Você está na página 1de 1

Para Carlos Frederico Marés de Souza Filho 1, a organização do Estado

contemporâneo através de uma Constituição que garante direitos individuais já


é o pressuposto de desrespeito aos direitos dos povos, coletivos e diferenciados.
Na visão do autor, a Constituição pressupõe um Estado único formado por
cidadãos que constituem um povo, sendo que a existência de povos é
desconsiderada.
Somente a partir da Declaração dos Direitos do Homem de 1948, com a
derrocada do Estado liberal e o surgimento do Estado de Bem Estar Social, é
que os direitos humanos passaram a ter força normativa. Nas Constituições
liberais os povos indígenas eram assimilados e com a nova concepção
constitucional passou a ser reconhecida a necessária convivência, podendo,
assim, continuarem a serem índios.
Neste sentido, o conceito de universalidade para Carlos Frederico de
Souza Marés Filho é o seguinte:

“consiste, exatamente, em cada povo construir seus próprios direitos


humanos, segundo seus usos, costumes e tradições. Quer dizer não
existem direitos humanos universais, mas existe um direito universal
de cada povo elaborar seus direitos humanos com única limitação de
não violar os direitos humanos dos outros povos.”

Contudo, apesar do reconhecimento da sociodiversidade, a referida


universalidade é parcial, no sentido de que só tem alcance à comunidade que
possui integração com o sistema. Seria necessário o reconhecimento integral
dos valores de cada povo segundo suas próprias leis, ou como afirma Marés, o
direito à jusdiversidade.
Nesse sentido, resta claro que a Constituição Federal de 1.988 tomou uma
postura de reconhecimento parcial dos direitos humanos universais para os
povos indígenas, pois ao mesmo tempo em que reconhece direitos e garantias
para esses povos, ignora a diversidade existente entre os inúmeros povos
indígenas habitantes do território brasileiro.

1 SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de. Os direitos humanos e os povos indígenas.
Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/sos/indios/mares.html. Acesso em: 17/11/2017.