Você está na página 1de 41

 O Benzeno é um hidrocarboneto classificado como

hidrocarboneto aromático.
 E é a base para esta classe de hidrocarbonetos: todos os
aromáticos possuem um anel benzênico (benzeno),
que, por isso, é também chamado de anel aromático,
possui a fórmula C 6H6.
 À temperatura ambiente, o benzeno é um líquido
volátil, estável e incolor;
 É altamente inflamável;
 Além de inflamável e incolor, tem um aroma doce e
agradável;
 Tem efeito anestésico geral;
 O nome benzeno deriva do ácido benzoico, que foi
descoberto no século XVI, e que recebeu este nome
por ter sido obtido pela essência do benjoeiro.
 O benzeno foi descoberto em 1825 por Michael
Faraday (1791 - 1867) no gás de iluminação usado
em Londres na época.
 Em 1834, o químico Edilhardt Mitscherlich
determinou a fórmula molecular do benzeno como
sendo C6H6.
 Só em 1865, Kekulé(1829 - 1896) propôs a idéia de
um anel hexagonal para a fórmula C6H6.
 É utilizado como matéria prima para síntese de
outros compostos orgânicos e como aditivo nos
combustíveis para veículos, substituindo, em
parte, o chumbo.
 O Benzeno é encontrado em detergentes,
refrigerantes, antissépticos bucais, plásticos,
sabão em pó, gasolina, anilina , tintas, copos
descartáveis, isopor, nylon, etc.
 As indústrias que envolvem o uso de benzeno
incluem a indústria da borracha, refinarias de
petróleo, indústrias químicas, fabricantes de
calçados e indústrias conexas à gasolina.
 O benzeno era utilizado como um solvente comum
na industria, bem como o tíner e aguarrás;
 Devido ao seu alto perigo à saúde e à vida,
facilmente reconhecido por sua própria história, o
benzeno foi substituído por tolueno, que ainda
continha 25% de benzeno, e o tolueno substituído
na industria pelo xileno. Um processo de
substituição gradativo que durou décadas.
 A espuma de poliuretano, muito utilizada em
isolamentos acústicos, é produzida por anilina,
que por sua vez deriva-se do benzeno.
 Medicamentos, corantes, perfumes, adoçantes
de sacarina, detergentes e etc., também
possuem benzeno, que por sua vez encontra-se
na composição do tolueno.
 Desinfetantes comuns também possuem uma
certa quantidade de benzeno, que por sua vez
estão localizados nas cadeias aromáticas do
fenol.
Perigos para o ser  O benzeno produz um
humano considerável número de
efeitos biológicos.
 Os efeitos agudos do
benzeno refletem a sua
atividade como anestésico
geral e podem conduzir a
uma depressão do sistema
nervoso central , perda da
consciência entre outros.
 Os vapores do benzeno, se inalados, causam
tontura, dores de cabeça e até mesmo
inconsciência. Se inalados em pequenas
quantidades por longos períodos causam sérios
problemas sanguíneos, como leucopenia.
 Na história recente, tem havido muitos
exemplos dos efeitos nocivos para a saúde do
benzeno e seus derivados. A síndrome do óleo
tóxico causou imunossupressão localizada em
Madrid em 1981 de pessoas ingerindo óleo de
colza contaminado com anilida.
 Leucopenia
 A leucopenia é a redução no número
de leucócitos, por volume
de sangue circulante. Os leucócitos,
também conhecidos como glóbulos
brancos, são células presentes no sangue e
produzidas na medula óssea e no tecido
linfático.
 São chamados de glóbulos brancos, pois,
ao contrário das hemácias (glóbulos
vermelhos), não possuem pigmentos.
Realizar a defesa do organismo contra
agentes infecciosos, isso se dá pelo seu
potencial de produzir anticorpos.
 A exposição ao benzeno é uma das
principais causas motrizes para o
desenvolvimento da leucopenia, pois, em
após um longo tempo exposto ao agente,
as cadeias aromáticas acabam por causar
danos e supressões na medula óssea, onde
originam-se os leucócitos. Logo, o sangue
fica vulnerável sem suas células básicas
de defesa.
 A Síndrome de Fadiga
Crônica
 também foi correlacionada
com as pessoas que comem
alimento "desnaturado“ – que
sofre desnaturação de
proteínas – que utilizou
solventes para remover a
gordura ou que contenham
ácido benzoico, mas a
causalidade não está
provada.
 Foi um surto de uma doença
Síndrome do ocorrido na Espanha, no ano de
1981, levando muitas pessoas à
Óleo Tóxico morte. Caracterizava-se por
intensas mialgias e infiltrados
pulmonares;
 Teve como causa a ingestão de
um óleo fraudulentamente
comercializado como azeite de
oliva, o óleo de colza.
 Ele foi vendido por vendedores
ambulantes como sendo azeite
de oliva e, portanto, utilizado
por quem o comprava, na
alimentação;
 20.000 pessoas ingeriram o óleo;
 Cerca de 300 morreram após sua
ingestão
 Muitas outras
desenvolveram doença crônica
 Numa fábrica de colagem de peças
Intoxicação por plásticas por imersão em benzeno,
110 trabalhadores foram expostos
Benzeno ao elemento. A empresa tinha 150
Dados: Não encontrados na colaboradores, e 106 deles
internet
apresentaram alterações
Fonte: Livro Higiene Ocupacional,
de Ezio Brevigliero. compatíveis com a intoxicação pela
substância após exames médicos -
números estatísticos bem elevados.
 Quatro mortes foram
desencadeadas por tal exposição.
O tempo médio de exposição
desses quatro trabalhadores foi de
apenas 4 meses, e o mais alarmante
é que as vítimas não atuavam
diretamente com a substância.
 As vítimas fatais eram 3 auxiliares
de serviços gerais e 1 ajudante de
laboratório.
 Este acidente constituiu uma
Explosão da central série de explosões que
petroquímica de Jilin provocaram 5 mortos e mais de
10.000 refugiados. As explosões
Data: 13 de novembro de causaram uma nuvem tóxica e
2005;
não só, também foi poluído o
Local: Jilin – China.
rio Songhua por uma extensão
de mais 80km.
 Esta contaminação impediu o
abastecimento de água das
aldeias próximas do local do
acidente.
 O produto mais poluente neste
acidente foi o benzeno.
 O benzeno tem como dose letal
Mancha negra no rio Songhua 500 mg/kg via oral.
Frentistas
contaminados por
Benzeno
Data: 01 de outubro de 2015
Local: Santa Catarina – Brasil.
 A intoxicação humana pelo benzeno pode
ocorrer por três vias de absorção:
 Respiratória (aspiração por vapores);
 Cutânea;
 Digestiva.

- A via respiratória é a principal, do ponto de vista


toxicológico, sendo retido 46% do benzeno inalado.
Uma vez absorvido, quase imediatamente é
eliminado em 50% pelos pulmões.
 O benzeno que permanece no corpo, distribui-se
por vários tecidos. Na intoxicação aguda, a maior
parte é retida no sistema nervoso central, enquanto
que na intoxicação crônica permanece na medula
óssea (40%), no fígado (43%) e nos tecidos
gordurosos (10%).
 Após sua absorção, parte do benzeno distribuído
pelo organismo é metabolizado pelo fígado e cerca
de 30% é transformado em fenol e em derivados
como pirocatecol, hidroquinona e hidroxiquinona,
os quais são eliminados pela urina nas primeiras
horas até 24 horas após cessada a exposição.
 As atividades que manipulam ou tem exposição do benzeno são
sujeitas a aposentadoria especial, segundo o Perfil Profissiográfico
da Previdência(PPP)

Código Agente nocivo Tempo de Exposição


Benzeno e seus compostos tóxicos:
a) produção e processamento de
benzeno;
b) utilização de benzeno como
matéria-prima em sínteses orgânicas e
na produção de derivados;
c) utilização de benzeno como insumo
na extração de óleos vegetais e
álcoois;
d) utilização de produtos que
1.0.3 contenham benzeno, como colas, 25 ANOS
tintas, vernizes, produtos gráficos e
solventes;
e) produção e utilização de
clorobenzenos e derivados;
f) fabricação e vulcanização de
artefatos de borracha;
g) fabricação e recauchutagem de
pneumáticos.
 No Brasil, as principais fontes de produção do benzeno
são atualmente os centros de produção petroquímica e
refino de petróleo, os quais são responsáveis por
aproximadamente 95% da produção nacional. Os
outros 5% provém da destilação fracionada de óleos
leves de alcatrão e BTX (benzeno, tolueno,
xileno), obtido a partir da destilação seca do carvão
mineral nas siderúrgicas.
 O carvão mineral (hidrocarboneto) é um
combustível fóssil(não renovável) que está
presente em diversas regiões do planeta.
 A partir do século XVIII, este passou a ser cada
vez mais utilizado, substituindo a lenha, que
era a mais utilizada até então.
 A mistura gasosa obtida na
Benzeno e Carvão destilação é utilizada como
Mineral combustível doméstico e
industrial. É conhecida também
Carvão: fonte de substâncias
aromáticas como “gás de rua”, pois era
Principais fontes de hidro utilizada em lampiões a gás do
carbonetos aromáticos:
•Hulha e Petróleo
início do século XX.
•Na destilação seca(a 1000ºC) a  O ALCATRÃO é constituído
hulha fornece gases, vapores e um
resíduo sólido cinzento, com brilho por uma mistura de compostos
metálico e rico em carbono, aromáticos. Por destilação
denominado “coque”.
•A condensação dos gases e vapores
fracionada, obtêm-se diversas
produz o ALCATRÃO e as águas frações: benzeno, tolueno,
amoniacais. Resta, sem se
condensar, uma mistura de gases:
xileno, fenóis, anilinas, cresóis,
Hidrogênio, Metano, Monóxido de antraceno, fenantreno, etec.,
Carbono e Dióxido de Carbono,
entre outros.
restando, ainda, um resíduo
chamado “piche”.
 1. O Anexo tem como objetivo regulamentar ações,
atribuições e procedimentos de prevenção da
exposição ocupacional ao benzeno, visando à
proteção da saúde do trabalhador, visto tratar-se
de um produto comprovadamente cancerígeno.
 2. O presente Anexo se aplica a todas as empresas
que produzem, transportam, armazenam, utilizam
ou manipulam benzeno e suas misturas líquidas
contendo 1% (um por cento) ou mais de volume e
aquelas por elas contratadas(terceirizadas), no que
couber.
 2.1 O presente anexo NÃO se aplica às
atividades de armazenamento, transporte,
distribuição, venda e uso de combustíveis
derivados de petróleo.
 Ou seja, o anexo se aplica às organizações que
manipulam benzeno, mas não às certas
atividades fins da organização.
 3.1 É proibido utilizar o benzeno para
quaisquer emprego, exceto nas INDÚSTRIAS e
LABORATÓRIOS que:
 O produzem;
 Utilizem como base;
 O empreguem em combustíveis derivados do
petróleo;
 O empreguem nos trabalhos de investigação feitos
em laboratórios, quando não for possível sua
substituição.
 4. As empresas que manipulam o benzeno têm
que cadastrar seus estabelecimentos no DSST
apresentando:
 Identificação da empresa, CNPJ, ramo e CNAE;
 Nº de trabalhadores por estabelecimento;
 Nome das empresas que fornecem o benzeno(se for
o caso);
 Utilização a que se destina o benzeno;
 Quantidade média de processamento mensal;
 Documento base do PPEOB.
 4.1.1 SOMENTE SERÃO CADASTRADAS AS
INSTALAÇÕES APTAS A OPERAR.
 O PPEOB – Programa de Proteção a Exposição
ao Benzeno – do laboratório ou instituições
deve ser mantido a disposição da
fiscalização(Sindicato da categoria, MTE, MP).
 As alterações de instalações que influenciem no
uso do benzeno devem ser informadas ao
DSST, para que se atualize os dados.
 O PPEOB foi legalmente ratificado com a
Portaria nº 25/94
 Deve representar o mais elevado grau de
compromisso de sua diretoria com os
princípios e diretrizes da prevenção da
exposição dos trabalhadores ao benzeno
devendo:
 Ser formalizado pela administração;
 Ter indicação de um responsável que responderá
pelo mesmo junto aos Órgãos Públicos e demais
mecanismos de regulação junto com os
trabalhadores;
 Dentro do PPEOB deve ter:
 O caráter das instalações ou misturas que contenham
concentração > 1%;
 Avaliação das concentrações;
 Ações de vigilância à saúde dos trabalhadores
próprios e terceirizados;
 Descrição dos acordos coletivos(tripartite) referentes
ao benzeno;
 Procedimento para seu arquivamento por 40 anos;
 Adequação da Proteção Respiratória;
 Definição das operações de manutenção;
 Levantamento de todas as situações onde possam ocorrer
concentrações elevadas de benzeno, com dados
qualitativos e quantitativos;
 Procedimentos para proteção coletiva e individual dos
trabalhadores, do risco exposto nas situações críticas
através de medidas como:
 Organização do trabalho, sinalização, isolamento de área,
treinamento, ventilação apropriada, proteção respiratória e
contra contato com a pele
 Descrição dos processos usuais nas operações de:
drenagem, lavagem, purga de equip., operação manual
de válvulas, transferências, limpezas, controle de
vazamentos, partidas e paradas de unidades que
requeiram procedimentos pesados no controle de vapores
e prevenção de contato diretos ao trabalhador;
 Descrição dos recursos básicos para controle da situação
emergencial, até que tudo se normalize;
 Cronograma detalhado das mudanças das mudanças que
podem ser realizadas na empresa para prevenção ao
agente e a adequação ao VRT;
 Exigências contratuais;
 Procedimentos específicos para proteção ao trabalho
do menor de 18 anos e à mulheres grávidas ou em
período de amamentação.

O Valor de Referência Tecnológico do


Benzeno deve ser considerado no
programa de melhoria contínua dos
ambientes de trabalho.
Para execução deste anexo, é definida
uma categoria de VRT que corresponde
à concentração média no ar ponderada
para uma jornada de 8 horas, obtida na
zona de respiração do trabalhador ou de
GHE.
Os valores são:
•1,0 ppm para as abrangidas
neste anexo;
•2,5 ppm para as empresas
siderúrgicas;
O prazo de adequação das empresas ao
VRT-MPT tem que ser acordado na
comissão tripartite.
 9.1. A organização, constituição, atribuições e treinamentos
devem ser acordadas entre a representação do empregador
e do trabalhador;
 10. Os trabalhadores e terceirizados devem participar dos
treinamentos a respeito do benzeno;
 11. Áreas, recipientes, equipamentos e pontos com risco de
exposição ao agente devem ser sinalizados com os dizeres:
“PERIGO: PRESENÇA DE BENZENO” e seu acesso é só
para autorizados;
 12. Informações sobre riscos do benzeno à saúde devem ser
permanentes, colocando uma Ficha de Informações de Seg.
sobre Benzeno à disposição do empregado;
 13. É responsabilidade do fabricante e fornecedor do
benzeno rotular o produto com informações básicas,
destacando carcinogenicidade e bula;
 O benzeno foi incluido no anexo 13-A da NR 15, item
"SUBSTÂNCIAS CANCERÍGENAS".
 O benzeno foi retirado do anexo 11 da NR 15 onde constava com
Limite de Tolerância de 8 ppm ou 24 mg/m3, com absorção
também pela pele e insalubridade Grau Máximo.
O Anexo 13, da NR 15, relaciona as atividades e operações,
envolvendo agentes químicos, consideradas insalubres em
decorrência de avaliação ocupacional. Tendo em vista que existem
atividades para as quais se admite o uso de benzeno, incluída a
sua fabricação, e que não foi exigida hermetização do processo.
 Deve-se considerar, para essas atividades, citadas no item 3, alínea
"c" , do anexo 13-A da NR 15, que há insalubridade de Grau
Máximo.
 Sendo assim, o trabalhador que atue exposto a combustíveis e
derivados têm o direito a adicional de 40%(insalubridade máxima)
 Em caso de contato com a pele, lavar com água
e sabão:
 Instalar chuveiro e lava-olho nos locais de risco de
contato.
 Em caso de contato com os olhos, lavar por 15
minutos. Procurar socorro médico em seguida.
Em caso de ingestão recente pode ser indicada
lavagem gástrica, caso não se consiga induzir o
vômito. Prevenir aspiração pelos pulmões. Uso de
anticonvulsivantes benzodiazepinicos (diazepam)
em caso de convulsões.
 A Anexo 13-A da NR-15 já sofreu diversas revogações e
implementações por parte do legislativo ao longo dos anos, basta
lê-lo.
 A ampliação mais recente sobre o benzeno foi feita em 2016, para a
atividade dos trabalhadores dos postos de combustíveis
 A atividade de abastecimento de veículos nos postos,
recentemente, passou por modificações legais para que o frentista
não sofra com as ações na exposição ao benzeno
 As mudanças foram feitas com a Portaria 1109 de setembro de
2016, que inclui a NR-9 e seu Anexo II sobre exposição
ocupacional ao benzeno em postos revendedores de combustíveis.
 O anexo tem 14 itens que discorrem sobre as medidas de
segurança que devem ser implementadas nos postos.
 Seu prazo de implementação nos 39 mil postos do Brasil é de 6 à
15 anos.
 Fonte: https://www.brasilpostos.com.br/noticias/saude-e-
seguranca-do-colaborador/ministerio-do-trabalho-aumenta-a-
prevencao-de-riscos-ocupacional-nos-postos/
 Uniformes devem ser Lavados e Separados(ao
menos uma vez na semana)
 Proteção Respiratória de Face Inteira
 Luvas para os frentistas;
 Abastecimento só até o automático;
 Protetor de respingo na pistola;
 Controle médico de saúde(realizando hemograma
a cada 6 meses)
 Capacitação dos colaboradores, fornecedores e
terceirizados;
 Pistola automática para todas as bombas
 http://anossavolta.blogs.sapo.pt/5145.html
 http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2015/10/exposicao-
a-benzeno-contamina-frentistas-gauchos-aponta-pesquisa-
4859890.html
 http://ambinternatomedtrabtub.blogspot.com.br/2011/09/intoxi
cacao-por-benzeno.html
 https://www.linkedin.com/pulse/riscos-qu%C3%ADmicos-
jhonas-santana
 https://pt.wikipedia.org/wiki/Benzeno
 http://www.infoescola.com/doencas/sindrome-do-oleo-toxico/
 http://www.sato.adm.br/guiadp/paginas/paral_perfil_ativ_suj_
ap_escpecial.htm
 http://www.capecanaveral4045.com/benzeno.html
 http://quimaniadodiaadia.blogspot.com.br/2013/10/o-carvao-
mineral.html
 Grupo/Empenho:
 Jhonas Santana de Queiroz;
 Eduarda de Barros;
 Lucas Ramos;
 Disciplina: Higiene Ocupacional II
 Docente: Ricardo Luis
 Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de
Pernambuco