo, a percepção de um cubo poderia ser dada • Codificação preposicional
da seguinte maneira: primeiro, são captadas e organiza-
• Modelos mentais
1.2. TERAPIA COGNITIVA 3

1.1.4 Linguagem • Formação de conceitos

A linguagem refere-se à capacidade de receber, inter- • Resolução de problemas


pretar e emitir informações para o ambiente. Dentre os • Julgamento e tomada de decisão
temas estudados pela psicologia cognitiva, a linguagem
é um dos mais pesquisados, junto com a memória e a
inteligência, porque é área de interesse de várias ciên-
cias, como a antropologia, a sociologia, a filosofia e a 1.2 Terapia Cognitiva
comunicação.
Dentre as habilidades que caracterizam a espécie hu- Ver artigo principal: Terapia cognitiva
mana, a linguagem tem sido aquela mais apontada pela
maioria dos autores. Através da linguagem, consegui- Embasada nos conceitos da psicologia cognitiva, a terapia
mos manipular de forma abstrata os símbolos linguísti- cognitiva tem por princípio fundamental que a maneira
cos, permitindo desta forma a troca de informações entre como os indivíduos percebem e processam a realidade
as pessoas. A linguagem reflete, em boa medida, a ca- influencia a maneira como eles se sentem e se comportam.
pacidade de pensamento e abstração, embora seja uma
função mental distinta do pensamento: uma pessoa pode Um dos objetivos principais da terapia cognitiva é organi-
ter transtornos na linguagem (por exemplo, uma afasia) zar uma mudança ativa de pensamentos que modifiquem
e manter a função do pensamento preservada, mas se ti- o sofrimento, buscando produzir uma forma mais rea-
ver um transtorno de pensamento (como pode ocorrer, lista de percepção do ambiente e gerando esquemas de
por exemplo na esquizofrenia), a linguagem será mais ou comportamento que sejam mais bem adaptados. É muito
menos prejudicada. comum o uso de técnicas derivadas de outras áreas do
conhecimento, como a dialética, técnica da seta descen-
A habilidade linguística é desenvolvida de forma inte- dente, registro de pensamentos disfuncionais e outras téc-
grada com os processos cognitivos. À medida que as fun- nicas psicológicas especialmente desenvolvidas para esse
ções mentais vão se desenvolvendo e tornando-se mais fim.
complexas, a linguagem vai ampliando seus recursos.

• Gramática e Linguística
1.3 Psicólogos cognitivos famosos
• fonética e fonologia
• aquisição de linguagem • Aaron Beck

• Alan Baddeley
1.1.5 Pensamento • Albert Ellis

O pensamento é a capacidade de compreender, formar • Allan Paivio


e organizar conceitos, representando-os na mente. Diz
respeito à habilidade em manipular conceitos mental- • Allen Newell
mente, estabelecendo relações entre eles ligando-os e • Amos Tversky
confrontando-os com elementos oriundos de outras fun-
ções mentais (percepção, memória, linguagem, afeto, • Angélica Quadros
atenção, etc.) e criando outras representações (novos
pensamentos). • Anne Treisman

Ao contrário do que muitas pessoas acreditam, o pensa- • Daniel Kahneman


mento não é uma habilidade cognitiva exclusiva da es-
pécie humana. Pode-se dizer que os animais, como um • Daniel Schacter
todo (exceção feita aos que não possuem sistema nervoso • David Rumelhart
como as esponjas e, talvez, dos cnidários), possuem al-
gum tipo de estruturação de pensamento (compreendido • Donald Broadbent
no sentido lato, ou seja, a capacidade de processar infor-
mação através de um sistema nervoso organizado), mas • Eleanor Rosch
obviamente sem ter o nível de complexidade alcançado • Elizabeth Loftus
pelos seres humanos.
O pensamento está geralmente associado com a resolução • Elizabeth Spelke
de problemas, tomadas de decisões e julgamentos[6] . • Endel Tulving

• Lógica e raciocínio formal ou natural • Fergus Craik


4 CAPÍTULO 1. PSICOLOGIA COGNITIVA

• Frederic Bartlett 1.5 Ligações externas


• George A. Miller
• Artigos famosos sobre a história da cognição
• George Sperling
• Portalpsicologia.org
• Henry L. Roediger III
• Herbert Simon
1.6 Referências
• Hermann Ebbinghaus
• James McClelland [1] MATLIN, Margareth W. Psicologia cognitiva. 5 ed. Rio
de Janeiro: LTC, 2004.
• Jean Piaget
[2] ANDERSON, John R. A ciência da cognição. In: Psico-
• Jeffrey Young logia Cognitiva e suas implicações experimentais. 5
ed. São Paulo: LTC, 2004. cap. 1, p. 1-20.
• Jerome Bruner
[3] Outros dados biográficos de David Marr podem ser en-
• John R. Anderson contrados aqui
• Judith Beck [4] EYSENCK, Michael W.; KEANE, Mark T. Reconheci-
mento de objetos. In: Manual de Psicologia Cognitiva.
• Keith Holyoak
5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2007. cap. 3, p. 74-113.
• Ken Nakayama
[5] MYERS, David G. Memória. In: ______. Explorando
• Kenneth Craik a Psicologia 5 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2003. cap. 8, p.
230-263.
• Larry Squire
[6] MYERS, David G. Pensamento, linguagem e inteligên-
• Marcia K. Johnson cia. In: ______. Explorando a Psicologia 5 ed. Rio de
Janeiro: LTC, 2003. cap. 9, p. 264-303.
• Michael Posner
• Neville Moray
• Paulo Knapp
• Philip Johnson-Laird
• Roger Shepard
• Saul Sternberg
• Steven Pinker
• Ulrich Neisser
• William Estes
• Morgana

1.4 Ver também


• Cognição Animal
• Cognição
• Ciência cognitiva ou Cognitivismo
• Terapia cognitivo-comportamental
• Conecionismo
• Neurociência cognitiva
• Neurociência Computacional
• Neuropsicologia
Capítulo 2

Cognição

2.1 Psicologia

Ver artigo principal: Psicologia cognitiva

Assim surge a psicologia cognitiva que estuda esses as-


pectos, os processos de aprendizagem e comportamentais
para a aquisição de conhecimento.
Atualmente é um ramo da psicologia dividido em inúme-
ras linhas de diferentes pesquisas e algumas vezes discor-
dantes entre si.

Escola de Atenas.
2.2 Ver também
• Criatividade
• Inibição Cognitiva
Cognição é o ato ou processo da aquisição do • Inteligência artificial
conhecimento que se dá através da percepção, da atenção,
associação, memória, raciocínio, juízo, imaginação, • Inteligências múltiplas
pensamento e linguagem. A palavra Cognitione tem ori-
gem nos escritos de Platão e Aristóteles. • Neuropsicologia

É o conjunto dos processos mentais usados no • Neuropsicanálise


pensamento na classificação, reconhecimento e
• Noética
compreensão para o julgamento através do raciocínio
para o aprendizado de determinados sistemas e soluções • Pensamento
de problemas.
• Teoria da modificabilidade cognitiva estrutural
De uma maneira mais simples, podemos dizer que cogni-
ção é a forma como o cérebro percebe, aprende, recorda • Semiótica
e pensa sobre toda informação captada através dos cinco
sentidos. • Teorias da aprendizagem
Mas a cognição é mais do que simplesmente a aquisi- • Testes de QI
ção de conhecimento e consequentemente, a nossa me-
lhor adaptação ao meio - é também um mecanismo de
conversão do que é captado para o nosso modo de ser in-
terno. Ela é um processo pelo qual o ser humano interage
com os seus semelhantes e com o meio em que vive, sem
perder a sua identidade existencial. Ela começa com a
captação dos sentidos e logo em seguida ocorre a percep-
ção. É, portanto, um processo de conhecimento, que tem
como material a informação do meio em que vivemos e
o que já está registrado na nossa memória.

5
Capítulo 3

Comportamento

3.2 Instinto e cultura


Dois exemplos clássicos de comportamento instintivo e
cultural, desenvolvidos ao extremo, são o dos insetos, por
um lado, e o dos mamíferos, por outro. Enquanto que
os primeiros praticamente não têm aprendizado e nas-
cem com quase toda a informação que precisam para so-
breviver, os segundos são seres com comportamento so-
cial e precisam da convivência em grupo (pelo menos na
infância) para adquirir o acúmulo de sucessos das gera-
ções anteriores, transmitido culturalmente e não no equi-
pamento genético.
Dois cervos no Refúgio Nacional de Vida Selvagem San Luis, na
Califórnia, interrompem seu combate para olhar um visitante:
exemplo de comportamento animal. 3.3 Respondente e operante
Os comportamentos são divididos em duas classes: res-
O comportamento é definido como o conjunto de pondente e operante.
reações de um sistema dinâmico face às interações e
renovação propiciadas pelo meio onde está envolvido.
Exemplos de comportamentos são: comportamento so- • respondente ou reflexo: involuntário; ação de com-
cial, comportamento humano, comportamento informa- ponentes físicos do corpo (exemplos: glândulas,
cional (o que o indivíduo faz com relação à informação), sudorese, sistema nervoso autônomo)
comportamento animal, comportamento atmosférico etc.
• operante: voluntário; ação de músculos que estão
sob controle espontâneo (exemplos: comer, falar...);
é controlado pelas suas consequências.

3.1 Individualidades e teoria de sis- 3.4 Psicologia


temas
Em psicologia, o comportamento é a conduta, proce-
dimento, ou o conjunto das reações observáveis em
Quando tratamos de individualidades, podemos definir o indivíduos em determinadas circunstâncias inseridos em
comportamento como o conjunto de reações e atitudes ambientes controlados. Podendo ser descrito como
de um indivíduo ou grupo de indivíduos em face do meio uma contingência tríplice composta de antecedentes-
social. respostas-consequências, ou respostas de um membro da
Em teoria de sistemas, comportamento é a resposta ob- contingência.
servável de um estímulo. Nos animais, por exemplo, en-
volve essencialmente instintos e hábitos aprendidos. O
ser humano está sempre recebendo estímulos do ambi- 3.4.1 Behaviorismo
ente em que vive e interage: seu comportamento, ou seja,
suas respostas a esses estímulos, variam muito de acordo Ver artigo principal: Behaviorismo
com cada pessoa.

6
3.5. ANTROPOLOGIA 7

O comportamento é objeto de estudo do behaviorismo, reação pode ser considerada superficial. A reação super-
uma das mais importantes abordagens da psicologia, que ficial, no conceito do doutor Spitz, diz respeito a respos-
se iniciou no começo do século XX, e que foi proposto tas emitidas por crianças ainda muito pequenas e que não
por John Broadus Watson. Com a intenção de fazer uma perceberam ainda, totalmente, as significações da pessoa
psicologia científica, que se distanciasse o máximo pos- humana.
sível das probabilidades de erro das inferências realiza-
das pelos métodos subjetivos, John B. Watson iniciou, em
1912, um movimento em psicologia denominado “beha- 3.4.2 Freud
viorismo”, termo derivado da palavra inglesa para “com-
portamento": behavio(u)r. Muitos psicólogos têm de- segundo Freud salientou a importante relação existente
finido a psicologia como “ciência do comportamento”, entre o comportamento de um ser humano adulto e cer-
tendo, como finalidade, compreendê-lo para modificá-lo tos episódios de sua infância, mas resolveu preencher
e prevê-lo, quando necessário. o considerável hiato entre causa e efeito com ativida-
des ou estados do aparelho mental. Desejos conscientes
Nesta concepção, toda vida mental manifesta-se atra- ou inconscientes ou emoções no adulto representam es-
vés de atos, gestos, palavras, expressões, realizações, ses episódios passados e são considerados como os res-
atitudes ou qualquer reação do homem a estímulos do ponsáveis diretos pelo comportamento. Em relação aos
meio ambiente. Desta forma, o psicólogo deve observar costumes e comportamentos sociais, esse autor trouxe
apenas estas manifestações, deixando de lado o método uma série de contribuições para antropologia ao tomar
introspectivo, onde as falhas eram frequentes, para se uti- essa ciência como referência para a psicanálise, o método
lizar da extrospecção, que consiste na observação exte- clínico que desenvolveu.
rior. Depois da concepção comportamental de Watson, o
behaviorismo evoluiu muito, e, atualmente, vai além das
limitações da época, em que a psicologia não passava do
estudo das relações entre o estímulo observável que o ho- 3.5 Antropologia
mem ou animal sofria e a resposta que estes emitiam a
partir deles. Segundo a antropologia cultural, os componentes consi-
derados inatos no comportamento humano (como o sexo,
Os behavioristas atuais consideram o organismo e as di-
instintos de agressividade e de competição) poderiam ser
ferenças comportamentais que acontecem a depender da
modificados. A cultura seria capaz de reprimir ou alterar
situação, da privação e da história de vida de cada um.
esses comportamentos.
O estado do organismo interfere na resposta que ele emi-
tirá frente a determinado estímulo. As reações podem ser
psíquicas ou puramente fisiológicas. As reações fisiológi-
cas de um organismo, para alguns teóricos, não são cha- 3.6 Ver também
madas de comportamento. Atualmente, os psicólogos de-
finem comportamento como as reações globais do orga-
nismo que possuem uma significação. Outra concepção
3.7 Bibliografia
de comportamento trabalha com definições de compor-
tamento inato que todos os seres da mesma espécie apre- • CHOO, Chun Wei. A organização do conhecimento:
sentam na presença de um determinado estímulo, como é como as organizações usam a informação para criar
o caso da contração e dilatação das pupilas na presença de significado, construir conhecimento e tomar decisões.
luz ou na ausência dela e outras reações que não precisam São Paulo: Editora Senac, São Paulo, 2006.
ser aprendidas.
Este tipo de comportamento também é definido como
“respondente”. Nesta concepção, o outro tipo de com-
3.8 Ligações externas
portamento é o “adquirido”, que é mutável e que se carac-
teriza por ser uma reação que pode ser diferente, mesmo • Sobre o Behaviorismo (em português)
se tratando da mesma estimulação a indivíduos da mesma
espécie, ou até ao mesmo indivíduo em diferentes situa-
ções. Este tipo de comportamento vai se instalando no
decorrer da vida de cada sujeito e, normalmente, adquire
significados que dizem respeito à história de vida de cada
um. Estes comportamentos, em geral, são denominados
“operantes” porque operam sobre o ambiente. Muitas ve-
zes, o comportamento verbal é de fundamental importân-
cia para o entendimento do significado da resposta emi-
tida pelo sujeito. Em muitos casos, a expressão através
da linguagem é extremamente reduzida e, nestes casos, a
Capítulo 4

Ciência cognitiva

4.1 História
A ciência cognitiva é normalmente vista como sendo
compatível e interdependente das ciências físicas e fa-
zer uso frequente do método científico, assim como da
simulação/modelação, comparando as saídas de modelos
com aspectos do comportamento humano. Existe, no en-
tanto, muita controvérsia acerca da exacta relação entre a
ciência cognitiva e outros campos e a sua natureza inter-
disciplinar é ainda frágil e circunscripta.
Cognitivismo teve inicio com o August Jung
[carece de fontes?]
.
A ciência cognitiva já alcançou alguns feitos. Gerou
modelos do desvio cognitivo e da percepção de risco,
tem sido muito influente nos desenvolvimentos da finança
comportamental no âmbito da economia. Desenvolveu
uma nova teoria da filosofia da matemática e várias teorias
sobre inteligência artificial, persuasão e coerção. Tomou
presenção na filosofia da linguagem e na epistemologia.
O objetivo da ciência cognitiva é compreender a estru-
Cérebro humano: Fissura Inter-hemisférica e os Hemisférios Ce-
tura e o funcionamento da mente humana; para tanto, ela
rebrais
lança mão de uma variedade de abordagens que vai desde
o debate filosófico até a criação de modelos computaci-
onais para a visão, passando pelo estudo da aquisição da
linguagem. Um tema recorrente nesse campo é a modu-
laridade da mente, a ideia de que a mente não é um todo
sem emendas, mas é, ao contrário, uma coleção de com-
ponentes mais ou menos especializados, entre os quais há
A ciência cognitiva ou a ciência da cognição ou as ci- fortes conexões.
ências cognitivas designam normalmente o estudo cien-
tífico da mente ou da inteligência (e.g. Luger 1994).
Até há pouco tempo, poucos cientistas acreditavam que 4.2 Princípios
se pudesse empreender seriamente o estudo da mente
humana, e o assunto constituía, em grande medida, uma
4.2.1 Abordagens
área reservada aos filósofos. Nos últimos anos, porém,
várias linhas de investigação - que partiram da filosofia
Existem diversas abordagens no estudo da ciência cogni-
(especialmente da filosofia da mente, da filosofia da ma-
tiva. Podemos classificá-las em três categorias: Simbó-
temática e da filosofia da ciência), da psicologia (especi-
lica, conexionista e sistemas dinâmicos.
almente através da psicologia cognitiva), da neurociência,
da linguística, da ciência da computação e da inteligência
artificial (em particular do ramo de redes neurais) - con- • Simbólico - Considera que a cognição pode ser ex-
vergiram, dando origem a este novo campo altamente plicada através de operações sobre símbolos. Estas
interdisciplinar. operações são teorias computacionais e modelos de

8
4.4. PESQUISADORES NOTÁVEIS 9

mente (excluindo-se os modelos cerebrais). Proces- 4.4 Pesquisadores notáveis


sos mentais são análogos a procedimentos realiza-
dos por computadores; Alguns dos mais reconhecidos nomes da ciência cognitiva
são usualmente os mais controvérsos ou os mais citados.
• Conexionista - A cognição só pode ser modelada e
explicada por um modelo que leve em conta a estru- Dos filósofos incluem Daniel Dennett, por seus textos so-
tura física/biológica do cérebro. A classe principal bre perspectiva de sistemas computacionais. John Searle,
destes modelos são as redes neurais artificiais; abordou sobre o paradoxo do quarto chinês. Jerry Fodor,
advogou sobre o funcionalismo e Douglas Hofstadter, fa-
moso por escrever Gödel, Escher, Bach sobre questões
• Sistemas híbridos - Considera a cognição como um
da natureza das palavras e pensamento, sendo diretor da
sistema híbrido do conexionista e o simbólico. (veja
Fluid Analogies Research Group do centro de pesquisas
Sun and Bookman 1994[1] );
sobre cognição em Indiana University.
• Sistemas dinâmicos - Considera que a cognição só No campo da linguística, Noam Chomsky e George La-
pode ser explicada através de um sistema dinâmico koff são as influências.
contínuo. Onde todos os elementos que o compõe Em Inteligência artificial, Marvin Minsky e Kevin
estão inter-relacionados. Warwick.
E psicologia incluem-se James McClelland, Steven Pin-
ker e Howard Gardner.
4.3 Escopo
A Ciência cognitiva é um largo campo de investigação. 4.5 Referências
Cobre todos os tópicos em cognição. Entretanto, deveria
ser reconhecido que a ciência cognitiva não é igualmente [1] R. Sun and L. Bookman, (eds.) Computational Architec-
concentrada com cada tópico que estão contidos na na- tures Integrating Neural and Symbolic Processes. Kluwer
tureza e operação da mente ou inteligência. Fatores so- Academic Publishers. 1994.
ciais e culturais, emoção, consciência, cognição animal,
abordagens comparativas e evolucionárias (em geral as
que possuem algum conflitos filosóficos ou incoerência 4.6 Ver também
científica) são frequentemente desmerecidas ou deixadas
de lado. Outro importante assunto relacionado a mente • Cognitivismo (psicologia)
que a ciência cognitiva limita-se a abordar é a existên-
cia de qualia. Esta discussão é ainda um problema filo-
sófico aberto. Alguns cientistas cognitivos mantém pes- 4.7 Publicações sobre Ciências
quisa neste tema, considerando a qualia um tópico de vital
importância. Cognitivas
Em qualquer episódio, a questão essencial da ciência cog-
nitiva acaba sendo: “O que é inteligência? E como é pos- • Ciências & Cognição
sível modelá-la computacionalmente?"
Entre alguns tópicos que a Ciência cognitiva está concen-
trada, temos:

• Inteligência artificial;

• Atenção;

• Aprendizagem e Desenvolvimento;

• Memória;

• Percepção e ação;

• Mente inconsciente;

• Linguagem e Processamento de Linguagem;


Capítulo 5

Memória

Nota: Para outros significados, veja Memória (de- truturas no lobo temporal medial (ex: hipocampo, amíg-
sambiguação). dala).
A memória é a capacidade de adquirir, armazenar e Psicólogos distinguem dois tipos de memória declara-
tiva, a memória episódica e a memória semântica. São
instâncias da memória episódica as lembranças de acon-
tecimentos específicos. São instâncias da memória se-
mântica as lembranças de aspectos gerais.
Já a memória não-declarativa, também chamada de
implícita ou procedural, inclui procedimentos motores
(como andar de bicicleta, desenhar com precisão ou
quando nos distraímos e vamos no “piloto automático”
quando dirigimos). Essa memória depende dos gânglios
basais (incluindo o corpo estriado) e não atinge o nível
de consciência. Ela em geral requer mais tempo para ser
adquirida, mas é bastante duradoura.
Memória, segundo diversos estudiosos, é a base do
De acordo com estudos realizados na Universidade de Quioto conhecimento. Como tal, deve ser trabalhada e estimu-
publicados na revista “Current Biology”, os chimpanzés teriam
lada. É através dela que damos significado ao cotidiano e
melhor memória fotográfica que os estudantes universitários[1]
acumulamos experiências para utilizar durante a vida.

recuperar (evocar) informações disponíveis, seja inter-


namente, no cérebro (memória biológica), seja externa-
mente, em dispositivos artificiais (memória artificial).
5.1 História
A memória é o armazenamento de informações e fatos Até meados do século XX, a maioria dos estudos sobre
obtidos através de experiências ouvidas ou vividas. aprendizagem questionava que as funções da memória se-
A memória focaliza coisas específicas, requer grande riam localizadas em regiões cerebrais específicas, alguns
quantidade de energia mental e deteriora-se com a idade. chegando a duvidar de que a memória seria uma fun-
É um processo que conecta pedaços de memória e conhe- ção distinta da atenção, da linguagem e da percepção.
cimentos a fim de gerar novas ideias, ajudando a tomar Acreditava-se que o armazenamento da memória seria
decisões diárias. distribuído por todo o cérebro.
Os neurocientistas (psiquiatras, psicólogos e A partir de 1861, Broca evidencia que lesões restritas à
neurologistas) distinguem memória declarativa de parte posterior do lobo frontal, no lado esquerdo do cé-
memória não-declarativa. A memória declarativa, grosso rebro, chamada de área de Broca, causavam um defeito
modo, armazena o saber que algo se deu, e a memória específico na função da linguagem. Após essa localiza-
não-declarativa o como isto se deu. ção da função da linguagem, os neurocientistas tornaram
A memória declarativa, ou de longo prazo como o nome a voltar-se para a hipótese de se localizar a memória.
sugere, é aquela que pode ser declarada (fatos, nomes, Wilder Penfield foi o primeiro a conseguir demonstrar
acontecimentos, etc.) e é mais facilmente adquirida, mas que os processos da memória têm localizações especí-
também mais rapidamente esquecida. Para abranger os ficas no cérebro humano. Penfield havia estudado com
outros animais (que não falam e logo não declaram, mas o pioneiro em neurofisiologia, Charles Sherrington. Na
obviamente lembram), essa memória também é chamada década de 1940, Penfield começou a usar métodos de es-
explícita. Memórias explicitas chegam ao nível consci- timulação elétrica, idênticos aos usados por Sherrington
ente. Esse sistema de memória está associado com es- em macacos, para mapear as funções motoras, sensoriais

10
5.3. BASES ANATÓMICAS DA MEMÓRIA 11

e da linguagem no córtex humano de pacientes submeti- 5.3 Bases anatómicas da memória


dos à neurocirurgia, para tratamento de epilepsia. Penfi-
eld explorou a superfície cortical em mais de mil pacien- Hoje é possível afirmar que a memória não possui um
tes e verificou que a estimulação elétrica produzia o que único locus. Diferentes estruturas cerebrais estão envol-
ele chamou de resposta experiencial, ou retrospecção, na vidas na aquisição, armazenamento e evocação das diver-
qual o paciente descrevia uma lembrança correspondente sas informações adquiridas por aprendizagem.
a uma experiência vivida.
Estudos em pacientes com lesão do lobo temporal (pi- Memória de curto prazo
oneiramente com o paciente H.M) revelaram dois mo-
dos particularmente diferentes de aprendizagem, dife- Depende do sistema límbico, envolvido nos processos
rença que os psicólogos cognitivistas avaliaram em estu- de retenção e consolidação de informações novas. Hoje
dos com sujeitos normais. O ser humano aprende o que em dia também se supõe que a consolidação temporária
é o mundo apreendendo conhecimento sobre pessoas e da informação envolve estruturas como o hipocampo, a
objetos, acessíveis à consciência, usando uma forma de amígdala, o córtex entorrinal e o giro para-hipocampal,
memória que é em geral chamada de explícita, ou aprende sendo depois transferida para as áreas de associação do
como fazer coisas, adquirindo habilidades motoras ou neocórtex parietal e temporal. As vias que chegam e
perceptivas a que a consciência não tem acesso, usando que saem do hipocampo também são importantes para
para isto a memória implícita. o estudo da anatomia da memória. Inputs (que chegam)
O Professor Antônio Branco Lefèvre é considerado o pai são constituídos pela via fímbria-fórnix ou pela via per-
da neuropsicologia no Brasil. Lefèvre foi professor titular furante. Importantes projecções de CA1 para os córti-
da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo ces subiculares adjacentes fazem parte dos outputs (que
e suas pesquisa abrangeram a memória e a linguagem - a saem) do hipocampo. Existem também duas vias hipo-
neuropsicologia - de crianças e adultos. campais responsáveis por interconexões do próprio sis-
tema límbico, como o Circuito de Papez (hipocampo,
fórnix, corpos mamilares, giro do cíngulo, giro para-
hipocampal e amígdala), e a segunda via projeta-se de
5.2 Tipos de memória áreas corticais de associação, por meio do giro do cín-
gulo e do córtex entorrinal, para o hipocampo que, por
• • Memória principal. Precisa de energia para sua vez, projeta-se através do núcleo septal e do núcleo
funcionar.Rápida operação.RAM e ROM. talâmico medial para o córtex pré-frontal, havendo en-
tão o armazenamento de informações que reverberam no
• Memória auxiliar. É a memória que traba- circuito ainda por algum tempo.
lha sem o uso de energia.Operação de baixa
velocidade. Memória de trabalho
• Memória de curto prazo. É a memória com
duração de alguns segundos ou minutos.[2] Compreende um sistema de controle de atenção (execu-
Neste caso existe a formação de traços de me- tiva central), auxiliado por dois sistemas de suporte (Alça
mória. O período para a formação destes tra- Fonológica e Bloco de Notas Visuoespacial) que ajudam
ços chama - se “Período de consolidação. Um no armazenamento temporário e na manipulação das in-
exemplo desta memória é a capacidade de formações. O executivo central tem capacidade limitada
lembrar eventos recentes que aconteceram e função de selecionar estratégias e planos, tendo sua
nos últimos minutos. atividade relacionada ao funcionamento do lobo frontal,
que supervisiona as informações. Também o cerebelo
• Memória de longo prazo. É a memória com está envolvido no processamento da memória operacio-
duração de dias, meses e anos. Um exem- nal, atuando na catalogação e manutenção das sequências
plo são as memórias do nome e idade de al- de eventos, o que é necessário em situações que reque-
guém quando se reencontra essa pessoa alguns rem o ordenamento temporal de informações. O sistema
dias depois. Como engloba um tempo muito de suporte vísuo-espacial tem um componente visual, re-
grande pode ser diferenciada em alguns textos lacionado à região occipital e um componente espacial,
como memória de longuíssimo prazo quando relacionado a regiões do lobo parietal. Já no sistema fo-
envolve memória de muitos anos atrás. nológico, a articulação subvocal auxilia na manutenção
da informação; lesões nos giros supramarginal e angular
• Memória de procedimentos. É a capacidade de do hemisfério esquerdo geram dificuldades na memória
reter e processar informações que não podem ser verbal auditiva de curta duração. Esse sistema está rela-
verbalizadas, como tocar um instrumento ou andar cionado à aquisição de linguagem.
de bicicleta. Ela é mais estável, mais difícil de ser
perdida. Memória de longo prazo
12 CAPÍTULO 5. MEMÓRIA

1. Memória explícita: cada uma das três vias principais mediante as quais a in-
Depende de estruturas do lobo temporal medial (in- formação flui no hipocampo: a via perforante, a via das
cluindo o hipocampo, o córtex entorrinal e o córtex fibras musgosas e a via das colaterais de Schaffer. Se-
para-hipocampal) e do diencéfalo. Além disso, o gunda, é induzida rapidamente e, por fim, depois de in-
septo e os feixes de fibras que chegam do prosencé- duzida ser estável. Isso permite a conclusão de que a LTP
falo basal ao hipocampo também parecem ter im- apresenta características do próprio processo de memó-
portantes funções. Embora tanto a memória episó- ria, ou seja, pode ser formada rapidamente nas sinapses
dica como a semântica dependam de estruturas do apropriadas e dura por um longo tempo. Vale lembrar
lobo temporal medial, é importante destacar a re- que apesar da LTP apresentar características em comum
lação dessas estruturas com outras. Por exemplo, com um processo ideal de memória, não se consegue pro-
pacientes idosos com disfunção dos lobos frontais var que ela seja o mecanismo utilizado para o armazena-
têm mais dificuldades para a memória episódica do mento de memória.
que para a memória semântica. Já lesões no lobo
Em relação à LTP na via das fibras musgosas e na via
parietal esquerdo apresentam prejuízos na memória das colaterais de Schaffer, pode-se melhor detalhar da
semântica.
seguinte maneira:
2. Memória implícita:
A aprendizagem de habilidades motoras depende de 1. Fibras musgosas:
aferências corticais de áreas sensoriais de associação As informações recebidas pelo giro denteado do
para o corpo estriado ou para os núcleos da base. córtex entorrinal são transmitidas para o hipocampo
Os núcleos caudado e putâmen recebem projecções através das células granulares, cujos axônios for-
corticais e enviam-nas para o globo pálido e outras mam a via das fibras musgosas que termina nos
estruturas do sistema extra-piramidal, constituindo neurônios piramidais da região CA3 do hipocampo.
uma conexão entre estímulo e resposta. O condici- As fibras musgosas liberam glutamato como neuro-
onamento das respostas da musculatura esquelética transmissor. A LTP nas fibras musgosas é do tipo
depende do cerebelo, enquanto o condicionamento não associativa, ou seja, não depende de atividade
das respostas emocionais depende da amígdala. Já pós-sináptica ou de outros sinais chegando simul-
foram descritas alterações no fluxo sanguíneo, au- taneamente, depende apenas de um pequeno surto
mentando o do cerebelo e reduzindo o do estriado no de atividade neural de alta freqüência nos neurônios
início do processo de aquisição de uma habilidade. pré-sinápticos e do conseqüente influxo de cálcio.
Já ao longo desse processo, o fluxo do estriado é que Esse influxo de cálcio ativa uma adenilato ciclase
foi aumentado. O neo-estriado e o cerebelo estão dependente de cálcio e calmodulina(tipo1); essa en-
envolvidos na aquisição e no planeamento das ac- zima aumenta o nível de AMPc e o AMPc ativa a
ções, constituindo, então, através de conexões entre proteocinase dependente de AMPc(PKA). Essa ci-
o cerebelo e o tálamo e entre o cerebelo e os lobos nase adiciona grupamentos fosfato a certas proteínas
frontais, elos entre o sistema implícito e o explícito. e, assim, ativa algumas e inibe outras. A LTP nas fi-
bras musgosas pode ser influenciada por sinais de
entrada modulatórios pela noradrenalina. Esse si-
nais de entrada ativam receptores aos quais os trans-
5.4 Bases moleculares do armaze- missores se ligam, e esses receptores ativam a ade-
namento da memória nilato ciclase. O papel da LTP nas fibras musgosas
sobre a memória ainda é obscuro.
O mecanismo utilizado para o armazenamento de memó- 2. Colaterais de Schaffer:
rias em seres vivos ainda não é conhecido. Estudos indi- As células piramidais na região CA3 do hipocampo
cam a LTP (long-term potential) ou potencial de longa enviam axônios para a região CA1 formando a via
duração como a principal candidata para tal mecanismo. das colaterais de Schaffer. A LTP nestas é do tipo
A LTP foi descoberta por Tim Bliss e Terje Lomo num associativa, ou seja, requer atividade concomitante
estudo sobre a capacidade das sinapses entre os neurônios tanto pré quanto pós-sináptica. Assim, a LTP só
do hipocampo de armazenarem informações. Descobri- pode ser induzida na via das colaterais de Schaffer
ram que um pequeno período de atividade elétrica de alta se receptores do glutamato do tipo NMDA forem
freqüência aplicado artificialmente a uma via hipocampal ativados nas células pós-sinápticas. É importante
produzia um aumento na efetividade sináptica. Esse tipo lembrar que há dois receptores importantes para o
de facilitação é o que chamamos de LTP. Os mecanismos glutamato: o NMDA e o não-NMDA. O canal do
para indução de LTP podem ser dos tipos associativos ou receptor NMDA não funciona rotineiramente pois
não-associativos. está bloqueado por íons magnésio que são desloca-
A LTP apresenta diversas características que a tornam dos apenas quando um sinal muito forte é gerado
uma candidata muito apropriada para o mecanismo do na célula pós-sináptica. Tal sinal faz com que as
armazenamento de longa duração. Primeira, ocorre em células pré sinápticas disparem em alta freqüência
5.5. NEUROMODULAÇÃO DA MEMÓRIA 13

resultando numa forte despolarização que expelem ses) facilitam a liberação de ß-endorfina, levando ao es-
o magnésio e permitem o influxo de cálcio. Essa quecimento. É por isso que situações carregadas de stress
entrada de cálcio desencadeia uma cascata de re- emocional podem levar à amnésia anterógrafa, que é o
ações que é responsável pelo aumento persistente que acontece quando, após um acidente de carro, o indi-
da atividade sináptica. Esse achado foi interessante víduo não consegue relatar o que lhe aconteceu minutos
pois forneceu a primeira evidência para a proposta antes.
de Hebb que estabelecia que “quando um axônio O que determina então se uma informação deve ser arma-
da célula A (…) excita a célula B e repetidamente zenada? Quando uma informação é relativamente impor-
ou persistentemente segue fazendo com que a cé-
tante, ela sobrevive ao sistema ß-endorfínico, pois ocorre
lula dispare, algum processo de crescimento ou al- a liberação de doses moderadas de ACTH, noradrenalina,
teração metabólica ocorre em uma ou ambas as cé-
dopamina e acetilcolina que agem facilitando a consoli-
lulas, de forma que aumente a efetividade, (eficá- dação da memória. Contudo, doses altas dessa substância
cia) de A como uma das células capazes de fazer
tem efeito contrário pelo bloqueamento dos canais iôni-
com que B dispare”. Um dos mecanismos responsá- cos.
veis pelo fortalecimento dessa conexão é o aumento
na sensibilidade de receptores AMPA. Outra pos- Outra substância fundamental no processamento da me-
sibilidade é a redução na reciclagem de receptores mória é o GABA (ácido gama-aminobutírico). Drogas
AMPA, permitindo que eles permaneçam ativos por que influenciem a liberação de GABA modulam o pro-
mais tempo. Além disso, após uma indução sináp- cesso da memória. Antagonistas GABAérgicos (em do-
tica de LTP, há um aumento na liberação de trans- ses subconvulsantes, pois o bloqueio total da ação do
missores dos terminais pré-sinápticos. GABA pode produzir ansiedade, alta atividade locomo-
tora e convulsões) facilitam a memorização e agonis-
À medida que se inicia a fase tardia da LTP, diversas ho- tas(substâncias que mimetizam a ação do GABA) a pre-
ras após a indução, os níveis de AMPc aumentam e esse judicam. As benzodiazepinas, os tranquilizantes mais
aumento do AMPc no hipocampo é seguido pela ativa- prescritos e vendidos no mundo, facilitam a ação do
ção da PKA e da CREB-1. A atividade de CREB-1 no GABA e, portanto, podem afetar a memória. Existem
hipocampo parece levar à ativação de um conjunto de relatos de pacientes que apresentam amnésia anterógrada
genes de resposta imediata e esses genes atuam de forma após tratamento com diazepam (nome clínico para as
a iniciar o crescimento de novos sítios sinápticos. Estu- benzodiazepinas).
dos mostraram que a PKA, proteocinase, é de extrema Sabe-se também que antagonistas dos receptores colinér-
importância para a conversão da memória de curta em gicos, glutaminérigos do tipo NMDA e adrenérgicos le-
memória de longa duração, talvez porque a cinase fosfo- vam a um déficit de memória pois dificultam a ação das
rila fatores de transição como a CREB-1, que por sua vez substância facilitadoras da memorização no interior da
ativam as proteínas necessárias para uma LTP duradoura. célula.
A serotonina (outro neurotransmissor) exerce importante
papel na consolidação da memória a longo prazo, que
5.5 Neuromodulação da memória parece estar ligada a síntese protéica. A serotonina age
através de receptores metabotrópicos que aumentarão os
Existem acontecimentos nas nossas vidas que não esque- níveis de AMPcíclico permitindo a cascata de fosforila-
cemos jamais. Entretanto, nem tudo que nos acontece ção de quinases. Isto aumenta a transcrição do DNA e,
fica gravado na nossa memória para sempre. Como o cé- consequentemente, síntese protéica.
rebro determina o que merece ser estocado e o que é lixo? Os neuropeptídeos também influenciam a memorização.
Antes de nos atermos a essas definições, é importante Pesquisas recentes envolvendo a substância P, indicam
lembrar que a consolidação da memória ocorre no mo- que ela pode ter efeitos tanto reforçando a memória
mento seguinte ao acontecimento. Assim, qualquer fator quando a prejudicando, dependendo do local na qual ela
que haja nesse instante pode fortalecer ou enfraquecer a terá actividade.
lembrança, qualquer que ela seja. Pesquisas realizadas Por fim, é importante realçar o papel da amígdala na mo-
com ratos comprovaram que durante o treino, ocorre ati- dulação da memória, notadamente do núcleo basolateral.
vação de sistema neuro-hormonais que agem modulando Esta estrutura recebe informações das modalidades sen-
o processo de memorização. sitivas e as repassa para diferentes áreas do cérebro li-
A ß-endorfina parece ser a substância ligada ao esque- gadas a funções cognitivas. Devido a seu papel central
cimento. Este processo, apesar de algumas vezes inde- na percepção das emoções, a amígdala participa da mo-
sejável (como numa prova, por exemplo), é fundamen- dulação dos primeiros momentos da formação de memó-
tal do ponto de vista fisiológico. Afinal, seria inviável a ria de longo prazo mais alertantes ou ansiogênicos e em
vida sem nenhuma espécie de “filtro” na memória (vide alguns aspectos de sua evocação. Quando hiperativada,
hipermnésia). Outras substâncias, como morfinas, ence- especialmente pelo stress, ela pode produzir os temíveis
falinas, ACTH e adrenalina (as duas últimas em altas do- brancos.
14 CAPÍTULO 5. MEMÓRIA

5.6 Fatores relacionados com a 5.7 A memória e o olfato


perda de memória
As memórias que incluem lembrança de odores têm ten-
dência para serem mais intensas e emocionalmente mais
5.6.1 Amnésia fortes. Um odor que tenha sido encontrado só uma vez
na vida pode ficar associado a uma única experiência e
Amnésia é a perda parcial ou total da capacidade de reter então a sua memória pode ser evocada automaticamente
e evocar informações. Qualquer processo que prejudique quando voltamos a reencontrar esse odor. E a primeira
a formação de uma memória a curto prazo ou a sua fixa- associação feita com um odor parece interferir com a for-
ção em memória a longo prazo pode resultar em amnésia. mação de associações subsequentes (existe uma interfe-
rência proactiva). É o caso da aversão a um tipo de co-
As amnésias podem ser classificadas em amnésia orgâ-
mida. A aversão pode ter sido causada por um mal estar
nica causada por distúrbios no funcionamento das células
que ocorreu num determinado momento apenas por coin-
nervosas, através de alterações químicas, traumatismos
cidência, nada tendo a ver com o odor em si; e, no entanto,
ou transformações degenerativas que interferem nos pro-
será muito difícil que ela não volte sempre a aparecer no
cessos associativos acarretando uma diminuição na capa-
futuro associada a esse odor.
cidade de registrar e reter informações, ou amnésia psi-
cogênica resultante de fatores psicológicos que inibem a No caso das associações visuais ou verbais, há uma inter-
recordação de certos fatos ou experiências vividas. Em ferência retroactiva. Estas podem ser facilmente perdidas
linhas gerais, a amnésia psicogênica atua para reprimir quando uma nova associação surge (por exemplo, depois
da consciência experiências que causam sofrimento, dei- de memorizarmos o novo número do nosso celular, torna-
xando a memória para informações neutras intacta. Neste se mais difícil lembrarmo-nos do antigo).
caso, pode-se afirmar que a pessoa decide inconsciente-
mente esquecer o que a fazer sofrer ou reviver um sofri-
mento. Em casos severos, quando as lembranças são into- 5.8 Ver também
leráveis, o indivíduo pode vivenciar a perda da memória
tanto de fatos passados quanto da sua própria identidade.
• Teste de Memória
As amnésias podem ainda ser divididas em termos crono-
lógicos, em amnésia retrógrada e amnésia anterógrada. • Criatividade
A amnésia retrógrada é a incapacidade de recordar os
acontecimentos ocorridos antes do surgimento do pro- • Raciocínio
blema, enquanto a amnésia anterógrada é à incapacidade • Inteligência
de armazenar novas informações a longo prazo .
A depressão é a causa mais comum, porém a menos • Cognição
grave. Denomina-se depressão uma doença psiquiátrica,
• Inibição cognitiva
que inclui perda do ânimo e tristeza profunda superior ao
mal causado pelas circunstâncias da vida. • Mnemotécnica

• Testes de QI

5.6.2 Doença de Alzheimer • Inteligência artificial

• Inteligências múltiplas
Uma porção significativa da população acima dos 50 anos
sofre de alguma forma de demência. A mais comum é a • Pensamento
doença de Alzheimer, na qual predomina a perda grada-
tiva da memória, pois ocorrem lesões inicialmente nas • Semiótica
áreas cerebrais responsáveis pela memória declarativa,
seguidas de outras partes do cérebro. • Transferência de memória animal

5.9 Referências
5.6.3 Outros fatores
[1] Jovens chimpanzés têm melhor memória que humanos
A doença de Parkinson, nos estágios mais severos, o alco- adultos, diz estudo
olismo grave, uso abusivo da cocaína ou de outras drogas,
lesões vasculares do cérebro (derrames), o traumatismo [2] Brown, J. Short-term Memory. 1964
craniano repetido e outras doenças mais raras também
causam quadros de perda de memória. • Costa, J. e Tomaz, C. Neurociência e Memória
5.10. LIGAÇÕES EXTERNAS 15

• Izquierdo, I. Memória e Esquecimento, Ciência Hoje


nº8 setembro/outubro de 1983
• Tomaz, C. Memória e Emoções, Ciência Hoje nº83
- agosto de 1992
• Lent, R. Cem Bilhões de Neurônios-conceitos funda-
mentais em neurociência, Ed. Atheneu 2005

5.10 Ligações externas


• Com Ciência
• Modelos conexionistas da memória humana

• Neurociências
• Memória: O Que É e Como Melhorá-la

• Memória e História Oral entre os imigrantes ale-


mães no Sul do Brasil, Revista do Historiador, PUC-
RS, vol.2 n.1, 2010.
Capítulo 6

Atenção

• Fator fisiológico, onde depende de condições neuro-


lógicas e também da situação contextual em que o
indivíduo se encontra;

• Fator motivacional: depende da forma como o estí-


mulo se apresenta e provoca interesse;

• Concentração: depende do grau de solicitação e atu-


ação do estímulo, levando a uma melhor focalização
da fonte de estímulo.

Quanto a fonte de estímulo podemos ter estímulo visual,


auditivo e sinestésico.
Existem, através da filosofia oriental, técnicas que vi-
sam estabelecer a saturação do pensamento, promovendo
um maior grau de concentração, ou seja, maior estabi-
lidade nos pensamentos do praticante. Segundo o li-
vro Yoga_Sutras, de Patandjáli - Dháraná (concentração)
consiste em centrar a consciência em uma área delimi-
tada.

6.1 Anormalidades
• Hipoprosexia: diminuição global da atenção;

• Aprosexia: total abolição da capacidade de atenção,


Criança prestando atenção ao jogar videogame. independente dos estímulos;

• Hiperprosexia: atenção exagerada com certa ten-


A atenção é um processo de extrema importância em de-
dência;
terminadas áreas, como na educação, já que se exige, por
exemplo, a um aluno que preste atenção às matérias le- • Distração: sinal de superconcentração ativa da aten-
cionadas pelo professor, ignorando estímulos visuais, so- ção sobre determinados conteúdos e objetos;
noros ou outros, como o que se está a passar fora da sala
de aula (estando, neste caso, relacionado também com o • Distraibilidade: estado patológico que se exprime
problema da disciplina). por instabilidade marcante e dificuldade ou incapa-
cidade para se fixar ou se manter em qualquer coisa
Além da atenção concentrada, em que se selecciona e
que implique esforço produtivo;
processa apenas um estímulo, também pode existir aten-
ção dividida, em que são seleccionados e processados di- • Incapacidade de concentração.
versos estímulos simultaneamente - como quando se con-
duz um automóvel e se ouvem as notícias do rádio simul- É importante ressaltar que a atenção não é uma função
taneamente. psíquica autônoma, visto que ela encontra-se vinculada
Para que a atenção atue são necessários três fatores bási- à consciência. Por exemplo, o indivíduo que está em ob-
cos: nubilação geralmente se encontra com alterações ao nível

16
6.2. VER TAMBÉM 17

da atenção, apresentando-se hipervigil. Contudo, um pa-


ciente em torpor se encontra hipovigil.
Sem a atenção a atividade psíquica se processaria como
um sonho vago, difuso e contínuo.
Segundo Alonso Fernández, ao concentrar a atenção es-
colhemos um tema no campo da consciência e elevamos
este ao primeiro plano da mesma, mantendo este tema
rigorosamente perfilado, sem deixar-se desviar pelas in-
fluências dos setores excêntricos do campo da consciên-
cia, podendo modificar o tema escolhido com plena li-
berdade. Este tema poderia ser um objeto, uma ação,
um lugar, uma palavra, etc.
Distinguem-se duas formas de atenção: a espontânea (vi-
gilância) e a ativa (tenacidade). No primeiro caso ela
resulta de uma tendência natural da atividade psíquica
orientar-se para as solicitações sensoriais e sensitivas,
sem que nisso intervenha um propósito consciente. A
atenção voluntária é aquela que exige certo esforço, no
sentido de orientar a atividade psíquica para determinado
fim. Entretanto, o grau de concentração da atenção so-
bre determinado objeto não depende apenas do interesse,
mas do estado de ânimo e das condições gerais do psi-
quismo.
O interesse e o pensamento são os dirigentes da atenção,
sendo que a intensidade com que a efetuamos é o grau de
concentração alcançado.
As alterações da atenção desempenham um importante
papel no processo de conhecimento. Em geral estas alte-
rações são secundárias, decorrem de perturbações de ou-
tras funções das quais depende o funcionamento normal
da atenção. A fadiga, os estados tóxicos e diversos es-
tados patológicos determinam uma incapacidade de con-
centrar a atenção.

6.2 Ver também


• DAH

• TDAH
• Distração
Capítulo 7

Percepção

meiro laboratório de psicologia experimental em Leipzig


em 1879.
Na filosofia, a percepção e seu efeito no conhecimento e
aquisição de informações do mundo é objeto de estudo
da filosofia do conhecimento ou epistemologia. Em ge-
ral a percepção visual foi base para diversas teorias ci-
entíficas ou filosóficas. Newton e Goethe estudaram a
percepção de cores e algumas escolas, como a Gestalt,
surgida no Século XIX e escolas mais recentes, como a
fenomenologia e o existencialismo baseiam toda a sua te-
oria na percepção do mundo.
Para a psicologia a percepção é o processo ou resultado de
se tornar consciente de objetos, relacionamentos e even-
A percepção de cores: um dos aspectos da percepção visual. tos por meio dos sentidos, que inclui atividades como re-
conhecer, observar e discriminar. Essas atividades per-
mitem que os organismos se organizem e interpretem os
Percepção (AO 1990: percepção[1] ou perceção)[2] é,
estímulos .A percepção de figura-fundo é a capacidade de
em psicologia, neurociência e ciências cognitivas, a fun-
distinguir adequadamente objeto e fundo em uma apre-
ção cerebral que atribui significado a estímulos sensori-
sentação do campo visual. Um enfraquecimento nessa
ais, a partir de histórico de vivências passadas. Atra-
capacidade pode prejudicar seriamente a capacidade de
vés da percepção um indivíduo organiza e interpreta as
aprender de uma criança. (APA, 2010, p. 696).
suas impressões sensoriais para atribuir significado ao seu
meio. Consiste na aquisição, interpretação, seleção e or-
ganização das informações obtidas pelos sentidos. A per-
cepção pode ser estudada do ponto de vista estritamente 7.2 Percepção e realidade
biológico ou fisiológico, envolvendo estímulos elétricos
evocados pelos estímulos nos órgãos dos sentidos. Do
ponto de vista psicológico ou cognitivo, a percepção en-
volve também os processos mentais, a memória e outros
aspectos que podem influenciar na interpretação dos da-
dos percebidos.

7.1 O estudo da percepção


A percepção é um dos campos mais antigos dos proces-
sos fisiológicos e cognitivos envolvidos. Os primeiros a
estudar com profundidade a percepção foram Hermann
von Helmholtz, Gustav Theodor Fechner e Ernst Hein-
rich Weber, A Lei de Weber-Fechner é uma das mais an- Imagem ambígua. O animal da figura pode ser um coelho ou um
tigas relações quantitativas da psicologia experimental e pato. Um exemplo de “percepção mutável”
quantifica a relação entre a magnitude do estímulo físico
(mensurável por instrumentos) e o seu efeito percebido Na psicologia, o estudo da percepção é de extrema impor-
(relatado). Mais adiante Wilhelm Wundt fundou o pri- tância porque o comportamento das pessoas é baseado na

18
7.3. FATORES QUE INFLUENCIAM A PERCEPÇÃO 19

interpretação que fazem da realidade e não na realidade breza de estímulos. Isto significa (em referência à per-
em si. Por este motivo, a percepção do mundo é diferente cepção) que as sensações, sozinhas, não são capazes de
para cada um de nós, cada pessoa percebe um objeto ou prover uma descrição única do mundo. As sensações ne-
uma situação de acordo com os aspectos que têm especial cessitam de enriquecimento, que é papel do modelo men-
importância para si própria. tal. Um tipo diferente de teoria é a ecologia perceptual,
Muitos psicólogos cognitivos e filósofos de diversas es- abordagem de James J. Gibson. Gibson rejeita a tese da
colas, sustentam a tese de que, ao transitar pelo mundo, pobreza de estímulos ao mesmo tempo que rejeita que a
as pessoas criam um modelo mental de como o mundo percepção seja o resultado das sensações. Ao invés disso,
ele investigou quais informações são efetivamente apre-
funciona (paradigma. Ou seja, elas sentem o mundo real,
mas o mapa sensorial que isso provoca na mente é pro- sentadas aos sistemas perceptivos. Ele e outros psicólo-
gos que trabalham com esse paradigma explicam como
visório, da mesma forma que uma hipótese científica é
provisória até ser comprovada ou refutada ou novas in- o mundo pode ser explicado como um organismo móvel
através de leis de projeção da informação sobre o mundo
formações serem acrescentadas ao modelo (v. Método
científico). em matrizes de energia. A especificação é um mapea-
mento 1:1 de alguns aspectos do mundo em uma matriz
À medida que adquirimos novas informações, nossa per- de percepção; dado um mapa deste tipo, nenhum enri-
cepção se altera. Diversos experimentos com percepção quecimento é necessário e a percepção é direta.
visual demonstram que é possível notar a mudança na
percepção ao adquirir novas informações. As ilusões de
óptica e alguns jogos, como o dos sete erros se baseiam 7.3 Fatores que influenciam a per-
nesse fato. Algumas imagens ambíguas são exemplares
ao permitir ver objetos diferentes de acordo com a inter- cepção
pretação que se faz. Em uma “imagem mutável”, não é
o estímulo visual que muda, mas apenas a interpretação
que se faz desse estímulo.
Assim como um objeto pode dar margem a múltiplas per-
cepções, também pode ocorrer de um objeto não gerar
percepção nenhuma: Se o objeto percebido não tem em-
basamento na realidade de uma pessoa, ela pode, literal-
mente, não percebê-lo. Os primeiros relatos dos coloni-
zadores da América relataram que os índios da América Os olhos são os órgãos responsáveis pela visão, um dos sentidos
Central não viram a frota naval dos colonizadores que se que fazem parte da percepção do mundo.
aproximavam em sua primeira chegada. Como os navios
O processo de percepção tem início com a atenção que
não faziam parte da realidade desses povos, eles simples-
não é mais do que um processo de observação seletiva,
mente não eram capazes de percebê-los no horizonte e
ou seja, das observações por nós efetuadas. Este processo
eles se misturavam à paisagem sem que isso fosse inter-
faz com que nós percebamos alguns elementos em des-
pretado como uma informação a considerar. Somente
favor de outros. Deste modo, são vários os fatores que
quando as frotas estavam mais próximas é que passaram
influenciam a atenção e que se encontram agrupados em
a ser visíveis. Qualquer pessoa nos dias atuais, de pé em
duas categorias: a dos fatores externos (próprios do meio
uma praia espera encontrar barcos no mar. Eles se tor-
ambiente) e a dos fatores internos (próprios do nosso or-
nam, portanto, imediatamente visíveis, mesmo que sejam
ganismo).
apenas pontos no horizonte.
Passa-se a considerar cada vez mais a importância da pes-
soa que percebe, durante o ato da percepção. A presença 7.3.1 Fatores externos
e a condição do observador modificam o fenômeno.
Os fatores externos mais importantes da atenção são a
As percepções são normais se realmente correspondem
intensidade (pois a nossa atenção é particularmente des-
àquilo que o observando vê, ouve e sente. Contudo, po-
pertada por estímulos que se apresentam com grande in-
dem ser deficientes, se houver ilusões dos sentidos ou
tensidade e, é por isso, que as sirenes das ambulâncias
mesmo alucinações. Esta ambiguidade da percepção é
possuem um som insistente e alto); o contraste (a atenção
explorada em tecnologias humanas como a camuflagem,
será muito mais despertada quanto mais contraste exis-
mas também no mimetismo apresentado em diversas es-
tir entre os estímulos, tal como acontece com os sinais
pécies animais e vegetais, como algumas borboletas que
de trânsito pintados em cores vivas e contrastantes); o
apresentam desenhos que se assemelham a olhos de pás-
movimento que constitui um elemento principal no des-
saros, que assustam os predadores potenciais. Algumas
pertar da atenção (por exemplo, as crianças e os gatos
flores também possuem seus órgão sexuais em formatos
reagem mais facilmente a brinquedos que se movem do
atraentes para os insetos polinizadores.
que estando parados); e a incongruência, ou seja, pres-
Teorias cognitivas da percepção assumem que há uma po- tamos muito mais atenção às coisas absurdas e bizarras
20 CAPÍTULO 7. PERCEPÇÃO

do que ao que é normal (por exemplo, na praia num dia que se inscrevem em fundos indefinidos e mal con-
verão prestamos mais atenção a uma pessoa que apanhe tornados (por exemplo, um cálice branco pintado
sol usando um cachecol do que a uma pessoa usando um num fundo preto);
traje de banho normal).
• pregnância das formas ou boa forma - qualidade
que determina a facilidade com que percebemos fi-
7.3.2 Fatores internos guras bem formadas. Percebemos mais facilmente
as formas simples, regulares, simétricas e equilibra-
Os fatores internos que mais influenciam a atenção são a das;
motivação (prestamos muito mais atenção a tudo que nos
• constância perceptiva - se traduz na estabilidade
motiva e nos dá prazer do que às coisas que não nos in-
da percepção (os seres humanos possuem uma re-
teressam); a experiência anterior ou, por outras palavras,
sistência acentuada à mudança).
a força do hábito faz com que prestemos mais atenção
ao que já conhecemos e entendemos; e o fenómeno so-
cial que explica que a nossa natureza social faz com que 7.3.4 Outros fatores
pessoas de contextos sociais diferentes não prestem igual
atenção aos mesmos objetos (por exemplo, os livros e os Em relação à percepção da profundidade, sabe-se que
filmes a que se dá mais importância em Portugal não des- esta advém da interacção de factores orgânicos (caracte-
pertam a mesma atenção no Japão). rísticas do nosso corpo) com factores ambientais (carac-
terísticas do meio ambiente). São exemplos dos factores
orgânicos: a acomodação do cristalino que é uma espécie
7.3.3 Princípios da percepção
de lente natural de que dispomos para focar conveniente-
mente os objectos; e a convergência das linhas de visão
(a posição das linhas altera-se sempre que olhamos para
objectos situados a diferentes distâncias).
Para exemplificar os factores ambientais temos o princí-
pio do contraste luz-sombra (as partes salientes dos ob-
jectos são mais claras que as restantes, em função da
iluminação recebida) e a grandeza relativa (a profundi-
dade pode ser representada variando o tamanho e a dis-
tância dos objectos pintados. Os objectos mais distan-
tes parecem-nos mais pequenos do que aqueles que estão
mais próximos).

7.4 Tipos de percepção


O estudo da percepção distingue alguns tipos principais
de percepção. Nos seres humanos, as formas mais desen-
volvidas são a percepção visual e auditiva, pois durante
muito tempo foram fundamentais à sobrevivência da es-
pécie (A visão e a audição eram os sentidos mais utiliza-
dos na caça e na proteção contra predadores). Também é
por essa razão que as artes plásticas e a música foram as
Princípio da figura e fundo. Percebemos um vaso ou duas faces primeiras formas de arte a serem desenvolvidas por todas
se entreolhando, dependendo da escolha do que é figura (o tema as civilizações, antes mesmo da invenção da escrita. As
da imagem) e o que é fundo. demais formas de percepção, como a olfativa, gustativa e
tátil, embora não associadas às necessidades básicas, têm
Na percepção das formas, as teorias da percepção reco- importante papel na afetividade e na reprodução.
nhecem quatro princípios básicos que a influenciam:
Além da percepção ligada aos cinco sentidos, os huma-
nos também possuem capacidade de percepção temporal
• a tendência à estruturação ou princípio do fecha-
e espacial.
mento - tendemos a organizar elementos que se en-
contram próximos uns dos outros ou que sejam se-
melhantes; 7.4.1 Percepção visual
• segregação figura-fundo - explica que percebemos
mais facilmente as figuras bem definidas e salientes Ver artigo principal: Percepção visual
7.4. TIPOS DE PERCEPÇÃO 21

A visão é a percepção de raios luminosos pelo sistema Os princípios gerais da percepção estão presentes na mú-
sica. Em geral, ela possui estruturação, boa-forma, figura
e fundo (representada pela melodia e acompanhamento)
e os gêneros e formas musicais permitem estabelecer uma
constância perceptiva.
Entre os fatores considerados no estudo da percepção au-
ditiva estão:

• Percepção de timbres;
• Percepção de alturas ou frequências;
• Percepção de intensidade sonora ou volume;
• Percepção rítmica, que na verdade é uma forma de
percepção temporal;
• Localização auditiva, um aspecto da percepção es-
pacial, que permite distinguir o local de origem de
um som.

7.4.3 Percepção olfactiva


O triângulo de Kaniza demonstra o princípio do fechamento.
Tendemos a ver um triângulo branco sobreposto à figura, como
uma figura completa e fechada, embora ele só seja sugerido por
falhas nas demais formas que compõem a figura.

visual. Esta é a forma de percepção mais estudada pela


psicologia da percepção. A maioria dos princípios gerais
da percepção foram desenvolvidos a partir de teorias es-
pecificamente elaboradas para a percepção visual. Todos
os princípios da percepção citados acima, embora pos-
sam ser extrapolados a outras formas de percepção, fa-
zem muito mais sentido em relação à percepção visual.
Por exemplo, o princípio do fechamento (ver figura ao
lado) é melhor compreendido em relação a imagens do
que a outras formas de percepção.
A percepção visual compreende, entre outras coisas:

• Percepção de formas;

• Percepção de relações espaciais, como profundi-


dade. Relacionado à percepção espacial;

• Percepção de cores;
Expositor de perfumes
• Percepção de intensidade luminosa.

• Percepção de movimentos O olfacto é a percepção de odores pelo nariz. Este sen-


tido é relativamente tênue nos humanos, mas é impor-
tante para a alimentação. A memória olfactiva também
7.4.2 Percepção auditiva tem uma grande importância afetiva. A perfumaria e a
enologia são aplicações dos conhecimentos de percepção
olfactiva. Entre outros fatores a percepção olfactiva en-
Ver artigo principal: Percepção auditiva
globa:

A audição é a percepção de sons pelos ouvidos. A psico- • Discriminação de odores, que estuda o que diferen-
logia, a acústica e a psicoacústica estudam a forma como cia um odor de outros e o efeito de sua combinação;
percebemos os fenômenos sonoros. Uma aplicação parti-
cularmente importante da percepção auditiva é a música. • O alcance olfactivo.
22 CAPÍTULO 7. PERCEPÇÃO

Em alguns animais, como os cães, a percepção olfactiva 7.4.6 Percepção temporal


é muito mais desenvolvida e tem uma capacidade de dis-
criminação e alcance muito maior que nos humanos. Não existem órgãos específicos para a percepção do
tempo, no entanto é certo que as pessoas são capazes de
sentir a passagem do tempo. A percepção temporal es-
7.4.4 Percepção gustativa barra no próprio conceito da natureza do tempo, assunto
controverso e tema de estudos filosóficos, cognitivos e fí-
sicos, bem como o conhecimento do funcionamento do
O paladar é o sentido de sabores pela língua. Importante
cérebro (neurociência).
para a alimentação. Embora seja um dos sentidos me-
nos desenvolvidos nos humanos, o paladar é geralmente A percepção temporal já foi objeto de diversos estudos
associado ao prazer e a sociedade contemporânea mui- desde o século XIX até os dias de hoje, quando é estudado
tas vezes valoriza o paladar sobre os aspectos nutritivos por técnicas de imagem como a ressonância magnética.
dos alimentos. A arte culinária e a enologia são aplica- Os experimentos destinam-se a distinguir diferentes tipos
ções importantes da percepção gustativa. O principal fa- de fenômenos relevantes à percepção temporal:
tor desta modalidade de percepção é a discriminação de
sabores. • a percepção das durações;
• a percepção e a produção de ritmos;
7.4.5 Percepção tátil • a percepção da ordem temporal e da simultaneidade.

Resta saber se estes diferentes domínios da percepção


temporal procedem dos mesmos mecanismos ou não e
também algumas novas considerações que decorrem da
escala de tempo utilizada. Segundo o psicólogo francês
Paul Fraisse, é preciso distinguir a percepção temporal
(para durações relativamente curtas, até alguns segundos)
e a estimativa temporal que é designada como a apreensão
de longas durações (desde alguns segundos até algumas
horas). Estes fatores envolvem ainda os ciclos biológi-
cos, como o ritmo circadiano.

7.4.7 Percepção espacial


Assim como as durações, não possuímos um órgão es-
Uma placa de sinalização em Braille pecífico para a percepção espacial, mas as distâncias en-
tre os objetos podem ser efetivamente estimadas. Isso
O tato é sentido pela pele em todo o corpo. Permite reco- envolve a percepção da distância e do tamanho relativo
nhecer a presença, forma e tamanho de objetos em con- dos objetos. A razão para separar a percepção espacial
tato com o corpo e também sua temperatura. Além disso das outras modalidades repousa no fato de que aparen-
o tato é importante para o posicionamento do corpo e a temente a percepção espacial é supra-modal, ou seja, é
proteção física. compartilhada pelas demais modalidades e utiliza ele-
mentos da percepção auditiva, visual e temporal. As-
O tato não é distribuído uniformemente pelo corpo. Os
sim, é possível distinguir se um som procede especifica-
dedos da mão possuem uma discriminação muito maior
mente de um objeto visto e se esse objeto (ou o som) está
que as demais partes, enquanto algumas partes são mais
aproximando-se ou afastando-se. O lobo parietal do cé-
sensíveis ao calor. O tato tem papel importante na afeti-
rebro representa um papel importante neste tipo de per-
vidade e no sexo. Entre os fatores presentes na percepção
cepção.
tátil estão:

• Discriminação tátil, ou a capacidade de distinguir 7.4.8 Propriocepção


objetos de pequenos tamanhos. (Importante, por
exemplo, para a leitura em Braille); Ver artigo principal: Propriocepção

• Percepção de calor; Propriocepção é a capacidade em reconhecer a localiza-


ção espacial do corpo, sua posição e orientação, a força
• A percepção da dor. exercida pelos músculos e a posição de cada parte do
7.6. PERCEPÇÃO SOCIAL 23

corpo em relação às demais, sem utilizar a visão. Este sexualidade e outras, também podem ser interferidas por
tipo específico de percepção permite a manutenção do uma forma de percepção que é construída socialmente.
equilíbrio e a realização de diversas atividades práticas.
Um dos estudos recentes mais significativos sobre es-
Resulta da interação das fibras musculares que trabalham tes aspectos foi desenvolvido pelo historiador brasileiro
para manter o corpo na sua base de sustentação, de in- José D'Assunção Barros (1967) que examinou a cons-
formações táteis e do sistema vestibular, localizado no trução social da percepção relativamente a certos as-
ouvido interno e responsável pelo equilíbrio. pectos como as diferenças de sexualidade ou as dife-
O conjunto das informações dadas por esses receptores renças étnicas (http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aso/
permitem, por exemplo, desviar a cabeça de um galho, n175/n175a05.pdf)
mesmo que que não se saiba precisamente a distância se- A obra mais densa deste autor sobre o assunto foi o livro
gura para se passar, ou mesmo o simples fato de poder A Construção Social da Cor (Petrópolis: Vozes, 2009).
tocar os dedos do pé e o calcanhar com os olhos venda- Neste livro, José D'Assunção Barros procura mostrar que
dos, além de permitir atividades importantes como andar, as chamadas “diferenças de cor” também são construí-
coordenar os movimentos responsáveis pela fala, segurar das socialmente e historicamente. Ele procura examinar
e manipular objetos, manter-se em pé ou posicionar-se a história da construção e atualização de noções como
para realizar alguma atividade. “raça negra”, “identidade negra”, e “raça” de maneira ge-
ral. D'Assunção Barros mostra como, à época da mon-
tagem do tráfico de escravos que introduziu a Escravidão
7.5 Intensidade da percepção Moderna, começou a ser construída uma “identidade ne-
gra” (sob o signo de “raça negra”) às custas da descons-
trução de outras identidades que já existiam na África do
7.5.1 Lei de Weber-Fechner período que precede a implantação da escravatura colo-
nial.
Pierre Bouguer (1760) e depois Ernst Heinrich Weber
(1831) estudaram a menor variação perceptível para de- A esta interessava paradoxalmente conservar e dissolver
terminados estímulos. Para isso apresentaram estímulos as identidades étnicas africanas ancestrais (zulus, ibos,
variáveis a diversos indivíduos para determinar o funcio- nuers, ashantis, tekes, e inúmeras outras). Como os trafi-
namento quantitativo de diversos tipos de percepção. A cantes de escravos obtinham seus suprimentos de cativos
lei de Bouguer-Weber estipulava que o limiar sensorial (a das guerras intertribais africanas, eles se interessavam em
menor diferença perceptível entre dois valores de um es- conservar bem vivas, na África, as hostilidades recíprocas
tímulo) aumenta linearmente com o valor do estímulo de entre etnias africanas. Isto porque, quando as diferentes
referência. O médico Gustav Fechner (inventor do termo tribos étnicas guerreavam entre si, os vencidos eram ven-
psicofísica) modificou essa lei, para que ela se tornasse didos como escravos para os europeus. Contudo, uma
válida aos valores extremos do estímulo: “a sensação va- vez enviados para o Novo Mundo, para o trabalho com-
ria como o logaritmo da excitação”. pulsório no Sistema Colonial (séculos XVII ao XIX), já
interessava aos colonizadores dissolver as identidades ét-
Esta lei pode ser aplicada a diversas formas de percep-
nicas africanas em uma única e nova identidade, a “raça
ção. Não se sabe ao certo a causa neurológica dessa lei,
negra”.
mas ela pode ser percebida em diversos fenômenos da
percepção. Por exemplo, na percepção de alturas, as pes- Então, as etnias eram misturadas e se favorecia a per-
soas percebem intervalos iguais, quando suas frequências cepção de que todos os africanos eram negros (em de-
variam exponencialmente. Por exemplo, a relação entre trimento da percepção de que eram nuers, ibos, zulus,
as frequências de 220 Hz e 440 Hz é percebida como um tekes, e assim por diante). Em suma: para o trabalho
intervalo de uma oitava. A relação entre 440 Hz e 880 escravo na América - a outra ponta do sistema escra-
Hz é percebida como um intervalo igual de uma oitava, vista - já não interessavam mais as antigas identidades
mesmo que a distância real entre as frequências não seja étnicas americanas, e sim uma única identidade negra
igual. Relações semelhantes se aplicam à percepção de indiferenciada. Com isto, as pessoas de origem euro-
intensidade sonora, intensidade luminosa, cores e diver- peia passavam a ser ensinadas a perceberem os africa-
sos outros aspectos da percepção. nos como “negros”, e os africanos transplantados para
o Brasil também eram ensinados a se autoperceberem
como “negros” (eram levados, portanto, ao esquecimento
de suas identidades ancestrais na África). Da mesma
7.6 Percepção Social forma, “europeus” e “africanos” aprendiam a se enxer-
gar como “brancos” e “negros”, a se perceberem como
Um último aspecto a ser considerado é o fato de que a per- “raças” diferenciadas. É a isto que José D'Assunção
cepção de certos aspectos relacionados a características Barros pretende se referir quando fala em uma “Cons-
humanas, ou mesmo a “construção da percepção” de cer- trução Social da Cor”, ou em uma construção so-
tas características humanas, também pode ser constituída cial da percepção étnica (http://publique.rdc.puc-rio.br/
socialmente. Questões de gênero, raça, nacionalidade,
24 CAPÍTULO 7. PERCEPÇÃO

desigualdadediversidade/media/Barros_desdiv_n3.pdf).
O mesmo raciocínio pode ser aplicado a outros aspec-
tos, tal como as diferenças relacionadas à sexualidade,
conforme postula José D'Assunção Barros em um ar-
tigo publicado na revista Análise Social (http://www.
scielo.oces.mctes.pt/pdf/aso/n175/n175a05.pdf) A ma-
neira como percebemos o que é “se homem” ou “ser mu-
lher” é também uma construção social, assim como cons-
tituem também uma construção social as formas como as
sociedades percebem os diferentes modos humanos de
vivenciar a sexualidade.
A percepção social, é, no entanto, uma classificação dis-
cutível, visto que as competências sociais são de tal gama
variadas que confundiriam o conceito de percepção com
outros conceitos cognitivos, como a lógica e a emoção,
por exemplo. Podemos verificar isso numa situação social
em que precisássemos selecionar o melhor candidato à
vaga disponível de emprego: a nossa suposta “percepção
social” requeria de nós uma “percepção” lógica, emotiva,
de memória e de atenção a um só tempo para realizarmos
esta simples tarefa. Isto posto, a ideia de “percepção so-
cial” deixa transparecer um uso inadequado do termo, que
poderia ser substituído por outro mais abrangente, como
“competência” ou “habilidade” social, por exemplo.

7.7 Ver também


• Sentido

• Ilusão de óptica
• Alucinação

• Neurociência

7.8 Referências
[1] ILTEC. «percepção». Portal da Língua Portuguesa. Con-
sultado em 12 de janeiro de 2012

[2] ILTEC. «perceção». Portal da Língua Portuguesa. Con-


sultado em 12 de janeiro de 2012
Capítulo 8

Raciocínio

O Raciocínio (ou raciocinar) é uma operação lógica dis-


cursiva e mental. Neste, o intelecto humano utiliza uma
ou mais proposições, para concluir, através de mecanis-
mos de comparações e abstrações, quais são os dados que
levam às respostas verdadeiras, falsas ou prováveis. Das
premissas chegamos a conclusões.
Foi pelo processo do raciocínio que ocorreu o desenvol-
vimento do método matemático, este considerado instru-
mento puramente teórico e dedutivo, que prescinde de
dados empíricos.
Através da aplicação do raciocínio, as ciências como um
todo evoluíram para uma crescente capacidade do inte-
lecto em alavancar o conhecimento. Este é utilizado para
isolar questões e desenvolver métodos e resoluções nas
mais diversas questões relacionadas à existência e sobre-
vivência humana.
O raciocínio, um mecanismo da inteligência, gerou
a convicção nos humanos de que a razão unida à
imaginação constituem os instrumentos fundamentais
para a compreensão do universo, cuja ordem interna,
aliás, tem um caráter racional, portanto, segundo alguns,
este processo é a base do racionalismo.
Logo, resumidamente, o raciocínio pode ser considerado
também um dos integrantes dos mecanismos dos proces-
sos cognitivos superiores da formação de conceitos e da
solução de problemas, sendo parte do pensamento.

25
Capítulo 9

Criatividade

A criatividade é considerada uma capacidade humana isto que todas as ciências apresentam uma versão diferen-
de grande valor universal, tudo indica que nesta compe- ciada no seu conceito, condizentes com as suas próprias
tência reside a memória “RAM” biológica para o impulso ideologias, agregando-lhe a utilidade e individualidade de
da evolução humana. A memória RAM segundo Cury cada (Jácome, 2011).
(2009) é o fenômeno dos registros da memória. O que Existem várias definições diferentes para criatividade.
melhor descreve a criatividade é o que Sanchez (2003) Para Ghiselin (1952), "é o processo de mudança, de de-
referiu em seus apontamentos: a criatividade é uma su-
senvolvimento, de evolução na organização da vida subje-
blime dimensão da condição humana. É, entretanto, na tiva”. Segundo Flieger (1978), “manipulamos símbolos ou
capacidade criativa que existe a chave da capacidade de
objetos externos para produzir um evento incomum para
evolução da humanidade. O mérito da expressão cria- nós ou para nosso meio”. Outras definições:
tiva é fruto da “complexidade”, ou seja, é fruto do con-
texto social no seu desenvolvimento natural e humano.
É muito interessante contemplar os efeitos provenientes • “o termo pensamento criativo tem duas características
deste constructo a considerar a capacidade de um indi- fundamentais, a saber: é autônomo e é dirigido para
víduo criativo construir e reconstruir, transformando a a produção de uma nova forma” (Suchman, 1981)
nossa realidade. É consensual e gratificante perceber que
• “criatividade é o processo que resulta em um produto
todos temos a capacidade criativa, e que ela deve ser me-
novo, que é aceito como útil, e/ou satisfatório por um
lhor desenvolvida.
número significativo de pessoas em algum ponto no
Há quem defenda que a criatividade produz-se por meio tempo” (Stein, 1974)
da interação entre os pensamentos de uma pessoa e
um contexto sócio-cultural, há casos em que ela pode • “criatividade representa a emergência de algo único
exteriorizar-se naturalmente da própria personalidade e original” (Anderson, 1965)
humana, por se tratar de uma função da mente humana,
• “criatividade é o processo de tornar-se sensível a pro-
por vezes também precisa ser activada por meio dos es-
blemas, deficiências, lacunas no conhecimento, de-
tímulos externos e internos. A criatividade representa-se
sarmonia; identificar a dificuldade, buscar soluções,
de múltiplas maneiras. Segundo Gardner (1999), cada
formulando hipóteses a respeito das deficiências; tes-
indivíduo também apresenta o seu perfil criativo distinto,
tar e retestar estas hipóteses; e, finalmente, comuni-
daí a dificuldade de definição do termo. O ano 1950 foi
car os resultados” (Torrance, 1965)
um marco histórico na reabertura do estudo da criativi-
dade, até o exato momento não há um conceito único • “um produto ou resposta serão julgados como criati-
que a descreva, ou seja, não há uma definição exclusiva vos na extensão em que a) são novos e apropriados,
para o termo criatividade, porém fundamentais estudio- úteis ou de valor para uma tarefa e b) a tarefa é heu-
sos contribuem para este conceito numa versão diferen- rística e não algorística” (Amabile, 1983)
ciada que a justifica, vão denominando esta temática na
sua “complexidade” como um termo multidimensional,
Todo ser humano possui criatividade em diferentes habi-
seguem comunicando os seus resultados, ora como no-
lidades. Acredita-se que a habilidade criativa das pessoas
vas invenções, como a capacidade de análise e síntese,
esteja de certa forma ligadas a seus talentos.
ora como um produto novo, ou como a resolução de pro-
blemas, ora como uma ideia nova, ou de uma teoria, en-
fim, os componentes criativos se apresentam de formas
sempre variadas e em multiplicidade. Dinamicamente a 9.1 Tipos
variedade ou a “complexidade” condiciona o indivíduo a
ver o diferente, dai um passo para criar a originalidade. Pode-se classificá-la segundo o lugar de origem e a forma
O fenômeno criatividade se manifesta em todos os seto- como se manifesta. Um exemplo de classificação por lu-
res da vida, seja social, político, estético, científico, é por gar de origem é a seguinte:

26
9.3. PROCESSO CRIATIVO 27

• Criatividade individual: é a forma criativa ex- 9.3 Processo criativo


pressa por um indivíduo.
Durante o processo criativo, frequentemente distinguem-
• Criatividade coletiva ou de grupo ou criatividade se os seguintes estágios:
em equipe: forma criativa expressa por uma orga-
nização, equipe ou grupo. Surge geralmente da in- • Percepção do problema. É o primeiro passo no
teração de um grupo com o seu exterior ou de inte- processo criativo e envolve o “sentir” do problema
rações dentro do próprio grupo e tem como objetivo ou desafio.
principal otimizar ou criar produtos, serviços e pro-
cessos.Na organização moderna a “criatividade em • Teorização do problema. Depois da observação
equipe” é o caminho mais curto e mais rápido para do problema, o próximo passo é convertê-lo em um
modernização e atualização de seus diversos méto- modelo teórico ou mental.
dos de gestão e de produção.
• Considerar/ver a solução. Este passo caracteriza-
se geralmente pelo súbito insight da solução; é o im-
pacto do tipo “eureka!". Muitos destes momentos
9.1.1 História surgem após o estudo exaustivo do problema.

Na antiguidade, sob o ponto de vista da filosofia, a cri- • Produzir a solução. A última fase é converter a
atividade era vista, como parte da natureza humana, um idéia mental em idéia prática. É considerada a parte
dom divino, um “estado místico de receptividade a al- mais difícil, no estilo “1% de inspiração e 99% de
gum tipo de mensagem proveniente de entidades divi- transpiração”.
nas.”(Alencar, 2001,p.15). Havia também a concepção
que associava a criatividade à loucura, considerando as • Produzir a solução em equipe. Fase comum que
manifestações criativas como um ato impensado, que ser- ocorre nas empresas e organizações quando preci-
viria de compensação aos desajustes e conflitos inconsci- sam, tanto diagnosticar ou superar um problema
ente da pessoa. quanto otimizar ou inovar produtos, serviços e pro-
cessos. Ancoram-se, para tal dinâmica, no conhe-
cido sistema do brainstorming.

9.2 Potencial criativo


9.4 Importância da criatividade
Acredita-se que o potencial criativo humano tenha início nas organizações de Ensino
na infância. Quando as crianças têm suas iniciativas cri-
ativas elogiadas e incentivadas pelos pais, tendem a ser Criar só é possível quando o cérebro detém uma grandi-
adultos ousados, propensos a agir de forma inovadora. O osa e alargada variedade de conhecimentos e informa-
inverso também parece ser verdadeiro. ções, fazendo com que as associações de ideias, ocor-
Quando as pessoas sabem que suas ações serão valori- ram de uma forma mais fluida e direcionada. Essas asso-
zadas, tendem a criar mais. O medo do novo, o apego ciações permitirão alcançar as ideias e conceitos novos,
aos paradigmas são formas de consolidar o status quo. de uma forma única e original. Porém, para que o pro-
Quando sentem que não estão sob ameaça (de perder o cesso criativo nas organizações, nomeadamente nas Insti-
emprego ou de cair no ridículo, por exemplo), as pessoas tuições de Ensino Superior, seja eficaz e eficiente, torna-
perdem o medo de inovar e revelam suas habilidades cri- se necessário e decisivo a aceitação por parte das mesmas,
ativas. das suas ideias e da liberdade de expressão no meio em
Algumas pessoas acreditam que ver a criatividade como que se executam.
habilidade passível de desenvolvimento é um grande O processo criativo refere-se a algo atendido por outras
passo para o desenvolvimento humano, enquanto outras pessoas, e que se harmonize com as expectativas e va-
têm a visão de que a criatividade é uma habilidade inata, lores de um determinado grupo de indivíduos. Somente
ligada a fatores genético/hereditários e, portanto, deter- desta forma, será visto como algo importante e decisivo,
minista. num mercado produtivo e evolutivo, que possa vender a
Certas pessoas também admitem que a criatividade não ideia ou mesmo solucionar situações complicadas e / ou
tem necessariamente ligação com o quociente de inteli- expandir novos produtos ou serviços. Cada vez mais o
gência (QI), que ela tem mais afinidade com motivação setor do Ensino está mais criativo e inovador, no que diz
do que com inteligência. Outras pessoas, por outro lado, respeito à diversidade de cursos, cada vez mais adaptados
confirmam uma forte correlação entre QI e potencial cri- ao mercado de trabalho.
ativo, especialmente para QIs abaixo de 120 e com uma O setor do Ensino Superior, não foge à regra no que res-
correlação positiva leve acima de QI 120. peita à criatividade, pelo fato de, devido ao constante de-
28 CAPÍTULO 9. CRIATIVIDADE

senvolvimento do mercado, ser imperativo, uma adapta- O exercício da criatividade dentro da História impele a
ção, o mais expansiva possível, atendendo às constantes todos, por competitividade, a incrementar seu potencial
mutações existentes. criativo, adquirindo consciência deste fenômeno e adqui-
rindo novas ferramentas de criatividade que o impulsio-
nem, discutidas na obra "Criatividade em Equipe".
9.5 Forma de expressão Capítulos teorizam sobre este ferramental, - carpinta-
ria da “criatividade em equipe” - em linha com o
• Arte e cultura. O mundo da arte e da cultura é pre- brainstorming -, a partir de ambiências onde tal exercí-
eminentemente um mundo da criatividade, porque cio é essencial: da empresa com suas disputas de poder e
o artista não está diretamente ligado às convenções, busca de crescimento, às escolas de samba, cuja diversão
dogmas e instituições da sociedade. O artista tem e jogo liberam pulsão criativa à construção de um espe-
uma expressão criativa que é resultado direto de sua táculo único e inigualável, ópera de um dia só.
liberdade.
Identificando a própria criatividade como um produto
em si('ars gratia artis’, do latim,'a arte pela arte'), pro-
• Pesquisa e desenvolvimento. Para produtos resul- posta inovadora, agrega-lhe leis de mercado que, por re-
tantes de atividades de pesquisa e desenvolvimento gerem relações de produção, facilitam o entendimento da
tecnológico, o critério criativo é a patente deste pro- “criatividade em equipe” e a gestão de suas técnicas.
duto. São geralmente três os pré-requisitos de uma
patente: a) novidade; b) inventividade e c) aplicação Ancorando-a em leis de mercado, uma dialética da pro-
prática. dução, desmistifica sua aura de genialidade ou de di-
fícil acesso às pessoas comuns, instalando-a no dia-a-dia
da empresa, da escola, ou de qualquer ambiente empre-
• Humor (comédia)
endedor, integrado por pessoas voltadas à otimização de
produtos, serviços e processos, num modelo de gestão
conduzido pela “criatividade em equipe”, sua pedra
9.6 Medição angular.
Gerir e participar do processo de “criatividade em
Foram propostas várias tentativas de desenvolver um equipe” é a proposta do Autor*, com ampla e frutuosa
quociente de criatividade de uma forma análoga ao experiência no dia-a-dia empresarial, - onde atua - na
quociente de inteligência. Porém, a maior parte dos cri- busca da otimização de produtos, serviços e processos,
térios de medição da criatividade depende do julgamento bem como na humanização do trabalho, inda que sujeito
pessoal do examinador e por isso é difícil estabelecer um à competitividade natural da espécie humana, que assim
padrão de medição. se aprimora e se recria continuamente em sua História,
espaço-tempo próprio em contínua expansão, expansão
justamente desta criatividade, projeto humano por exce-
9.7 Criatividade em equipe: um lência para aprimorar o mundo em que vivemos.
produto. (*Extraído do Prefácio de “Criatividade em Equipe e
suas leis de marketing” - Vídeo-texto de Paulo Guilherme
Criatividade é arma de combate na conquista da sobrevi- Hostin Sämy)
vência dos seres vivos.
Na escala animal da natureza, as conquistas ocorrem atra-
vés de ajustes e aprimoramentos a cada espécie viva, de 9.8 Como ampliar o potencial cria-
acordo com os princípios da seleção natural descobertos tivo
por Darwin.
Na escala humana, as conquistas ocorrem dentro da His- É plenamente possível fazer com que uma pessoa se torne
tória, não apenas sócio-econômica, mas, sobretudo, in- mais criativa. Os principais resultados criativos não ad-
dustrial e tecnológica com seu processo fantasioso e de-vêm de exercícios mentais que prometem aumentar o
lirante de avanço. potencial de criação dos indivíduos de forma isolada, a
O homem, através de sua criatividade, aperfeiçoa, me- exemplo de exercícios mentais com CDs ou fórmulas mi-
lhora e inova os fundamentos de sua sobrevivência: da rabolantes que apregoam sete ou oito lições para aprimo-
alimentação natural aos produtos transgênicos, da tanga rar a criatividade.
à moda do vestuário, das infusões chamânicas à medi- A criatividade humana se revela a partir de associações e
cina moderna, da oca à casa decorada e eletrônica. No combinações inovadoras de planos, modelos, sentimen-
lazer, nos transportes ou na educação, a vida humana é tos, experiências e fatos. O que realmente funciona é pro-
um exercício contínuo de criatividade, pulsão viva em piciar oportunidades e incentivar os indivíduos a buscar
sua História. novas experiências, testar hipóteses e, principalmente, a
9.11. LIGAÇÕES EXTERNAS 29

estabelecer novas formas de diálogos, sobretudo, com • Inteligências múltiplas


pessoas de outras formações, tipos de experiências e cul-
tura. Alguns indivíduos altamente criativos já apresen- • Inovação
tam naturalmente esse padrão de comportamento curi- • Design
oso, investigativo, voltado à experimentação, à inovação
e à busca persistente de pequenas e grandes nuances, seja • Estratégias oblíquas
em suas áreas de interesse ou em terrenos nem tão fami-
liares, envolvendo outras culturas, tecnologias, idiomas, • Pensamento
etc. São pessoas que intuitivamente fazem o melhor exer- • Cognição
cício possível para o cérebro ao investir, de maneira con-
sistente, no aprendizado e no estímulo a diferentes capa-
cidades cognitivas e sensoriais.
9.11 Ligações externas
Em suma, embora seja impossível modificar algumas ca-
racterísticas essenciais das pessoas, podemos incentivar • Associação Educativa para o Desenvolvimento da
comportamentos, estilo de vida e formas de interação Criatividade
com o mundo que permitam o desenvolvimento de no-
vos padrões cognitivos e facultem aos indivíduos opor- • Artigo: A criatividade como competência básica
tunidades de geração de insights criativos. O mais im- para inovação
portante, no entanto, está no fato de que, no contexto or-
ganizacional, o que vale mesmo é a capacidade criativa
coletiva.
Aumentar a criatividade é exercitar o pensamento!

9.9 Criatividade e inovação


Os conceitos criatividade e inovação são indissociáveis,
no entanto não são sinónimos. Os autores Duaibili &
Simonsen Jr. distinguem-os afirmando que “A criativi-
dade é a faísca, a inovação é a mistura gasosa. A pri-
meira dura um pequeno instante, a segunda perdura e
realiza-se no tempo. É a diferença entre inspiração e
transpiração, a descoberta e o trabalho”. Normalmente
a criatividade é um processo individual, nasce da ideia
que surgiu na cabeça de alguém, enquanto a inovação é
um processo colectivo, que deve ser trabalhado em grupo
e conduz colectivamente a uma mudança de percepção.
Por isso se diz que determinada pessoa é criativa e a em-
presa “xyz” é inovadora. (De Brabandere). Não existe
inovação sem criatividade, pois a inovação é a aplicação
prática da criatividade, ou seja uma ideia resultante de
um processo criativo, só passará a ser considerada uma
inovação, caso seja realmente aplicada, caso contrário é
considerada apenas uma invenção. Citando Larry Hirst
(um dos antigos Chairman da IBM) “Invenção é trans-
formar dinheiro em ideias, inovação é transformar ideias
em dinheiro”. Inovação tem pois este carácter de con-
cretização, que só assim poderá gerar criação de valor.
O conceito de criatividade é aplicável fora do contexto
empresarial, podendo ser utilizado para caracterizar por
exemplo os indivíduos na sua esfera não profissional

9.10 Ver também


• Inteligência
Capítulo 10

Platão

Nota: Para outros significados, veja Platão (desam- Em contraste com a sua reticência sobre si mesmo, Pla-
biguação). tão muitas vezes introduziu seus ilustres parentes em seus
diálogos, ou a eles referenciou com alguma precisão:
Cármides tem um diálogo com o seu nome; Crítias fala
Platão (em grego antigo: Πλάτων, transl. Plátōn,
[1] [nota 1] [nota 2] tanto em Cármides quanto em Protágoras ; e Adimanto
“amplo”, Atenas, 428/427 – Atenas,
e Glaucão têm trechos importantes em A República.[21]
348/347 a.C.) foi um filósofo e matemático do período
Estas e outras referências sugerem uma quantidade consi-
clássico da Grécia Antiga, autor de diversos diálogos
derável de orgulho da família e nos permitem reconstruir
filosóficos e fundador da Academia em Atenas, a
a árvore genealógica de Platão. De acordo com Burnet,
primeira instituição de educação superior do mundo
"a cena de abertura de Cármides é uma glorificação de
ocidental. Juntamente com seu mentor, Sócrates, e
toda [família] ligação... os diálogos de Platão não são
seu pupilo, Aristóteles, Platão ajudou a construir os
apenas um memorial para Sócrates, mas também sobre os
alicerces da filosofia natural, da ciência e da filosofia
[10] dias mais felizes de sua própria família."[22] .
ocidental. Acredita-se que seu nome verdadeiro tenha
sido Arístocles[11] .
Platão era um racionalista, realista, idealista e dualista e a 10.1.2 Infância e juventude
ele tem sido associadas muitas das ideias que inspiraram
essas filosofias mais tarde.[12] Platão nasceu em Atenas[23] , provavelmente em 427-428
a.C.[24] (no sétimo dia do mês Thargêliốn[25] ), cerca de
um ano após a morte do estadista Péricles[24] , e morreu
em 348 a.C.[24] (no primeiro ano da 108a Olimpíada[26] ).
10.1 Vida A data tradicional do nascimento de Platão (428/427) é
baseada em uma interpretação dúbia de Diógenes Laér-
10.1.1 Origem cio, que afirma: “Quando Sócrates foi embora, Platão se
juntou a Crátilo e Hermógenes, que filosofou à maneira
A mãe de Platão era Perictíone, cuja família gabava-se de Parmênides. Então, aos vinte e oito anos, segundo
de um relacionamento com o famoso legislador e poeta lí- Hermodoro, Platão foi para Euclides, em Megara.”[27]
rico ateniense Sólon[13] . Perictíone era irmã de Cármides Em sua Sétima Carta, Platão observa que a sua idade coin-
e sobrinha de Crítias, ambas figuras proeminentes na cidiu com a tomada do poder pelos Trinta Tiranos, co-
época da Tirania dos Trinta, a breve oligarquia que se mentando: “Mas um jovem com idade inferior a vinte se-
seguiu sobre o colapso de Atenas no final da Guerra do ria motivo de chacota se tentasse entrar na arena política”.
Peloponeso (404–403 a.C).[14] Além do próprio Platão, Assim, a data de nascimento de Platão seria 424/423[27] .
Aristão e Perictíone tiveram outros três filhos: Adimanto, De acordo com Diógenes Laércio, o filósofo foi nome-
Glaucão e uma filha, Potone, a mãe de Espeusipo (en- ado Arístocles, como seu avô, mas seu treinador de luta,
tão o sobrinho e sucessor de Platão como chefe de sua Aristão de Argos, o apelidou de Platon, que significa
Academia).[14] De acordo com A República, Adimanto e “grande”, por conta de sua figura robusta.[28] De acordo
Glaucão eram mais velhos que Platão.[15] No entanto, na com as fontes mencionadas por Diógenes (todas datam do
Memorabilia, Xenofonte apresenta Glaucão como sendo período alexandrino), Platão derivou seu nome a partir da
mais novo que Platão.[16] “amplitude” (platytês) de sua eloquência, ou então, por-
Aristão[17] parece ter morrido na infância de Platão, em- que possuía a fronte (platýs) larga.[29] Estudiosos recentes
bora a data exata de sua morte seja desconhecida[18] . Pe- têm argumentado que a lenda sobre seu nome ser Aristo-
rictíone então casou-se com Perilampes, irmão de sua cles originou-se no período helenístico.[30] Platão era um
mãe[19] que tinha servido muitas vezes como embaixa- nome comum, dos quais 31 casos são conhecidos ape-
dor para a corte persa e era um amigo de Péricles, líder nas em Atenas.[31] A juventude de Platão transcorreu em
da facção democrática em Atenas.[20] meio a agitações políticas e a desordens devido à Guerra

30
10.1. VIDA 31

do Peloponeso, à instabilidade política reinante na cidade da democracia ateniense em 403 também o desagradou,
de Atenas que foi tomada pela Oligarquia dos Quatro- sendo um ponto de viragem na vida de Platão, a execu-
centos e assim submeteu-se ao governo dos Trinta Tira- ção de Sócrates em 399 a.C, que o abalou profundamente,
nos.[32] levando-o a avaliiar a ação do Estado contra seu profes-
Apuleio nos informa que Espeusipo elogiou a rapidez sor, como uma expressão de depravação moral e evidên-
mental e a modéstia de Platão como os “primeiros frutos cia de um defeito fundamental no sistema político. Ele
de sua juventude infundidos com muito trabalho e amor viu em Atenas a possibilidade e a necessidade de uma
ao estudo”.[33] Platão deve ter sido instruído em gramá- maior participação filosófica na vida política e tornou-se
um crítico agudo. Essas experiências levaram-no a apro-
tica, música e ginástica pelos professores mais ilustres do
seu tempo.[34] Dicearco foi mais longe a ponto de dizer var a demanda por um estado governado por filósofos.[38]
que Platão lutou nos jogos de Jogos Ístmicos.[35] Platão
Depois de 399 a.C, Platão foi para Megara com alguns
também tinha frequentado cursos de filosofia, antes de
outros socráticos, como hóspedes de Euclides (provavel-
conhecer Sócrates, mas primeiro ele se familiarizou com
mente para evitar possíveis perseguições que lhe pode-
riam sobrevir pelo fato de ter feito parte do círculo so-
Crátilo (um discípulo de Heráclito, um proeminente filó-
sofo grego pré-socrático) e as doutrinas de Heráclito.[36]
crático). Diógenes Laércio conta que ele “foi a Cirene,
juntar-se a Teodoro, o matemático, depois à Itália, com
os pitagóricos Filolau e Eurito; e daí para o Egito, avistar-
10.1.3 Afastamento da política e primeira se com os profetas; ele tinha decidido encontrar-se tam-
viagem bém com os magos, mas a guerras da Ásia o fizeram re-
nunciar a isso”[39] Apesar desse relato de Diógenes Laér-
cio, é posto em dúvida se Platão foi mesmo ao Egito, pois
há evidências de que a estadia foi inventada no Egito, para
aproximar Platão à tradição de sabedoria egípcia.[40][41]

10.1.4 Primeira viagem à Sicília

Por volta de 388 a.C, Platão empreendeu sua primeira


viagem a Sicília.[42] Em Taranto, Platão conheceu os
pitagóricos, e o mais proeminente e politicamente bem
sucedido entre eles, o estadista Arquitas, que o hospedou
e protegeu. A mais famosa fonte da história do resgate de
Platão por Arquitas está na Sétima Carta, onde Platão des-
creve seu envolvimento nos incidentes de seu amigo Dion
de Siracusa e Dionísio I, o tirano de Siracusa,[43] Platão
esperava influenciar o tirano sobre o ideal do rei-filósofo
(exposto em Górgias, anterior à sua viagem), mas logo
entrou em conflito com o tirano e sua corte; mas mesmo
assim cultivou grande amizade com Díon[44] , parente do
tirano, a quem pensou que este pudesse ser um discípulo
capaz de se tornar um rei-filósofo.[45] Dionísio I se irritou
tanto com Platão a ponto de vendê-lo como escravo[nota 3]
A execução de Sócrates em 399 abalou Platão profundamente, a um embaixador espartano de Egina, felizmente tendo
ele avaliou essa ação do Estado como uma depravação moral e sido resgatado por Anicérides de Cirene, que estava em
evidência de um sistema político defeituoso.
Egina[46] , ou ainda, o navio em que retornava foi captu-
Platão e Sócrates, representação medieval
rado por espartanos o que o fez ser mantido como um
[47]
Após o término da guerra em Atenas, em cerca de 404 escravo.
a.C, auxiliado pelo reinado espartano vitorioso, o ter- Este relatos sobre a primeira estadia em Siracusa são, em
ror da Tirania dos Trinta começou, e entre seu mem- grande parte, controversos: os historiadores tradicionais
bros, incluía-se parentes de Platão: o primo e o irmão consideram assim os detalhes do encontro entre Platão e
de sua mãe, Crítias e Cármides, que participaram do o tirano, e a posterior ruptura com ceticismo.[48][49] Em
governo.[32] Platão foi convidado a participar da vida po- todo caso, Platão teve contato com Dionísio e o resultado
lítica, mas recusou porque considerou o então regime foi desfavorável para o filósofo já que sua sinceridade pa-
criminoso.[37] Mas, a situação política após a restauração rece ter irritado o governante.[50]
32 CAPÍTULO 10. PLATÃO

e educação e que a morte do velho tirano poderiam ser o


“destino divino” necessário para que enfim se realizasse a
felicidade de um povo livre sob boas leis. Platão por fim,
embarcou em 366, para sua segunda viagem à Sicília.[53]
No início a influência de Platão sobre Dionísio II teve al-
gum progresso, mas pouco durou, pois o jovem era um
pouco rude e não possuía o vigor mental para aguentar um
prolongado tratamento educacional, além de ser, pesso-
almente desagradável. Invejoso da influência de Dion e
de sua amizade com Platão, o obrigou a se exiliar; Platão
então regressou a Atenas.[54]

10.1.7 Terceira viagem à Sicília

Em 361 a.C, Platão viaja novamente para Siracusa com


seus alunos Espeusipo e Xenócrates em um navio enviado
por Dionísio II,[55] numa tentativa final de pôr ordem as
A Academia de Platão em Atenas coisas. Passou quase um ano tentando elaborar algumas
Mosaico em Pompéia, ca. século I medidas práticas para unir os gregos da Sicília em face do
perigo cartaginês. No final, a má vontade da facção con-
servadora provou ser um obstáculo insuperável.[56] Pla-
10.1.5 Fundação da escola e ensino tão conseguiu partir para Atenas em 360 a.C, não sem
antes correr algum perigo de morte. Em seguida, Dion
Ver artigo principal: Academia de Platão recuperou sua posição à força, mas apesar de advertên-
cias de Platão, mostrou-se um governante imprudente e
acabou assassinado. Ainda assim, Platão incitou os se-
Depois de sua primeira viagem à Sicília, por volta de 388
guidores de Dion a prosseguirem com a antiga política,
a.C, aos 40 anos, decepcionado com o luxo e os costu-
mas os seus conselhos não foram ouvidos. O destino fi-
mes da corte de Dionísio I de Siracusa e de lá é expulso,
nal da Sicília foi ser conquistada pelos estrangeiros, como
Platão compra um ginásio perto de Colona, a nordeste de
Platão previra.[24]
Atenas, nas vizinhanças de um bosque de oliveiras em ho-
menagem ao herói Academo. Ele amplia a propriedade e Platão escreveu sobre a morte de seu amigo comparando-
constrói alojamentos para os estudantes.[42] o a um navegante que antecipa corretamente uma tempes-
tade mas subestima sua força de destruição: “que eram
Os membros da Academia não eram estudantes no sen-
perversos os homens que o puseram por terra, ele sabia,
tido moderno da palavra, pois aos jovens, juntavam-se
mas não a extensão de sua ignorância, de sua depravação
também anciãos; provavelmente todos deviam contribuir
e avidez”[24][57]
para o financiamento das despesas; ademais, o objetivo
último da Academia era o saber pelo seu valor ético-
político.[51]
10.1.8 Velhice e morte
Durante duas décadas, Platão assumiu suas funções
na Academia e escreveu, nesse período, os diálogos Ao regressar em 360 a.C, Platão voltou a ensinar e
chamados “da maturidade": Fédon, Fedro, Banquete, escrever na Academia permanecendo como um autor
Menexêno, Eutidemo, Crátilo; começou também a reda- ativo até a sua morte,[24] em 348/347 a.C., aos oitenta
ção de A República.[52] anos de idade;[32] conta-se que fora sepultado no ter-
reno da Academia, para dentro do muro de demarcação
da propriedade,[58] ou ainda no jardim da Academia.[59]
10.1.6 Segunda viagem à Sicília Com sua morte, a Academia passou a ser dirigida por
Espeusipo, forte simpatizante do aspecto matemático da
Em 366/367 a.C, com a morte de Dionísio e encorajado filosofia de Platão.[24]
por Dion, Platão transmite a direção da Academia a Eu-
dóxio e retorna à Sicília.[52] O velho Dionísio morrera
em 367, logo após ter sabido que sua peça O Resgate de
Heitor, tinha recebido o primeiro prêmio no Festival das 10.2 Obra
Lenaias em Atenas. Seu filho, Dionísio II sucedeu-lhe o
trono e Dion era seu conselheiro. Dion teve trabalho em Houve um período na Idade Média em que quase todas as
convencer Platão a voltar para Siracusa, ele insistiu com suas obras eram desconhecidas; mas, antes disso e depois
argumentos como a paixão do jovem tirano pela filosofia da redescoberta de seus textos (Petrarca, no século XIV,
10.2. OBRA 33

quatro a Dionísio II (I, II, III, IV), uma a Hérmias, Eras-


tos e Coriscos (VI), uma a Leodamas (XI), uma a Dion
(IV), uma a Perdicas (V) e duas aos parentes de Dion
(VII, VIII)".[65] Trásilo criou a seguinte organização:[66]

10.2.2 Forma literária

Com a exceção das Epístolas e da Apologia, todas as ou-


tras obras não foram escritas em forma de poemas di-
dáticos ou tratados - como eram escritos a maioria dos
escritos filosóficos, - mas em forma de diálogos. A Apo-
logia contém passagens ocasionais de diálogos, onde há
um personagem principal, Sócrates, e diferentes interlo-
cutores em debates filosóficos separados por inserções e
discursos indiretos, digressões ou passagens mitológicas.
Além disso, outros alunos de Sócrates como Xenofonte,
Ésquines, Antístenes, Euclides de Megara e Fédon de
Elis têm obras escritas na forma de diálogo socrático
Parte de P.Oxy. LII 3679, com trecho da República, de Platão. (Σωκρατικοὶ λόγοι Sokratikoì logoi).[67]
Platão foi certamente o representante máximo desse gê-
nero literário, superior a todos os outros e, mesmo,
tinha um manuscrito de Platão), Platão foi lido e tomado o único representante, pois apenas em seus escritos é
como ponto de referência.[60] que se pode reconhecer a natureza autêntica do filoso-
far socrático, que nos outros escritores, degenerou em
maneirismos.[40] ; sendo assim, o diálogo, em Platão, é
10.2.1 Tradição e autenticidade mais do que um gênero literário: é sua forma de fazer
filosofia.[68] Nem todos os trabalhos no Corpus de Platão
Todas as obras de Platão que eram conhecidas na antigui- são diálogos. A Apologia parece ser o relato da defesa de
dade foram preservadas, com exceção da palestra sobre o Sócrates e seu julgamento, e Menêxeno é um pronunci-
bem, a partir do qual houve um pós-escrito de Aristóteles, amento para funeral. As treze cartas são ditas serem de
que se encontra perdido. Há também obras que foram Platão, mas a maioria são rejeitadas pelos pesquisado-
distribuídas sob o nome de Platão, mas possivelmente ou res modernos como sendo ilegítimas. A Sétima Carta ou
definitivamente não são genuínas; apesar disso, elas tam- Carta VII é uma das mais importantes cuja disputa per-
bém pertencem ao Corpus Platonicum (o conjunto das manece por dois motivos: (a) oferece detalhes biográficos
obras tradicionalmente atribuída a Platão), mesmo com de Platão e (b) coloca afirmações filosóficas sem parale-
sua falsidade sendo reconhecida mesmo nos tempos an- los em outros diálogos. Provavelmente a Sétima Carta é
tigos. Um total de 47 obras são reconhecidas por terem uma obra ilegítima e portanto não é uma fonte confiável
sido escritas por Platão ou para o qual ele tomado como para conhecer a biografia e filosofia de Platão.[49]
o autor.[61]
O Corpus platonicum é constituído de diálogos (incluindo 10.2.3 Cronologia
Crítias, de final inacabado), a Apologia de Sócrates, uma
coleção de 13 cartas[60] e uma coleção de definições, o A questão da cronologia ainda continua a gerar opiniões
Horoi. Fora do corpus, há uma coleção de dieresis, mais conflitantes. Análises estilométricas[69] dos diálogos de-
duas cartas, 32 epigramas e um fragmento de poema (7 monstram que eles podem ser agrupados em três cate-
hexâmetros) que, com exceção de uma parte desses poe- gorias definidas como obras do período Inicial, Médio e
mas, não são obras de Platão.[62] Tardio, embora exista este consenso comum, não há ne-
É importante notar que na Antiguidade, vários diálogos nhum consenso sobre a ordem em que as obras devem
considerados como falsamente atribuídos a Platão eram figurar em seus respectivos grupos. Outro método usado
considerados genuínos, e alguns desses fazem parte do para determinar a ordem cronológica dos diálogos se ba-
Canon de Trásilo, um filósofo e astrólogo alexandrino que seia na conexão entre os vários trabalhos. Os estudiosos
serviu na corte de Tibério. Trásilo organizou os Diálo- têm usado a evidência de pontos de vista filosóficos si-
gos de modo sistemático em nove grupos, chamados de milares nos diálogos para sugerir uma ordem cronológica
Tetralogias,[63] , cujos escritos foram aceitos como sendo interna. As referências textuais dentro dos diálogos tam-
de Platão.[64] Segundo Diógenes Laércio(III, 61), se en- bém ajudam a construir uma cronologia, ainda que exis-
contravam na nona tetralogia “uma carta a Aristodemo tam pouquíssimos casos de um diálogo se referir a outro.
[de fato a Aristodoro]" (X), duas a Arquitas (IX, XII), Finalmente, a cronologia pode ser determinada a partir
34 CAPÍTULO 10. PLATÃO

do testemunho de fontes antigas.[70] 10.3.2 Epistemologia

Ver artigo principal: Epistemologia platônica


10.3 Filosofia
Muitos têm interpretado que Platão afirma — e mesmo
foi o primeiro a escrever — que conhecimento é crença
Para Giovanni Reale, os três grandes pontos focais da fi-
verdadeira justificada, uma visão influente que informou
losofia de Platão são: a Teoria das Idéias, dos Princípios
o desenvolvimentos futuro da epistemologia.[77] Esta in-
e do Demiurgo. A obra Fédon engloba todo o quadro da
terpretação é parcialmente baseada na uma leitura do
metafísica platônica e enfatiza essas três teorias, mas Pla-
Teeteto ,no qual Platão argumenta que o conhecimento
tão advertiu os leitores de sua obra sobre a dificuldade
se distingue da mera crença verdadeira porque o conhe-
existente em compreendê-las.[71]
cedor deve ter uma “conta” do objeto de sua crença ver-
Política dadeira (Teeteto 201C-d).Ess mesma teoria pode nova-
Platão, em sua obra A República, faz uma critica a forma mente ser vista no Mênon, onde é sugerido que a crença
de governo de sua época, pois afirma que os governan- verdadeira pode ser aumentada para o nível de conheci-
tes deveriam brigar para não governar, como brigam para mento, se está ligada a uma conta quanto à questão do
chegar ao poder. Diz, ainda, que o verdadeiro chefe não “por que” o objeto da verdadeira crença é assim definido
nasce para atender os interesses de si próprio, mas sim de (Mênon 97d-98a).[78] Muitos anos depois, Edmund Get-
toda a coletividade a ele subordinada. tier demonstraria os problemas das crenças verdadeiras
justificadas no contexto do conhecimento.[79][80]
Dessa forma, entende-se que a critica de Platão estava
ligada ao governo que fcriava leis visando seus interesses,
e os determinando como justo, entretanto, punindo como 10.3.3 Dialética
injusto aquele que transgredir suas regras, uma vez que o
elegido para governar poderia ser o mais votado, mas não A dialética de Platão não é um método simples e li-
sendo, portanto, o mais preparado para aquela função. near, mas um conjunto de procedimentos, conhecimen-
Nesse sentido, Platão afirma que " Efetivamente, tos e comportamentos desenvolvidos sempre em relação
arriscar-nos-íamos, se houvesse um Estado de homens a determinados problemas ou “conteúdos” filosóficos.[81]
de bem, a que houvesse competições para não governar, O papel da dialética no pensamento de Platão é contes-
como agora as há para alcançar o poder, e tornar-se-ia, tada, mas existem duas interpretações principais: a di-
então evidente do verdadeiro chefe não nasceu para velar alética platônica é tipo de raciocínio ou um método de
pela sua conveniência, mas pela dos seus subordinados. intuição.[82] Simon Blackburn adota o primeiro, dizendo
(Platão, A República, p. 34)".[72] que a dialética de Platão é “o processo de extrair a ver-
dade por meio de perguntas destinadas a abrir o que já é
Conclui-se que, deve se buscar uma harmonia entre o go-
vernante e o seus subordinados, em outras palavras, o implicitamente conhecida, ou de expor as[83]contradições e
ideal de Estado deveria corresponder ao ideal de homem. confusões de posição de um oponente”. Karl Popper
afirma que a dialética é a arte da intuição para “visualizar
os originais divinos, as formas ou ideias, de desvendar o
grande mistério por trás do comum mundo das aparências
10.3.1 Teoria das Ideias do cotidiano do homem.”[84]

Ver: Teoria das ideias e Alegoria da caverna


10.3.4 Ética e justiça
A Teoria das Ideias ou Teoria das Formas afirma que for-
mas (ou ideias) abstratas não-materiais (mas substanciais Na República, Platão define a justiça como a vontade de
e imutáveis) é que possuem o tipo mais alto e mais fun- um cidadão de exercer sua profissão e atingir seu nível
damental da realidade e não o mundo material mutável pré-determinado e não interferir em outros assuntos,[85]
conhecido por nós através dos sentidos.[73] Em uma ana- Para que a justiça tenha alguma validade, ela terá que ser
logia de Reale, as coisas que captamos com os “olhos do uma virtude e, portando, contribuidora de modo consti-
corpo” são formas físicas, as coisas que captamos com tutivo para a boa vida de quem é justo.[86]
os “olhos da alma” são as formas não-físicas;[74] o ver da Na filosofia de Platão, é possível visualizar duas moda-
inteligência capta formas inteligíveis que são as essências lidades de justiça: uma, absoluta, e outra, relativa. A
puras. As Ideias são as essências eternas do bem, do belo justiça relativa é a justiça humana que espelha-se nos
etc. Para Platão, há uma conexão metafísica entre a visão princípios da alma e tenta dela se aproximar.[87] Platão
do olho da alma e o objeto em razão do qual tal visão não situa a justiça humana como uma virtude indispensável
existe.[75] Este “mais real do que o que vemos habitual- à vida em comunidade, é ela que propicia a convivên-
mente” é descrito em sua Alegoria da caverna.[76] cia harmônica e cooperativa entre os seres humanos em
10.4. LEGADO 35

coletividade.[88] Durante a Era de Ouro Islâmica, estudiosos persas e ára-


bes traduziram muito de Platão para o árabe e escreve-
ram comentários e interpretações sobre Platão, Aristóte-
10.3.5 Conceitos les e obras de outros filósofos Platonistas (ver Al-Farabi,
Avicena, Averróis, Hunayn ibn Ishaq). Muitos desses co-
Anima mundi mentários sobre Platão foram traduzidos do árabe para
o latim e, como tal, influenciaram filósofos escolásticos
Ver: Anima mundi medievais.[100]
Filósofos ocidentais notáveis continuaram a recorrer a
Considerada por Platão como o princípio do cosmos e obra de Platão desde aquela época. A influência de Platão
fonte de todas as almas individuais,[89] o termo é um con- tem sido especialmente forte em matemática e ciências.
ceito cosmológico de uma alma compartilhada ou força Ele ajudou a fazer a distinção entre a matemática pura e a
regente do universo pela qual o pensamento divino pode matemática aplicada, ampliando o fosso entre a “aritmé-
se manisfestar em leis que afetam a matéria. O termo foi tica”, agora chamada de teoria dos números e “logística”,
criado por Platão pela primeira vez na obra República[90] agora chamada de aritmética. Ele considerou a logística
ou ainda na obra Timeu.[91] como apropriada para homens de negócios, enquanto os
homens de guerra “devem aprender a arte de números ou
ele não vai saber como reunir suas tropas”, e a aritmética
Demiurgo
era apropriada para os filósofos “porque precisa emergir
do mar de mudanças e lançar mão do verdadeiro ser”.[101]
Ver: Demiurgo
Segundo Stephen Körner, o platonismo é “tendência natu-
ral do matemático”, o que pode ser confirmado por nomes
O uso filosófico e o substantivo próprio derivam do diá- destacados de matemáticos que se reconhecem platôni-
logo Timeu,[92] a causa do universo[93] , de acordo com cos como Gottlob Frege, Bertrand Russell, A. N. Whi-
a exigência de que tudo que sofre transformação ou ge- tehead, Heinrich Scholz, Kurt Gödel, Alonzo Church,
ração (genesis) sofre-a em virtude de uma causa.[93] A Georg Cantor etc. Partindo de Galileu, existe uma ex-
meta perseguida pelo demiurgo platônico é o bem do uni- tensa tradição do platonismo fisicalista que vai até Werner
verso que ele tenta construir[94] . Este bem é recorrente- Heisenberg, Roger Penrose, Frank Tipler, Stephen Haw-
mente descrito em termos de ordem,[95] Platão descreve king e muitos outros.[102]
o demiurgo como uma figura neutra (não-dualista), indi-
ferente ao bem ou ao mal,[96] Gödel, responsável por alguns dos mais importantes re-
sultados da lógica matemática do século XX, por exem-
plo, foi um platonista da velha escola que, como Platão,
acreditava na existência independente de formas mate-
10.4 Legado máticas que ele identificou aos conceitos matemáticos,
como os de conjuntos, número real etc.[103]
Apesar de sua popularidade ter flutuado ao longo dos
Leo Strauss é considerado por alguns como o princi-
anos, as obras de Platão nunca ficaram sem leitores, desde
[97] pal pensador envolvido na recuperação do pensamento
o tempo em que foram escritas. O pensamento de Pla-
platônico em sua forma mais política e menos metafí-
tão é muitas vezes comparado com a de seu aluno mais
sica. Profundamente influenciado por Nietzsche e Hei-
famoso, Aristóteles, cuja reputação, durante a Idade Mé-
degger, Strauss, no entanto, rejeita a condenação de Pla-
dia ocidental, eclipsou tão completamente a reputação de
tão e olha para seus diálogos como uma solução para o
Platão que os filósofos escolásticos referiam-se a Aristó-
que todos os três pensadores reconhecem como “a crise
teles como “o Filósofo”. No entanto, no Império Bizan-
do Ocidente”.[104] Ele também era contra a disseminação
tino, o estudo de Platão continuou.
maciça do conhecimento baseando-se em Platão, já que
Os filósofos escolásticos medievais não tinham acesso as pessoas não tendo a vocação para lidar com a verdade,
à maioria das obras de Platão, nem o conhecimento de apoiariam propostas antiéticas.[105]
grego necessário para lê-los. Os escritos originais de Pla-
Hobbes considerou Platão como o melhor filósofo da An-
tão estavam essencialmente perdidos para a civilização
tiguidade clássica, pela razão de sua filosofia ter como
ocidental, até que foram trazidos de Constantinopla no
como ponto de partida ideias, enquanto que Aristóteles
século de sua queda, por Gemisto Pletão. Acredita-se
partia de palavras. Para Hobbes, Platão estaria apto a
que Pletão passou uma cópia dos diálogos platônicos para
elaborar uma filosofia política por evitar conclusões fala-
Cosme de Médici em 1438/39 durante o Conselho de
[98] ciosas acerca do “o que é", “o que foi”, “o que deveria
Ferrara, quando foi chamado para unificar as Igrejas
ser”.[106][107]
grega e latina e então foi transferido para Florença onde
fez uma palestra sobre a relação e as diferenças de Pla- No século XX, os metafísicos René Guénon e Frithjof
tão e Aristóteles; assim, Pletão teria influenciado Cosme Schuon, foram dois influentes autores que re-elaboraram
com seu entusiasmo.[99] e atualizaram em linguagem contemporânea o pensa-
36 CAPÍTULO 10. PLATÃO

mento universal e perene de Platão, por eles visto como [2] Diógenes Laércio , Vida de Platão, III
um eminente representante da Filosofia Perene. Nos li-
[3] D. Nails, “Ariston”, 54 (em inglês)
vros de ambos, como em A Crise do Mundo Moderno e
O Reino da Quantidade, de Guénon, e A Unidade Trans- [4] «Plato». Suda
cendente das Religiões[108] , Forma e Substância nas Reli-
gões[109] e O Homem no Universo, de Schuon, as ideias de [5] Diógenes Laércio, Vida de Platão, II
Platão são expostas e discutidas em profundidade. [6] F.W. Nietzsche, Werke, 32 (em alemão)

[7] T. Browne, Pseudodoxia Epidemica, XII (em inglês)


10.5 Notas [8] D. Nails, The Life of Plato of Athens, 1 (em inglês)

[1] Diógenes Laércio menciona que Platão “nasceu, segundo [9] U. von Wilamowitz-Moellendorff, Plato, 46
alguns escritores, em Egina, na casa de Fidíades, filho de [10] «Plato». Encyclopaedia Britannica. 2002 (em inglês)
Tales”. Diógenes menciona como uma de suas fontes a
História Universal de Favorino. De acordo com Favorino, [11] Diógenes Laércio, Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres,
Aristão, pai de Platão, e sua família, foram enviados por Livro III, Vida de Platão, 5
Atenas para fixarem-se como clerúquios (colonos man-
tendo sua cidadania ateniense) na ilha de Egina, de onde [12] Sharma, R. N. (1991). Plato: An Interdisciplinary Pers-
foram expulsos pelos espartanos após Platão nascer lá.[2] pective. [S.l.]: Atlantic Publishers & Distri. pp. 163–164
Nails indica, no entanto, que não há registro de qualquer
[13] Diógenes Laércio, Vida de Platãoo, I
expulsão de atenienses de Aegina por parte dos esparta-
nos entre 431 e 411 a.C.[3] Por outro lado, no Tratado de [14] W. K. C. Guthrie, A History of Greek Philosophy', IV, 10
Nicias, Egina foi silenciosamente deixada sob o controle * A.E. Taylor, Plato, xiv (em inglês)
de Atenas, e não foi até o verão de 411 a.C. que os espar- * U. von Wilamowitz-Moellendorff, Plato, 47
tanos invadiram a ilha. Egina é considerada como o local
de nascimento de Platão também segunda a Suda.[4] [15] Plato, Republic, 2.368a
* U. von Wilamowitz-Moellendorff, Plato, 47
[2] O gramático Apolodoro de Atenas argumenta, nas suas
Crônicas, que Platão nasceu no primeiro ano da 88ª [16] Xenofonte, Memorabilia, 3.6.1 (em inglês)
Olimpíada (427 a.C.), no sétimo dia do mês de Targé-
lion; de acordo com esta tradição, o deus Apolo teria [17] Neel Burton. O Mundo de Platão. Pensamento; 2013.
nascido neste dia.[5] De acordo com outro biógrafo seu, ISBN 978-85-316-1250-3. p. 38.
Neantes, Platão teria 84 anos de idade ao morrer.[5] De [18] D. Nails, “Ariston”, 53 (em inglês)
acordo com a versão de Neantes, Platão era seis anos * A.E. Taylor, Plato, xiv (em inglês)
mais novo que Isócrates, e teria portanto nascido no se-
gundo ano da 87ª Olimpíada, ano da morte de Péricles [19] Platãoo, Cármides, 158a
(429 a.C.).[6] De acordo com a Suda, Platão teria nascido * D. Nails, “Perictione”, 53 (em inglês)
em Egina, na 88ª Olimpíada, em meio à fase preliminar
da Guerra do Peloponeso, e teria vivido 82 anos.[4] Para [20] Plato, Cármides, 158a
o estudioso inglês do século XVI, sir Thomas Browne, * Plutarch, Pericles, IV
Platão teria nascido de fato na 88ª Olimpíada;[7] o céle-
[21] W. K. C. Guthrie, A History of Greek Philosophy, IV, 11
bre platonista do Renascimento celebrava o nascimento de
(em inglês)
Platão no dia 7 de novembro.[8] Já para o filólogo alemão
Ulrich von Wilamowitz-Moellendorff, Platão teria nas- [22] C.H. Kahn, Plato and the Socratic Dialogue, 186< (em
cido quando Diótimos era arconte epônimo, mais espe- inglês)
cificamente entre 29 de julho de 428 a.C. e 24 de julho
de 427 a.C.[9] O filólogo grego acredita que o filósofo te- [23] Diógenes Laércio, Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres,
ria nascido em 26 ou 27 de maio de 427 a.C., enquanto o Livro III, Vida de Platão, 1
filósofo britânico Jonathan Barnes estipula 428 a.C. como
o ano de nascimento de Platão.[10] Já a filósofa americana [24] Bertrand Russell; Laura Alves (2004). História do Pen-
Debra Nails alega que Platão teria nascido em 424/423 samento Ocident. [S.l.]: Ediouro Publicações. pp. 85–.
a.C.[8] ISBN 978-85-00-01355-3

[3] Ou fora forçado a desembarcar em Egina que se encon- [25] Apolodoro, citado por Diógenes Laércio, Vidas e doutri-
trava em Guerra com Atenas e Platão tenha sido detido nas dos filósofos ilustres, Livro III, Vida de Platão, 2
como escravo
[26] Hermippus, citado por Diógenes Laércio, Vidas e doutri-
nas dos filósofos ilustres, Livro III, Vida de Platão, 2

10.6 Referências [27] Debra Nails (2002). The people of Plato: a prosopography
of Plato and other Socratics. [S.l.]: Hackett Publishing. p.
247. ISBN 978-1-60384-403-1 (em inglês)
[1] Diógenes Laércio 3.4; p. 21, David Sedley, Plato’s Craty-
lus, Cambridge University Press 2003. (em inglês) [28] Diógenes Laércio, Vida de Platão, IV
10.6. REFERÊNCIAS 37

[29] Diógenes Laércio, Vida de Platão, IV alemão); Helmut Berve: Dion, Wiesbaden 1957, S. 760;
* A. Notopoulos, The Name of Plato, 135 Karl Friedrich Stroheker: Dionysios I. Gestalt und Geschi-
chte des Tyrannen von Syrakus, Wiesbaden 1958, S. 105
[30] Leonardo Taran (2001). Collected Papers, 1962-1999. (em alemão); William K. C. Guthrie: A History of Greek
[S.l.]: BRILL. pp. 60 – 61. ISBN 978-90-04-12304-5 Philosophy, Bd. 4, Cambridge 1975, S. 18 f.; Michael
Erler: Platon, Basel 2007, S. 50 f.; Alice Swift Riginos:
[31] W. K. C. Guthrie; William Keith Chambers Guthrie (24
Platonica, Leiden 1976, S. 86–92. (em inglês)
de abril de 1986). A History of Greek Philosophy: Vo-
lume 4, Plato: The Man and His Dialogues: Earlier Pe- [48] Karl Friedrich Stroheker, Dionysios I. Gestalt und Geschi-
riod. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 12. ISBN chte des Tyrannen von Syrakus, Wiesbaden 1958, S. 100–
978-0-521-31101-4 (em inglês) 105 (em alemão); Helmut Berve, Dion, Wiesbaden 1957,
[32] Jayme Paviani. As fontes do humanismo latino: da an- S. 19 f. (em alemão); Kai Trampedach, Platon, die Akade-
tigüidade à renascença. [S.l.]: EDIPUCRS. p. 53. ISBN mie und die zeitgenössische Politik, Stuttgart 1994, S. 105.
978-85-7430-401-4 (em alemão)

[33] Apuleio,de Dogmate Platonis, 2 [49] Gail Fine (13 de agosto de 2008). The Oxford Hand-
book of Plato (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press,
[34] Diógenes Laércio , Vida de Platão, IV USA. p. 64. ISBN 978-0-19-518290-3
* W. Smith, Plato, 393
[50] Kai Trampedach: Platon, die Akademie und die zeitgenös-
[35] Diógenes Laércio, Vida de Platão, V sische Politik, Stuttgart 1994, S. 106; Michael Erler: Pla-
ton, Basel 2007, S. 50; Alice Swift Riginos: Platonica,
[36] Aristóteles, Metaphysics, 1.987a Leiden 1976, S. 74–85. (em alemão)
[37] Platão, Sétima Carta, 324d–325a.
[51] Giovanni Reale (2008). História da filosofia antiga III - Os
[38] Platão, Sétima Carta, 325b–326b. sistemas da era helenística. [S.l.]: Loyola. p. 75. ISBN
978-85-15-00848-3
[39] Diógenes Laércio, III, 6-7
[52] JAYME PAVIANI. As fontes do humanismo latino: da
[40] “Das viagens a Cirene e ao Egito, não temos confirmação antigüidade à renascença. [S.l.]: EDIPUCRS. p. 54.
na Sétima Carta, enquanto sabemos com certeza da via- ISBN 978-85-7430-401-4
gem à Itália, em 399 a.C. e em torno aos quarenta anos,
e das viagens sucessivas.” REALE, Giovanni. História da [53] Hugh H. Benson. Platão. [S.l.]: Artmed. p. 24. ISBN
filosofia grega e romana - Platão. [S.l.]: LOYOLA. p. 8. 978-85-363-2474-6
ISBN 978-85-15-03304-1
[54] Bertrand Russell; Laura Alves (2004). História do Pensa-
[41] W. K. C. Guthrie (1975). A History of Greek Philosophy. mento Ocident. [S.l.]: Ediouro Publicações. p. 88. ISBN
IV, Plato: The Man and His Dialogues : Earlier Period. 978-85-00-01355-3
[S.l.]: Cambridge University Press. pp. 14–16. ISBN
978-0-521-20002-8 [55] Zu diesen Vorgängen siehe Helmut Berve: Dion, Wiesba-
den 1957, S. 45–47. (em alemão)
[42] JAYME PAVIANI (2008). Platão & a Educação. [S.l.]:
Distribuidora Autentica LTDA. p. 87. ISBN 978-85- [56] O fato é que não havia união entre os gregos, dividiso em
65381-95-6 numerosas cidades ciosas de sua independência. Editor
Gamal Mokhtar (2010). História Geral da África – Vol.
[43] Carl Huffman (23 de maio de 2005). Archytas of Taren- II – África antiga. [S.l.]: UNESCO. p. 490. ISBN 978-
tum: Pythagorean, Philosopher and Mathematician King. 85-7652-124-2
[S.l.]: Cambridge University Press. p. 3. ISBN 978-1-
139-44407-1 (em inglês) [57] Platão, Sétima Carta, 351 d - e

[44] “O espetáculo da luxúria e da desordem que reinava nas [58] Diálogos. [S.l.]: Universidade Federal do Pará. 1980. p.
cidades gregas reforça suas convicções, que ele consguiu 9
comparilhar com um jovem importante, Dion, cunhado
de Dionísio II, o tirano de Siracusa."PEIXOTO, Miriam [59] “Foi enterrado no jardim da Academia"JORGE THUMS.
Campolina Diniz. Filosofia e política. [S.l.]: LOYOLA. Ética na Educação Filosofia e Valores na Escola. [S.l.]:
p. 31. ISBN 978-85-15-02935-8 Editora da ULBRA. p. 176. ISBN 978-85-7528-082-9

[45] REALE, Giovanni. História da filosofia grega e romana - [60] Bernard Arthur Owen Williams (2000). Platão. [S.l.]:
Platão. [S.l.]: LOYOLA. p. 8. ISBN 978-85-15-03304-1 Unesp. p. 8. ISBN 978-85-7139-279-3

[46] Diógenes Laércio, III, 20 [61] Christoph Horn; Jörn Müller; Joachim Roland Söder
(2009). Platon-Handbuch: Leben, Werk, Wirkung (em
[47] Eine Zusammenstellung der Quellenzeugnisse und grün- alemão). [S.l.]: Metzler. pp. 19–59. ISBN 978-3-476-
dliche Untersuchung bietet Konrad Gaiser: Der Ruhm 02193-9
des Annikeris. In: Konrad Gaiser: Gesammelte Schriften,
Sankt Augustin 2004, S. 597–616. Siehe auch Hermann [62] Der Neue Pauly Bd. 9, Stuttgart 2000, Sp. 1097–1100.
Breitenbach, Platon und Dion, Zürich 1960, S. 15 f. (em (em alemão)
38 CAPÍTULO 10. PLATÃO

[63] Diógenes Laércio, “A vida dos filósofos”, 3,56,7 [81] Jayme Paviani (2001). Filosofia e método em Platão.
[S.l.]: EDIPUCRS. p. 13. ISBN 978-85-7430-234-8
[64] Edward Moore (1 de janeiro de 2007). Plato. [S.l.]:
Humanities-Ebooks. p. 46. GGKEY:EGRH91XZFLA [82] Blackburn, Simon. 1996. The Oxford Dictionary of Phi-
(em inglês) losophy. Oxford: Oxford University Press, p. 104
[65] Telmo Brentano (2004). Leituras de Platão. [S.l.]: EDI- [83] Blackburn, Oxford Dictionary of Philosophy, 104
PUCRS. p. 23. ISBN 978-85-7430-398-7
[84] Popper, K. (1962) The Open Society and its Enemies, Vo-
[66] José Mauricio de Carvalho (2008). Estudos de Filosofia lume 1, London, Routledge, p. 133.
Clínica. [S.l.]: IBPEX. p. 69. ISBN 978-85-7838-056-4
[85] Platão, República 433–434.
[67] Gabriele Giannantoni (1990). Socratis et Socraticorum re-
liquiae (em italiano). [S.l.]: Bibliopolis. ISBN 978-88- [86] Paula Fernandes Lopes. A ética platônica: modelo de ética
7088-215-5 da boa vida. Ed. Loyola; 2005. ISBN 978-85-15-03154-
[68] Delmar Cardoso (2006). A alma como centro do filosofar 2. p. 52.
de Platão: uma leitura concêntrica do Fedro à luz da in-
[87] Platão, República 144–145 e 276.
terpretação de Franco Trabattoni. [S.l.]: Edições Loyola.
p. 42. ISBN 978-85-15-03376-8. Consultado em 1 de [88] Sérgio Luiz Junkes. Defensoria Pública e o Princípio da
junho de 2013 Justiça Social - Atualizado de acordo com a Emenda Cons-
titucional 45, de 31/12/2004. Jurua Editora; 2005. ISBN
[69] “Não menos se aproximou de um esclarecimento a ques-
978-85-362-0916-6. p. 23.
tão da cronologia relativa dos diálogos graças às inves-
tigações com base no estilo(...)" VITTORIO HOSLE.
[89] Nicholas Campion (2012). Astrology and Cosmology in
Interpretar Platão. [S.l.]: LOYOLA. p. 23. ISBN 978-
the World’s Religions. [S.l.]: NYU Press. p. 152. ISBN
85-15-03529-8
978-0-8147-0842-2
[70] Michael Cormack (2006). Plato’s Stepping Stones: De-
[90] T.M. Robinson (janeiro 1995). A psicologia de Platão.
grees of Moral Virtue. [S.l.]: Continuum International
[S.l.]: Edicoes Loyola. p. 102. ISBN 978-0-8020-7590-
Publishing Group. p. 8. ISBN 978-1-84714-441-6 (em
1
inglês)

[71] REALE, Giovanni. História da filosofia grega e romana - [91] Saul Fisher (2005). Pierre Gassendi’s Philosophy And Sci-
Platão. [S.l.]: LOYOLA. p. 58. ISBN 978-85-15-03304- ence: Atomism for Empiricists. [S.l.]: BRILL. p. 250.
1 ISBN 978-90-04-11996-3

[72] Platão, Platão. A Republica. [S.l.: s.n.] 34 páginas [92] “O conceito de demiurgo orgina-se na obra Timeu de Pla-
tão, onde é apenas um deus criador(...)"Andrew Phillip
[73] Jayme Paviani. Platão & A República. [S.l.]: Zahar. p. Smith (2009). A Dictionary of Gnosticism. [S.l.]: Quest
38. ISBN 978-85-378-0483-4 Books. p. 69. ISBN 978-0-8356-0869-5
[74] “E não é verdade que, enquanto as coisas mutáveis po- [93] Platão, Timeu, 29
demos ver, tocálas ou percebê-las com os outros sentidos
corpóreos, aquelas que permanecem imutáveis não pos- [94] Platão, Timeu, 46,68
suem outro meio com o qual se podem captar, senão com
o puro raciocínio e com a mente, porque estas coisas são [95] “Tudo que é bom é belo, e o que é belo não é isento de
invisíveis e não podem ser captadas com a vista?"Platão, medida”, Platão, Timeu, 30, 31
República, 514a-516c
[96] “A filosofia patrística (e depois escolástica) carregou a fi-
[75] REALE, Giovanni. História da filosofia grega e romana - gura do Demiurgo de valências que não existem no texto
Platão. [S.l.]: LOYOLA. p. 61. ISBN 978-85-15-03304- platônico(...)" REALE, Giovanni. Para uma nova inter-
1 pretação de Platão. [S.l.]: LOYOLA. p. 518. ISBN 978-
85-15-01490-3
[76] Platão, República, 514a-516c
[97] John M. Cooper, “Introduction” in Plato: Complete Works
[77] Fine, G., “Introduction” in Plato on Knowledge and Forms:
(Hackett, 1997), p. vii.
Selected Essays (Oxford University Press, 2003), p. 5.
[98] “Ali, Gemisto Pletho realizou as célebres palestras que
[78] McDowell, J., Plato: Theaetetus (Oxford University Press,
terminaram com o reinado de Aristóteles na filosofia eu-
1973), p. 230.
ropéia e entronizaram Platão como quase um deus.” A Re-
[79] Luis Carreto. Aristóteles para executivos – As repostas da nascenca. Editora Record; ISBN 978-85-01-28825-7. p.
filosofia para a gestão empresarial. [S.l.]: GLOBO. p. 65.
110. ISBN 978-85-250-4498-3
[99] D. F. Lackner, “The Camaldolese Academy: Ambro-
[80] Fine, G., “Knowledge and Logos in the Theaetetus", Phi- gio Traversari, Marsilio Ficino and the Christian Platonic
losophical Review, vol. 88, no. 3 (July, 1979), p. 366. Tradition” in Allen and Rees (eds.), Marsilio Ficino: His
Reprinted in Fine (2003). Theology, His Philosophy, His Legacy (Brill, 2001), p. 24.
10.7. LIGAÇÕES EXTERNAS 39

[100] See: Burrell, D., “Platonism in Islamic Philosophy” in the • Jayme Paviani (2001). Filosofia e método em Platão.
Routledge Encyclopedia of Philosophy (Routledge, 1998); [S.l.]: EDIPUCRS. ISBN 978-85-7430-234-8
D. N. Hasse, “Plato arabico-latinus” in Gersh and Hoenen
(eds.), The Platonic Tradition (De Gruyter , 2002), pp. • José Ferrater Mora (2001). Dicionário de filosofia.
33-45. 4. (Q - Z). [S.l.]: Loyola. ISBN 978-85-15-02004-1
[101] Boyer, Carl B. (1991). «The age of Plato and Aristotle». • REALE, Giovanni. História da filosofia grega e ro-
A History of Mathematics Second ed. [S.l.]: John Wiley mana - Platão. [S.l.]: Loyola. ISBN 978-85-15-
& Sons, Inc. p. 86. ISBN 0-471-54397-7. Platão é im- 03304-1
portante na história da matemática, em grande parte por
seu papel como inspirador e diretor dos outros, e talvez a
ele se deve a distinção nítida na Grécia antiga entre arit- Em inglês
mética (no sentido da teoria dos números) e logística (a
técnica de computação). Platão considerava a logística, • Browne, Sir Thomas (1646-1672). Pseudodoxia
apropriada para o empresário, para o homem da guerra, Epidemica. IV.xii. [S.l.: s.n.]
“tem de aprender a arte de números, ou ele não vai saber
como reunir suas tropas.” O filósofo, por outro lado, deve • Guthrie, W.K.C. (1986). A History of Greek Phi-
ser um aritmético”, porque ele tem que emergir do mar de losophy: Volume 4, Plato: The Man and His Dialo-
mudança e lançar mão do verdadeiro ser.” gues: Earlier Period. [S.l.]: Cambridge University
Press. ISBN 0-521-31101-2
[102] Hans-Dieter Mutschler. Naturphilosophie. Edicoes
Loyola; 2002. ISBN 978-3-17-016814-5. p. 105. • Kahn, Charles H. (2004). «The Framework». Plato
and the socratic dialogue: The Philosophical Use of a
[103] Jairo José da Silva. Filosofias da matemática. UNESP;
2007. ISBN 978-85-7139-751-4. p. 69. Literary Form. [S.l.]: Cambridge University Press.
ISBN 0-521-64830-0
[104] Leo Strauss. Studies in Platonic Political Philosophy. Uni-
versity of Chicago Press; ISBN 978-0-226-77700-9. • Nails, Debra (2006). «The Life of Plato of Athens».
In: Hugh H. Benson. A Companion to Plato. [S.l.]:
[105] Leo Strauss’ Philosophy of Deception Blackwell Publishing. ISBN 1-405-11521-1
[106] Strauss, 1936, p. 139-141 • Nails, Debra (2002). «Ariston/Perictione». The Pe-
ople of Plato: A Prosopography of Plato and Other
[107] Lier Pires Ferreira; Vladimyr Lombardo Jorge; Ricardo
Guanabara. Curso de Ciencia Politica - Grandes Autores.
Socratics. [S.l.]: Hackett Publishing. ISBN 0-872-
CAMPUS; 2008. ISBN 978-85-352-3161-8. p. 69. 20564-9

[108] São Paulo: IRGET, 2012. • Nietzsche, Friedrich Wilhelm (1967). «Vorlesung-
saufzeichnungen». Werke: Kritische Gesamtausgabe
[109] São José dos Campos: Sapientia, 2010. (em alemão). [S.l.]: Walter de Gruyter. ISBN 3-
110-13912-X

10.6.1 Bibliografia • Notopoulos, A. (abril de 1939). «The Name of


Plato». The University of Chicago Press. Classical
Em português Philology. 34 (2): 135–145. doi:10.1086/362227
• «Plato». Encyclopaedia Britannica. 2002
• Bryan Magee (1999). Historia da Filosofía. [S.l.]:
Loyola. p. 24. ISBN 978-85-15-01929-8 • «Plato». Encyclopaedic Dictionary The Helios Vo-
lume XVI (in Greek). 1952
• Bernard Arthur Owen Williams (2000). Platão.
[S.l.]: Unesp. ISBN 978-85-7139-279-3 • «Plato». Suda. século X

• Hare, R. M. Platão. [S.l.]: Loyola. ISBN 978-85-


15-02064-5
10.7 Ligações externas
• Hugh H. Benson. Platão. [S.l.]: Artmed. ISBN
978-85-363-2474-6 • Acervo Digital da UNESP - Platão

• GOLDSCHMIDT, Victor (2002). Diálogos de Pla-


• ¤ Não é da autoria de Platão segundo a maioria dos
tão (Os). [S.l.]: Loyola. ISBN 978-85-15-02161-1
estudiosos
• Bento Silva Santos (1999). A imortalidade de alma • † Não é geralmente aceito pelos estudiosos
no Fédon de Platão: coerência e legitimidade do
argumento final (102a-107b). [S.l.]: EDIPUCRS. • ‡ Somente trechos têm a autoria comprovada
ISBN 978-85-7430-040-5
Capítulo 11

Aristóteles

Nota: Para a cratera da Lua, veja Aristóteles Segundo a compilação bizantina Suda, Aristóteles era
(cratera). descendente de Nicômaco, filho de Macaão, filho de
Esculápio.[5]
Aristóteles (em grego clássico: Ἀριστοτέλης; transl.: Com cerca de 16 ou 17 anos partiu para Atenas, maior
Aristotélēs; Estagira, 384 a.C. — Atenas, 322 a.C.) foi um centro intelectual e artístico da Grécia. Como muitos ou-
filósofo grego, aluno de Platão e professor de Alexandre, tros jovens da época, foi para lá prosseguir os estudos.
o Grande.[2] Seus escritos abrangem diversos assuntos, Duas grandes instituições disputavam a preferência dos
como a física, a metafísica, as leis da poesia e do drama, jovens: a escola de Isócrates, que visava preparar o aluno
a música, a lógica, a retórica, o governo, a ética, a biologia para a vida política, e Platão e sua Academia, com pre-
e a zoologia. Juntamente com Platão e Sócrates (profes- ferência à ciência (episteme) como fundamento da rea-
sor de Platão), Aristóteles é visto como um dos funda- lidade. Apesar do aviso de que, quem não conhecesse
dores da filosofia ocidental. Em 343 a.C. torna-se tutor Geometria ali não deveria entrar, Aristóteles decidiu-se
de Alexandre da Macedónia, na época com treze anos de pela academia platônica e nela permaneceu vinte anos,
idade, que será o mais célebre conquistador do mundo an- até a morte de Platão,[6] , no primeiro ano da 108a olim-
tigo. Em 335 a.C. Alexandre assume o trono e Aristóteles píada (348 a.C.).[7]
volta para Atenas onde funda o Liceu. Em 347 com a morte de Platão, a direção da Academia
passa a Espeusipo[6][7] que começou a dar ao estudo aca-
dêmico da filosofia um viés matemático que Aristóteles
11.1 Vida (segundo opinião geral, um não-matemático) considerou
inadequado[8] , assim Aristóteles deixa Atenas e se dirige,
provavelmente, primeiro a Atarneu convidado pelo tirano
Hérmias e em seguida a Assos, cidade que fora doada
pelo tirano aos platônicos Erasto e Corisco, pelas boas
leis que lhe haviam preparado e que obtiveram grande
sucesso.[9]
Durante 347 a.C e 345 a.C, dirige uma escola em As-
sos, junto com Xenócrates, Erasto e Corisco e depois em
345/344 a.C. conhece Teofrasto e com sua colaboração
dirige uma escola em Mitilene, na ilha de Lesbos e lá se
casa com Pítias, neta de Hérmias , com quem teve uma fi-
lha, também chamada Pítias e Nicômaco.[10] Em 343/342
a.C Filipe II escolhe Aristóteles como educador de seu fi-
lho Alexandre, então com treze anos.[11] , por intercessão
de Hérmias[9]
Pouco se sabe sobre o período da vida de Aristóteles entre
Aristóteles ensinando Alexandre, o Grande gravura de Charles 341 a.C e 335 a.C, ainda que se questiona o período de
Laplante tempo da tutela de Alexandre, alguns estimam em apenas
dois ou três anos e outros em sete ou oito anos.[12][13]
Aristóteles era natural de Estagira, na Trácia,[3] sendo
Em 335 a.C. Aristóteles funda sua própria escola em
filho de Nicômaco, amigo e médico pessoal do rei
Atenas, em uma área de exercício público dedicado ao
macedônio Amintas III, pai de Filipe II.[4] É provável que
deus Apolo Lykeios, daí o nome Liceu.[14] Os filiados
o interesse de Aristóteles por biologia e fisiologia decorra
da escola de Aristóteles mais tarde foram chamados de
da atividade médica exercida pelo pai e pelo tio, e que
peripatéticos.[15] Os membros do Liceu realizavam pes-
remontava há dez gerações.

40
11.2. CAMPOS DE ESTUDO 41

quisas em uma ampla gama de assuntos, os quais eram de 11.2.1 Lógica


interesse do próprio Aristóteles: botânica, biologia, ló-
gica, música, matemática, astronomia, medicina, cosmo- A Lógica de Aristóteles, que ocupa seis de suas primeiras
logia, física, história da filosofia, metafísica, psicologia, obras, constitui o exemplo mais sistemático de filosofia
ética, teologia, retórica, história política, do governo e da em dois mil anos de história. Sua premissa principal en-
teoria política, retórica e as artes. Em todas essas áreas, o volve uma teoria de caráter semântico desenvolvida por
Liceu coletou manuscritos e assim, de acordo com alguns ele para servir de estrutura para a compreensão da vera-
relatos antigos, se criou a primeira grande biblioteca da cidade de proposições. Foi por meio de sua lógica que se
antiguidade.[16] estabeleceu a primazia da lógica dedutiva.[23] .
Em 323 a.C, morre Alexandre e em Atenas começa uma Aristóteles sistematizou a lógica, definindo as formas de
forte reação antimacedônica, em 322 a.C. por causa de interferência que eram válidas e as que não eram - em
sua ligação com Alexandre, Aristóteles foge de Atenas outras palavras, aquilo que realmente decorre de algo e
e se dirige a Cálcides, onde sua mãe tinha uma casa, aquilo que só aparentemente decorre; e deu nomes a to-
explicando, “Eu não vou permitir que os atenienses pe- das essas diferentes formas de interferências. Por dois
quem duas vezes contra a filosofia”[17][18] > uma referên- mil anos, estudar lógica, significou estudar a lógica de
cia ao julgamento de Sócrates em Atenas. Ele mor- Aristóteles.[24]
reu em Cálcis, na ilha Eubeia de causas naturais na-
A lógica, como disciplina intelectual, foi criada no século
quele ano.[1] Aristóteles nomeou como chefe executivo
IV a.C. por Aristóteles.[25] Sua teoria do silogismo cons-
seu aluno Antípatro e deixou um testamento em que pe-
titui o cerne de sua lógica e através dela tenta caracterizar
diu para ser enterrado ao lado de sua esposa.[19]
as formas de silogismo e determinar quais deles são vá-
lidas e quais não, o que conseguiu com bastante sucesso.
Como primeiro passo no desenvolvimento da lógica, a te-
oria do silogismo foi extremamente importante.[25]
11.2 Campos de estudo
11.2.2 Física

Aristóteles não reconhecia a ideia de inércia, ele imagi-


nou que as leis que regiam os movimentos celestes eram
muito diferentes daquelas que regiam os movimentos na
superfície da Terra, além de ver o movimento vertical
como natural, enquanto o movimento horizontal requere-
ria uma força de sustentação.[26] Ainda sobre movimento
e inércia, Aristóteles afirmou que o movimento é uma
mudança de lugar e exige sempre uma causa, o repouso e
o movimento são dois fenômenos físicos totalmente dis-
Em 335 a.C. Aristóteles funda sua própria escola em Atenas, em
uma área de exercício público dedicado ao deus Apolo Lykeios, tintos, o primeiro
[10]
sendo irredutível a um caso particular
daí o nome Liceu.[14] A escola de Aristóteles, afresco de Gustav do segundo. No livro II, Do Céu, ele afirma explicita-
Adolph Spangenberg, 1883-1888 mente que quando um objeto se desloca para seu estado
natural o movimento não é causado por uma força, assim
ele afirma que o movimento daquilo que está no processo
A filosofia de Aristóteles dominou verdadeiramente o de locomoção é circular, retilíneo ou uma combinação
pensamento europeu a partir do século XII[20] . A revo- dos dois tipos.[20]
lução científica iniciou-se no século XVI e somente onde
a filosofia aristotélica foi dominante é que sobreveio uma
revolução científica.[21] 11.2.3 Óptica
As afirmações científicas de Aristóteles são totalmente
desmentidas nos dias de hoje e a principal razão disso éNa época de Aristóteles, a óptica matemática era ainda
que nos séculos XVI e XVII os cientistas aplicaram mé- uma disciplina nova, contrariamente às outras matemáti-
todos quantitativos ao estudo da natureza inanimada, as-cas e especialmente à geometria, ele faz recorrentes re-
sim a Física e a Química de Aristóteles são irremediavel-
ferências à cor, à sua “unidade” e à sua constituição, nos
mente inadequadas em comparação com os trabalhos dos mesmos contextos em que se fala de outros setores do
novos cientistas.[10] real que pertencem a outras ciências matemáticas, e do
[27]
Apesar do alcance abrangente que as obras de Aristóte- que neles é unidade.
les gozaram tradicionalmente, os acadêmicos modernos Aristóteles fez objeções à teoria de Empédocles e ao mo-
questionam a autenticidade de uma parte considerável do delo de Platão que considerava que a visão era produzida
Corpus aristotelicum.[22] por raios que se originavam no olho e que colidiam com
42 CAPÍTULO 11. ARISTÓTELES

os objetos então sendo visualizados. Ao refutar as teorias seria quando ele se tornasse ouro.[10]
então conhecidas, ele formulou e fundamentou uma nova
teoria, a teoria da transparência: a luz era essencialmente
a qualidade acidental dos corpos transparentes, revelada 11.2.5 Astronomia
pelo fogo.[28]
Aristóteles concorda com seu mestre (Platão) em con-
Aristóteles sugeria que a óptica contempla uma teoria
siderar a astronomia uma ciência matemática em sen-
matemático-quantitativa da cor, que corresponde a uma
tido pleno, não menos do que a geometria, ele também
teoria da medição da luz, assim ele afirma que a luz não
concordava que os movimentos estudados pela astrono-
era uma coisa material mas a qualidade que caracterizava
mia, como diz a A República, não se percebem “com a
a condição ou o estado de transparência: “Uma coisa se
vista”.[27]
diz invisível porque não tem cor alguma, ou a tem so-
mente em grau fraco” [29] O cosmos aristotélico é apresentado como uma esfera gi-
gantesca, porém finita, à qual se prendiam as estrelas, e
dentro da qual se verificava uma rigorosa subordinação de
11.2.4 Química outras esferas, que pertenciam aos planetas então conhe-
cidos e que giravam em torno da Terra, que se manteria
imóvel no centro do sistema (sistema geocêntrico).[31]

11.2.6 Biologia
FOGO
Considerado o fundador das ciências como uma disci-
TE

SE
EN

plina, Aristóteles deixou obras naturalistas como Histó-


CO
QU

ria dos Animais, As partes dos animais, A geração dos


animais e opúsculos como Marcha dos animais, Movi-
mentos dos animais e Pequeno tratado de história natu-
AR TERRA
ral e muitas outras obras sobre anatomia e botânica que
se perderam e tratavam sobre o estudo de cerca de 400
animais que buscou classificar, tendo dissecado e cerca
de 50 deles. Também realizou observações anatômicas,
ÚM

IO

embriológicas e etológicas detalhadas de animais terres-


FR
ID
O

ÁGUA tres e aquáticos (moluscos e peixes), fez observações so-


bre cetáceos e morcegos. Embora suas conclusões sejam
muitas vezes equivocadas atualmente, sua obra não deixa
de ser notável.[32] Seus escritos de biologia e zoologia cor-
respondem a mais de uma quinta parte de sua obra, nelas
Os quatro elementos fundamentais segundo Aristóteles trabalha sobre a noção de animal, a reprodução, a fisiolo-
gia e a classificação.[33]
Enquanto Platão, seu mestre, acreditava na existência de
Segundo alguns cientistas da atualidade, Aristóteles teria
átomos dotados de formas geométricas diversas, Aristó-
“descoberto” o DNA, por ele identificar a forma, isto é, o
teles negava a existência das partículas e considerava que
eidos preexistente no pai que é reproduzido na prole.[34]
o espaço estava cheio de continuum, um material divisível
ao infinito.[10] Aristóteles foi quem iniciou os estudos científicos docu-
mentados sobre peixes sendo o precursor da ictiologia
Sua obra Meteorologia, sintetiza suas ideias sobre maté-
(a ciência que estuda os peixes), catalogou mais de
ria e química, usando as quatro qualidades da matéria
cem espécies de peixes marinhos e descreveu seu com-
e os quatro elementos, ele desenvolveu explicações ló-
portamento. É considerado como elemento histórico
gicas para explicar várias de suas observações da natu-
da evolução da piscicultura e da aquariofilia,[35] sepa-
reza. Para Aristóteles a matéria seria formada, não a par-
rou mamíferos aquáticos de peixes e sabia que tubarões
tir de um único, mas por quatro elementos: terra, água,
e raias faziam parte de grupo que chamou de Selachē
ar e fogo, mas existiria sim um substrato único para toda
(Chondrichthyes).[36]
a matéria, mas que seria impossível de isolar - serviria
apenas como um suporte que transmite quatro qualida-
des primárias: quente, frio, seco e úmido.[30] A fundação O papel da mulher
da Alquimia se baseou nos ensinamentos de Aristóteles,
curiosamente ele afirmou que as rochas e minerais cres- A análise sobre a procriação de Aristóteles descreve um
ciam no interior da Terra e, assim com os humanos, os elemento masculino ativo, animante trazendo vida a um
minerais tentavam alcançar um estado de perfeição atra- elemento do sexo feminino inerte e passivo. Por este mo-
vés do processo de crescimento, a perfeição do mineral tivo, as feministas acusam Aristóteles de misoginia[37] e
11.2. CAMPOS DE ESTUDO 43

sexismo.[38] No entanto, Aristóteles deu igual peso para O termo Metafísica não é aristotélico; o que hoje cha-
a felicidade das mulheres assim com dos homens e co- mamos de metafísica era chamado por Aristóteles de
mentou em sua obra A Retórica que uma sociedade não "filosofia primeira”, sendo por isso identificada com a
pode ser feliz a menos que as mulheres também estejam teologia.[10]
felizes. Sobre as mulheres, ainda disse que eram total- Não é fácil discutir a metafísica de Aristóteles, em parte
mente incapazes de serem amigas, e ele com certeza não porque está profusamente espalhada por toda a obra,
esperava que a esposa se relacionasse com o marido em e em parte por certa ausência de uma exposição bem
nível de igualdade.[39] detalhada.[2]

A homossexualidade A Metafísica de Aristóteles é, em essência, uma modifi-


cação da Teoria das ideias de Platão. Grande parte dessa
obra parece uma tentativa de moderar as muitas extra-
Visto não contribuir para a fundação de famílias, Aristó-
vagâncias de Platão. Seus dois principais aspectos são
teles tinha a homossexualidade em conta de desperdício,
a distinção entre o “universal” e a mera “substância” ou
não apenas inútil, mas até perigoso. Porém, isso não sig-
“forma particular” e a distinção entre as três substâncias
nifica que o a condenava sempre em toda parte, ele tomou
diferentes que formar a realidade cada uma com sua es-
em consideração as circunstancia em que era praticada,
sência fundamental.[23]
assim, em Creta, onde havia um problema de superpo-
pulação, a relação entre o mesmo sexo era difundida,[40]
ele propôs que esse tipo de relação fosse regulamentada
11.2.8 Psicologia
e tolerada pelo Estado, a fim de contornar a superpopu-
lação, pois a ilha dispunha de poucos recursos.[41] Em
um fragmento sobre amor físico, embora referindo-se ao Ver também: Da alma (Aristóteles)
tema com indulgência, parece ter feito distinção entre a
homossexualidade congênita anormal e o vício homosse- Na medida em que se ocupa das mais elaboradas entida-
xual adquirido.[42] des naturais, a psicologia foi considerada também o ápice
da filosofia natural de Aristóteles.[43] A palavra psychê
(de que deriva nosso termo psicologia) costumar ser tra-
11.2.7 Metafísica duzida como “alma”, e sob a rubrica psyche Aristóteles de
fato inclui as características dos animais superiores que
pensadores posteriores tendem a associar com a alma.[10]
Objeto geral da psicologia aristotélica é o mundo ani-
mado, isto é, vivente, que tem por princípio a alma e se
distingue essencialmente do mundo inorgânico, pois, o
ser vivo diversamente do ser inorgânico possui interna-
mente o princípio da sua atividade, que é precisamente a
alma, forma do corpo.[44]
Muitas das hipóteses de Aristóteles sobre a natureza da
lembrança e dos esquecimentos deram origem a grande
número de experimentos na área da aprendizagem. Sua
doutrina da associação afirmava que a memória é faci-
litada quer pela semelhança e dessemelhança de um fato
atual e um passado, quer por sua estreita relação no tempo
e espaço.[45]
Sua obra De Anima (Sobre a Alma) trata-se do primeiro
objetivo em larga escala para estudar a psicologia. Mui-
tas das questões que levanta continuam por responder até
hoje, e ainda são objeto de exame.[46] Aristóteles formu-
lou teorias sobre desejos, apetites, dor e prazer, reações e
sentimentos. Sua doutrina da catarse ensinava, por exem-
plo que os temores podem ser transferidos ao herói da tra-
gédia - ideia que muito mais tarde veio formar uma das
teses da psicanálise e da terapia do jogo.[45]
Platão e Aristóteles na Escola de Atenas (1509-1510), fresco de
Rafael Sanzio, na Stanza della Segnatura, nos Museus Vaticanos
11.2.9 Ética
Ver também: Metafísica (Aristóteles)
Ver também: Ética a Nicômaco
44 CAPÍTULO 11. ARISTÓTELES

Alguns veem Aristóteles como o fundador da Ética, o que


se justifica desde que consideremos a Ética como uma
disciplina específica e distinta no corpo das ciências.[47]
Em suas aulas, Aristóteles fez uma análise do agir hu-
mano que marcou decisivamente o modo de pensar oci-
dental. O filósofo ensinava que todo o conhecimento e
todo o trabalho visam a algum bem. O bem é a finali-
dade de toda a ação. A busca do bem é o que difere a
ação humana da de todos os outros animais.[48]
Para Aristóteles, estudamos a ética, a fim de melhorar
nossas vidas e, portanto, sua preocupação principal é a
natureza do bem-estar humano. Aristóteles segue Sócra-
tes e Platão ao dispor as virtudes no centro de uma vida
bem vivida. Como Platão, ele considera as virtudes éti-
cas (justiça, coragem, temperança etc.), como habilida-
des complexas racionais, emocionais e sociais, mas re-
jeita a ideia de Platão de que a formação em ciências e
metafísica é um pré-requisito necessário para um enten-
dimento completo de bem. Segundo ele, o que precisa-
mos, a fim de viver bem, é uma apreciação adequada da
maneira em que os bens tais como a amizade, o prazer, a
virtude, a honra e a riqueza se encaixam como um todo.
Para aplicar esse entendimento geral para casos particu- Aristóteles de Francesco Hayez,1811
lares, devemos adquirir, através de educação adequada e
hábitos, a capacidade de ver, em cada ocasião, qual curso lógicas, políticas e naturais. É evidente a diferença entre
de ação é mais bem fundamentada. Portanto, a sabedo- as concepções de Aristóteles sobre a arte da oratória en-
ria prática, como ele a concebe, não pode ser adquirida tre o Livro I e o Livro II, enquanto neste último destaca
apenas ao aprender regras gerais, também deve ser adqui- o estudo das paixões, desfazendo a caracterização da re-
rida através da prática. E essas habilidades deliberativas, tórica como puramente dialética, no Livro I Aristóteles
emocionais e sociais é que nos permitem colocar nossa valoriza a função da sedução da alma. A retórica deve
compreensão geral de bem-estar em prática em formas ser, portanto, demonstrativa e emocional.[53]
que são adequados para cada ocasião.[49] Aristóteles pro-
põe que a vida contemplativa (intelectual) traria uma fe-
licidade maior e mais constante ao ser humano, quando 11.2.11 Artes
comparada à vida política (procura da honra) e da vida
baseada em prazeres sensoriais[50] . Aristóteles concedia às artes uma importância valiosa,
na medida em que poderiam reparar as deficiências da
natureza humana, contribuindo na formação moral dos
11.2.10 Retórica indivíduos.[54]

Ver artigo principal: Retórica Música

A retórica de Aristóteles teve uma enorme influência so- Em Política, Aristóteles questiona a participação da mú-
bre o desenvolvimento da arte da retórica. Não apenas sica na educação, pois sua associação imediata com o pra-
sobre os autores que escrevem na tradição peripatética, zer faz com que o autor oponha a música a qualquer ati-
mas também os famosos professores romanas de retórica, vidade, pois esta parece se adequar melhor ao desfrute
como Cícero e Quintiliano, frequentemente usaram ele- no tempo livre. No decorrer do texto, ele enfatiza que o
mentos decorrentes aristotélica.[51] ensino da música deve ter ênfase na escuta e não à prática
instrumental, já que a execução de instrumentos se rela-
É na obra Retórica de Aristóteles que se assentam os pri- ciona aos trabalhos manuais, atividade imprópria para a
meiros dados cuja articulação passa a definir a Retórica educação de um homem livre.[54] A obra Problemas cons-
como a “faculdade de descobrir especulativamente sobre titui uma das mais antigas discussões sobre música, se no
todo dado o persuasivo”.[52] livro VII da Política Aristóteles procurou mostrar a im-
No proêmio do Livro I de sua Arte Retórica, ele se re- portância da música na educação, no livro XIX de Pro-
fere à possibilidade se ter uma técnica da retórica, de um blemas ele levanta questões de várias ordens: referentes
método rigoroso não diferente do que seguem as ciências à acústica, às escalas, aos intervalos, à voz, aos encordo-
11.3. OBRA 45

amentos, aos harmônicos, aos tipos de composição etc., modo que o escravo nasce para ser escravo e é na sua
o autor levanta cinquenta problemas e a esses ele mesmo função de escravo que ele realiza finalidade para a qual
procura responder.[55] existe. Ele não sacrifica nada, pois sua natureza não exige
mais do que compete na sociedade. Ele discorda da opi-
nião daqueles que pretendem que o poder do patrão é
Poética contra a natureza, para ele, a natureza em vista da con-
servação, criou alguns seres para mandar e outros para
Ver também: Poética (Aristóteles) obedecer, é ela que dispõe que o ser dotado de previdên-
cia mande como patrão, e que o ser, capaz por faculdades
[61]
Aristóteles foi o primeiro filósofo a consagrar todo um corporais execute ordens.
tratado, ainda que incompleto, ao exame do fenômeno
poético, a Arte Poética. Ele propunha-se a refletir acerca
do objeto estético, ou antes, acerca da criação do objeto
estético.[56]
11.3 Obra
Em Arte Poética, o filósofo trata da arte poética a partir
de duas perspectivas, a definição da poética como imi-
tação e a apresentação da estrutura da poesia de acordo
com suas diferentes espécies. No primeiro caso, reduz a
essência da poética à imitação - que crê ser congênita no
homem. A sua importância, contudo, deriva do fato de
que a mimese é capaz de fornecer, ao ser humano, dois
elementos essenciais: prazer e conhecimento.[57][58]
Aristóteles era um apurado colecionador sistemático de
enigmas, folclores e provérbios, ele e sua escola tinham
um interesse especial nos enigmas da Pítia e estudaram
também as fábulas de Esopo.[59]

11.2.12 Política Começo do livro 7 da Metafísica de Aristóteles, traduzido para


o latim por Guilherme de Moerbeke. Manuscrito do século XIV
Ver também: Política (Aristóteles)
Ver artigo principal: Corpus aristotelicum
A política aristotélica é essencialmente unida à moral,
porque o fim último do estado é a virtude, isto é, a forma-
ção moral dos cidadãos e o conjunto dos meios necessá- De acordo com a distinção que se origina com o próprio
rios para isso. O estado é um organismo moral, condição Aristóteles, seus escritos são divididos em dois grupos:
e complemento da atividade moral individual, e funda- os “exotéricos” e os “esotéricos”.[62] É difícil para mui-
mento primeiro da suprema atividade contemplativa. A tos leitores modernos aceitar que alguém pudesse tão se-
política, contudo, é distinta da moral, porquanto esta tem riamente admirar o estilo daquelas obras atualmente dis-
como objetivo o indivíduo, aquela a coletividade. A ética poníveis para nós.[63] No entanto, alguns estudiosos mo-
é a doutrina moral individual, a política é a doutrina mo- dernos têm advertido que não podemos saber ao certo se
ral social. Desta ciência trata Aristóteles precisamente nao elogio de Cícero foi dirigido especificamente para as
Política, de que acima se falou.[60] obras exotéricas. Alguns estudiosos modernos têm re-
almente admirado o estilo de escrita concisa encontrado
Em Ética a Nicômaco Aristóteles descreve o assunto nas obras existentes de Aristóteles.[64]
como ciência política, que ele caracteriza como a ciên-
cia mais confiável. Ela prescreve quais as ciências são As obras de Aristóteles que sobreviveram desde a anti-
estudadas na cidade-estado, e os outros - como a ciência guidade através da transmissão de manuscrito medieval
militar, gestão doméstica e retórica - caem sob a sua au- são coletados no Corpus Aristotelicum. Esses textos, ao
toridade. Desde que rege as outras ciências práticas, suas contrário de obras perdidas de Aristóteles, são tratados
extremidades servem como meios para o seu fim, que é filosóficos técnicos de dentro da escola de Aristóteles. A
nada mais nada menos do que o bem humano.[60] referência a eles é feita de acordo com a organização da
edição da obra de August Immanuel Bekker (Aristotelis
Opera edidit Academia Regia Borussica, Berlin, 1831–
A escravidão 1870) pela Academia Real da Prússia, que por sua vez é
baseado em classificações antigas dessas obras. Acredita-
Aristóteles não nega a natureza humana ao escravo[60] , se que a maior parte de sua obra tenha sido perdida, e ape-
para ele a escravidão faz parte da própria natureza, de nas um terço de seus trabalhos tenham sobrevivido.[65]
46 CAPÍTULO 11. ARISTÓTELES

11.4 Legado 11.5 Referências


[1] Vinicius de Figueiredo (2007). Filósofos na sala de aula
-Vol 3. [S.l.]: Berlendis & Vertecch. p. 15. ISBN 978-
85-7723-009-9

[2] Bertrand Russell; Laura Alves (2004). História do Pen-


samento Ocident. [S.l.]: Ediouro Publicações. p. 122.
ISBN 978-85-00-01355-3

[3] Descrição da Grécia, 6.4.8, por Pausânias (geógrafo)

[4] Stirn, F (2006). Compreender Aristóteles 2 ed. Petrópolis:


Vozes. p. 15. ISBN 978-85-326-3380-4
Biblioteca de obras de Aristóteles.
[5] Suda, nu,399
Mais de 2.300 anos depois de sua morte, Aristóteles con- [6] Dicionário de filosofia. 2. (E - J) Volume 2 Por José
tinua sendo uma das pessoas mais influentes que já vi- Ferrater-Mora. Barcelona: Ariel, 1994.
veram. Ele contribuiu para quase todos os campos do
conhecimento humano e foi o fundador de muitas áreas [7] Papiros de Oxirrinco, pOxy 12, Crônicas de Oxirrinco [em
novas. De acordo com o filósofo Bryan Magee, "é duvi- linha]
doso que qualquer ser humano saiba o tanto quanto ele [8] Kenneth Mcleish (2000). Aristoteles. [S.l.]: Unesp. p. 9.
sabia”.[66] Entre inúmeras outras realizações, Aristóteles ISBN 978-85-7139-285-4
foi o fundador da lógica formal[67] e pioneiro no estudo da
Zoologia, deixando cada futuro cientista e filósofo em dé- [9] Giovanni Reale (2001). Metafísica de Aristóteles I. [S.l.]:
bito para com ele por suas contribuições para o método Loyola. p. 277. ISBN 978-85-15-02361-5
científico.[68][69] Apesar dessas realizações, a influência
[10] "(denominamos essa ciência “metafísica” e Aristóteles a
dos erros de Aristóteles é considerada por alguns como
estuda em sua “Metafísica”. Mas ele nunca usa o termo
tendo sido de grande empecilho para o desenvolvimento “metafísica”, tendo o ´titulo “Metafísica” o sentido lite-
da ciência. Bertrand Russell observa que “quase todo o ral de 'aquilo que vem depois da física ou ciência natural.
avanço intelectual sério teve de começar com um ataque Jonathan Barnes. Aristóteles (em inglês). [S.l.]: Edicoes
a alguma doutrina aristotélica”. Russell também se re- Loyola. p. 47. ISBN 978-85-15-02214-4
fere à ética de Aristóteles anacronicamente como “repul-
siva”, e sobre sua lógica disse ser “definitivamente anti- [11] “Em 343, a pedido de Filipe, o rei da Macedônia, Aristó-
quada como a astronomia ptolomaica”. Russelll observa teles deixou Lesbos para Pela, capital da Macedónia, a fim
de ser o tutor de seus filho de treze anos de idade, Alexan-
que esses erros tornam difícil fazer uma justiça histórica
der, que viria a tornar-se Alexandre, o Grande.”Standford
a Aristoteles, até o momento em que lembramo-nos de
Encylopedia of Philosphy Aristotle (em inglês)
quão grande foi o avanço que ele fez em cima de todos os
seus predecessores.[70] [12] “Depois de cerca de 12 anos no norte da Grécia (sete
dos quais passados como tutor do futuro Alexandre, o
Grande), retornou a Atenas em 335. a.C.” Kenneth
11.4.1 Filósofos gregos posteriores Mcleish (2000). Aristoteles. [S.l.]: Unesp. p. 9. ISBN
978-85-7139-285-4
A influência obra de Aristóteles foi sentida quando o
[13] “Embora a especulação sobre a influência de Aristóteles
Liceu se transformou na Escola peripatética. Entre
sobre o desenvolvimento de Alexandre se prova irresistí-
os estudantes notáveis de Aristóteles estão Aristóxenes, vel para os historiadores, na verdade, pouco de concreto
[71]
Dicaerco, Eudemo de Rodes, Demétrio de Faleros, se sabe sobre sua interação. No balanço, parece razoável
Hárpalo, Heféstion, Mênon, Mnason de Fócis, Nicômaco concluir que algumas aulas aconteceram, mas que durou
e Teofrasto. apenas dois ou três anos, quando Alexandre foi tinha 13 a
15 anos. Aos 15 anos, Alexandre aparentemente já servia
como comandante militar para seu pai, uma circunstân-
11.4.2 Influência sobre os eruditos bizan- cia que prejudicaria, se inconclusivamente, o julgamento
tinos desses historiadores que conjecturam um longo período
de tutela. Seja como for, alguns supõem que a sua as-
Os escribas cristãos gregos desempenharam um papel sociação durou até oito anos.”Standford Encylopedia of
Philosphy Aristotle (em inglês)
crucial na preservação das obras de Aristóteles, copiando
todos os manuscritos gregos existentes do “corpus”. Os [14] “Liceu, porque o edifício que ocupava fora dedicado ao
primeiros cristãos gregos que muito comentaram Aristó- Apolo Liceu, deus dos pastores” Leopoldo de Meis (2002).
teles foram João Filopono, Elias e David, no século VI, e Ciência, Educação e o Conflito Humano-tecnológico.
Estéfano de Alexandria no início do século VII.[72] [S.l.]: Senac. p. 65. ISBN 978-85-7359-277-1
11.5. REFERÊNCIAS 47

[15] "...a escola aristotélica foi logo denominada “Peripato”, [33] Anamaria Feijó (2005). Utilização de animais na inves-
e os seus seguidores “perimatpéticos": em grego, como tigação e docência: uma reflexão ética necessária. [S.l.]:
efeito, significa “passeio” e peripatéticos “passeante”." Gi- EDIPUCRS. p. 25. ISBN 978-85-7430-523-3
ovanni Reale (2008). História da filosofia antiga III - Os
sistemas da era helenística. [S.l.]: Loyola. p. 111. ISBN [34] Enrico Berti. Aristóteles no século XX Enrico Berti, Dion
978-85-15-00848-3 Davi Macedo. [S.l.]: Edicoes Loyola. p. 310. ISBN 978-
85-15-01557-3
[16] «Standford Encylopedia of Philosphy Aristotle» (em
[35] João Silva. «História da Aquariofilia». Vida Aquática.
inglês)
Consultado em 18 de abril de 2009
[17] Jones, W.T. (1980). The Classical Mind: A History of
[36] Singer, Charles. A short history of biology. Oxford 1931.
Western Philosophy. [S.l.]: Harcourt Brace Jovanovich.
p. 216 [37] Freeland, Cynthia A. (1998). Feminist Interpretations of
Aristotle. [S.l.]: Penn State University Press. ISBN 0-271-
[18] Ingemar Düring (1987). Aristotle in the Ancient Bio- 01730-9
graphical Tradition. [S.l.]: Garland Publishing, Incorpo-
rated. ISBN 978-0-8240-6912-4 [38] Morsink, Johannes (primavera 1979). «Was Aristotle’s
Biology Sexist?». Journal of the History of Biology. 12
[19] Aufstieg und Niedergang der römischen Welt by Hilde- (1): 83–112
gard Temporini, Wolfgang Haase Aristotle’s Will
[39] Dinesh D ́Souza. A verdade sobre o cristianismo. [S.l.]:
[20] “A Europa redescobriu Aristóteles através de traduções Thomas Nelson Brasil. p. 79. ISBN 978-85-60303-79-3
árabes, e do séc XII ao XVI, a Filosofia dominante mudou
de Platão para Aristóteles."Antonio S.T. Pires. Evolução [40] REINHOLDO ALOYSIO ULLMANN. Amor e sexo na
das Ideias da Física. [S.l.]: Editora Livraria da Física. p. Grécia antiga. [S.l.]: EDIPUCRS. p. 130. ISBN 978-85-
64. ISBN 978-85-88325-96-8 7430-540-0

[21] YOAV BEN-DOV (1996). Convite à Física. [S.l.]: Jorge [41] Juan Eslava Galán (2 de setembro de 1997). Amor y Sexo
Zahar Editor Ltda. p. 28. ISBN 978-85-7110-355-9 en la Antigua Grecia (em espanhol). [S.l.]: Ediciones Te-
mas de Hoy. p. 67. ISBN 978-84-7880-869-4
[22] Terence Irwin and Gail Fine, Cornell University, Aristo-
[42] Havelock Ellis. Inversão Sexual: 1 Introdução. [S.l.]: IN-
tle: Introductory Readings. Indianápolis, Indiana: Hackett
DEX ebooks. p. 36. ISBN 978-989-97764-8-7
Publishing Company, Inc. (1996), introdução, pp. xi–xii.
[43] Aristóteles (2006). De Anima. [S.l.]: Editora 34. p. 17.
[23] Martyn Oliver (1998). História ilustrada da filosofia. ISBN 978-85-7326-351-0
[S.l.]: Manole. p. 20. ISBN 978-85-204-0820-9
[44] «Aristóteles - A Psicologia». PUC São Paulo. Consultado
[24] Bryan Magee (1999). Historia de la filosofía. [S.l.]: lume. em 11 de maio de 2013
p. 32. ISBN 978-85-15-01929-8
[45] Eysenck, H. J. Dicionário de psicologia (3 volumes capa
[25] Cezar A. Mortari (2001). Introdução à lógica. [S.l.]: dura). [S.l.]: LOYOLA. p. 160. ISBN 978-85-15-
Comped. p. 28. ISBN 978-85-7139-337-0 00962-6

[26] PAUL G. HEWITT (2002). Física Conceitual. [S.l.]: Bo- [46] Edward F. Edinger. Psique Na Antiguidade, a. [S.l.]: Edi-
okman. p. 56. ISBN 978-85-363-0040-5 tora Cultrix. p. 100. ISBN 978-85-316-0642-7

[27] Elisabetta Cattanei (2005). Entes matemáticos e metafí- [47] Henrique Cláudio de Lima Vaz (2008). Escritos de filo-
sica. [S.l.]: Edições Loyola. pp. 156, 456. ISBN 978-85- sofia IV - Introdução à ética filosófica 1. [S.l.]: Edições
15-03073-6. Consultado em 13 de maio de 2013 Loyola. p. 109. ISBN 978-85-15-01988-5

[28] ALFREDO ROQUE SALVETTI. A História da Luz. [48] Ética e cidadania: caminhos da filosofia. [S.l.]: Papirus
[S.l.]: Editora Livraria da Física. p. 19. ISBN 978-85- Editora. 1997. p. 54. ISBN 978-85-308-0458-9
7861-002-9
[49] «Standford Encylopedia of Philosphy Aristotle’s Ethics»
[29] Aristóteles, Metafísica, XXII, 1022 b 34-35 (em inglês)

[50] Vasconcelos, V. V. Apontamentos sobre a Ética a Nicô-


[30] Grupo de Pesquisa em Educação Quimica (2002).
maco, de Aristóteles. Universidade Federal de Minas Ge-
Interações e Transformações: Professor - A Química e
rais, 2002.
a Sobrevivência - Atmosfera/Fonte de Materiais Vol. 3.
[S.l.]: EdUSP. p. 12. ISBN 978-85-314-0718-5 [51] «Aristotle’s Rhetoric» (em inglês)
[31] Zylberstajn, Arden. «A Evolução das Concepções sobre [52] Aristóteles; Antônio Pinto de Carvalho; Jean Voilquin;
Força e Movimento» (doc). Consultado em 21 de agosto Goffredo Telles Júnior (1969). Arte retórica e arte poé-
de 2009 tica. [S.l.]: Tecnoprint. p. 33

[32] Paulo DALGALARRONDO. A Evolução do Cérebro. [53] Retóricas de ontem e de hoje. [S.l.]: Editora Humanitas.
[S.l.]: Artmed. p. 34. ISBN 978-85-363-2491-3 2004. p. 145. ISBN 978-85-98292-27-4
48 CAPÍTULO 11. ARISTÓTELES

[54] Lia Tomás (2004). Música E Filosofia. [S.l.]: Irmãos Vi- [72] Richard Sorabji. Aristotle transformed: the ancient com-
tale. p. 24. ISBN 978-85-7407-179-4. Consultado em 9 mentators and their influence. Duckworth; 1990. ISBN
de junho de 2013 978-0-7156-2254-4. p. 35 – 36.

[55] Maria Luiza Carvalho. Aristóteles, Problemas Musicais.


[S.l.]: Thesaurus Editora. ISBN 978-85-7062-279-2
11.6 Bibliografia
[56] Massaud Moisés (1997). A Criação literária. [S.l.]: Edi-
tora Cultrix. p. 105. ISBN 978-85-316-0091-3
• Aristotle(1995), The Complete Works of Aristotle
[57] EDGAR ROBERTO KIRCHOF. A Estética Antes Da Es- (ed. J. Barnes), Princeton: Princeton University
tética de Platão, Aristóteles, Agostinho, Aquino E Locke a Press
Baumgarten. [S.l.]: Editora da ULBRA. p. 74. ISBN
978-85-7528-089-8 • Obras de Aristóteles na Open Library.

[58] Aristóteles, Arte Poética, p. 27

[59] Temple, Olivia, and Temple, Robert (translators), The 11.7 Ligações externas
Complete Fables By Aesop Penguin Classics, 1998. ISBN
0-14-044649-4 Cf. Introduction, pp. xi–xii. • Constituição de Atenas
[60] «Aristóteles - A Política». PUC São Paulo. Consultado
• Nova Escola - Reportagem - Aristóteles
em 11 de maio de 2013

[61] Nedilso Lauro Brugnera (1998). A Escravidão em Aris- • Artigo introdutório sobre Aristóteles
tóteles. [S.l.]: EDIPUCRS. p. 103. ISBN 978-85-7430-
• Ousia - Estudos sobre Aristóteles
011-5

[62] Jonathan Barnes, “Life and Work” em The Cambridge


• Pensamento e atualidade de Aristóteles
Companion to Aristotle (1995), p. 12; o próprio Aristó-
teles: Ética a Nicômaco 1102a26-27. O próprio Aristó- Escritos de Aristóteles (coleções)
teles nunca usa o termo “esotérico” ou “verbal”. Para ou-
tras passagens em que Aristóteles fala de exōterikoi logoi,
• Obras completas pelo Centro de Filosofia da Uni-
ver W. D. Ross, Aristotle’s Metaphysics (1953), vol. 2, pp.
408–410. Ross defende uma interpretação segundo a qual
versidade de Lisboa
a expressão, pelo menos nas próprias obras de Aristóteles,
geralmente se refere a “discussões não peculiares à escola em inglês
peripatética", em vez de trabalhos específicos do próprio
Aristóteles.
• Obras de Aristóteles no Project Gutenberg USA
[63] Barnes, “Life and Work”, p. 12.
(inglês e alemão)
[64] Barnes, “Roman Aristotle”, in Gregory Nagy, Greek Lite-
rature, Routledge 2001, vol. 8, p. 174 n. 240. • The Aristotelian Society

[65] Jonathan Barnes, “Life and Work” in The Cambridge • Massachusetts Institute of Technology
Companion to Aristotle (1995), p. 9.
• Perseus-Tufts University
[66] Magee, Bryan (2010). The Story of Philosophy. [S.l.]:
Dorling Kindersley. p. 34 • University of Adelaide

[67] W. K. C. Guthrie (1990). "A history of Greek philosophy:


em francês
Aristotle : an encounter". Cambridge University Press.
p.156. ISBN 0-521-38760-4 (em inglês)
• Tufts University
[68] «Aristotle (Greek philosopher) – Britannica Online Ency-
clopedia». Britannica.com. Consultado em 26 de abril de
2009. Cópia arquivada em 22 de abril de 2009

[69] Durant, Will (1926 (2006)). The Story of Philosophy.


United States: Simon & Schuster, Inc. p. 92. ISBN 978-
0-671-73916-4 Verifique data em: |ano= (ajuda)

[70] Bertrand Russell, “A History of Western Philosophy”, Si-


mon & Schuster, 1972

[71] Giovanni Reale. A History of Ancient Philosophy III: Sys-


tems of the Hellenistic Age. SUNY Press; 1985. ISBN
978-0-88706-027-4. p. 101.
Capítulo 12

Paradigma

Paradigma (do latim tardio paradigma, do grego mentos consagrados, capazes de condenar e excluir indi-
παράδειγμα, derivado de παραδείκνυμι «mostrar, víduos de suas comunidades de pares. Nos mostra como
apresentar, confrontar») é um conceito das ciências e da este pode ser compreendido como um conjunto de “ví-
epistemologia (a teoria do conhecimento) que define um cios” de pensamento e bloqueios lógico-metafísicos que
exemplo típico ou modelo de algo. É a representação de obrigam os cientistas de uma determinada época a per-
um padrão a ser seguido. É um pressuposto filosófico, manecer confinados ao âmbito do que definiram como
matriz, ou seja, uma teoria, um conhecimento que ori- seu universo de estudo e seu respectivo espectro de con-
gina o estudo de um campo científico; uma realização ci- clusões ardentemente admitidas como plausíveis.
entífica com métodos e valores que são concebidos como Em seu livro Anais de um simpósio imaginário, Hoisel
modelo; uma referência inicial como base de modelo para
destaca ainda que uma outra conseqüência da adoção ir-
estudos e pesquisas. restrita de um paradigma é o estabelecimento de formas
O conceito originalmente era específico da gramática, em específicas de questionar a natureza, limitando e condi-
1900 o Merriam-Webster definia o seu uso apenas nesse cionando previamente as respostas que esta nos forne-
contexto, ou da retórica para se referir a uma parábola cerá, um alerta que já nos foi dado pelo físico Heisenberg
ou uma fábula. Em lingüística, Ferdinand de Saussure quando mostrou que, nos experimentos científicos o que
(1857 - 1913), utiliza o termo paradigma para se referir a vemos não é a natureza em si, mas a natureza submetida
um tipo específicio de relação estrutural entre elementos ao nosso modo peculiar de interrogá-la.
da linguagem.
Thomas Kuhn (1922-1996) , físico célebre por suas con-
tribuições à história e filosofia da ciência em especial do
processo que leva à evolução do desenvolvimento cien-
tífico, designou como paradigmáticas as realizações ci-
entíficas que geram modelos que, por períodos mais ou
menos longos e de modo mais ou menos explícito, orien-
tam o desenvolvimento posterior das pesquisas exclusi-
vamente na busca da solução para os problemas por elas
suscitados.
Em seu livro a Estrutura das Revoluções Científicas [1]
apresenta a concepção de que “um paradigma, é aquilo
que os membros de uma comunidade partilham e, inver-
samente, uma comunidade científica consiste em pessoas
que partilham um paradigma”,e define “o estudo dos pa-
radigmas como o que prepara basicamente o estudante
para ser membro da comunidade científica na qual atuará
mais tarde”.
Hoisel, 1998, [2] autor de um ensaio ficcional, que aborda
como a ciência haveria de se encontrar em 2008, chama
atenção para o aspecto relativo da definição de para-
digma, observando que enquanto uma constelação de
pressupostos e crenças, escalas de valores, técnicas e con-
ceitos compartilhados pelos membros de uma determi-
nada comunidade científica num determinado momento
Giordano Bruno (1548 — 1600) condenado à morte na fogueira
histórico, é simultaneamente um conjunto dos procedi- pela Inquisição romana por heresia.

49
50 CAPÍTULO 12. PARADIGMA

[10] [11] [12]


O ajuste ou limitação da visão do objeto a um método tos e oferta de serviços de saúde.
de pesquisa, pré estabelecido através tradições universi- A pergunta que se faz em nossos dias, especialmente no
tárias, arquitetura de texto, adequação bibliográfica, etc., campo da saúde coletiva onde não se lida apenas com
é o que está em questão. Tanto Foucault quanto Kuhn a concepção biológica da saúde é, se é possível romper
assinalam a presença de padrões de continuidades e des- com o positivismo, reducionismo mecanicismo que for-
continuidades na produção de conhecimento de uma área maram a medicina cosmopolita sem limitar-se à cren-
do saber: as revoluções e rupturas epistemológicas. [3] [4] ças cientificistas e abrir mão das conquistas tecnológicas
dessa ciência ? [13] [14] [15]

12.1 A comunidade científica


12.2 Ciências Humanas
Segundo Kuhn (1978, p. 60), uma comunidade científica
consiste em homens que partilham um paradigma e esta Nas Ciências Humanas, para considerar as formulações
"[...] ao adquirir um paradigma, adquire igualmente um propostas por Kuhn em torno do conceito de Paradigma,
critério para a escolha de problemas que, enquanto o pa- tal como este autor as desenvolveu em seus trabalhos so-
radigma for aceito, poderemos considerar como dotados bre A Estrutura das Revoluções Científicas, é preciso
de uma solução possível”. adaptar estas propostas a campos de conhecimento que,
em geral, são multiparadigmáticos. Em campos de sa-
Uma investigação atinente à comunidade científica “de
ber como a História, dificilmente se pode falar em pa-
uma determinada especialidade, num determinado mo-
radigmas dominantes que se sucedem e que substituem
mento, revela um conjunto de ilustrações recorrentes e
o anterior através de uma ruptura, pois o que ocorre é a
quase padronizadas de diferentes teorias nas suas apli-
convivência de vários paradigmas igualmente legítimos
cações conceituais, instrumentais e na observação”. Tais
ao mesmo tempo. Podemos dar o exemplo, na Histó-
ilustrações são “os paradigmas da comunidade, revelados
ria, dos paradigmas Positivista, Historicista e Materialista
nos seus manuais, conferências e exercícios de laborató-
Histórico, entre outros (BARROS, 2010. p.426-444 [16] ).
rios”. [5] [6]
Autores como o historiador Jörn Rüsen, neste sentido,
Ao longo da história pesquisas e observações são rea- tem utilizado o conceito de paradigma também para os
lizadas e muitas vezes como se observa, não se ade- estudos de historiografia, mas cuidando de observar as
quam,produzem contradições, ao paradigma vigente e devidas adaptações, já que, em geral, a maior parte dos
dão origem a um novo. O novo paradigma se forma historiadores reconhece a História como um campo de
quando a comunidade científica renuncia simultanea- saber multiparadigmático.
mente à maioria dos livros e artigos que corporificam o
antigo, deixando de considerá-los como objeto adequado
ao escrutínio científico. 12.3 Filosofia
Denomina-se interacionismo simbólico a metodologia
com que se estuda as distintas comunidades científicas Na Filosofia grega, paradigma era considerado a fluência
e suas relações sociais ou sócio-históricas. Autores como (fluxo) de um pensamento, pois através de vários pensa-
Thomas Szasz e Erving Goffman por exemplo pesqui- mentos do mesmo assunto é que se concluía a ideia, seja
saram como o saber psiquiátrico constituiu-se como as ela intelectual ou material. Após a realização dessa ideia
relações interpessoais vivenciadas em instituições [7] [8] . surgiam outras ideias, até que se chegasse a uma con-
A materialidade e o capital investido nas hierarquias das clusão final ou o seu caminho desde a intuição, à repre-
instituições científicas possuem um poder não menos su- sentação sensível até a representação intelectual. Pensar
perior à lógica que orienta as pesquisas científicas e refe- que a ideia inicial, é tanto intelectual como factual, pois
rendam os aspectos ideológicos referidos por Karl Marx não conta com a inspiração e os diversos fluxos de pen-
nas relações desta (a superestrutura) com a infraestrutura samento.
econômica que organiza as sociedades [9] .
O pensamento por sua vez é um componente da alma.
Essa metodologia das ciências sociais instalou um modo Para Aristóteles as faculdades da alma são: a faculdade
de ser quase paranóico em relação às comunidades de po- nutritiva, a faculdade sensitiva e a faculdade intelectiva.
líticos e intelectuais mas não se pode ignorar a fogueira
que queimou Giordano Bruno nem os milhões de dóla- Alma intelectiva (intelecto). Dessa faculdade intelectiva,
res que se pode adquirir através dos poderosos meios de somente o homem é dotado, pois somente ele tem a capa-
comunicação de massa difusores das fantasias, feitas pelo cidade de conhecer. Aristóteles, quanto a isso, escreve na
comércio e propaganda, que orientam o consumo de bens sua obra Metafísica: “Todos os homens, por natureza, de-
industriais envolvendo desde o consumo de supérfluos até sejam conhecer”. Para Aristóteles “há na sensação algo
os produtos e serviços médicos. Constantes denúncias de conhecimento de tal modo que se pode dizer que a
tem sido feitas quanto a manifestações de interesse do apreensão sensível tem algo de intelectual”.
capital distorcendo a lógica da produção de medicamen- Na tradição aristotélico-tomista, distingue-se o “Intelecto
12.6. VER TAMBÉM 51

ativo” a faculdade cognitiva pela qual as impressões re- [7] Goffman, Erving. Prisões manicômios e conventos. São
cebidas pelos sentidos se tornam inteligíveis, capazes de Paulo: Perspectiva, 1999.
ser apropriadas ao intelecto passivo do “intelecto passivo”
[8] Szaz, Thomas S. A Fabricação da Loucura: um estudo
onde são plenamente conhecidas. Resumindo, paradigma
Comparativo entre a Inquisição e o Movimento de Saúde
são referências a serem seguidas, em Platão, é clara a Mental. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.
ideia de modelo.
[9] Marx, Karl; Engels, Friedrich. A ideologia alemã. e-Book
Acesso em: 10 dez. 2009.

12.4 Linguística [10] Angell, Márcia. A verdade sobre os laboratórios farma-


cêuticos - como somos enganados e o que podemos fazer
a respeito. São Paulo: Record, 2007. Google Books Aug.
Ver artigo principal: Dicotomias saussurieanas 2011

[11] Petersen, Melody. Our Daily Meds: How the Pharmaceu-


Em Linguística, como visto, Ferdinand de Saussure de- tical Companies Transformed Themselves Into Slick Mar-
fine como paradigma (associações paradigmáticas) o con- keting Machines and Hooked the Nation on Prescription
junto de elementos similares que se associam na memó- Drugs. New York : Picador USA, 2009, ©2008.Resenha
ria e que assim formam conjuntos relacionados ao sig- Jornal da Associação Médica Ag/Set. 2008 Google Li-
nificado (semântico). Distinguindo-se do encadeamento vros (71 Resenhas) Ag. 2011
sintagmático de elementos, ou seja, relacionados com o [12] Landmann, Jayme. A ética médica sem mascara. Rio de
sintagma enquanto rede de significantes (sintático). Janeiro: Guanabara Dois, 1985.
[17]
Exemplificando, Müller coloca que a dicotomia que
[13] Sayd, Jane Dutra. Novos paradigmas e saúde, Notas de
levou o nome de Sintagma [versus] Paradigma é facil- leitura. Physis vol.9 no.1 Rio de Janeiro Jan./June 1999
mente entendida com exemplos, Segundo ela, toda frase, PDF Ag. 2011
palavras e até signos extralingüísticos -, possuem dois ei-
xos: um de seleção e outro de combinação. Na frase “Eu [14] SANTOS, Jair Lício Ferreira and WESTPHAL, Marcia
comprei um carro novo”, há possibilidades combinatórias Faria. Práticas emergentes de um novo paradigma de
claras, tais como “Um carro novo eu comprei” (mudança saúde: o papel da universidade. Estud. av. [online].
de ordem das palavras) ou outras, como ao acrescentar- 1999, vol.13, n.35, pp. 71-88. PDF Ag. 2011
mos novos termos à oração. Também há quase inume- [15] Martins, André. Novos paradigmas e saúde. Physis vol.9
ráveis possibilidades seletivas, tais como: “eu / ele / tu / no.1 Rio de Janeiro Jan./June 1999 PDF Ag. 2011
João / Dina - comprou / vendeu / roubou / explodiu - um
/ dois / três / muitos - carros / foguetes / caminhões - no- [16] Barros, José D'Assunção. Sobre a noção de Paradigma
vos / velhos / antigos / raros”. O eixo de seleção proposto e seu uso nas Ciências Humanas. Cadernos de Pesquisa
Interdisciplinar em Ciências Humanas. vol.11, n°98,
pela relação paradigmática, corresponde às palavras que
UFSC, 2010. 426-444. Periódicos UFSC
podem ocupar determinado ponto em uma sentença.
[17] Müller, Josiane. Paradigma e Sintagma. Brasil Escola.
Ag. 2011
12.5 Referências
[1] Kuhn, Thomas. Estrutura das revoluções científicas. São
12.6 Ver também
Paulo: Perspectiva, 1978. - Google Books Aug. 2011
• Ciência
[2] Hoisel B. Anais de um Simpósio Imaginário SP, Editora
Palas Athena, 1998 ISBN 85-7242-022-3 • Método científico

[3] Alvarenga, Lídia. Bibliometria e arqueologia do sa- • Paradoxo


ber de Michel Foucault – traços de identidade teórico-
metodológica. Ciência da Informação, V. 27, n. 3 • Revolução científica
(1998)PDF Ag. 2011
• História da ciência
[4] Foucault, M. Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Fo-
• História da lógica
rense Universitária, 1997. e-Book Ag. 2011
• Filosofia greco-romana
[5] Malufe, José Roberto. A retórica da ciência, uma leitura
de Goffman. São Paulo: Educ, 1992. • Renascimento
[6] Latour, Bruno; Woolgar, Steve. A vida de laboratório, a • Colonização
produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume-
Dumará, 1997. • Civilização
52 CAPÍTULO 12. PARADIGMA

Galileu Galilei (1564 —1642) diante das autoridades do Santo


Ofício.

• Etnocentrismo
• Evolucionismo social

• Ludwik Fleck
• Bruno Latour
Capítulo 13

Cérebro humano

Diagrama lateral do cérebro.

gico e competência comunicativa. Enquanto o hemisfé-


rio direito, é responsável pelo pensamento simbólico e
criatividade, embora pesquisas recentes estejam contra-
dizendo isso, comprovando que existem partes do hemis-
Desenho representando o cérebro humano e o crânio fério direito destinados a criatividade e vice-versa. Nos
canhotos as funções estão invertidas. O hemisfério es-
O cérebro humano é particularmente complexo e ex- querdo diz-se dominante, pois nele localiza-se 2 áreas es-
tenso. Este é imóvel e representa apenas 2% da massa do pecializadas: a Área de Broca (B), o córtex responsável
corpo, mas, apesar disso, recebe aproximadamente 25% pela motricidade da fala, e a Área de Wernicke (W), o
de todo o sangue que é bombeado pelo coração. Divide- córtex responsável pela compreensão verbal.
se em dois hemisférios: esquerdo e o direito. O seu as-
O corpo caloso, localiza-se no fundo da fissura inter-
pecto se assemelha ao miolo de uma noz. É um conjunto
hemisférica, ou fissura sagital, é a estrutura responsável
distribuído de milhares de milhões de células que se es-
pela conexão entre os dois hemisférios cerebrais. Essa es-
tende por uma área de mais de 1 metro quadrado dentro
trutura, composta por fibras nervosas de cor branca (frei-
do qual conseguimos diferenciar certas estruturas corres-
xes de axónios envolvidos em mielina), é responsável pela
pondendo às chamadas áreas funcionais, que podem cada
troca de informações entre as diversas áreas do córtex ce-
uma abranger até um décimo dessa área.*
rebral.
O córtex motor é responsável pelo controle e coordena-
ção da motricidade voluntária. Traumas nesta área cau-
13.1 Hemisférios cerebrais sam fraqueza muscular ou até mesmo paralisia. O córtex
motor do hemisfério esquerdo controla o lado direito do
O hemisfério dominante em 98% dos humanos é o he- corpo, e o córtex motor do hemisfério direito controla o
misfério esquerdo, é responsável pelo pensamento ló- lado esquerdo do corpo. Cada córtex motor contém um

53
54 CAPÍTULO 13. CÉREBRO HUMANO

mapa da superfície do corpo: perto da orelha, está a zona No cérebro há uma distinção visível entre a chamada
que controla os músculos da garganta e da língua, segue- massa cinzenta e a massa branca, constituída pelas fibras
se depois a zona dos dedos, mão e braço; a zona do tronco (axónios) que entreligam os neurónios. A substância cin-
fica ao alto e as pernas e pés vêm depois, na linha média zenta do cérebro, o córtex cerebral, é constituído corpos
do hemisfério. celulares de dois tipos de células: as células de Glia - tam-
O córtex pré-motor é responsável pela aprendizagem mo- bém chamadas de neuróglias - e os neurônios. O córtex
tora e pelos movimentos de precisão. É na parte em cerebral humano é um tecido fino (como uma membrana)
frente da área do córtex motor correspondente à boca que que tem uma espessura entre 1 e 4 mm e uma estrutura
laminar formada por 6 camadas distintas de diferentes ti-
reside a Área de Broca, que tem a ver com a linguagem.
A área pré-motora fica mais ativa do que o resto do cé- pos de corpos celulares de neurônios.
rebro quando se imagina um movimento, sem o execu- Perpendicularmente às camadas, existem grandes neurô-
tar. Se se executa, a área motora fica também ativa. A nios chamados neurônios piramidais que ligam as várias
área pré-motora parece ser a área que em grande medida camadas entre si e representam cerca de 85% dos neurô-
controla o sequenciamento de ações em ambos os lados nios no córtex. Os neurônios piramidais estão entreli-
do corpo. Traumas nesta área não causam nem paralisia gados uns aos outros através de ligações excitatórias e
nem problemas na intenção para agir ou planear, mas a pensa-se que a sua rede é o «esqueleto» da organização
velocidade e suavidade dos movimentos automáticos (ex. cortical. Podem receber entradas de milhares de outros
fala e gestos)fica perturbada. A prática de piano, ténis ou neurônios e podem transmitir sinais a distâncias da ordem
golfe envolve o «afinar» da zona pré-motora - sobretudo dos centímetros e atravessando várias camadas do córtex.
a esquerda, especializada largamente em atividades se- Os estudos realizados indicam que cada célula piramidal
quenciais tipo série. está ligada a quase tantas outras células piramidais quan-
Cabe ao córtex do cerebelo, fazer a coordenação geral da tas as suas sinapses (cerca de 4 mil); o que implica que
motricidade, manutenção do equilíbrio e postura corpo- nenhum neurônio está a mais de um número pequeno de
ral. O cerebelo representa cerca de 10% do peso total do sinapses de distância de qualquer outro neurônio no cór-
encéfalo e contém mais neurônios do que os dois hemis- tex.
férios juntos. Embora até há poucos anos se pensasse que a função das
O eixo formado pela adeno-hipófise e o hipotálamo, são células de Glia é essencialmente a de nutrir, isolar e pro-
teger os neurônios, estudos mais recentes sugerem que os
responsáveis pela auto regulação do funcionamento in-
terno do organismo. As funções homeostáticas do orga- astrócitos podem ser tão críticos para certas funções cor-
nismo (função cárdio-respiratória, circulatória, regulação ticais quanto os neurônios.
do nível hídrico, nutrientes, da temperatura interna, etc) As diferentes partes do córtex cerebral são divididas em
são controladas automaticamente. quatro áreas chamadas de lobos cerebrais, tendo cada
uma funções diferenciadas e especializadas. Os lobos ce-
rebrais são designados pelos nomes dos ossos cranianos
13.2 Córtex cerebral e lobos cere- nas suas proximidades e que os recobrem. O lobo fron-
tal fica localizado na região da testa; o lobo occipital, na
brais região da nuca; o lobo parietal, na parte superior central
da cabeça; e os lobos temporais, nas regiões laterais da
cabeça, por cima das orelhas.
Os lobos parietais, temporais e occipitais estão envolvidos
na produção das percepções resultantes daquilo que os
nossos órgãos sensoriais detectam no meio exterior e da
informação que fornecem sobre a posição e relação com
objetos exteriores das diferentes partes do nosso corpo.

13.3 Lobo Frontal


O lobo frontal, que inclui o córtex motor e pré-motor e
o córtex pré-frontal, está envolvido no planejamento de
ações e movimento, assim como no pensamento abstrato.
Lobos Cerebrais:
Lobo frontal A atividade no lobo frontal aumenta nas pessoas normais
Lobo parietal somente quando temos que executar uma tarefa difícil em
Lobo temporal que temos que descobrir uma sequência de ações que mi-
Lobo occipital nimize o número de manipulações necessárias. A parte
da frente do lobo frontal, o córtex pré-frontal, tem que
13.7. ÁREA DE WERNICKE 55

ver com estratégia: decidir que sequências de movimento rial e tem por função possibilitar a recepção de sensa-
ativar e em que ordem e avaliar o seu resultado. As suas ções, como o tato, a dor, a temperatura do corpo. Nesta
funções parecem incluir o pensamento abstrato e criativo, área primária, que é responsável por receber os estímu-
a fluência do pensamento e da linguagem, respostas afe- los que têm origem no ambiente, estão representadas to-
tivas e capacidade para ligações emocionais, julgamento das as áreas do corpo. São as zonas mais sensíveis que
social, vontade e determinação para ação e atenção se- ocupam mais espaço nesta área, porque têm mais dados
letiva. Traumas no córtex pré-frontal fazem com que para interpretar. Os lábios, a língua e a garganta recebem
uma pessoa fique presa obstinadamente a estratégias que um grande número de estímulos, precisando, por isso,
não funcionam ou que não consigam desenvolver uma de uma maior área. A área posterior dos lobos parietais
sequência de ações correta segundo o nosso cientista já é uma área secundária que analisa, interpreta e integra
falecido Tailisson Michael 1903-1980. as informações recebidas pela área anterior ou primária,
permitindo-nos a localização do nosso corpo no espaço,
o reconhecimento dos objetos através do tato, etc.
13.4 Lobo occipital
O lobo occipital está localizado na parte póstero-inferior 13.7 Área de Wernicke
do cérebro. Coberta pelo córtex cerebral, esta área é tam-
bém designada por córtex visual, porque processa os estí- É na zona onde convergem os lobos occipital, temporal e
mulos visuais. É constituída por várias sub áreas que pro- parietal que se localiza a área de Wernicke, que desempe-
cessam os dados visuais recebidos do exterior depois de nha um papel muito importante na produção de discurso.
terem passado pelo tálamo: há zonas especializadas em É esta área que nos permite compreender o que os outros
processar a visão da cor, do movimento, da profundidade, dizem e que nos faculta a possibilidade de organizarmos
da distância, etc. Depois de percebidas por esta área - as palavras sintaticamente corretas.
área visual primária- estes dados passam para a área
visual secundária. É aqui que a informação recebida
é comparada com os dados anteriores que permite, por
exemplo, identificar um cão, um automóvel, uma caneta.
13.8 Estudo científico do cérebro
A área visual comunica com outras áreas do cérebro que
dão significado ao que vemos tendo em conta a nossa ex- O cérebro e as funções cerebrais têm sido estudados ci-
entificamente por diversos ramos do saber. É um projeto
periencia passada, as nossas expectativas. Por isso é que
o mesmo objeto não é percepcionado da mesma forma pluri-disciplinar. Nasceu assim a neurociência com o ob-
por diferentes sujeitos. Para além disso, muitas vezes ojetivo de estudar o funcionamento do Sistema Nervoso,
cérebro é orientado para discriminar estímulos. nomeadamente do Sistema Nervoso Central, a partir de
uma perspectiva biológica. A psicologia, depois de se ter
Uma lesão nesta área provoca agnosia, que consiste na emancipado da filosofia e de vários conceitos religiosos,
impossibilidade de reconhecer objetos, palavras e, em tem como um de seus objetivos estudar cientificamente
alguns casos, os rostos de pessoas conhecidas ou de fa- o comportamento do indivíduo e como este se relaciona
miliares com as estruturas cerebrais. A ciência cognitiva procura
estudar as funções cerebrais com objetivo de desenvolver
o conceito de "inteligência artificial". O cérebro é respon-
13.5 Lobos temporais sável pelas emoções.

O lobo temporal está localizado na zona por cima das ore-


lhas tendo como principal função processar os estímulos 13.9 Métodos de Observação
auditivos. Os sons produzem-se quando a área auditiva
primária é estimulada. Tal como nos lobos occipitais,
Pierre Flourens, por volta de 1825, começou as primei-
é uma área de associação - área auditiva secundária-
ras descobertas relacionadas com funcionamento cere-
que recebe os dados e que, em interação com outras zo-
bral. Anatomistas e fisiologistas desenvolveram novos
nas do cérebro, lhes atribui um significado permitindo ao
métodos experimentais para intervir diretamente no cé-
Homem reconhecer o que ouve.
rebro e observar os resultados destas intervenções sobre
o comportamento de animais. Estes métodos eram:

13.6 Lobos parietais • A ablação cirúrgica seletiva de partes do cérebro de


animais.
O lobo parietal, localizado na parte superior do cérebro, é
constituído por duas subdivisões - a anterior e a posterior. • A estimulação elétrica do cérebro de animais e seres
A zona anterior designa-se por córtex somatossenso- humanos.
56 CAPÍTULO 13. CÉREBRO HUMANO

• Os estudos clínicos, ou seja, pacientes com defici-


ências neurológicas ou mentais tiveram seus cére-
bros examinados após a sua morte, numa tentativa
de identificar com alterações detectáveis no tecido
nervoso.


A eletrofisiologia, na qual elétrodos são colocados direta-
mente no cérebro, permite aos cientistas registrar a ati-
vidade córtex cerebral de neurônios isolados ou grupos
de neurônios, mas como requer uma cirurgia invasiva, é
uma técnica reservada apenas para cobaias animais.
A eletroencefalografia ou EEG, dá-se com a colocação de
elétrodos sobre a pele, a fim de se registarem os impulsos
nervosos (de natureza eletro-química) gerados por dife- •
rentes partes do córtex cerebral. O exame detecta apenas
mudanças em larga escala e ocorridas apenas nas cama-
das mais externas do órgão. Com o aparecimento dos 13.11 Ligações externas
métodos de imagem, a tomografia axial computorizada
e da imagem por ressonância magnética, vieram revolu- • Lesões do Lobo occipital - MedMap/UFF
cionar o estudo do funcionamento do cérebro e tornar o
diagnóstico médico mais rigoroso.
A ressonância magnética funciona medindo as mudanças
no fluxo de sangue dentro do cérebro, mas a atividade
dos neurônios não é diretamente medida, e não pode se
distinguir onde a atividade é de inibição ou onde é de
excitação. Testes de comportamento podem avaliar sin-
tomas de doenças e o desempenho mental, mas também
são medidas indiretas das funções cerebrais e podem não
ser práticas em todos os animais. Análises feitas em ca-
dáveres de animais permitem o estudo da anatomia e da
distribuição de proteínas no cérebro.

13.10 Galeria


Capítulo 14

Wilhelm Wundt

Wilhelm Maximilian Wundt (Neckarau, 16 de agosto • Professor de Filosofia indutiva na Universidade de


de 1832 — Großbothen, 31 de agosto de 1920) foi um Zurique (1874).
médico, filósofo e psicólogo alemão. É considerado um
• Professor de Filosofia indutiva na Universidade de
dos fundadores da psicologia experimental junto com
Leipzig (1875-1917).
Ernst Heinrich Weber (1795-1878) e Gustav Theodor Fe-
chner (1801-1889). • Fundou o primeiro laboratório experimental de
Entre as contribuições que o fazem merecedor desse re- Psicologia do Mundo, das Wundt-Laboratorium
conhecimento histórico está a criação do primeiro labora- (1879).
tório de psicologia no Instituto Experimental de Psicolo- • Aposentou-se em 1917 na Universidade de Leipzig.
gia da Universidade de Leipzig (Lipsia) na Alemanha em
1879 e a publicação de Principles of Physiological Psy-
chology / Princípios de Psicologia Fisiológica em 1873 14.3 Estudos e Publicações
onde afirmava textualmente que seu propósito, com o li-
vro, de demarcar um novo domínio da ciência.
Em 1855 defende tese na Universidade de Heidelberg so-
bre Sensibilidade táctil de pacientes histéricos utilizando
o método de Weber de discriminação limiar entre dois
14.1 Formação pontos.
A partir de 1858 Wundt publicou fragmentariamente vá-
Filho de pastores luteranos e Alemães, com aprendizado rios estudos sobre psicofísica, sensação e percepção or-
na área de humanidades ao encargo de um vigário com ganizados em livros: Contribuições para a teoria da per-
quem residiu na juventude. Formado pela Universidade cepção sensorial / Outlines of Psychologypublicado em
de Heidelberg em 1855 vindo transferido da Universi- 1862, ainda não considerado psicologia.
dade de Universidade de Tubinga (Tübingen) em 1851.
Após um curso de fisiologia com Johannes Müller (1801- Em 1863 publica as Lições de psicologia humana e ani-
1858), o criador da teoria vitalista das energias nervo- mal (“Lectures on human and animal psychology”, um
sas sensoriais específicas, no mesmo ano de sua forma- dos primeiros estudos de psicologia comparada. Charles
tura em Berlim retorna para Heidelberg em 1856, onde Darwin (1809-1882) o autor da teoria da evolução publi-
doutora-se em filosofia e começa a lecionar fisiologia cada em 1859 (A origem das espécies) só viria a publicar
como Privatdozent. Somente 19 anos mais tarde iria le- seu clássico da psicologia comparada, “A expressão das
cionar na Universidade de Leipzig. Porém é importante emoções nos homens e nos animais”, em 1872.
salientar que ele começou estudar medicina em Tubinga Em 1873 – 1874, publica os Fundamentos da psicologia
e se transferiu para a universidade de Heidelbergg, onde fisiológica / Principles of Physiological Psychology , (2
estudou fisologia, anatomia, física e química. Porém ao volumes) com 6 reedições até 1910, sendo a edição de
longo do curso, ficou evidente para Wundt que ele não 1896 mais resumida e onde inclui pela primeira vez sua
tinha inclinação alguma para medicina e especializou-se teoria tridimensional das emoções é o livro que situa a
em fisiologia. psicologia no domínio das ciências naturais.
1879 é o ano de fundação do primeiro laboratório de pes-
quisas psicologia que recebe o nome de Psychologische
14.2 Carreira de Trabalho Institut na Universidade Leipzig.
Em 1881 Funda a primeira revista científica de psicolo-
• Privatdozent de Fisiologia (1857-1864). gia, a Philosophische Studien.
• Professor adjunto da Universidade de Heidelberg Entre 1900 e 1920 publica Volkerpsychologie (Psicologia
(1871-1874). popular ou cultural) em 10 volumes

57
58 CAPÍTULO 14. WILHELM WUNDT

Morreu com 88 anos de idade no mesmo ano em que pu-


blica sua autobiografia em 1920.

14.4 Vida e Obra

No sistema de ensino alemão os Privatdozent podem ofe-


recer cursos particulares, Wundt o fez e porém sem obter
sucesso segundo consta no seu primeiro curso de fisio-
logia matricularam-se apenas 4 alunos. Contudo com a
progressão de seus estudos e publicações (um universo
de 53.736 páginas) recebeu várias propostas de universi-
dades e criou o laboratório que, vinte e quatro anos de-
pois, deu origem instituto de psicologia em 1903 (Psy-
chologische Studien) e concomitante reconhecimento da
psicologia como ciência.
Ainda em Heidelberg, trabalhou como assistente de
Hermann von Helmholtz (1821-1894) entre 1858 e 1864.
Helmholtz, praticamente iniciou os estudos do tempo de
reação e conseguiu estabelecer a velocidade do impulso
nervoso através desse método em torno de 90 pés por se-
gundo (95 km por hora). Possui também grandes contri-
buições ao estudo da fisiologia da visão e audição, entre as
quais o invento do oftalmoscópio e contribuições a teoria
da cor.
Wundt discordava da teoria das cores, hoje conhecida
como de Young-Helmholtz que explicava a visão das co-
res apoiando-se no esquema tricromático, propôs um nú- ilusão de Wundt
mero ilimitado baseado nas teorias da variação contínua
da qualidade cromática com o comprimento de onda. (Pi- O seu laboratório foi palco de muitas experiências. Os
eron, 1969) Entre seus estudos da percepção visual inclui-
estudos das sensações e da percepção, onde foram me-
se as ilusões de óptica. didas e classificadas as sensações no seu aspecto visual,
Ainda na faculdade pesquisou sobre os nervos cranianos tátil, olfativo e cinestésico. Foram pesquisados os senti-
e respiração com o método da ablação em cães auxiliando mentos, a vontade e a emoção, registrando-se as variações
a identificar as funções do ramo torácico do nervo vago físicas, tais como, da alteração da respiração e da pulsa-
(X par craniano). ção, dentre outros.
Entre suas contribuições à fisiologia está o reconheci-
mento é método do tempo de reação e o equacionamento
do problema da subjetividade desta na espécie humana.
Dando continuidade aos estudos de psicofísica de sua
época propôs uma modificação na relação, simultanea-
mente proposta por Exner (1868), entre os tempos de re-
ação e a intensidade do estímulo estabelecendo o que hoje
é conhecido como lei de Wundt com o seguinte enunci-
ado: O tempo de reação cresce em sentido inverso ao
da intensidade estimuladora e tanto mais rapidamente
quanto mais se aproxima do limiar. (1880)
Os seus críticos o classificam como “elementista” e atu-
almente os cognitivistas têm se identificado com suas
proposições. Também pode ser classificado como um
empirista, em oposição ao nativismo. Acreditava que a Wilhelm Wundt com pesquisadores no laboratório da universi-
vida mental era fruto da experiência e não de idéias ina- dade.
tas e que os fenômenos mentais do presente se baseavam
em experiências passadas, antecipando, de certa forma, Entre os célebres frequentadores do seu laboratório ex-
o construtivismo. perimental podemos destacar Kraepelin criador do con-
14.6. PSICOLOGIA SOCIAL 59

ceito de Demência Precoce, hoje Esquizofrenia; Oswald uma combinação de complexos que envolvem as sensa-
Külpe; o psicometrita James McKeen Cattell; Gran- ções e os aspectos subjetivos: emoções, volições, intelec-
villle Stanley Hall e Edward Titchener fundadores da ções. O principal processo de conscientização é a aten-
Associação Americana de Psicologia Charles Spearman ção: o que torna o campo consciente mais nítido que o
que demonstrou a presença de um elemento comum em fundo no processo denominado apercepção. Utiliza esse
todas as habilidades e fatores da inteligência humana o termo na mesma acepção de Leibnitz – perceber clara-
fator G entre outros. mente mediante o reconhecimento ou identificação do
Os estudos feitos por Wundt foram férteis e abundantes. material percebido com o pré–existente na memória.
À medida que a ciência se desenvolvia o laboratório e as O materialismo científico também esteve com Wundt,
publicações de seus integrantes tornava-se mais produ- buscando a relação entre os fenomenos psíquicos e
tivo. fisiológicos, entre a mente e o corpo. Os processos
E com isso surgiram várias ramificações, dando as- mentais e os processos corporais e fisiológicos decorrem
sim origem a novas tendências que se estruturaram ao paralelamente, sem interferência mútua.
longo do século XX, as quais foram: O Estruturalismo,
O Funcionalismo, O Behaviorismo, a Gestalt e a
Psicanálise. Cada uma dessas escolas caracterizou-se
pela sua definição de psicologia, pelos seus conteúdos e 14.6 Psicologia social
pelos métodos que empregavam no decorrer de suas ati-
vidades.
Para esse autor o método experimental é o adequado à
investigação dos processos básicos como a sensação e as-
sociação, mas somente a observação deve ser usada com-
14.5 O estudo da consciência preender os processos mentais superiores. Esta por sua
vez,deve ser realizada através do estudo dos produtos ou
Wundt definia a psicologia como uma ciência da mente, artefatos culturais da vida social: arte, linguagem, hábitos
seu objeto a experiência imediata tal como é dada direta culturais ética, etc.
e fenomenalmente ao observador. O aspecto social de seus trabalhos, a contragosto seu, foi
Analisava os compostos e complexos conscientes a par- relegado a um segundo plano mas a sua obra Volkerpsy-
tir dos elementos ou unidades: sensação (conteúdo ob- chologie / Psicologia popular ou cultural (10 volumes)
jetivo da experiência imediata) e sentimentos ou afetos. contém análises detalhadas da linguagem humana (hoje
As sensações podem ser classificadas de acordo com a psicolingüística) em 2 volumes; três volumes sobre cul-
modalidade sensorial em que são recebidas; além disso, tura intitulados Psicologia dos mitos e religião; um vo-
possuem qualidade e intensidade. lume sobre cultura e história intitulado Antropologia; um
sobre Ética e Lei o que hoje corresponderia aos estudos
Para Wundt, a mente executa uma síntese química mental da psicologia forense e um volume sobre a psicologia da
que se processa através da associação e que se realiza de arte. Um verdadeiro (handbook) manual de procedimen-
três formas: pela fusão, onde os elementos combinados tos dessa observação.
aparecem sempre juntos, como é o caso da nota musical;
Pela assimilação, que é também uma combinação de ele- Segundo Farr, uma moderna revisão dessa obra iden-
mentos em que nem todos estão presentes do consciente. tifica sua influência na também emergente ciência so-
Quando se vê uma casa por exemplo, podem não estar cial da época cientistas como Durkheim (1858-1917);
presentes na consciência, as figuras que compõem aquela Franz Boas (1858-1942). Consta que Sigmund Freud
casa (triângulo, retângulo, quadrado). Como na fusão, (1856-1939) escreveu Totem e Tabu como uma resposta
essa combinação gera um produto novo que não é o re- a Wundt. Ainda segundo Farr é relevante para com-
sultado da simples soma dos elementos; A terceira forma preensão da psicologia moderna compreensão dos mo-
é chamada complicação, em que se reúnem elementos tivos de Wundt para separação da da psicologia social da
de diferentes modalidades e sentidos: a noção do sabor experimental e o seguimentos que estas proposições cons-
e da temperatura. É possível que o autor tenha conside- tituíram.
rado as proposições de Aristóteles sobre: contingência,
semelhança e contraste.
Os afetos ou sentimentos acompanham as sensações e 14.7 Referências
suas combinações entre os modelos de classificação dos
sentimentos que utilizou o mais influente foi o referente • Cabral, Álvaro; Oliveira, Eduardo P. Uma breve his-
à sua teoria tridimensional das emoções, que estabelecia tória da psicologia. RJ, Zahar, Ed. 1972.
três pares dicotômicos: agradável – desagradável; tenso
– descontraído; excitado – calmo. • Farr, Robert M. As raízes da psicologia social mo-
A conscientização ou voluntarismo segundo Wundt é derna. RJ, Petrópolis, Vozes, 2008.
60 CAPÍTULO 14. WILHELM WUNDT

• Goodwin, C.James. História da psicologia moderna.


8ª ed. São Paulo, Cultrix, 2007.
• Piaget J.; Fraise, P. (org.). Tratado de psicologia
experimental v.2 (10 v.) Sensação e motricidade.
SP, Forense, 1969.

• Pieron, H. Dicionário de Psicologia, RGS, Globo


1969.

• Schultz, Duane P; Schultz, Sydney Ellen. História


da Psicologia Moderna. 10ª ed. São Paulo: Cengage
Learning, 2016.

14.8 Ligações externas


• Wilhelm Wundt (em inglês) no Mathematics Gene-
alogy Project

• Biografia, Bibliografia, Linha do Tempo e Links so-


bre Wilhelm Wundt em site de Psicologia.

• University of Leipzig (German: Universität Leipzig


(em inglês)

• American Psychological Association (em inglês)


Capítulo 15

Ernst Heinrich Weber

Ernst Heinrich Weber (Wittenberg, 24 de junho de • De hepatis ranarum structura et functiones observa-
1795 — 26 de janeiro de 1878) foi um médico alemão, tiones novae. Leipzig 1848.
considerado fundador da psicologia experimental.
• Annotationes anatomicae et physiologicae. program-
mata collecta fasciculi tres. Koehler, Leipzig 1851.
15.1 Obras • Die Lehre vom Tastsinne und Gemeingefühle auf
Versuche gegründet. Vieweg, Braunschweig 1851.
• Anatomia comparata nervi sympathici cum tabulis
aeneis. Reclam, Leipzig 1817.

• De systemate nerveo organico. Leipzig 1817.


15.2 Ver também
• De aure et auditu hominis et animalium. Leipzig • Teste de Weber
1820.

• Tractatus de motu iridis. Glück, Leipzig 1821. (mit


Ernst Wilisch)

• Nonnulla de venaesectionis in organismum univer-


sum vi et in curanda nominatim inflammatione usu.
Hirschfeld, Leipzig 1823.

• De strato musculoso tunicae venarum mediae in qui-


busdam mammalibus majoribus indagato. Staritz,
Leipzig 1823. (mit Karl Friedrich Weigel)

• De zostere. Leipzig 1825.

• De febre puerperali. Leipzig 1825.

• Wellenlehre auf Experimente gegründet oder über


die Wellen tropfbarer Flüssigkeiten mit Anwendung
auf die Schall- und Lichtwellen. Fleischer, Leipzig
1825. (mit Wilhelm Weber). Dazu: Digitalisat, ab-
gerufen am 11. März 2017

• Observatio tumoris et ossificationis cerebelli. Leipzig


1826.

• Dissertatio inauguralis medica eclampiam gravida-


rum parturientium et puerperarum sistens. Leipzig
1831.

• De Pulsu, Resorptione, Auditu Et Tactu. Annotatio-


nes Anatomicae Et Physiologicae. Koehler, Leipzig
1834.

• Zusätze zur Lehre vom Baue und den Verrichtungen


der Geschlechtsorgane. Weidmann, Leipzig 1846.

61
Capítulo 16

Francis Galton

Francis Galton (Birmingham, 16 de fevereiro de 1822 renciar aquilo que é proposto pelo cientista inglês em sua
— Haslemere, Surrey, 17 de janeiro de 1911) foi um época e as diferentes formas políticas e sociais de como a
antropólogo, meteorologista, matemático e estatístico noção de “eugenia” foi interpretada em lugares distintos.
inglês. Tal como muitos dos pensadores da época, Galton acre-
Galton era o mais novo de nove filhos de um próspero ditava que a “raça” humana poderia ser melhorada caso
banqueiro, nasceu em uma família socialmente abas- fossem evitados “cruzamentos indesejáveis”. O objetivo
tada. Aos 16 anos, começou a aprender medicina, mas de Galton era incentivar o nascimento de indivíduos mais
interessou-se pela matemática, formando-se nesta. De- notáveis ou mais aptos na sociedade e desencorajar o
pois voltou a estudar medicina até à morte do seu pai, nascimento dos inaptos. Propôs o desenvolvimentos de
decidindo então por viajar e estudar parte da África. testes de inteligência para selecionar homens e mulheres
Voltando, escreveu muito a respeito de suas viagens, fez brilhantes, destinados à reprodução seletiva.
muito sucesso por isso, mas deixou de viajar quando se Teve também uma grande importância na criação de mé-
casou. Deu atenção a meteorologia, criando instrumentos todos estatísticos e foi Galton quem deu origem ao con-
e mapas aperfeiçoados e usados até hoje. ceito de testes mentais (de inteligência), testando as ha-
Galton tinha um intelecto prolífero (um QI estimado de bilidade motora e a capacidade sensorial de indivíduos.
200), e produziu mais de 340 artigos e livros em toda Estudou a diversidade e o tempo necessário para a pro-
sua vida. Pesquisou a distribuição geográfica da beleza, dução de associações de ideias.
a moda, as impressões digitais, a eficácia da oração re-
ligiosa e o levantamento de peso. Também criou o con-
ceito estatístico de correlação, a amplamente promovida 16.1 Ligações externas
regressão em direção à média e várias invenções como
um periscópio, um dispositivo para abrir cadeados e uma
• Francis Galton (em inglês) no Find a Grave
versão inicial da impressora de teletipo. Ele foi o pri-
meiro a aplicar métodos estatísticos para o estudo das • Geraldo Salgado Neto (2011). «Sir Francis Galton
diferenças e herança humanas de inteligência, e introdu- e os extremos superiores da curva normal» (pdf).
ziu a utilização de questionários e pesquisas para coletar Revista de ciências humanas. 45 (1): 223-239
dados sobre as comunidades humanas, o que ele preci-
sava para obras genealógicas e biográficas e para os seus • CARVALHO, Leonardo Dallacqua de. A eugenia
estudos antropométricos. Como pesquisador da mente no humor da Revista Ilustrada Careta: raça e cor
humana, fundou a psicometria (a ciência da medição fa- no Governo Provisório (1930-1934). 2014. 315 f.
culdades mentais) e a psicologia diferencial. Dissertação (Mestrado em História). – Faculdade
de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista
Era primo de Charles Darwin e, baseado em sua obra, “Júlio de Mesquita Filho”, Assis, 2014.
criou o conceito de "eugenia" que seria a melhora de uma
determinada espécie através da seleção artificial. O pri-
meiro livro importante para o pensamento de Galton foi
Hereditary Genius (1869). A sua tese afirmava que um
16.2 Bibliografia
homem notável teria filhos notáveis.
O termo eugenia passa a ser cunhado apenas em 1883
na obra Inquiries into Human Faculty and Its Develop-
ment. As conclusões de Galton sobre a hereditariedade e
os chamados “bem nascidos” devem ser observadas pelo
conhecimento científico no século XIX. Por isso, os es-
tudos que tratam de Galton e a eugenia procuraram dife-

62
Capítulo 17

Psicologia social

Psicologia social é um ramo da psicologia que estuda tiva poderemos estabelecer uma sinonímia ou equivalên-
como as pessoas pensam, influenciam e se relacionam cia entre as diversas psicologias que nos apresentam como
umas com as outras.[1] sociais: comunitária, institucional, dos povos (etnopsico-
Surgiu no século XX como uma área de atuação da logia) das multidões, dos grupos, comparada (incluindo a
psicologia para estabelecer uma ponte entre a psicologia sociobiologia), etc.
e as ciências sociais (sociologia, antropologia, geografia,Segundo Aroldo Rodrigues (um dos primeiros psicólo-
história, ciência política). Sua formação acompanhou os gos brasileiros a escrever sobre o tema): “a psicologia so-
movimentos ideológicos e conflitos do século, a ascensão cial é uma ciência básica que tem como objeto de estudo
do nazifascismo, as grandes guerras, a luta do capitalismoas manifestações comportamentais suscitadas pela inte-
contra o socialismo, entre outros. ração de uma pessoa com outras pessoas, ou pela mera
Quanto ao objeto de estudo, a Psicologia Social expectativa de tal interação. A influência dos fatores si-
Psicológica[2] procura explicar os sentimentos, pensa- tuacionais no comportamento
[4]
do indivíduo frente aos es-
mentos e comportamentos do indivíduo na presença real tímulos sociais”.
ou imaginada de outras pessoas. Já a Psicologia Social O que precisa ser esclarecido para entender a relação do
Sociológica[3] tem como foco o estudo da experiência so- “social” com a psicologia, quer concebida como ciência
cial que o indivíduo adquire a partir de sua participação da mente (psique) quer como ciência do comportamento
nos diferentes grupos sociais com os quais convive. Em é como esse “social” pode ser pensado e compreendido
outras palavras, os psicólogos sociais da primeira ver- desde o caráter assistencialista ou gestão racional da in-
tente tendem a enfatizar principalmente os processos in- digência na idade média até emergência das concepções
traindividuais responsáveis pelo modo pelo qual os indi- democráticas ciências humanas no século XX passando
víduos respondem aos estímulos sociais, enquanto os úl- pela formulação das questões sociais em especial os ide-
timos tendem a privilegiar os fenômenos que emergem ais de liberdade e igualdade no século das luzes e os di-
dos diferentes grupos e sociedades. reitos humanos.
Mesmo antes de estabelecer-se como psicologia social as
questões sobre o que é inato e o que é adquirido no ho-
mem permeavam a filosofia mais especificamente como 17.1 Categorias fundamentais da
questões sobre a relação entre o indivíduo e a sociedade,
(pré-científicas segundo alguns autores) avaliando como
Psicologia Social
as disposições psicológicas individuais produzem as ins-
tituições sociais ou como as condições sociais influem A Psicologia Social - é a ciência que procura compreen-
o comportamento dos indivíduos. Segundo Jean Piaget der os “como” e “porquês” do comportamento social. A
(1970) é tarefa dessa disciplina conhecer o patrimônio interação social, a interdependência entre os indivíduos e
o encontro social. Seu campo de ação é portanto o com-
psicológico hereditário da espécie e investigar a natureza
e extensão das influencia sociais. portamento analisado em todos os contextos do processo
de influência social. Uma pesquisa nos manuais de ensino
Enquanto área de aplicação distingue-se por tomar como
e ementas das diversas universidades nos remetem à:
objetos as massas ou multidões associada à prática ju-
rídica de legislar sobre os processos fenômenos coleti- - interação pessoa/pessoa;
vos como linchamento, racismo, homofobia, transfobia, - interação pessoa/grupo (os grupos sociais)
lesbofobia, bifobia, fanatismo, terrorismo ou utilização
por profissionais do marketing e propaganda (inclusive - interação grupo/grupo. (enfoques nacionais, regionais e
política) e associada aos especialistas em dinâmica de locais)
grupo e instituições atuando nas empresas, coletividades Estuda as relações interpessoais:
ou mesmo na clínica (terapia de grupos). Nessa perspec-
- influências;

63
64 CAPÍTULO 17. PSICOLOGIA SOCIAL

- conflitos; comportamento divergente Ver artigo principal: Liderança


- autoridade, hierarquias, poder;
- o pai, a mãe e a família em distintos períodos históricos
e culturas
- a violência doméstica, contra o idoso, a mulher e a 17.2 Histórico
criança
Investiga os factores psicológicos da vida social: Em 1895, o cientista social francês Gustave Le Bon
(1841-1931) apresentou, em seu pioneiro trabalho sobre
- sistemas motivacionais (instinto); a Psicologia das Multidões, a proposição básica para o en-
- estatuto (status) social; tendimento de uma psicologia social: sejam quais forem
os indivíduos que compõem um grupo, por semelhantes
- liderança; ou dessemelhantes que sejam seus modos de vida, suas
- estereótipos (estigma); ocupações, seu caráter ou sua inteligência, o fato de have-
rem sido transformados num grupo, coloca-os na posse de
- alienação;
uma espécie de mente coletiva que os fazem sentir, pensar
- Identidade, valores éticos; e agir de maneira muito diferente daquela pela qual cada
Teoria das representações sociais, a Produção de Sentido, membro dele, tomado individualmente, sentiria, pensa-
Hegemonia Dialética Exclusão /Inclusão Social ria e agiria, caso se encontrasse em estado de isolamento
[9: p. 18]. Essa proposição e os argumentos de Le Bon
Analisa os factores sociais da Psicologia Humana para justificá-la, serviu de parâmetro para o estudo sobre
- motivação; Psicologia de Grupo publicado por Sigmund Freud em
1921.
- o processo de socialização
A questão teórica de Le Bon, com quem Freud dialo-
- as atitudes, as mudanças de atitudes;
gou era “massa”, não “grupo”. Um problema de tradução
- opiniões / Ideologia, moral; entre o alemão e o inglês fez com que surgisse o termo
- preconceitos; “grupo” em Freud, embora não haja evidências de que
o mesmo tenha se preocupado com esta questão. Con-
- papéis sociais tudo essa categoria de explicação é retomada em diversos
- estilo de vida (way of life - modo ou gênero de vida) dissidentes da psicanálise como Carl Gustav Jung (1875-
1961) que introduziu o conceito inconsciente coletivo -
Naturalmente a subdivisão dos temas acima enumerados o substrato ancestral e universal da psique humana, e
é apenas didática os mesmos estão intrinsecamente rela- surpreendeu o mundo com sua célebre interpretação do
cionados. Observe-se também que muitos desses temas fenômeno dos discos voadores como um mito moderno
e conceitos foram desenvolvidos ou são também aborda- e Wilhelm Reich com sua análise da anomia (Escuta, Zé
dos por outras disciplinas (e inter-disciplinas) científicas Ninguém!) e governos totalitários (Psicologia das Massas
seja das ciências sociais ou biológicas, cabe ao pesquisa- e do Fascismo). A psicanálise dos governantes ou relação
dor na sua aproximação do problema ou delineamento da entre a psique individual e a cultura ou civilização por sua
pesquisa estabelecer os limites e marco teórico de sua in- vez é um tema frequente na obra de Freud e outros psi-
terpretação de resultados. Pode-se ainda dar um destaque canalistas (E. Eriksom, E. Fromm etc.) que estudam a
aos temas: relação dessa ciência com a antropologia.
Agressão humana (violência) A relação entre a etnologia e psicologia é especialmente
Trabalho e Ação Social fecunda, inúmeros etnólogos investigaram e tomaram
como ponto de partida das suas pesquisas as teorias psi-
Relações de Gênero, Raça e Idade
canalíticas e psicológicas a exemplo de Ruth Benedict
Psicologia das Classes Sociais – Relações de Poder Margaret Mead Malinowski Lévi-Strauss.
Questões sociopolíticas Por outro lado observa-se também que psicologia de-
Dinâmica dos Movimentos Sociais senvolveu sua notoriedade como disciplina científica ao
afirma-se como uma ciência natural em oposição às ciên-
As Multidões ou Massas cias sociais ou humanas nos finais do século XIX. Crente
Saúde mental e justiça: interfaces contemporâneas, na impossibilidade teórica da mente voltar-se sobre- se
mesmo como sujeito objeto de pesquisa Wilhelm Wundt
Efeitos dos diferentes tipos de liderança: Os diferentes
(1832-1920) propôs a psicologia como um novo domínio
tipos de liderança provocam diferentes efeitos, quer ao
da ciência em 1874 no seu livro Princípios de Psicolo-
nível da produtividade do grupo, quer ao nível da satisfa-
gia Fisiológica e a criação de um laboratório de psicolo-
ção dos membros do grupo.
gia experimental (1879) em Leipzig. Esse mesmo autor
contudo suponha ser necessários estudos complementa-
17.3. PSICOLOGIA SOCIAL NO BRASIL 65

res voltados ao estudo da mente em suas manifestações tada por S. Freud e G. H. Mead.
externas, a sua Völkerpsychologie - Psicologia dos povos George Hebert Mead (1863-1931) inserido no pragma-
/ social ou cultural (10 volumes) escritos entre 1900 e tismo James (1842-1910) Peirce (1839-1931) e Dewey
1920 com análises detalhadas da língua e cultura. Três (1859-1952) americano o criador da teoria do interaci-
dos volumes são dedicados aos mitos e religião; dois à onismo simbólico em seu curso de psicologia social da
linguagem (hoje seria considerados como psicologia lin- Universidade de Chicago do qual nos deixou o livro cons-
guística); dois à sociedade e um à cultura e história (a truído a partir de anotações de sues alunos Mind Self and
psicologia social de hoje); um a lei (hoje a psicologia fo- Society é bem melhor compreendido por sociólogos do
rense ou jurídica) e um à arte (um tópico que abrange as
que por psicólogos. Essa relação com a sociologia não
modernas concepções de inteligência e criatividade). vem só do fato de seu curso e teoria ter sido continuado
Tal aspecto de sua obra vem sendo recuperada por sua por um sociólogo Herbert Blumer e sua rejeição no con-
aplicação e semelhança com os modernos estudos de texto do paradigma behaviorista mas por que os conceitos
psicologia cognitiva. Segundo Farr é possível perceber o de ato, ação e ator social são essencialmente úteis ao en-
desenvolvimento posterior das ideias de Wundt na psico- tendimento das políticas públicas e intervenções sociais.
logia social de G. H Mead e Herbert Blumer, os criadores Sua importância vem sendo reconhecida em nossos dias
do interacionismo simbólico na Universidade de Chicago pela influência da sua teoria nos estudos e proposições
e Vygotsky na Rússia. Erving Goffman autor de Prisões manicômios e conven-
O grupo como objeto de estudos ganhou densidade na tos, um livro fundamental no processo de transformação
psicologia social durante a segunda guerra mundial, com do tratamento psiquiátrico (reforma psiquiátrica) e luta
Kurt Lewin (1890-1947), considerado por muitos auto- anti-manicomial em nossos dias.
res como fundador da psicologia social. Contemporâ- A psicologia social rompe com a oposição entre o indiví-
neo dos fundadores da psicologia da gestalt e integrante duo e a sociedade, enquanto objetos dicotómicos que se
dessa teoria esse autor radicou-se nos Estados Unidos a autoexcluem, procurando analisar as relações entre indi-
partir de 1933 onde chefiou no MIT Massachusetts Ins- víduos (interacções), as relações entre categorias ou gru-
tituto de Tecnologia o Centro de Pesquisa de Dinâmica pos sociais (relações intergrupais) e as relações entre o
de Grupo junto com uma série de autores que desenvol- simbólico e a cognição (representações sociais). Assim,
veram a escola americana de psicologia social a exem- apresenta como objecto de estudo os indivíduos em con-
plo de D. Cartwright que assumiu a direção do instituto texto, sendo que as explicações são efetuadas tendo em
após a sua morte e Leon Festinger (1919-1979) que de- conta quatro níveis de análise: nível intraindividual (o in-
senvolveu a teoria da dissonância cognitiva explorando o divíduo), o nível interindividual e situacional (interações
desconforto da contradição dos conflitos e estado de con- entre os indivíduos ou contexto), o nível posicional (posi-
sistência interna ainda hoje referência para os estudos de ção que o indivíduo ocupa na rede das relações sociais), e
valores éticos em psicologia social. o nível ideológico (crenças, valores e normas colectivas).
A Dinâmica de Grupo ou ciência dos pequenos grupos, Pepitone, A. (1981). Lessons from the history of so-
é para alguns autores o objeto e método da psicologia cial psychology. American Psychologist, 36, 9, 972-985.
social, limita-se porém ao estudo empírico da interação Silva, A. & Pinto, J. (1986). Uma visão global sobre as
dentro dos grupos. Sendo porém relevantes as suas con- ciências sociais. In Silva, A. & Pinto, J. (Coords.), Meto-
tribuições sobre a estrutura grupal, os estilos de liderança, dologia das Ciências Sociais (pp. 9–27). Porto: Edições
os conflitos e motivações, espaço vital ou o campo de for- Afrontamento.
ças que determinam a conduta humana possuem diversas
aplicações e entre elas a psicologia infantil e a modifi-
cação de comportamentos seja para benefícios dietéticos
(estudos de pesquisa – ação realizados com Margareth
17.3 Psicologia Social no Brasil
Mead) seja para melhor a produtividade e desempenho
nos ambientes de trabalho. A psicologia social no Brasil tem início nos estudos et-
nopsicológicos de Nina Rodrigues em 1900, O animismo
Na escola americana de psicologia social cabe ainda um
fetichista dos negros africanos e As coletividades anor-
destaque para William McDougall (1871-1938). Esse
mais, ou melhor, como coloca Laplantine (1998) nos es-
autor, britânico que viveu 24 anos na América, foi um dos
tudos que revelam o confronto entre a etnografia e a psi-
primeiros a utilizar o nome de psicologia social (1908) e
cologia. Materiais etnográficos recolhidos a partir de ob-
comportamento (behavior) e representa a tendência evo-
servações muito precisas são interpretados no âmbito da
lucionista americana, pós efeito da teoria da evolução de
psicologia clínica da época. Nina Rodrigues considera os
Darwin que veio a reforçar a tendência aos estudos de
problemas da integração das populações europeias às ad-
psicologia comparada e da abordagem comportamental
vindas da diáspora africana que segundo ele constituem o
apesar da diferença essencial entre as proposições quanto
principal obstáculo para o progresso da sociedade global.
utilização do conceito de “instinto” como categoria expli-
cativa aproximando-se portanto de um corrente represen- Muitos autores brasileiros seguiram essa linha de raciocí-
nio que oscilava entre os pressupostos biológicos racistas
66 CAPÍTULO 17. PSICOLOGIA SOCIAL

da degenerescência racial, uma interpretação psicológica Sant'Ana (que se associam as ideias de Foucault, Deleuze,
(instabilidade do caráter resultante do choque de duas Guattari entre outros); Carlos Eduardo Ferraço (que se
culturas) até as modernas interpretações sociológicas ini- associa com Boaventura de Sousa Santos e Michel de
ciadas a partir de 1923 com os estudos de Gilberto Freyre Certeau); Hiran Pinel (que resgata tanto o existencialismo
autor do reconhecido internacionalmente Casa grande e quanto o marxismo de Paulo Freire) etc.
senzala. O psicólogo bielorrusso Vygotsky - um fervoroso mar-
Com o título de Psicologia Social vamos encontrar o tra- xista sem perder a qualidade de psicólogo e educador - foi
balho de Arthur Ramos (1903-1949) que foi o professor resgatado por Alexander Luria em parceria com Jerome
convidado para ministrar o curso de psicologia social na Bruner nos Estados Unidos, país que marcou - e marca -
recém criada Universidade do Distrito Federal no Rio de a psicologia brasileira. Em 1962 é publicado nos EUA, e
Janeiro (1935) e logo desfeita pelo contexto político da após a saída dos militares do governo brasileiro, tornou-se
época. Este não fugiu à clássica abordagem do estudo si- inevitável sua publicação no Brasil.
multâneo das inter-relações psicológicas dos indivíduos Os psicólogos sociais sócio-históricos, produzem artigos
na vida social e a influência dos grupos na personalidade criticando o Estado e o modo neoliberal de produção que
mas face a sua experiências anteriores nos serviços de tem um forte impacto na produção de subjetividades. As
medicina legal e médico de hospital psiquiátrico na Bahia práticas são mais ativas e menos desenvolvidas em con-
tinha em mente os problemas da inter-relação de culturas sultórios, e a noção de psicopatologia mudou bastante,
e saúde mental (com atenção especial aos aspectos mís- reconhecendo como saudáveis as táticas e estratégias de
ticos - primitivos da psicose) retomando-os a partir das enfrentamento da classe proletária.
proposições da psicanálise e psicologia social americana
situando-se criticamente entre as tendências de uma so- Foi inaugurado em outubro de 2013, o IPA (Instituto de
ciologia psicológica e uma psicologia cultural. Psicologia Avançada), em Ribeirão Preto (313 km de São
Paulo). O instituto foi instalado num imóvel de dois an-
Nas últimas décadas a psicologia social brasileira, se- dares, no bairro Alto da Boa Vista. Foram investidos ini-
gundo Hiran Pinel (2005), foi marcada por dois psicólo-
cialmente R$ 700 mil, a capacidade de atendimento no
gos bastante antagônicos: Aroldo Rodrigues (empirismo centro é de 50 pessoas. O IPA teve uma presença ilustre
e que adotou uma abordagem mais de experimental-
no dia de sua inauguração, da ex-senadora Marina Silva
cognitiva, por exemplo, de propagandas etc.) e, mais re- (PSB).[5]
centemente Silvia Lane (marxista e sócio-histórica).
Silvia Tatiana Maurer Lane e Aniela Ginsberg foram
professoras fundadoras do Programa de Estudos Pós-
Graduados em Psicologia Social da PUC-SP o primeiro 17.4 Críticas à Psicologia Social
curso de mestrado e doutorado da área a funcionar no
Brasil, entre 1972 e 1983. Onde psicologia social é uma Hoje em dia, a teoria da psicologia social tem recebido
disciplina (teórica/prática) referendada em pesquisas em- inúmeras críticas. Apontamos agora as principais:
píricas sobre os problemas sociais brasileiros. Os textos
a) Baseia-se num método descritivo, ou seja, um método
desenvolvidos por professores e autores escolhidos são
que se propõe a descrever aquilo que é observável, fatual.
adotados como bibliografia básica na maioria dos cursos
É uma psicologia que organiza e dá nome aos processos
de Psicologia do Brasil e, também, em concursos públi-
observáveis dos encontros sociais.
cos na área da saúde e educação. Receberam o prêmio
outorgado pela Sociedade Interamericana de Psicologia b) Tem seu desenvolvimento comprometido com os ob-
(SIP), em julho de 2001. jetivos da sociedade norte-americana do pós-guerra, que
precisava de conhecimentos e de instrumentos que pos-
Lane fez seguidores famosos e muito estudados na atu-
sibilitassem a intervenção na realidade, de forma a obter
alidade: Antonio da Costa Ciampa (precursor nos estu-
resultados imediatos, com a intenção de recuperar a na-
dos sobre identidade em perspectiva materialista histó-
ção, garantindo o aumento da produtividade econômica.
rica, cuja referência de estudos inscrevem eminentes tra-
Não é para menos que os temas mais desenvolvidos fo-
balhos de pesquisas inovadoras em diferentes àreas do co-
ram a comunicação persuasiva, a mudança de atitudes, a
nhecimento, favorecendo a amplitude da categoria de es-
dinâmica grupal etc., voltados sempre para a procura de
tudo identidade enquanto elementar para discussões nas
“fórmulas de ajustamento e adequação de comportamen-
ciências humanas e da saúde de modo geral) Ana Bock e
tos individuais ao contexto social".
outros (mais ligados a Vigotski), como Bader Sawaia (que
descreve minuciosamente as artimanhas da Exclusão so- c) Parte de uma noção estreita do social. Este é consi-
cial e o quanto é falso e hipócrita a inclusão, encarada derado apenas como a relação entre pessoas – a interação
como “maquiagem” que cala a voz do oprimido); Wan- pessoal -, e não como um conjunto de produções humanas
derley Codo (que estuda grupos minoritários, sofrimen- capazes de, ao mesmo tempo em que vão construindo a
tos e as questões de saúde dos professores e professo- realidade social, construir também o indivíduo. Esta con-
ras); Maria Elizabeth Barros de Barros e Alex Sandro C. cepção será a referência para a construção de uma nova
psicologia social.
17.5. VER TAMBÉM 67

17.4.1 Uma nova Psicologia Social e Insti- mem estará em movimento, Por isso, nossa metodologia
tucional e nosso corpo teórico devem ser capazes de captar esse
homem em movimento e intervir nas políticas públicas
Com uma posição mais crítica em relação à realidade so- que organizam e reorganizam a vida social aumentando
cial e à contribuição da ciência para a transformação da ou diminuindo os efeitos da desigualdade social e miséria
sociedade, vem sendo desenvolvida uma nova psicologia do mundo.
social, buscando a superação das limitações apontadas E, superando esse conceitual da antiga psicologia social,
anteriormente, a nova irá propor, como conceitos básicos de análise, a
A psicologia social mantém-se aqui como uma área de atividade, a consciência e a identidade, modo de vida que
conhecimento da psicologia, que procura aprofundar o são as propriedades ou características essenciais dos ho-
conhecimento da natureza social do fenômeno psíquico. mens e expressam o movimento humano. Esses concei-
tos e concepções foram e vêm sendo desenvolvidos por
O que quer dizer isso? vários autores soviéticos que produziram até a década de
A subjetividade humana, isto é, esse mundo interno que 1960.
possuímos e suas expressões, são construídas nas relações
sociais, ou seja, surge do contato entre os homens e dos
homens com a natureza. 17.5 Ver também
Assim, a psicologia social, como área de conhecimento,
passa a estudar o psiquismo humano, objeto da psico- • Agressão
logia, buscando compreender como se dá a construção
deste mundo interno a partir das relações sociais vividas • Antropologia da saúde
pelo homem. O mundo objetivo passa a ser visto, não • Antropologia e psicanálise
como fator de influência para o desenvolvimento da sub-
jetividade, mas como fator constitutivo. • Crime organizado
Numa concepção como essa, o comportamento deixa de • Criminologia
ser “o objeto de estudo”, para ser uma das expressões do
mundo psíquico e fonte importante de dados para com- • Escola de Chicago
preensão da subjetividade, pois ele se encontra no nível
• Estilos de vida
do empírico e pode ser observado; no entanto, essa nova
psicologia social pretende ir além do que é observável, ou • Hipergamia
seja, além do comportamento, buscando compreender o
mundo invisível do homem. • Interacionismo simbólico
Além disso, essa psicologia social abandona por completo • Movimentos Sociais
a diferença entre comportamento em situação de intera-
ção ou não interação. Aqui o homem é um ser social por • Multidões
natureza. Entende-se aqui cada indivíduo aprende a ser • Psicologia Ambiental
um homem nas relações com os outros homens, quando
se apropria da realidade criada pelas gerações anteriores, • Psicologia cultural-histórica
apropriação essa que se dá pelo manuseio dos instrumen-
tos e aprendizado da cultura humana. • Psicologia comunitária

O homem como ser social, como um ser de relações so- • Psicologia de Grupo e a Análise do Ego
ciais, está em permanente movimento. Estamos sempre
• Religião
nos transformando, apesar de aparentemente nos manter-
mos iguais. Isso porque nosso mundo interno se alimenta • Saúde mental
dos conteúdos que vêm do mundo externo e, como nossa
relação com esse mundo externo não cessa, estamos sem- • Vitimologia
pre como que fazendo a “digestão” desses alimentos e,
portanto, sempre em movimento, em processo de trans-
formação. 17.6 Bibliografia
Ora, se estamos em permanente movimento, não pode-
mos ter um conjunto teórico onde os conceitos paralisam • FARR, ROBERT. M. As raízes da psicologia social
nosso objeto de estudo. Se nos limitarmos a falar das moderna. RJ, Vozes. 2008
atitudes, da percepção, dos papéis sociais e acreditarmos
que com isso compreendemos o homem, não estaremos • FURTADO, O.; BOCK, A.M. e TEIXEIRA, M.L.
percebendo que, ao desempenhar esse papel, ao perceber Psicologias : uma introdução ao estudo da psicolo-
o outro e ao desenvolver ou falar sobre sua atitude, o ho- gia. São Paulo, Saraiva, 2002.
68 CAPÍTULO 17. PSICOLOGIA SOCIAL

• LANE, S. & SAWAIA, B. (orgs.). Novas veredas 17.7 Leitura adicional


da psicologia social. São Paulo: Brasiliense: EDUC,
1995. • ARONSON, E., WILSON, T. D., & AKERT, R. M.
(2002). Psicologia social (3ª ed.). Rio de Janeiro,
• LANE, S. T. M e CODO, W. (orgs). Psicologia so- RJ: LTC Editora.
cial: o homem em movimento. São Paulo: Brasili-
ense, 1984. • ÁLVARO, J. L. & GARRIDO, A. (2003). Psicolo-
gia social: perspectivas psicológicas y sociologicas.
Madrid: McGraw-Hill.
• LAPLANTINE, FRANÇOIS. Aprender etnopsi-
quiatria. SP, Brasiliense, 1998 • ÁLVARO, J. L.; GARRIDO, A. & TORREGRO
SA, J. R. (1996). Psicologia social aplicada. Ma-
• McDAVID, J. W. e HARARI, H. Psicologia e com- drid: McGraw-Hill.
portamento social. Rio de Janeiro: Interciência,
• GOLD, M. (1997). A new outline of social psycho-
1980
logy. Washington, DC: APA.

• PIAGET, JEAN. A psicologia. Lisboa, Livraria • HIGGINS, E. T. & KRUGLANSKI, A. W. (1996).


Bertrand, 1970 Social psychology: Handbook of basic principles.
New York: Gilford.
• PARIGUIN, B.D. A psicologia social como ciência. • KIMBLE, C., HIRT, E., DÍAZ-LOVING, R.,
RJ Zahar, 1972 HOSCH, H. LUCKER, G. W., & ZÁRATE, W.
(2002). Psicologia Social de las Américas. México:
• RAMOS ARTHUR. Introdução à psicologia social. Pearson Educación.
RJ, Casa do estudante do Brasil, 1957
• MICHENER, H. A.; DELAMATER, J. D. &
MYERS, D. J. (2005). Psicologia Social. São
• RODRIGUES, A., ASSMAR, E. M. L., & JA- Paulo: Thomson.
BLONSKI, B. Psicologia social (22ª ed.). Petrópo-
lis, RJ. Vozes, 2003 • MILLER, D. T., & PRENTICE, D. A. (1996). The
construction of social norms and standards. Em E.
• SILVA, ROSANE N. A invenção da psicologia so- T. Higgins &
cial. RJ, Vozes, 2005
• A. W. KRUGLANSKI (EDS.), Social psychology:
Handbook of basic principles (pp. 799–829). New
• GOODWIN C. JAMES. História da psicologia mo- York: Gilford
derna. SP, Cultrix, 2005
• MOSCOVICI, S. (2003). Representações sociais:
investigações em psicologia social. Petrópolis: Vo-
• CABRAL, A.; OLIVEIRA, E. O. Uma breve histó-
zes.
ria da psicologia. RJ, Zahar, 1972
• PEREIRA, M. E. (2002). Psicologia social dos es-
• SARRIERA, J. C. (Org.). Psicologia Comunitária - tereótipos. São Paulo: EPU.
estudos atuais. Porto Alegre, 2000, v. 1, p. 17-24.
• ROS, M. & GOUVEIA, V. V. (2001). Psicologia
social de los valores humanos: desarrollos teoricos,
• SAWAIA, B. (Org.) As artimanhas da exclusão. Pe- metodologicos y aplicados. Madrid: Biblioteca Nu-
trópolis: Vozes, 2000. eva.

• SILVA FILHO, J. & JARDIM, S. (Orgs.) A da- • SLATER, C. (2005). Mente e cérebro. São Paulo:
nação do trabalho: organização do trabalho e sofri- Ediouro.
mento psíquico. RJ, Te Cora Editora, 1997.
• SMITH, P. B., & BOND, M. H. (1999). Social psy-
chology across cultures: Analysis and perspectives,
• SILVA, R. N. A invenção da Psicologia Social. Pe- 2nd Edition. Boston: Allyn & Bacon.
trópolis: Vozes, 2005.
• SMITH, P. B., BOND, M. H,& KAGITÇIBASI, C.
• TORRES, C. V. & NEIVA, E. R. (Orgs.). Psicolo- (2006). Understanding Social Psychology Across
gia Social: principais temas e vertentes. Porto Ale- Cultures: Living and working in a changing world.
gre: ARTMED, 2012. London: Sage.
17.9. LIGAÇÕES EXTERNAS 69

• STEPHAN, C. W.; & STEPHAN, W. G. (1995). 17.9 Ligações externas


Two Social Psychologies. Homewood, Illinois:
Dorsey Press. • Associação Brasileira de Psicologia Social

• TAYLOR, D. M., & MOGHADDAM, F. M. • Associação Brasileira de Psicologia Política


(1994). Theories of intergroup relations: Internati-
onal social psychological perspectives, 2nd Edition. • In-Mind Magazine, Social Psychology for the public
New York: Praeger. • An easy way to learn social psychology through daily
statements on the iPhone
• WARD, C. D. (1974). Psicologia social experimen-
tal: Manual de laboratório. São Paulo: EPU. • An easy way to learn social psychology through daily
statements on the Android
• VIGOTSKI, L.S. A formação social da mente.
Trad. José Cipolla, Luís Silveira, Solange Castro.
São Paulo: Martins Fontes, 2000.

• CHAUCHARD, PAUL. Sociedades animais, so-


ciedades humanas, Lisboa Publicações Europa-
América, 1974

• JUNG C. G. Sobre as coisas vistas no céu um mito


moderno. RJ, Vozes, 1991

• REICH W. Escutas a Zé Ninguém. Publicações


Dom Quixote

• REICH W. Psicologia das Massas e do Fascismo.


RJ, Graal

• ERIKSON, ERIK, H. Identidade, juventude e crise.


RJ, Zahar, 1972

• FREUD, SIGMUND. Psicologia de grupo e análise


do ego (1921) Ed Standard das obras completas de
S. Freud. Vol. XVIII RJ Imago, 1970

• JUNG CARL G. (org.). Um mito moderno sobre


coisas vista no céu. Obras completas de C.G. Jung,
Vol X/4 RJ, Vozes, 1991

• JUNG CARL G. (org.). O homem e seus símbolos.


RJ, Nova Fronteira, 2008

17.8 Referências
[1] David G. Myers (2014). Psicologia Social - 10.ed.. p. 28.
ISBN 978-85-8055-339-0.

[2] Allport, G. W. (1954). The historical background of mo-


dern social psychology.

[3] Stephan, C. W., & Stephan, W. G. (1985). Two social


psychologies: An integrative approach.

[4] Rodrigues, A. (1981). Aplicações da Psicologia Social.

[5] Folha de S.Paulo. «Instituto de Psicologia mira público


carente para atendimento». Consultado em 20 de outubro
de 2013
Capítulo 18

Personalidade

Nota: Se procura outros conceitos, veja celebridade. onado com o corpo e seus processos;

• é uma força ativa que ajuda a determinar o relacio-


Personalidade é o conjunto de características namento da pessoa com o mundo que a cerca;
psicológicas que determinam os padrões de pensar,
sentir e agir, ou seja, a individualidade pessoal e social • mostra-se em padrões, isto é, através de caracterís-
de alguém[1] . A formação da personalidade é processo ticas recorrentes e consistentes
gradual, complexo e único a cada indivíduo. O termo é
usado em linguagem comum com o sentido de “conjunto • expressa-se de diferentes maneiras - comporta-
das características marcantes de uma pessoa”, de forma mento, pensamento e emoções.
que se pode dizer que uma pessoa “não tem personali-
dade"; esse uso no entanto leva em conta um conceito do Asendorpf complementa essa definição. Para ele perso-
senso comum e não o conceito científico aqui tratado. nalidade são as particularidades pessoais duradouras, não
O presente artigo descreve uma série de características patológicas e relevantes para o comportamento de um
que foram tratadas como componentes da personalidade. indivíduo em uma determinada população. Esta defini-
Para uma introdução às diferentes teorias que procuram ção acrescenta [2]
àquela de Carver e Scheier alguns pontos
explicar o desenvolvimento e a estrutura da personali- importantes :
dade, ver o artigo Teoria da personalidade.
• Os traços de personalidade são relativamente está-
veis no tempo;
18.1 Definição • As diferenças interpessoais são variações frequentes
e normais - o estudo das variações anormais é objeto
Encontrar uma exata definição para termo personalidade da psicologia clínica (ver também transtorno mental
não é uma tarefa simples. O termo é usado na linguagem e transtorno de personalidade)
comum - isto é, como parte da psicologia do senso co-
mum - com diferentes significados, e esses significados • A personalidade é influenciada culturalmente. As
costumam influenciar as definições científicas do termo. observações da psicologia da personalidade são as-
Assim, na literatura psicológica alemã persönlichkeit cos- sim ligadas apenas à população em que foram feitas;
tuma ser usado de maneira ampla, incluindo temas como para uma generalização de tais observações para ou-
inteligência; o conceito anglófono de personality costuma tras populações é necessária uma verificação empí-
ser aplicado de maneira mais restrita, referindo-se mais rica.
aos aspectos sociais e emocionais do conceito alemão[2] .
Carver e Scheier dão a seguinte definição:
"Personalidade é uma organização interna e dinâ- 18.2 Etimologia
mica dos sistemas psicofísicos que criam os padrões de
comportar-se, de pensar e de sentir característicos de Latim personare, persona = ressoar, máscara.[5]
uma pessoa”[3] . Esta definição de trabalho salienta que
personalidade [4] :
18.3 Aspectos da personalidade
• é uma organização e não uma aglomerado de partes
soltas; Personalidade é, como se viu, um conceito complexo,
• é dinâmica e não estática, imutável; com várias facetas. A seguir serão apresentados alguns
aspectos que costumam ser considerados como partes da
• é um conceito psicológico, mas intimamente relaci- personalidade ou que a influenciam de maneira especial.

70
18.3. ASPECTOS DA PERSONALIDADE 71

Os parágrafos individuais são apenas introduções míni- • Forma física → autopercepção → interesses e moti-
mas aos assuntos relacionados e links são oferecidos para vos → comportamento
artigos onde cada um dos temas é tratado com mais pro-
• Forma física → juízo alheio (reação dos outros ao
fundidade.
indivíduo) → autoestima → comportamento
• Forma física → juízo alheio → interesses e motivos
18.3.1 Forma física e personalidade → comportamento

A relação entre forma física e personalidade estimula a


imaginação de filósofos e pensadores desde a antigui- 18.3.2 Temperamento
dade. Kretschmer propôs nos anos 20 do século XX uma
classificação dos tipos físicos que, supunha ele, estavam Ver artigo principal: Temperamento (psicologia)
relacionados com diferentes transtornos mentais, poste-
riormente com diferentes temperamentos. Ele classifica
três tipos físicos[2][6] : Temperamento designa as disposições do indivíduo liga-
das à forma do comportamento, principalmente as liga-
das aos “três As da personalidade": afetividade, ativação
1. Tipo longilíneo ou leptossômico, de corpos del-
(excitação) e atenção [2] .
gados, ombros estreitos, peito aplainado, rosto alar-
gado e estreito, membros longos e delgados. Teria
uma maior tendência para a esquizofrenia e um tem- 18.3.3 Competências ou habilidades
peramento mais sensível;
Competências ou habilidades são traços da personali-
1. Tipo atlético ou muscular, de sistema ósseo e dade que exprimem a capacidade de alguém de alcançar
muscular desenvolvidos, ombros largos, cadeiras es- determinada realização ou desempenho[2] .
treitas e pescoço grosso. Teria tendência para a
epilepsia e um temperamento intermediário entre os
Inteligência
outros dois;

Ver artigo principal: Inteligência


1. Tipo brevelíneo ou pícnico, de rosto arredon-
dado, abdome saliente, membros curtos. Tenderia
à ciclotimia e a um temperamento mais tranquilo. Inteligência é um construto complexo que descreve a ca-
pacidade intelectual do indivíduo.
A relação correlativa entre essas características foi inici-
almente empiricamente comprovada. Análises posterio- Criatividade
res mais exatas, que levavam em conta outras variáveis -
como a idade - e usavam métodos mais objetivos, acaba- Ver artigo principal: Criatividade
ram por derrubar a teoria de Kretschmer[2] .
No entanto a possibilidade de haver uma real relação Criatividade, apesar ser um termo muito difundido e
entre forma física e características psicológicas não é discutido, é um construto de difícil definição, porque
improvável, mas não de maneira direta, como pensava cada autor parece defini-lo de uma maneira diferente. Al-
Kretschmer. A forma física pode, através de um pro- guns autores chegam mesmo a se perguntar se criativi-
cesso de autopercepção, ser considerada positiva ou ne- dade não seria um conjunto de traços de personalidade
gativa e, assim, influenciar a autoestima, influenciando ao invés de um só[7] . Guilford (1950)[8] define criativi-
assim os traços de comportamento; pode ainda ser influ- dade como a capacidade de pensar divergentemente, ou
enciada pela percepção que a pessoa tem de si, influen- seja, de encontrar soluções diferentes e novas para um
ciar os motivos e interesses da pessoa, influenciando as- problema, em oposição ao pensamento convergente que
sim também as tendências de comportamento da pessoa. encontra soluções para problemas para os quais há apenas
No entanto não apenas a autopercepção pode influenciar uma resposta correta. Já Russ (1993)[9] trabalha com um
a autoestima e os interesses de alguém; o juízo de outras conceito mais amplo, que inclui traços afetivos do indi-
pessoas e a reação destas desempenham também um im- víduo, como a tolerância de ambiguidade, a abertura di-
portante papel nesse processo, de forma que as caracterís- ante de novas experiências, grande números de interesses
ticas de comportamento estáveis (assim a personalidade) e baixa tendência para o uso de mecanismos de defesa[2] .
são influenciadas indiretamente e de quatro maneiras di-
ferentes pela forma física[2] :
Competência social e inteligência emocional
• Forma física → autopercepção → autoestima →
comportamento Ver artigo principal: Competência social
72 CAPÍTULO 18. PERSONALIDADE

Ver artigo principal: Inteligência emocional soa ser mais ou menos pessimista ou otimista. Durante
a realização de uma atividade agem os chamados meca-
nismos de controle da ação (al. Handlungskontrolle), que
O termo competência social, na psicologia do senso co- têm por objetivo, por assim dizer, proteger a ação contra
mum normalmente entendido como a capacidade de lidar intenções concorrentes. Aqui podem manifestar-se dife-
com outras pessoas, é de difícil definição, por conter dois rentes estilos de controle da ação. Por exemplo, pessoas
componentes distintos, que têm entre si uma correlação perseverantes são capazes de “desligar” por algum tempo
muito pequena: a capacidade de defender e/ou de im- outras atividades a fim de alcançar um determinado resul-
por os próprios interesses e a capacidade de construir tado enquanto pessoas menos perseverantes distraem-se
relacionamentos[2] . mais facilmente. Quando a ação atinge o seu resultado
Inteligência emocional é um termo problemático. Ele surgem juízos relacionados a sua causa: por que deter-
foi definido de diferentes formas por diferentes autores minada coisa aconteceu? A esse tipo de juízo dá-se o
(Salovey & Mayer, 1990; Mayer et al. 2000; Van der nome de atribuição. Também quanto à atribuição há di-
Zee et al., 2002) e em todas as suas definições não repre- ferentes estilos - por exemplo algumas pessoas tendem a
senta uma atividade intelectual - ou seja, não corresponde colocar a culpa sempre nos outros ou a se sentir sempre
à idéia de inteligência (ver acima). O termo “inteligência responsáveis. Esses três grupos de características da per-
emocional” refere-se sobretudo a determinadas compe- sonalidade (estilos de expectativas, de controle da ação
tências no lidar com emoções que, apesar de serem es- e de atribuição) foram chamados por Asendorpf convic-
táveis na personalidade do indivíduo, costumam variar ções ligadas à ação (Handlungsüberzeugungen)[2] . Um
de acordo com as emoções envolvidas - ou seja a pessoa tipo especial de expectativas são as chamadas expecta-
pode saber lidar bem com a emoção medo, mas não com tivas de autoeficácia, autoeficácia percebida ou ainda
a raiva[2] . expectativas subjetivas de competência. Estes termos
designam a expectativa que uma pessoa tem de ser ca-
paz de realizar determinada tarefa. Esta característica da
18.3.4 Disposições ligadas à ação personalidade está intimamente ligada aos diferentes es-
tilos de atribuição: uma pessoa que tende a se considerar
Necessidades, motivos e interesses incapaz de realizar um tarefa (ex. ser aprovado em um
exame) irá, com maior probabilidade, considerar um su-
cesso (passar no vestibular) como obra do acaso do que
Ver artigo principal: Necessidade (psicologia)
uma realização pessoal.
Ver artigo principal: Motivo (psicologia)
Ver artigo principal: Interesse
Estilos de superação (coping)

Enquanto “temperamento” refere-se à forma do compor-


Ver artigo principal: Coping
tamento ou da ação, necessidades, motivos e interesses
dizem respeito à direção da ação, ou seja, aos seus ob-
jetivos - estando assim intimamente ligados à motivação. O termo coping foi gerado no contexto da pesquisa so-
As pessoas variam com relação ao significado pessoal de bre o estresse e designa os mecanismos que auxiliam o
diferentes necessidades, que determinam, por sua vez, indivíduo a superar uma situação estressante. Lazarus
suas ações e seu comportamento. Motivos são disposi- (1966)[10] diferencia entre dois tipos de coping: coping
ções ligadas ao valor atribuído às consequências dos atos orientado para o problema, que é a busca de uma modi-
- como por exemplo a “busca de sucesso” ou a “evitação ficação da situação que causa o estresse, e coping intrap-
de fracassos” podem ser fins mais ou menos desejáveis - síquico, que é praticamente uma mudança na maneira da
e são fruto de uma interação entre necessidades e pres- pessoa lidar com a situação - quer por uma mudança na
sões externas. Interesses também incluem uma valora- maneira de lidar com a situação ou com as emoções pro-
ção, mas direcionadas para a ação em si, independente vocadas pela situação (ex. técnicas de relaxamento, tenta-
do resultado - por exemplo jogar xadrez ou escrever na tiva de ver o lado positivo da situação, etc.). Por exemplo
Wikipédia podem ser consideradas ações mais ou menos uma pessoa estressada por morar em más condições, em
agradáveis, independentemente do sucesso atingido[2] . uma rua barulhenta e não conseguir dormir pode tentar
resolver esse problema mudando de casa (coping orien-
tado para o problema) ou, por exemplo, tentar aprender
Convicções ligadas à ação alguma forma de relaxar apesar do barulho ou começar a
direcionar sua atenção para os bons amigos que moram
Os motivos são, como visto, disposições ligadas ao va- no bairro e os bons momentos vividos na casa (coping in-
lor dado às consequências de uma ação. Eles estão assim trapsíquico). Posteriormente um terceiro tipo de coping,
intimamente ligados às expectativas do indivíduo com re- o "coping por expressão emocional” foi acrescentado, que
lação a suas ações. Há diferentes estilos de expectativas é uma mudança na forma da reação emocional ao estresse
(al. Erwartungsstile), como por exemplo é o caso de a pes- - ex. sorrir quando se está triste.
18.3. ASPECTOS DA PERSONALIDADE 73

Essas três categorias de coping reúnem uma série de di- referindo-se a atitude a elementos mais concretos. No en-
ferentes formas de lidar com uma situação de estresse. tanto a difereça entre “mais” e “menos” concreto é uma
Dentre essas inúmeras formas o indivíduo tende a esco- diferença quantitativa e assim a distinção entre as duas
lher e dar preferência a algumas - a esse traço da perso- disposições nem sempre é clara.
nalidade se dá o nome de estilo de coping[2] .

18.3.6 Disposições ligadas à própria pes-


18.3.5 Disposições ligadas à valoração (ou
soa
ao juízo de valor)
Disposições ligadas à própria pessoa referem-se à ten-
Temperamento, competências e as disposições ligadas à
dência de a pessoa ver e julgar a si mesma em determi-
ação são traços de personalidade ligados ao comporta-
nadas situações. Tais disposições usam os conceitos de
mento. Um outro grupo de traços está ligado às particu-
si-mesmo na primeira pessoa (Eu) e na terceira pessoa
laridades da valoração ou do juízo de valor. Valorar um
(Mim).
objeto da percepção ou imaginário é dar-lhe um valor e
esse valor gera preferências - e estas podem tornar-se re- Eu designa a instância interna da pessoa que é responsável
levantes para o comportamento. pela ação e pelo conhecimento; mim (inglês me) (ou si-
mesmo quando dito na terceira pessoa) designa a parte
interna da pessoa que é objeto do conhecimento, ou seja,
Postura aquilo que eu sei sobre mim[11] .
Esse auto-conhecimento tem, por sua vez, duas parte:
Ver artigo principal: Postura (psicologia) uma descritiva, a autoimagem, e outra valorativa, a au-
toestima (veja ambas abaixo)[12] .
Por postura de valores (Werthaltungen) entende-se a ten-
dência individual de se julgarem determinados objetivos
(ex. liberdade, igualdade) ou disposições de ação (ex. “eu”, “mim” e “autoimagem”
honestidade, prestatibilidade) como desejáveis ou inde-
sejáveis. Entre os diferentes tipos de postura e as disposi-
Ver artigo principal: Autoimagem
ções de comportamento correspondentes há uma relação
de correlação - ou seja, pessoas que valorizam novidades
(postura) tendem a ser curiosas (disposição de comporta- A autoimagem, essa descrição de si mesmo que cada
mento); pessoas ansiosas (disposição de comportamento) um faz, é também disposicional, ou seja, é uma tendên-
costumam valorizar a segurança (postura)[2] . cia relativamente estável que a pessoa tem de se ver de
uma determinada maneira em determinadas situações.
Ela é composta tanto de conhecimento universal, que diz
Atitude respeito a todas as pessoas que são como eu (estudan-
tes são críticos, brasileiros são simpáticos, etc.), como
Ver artigo principal: Atitude de conhecimento individual, ou seja, relativo somente a
mim (eu tenho medo de altura, sou bom esportista, etc.).
Como se vê esse conhecimento também é influenciado
Atitude designa as particularidades individuais na valo-
por preconceitos e ideias preconcebidas[2] .
ração de objetos específicos, quer da percepção, quer da
imaginação. As atitudes influenciam não o comporta-
mento diretamente em uma dada situação, mas o com-
portamento em uma série de situações diferentes. As- Autoestima
sim uma pessoa com uma atitude positiva com relação a
uma alimentação saudável pode gostar de comer frituras Ver artigo principal: Autoestima
(comportamento isolado), mas pode cozinhar ela própria,
comprar alimentos naturais e integrais e fazer cursos so- A autoestima, como parte valorativa do conhecimento
bre a alimentação (série de situações). Atitudes coletadas de si mesmo, ou seja, o juízo que eu faço sobre mim
através de perguntas não influenciam o comportamento mesmo, pode ser concebida como a atitude de uma pes-
real quando tal comportamento é socialmente desejável soa sobre si mesma e assim também é uma característica
ou indesejável. Assim, pessoas com atitudes preconcei- da personalidade, se bem que menos estável do que a au-
tuosas contra um determinado grupo de pessoas talvez toimagem por ser sensível a variações do humor. A au-
não se comporte de acordo com essa atitude por ser um toestima é uma característica situação-específica, ou seja,
tal comportamento socialmente condenado[2] . ela varia de acordo com a situação: eu posso estar satis-
Como se vê, a principal diferença entre postura e atitude feito comigo mesmo quando estou na universidade, mas
é o grau de abstração dos objetivos a que se referem, insatisfeito quando estou na quadra de esportes[2] .
74 CAPÍTULO 18. PERSONALIDADE

Aspectos disposicionais da dinâmica da autoestima 18.4 Desenvolvimento da persona-


lidade
Outros aspectos disposicionais ligados à autoestima são
as chamadas cognições ligadas a si mesmo: autoper-
cepção, a percepção do próprio corpo e do próprio com-
18.4.1 A estabilidade da personalidade
portamento; a memória de si, as recordações ligadas à
A pesquisa empírica conseguiu determinar quatro prin-
própria pessoa e às experiências feitas no passado; o re-
cípios para descrever a estabilidade dos traços de
flexo social, ou seja, a opinião que nós pensamos que ou-
personalidade[2] :
tras pessoas têm a nosso respeito, e a comparação social,
ou seja, a autoestima não é apenas baseada na nossa per-
cepção de nós mesmo, mas também na percepção que 1. Quanto maior o intervalo entre a primeira e a se-
nós fazemos dos outros a nosso redor. Um dos moti- gunda medição, maior a mudança - ou seja, os tra-
vos mais descritos na literatura psicológica é o motivo ços da personalidade se modificam com o passar do
de aumento da autoestima: todas as pessoas desejam tempo;
ter uma autoestima positiva e têm assim uma tendência a
se supervalorizar. Essa tendência é normal e saudável até 2. Em diferentes áreas da personalidade a estabilidade
um determinado ponto, em que passa a ser socialmente também é diferente - por exemplo: durante a vida,
condenada. Nesse momento, caracterizado pela falta de a inteligência tem uma estabilidade muito alta; já o
empatia, hipersensibilidade com relação a críticas e va- temperamento tem uma estabilidade mediana, en-
riações do humor, essa tendência recebe o nome de nar- quanto a autoestima pode variar muito.
cisismo - mas não se trata ainda do trantorno de perso-
nalidade narcísico, mas ainda de uma variação normal da 3. Muitos traços da personalidade são tanto mais instá-
personalidade. veis quanto mais instável é o ambiente social - assim
mudanças bruscas no ambiente podem trazer con-
Um outro processo importante ligado ao conceito de
sigo mudanças na personalidade da pessoa;
si mesmo é a autorrepresentação. O sociólogo E.
Goffman[13] comparou o comportamento social a um tea-
4. Na infância, quanto mais cedo é feita a primeira me-
tro público, em que nós nos representamos a nós próprios.
dição, mais instáveis são os traços da personalidade -
Essa representação tem um determinado fim: a adminis-
isto é, com o aumento da idade há uma tendência de
tração da própria imagem, ou seja, cada um procura con-
estabilização das características da personalidade,
trolar a impressão que ele provoca sobre os outros.
se bem que na puberdade possa haver alguns mo-
Momentos há em que temos a nossa atenção voltada para mentos passageiros de instabilidade. Duas razões
nós mesmo. A esse estado normalmente curto dá-se o são apresentadas para esse aumento na estabilidade
nome de autorreflexão (al. Selbstaufmerksamkeit). Al- da personalidade:
guns autores puseram-se a questão, se há uma disposição
em direção a uma autoreflexão mais ou menos forte. A (a) No decorrer do desenvolvimento a autoima-
essa disposição Asendorpf deu o nome de autoconsciên- gem torna-se cada vez mais estável - o conhe-
cia (al. Selbstbewusstheit). Esta é por sua vez composta cimento que a criança tem de si mesma cresce
de três fatores (Feingstein et al., 1975): (i) autoconsciên- com o tempo e, se o ambiente for relativa-
cia privada, ou seja, a tendência de pensar muito sobre mente estável, também a estabilidade nas for-
si mesmo; (ii) autoconsciência pública, em outras pala- mas de reação a ele cresce;
vras, a tendência de se preocupar sobre a impressão que
(b) Com o aumento da idade aumenta também a
se causa sobre outros, e (iii) ansiedade social, que é a
possibilidade de a criança modificar o seu am-
tendência a ter medo em situações sociais[2] .
biente a fim de que ele se adeqúe à própria per-
sonalidade - a criança pode escolher as ativi-
dades que lhe agradam, os amigos, etc.

Bem-estar Não apenas os traços individuais tendem a se tornar cada


vez mais estáveis - o perfil geral da personalidade também
tende a uma crescente estabilidade.
Ver artigo principal: Bem-estar

O bem-estar designa a parte subjetiva da saúde mental. 18.5 Distúrbios de personalidade


Apesar de ser também influenciado por fatores externos
ao indivíduo e de suas capacidades, o bem-estar repre-
senta também um determinado traço da personalidade re- Ver artigo principal: Transtorno de personalidade
lativamente independente de tais fatores[2] .
18.8. REFERÊNCIAS 75

18.6 Ver também • Friedman, Howard S. & Schustack, Miriam


(2003).Teorias Da Personalidade. Prentice Hall
Brasil. ISBN 8587918508 (No artigo citado da
versão alemã: (2004). Persönlichkeitspsychologie
und Dífferentielle Psychologie (2. akt. Aufl.).
München: Pearson. ISBN 3-8273-7105-8)
• Pervin, Lawrence A.; Cervone, Daniel & John, Oli-
ver (2005). Persönlichkeitstheorien. München: Rei-
nhardt. ISBN 3-497-01792-2 (Original: Persona-
lity: Theory and research, 2004)
• Simon (Suzanne), Sellier (Jean-Louis), A desco-
berta da personalidade, ÁTICA, SARL., Lisboa,
1977

18.8 Referências
[1] Pervin, Lawrence A.; Cervone, Daniel & John, Oliver
(2005). Persönlichkeitstheorien. München: Reinhardt.

[2] Asendorpf, Jens B. (2004). Psychologie der Persönlich-


keit. Berlin: Springer.

[3] “Personality is a dynamic organization, inside the person,


of psychophysical systems that create the person’s charac-
teristic patterns of behavior, thoughts and feelings”. Car-
ver, Charles S. & Scheier, Michael F. (2000). Perspectives
Máscara utilizada na ópera, China Beijing
on personality. Boston: Allyn and Bacon., p.5

[4] Carver, Charles S. & Scheier, Michael F. (2000). Pers-


• Psicologia da personalidade pectives on personality. Boston: Allyn and Bacon.
• Teoria da personalidade [5] Etimologia: Persona. Vocabolario Etimologico de Fran-
cisco Bonomi
• Tipos psicológicos
[6] Dalgalarrondo, Paulo (2000). Psicopatologia e semiologia
• MBTI dos transtornos mentais. Porto Alegre: Artes médicas.
• Transtorno de personalidade [7] Sternberg, R. J. (1988). The triarchic mind: A new theory
• Caráter of human intelligence. New York: Viking.

• Teste projetivo [8] Guilford, J. P. (1950). Creativity. American Psychologist,


5, 444-454.
• Biografia
[9] Russ, S. W. (1993). Affect and creativity. Hillsdale, NJ:
• Prosopografia Erlbaum.

• História de vida (sociologia) (en.) [10] Lazarus, R. S. (1966). Psychological stress and the coping
process. New York: McGraw-Hill.

[11] James, William (1890). The principles of psychology (Vol.


18.7 Bibliografia 1). New York: Holt.

[12] Potreck-Rose, Friederike & Jacob, Gitta (2006). Selbst-


• Asendorpf, Jens B. (2004). Psychologie der Persön-
zuwendung, Selbstvertrauen, Selbstakzeptanz - Psychotera-
lichkeit. Berlin: Springer. ISBN 3 540 66230 8 peutische Interventionen zum Aufbau von Selbstwertgefühl.
• Carver, Charles S. & Scheier, Michael F. (2000). Stuttgart: Clett-Kota.
Perspectives on personality. Boston: Allyn and Ba- [13] Goffman, E. (1956). The presentation of self in everyday
con. ISBN 0 2055 2262 9 life. Edimburgh: University of Edimburgh Press.
• Dalgalarrondo, Paulo (2000). Psicopatologia e semi-
ologia dos transtornos mentais. Porto Alegre: Artes
médicas. ISBN 85-7307-595-3
Capítulo 19

Psicopatologia

Psicopatologia é uma área do conhecimento que obje- lise se aproxima desse enfoque ao propor a hipótese do
tiva estudar os estados psíquicos relacionados ao sofri- inconsciente enquanto processo psíquico constitutivo que
mento mental. É a área de estudos que está na base da permite explicar a formação de sintomas, sonhos, atos fa-
psiquiatria, cujo enfoque é clínico. É um campo do saber, lhos, sintomas.[2]
um conjunto de discursos com variados objetos, méto- A psicopatologia como o ramo da ciência que trata da na-
dos, questões: por um lado, encontram-se em suas bases
tureza essencial da doença mental - suas causas, as mu-
as disciplinas biológicas e as neurociências, e por outro se danças estruturais e funcionais associadas a ela e suas for-
constitui com inúmeros saberes oriundos da psicanálise,
mas de manifestação. entretanto, nem todo estudo psico-
psicologia, antropologia, sociologia, filosofia, linguística patológico segue a rigor os ditames de uma ciência sensu
e história.
strictu. A psicopatologia em acepção mais ampla, pode
Pode-se considerar a psicopatologia um campo de pes- ser definida como o conjunto de conhecimento referen-
quisa principalmente de psicanalistas, psiquiatras e de tes ao adoecimento mental do ser humano. É um co-
psicólogos clínicos. A palavra “Psico-pato-logia” é com- nhecimento que se visa ser sistemático, elucidativo e des-
posta de três palavras gregas: “psychê", que produziu mistificante. Como conhecimento que visa ser científico,
“psique”, “psiquismo”, “psíquico”, “alma"; “pathos”, que não inclui critérios de valor, nem aceita dogma ou ver-
resultou em “paixão”, “excesso”, “passagem”, “passivi- dades a priori. O psicopatólogo não julga moralmente
dade”, “sofrimento”, e “logos”, que resultou em “lógica”, o seu objeto, busca apenas observar, identificar e com-
“discurso”, “narrativa”, “conhecimento”. Psicopatologia preender os diversos elementos da doença mental. Além
seria, então, um discurso, um saber, (logos) sobre o so- disso, rejeita qualquer tipo de dogma, seja ele religioso,
frimento, (pathos) da mente (psiquê). Ou seja, um dis- filosófico, psicológico ou biológico; o conhecimento que
curso representativo a respeito do pathos, o sofrimento busca está permanentemente sujeito a revisões, críticas e
psíquico, sobre o padecer psíquico.[1] reformulações.[3]
A psicopatologia enquanto estudo dos transtornos men-
tais é referida como psicopatologia geral. É uma vi-
são descritiva dos comportamentos que se desviam do 19.1 Normalidade, saúde mental e
que é o meio-termo, a média, isto é, do que é espe- psicopatologia
rado pela racionalidade. O estudo das patologias mentais,
pode estar vinculado a uma teoria psicológica específica,
por exemplo psicologia humanista, uma área da psicolo-
gia (psicologia do desenvolvimento mental) ou mesmo
a outras áreas do conhecimento (neurologia, genética,
evolução). Pode-se dizer que a psicopatologia pode ser
compreendida por vários vieses, e estes, combinados, dão
determinada leitura acerca do sofrimento mental. Essa
diversidade de compreensões, ao mesmo tempo em que
mostra a complexidade da área, pode causar certa confu-
são; assim, é fundamental que o interessado no estudo da
psicopatologia esteja ciente de que existem várias teorias
e abordagens na compreensão dos transtornos mentais e
de comportamento.
A psicopatologia enquanto estudo e pesquisa do que é A normalidade muitas vezes é relacionada com aquilo que se
constitutivo do sujeito, do que é universal e não desviante, espera encontrar numa população como regra
é enfocado pela psicopatologia fundamental. A psicaná-
Uma das primeiras, e talvez uma das mais importantes,

76
19.2. VISÕES SOBRE A PSICOPATOLOGIA 77

discussões sobre psicopatologia diz respeito à questão da quiátrica Americana, quarta edição (DSM-IV-TR), que
normalidade. Existem várias definições sobre o que é é o manual utilizado nos Estados Unidos como referên-
“normal”. Estatisticamente, normal refere-se a uma pro- cia para entendimento e diagnóstico, define os transtornos
priedade de uma distribuição que aponta uma tendência, mentais como síndromes ou padrões comportamentais ou
o que seria “mais comum” de encontrar em determinada psicológicos com importância clínica, que ocorrem num
amostra, o mais provável (cf. distribuição normal). As- indivíduo.
sim, o normal é o que seria o mais provável de encon- Estes padrões estão associados com sofrimento, incapa-
trarmos numa população, o comum, o esperado.[4] . Por- citação ou com risco de sofrimento, morte, dor, defici-
tanto, deste ponto de vista, os comportamentos que são
ência ou perda importante da liberdade. Essa síndrome
considerados típicos, ou seja, que são os “esperados” de ou transtorno não deve constituir uma resposta previsí-
se encontrar ou de acordo com os padrões sociais aceitá-
vel e culturalmente aceita diante de um fato, como o luto.
veis para o agir, podem ser considerados comportamen- Além disso, deve ser considerada no momento como uma
tos “normais”[5] . Nessa definição, os parâmetros da cul-
manifestação de uma disfunção comportamental, psico-
tura (morais) são a referência para aquilo que é o espe- lógica ou biológica no indivíduo. O DSM-IV-TR assinala
rado em termos de comportamento, e o que estiver fora
que nem comportamentos considerados fora da norma
deste padrão, já pode ser pensado como indício de pato- social predominante (p. ex., político, religioso ou se-
logia. A norma ou referência da saúde mental seria um xual), nem conflitos entre o indivíduo e a sociedade são
“comportamento médio” da população, e a partir deste os transtornos mentais, a menos que sejam sintomas de uma
comportamentos individuais poderiam ser avaliados. disfunção no indivíduo como descrito antes[7] .
Saúde, normalidade e psicopatologia são termos alta- São vários os fatores que podem caracterizar um trans-
mente relacionados. A psicopatologia passa a ocorrer torno. De forma geral, considera-se que a presença de
quando o comportamento de uma pessoa, ou eventual- uma psicopatologia ocorra quando houver uma variação
mente de um grupo de pessoas, foge àquilo que é espe- quantitativa em determinados tipos específicos de afetos,
rado como referência de determinada sociedade, quando comportamentos e pensamentos, afetando um ou mais as-
a pessoa passa a ter alterações importantes em relação ao pectos do estado mental da pessoa. Neste sentido, a psi-
comportamento que tinha no passado, com prejuízos sig- copatologia não é um estado qualitativamente diferente
nificativos em seu funcionamento (comportamento), cau- da vida normal, mas sim a presença de alterações quanti-
sando a si e a outros, especialmente seus familiares, acen- tativas. Por exemplo, considera-se que a tristeza seja nor-
tuado grau de sofrimento. Tem-se como expectativa que mal e esperada na vida de qualquer pessoa, e é mesmo
a normalidade seja o tipo de comportamento que mais
necessária em determinados momentos da vida (p. ex.,
ocorre em qualquer cultura. em situação de luto). Entretanto, num quadro depressivo
A saúde mental, por sua vez, seria então uma condição estabelecido, a tristeza é mais intensa e mais duradoura
ideal ou desejada para que essa normalidade possa vir a do que seria esperado numa situação normal e transitória.
existir, com qualidade e capaz de oferecer as melhores Assim, uma situação normal e esperada torna-se patoló-
condições para que as pessoas vivam satisfatoriamente, gica não por ser uma experiência ou vivência qualitativa-
produzam com eficiência e possam gozar de certo grau mente diferente, mas por ser mais ou menos intensa do
de felicidade para com as pessoas próximas a si. Se- que se espera em situações normais.
gundo a OMS,[6] a saúde mental refere-se a um amplo
espectro de atividades direta ou indiretamente relaciona-
das com o componente de bem-estar, que inclui a defini-
ção de um estado de completo bem-estar físico, mental e
social, e não somente a ausência de doença. Este conceito
engloba não apenas o comportamento manifesto, mas o 19.2 Visões sobre a psicopatologia
sentimento de bem-estar e a capacidade de ser produtivo
e bem adaptado à sociedade.
Da mesma forma que as diversas correntes da psicologia
Considera-se a presença de alguma psicopatologia a par- consideram as causas e consequências do comportamento
tir de critérios diagnósticos. Esses critérios são cataloga- de forma diferenciada, elaborando com frequência teo-
dos em manuais que apresentam o conjunto de sintomas rias com termos e nomenclaturas específicas[nt 1] , quando
necessários e suficientes para que se possa considerar que se trata da psicopatologia esta influência se faz sentir de
alguém está apresentando algum tipo de transtorno men- forma muito intensa. Os transtornos mentais são usual-
tal. Os critérios variam muito de grupo de transtornos (p. mente compreendidos a partir destas teorias psicológicas,
ex., transtornos de humor e transtornos de ansiedade pos- e pode ocorrer que dependendo da teoria à qual se está
suem diferentes critérios gerais) e dos transtornos entre tomando como referência, a linguagem e os conceitos se-
si (p. ex., transtorno depressivo maior e distimia), exi- jam diferentes. Para minimizar esta situação, usualmente
gindo muitas vezes a elaboração de um diagnóstico dife- utiliza-se uma nomenclatura psiquiátrica mais descritiva
rencial. O Manual Diagnóstico e Estatísticos de Trans- como “fiel” ou referência para a compreensão dos trans-
tornos Mentais e de Comportamento da Associação Psi- tornos mentais.
78 CAPÍTULO 19. PSICOPATOLOGIA

19.2.1 Psicologia cognitiva causando respostas emocionais de sofrimento. Portanto,


a terapia pode buscar a modificação destes aprendizados,
A cognição é considerada como um conjunto amplo visando um comportamento mais bem adaptado.
de funções mentais, tais como pensamento, linguagem,
memória, sensopercepção, orientação, atenção e outras.
No sentido amplo, o estudo da cognição incluiria o estudo
dos afetos e humores, visto que também alteram e são Relações entre a psicologia cognitiva e o behaviorismo
afetados de forma significativa pelos processos de pensa-
mento. Uma ampla gama de psicólogos clínicos e pesquisadores
De forma genérica, a psicologia cognitiva estuda a rela- efetuam uma fusão entre os conhecimentos da psicologia
ção que os processos cognitivos possuem com os afetos e cognitiva e do behaviorismo. Embora do ponto de vista
comportamentos, e como estes realimentam os processos conceitual e da pesquisa esse movimento receba várias
cognitivos. É amplamente confirmado que a forma como críticas (de ambos os lados, mas talvez mais do lado beha-
se processam as informações vindas do ambiente direci- viorista), do ponto de vista prático os psicólogos clínicos
onam a análise da realidade e a autoimagem, da mesma entendem que é uma integração eficiente, pois combina
forma que padrões já estabelecidos de pensamento “fil- teorizações e técnicas de modificação de comportamento
tram” os dados da realidade que mais encaixam com com estratégias de revisão e alteração de esquemas cogni-
nossa visão de mundo. Por exemplo, uma pessoa com tivos. Desta forma, caracteriza-se a psicologia cognitivo-
sintomas depressivos tende a pensar a realidade de forma comportamental como região de interface entre as duas
mais pessimista e limitada, o que está de acordo com seu teorias.
estado de humor que “modula” como ela percebe da re-
alidade. Assim, os sentimentos negativistas filtram as si-
tuações que estão relacionadas com eles (tendem a focar
mais nos problemas que nas soluções, por exemplo). Da 19.2.3 Psicanálise
mesma forma, padrões aprendidos de pensamento podem
favorecer que alguém foque em determinados aspectos A psicanálise foi uma das primeiras teorias com aspecto
da realidade em sintonia com eles; uma pessoa que teve científico que objetivou compreender o fenômeno da psi-
uma infância onde foi alvo de muitas críticas por seus pais copatologia. Fundada por Sigmund Freud, postulava que
tende a perceber o ambiente de forma mais agressiva, e o comportamento era em grande medida determinado
espera ser criticada por outros[8] . Assim corre mais risco pelos aspectos inconscientes da personalidade. Desta
de desenvolver uma psicopatologia. forma, o homem possui menos controle sobre os seus atos
do que gosta de acreditar que tem, e esse pode ser um fa-
tor relacionado com o surgimento e a manutenção dos
19.2.2 Comportamentalismo (Behavio- transtornos mentais[nt 2] .
rismo) Não existe uma forma única de compreender a psi-
copatologia pela visão psicanalítica. O tema é com-
O comportamentalismo (tradução do inglês behaviorism, plexo por, pelo menos, duas razões: à medida em que
comportamento) postula que o comportamento depende Freud foi avançando em sua elaboração sobre o funci-
em grande medida do que ocorre em função das contin- onamento psíquico, foi incorporando e integrando con-
gências (fatores ou variáveis) ambientais. Tendo como ceitos. Um segundo fator é que por psicanálise entende-
um dos principais expoentes B. F. Skinner, o behavio- se uma gama ampla de formulações teóricas sobre o in-
rismo influenciou muito, e influencia ainda, a educação consciente; neste sentido, há autores que são entendidos
e a psicoterapia, propondo intervenções que objetivem como psicanalíticos (como Anna Freud, Melanie Klein e
compreender e modificar o comportamento[9] . Jacques Lacan) e outros, dissidentes, que aproveitaram
O behaviorismo postula que o comportamento é apren- alguns aspectos da psicanálise freudiana e organizaram
dido. Desta forma, coloca grande ênfase no ambiente suas formulações (como Wilhelm Reich, Alfred Adler e
como fator de organização e configuração daquilo que fa- Carl Gustav Jung).
zemos. O grande elemento que define o que fazemos são Abordando a conceitualização psicanalítica clássica,
as consequências; se temos tal ou qual comportamento, pode-se dizer que o inconsciente, em interação com o
o fazemos em virtude de buscar, de forma mais ou me- pré-consciente e consciente, seriam as instâncias psíqui-
nos clara, determinado resultado. Quanto menos com- cas responsáveis pelo funcionamento adequado ou pato-
preendermos os efeitos de nossos comportamentos, assim lógico. Na medida em que há conteúdos inconscientes
como os elementos que o desencadeiam (contingências), reprimidos, ou recalcados, que estão por alguma razão
podemos dizer que somos menos livres e menos auto- proibidos de vir à consciência, esta pressão poderia ser
determinados. A psicopatologia pode ser compreendida geradora de sofrimento. Se esse impedimento for muito
como um conjunto de aprendizagens que levaram a com- forte ou prolongado, há chances de ocorrer o desenvolvi-
portamentos que são pouco adaptados ao contexto atual, mento de patologias.
19.3. SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS 79

19.2.4 Fenomenologia cionados à Saúde que está na 10ª revisão e se inciou em


1893) e o DSM (referente ao Manual Diagnóstico e Esta-
Karl Jaspers afirmava que o objetivo da fenomenologia é tístico de Transtornos Mentais, uma publicação da Ame-
“sentir, apreender e refletir sobre o que realmente acon- rican Psychiatric Association, Washington D.C., sendo a
tece na alma do homem”. No entanto, a psicopatologia sua 4ª edição conhecida pela designação “DSM-IV-TR[7]
é a própria razão de existir da psiquiatria, sua disciplina ”). A CID-10[12] é a classificação usada no Brasil nos ser-
fundamental, básica, nuclear. Para Jaspers, a psicopato- viços de saúde para referenciar todos os quadros de en-
logia tem por objetivo estudar descritivamente os fenô- fermidades e doenças, inclusive os transtornos mentais.
menos psíquicos anormais, exatamente como se apresen- O DSM-IV-TR é também bastante utilizado para fins de
tam à experiência imediata, buscando aquilo que constitui diagnóstico, pois permite uma avaliação multiaxial do pa-
a experiência vivida pelo enfermo. ciente.
A psicopatologia se estabelece através da observação A importância dos sistemas de classificação reside no
e sistematização de fenômenos do psiquismo humano fato de que propõe categorias diagnósticas, visando di-
e presta a sua indispensável colaboração aos profissi- ferenciar os diversos quadros relacionados aos transtor-
onais que trabalham com saúde mental, em especial nos mentais, pela separação em grandes grupos de patolo-
os psiquiatras, os psicólogos, os médicos de família e gias. A CID-10 e o DSM-IV-TR são sistemas diferentes,
os neurologistas clínicos. Pode estar fundamentada na propostos respectivamente pela Organização Mundial da
fenomenologia (no sentido de psicologia das manifesta- Saúde e pela American Psychiatric Association (APA), e
ções da consciência), em oposição a uma abordagem es- possuem diferentes formas de classificação. Tanto a CID-
tritamente médica de tais patologias, buscando não redu- 10 quanto o DSM-IV-TR são sistemas de classificação
zir o sujeito a conceitos patológicos, enquadrando-o em a-teóricos, ou seja, não estão vinculados direta ou exclu-
padrões baseados em pressupostos e preconceitos. sivamente a uma teoria psicológica (p. ex., psicanálise,
cognitivismo, humanismo) na explicação da gênese, ma-
Autores como Karl Jaspers[10] e Eugène Minkowski[11]
nutenção e tratamento dos sintomas. Esta visão a-teórica
buscam uma ponte possível entre a psicopatologia descri-
permite que os sistemas sejam utilizados, virtualmente,
tiva e a fenomenológica. Diferentemente de outras espe-
por todos os profissionais da saúde.
cialidades médicas, em que os sinais e sintomas são íco-
nes ou índices, a psiquiatria trabalha também com símbo-
los. Posto isso, o pensamento, a sensibilidade e a intuição
ainda são, e sempre serão, o instrumento propedêutico 19.3.1 CID-10
principal do psiquiatra, pois que, sem a homogeneidade
conceitual do que seja cada fato psíquico não há, e não ha- A CID-10 apresenta um caráter descritivo por diagnós-
verá, homogeneidade na abordagem clínico-terapêutica tico, com os principais aspectos clínicos e outros associ-
do mesmo. Essa seria uma tarefa do terapeuta: mergu- ados, mesmo que menos importantes. Fornece diretrizes
lhar nos fenômenos que transitam entre duas consciên- diagnósticas que são as orientações que visam auxiliar o
cias, a nossa, a do psiquiatra/pessoa e a do outro, a do profissional a avaliar o conjunto de sinais e de sintomas
[12]
paciente/pessoa. Deixar que os fenômenos se fragmen- apresentados pelo paciente .
tem, que suas partes confluam ou se esparjam, num mo- Pode-se conferir aqui a lista completa do capítulo da CID-
vimento próprio e intrínseco a eles. Cabe ao profissional 10 referente aos transtornos mentais e de comportamento.
efetuar uma leitura da configuração final desse jogo es-
trutural, sem maiores pressupostos ou intencionalidade, De forma resumida, o capítulo V da CID-10 que corres-
e com procedimentos posteriores de verificação. ponde aos Transtornos Mentais e Comportamentais inclui
as seguintes categorias de classificação:
F00-F09 - Transtornos mentais orgânicos, inclusive os
sintomáticos.
19.3 Sistemas de classificação dos
F10-F19 - Transtornos mentais e comportamentais devi-
transtornos mentais dos ao uso de substancias psicoativas.
F20-F29 - Esquizofrenia, transtornos esquizotípicos e
As manifestações psicopatológicas podem ser classifica- delirantes.
das de diversas maneiras:, por etiologia (a exemplo das
orgânicas e psicológicas), por tipo de alteração (a exem- F30-F48 - Transtorno do humor (afetivos).
plo da neurose e psicose que considera a relação com a F40-F48 - Transtornos neuróticos, transtornos relaciona-
consciência como perda de contato com a realidade na dos com o estresse e transtornos somatoformes.
concepção psicanalítica desta), etc. A categoria de clas-
sificação possui fins estatísticos ou seja de tabulação de F50-F59 - Síndromes comportamentais associadas com
prontuários em serviços de saúde, atestados, declarações distúrbios fisiológicos e a fatores físicos.
de óbito. Entre as mais conhecidas estão a CID (Classi- F60-F69 - Transtorno de personalidade e do comporta-
ficação Internacional das Doenças e de Problemas rela- mento do adulto.
80 CAPÍTULO 19. PSICOPATOLOGIA

F70-F79 - Retardo Mental. 19.4 Notas


F80-F89 - Transtornos do desenvolvimento psicológico.
[1] Conferir, por exemplo, as conceituações teóricas
F90-F98 - Transtornos do comportamento e transtornos
da psicanálise, psicologia cognitiva, humanismo e
emocionais que aparecem habitualmente na infância e fenomenologia para identificar as diferenças de visões de
adolescência. homem e mundo.

[2] A psicanálise nasceu do trabalho de Freud com seus pa-


19.3.2 DSM-IV-TR cientes internados e com sintomas histéricos. Esta teoria
possui íntima relação com a psicopatologia, pois o obje-
O DSM-IV-TR é um sistema diagnóstico definido como tivo principal era a constituição de um arcabouço expli-
cativo com vistas a compreender e intervir nos sintomas
multiaxial. Isso significa que ele avalia vários fatores, ou
apresentados.
“eixos” (axis) do comportamento, buscando uma compre-
ensão que vai além do simples diagnóstico do transtorno
mental atual.
São os cinco eixos de avaliação do DSM-IV-TR (p. 59- 19.5 Referências
69)[7] :
[1] CECCARELLI, Paulo. O sofrimento psíquico na pers-
Organização geral das categorias do DSM-IV-TR[7] :
pectiva da psicopatologia fundamental. Psicologia em
Estudo, Maringá, v. 10, n. 3, p. 471-477, set./dez. 2005.
• 1. Transtornos geralmente diagnosticados pela pri- Disponível em: Scielo.
meira vez na infância ou na adolescência
[2] Freud, S. (1987) Edição Standard da Obra Psicológica
Completa de S. F. 2.ed. Rio de Janeiro: Imago. 1987.
• 2. Delirium, demência, transtorno amnéstico e ou-
tros transtornos cognitivos
[3] Dalgalarrondo, P. (2008) Psicopatologia e Semiologia dos
Transtornos Mentais 2 ed. Artmed.
• 3. Transtornos mentais causados por uma condição
médica geral [4] LEVIN, Jack. Estatística aplicada às ciências huma-
nas. 2 ed. São Paulo: Habra, 1987.
• 4. Transtornos relacionados a substâncias
[5] SADOCK, Benjamin J.; SADOCK, Virginia A. Com-
• 5. Esquizofrenia e outros transtornos psicóticos pêndio de psiquiatria: ciências do comportamento e psi-
quiatria clínica. Porto Alegre: Artmed, 2007.
• 6. Transtornos do humor
[6] WORLD HEALTH ORGANIZATION. Health topics:
• 7. Transtornos de ansiedade mental health. Acessado em: 15/06/2012. Link

[7] AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Ma-


• 8. Transtornos somatoformes
nual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Men-
tais: Texto revisado. 4 ed. Porto Alegre: Artmed,
• 9. Transtornos factícios 2002.p. 27-28.

• 10. Transtornos dissociativos [8] BECK, Aaron T.; ALFORD, Brad A. O poder integra-
dor da terapia cognitiva. Porto Alegre: Artmed Sul,
• 11. Transtornos sexuais e da identidade de gênero 2000.

• 12. Transtornos da alimentação [9] SKINNER, B. F. Ciência e comportamento humano.


11 ed. Trad. J. C. Todorov e R. Azzi. São Paulo: Martins
• 13. Transtornos do sono Fontes, 2003.

• 14. Transtornos do controle do impulso não classi- [10] JASPERS, Carl. Psicopatologia Geral. 2 v. São Paulo:
Atheneu, 2006.
ficados em outro local
[11] MINKOWSKI, Eugène. Traité de Psycopalologie. Ins-
• 15. Transtornos de adaptação titut Synthélabo/Le Plessis-Robinson, 1999.

• 16. Transtornos de personalidade [12] ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classifica-


ção de Transtornos Mentais e de Comportamento da
• 17. Outras condições que podem ser foco de atenção CID-10: Descrições clínicas e diretrizes diagnósticas.
clínica Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.
19.7. VER TAMBÉM 81

19.6 Bibliografia
Instituto da Psicanálise Lacaniana. Núcleo de Estudos e
Pesquisas de Psicopatologia e Psicanálise. Ver
Karl Jaspers,J. Hoenig,Marian W. Hamilton General
Psychopathology. John Hokins Ed. 1977 e Chicago
University Disponível no Google Livros Dez. 2010

19.7 Ver também


• Karl Jaspers
• Fenomenologia

• Psicanálise

• Neurociência
• Psicologia

• Psiquiatria
• Psicologia Médica

• Enfermidades em Psiquiatria
• Transtorno mental
Capítulo 20

Psicologia do desenvolvimento

Psicologia do desenvolvimento é o estudo científico das


mudanças de comportamento relacionadas à idade du-
rante a vida de uma pessoa. Este campo examina mudan-
ças através de uma ampla variedade de tópicos, incluindo
habilidades motoras, habilidades em solução de proble-
mas, entendimento conceitual, aquisição de linguagem,
entendimento da moral e formação da identidade.
O estudo científico do desenvolvimento humano evoluiu
de estudos sobre a infância para estudos sobre todos os
períodos da vida. O estudo do desenvolvimento humano
procura descrever, explicar, prever e modificar o com-
portamento.
Os cientistas do desenvolvimento estudam as mudanças
quantitativas e qualitativas e a estabilidade nos domínios Mãe Uaiana com seu filho
físico, cognitivo e psicossocial. O desenvolvimento está
sujeito a influências internas e externas, tanto normativas
como não normativas. Importantes influências contextu- • Donald Woods Winnicott
ais sobre o desenvolvimento incluem a família, o bairro,
a condição socioeconômica, a etnicidade e a cultura. • Teoria psicanalítica / Anna Freud

As perspectivas teóricas sobre o desenvolvimento hu- • Teoria Cognitiva de Jean Piaget


mano diferem em três aspectos básicos: a importância
relativa da hereditariedade e do ambiente, se o desenvol- • Lawrence Kohlberg
vimento é ativo ou passivo e se ele é contínuo, ou ocorre • Henri Wallon
em estágios.
• Lev Vygotsky
As teorias do desenvolvimento enquadram-se nas pers-
pectivas psicanalítica, humanista, da aprendizagem, cog-
nitiva, etológica e contextual. Os cientistas utilizam uma
variedade de métodos de pesquisa para estudar o desen- 20.2 Bibliografia
volvimento. Os métodos básicos de coleta de dados in-
cluem relatos pessoais, testes e observação. Os modelos PAPALIA, Diane E.; FELDMAN, Ruth D. & OLDS,
básicos de pesquisa incluem os estudos de caso, os es- Sally W. Desenvolvimento Humano. 8ª ed. Porto Alegre,
tudos etnográficos, os estudos correlacionais e os expe- Artmed, 2006. ISBN 0-07-232139-3
rimentos. Os modelos mais comuns de pesquisa sobre
desenvolvimento são longitudinais e transversais.
20.3 Referências
20.1 Teorias e teóricos
• Desenvolvimento infantil

• Erik Erikson

• Melanie Klein

82
Capítulo 21

Psicologia comparada

A psicologia comparada ou psicologia animal é


um campo da psicologia que estuda as diferenças de
comportamento entre os vários seres vivos, as vá-
rias espécies existentes, comparando os seus diferentes
comportamentos.
Este ramo da psicologia é, por vezes, confundido com
a etologia, mas diferem em muitos pontos importantes.
A etologia é uma ciência que estuda os animais de es-
pécies diferentes, observando-os no seu meio ambiente
natural ou habitat, enquanto que a psicologia comparada,
observa-os em laboratório.
Resumidamente, a psicologia comparada limita-se à
comparação de resultados obtidos em laboratório, re-
sultados esses que acabam por ser um pouco limitados,
uma vez que os grupos observados em laboratório não
abrangem uma população significativa.

83
Capítulo 22

Século XX

Milénios: primeiro milénio d.C. - segundo milénio d.C. Japão e o Império Russo estavam em guerra entre si em
- terceiro millénio d. C. 1905. A Guerra Russo-Japonesa foi uma das primeiras
Séculos: Século XIX - Século XX - Século XXI. instâncias de uma potência europeia caindo perante uma
assim chamada “nação inferior”. A própria guerra refor-
O Século XX iniciou em 1° de janeiro de 1901 e ter- çou o militarismo japonês e desenvolveu o crescimento
minou em 31 de dezembro de 2000. Foi um período de status do Japão por poder no cenário internacional. A
que se notabilizou pelos inúmeros avanços tecnológi- Rússia czarista, por outro lado, não lidou bem com a der-
cos, conquistas da civilização e reviravoltas em rela- rota. A guerra expôs a fraqueza militar do país e o cres-
ção ao poder. No entanto, esses anos podem ser des- cente retrocesso econômico. Os Estados Unidos foram
critos como a "época dos grandes massacres”, já que um elemento de crescente influência na política mundial
nunca se matou tanto como nos conflitos ocorridos no pe- durante o século XIX. Tornaram sua presença conhecida
ríodo. Em muitos países da Europa e da Ásia, o século no cenário mundial desafiando a os espanhóis na Guerra
XX também foi largamente apelidado de "Século San- Hispano-Americana, ganhando colônias de Cuba e das
grento".[carece de fontes?] Os cientistas europeus Giovanni Filipinas como protetorados.
Arrighi e Eric Hobsbawm escreveram sobre o período,
o qual também intitularam seus livros, mas de perspec- Agora, com crescimento na imigração e uma resolução
tivas distintas: O longo século XX e Era dos Extremos: de uma questão de unidade nacional através da sangrenta
o breve século XX, 1914-1991, respectivamente.[1] Tam- Guerra Civil Americana, os Estados Unidos estavam sur-
bém é associado ao Século Americano.[carece de fontes?] gindo também como uma usina de força industrial, rivali-
zando com a Grã-Bretanha, Alemanha e França. Com tal
O século XX foi marcado por um período de mudanças. crescimento de poder na Ásia, e especialmente na Amé-
Com invenções como a lâmpada, o automóvel e o telefone rica do Norte, e com crescente rivalidade entre as po-
no final do século anterior, a qualidade de vida aumentou tências europeias, o cenário estava preparado para que a
para muitos, ao passo que esse progresso não só prosse- política mundial sofreria uma grande reviravolta.
guiu no Século XX, assim como foi essencial para grandes
mudanças no cenário político global. Os Estados Uni-
dos tiveram grandes ganhos econômicos e políticos; por
volta de 1900, os Estados Unidos eram a potência indus-
22.1 Importantes desenvolvimen-
trial líder no mundo em termos de produção . A África, tos, eventos e conquistas
América Central, América do Sul e Ásia também gradu-
almente rumaram a uma maior autonomia. Com a cri- 1. Agricultura - O desenvolvimento do fertilizante
ação de novos estados independentes em ex-possessões de nitrogênio, pesticidas e herbicidas resultando
europeias, o balanço de poder ao longo do século XX co- em um aproveitamento na agricultura significativa-
meçou a se deslocar para fora da Europa. mente maior.
Na Europa, mudanças começaram também. O Império
2. Automóveis - A linha de montagem e a produção
Britânico alcançou o ápice de seu poder. Império alemão
em massa de veículos motorizados e outros bens
e Reino de Itália, que passaram a existir como nações uni-
permitiram aos fabricantes produzir mais produtos
ficadas no final do século XIX, trataram de crescer em po-
por custo muito menor. Isso permitiu ao automóvel
der, economia e influência. Com o nacionalismo à toda
tornar-se o meio de transporte mais importante.
a força nesse momento, as potências europeias compe-
tiram entre si por terras, força militar e poderio econô- 3. Aviação - A invenção de máquinas voadoras mais
mico. A Ásia e a África, para a maioria, ainda estava pesadas que o ar e o motor a jato permitiram ao
sob controle de seus conquistadores europeus como con- mundo ficar “menor”.
sequência do neocolonialismo. Exceções existiram, con-
tudo, como na China e no Japão. Além disso, Império do 4. Computação - Eletrônica aplicada, notavelmente
em sua forma miniaturizada como circuitos in-

84
22.2. DOENÇA E MEDICINA 85

tegrados, tornou possível o crescimento mencio-


nado acima da mídia de massa, telecomunicações,
computação pessoal e todas os tipos de utensí-
lios “inteligentes"; assim como muitos avanços nas
ciências naturais como a física, pelo uso do po-
der de cálculo em crescimento exponencial (ver
supercomputador).
• Albert Einstein, considerado a
5. Energia - Avanços em física fundamental através imagem da “inteligência” e do “pacifismo”.
da teoria da relatividade e mecânica quântica levou
ao desenvolvimento de armas nucleares (conhecidas
informalmente como “a Bomba” e jogada na cidade
industrial de Hiroshima e na histórica de Nagasaki),
o reator nuclear, e o laser. Energia através da fusão
nuclear foi estudada extensivamente mas permane-
ceu como um experimento tecnológico ao final do
século.
• Santos Dumont O Pai da Aviação.
6. Eletrodomésticos - Invenções como as máquinas de
lavar e o ar condicionado levaram a um crescimento
tanto em quantidade quanto em qualidade de diver-
são para a classe média nas sociedades ocidentais.

7. Espaço - O voo espacial aumentou o conhecimento • O 14-Bis.


sobre o resto do universo e permitiu comunicações
globais em tempo real via satélites geoestacionários.

8. Informação - Disponibilidade em massa do telefone


e mais tarde, do computador, especialmente através
da Internet, fornece às pessoas novas oportunidades
de comunicação quase instantânea.
• Alexander Fleming O desco-
9. Saúde - Invenções de grande influência no século bridor da penicilina retratado em um selo.
XX: antibiótico, contraceptivo oral, novos plásticos,
transístor, Internet.

10. Telecomunicações - Tecnologias de mídia de massa


como o filme, rádio e a televisão permitem a co-
22.2 Doença e medicina
municação de mensagens políticas e entretenimento
com impacto sem precedentes. • A disponibilidade e a qualidade da medicina melho-
raram de forma espantosa
• Doenças epidêmicas continuaram a se espalhar,
aliadas a modernas formas de transporte. Uma
pandemia de influenza, a Gripe Espanhola, matou
25 milhões entre 1918 e 1919, enquanto a Aids
ainda não tem cura e os tratamentos permanecem
• Linha de montagem da Ford, muito caros para uso em larga escala nos países em
1913. desenvolvimento.
• Avanços em medicina, como a invenção do
antibiótico, diminuíram sensivelmente o número de
pessoas que morreram por doença.
• Drogas contraceptivas e transplante de órgãos fo-
ram desenvolvidos. A descoberta das moléculas de
ADN e o advento da biologia molecular permitiu a
clonagem e a engenharia genética.
• Guglielmo Marconi A figura • Um grande divisor entre países em desenvolvimento
central da história do rádio. e países desenvolvidos passa a ser o acesso à medi-
cina moderna.
86 CAPÍTULO 22. SÉCULO XX

22.3 Cultura e entretenimento tornou-se um símbolo máximo da sociedade mo-


derna, com estilos de carro que expressam o estilo
de vida de seus donos.
Ver artigos principais: Arte contemporânea e
Vanguarda
• Os esportes tornaram-se parte importante da socie-
dade, tornando-se uma atividade não apenas para os
privilegiados. Assistir os esportes, mais tarde tam-
bém pela televisão, tornou-se uma atividade popu-
lar.

• Michael Jackson (1958-2009) o rei


do Pop, recordista de venda de álbuns e ícone da
música, é considerado “o maior artista de todos os
Cena do filme Nasce uma Estrela. tempos”.

• No início do século, Paris é a capital artística do


mundo, onde tanto escritores, compositores e artis-
tas franceses quanto estrangeiros se encontram.
• Filmes, música e a mídia tiveram uma grande in-
fluência na moda e tendências em todos os aspectos
da vida. Como muitos filmes e músicas se origi-
naram dos Estados Unidos, a cultura americana se
espalhou rapidamente por todo o mundo. • Madonna (1958-) a rainha do
Pop, polêmica, abriu caminho na música para a
• Após ganhar direitos políticos em grande parte da abordagem de variados temas, entre eles sexuali-
Europa e nos Estados Unidos na primeira parte dade e religião.
do século, e com o advento de novas técnicas de
controle de natalidade, as mulheres tornaram-se
mais independentes ao longo do século.
• Os estilos de música Rock n' Roll e Jazz foram
desenvolvidos nos Estados Unidos, e rapidamente
tornaram-se formas dominantes de música popular
na América do Norte, e mais tarde, no mundo. Os • The Beatles (John, Ringo,
Beatles, uma banda britânica de Rock & Roll dos Paul e George), símbolo do progressismo cultural
anos 60, tornou-se o maior sucessos de todos os tem- da segunda metade do século.
pos, e isso é creditado, em seus últimos álbuns ex-
perimentais, mudando permanentemente o que era
possível imaginar na música popular.
• A arte moderna emerge com, no seu contexto, di-
ferentes estilos como o expressionismo, cubismo,
fauvismo, abstracionismo, surrealismo.
• O automóvel forneceu de forma ampla capacidades
crescentes de transporte para um membro comum
das sociedades ocidentais na primeira metade do • Elvis Presley (1935-1977), o rei
século, espalhando-se ainda mais com o passar do do Rock, símbolo da rebeldia e ousadia trazidas
tempo. O desenvolvimento urbano por quase todo com o rock and roll.
o Ocidente focou no transporte por carro. O carro
22.3. CULTURA E ENTRETENIMENTO 87

• Judy Garland (1922-1969),


• Pelé (1940-) o Atleta do Século e no filme The Wizard of Oz de 1939, um sucesso de
tricampeão do mundo de futebol. bilheteria e um dos primeiros filmes a cores.

• Marilyn Monroe (1926-


1962), reconhecida como símbolo sexual, no filme
• Garrincha (1933-1983) o Anjo Gentlemen Prefer Blondes, de 1953.
das Pernas Tortas e bicampeão do mundo de
futebol.

• Guitarra elétrica, invenção


que revolucionou a música popular.
• Cena da "Queda Babilônia"
um dos episódios do filme Intolerância de D.W.
Griffith, de 1916, considerado por muitos críticos
o maior filme da era muda de todos os tempos.

• Humphrey Bogart (1899-


1957), premiado ator norte-americano, no filme
Casablanca de 1942

• David Wark Griffith (1875-


1948), cineasta norte-americano, considerado
o “pai” da montagem paralela do close e dos
movimentos de câmera.
• Charles Chaplin (1889-1977),
considerado o “Rosto do Século XX”.[2]

• Clark Gable (1901-1960), • Alfred Hitchcock (1889-1980),


brilhante ator norte-americano no filme Gone With cineasta anglo-americano, diretor de filmes de
the Wind (um dos primeiros filmes a cores) de suspense que revolucionaram a estética cinemato-
1939, em que estrelou com Vivien Leigh gráfica do Século XX.
88 CAPÍTULO 22. SÉCULO XX

• Jean-Luc Godard (1930-),


um dos mais polêmicos cineastas do Século XX.

• Cecil Blount DeMille (1881-


1959), outro cineasta norte-americano, diretor de
superproduções épicas como Os Dez Mandamentos
e Cleópatra.

• Pôster de The Birth of a Nation,


de D.W. Griffith, primeiro longa-metragem norte-
americano, de 200 minutos, de 1915.

• Harold Lloyd (1893-1971), ator e


cineasta norte americano do cinema mudo. 22.4 Guerras e política
• Nações democráticas começaram a estender
privilégios de voto a todos os adultos.

• Crescimento do nacionalismo e da percepção naci-


onal estiveram entre as causas da I Guerra Mun-
• Federico Fellini (1920- dial, a primeira das duas guerras que envolve-
1993), importante cineasta italiano do Século XX, ram todas as grandes potências mundiais incluindo
diretor de clássicos famoso como Il bidone, A Doce Alemanha, França, Itália, Japão, os Estados Unidos
Vida, 8½, Julieta dos Espíritos, Amarcord, Roma, e a Commonwealth. A I Guerra Mundial levou à
Entrevista, E la nave va e La voce della luna. criação de muitos novos países, especialmente na
Europa Oriental. Ironicamente, foi considerada por
muitos como a “Guerra que terminaria com todas as
Guerras”.

• O resultado político e econômico da I Guerra Mun-


dial levou ao crescimento do fascismo e do nazismo
• Stanley Kubrick (1928- na Europa, e rapidamente à II Guerra Mundial. Essa
1999) influente cineasta, reconhecido pela sua guerra também envolveu a Ásia e o Pacífico, na
meticulosidade e persistência técnica, presente em forma de agressão japonesa contra a China e os Es-
seus clássicos como 2001: A Space Odyssey, A tados Unidos. Enquanto a Primeira Guerra Mun-
Clockwork Orange e The Shining. dial teve suas baixas concentradas entre os solda-
dos, os civis sofreram muito na Segunda resultado
do bombardeio de cidades de ambos os lados (in-
• Le Voyage dans la Lune, de 1902, de Georges clusive nuclear), e no genocídio sem precedentes,
Méliès, primeiro filme de ficção científica. pelos alemães, dos judeus e outros, conhecido como
o Holocausto.

• Durante a Primeira Guerra Mundial, na Rússia o


levante bolchevique levou à Revolução Russa de
1917. Após o envolvimento da União Soviética
na II Guerra Mundial, o comunismo tornou-se uma
grande força na política global, estendendo-se por
• The Great Train Robbery, de todo o mundo: principalmente, à Europa Oriental,
Edwin Stanton Porter, de 1903, primeiro faroeste China, Indochina e Cuba. Isso levou à Guerra Fria
da história do cinema. e guerras por procuração com o Ocidente, incluindo
guerras na Coreia (1950-53) e Vietnã (1957-75).
22.4. GUERRAS E POLÍTICA 89

• A “queda do comunismo” no final dos anos 80 li- 22.4.1 “A Grande Guerra”


bertou a Europa do Leste e Central da supremacia
soviética. Isso também levou à fragmentação da
União Soviética (ver: Dissolução da União Sovié- Ver artigos principais: Causas da Primeira Guerra
tica) e da Iugoslávia (ver: Desintegração da Iugos- Mundial, Corrida armamentista e Primeira Guerra
lávia) em muitos estados, alguns com grande riva- Mundial
lidade étnica, e deixou os Estados Unidos como a
superpotência mundial. A Primeira Guerra Mundial começou em 1914 e termi-
nou em 1918. Foi iniciada com o assassinato do her-
• Através da Liga das Nações e, após a Segunda deiro do trono do Império Áustro-Húngaro, o Erzher-
Guerra Mundial, as Nações Unidas, a cooperação zog (Arquiduque) Franz Ferdinand (mais conhecido nos
internacional cresceu. Outros esforços incluíram a países lusófonos como Francisco Ferdinando ou Fran-
formação da União Europeia, levando a uma moeda cisco Fernando), por Gavrilo Princip (Gabriel Príncipe)
comum na maioria dos países da Europa Ocidental, da organização nacionalista Sérvia "Mão Negra". Cha-
o euro por volta da virada do milênio. mado pelo nacionalismo eslavo para ajudar, os russos vi-
eram a ajudar os sérvios quando foram atacados. Ali-
• O final do colonialismo levou à independên- anças tecidas, corrida armamentista crescente e velhos
cia de muitos países africanos e asiáticos (ver: ódios arrastaram a Europa para a guerra. Os aliados da I
Descolonização). Durante a Guerra Fria, muitos Guerra Mundial, conhecidos como “A Tríplice Entente",
desses se alinhariam com os Estados Unidos, a compreendia o Império Britânico, o Império Russo e a
URSS ou a China para defender-se. França, assim como o Reino de Itália e os Estados Unidos
mais tarde na guerra (em retaliação aos submarinos ale-
• A criação de Israel, um estado judaico em uma re- mães, que torpedearam o navio RMS Lusitania). Do ou-
gião no mundo de maioria árabe e muçulmana, ge- tro lado, Alemanha, juntamente com a Áustria-Hungria e
rou muitos conflitos, o que foi também influenciado mais tarde o Império Otomano, ficaram conhecidos como
por vastos campos de petróleo em muitos dos países “As Potências Centrais".
árabes.
Em 1917 a Rússia terminou com ações hostis contra as
• O termo Sudeste Asiático foi cunhado. Potências Centrais após a queda do Czar. Os Bolchevi-
ques negociaram o Tratado de Brest-Litovsk com a Ale-
manha apesar de ter custado muito à Rússia. Apesar de a
Alemanha ter trocado do Frente Oriental para a Ocidental
grande quantidade de forças após o Tratado de Brest-
Litovsk, não conseguiu parar o avanço dos aliados, es-
pecialmente com a entrada das tropas norte-americanas
em 1918.
• Tropas russas se posici-
onando. O cenário se formava. A própria guerra foi também uma oportunidade para
as nações combatentes exibirem sua força militar e en-
genhosidade tecnológica. Os alemães introduziram a
metralhadora e gases mortais. Os britânicos foram os
primeiros a usar tanques. Ambos os lados tiveram uma
oportunidade de testar suas novas aeronaves para ver se
elas poderiam ser usadas em combate. Acreditou-se que
a guerra seria curta. Infelizmente, desde que a guerra de
trincheiras foi criada como a melhor forma de defesa, os
avanços em ambos os lados foram muito lentos. Portanto,
• A queda muro de Berlim em 9 de a guerra arrastou-se por um período mais longo e causou
novembro de 1989, a vitória capitalista na Guerra mais fatalidades que o esperado.
Fria.
Quanto a guerra finalmente terminou em 1918, os resul-
tados aprontaram o cenário para os próximos cinquenta
anos. Primeiro e mais importante, os alemães foram
forçados a assinar o Tratado de Versalhes, forçando-os
a fazer pagamentos exorbitantes para reparar os danos
causados durante a Guerra. Muitos alemães sentiram
que aquelas reparações eram injustas porque eles não ha-
viam de fato “perdido” a guerra nem sentiam que haviam
• Fokker Dr. I. causado a guerra (vide Dolchstoßlegende). A Alemanha
nunca foi ocupada por tropas aliadas, no entanto teve que
90 CAPÍTULO 22. SÉCULO XX

aceitar um governo democrático liberal imposto pelos vi-


toriosos após a abdicação do Kaiser Wilhelm II (Gui-
lherme II).
Muito do mapa da Europa foi redesenhado pelos vito-
riosos baseados na teoria que guerras futuras poderiam
ser prevenidas se todos os grupos étnicos tivessem sua • Foice e martelo. Sím-
própria “pátria”. Novos estados como a Jugoslávia e bolo de uma das correntes político-econômicas
Checoslováquia foram criados do antigo Império Áustro- deste século: o Comunismo.
Húngaro para acomodar as aspirações nacionalistas des-
ses grupos. Um órgão internacional chamado de a Liga
das Nações foi formado para mediar disputas e prevenir
futuras guerras, apesar de que sua efetividade foi severa-
mente limitada, entre outras coisas, pela recusa dos Esta-
dos Unidos de se juntar a ela.
O mundo inteiro sentiu o gosto amargo do que o com-
bate industrializado em escala mundial poderia fazer. A
• Conosco Deus, pela ressurreição
ideia de guerra como uma nobre defesa de um país por
da Rússia!
uma boa causa desapareceu, quando os povos de todas as
Propaganda anticomunista do Exército Branco
nações refletiram acerca das deficiências de seus líderes,
russo.
que haviam causado a dizimação de toda uma geração de
jovens. Ninguém tinha interesse em outra guerra de ta-
manha magnitude. O pacifismo tornou-se popular e virou
moda.
22.4.2 Entre duas guerras

Ver artigos principais: Período entreguerras e Política


Revolução Russa de apaziguamento

“Entreguerras” é a denominação dada ao período que se


Ver artigo principal: Revolução Russa de 1917
estende do fim da primeira guerra mundial, em 11 de no-
Mais informações: Guerra Civil Russa e Terror vembro de 1918, até o início da segunda guerra mundial,
Vermelho em 1 de setembro de 1939.
O período foi marcado pela quebra da bolsa de Nova
A Revolução Russa de 1917 deflagrou uma onda de re- Iorque, associada a graves tensões políticas, culminando
voluções comunistas por toda a Europa, alertando muitos com a ascensão dos regimes totalitários em alguns países
de que uma revolução mundial socialista poderia ser rea- europeus e também no resto do mundo. Na Alemanha
lizada em um futuro próximo (ver: Revoluções de 1917- e na Itália, surgiram o nazismo e o fascismo, respectiva-
23). Contudo, as revoluções europeias foram derrota- mente. No Brasil, além do surgimento de um movimento
das, Lenin morreu em 1924, e em poucos anos Josef de inspirações semelhantes ao fascismo, o integralismo,
Stalin deslocou Leon Trotsky como o líder “de facto” houve a ascensão de Getúlio Vargas ao poder, instaurando
(ver: Divergências entre Stalin e Trotsky) e concentrou- o Estado Novo. Esse período entre-guerras pôs fim à he-
se no "socialismo em um só país". Abandonou a NEP gemonia do capitalismo, e o socialismo foi colocado em
(Nova Política Econômica), instituída em 1922 por Lenin prática. Quando o socialismo infiltrou-se na Rússia deu
e, embarcou em um plano ousado de coletivização for- origem aos partidos de oposição ao czarismo.
çada e industrialização acelerada com seus planos quin-
quenais. A maioria dos socialistas e mesmo muitos co-
munistas tornaram-se desiludidos com o subjugo autocrá- Depressão económica
tico de Stalin, suas punições e assassínios de seus “inimi-
gos” no grande Expurgo, assim como as notícias de fome Ver artigo principal: Grande depressão
(Holodomor), democídio que ele impôs ao seu próprio A economia após a Primeira Guerra Mundial permane-
povo. ceu forte ao longo da década de 1920. A guerra proveu
O comunismo fortaleceu-se nas democracias ocidentais estímulo para a indústria e para a atividade econômica
enquanto a economia global implodiu em 1929 naquilo em geral. Houve muitos sinais de alerta predizendo o co-
que ficou conhecido como Grande Depressão. Muitas lapso do sistema econômico global em 1929 que foram
pessoas viram isso como o primeiro estágio do fim do sis- de uma maneira geral incompreendidos pelas lideranças
tema capitalista e foram atraídos para o comunismo como políticas da época. A resposta à crise geralmente fez a
uma solução à crise econômica. situação piorar, uma vez que milhões de pessoas assisti-
22.4. GUERRAS E POLÍTICA 91

O fascismo apareceu pela primeira vez na Itália com a


ascensão ao poder de Benito Mussolini em 1922. Isso
aconteceu com o apoio da Igreja Católica e uma grande
proporção das classes mais abastadas como um grande
enfrentamento à ameaça do comunismo.
Quando Adolf Hitler chegou ao poder na Alemanha em
1933, uma nova variante do fascismo chamada nazismo
apoderou-se da Alemanha extinguiu a república de Wei-
mar e encerrou a experiência alemã com a democracia.
O Partido Nacional Socialista na Alemanha era dedicado
à restauração da honra e do prestígio alemão, a unifica-
ção dos povos de língua germânica e a anexação da Eu-
ropa Central e Oriental como estados vassalos, com a po-
pulação eslava servindo com trabalho escravo para aten-
der aos interesses econômicos alemães. Houve também
um grande apelo para a pureza racial (a ideia de que os
alemães eram a Herrenvolk ou raça mestra) e um vici-
oso antissemitismo/antijudaísmo que promoveu a ideia de
que os judeus eram sub-humanos (Untermensch) e dignos
apenas de extermínio.

Migrant Mother, de Dorothea Lange, uma das fotografias ame-


ricanas mais famosas da década de 1930, mostrando Florence
Owens Thompson, mãe de sete crianças, de 32 anos de idade,
em Nipono, Califórnia, março de 1936, em busca de um em-
prego ou de ajuda social para sustentar sua família. Seu marido
havia perdido seu emprego em 1931, e morrera no mesmo ano.

ram suas economias tornarem-se irrisórias e a ideia de um


emprego estável com um salário razoável se dissipando. • Suástica: símbolo máximo
Muitos procuraram repostas em ideologias alternativas do nazismo.
como o comunismo e o fascismo. Eles acreditavam que o
sistema econômico estava em colapso e novas ideias eram
necessárias para resolver a crise. As primeiras respostas
à crise eram baseadas na pressuposição que o mercado
livre iria corrigir a si mesmo, contudo, este fez pouco
para corrigir a crise ou aliviar o sofrimento de muitas pes-
soas. Portanto, a ideia de que um sistema existente seria
reformado pela intervenção governamental na economia
(keynesianismo) ao invés de uma abordagem laissez-faire
tornou-se proeminente como uma solução para a crise.
Governos democráticos assumiram a responsabilidade de • Benito Mussolini e Adolf Hitler.
prover serviços necessários para na sociedade e aliviar a
pobreza e assim nascia o estado de bem-estar social. Es-
tes dois princípios político-econômicos, a crença em in-
tervenção governamental e o estado de bem-estar social,
como oposição à crença de que o mercado livre e institui-
ções privadas, iria definir muitas batalhas políticas pelo
resto do século.

A ascensão das ditaduras • Cartazes de


propaganda nazista e propaganda comu-
Ver artigos principais: Comparação entre nazismo e nista dos anos 1930.
stalinismo, Ditadura, Nazifascismo e Totalitarismo
92 CAPÍTULO 22. SÉCULO XX

• Símbolo do Antifascismo
(ver: Resistência alemã e Resistência italiana).

Muitos povos na Europa Oriental e os Estados Uni-


dos saudaram a ascensão de Hitler com alívio ou indi-
ferença. Não viam nada de errado com uma Alema-
1º de Setembro de 1939: soldados alemães derrubam a fronteira
nha forte pronta para desafiar a ameaça comunista ao
da Polônia.
Ocidente (ver: Anticomunismo). O antissemitismo du-
rante a Grande Depressão rapidamente se espalhou já que
muitos estavam contentes de culpar os judeus de causar
a crise econômica. Estados Unidos) e o Eixo (Alemanha, Itália e Japão). A
27 de Setembro de 1940, em Berlim, as Potências do Eixo
Hitler começou a colocar seu plano em movimento, ane- firmaram o Pacto Tripartite. A Segunda Guerra Mundial
xando a Áustria no Anschluss, ou reunificação da Áustria (1939–1945) opôs os Aliados às Potências do Eixo, tendo
com a Alemanha, em 1938. Ele então negociou a anexa- sido o conflito que causou mais vítimas em toda a história
ção dos Sudetos (Sudentenland), uma área montanhosa da Humanidade. As principais potências aliadas eram a
de língua alemã da Tchecoslováquia, na Conferência de República da China, a França, a Grã-Bretanha, a União
Munique. Os britânicos estavam ávidos de evitar guerra Soviética e os Estados Unidos. O Brasil se integrou aos
e acreditavam na promessa de Hitler de proteger a segu- Aliados em 1943. A Alemanha, a Itália e o Japão, por
rança do estado checo. Hitler anexou o resto do estado sua vez, perfaziam as forças do Eixo. Muitos outros paí-
checo logo a seguir. Não poderia mais ser dito que Hitler ses participaram na guerra, quer porque se juntaram a um
estava puramente interessado em unificar o povo alemão. dos lados, quer porque foram invadidos, ou por haver par-
O fascismo não era a única forma de ditadura a ascen- ticipado de conflitos laterais. Em algumas nações (como
der no período pós-guerra. Quase todas as novas demo- a França e a Jugoslávia), a Segunda Guerra Mundial pro-
cracias nas nações da Europa Oriental caíram e foram vocou confrontos internos entre partidários de lados dis-
substituídas por regimes autoritários. A Espanha tam- tintos. O líder alemão de origem austríaca Adolf Hitler,
bém tornou-se uma ditadura sob a liderança do General Führer do Terceiro Reich, pretendia criar uma "Nova Or-
Francisco Franco após a Guerra Civil Espanhola. Es- dem Nazista" na Europa, baseada nos princípios nazistas
tados totalitários tentaram alcançar controle total sobre da suposta superioridade alemã, na exclusão; e, suposta-
seus povos bem como sua total lealdade. Eles mantive- mente eliminação física incluída; de algumas minorias ét-
ram o estado sobre o indivíduo, e foram responsáveis por nicas e religiosas, como os judeus e os ciganos, bem como
alguns dos piores atos na história, como o Holocausto, deficientes físicos e homossexuais; na supressão das li-
ou mesmo um Grande Expurgo perpetrado por Estaline berdades e dos direitos individuais e na perseguição de
em seu próprio povo mais tarde quando seu regime foi ideologias liberais, socialistas e comunistas.
responsável por milhões de mortes. De fato, nesse mo- Tanto a Itália como o Japão entraram na guerra para satis-
mento, a democracia parecia estar em declínio. Foi um fazer os seus propósitos expansionistas (ver: Grande Itá-
período de medo e dúvida, explorado por diversos ho- lia e Expansionismo japonês). As nações aliadas (como a
mens inescrupulosos que cometeram atos terríveis com o França, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos) opuseram-
apoio de suas populações. se a estes desejos das potências do Eixo. Estas nações,
juntamente com a União Soviética, após a invasão desta
pela Alemanha (operação Barbarossa), constituíram a
22.4.3 Segunda Guerra Mundial
base do grupo dos Aliados.

Ver artigos principais: Causas da Segunda Guerra O período de 1939 a 1941 foi marcado por vitórias
Mundial e Segunda Guerra Mundial do Eixo, lideradas pelas forças armadas da Alemanha,
O marco inicial ocorreu no ano de 1939, quando a que conquistou o Norte da França, Iugoslávia, Polônia,
Wehrmacht (forças armadas alemãs) invadiram a Polô- Ucrânia, Noruega e territórios no norte da África. O Ja-
nia. De imediato, a França e a Inglaterra declararam pão anexou a Manchúria, enquanto a Itália conquistava a
guerra à Alemanha. De acordo com a política de alian- Albânia e territórios da Líbia.
ças militares existentes na época, formaram-se dois gru- Em 1941 o Japão ataca a base militar norte-americana
pos: Aliados (liderados por Inglaterra, URSS, França e de Pearl Harbor no Oceano Pacífico (Havaí). Após este
22.4. GUERRAS E POLÍTICA 93

Antissemitismo na Alemanha Nazista: “Não compre dos Judeus!"


Bandeiras do Terceiro Reich, Império do Japão e Reino de Itá-
lia em Berlim, quando da oficialização do Pacto Tripartite em
fato, considerado uma traição pelos norte-americanos, os Setembro de 1940.
estados Unidos entraram no conflito ao lado das forças
aliadas.
De 1941 a 1945 ocorreram as derrotas do Eixo, iniciadas forças altamente móveis e o uso de aeronaves de grande
com as perdas sofridas pelos alemães no rigoroso inverno porte. A estratégia alemã se concentrava na devoção do
russo durante a batalha de Stalingrado. Neste período, Wehrmacht, ou forças armadas alemãs, no uso de gru-
ocorre uma regressão das forças do Eixo que sofrem der- pos de tanques, chamados de divisões Panzer, e grupos
rotas seguidas. Com a entrada dos Estados Unidos, os de infantaria móvel, em harmonia com incansáveis ata-
aliados ganharam força nas frentes de batalhas. ques do céu. Cerco também era uma parte importante
da estratégia. Esta mudança esmagou qualquer expecta-
O Brasil participa diretamente, enviando para a Itália tiva de que a Segunda Guerra Mundial seria lutada nas
(região de Monte Cassino) os pracinhas da FEB, Força trincheiras como a primeira.
Expedicionária Brasileira. Os cerca de 25 mil soldados
brasileiros conquistam a região, somando uma impor- Enquanto as forças de Hitler conquistavam a Polônia, a
tante vitória ao lado dos Aliados. União Soviética, sob o Secretário Geral Josef Stalin, es-
tava agindo para garantir territórios em uma parte se-
creta de um tratado de não-agressão (o Pacto Molotov-
A guerra na Europa Ribbentrop) entre a URSS e a Alemanha. Este tratado
deu a Stalin caminho livre para as repúblicas bálticas da
Logo após os eventos na Checoslováquia, Reino Unido e Estônia, Letônia e Lituânia, assim como a Polônia Orien-
França garantiram proteção à Polônia, que parecia ser o tal, todos que permaneceriam como possessões soviéticas
próximo na lista de Hitler. A Segunda Guerra Mundial após a guerra. Em 17 de Setembro teve início a Invasão
oficialmente começou em 1 de Setembro de 1939. Nesta Soviética da Polónia. Stalin também lançou um ataque
data, Hitler lançou sua Blitzkrieg, ou guerra-relâmpago, à Finlândia, que ele esperava reduzi-la a nada além de
contra a Polônia. Grã-Bretanha e França, para grande um estado fantoche soviético, mas o Exército Vermelho
surpresa de Hitler, imediatamente declararam guerra à encontrou dura resistência no que ficou conhecido como
Alemanha, mas a ajuda que podiam oferecer à Polônia a Guerra do Inverno, e teve sucesso em ganhar apenas
era irrisória. Apenas poucas semanas depois, as forças um limitado território dos finlandeses. Esta ação levaria
polacas estavam subjugadas e o seu governo fugiu para o mais tarde a uma aliança entre os finlandeses e a Alema-
exílio em Londres. nha quando do ataque à União Soviética em 1941.
Iniciando a II Grande Guerra, os alemães haviam lançado Após a derrota da Polônia, um período conhecido como
um novo tipo de estratégia de guerra, caracterizado pelas Guerra de Mentira aconteceu durante o inverno de 1939-
94 CAPÍTULO 22. SÉCULO XX

1940. Tudo isso mudou em 10 de Maio, 1940, quando os da Hungria, Romênia e Bulgária, assim como a Finlân-
alemães lançaram um ataque massivo aos Países Baixos dia como um desconfortável aliado. O segredo é que
(Bélgica, Holanda e Luxemburgo), mais provavelmente Hitler apoiou as ideias de generais como Heinz Gude-
para superar a Linha Maginot de defesas nas fronteiras rian, geralmente chamado de profeta da guerra acelerada,
franco-alemãs. Com isto testemunhou-se a incrível queda e Erwin Rommel, um gênio militar que emergiu na II
do Eben Emael, um forte belga considerado inviolável Guerra Mundial. Hitler atribuiu seus sucessos ao seu pró-
e guardado por 600 belgas, a uma força de apenas 88 prio gênio militar, e sua autoconfiança seria mais tarde a
paraquedistas alemães. O pior foi que o Rei Leopoldo principal causadora da derrota da Alemanha. Hitler po-
III da Bélgica se rendeu aos alemães em 28 de Maio sem deria agora tornar-se governante da Europa, e possivel-
avisar seus aliados, expondo o flanco inteiro das forças mente ditador do mundo, se ele apenas tivesse seguido os
aliadas para grupos de panzers alemães. Seguindo-se à planos de senso comum defendidos pelos muitos generais
conquista dos Países Baixos, Hitler ocupou a Dinamarca alemães. Contudo, ele não seguiu, salvando o mundo de
e a Noruega, começando em 9 de Abril de 1940. A No- dominação nazista.
ruega era mais importante estrategicamente por causa de
suas rotas navais que supriam minas suecas cruciais para
a máquina de guerra nazista. A Noruega resistiu por algu-
mas semanas cruciais, mas a Dinamarca rendeu-se após
apenas quatro dias.
Com o desastre nos Países Baixos, a França, considerada
àquela época possuir o melhor exército do mundo, durou
apenas quatro semanas, com Paris sendo ocupada em 14
de Junho. Três dias depois, o Marechal Philippe Pétain se
rendeu aos alemães. A disputa na França também levou a
um dos maiores mistérios da guerra, e o primeiro grande
tropeço de Hitler, na batalha de Dunquerque, onde um
terço de milhão de soldados britânicos e franceses encur-
ralados foram evacuados não apenas por barcos de guerra
britânicos, mas por cada barco que o exército conseguiu
encontrar, incluindo botes de pesca. Hitler se recusou
a “arriscar” seus panzers em ação em Dunquerque, se-
guindo conselho do Ministro da Aeronáutica Herman Gö-
ring e permitindo à Luftwaffe, ou Força Aérea alemã, cui-
dar do serviço. A ironia nisso foi que os homens que es-
caparam formariam a cúpula do exército que invadiria as
praias da Normandia em 1944. Hitler não ocupou toda
a França, mas por volta de três quartos, incluindo toda
a costa do Atlântico, permitindo que o Marechal Pétain
permanecesse como ditador de uma área conhecida como Winston Churchill.
França de Vichy. Contudo, membros do Exército francês
que escaparam se uniram ao redor do General Charles de Hitler agora se vira para a Grã-Bretanha, que ficou sozi-
Gaulle para criar as Forças Francesas Livres, que con- nha contra ele. Ele ordenou a seus generais que desenhas-
tinuaria a batalhar com Hitler por uma França indepen- sem planos de invasão, com o nome código de Operação
dente. Neste momento, Mussolini declarou guerra aos Leão Marinho, e ordenou à Luftwaffe para lançar um ata-
aliados em 10 de Junho, pensando que a guerra estava que aéreo maciço contra as ilhas britânicas, o que viria a
quase acabada, mas ele conseguiu ocupar apenas alguns ser conhecido como Batalha da Grã-Bretanha. Os bri-
poucos metros do território francês. Ao longo da guerra, tânicos no começo sofreram perdas consideráveis, mas
os italianos seriam muito mais um peso aos nazistas do conseguiram virar a guerra contra a Alemanha, abatendo
que uma mão, e mais tarde custariam a eles um tempo 2 698 aviões alemães ao longo do verão de 1940 contra
precioso durante a ocupação da Grécia. apenas 915 perdas da Royal Air Force (RAF). O ponto-
Aqui está uma das maiores ironias da história. Hitler chave da virada aconteceu quando os alemães interrom-
agora permanecia em uma posição única. Ele já havia peram ataques bem sucedidos contra fábricas britânicas
conquistado um montante incrível de território em um de aviões e estações de comando e coordenação de ra-
curto espaço de tempo, e teve a chance de dominar toda dar e passaram a bombardear civis, o que ficou conhe-
a Europa (ver: Europa ocupada pela Alemanha Nazista). cido como bombardeio de terror usando o distinto som
Certamente, de um ponto de vista militar, é incrível que de “bomba” criado pelo bombardeiro alemão, o Stuka.
Hitler tivesse perdido a II Guerra Mundial. Ao longo de A mudança veio após uma pequena força de bombardeio
1940 e 1941, ele tomou conhecimento e controle virtual britânica ter atacado Berlim. Hitler ficou furioso. Con-
tudo, esta decisão de mudar o foco do ataque permitiu
22.4. GUERRAS E POLÍTICA 95

aos britânicos reconstruir a RAF e mais tarde forçar os rede de inteligência, mas havia se recusado a acreditar
alemães a adiar indefinidamente a Leão Marinho. nisso. Portanto, o exército russo estava totalmente des-
A importância da Batalha da Bretanha é que ela marcou preparado e sofreu incríveis retiradas no início da guerra,
o começo da derrota de Hitler. Em segundo lugar, mar- apesar das ordens de Estaline de contra-atacar os alemães.
cou o advento do radar como uma arma fundamental na Ao longo de 1941, forças alemãs, divididas em 3 grupos
guerra aérea moderna. Com o radar, esquadrões de com- do exército (Grupo do Exército A, Grupo do Exército B
batentes poderiam ser rapidamente organizados para res- e Grupo do Exército C), ocuparam os estados bálticos da
ponder aos bombardeiros que vinham tentar bombardear Ucrânia e Bielorrússia, levantaram cerco em Leningrado
(atual São Petersburgo) e avançou até 22 quilômetros de
alvos civis. Também foi possível a identificação do tipo e
um palpite no número de aeronaves inimigas a caminho, Moscovo. Neste momento crucial, o inverno russo, que
começou cedo naquele ano, atrasou o Wehrmacht alemão
assim como rastrear aviões amigos.
a um ataque aos portões de Moscovo. Estaline havia pla-
Hitler, abatido por sua derrota sobre os céus da Inglaterra, neado evacuar a cidade, e já tinha movido funções impor-
agora mirava a leste para a União Soviética. Apesar de tantes do governo, mas decidiu ficar e lutar pela cidade.
ter assinado o pacto de não-agressão com Estaline, Hitler Tropas recentemente chegadas do leste sob o comando
desprezava o comunismo e desejava destruí-lo na terra do gênio militar Marechal Georgi Zhukov contra-atacou
de seu nascimento. Ele originalmente planeou lançar o os alemães e os afastou de Moscovo. O exército alemão
ataque no começo da primavera de 1941 para evitar o então enfrentou o inverno.
desastroso inverno russo. Contudo, um golpe pró-aliado
na Jugoslávia e a derrota quase vergonhosa de Mussolini
em sua invasão à Grécia da ocupada Albânia fez com que
Hitler lançasse uma campanha pessoal de vingança na Ju-
goslávia e ocupasse a Grécia ao mesmo tempo. Os gregos
teriam uma vingança amarga; o ataque causou um atraso
de muitas semanas cruciais da invasão da Rússia.

Leon Trotsky.

Aqui marca o terceiro grande tropeço de Hitler. Ele po-


deria ter ganho a guerra da URSS exceto por algumas ra-
zões. Uma, ele começou a guerra tarde demais para evi-
Josef Stalin.
tar o inverno russo. Segundo, ele tentou capturar muito
território muito rápido; ele queria que o exército alemão
Em 22 de Junho de 1941, Hitler apontou a Estaline o avançasse sem parar até os Urais, o que somava 2 600
maior exército que o mundo havia visto. Mais de três mi- 000 km² de território, quando ele provavelmente deve-
lhões de homens e suas armas foram postos em serviço ria ter se concentrado em tomar Moscovo e então partir
contra os soviéticos. Estaline havia sido avisado sobre para o coração da União Soviética. Terceiro, ele igno-
o ataque, tanto por outros países quanto por sua própria rou a experiência similar de Napoleão Bonaparte quase
96 CAPÍTULO 22. SÉCULO XX

cento e cinquenta anos antes em sua tentativa de conquis-


tar a Rússia. Apesar disso, Estaline não estava em uma
boa posição. Aproximadamente dois quintos do poder
industrial da URSS estava em mãos alemãs. Além disso,
os alemães eram no início vistos por muitos como liber-
tadores lutando contra os comunistas. Estaline também
não era um general muito hábil, e assim como Hitler, no
início tentou lutar na guerra como um estrategista mili-
tar. Contudo, Hitler conseguiu virar todas as vantagens
que tinha contra si, e perdeu a única esperança que res-
tava: conquistar o Cáucaso e tomar controle do Norte da
África e do Oriente Médio rico em petróleo.
Mussolini lançou uma ofensiva no Norte africano da
Líbia, controlada pelos italianos, contra o Egito, contro-
lada por britânicos. Contudo, os britânicos esmagaram
os italianos e estavam prestes a conquistar a Líbia. Hitler
decidiu ajudar enviando alguns milhares de tropas, uma
divisão da Luftwaffe (o Afrika Korps) sob comando do
primeiro-general Erwin Rommel. Rommel decidiu usar
sua pequena força para repetidamente esmagar as forças
maciçamente superiores do Reino Unido e recapturar a
cidade portuária de Tobruk e avançar até o Egito. Con- Franklin Delano Roosevelt.
tudo, Hitler, enrolado com sua invasão à União Soviética,
recusou mandar Rommel e mais tropas. Se tivesse, Rom-
mel poderia ter conquistado o Oriente Médio, onde os re- mães, preocupados com a guerra na Rússia, nem mesmo
gimes aliados ao Eixo tinham tomado a rota no Iraque e perceberam a entrada dos Estados Unidos. Seria um des-
Pérsia (atual Irão). Lá, Rommel poderia ter cortado uma lize crucial.
das principais rotas de fornecimento aos soviéticos atra-
vés da Pérsia, e ajudado a tomar o Cáucaso, virtualmente Ao longo do resto de 1942 e 1943, os soviéticos começa-
neutralizando a efetividade britânica na guerra e poten- ram a ganhar terreno em relação aos alemães. A batalha
cialmente selando o destino da URSS. Contudo, Hitler de tanques de Kursk é um exemplo. Contudo, a essa al-
tropeçou novamente, jogando fora os últimos vestígios tura, Rommel foi forçado a abandonar o norte da África
da vantagem alemã em sua ofensiva em 1942. após a derrota em El Alamein, e o Wehrmacht se depa-
rou com grandes baixas que não conseguiria substituir.
Após o inverno, Hitler lançou uma ofensiva nova na pri- Hitler também insistiu em uma política de “defesa a todo
mavera de 1942, com o objetivo de capturar o Cáucaso custo” que proibia a entrega de qualquer território. Ele
rico de petróleo e a cidade de Estalingrado. Contudo, seguiu a política da “luta até o último homem” que foi
ele repetidamente mudou suas tropas para onde elas não completamente ineficiente. No começo de 1944, Hitler
eram mais necessárias. A ofensiva falhou, e o 6º Exército havia perdido todas as suas iniciativas na Rússia, e ainda
inteiro, considerada uma das melhores tropas alemãs, fi- se esforçava para segurar a mudança de maré contra ele.
cou aprisionada em Estalingrado. Hitler agora recusou-se
a deixar o 6º Exército escapar. Ele insistiu que o exército De 1942 a 1944, os Estados Unidos e a Grã-Bretanha
alemão forçaria sua entrada. Herman Goering também atuaram apenas de uma forma limitada no teatro euro-
assegurou a Hitler que a Luftwaffe poderia fornecer ao peu, muito a contragosto de Estaline. Eles expulsaram
6º Exército adequadamente, quando ele poderia na re- os alemães da África, invadindo o Marrocos e a Argélia
alidade apenas fornecer apenas uma fração mínima da em 8 de Novembro de 1942. Então, em 10 de Julho de
munição e da ração necessárias. Consequentemente, o 1943, os aliados invadiram a Sicília, em preparação para
faminto 6º Exército rendeu-se, deixando uma grande sur- um avanço pela Itália, o “ponto fraco” do Eixo, como
presa aos alemães. Ao final, a derrota em Estalinegrado Winston Churchill a chamou. Em 9 de Setembro, a in-
foi o momento da virada da guerra no leste. vasão da Itália começou. No inverno de 1943, a metade
sul da Itália estava em mãos Aliadas. Os italianos, mui-
Enquanto isso, os japoneses atacaram os Estados Uni- tos deles que não apoiavam a guerra, já haviam se vol-
dos em Pearl Harbor no Havai em 7 de Dezembro de tado contra Mussolini. Em Julho, ele foi extirpado do
1941. Este ataque desastroso forçou os norte-americanos poder e feito prisioneiro, apesar dos italianos terem con-
a entrarem na guerra. Hitler não precisaria ter declarado tínuo apoio do eixo. Em 8 de Setembro, os italianos se
guerra aos Estados Unidos, mantendo assim sua neutra- renderam formalmente, mas a maioria da Itália que não
lidade na Europa, mas não o fez assim. Tanto ele quanto estava em mãos aliadas era controlada por tropas alemãs
Mussolini declararam guerra apenas alguns dias após o e aqueles leais a nova República Social Italiana de Musso-
ataque. Naquele momento, a maioria dos generais ale- lini (Mussolini foi libertado por paraquedistas alemães),
22.4. GUERRAS E POLÍTICA 97

o que consistia na realidade na zona em encolhimento de 1944, Hitler apostou tudo em uma última tentativa de-
controle alemão. Os alemães ofereceram dura resistên- sesperada no Oeste, conhecida como a Batalha do Bulge,
cia, mas em 4 de Junho de 1944, Roma caiu. que, apesar do avanço inicial, foi um fracasso, por causa
De 1942 a 1944, a Segunda Batalha do Atlântico acon- da introdução de novos tanques aliados e baixo número
teceu. Os alemães esperavam cortar as linhas vitais de de tropas entre os alemães, o que evitou qualquer ação
abastecimento entre o Reino Unido e a América, afun- real de ser tomada.
dando muitas toneladas de carregamento com U-boats,
submarinos alemães. Contudo, o desenvolvimento do
contratorpedeiro e aeronaves com um alcance de patrulha
maior foram eficientes para barrar a ameaça do U-boat.
Em 1944, os alemães perderam a Batalha do Atlântico.
Em 6 de Junho de 1944, os Aliados Ocidentais finalmente
lançam o ataque mais que aguardado ao “Forte Europa”
tão pedido por Estaline. A ofensiva, na Frente Ocidental,
de nome código Operação Chefão, começou cedo pela
manhã do dia 6 de Junho. O dia, conhecido como Dia D,
foi marcado por um clima instável. Rommel, que agora
estava a cargo de defender a França contra um possível
ataque aliado, pensou que os Aliados não atacariam du-
rante uma tempestade, e foi em um feriado na Alemanha.
Aqui, um grande erro ocorreu para os alemães, selando
o sucesso da operação. Os alemães esperavam um ata-
que, mas no porto natural de Calais e não nas praias da
Normandia. Eles não sabiam sobre os portos artificiais.
Também, pistas plantadas pelos Aliados sugeriam Calais
como o local de desembarque.
Nesse ponto, a guerra parecia estar ficando pior para a
Alemanha. Em 20 de julho de 1944, um grupo de ofici-
ais alemães tentou assassinar Hitler (o Atentado de 20 de Bombardeio atômico sobre Nagasaki que determinou o fim da II
julho, do qual participaram Claus von Stauffenberg, en- Guerra Mundial.
tre outros). A bomba que usaram o feriu, mas a segunda
não foi usada, e uma mesa protegeu Hitler em um lance No início de Fevereiro de 1945, os três líderes aliados,
de sorte. Os conspiradores ainda poderiam ter arquite- Franklin Roosevelt, Winston Churchill, e Joseph Stalin
tado um golpe, mas apenas a cúpula da Paris ocupada se encontraram na recém liberada Yalta na Crimeia na
agiu, prendendo forças da SS e da Gestapo na cidade. União Soviética na Conferência de Yalta. Ali, eles acor-
O ministro da propaganda alemã, Joseph Goebbels, agiu daram em relação a um plano para dividir a Europa do
salvando o dia para Hitler. Esta foi uma dentre várias pós-guerra. A maior parte do leste foi para Stalin, que
tentativas da resistência alemã para eliminar Hitler. concordou em permitir eleições livre na Europa Orien-
tal, coisa que nunca cumpriu. O oeste ficou para a Grã-
Na França, os aliados tomaram a Normandia e finalmente
Bretanha, França e Estados Unidos. A Alemanha seria
Paris em 25 de agosto. A leste, os russos avançaram quase
dividida entre os quatro, assim como Berlim (ver: Zonas
até a antiga fronteira russo-polaca. Nesse momento, Hi-
ocupadas pelos Aliados na Alemanha). Aqui o território
tler introduziu as armas-V, o V-1, o V-2 (mais tarde) e, o
da Guerra Fria foi estabelecido. As fundações da Cortina
canhão V-3. V-1 e V-2 foram os primeiro mísseis utili-
de Ferro e da corrida nuclear foram sedimentados por es-
zados na guerra moderna. O V-1 era quase sempre inter-
tes três homens em Yalta.
ceptado por pilotos aéreos, mas o V-2 era extremamente
rápido e carregava uma grande quantidade de carga. Con- No começo de 1945 Hitler já estava muito enfraque-
tudo, este avanço chegou muito tarde na guerra e não teve cido. Os russos lançaram um ataque devastador a partir
muito efeito prático. Os alemães estavam também próxi- da Polônia, onde libertaram Varsóvia, contra a Alema-
mos de introduzir um grande número de novas armas ter- nha e a Europa Ocidental, com a intenção de tomar Ber-
ríveis, incluindo aeronaves de propulsão avançada, que lim. Os alemães sucumbiram no oeste, permitindo que
eram muito rápidas para para aeronaves comuns, e me- os aliados penetrassem Alemanha adentro. Entretanto, o
lhorias em submarinos que permitiriam aos alemães lutar comandante das forças aliadas, o general estadunidense
novamente de forma eficiente no Atlântico. Tudo isso Dwight D. Eisenhower, recusou-se a atacar Berlim e, ao
veio muito tarde para salvar Hitler. Apesar da invasão de invés disso, ficou obcecado com relatórios sobre possíveis
Setembro na Holanda ter falhado (operação Market Gar- atividades de guerrilha no sul do país, o que na verdade
den), os aliados fizeram avanços contínuos. No verão de só existia na propaganda de Joseph Goebbels. Em 25 de
abril os russos tinham Berlim sitiada. Hitler permaneceu
98 CAPÍTULO 22. SÉCULO XX

na cidade, em seu bunker (Führerbunker), e suicidou-se


cinco dias depois, depois de uma cerimônia de casamento
com sua amante de longa data, Eva Braun. Os alemães
aguentaram mais sete dias sob o comando do Almirante
Karl Doenitz, seu novo líder, mas acabaram se rendendo
incondicionalmente em 7 de maio, encerrando a guerra
na Europa (ver Dia da Vitória na Europa).

A guerra no Pacífico

Ver artigos principais: Ataque a Pearl Harbor e


Guerra do Pacífico
Ver também: Esfera de Coprosperidade da Grande
Ásia Oriental e Fascismo japonês

• Tanques japone-
Sepultura simbólica de Margot e Anne Frank, vítimas de
ses nas Filipinas.
Bergen-Belsen.

• O afundamento
do porta-aviões japonês Shoho.

• Yamato: O
“super navio” japonês.

O Holocausto

Ver artigo principal: Holocausto


Mais informações: Lista dos campos de concentração Sobreviventes de um campo de extermínio.
nazistas
O Holocausto (que grosso modo significa “completa-
mente queimado”) foi o extermínio deliberado e siste- a Segunda Guerra Mundial, sob o Terceiro Reich na
mático de milhões de judeus, ciganos, eslavos, opositores Alemanha. Alguns autores, porém, consideram que o
políticos, prisioneiros de guerra soviéticos, homossexuais Holocausto se refere apenas ao extermínio dos judeus.
e doentes mentais e psiquiátricos, dentro do programa Na realidade, a perseguição aos judeus teve início com
governamental denominado Aktion T4, antes e durante a ascensão ao poder do partido nacional-socialista, muito
22.4. GUERRAS E POLÍTICA 99

antes da guerra, sendo o primeiro grande acontecimento homossexuais, Testemunhas de Jeová, ciganos e prisio-
a Kristallnacht ("Noite dos Cristais"). Os sentimentos an- neiros políticos, a maior parte nos campos de concentra-
tissemitas que já de há muito existiam de forma latente ção. Nos campos morreram também milhões de prisio-
entre a população alemã foram consistentemente inflama- neiros soviéticos e aliados.
dos pela maquina de propaganda nazista (ver: Leis de Nu- Tem havido alguma controvérsia quanto ao efectivo co-
remberg). nhecimento do Holocausto pela população alemã. Ao
Após a conquista da Polônia, o Terceiro Reich, que ha- que tudo indica, o cidadão comum estava bem informado
via previamente deportado judeus e outros “indesejados”, sobre a existência dos campos de concentração, ampla-
repentinamente tinha dentro de suas fronteiras a maior mente noticiada em muitos jornais e revistas. Em muitos
concentração de judeus do mundo. A solução foi isolá- locais da Alemanha e países ocupados, os judeus tinham
los do resto da população, deportando-os para campos de de atravessar, às centenas, cidades e aldeias, a caminho
concentração ou obrigando-os a viver em guetos, em con- das empresas que os utilizavam como mão-de-obra es-
dições deploráveis e de superpovoamento. Dezenas de crava. De qualquer forma, os soldados aliados testemu-
milhares morreram assim de fome e de doença, quantas nharam que o cheiro dos campos podia ser sentido numa
vezes na própria rua. À medida que a Alemanha ia con- área de muitos quilómetros. Um pequeno número de pes-
quistando novos territórios, as SS e os Einsatzgruppen, soas nega liminarmente que o Holocausto tenha ocorrido
unidades paramilitares, reuniam e assassinavam sistema- (ver: Negacionismo do Holocausto), se bem que tais teses
ticamente os judeus. tenham vindo a ser solidamente refutadas pelos mais con-
Mas foi na Conferência de Wannsee que o regime nazi ceituados historiadores (ver: Críticas ao Negacionismo
mostrou o quão longe era capaz de levar a sua loucura do Holocausto).
(ver: Eugenia nazista e Política racial da Alemanha Na-
zista). Com efeito, pretendia-se que o extermínio com-
pleto da população judaica fosse mais célere, eficaz e, so- 22.4.4 O mundo do pós-guerra
bretudo, sistemático. Assim, em 1942, os principais líde-
res nazis reuniram-se em Wannsee, nos arredores de Ber-
Ver artigos principais: Pós-guerra e Guerra fria
lim, a fim de encontrarem aquilo que designaram como a
Solução Final da Questão Judaica (em alemão, “Endlö-
sung der Judenfrage”). Em 4 de Outubro de 1943, o co- Depois da Segunda Guerra Mundial, a maioria do mundo
mandante da SS, Heinrich Himmler, proferiu o Discurso industrializado estava em ruínas como resultado das bom-
de Posen, onde deixou claro o destino que regime reser- bas aéreas, bombardeios navais, e leis de proteção de
vava para os indivíduos considerados Untermensch (sub- campanha. Os Estados Unidos foram uma exceção no-
humanos). tável a isto; com exceção de Pearl Harbor e alguns ou-
tros incidentes isolados, os EUA não sofreram ataques em
Tendo-se criado toda uma rede de campos de extermí-
sua terra natal. Os Estados Unidos e a União Soviética,
nio na Alemanha e na Polónia, deu-se início, em todos
que, apesar da devastação de suas áreas mais populosas,
os territórios sob o domínio do Terceiro Reich (a França
reconstruíram-se rapidamente, encontraram-se dividindo
e a União Soviética ocupadas, a Polónia, a Hungria, os
o mundo como as duas superpotências dominantes.
Países Baixos, etc.), à deportação em massa dos judeus.
Nestes campos foram mortos milhões de judeus: fuzi- Muito do oeste da Europa foi reconstruído depois da
lados, enforcados e, sobretudo, gaseados. Os deportados guerra com assistência do Plano Marshall. Alemanha,
foram igualmente utilizados como mão-de-obra escrava e grande instigadora da guerra, foi colocada sob controle
como cobaias de experiências médicas. Para além disso, militar pelos Estados Unidos, Grã-Bretanha, França e a
a fome e a sede, a insalubridade, a exposição aos elemen- União Soviética. Berlim, apesar de estar em território
tos, os maus-tratos, a pura exaustão ceifaram centenas de soviético, foi dividido entre os quatro poderes. A ocupa-
milhares de vidas. Em termos globais estima-se que o to- ção de Berlim continuaria até 1990. O Japão também foi
tal das vítimas do Holocausto se situe entre os nove e os colocado sob ocupação americana; a ocupação iria durar
onze milhões, seis milhões dos quais judeus. cinco anos, até 1949. Estranhamente, estes dois pode-
res do Eixo, apesar da ocupação militar, logo cresceram
No Julgamento de Nuremberg, a unânime condenação
para se tornar a segunda (Japão) e terceira (Alemanha
das experiências médicas levadas a cabo pelos nazisstas
ocidental) maiores economias do mundo. Em resposta ao
levou à criação do Código de Nuremberg, um documento
Plano Marshall, a União Soviética criou em 1949, o CO-
que visa definir uma ética para a investigação médica em
MECON (Conselho para Assistência Econômica Mútua).
seres humanos.
Inicialmente, o COMECON prestou auxílio aos países
É inegável que os nazisstas sentiam um prazer absolu- da Europa oriental, posteriormente também recebendo
tamente sádico com o sofrimento vivido nos campos de como membros, países da América Latina e Ásia.
morte. À entrada de um dos mais terríveis campos,
Seguindo o fim da guerra, os Aliados da Segunda Guerra
Auschwitz, pode ler-se “Arbeit Macht Frei” (“O trabalho
Mundial processaram um grande número de oficiais ale-
liberta”). No total, foram mortos sete milhões de judeus,
mães por crimes de guerra e outras ofensas no Tribunal de
100 CAPÍTULO 22. SÉCULO XX

Nuremberg. Apesar de Adolf Hitler ter cometido suicí- não só conservaram os seus exércitos, mas desenvolve-
dio, muitos de seus cabeças, incluindo Hermann Göring, ram ainda mais a indústria bélica, num quadro em que o
foram declarados culpados. Julgamentos menos conhe- armamentismo casava-se com a paz.
cidos de oficiais do eixo também ocorreram, incluindo Fato que ficou conhecido como a corrida armamentista
o Tribunal Militar Internacional para o Extremo Oriente na Guerra Fria.
que julgou os Crimes de guerra do Japão Imperial. Mui-
tos dos crimes de guerra dos Aliados ficaram impunes. O mundo se organizou sobre novas bases, destituindo a
Europa da posição de eixo do poder mundial e elegendo
A falha da Liga das Nações em prevenir a Segunda Washington e Moscou como novos centros, o que reati-
Guerra Mundial essencialmente dissolveu a organização. vou o confronto entre capitalismo e socialismo. As na-
Uma nova tentativa de paz mundial começou com a fun- ções tendiam para um ou outro polo de poder, fixado a
dação das Nações Unidas em 24 de outubro de 1945 em bipolarização do mundo, marcadas pela tensão interna-
São Francisco, Califórnia. Hoje, quase todos os países cional, alimentada pelo conflito ideológica e política dos
são membros, mas o sucesso da organização em seus ob- Estados Unidos e da União Soviética.
jetivos é duvidoso.
Os Estados Unidos despontaram como um Estado supe-
rior a qualquer outro em recursos materiais, financeiros
Israel e Palestina e tecnológicos, como a nação detentora da bomba atô-
mica, do domínio nuclear, com a vantagem de não ter
Ver artigo principal: História de Israel sofrido a devastação e a exaustão da guerra em seu ter-
O fim da Segunda Guerra Mundial apresentou um pa- ritório. Para a União Soviética era vital igualar-se aos
norte-americanos a a fim de que o socialismo pudesse so-
breviver. Assim, embora tivesse saído da guerra com um
saldo catastrófico; 1700 cidades arrasadas, 60 mil quilô-
metros de estradas de ferro destruídas e mais de vinte mi-
lhões de mortos; Josef Stálin colocou como metas priori-
tárias de seu governo a reconstrução nacional e a corrida
nuclear.
Em 1949, a União Soviética alcançava parte de seus ob-
jetivos, ao dominar a tecnologia bélica nuclear. A partir
daí, a conjuntura internacional estabelecia que as gran-
des potências seriam as que possuíssem o domínio bélico
atômico. Vinte anos depois do final da Segunda Guerra,
25 nações já possuíam status nuclear militar.
A Europa, embora devastada, aderiu á nova ordem, com-
pondo com os blocos rivais. Na França, após o afinal
da guerra, organizou-se a Quarta República, formada por
uma aliança entre os seguidores de Charles de Gaulle, o
líder do governo no exílio, e membros dos movimentos
da Resistência francesa. O novo governo caracterizou-se
pela divisão e instabilidade interna e pela busca contínua
de recuperação econômico-financeira.
O Holocausto acelerou os esforços para repatriar e as-
sentar judeus na Palestina. A Grã-Bretanha, que previa-
mente havia ocupado a Palestina sob mandato da Liga das
Nações, retirou-se e partiu a área em territórios palestinos
e judaicos com assistência das Nações Unidas. As ten-
sões étnicas, religiosas e políticas criadas por isso ator-
mentaram o mundo desde então. Três guerras regionais:
a Crise de Suez em 1956, a Guerra dos Seis Dias e a
Guerra do Yom Kippur, envolveram Israel e países fron-
teiriços.
Os palestinos de Israel também resistiram ativamente
O Estado de Israel entre 1947 e 1949. à ocupação israelense na Faixa de Gaza assim como
na Cisjordânia. Alguns participaram de ações como a
norama bem diferente do da Primeira Guerra: neste, a Primeira Intifada e atentados suicidas contra militares is-
desmobilização militar foi generalizada e a produção bé- raelenses e alvos civis, alvos que grupos como o Hamas
lica cessou. Após 1945, entretanto, as grandes potências
22.4. GUERRAS E POLÍTICA 101

não fazem distinção. manter uma posição de neutralidade durante a Guerra


Fria. Desejando assegurar tal neutralidade, estes promo-
veram a criação do Movimento Não Alinhado.
O fim do império
A Guerra Fria foi nomeada assim porque as duas super-
potências opositoras nunca lutaram diretamente entre si.
Ver artigo principal: Descolonização A guerra entre as duas potências poderia ter sido apoca-
Quase todas as principais nações que estavam envolvi- líptica; a ameaça de uma destruição mútua certa preveniu
as duas potências de iniciar um conflito aberto. Ao con-
trário, eles competiram por influência política e focaram
em corrida armamentista e corrida espacial.
Também lutaram entre si indiretamente através de
guerras por procuração, tais como a Guerra do Vietnã
e a Guerra do Afeganistão. A Europa foi transformada
em terra de ninguém de nações aliadas. Os Estados Uni-
dos fundaram a Organização do Tratado do Atlântico
Norte (OTAN) com a intenção de organizar as nações
capitalistas da Europa Ocidental na resistência aos sovié-
ticos.
Em resposta, a União Soviética instalou regimes
comunistas em países na Europa Oriental que haviam
sido ocupados ao final da II Guerra Mundial, criou o Co-
mecon (Conselho para Assistência Econômica Mútua) e
organizou estes países no Pacto de Varsóvia. A URSS
também construiu o Muro de Berlim para servir como
uma barreira entre a Berlim Ocidental, ocupada pela
OTAN e Berlim Oriental, ocupada pelos soviéticos. O
território alemão também foi dividido entre Alemanha
Ocidental e Alemanha Oriental juntamente com as zonas
de ocupação do final da guerra (ver: Zona de ocupação
soviética na Alemanha e Zonas ocupadas pelos Aliados
na Áustria). Esta divisão deu vida ao discurso de Winston
Mahatma Gandhi: a figura central na independência da Índia. Churchill sobre a Cortina de Ferro, na qual ele proclamou
que “Uma cortina de ferro caiu sobre a Europa.”
das na II Guerra Mundial começaram a abrir mão de suas
colônias logo após o conflito. Os Estados Unidos deram
a independência às Filipinas, sua principal possessão no Guerra por proximidade
Pacífico. Potências europeias como a Grã-Bretanha tam-
bém começaram a se retirar de suas possessões na África Ver artigos principais: Guerra da Coreia, Guerra do
e na Ásia. A França foi forçada a sair tanto da Indochina Vietnã e Crise dos mísseis de Cuba
quanto, mais tarde, da Argélia. Duas guerras e uma terceira quase-guerra na primeira
década do século se tornaram o foco da batalha do
capitalismo versus comunismo. A primeira foi a Guerra
Uma “Cortina de Ferro” se forma da Coreia, luta entre a Coreia do Norte, apoiada pela
República Popular da China, e a Coreia do Sul, apoiada
A segunda metade do século vinte foi profundamente pre- pelos Estados Unidos. A invasão da Coreia do Norte na
judicada pela competição entre as duas superpotências do Sul levou à intervenção dos Estados Unidos. O gene-
mundiais: os Estados Unidos e a União Soviética. A situ- ral Douglas MacArthur liderou as tropas americanas, e
ação ficou especialmente tensa com o advento das armas do Canadá, Austrália, Grã-Bretanha e outros países em
nucleares. Os Estados Unidos, explodiram sua primeira repelir a invasão do Norte. Contudo, a guerra chegou a
bomba nuclear e usaram tais armas contra Hiroshima e um impasse depois que a intervenção chinesa empurrou
Nagasaki. as forças da ONU de volta, e um cessar-fogo terminou as
A União Soviética explodiu sua primeira bomba em 9 de hostilidades, deixando as duas Coreias divididas e tensas
agosto de 1949. A Grã-Bretanha, França e a República pelo resto do século.
Popular da China também desenvolveram capacidades A Guerra do Vietnã é provavelmente a segunda guerra
nucleares, realisticamente posando como ameaça de ani- mais visível do século XX, após a Segunda Guerra Mun-
quilação da raça humana pela primeira vez na história. dial. Após a retirada francesa de sua antiga colônia, o
Um grupo de países, os países não alinhados, optou por Vietnã se partiu em duas metades, assim como a Co-
102 CAPÍTULO 22. SÉCULO XX

para parar com a guerra.


Esta Doutrina Nixon envolveu uma retirada gradual de
forças norte-americanas; Unidades sul-vietnamitas deve-
riam substituí-las, com a cobertura de poder aéreo norte-
americano. Mas o plano não foi bem sucedido, e a guerra
espalhou-se para o vizinho Camboja enquanto forças sul-
vietnamitas foram empurradas mais ainda. Com o tempo,
os Estados Unidos e o Vietnã do Norte assinaram os
Acordos de Paz de Paris, encerrando o envolvimento dos
Estados Unidos na guerra. Sem a ameaça da retaliação
dos Estados Unidos, o Norte continuou a violar o cessar-
fogo e invadiu o Sul com força militar total. Saigão foi
capturada em 30 de abril de 1975, e o Vietnã foi unifi-
cado sob um governo comunista um ano mais tarde, efe-
tivamente trazendo um final a uma das guerras mais im-
populares de todos os tempos.
A crise dos mísseis de Cuba ilustrou quão próximo se es-
teve de entrar em uma guerra nuclear durante a Guerra
Uma das imagens mais fantásticas do século XX: o homem na
Fria. Cuba, sob o governo socialista de Fidel Castro, fir-
Lua, 1969.
mou laços fortes com a União Soviética. Isto obviamente
inquietou os Estados Unidos, devido a proximidade de
reia. Conflito entre Norte e Sul acabou por tornar-se Cuba. Quando o avião espião Lockheed U-2 voou so-
uma guerra regional. Os Estados Unidos forneceram bre a ilha revelando que lançadores de misseis soviéti-
ajuda para o Vietnã do Sul, mas não foi diretamente en- cos estavam sendo instalados, o Presidente dos Estados
volvido até que a Resolução do Golfo de Tonkin, apro- Unidos, John F. Kennedy, instituiu um bloqueio naval e
vada em reação a um suposto ataque norte-vietnamita publicamente confrontou a União Soviética. Depois de
aos contratorpedeiros norte-americanos, trouxe os Esta- uma semana tensa, a União Soviética voltou atrás e man-
dos Unidos à guerra como beligerante. dou removerem os lançadores, não querendo o risco de
iniciar uma nova guerra mundial.

• John F. Kennedy

Vista aérea mostrando base de lançamento de mísseis soviéticos


em Cuba, novembro de 1962. Tal acontecimento, conhecido
como "Crise dos mísseis de Cuba", foi o momento mais tenso da • Cenas da Guerra do Vi-
Guerra Fria, e muitos achavam que o mundo estava às portas de etnã.
uma Terceira Guerra Mundial.

A guerra foi inicialmente vista como uma batalha para


conter o comunismo (ver Doutrina Truman, Contenção
e Teoria do Dominó), mas, conforme mais norte-
americanos eram convocados e notícias de eventos como
a Ofensiva do Tet e o massacre de My Lai vazaram, o
sentimento norte-americano se voltou contra a guerra. O • Prisioneiro vietcongue
Presidente dos Estados Unidos Richard Nixon foi eleito em 1967.
em parte devido a uma promessa de um “plano secreto”
22.4. GUERRAS E POLÍTICA 103

1. Uma “corrida espacial” entre as duas potências se se-


guiu. Apesar da URSS ter alcançado diversos feitos im-
portantes, como a primeira nave na Lua (Luna 2) e o pri-
meiro humano no espaço (Yuri Gagarin), os Estados Uni-
dos acabaram alcançando a dianteira com seus programas
Mercury, Gemini e Apollo, que culminaram no pouso tri-
pulado da Apollo 11 na Lua. Cinco outros pousos tripu-
• Soldado vietcongue em 1968. lados deram sequência (Apollo 13 foi forçado a abortar a
missão). Em adição, ambos os países lançaram inúmeras
sondas no espaço, como a Venera 7 e Voyager 2.
22.4.5 “Um salto gigante para a humani- Nas décadas seguintes, o espaço tornou-se um lugar um
dade” tanto quanto mais amigável. Voos espaciais tornaram-se
possíveis com o ônibus espacial norte-americano, que foi
Ver artigo principal: Corrida espacial a primeira espaçonave reutilizável a ser usada com su-
Com as tensões da Guerra Fria correndo soltas, a União cesso. A Mir e Skylab permitiram uma habitação hu-
mana prolongada no espaço. Na década de 1980, ocorre-
ram tentativas de militarizar o espaço: o presidente dos
EUA, Ronald Reagan, propôs o projeto de armas espa-
ciais “Guerra nas Estrelas” (Iniciativa Estratégica de De-
fesa), para construir um sistema de defesa antimísseis or-
bital. Em resposta, a URSS desenvolveu o Polyus, uma
estação de combate espacial. Nos anos 1990, o trabalho
na Estação Espacial Internacional começou.

Aurora da Era da Informação

Ver artigos principais: Computador, História da


computação e Internet

A criação do transistor revolucionou o desenvolvimento


do computador. Os primeiros computadores, aparelhos
eletromecânicos do tamanho de um quarto construídos
para quebrar códigos criptográficos durante a II Guerra
Mundial, se tornaram mais poderosos (ver: Enigma e
Ultra). Computadores tornaram-se reprogramáveis ao in-
vés de aparelhos de um propósito fixo.
A invenção da linguagem de programação significava que
os operadores de computador poderiam se concentrar em
solução problemas em um alto nível, sem ter que pensar
em termos de instruções individuais para o próprio com-
putador.
A criação de sistemas operacionais ou sistemas operati-
vos também desenvolveu muito a produtividade da pro-
gramação. Arquitetando nisso, os pioneiros do compu-
tador podiam agora perceber o que eles tiveram visão.
A interface gráfica, pilotada por um mouse de compu-
tador tornou simples o aproveitamento do potencial do
computador. O armazenamento para programas de com-
putador progrediu de cartões perfurados e fita de papel a
fita magnética, discos flexíveis e discos rígidos. Memória
magnética e memória de bolha acabaram como memória
Foguetes Saturno V (Estados Unidos) e N1 (União Soviética).
de acesso aleatório (RAM).
A invenção do processador de texto, da folha de plani-
Soviética e os Estados Unidos levaram sua rivalidade às lha e a database aprimoraram muito a produtividade so-
estrelas em 1957 com o lançamento soviético da Sputnik bre o antigo papel, máquina de escrever e gabinetes. A
104 CAPÍTULO 22. SÉCULO XX

vantagem econômica dada às empresas levou a eficiên- de Al Gore, a Internet cresceu além de seu papel militar
cias econômicas nos próprios computadores. CPUs mais quando universidades e empresas comerciais ganharam
econômicos levaram a centenas de empresas e designs ca- permissão para conectar suas redes a ela.
seiros de computadores; o computador caseiro estourou, O maior ímpeto foi o correio eletrônico, uma forma muito
liderado pelo Apple II, o ZX80, o Commodore PET e o mais rápida e conveniente de comunicação do que a carta
MSX. convencional e a distribuição de memorandos. Entre-
IBM, pensando em que o futuro agora estava em com- tanto, a Internet continuou um “segredo bem guardado”
putadores individuais ao invés de enormes terminais pre- para o público geral, que estavam acostumados com Bul-
sos a um mainframe, desenvolveram seu IBM Personal letin Boards e serviços como Compuserve e America
Computer. Crucialmente, a IBM fez todas as especifi- Online. Isto mudou quando Tim Berners-Lee desenvol-
cações de seu computador abertas ao invés de privadas, veu uma forma mais simples do hipertexto de Vannevar
com exceção da BIOS. Como o único impedimento para Bush, que criou a World Wide Web. A “teia” subitamente
um sistema aberto com desenvolvedores interdisciplina- transformou a Internet numa imprensa além das barreiras
res era a BIOS, foi realizada uma engenharia reversa pela geográficas de países físicos; foi chamado cyberespaço.
Compaq, e o PC IBM se tornou o primeiro sistema de Qualquer um com um computador e conexão com a In-
computadores completamente aberto, levando-o ao seu ternet poderia fazer páginas em simples formato HTML
atual domínio do mercado. Aproveitando esta onde de e publicar suas ideias ao mundo.
popularidade, os vendedores do sistema operacional do O imenso sucesso da rede também deu combustível ao
PC (Microsoft) levantaram-se para ocupar o espaço de comércio pela Internet. Compras em casa sempre fo-
empresa de software mais poderosa do mundo. ram um elemento de “visões do futuro” desde o desen-
A década de 1980 foi considerada a Era da Infor- volvimento do telefone, mas agora a competição era para
mação. A ascensão de aplicativos de computador e prover consumismo conveniente e interativo. Compa-
processamento de dados transformou “informação” eté- nhias de comércio através de websites ficaram conhecidas
rea tão preciso como comodidades físicas. Isto trouxe como “Ponto Com” devido ao sufixo ".com” de endereço
o espectro de "Propriedade Intelectual", aonde pessoas comercial de Internet.
e companhias lutariam pelo controle de simples fatos
e ideias, motivados pela nova economia focada nestas
coisas. O governo dos Estados Unidos fez algoritmos 22.4.6 União Europeia
patenteáveis, formando a base de Patente de Software.
A controvérsia disto e de Propriedade de Software levou Ver artigo principal: História da União Europeia
Richard Stallman a criar a Free Software Foundation, e
começar o Projeto GNU.
Computadores também viraram uma plataforma de en-
tretenimento. Jogos de Computador foram desenvolvi-
22.4.7 O mundo no fim do século XX
dos por programadores de software exercitando sua cria-
tividade em grandes sistemas em universidades, mas estes Ver artigos principais: Choque de civilizações,
esforços só foram comercialmente vitoriosos com jogos Globalização, Neoliberalismo e Nova ordem mundial
de arcade como "PONG" e "Space Invaders". Uma vez A falta de democracia, o atraso econômico e a crise nas
que o mercado de computadores pessoais estava estabi-
lizado, jovens programadores em seus quartos criaram a
essência da indústria de jogos para jovens. Para conse-
guir vantagem em tecnologia avançada, jogos de console
foram criados. Como sistemas de arcade, estas máquinas
tinha hardware especializado desenhado para operações
de jogos (como sprites e movimento paralaxe) ao invés
de tarefas de computadores comuns.
Redes de computadores apareceram em dois grandes es-
tilos: a LAN (Local Area Network), ligando computa-
dores em um escritório ou escola entre eles, e a WAN
(Wide Area Network), ligando as LANs e unindo-as. Ini-
cialmente, computadores dependiam de redes de telefone
para se linkarem, fazendo surgir a subcultura dos Bulletin Mikhail Gorbachev e Ronald Reagan assinam o Tratado INF.
Boards. Entretanto, um projeto DARPA para criar re-
des de computadores a prova de bomba levaram a criação repúblicas soviéticas acabaram por acelerar a crise do so-
da Internet, uma rede de redes. A base desta rede era o cialismo no final da década de 1980 (ver: Revoluções
robusto protocolo de rede TCP/IP. Graças aos esforços de 1989). Em 1989 cai o Muro de Berlim e as duas
Alemanhas são reunificadas. No começo da década de
22.5. PAPAS DO SÉCULO XX 105

1990, o então presidente da União Soviética Gorbachev 22.5 Papas do século XX


começou a acelerar o fim do socialismo naquele país e nos
aliados (ver: Previsões de colapso da União Soviética). • Papa Leão XIII, foi Papa de 20 de fevereiro de 1878
Com reformas econômicas (Perestroika), acordos com os a 20 de julho de 1903, foi eleito no século XIX mas
Estados Unidos e mudanças políticas (Glasnost), o sis- é considerado papa do século XX já que passou a
tema foi se enfraquecendo. Iniciava-se o colapso econô- virada do século.
mico da União Soviética. Era o fim de um período de
embates políticos, ideológicos e militares. O capitalismo • São Pio X, foi Papa de 4 de agosto de 1903 a 20 de
vitorioso, aos poucos, iria sendo implantado nos países agosto de 1914.
socialistas.
• Papa Bento XV, foi Papa de 3 de setembro de 1914
Ao final do século XX, o mundo estava em grandes encru- a 22 de janeiro de 1922. Foi o Papa da Primeira
zilhadas. Ao longo do século, mais avanços tecnológicos Guerra Mundial.
foram feitos do que em toda a história precedente. Com-
putadores, a Internet e outras tecnologias alteraram radi- • Papa Pio XI, foi Papa de 6 de fevereiro de 1922 a
calmente o cotidiano. Contudo, muitos problemas desa- 10 de fevereiro de 1939.
fiam o mundo.
• Papa Pio XII, foi Papa de 2 de março de 1939 a 9
Primeiramente, a diferença entre as nações ricas e as po- de outubro de 1958. Foi o Papa da Segunda Guerra
bres continua a crescer. Alguns dizem que esse problema Mundial.
não pode ser resolvido, que havia uma quantidade especí-
fica de riqueza e só poderia ser dividida entre esse tanto. • São João XXIII, foi Papa de 28 de outubro de 1958
Outros dizem que nações poderosas com grandes econo- a 3 de junho de 1963.
mias não estão fazendo o suficiente para rapidamente de-
senvolver as economias do Terceiro Mundo. Contudo, • Papa Paulo VI, foi Papa de 21 de junho de 1963 a 6
países em desenvolvimento desafiam muitas questões, in- de agosto de 1978.
cluindo a quantidade de tarefas a serem resolvidas, popu- • Papa João Paulo I, foi Papa de 26 de agosto de 1978
lações com grande crescimento e a necessidade de prote- a 28 de setembro de 1978.
ger o meio ambiente, e o custo que isso gera.
Em segundo lugar, doenças ameaçam desestabilizar mui- • São João Paulo II, foi Papa de 16 de outubro de 1978
tas regiões do mundo. Novos vírus como o SARS, Nilo a 2 de abril de 2005, o papa da virada do século XX
Ocidental e Gripe das aves continuaram a se espalhar rá- para o XXI e da virada do milênio, tendo o terceiro
pida e facilmente. Em nações pobres, a malária e outras pontificado mais longo da história da igreja católica.
doenças afetam a maioria da população. Milhões são in-
fectados com o VIH, o vírus que causa a SIDA. O vírus
tornou-se uma epidemia no sul da África. 22.6 Anos
Globalização crescente, especificamente uma
Americanização, também estava ocorrendo. Ape- 22.7 Ver também
sar de não ser necessariamente uma ameaça, causa
sentimentos anti-Ocidente e antiamericano em partes
• Música do século XX
do mundo, especialmente o Oriente Médio. O inglês
rapidamente tornou-se uma lígua global, com os po-
vos que não o falam tornando-se crescentemente em
desvantagem. 22.8 Referências
Terrorismo, ditaduras e o crescimento de países com ar-
[1] Gonçalves, Janice. «PLANO DE ENSINO - História
mas nucleares também são questões que requerem aten- Contemporânea I (2013/2 Noturno)» (PDF). Centro de
ção imediata. Maior quantidade de guerras, com o fim da Ciências Humanas e da Educação da Universidade do Es-
era dos combustíveis fósseis se aproximando, são espera- tado de Santa Catarina. Consultado em 18 de janeiro de
das. Ditadores como Kim Jong-un na Coreia do Norte e 2017
o Aiatolá Ali Khamenei no Irão continuam a liderar suas
nações rumo a desconfiança nacional pelo possível desen- [2] G1 - Drama do personagem de “O Artista” foi vivido por
volvimento de armas nucleares. O medo existente não era Charles Chaplin.
de que os terroristas já estivessem tentando conseguir ar-
mas nucleares, mas que eles já tivessem as obtido.
22.8.1 Notas
• ↑ Hobsbawm, Eric The Age Of Extremes : A History
Of The World, 1914-1991, Nova York : Pantheon
Books, 1994.
106 CAPÍTULO 22. SÉCULO XX

• ↑ http://www.j-bradford-delong.net/TCEH/2000/
TCEH_2.html
• ↑ Os Estados Unidos, 1865 a 1900

22.9 Bibliografia
• Hobsbawm, Eric The Age Of Extremes : A History
Of The World, 1914-1991, Nova York : Pantheon
Books, 1994.

• Nolte, Ernst Der europäische Bürgerkrieg 1917–


1945: Nationalsozialismus und Bolschewismus
Frankfurt : Proyläen, 1987.

22.10 Ligações externas


• Conteúdo relacionado com 20th century no Wiki-
media Commons
• Slouching Towards Utopia: The Economic History
of the Twentieth Century
Capítulo 23

Inteligência artificial

Nota: Se procura o filme Inteligência Artificial, consideradas inteligentes. É um conceito amplo, e que
veja A.I. - Inteligência Artificial recebe tantas definições quanto damos significados dife-
rentes à palavra Inteligência.[3] Podemos pensar em algu-
mas características básicas desses sistemas, como a ca-
pacidade de raciocínio (aplicar regras lógicas a um con-
junto de dados disponíveis para chegar a uma conclu-
são), aprendizagem (aprender com os erros e acertos de
forma a no futuro agir de maneira mais eficaz), reco-
nhecer padrões (tanto padrões visuais e sensoriais, como
também padrões de comportamento) e inferência (capa-
cidade de conseguir aplicar o raciocínio nas situações do
nosso cotidiano).[3]
O desenvolvimento da área começou logo após a Se-
gunda Guerra Mundial, com o artigo “Computing Ma-
chinery and Intelligence” do matemático inglês Alan Tu-
ring[4] , e o próprio nome foi cunhado em 1956.[5][6] Seus
principais idealizadores foram os cientistas Herbert Si-
mon, Allen Newell, John McCarthy, Warren McCulloch,
Walter Pitts e Marvin Minsky, entre outros. A constru-
ção de máquinas inteligentes interessam à humanidade há
muito tempo, havendo na história tanto um registro signi-
Inteligência artificial (por vezes mencionada pela sigla ficante de autômatos mecânicos (reais) quanto de perso-
em inglês AI - artificial intelligence) é a inteligência simi- nagens místicos (fictícios) construídos pelo homem com
lar à humana exibida por mecanismos ou software. Tam- inteligência própria, tais como o Golem e o Frankenstein.
bém é um campo de estudo acadêmico. Os principais Tais relatos, lendas e ficções demonstram expectativas
pesquisadores e livros didáticos definem o campo como contrastantes do homem, de fascínio e de medo, em rela-
“o estudo e projeto de agentes inteligentes”, onde um ção à Inteligência Artificial.[7][8]
agente inteligente é um sistema que percebe seu ambi- Apenas recentemente, com o surgimento do computador
ente e toma atitudes que maximizam suas chances de su- moderno, é que a inteligência artificial ganhou meios
cesso. John McCarthy, quem cunhou o termo em 1956 e massa crítica para se estabelecer como ciência inte-
(“numa conferência de especialistas celebrada em Dar- gral, com problemáticas e metodologias próprias. Desde
mouth Colege” Gubern, Román: O Eros Eletrónico), a então, seu desenvolvimento tem extrapolado os clássi-
define como “a ciência e engenharia de produzir máqui- cos programas de xadrez ou de conversão e envolvido
nas inteligentes”. É uma área de pesquisa da computação áreas como visão computacional, análise e síntese da voz,
dedicada a buscar métodos ou dispositivos computacio- lógica difusa, redes neurais artificiais e muitas outras.
nais que possuam ou multipliquem a capacidade racio- Inicialmente a IA visava reproduzir o pensamento hu-
nal do ser humano de resolver problemas, pensar ou, de mano. A Inteligência Artificial abraçou a ideia de re-
forma ampla, ser inteligente. Também pode ser definida produzir faculdades humanas como criatividade, auto-
como o ramo da ciência da computação que se ocupa do aperfeiçoamento e uso da linguagem. Porém, o con-
comportamento inteligente[1] ou ainda, o estudo de como ceito de inteligência artificial é bastante difícil de se defi-
fazer os computadores realizarem coisas que, atualmente, nir. Por essa razão, Inteligência Artificial foi (e continua
os humanos fazem melhor.[2] sendo) uma noção que dispõe de múltiplas interpretações,
[2]
O principal objetivo dos sistemas de IA, é executar fun- não raro conflitantes ou circulares.
ções que, caso um ser humano fosse executar, seriam

107
108 CAPÍTULO 23. INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

23.1 Visão geral finição parece ignorar a possibilidade de existir a IA forte


(ver abaixo).
Outra definição de Inteligência Artificial é a inteligên-
A questão sobre o que é “inteligência artificial”, mesmo cia que surge de um “dispositivo artificial”. A maior parte
como definida anteriormente, pode ser separada em das definições podem ser categorizadas em sistemas que:
duas partes: “qual a natureza do artificial" e “o que é “pensam como um humano; agem como um humano;
inteligência". A primeira questão é de resolução relati- pensam racionalmente ou agem racionalmente”.[9]
vamente fácil, apontando no entanto para a questão de o
que poderá o homem construir.
A segunda questão seria consideravelmente mais difícil, 23.2 Abordagens
levantando a questão da consciência, identidade e mente
(incluindo a mente inconsciente) juntamente com a ques-
tão de que componentes estão envolvidos no único tipo de Não existe uma teoria ou paradigma unificador que ori-
inteligência que universalmente se aceita como estando enta a pesquisa de IA. Pesquisadores discordam sobre vá-
ao alcance do nosso estudo: a inteligência do ser humano. rias questões.[10] Algumas das perguntas constantes mais
O estudo de animais e de sistemas artificiais que não são longas que ficaram sem resposta são as seguintes: a inte-
modelos triviais, começa a ser considerados como maté- ligência artificial deve simular inteligência natural, estu-
ria de estudo na área da inteligência. dando psicologia ou neurologia? Ou será que a biologia
humana é tão irrelevante para a pesquisa de IA como a bi-
Ao conceituar inteligência artificial, presume-se a intera- ologia das aves é para a engenharia aeronáutica? O com-
ção com o ambiente, diante de necessidades reais como portamento inteligente pode ser descrito usando princí-
relações entre indivíduos semelhantes, a disputa entre in- pios simples e elegantes (como lógica ou otimização)? Ou
divíduos diferentes, perseguição e fuga; além da comuni- ela necessariamente requer que se resolva um grande nú-
cação simbólica específica de causa e efeito em diversos mero de problemas completamente não relacionados? A
níveis de compreensão intuitiva, consciente ou não. inteligência pode ser reproduzida usando símbolos de alto
Suponhamos uma competição de cara ou coroa, cujos re- nível, similares às palavras e ideias? Ou ela requer pro-
sultados sejam observados ou não. Se na segunda ten- cessamento “sub-simbólico?" John Haugeland, que cu-
tativa der o mesmo resultado que a primeira, então não nhou o termo GOFAI (Good Old-Fashioned Artificial In-
existiam as mesmas chances para ambas as 2 opções ini- telligence - Boa Inteligência Artificial à Moda Antiga),
ciais. Claro que a coleta de informação em apenas duas também propôs que a IA deve ser mais apropriadamente
amostragens é confiável apenas porque a quantidade de chamada de inteligência sintética, um termo que já foi
tentativas é divisível pelo número de opções de resulta- adotado por alguns pesquisadores não-GOFAI.[11][12]
dos prováveis.
A verdade é que o conceito de cara ou coroa está asso-
23.2.1 Cibernética e simulação cerebral
ciado a artigos de valor, como moedas e medalhas que
podem evitar que as pessoas abandonem o jogo e induzir
Nos anos de 1940 e 1950, um número de pesquisadores
participantes a acompanhar os resultados até o final. Para
exploraram a conexão entre neurologia, teoria da infor-
manter a disposição do adversário em desafiar a máquina
mação e cibernética. Alguns deles construíram máqui-
seria necessário aparentar fragilidade e garantir a conti-
nas que usaram redes eletrônicas para exibir inteligên-
nuidade da partida. Isso é muito utilizado em máquinas
cia rudimentar, como as tartarugas de W. Grey Walter e
de cassino, sendo que vários apostadores podem ser in-
a Besta de Johns Hopkins. Muitos desses pesquisadores
duzidos a dispensar consideráveis quantias em apostas.
se reuniram para encontros da Sociedade teleológica da
A utilização de uma máquina de resultados pode compen- Universidade de Princeton e o Ratio Club na Inglaterra.
sar a ausência de um adversário, mas numa partida de xa- Em 1960, esta abordagem foi abandonada, apesar de seus
drez, por exemplo, para que a máquina não precise arma- elementos serem revividos na década de 1980.
zenar todas as informações que excedem a capacidade de
próprio universo imaginável são necessárias fórmulas que
possam ser armazenadas para que então sejam calculadas 23.2.2 Sub-simbólica
por princípios físicos, lógicos, geométricos, e estatísticos
para refletir o sistema completo em cada uma das suas Inteligência computacional
partes; como a integração do Google com Wikipedia, por
exemplo. Interesse em redes neurais e "conexionismo" foi revivida
Uma popular e inicial definição de inteligência artificial, por David Rumelhart e outros em meados de 1980. Es-
introduzida por John McCarthy na famosa conferência de tas e outras abordagens sub-simbólicas, como sistemas
Dartmouth em 1956 é "fazer a máquina comportar-se de de fuzzy e computação evolucionária, são agora estuda-
tal forma que seja chamada inteligente caso fosse este o dos coletivamente pela disciplina emergente inteligência
comportamento de um ser humano." No entanto, esta de- computacional.
23.3. IA FORTE E IA FRACA 109

23.3 IA forte e IA fraca mano é uma máquina.


Há quem diga que essa visão está absolutamente errada,
Entre os teóricos que estudam o que é possível fazer com do ponto de vista lingüístico, já que associamos à “má-
a IA existe uma discussão onde se consideram duas pro- quina” um artefato inventado e eventualmente construído.
postas básicas: uma conhecida como “forte” e outra co- Dizem eles: “Nenhum ser humano foi inventado ou cons-
nhecida como “fraca”. Basicamente, a hipótese da IA truído”. Afirma-se ainda que a comparação, feita por Tu-
forte considera ser possível criar uma máquina consci- ring, entre o homem e a máquina é sinônimo de sua “inge-
ente, ou seja, afirma que os sistemas artificiais devem re-nuidade social”, pois as máquinas são infinitamente mais
plicar a mentalidade humana.[13] simples do que o homem, apesar de, paradoxalmente, se
afirmar que a vida é complexa. No entanto, esta linha
de raciocínio é questionável, afinal de contas, os compu-
23.3.1 Inteligência artificial forte tadores modernos podem ser considerados “complexos”
quando comparados ao COLOSSUS (computador cujo
A investigação em Inteligência Artificial Forte aborda a desenvolvimento foi liderado por Turing, em 1943), ou
criação da forma de inteligência baseada em computador a qualquer máquina do início do século XX.
que consiga raciocinar e resolver problemas; uma forma
A inteligência artificial fraca centra a sua investigação na
de IA forte é classificada como auto-consciente.
criação de inteligência artificial que não é capaz de verda-
A IA forte é tema bastante controverso, pois envolve te- deiramente raciocinar e resolver problemas. Uma tal má-
mas como consciência e fortes problemas éticos ligados quina com esta característica de inteligência agiria como
ao que fazer com uma entidade que seja cognitivamente se fosse inteligente, mas não tem autoconsciência ou no-
indiferenciável de seres humanos. ção de si. O teste clássico para aferição da inteligência
[15]
A ficção científica tratou de muitos problemas desse tipo. em máquinas é o Teste de Turing.
Isaac Asimov, por exemplo, escreveu O Homem Bi- Há diversos campos dentro da IA fraca, e um deles é o
centenário, onde um robô consciente e inteligente lutaProcessamento de linguagem natural, que trata de estu-
para possuir um status semelhante ao de um humano na dar e tentar reproduzir os processos de desenvolvimento
sociedade.[14] E Steven Spielberg dirigiu “A.I. Inteligên-
que resultaram no funcionamento normal da língua. Mui-
cia Artificial” onde um garoto-robô procura conquistar o
tos destes campos utilizam softwares específicos e lin-
amor de sua “mãe”, procurando uma maneira de se tornarguagens de programação criadas para suas finalidades.
real. Por outro lado, o mesmo Asimov reduz os robôs a Um exemplo bastante conhecido é o programa A.L.I.C.E.
servos dos seres humanos ao propor as três leis da robó-
(Artificial Linguistic Internet Computer Entity, ou Enti-
tica.[7] dade Computadorizada de Linguagem Artificial para In-
ternet), um software que simula uma conversa humana.
Programado em Java e desenvolvido com regras heurís-
23.3.2 Inteligência artificial fraca ticas para os caracteres de conversação, seu desenvolvi-
mento resultou na AIML (Artificial Intelligence Markup
Trata-se da noção de como lidar com problemas não de- Language), uma linguagem específica para tais progra-
terminísticos. mas e seus vários clones, chamados de Alicebots.
Uma contribuição prática de Alan Turing foi o que se cha- Muito do trabalho neste campo tem sido feito com si-
mou depois de Teste de Turing (TT),[15] de 1950: em lu- mulações em computador de inteligência baseado num
gar de responder à pergunta “podem-se ter computadores conjunto predefinido de regras. Poucos têm sido os pro-
inteligentes?" ele formulou seu teste, que se tornou prati- gressos na IA forte. Mas dependendo da definição de IA
camente o ponto de partida da pesquisa em “Inteligência utilizada, pode-se dizer que avanços consideráveis na IA
Artificial”.[4] fraca já foram alcançados.
O teste consiste em se fazer perguntas a uma pessoa e um
computador escondidos. Um computador e seus progra- 23.3.3 Impossibilidade de Simulação Qua-
mas passam no TT se, pelas respostas, for impossível a
litativa
alguém distinguir qual interlocutor é a máquina e qual é
a pessoa. Foi provado que um simulador qualitativo, completo e ro-
No seu artigo original ele fez a previsão de que até 2000 busto não pode existir, ou seja, desde que o vocabulário
os computadores passariam seu teste.[15] Pois bem, há um entrada-saída seja usado (como num algoritmo QSIM),
concurso anual de programas para o TT, e o resultado dos haverá sempre modelos de entrada que causam predições
sistemas ganhadores é tão fraco (o último tem o nome erradas na sua saída. Por exemplo, a noção de infinito
“Ella”) que com poucas perguntas logo percebe-se as li- é impossível ser tida por uma máquina finita (computa-
mitações das respostas da máquina. É interessante notar dor ou neurónios se produzirem apenas um número finito
que tanto a Máquina de Turing quanto o Teste de Turing de resultados num número finito de tempo). Neste caso
talvez derivem da visão que Turing tinha de que o ser hu- é um simples paradoxo matemático, porque são em nú-
110 CAPÍTULO 23. INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

mero finito as combinações saídas de qualquer conjunto pode ser adquirida por sistemas baseados em regras ou
finito. Se a noção de infinito pudesse ser obtida por uma lógica; tampouco por sistemas que não façam parte de um
certa combinação finita, isso significaria que o infinito se- corpo físico. No entanto, este último autor deixa aberta a
ria equivalente a essa sequência finita, o que é obviamente possibilidade de um sistema robótico baseado em Redes
uma contradição. Por isso, o infinito e outras noções abs- Neuronais, ou em mecanismos semelhantes, alcançar a
tractas têm que ser pré-adquiridas numa máquina finita, inteligência artificial.[19]
não são aí programáveis. [16] ,[17] Mas já não seria a referida IA forte, mas sim um corre-
lato bem mais próximo do que se entende por IA fraca.
Os revezes que a acepção primeira de Inteligência Arti-
23.3.4 Críticas filosóficas e a argumenta- ficial vem levando nos últimos tempos contribuíram para
ção de uma IA forte a imediata relativização de todo seu legado. O papel de
Marvin Minsky, figura proeminente do MIT e autor de
Sociedade da Mente, fora central para a acepção de uma
IA linear que imitaria com perfeição a mente humana,
mas seu principal feito foi construir o primeiro computa-
dor baseado em redes neurais, conhecido como Snark,[23]
tendo simplesmente fracassado pois nunca executou qual-
quer função interessante, apenas consumiu recursos de
outras pesquisas mais promissoras. O primeiro neuro
computador a obter sucesso (Mark I Perceptron) surgiu
em 1957 e 1958, criado por Frank Rosenblatt, Charles
Wightman e outros.Atualmente, no entanto, as vertentes
que trabalham com os pressupostos da emergência e com
elementos da IA fraca parecem ter ganhado proeminên-
cia do campo.
As críticas sobre a impossibilidade de criar uma inteli-
gência em um composto artificial podem ser encontradas
em Jean-François Lyotard (O Pós-humano) e Lucien Sfez
(Crítica da Comunicação); uma contextualização didática
do debate encontra-se em Sherry Turkle (O segundo Eu:
os computadores e o espírito humano). Pode-se resumir
o argumento central no fato de que a própria concepção
de inteligência é humana e, nesse sentido, animal e bi-
ológica. A possibilidade de transportá-la para uma base
plástica, artificial, encontra um limite claro e preciso: se
uma inteligência puder ser gerada a partir destes elemen-
John Searle
tos, deverá ser necessariamente diferente da humana, na
medida em que o seu resultado provém da emergência de
Muitos filósofos, sobretudo John Searle e Hubert Drey- elementos totalmente diferentes dos encontrados nos hu-
fus, inseriram no debate questões de ordem filosófica e manos. A inteligência, tal como a entendemos, é essen-
epistemológica, questionando qualquer possibilidade efe- cialmente o fruto do cruzamento da uma base biológica
tiva da IA forte.[18][19] Seriam falsos, assim, os próprios com um complexo simbólico e cultural, impossível de ser
pressupostos da construção de uma inteligência ou cons- reproduzido artificialmente.
ciência semelhante à humana em uma máquina.[20] Outros filósofos sustentam visões diferentes. Ainda que
Searle é bastante conhecido por seu contra-argumento não vejam problemas com a IA fraca, entendem que há
sobre o Quarto Chinês (ou Sala Chinesa), que inverte elementos suficientes para se crer na IA forte também.
a questão colocada por Minsky a respeito do Teste de Daniel Dennett argumenta em Consciência Explicada que
Turing.[21] Seu argumento diz que ainda que uma má- se não há uma centelha mágica ou alma nos seres huma-
quina possa parecer falar chinês por meio de recursos de nos, então o Homem é apenas uma outra máquina. Den-
exame comparativo com mostras e tabelas de referência, nett questiona por que razão o Homem-máquina deve ter
binárias, isso não implica que tal máquina fale e entenda uma posição privilegiada sobre todas as outras possíveis
efetivamente a língua. Ou seja, demonstrar que uma má- máquinas quando provido de inteligência.
quina possa passar no Teste de Turing não necessaria- Alguns autores sustentam que se a IA fraca é possível,
mente implica um ser consciente, tal como entendido em então também o é a forte. O argumento da IA fraca, de
seu sentido humano.[22] Dreyfus, em seu livro O que os uma inteligência imitada mas não real, desvelaria assim
computadores ainda não conseguem fazer: Uma crítica uma suposta validação da IA forte. Isso se daria porque,
ao raciocínio artificial, argumenta que a consciência não
23.4. HISTÓRIA 111

tal como entende Simon Blackburn em seu livro Think, e o fato de que apenas alguns anos antes os computado-
dentre outros, não existe a possibilidade de verificar se res eram vistos como objetos capazes de efetuar opera-
uma inteligência é verdadeira ou não. Estes autores argu- ções aritméticas e nada mais, causava surpresa o fato de
mentam que toda inteligência apenas parece inteligência, um computador realizar qualquer atividade remotamente
sem necessariamente o ser. Parte-se do princípio que é inteligente.
impossível separar o que é inteligência de fato do que é O sucesso inicial prosseguiu com o General Problem Sol-
apenas simulação: apenas acredita-se ser. ver (Solucionador de problemas gerais) ou GPS, desen-
Estes autores rebatem os argumentos contra a IA forte volvido por Newell e Simon.[24] Esse programa foi pro-
dizendo que seus críticos reduzem-se a arrogantes que jetado para imitar protocolos humanos de resolução de
não podem entender a origem da vida sem uma cente- problemas. Dentro da classe limitada de quebra-cabeças
lha mágica, um Deus ou uma posição superior qualquer. com a qual podia lidar, verificou-se que a ordem em
Eles entenderiam, em última instância, máquina como que os seres humanos abordavam os mesmos problemas.
algo essencialmente incapaz e sequer conseguem supô- Desse modo, o GPS talvez tenha sido o primeiro pro-
la como capaz de inteligência. Nos termos de Minsky, a grama a incorporar a abordagem de “pensar de forma hu-
crítica contra a IA forte erra ao supor que toda inteligên- mana”.
cia derive de um sujeito - tal como indicado por Searle - Desde o início os fundamentos da inteligência artificial
e assim desconsidera a possibilidade de uma maquinaria tiveram o suporte de várias disciplinas que contribuíram
complexa que pudesse pensar. Mas Minsky desconsidera com ideias, pontos de vista e técnicas para a IA. Os filó-
o simples fato de que os maiores avanços na área foram sofos (desde 400 a.C.) tornaram a IA concebível, consi-
conseguidos com “maquinaria complexa”, também cha- derando as ideias de que a mente é, em alguns aspectos,
mada por pesquisadores mais importantes de Inteligência semelhante a uma máquina, de que ela opera sobre o co-
Artificial Conexista. Se a crítica de Minsky fosse válida a nhecimento codificado em alguma linguagem interna e
maquina criada por Rosenblatt e Bernard Widrow não es- que o pensamento pode ser usado para escolher as ações
taria em uso ainda hoje, e o Mark I Perceptron não seria que deverão ser executadas. Por sua vez, os matemáticos
o fundador da neuro-computação. Alguns pesquisado- forneceram as ferramentas para manipular declarações de
res importantes afirmam que um dos motivos das críticas certeza lógica, bem como declarações incertas e probabi-
de Minsky foi o fato de ter falhado com Snark. A partir lísticas. Eles também definiram a base para a compreen-
daí começou a criticar essa área por não compreende-la são da computação e do raciocínio sobre algoritmos.
completamente, prejudicando desde então pesquisas im-
portantes sobre o assunto. Os economistas formalizaram o problema de tomar de-
cisões que maximizam o resultado esperado para o to-
O debate sobre a IA reflete, em última instância, a pró- mador de decisões. Os psicólogos adotaram a ideia de
pria dificuldade da ciência contemporânea em lidar efe- que os seres humanos e os animais podem ser conside-
tivamente com a ausência de um primado superior. Os rados máquinas de processamento de informações. Os
argumentos pró-IA forte são esclarecedores dessa ques- lingüistas mostraram que o uso da linguagem se ajusta a
tão, pois são os próprios cientistas, que durante décadas esse modelo. Os engenheiros de computação fornecem
tentaram e falharam ao criar uma IA forte, que ainda pro- os artefatos que tornam possíveis as aplicações de IA. Os
curam a existência de uma ordem superior. Ainda que a programas de IA tendem a serem extensos e não pode-
IA forte busque uma ordem dentro da própria conjuga- riam funcionar sem os grandes avanços em velocidade e
ção dos elementos internos, trata-se ainda da suposição de memória que a indústria de informática tem proporcio-
que existe na inteligência humana uma qualidade superior nado.
que deve ser buscada, emulada e recriada. Reflete, assim,
a difícil digestão do legado radical da Teoria da Evolu- Atualmente, a IA abrange uma enorme variedade de sub-
ção, onde não existe positividade alguma em ser humano campos. Dentre esses subcampos está o estudo de mo-
e ser inteligente; trata-se apenas de um complexo de re- delos conexionistas ou redes neurais. Uma rede neural
lações que propiciaram um estado particular, produto de pode ser vista como um modelo matemático simplificado
um cruzamento temporal entre o extrato biológico e uma do funcionamento do cérebro humano.[25] Este consiste
complexidade simbólica. de um número muito grande de unidades elementares de
processamento, ou neurônios, que recebem e enviam es-
tímulos elétricos uns aos outros, formando uma rede al-
tamente interconectada.
23.4 História No processamento, são compostos os estímulos recebi-
dos conforme a intensidade de cada ligação, produzindo
Ver artigo principal: História da inteligência artificial um único estímulo de saída. É o arranjo das intercone-
xões entre os neurônios e as respectivas intensidades que
define as principais propriedades e o funcionamento de
Os primeiros anos da IA foram repletos de sucessos – mas
uma RN. O estudo das redes neurais ou o conexionismo
de uma forma limitada. Considerando-se os primeiros
se relaciona com a capacidade dos computadores apren-
computadores, as ferramentas de programação da época
112 CAPÍTULO 23. INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

derem e reconhecerem padrões. Podemos destacar tam- daram o MIT AI Lab em 1959. Foram eles alguns dos
bém o estudo da biologia molecular na tentativa de cons- participantes na famosa conferência de verão de 1956 em
truir vida artificial e a área da robótica, ligada à biologia Darthmouth College.[26]
e procurando construir máquinas que alojem vida artifi- Historicamente, existem dois grandes estilos de investi-
cial. Outro subcampo de estudo é a ligação da IA com gação em IA: IA “neats” e IA “scruffies”. A IA “neats”,
a Psicologia, na tentativa de representar na máquina os limpa, clássica ou simbólica. Envolve a manipulação de
mecanismos de raciocínio e de procura. símbolos e de conceitos abstractos, e é a metodologia uti-
Nos últimos anos, houve uma revolução no trabalho em lizada na maior parte dos sistemas periciais.
inteligência artificial, tanto no conteúdo quanto na meto- Paralelamente a esta abordagem existe a abordagem IA
dologia. Agora, é mais comum usar as teorias existentes “scruffies”, ou “coneccionista”, da qual as redes neuro-
como bases, em vez de propor teorias inteiramente no- nais são o melhor exemplo. Esta abordagem cria sistemas
vas, fundamentar as informações em teoremas rigorosos que tentam gerar inteligência pela aprendizagem e adap-
ou na evidência experimental rígida, em vez de utilizar tação em vez da criação de sistemas desenhados com o
como base a intuição e destacar a relevância de aplica- objectivo especifico de resolver um problema. Ambas as
ções reais em vez de exemplos de brinquedos. abordagems apareceram num estágio inicial da história
A utilização da IA permite obter não somente ganhos sig- de IA. Nos anos 60s e 70s os coneccionistas foram re-
nificativos de performance, mas também possibilita o de- tirados do primeiro plano da investigação em IA, mas o
senvolvimento de aplicações inovadoras, capazes de ex- interesse por esta vertente da IA foi retomada nos anos
pandir de forma extraordinária nossos sentidos e habili- 80s, quando as limitações da IA “limpa” começaram a
dades intelectuais. Cada vez mais presente, a inteligên- ser percebidas.
cia artificial simula o pensamento humano e se alastra por Pesquisas sobre inteligência artificial foram intensamente
nosso cotidiano.
custeadas na década de 1980 pela Agência de Projetos de
Pesquisas Avançadas sobre Defesa (“Defense Advanced
Research Projects Agency”), nos Estados Unidos, e pelo
Projeto da Quinta Geração (“Fifth Generation Project”),
no Japão. O trabalho subsidiado fracassou no sentido de
produzir resultados imediatos, a despeito das promessas
grandiosas de alguns praticantes de IA, o que levou pro-
porcionalmente a grandes cortes de verbas de agências
governamentais no final dos anos 80, e em conseqüência
a um arrefecimento da atividade no setor, fase conhecida
como O inverno da IA. No decorrer da década seguinte,
muitos pesquisadores de IA mudaram para áreas relacio-
nadas com metas mais modestas, tais como aprendizado
de máquinas, robótica e visão computacional, muito em-
bora pesquisas sobre IA pura continuaram em níveis re-
duzidos.

23.5 Abordagens

Não há uma teoria ou paradigma unificado estabelecido


que guie a pesquisa em IA. Os pesquisadores discordam
em muitas questões.[27] Algumas das questões mais dura-
douras que permaneceram sem respostas são essas: a in-
teligência artificial poderia simular a inteligência natural,
Humanoide
através do estudo da psicologia ou neurologia? Ou a bi-
ologia humana é tão irrelevante à pesquisa de IA quando
a biologia de um pássaro é para a engenharia aeronáu-
23.4.1 Investigação na IA experimental tica? O comportamento inteligente pode ser descrito
usando simples princípios elegantes (tais como lógica ou
A inteligência artificial começou como um campo expe- otimização)? Ou faz-se necessário resolver um grande
rimental nos anos 50 com pioneiros como Allen Newell e número de problemas completamente não-relacionados?
Herbert Simon, que fundaram o primeiro laboratório de A inteligência pode ser reproduzida utilizando-se símbo-
inteligência artificial na Universidade Carnegie Mellon, e los de alto nível, semelhante à palavras e ideias? Ou faz-
McCarty que juntamente com Marvin Minsky, que fun- se necessário o processamento “sub-simbólico"?[28]
23.6. APLICAÇÕES PRÁTICAS DE TÉCNICAS DE IA 113

23.6 Aplicações Práticas de Técni- • Controle autônomo: o sistema de visão de compu-


tador ALVINN foi treinado para dirigir um auto-
cas de IA móvel, mantendo-o na pista. Ele foi colocado na
minivan controlada por computador NAVLAB da
Enquanto que o progresso direcionado ao objetivo final CMU e foi utilizado para percorrer os Estados Uni-
de uma inteligência similar à humana tem sido lento, mui- dos – ao longo de quase 4.600 km o ALVINN man-
tas derivações surgiram no processo. Exemplos notáveis teve o controle da direção do veículo durante 98%
incluem as linguagens Lisp e Prolog, as quais foram de- do tempo. Um ser humano assumiu o comando
senvolvidas para pesquisa em IA,[29] embora também se- nos outros 2%, principalmente na saída de declives.
jam usadas para outros propósitos. A cultura hacker sur- A NAVLAB tem câmeras e vídeo que transmitem
giu primeiramente em laboratórios de IA, em particular imagens da estrada para ALVINN, que então calcula
no MIT AI Lab, lar várias vezes de celebridades tais como a melhor forma de guiar, baseado na experiência ob-
McCarthy, Minsky, Seymour Papert (que desenvolveu a tida em sessões de treinamento anteriores.
linguagem Logo), Terry Winograd (que abandonou IA
depois de desenvolver SHRDLU). • Diagnóstico: programas de diagnóstico medico ba-
seados na analise probabilística foram capazes de
Muitos outros sistemas úteis têm sido construídos usando executar tarefas no nível de um medico especialista
tecnologias que ao menos uma vez eram áreas ativas em em diversas áreas da medicina. Heckerman (1991)
pesquisa de IA. Alguns exemplos incluem: descreve um caso em que um importante especia-
lista em patologia de gânglios linfáticos ridiculariza
• Planejamento automatizado e escalonamento: a o diagnóstico de um programa em um caso especi-
uma centena de milhões de quilômetros da Terra, almente difícil. Os criadores do programa sugeri-
o programa Remote Agent da NASA se tornou o ram que ele pedisse ao computador uma explicação
primeiro programa de planejamento automatizado do diagnóstico. A máquina destacou os principais
(autônomo) de bordo a controlar o escalonamento fatores que influenciaram sua decisão e explicou a
de operações de uma nave espacial. O Remote interação sutil de vários sintomas nesse caso. Mais
Agent gerou planos de metas de alto nível especifica- tarde, o especialista concordou com o programa.
das a partir do solo e monitorou a operação da nave
• Planejamento logístico: durante a crise do Golfo Pér-
espacial à medida que os planos eram executados –
sico em 1991, as forças armadas dos Estados Unidos
efetuando a detecção, o diagnóstico e a recuperação
distribuíram uma ferramenta denominada Dynamic
de problemas conforme eles ocorriam.
Analysis and Replanning Tool, ou DART, a fim de
• Aplicações de Raciocínio baseado em casos: RBC realizar o planejamento logístico automatizado e a
tem sido utilizado em diversas aplicações como aná- programação de execução do transporte. Isso en-
lise financeira, assessoramento de riscos, controle de volveu até 50 000 veículos, transporte de carga aé-
processos, etc. Exemplos de aplicações de RBC in- rea e de pessoal ao mesmo tempo, e teve de levar em
cluem KRITIK,[30] o CLAVIER na Lockheed,[31] o conta os pontos de partida, destinos, rotas e resolu-
CASELine na British Airways,[31] PROTOS, CA- ção de conflitos entre todos os parâmetros. As téc-
SEY, CASCADE, COMPOSER, etc..[32] nicas de planejamento da IA permitiram a geração
em algumas horas de um plano que exigiria sema-
• Aplicações de Algoritmos genéticos: AG são apli- nas com outros métodos. A Defense Advanced Re-
cáveis em diversos problemas como escalonamento search Project Agency (DARPA) declarou que essa
de horários, sistemas de potência e filogenética.[33] única aplicação compensou com folga os 30 anos de
O CS-1 foi o primeiro sistema de classificação apli- investimentos da DARPA em IA.
cando AG.[34] • Robótica: muitos cirurgiões agora utilizam robôs
assistentes em microcirurgias. O HipNav é um sis-
• Jogos: o Deep Blue da IBM se tornou o primeiro tema que emprega técnicas de visão computacional
programa de computador a derrotar o campeão para criar um modelo tridimensional da anatomia
mundial em uma partida de xadrez, ao vencer Garry interna de um paciente, e depois utiliza controle ro-
Kasparov por um placar de 3,5 a 2,5 em um match bótico para orientar a inserção de uma prótese de
de exibição em 1996.[35][36] Kasparov disse que sen- substituição do quadril.
tiu “uma nova espécie de inteligência” do outro lado
do tabuleiro. O valor das ações da IBM teve um au- • Reconhecimento de linguagem e resolução de pro-
mento de 18 bilhões de dólares. Ainda hoje há indí- blemas: o PROVERB é um programa computa-
cios que o jogo foi armado, pois a IBM negou-se a dor que resolve quebra-cabeças de palavras cruzadas
entregar os logs sobre o jogo, especialistas afirmam melhor que a maioria dos seres humanos, utilizando
que na verdade o jogo foi uma farsa, pois não era restrições sobre possíveis preenchimentos de pala-
a maquina que estava jogando e sim uma equipe de vras, um grande banco de dados de quebra-cabeças
especialistas em xadrez. anteriores e uma variedade fonte de informações
114 CAPÍTULO 23. INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

que incluem dicionários e bancos de dados on-line, • Sistemas baseados na ideia de agentes artifici-
como uma lista de filmes e dos atores que partici- ais, denominados Sistemas Multiagentes, têm se
pam deles.[37] Por exemplo, ele descobre que a pista tornado comuns para a resolução de problemas
“Nice Story” pode ser resolvido por “ETAGE”, por- complexos.[48]
que seu banco de dados inclui o par pista/solução
”Story in France/ETAGE” e porque reconhece que • Chatterbots (robôs de software para conversação),
os padrões “Nice X” e “X in France” com freqüência personagens virtuais que conversam em linguagem
tem mesma solução. O programa não sabe que Nice natural como se fossem humanos de verdade, são
é uma cidade da França, mas consegue resolver o cada vez mais comuns na internet.[49]
quebra-cabeça. * Chinook foi declarado o campeão
Homem-Máquina em Damas em 1994. • Compliance & Mitigação de riscos, empresas como
Experian, Dun and Bradstreet, Equifax, LexisNexis,
• Lógica incerta, uma técnica para raciocinar dentro UpLexis, Montax Big Data e eStracta utilizam IA na
de incertezas, tem sido amplamento usada em siste- análise do risco de contratações a partir de consultas
mas de controles industriais.[38] automáticas de megadados sobre pessoas e organi-
zações disponíveis em bancos de dados públicos e
• Sistemas especialistas vêm sendo usados a uma certa privados.
escala industrial. Os sistemas especialistas foram
um dos primeiros sucessos da IA, com o software
Mycin.[39] Os principais componentes de um Sis- A visão da Inteligência Artificial substituindo julgamento
tema especialista são uma base de conhecimento ali- humano profissional tem surgido muitas vezes na história
mentada por um especialista, uma máquina de in- do campo, em ficção científica e, hoje em dia, em algu-
ferência e uma memória de trabalho.[40] Sistemas mas áreas especializadas onde "Sistemas Especialistas"
especialistas em uso como o XCON/R1 da Digital são usados para melhorar ou para substituir julgamento
Equipment Coporation sabem hoje muito mais do profissional em engenharia e medicina, por exemplo.
que um especialista humano em como configurar os
seus sistemas de computação.[41]

• Sistemas Tutoriais Inteligentes vem sendo usados


23.7 Pesquisadores de IA
para o aprendizado.[42] Uma característica distintiva
desta técnica é o modelo do estudante.[43][44] * Sis- Atualmente existem diversos pesquisadores de IA ao re-
temas tradutores, tais como SYSTRAN,[45] têm sido dor do mundo em várias instituições e companhias de pes-
largamente usados (no entanto, os resultados não são quisa. Entre os muitos que fizeram contribuições signifi-
ainda comparáveis com tradutores humanos). cativas estão:

• Redes Neurais vêm sendo usadas em uma larga vari-


edade de tarefas, de Sistema de detecção de intrusos • Wolfgang Wahlster
a jogos de computadores.
• John McCarthy
• Sistemas de reconhecimento óptico de caracteres
(OCR) podem traduzir letra escrita de forma arbi- • Doug Lenat
trária em texto.
• Roger Schank
• Reconhecimento de escrita a mão é usada em mui-
tos Assistentes Pessoais Digitais. Atualmente existe • Alan Turing
um sistema de comparação de escrita forense a mão
chamado CEDAR-FOX.[46] * Reconhecimento de • Raj Reddy
voz está disponível comercialmente e é amplamente
usado. • Terry Winograd

• Sistemas de álgebra computacional, tais como • Marvin Minsky


Mathematica e Macsyma, são bons exemplos
de aplicações de IA na solução de problemas
algébricos.[47] 23.8 Ver também
• Sistemas com Visão computacional são usados em
muitas aplicações industriais. • Realidade simulada

• Aplicações utilizando Vida Artificial são utilizados • Redes neurais


na indústria de entretenimento e no desenvolvimento
da Computação Gráfica. • Robocode
23.9. REFERÊNCIAS 115

23.9 Referências [17] Cem Say, A.C.; Yilmaz, O. (2006). «Causes of Ineradi-
cable Spurious Predictions in Qualitative Simulation.». J.
[1] Luger, George F (2004). Inteligência Artificial. Estruturas Artificial Intelligence Research. 27. p. 551-275
e Estratégias para a Solução de Problemas Complexos 4ª
[18] Dreyfus, Hubert L (1972). What Computers Can't Do. A
ed. Porto Alegre: Bookman. p. 23. 774 páginas. ISBN
critique of artificial reason (em inglês). New York: Har-
85-363-0396-4
per & Row. 259 páginas. ISBN 0-06011082-1
[2] Rich, Elaine; Knight, Kevin (1994). Inteligência Artificial
2ª ed. Rio de Janeiro: McGraw-Hill. p. 3. 722 páginas. [19] Dreyfus, Hubert L (1992). What Computers Still Can't Do.
ISBN 85-346-0122-4 A Critique of Artificial Reason (em inglês). Cambridge:
The MIT Press. 429 páginas. ISBN 978-0-26254067-4
[3] Vasconcelos, V.V.;Martins Junior, P.P. Protótipo de Sis-
tema Especialista em Direito Ambiental para Auxílio à [20] Genesereth, Michael R.; Nilsson, Nils J (1987). Logical
decisão em Situações de Desmatamento Rural. NT-27. Foundations of Artificial Intelligence. Los Altos, Califor-
CETEC-MG. 2004. 80p. nia: Morgan Kaufmann Publishers, Inc. p. 7. 405 pági-
nas. ISBN 0-934613-31-1
[4] Alan Turing. «Computing Machinery and Intelligence»
(em inglês). Consultado em 22 de maio de 2007 [21] Searle, John L (1986). Minds, Brains, and Programs (em
inglês). Cambridge, Massachusetts: Harvard University
[5] István S. N. Berkeley. «What is Artificial Intelligence?» Press. 112 páginas. ISBN 978-0-67457633-9
(em inglês). Consultado em 22 de maio de 2007
[22] Noyes, James L (1992). Artificial Intelligence with Com-
[6] J. McCarthy, M. L. Minsky, N. Rochester e C.E. Shan-
mon Lisp. Fundamentals of Symbolic and Numeric Pro-
non. «A Proposal for the Dartmouth Summer Research
cessing (em inglês). Lexington, Massachusetts: D. C. He-
Project on Artificial Intelligence» (em inglês). Consul-
ath. p. 534. 542 páginas. ISBN 0-669-19473-5
tado em 22 de maio de 2007
[23] Minsky, Marvin (1986). The Society of Mind (em inglês).
[7] Bruce Mazlish. «The man-machine and artificial intelli-
New York: Touchstone. p. 76. 339 páginas. ISBN 0-
gence» (em inglês). Consultado em 22 de maio de 2007
671-65713-5
[8] Felipe Cotias (17 de janeiro de 2015). «O Demônio de
Mary Shelley». Ficções Humanas. Consultado em 6 de [24] Newell, Allen (autor do artigo); Simon, H. A (autor do
fevereiro de 2015 artigo); Feigenbaum, Edward A. (editor); Feldman, Ju-
lian(editor) (1995). «Part 2. Section 1. GPS, A program
[9] Russell, Stuart; Norvig, Peter (2003). Artificial Intelli- that Simulates Human Thought». Computers & Thought
gence. A Modern Approach (em inglês) 2ª ed. Upper (em inglês). Menlo Park, Cambridge: AAAI Press/MIT
Saddle River, New Jersey: Prentice Hall. p. 1-2. 1081 press. p. 279-296. 535 páginas. ISBN 0-262-56092-5
páginas. ISBN 0-13-790395-2
[25] Bose, N. K.; Liang, P (1996). Neural Network Funda-
[10] Nils Nilsson escreveu: “Simplificando, há uma grande di- mentals with Graphs, Algorithms, and Applications (em in-
vergência no campo sobre o que IA é sobretudo” (Nilsson glês). New York: [s.n.] p. 5-8. 478 páginas. ISBN 0-07-
1983, p. 10). 006618-3 Texto “editoraMcGraw-Hill” ignorado (ajuda)

[11] http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10. [26] Bittencourt, Guilherme (2001). Inteligência Artificial.


1.1.38.8384&rep=rep1&type=pdf Ferramentas e Teorias 2ª ed. Florianópolis: Editora da
UFSC. p. 51. 362 páginas. ISBN 85-328-0138-2
[12] Pei Wang (2008). Artificial general intelligence, 2008:
proceedings of the First AGI Conference. [S.l.]: IOS Press. [27] Nilsson, Nils (1983). «Artificial Intelligence Prepares for
p. 63. ISBN 978-1-58603-833-5. Consultado em 31 de 2001» (PDF). AI Magazine. 1 (1). ISSN 0738-4602
outubro de 2011
[28] Nilsson, Nils (1998). Artificial Intelligence: A New
[13] Coelho, Helder (1994). Inteligência Artificial em 25 Li-
Synthesis. San Francisco: Morgan Kaufmann Publishers.
ções. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. p. 341.
p. 7. ISBN 978-1-55860-467-4
532 páginas. ISBN 972-31-0679-5

[14] Asimov, Isaac (1992). The Complete Stories, Volume 2. [29] Sebesta, Robert W (2010). Conceitos de Linguagens de
[S.l.]: Doubleday. p. 568–604. ISBN 978-0385420785 Programação 9ª ed. Porto Alegre: Bookman. p. 108-
131. ISBN 978-85-7780-791-8
[15] Copeland, B. Jack (Editor); Turing, Alan (autor do ar-
tigo) (2004). «13-Can Digital Computers Think?». The [30] Kolodner, Janet (1993). Case-Based Reasoning (em in-
Essential Turing. The Ideas that Gave Birth to the Com- glês). San Mateo, CA: Morgan Kaufmann. p. 11. 668
puter Age (em inglês). Oxford: Clarendon Press, Oxford. páginas. ISBN 1-55860-237-2
613 páginas. ISBN 0-19-825079-7
[31] Watson, Ian (1997). Applying Case-Based Reasoning. Te-
[16] Cem Say, A.C.; Levent Akın, H. (2003). «Sound and chniques for Enterprise Systems (em inglês). San Fran-
complete qualitative simulation is impossible.». Artificial cisco, CA: Morgan Kaufmann. p. 66-89. 289 páginas.
Intelligence. 149 (2). p. 251-216 ISBN 1-55860-462-6
116 CAPÍTULO 23. INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

[32] von Wangenheim, Christiane Gresse; von Wangenheim, [46] S. N. Srihari; Huang, C.; Srinivasan, H (março 2008).
Aldo (2004). «10: Aplicações de RBC». Raciocínio Ba- Journal of Forensic Sciences «On the Discriminability of
seado em Casos. Barueri, SP: Manole. p. 227-241. 293 the Handwriting of Twins» Verifique valor |url= (ajuda).
páginas. ISBN 85-204-1459-1 Journal of Forensic Sciences. 53 (2). p. 430-446. ISSN
1556-4029
[33] Linden, Ricardo (2006). Algoritmos Genéticos. Rio de
Janeiro: Brasport. p. 285-312. 348 páginas. ISBN 85- [47] Norvig, Peter (1992). «8: Symbolic Mathematics: A
7452-265-1 Parâmetro desconhecido |subtítilo= ignorado Simplification Program». Paradigms of Artificial Intelli-
(ajuda) gence Programming: Case Studies in Common Lisp (em
inglês). San Francisco: Morgan Kauffmann. p. 238-261.
[34] Goldberg, David E. (1989). Genetic Algorithms in Search, 946 páginas. ISBN 1-55860-191-0
Optimization, and Machine Learning. [S.l.]: Addison-
Wesley. ISBN 0-201-15767-5 Parâmetro desconhecido [48] Wooldridge, Michael (2002). An Introduction to Multi-
|Local= ignorado (|local=) sugerido (ajuda) Agent Systems (em inglês). Baffins Lane: John Wiley &
Sons. p. xi. 348 páginas. ISBN 0-471-49691-X
[35] Hsu, Feng-hsiung (2002). Behind Deep Blue: Building the
Computer that Defeated the World Chess Champion. [S.l.]: [49] Cheong, Fah-Chuh (1996). «11: MUD Agents and Chat-
Princeton University Press. ISBN 0-691-09065-3 terbots». Internet Agents. Spiders, Wanderers, Brokers
and Bots (em inglês). Indianapolis: New Riders. p. 249-
[36] Davis, Martin (2000). Engines of Logic. Mathematicians 280. 413 páginas. ISBN 1-56205-463-5
and the Origin of the Computer (em inglês). New York:
W. W. Norton. p. 203. 257 páginas. ISBN 0-393-32229-
7
23.10 Ligações externas
[37] «PROVERB: The Probabilistic Cruciverbalist». Consul-
tado em 29 de janeiro de 2012
23.10.1 Organizações relacionadas a IA
[38] Branco, Antonio Carlos Saraiva; Evsukoff, Alexandre
Gonçalves (2004). «S-Sistema Neuro Fuzzy de Monitora- • http://www.ed.conpet.gov.br/br/converse.php robo
mento e Diagnóstico de Falhas em Reatores Nucleares». programa pelo governo para defender suas questões
Sistemas Inteligentes. Fundamentos e Aplicações. Baru- (site 100% em português).
eri, SP: Manole. p. 449-452. 525 páginas. ISBN 85-
204-1683-7 • American Association for Artificial Intelligence

[39] Harmon, Paul; King, David (1988). Sistemas Especialis-


tas. A Inteligência Artificial Chega ao Mercado. Rio de
Janeiro: Campus. p. 17-23. 304 páginas. ISBN 85-7001-
430-9

[40] Durkin, John (1994). Expert Systems. Design and Deve-


lopment (em inglês). New York: Macmillan. p. 28-29.
800 páginas. ISBN 0-02-330970-9

[41] Giarratano, John; Riley, Gary (1998). Expert Systems.


Principles and Programming (em inglês) 3ª ed. Boston:
PWS Publishing Company. p. 6. 597 páginas. ISBN
0-534-95053-1

[42] Linton, Frank (autor); Boulay, B. du (editor); Mizoguchi,


R. (editor) (1997). «Learning to Learn from an ITS». Ar-
tificial Intelligence in Education. Knowledge and Media in
Learning Systems (em inglês). Amsterdam: IOS Press. p.
317-324. 685 páginas. ISBN 90-5199-353-6

[43] Sleeman, D.; Brown, J.S.(eds.) (1982). Intelligent Tuto-


ring Systems (em inglês). Orlando: Academic Press Asso-
ciates. 345 páginas. ISBN 0-12-648681-6

[44] Frasson, Claude; Gauthier, Gilles (eds.) (1990). «Student


Modeling and Tutoring Flexibility in the Lisp Intelligent
Tutoring System». Intelligent Tutoring Systems. At the
crossroads of artificial intelligence and education (em in-
glês). Norwood, New Jersey: Ablex. p. 83-105. 291
páginas. ISBN 0-89391-625-0

[45] «Systran: Past and Present». Consultado em 29 de janeiro


de 2012
Capítulo 24

Ambiente social

Ambiente social é qualquer conjunto de coisas, forças


ou condições em relação e contato com os seres huma-
nos, incluindo aí tanto a cultura material concreta (como
construções e aparelhos tecnológicos), como caracterís-
ticas cuturais e estruturais abstratas dos sistemas sociais
que determinam e moldam as formas como a vida social
é exercida.[1]

24.1 Referências
[1] Allan G. Johnson (1997). Dicionário de sociologia. Rio
de Janeiro: Zahar. p. 7. ISBN 978-8-57110-393-1 (no
google livros)

117
Capítulo 25

Visão

Nota: Para Visões, veja Visões. Para outros Medicina para diagnósticos por imagem:
significados, veja Visão (desambiguação).
• Tecnologias mais comumente utilizadas pela medi-
A visão (a vista) é um dos cinco sentidos que permite aos cina:
seres vivos dotados de órgãos adequados, aprimorarem a • Radiografia
percepção do mundo.
• Mamografia
No entanto, os neuroanatomistas consideram que a visão
• Ultrassonografia
engloba dois sentidos, já que são diferentes os receptores
responsáveis pela percepção da cor (i.e. pela estimativa • Tomografia computadorizada
da frequência dos fotões de luz) os cones, e pela percep- • Ressonância magnética
ção da luminosidade (i.e. pela estimativa do número de • Angiografia
fotões de luz incidente) os bastonetes.
• Densitometria óssea
• Tomografia por emissão de positrões

25.1 A olho nu • Instrumentos ópticos comuns, exemplos:

Vista desarmada ou a olho nu são expressões que sig- • Lupa, óculos, binóculos, lunetas, microscópios
nificam olhar sem o uso de instrumentos. A visão hu- ópticos, telescópios ópticos.
mana pode ser ampliada quando os olhos são armados
com instrumentos ópticos, como o microscópio óptico • Instrumentos ópticos eletrônicos, exemplos:
ou como o microscópio eletrônico, que ampliam a vi-
• Binóculo de infravermelho, microscópio ele-
são de forma a nos permitir enxergar micróbios e corpos
trônico, telescópio espacial.
microscópicos que são corpos muito pequenos impossí-
veis de serem avistados a olho nu, ou seja, sem armar os
olhos com esses instrumentos. • A visão humana enxerga três níveis bem distintos da
realidade cósmica:
A visão humana pode ser armada também com
telescópios para poder enxergar os corpos muito distan- • A visão microscópica dos corpos microscópi-
tes, como estrelas situadas em outras galáxias muito dis- cos visualizados só com o uso de microscó-
tantes do planeta Terra. A visão humana pode ser ar- pios.
mada com outros instrumentos também, como binócu- • A visão macroscópica dos corpos que podem
los infravermelho, que nos permite ter uma visão no- ser visualizados a olho nu.
turna. O observador armado com o binóculo infraver-
• A visão telescópica dos corpos do Universo vi-
melho capta essa luz infravermelha que reflete os corpos
sualizados só com os telescópios.
no ambiente escuro e assim consegue enxergar tudo, em-
bora tudo esteja no escuro. Com esses binóculos tam-
bém é possível visualizar a luz infravermelha que é emi-
tida pelos corpos que estão emitindo calor, permitindo 25.2 Visão biológica
assim distinguir no escuro os corpos mais quentes dos
corpos mais frios. Existem outros instrumentos e apa- Os olhos são os órgãos sensoriais da visão e capturam a
relhos que nos permitem a visão de raios X, a visão atra- luz que incide sobre a retina que é uma superfície para-
vés da imunofluorescência, a visão através da ressonância bólica de tecido vivo formado por células fotorreceptoras.
magnética dentre outras técnicas mais sofisticadas ainda Essas células captam a luz e transformam essa energia lu-
que são utilizadas tanto pela Astronomia quanto pela minosa em impulsos nervosos que são levadas pelo nervo

118
25.3. VIA VISUAL 119

óptico para o cérebro, para que lá sejam interpretados. • 4º neurónio – cortical (saem do corpo geniculado ex-
Os olhos são as ferramentas com as quais o cérebro cria terno, formam a radiação ótica e terminam na área
o campo visual; ver com os olhos significa usá-los em prol visual).
da visão, enquanto o cérebro é o órgão que processa os
estímulos provenientes dos olhos criando a imagem vi- Na via visual, distinguem-se vários sectores: retina, nervo
sual. ótico, quiasma ótico, fita ótica, corpo geniculado externo,
Por isso, no sentido mais amplo da palavra visão (de radiações óticas e córtex occipital.
percepção visual), esta requer a intervenção de zonas es-
pecializadas do cérebro no córtex visual que analisam e 25.3.1 Retina
sintetizam a informação recolhida em termos de forma,
cor, textura, relevo e outros. A visão é por isso a per-
Na retina encontram-se os receptores visuais (neurónio
cepção das radiações luminosas, compreendendo todo oI) e os neurónios II e III. A retina é então o neuroepité-
conjunto de mecanismos fisiológicos e neurológicos pe-
lio (membrana nervosa) que reveste internamente o globo
los quais essas radiações determinam impressões senso-
ocular, posteriormente à íris. Na parte posterior da re-
riais de natureza variada, como as cores, as formas, o
tina, existe uma zona amarelada, a mácula lútea que é
movimento, a distância e as intensidades das luzes visu-
a área da retina onde a visão é mais distinta. Por isso,
alizadas no ambiente. O olho é a câmera deste sistema
os movimentos reflexos do globo ocular fixam, sobre as
sensorial e é no seu interior que está a retina, composta
máculas, a imagem dos objetos que nos interessam no
de cones e bastonetes, onde se realizam os primeiros pas-
campo visual. Os raios luminosos na retina são cruza-
sos do processo perceptivo. A retina transmite os dados
dos, o campo visual nasal projeta-se na retina temporal e
visuais, através do nervo óptico e do núcleo geniculado
o campo visual temporal projeta-se na retina nasal. Na
lateral, para o córtex cerebral. No cérebro tem então iní-
retina, encontramos três camadas que correspondem aos
cio o processo de análise e interpretação que nos permite
três primeiros neurónios da via ótica. São eles, de fora
reconstruir as distâncias, cores, movimentos e formas dos
para dentro: células fotossensíveis (ou fotorrecetoras), as
objetos que nos rodeiam. células bipolares e as células ganglionares. As células fo-
tossensíveis fazem sinapse com as células bipolares que,
• Cores, frequências de luz a que o olho humano é por sua vez, fazem sinapse com as células ganglionares
sensível, raios de luz visíveis: cujos axónios formam o nervo ótico. A excitação destes
pela luz dá origem a impulsos nervosos que caminham
• Luz vermelha;
em direção oposta à seguida pelos raios luminosos.
• Luz alaranjada;
• Luz amarela;
25.3.2 Células fotossensíveis
• Luz verde;
• Luz azul; São as células recetoras da luz, que constituem uma ca-
• Luz anil; mada profunda. São cones e bastonetes, de acordo com
a forma. Os bastonetes são adaptados para a visão com
• Luz violeta. pouca luz e os cones para a visão com luz de maior inten-
sidade e para a visão de cores. No homem, o número de
• Ondas eletromagnéticas com frequências a que o bastonetes é muito maior que o de cones mas a sua dis-
olho humano não é sensível, invisíveis: tribuição não é uniforme. Assim, nas zonas periféricas,
predominam os bastonetes e o número de cones aumenta
• Luz ultravioleta; progressivamente até à mácula, até que ao nível da fóvea
• Luz infravermelha. central só existem cones. Nas zonas periféricas da retina,
vários bastonetes ligam-se a uma célula bipolar e várias
células bipolares fazem sinapse com uma célula ganglio-
25.3 Via visual nar. Assim, nestas áreas, cada fibra de nervo óptico pode
está relacionada com até 100 recetores. No entanto, na
mácula, o número de cones é aproximadamente igual ao
A via ótica é uma via aferente (sensorial) que apresenta
de célula bipolares e ganglionares, logo cada cone faz si-
quatro neurónios desde a retina até ao córtex.
napse com uma célula bipolar que por sua vez sinapsa
com uma célula ganglionar. Assim, para cada cone existe
• 1ºneurónio - cones e bastonetes (fotorreceptores). uma fibra de nervo ótico. Estas características da má-
• 2º neurónio - neurónios bipolares (ligam os bastone- cula explicam a sua grande acuidade visual e permitem
tes e os cones às células ganglionares). compreender o facto de, apesar de a mácula ser uma área
muito pequena da retina, ela contribuir com um grande
• 3º neurónio - células ganglionares (formam o nervo número de fibras para a formação do nervo ótico e ter
ótico e vão até ao corpo geniculado externo). uma representação cortical grande.
120 CAPÍTULO 25. VISÃO

25.3.3 Nervo ótico 25.3.6 Corpo geniculado externo

Nervo sensitivo cujas fibras conduzem os impulsos visu- Situa-se na porção posterior do tálamo. Os axónios dos
ais. Tem origem nos axónios das células ganglionares da neurónios do corpo geniculado externo constituem a radi-
retina. Estas fibras convergem para a papila ótica e emer- ação ótica (trato geniculo-calcarino ou radiação ótica de
gem do globo ocular como nervo ótico. Da sua origem, Gratiolet) que passa pela porção retro-lenticular da cáp-
ele dirige-se para trás, atravessa a cavidade orbitária e sula interna e terminam na área visual primária ou área 17
canal ótico, através do qual penetra na cavidade crani- de Brodman, situada nos lábios do sulco calcarino. Nem
ana. Termina no ângulo ântero-externo correspondente todas as fibras da radiação ótica atingem o córtex pelo
do quiasma ótico. Relaciona-se com a artéria oftálmica mesmo trajeto. As fibras que estão mais internas vão-se
que, no interior do canal ótico, está por baixo do nervo. situar mais anteriormente no córtex, seguindo um curso
Depois, próximo da cavidade orbitária, contorna a sua quase retilíneo para trás, em direção ao lobo occipital. Já
face externa, cruza a sua face superior, continuando-se as fibras que estão mais externamente vão-se situar mais
do lado interno do olho, até ao ângulo interno do mesmo. posteriormente no córtex, dirigindo-se inicialmente para
Relaciona-se ainda com a veia oftálmica, nervo motor a frente, em direção ao pólo temporal, encurvando-se e
ocular comum e externo, vasos e nervos ciliares. O nervo voltando em direção ao lobo occipital, onde terminam.
ótico vai ser composto pelos axónios das células ganglio- Forma-se assim uma alça, a alça temporal ou de Meyer,
nares e por fibras reflexas (pupilares) para a coordenação em relação com a parte anterior do corno inferior do ven-
da musculatura intrínseca do olho. Contém, ao centro, as trículo lateral. A presença desta alça explica o facto de
fibras maculares, acompanhadas por dentro pelas fibras que tumores do lobo temporal, situados à frente do ní-
da retina nasal e por fora pelas fibras da retina temporal. vel em que se localizam os corpos geniculados externos,
podem comprimir e lesar a radiação ótica, resultando al-
teração dos campos visuais.

25.3.4 Quiasma ótico


25.3.7 Área visual
Situa-se, por cima da hipófise, ao nível da porção mais an- A área visual primária corresponde à área 17 de Brod-
terior da sela turca. Os seus ângulos ântero-externos con- mann, no lábio superior e inferior do sulco calcarino. As
tinuam o nervo ótico e os póstero-externos continuam-se áreas 18 e 19 ou área visual secundária são responsáveis
com as fitas óticas. No quiasma, as fibras decussam parci- pela integração dos estímulos visuais com as experiências
almente: as fibras temporais seguem do mesmo lado sem anteriores e pela percepção da cor e reconhecimento dos
cruzamento e as fibras nasais cruzam para o outro lado. objetos.
Existe correspondência entre partes da retina e partes do
corpo geniculado externo, da radiação ótica e do córtex
25.3.5 Fita ótica visual primário. Na radiação ótica, as fibras correspon-
dentes às partes superiores da retina (portanto à metade
inferior do campo visual) ocupam uma posição mais alta
Emerge do quiasma ótico, passa à volta do pedúnculo
e projetam-se no lábio superior do sulco calcarino, as fi-
cerebral e dirige-se para o corpo geniculado externo do
bras correspondentes às partes mais inferiores da retina
tálamo. Algumas fibras seguem para o núcleo pré-tectal
ocupam uma posição mais baixa e projetam-se no lábio
e colículo superior e estão relacionadas com os reflexos
inferior do sulco calcarino; as fibras que levam impulsos
fotomotores. Assim, conforme o seu destino distinguem-
da mácula ocupam posição intermediária e projetam-se
se quatro tipos de fibras nas vias óticas: fibras retino-
na parte posterior do sulco calcarino.
hipotalâmicas (destacam-se do quiasma ótico e ganham
o núcleo supra-quiasmático do hipotálamo, sendo im-
portantes para a regulação dos ritmos biológicos); fi-
bras retino-tectais (ganham o colículo superior através do 25.4 Lesões
braço do colículo superior e estão relacionadas com cer-
tos reflexos de movimentos dos olhos ou das pálpebras, • Lesão do nervo ótico (por traumatismo ou glau-
desencadeados por impulsos visuais); fibras retino-pré- coma): cegueira completa do olho correspondente.
tectais (ganham a área pré-tectal através do braço do co-
• Lesão da parte mediana do quiasma ótico (tumo-
lículo superior e estão relacionadas com os reflexos fo-
res da hipófise que comprimem o quiasma, de baixo
tomotor direto e consensual); fibras retino-geniculadas
para cima): hemianópsia bitemporal, como con-
(são as mais importantes, pois somente elas se relacionam
sequência da interrupção das fibras da retina nasal
com a visão, terminam fazendo sinapse com os quartos
de cada olho que aqui se cruzam.
neurónios da via ótica, que se localizam no corpo genicu-
lado lateral). Cada fita ótica contém fibras nasais contra- • Lesão da parte lateral do quiasma ótico (aneurisma
laterais e temporais homolaterais. da carótida interna, que comprime lateralmente o
25.5. REFLEXOS 121

quiasma): hemianópsia nasal do olho correspon- caso, existem fibras da área pré-tectal de um lado que cru-
dente, porque há interrupção das fibras provenientes zam para o núcleo de Edinger-Westphal do lado oposto.
da retina temporal deste olho. Fenómeno de Marcus Gunn: dilatação paradoxal das
• Lesão da fita ótica (traumatismos ou tumores que duas pupilas que ocorre quando a luz incide no olho sin-
comprimem a fita ótica): hemianópsia direita ou es- tomático (cujo nervo ótico está lesado), após ter incidido
querda conforme a lesão se localiza na fita esquerda no olho normal. Quando a luz incide no olho normal,
ou direita. há constrição das duas pupilas e, quando esta é desviada
para o olho sintomático, menos impulsos luminosos che-
• Lesão do corpo geniculado externo é idêntica à da gam ao núcleo do nervo oculomotor (em consequência da
fita ótica. lesão) e este, devido à menor intensidade da luz, cessa a
resposta parassimpática o que resulta numa dilatação pu-
• Lesão da radiação ótica: se for completa é seme- pilar paradoxal.
lhante à da fita ótica. Normalmente ocorrem lesões
de parte destas fibras, o que resulta em pequenas fa-
lhas do campo visual - escotomas - ou falhas que 25.5.2 Reflexo de acomodação - convergên-
comprometem todo um quadrante do campo visual cia
- quadrantopsias.
Quando um objeto se aproxima do olho rapidamente, os
• Lesão do córtex visual (área 17): Lesões comple- eixos óticos de ambos os olhos têm que convergir (con-
tas (pouco frequentes) dão também sintomas seme- tração dos músculos retos internos), ao mesmo tempo o
lhantes aos da fita ótica. As lesões parciais são mais cristalino modifica a sua curvatura para alterar o foco de
frequentes (por exemplo, lesão do lábio inferior do acomodação (contração dos músculos ciliares) e as pupi-
sulco calcarino direito resulta numa quadrantopsia las contraem.
homónima superior esquerda). A visão macular é
frequentemente poupada nas lesões da área 17, pro- Na convergência, os dois músculos retos internos movi-
vavelmente devido à sua grande representação cor- mentam os eixos dos olhos para dentro, garantindo que
tical. os raios provenientes de um objeto que se aproxima se-
jam projetados sempre na fóvea central. Na acomodação,
o cristalino arredonda-se, garantindo uma visão mais ní-
tida do objeto na retina. O cristalino mantém-se acha-
25.5 Reflexos tado pela tensão das fibras lenticulares, fixas no músculo
ciliar e, quando o músculo ciliar se contrai na acomoda-
25.5.1 Reflexo fotomotor direto e consen- ção, estas fibras são relaxadas e o cristalino pode ceder
sual à sua própria tensão e sofrer um arredondamento. Para
aumentar a nitidez visual, a pupila é contraída pela ação
Quando um olho é estimulado com um feixe de luz, a do músculo esfíncter da pupila.
pupila contrai-se devido ao reflexo fotomotor. O im- Os impulsos aferentes seguem pelo nervo ótico, quiasma
pulso nervoso, que é originado na retina, é conduzido pelo ótico, fita ótica, corpo geniculado externo e radiação ótica
nervo ótico, quiasma ótico e fita ótica e chega ao corpo ge- até o córtex visual primário, existindo então integração
niculado lateral. No entanto, as fibras relacionadas com o cortical e os axónios seguem para a área visual secundá-
reflexo fotomotor não fazem sinapse no corpo geniculado ria (e também para o campo ocular frontal) e daí para a
lateral ao contrário das fibras relacionadas com a visão. área pré-tectal. Nesta, ocorre outra formação de sinapses
Elas ganham então o braço do colículo superior, termi- e os axónios destes neurónios terminam no núcleo de Per-
nando em neurónios da área pré-tectal. Daí vão sair fi- lia. Este núcleo situa-se entre os dois núcleos de Edinger-
bras que terminam fazendo sinapse com os neurónios do Westphal e possui dois tipos de neurónios: um tipo, que
núcleo de Edinger-Westphal, no mesencéfalo. Deste nú- faz sinapse com o núcleo motor somático do motor ocu-
cleo saem fibras pré-ganglionares que, pelo III par (mo- lar comum, que envia os seus axónios diretamente para
tor ocular comum), vão ao gânglio ciliar, de onde saem o músculo reto interno, provocando convergência; o ou-
fibras pós-ganglionares (nervos ciliares curtos) que termi- tro tipo faz sinapses com o núcleo de Edinger-Westphal
nam no músculo esfíncter da pupila, levando à sua con- e, a partir dele, as fibras fazem sinapse no gânglio ciliar,
tração. Este reflexo tem uma grande importância clínica saindo umas para o músculo ciliar (acomodação) e outras
e pode estar abolido em lesões da retina, do nervo ótico para o músculo esfíncter da pupila (miose).
ou do nervo motor ocular comum. A via do reflexo de acomodação-convergência é diferente
Ao mesmo tempo que acontece o reflexo fotomotor di- da via para o reflexo da luz, o que é sustentado clini-
reto, temos também um reflexo consensual. Este consiste camente pelo distúrbio designado “pupila de Argyll Ro-
numa constrição da pupila contralateral e resulta de fibras bertson”, no qual o reflexo à luz é perdido, enquanto o
que cruzam o plano mediano para o lado oposto, através reflexo de acomodação-convergência persiste (o local da
do quiasma ótico e da comissura posterior. Neste último lesão não foi determinado precisamente, mas sabe-se que
122 CAPÍTULO 25. VISÃO

o fator etiológico é a sífilis no Sistema Nervoso. 25.7 Resolução da visão


Em comparação com a televisão de alta definição que
possui 2 megapixels, a visão humana possui em média
25.5.3 Reflexo de ameaça 576 megapixels de resolução, gerada por cones e basto-
netes que possuímos nos olhos. Além disso, a mesma
Quando um objeto surge rapidamente à frente do olho, amplia os cerca de 576 megapixels com um sistema de
existe um reflexo que leva a pálpebra a fechar (é uma res- interpolação sendo feita pelas próprias células oculares.
posta reflexa que não pode ser inibida voluntariamente). Esta resolução é referente ao foco e não às dimensões das
As fibras aferentes da retina percorrem o nervo ótico, fita imagens em si (altura e largura), ou seja, não é influenci-
ótica e braço do colículo superior e alcançam o colículo ada por condições visuais como miopia, astigmatismo ou
superior. Daí saem fibras para o núcleo do nervo facial hipermetropia.[1]
e, através deste, o impulso nervoso chega ao músculo or-
bicular da pálpebra e leva-a a piscar. Se o estímulo for
muito intenso, o impulso chega aos neurónios motores da 25.8 Referências
medula, a partir do trato tecto-espinhal, havendo uma res-
posta motora que pode fazer com que o indivíduo proteja [1] «O que falta para uma câmera atingir a precisão do olho
o olho com a mão também de modo reflexo. humano?». Tecmundo. Consultado em 29 de maio de
2014

25.5.4 Reflexo corneopalpebral 25.9 Bibliografia


Pesquisa-se este reflexo tocando ligeiramente na córnea • Afifi, A., Bergman, R.. Functional Neuroanatomy:
com um pedaço de algodão, o que leva ao encerramento Text and Atlas. 2nd edition, 2005
dos olhos por contração bilateral da parte palpebral do
músculo orbicular das pálpebras. O impulso aferente • Machado, A. (2006) Neuroanatomia Funcional. 2ª
passa sucessivamente pelo ramo oftálmico do trigémio, edição. Atheneu
gânglio de Gasser e raiz sensitiva do trigémio, chegando
ao núcleo sensitivo principal e núcleo do trato espinhal • Snell, R. S. (2010) Clinical Neuroanatomy, 7ª edi-
deste nervo. Fibras cruzadas e não cruzadas originadas ção. Lippincott Williams & Wilkins
nestes núcleos conduzem os impulsos aos núcleos do fa-
cial dos dois lados, de tal modo que a resposta motora se
faz pelos dois nervos faciais, resultando o encerramento 25.10 Ver também
dos dois olhos. Entende-se assim que a lesão de um dos
nervos trigémios leva à abolição da resposta reflexa dos • Astigmatismo
dois lados quando se toca a córnea do lado da lesão, mas
não quando se toca a córnea do lado saudável. Já a lesão • Cegueira
do nervo facial de um lado corta a resposta reflexa deste
• Visão subnormal
lado, qualquer que seja o olho tocado.
• Daltonismo

• Hipermetropia

25.6 A televisão e a visão digital • Miopia

• Estrabismo
Televisão (do grego “tele”, “distante” e do latim “visi-
one”, visão) literalmente (visão a longa distância) é a tec- • Optometria
nologia e o aparelho que nos permite captar e visualizar
as imagens que estão sendo transmitidas pelas emissoras
de TV. A visão digital através de computadores é outro
tipo de “televisão” que nos permite visualizar em tempo
real imagens que estão sendo captadas em lugares dis-
tantes em quaisquer localidades onde estejam instalados
outros computadores equipados com instrumentos peri-
féricos tais como câmera e monitor para captar e enviar
imagens através de bits para outros computadores conec-
tados às redes de computadores.
Capítulo 26

Olfato

O olfato [1][2][3] é um dos cinco sentidos básicos e refere- mais tarde na evolução darwiniana se parecem ter de-
se à capacidade de captar odores com o sistema olfativo. senvolvido outras estruturas límbicas como o complexo
No homem e demais vertebrados, o órgão olfativo se amígdala-hipocampo.
forma a partir de um espessamento epidérmico situado na Como no caso das emoções básicas, a resposta imedi-
região etmoidiana do crânio, a neurorrecepção somente ata aos odores transmite uma mensagem simples e biná-
será ativada após as moléculas das substâncias odorífe- ria: ou se gosta ou não se gosta; fazem-nos aproximar
ras serem dissolvidas no muco que recobre a membrana ou evitar. E verifica-se que, quando uma pessoa sofre
pituitária. um trauma que a faz perder o olfato, o impacto se torna
por vezes devastador: as experiências de fazer amor ou
mesmo passear numa manhã primaveril ficam extrema-
26.1 Disfunções olfativas mente diminuídas. E há casos em que se verifica que há
uma diminuição de intensidade mesmo em todas as ex-
periências emocionais.
As principais disfunções olfativas são:
As memórias que incluem lembrança de odores têm ten-
• anosmia perda do olfato; dência para ser mais intensas e emocionalmente mais for-
tes. Um odor que tenha sido encontrado só uma vez na
• disosmia distorção do olfato; vida pode ficar associado a uma única experiência e en-
tão a sua memória pode ser evocada automaticamente
• fantosmia alucinação olfativa, onde o indivíduo per- quando voltamos a reencontrar esse odor. E a primeira
cebe cheiros desagradáveis; associação feita com um odor parece interferir com a
• hiperosmia aumento exagerado da sensibilidade do formação de associações subsequentes (existe uma inter-
olfato; ferência proactiva). É o caso da aversão a um tipo de
comida. A aversão pode ter sido causada por um mal es-
• hiposmia redução da capacidade do olfato; tar que ocorreu num determinado momento apenas por
coincidência, nada tendo a ver com o odor em si; e, no
• parosmia perversão do olfato; entanto, será muito difícil que ela não volte sempre a apa-
• síndrome da referência olfativa distúrbio psicológico recer no futuro associada a esse odor.
que faz com que o paciente pense ter um forte odor
corporal.

26.3 Referências
26.2 O olfato e as emoções
A percepção é um processo que influi na trajetória de [1] MorDebe. «olfato». Portal da Língua Portuguesa. Con-
crescimento e reorganização do cérebro com vista a este sultado em 25 de janeiro de 2011
se ir adaptando melhor ao ambiente e conseguir agir
com mais eficiência inserido nele. E a parte mais an-
[2] MorDebe. «olfacto». Portal da Língua Portuguesa. Con-
tiga do cérebro, o rinencéfalo (cujo nome é composto
sultado em 25 de janeiro de 2011
por duas palavras significando «cheiro» e «cérebro»),
que compreende as áreas olfativas e límbicas, parece ter-
se desenvolvido inicialmente a partir de estruturas ol- [3] «Definição ou significado de olfacto no Dicionário Infopé-
fativas. O que indica que provavelmente a capacidade dia da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico». In-
para experimentar e expressar emoções se terá desenvol- fopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 8 de
vido a partir da habilidade para processar os odores. Só janeiro de 2017

123
124 CAPÍTULO 26. OLFATO

26.4 Ligações externas


• Anatomia e Fisiologia Humanas (MapasMen-
tais.com) - Olfato
Capítulo 27

Tato

Nota: Para outros significados, veja Tato (desambi- mesmo testes psicológicos baseados no desenho (como
guação). o Procedimento de Desenhos-Estórias) pode ser eficaz-
mente aplicado mesmo em cegos desde o nascimento. [5]
O tato[1] ou tacto[2] é um dos cinco sentidos clássi-
cos propostos por Aristóteles, porém os especialistas
o dividem em quatro outros sentidos: sistema soma- 27.3 Em animais
tossensorial (identificação de texturas), propriocepção
ou cinestesia (reconhecimento da localização espacial
do corpo), termocepção (percepção da temperatura) e O mesmo se passa com animais noturnos que, face à falta
nocicepção (percepção da dor). Geralmente associado de luz, usam bigodes longos ou antenas desenvolvidos
apenas com a pele, na verdade inclui vários órgãos dife- para detectar através do tato as propriedades do meio,
rentes como o (labirinto e medulas). [3] por exemplo Gatos, Ratos e Toupeiras.

27.1 Outras possíveis subdivisões 27.4 Sensores


Discute-se ainda o fato de existirem receptores nervosos Para que nós sejamos capazes de obter as percepções tá-
diferenciados para pressão ligeira e intensa para pressão teis existem na pele uma série de terminações nervosas e
breve e permanente e também existem diferenças na per- corpúsculos. Eles são os chamados receptores táteis.
cepção do calor e percepção do frio. A complexidade
do estudo deste sentido aumenta se pensarmos que tam-
bém existem receptores distintos que detectam a pressão • Corpúsculo de Pacini - percepção da pressão;
visceral, como quando estamos de estômago cheio; ou
receptores endócrinos que proporcionam a sensação de • Corpúsculo de Meissner - percepção do tato leve.
“tensão” - como quando apresentamos ansiedade ou se to- Quando passamos ligeiramente as mãos por uma su-
mam substâncias como a cafeína. Assim, caso a definição perfície, são eles os responsáveis pelas sensações
seja baseada nos órgãos sensoriais, é possível subdividir que experimentamos;
o tato em até oito sentidos diferentes.
• Discos de Merkel - como os corpúsculos de Meiss-
ner, captam toques leves;
27.2 Em cegos
• Corpúsculo de Krause - percepção do frio;
Os cegos utilizam muito o tato para conseguir superar as
dificuldades devido à falta da visão: usam, por exemplo, • Corpúsculo de Ruffini - percepção do calor;
uma bengala que serve como extensão do braço; a leitura
em Braille também usa este sentido. Um estudo que com- • Terminações nervosas livres (nociceptores) - termi-
parou desenhos feitos por cegos com os feitos por pessoas nações nervosas sensíveis aos estímulos mecânicos,
com visão normal, indicou que a percepção dos objetos térmicos e especialmente aos dolorosos. Não for-
através do tato permite uma leitura de mundo muito se- mam corpúsculos. É importante frisar que a dor que
melhante, excluindo apenas a cor e a distância. Pessoas sentimos é sempre igual, podendo variar apenas em
com visão normal não conseguiram diferenciar desenhos intensidade, logo a dor que sentimos ao quebrar um
feitos por cegos de desenhos feitos por videntes.[4] braço é igual a dor que sentimos quando recebemos
A semelhança dos desenhos é tão significativa que até um beliscão variando apenas na intensidade.

125
126 CAPÍTULO 27. TATO

27.5 Efeito psicológico [6] Ricardo Amaral Rego (2004) Contato com o tato. Dis-
ponível em: http://www.centroreichiano.com.br/artigos/
Anais%202004/Ricardo%20Amaral%20Rego.pdf
O contato físico carinhoso com alguém que gostamos
gera desde a infância uma sensação de bem-estar, se- [7] Xinyue Zhou, Kathleen D. Vohs, Roy F. Baumeister
gurança e afeto em todos os mamíferos. Esse contato (2009) The Symbolic Power of Money. http://www.
carinhoso é essencial para o desenvolvimento saudável csom.umn.edu/assets/127771.pdf
de todos primatas, inclusive dos seres humanos, desde o
[8] André Samsonh. Transferência e Contratransferên-
aleitamento quando o tato é um dos sentidos mais desen-
cia em Psicoterapia Corporal. Disponível em: ttp://
volvidos. Possui papel central na socialização de vários portalsaudebrasil.com/artigospsb/psico040.pdf
dos primatas e inúmeros estudos revelam como a priva-
ção desse contato causa prejuízos físicos e psicológicos
mesmo em adultos.[6]
27.7 Ligações externas
Mesmo um breve contato físico é suficiente para alterar
nossa relação com outra pessoa, para melhor ou para pior, • AFH - Anatomia e Fisiologia Humanas
e empresários tem usado diversas técnicas táteis há sécu-
los para aumentar sua chance de sucesso com seus cli-
entes. Um estudo verificou que um mero toque sutil de
alguns segundos já é suficiente para aumentar a avalia-
ção de satisfação do cliente e as gorjetas recebidas por
garçons em aproximadamente 20%. E essa não é a única
relação entre tato e dinheiro. Um outro estudo defende
que tocar dinheiro aumenta a sensação de poder e assim
diminui a percepção de dor. [7]
Algumas psicoterapias foram focalizadas no contato fí-
sico e cinestésicas. Esse tipo de psicoterapia corporal
tem entre seus objetivos relaxar o paciente, fazer ele en-
trar em contato com seu corpo, seus sentimentos e sen-
sações e uma relação carinhosa com o terapeuta. Para
a abordagem de Gerda Boyesen, o tato é uma forma de
acessar o inconsciente e trabalhar sobre o ego do indi-
víduo. Porém, envolver o contato físico numa relação
tão íntima potencializa também riscos de transferência e
contratransferência inadequados e por isso exige um es-
tabelecimento claro de limites desde a primeira sessão
relembrando as regras sempre que necessário. [8]

27.6 Referências
[1] ILTEC. «tato». Portal da Língua Portuguesa. Consultado
em 25 de janeiro de 2011

[2] ILTEC. «tacto». Portal da Língua Portuguesa. Consul-


tado em 27 de outubro de 2013

[3] The importance of the sense of touch http://www.


roblesdelatorre.com/gabriel/GR-IEEE-MM-2006.pdf

[4] HM Kamel (2000) A study of blind drawing practice:


creating graphical information without the visual channel.
http://portal.acm.org/citation.cfm?id=354324.354334

[5] Amiralian, Maria Lúcia Toledo Moraes (1992) Compre-


endendo o cego através do Procedimento de Desenhos-
Estórias: uma abordagem psicanalítica da influência de
cegueira na organizaçäo da personalidade. http://bases.
bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=
iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&
nextAction=lnk&exprSearch=126796&indexSearch=ID
Capítulo 28

Paladar

suas concentrações variam consideravelmente de indiví-


duo para indivíduo[4] . Isso significa que, ao contrário
da lenda popular, a língua percebe sabores diferentes de
forma razoavelmente igual por toda a sua extensão.[5]
Quando determinada substância não provoca reações sen-
sitivas nos órgãos do paladar, diz-se que é insípida.

28.1 Referências
[1] Halpern, Bruce P. (2002). «What’s in a Name? Are MSG
and Umami the Same?». Chemical Senses. 27 (9)

[2] Mattes, Richard D. (2009). «Is There a Fatty Acid


Taste?». Annual Reviews. 29

Papila gustativa [3] American Chemical Society (2008). «That Tastes ...
Sweet? Sour? No, It’s Definitely Calcium!». ScienceDaily
O paladar ou gustação é um dos cinco sentidos. É a
[4] Elizabeth Bernays, Reginald Chapman. «Taste Bud». En-
capacidade de reconhecer os gostos de substâncias colo- ciclopedia Britannica
cadas sobre a língua. Na língua, existem as papilas gus-
tativas que reconhecem substâncias do gosto e enviam a [5] Wanjek, Christopher (2006). «The Tongue Map: Taste-
informação ao cérebro. Mas o teto da boca (o palato) less Myth Debunked». Live Science
também é sensível aos gostos. Existem cinco sabores
bem aceitos: o amargo, o ácido, o salgado, o doce e
o umami[1] , e há o debate se também há os sabores de 28.2 Bibliografia
ácidos graxos[2] , cálcio[3] e óxido de ferro
A língua também possui terminações nervosas livres que, • Smith, D. V. and Margolskee, R. F. Making Sense of
quando em contato com substâncias como a capsaicina, Taste. Scientific American, 2001, 284, 32-39
percebem os compostos químicos. Ao conjunto das sen-
sações de gosto e aroma dá-se o nome de sabor. É por
isso que, quando estamos resfriados, a comida nos parece
sem sabor, embora o seu paladar continue presente. As
substâncias do gosto se ligam (aminoácidos e adoçantes)
ou penetram (íon hidrogênio e íon sódio) na célula sen-
sorial desencadeando um processo que resulta na libera-
ção de neurotransmissores. Os padrões de sinais gerados
e transmitidos até o cérebro a partir da liberação desses
neurotransmissores permitem a identificação do tipo de
gosto.
Os receptores envolvidos neste sentido são células que se
agrupam nas chamadas papilas gustativas. Assim papi-
las gustativas se espalham em concentrações diferentes
por toda a língua, e estão presentes, ainda que em menor
número, até no céu da boca, garganta, esôfago e nariz;

127
Capítulo 29

Audição

A audição do latim auditione é um dos cinco sentidos. É endolinfa) e o ósseo (ou cóclea), contendo perilinfa
a capacidade de percepcionar o som. O órgão responsá- e suspendendo o labirinto membranoso. O labirinto
vel pela audição é a orelha, capaz de captar sons até uma membranoso possui três partes: o vestíbulo, a
determinada distância, dependendo da sua intensidade ou cóclea e os canais semicirculares. Nos canais
nível de pressão sonora. semicirculares encontram-se estruturas que per-
mitem a percepção da posição do corpo (noção
de equilíbrio), juntamente com o vestíbulo (que
29.1 Audição nos vertebrados compreende o sáculo e o utrículo). Na cóclea está
presente uma estrutura que permite a percepção
dos sons, chamada de órgão de Corti.
• Peixes: além da linha que acusa vibrações da água
e alguns sons emitidos por outros animais, os pei-
xes apresentam o ouvido interno, o qual está mais 29.1.2 Funcionamento
relacionado ao equilíbrio do que a audição.

• Nos vertebrados terrestres: o ouvido possui a capa- As ondas sonoras chegam até o aparelho auditivo, fazem
cidade de amplificar sons. Nos anfíbios, a mem- o tímpano vibrar que, por sua vez, faz os três ossos da
brana timpânica ou tímpano amplia o som e trans- orelha (martelo, bigorna e estribo) vibrarem; as vibrações
mite as vibrações para o ouvido médio. são passadas para a cóclea, onde viram impulsos nervosos
que são transmitidos ao cérebro pelo nervo auditivo.
• Nos répteis e nas aves: ocorre o mesmo processo
que nos anfíbios. A diferença está mais na parte
externa, pois os répteis e as aves já apresentam um 29.2 Perda da audição
pavilhão auditivo externo rudimentar e o tímpano
fica em uma depressão da cabeça: o ouvido médio.
Vários motivos podem explicar a perda da capacidade au-
ditiva. Um deles, segundo estudo da Brigham and Wo-
29.1.1 Audição nos mamíferos men’s Hospital, dos Estados Unidos, associa o consumo
regular de aspirina, acetaminofen e anti-inflamatórios não
O ouvido, que é o órgão captador da audição, divide-se esteroides ao aumento do risco de perda auditiva,
[1]
especi-
em três regiões : almente nos homens com menos de 60 anos .

• Ouvido externo: formado pelo pavilhão da ore-


lha e pelo canal auditivo externo (meato acústico). 29.3 Referências
Mostra-se fechado internamente pelo tímpano.
[1] Consumo regular de analgésicos leva a perda auditiva -
• Ouvido médio: com um formato de caixa, contendo Folha de S.Paulo, 3 de março de 2010 (visitado em 3-3-
em seu interior três ossículos (martelo, bigorna e es- 2010)
tribo) responsáveis pela condução das vibrações so-
noras, levando-as de um meio de menor impedância
(ar) para um meio de maior impedância (líquido).
Comunica-se com o ouvido interno pelas janelas do
vestíbulo e da cóclea e com a faringe por intemédio
da trompa de Eustáquio ou tuba auditiva.

• Ouvido interno: também chamado de labirinto;


abrange o labirinto membranoso (contento

128
Capítulo 30

Propriocepção

Nota: Se procura a relação de percepções sensoriais 30.2 Sensores ou Fuso Muscular


diferentes, veja Sinestesia.
Os fusos musculares são órgãos sensoriais espalhados por
Propriocepção também denominada como cinestesia, é todo o tecido muscular, compostos por 3 a 12 fibras mus-
o termo utilizado para nomear a capacidade em reconhe- culares finas intrafusais circundadas por uma bainha do
cer a localização espacial do corpo, sua posição e orienta- tecido conjuntivo, tendo de 3 a 10 mm de comprimento,
ção, a força exercida pelos músculos e a posição de cada que ativam reflexamente o músculo e inibem simultanea-
parte do corpo em relação às demais, sem utilizar a visão. mente o músculo oponente ou antagonista (reflexo de es-
Este tipo específico de percepção permite a manutenção tiramento).
do equilíbrio postural e a realização de diversas ativida-
O fuso muscular é o principal órgão sensitivo do mús-
des práticas. Resulta da interação das fibras musculares
culo. Se o impulso do alongamento for muito grande, o
que trabalham para manter o corpo na sua base de sus-
influxo proveniente do fuso muscular acarreta uma con-
tentação, de informações táteis e do sistema vestibular,
tração protetora funcionando como um detector do com-
localizado no ouvido interno.[1]
primento.
Os fusos musculares são considerados unidades contráteis
regulares do músculo.
O fuso está ligado às fibras extrafusais; assim, quando o
músculo é alongado, ocorre também o alongamento do
fuso. O processo de excitação do fuso muscular ocorre
quando um estímulo de alongamento é aplicado. O fuso
30.1 Inteligência corporal- muscular monitora a velocidade e duração do alonga-
cinestésica mento e detecta as alterações no comprimento do mús-
culo. As fibras do fuso muscular são sensíveis à rapidez
com a qual um músculo é alongado.
O fuso pode ser excitado de duas maneiras diferentes:
Segundo a teoria das múltiplas inteligências, a Inteligên-
cia corporal-cinestésica se da origem às habilidades que pelo estiramento de todo o músculo (terminações primá-
atletas e artistas (especialmente dançarinos) desenvolvemrias) e pela contração das porções terminais das fibras in-
para a coordenação desejada de movimentos precisos ne- trafusais (terminações secundárias). As terminações pri-
cessários para a execução de sua técnicas. márias respondem tanto ao grau de alongamento mus-
Um problema sério no desenvolvimento dessa inteligên- cular como ao ritmo desse alongamento (resposta dinâ-
cia é que segundo Howard Gardner a maioria das escolas mica).
se satisfazem com desempenhos mecânicos, ritualizados As terminações secundárias respondem somente ao grau
ou convencionalizados, isto é, desempenhos que desen- de alongamento (resposta estática). A resposta dos fusos
volvem as habilidades apenas levando o aluno a repetir o promove a ativação do reflexo de alongamento e inibição
que o professor modelou. da elaboração de tensão no grupo dos músculos antago-
Uma das técnicas mais usadas para o desenvolvimento nistas (inibição recíproca).
da cinestesia é vendar os alunos para que com a ausência O reflexo de estiramento é decorrente da ativação dos
da visão eles se focalizem na cinestesia no uso de suas fusos em um músculo distendido, promovendo uma res-
técnicas.[2] Outro recurso muito utilizado é o uso de um posta rápida através de uma transmissão neural, com es-
ou mais espelhos ao redor do aluno durante os exercícios timulação dos nervos aferentes que conduzem estímulos
ou filmar o treinamento para que a visão sirva como fe- dos fusos até a medula espinhal; os nervos eferentes tra-
edback de como estão sendo feitos os movimentos. zem de volta a resposta, resultando em elaboração de ten-

129
130 CAPÍTULO 30. PROPRIOCEPÇÃO

são no músculo. na educação física escolar. http://portalrevistas.ucb.br/


index.php/RBCM/article/viewFile/582/606
O procedimento para realização de um alongamento
muscular consiste, portanto, em minimizar os efeitos dos
[1]
fusos musculares.
O conjunto das informações dadas por esses receptores
[1] https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/
sensoriais nos permitem, por exemplo, desviar a cabeça fisioterapia/o-que-e-fuso-muscular/42836
de um galho, mesmo que não se saiba precisamente a dis-
tância segura para se passar, ou mesmo o simples fato
de poder tocar os dedos do pé e o calcanhar com os
olhos vendados, além de permitir atividades importan-
tes como andar, coordenar os movimentos responsáveis
pela fala, segurar e manipular objetos, manter-se em pé
ou posicionar-se para realizar alguma atividade.
A propriocepção é efetiva devido à presença de recepto-
res específicos que são sensíveis a alterações físicas, tais
como variações na angulação de uma articulação, rota-
ção da cabeça, tensão exercida sobre um músculo, e até
mesmo o comprimento da fibra muscular.
Alguns dos sensores responsáveis por tais sensações são:

• Órgãos tendinosos de Golgi, que são sensíveis à


tração exercida nos tendões indicando a força que
está sendo exercida sobre a musculatura, impedindo
lesões.

• Fuso muscular, que se divide em dois subtipos, fuso


neuromuscular de bolsa, e de cadeia nuclear, sendo
estes responsáveis pelo comprimento da fibra mus-
cular no repouso(postura) e durante o movimento.

• O labirinto, também conhecido por sistema vestibu-


lar, localizado no ouvido junto à cóclea, é sensível
a alterações angulares da cabeça. As alterações po-
dem ser no sentido vertical (rotação vertical, deslo-
camento do queixo para cima e para baixo) ou hori-
zontal (rotação horizontal ou lateral, deslocamento
do queixo lateralmente ou seja, direita e esquerda).
Este sistema também atua na identificação da posi-
ção de todo o corpo, permitindo que alguém saiba
se está deitado, em pé ou em qualquer outro posicio-
namento espacial. Perturbações no sentido de equi-
líbrio podem levar a correções inadequadas, que em
casos extremos podem impedir a manutenção da po-
sição vertical, além de causar vertigem e náusea.

30.3 Referências
[1] "Efeitos da propriocepção no processo de reabilitação das
fraturas de quadril" Martimbianco, Ana Luiza Cabrera;
Luis Otávio Polachini; Therezinha Rosane Chamlian; Da-
nilo Masiero (2008) “Treinamento do Equilíbrio” Acta
Ortopédica Brasileira, vol.16 no.2 São Paulo 2008 (Bra-
sil). Acessado a 22 de outubro de 2009

[2] Vilma Leni Nista-Piccolo e col. (2004) Manifestações


da inteligência corporal cinestésica em situação de jogo
Capítulo 31

Ilusão

formado pelo prefixo in- e o verbo ludo, “eu brinco”. De


ludo derivou-se uma ampla família de palavras na qual
se inclui “lúdico”, relativo a brincar, “eludir”, escapar,
“alusão”, menção, referência, “interlúdio”, intervalo num
jogo ou representação teatral e “prelúdio”, o que precede
uma representação. Em nossa língua, iludir evoluiu com
o sentido de causar uma impressão enganosa ou ter a es-
perança de algo desejável.

31.2 Tipos de ilusão

31.2.1 Ilusões de óptica

Ver artigo principal: Ilusão de óptica


Ilusões que afetam a percepção visual. Em geral

Efeito da gravidade

A ilusão é uma confusão dos sentidos que provoca


uma distorção da percepção. A ilusão pode ser cau-
sada por razões naturais (mudança de ambiente, defor-
mação do ambiente, mudança de clima, etc) ou artificiais
A ilusão do tabuleiro de damas: o quadrado A é tão escuro
(camuflagem, mimetismo, efeitos sonoros, ilusionismo,
quanto o quadrado B, embora não pareça.
entre outros). Todos os sentidos podem ser confundidos
por ilusões, mas as visuais são mais conhecidas. Uma vez baseiam-se em fatos que são assumidos na interpreta-
que a percepção é baseada na interpretação dos sentidos, ção da informação visual. Entre as ilusões desse tipo,
as pessoas podem experimentar ilusões de formas dife- destacam-se as figuras ambíguas (que podem ser inter-
rentes. pretadas de duas ou mais formas diferentes), ilusões de
perspectiva, ilusões de tamanho, ilusões de cor, ilusões
de luminosidade, entre outras.
31.1 Etimologia A ilusão de movimento, utilizada no cinema, televisão e
em diversas formas de animação baseia-se na velocidade
Voz derivada do verbo latino illudo, divertir-se, recrear- de processamento do estímulo visual (fenômeno conhe-
se, mas também burlar, enganar. O verbo latino estava cido como “persistência da retina).

131
132 CAPÍTULO 31. ILUSÃO

Um tipo especial de ilusão de óptica são as miragens, dis-


torções ópticas causadas pela atmosfera e que podem ser
fotografadas. Embora as miragens causem percepções
incorretas (como a existência de água no deserto), o estí-
mulo visual é real.
Grande parte dos números de mágica baseiam-se na ex-
ploração das ilusões visuais. Este tipo de mágica é cha-
mado de Ilusionismo.

31.2.2 Ilusões auditivas


Ilusões que afetam a percepção auditiva. Embora as ilu-
sões visuais sejam mais populares, as ilusões auditivas
são amplamente utilizadas no processamento de áudio
e em efeitos sonoros utilizados em instrumentos musi-
cais e aparelhos de áudio. Um exemplo é o fenômeno
da fundamental ausente utilizado para simular sons mais
graves do que o equipamento permitiria reproduzir.
Ilusões de posicionamento permitem utilizar pequenas
variações de sincronismo entre os sons dos canais de áu-
dio, como por exemplo, o Dolby Virtual Surround, que
simula um som envolvente (5.1) com apenas dois canais
de áudio.

31.2.3 Ilusões táteis, gustativas e olfativas


Ainda que menos comuns que as ilusões de óptica e au-
ditivas, há situações que podem enganar os demais sen-
tidos. Em geral estas ilusões baseiam-se no contraste ou
na persistência de determinada situação.
Por exemplo, se mantemos a mão em água quente por um
certo tempo, ao colocá-la em água à temperatura ambi-
ente, a sensação será de que a água está gelada. O mesmo
ocorre com a percepção de sabores contrastantes. Após
comer um alimento muito doce, um outro tende a parecer
muito mais amargo do que é realmente.
Um tipo específico de alucinação tátil é o chamado
membro fantasma em que a pessoa relata sentir dor ou
coceira em membros amputados. Tal fenômeno deve-se
à permanência das áreas cerebrais que processavam os
estímulos da parte removida.

31.3 Ver também


• Alucinação

• Delírio
• Um vídeo sobre ilusões de óptica.
Capítulo 32

Ilusão de óptica

Ilusão de ótica muitas vezes conhecida como Teia de Aranha.


A ilusão do tabuleiro de damas: o quadrado A é tão escuro
quanto o quadrado B, embora não pareça.

O termo Ilusão de ótica aplica-se a todas ilusões que “en- pretação mas causam muitas ilusões ópticas em situações
ganam” o sistema visual humano fazendo-nos ver qual- fora do comum. Como uma imagem em diferentes diâ-
quer coisa que não está presente ou fazendo-nos vê-la de metros.
um outro modo. Algumas são de carácter fisiológico, ou- A nossa percepção do mundo é em grande parte auto-
tras de carácter cognitivo. produzida. Os estímulos visuais não são estáveis: por
As ilusões de óptica podem surgir naturalmente ou serem exemplo, os comprimentos de onda da luz refletida pe-
criadas por astúcias visuais específicas que demonstram las superfícies mudam com as alterações na iluminação.
certas hipóteses sobre o funcionamento do sistema visual Contudo o cérebro atribui-lhes uma cor constante. Uma
humano. Imagens que causam ilusão de óptica são larga- mão a gesticular produz uma imagem sempre diferente e,
mente utilizados nas artes, por exemplo nas obras gráficas no entanto, o cérebro classifica-a consistentemente como
de M. C. Escher. uma mão. O tamanho da imagem de um objeto na retina
varia com a sua distância mas o cérebro consegue perce-
ber qual é o seu «verdadeiro» tamanho. A tarefa do cé-
32.1 Uma explicação possível das rebro é extrair as características constantes e invariantes
dos objetos a partir da enorme inundação de informação
muitas ilusões ópticas sempre mutável que recebe. O cérebro pode também de-
duzir a distância relativa entre dois objectos quando há
A explicação possível das ilusões ópticas é debatida ex- sobreposição, interposição ou oclusão. E pode deduzir a
tensamente. No entanto, os resultados da investigação forma de um objeto a partir das sombras. O que implica
mais recente indicam que as ilusões emergem simples- uma aprendizagem da perspectiva linear. No entanto,
mente da assinatura do modo estatístico e empírico como existem vários tipos de ilusões de distância e profundi-
todos os dados perceptivos visuais são gerados. dade que surgem quando esses mecanismos de dedução
Os circuitos neuronais do nosso sistema visual evoluem, inconsciente resultam em deduções errónea.
por aprendizagem neuronal, para um sistema que faz in- A imagem da retina é a fonte principal de dados que di-
terpretações muito eficientes das cenas 3D usuais, com rige a visão mas o que nós vemos é uma representação
base na emergência no nosso cérebro de modelos sim- “virtual” 3D da cena em frente a nós. Não vemos uma
plificados que tornam muito rápida e eficiente essa inter- imagem física do mundo, vemos objetos. E o mundo fí-

133
134 CAPÍTULO 32. ILUSÃO DE ÓPTICA

sico em si não está separado em objetos. Vemos o mundo com a mesma cor de A, ambos têm exatamente a mesma
de acordo com a maneira como o nosso cérebro o orga- cor - têm a mesma luminância (a quantidade de luz visível
niza. O processo de ver é um de completar o que está em que chega ao olho vindo da superfície é a mesma).
frente a nós com aquilo que o nosso cérebro julga estar O que se passa é que o sistema visual não se limita a medir
a ver. O que vemos não é a imagem na nossa retina - é a quantidade de luz que chega ao olho, que é influenciada
uma imagem tridimensional criada no cérebro, com base pelas sombras. Parece ter em conta o contraste local e
na informação sobre as características que encontramos saber que as mudanças de luz na transição entre super-
mas também com base nas nossas «opiniões» sobre o que fícies de cores diferentes são geralmente mais abruptas
estamos a ver.
do que as causadas por sombras. O sistema visual «sa-
O que vemos é sempre, em certa medida, uma ilusão. A biamente» usa apenas a informação sobre as transições
nossa imagem mental do mundo só vagamente tem por mais abruptas para construir a imagem de refletância. E
base a realidade. Porque a visão é um processo em que a por isso estima a cor dos objectos sem se deixar enganar
informação que vem dos nossos olhos converge com a que pelas sombras de um objecto visível.
vem das nossas memórias. Os nomes, as cores, as formas É uma «ilusão» que mostra o sucesso do sistema visual.
usuais e a outra informação sobre as coisas que nós vemos Não é um bom medidor de luz, mas esse não é o seu pro-
surgem instantaneamente nos nossos circuitos neuronais pósito: se o sistema visual se baseasse apenas na lumi-
e influenciam a representação da cena. As propriedades nância, não distinguiríamos uma superfície branca mal
percebidas dos objetos, tais como o brilho, tamanho an- iluminada de uma superfície negra muito iluminada. A
gular, e cor, são “determinadas” inconscientemente e não capacidade que o sistema tem para o fazer é aquilo a
são propriedades físicas reais. As ilusões surgem quando que se chama a «constância da luminosidade». O cére-
os “julgamentos” implícitos na análise inconsciente da bro manda mensagem para o globo o ocular, assim dando
cena entram em conflito com a análise consciente e ra- para ver as impossíveis imagens de visão de óptica.
ciocinada sobre ela.
A interpretação do que vemos no mundo exterior é uma
tarefa muito complexa. Já se descobriram mais de 30 32.1.2 Uma ilusão de distância
áreas diferentes no cérebro usadas para o processamento
da visão. Umas parecem corresponder ao movimento,
O sistema visual conhece a perspectiva, e isso é-nos muito
outras à cor, outras à profundidade (distância) e mesmo
útil para interpretar uma imagem tridimensional. Mas
à direção de um contorno. E o nosso sistema visual e
isso gera algumas ilusões, quando numa figura plana há
o nosso cérebro tornam as coisas mais simples do que
pistas que enganam o sistema visual e o levam errada-
aquilo que elas são na realidade. E é essa simplificação,
mente a fazer uma interpretação usando a perspectiva.
que nos permite uma apreensão mais rápida (ainda que
imperfeita) da «realidade exterior», que dá origem às ilu- Em situações usuais, quando o sistema visual detecta li-
sões de óptica. nhas que parecem paralelas (embora na imagem da retina
não estejam), usa o seu ângulo para estimar o ângulo do
nosso olhar relativamente ao solo. É um mecanismo au-
32.1.1 Uma ilusão de luminosidade tomático que nos é muito útil. Mas o que se passa é que
o sistema visual por vezes o usa erradamente no caso de
A ilusão do tabuleiro de damas certas figuras planas em que não se parece justificável.
Note, por exemplo vemos a linha que está em baixo como
A luminosidade é uma variável subjetiva que não corres- sendo mais curta do que a outra. Mas têm exatamente o
ponde de um modo preciso a uma quantidade física. É mesmo tamanho. Isso acontece porque o sistema visual
uma estimativa da refletância real dos objetos (a propor- usa o ângulo entre as duas rectas laterais para estimar o
ção de luz incidente que é refletida por uma superfície), ângulo do nosso olhar relativamente ao solo. E isso faz
feita pelo sistema visual. com que pense que a linha de baixo está mais próxima.
Ora, se ambas têm a mesma aparência visual e a linha de
cima está mais longe, então ela deve ser na realidade mais
longa. E é assim mesmo que a vemos. O sistema visual
(julgando estar a ser muito esperto) engana-se redonda-
mente.
Mas esta é uma «ilusão» que mostra o sucesso do sistema
visual na estimativa da perspectiva. A capacidade que ele
tem para o fazer é aquilo a que se chama a «constância do
tamanho» dos objectos. É essa capacidade que faz com
Note que vemos o quadrado A como sendo mais escuro que, quando uma pessoa se afasta de nós, não a «sinta-
do que o quadrado B. No entanto, como se vê pela figura mos» a diminuir de tamanho. E, quando vemos uma pes-
da direita, em que simplesmente se adicionou duas barras soa ao longe, não temos geralmente a sensação de que ela
32.3. LIGAÇÕES EXTERNAS 135

• ilusões de óptica

• ilusaodeotica.com
• Ilusões de zulmira

• Ilusões ópticas .com

é minúscula.
Ou seja, existe um mecanismo cerebral que impõe a cons-
tância do tamanho dos objetos, como se eliminasse o
efeito da perspectiva. E o mecanismo funciona com bas-
tante precisão. Se virmos uma folha de um certo tamanho
ao longe, desde que a distância não seja exagerada, e ti-
vermos ao nosso lado algumas folhas de vários tamanhos
diferentes, sabemos normalmente escolher entre elas a
que tem o mesmo tamanho da que está longe!

• Uma ilusão de óptica baseado em


uma paisagem.

32.2 Ver também


• Ilusão da grelha

32.3 Ligações externas


• 120 ilusões de óptica
• Curiosidades de ilusões de óptica (em inglês)
Capítulo 33

Consciência

Nota: Se procura consciência em outros sentidos, ência é uma qualidade psíquica, isto é, que pertence à
veja Consciência (desambiguação). esfera da psique humana, por isso diz-se também que ela
A consciência é uma qualidade da mente, consi- é um atributo do espírito, da mente, ou do pensamento
humano. Ser consciente não é exatamente a mesma
coisa que perceber-se no mundo, mas ser no mundo e
do mundo, para isso, a intuição, a dedução e a indução
tomam parte.

33.1 Etimologia
“Consciência” vem do termo latino conscientia, de cons-
ciens, particípio presente de conscire = estar ciente (cum
= com, partícula de intensidade e scire = sei).[1] Tam-
bém encontramos uma possível raiz formada de junção
de duas palavras do latim; conscius+sciens: conscius (que
sabe bem o que deve fazer) e sciens(conhecimento que
se obtém através de leituras; de estudos; instrução e
erudição).[2]

33.2 Consciência - função alta da


mente
Duas abordagens comuns à consciência são aqueles que
(1) adotam o “modelo de bloco de construção” do tipo
"LEGO", segundo a qual qualquer campo consciente é
feita de suas diversas partes, e o (2) “modelo do campo
unificado”, segundo o qual devemos tentar explicar o ca-
Representação gráfica de consciência do século XVII. ráter unificado de estados subjetivos de consciência.

derando abranger qualificações tais como subjetividade,


autoconsciência, senciência, sapiência, e a capacidade de 33.2.1 Modelo de bloco de construção
perceber a relação entre si e um ambiente. É um assunto
muito pesquisado na filosofia da mente, na psicologia, Função mental de perscrutar o mundo, conforme afirma
neurologia e ciência cognitiva. Steven Pinker, a consciência é a faculdade de segundo
Alguns filósofos dividem consciência em consciência fe- momento – ninguém pode ter consciência de alguma
nomenal, que é a experiência propriamente dita, e cons- coisa (objeto, processo ou situação) no primeiro contato
ciência de acesso, que é o processamento das coisas que com essa coisa; no máximo se pode referenciá-la com al-
vivenciamos durante a experiência (Block 2004). Cons- gum registro próximo, o que permite afirmar que a coisa
ciência fenomenal é o estado de estar ciente, tal como é parecida com essa ou com aquela outra coisa, de domí-
quando dizemos “estou ciente” e consciência de acesso nio.
se refere a estar ciente de algo ou alguma coisa, tal como A consciência, provavelmente, é a estrutura mais com-
quando dizemos “estou ciente destas palavras”. Consci- plexa que se pode imaginar atualmente.

136
33.4. DEFINIÇÕES DO SENSO COMUM 137

António Damásio, em O Mistério da consciência, di- entre consciência, autoconsciência e autoconhecimento


vide a consciência em dois tipos: consciência central da seguinte maneira:
e consciência ampliada. Inspirados na tese damasiana,
entende-se que a faculdade em pauta é constituída com
1. Consciência pressupõe autoconsciência. Não há
uma espécie de anatomia, que pode ser dividida, didati-
como alguém estar consciente de alguma coisa sem
camente, em três partes:
estar consciente de estar consciente dessa coisa.
1. dimensão fonte - onde as coisas acontecem de fato,
2. A autoconsciência é pré-reflexiva. Se a autoconsci-
o aqui agora: o meu ato de escrever e dominar o am-
ência fosse o resultado da reflexão, então só teríamos
biente e os equipamentos dos quais faço uso, o ato
autoconsciência após termos consciência de alguma
do internauta de ler, compreender a leitura e o am-
coisa que fosse dada à reflexão. Mas isso não pode
biente que o envolve a todo os instantes etc. Essa di-
ser o caso, pois, como dissemos antes, consciência
mensão da consciência não retrocede muito ao pas-
pressupõe autoconsciência. Logo, a autoconsciência
sado e, da mesma forma, não avança para o futuro;
é anterior à reflexão.
ela se limita a registrar os atos presentes, com um
espaço-tempo (passado/futuro) suficiente para que
3. Autoconsciência e consciência são distintas logica-
os momentos (presentes) tenham continuidade.
mente, mas funcionam de maneira unitária.
2. dimensão processual - amplitude de sistema que
abriga expectativas, perspectivas, planos e qualquer 4. O autoconhecimento—isto é, a consciência refle-
registros mental em aberto; aquelas questões que xiva ou consciência de segunda ordem—pressupõe a
causam ruídos e impulsionam o ser humano à busca consciência pré-reflexiva, isto é, a autoconsciência.
de soluções. Essa amplitude de consciência permite
observar questões do passado e investigar também
De acordo com o esquema acima, a autoconsciência é o
um pouco do futuro.
elemento fundamental da consciência. Sem ela não há
3. dimensão ampla - região de sistema que, sem ser um consciência nem reflexão sobre a consciência.
dispositivo de memória, alberga os conhecimentos e
experiências que uma pessoa incorpora na existên-
cia. Todo os conhecimentos do passado e experi-
mentações pela qual o ser atravessou na vida: uma
33.4 Definições do Senso Comum
antiga profissão que não se tem mais qualquer habili-
dade para exercer, guarda registros importantes que • Ação do indivíduo ou grupo sem o intuito ou vigi-
servirão como experiência em outras práticas. Qual lância da área central de consciência.
dimensão processual, esse amplitude da consciência
permite examinar o passado e avançar no futuro -
• Conjunto de processos e/ou fatos que atuam na con-
tudo dentro de limites impostos pelo próprio desen-
duta do indivíduo ou construindo a mesma, mas es-
volvimento mental do indivíduo.
capam ao âmbito da ferramenta de leitura e interpre-
tação e não podem, por esta área, ser trazidos a custo
Além da anatomia de constituição, listada acima, a cons-
de nenhum esforço que possa fazer um agente cujo
ciência humana também guarda alguns estados:
sistema mental não possui o treinamento adequado.
Condições de consciência (vigília normal, vigília alterada Essas atividades, entretanto, costumam aflorar em
e sono com sonhos), modos de consciência (passivo, ativo sonhos, em atos involuntários (sejam eles corretos e
e ausente) e focos de consciência (central, periférico e inteligentes ou falhos e inconsistentes) e nos estados
distante). alterados de consciência.

33.2.2 Modelo do campo unificado


33.5 Definições concorrentes
O modelo do campo unificado é defendido pelo filósofo
John Searle
• Visão determinista: alguns entendem o inconsciente
como ações inconscientes baseadas em informações
do passado, experienciadas ou noticiadas.
33.3 Consciência, autoconsciência
e autoconhecimento • Visão reducionista: o inconsciente é entendido
como um neologismo científico reducionista para
Manfred Frank (em “Self-consciousness and Self- não explicar ou negar os estados alterados da cons-
knowledge”, ver bibliografia abaixo) apresenta a relação ciência.
138 CAPÍTULO 33. CONSCIÊNCIA

33.6 Alterações da consciência 33.7 Referências


• Alterações Normais: sono (é um comportamento e [1] Vocabolario Etimologico della Lingua Italiana, Francesco
uma fase normal e necessária. Tem duas fases dis- Bonomi
tintas, que são: sono REM -Rapid Eye Movement-
[2] C. L. SANTOS, WELLINGTON (1992). Dicionario da
e o sono NÃO REM) e sonho (vivências predomi- Língua Portuguesa Editora Nova Cultural ed. São Paulo-
nantemente visuais classificadas por Freud como um SP: Nova Cultural. p. 220;262. ISBN 85-85222-23-9
fenômeno psicológico “rico e revelador de desejos e
temores”)
33.8 Ver também
• Alterações patológicas: qualitativas e quantitativas.
• Consciência (moral)
• Quantitativas:
• Consciência animal
- Rebaixamento do nível de consciência: compreendido
• Inconsciente
por graus, está dividido em 3 grupos principais: obnu-
bilação da consciência(grau leve a moderado - compre- • Estado vegetativo
ensão dificultada), sopor(incapacidade de ação espontâ-
nea) e coma(grau profundo - impossível qualquer ativi- • Vigília
dade voluntária consciente e ausência de qualquer indício
• Sono / Sonho
de consciência).
- Síndromes psicopatológicas associadas ao rebaixamento • Neuropsicologia
do nível de consciência: • Eletroencefalografia

1. Delirium (diferente do “delírio”, é uma desorienta-


ção tempo espacial com surtos de ansiedade, além
de ilusões e/ou alucinações visuais)
2. Estado onírico (o indivíduo entra em um estado se-
melhante a um sonho muito vívido; estado decor-
rente de psicoses tóxicas, síndromes de abstinência
a drogas e quadros febris tóxico-infecciosos)
3. Amência (excitação psicomotora, incoerência do
pensamento, perplexidade e sintomas alucinatórios
oniroides)
4. Síndrome do cativeiro (a destruição da base da ponte
promove uma paralisia total dos nervos cranianos
baixos e dos membros)

• Qualitativas:

1. Estados crepusculares (surge e desaparece de forma


abrupta e tem duração variável - de poucas horas a
algumas semanas)
2. Dissociação da consciência (perda da unidade psí-
quica comum do ser humano, na qual o indivíduo
“desliga” da realidade para parar de sofrer)
3. Transe: (espécie de sonho acordado com a pre-
sença de atividade motora automática e estereoti-
pada acompanhada de suspensão parcial dos movi-
mentos voluntários)
4. Estado hipnótico (técnica refinada de concentração
da atenção e de alteração induzida do estado da
consciência)
Capítulo 34

Mensagem subliminar

Mensagem subliminar é uma pseudociência e teoria tos permaneçam controversos, não há nenhuma evidência
de conspiração, que afirma que uma imagem projetada científica de que alguém possa ser persuadido por uma
numa velocidade maior que o olho podia captar, ou oculta mensagem subliminar a iniciar uma ação complexa como
num quadro, não será vista conscientemente, mas atin- consumir um determinado produto ou se suicidar.[2]
giam diretamente o subconsciente, podendo influenciar
as pessoas. A teoria foi lançada em 1957, quando o pu-
blicitário James Vicary anunciou a criação da sua em-
presa, a Subliminal Projection Company, na qual era
34.1 História
vice-presidente. Para provar a eficiência da propaganda
subliminar, Vicary divulgou o resultado do experimento Em setembro de 1957, o especialista em marketing ame-
que teria conduzido num cinema de Nova Jersey, nos ricano James Vicary convocou a imprensa para anunciar
Estados Unidos. Ao inserir as frases “Drink Coke” e “Eat o lançamento de sua empresa, a Subliminal Projection
Popcorn” durante a projeção do filme (em noites alterna- Company, na qual era vice-presidente. Na conferência
das) ele teria aumentado em 57,7% as vendas de pipoca Vicary revelou ter patenteado uma nova técnica de ven-
e em 18,1% as vendas de Coca-Cola às portas de saída das chamada “projeção subliminar” que consistia em uti-
do cinema.[1] lizar um ta/quitoscópio (um dispositivo capaz de projetar
imagens numa tela muito rapidamente) para exibir ima-
Com a divulgação do experimento de Vicary, as men-
gens entre os quadros de um filme durante uma fração de
sagens subliminares tornaram-se rapidamente populares,
segundos (para ser mais preciso, 0.00033s). Como eram
recebendo grande atenção da mídia e perseguição dos
projetadas numa velocidade maior que o olho podia cap-
grupos religiosos que chegaram a afirmar que eram usa-
tar, estas imagens não eram vistas conscientemente, mas
dos mensagens subliminares nas propagandas de bebidas
Vicary acreditava que elas atingiam diretamente o sub-
alcoólicas para aumentar o consumo. Em 1962, alarmado
consciente. Para provar a eficiência de suas propagan-
com a dimensão que a história recebeu, James Vicary
das subliminares, Vicary divulgou o resultado do experi-
concedeu uma entrevista à revista Advertinsig Age em
mento que teria conduzido num cinema de New Jersey.
que confessou ter sido pressionado pelos investidores a
Ao inserir as frases “Drink Coke” e “Eat Popcorn” du-
publicar resultados de experimentos que não tinha feito
rante a projeção do filme (em noites alternadas) ele teria
realmente. Mesmo com o pronunciamento de Vicary, ou-
aumentado em 57,7% as vendas de pipoca e em 18,1%
tros autores e grupos conservadores continuam a difundir
as vendas de Coca-Cola às portas de saída do cinema.[3]
a ideia de que as mensagens subliminares são usadas na
mídia para manipular a população.[1] A mídia abraçou a história e deu a ela um tratamento sen-
sacionalista. Um dos artigos, do Wall Street Journal, por
O conceito de mensagem subliminar não tem base cientí-
exemplo, começava assim:[1]
fica, por que subliminar não é subentendido. Subliminar
é o que não é visto conscientemente; se viu, deixou de
ser subliminar. Uma imagem ou uma ideia sugerida, nas “Esta história pode soar como se um disco
entrelinhas, sutil ou periférica não é subliminar. Estímu- voador espreitasse por detrás das cenas, mas
los sensoriais abaixo do limiar de percepção objetivo, ou você pode ter certeza que todos os personagens
seja, fora do alcance dos sentidos, como um som fraco de- nesta novela são reais. O conto começa alguns
mais para ser captado pelo ouvido ou ininteligível como meses atrás, quando vários homens silenciosos
uma mensagem reversa, ou uma imagem rápida demais adentraram um cinema de New Jersey e mon-
que não possa ser captada pelo olho, não causam absolu- taram um estranho mecanismo junto ao proje-
tamente nenhum efeito em quem é sujeito a eles.[2] tor.”
Percepção subliminar é um tema amplamente estudado
há mais de 100 anos pela psicologia. Embora muitos pon- Matérias como estas, carregadas de mistério e de refe-
rências a contos de ficção científica, foram comuns e aju-

139
140 CAPÍTULO 34. MENSAGEM SUBLIMINAR

daram a criar a aura fantástica em torno das mensagens tema com o lançamento do livro “Subliminal Seduction -
subliminares que permanece até hoje. Ad Media’s Manipulation of a Not So Innocent America”
Desde o início as mensagens subliminares estiveram na (Sedução Subliminar - Manipulação da Mídia Publicitá-
mira dos grupos religiosos: logo após o anúncio da ex- ria de uma América Não Tão Inocente). O autor, Wilson
periência de Vicary, a WCTU (Women’s Christian Tem- Bryan Key, acusava as agências de publicidade de usar
perance Union) enviou uma nota à imprensa afirmando mensagens subliminares em jornais, revistas e na televi-
que técnicas subliminares estariam sendo usadas para au- são para aumentar suas vendas. No livro, Key fez várias
mentar as vendas de cervejas e outras bebidas alcoóli- afirmações bombásticas, dizendo, por exemplo, que “as
agências de publicidade gastam boa parte de seus recur-
cas. Nenhuma evidência que comprovasse a alegação foi
apresentada, assim como nenhuma evidência tinha sido sos em pesquisas, desenvolvimento e aplicação de estí-
mulos subliminares”, mas sem apresentar nenhum docu-
apresentada para comprovar o experimento de Vicary,
mas juntas as duas alegações deram credibilidade uma mento, nem testemunhas, ilustradores, desenhistas, artis-
tas gráficos ou nenhum profissional que admitisse, nem
à outra.[4]
anonimamente, haver inserido deliberadamente mensa-
Logo as mensagens subliminares estavam no centro das gens subliminares em propagandas. Segundo Key, tudo
atenções. O autor do clássico romance “Admirável estava sendo mantido em segredo pelas grandes corpora-
Mundo Novo”, Aldous Huxley, escreveu em 1958 sobre ções e pelo próprio governo.[1]
um futuro onde “ditadores científicos instalarão máqui-
nas sussurrantes e projetores subliminares em escolas e Uma marca pitoresca do discurso de Key que foi incor-
hospitais”. Mensagens subliminares passaram a ser vis- porada ao mito das mensagens subliminares é o apelo se-
tas como uma invisível e indefensável técnica de lava- xual. Key afirmava que: “palavras como fuck, ass, whore,
gem cerebral. Editoriais furiosos foram publicados na cunt [vamos deixar você procurar o significado destas pa-
imprensa exigindo o imediato banimento das propagan- lavras no dicionário] e morte são usadas freqüentemente
das subliminares, enquanto um senador americano pedia como gatilhos subliminares para motivar comportamen-
a regulamentação do uso da técnica.[1] tos consumistas”. Por exemplo, no nome da marca de ci-
garros “Kent”, Key via uma similaridade subliminar com
Ainda em 1957, o ano em que Vicary anunciou seu ex- a palavra “cunt” (na verdade Kent era o sobrenome do
perimento, surgiram as primeiras tentativas de replicar o dono da companhia de cigarros Lorillard na época do
efeito subliminar. A rede de televisão WTWO testou a lançamento da marca). Como palavrões poderiam in-
técnica inserindo imagens que diziam “se você viu esta fluenciar os hábitos de consumo de alguém é uma coisa
mensagem escreva para a WTWO”. A WTWO não re- que Key explicava com uma tortuosa psicologia freudi-
portou nenhum aumento na correspondência. No ano se- ana. Além de palavras de baixo calão, Key possuía uma
guinte o próprio Vicary concordou em conduzir um expe- habilidade incomum de ver sexo escondido em qualquer
rimento público na rede de televisão canadense. A ima- coisa. O título de seu livro posterior, “The Clam-Plate
gem dizendo “LIGUE AGORA” foi inserida 352 vezes Orgy” (A Orgia no Prato de Moluscos), era uma referên-
durante meia hora de programa, mas nenhum aumento cia à imagem de um prato de moluscos que ilustrava o
nas ligações foi registrado. Os telespectadores, que sa- menu de um restaurante de frutos do mar; em vez de um
biam que alguma imagem estava sendo subliminarmente punhado de moluscos Key viu uma cena de sexo grupal...
exibida mas não sabiam qual, escreveram para a rede de que incluía um jumento. Ele também afirmou que os ori-
TV dizendo que haviam sentido uma vontade irresistível fícios dos biscoitos Ritz eram dispostos propositalmente
de apanhar uma cerveja ou de trocar de canal.[1] para formar a palavra “SEX”.[1]
Finalmente em 1962, alarmado com a dimensão que a Por mais que as alegações de Key fossem desprovidas de
história recebeu, James Vicary concedeu uma entrevista evidências, elas revitalizaram o mito e o tornaram muito
à revista Advertinsig Age em que confessou ter sido pres- mais “interessante”. Como resultado, em 1980 nos EUA
sionado pelos investidores a publicar resultados de expe- 78% da população pesquisada dizia já ter ouvido falar
rimentos que não tinha feito realmente.[5] Disse Vicary: das mensagens subliminares e destes, aproximadamente
50% acreditavam que elas eram usadas comumente pela
"...nós fomos forçados a divulgar a idéia mídia. Quanto ao “experimento pipoca” de Vicary, este
(da subliminaridade) antes que estivéssemos continua sendo usado por todos os que vendem o poder
realmente prontos... nós não havíamos feito das mensagens subliminares, sem que ninguém se lem-
nenhuma pesquisa exceto o mínimo necessário bre ou se importe com o fato de o próprio autor tê-lo
para registrar a patente. Eu tinha pouco inte- desmentido.[1]
resse na companhia (Subliminal Projection) e
uma pequena quantidade de dados, muito pe-
quena para ser significativa.”

A confissão de Vicary esfriou o assunto mas não o esva-


ziou. Em 1973, houve um renascimento do interesse pelo
34.3. VERSÃO CIENTÍFICA 141

34.2 Diferenças entre subliminar e de mensagens subliminares em propagandas, na verdade


não compartilha um conhecimento científico ou técnico
subentendido do conceito de propaganda subliminar. Eles parecem
possuir uma opinião popular de que qualquer elemento
Subliminar significa “abaixo do limiar de percepção”. subentendido usado em propagandas (como cores, cer-
Simples assim. Um som numa freqüência mais alta do tos tipos de indíviduos usados para representar concei-
que o ouvido pode escutar ou uma imagem tão rápida tos publicitários, etc) representam ‘propaganda sublimi-
que o olho não possa captar são exemplos de estímulos nar’, quando na verdade estes elementos subentendidos
subliminares. não estão incluídos na discussão técnica de propaganda
Mas uma definição tão simples nos deixa um problema: subliminar.”
se um estímulo subliminar, portanto indetectável, é de- As falhas de metodologia científica nos trabalhos de Ca-
tectado pelo observador (ainda que inconscientemente) lazans são várias. Por exemplo, sobre o episódio do Poke-
ele deixa de ser classificado como subliminar. Ou seja, mon que causou ataques epilépticos em crianças no Japão
qualquer efeito atribuído a um estímulo subliminar torna- em 1997, Calazans afirma:
se impossível por definição.
“As cores em seqüência piscadas: vermelho, branco e
De fato esta foi a definição utilizada pelos primeiros es- azul, nesta velocidade , causam o curto-circuito epilético,
tudiosos que estudaram o tema no final do século XIX. pois o vermelho (760 nanômetros) ondas longas, acelera
Porém, os psicólogos sabem hoje que a percepção de um batimento cardíaco e eleva a pressão sangüínea, libera
estímulo (isto é, ver algo e saber que viu) depende de fa- adrenalina; o azul (450 nanômetros) ondas curtas, reduz a
tores psicológicos e sociais tanto quanto de fatores fisio- pressão sistólica, acalma e relaxa, este dilema subliminar
lógicos. Alguém pode ver alguma coisa e simplesmente de mensagens com efeitos opostos gera o efeito epilético
não se sentir confiante o suficiente de ter visto. Assim, em chegando a alterar a química do sangue (...).”
vez de uma linha separando o que está abaixo do limiar de
Tantas informações duvidosas (misturadas com outras
percepção do que está acima, os psicólogos falam em uma
absolutamente fora de contexto) e nem uma única re-
faixa de percepção: acima do limite superior, chamado
ferência científica para suportá-las. Calazans chega a
de limiar subjetivo, as pessoas são capazes de notar cla-
classificá-lo como um dos três acontecimentos mais im-
ramente um estímulo; abaixo do limite inferior, chamado
portantes da mídia do século XX. Infelizmente o doutor
de limiar objetivo estão os estímulos que não podem ser
não informa aos seus leitores e aos assistentes de suas pa-
percebidos de maneira nenhuma; abaixo do limiar subje-
lestras que o experimento foi uma farsa confessada pelo
tivo, mas acima do limiar objetivo as pessoas percebem
próprio autor.[6]
os estímulos mas pensam que não perceberam. Com isso,
um estímulo subliminar passa a ser considerado um estí-
mulo percebido, mas não reportado.[6]
A maioria dos sites sobre o assunto não só misturam todos 34.3 Versão científica
os tipos de mensagens subliminares (subjetivas e objeti-
vas, visuais e auditivas), atribuindo a todas elas poderes
Os primeiros estudos sobre percepção subliminar foram
fantásticos de persuasão, como ainda acrescentam inúme-feitos no final do século XIX. Naqueles primeiros expe-
ras coisas que não tem absolutamente nada de subliminar.
rimentos os pesquisadores mostravam aos voluntários fi-
O Dr. Flavio Mário Calazans, autor do livro “Propagandachas com letras ou figuras geométricas a uma distância
Subliminar Multimídia” considera até o merchandising tão grande que quando perguntados sobre o que viam to-
das novelas, aquele que um personagem bebe uma cerveja dos diziam que não conseguiam distinguir nada além de
com o rótulo “casualmente” voltado para câmera, como borrões. Depois pediam as pessoas que tentassem adivi-
mensagem subliminar. Professor Calazans vê mensagens nhar em um questionário de múltipla escolha as figuras
subliminares no tom de voz usados pelos atores de novela,
que haviam sido mostradas. Como o nível de acertos era
nas cores da rede de lanchonetes MacDonald’s (o verme- maior do que o que seria obtido ao acaso, os pesquisado-
lho estimularia a fome, segundo ele - no que mistura o res concluíam que as pessoas haviam sido afetadas pelas
assunto com a pseudociência da cromoterapia) e até nas imagens [7] . A partir do final do final dos anos 70 os pes-
figuras de linguagem usadas na conversas do dia a dia. quisadores passaram a tentar verificar se havia mudanças
Porém nada disso é classificado como subliminar na lite-no comportamento das pessoas submetidas a estímulos
ratura científica - nem na psicologia, nem na publicidade
subliminares. Em um estudo famoso os pesquisadores
- conforme resumem Martha Rogers e Christine A. Sei- exibiram ideogramas chineses aos voluntários e depois
ler, PhDs em Marketing, no artigo “The Answer Is No: pediram a eles que tentassem adivinhar num teste de múl-
A National Survey of Advertising Industry Practitionerstipla escolha se os ideogramas tinham significados positi-
and Their Clients about Whether They Use Subliminal vos ou negativos. Para algumas pessoas as imagens foram
Advertising”, publicado no Journal of Advertising Rese-precedidas por imagens subliminares de figuras sorriden-
arch: tes ou tristes de tal maneira que nenhuma pessoa reportou
"(...) a maioria dos que dizem ter conhecimento do uso tê-las visto. A conclusão é que as pessoas submetidas às
142 CAPÍTULO 34. MENSAGEM SUBLIMINAR

imagens subliminares tiveram maior tendência de classi- coca-cola, pare de fumar ou mude de orientação sexual.
ficar positivamente os ideogramas precedidos de figuras Não há nenhuma evidência de que as ações de alguém
positivas que aquelas que não tinham sido submetidas a podem ser comandadas por estímulos percebidos incons-
elas. Este tipo de estudo, em que o indivíduo é preparado cientemente. Pelo contrário, todas as evidências sugerem
com a breve exposição preliminar de uma imagem antes que para iniciar uma ação baseada em um estímulo, uma
de medir seu desempenho, é chamado de estudo de “pri- pessoa precisa estar ciente dele.[9]
ming”. A maior parte da base estabelecida sobre percep- Enquanto psicólogos seguem desenvolvendo novas me-
ção subliminar e seus efeitos foi adquirida com estudos todologias para delimitar a extensão da percepção subli-
deste tipo.[8]
minar, os publicitários e demais profissionais do marke-
Mas é neste ponto que os resultados se tornam conflitan- ting tentam descobrir se mensagens subliminares podem
tes. Há vários estudos de “priming” que mostram, logo ser usadas para influenciar os hábitos dos consumidores.
após a exibição dos estímulos, melhoria nas habilidades Até o momento, apesar dos numerosos trabalhos existen-
motoras (medindo o resultado no lançamento de dardos), tes, foram muito poucos aqueles que encontraram algum
mudanças de humor, redução da ansiedade e de fobias efeito relevante; a maioria possui tantas falhas de me-
como a agorafobia e até perda de peso. Em contrapar- todologia que não pode ser considerada conclusiva [10] .
tida há um grande número de estudos que simplesmente De fato entre 1970 e 1985 houve apenas um trabalho
não encontraram nenhuma relação entre mudanças com- mostrando uma influência posiiva de mensagens sublimi-
portamentais e estímulos subliminares e muitos falharam nares. Seu autor, Del I. Hawkins, mostrou que dentre
em tentar replicar os resultados positivos daqueles estu- as pessoas submetidas a mensagens subliminares, aque-
dos. O motivo é que a psicologia não é uma ciência exata. las expostas à palavra “COKE” (Coca-Cola) reportavam
Seu objeto de estudo não é o previsível mundo natural, mais sede dos que pessoas expostas a uma palavra sem
mas a mente do homem, com todas as suas subjetivida- sentido. Este estudo foi bastante influente durante os 15
des e nuances. É muito difícil planejar um experimento anos seguintes e serviu para manter acesas por um bom
com uma metodologia que isole totalmente o fenômeno tempo as alegações de Vicary, desta vez dando a elas um
que se está estudando. No caso da percepção subliminar fundo científico. No entanto em 1989, ao reproduzir o
o maior problema dos pesquisadores é assegurar que um experimento, o mesmo autor foi incapaz de replicar seus
estímulo seja realmente subliminar para todas as pessoas resultados, concluindo:
no experimento. Como já dissemos, não existe uma li- “Este estudo lança sérias dúvidas sobre a validade dos ou-
nha demarcando o que é subliminar do que não é. Em tros poucos estudos mostrando evidência experimental de
vez disso, há uma faixa entre o chamado limiar subje-
efeitos subliminares no contexto publicitário. Ele clara-
tivo e o limiar objetivo; dentro desta faixa um estímulo é mente indica a necessidade de se criar uma tradição de
percebido, mas sem que o observador tenha consciência
replicar experimentos na área de marketing”.[11]
dele. Acima do limite subjetivo o estímulo é percebido
conscientemente pelo observador, sendo chamado de su- No estudo “Effectiveness of Subliminal in Television
praliminar. Já abaixo do limite objetivo não há nenhum Commercials” (Eficácia do Subliminar nos Comerciais
traço de percepção. Descobrir os limites objetivo e sub- de Televisão) de Smith e Rogers (1994), os pesquisado-
jetivo de cada pessoa e enquadrar o estímulo nesta estreita res incluíram em um comercial as palavras “ESCOLHA
faixa para todas as pessoas no experimento é uma grande ESTE” com graus diferentes de contraste de tal maneira
dificuldade.[9] que elas fossem perfeitamente claras para um grupo e su-
bliminares para outro e pediram aos espectadores que
Mas por sobre a confusão e a contradição pairam algumas marcassem num questionário seu interesse nos comer-
certezas. Mesmo os pesquisadores mais otimistas reco- ciais. Depois compararam os resultados com os de um
nhecem que o efeito de um estímulo subliminar não dura grupo de controle, cujos espectadores assistiram a co-
mais do que dois ou três segundos. Quer dizer, quando o merciais sem nenhuma mensagem. Ao final constataram
teste cognitivo não é feito imediatamente depois da exi- que os comerciais com as mensagens detectáveis obtive-
bição das imagens subliminares, nenhum efeito é verifi- ram mais pontos que aqueles com mensagens sublimina-
cado. Até o momento, só encontramos referência a um res. Para sua surpresa, verificaram que os comerciais com
trabalho mostrando efeitos de até 24h, em pacientes anes- mensagens, subliminares ou não, obtiveram menos pon-
tesiados: “Memory of unconsciously perceived events: tos do que os do grupo de controle, sem mensagens. Do
Evidence from anesthetized patients” de Philip Merikle. trabalho os autores concluíram que a mais forte mensa-
Além disso sabe-se que nem todos os tipos de mensagens gem subliminar ainda é mais fraca que uma mensagem
subliminares são igualmente eficazes; as visuais tem efei- direta e que mesmo que fossem eficazes (e não fossem
tos cognitivos muito maiores do que as auditivas.[9] proibidas por lei, ao menos nos EUA), a inserção deste
Outro consenso entre os cientistas é que percepção subli- tipo de mensagens na televisão envolve dificuldades prá-
minar não significa persuasão subliminar. Ou seja, em- ticas que tornariam a técnica pouco viável.[9]
bora a percepção subliminar possa aumentar o número Investigando o efeito de palavras e imagens de conteúdo
de respostas certas em questões de múltipla escolha so- sexual escondidas em anúncios na mídia os pesquisadores
bre o estímulo, ela não pode fazer que alguém beba mais
34.5. VER TAMBÉM 143

Vokey e Read mostraram a um grupo de pessoas fotogra- Cola, outras que uma firma local de palomitas, e outras
fias contendo a palavra “sex” escondida entre as imagens, que eram ambas a vez). Em 1962 Vicary foi entrevistado
enquanto um grupo de controle viu as mesmas imagens pela revista Advertising Age e declarou que o experimento
mas sem nenhuma mensagem escondida. Nenhum au- na realidade era uma mentira que se levou a cabo devido o
mento na retenção da memória foi observado em relação que sua empresa passava por dificuldades econômicas.[14]
ao grupo de controle. Na verdade, segundo os autores, Portanto não se pode afirmar com certeza a realização do
além de não existir nenhuma evidência que suporte as ale- teste nem seus resultados. Investigações posteriores rea-
gações de Key, elas vão contra todo o conhecimento atual lizadas também nos Estados Unidos indicaram que a pu-
da neurociência e ciência cognitiva.[9] blicidade subliminar não teria efeito sempre nem todas
Mas ainda que as mensagens subliminares não sejam efi- as pessoas e quando o teria, a duração deste [15] efeito não
levaria nunca a superar o segundo de duração.
cazes como técnica de propaganda, será que as agências
de publicidade estão fazendo uso deliberado delas? Bem, Existe pouca literatura fiável que apoie a teoria sobre a
a única maneira de saber é perguntando aos publicitários. existência deste tipo de publicidade. Um dos poucos in-
Foi o que fizeram os pesquisadores Martha Rogers and vestigadores a favor é Wilson Bryan Key, quem diz haver
Christine Seiler no artigo “The Answer is No: A Nati- descoberto mensagens ocultas em vários anúncios publi-
onal Survey of Advertising Practitioners and Their Cli- citários, principalmente associadas ao sexo e morte.[16]
ents about Whether they use Subliminal Advertising” (“A Um dos seus estudos mais citados é de um anúncio de
Resposta É Não: Uma Pesquisa Nacional das Agências whisky em que Key encontrou várias figuras ocultas nos
de Publicidade e Seus Clientes Sobre Se Elas Usam Ou cubos de gelo do anúncio.[17] Sem embargo para outros
Não Propaganda Subliminar”, um trecho do artigo pode investigadores Key é alguém com uma fixação sexual
ser lido aqui). Rogers e Seiler pediram a 750 pequenas muito grande e “alguém que encontraria mensagens se-
e grandes agências de publicidade em todo o território xuais em um tono de marcar”.[18]
americano que respondessem a um questionário no qual Um dos muitos casos existentes criaram os produtores
perguntavam se elas já haviam usado técnicas sublimina- de Jurassic Park III: onde se pediu patrocínio ao exército
res em seus trabalhos, onde por técnicas subliminares se dos Estados Unidos para rodar o resgate final da Ilha Nu-
entendia “palavras, imagens e formas intencionalmente bla. O Corpo de Marines dos Estados Unidos (Infanta-
inseridas em materiais publicitários, de tal maneira que ria da Marinha dos Estados Unidos) ofereceu vários bar-
o público não as percebam em nível consciente, mas em cos, veículos blindados, soldados e um helicóptero em
nível subconsciente”. As perguntas foram planejadas de troca de que se alterasse a frase do guidão “Alguém que
maneira a estimular respostas tão honestas quanto pos-
tem um amigo no Departamento de Defesa” por “Al-
sível. Das 256 agências que responderam a pesquisa, guém que tem um amigo nos Marines” e o helicóptero
90,6% negaram qualquer uso de técnicas subliminares;
girasse em frente a câmera mostrando ao público a ins-
dos 9,3% restantes que admitiram terem usado técnicas crição “Marines”.[19]
subliminares, todas menos uma consideraram artifícios
triviais (como uso de cores, certos tipos de personalida- É certo que se havia acusado a várias séries de televi-
[20]
des que provoquem identificação com o consumidor, etc) são e filmes de usar e abusar do emplazamento ; en-
como subliminares, ou seja, possuíam a velha noção po- tretanto esta forma de publicidade encoberta não é subli-
pular de que subliminar é sinônimo de subentendido. O minar porque as imagens, sons, comentários, etc, estão
único caso das 256 agências que usou alguma técnica su- dentro da umbral da sensibilidade e som percebidos de
bliminar real, admitiu que o fez como uma piada interna. maneira totalmente consciente pela audiência; inclusive
pode ser causa de rescisão do contrato se o produto não
está em tela por tempo suficiente ou não se vê com sufici-
ente claridade, tal qual se escreveu na guião.[19] A OCU
34.4 Publicidade subliminar havia publicado vários estudos sobre a publicidade emi-
tida na Espanha, incluído o de janeiro de 2006 dedicado
Considera-se publicidade subliminar o que apresenta ao unicamente a publicidade encoberta[20] e não há encontrado
consumidor um produto ou serviço de maneira tão leve nenhum caso de esta prática ilícita.
ou breve que não é conscientemente percebida e o leva
a consumi-lo ou usá-lo sem saber das razões autênti-
cas, através de mensagem subliminar. Na Noruega exis- 34.5 Ver também
tem sanções para quem produz mensagens ocultas em
televisão.[12] Na União Europeia há uma proposta de proi- • Easter egg
bir este tipo de publicidade com o fim de proteger a in-
• Pareidolia
fância e os jovens.[13] Nos Estados Unidos foi realizada
uma prova num cinema. O experimento foi realizado por • Apofenia
James Vicary em 1957 e consistia em incluir uma dos
• Criptografia
fotogramas por minuto com a marca que se desejava pu-
blicitar (algumas fontes indicam que a marca foi a Coca • Reconhecimento de Padrões
144 CAPÍTULO 34. MENSAGEM SUBLIMINAR

34.6 Referências
[1] «O nascimento de uma lenda». Projeto Ockham
[2] «a verdade sobre mensagens subliminares». Projeto
Ockham. Consultado em 23 de Dezembro de 2014
[3] Advertising Age (Vol 37, pág. 127, 16 de setembro de
1957)
[4] How a Publicity Blitz Created the Myth of Subliminal Ad-
vertising” de Stuart Rogers, publicado em 1992 no Journal
“Public Relations Quarterly”, Volume 37
[5] Fred Danzig, “Subliminal Advertising - Today It’s Just
Historic Flashback for Researcher Vicary”, Advertising
Age, September 17, 1962, pp. 72-73
[6] «O que é subliminar». Projeto Ockham. Consultado em
23 de Dezembro de 2014
[7] “Psychological Investigations of Unconscious Perception”,
Philipe Merikle, Journal of Counciosness Studies, 5,1998
[8] “Unconscious Processes, Subliminal Stimulation, and An-
xiety”, Mayer e Merckelbach, Clinical Psychology Re-
view, Vol. 19, No. 5, pp. 571-590, 1999
[9] «O que diz a ciência». Projeto Ockham. Consultado em
23 de Dezembro de 2014
[10] Laura Branon e Timothy C. Brock no artigo “The Subli-
minal Persuasion Controversy”
[11] “Subliminal Stimulation: Some New Data and Interpreta-
tion” de Sharon E. Beatty e Del I. Hawkins, publicado no
Journal of Advertising, Volume 18, 1989
[12] Norwegian Media Authority, Lovframlegg . Sanksjonar,
skjult reklame, mv
[13] Thon, Bjørn Erik. Forslag til EU-regelverk om urimelig
handelspraksis og om beskyttelse av barn og unge i forhold
til markedsføring
[14] Lo subliminal y el neuromarketing
[15] Punset, Eduardo, noticias de Redes, Televisión Española,
Madrid, 2004
[16] Chen, Adam. Expert discusses the effects of subliminal ad-
vertising
[17] Johns, Craig M. Wilson Bryan Key is insane!
[18] Adams, Cecil. Are subliminal messages secretly embedded
in advertisements?
[19] Robb, David L., Operação Hollywood, Editorial Océano,
Barcelona, 2006, ISBN 84-494-2696-0
[20] Varios, Publicidad encubierta en televisión, nº 300 de
Compra Maestra, OCU, Madrid, janeiro de 2006

34.7 Ligações externas


• Publicidade subliminar em canal a cabo (inglês)
• Debate sobre a autenticidade da publicidade subli-
minar (inglês)
Capítulo 35

Reconhecimento de padrões

Reconhecimento de padrões é uma área da ciência cujo 35.1 Aplicações


objetivo é a classificação de objetos dentro de um nú-
mero de categorias ou classes. Esses objetos de estudo Aplicações típicas do reconhecimento de padrões in-
variam de acordo com cada aplicação, podem ser ima- cluem reconhecimento de fala, classificação de documen-
gens, sinais em forma de ondas (como voz, luz, rádio) ou tos em categorias (por exemplo, mensagens de correio
qualquer tipo de medida que necessite ser classificada. eletrônico que são spam ou não), reconhecimento de es-
Tendo aplicação em vários campos, tais como psicologia, crita, reconhecimento de faces. Os últimos dois temas
etologia e ciência da computação.[1] são tópicos do campo de processamento de imagens.
O reconhecimento de padrões tem uma longa histó-
ria, mas antes de 1960 era formada principalmente por
estatística teórica. O surgimento de computadores au- 35.2 Ver também
mentou a demanda por aplicação práticas capazes de re-
conhecer padrões, que criaram novas demandas por de- • Aprendizagem de máquina
senvolvimentos teóricos. Como nossa sociedade evolui
de uma fase industrial para uma fase pós-industrial, auto- • FAN (rede neural)
mação da produção industrial e a necessidade de mode-
los capazes de lidar com e recuperar informação se tor- • Teoria dos Padrões
nar cada vez mais importantes. Essa tendência estimula o
reconhecimento de padrões para além dos limites de co-
nhecimento e aplicação de hoje. Reconhecer padrões é 35.3 Referências
hoje uma parte fundamental da maior parte dos sistemas
de tomada de decisão.[1] [1] Sergios Theodoridis, Konstantinos Koutroumbas (2006).
Pattern Recognition 3 ed. [S.l.]: Elsevier. ISBN 0-12-
Um sistema completo de reconhecimento de padrões
369531-7
consiste de um sensor que obtém observações a serem
classificadas ou descritas; um mecanismo de extração de
características que computa informações numéricas ou • C.M. van der Walt e E. Barnard (2006). Data
simbólicas das observações; e um esquema de classifi- characteristics that determine classifier performance.
cação das observações, que depende das características Proceedings of the Sixteenth Annual Symposium
extraídas. of the Pattern Recognition Association of South
Africa: [s.n.] pp. 160–165. ISBN 34523432 Ve-
O esquema de classificação é geralmente baseado na dis- rifique |isbn= (ajuda)
ponibilidade de um conjunto de padrões que foram an-
teriormente classificados, o “conjunto de treinamento"; o • Phiroz Bhagat (2005). Pattern Recognition in Indus-
resultado do aprendizado é caracterizado como um apren- try. [S.l.]: Elsevier. ISBN 0-08-044538-1
dizado supervisionado. O aprendizado pode também ser
não supervisionado, de forma que o sistema não recebe • Richard O. Duda, Peter E. Hart, David G. Stork.
informações a priori dos padrões, estabelecendo então as Pattern classification 2 ed. Nova Iorque: Wiley.
classes dos padrões através de análise de padrões estatís- ISBN 0-471-05669-3
ticos. • Dietrich Paulus e Joachim Hornegger (1998). Ap-
plied Pattern Recognition 2 ed. [S.l.]: Vieweg. ISBN
3-528-15558-2

• J. Schuermann (1996). Pattern Classification: A


Unified View of Statistical and Neural Approaches.
[S.l.]: Wiley&Sons. ISBN 0-471-13534-8

145
146 CAPÍTULO 35. RECONHECIMENTO DE PADRÕES

• Sholom Weiss e Casimir Kulikowski (1991). Com-


puter Systems That Learn. [S.l.]: Morgan Kauf-
mann. ISBN 1-55860-065-5

35.4 Ligações externas


• Sítio da Associação Internacional de Reconheci-
mento de Padrões - IAPR
Capítulo 36

Memória a curto prazo

Memória a curto prazo é a capacidade de cada pes-


soa em reter uma pequena quantidade de informação na
mente num estado ativo e prontamente disponível durante
um curto período de tempo. Acredita-se que a duração
da memória a curto prazo seja de alguns segundos. Em
oposição, a memória a longo prazo pode armazenar uma
quantidade indeterminada de informação.[1]

36.1 Ver também


• Memória a longo prazo

• Memória de trabalho

36.2 Referências
[1] Amâncio da Costa Pinto. «Memória a Curto Prazo e Me-
mória Operatória: Provas e Correlações Com Outras Ta-
refas Cognitivas» (PDF). Consultado em 8 de outubro de
2014

147
Capítulo 37

Memória de longo prazo

Memória de longo prazo é a memória que dura por pou-


cos dias até tão longo como décadas. Difere estrutural e
funcionalmente da memória de trabalho ou memória de
curto prazo, que ostensivamente acomoda itens por cerca
de 20 segundos.

148
Capítulo 38

Memória episódica

Memória episódica é a memória de eventos


autobiográficos que podem ser lembrados conscien-
temente. Usando essa capacidade, uma pessoa pode,
por exemplo, lembrar de uma viagem recente sua, e
reviver mentalmente eventos que aconteceram nela, ver
os lugares por onde passou, escutar os sons, sentir os
aromas e lembrar das pessoas que conheceu.

149
Capítulo 39

Amnésia

Nota: Para outros significados, veja Amnésia 39.2.1 Amnésia anterógrada


(desambiguação).
É a perda de memória para eventos que ocorrem posteri-
ormente ao acontecimento da doença, ou seja, é a defici-
Amnésia é a perda de memória que pode ser total ou par-
ência em formar novas memórias, como ocorre na doença
cial, constante ou episódica, temporária ou permanente
de Alzheimer.
dependendo das causas.

39.2.2 Amnésia retrógrada


39.1 Causas
Nesta outra forma de amnésia ocorre o inverso da am-
nésia anterógrada, porque a pessoa consegue se lembrar
Pode ser causada por diversas razões, entre elas: de eventos posteriores ao trauma, mas não consegue se
lembrar de eventos anteriores a doença (trauma).
• Doenças neurodegenerativas;

• Infecções do tecido neural (como por exemplo 39.3 Tipos de amnésia


encefalites);

• Neurotoxinas;

• Acidente vascular cerebral;

• Traumas físicos (pancadas na cabeça por exemplo)


e psicológicos.

• Alcoolismo e o uso de drogas.

A amnésia geralmente só ocorre quando alguma des-


sas possíveis causas lesiona áreas como o hipocampo e
suas áreas adjacentes, no neocórtex ou no lobo tempo-
ral medial. Lesão em diferentes áreas produzem efeitos Cerca de 40% das pessoas com idade acima de 65 anos têm al-
gum tipo de problema de memória, e a prevalência aumenta ra-
diferentes.[2] [4]
pidamente com o aumento da idade.
Alguns analgésico e benzodiazepínicos (remédios para
ansiedade) dificultam a formação de memórias enquanto Existem vários tipos de amnésia. Abaixo estão listados
estão ativos, por isso pacientes podem se esquecer do pe- alguns deles:
ríodo que estiveram sedados.[3]
• Amnésia global transitória;

• Amnésia psicogênica (ou seja, de origem emocio-


39.2 Classificação nal);

A amnésia pode ser qualificada em dois tipos: • Síndrome de Korsakoff;

150
39.4. DIAGNÓSTICO 151

39.3.1 Amnésia global transitória 39.4 Diagnóstico


Nessa situação a amnésia dura algumas horas, não ultra-
passando um dia, e a recuperação é completa. O indi-
víduo tem comportamento normal, porém não retém ne-
nhuma informação durante o episódio, ou seja, tem am-
nésia anterógrada completa, permanecendo uma lacuna
na memória dessa pessoa depois da recuperação. A causa
desse problema não está, ainda, totalmente esclarecida,