Você está na página 1de 34

Oleoduto Transalasca atravessando uma floresta de coníferas, próximo a Gulkana, Alasca.

[Danny Lehman/Corbis]
Recursos e reservas 552
~Os.recursos energéticos 552
;Jij

Petróleo e gás natural 554


os biente capaz de sustentar ll,:vida: uma atmosfera
processos oceanos,
respirável, internos da Terra deram-nos
solos;ricos um mo-
e um clima
derado. O homem da Idade da Pedra sobreviveu nesseam-
am-

biente em níveis de subsistência. A humanidade progrediu


O carvão 558
para uma vida de melhor qualidade, quando aprendemos a
Alternativas aos combustíveis fósseis extrair e utilizar os minerais. Esses recursos criaram ri-
560 queza e conforto, por terem fornecido os materiais e a
energia necessários para processar a comida, construir es-
Conservação 565 truturas, transportar coisas e manufaturar bens de todos os
Política energética 565
Os recursos minerais 566
tipos. O uso dos recursos finitos da Terra, sem considerar
a fragilidade do sistema Terra, pode levar à exaustão des-
ses recursos e à acumulação de resíduos perigosos. Pode,
I
também, desencadear mudanças climáticas com sérias
A geologia dos depósitos minerais 570
conseqüências. O desafio para a espécie humana é usar de
Os depósitos minerais e a tectônica de forma sábia e eqüitativa os recursos, para garantir um fu-
placas 574 turo sustentável.
As quantidades de carvão, petróleo, gás natural e urâ-
A descoberta de novos depósitos nio que retiramos da Terra para garantir o funcionamento
minerais: uma necessidade 576 de nossas complexas sociedades são cada vez maiores. Os
minerais são cruciais para que uma nação moderna fun-
cione. Quase tudo que usamos vem da Terra - os metais, a pedra e o cimento para a
construção civil, a areia com que fabricamos o vidro e os transistores.
Neste capítulo, consideraremos as seguintes questões: como se formam esses
recursos? Onde são encontrados? Quem detém seu controle agora, quem deterá
no futuro? Quanto tempo os estoques desses recursos fundamentais não-renová-
veis vão durar, e o que faremos quando tiverem se exaurido? Tais questões têm
causado preocupação quanto aos efeitos ambientais dos combustíveis e minerais
que utilizamos, quanto à necessidade de conservar nossos recursos e quanto ao de-
senvolvimento de substitutos para eles. Essas preocupações são decorrentes de um
novo e profundo entendimento de que não podemos continuar indefinidamente a
retirar riquezas da Terra, sem pensar nas conseqüências para o nosso bábitat e pa-
ra as gerações futuras.
Na procura cada vez mais sistemática de novas fontes de combustíveis e minerais,
dos quais dependemos, utilizamos o conhecimento geológico existente sobre os depó-
5521 Para Entender a Terra

sitos naturais conhecidos, para determinar onde é possível en- produtivos, por exemplo, foi acelerada pelas novas tecnolo _-
contrar mais deles. Ao mesmo tempo, estamos nos tornando e pelo aumento de preço resultante da instabilidade política
mais sensibilizados quanto à finitude dos recursos da Terra e de países produtores de petróleo do Oriente Médio. A avaliação
quão frágil é o seu ambiente. Estamos começando a pensar em recursos é muito menos precisa que a de reservas. Qualquer - -
como podemos modificar o uso que fazemos dos recursos para mero mencionado como sendo as reservas de um material e_ --
conseguir um desenvolvimento sustentável - o desenvolvi- cífico não representa mais que uma adivinhação sofisticada -
mento que preserva a perspectiva das gerações futuras. quanto desse material estará disponível no futuro.
A maioria dos materiais geológicos é considerada não-re -
vável, porque os processos geológicos produzem em veloci --
de mais lenta que o consumo pela civilização. O carvão e 0:---
rsos e reservas tróleo, por exemplo, serão exauridos antes que a natureza pc -
sa repô-Ios. Isso faz com que seja cada vez mais importante ..•=-
Duas grandes questões surgem em todas as discussões sobre senvolver recursos renováveis, como a energia solar, cujo es; -
os materiais que retiramos da Terra: Quanto ainda existe? que é essencialmente infinito, e combustíveis como o etar:.
Quanto tempo vai durar? A quantidade que sobra é maior (es- que é derivado de cultivos que podem ser replantados depois -
pera-se que seja) que as reservas. As reservas são depósitos cada safra.
que já foram descobertos e que, no tempo presente, podem ser
explorados economicamente e de acordo com a Lei. Os re- \
cursos, por outro lado, constituem a quantidade inteira de um ;1 ,. •
dado material que pode se tornar disponível para uso no futu- ,f/
[fecursos energetlcos
ro. Os recursos incluem as reservas, mais os depósitos que já
foram descobertos, mas cuja exploração, atualmente, não da- A energia é fundamental para tudo. Uma crise no suprime-
ria lucro, como também os depósitos ainda não descobertos, de energia pode fazer com que uma sociedade moderna seja-;:,:
que são aqueles que poderiam, eventualmente, ser descober- ralisada. Muitas guerras ocorreram por causa do acesso a e-- -
tos, segundo os geólogos (Figura 22.1). Seguidamente, as re- ques de recursos de combustíveis; as recessões econômicas := _
servas cuja qualidade ou quantidade não justificam sua explo- inflação causadora de destruição de moedas resultaram de ..:-
ração, ou que são muito difíceis de ser extraídas, tornam-se riações do preço do petróleo. Não constitui surpresa o fato --
rentáveis quando uma nova tecnologia é desenvolvida ou que a energia é o maior negócio do mundo.
quando os preços sobem. Um exemplo recente é a descoberta As reservas de combustíveis são medidas em unida.::=
e produção de petróleo e gás a partir de grandes reservatórios apropriadas para cada material, por exemplo, barris de pe~ -
na margem continental do Golfo do México, em profundida- leol ou toneladas de carvão. Para tornar mais fácil a comp _
des acima de 3 mil metros ção entre a energia proveniente de diferentes recursos, uma
As reservas são consideradas uma medida confiável do es- dade denominada quaJ2 é utilizada. Um quad é uma medida
toque enquanto as condições econômicas e tecnológicas perma- energia que pode ser extraída de uma determinada quanti
neçam as mesmas. Contudo, quando elas se modificam, alguns de petróleo. O quad é baseado em um padrão de medição -
recursos tornam-se reservas, e vice-versa. A conversão das re- energia chamado de BTU (british thermal unit = unidade térr;:;:-
servas de petróleo do Mar do Norte em campos petrolíferos ca britânica). Um BTU é a quantidade de energia necessária -;:_-
ra aumentar em 1°F (ou cerca de 0,55°C) a temperatura de -
libra (ou cerca de 453,59 g) de água. Um quad equivale a I
BTU Os Estados Unidos utilizam cerca de 98 quads de enef'.c:
Reservas por ano. A Figura 22.2 mostra uma estimativa dos recurso
descobertas energia não-renovável de todos os tipos que ainda restam - ~-
Depósitos
ca de 360 mil quads.
conhecidos e Em 1999, o consumo mundial de energia foi de :L:
Econômicas
atualmente recu- quads, dos quais 35 eram não-renováveis (estima-se que
peráveis (reservas) Depósitos consumo eleve-se a 607 quads até o ano 2020). Entretan-
Depósitos hipotéticos cálculos baseados nesses números podem ser enganador=--
Subeconômicas conhecidos, porém Por exemplo, a simples divisão dos recursos totais pelo c -
não recuperáveis sumo anual pode levar-nos a concluir erradamente que ain_
atualmente
restam muitas centenas de anos antes de que precisemos
preocupar em relação ao esgotamento dos estoques. Con-.---
Aumenta a certeza da existência
do, as várias fontes de energia não são prontamente in ~-
cambiáveis e algumas se esgotarão antes de outras. Co
também veremos no Capítulo 23, cada um dos recurso :.::
Figura 22.1 Categorias que constituem as reservas totais. Os energia não-renovável impõe uma séria ameaça ao meio- --
recursos consistem em reservas - depósitos conhecidos, cuja biente, e o uso continuado daquelas fontes de que mais '=-
extração atual é economicamente rentável - e depósitos que são pendemos, como o carvão, o petróleo e o gás natural, pIO _
conhecidos, mas que são subeconômicos. As reservas não- velmente desencadeará mudanças climáticas, com cons=-
descobertas constituem os depósitos que podem ser qüências possivelmente terríveis.
encontrados.
CAPíTULO 22 • Energia e Recursos Materiais da Terra 553

Óxido de urãnio :
6,8 milhões
r----.....
-~-- 240.000
quads
Ias jazidas de carvão da Pensilvânia e da Virgínia do D.:se. _~
medida que a industrialização expandiu-se, o mesmo rorr-;:c~
de toneladas com a demanda de carvão. A pesquisa desse combu úye es -
Carvão e linhito lhou-se pelo mundo, mas a utilização do carvão diminuiu.
3,1 trilhões '67.500 quads Meio século depois que o primeiro poço de pe[róleo
de toneladas Estados Unidos foi perfurado, em 1859, esse bem energé . e
o gás natural já estavam começando a expulsar o can·ão. [0:--
Óleos pesados e
areias betuminosas 17.500 quads nando-se os combustíveis preferidos. Eles não só produzia::::<
3 trilhões de barris ' uma queima mais limpa, sem emitir cinza, como também p0-
diam ser transportados por oleodutos, trens e navios.
Petróleo cru
3 trilhões de barris 17.500 quads Nos últimos 25 anos do século XX, a energia nuclear foi in-
r
troduzida com expectativas de que se tomasse uma grande fon-
Gás natural te de energia, nova, de baixo custo e ambientalmente benigna.
2,6 trilhões de barris 14.800 quads ! Essas expectativas, entretanto, não se realizaram, por causa da
preocupações de segurança, pela incapacidade de descartar os
o 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 resíduos nucleares e pelos custos cada vez maiores dos proce-
Percentagem dos recursos energéticos do mundo dimentos de segurança, que restringiram a escalada de constru-
ção de plantas de energia nuclear.
Figura 22.2 Uma estimativa aproximada dos recursos As nações desenvolvidas dependem, primariamente, do pe-
energéticos não-renováveis que restam no mundo, considerando tróleo, do carvão, do gás natural e de um pouco de energia nu-
um total de 360 mil quads. As quantidades são fornecidas em clear. Nos países mais pobres, a lenha é uma importante fonte
unidades convencionais de peso (tonelada), volume (barril) e de combustível. A Figura 22.3 resume a história do uso de
quantidade de energia (quad). Uma tonelada corresponde a energia nos Estados Unidos. Em 1850, o carvão representava
1.000 kg; um barril de petróleo corresponde a 158,98 litros. Os menos de 5% da energia usada naquele país. Atualmente, o pe-
recursos de carvão e de linhito, por exemplo, chegam a 3,1 tróleo, o carvão e o gás natural representam quase 90% da ener-
milhões de toneladas, que são equivalentes a 67.500 quads, ou a gia utilizada. O consumo dessa energia é distribuído entre os
19'7'0dos recursos totais de energia. [World Energy Council] usos residenciais e comerciais (35,8%), industrial (37,0%) e de
transporte (27,1 %). Aproximadamente metade da energia pro-
duzida é perdida na distribuição e no uso ineficiente.

o uso de energia Os combustíveis fósseis


À medida que o mundo industrializou-se, a demanda por energia Há 150 anos, a maior parte da energia consumida nos Estados
aumentou e os tipos de energia mudaram. A Revolução Indus- Unidos vinha da queima de madeira. O fogo produzido pela
trial dos séculos XVIII e XIX foi movida pela energia do carvão
- na Grã-Bretanha, pelas jazidas de carvão da Inglaterra e do
País de Gales; na Europa Continental, pelas bacias carboníferas
madeira, em termos técnicos, é a combustão de matéria orgâni-
ca, consistindo em compostos de carbono e hidrogênio. A ma-
téria orgânica, nesse caso, é uma árvore, que obteve energia pa-
I
da Alemanha e dos países vizinhos; e, na América do Norte, pe- ra o seu crescimento por meio de um processo denominado fo-

100
I legenda:

11 Outros
Nuclear

11 Carvão
Petróleo

11 Gás natural
• Hidroelétrica

Madeira
--3,1%
1975 1985 1990 1994 1997 2000 • Tração animal,
vento e energia
Anos da água

Figura 22.3 Percentuais dos diversos tipos de energia usados nos Estados Unidos desde 1850 até 2000. O que está representado
como "Outros", no ano de 2000, significa 3,4'7'0, distribuídos em energia geotérmica, solar, biomassa, vento e outros tipos de energia.
[(U.s. Energy Information Agency, 2001)]
5541 Para Entender a Terra

tossíntese (ver Capítulo 23). Durante a fotossíntese, as plantas ~\


utilizam a energia fomecida pelo Sol para converter dióxido de {li
carbono e água em carboidratos. Assim, podemos considerar li'\,
~\
;j, I
. .t'O eo e gas natura ' I
um pedaço de madeira ou qualquer pedaço de material vegetal ~9'
como um produto fotos sintético que pode ser restabelecido por O petróleo (também chamado de "óleo cru") e o gás na
meio da queima, ou decaimento, ao dióxido de carbono e à que pode ser explorado, formam-se em condições ambientaS =
água a partir dos quais foi formado. geológicas especiais. Ambos são antigos detritos de formas -
Se queimarmos a madeira que foi soterrada e transformada, vida - plantas, bactérias, algas e outros microrganismos que - -
há 300 milhões de anos, em uma rocha combustível denomina- ram soterrados, transformados e preservados em sedimen.-
da carvão, estaremos utilizando a energia que foi armazenada marinhos.
por fotossíntese da luz do Sol do Paleozóico Superior. Estare-
mos recuperando uma energia "fossilizada". O petróleo e o gás
natural também foram criados por um processo de soterramen-
Como se formam o petróleo e o gás
to e de transformação química de matéria orgânica morta em O petróleo e o gás formam-se em locais onde a produção :.=
um combustível líquido e um gás, respectivamente. Referimo- matéria orgânica é maior que o total que é destruído por ba c::-
nos a todos esses recursos derivados de materiais orgânicos na- rias e por decaimento. Essa condição existe em ambientes o;:;:c
turais, desde o carvão até o gás natural, como combustíveis a produção de matéria orgânica é alta - tais como aqueles
fósseis (Figura 22.4) costas marítimas, onde grande quantidade de organismos se ::;'-
Mais de 85% da energia do mundo são atualmente deriva- produz e onde o suprimento de oxigênio é inadequado para '=-
dos dos combustíveis fósseis. compor toda a matéria orgânica. Muitas bacias de costa afo _
nas margens continentais, satisfazem essas duas condições.
tais ambientes, e, em menor grau, em deltas fluviais e mare _
teriores, a taxa de sedimentação é alta, e a matéria orgâni =
soterrada e protegida da decomposição.
Durante milhões de anos de soterramento, as reações q -
micas desencadeadas pelas temperaturas elevadas em profu:::-.
Armazenado na didade lentamente transformam parte do material orgânico
Luz do Sol atmosfera e
compostos de hidrogênio e carbono (hidrocarbonetos) líq_-
nos oceanos
dos e gasosos. Os hidrocarbonetos são os materiais combus~-
veis do petróleo e do gás natural. A-cQIJlpactação dos s --
mentos orgânicos lamosos, que são as fontes de hidrocarbo =-
tos, força os fluidos e os gases que os contêm a se deslocare=:
para as camadas de rochas permeáveis (como arenitos ou -
cários porosos), que são denominadas de reservatórios de
tróleo. A baixa densidade desses bens energéticos faz c
que eles ascendam até as partes mais altas que porven
possam alcançar, onde, então, flutuam no topo da água _
quase sempre ocupa os poros das formações permeáveis.

Armadilhas de petróleo4 As condições geológicas que fa -


.......,
Respiração e recem a acumulação em grandes proporções de petróleo e e:'"
Orga.nismos
VIVOS r--r~
.~ decaimento natural são combinações da estrutura com os tipos de rocha. _
quais criam uma barreira impermeável à migração desse
drocarbonetos para o topo - uma armadilha de petróleo. _~
gumas são causadas por uma deformação estrutural e são c
Soterramentode matéria
madas de armadilhas estruturais. Um tipo de armadilha esti'".:-
orgânicamortaem Queima
pilhassedimentares
tural é formado por um anticlinal, no qual uma camada im
meável de folhelho está sobrejacente a uma camada permeá\;:
de arenito (Figura 22.5a). O petróleo e o gás acumulam-se -
crista do anticlinal- o gás na posição mais alta, o petróleo 10e-
Transformações Combustíveisfósseis: abaixo - e ambos flutuam na água subterrânea que satura o (lli;-
químicas durante carvâo, petróleo, nito. Da mesma forma, uma discordância angular ou de sI
o soterramento
I gás natural mento em uma falha pode colocar uma camada mergulhante -.=
calcário permeável ao lado de um folhelho impermeável, cri -
do uma armadilha estrutural para petróleo (Figura 22.5b).
Figura 22.4 A fotos síntese produz matéria orgânica a partir de
tras armadilhas de petróleo são criadas pelo padrão original -
dióxido de carbono (C02) e água (H20). Se a matéria orgânica
sedimentação, como, por exemplo, quando uma camada m ~-
morta é transformada em carvão, petróleo ou gás natural, torna-
gulhante de arenito permeável estreita-se no contato com
se um produto fossilizado da fotossíntese - um combustível
folhelho impermeável (Figura 22.Sc). Essas são denomina -
fóssil. A queima de combustíveis fósseis liberta o dióxido de
carbono e a água que os constituem. de armadilhas estratigrájicas. O petróleo pode também ~
CAPíTULO 22. Energia e Recursos Ma en",'- _ =~ 555

::) Armadilha anticlinal aprisionado por uma massa impermeável de sal eIü E~:::;:u:;,ES;;5
Bombeamento de petróleo
de domos de sal (Figura 22.5d).

Rochas geradoras Na sua procura por petróleo. os ==


mapearam milhares de armadilhas estruturais e es _
nas mais diversas regiões do mundo. Somente uma fraçãn -.;=~
provou conter petróleo ou gás, pois a simples existên .a =
armadilha não é suficiente. Ela conterá petróleo somente -= "'-
tiverem presentes as camadas geradoras, se tiverem acomeci
reações químicas apropriadas e se o petróleo puder migrar c.
Folhelho
a armadilha e lá permanecer, sem ser posteriormente pertnrba-
impermeável
do por muito aquecimento ou deformação. Embora o petróleo e
Rocha-reservatório o gás não sejam raros, a maioria dos depósitos mais fácil de en-
permeável, contrar já foi localizada, e toma-se cada vez mais difícil deter-
saturada em água minar novos campos.
D) Armadilha de falha

A distribuição mundial de
petróleo e gás natural
Se você visitasse os escritórios de exploração e de pesquisa de
uma grande companhia petrolífera, encontraria mapas, relató-
rios e secções geológicas das rochas sedimentares das regiões
em que a companhia já operou, pois onde houver pacotes es-
pessos de rochas sedimentares, haverá a possibilidade de en-
Folhelho contrar petróleo. Nos Estados Unidos, entre os 50 estados que
impermeável compõem a federação, 31 produzem petróleo para o mercado, e
pequenas ocorrências não-comerciais são conhecidas na maio-
Rocha-reservatório ria dos demais. Muitas províncias canadenses também produ-
permeável, zem petróleo.
saturada em água Duas das mais ricas e importantes regiões produtoras de
(c) Armadilha estratigráfica petróleo do mundo são o Oriente Médio e a área em tomo do
Golfo do México e do Caribe. Os campos petrolíferos do
Oriente Médio, como os do Irã, Kuwait, Arábia Saudita, Iraque
e região de Baku, no Azerbaidjão, contêm cerca de dois terços
das reservas mundiais conhecidas. Da área altamente produti-
va do Golfo-Caribe, fazem parte a região do Texas-Luisiana,
México, Colômbia e Trinidad. A Arábia Saudita detém as
maiores reservas, e os Estados Unidos ocupam a oitava posi-
ção. A Figura 22.6 resume as reservas de petróleo em várias
partes do mundo.
Folhelho
impermeável
o petróleo e o meio ambiente
Rocha-reservatório
A poluição é o principal problema da perfuração de petróleo no
permeável,
mar. O ambiente próximo a Santa Bárbara, na Ca1ifómia
saturada em água (EUA), sofreu grandes danos em 1969, quando houve derrama-
(d) Armadilha em domo de sal mento acidental de petróleo em uma plataforma que estava per-
furando costa afora. Em 1979, um poço que estava sendo per-
furado no Golfo do México, mar adentro da costa de Yucatán,
"explodiu", derramando cerca de 100 mil barris de petróleo por
dia, durante muitas semanas, até que o vazamento pudesse ser
contido. Em 1988, uma explosão destruiu uma plataforma de
perfuração no Mar do Norte, matando muitos petroleiros e ani-

Gás

Folhelho
impermeável
Figura 22.5 Armadilhas de petróleo. (a) Armadilha anticlinal;
Gás (b) armadilha de falha; (c) armadilha estratigráfica; (d) petróleo
Rocha reservatório bloqueado por domo de sal. O gás natural e o petróleo são
permeável, aprisionados por uma camada impermeável acima da formação
saturada em água permeável produtora de petróleo, que flutua sobre a água.
5561 Para Entender a Terra

Reservas de petróleo medidas até o fim de 2000 685,6 bbl


Bilhões de barris (bbl) (65'70 )
65,4 bbl (6'70)
('70 do total mundial)
____ ~r___o~ ~

ex-União
18,7 bbl (2'70) Soviética

Europa

América do Norte
96 bbl (9'70)
Oriente Médio

76,7 bbl (7'70)


43,8 bbl(4'70)

América Central
e do Sul África Ásia/Pacífico

Figura 22.6 Reservas de petróleo estimadas até o fim do ano de 2000, por região. [Dil and Cas Journal, December 28, 2000:
© Penwell Publications)

mais marinhos. O vazamento do navio Exxon Valdez,5 em alto


mar na costa do Alasca, em 1989, com espalhamento de 240
mil barris de petróleo em águas costeiras impolutas, foi cober-
to pela televisão e pelos jornais, e aumentou a vigilância do pú-
blico a respeito dos graves danos ecológicos que podem resul-
tar de derramamentos desse tipo (Figura 22.7). Apesar desses
incidentes e da dificuldade de garantir a segurança de um poço
ou de um navio-tanque, os proponentes do desenvolvimento da
indústria de petróleo acreditam que equipamentos cuidadosa-
mente projetados e procedimentos adequados podem reduzir as
chances de acidentes sérios.
Há grandes recursos de petróleo e gás na planície costeira
do Alasca e nas plataformas continentais submersas da Améri-
ca do Norte. As águas profundas da margem continental do
Golfo do México representam, entre os novos alvos para a pros-
pecção de petróleo e gás, um dos mais promissores. Muitas
pessoas argumentam que essas áreas ainda terão de ser perfura-
das para satisfazer as crescentes demandas energéticas do mun-
do. Um público cético, entretanto, não se convence de que a
perfuração pode ser feita sem constituir séria ameaça a esses
ambientes intocados.
Atualmente, existe em Washington um debate político acirra-
do sobre a permissão para perfurações de petróleo e gás no Refú-
gio Nacional da Vida Selvagem do Ártico.6 Não restam dúvidas de
que esses recursos contribuiriam para a economia nacional. Po-
rém, a produção de petróleo e de gás requer a construção de estra-
das, oleodutos e habitações em um ambiente ecológico muito frá-
gil, que é uma área particularmente importante para a criação de Figura 22.7. Efeitos causados na vida selvagem pelo
alces, bois-almiscarados, gansos-da-neve e muitos outros animais derramamento de petróleo de um navio-tanque, o Exxon Valdez.
selvagens. na Baía Príncipe William, Alasca (EUA). [UPI/Corbis-Bettmann)
CAPíTULO 22 • Energia e Recursos 2te '2is d2 Terra 557

Petróleo: um recurso esgotável Muitas pessoas nos Estado -nido- <l! 'tlliII que a depen-
dência de fontes externas de petróleo deseillibilizaria poten-
2mbora um proprietário de terra, ao observar o petróleo jorran-
cialmente, a economia. Algumas nações expona orns êe perró-
o espontaneamente de uma torre de exploração em sua proprie-
leo nem sempre foram fornecedores confiá\'ei . tendo corrado
dade, possa considerar a idéia inconcebível, aquele poço um dia
as exportações por causa de desentendimentos políticos e de
';ai secar. O que o mundo quer saber é em quanto tempo todos os
guerras. Outras nações industriais, que dependem de impona-
yoços vão estar secos. A demanda mundial tem acelerado rapi- ções de petróleo, como o Japão, a França e a Alemanha tem
damente. A quantidade de petróleo que foi retirada do subsolo preocupações semelhantes. Por outro lado, a Rússia e o paíse
aos últimos 20 anos representa o dobro da que foi retirada nos da extinta União Soviética almejam tomar-se os no\"os e onfiá-
100 anos anteriores. São necessários milhões de anos para for- veis fornecedores.
;:uaro petróleo, e o ser humano está esgotando-o em um período
- cular. Os processos naturais não podem repor o suprimento de Redução do consumo de petróleo As nações importadoras de
petróleo com a mesma velocidade com que o utilizamos. petróleo têm opções para reduzir sua vulnerabilidade. Podem
Dos 360 mil quads que compõem o suprimento total de re- modificar seus padrões de uso de petróleo e, assim, reduzir suas
-ervas de energia do mundo, cerca de 17.500 são de petróleo (o necessidades de importação. Os motores de automóveis e de
~quivalente a 3 trilhões de barris). O tempo que esse petróleo vai aeronaves podem ser projetados para usar de forma mais efi-
urar depende da velocidade com que o utilizarmos e do nosso ciente o combustível. Se pudéssemos dobrar a economia média
-ucesso em converter os recursos em reservas. Alguns especia- de combustível da frota automobilística dos Estados Unidos, as
listas predizem que a produção de óleo vai alcançar um pico na importações de petróleo poderiam ser reduzidas em 40%. Os
próxima década e então começará a declinar à medida que as re- automóveis podem utilizar gás natural ou baterias elétricas, ou,
ervas forem se esgotando. Outras autoridades acreditam que, ainda, etanol, uma forma de álcool produzida a partir da bio-
havendo novas áreas disponíveis para prospecção e novos méto- massa (biomassa é material que contém carbono orgânico, tal
dos para descobrir e produzir petróleo, a produção mundial não como plantas e restos que podem ser utilizados como combus-
omeçará a declinar até mais ou menos 2050, e que grande par- tível). Os automóveis poderiam ser, também, movidos a hidro-
gênio. Precisaríamos desenvolver novas tecnologias para pro-
te do óleo que ainda sobrar terminará em 85 anos. O estoque de
duzi-Io em quantidades suficientes, e seria necessário que os
petróleo que sobrar poderá durar mais tempo, com a introdução
preços se tomassem competitivos. Infelizmente, a produção de
de novas tecnologias para descobrir novos campos petrolíferos e
hidrogênio também pode emitir dióxido de carbono. O Depar-
para produzir petróleo a partir deles com mais eficiência. O su-
tamento de Energia dos Estados Unidos8 iniciou um programa
primento de petróleo poderia também ser estendido se começar-
mos a utilizar combustíveis alternativos ou se o consumo entrar de pesquisa para investigar o uso de hidrogênio em motores de
veículos.
em declínio, como aconteceu, devido à conservação e desacele-
Esses combustíveis alternativos são menos poluentes que a
ração industrial que decorreu da recessão do começo da década
gasolina. O Brasil abastece quase todos os seus veículos com
de 1980. Por outro lado, o petróleo poderá acabar mais cedo se etanol9 feito a partir de cana-de-açúcar e, assim, não necessita
o consumo aumentar, o que parece mais provável. Monis Adel- importar petróleo para o sistema de transportes. 10 Entretanto,
man, um respeitado economista e cético do Instituto de Tecno- são necessárias novas tecnologias para melhorar esses combus-
logia de Massachussets,7 desafia as estimativas pessimistas refe- tíveis alternativos, baixar seus preços e montar sistemas de pro-
rentes aos suprimentos de petróleo: "Ninguém sabe quanto hi- dução e distribuição em larga escala. Melhorias são também
drocarboneto existe ou qual a percentagem que poderá vir a ser necessárias nos motores que utilizam esses combustíveis. O Es-
recuperável. A tendência de exaurir uma fonte é contrabalança- tado da Califórnia (EUA) está avançando em relação aos de-
da pelo avanço do conhecimento". Ele acredita que, com a me- mais ao exigir que os fabricantes de automóveis utilizem moto-
lhoria da tecnologia de prospecção e de produção, as reservas de res mais eficientes e menos poluentes.
petróleo continuarão a aumentar. Ou. S. Geological Survey re- Na verdade, nunca "ficaremos sem" petróleo. À medida que
centemente aumentou em 20% as estimativas dos recursos pe- o recurso diminui, os preços subirão até um nível que não per-
trolíferos que havia feito há seis anos. mitirá a sua aquisição pelos compradores. Considerando as at-
uais taxas de uso, ainda temos 50 ou 100 anos de petróleo no
O consumo nos Estados Unidos é maior que a produção A subsolo, até que essa herança deixada pela natureza se acabe, e
produção de petróleo nos Estados Unidos está em declínio, de ainda não podemos proclamar o fim da sua era. Entretanto, um
11,3 milhões de barris por dia, em 1970, até 8 milhões de bar- século pode ser um período mínimo para que possamos plane-
ris diários em 2000. Com a manutenção das atuais taxas de con- jar e implementar uma mudança de novos sistemas de transpor-
sumo, as restantes reservas medidas de petróleo dos Estados te, produção industrial e uso residencial. Necessitaremos usar
Unidos (23 bilhões de banis, ou seja, 1 bilhão a mais que na mais transporte de massa ao invés de automóveis, projetar car-
edição anterior deste livro) serão suficientes para suprir a de- ros e aeronaves com utilização mais eficiente de combustíveis e
manda de, aproximadamente, 10 anos. As importações de pe- colocar mais ênfase na conservação de energia na indústria, no
tróleo preencherão essa lacuna. Atualmente, os Estados Unidos comércio e nos lares. Sem tal planejamento de novas alternati-
consomem cerca de 18 milhões de barris de petróleo por dia, vas e de conservação, muitas nações poderão deparar-se com
dos quais 10 milhões são importados. Em uma ou duas déca- rupturas sociais e econômicas, quando os sistemas de transpor-
das, o país será dependente de importações para obter a maior te e as linhas de produção pararem e quando as casas ficarem
parte do seu petróleo. O custo das importações poderia chegar mais frias no inverno, caso o petróleo venha a se tornar tão es-
a muitos milhões de bilhões de dólares anuais. casso e com preço proibitivo.
5581 Para Entender a Terra

Gás natural tural proveniente dos campos da Sibéria é canalizado para


dências na Alemanha. Por essas razões, esse bem é um cornlr--i-
Os recursos de gás natural são comparáveis àqueles de petróleo
tÍvel recompensador e responde por cerca de 24% do tota: ==
(ver Figura 22.2) e podem excedê-Ios nas próximas décadas. As combustíveis fósseis consumidos anualmente nos Estados L~-
estimativas dos recursos de gás natural têm crescido, nos últimos
dos, sendo a maior parte na indústria e comércio (55%), s~-
anos. A prospecção desse combustível relativamente limpo au-
do por usos residenciais (24%) e na geração de energia elé~
mentou, e armadilhas geológicas foram identificadas em novos
(21 %). Mais de metade das residências americanas e a gr~
ambientes, tais como formações muito profundas, cinturões de maioria dos estabelecimentos industriais e comerciais estão _ -
cavalgamento, camadas de carvão, arenitos pouco impermeáveis nectados a uma rede subterrânea de gasodutos, que trazem ::
e folhelhos. As reservas mundiais de gás natural sofreram menos de campos dos Estados Unidos, do Canadá e do México. As;:;:'-
esgotamento porque o uso desse bem é recente no cenário ener- servas de gás natural dos Estados Unidos devem durar, -
gético. Ele foi usado em grandes proporções somente nos Esta- menos, mais 10 anos, e os recursos deverão durar 35 ano
dos Unidos e nos países da antiga União Soviética. mantidos os níveis atuais de consumo. Provavelmente, a ,::....
A queima de gás natural produz menos dióxido de carbono útil será mais longa, se forem encontradas acumulações no
por unidade de energia gerada que a combustão de carvão ou vos ambientes geológicos descritos anteriormente, o que ca.I!5:
petróleo. O gás natural é principalmente o metano (CH4); ria, também, diminuição das importações do Canadá e do ~~-
quando ele queima, combina-se com o oxigênio atmosférico, xico.
fornecendo energia sob forma de calor e produzindo dióxido
de carbono e água. O carvão e o petróleo contêm carbono, hi-
drogênio, oxigênio, nitrogênio e enxofre. A combustão de car-
vão e de petróleo origina mais dióxido de carbono e outros po-
luentes, por unidade de energia produzida, que a combustão de
gás natural. Os abundantes fósseis de plantas encontrados nas camadas --
Além de ser menos poluente que o carvão e o petróleo (pou- carvão evidenciam que ele se forma a partir de vastas acum~
cas cinzas ou precursores de chuva ácida são liberados), o gás ções de materiais vegetais, como aqueles encontrados em pâG::-
natural é mais fácil de ser transportado. Por exemplo, o gás na- nos. À medida que a luxuriante vegetação dos pântanos mar;:;:;

Ambiente úmido,
vegetação abundante

10 m linhito __,.L .l i

_~"'"_""' __ 'lV_"'~

A acumulação superficial
de restos de folhas,
==~
gravetos, galhos e de outros
fragmentos de vegetação é
soterrada como um o soterramento pouco
depósito de pãntano, profundo transforma a
turfa em linhito.
sendo parcialmente
decomposta e comprimida
para formar a turfa.

o aumento do soterramento, A continuação do


por centenas ou milhares soterramento e a deformação
de metros de sedimentos, estrutural, mais calor,
Figura 22.8 O processo de formação de camadas de carvão transforma o linhito em metamorfizam o carvão macio
começa com a deposição de vegetação. carvão macio (betuminoso). em carvão duro (antracito).
CAPíTULO 22 • Energia e Recursos Materiais da Terra' 559

Legenda:
Linhito

Carvão sub-betuminoso

Carvão betuminoso

• Antracito

Figura 22.9 Jazidas de carvão dos Estados Unidos. [U.S. Bureau of Mines]

deposita-se no solo encharcado de água. O rápido soterramento quando o preço do petróleo começou a subir, e, atualmente, res-
pelas demais folhas que caem e a imersão em água protegem os ponde por cerca de 23% da energia consumida.
gravetos, galhos e folhas da decomposição total, pois as bacté-
rias que decompõem a matéria vegetal não obtêm o oxigênio de Custos ambientais do carvão
que necessitam. A vegetação acumula-se e gradualmente trans-
forma-se em turfa, uma massa marrom porosa de matéria orgâ- Existem vários problemas com a extração e o uso do carvão que
nica na qual os gravetos, raízes e outras partes de plantas podem o tomam menos desejável que o petróleo ou o gás, seja ele quei-
ainda ser reconhecidos (Figura 22.8). A acumulação de turfa mado ou convertido em um combustível líquido sintético. Gran-
em um ambiente pobre em oxigênio pode ser observada em pân- de parte dos carvões contém enxofre, que se vaporiza durante a
tanos e locais alagadiços modernos. Quando seca, a turfa quei- combustão e libera óxidos de enxofre nocivos para atmosfera. A
ma facilmente, pois tem cerca de 50% de carbono. chuva ácida, que se forma quando esses gases se combinam, es-
À medida que o tempo passa, com a continuação do soter- tá se tomando um problema sério no Canadá, na Escandinávia,
ramento, a turfa é comprimida e aquecida. As transformações no nordeste dos Estados Unidos e no leste da Europa (ver Capí-
químicas aumentam ainda mais o seu teor de carbono, que já é tulo 23). A cinza de carvão é o resíduo sólido que permanece
alto, transformando-a em linhito, um material parecido com após a queima do mesmo. Ela contém impurezas metálicas do
carvão, muito macio, de cor marrom-escura, que contém cerca carvão, algumas das quais são tóxicas. A quantidade de cinza for-
de 70% de carbono. As temperaturas mais altas e a deformação mada pode ser da ordem de várias toneladas em cada centena de
estrutural que ocorrem em níveis profundos de soterramento tonelada de carvão que é queimada, e representa um sério proble-
podem metamorfizar o linhito em carvão sub-betuminoso e be- ma de disposição de rejeitos. Ela pode escapar das nuvens de fu-
tuminoso, também denominado de carvão macio, e, por fim, em maça, causando riscos à saúde das pessoas que moram na direção
antracito, ou carvão duro. Quanto mais alto o metamorfismo, do vento. A mineração a céu aberto, em que o solo e os sedimen-
mais duro e brilhante será o carvão, e maior o seu teor de car- tos superficiais são retirados até alcançar as camadas de carvão,
bono, que aumenta seu valor econômico. O antracito tem mais pode devastar a paisagem, se o solo não for recomposto (Figura
de 90% de carbono. 22.10). Os acidentes em minas subterrâneas tiram as vidas de
muitos mineiros a cada ano, e muitos outros sofrem de pulmão
negro, que é uma inflamação debilitante desse órgão, causada pe-
Os recursos carboníferos la inalação de partículas de carvão.
De acordo com algumas estimativas (ver Figura 22.2), a quanti- As normas federais atualmente requerem que tecnologias
dade de carvão existente no mundo é de cerca de 3,1 toneladas. para a queima "limpa" do carvão sejam adotadas. A lei obriga a
Os maiores produtores são os Estados Unidos (Figura 22.9), os recomposição do terreno e a redução dos riscos a que são sub-
países da antiga União Soviética e a China, que, juntos, detêm metidos os mineiros. Entretanto, essas medidas são caras e au-
cerca de 85% dos recursos carboníferos mundiais (países da an- mentam o custo do carvão. Tais restrições, no entanto, prova-
tiga União Soviética, 50%; China, 20%; Estados Unidos, 15%). velmente não evitarão o aumento da utilização desse combustí-
Os recursos domésticos de carvão dos Estados Unidos durariam vel, que é muito mais abundante que o petróleo. Muitos países
algumas centenas de anos, nas taxas de uso atuais - cerca de 1 não têm outros recursos energéticos, e alguns não terão nem
bilhão de toneladas por ano. O carvão vem suprindo grande par- condições de importar petróleo, cujo preço aumentará à medi-
te das necessidades de energia dos Estados Unidos desde 1975, da que os estoques diminuírem.
560 I Para Entender a Terra

Figura 22.10 (Esquerda) Mina de carvão a céu aberto. (Direita) Mina de carvão a céu aberto após exaustão,
ambas em Buskin, Indiana, EUA. [Fotos: cortesia da Companhia de Carvão Vigo (Viga Coal Company)j

·'~rnativas aos tão de um pedaço de carvão com a mesma massa. Nos Esta~
Unidos, cerca de 110 reatores nucleares produzem, hoje, c _
ómbustíveis fósseis de 20% da energia elétrica consumida. A França obtém 75Cíc --
sua energia elétrica a partir de fontes nucleares. Atualmente. '-
Se o petróleo e o gás continuarem a ser os recursos usados pre- mais de 400 reatores nucleares produzindo energia em 25
dominantemente para a satisfação do voraz apetite por energia ses. Se todo o potencial da energia nuclear for utilizado, ela::" -
que o mundo tem, a maior palte do estoque mundial será exauri- derá satisfazer as demandas de energia do mundo durante ~
da dentro de um século. O carvão, provavelmente, continuará tenas de anos.
sendo o combustível fóssil predominante em muitos países. Po-
de ser tranqüilizante saber que, se as taxas de aumento do consu- Reservas de urânio Um aspecto da energia nuclear está defi:::õ..-
mo de energia subirem em ritmo moderado - digamos, cerca de tivamente contido no campo da Geologia: a questão das reser _
3% ao ano -, o carvão poderá suprir as necessidades de energia de urânio. Presente em pequenas quantidades na crosta terre t;=
do mundo durante cerca de cem anos ou mais. Essa segurança, o urânio constitui apenas 0,00016% das rochas da crosta COIL:-
entretanto, pode ser falsa. O dióxido de carbono liberado da nental. O isótopo que entra em processo de fissão e que libc=
combustão de combustíveis fósseis poderá desencadear mudan- energia, o U235,constitui apenas um entre 139 átomos de u~
ças climáticas que poderiam forçar o abandono desses combus- que são minerados. No que diz respeito ao conteúdo de ene~
tíveis fósseis muito antes de sua exaustão (ver Capítulo 23). entretanto, o urânio é potencialmente nosso maior recurso en~-
Essas estimativas não levam em conta a possibilidade de gético capaz de ser explorado (ver Figura 22.2). Ele é tipicarnc-
que possamos aprender a encarar nossa crescente necessidade te encontrado como pequenas quantidades do mineral uraniJ:j=.
de energia por meios não-tradicionais: pelo aumento da eficiên- (um óxido também denominado de pechblenda) em veio -=
cia do uso dos combustíveis fósseis e pelo desenvolvimento e granitos e de outras rochas ígneas félsicas. O urânio pode ~-
uso de fontes de energia alternativas, tais como a energia nu- bém ser encontrado em rochas sedimentares. Em águas sub ~-
clear, solar, geotérmica e a energia derivada da biomassa. Se as râneas próximas à superfície, o urânio das rochas ígneas
fontes alternativas puderem ser utilizadas, a pressão sobre os ser oxidado e dissolvido, sendo transportado e, mais tarde. :;:'-
recursos de combustíveis fósseis poderá ser reduzida e sua so- precipitado como uraninita, nas rochas sedimentares.
brevida, aumentada.
Riscos da energia nuclear Dois acidentes nucleares levan~-
ram dúvidas a respeito da segurança da energia nuclear. O pL:-
A energia nuclear gerada a partir do urânio meiro foi no reator de Three Mile Island, na Pensilvânia (Eu.-_
A primeira utilização do urânio (U23S)foi em uma bomba atô- em 1979. Um reator foi destruído, e fragmentos radiativo ~--
mica, em 1944. Entretanto, os físicos nucleares, ao observarem ram produzidos, porém ficaram confinados no edifício em" -
pela primeira vez a vasta quantidade de energia liberada pela vente. Embora ninguém tenha sido ferido, muitos especiali
divisão espontânea (fissão) do núcleo do urânio, previram a concordam que foi uma situação-limite. Muito mais séria foi_
possibilidade de aplicações pacíficas dessa fonte de energia. destruição do reator nuclear da cidade de Chernobyl, na
Após a Segunda Guerra Mundial, essas previsões concretiza- nia, em 1986. O reator ficou fora de controle, por causa de er:::
ram-se à medida que muitos países construíram reatores nu- de projeto e por erro humano, e destruiu-se. Os fragmento 1.:
cleares para produzir energia nuclear: a fissão do U23Slibera diativos foram ejetados na atmosfera e calTegados pelos ven-
calor para produzir vapor, que, então, move as turbinas para ge- até a Escandinávia e a Europa Ocidental. A contaminação G..
rar eletricidade. A fissão de um pedaço de U235produz uma solo e das construções tomou centenas de quilômetros qua _
quantidade de energia 3 milhões de vezes maior que a combus- dos da região em tomo de Chernobyl inabitáveis. Estoque ::.=
CAPíTULO 22 • Energia e Recursos ateriais da Terra 1561

.ilimentos em muitos países foram comprometidos pela queda A energia solar


:i~contaminantes e tiveram de ser destruídos. O excesso de
=:Jortesdecorrentes de câncer provocado pela exposição ao ma-
Um entusiasta da energia solar recentememe no I mbrou que,
a cada 20 dias, a Terra recebe do Sol a energia equiyalente a to-
:=rial precipitado pode ser da ordem de milhares, nos próximos
-.:o anos. das as reservas planetárias de carvão, petróleo e gás natural.
O urânio consumido nos reatores nucleares produz muitos Como todas as nossas fontes de energia fóssil. no final das on-
cjeitos radiativos que devem ser armazenados (ver Reporta- tas, vêm mesmo do Sol, por que não converter seu raio em
~em 22.1). Um sistema seguro de armazenagem de rejeitos por energia? Em princípio, o Sol pode fornecer-nos toda a energia
~ríodos longos não está ainda disponível, e os rejeitos de rea- de que precisamos, sob todas as formas que usamos. Ao luz do
:ores estão sendo mantidos em depósitos temporários, nos 10- Sol pode ser convertida em calor e eletricidade. Pode mesmo
::ais onde se situam os reatores. Daqui a poucos anos, o espaço ser utilizada para obter hidrogênio, o qual, por sua yez. tem
~ ponível para o armazenamento temporário alcançará o seu aplicação como combustível gasoso, a partir de água. A ener-
:imite nos Estados Unidos. Embora muitos cientistas acreditem gia solar não apresenta riscos e é inesgotável- o Sol vai conti-
que a contenção geológica - enterramento de rejeitos nucleares nuar a brilhar pelo menos durante os próximos bilhões de ano .
;:-mformações rochosas impermeáveis, profundas e estáveis - Infelizmente, a atual tecnologia para converter em grande esca-
seja uma solução a ser trabalhada, não há ainda um plano apro- la a energia solar em formas úteis é ineficiente e cara, embora
'.-adopara a armazenagem dos rejeitos mais perigosos por mui- esteja melhorando.
centenas ou talvez milhares de anos necessários até que eles A médio prazo, a única forma de energia solar que prova-
deixem de ser radiativos. A França e a Suécia construíram ou velmente estará disponível com custos quase competitivos com
depósitos ou reservatórios de rejeitos nucleares subterrâneos, aqueles de outras fontes de energia será aquela utilizada para o
mas os Estados Unidos estão ainda no estágio de pesquisa, de- aquecimento de residências, água e processos industriais e
-envolvimento e testes. Estão ainda envolvidos em litígio judi- agrícolas. Algumas residências e fábricas utilizam energia so-
ial com o Estado de Nevada, que luta contra o Governo Fede- lar com esses fins, motivados, em parte, por créditos de impos-
ral para evitar a construção de depósitos de rejeitos dentro de tos e outros incentivos.
-eus limites estaduais. Ninguém quer deixar para as gerações A energia solar pode ser utilizada para gerar eletricidade de
futuras uma herança de recursos energéticos exauridos combi- várias formas. Os sistemas de geração de energia solar estão sen-
nada com riscos ambientais que, talvez, sejam impossíveis de do utilizados para onde os custos não são um impedimento, co-
-er gerenciados. mo projetos para demonstração ou áreas remotas, onde outras al-
Nos Estados Unidos, esses problemas não-resolvidos foram ternativas não estão disponíveis (Figura 22.11). Porém, a eletri-
fundamentais para inibir a instalação de novas plantas de energia cidade gerada por energia solar em grandes proporções ainda
nuclear, que também tem sido postergada em outros países. A não constitui uma alternativa às fontes convencionais de uso ge-
preocupação acerca da segurança dos reatores nucleares, de seu ral. A eficiência da conversão da luz do Sol em eletricidade está
alto custo e da disposição segura de seus rejeitos terá de ser alivia- aumentando, mas ainda é muito baixa, e os custos de instalação
da, antes que possamos iluminar o mundo com energia nuclear. e de manutenção dos sistemas ainda são muito altos. Além disso,

Figura 22.11 As células solares


convertem a luz do Sol, que é um
recurso renovável, em energia
elétrica, nessa instalação em um
remoto povoado do Nepal. [Ned
Gilletle/Corbisj
5621 Para Entender a Terra

22.1 Contaminação subsuperficial por ainda maiores poderiam se seguir, se não fosse providencia-
da a recuperação efetiva da área. Em Hanford, há riscos dE
lixo tóxico e nuclear
saúde potenciais para os índios norte-americanos, que têr.
direitos assegurados por tratados de usar a terra, o Rio (o-
Hásobre
algumas décadas,
os efeitos sabíamos
causados muito
pelos menos
resíduos do que
tóxicos no hoje
am- lúmbia e suas margens para agricultura, caça e pesca. O risc

I biente ecomo
• cemos na saúde. O lixo
perigoso, foiindustrial
largado noe militar;que hojeem
solo, colocado reconhe-
poços,
ecológico primário refere-se à descarga de plumas tóxicas nas
áreas de desova de salmões do Rio Colúmbia.
i lagos e rios ou, ainda, descarregado no subsolo. Como resulta- Hanford e os outros sítios do Programa Superfundo leva -

I do,
§
muitas nações receberam um legado de sítios de lixotóxico
capazes de colocar em perigo a saúde pública ou causar sérios
tam uma série de questões econômicas, sociais e de políticas -
losóficas desafiadoras para o povo americano. Por exemplo.
I! danosNosaosEstados
recursos ambientais.
quais deveriam ser os objetivos de recuperação desses sítiosf
I Unidos, graças aos movimentos ecológicos, Algumas das opções são: (1) a condição original dessa "árez
natural"; (2) a recuperação parcial, para alcançar um estad
~ leis restritivas regulamentando os sítios de deposição de lixo
I tóxico foram aprovadas em 1980. Conhecidas coletivamente
~ como Programa Superfundo (Superfund Program), essas leis
que represente um risco aceitável para a saúde e que não colo-
que em perigo um recurso ecológico importante, como as áreas
I foram concebidas para limpar por completo aqueles sítios. A de desova de salmões; (3) uma restauração incompleta, do .
po "antiga área degradada",12 até um estado que permita o use
! Acontaminação, se puderem ser encontrados, paguem os custos.
Agência de Proteção AmbientalTI identificou cerca de 1.300
comercial ou industrial, porém não residencial; e (4) uma tran-
siçâo até um estado de controle total, em que o solo é retiraá
responsabilidade retroativa requer que os responsáveis pela
I sítios
tI!

e os contaminantes são contidos e monitorados para evitar q E


contaminados que representam sérias ameaças. Entre es-
§ ses, os mais perigosos e difíceis de limpar são as instalações do se espalhem para fora da área. Emalguns sítios, onde as OPÇÕe5
I Governo Federal que foram formalmente encarregadas da pro- (1) e (2) não podem ser alcançadas com a tecnologia dispo '.
I! dução de armas nucleares. A recuperação dessas instalações
constitui o projeto de remediação ambiental mais caro do mun-
vel atualmente, os únicos recursos são as opções (3) e (4).
A estimativa do efeito de uma determinada trajetória de re-
I do, com custos estimados em 200 a 350 bilhões de dólares cuperação da saúde ou das condições ambientais é denomina-
da de avaliação de risco. A incerteza em relação à exposiçã
lizados em 30 estados. que irá resultar e a discordância em relação a quais níveis ée
~.I;. para os próximos 70 anos. Há mais de 100 desses sítios, loca- saúde e de efeitos sobre o ambiente são aceitáveis fazem co
Muitos geólogos, bem como outros cientistas e enge-
que as avaliações de risco sejam muito debatidas. Entretant .
."• nheiros,
1_, que é particularmente
estão engajados
difícil,
em pois
um processo
os contaminantes
de recuperação
são, ao as avaliações de risco são importantes ferramentas para os to-
madores de decisões, que, por força de lei, devem realizar as
mesmonão-saturadas
, zonas
I,. tempo, tóxicos e osquímicos
aqüíferose (ver
radiativos,
Capítuloe os
13)solos, as
de mui- ações de recuperação.
~ tos desses sítios estão poluídos. O sítio de Hanford, no Esta- As decisões de recuperação são tomadas por meio de acor-
I do de Washington, é um exemplo. Os resíduos são derivados do coletivo entre o Departamento de Energia dos Estados U .
dos 13e os agentes federais e estaduais de regulação do meic
;~' terradas e tambores
de tanques cheios de sólidos
de armazenamento radiativos, além
com vazamentos, caixasdeen-
lí- ambiente. Em anos anteriores, as atividades de fabricação dE
I quidos contaminados que foram descarregados no solo e no armas nucleares eram mantidas em segredo, e o governo era i

Ie lençol
planíciefreático, no passado.de Hanford
aluvial composta está localizado
areias e cascalhos em uma
sobrejacentes
sensível em relação aos riscos para a saúde e efeitos ambien-
tais. Atualmente, o Departamento de Energia leva em conta as
I a basaltos dobrados e fraturados. Em geral, os fluidos conten- preocupações socioeconômicas, culturais e éticas em suas de-
I doaqüífero,
resíduos fluem para a zona não-saturada até alcançarem o
onde seguem para o Rio Colúmbia. As taxas de flu-
cisões. Ele também mantém os governos locais, as comunida-
des afetadas e outros grupos de interesse informados e levaerr:
xo variam de acordo com as condições geológicas locais, tais consideração suas opiniões.
como a permeabilidade de uma formação e seu conteúdo or- Muitos cientistas preocupam-se com os acordos de rec
gânico e mineral (ver bloco-diagrama ao lado). Alguns conta- peração feitos entre o Departamento e os órgãos reguladores.
minantes tornam-se quimicamente ligados aos minerais ou nos quais acabaram tendo um papel reduzido ou sequer fora
aderem aos sedimentos e dificilmente movem-se; outros, mo- envolvidos. Como conseqüência, alguns dos compromisso:
vimentam-se facilmente com a água subterrânea. As nascen- firmados não puderam ser cumpridos simplesmente porqUE
tes e fontes da área estão contaminadas. Em um período de não havia tecnologia disponível no momento, o que resulto.
20 anos, alguns resíduos tóxicos e radiativos migraram até o em litígios e em perda de credibilidade do DOE. Em uma situe-
Rio Colúmbia, causando a preocupação de que quantidades ção dessas, em que a solução coloca-se como impossível,14o:
CAPíTULO 22 • Energia e Recursos Materiais da Terra 563

fundos para pesquisas científicas destinadas a descobrir tec- A não ser que a nação americana reconheça que a recupe-
nologias novas e menos dispendiosas para uma recuperação ração desses sítios é um problema nacional e que os recursos
mais efetiva do meio natural acabaram sendo reduzidos - e, necessários devem ser fornecidos para se encontrar e imple-
com isso, diminuíram as chances de as pesquisas descobrirem mentar novas soluções, muita verba será despendida usando a
soluções melhores e mais baratas. tecnologia disponível, que deixará muito a desejar.

Metros
acima
do nível
do mar Plantas para reprocessamento de combustível
e instalações para gerenciamento de resíduos

Rio Colúmbia

Sítio Hanford

Os efluentes radiativos Iixiviados através dos Os efluentes também contamina-


solos superficiais e rochas permeáveis conta- ram a água subterrânea que se
minaram a água subterrânea, que se move move lentamente para o
lentamente. Rio Colúmbia.
Em 30 anos, a contaminação se
espalhou por uma grande área e
Sítio Hanford Rio Columbia entrou no rio como uma faixa larga.

L..--.....J
10 km
1974 1993

Esta secção transversal do Sítio Hanford, com 35 km de Fontes: R. E.Gephart. An overview of Hanford's Waste Genera-
comprimento, ilustra a forma como os efluentes entram na ter- tion Historyand the Challenges FacingSite C1eanup.Richland,
ra e se movem pela zona subsaturada até alcançar o aqüífero Washington: Pacific Northwest National Laboratory, 1998; e
subjacente. A altura nesse desenho foi exagerada para mostrar National Research Council. Groundwater and Soil C1eanup:Im-
os detalhes verticais. (Fonte: R. E. Gephart. An Overview of proving Management of Persistent Contaminants (1999),
Hanford's Waste Generation History and the Challenges Fa- htip:/ /www.nap.edu/books/0309065496/htmII.15
cing Site C1eanup. Richland, Washington: Pacific Northwest
National Laboratory, 1998)
5641 Para Entender a Terra

as plantas de energia elétrica solar em escala comercial apresen- A energia geotérmica


tam significativos problemas ambientais. Uma planta com uma
No Capítulo 2, aprendemos que o calor interno da Terra, forner:-
capacidade elétrica de 100 megawatts (cerca de 10% da capaci-
do pela radiatividade, fornece a energia para a tectônica de plac!..c
dade de uma planta de energia nuclear), localizada em uma re-
e a deriva dos continentes, a construção de cadeias de montanh:::c
gião desértica, iria requerer pelo menos uma milha quadrada de
e os terremotos. O mesmo calor interno pode ser aproveitado
terra e poderia alterar o clima local pela mudança significativa do
ra mover geradores elétricos e aquecer residências. A ene .
balanço de radiação solar na área.
geotérmica é produzida quando a água subterrânea é aqueci -
A energia solar fornece somente alguns décimos de 1% do
ao passar por uma região de rochas quentes sob a superfície (u::
consumo de energia total. Os entusiastas da energia solar acre-
reservatório de calor) que pode ter centenas ou milhares de ill:-
ditam que cerca de 20 quads por ano poderão ser fornecidos nos
tros de profundidade. A água quente ou o vapor são trazidos _ -
Estados Unidos até o ano de 2010. Essa quantidade é equivalen-
ra a superfície por meio de furos de sondagem feitos com ess.:-
te à metade do petróleo que o país utiliza atualmente. Outros
objetivo. A água é de ocorrência natural, que se infiltra para ~-
acham mais realista uma cifra de menos de 10 quads por ano. xo, através de fraturas. Em casos menos comuns, ela é bombe:!,-
Todos acreditam que qualquer um dos cenários produziria im-
da artificialmente para baixo, a partir da superfície.
portantes benefícios sociais: conservação de outros recursos
Atualmente, 18 países utilizam calor geotérmico para g~
energéticos e diversificação do suprimento de energia, de ma-
eletricidade. A mais abundante forma de energia geotérmi ::
neira que os Estados Unidos não fiquem dependentes demais de
aquela derivada de água aquecida a temperaturas entre se ::
uma única fonte e reduzam as importações de combustíveis.
180°C. Os reservatórios de calor que utilizam água nessas ter:::-
Com pesquisa e desenvolvimento adequados, a energia solar po-
peraturas são capazes de extrair calor suficiente para aquec:=--
derá tomar-se economicamente competitiva e uma das princi-
espaços residenciais, comerciais e industriais. A água subterz:-
pais fontes de energia do século XXI.
nea quente, retirada de um reservatório de calor em uma es _-
Energia hidrelétrica A energia hidrelétrica é uma forma de tura geológica próxima a Paris, denominada de Bacia de Pari...
energia solar, pois depende da precipitação, e a energia que aquece, atualmente, mais de 20 mil apartamentos na França. .-
controla o clima vem do Sol. A energia hidrelétrica é derivada Islândia situa-se na Dorsal Mesoatlântica, onde material mz:.....
da água que, ao cair devido à força da gravidade, movimenta as télico cria nova litosfera, à medida que as placas Norte-Ame::-
turbinas elétricas. As quedas d' água ou os reservatórios artifi- cana e Eurasiana afastam-se. Reykjavík, a capital da Islândia. ::
ciais das barragens fornecem a água necessária. A energia hi- inteiramente aqueci da por energia geotérmica derivada dess-
calor vulcânico.
drelétrica é limpa, relativamente isenta de riscos e barata. For-
nece cerca de 3 quads anuais, ou seja, cerca de 3% do consumo Os reservatórios geotérmicos com temperaturas acima ::::
anual de energia dos Estados Unidos. Entretanto, a expansão 180°C são úteis para a geração de eletricidade. Eles estão bas:-
significativa da atual capacidade seria objeto de resistência nes- camente presentes em regiões de vulcanismo recente, como -
se país, pois afogaria terras de fazenda e áreas de conservação chas secas, quentes, como água quente natural ou como va
da natureza sob os reservatórios das barragens. natural (Figura 22.12). As duas últimas fontes estão limita6
àquelas áreas onde a água superficial infiltra-se para baixo aII::-
Energia eólica A energia eólica, ou seja, o uso de um moinho vés de falhas subterrâneas e fraturas, até alcançar rochas prr:-
de vento para movimentar um gerador elétrico, é uma outra for- fundas, aqueci das por atividade magmática recente.
ma de energia solar. Seu uso está aumentando em muitos locais, Os mananciais de água com temperatura acima do ponto ~
à medida que os projetos são melhorados e os custos diminuem ebulição, bem como o vapor d'água, quando naturalmente Q-
até se tomarem competitivos em relação às fontes tradicionais. contrados, são recursos de alto valor. O maior estoque de vap

Figura 22.12 Os gêiseres, principais


estoques de vapor natural. A energia
geotérmica é convertida em eletricidade pa"=.
a cidade de San Francisco, localizada a 120
km ao sul. [Pacifíc Gas and Electric]
CAPíTULO 22. Energia e Recursos Materiais da Terra 1565

aI do mundo é a ocorrência denominada de Os Gêiseres 16 • A demanda mundial por energia vai aumentar, devido à in-
~zados a 120 km a nmte de San Francisco, na Califónria dustrialização da China e de outros países em desenvolvimento.
3JA). Lá, os geradores produzem regularmente mais de 600
• Nas próximas décadas, a produção de petróleo chegará a um
- oawatts de eletricidade, o que é suficiente para satisfazer me-
pico e, depois, entrará em declínio.
e da demanda de San Francisco. A planta d'Os Gêiseres está
- produção há três décadas e começa a mostrar sinais de declí- • O corte do fornecimento pelas nações produtoras, devido a
D. talvez devido ao uso excessivo dos recursos de vapor. Cerca motivos políticos, e os aumentos resultantes nos preços poderão
2 O plantas geotérmicas de geração de eletricidade estão em causar importantes choques na ordem política e econômica mun-
ionamento nos estados americanos de Califórnia, Utah, Ne- dial.
_ a e Havaí, produzindo 2.800 megawatts de energia - o sufi-
~nte para abastecer 1 milhão de pessoas. • Mesmo que não ocorram interrupções no suprimento por ra-
Da mesma forma que as outras fontes de energia que já exa- zões políticas, a mudança climática global poderá restringir nos-
-- amos, a energia geotérmica apresenta alguns problemas sa capacidade de usar combustíveis fósseis, precipitando uma
bientais. Pode ocorrer subsidência regional, se a água quen- crise de energia muito mais grave.
== for retirada sem ser substituída. Além disso, as águas geotér-
As nações em desenvolvimento aspiram ao crescimento eco-
~-cas aquecidas podem conter sais e materiais tóxicos dissolvi- nômico e à melhoria das condições de vida de suas populações.
s das rochas quentes. Essas águas podem representar um pro- A sensação de empobrecimento e de tratamento não-eqüitativo
:lema de disposição, se não forem reinjetadas.
poderia desencadear conflitos.l7 As nações industrializadas
A energia geotérmica provavelmente não terá condições de avançadas também querem continuar a progredir e a aproveitar
_ontribuir de forma muito significativa para o total de energia sua riqueza. O desafio mundial é o de gerar energia para o cres-
:onsumida pelo planeta até meados do século XXI, na melhor cimento e, ao mesmo tempo: (1) administrar a redução dos re-
hipóteses. cursos petrolíferos; e (2) encarar a possível necessidade de res-
tringir ou reduzir a emissão de dióxido de carbono, pela dimi-
nuição do consumo de combustíveis fósseis (Figura 22.13).
Uma solução parcial, e também a mais barata, é reduzir o des-
ervação perdício de energia, usando-a de forma mais eficiente.
:=:mtermos reais, o uso mais eficiente de energia tem o mesmo Taspróximas décadas, entretanto, poderá ser necessário ado-
5ignificado que a descoberta de uma nova fonte. Foi calculado tar uma matriz de energia diferente, que inclua o gás natural e
'jUe, desde que houve o aumento dos preços do petróleo em combustíveis alternativos para os transportes, bem como a ener-
. 973, o mundo tenha economizado mais energia que a quantida- gia nuclear e os recursos renováveis, como a energia do Sol e
_e produzida por todas as novas fontes descobertas no mesmo aquelas advindas da biomassa. Será também necessário diminuir
:;Jeríodo.Alguns especialistas acreditam que a conservação, sozi- gradatiyamente a dependência do petróleo e do carvão. Espera-se
:lha, pudesse reduzir à metade o uso de energia das nações indus- que a tecnologia nuclear tome-se mais segura, retomando a con-
Trializadas. A economia nos Estados Unidos poderia ser da or- fiança pública, e que os avanços na tecnologia para utilização de
fontes renováveis de energia consigam diminuir os custos.
dem de 200 bilhões de dólares anuais, sendo grande parte desses
oastos referentes a importações de petróleo. Economias dessa or- Muitos especialistas em suprimento e demanda por recursos
dem poderiam reduzir os custos dos produtos norte-americanos e acreditam que os combustíveis fósseis são muito baratos, nos Es-
torná-Ios mais competitivos no mercado internacional, além de tados Unidos. Tãosão taxados na mesma proporção que em ou-
tras nações avançadas e, portanto, dá-se pouca atenção à conser-
reduzir a dependência de petróleo impOltado e diminuir signifi-
ativamente o déficit comercial. Os tipos de práticas que pode- vação e à introdução de novos recursos renováveis. Se o custo to-
tal dos combustíveis fósseis e nucleares fosse incluído nos pre-
riam levar a essas economias requerem a aplicação de tecnologia
om as quais estamos bastante familiatizados: uso de luz fluores- ços, as fontes de energia renováveis e geotérmicas poderiam
ente, em vez de luz incandescente; melhor isolamento térmico competir muito facilmente com os combustíveis fósseis. Entre
das residências; aumento da eficiência de refrigeradores, condi- esses custos, podem-se citar: custos de recuperação de danos
ionadores de ar, fomos e outros aparelhos; melhoria da eficiên- causados por chuva ácida; custos relacionados a derramamentos
ia de motores, bombas e outros aparelhos industriais; e motores de petróleo e a outros danos ambientais; custos decorrentes do
armazenamento de resíduos nucleares; custos referentes a défi-
de automóveis com melhor desempenho. Serão necessárias lide-
rança política e educação pública para induzir um compromisso cits comerciais; custo do aquecimento global; e, por fim, custos
om tais mudanças, cuja adoção imediata valeria a pena. No fu- militares para defesa de estoques de petróleo (como, por exem-
[Ufo,seremos forçados a fazê-lo, quando as reservas minguarem plo, a defesa do Kuwait contra a invasão iraquiana). Outros espe-
e o preço da energia aumentar. cialistas acreditam, ainda, que, mesmo nos dias de hoje, os Esta-
dos Unidos poderiam satisfazer 30% de sua demanda com fontes
renováveis de energia, a preços competitivos. Infelizmente, o po-
der político pat-achegar a esses resultados ainda não existe.
~ca energe ;t'Ica Entretanto, estamos em uma corrida contra o tempo. Deve-
remos desenvolver as várias opções de energias renováveis an-
Tendo em vista a diversidade e a abundância dos recursos tes que os recursos petrolíferos remanescentes sejam esgota-
energéticos, você poderia -estar imaginando quais seriam os dos, ou que sejamos forçados a deixar de utilizar os combustí-
motivos que levaram o mundo a uma crise energética. Várias veis fósseis por causa de seus efeitos danosos ao clima. Se a
são as razões: transição para uma era de segurança energética será tranqüila
5661 Para Entender a Terra

(a) Demanda mundial de energia (b) Produção de energia


primária no mundo
7
Legenda:

11 OCED (países desenvolvidos)

Economias de transição

li! Países em desenvolvimento

ol o~
1971 1980 1990 2000 2010 2020 2030 1971- 2000-
2000 2003

Figura 22.13 Demanda mundial de energia, 1971-2010. A OCED (Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento18):=
formada pelas naçôes industrializadas avançadas. As economias de transição são os países da antiga União Soviética e da Europa
Oriental. As unidades de energia são expressas como energia de 1 milhão de toneladas de petróleo. Os dados posteriores a 1998 sã
estimativos. [Fonte: World Energy Ouf/ook, ediçôes de 1994 e de 1998, Agência Internacional de Energia,19 Paris, França]

ou conturbada, dependerá de nossa determinação, da habilida- Concentração de minerais


de tecnológica para resolver os atuais problemas sociais e polí-
Os elementos químicos da crosta terrestre estão amplame -
ticos. Ao nosso ver, os avanços tecnológicos necessários pode-
distribuídos em muitos tipos de minerais, sendo estes encon a-
rão ser alcançados se começarmos a desenvolvê-Ios agora. O
dos em uma grande variedade de rochas. Em muitos locais.
tempo para resolver os problemas sociopolíticos é mais difícil
de ser avaliado e estimado. qualquer elemento específico será encontrado homogeneiz -
com outros elementos, em quantidades próximas à sua conceJ:
tração média na crosta. Uma rocha granítica comum, por exe"Gr-
pIo, pode conter baixa percentagem de ferro, semelhante à
centração média desse elemento na crosta terrestre.
A existência de concentrações mais altas de um deterr:tlim,-
do elemento na crosta significa que ele passou por algum p -
Apesar dos benefícios que proporciona, a mineração foi origi-
cesso geológico capaz de segregá-Io em quantidades m .
nalmente chamada de indústria suja. A cada ano, ela raspa mais
maiores que o normal. As altas concentrações de elementos -
materiais da superfície terrestre que a erosão natural dos rios.
encontradas em um número limitado de ambientes geológi
Anualmente, os rejeitos da mineração excedem a quantidade de
específicos. Alguns exemplos serão fornecidos mais adian ~
resíduos urbanos. Houve algum progresso no desenvolvimento
neste capítulo. Esses ambientes são de interesse econôrni
das operações de mineração limpas e ambientalmente benig-
pois quanto mais alta a concentração de um recurso em um C='
nas, mas a mineração e o processamento continuam sendo os
terminado depósito, mais baixo será o custo de sua recupera> -
principais promotores da degradação ambiental e das condições
precárias de saúde em muitos países. Minerais de minério Os depósitos ricos de minerais, a pac:-
Embora a mineração propriamente dita represente apenas dos quais podem-se recuperar lucrativamente metais valio
uma pequena parte do Produto Interno Bruto de países como os são denominados de minérios; os minerais que contêm es."'"
Estados Unidos e o Canadá, essas nações dependem dos mate- metais são chamados de minerais de minério. Os minerai C=
riais extraídos da Terra. Sem eles, não haveria pedras para a uti- minério são os sulfetos (o grupo principal), os óxidos e os L:-
lização em construções, fosfatos para a fabricação de fertilizan- catos.zo Os minerais de minério de cada um desses grupos ;;
tes, cimento para a construção civil, argilas para as cerâmicas, compostos de elementos metálicos com enxofre, oxigênio '=
areia para fabricação de transistores de silício e cabos de fibra óp- óxido de silício, respectivamente. A covelita, um mineral --
tica e metais, usados para fabricar quase tudo. Em números re- minério de cobre, por exemplo, é um sulfeto de cobre (CuS) ..'
dondos, o consumo anual de minerais não-combustíveis, somen- hematita (FeZ03), um mineral de minério de ferro, é um óxi-"
te nos Estados Unidos, é de 9.000 kg por pessoa. de ferro. A garnierita, um mineral de minério de níquel, é
Nas páginas que se seguem, vamos pesquisar uma grande va- silicato de níquel Ni3Si20s(OH)4' Além disso, alguns meG0:
riedade de recursos minerais da Terra. Além de considerar os am- como o ouro, são encontrados no estado nativo, isto é, -
bientes geológicos em que são encontrados, vamos também exa- combinado com outros elementos (Figura 22.14).
minar seu contexto econômico e social, inclusive os aspectos re-
lativos à distribuição, ao esgotamento, aos custos ambientais e aos Fator de concentração O fator de concentração de um e::=-
danos à saúde, bem como aqueles relacionados à conservação, à mento em um corpo de minério é a razão entre a abundância
reciclagem, à substituição e aos preços dessas substâncias. quele elemento no depósito e sua abundância média na cro _
CAPíTULO 22 • Energia e Recursos Materiais da Terra 1567

crustal média. Em outras palavras, um minério de ferro torna-


se econômico quando seu fator de concentração é próximo a
10. Um metal menos abundante, como o cobre, que tem uma
abundância crustal de 0,0058%, tem um fator de concentração
econômica de, no mínimo, 80 a 100. Os depósitos de minérios
de elementos mais raros, como mercúrio e ouro, requerem fato-
res de concentração variáveis de milhares a centenas de milha-
res, para que sejam econômicos.

Estoques de minerais
Os elementos estão tão amplamente distribuídos em muitas das
rochas comuns que, para considerar um depósito em particular
como recurso ou reserva, dependerá dos custos de extração e do
preço de venda. Teoricamente, com suficiente dinheiro e ener-
gia, poderíamos extrair tanto os materiais abundantes quanto os
raros de qualquer rocha, e nunca ficar sem eles. Nossa preocu-
pação, entretanto, é o esgotamento das reservas, que são os de-
pósitos minerais identificados que podem ser extraídos e puri-
ficados lucrativamente. Podemos esperar de forma razoável que
novas descobertas sejam adicionadas às reservas existentes, po-
rém com uma margem de incerteza. Quando os depósitos de
mais alto teor tiverem sido exauridos, seremos forçados a de-
pender de depósitos de menor teor, cuja recuperação poderá ser
mais dispendiosa.
-gura 22.14 Ouro ocorrendo em estado livre (ouro nativo) Diminuição da demanda por minerais As estimativas cor-
~;;num cristal de quartzo. [Chip Clark] rentes indicam que os minerais economicamente importantes
estarão disponíveis e com custos não-proibitivos durante o pró-
ximo século ou até mais adiante. As taxas de consumo de mine-
) fator de concentração econômica varia de elemento para ele- rais nos Estados Unidos e em outras nações industrializadas di-
.=.ento, a depender de sua abundância média (Quadro 22.1). minuíram. Essas economias maduras estão trocando a constru-
O ferro, um dos elementos mais comuns da crosta, tem uma ção e a manufatura por serviços, tecnologia e outras atividades
. undância nas rochas crustais de 5,8%. Um minério de ferro que requerem menos matérias-primas. A demanda por metais,
5::onômico - cuja mineração seja lucrativa, considerando os em particular, foi reduzida por causa da reciclagem do material
_ tos de extração e de transporte e os preços de venda - deve metálico dos bens descartados e por meio da substituição por
3, pelo menos, 50% de ferro, cerca de 10 vezes a abundância cerâmicas, compósitos e plásticos de baixo custo.

QOádro22.1

Abundância na crosta Fator de concentração


Elemento (porcentagem em peso) econômicaa

Alumínio 8,00 3-4


Ferro 5,80 5-10
Cobre 0,0058 80-100

Níquel 0,0072 150


Zinco 0,0082 300
Urânio 0,00016 1.200
Chumbo 0,00010 2.000
Ouro 0,0000002 4.000
Mercúrio 0,000002 100.000

aPatorde concentração=.abundânciano depósitodivididapela abundânciana crosta.


Pontes:dadosde B. J. Skinner.Earth Resources. NewYork:PrenticeHall, 1969; e D.A. BrobstandW.P.Pratt, Mineral Resources ofthe U. S.
(USGSProfessionalPaper 820, 1973).
5681 Para Entender a Terra

22.2 Uso das terras federais nos As terras federais americanas têm muitos usos, alguns dos
Estados Unidos quais conflitantes entre si. Seu valor comercial é muito gra -
de: aluguéis e royalties pagos por usuários privados chega-
ram a 6,2 bilhões de dólares em 1992. Cerca de 80'70 desSê
AsdosáreasEstados
gerenciadas
Unidos econstituem
de propriedade do Governo
um quarto do paísFederal
e são receita federal vieram de produtores de petróleo e gás. ê
parte importante da história política, social e econômica norte- maioria dos quais em águas marinhas, em seguida à produçã
americana. Os principais detentores de áreas são o Departa- de madeira (menos de 20%) e taxas de mineração (cerca d!õ
mento de Administração de Terrasl1 e o Serviço Florestal,22 em- 1 '70). Os fazendeiros de gado (pastagens) e os usuários liga-
bora o Serviço de Parques Nacionais23 e o Departamento de dos à recreação pagam menos de 1 '70, individualmente. O use
Defesa24 também gerenciem parte delas. para fins de recreação representa o maior grupo de usuários
Há anos essas terras foram compradas por pechinchas, con- individuais da terra.
quistadas em guerras ou adquiridas por meio de negociações A indústria de mineração norte-americana beneficia-se de
com outras nações. A aquisição da Luisiana, terra comprada da um enorme subsídio, proveniente da Lei de Mineração, de
França em 1803, adicionou uma enorme área, desde a foz do 1872, uma relíquia injustificável dos tempos pioneiros, que
Mississipi até o atual Estado de Montana, a um custo de 15 mi- ainda permite que as companhias de mineração possam aG-
lhões de dólares. A Flórida foi adquirida da Espanha, em 1819, quirir terras federais contendo depósitos minerais por 5 dó--
por 7 milhões de dólares. O tratado de 1849, após a guerra lares por acre ou até menos. Antigamente, dava-se priorida-
com o México, adicionou grande parte do sudoeste ao domínio de máxima de uso da terra à atividade mineradora. Hoje, mui-
público, inclusive partes do Arizona e do Novo México, e toda tas pessoas dariam mais valor à proteção da vida selvagem é
a área da Califórnia, Nevada e Utah. A Grã-Bretanha deu aos ao uso recreativo.
Estados Unidos as terras onde hoje se localizam os estados de A posse e o gerenciamento dessas propriedades pelê
Washington, Oregon e Idaho. A última grande aquisição foi o União é um dos mais polêmicos assuntos políticos da atua-
Alasca, comprado da Rússia por 7 milhões de dólares, em 1867. lidade, como pode ser evidenciado pelos debates no Con-
Além disso, a plataforma continental, algumas milhas costa gresso, em campanhas eleitorais, nas atividades de pressã
afora, também é propriedade do Governo Federal norte-ameri- de grupos de interesse e pelos processos judiciais impetra-
cano e por ele gerenciada. A plataforma continental é valiosa dos contra o Governo Federal pelos estados e por setores
pelos. seus recursos de petróleo e gás, além dos recursos pes- privados. Aqui estão alguns assuntos políticos que dever:-
.. ser resolvidos:
quelros e minerais.
Ao longo da história, cerca de 60'70 das terras de domí- • As terras federais deveriam ser vendidas? Caso afirmati-
nio público foram transferidas aos estados, para coloniza- vo, em que quantidades, para quem e a que preço?
ção, a várias organizações de auxílio à educação,ls para • Se o governo retiver a propriedade das terras, que tipc
construção de ferrovias privadas, como recompensa a vete- de acesso poderia ser dado a interesses comerciais, usuários
ranos, e para outros fins. para fins recreativos e outros, e sob quais condições?

A reciclagem é uma indústria crescente, pois ficou menos


V>
100
caro extrair certos materiais do lixo, como latas de alumínio e '"
u
.;:
automóveis que foram descartados, do que de depósitos de mi- .•..
'Q,j 80
nerais de minério (Figura 22.15). Cerca de 45% do ouro, da E
V>

platina e do alumínio atualmente consumidos vêm de material '"


"tl 60
'"
reciclado. Frações ainda maiores de chumbo (73%), cobre Qj
C
(60%), aço e ferro (56%) estão sendo recicladas. o
.•.. 40
A reciclagem é um assunto complexo, pois nem sempre se QJ
"tl
V>
justifica do ponto de vista econômico ou ambienta!. A única QJ
20
'o
maneira racional de decidir a favor ou contra ela é comparando ==
~
os custos de mineração, siderurgia e transporte dos minérios
naturais, da disposição dos resíduos e do controle da poluição,
0--
1960 1965 1970 1975 1980 1985 1990 1995 20 -
com os custos conespondentes da reciclagem de metais. Ano

Importações Embora os Estados Unidos sejam o maior pro- Figura 22.15 A quantidade de metais primários e de metais
dutor mundial de matérias-primas, também são dependentes de reciclados consumidos nos Estados Unidos. [G. Matos and L.
importações de minerais. Certas importações são menos dis- Wagner, USGS, 1999]
CAPíTULO 22 • Energia e Recursos ateriais da Terra 569

•••••• Iii.::r.'~ -=="'~ ~ •••••~__ ~


A ....,

• Quanto da terra deveria ser reservado para a preserva- rocratas federais, que não têm experiência de gerencia-
ção da vida selvagem? mento e estão sujeitos a pressões políticas. Os maiores
• Até que ponto os governos estaduais e locais deveriam benefícios para a sociedade vêm do efeito sinérgico de
participar do gerenciamento das terras? empresários individuais, que trabalham para obter os
Pode-se fazer a defesa da retenção das terras pelo Governo maiores ganhos pessoais. Não há muitas evidências de que
ederal, argumentando que ele pode cuidar dos interesses na- a administração da terra pelo governo, para qualquer ob-
cionais melhor que os governos estaduais ou locais. Ele é, tam- jetivo, seja mais exemplar que a administração pelo setor
bém, mais capacitado para organizar e monitorar os diversos privado. Os empregos criados pelo setor privado são mais
usos da terra. As agências públicas podem ter uma visão de importantes que a preservação de alguma subespécie de
mais longo prazo da conservação e das necessidades das gera- pouca importãncia.
ções futuras do que os interesses privados movidos por lucros Está chegando a hora de obter um consenso nacional rela-
a curto prazo. tivo ao uso das terras federais.
Também há argumentos para defender a venda de Fonte: Grande parte desse texto foi retirada de Marion Claw-
grande parte dessa terra. Os proprietários privados geren- son, The Federal Lands Revisited (Washington, D.C.: Resources for
ciariam as terras de forma muito mais eficiente que os bu- the Future, 1983).

As cores do outono circundam os pânta-


nos do Refúgio Nacional da Vida Selva-
gem de Kanai, Alasca (EUA). [John
Hyde/Bruce Coleman/Picture Quest]

?endiosas e, às vezes, o país não tem reservas de algum mine- Algumas pessoas acreditam que os Estados Unidos develiam
ral. Os Estados Unidos atendem cerca de 30% de sua demanda aumentar o suprimento doméstico e diminuir a dependência das
de minerais por meio da importação. A probabilidade de que a importações facilitando o acesso à exploração dos recursos mine-
grafita que um norte-americano utiliza em sua lapiseira ou lápis rais das terras federais. Outras desejam que as terras federais se-
yenha do México ou da China é grande. jam preservadas para recreação pública (ver Reportagem 22.2).
Os setores que estão diretamente envolvidos com a seguran- Os economistas argumentam que os Estados Unidos sempre
,a econômica e a defesa, bem como os representantes da indús- dependeram da importação de bens minerais, que mercados al-
tria mineira, que se preocupam com o comércio, sentem-se in- ternativos estão sempre disponíveis e que nunca ocorreram
omodados com a forte dependência que o país tem de impor- grandes interrupções no suprimento desses bens. As importa-
tações de vários metais de grande importância estratégica, co- ções podem ser vantajosas na medida em que o suprimento for
mo cobalto, manganês, cromo, titânio e minerais do grupo da seguro, o preço for razoável e houver equilíbrio no balanço en-
platina. Sem esses metais, certos setores da indústria (como as tre importações e exportações. Além disso, mesmo consideran-
indústrias aeronáutica e química, por exemplo) poderiam entrar do o fato de que nas últimas cinco décadas os Estados Unidos
em colapso. Desde 1939, portanto, o governo americano vem consumiram mais minerais do que em toda a sua história, a
acumulando estoques de minerais para usar em emergências, maioria das reservas minerais aumentou, como resultado de
como num boicote econômico ou interrupção de suprimentos avanços no conhecimento geológico e de melhorias nos proces-
durante uma guerra. sos de mineração e extração de metais.
570 I Para Entender a Terra

o consumo mundial de minerais continuará a aumentar de- As rochas próximas à superfície contêm rachaduras e fra
vido à grande demanda de matérias-primas pelos países em de- abertas (que são fechadas pela pressão, em profundidades mci:-
senvolvimento. Será que essa demanda pode ser satisfeita com res), pernútindo que o transporte dos fluidos contendo min'-
as reservas existentes? A ITÚneraçãolimpa e a proteção ambien- seja mais fácil. Além disso, as rochas próximas à superfície -
tal- junto com a reciclagem, a substituição e outras medidas de mais frias, o que pernúte a precipitação dos ITÚneraisde min' .
conservação - são econoITÚcamente viáveis para esses países? a partir dos fluidos quentes que os transportam.
Os países em desenvolvimento argumentam que as nações in-
dustrializadas, agora sensíveis para as questões ambientais, são

I.
aquelas que, historicamente, mais poluíram durante seu próprio Os depósitos hidrotermais
desenvolvimento.
Muitos dos mais ricos depósitos de minérios conhecidos cri=,..
lizaram-se a partir de soluções hidrotermais. Essas águas que:.-
tes podem ser emanadas diretamente do magma de uma im:::-
são ígnea (a fonte) e transportar os constituintes ITÚneraisso _
\ . " ologia dos veis do magma (Figura 22.16). As soluções hidrotermais
epósitos minerais dem também se formar quando a água subterrânea entra ~
contato com as rochas aquecidas ou com uma intrusão quen:::
Os depósitos ITÚneraissão criados por vários tipos de processos reagindo com ela e retirando os constituintes de minérios _
geológicos, a maioria dos quais já foi discutida em capítulos são liberados pela reação.
precedentes. Em geral, um depósito mineral forma-se quando
Depósitos de veios26 Os constituintes dos ITÚnérios são f::=-
três condições são satisfeitas:
qüentemente depositados em rochas fraturadas. Os flui'
1. Os minerais encontram-se em um local acessível a um meca- quentes circulam com facilidade pelas fraturas e juntas,
nismo natural de transporte. friando de maneira rápida durante o processo. O resfriame
rápido acelera a precipitação dos constituintes do minério.
2. Um mecanismo natural de transporte está disponível para mo-
depósitos tabulares (em forma de folhas) de ITÚneraisprecip'
ver os minerais para fora da fonte.
dos em fraturas e em juntas são denominados de depósitos
3. Existe um sítio onde o agente transportador pode depositar os lonianos ou simplesmente veios. Alguns minérios são errc -
ITÚnerais.Não é a sorte que coloca os depósitos ITÚneraispróxi- trados em veios; outros são encontrados nas rochas encaix~
mo à superfície terrestre, onde os humanos podem alcançá-Ios. adjacentes a eles, que foram alteradas quando as soluções qu..o>,--

A água subterrânea, ao percolar pelas fendas e


pela rocha fraturada dissolve óxidos e sulfetos
metálicos. Aquecida pelo magma, ela sobe.
precipitando os minérios metálicos em juntas.

Figura 22.16 Muitos depósitos de minérios são encontrados como veios hidrotermais formados a partir de soluções quentes que
ascendem de intrusões magmáticas. Depósito de veio de quartzo (com cerca de 1 cm de espessura) contendo minérios de ouro e de
prata. Oatman, Arizona (EUA). [Peter Kresan]
CAPíTULO 22. Energia e Recursos Materiais da Terra 1571

Galena Cinábrio Pirita Esfalerita


(sulfeto de chumbo) (sulfeto de mercúrio) (sulfeto de ferro) (sulfeto de zinco)

-gura 22.17 Minérios de sulfetos metálicos. Os sulfetos são os minérios metálicos mais comuns. [Chip C1ark]

- as aqueceram e nelas se infiltraram. À medida que as solu- dos Estados Unidos. O mineral de cobre mais comum dos pór-
reagem com as rochas adjacentes, podem precipitar mine- firos é a calcopirita, um sulfeto de cobre (Figura 22.18). O co-
- junto com quartzo, calcita ou outros minerais que comu- bre foi depositado quando os minerais que formam o minério
nte preenchem veios. Os depósitos de veios são uma das foram introduzidos em várias pequenas fraturas, em intrusivas
"7;]lcipais fontes de ouro (Figura 22.16). félsicas porfiríticas (rochas graníticas contendo grandes cristais
Os depósitos de veios hidrotermais são algumas das mais de quartzo e de feldspato em uma matriz de granulação mais fi-
rtantes fontes de minérios metálicos. Os minérios metáli- na) e nas rochas encaixantes próximas às porções apicais dos
- existem tipicamente sob a forma de sulfetos, tais como o de corpos plutônicos. Algum processo desconhecido associado à
o (pirita), o de chumbo (galena), o de zinco (esfalerita) e o intrusão do magma, ou sucedendo-a imediatamente, quebrou a
mercúrio (cinábrio), mostrados na Figura 22.17, além dos rocha em milhões de fragmentos.27 As soluções hidrotermais
obre (covelita e calcocita). As soluções hidrotermais che- penetraram e recimentaram as rochas por meio da precipitação
à superfície sob a forma de fontes quentes e gêiseres, mui-
de minerais de minério infiltrados na extensa rede de fraturas
- dos quais precipitam minérios metálicos - como, por exem- diminutas. Essa dispersão generalizada produziu um recurso de
- . de chumbo, zinco e mercúrio - à medida que se resfriam. baixo teor, mas de muito grande volume, com milhares de tone-
ladas de minério, que podem ser explorados economicamente
ósitos disseminados Os depósitos minerais que estão dis- por meio de métodos de grande proporção (Figura 22.19).
os em volumes de rochas muito maiores que os veios são Grandes depósitos hidrotermais de minério disseminado
ados de depósitos disseminados. Nas rochas ígneas e se- podem também estar presentes em rochas sedimentares. Esse
entares, os minerais estão disseminados em abundantes ra- é o caso da província de chumbo e zinco do vale do alto Mis-
- duras e fraturas. Exemplos de depósitos disseminados im- sissipi, que se estende do sul do Estado de Wisconsin até Kan-
-:::;:tantes são os de cobre nos pórfiros do Chile e do sudoeste sas e Oklahoma. Os minérios dessa província não estão asso-

Calcopirita Malaquita Calcocita


(um sulfeto de cobre) (um sulfeto de cobre) (um sulfeto de cobre)

Figura 22.18 Minérios de cobre. A calcopirita e a calcocita são minérios de cobre do tipo sulfeto. A
malaquita é um carbonato de cobre encontrado em associação com sulfetos desse elemento. [Chip Clark.]
S 721 Para Entender a Terra

Figura 22.19 Mina de Cobre de


Kennecott, Utah (EUA), uma mina a cé-
aberto. A mineração a céu aberto é un;
típico método de grande proporção
utilizado para a extração de depósitos
de minérios muito disseminados.

ciados a uma grande intrusão magmática, que poderia ter sido rante o resfriamento e afundou até o fundo da câmara ante -
a fonte de fluidos hidrotermais, sendo desconhecida sua ori- se congelar.
gem. Alguns geólogos especulam que os minérios tenham si-
Pegmatitos Os pegmatitos são rochas intrusivas de com
do depositados por água subterrânea. Ela poderia ter se infil-
ção geralmente granítica com granulação muito grossa, co
trado até altas profundidades, extraindo constituintes solúveis
mente encontradas como veios, diques ou lentes em batóli •.
dos minérios, e, então, teria se movido para cima, nas rochas
graníticos. Eles se formam por cristalização fracionada (ver C:.-
sedimentares sobrejacentes, onde precipitou seu conteúdo mi-
pítulo 5) de um magma granítico. À medida que o magma ~
neral sob a forma de preenchimentos de cavidades. Em alguns
uma grande intrusão granítica resfria-se, o último líquido a
casos, parece que os fluidos mineralizantes infiltraram-se em
gelar-se é solidificado sob a forma de um pegmatito, no qual_ -
formações calcárias e dissolveram alguns carbonatos, substi-
concentram os minerais presentes como traços, no corpo pare;;;-
tuindo-os por volumes iguais de novos cristais de sulfeto. Os
tal. Os pegmatitos podem conter depósitos de minerais raro
principais minerais dos depósitos hidrotermais dessa provín- ricos em elementos como boro, lítio, flúor, nióbio e urânio. ~
cia são o sulfeto de chumbo (galena) e o sulfeto de zinco (es- também, gemas como a turmalina.
falerita).
Kimberlitos Um dos minerais mais valiosos, o diamante, e. -
te principalmente em rochas ígneas ultramáficas, chamadas
Minérios de rochas ígneas
kimberlitos, cujo nome provém de Kimberley, na África do _
Os importantes minérios de rochas ígneas - depósitos de miné- onde são relativamente abundantes. Essas rochas sofreram
rio presentes em rochas ígneas - são encontrados como segre- trusão forçada até a superfície a paItir de regiões profundas _
gações de minerais de minério próximo ao fundo das intrusões. crosta e do manto superior, gerando corpos do tipo pipe,2 1
Os depósitos formam-se quando os minerais cristalizam-se a gos e estreitos. Sabe-se que esses kimberlitos que contêm ' -
partir do magma e, então, são depositados e acumulam-se no mantes originam-se em grandes profundidades porque o .
assoalho de uma câmara magmática (ver Capítulo 5). A maior mante e outros minerais neles encontrados só podem se fon::.:
parte do cromo e da platina do mundo, como os depósitos da em condições de pressão extremamente alta, que existem
África do Sul e de Montana, é encontrada como acumulação de manto superior. Os kimberlitos chegam à superfície em alta - =
minérios que se formaram desse modo (Figura 22.20). Um dos locidade, sendo propelidos por voláteis pressurizados co-
mais ricos corpos de minério já encontrados, em Sudbury, On- H20 e CO2. Ninguém jamais assistiu a uma erupção kimbe::'
tario (Canadá), é uma enorme intrusão máfica contendo gran- tica. Um geólogo fez uma analogia entre as erupções kimbe:: -
des quantidades de sulfetos de níquel, cobre e sulfetos de ferro ticas e um tiro de espingarda que, disparado do manto, pas
estratiformes. Os geólogos acreditam que esses depósitos de se pela litosfera e alcançasse a superfície.
sulfetos formaram-se a partir da cristalização de um líquido ri- Ricas acumulações de diamantes foram também encon-_
co em sulfetos, denso, que se separou do resto do magma du- das em depósitos aluviais a centenas de quilômetros de sua D
CAPíTULO 22 • Energia e Recursos Materiais da Terra I 573

Figura 22.20 Cromita


(minério de cromo, faixas
escuras) num corpo intrusivo
estratiforme. Complexo de
Bushveldt, África do Sul.
[Spence Titley]

-~kimberlítica, tendo sido transportadas para lá por rios que co- marinhos enriquecidos em fosfato por reação química com a
~etaram os detritos erodidos de um pipe e os carregaram para água do mar - são matérias-primas para as indústrias mundiais
jIsante. Camadas de gelo flutuante podem também transportar de fertilizantes.
:iagmentos de kimberlitos.
Depósitos sedimentares metálicos Os depósitos sedimentares
são também importantes fontes de cobre, ferro e outros metais.
Depósitos minerais sedimentares Esses depósitos foram precipitados quimicamente em ambien-
Os depósitos minerais sedimentares constituem parte das maio- tes sedimentares aos quais grandes quantidades de metais fo-
res fontes de minérios do mundo. Muitos minerais de importân- ram transportadas em solução. Alguns importantes minérios se-
zia econômica são segregados por meios químicos e físicos, co- dimentares de cobre, como aqueles das camadas permianas de
rno resultado de processos sedimentares (ver Capítulo 8). Kupferschiefer ("ardósia de cobre"), da Alemanha, podem ter
Depósitos sedimentares de minerais não-metálicos Os cal- sido precipitados a partir de salmouras quentes de origem hi-
drotermal, ricas em sulfetos metálicos, que interagiram com se-
:ários - resultantes da precipitação química por organismos,
dimentos do fundo do mar.
especialmente aqueles de origem marinha - são utilizados na
fabricação de cimento, calcário agrícola e pedra para constru- Os mais importantes minérios de ferro do mundo foram en-
,ão civil. As areias quartzosas de alta pureza - depositadas contrados em rochas sedimentares pré-cambrianas. Nos pri-
quando as ondas e correntes provocam o intemperismo de mórdios da história da Terra, a atmosfera era pobre em oxigê-
areias contendo misturas de minerais, de forma a remover todos nio (ver Capítulo 1) e acredita-se que a pouca disponibilidade
os outros minerais, com exceção do quartzo - são as matérias- deste poderia ter permitido uma abundância de ferro na sua for-
primas para a fabricação de vidro e de cabos de fibras ópticas ma ferros a, de mais baixo estado de oxidação, a qual é solúvel
que estão substituindo os fios de cobre, nas linhas de comuni- e teria sido lixiviada da superfície em grandes quantidades. As
ação. Em muitas áreas ao norte dos Estados Unidos e do sul do águas subterrâneas teriam transportado em solução o ferro fer-
Canadá, as geleiras pleistocênicas distribuíram uma grande roso até os ambientes marinhos rasos, amplos, onde ele poderia
quantidade de areia grossa e de cascalho, adequados para a ser oxidado para sua forma férrica (Fe3+) e, então, precipitado
construção civil. Esses materiais são também amplamente dis- (ver Capítulo 7 para uma discussão sobre os estados de oxida-
rribuídos em canais atuais e antigos de muitos rios. Argilas de ção do ferro). Em muitas dessas bacias, o ferro foi depositado
alta pureza produzidas por longos períodos de intemperismo como finas camadas alternadas com camadas de sedimentos si-
são utilizadas em cerâmicas domésticas e industriais. Os depó- licosos (sílex). Esses minérios são denominados deformações
sitos evaporíticos de gipsita, que se separam da água por preci- ferríferas bandadas29 (Figura 22.21). Os depósitos de ferro do
pitação, são usados para fabricação de gesso. Sais de sódio e de Lago Superior (Estados Unidos e Canadá), por muitos anos a
potássio de evaporitos têm usos variados, desde sal de cozinha fonte de ferro para a indústria de aço dos Estados Unidos, são
até fertilizantes. As rochas fosfáticas - folhelhos e calcários desse tipo.
5741 Para Entender a Terra

Figura 22.21 Camadas pré-cambrianas de ferro bandado. As camadas cor-de-ferrugem são de limonita, intercaladas com
hematita e snex. Hamersley, Austrália. [Spence Titley)

Pláceres Possivelmente o tipo de prospecção mineral mais co- feros que ocorre nos flancos ocidentais do batólito da Sie _
nhecido (e romanceado) é o garimpo de ouro com bateia. O pros- Nevada, deu origem aos pláceres descobertos em 1848, cau
pector de ouro draga o sedimento fluvial com uma bateia e exa- do a corrida do ouro da Califórnia, nos Estados Unidos. Os p -
mina-o cuidadosamente, na esperança de que a faísca de uma pe- ceres foram encontrados antes que sua fonte fosse descobe
pita acabe aparecendo. Muitos depósitos com alto tear de ouro, Os pláceres também levaram à descoberta das minas de -
diamantes e outros minerais pesados, como magnetita e clorita, mante de Kimberley, na África do Sul, duas décadas mais
são encontrados em pláceres, depósitos minerais que foram con-
~,
4->.;
centrados por seleção de correntes fluviais.
Devido ao fato de que os minerais pesados são depositados .~ <'A\ ". • •

por uma corrente mais rapidamente que os minerais mais leves,


'A
\,; eposltos mineraiS e a
como quartzo e feldspato, eles tendem a acumular-se nos leitos
dos rios e em barras de areia. Nesses locais, a corrente é sufi- ctônica de placas
cientemente forte para suspender e transportar os minerais mais
leves e transportá-Ias, mas é muito fraca para mover os mine- A teoria da tectônica de placas explica os vários tipos de a -
rais pesados. Da mesma forma, as ondas do mar depositam pre- dades ígneas em função das interações das placas nos limi-""
ferencialmente os minerais pesados nas praias ou nas barras de onde elas se separam ou colidem. Como os processos ígn
areia de costa afora. O bateador de ouro consegue a mesma coi- trazem elementos químicos e seus compostos minerais do in:=-
sa: a agitação da bateia cheia de água permite que os minerais riar para a superfície, a teoria das placas tectônicas ajuda a
mais leves sejam lavados para fora, deixando o ouro, mais pe- tender a origem dos depósitos de minério e pode levar à de
sado, no fundo dela. Os altos preços alcançados pelo ouro leva- berta de novos.
ram a uma reativação da prospecção com bateia. Em 1979, os geólogos que exploravam o fundo oceânico -
Alguns pláceres podem ser rastreados rio acima até que se um centro de separação de placas (na Dorsal do Pacífico Ori~-
encontre o local da fonte do depósito mineral, que é geralmen- tal) descobriram fontes quentes, carregadas com minerais d1.,.-
te de origem ígnea, a partir da qual foram erodidos os minerais. solvidos, nascendo no assoalho oceânico (Figura 22.22). -
A erosão do Mother Lode,30 um extenso sistema de veios aurí- água do mar é aquecida a temperaturas de centenas de gra::.
CAPíTULO 22 • Energia e Recursos Materiais da Terra 1575

A água do mar fria percola através


das rochas vulcânicas fraturadas em
o O fluido quente
lixivia os metais
Quando o fluido quente aflora
no fundo do oceano frio, os
dorsais mesoceânicas e é aquecida da rocha basáltica metais que ele está carregando
quando atinge a câmara magmática e ascende até o em solução precipitam como
localizada abaixo. assoalho oceânico. valiosos sulfetos de ferro, zinco,
cobre e outros minérios.

Expansâo do assoalho

Água do dorsal mesoceânica 31


mar fria
Crosta oceânica

Complexo
de diques" } oceânico em uma
Ia minados Manto
em basalto

Igura 22.22 Grandes quantidades de minérios sulfetados são encontradas em centros de expansão,
-as dorsais mesoceãnicas.

- = sius quando entra em contato com magmas ou rochas quen- placas e os depósitos minerais. Pensa-se que os depósitos en-
na crosta profunda. A água do mar aquecida lixivia minerais contrados em arcos magmáticos resultem da atividade ígnea
-= rochas quentes e ascende até o assoalho marinho. Quando que ocorre tipicamente em zonas de colisão. Uma hipótese
'!!lias quentes, já carregadas de minerais dissolvidos, che- propõe que alguns desses depósitos de limites colisionais re-
à crosta superior mais fria e às águas do fundo do mar qua- presentem o segundo estágio em um processo de formação de
- ~ngeladas, os minerais precipitam-se. Esse processo é a ori- minério de dois estágios. O primeiro estágio seria a criação de
:: das fumarolas negras,32 mostradas na Figura 17.7. Dessa depósitos de minério pela atividade hidrotermal em um centro
a, grandes quantidades de minérios sulfetados ricos em de expansão mesoceânico. O segundo estágio, separado no
=.-0, cobre, ferro e outros metais estão sendo depositadas em tempo e no espaço do primeiro, incluiria a subducção e a fusão
os de expansão das dorsais mesoceânicas. Depósitos de al- parcial de sedimentos e crosta oceânica, contendo esses mine-
:eor de ouro nativo foram encontrados em acumulações sub- rais previamente concentrados, em uma zona de colisão. À me-
. as na Dorsal Mesoatlântica. dida que a placa afunda para regiões cada vez mais quentes do
Quando se reconheceu que os centros de expansão moder- manto, os metais "efervescem" - isso é, fundem-se e ascen-
: ão ricos em fontes de depósitos minerais, os geólogos co- dem em direção à placa acavalada, junto com o magma. O fer-
': am a procurar em terra os remanescentes de antigos as- ro, o cobre, o molibdênio, o zinco, o estanho e o ouro, encon-
clhos oceânicos, que também poderiam conter recursos va- trados em limites de placas convergentes, poderiam ter sido
- s. Alguns depósitos foram encontrados em zonas de coli- concentrados pela atividade hidrotermal e reconcentrados por
- entre placas, onde fragmentos da antiga litosfera oceânica processos ígneos, sendo ambos os processos causados por mo-
- ocasionalmente alojados na crosta continental. Esses depó- vimentos das placas tectônicas.
-, conhecidos como ofiolitos, foram discutidos no Capítulo O fundo oceânico longe dos limites de placas, entretanto,
- O ricos depósitos de sulfetos de cobre, chumbo e zinco dos pode ser o primeiro candidato à mineração em mar profundo,
- litos do Chipre, das Filipinas e dos Apeninos, na Itália, en- devido à ocorrência generalizada de nódulos de manganês,
== outros locais, provavelmente têm sua gênese ligada ao pro- que são agregados de manganês, ferro, cobre, níquel, cobalto
---o de circulação hidrotermal em riftes de dorsais mesoceâ- e outros óxidos metálicos, com formas semelhantes a batatas
. Os depósitos de cobre do Chipre foram tão importantes (Figura 22.24). O tamanho dos nódulos varia, mas a maioria
a economia da Grécia antiga quanto os de petróleo do deles tem alguns centímetros de diâmetro. Eles se formam pe-
:--:gnte Médio são para a economia moderna. Os depósitos de la precipitação de óxidos metálicos a partir da água do mar,
'ta com importância econômica são ocasionalmente en- geralmente em um pequeno núcleo, como um dente de tuba-
[fados nas partes mais profundas dos ofiolitos. Eles podem rão ou um fragmento de rocha. Eles são potencialmente valio-
- e formado por cristalização fracionada em câmaras mag- sos, não só pela exaustão gradual dos depósitos de manganês
-: 'cas subjacentes às dorsais mesoceânicas. com alto teor, em terra, como também por serem ricos em ou-
:Yfuitos outros tipos de depósitos de minérios sulfetados de tros metais. Estima-se que os depósitos sejam da ordem de tri-
-.=emhidrotermal ou ígnea são encontrados em modernos (e lhões de toneladas.
.gos) limites colisionais de placas tectônicas, a exemplo da Esse breve resumo da geologia dos depósitos minerais mal
__ ilheira33 que se estende por toda a borda ocidental da chega à grande diversidade de ambientes tectônicos nos quais
-.::aérica do Norte até os Andes, na América do Sul, o leste do diversos minerais valiosos são encontrados. Alguns minerais ou
~terrâneo, o Paquistão, as Ilhas Filipinas e o Japão. A Fi- minérios são encontrados principalmente ou exclusivamente
22.23 resume algumas associações entre a tectônica de como determinados tipos de depósitos; outros são encontrados
5761 Para Entender a Terra

Zona de separação
. de placas Zona de convergência
. de placas
Fossa de
mar profundo Arco magmático

Cco~, . ~
oceãnica Sedimentos ~

.._-------~--~~ --_ .._-----~~--- ---" - - -" --#--

~~
Assoalho oceânico Nódulos de ~/
Nódulos de manganês manganês Cobre disseminado (pórfiro) em intru . _
Chumbo, Depósitos filonianos de chumbo,
zinco, cobre ouro, prata, molibdênio,
zinco, estanho, tungstênio
Ofiolitos com cromo, cobre, zinco, ch

Figura 22.23 O papel dos limites de placas na concentração


de depósitos minerais. Os sedimentos do mar e a crosta oceânica
são enriquecidos com metais pela deposição hidrotermal de
em muitos ambientes. Embora provavelmente exista uma a
minérios ao longo da dorsal mesoceânica. A ascensão do magma dância de corpos de minério no assoalho marinho profundo __
na zona de subducção é a fonte dos minérios que formam as maioria dos corpos de minério conhecidos é encontrada
províncias metalíferas do cinturão magmático, tais como as das porções mais antigas da crosta continental, associadas aos --
cordilheiras do oeste da América do Norte e do Sul. A fusão dos turões orogênicos. Eles podem ser originados no continente _
sedimentos subduzidos e da crosta pode contribuir para os também, representar remanescentes de pedaços de crosta oc
constituintes do minério. Os fragmentos oceânicos com nica acavalada sobre o continente em colisões de placas.
depósitos minerais (ofiolitos) sâo acrescidos ao continente na
zona de colisão.

o valor total, em dólares, de todos os recursos minerais


duzidos nos Estados Unidos, incluídos os combustíveis, ~
ceu cerca de 30 vezes nas quatro últimas décadas. Esse
cimento (que inclui alguns aumentos da inflação resultar;"~
da diminuição do valor do dólar durante esse tempo) oco==_
em uma sociedade altamente industrializada que já havia ......:-
quirido uma enorme capacidade tecnológica, cuja popul -:-
cresceu apenas 60%, no mesmo período. A recuperação ..
muitas nações, após a Segunda Guerra Mundial, e o cr ..
mento de suas economias levaram a um grande aumento

Figura 22.24 Os nódulos de manganês são pequenas


concreções encontradas no assoalho marinho profundo, que
contêm até 20% de manganês e quantidades menores de ferr
cobre e níquel. Esse nódulo tem cerca de 7,5 cm de diâmetro. r:
nódulos foram dragados do assoa lho oceânico para demonstrc.-:
viabilidade da mineração do fundo do mar. [Chip Clark)
CAPíTULO 22 • Energia e Recursos Materiais da Terra 1577

::onsumo e da produção de minerais não-combustíveis nos de- Uma questão em aberto é se o mar profundo, ainda inexplo-
::aais países do mundo, o que resultou em um declínio relativo rado, vai se tomar importante. A resposta depende, em parte, do
ia produção e do consumo dos Estados Unidos quando com- desenvolvimento de tecnologia marinha eficiente para permitir
:>arados aos demais. sua prospecção e mineração, bem como a resolução de assun-
Embora o crescimento da demanda por minerais tenha de- tos legais relacionados à propriedade dos depósitos de mar pro-
:linado nas nações industrializadas, a distribuição desigual fundo. É geralmente um consenso que uma nação tem direitos
::os recursos minerais do mundo ainda permanece e tem re- exclusivos sobre depósitos minerais na área de costa afora, den-
~rcussões econômicas e políticas de longo alcance. Por tro do limite de 200 rrulhas náuticas de sua costa - a denomina-
=xemplo, a América do Norte, com menos de 10% da popula- da zona econômica exclusiva (Figura 22.25). A propriedade
;ão mundial, consome quase 75% da produção mundial de dos depósitos minerais do assoalho oceânico, além dessa zona,
'::.Iumínio,enquanto a Ásia e a África - com cerca de dois ter- ainda está em discussão. Esses depósitos seriam propriedade
;os da população mundial -, juntas, usam pouco mais que comum de todas as nações? Propriedade de quem os descobriu
j'1o. A mesma situação desbalanceada pode ser encontrada em ou de quem os desenvolve? Ou de ambos? Como as economias
::=lação a outros materiais. As relações internacionais estão de muitas nações exportadoras de rrunerais poderiam ser amea-
"~ora profundamente afetadas devido à luta pelo controle des- çadas pela competição dessas novas fontes do fundo do mar, es-
ses recursos. Uma das causas de conflito generalizado é a de- sas nações gostariam de limitar tal desenvolvimento e obter
;:nanda que algumas nações em desenvolvimento, ricas em mi- uma quota dos lucros.
;:;erais, têm por maior controle das riquezas de seu território, Essas questões de política internacional vêm sendo debati-
~uando essas são exploradas por companhias com matrizes na das há mais de 20 anos. Em 1982, as Nações Unidas aprovaram
_-\mérica do Norte e na Europa. Em anos recentes, vários paÍ- um acordo conhecido como Tratado do Mar,34 que fornece um
~es da África e da América do Sul nacionalizaram companhias sistema legal e regulatário para o desenvolvimento de recursos
mineradoras controladas por estrangeiros. À medida que a po- de mar profundo, por uma votação de 130 votos a favor e 4 con-
;lUlação da Terra cresce, e o povo das nações menos desenvol- tra. Os Estados Unidos foram uma das nações a se oporem, pois
'-idas quer um melhor padrão de vida (mais comida, mais ma- o tratado limita a exploração mineral do fundo do mar, e aque-
:érias-primas, mais energia, mais produtos manufaturados e le país temia que as companhias privadas, que desenvolveram a
:odos os tipos de construções), a demanda por recursos rrune- tecnologia para minerar o fundo do mar e que investiram na
:ais será grande. produção não seriam adequadamente compensadas.

10

20
.. •• .6."
.t'-
,-, . •."

60
o 60 120 180 -120 -60 o

Legenda:
Zonas • Cromita I::, Ouro. platina, prata • Sulfetos poli metálicos marinhos o Gemas
econômicas exclusivas • Titânio. zircânio, • Areia e cascalho .Â. Fosforitos A., Enxofre
• Nódulos de Háfnio, tório
• Conchas, • Estanho
ferro e Manganês carbonato de cálcio

Figura 22.25 Localização de alguns dos principais depósitos de minérios não-combustíveis. Note a
existência de concentrações em limites de placas e em plataformas submarinas. As áreas em cinza delimitam
zonas econômicas exclusivas reclamadas por naçôes individuais - o oceano adentro até o limite de 200
milhas náuticas. [Segundo M. Broadus, "Sea Bed Materiais", Science 235: 853-859, 1987]
5781 Para Entender a Terra

22.3 O desenvolvimento sustentável de fertilidade podem ser correlacionadas com pobreza, alta
mortalidade infantil, expectativa de vida reduzida, mulheres
com baixa condição social e baixos níveis de educação, altos
OSfaces
cientistas que estudam
que compõem a biosfera,
sua estrutura combem
os como as inter-
oceanos, a at- índices de adultos analfabetos, falta de acesso a serviços de
mosfera e as massas de terra, farão importantes contribuições saúde reprodutiva e aceitação e disponibilidade inadequadas
para o "desenvolvimento sustentável", um conceito que está de contraceptivos. As influências culturais também desempe-
surgindo com freqüência cada vez maior em jornais, debates nham um importante papel nas taxas de fertilidade, como a
públicos, discussões em salas de aulas e publicações científi- valorização das famílias grandes, em países em desenvolvi-
cas. A palavra sustentável refere-se à salvaguarda de toda a vi- mento, a falta de seguridade para os mais velhos e fatores re-
da e dos sistemas que lhe dão suporte. Entre esses sistemas ligiosos e políticos.
de suporte estão a proteção do ambiente e dos ecossistemas
e a conservação dos recursos naturais da Terra, que fornecem
Comida para muitos bilhões de pessoas
a energia e os materiais para a sobrevivência diária dos seres a maIs
humanos. Sustentar a Terra como um local de beleza a ser
apreciada é uma importante consideração estética, cultural e Com poucas exceções - na África, por exemplo -, a agricultu-
recreativa. A palavra desenvolvimento refere-se, primariamen- ra moderna (a "revolução verde" criada pelos cientistas) pode
te, ao crescimento econômico, mas com a ressalva de que is- atualmente prover o mundo com uma produção de alimentos
so forneça os recursos financeiros para melhorar a qualidade confiável, embora ainda exista fome, por causa da pobreza.
de vida (por exemplo, residências, saúde, educação, remedia- Entretanto, a demanda por comida vai triplicar por volta de
ção ambiental) das pessoas de todos os lugares. O foco do 2050, e a produção não está crescendo suficientemente rápi-
debate é se o crescimento econômico acelerado pode ocor- do para satisfazer essas necessidades. A utilização excessiva
rer sem causar danos irreversíveis à biosfera e aos recursos da do solo para plantações e pastagem está degradando a sua
Terra, o que comprometeria a possibilidade de satisfazer as qualidade. Além disso, o aumento da demanda de substâncias
necessidades das futuras gerações. químicas para irrigação e controle de pestes, de água para ir-
Os itens a seguir consistem em objetivos a serem alcança- rigação, de energia, bem como a expansão das fronteiras agrí-
dos nos próximos 50 anos. Os resultados serão determinados colas, apresentará problemas ambientais crescentes.
pela interação dos fatores políticos, econômicos e culturais e
pela habilidade dos cientistas em aumentar a produtividade e Energia
o crescimento sem degradar o ambiente. A energia é crucial para tudo - produção de comida, manufa-
turas, transportes, aquecimento, resfriamento. Além disso, a
Diminuir e estabilizar o crescimento produção e o uso de energia são possivelmente as mais sérias
populacional dos países em ameaças ao ambiente, devido à sua capacidade de poluir o ar
desenvolvimento e desencadear mudanças climáticas globais. Será um enorme
compromisso fornecer energia limpa e suficiente para que
Os cientistas sociais e da natureza acreditam que, se esta
uma população de 10 bilhões de pessoas, em 2050, possa
ação não for implementada, a demanda por energia e por ma-
usufruir uma qualidade de vida razoável.
teriais aumentará até um ponto em que a biosfera ficará seria-
mente poluída, o aquecimento global acelerará e os recursos
serão exauridos. De acordo com um pronunciamento conjun-
Alcançar um desenvolvimento sustentável
to feito por 58 academias científicas do mundo, as altas taxas Conseguir um desenvolvimento sustentável necessitaria de
um esforço sem precedentes na história. O compromisso dos

Uma dura realidade da vida é que uma divisão per capita Algumas pessoas argumentam que pesquisar mais corpa
igualitária das reservas mundiais disponíveis não seria suficien- de minério para extraí-los não é a solução. A extração, o p -
te para levar ninguém a um nível de consumo "satisfatório", cessamento e a disposição de resíduos relacionados com a ~ -
certamente não a um nível sequer próximo ao de um país rico plotação de materiais retirados da Terra são tão danosos
da Europa ou da América do Norte. O problema é agravado pe- não podem ser sustentados. Elas propõem uma nova "econoIE:.
lo rápido crescimento da população mundial (ver Capítulo 23). de materiais", baseada na reciclagem; maior eficiência no l5
CAPíTULO 22 • Energia e Recursos Materiais da Terra 1579

líderes políticos, tanto das nações desenvolvidas como em de- Talvez a maior contribuição dos geocientistas seja o seu
senvolvimento, é necessário para remover os obstáculos ao especial entendimento da forma como a atmosfera da Terra,
desenvolvimento sustentável. As nações desenvolvidas teriam os oceanos e as massas de terra estão interligados e as formas
que contribuir substancialmente para os investimentos neces- como seus sistemas e ciclos interagem e podem ser perturba-
sários. Os cientistas da natureza, os engenheiros e os cientis- dos pela atividade humana.
tas sociais desempenhariam um papel crucial, pois novas tec- Entretanto, ciência e tecnologia serão vãs sem a visão e a
nologias e novas maneiras de fazer as coisas seriam requeri- pronta ação dos líderes políticos do mundo, ação essa dire-
das. Eles poderiam inventar modos mais eficientes de usar os cionada ao provimento de suporte moral e material para ob-
combustíveis fósseis, reduzindo as emissões de CO2, na pro- jetivos que vão mais além dos mandatos de seus cargos. Eles
cura de um fornecimento de energia "descarbonizada". Talvez teriam de subscrever o objetivo do desenvolvimento susten-
uma energia nuclear intrinsecamente segura possa vir a ser tável e promover a pesquisa necessária para desenvolver as
desenvolvida. Fontes de energia renováveis, como a energia novas tecnologias requeridas. Os autores deste livro acredi-
solar e a da biomassa, podem difundir-se caso os cientistas tam que somente estabilizando o crescimento populacional,
descubram como aumentar sua eficiência e diminuir seus cus- protegendo os ecossistemas e conservando os recursos natu-
tos. A nova biotecnologia poderá criar espécies de culturas rais da Terra poderemos evitar a calamidade mais séria que o
mais produtivas e mais resistentes às doenças, que precisem ser humano já teve de enfrentar.
de menos água e de menos fertilizantes químicos e pesticidas,
dessa forma eliminando ou reduzindo a contaminação quími- Questão para pensar
ca de aqüíferos e rios. Existem posições contrárias responsáveis, que argumen-
Um desafio será desenvolver uma "ecologia industrial", tam que a Terra pode sustentar uma população maior. Elasde-
que remova os efluentes dos processos industriais e os reci- fendem que o único recurso essencial é o intelecto humano, e
c1e.Isso implicaria um uso mais eficiente e menos desperdício
que a reunião da capacidade cerebral de uma população ain-
de materiais, energia e água. A ecologia industrial encoraja a da maior irá expandir a potencialidade que a raça humana tem
reciclagem e a substituição, o que reduziria a demanda por de criar novas tecnologias, tornando o desenvolvimento sus-
materiais e a poluição causada pelas operações de manufatu-
tentável possível. Outros acreditam que a única alternativa pa-
ra, mineração e siderurgia. Um grupo industrial caracterizou, ra as nações desenvolvidas é reverter para os estilos de vida
recentemente, essa abordagem como "mais limpa, mais con- mais simples de tempos atrás, com passos mais lentos e me-
fiável, mais leve e mais seca".35
nor consumo de recursos. Na prática, isso significaria menos
Para tratar da correlação entre alta mortalidade infantil e
comodidades de todos os tipos. Discuta sua preferência por
baixa expectativa de vida com altas taxas de fertilidade, um qualquer um dos caminhos descritos neste texto, ou por qual-
programa global incluiria:melhoramentos em engenharia sani-
quer outra opção.
tária; introdução e uso de novas vacinas e antibióticos; desen-
volvimento e disseminação de contraceptivos mais efetivos,
mais simples e mais baratos. Os geocientistas desempenha-
riam um importante papel. Pense no gás natural, na energia
geotérmica, nas fontes de água limpa, na armazenagem de re-
síduos radiativos e outros contaminantes no subsolo, em
Fontes: Our Comman jaurney: Tawards a Sustainable Transitian
grande profundidade, com segurança; em minerais e materiais;
(Washington,D.e., National ResearchCouncil, 1999); Population
e em mitigação de desastres naturais - todos discutidos nos
Summit af the Warld's Population Scientific Academies (Washing-
capítulos precedentes.
ton, D.e., National AcademyPress, 1993), www.nas.edu.

de materiais; e substituição de minerais por materiais avança- construção de um mundo sustentável. O bom uso de nosso
dos, ambientalmente benignos (ver Reportagem 22.3). Um planeta vai depender do bom entendimento de como ele fun-
exemplo é o uso de cabos de vidro de fibra óptica, feitos de ciona. Dependerá, também, da cooperação inteligente entre
areia, em vez de fios de cobre. todas as nações, para desenvolver e usar seus recursos - e de
O mundo certamente passará por maiores reajustes nas usá-Ios de forma a proteger o ambiente. Temos somente uma
próximas décadas, e não é cedo demais para começar a pla- Terra. Para continuar a viver nela, precisamos aprender a usá-
nejar abordagens eqüitativas, humanas e duradouras para a Ia sabiamente.
580 I Para Entender a Terra

Quais são as perspectivas para as fontes de energia alter-


I RESUMO nativas? Entre as fontes alternativas, podem-se citar a enE'-
gia hidrelétrica, a solar, a da biomassa e a geotérmica, nenh_-
Qual é a origem do petróleo e do gás natural? O petróleo e o ma das quais tem perspectivas imediatas de se tornar uma res-
gás formam-se a partir da matéria orgânica depositada em sedi- posta adequada para o suprimento das necessidades de enE"-
mentos marinhos, tipicamente em águas marinhas costeiras. Os gia do mundo. Com avanços na tecnologia e redução de cus--
materiais orgânicos são soterrados à medida que aumenta a es- tos, entretanto, a energia solar e a da biomassa poderão tOffi2:"-
pessura das camadas sedimentares. Sob calor e alta pressão, o se fontes importantes.
carbono orgânico é transformado em hidrocarbonetos (que são Qual deveria ser o objetivo da política energética? A pot:-
compostos de carbono e hidrogênio) líquidos e gasosos. O pe- tica energética deveria guiar as nações do mundo durante _
tróleo e o gás acumulam-se em armadilhas geológicas, que transição dos combustíveis de hidrocarbonetos para as fonr=
confinam os fluidos dentro de barreiras impermeáveis. de energia não-poluentes, renováveis. As emissões de dióxi '
Que preocupações ambientais estão relacionadas com a pro- de carbono devem ser reduzidas para diminuir o impacto ::-
dução de petróleo? A poluição na produção e no transporte do mudança do clima global. Quanto mais eficiente o uso =
petróleo é um grande problema. Os proponentes da produção energia, maior o uso de gás natural, e a introdução de tecnolc-
de petróleo acreditam que projetar cuidadosamente os equipa- gia nuclear segura facilitaria essa mudança. Temos os reclL-
mentos e os procedimentos de segurança pode reduzir em mui- sos e a tecnologia para chegar a esse objetivo pacificamente ~
to as chances de derramamentos de petróleo e satisfazer as de- sem deslocações econômicas, se os problemas sociopolític -
mandas de energia de nossa civilização. Entretanto, uma gran- puderem ser resolvidos.
de parte da opinião pública não está convencida disso, e a ex- O que é deposição de minerais hidrotermais? Os depósirn
ploração de novas reservas é, portanto, restrita em áreas de vi- hidrotermais, que estão entre os mais importantes tipos de =-
da selvagem ainda intocadas, como o norte do Alasca. neralização, são formados por água quente que é emanada -==
Por que há preocupações com relação ao estoque mundial intrusões ou por circulação de água subterrânea ou água do IIE.:
de petróleo? O petróleo é um recurso finito: ele será exaurido aquecida. A água aquecida lixivia os llÚnerais solúveis no -_
mais rapidamente do que a natureza poderia repor. Portanto, à caminho, e os transporta para rochas mais frias, onde são de!X'-
medida que seu estoque é extraído, sua disponibilidade dimi- sitados em fraturas, juntas ou espaços vazios. Esses llÚnéric_
nui, e outros tipos de fontes de energia terão de ser encontrados. podem ser encontrados em veios ou em depósitos disselllim
Nas atuais taxas de uso, o petróleo remanescente para transpor- dos, como os depósitos do tipo cobre nos pórfiros.
te, aquecimento e geração de eletricidade vai acabar em cerca Quais são os processos que levam à formação de depósit
de cem anos. minerais sedimentares? Processos sedimentares ordinário:
Qual é a origem do carvão e a dimensão desse recurso? O tanto químicos quanto mecânicos, segregam minerais ecom::-
carvão é formado pela compactação e alteração química da ve- micamente importantes como calcário, areia e cascalho, e E-
getação de pântanos. Há grandes recursos de carvão em rochas pósitos de sais de evaporitos. Os minérios sedimentares de cc-
sedimentares. Já foram utilizados cerca de 2,5% do total de car- bre e de ferro formaram-se como precipitados em ambien-=_
vão llÚnerável do mundo. sedimentares especiais, os minérios de ferro principalmen:=
no Pré-Cambriano. Os pláceres são depósitos de minério, ::-
Qual é a relação entre custo e benefício na utilização de cos em ouro e em outros minerais pesados, que foram depo=.;:-
carvão? A mineração do carvão e a poluição causada pela tados por correntes.
queima do mesmo causam riscos à vida humana e ao ambien-
te. A combustão do carvão é uma grande fonte de dióxido de Como os processos ígneos se formam? Os depósitos de rnffi,:-
carbono e das emissões ácidas que são precursoras da chuva rios ígneos formam-se tipicamente quando llÚnerais cristaL--
ácida. Entretanto, devido a sua abundância e baixo custo, o zam-se do magma, depositam-se e acumulam-se no assoalho -=,=
uso de carvão vai, provavelmente, aumentar nas próximas dé- uma câmara magmática. São freqüentemente encontrados
cadas, para gerar energia elétrica e para convertê-I o em com- mo acumulações acamadas de minerais. O rico corpo de rnffi,:-
bustíveis gasosos e sólidos. rio de Sudbury, Ontario (Canadá), por exemplo, é uma in~
máfica com grandes quantidades de sulfetos acamados de =-
A energia nuclear é uma solução para o problema energéti- quel, cobre e ferro, próximo à sua base.
co do mundo? A energia nuclear da fissão do U235 pode ser
uma fonte de energia principal, mas somente se os custos não Quais são as questões de políticas minerais enfrentada.
continuarem em crescimento e se o público puder se assegurar pela sociedade moderna? Devemos descobrir novos depé-
da sua segurança. Tem a vantagem de não liberar dióxido de sitos minerais para sustentar uma civilização mundial ca.:..:
carbono e a desvantagem de que repositórios seguros devem ser vez mais industrializada. As possibilidades de encontrar u'-
encontrados para depositar rejeitos radiativos por centenas ou vos depósitos são boas. O mar é um recurso em grande P2:"-
llÚlhares de anos. As reservas conhecidas com alto teor de U235 te ainda desconhecido. Embora avanços tecnológicos pos-
podem suportar o uso projetado das plantas de energia radiati- sam adiar o dia de pensar no assunto, os estoques se tOIE:-
va convencionais durante algumas décadas e, mesmo, por mais rão escassos à medida que a população aumentar. Portan-
tempo, se reatores mais avançados puderem ser instalados nes- a conservação, a reciclagem e a substituição por materi -
te começo de século. O uso da energia nuclear poderia estender alternativos vão se tornar cada vez mais importantes fi
as nossas reservas de combustíveis fósseis. próximos anos.
CAPíTULO 22 • Energia e Recursos Ma eriais 2 erra 581

Conceitos e termos-chave Questões para pensar

armadilha de petróleo (p. 554) • energia solar (p. 561) Este ícone indica que há uma animação disponÍrel rJ) ~
• combustível fóssil (p. 554) • minério (p. 566) (ONEOARIYlB trônico que pode ajudá-lo na resposta,

• depósito de veio (p. 570) • plácer (p. 574) 1. Um aumento de taxas de I dólar em cada galão de gasolin tJOC.-=-'
gerar 100 bilhões de dólares de receita para o governo federal. pc:xL"lr
desenvolvimento sustentável • recurso (p. 552) do servir para muitos objetivos úteis. Poderia também moti\'ar 0- i:J1O-
(p.552) • reserva (p. 552) toristas a trocar seus automóveis por outros, mais eficientes no lL'O--=
• energia geotérmica (p. 564) • zona econômica exclusiva combustíveis, portanto, reduzindo as importações de petróleo. ~I
• energia hidrelétrica (p. 564) com esse aumento, o preço da gasolina ainda seria mais baixo nos E-·
(p.577)
tados Unidos do que em muitos países europeus. Apesar dessas \'anta-
• energia nuclear (p. 560) gens, uma taxa como essa, provavelmente, não será implantada. Quais
são os argumentos contra ela?

W 2. Deveríamos estocar petróleo para garantir futura escassez


Exercícios causada por rupturas políticas? Quais são os custos e os benefícios de
se fazer isso?

Este ícone indica que há uma anil1Ulçãodisponível no sítio ele- 3. Levando-se em conta os custos das importações de petróleo para a
trônico que pode ajudá-Ia na resposta. economia, os riscos de ela basear-se em exportadores estrangeiros e as
::IlCTARWEB
conseqüências ambientais, você acha que deveríamos remover as res-
1. Você acha que o talude e a elevação continentais são bons locais pa- trições à produção de petróleo nas plataformas continentais e nas re-
:a sondagens para prospecção de petróleo, se pudermos inventar a tec- servas de vida selvagem? Argumente.
;]Qlogia necessária? Por quê?
4. Explique a seguinte afirmação: "o aumento da conservação é a fon-
~ Quais qbs seguintes fatores são mais importantes para estimar o su- te de energia mais barata".
primento futuro de petróleo e gás: (a) taxa de acumulação de petróleo;
5. Suponha que você seja um representante dos Estados Unidos na
b) taxa de afloramento natural de petróleo; (c) taxa de bombeamento
ONU. Você acabou de fazer um discurso louvando a importância do
de petróltto de reservatórios naturais; (d) taxa de descoberta de novas desenvolvimento sustentável. Como você responderia a um represen-
::eservas; (e)
I
quantidade total de petróleo presente na Terra.
tante de um país em desenvolvimento que necessita aumentar a produ-
3. Considerando os benefícios e os riscos, classifique todas as ção de energia para crescer economicamente, que reclama que seu país
=ormas de combustíveis fósseis segundo sua importância relativa, e ex- não tem o capital para investir em energia renovável e que critica os
ylique como essa ordem poderá mudar, ao fim do século XXI. Estados Unidos por serem pródigos no uso dos recursos?
6. Deveriam os Estados Unidos gastar grandes somas para estocar mi-
4. Cite três regiões do mundo que sejam grandes produtoras de nerais estrategicamente interessantes (aqueles essenciais à economia
tróleo. ou para defesa) para uso em emergências, como no caso de corte no
fornecimento externo?
!J. 5. Quais os três países com as maiores reservas de carvão?
7. Em 1992, muitas nações com interesses na Antártida assinaram um
6. Compare os riscos e os benefícios das fontes de energia por fissão
tratado concordando em não exercer atividades de mineração naquele
nuclear e combustão de carvão.
continente. Você concorda com essa decisão?
. Como você usaria o conhecimento da distribuição dos limites de
8. A temia da tectônica de placas contribuiria para a pesquisa de cor-
placas para elaborar um mapa das áreas do planeta com maior proba- pos de minérios? Como?
ilidade de ocorrência de fontes de energia geotérmica?
9. Você acredita que os habitantes de países desenvolvidos desejarão
. Que custos sociais deveriam ser incluídos na avaliação dos custos
reduzir o consumo ou mudar para uma "economia de materiais" para
reais da energia derivada dos combustíveis fósseis, da fissão nuclear e
que os materiais se tomem mais facilmente disponíveis para os habi-
do calor geotérmico?
tantes de países menos desenvolvidos?
9. Qual a principal fonte de energia que você pensa que vai ser utili-
zada em 20507 E no ano 3000?
10. Quais são as características de um depósito de minério econômico?
11. Descreva a geração de um depósito de minério por atividade hi- I Investigue você mesmo
drotermal.
Alternativas para o petróleo
12. Liste vários exemplos de depósitos de minérios de corpos ígneos.
13. Compare os processos de formação de minério nos sedimentos e As regiões mundiais produtoras de petróleo freqüentemente sofrem
conflitos decorrentes do acesso e do uso desse recurso não-renovável.
na crosta do mar profundo com aqueles existentes na zona de conver-
gência. O ativista nigeriano Ken Saro- Wiwa foi executado pelo governo de
seu próprio país, apesar dos protestos mundiais, por tentar organizar a
14. Por que a conservação e a reciclagem de matetiais úteis extraídos
população contra companhias petrolíferas acusadas por pessoas enten-
da Terra e a criação de substitutos são importantes para o futuro da hu-
manidade? didas de estarem poluindo o delta do Níger. Escolha um colega de
classe como parceiro para esse projeto. Considerando o caos que fre-
5821 Para Entender a Terra

qüentemente cerca o uso de petróleo, investigue e faça um relatório so- Sawkins, F. J. 1984. Metal Deposits in Relation to Plate Tectoni
bre uma fonte de energia alternativa que pudesse ser amplamente uti- New York: Springer- Verlag.
lizada devido a sua disponibilidade global. Science Summit on World's Population. 1993. Report of Confe-
rence of National Academies of Sciences of 80 countries. New Delti
October 24-27.
Smith, J. R. (ed). 1999. Colloquium on Geology, Mineralogy ar.
Sugestões de leitura Human Welfare. Washington, D. c.: National Academy Press.
Stone, J. L. 1993. Photovoltaics: Unlimited Eletrical Energy fro=
Baldwin, S. F. 2002. Renewable Energy: Progress and Prospects. the Sun. Physics Today (September): 22-29.
Physics Today, (April): 62-68. U.S. Bureau of Mines. 1994. Minerais Yearbook. Washingto~
Bames, H. L. and Rose, A. W. 1998. Origins ofhydrothermal ores. D. c.: U.S. Government Prining Office.
Science, 279: 2064-2065.
Briskey, J. A. et alo 2001. lt's time to know the planet's mineral
resources. Geotimes (March): 14-22.
Broadus, J. M. 1987. Sea bed materiaIs, Science 235: 853-859. Sugestões de leitura em português
Carr, D. D. and Herz, N. (eds.) Concise Encyclopedia of Mineral
Resources. Cambridge: MIT Press. Canuto, V. 2004. Efeito estufa e aquecimento global: uma visão· -
Clark, J. P. and Field III, F. R. 1985. How critical are critical mate- terdisciplinar. ln: Menegat, R. e Almeida-Silva, G. 2004. Desenvoh
riaIs? Technology Review (August/September). mento sustentável e gestão ambiental nas cidades: estratégias a par.i-
Dorr, A. 1987. Minerais: Foundations of Society. Alexandria, Va.: de Porto Alegre. Porto Alegre: Editora da UniversidadelUFRGS. -;
325-348.
American Geological Institute.
The Economist. 2001. A survey of energy. February 10. Fyfe, W. 2004. Desenvolvimento sustentável e conhecimento
planeta Terra: perspectivas para o século XXI. In: Menegat, R. e
Edwards, J. D. 1998. Crude oil and alternate energy production
da-Silva, G. 2004. Desenvolvimento sustentável e gestão ambiental n
forecasts for the twenty-first century: the end of the hydrocarbon era.
AAPG Bulletin 81: 1292-1305. cidades: estratégias a partir de Porto Alegre. Porto Alegre: Editora ~
UniversidadelUFRGS. p. 303-324.
Energy Information Administration. 2002. Annual Energy Review.
Milani, E. J., Brandão, A. S. L., Zalán, P. V. e Gamboa, L. A..~
Washington: U.S. Departrnent of Energy.
2000. Petróleo na margem continental brasileira: geologia, explora> -
Glasby, G. P. 2000. Lessons leamed from deep sea mining. Science
resultados e perspectivas. Brazilian Journal of Geophysics, 18(3): '"'.::.-
289: 551-554.
396.
Goldenberg, J. 1995. Energy needs in developing countries and
Open University. 1995. Materiais de construção e outras matéric::
sustainability. Science 269: 1058-1059.
brutas. Campinas: Unicamp.
Guilbert, 1. M. and Park Jr., C. F. 1986. The Geology of Ore Depo-
Open University. 2003. Os recursos físicos da Terra-Bloco 1 &-
sits. NewYork: W. H. Freeman.
cursos, economia e geologia: uma introdução. Campinas: Unicamp.
Heaton, G., Repetto, R., and Sobin, R. 1991. Transforming Techno-
Satterthwaite, D. 2004. Como as cidades podem <;6ntribuir para
logy: An Agenda for Environmentally Sustainable Growth in the 21 st desenvolvimento sustentável. ln: Menegat, R. e Almeida-Silva. G
Century. Washington, D. c.: World Resources lnstitute. 2004. Desenvolvimento sustentável e gestão ambiental nas cidades:
Hodges, C. A. 1995. Mineral resources, environmental issues, and tratégias a partir de Porto Alegre. Porto Alegre: Editora da Unive;:-
land use. Science 268: 1305-1312.
dadelUFRGS. p. 129-170.
Keary, P. and Vine, F. 1. 1990. Plate tectonics and economic geo- Schobbenhaus, C., Campos, D. A., Derze, G. R. e Asmus, H. :::.
logy. ln: Keary, P. and Vine, F. J. Global Tectonics, Chap. 11. London: 1984. Geologia do Brasil. Texto explicativo e mapa geológico na e:
Blackwell Scientific. Ia 1:2.500.000. Brasília: DNPM.
Monastersky, R. 1998. Can Methane hydrates fuel the 21st cen- Schobbenhaus, c., Queiroz, E. T. e Coelho, C. E. S. (eds.). I J-
tury? Science News 154: 312-314. OS principais depósitos minerais do Brasil. V.4B: Minerais e rochas - -
Moniz, E. J. and Kenderdine, M. A. 2002. Meeting energy challen- dustriais. Brasília: DNPM.
ges: Technology and policy. Physics Today, (April): 40-46. Taioli, F. 2000. Recursos energéticos. In: Teixeira, W., Toledo._~
National Research Council. 1990. Competitiveness of the U.S. C. M. de, Fairchild, T. R. e Taioli, F. (orgs.) 2000. Decifrando a Terr=
Minerais and Metais lndustry. Washington, National Academy Press. São Paulo: Oficina de Textos. p. 471-492.
National Research Council. 1991. Policy lmplications of Gree-
nhouse Warming. Washington, D. c.: National Academy Press.
National Research Council. 1992. Radioactive Waste Repository
Licensing. Washington, D. c.: National Academy Press. I Notas de tradução
National Research Council. 1993. Solid-Earth Sciences and Soci-
ety. Washington, D. C.: National Academy Press. I Um barril de petróleo equivale a 158,98 litros.
Parsons, E. A. and Keith, D. W. 1998. Fossil fuels without COz z Pronuncia-se [kwod] e não tem tradução na literatura técnica b
emissions. Science 282: 1053-1054. leira.
Physics Today. 2002. Special lssue: The Energy Challenge. April. 3 O termo inglês offshore, eventualmente não é traduzido na litera:::-
Resource Reserve Definitions. 1980. Circular 831. Washington, D. ra técnica brasileira. Ele designa a região situada mar adentro, a
C.: U.S. Geological Survey. tir da linha de arrebentação das ondas.
CAPíTULO 22 • Energia e Recursos Materiais da Terra 1583

- Também conhecida na literatura técnica como "trapa". 19 Em inglês, International Energy Agency.
: O derramamento de 24 de março de 1989 foi o maior da história, le- 20 Outros grupos de minerais que também constituem minerais de mi-
vando à morte 250 mil aves marinhas, 2.800 lontras e 300 focas, 250 nério são os carbonatos, sulfatos, fosfatos, haletos, etc.
águias, 22 baleias e bilhões de salmões e ovos de arenque. A com- 21 Em inglês, Bureau of Land Management.
panhia de petróleo Exxon Mobil (Esso) gastou 2,2 bilhões de dóla- 22 Em inglês, Forest Service.
res para limpar a baía Príncipe William, no Alasca, e 1 bilhão de dó-
23 Em inglês, National Park Service.
lares em pesquisas e programas ambientais. Porém, um estudo pu-
24 Em inglês, Department of Defense.
blicado na revista Science (12/2003) mostrou que, 14 anos depois
do desastre, os efeitos tóxicos residuais da degradação do petróleo 25 Em inglês, land-grant colleges, faculdades que receberam conces-
rêm continuado, levando à morte ovos de salmões-rosa e retardando sões de terras para se instalarem.
o crescimento de populações de lontras marinhas e patos. 26 Também denominados "filões".
=Em inglês, Arctic National Wildlife Refuge. 27 Tal processo pode estar relacionado com o fraturamento hidráulico
Em inglês, Massachussets lnstitute ofTechnology (MIT). causado pela desmistura instantânea dos gases e do vapor d'água
. Em inglês, U.S. Department of Energy. dissolvidos no magma, que se separam explosivamente, liberando
parte da pressão, nessas intrusões hipoabissais.
= O Brasil foi o primeiro país a adotar um programa de produção de
energia alternativa em larga escala ao criar o Proálcool (Programa 28 Um pipe é um corpo em forma de cilindro. A palavra inglesa é ge-
_ acional do Álcool), em 1975. O programa atingiu seu clímax em ralmente usada sem tradução.
1985, quando 96% da frota de carros novos produzidos no Brasil 29 Também chamados de BIF, iniciais da expressão inglesa Banded
eram movidos por esse combustível renovável. Em 2003, a produ- lron Formation.
ção foi de 8,8 106 m3 de álcool anidro, 14,47 106 m3 de álcool etíli- 30 Embora a tradução literal seja "veio mãe", na literatura técnica em
o (inclui metanol) e 5,6 106 m3 de álcool hidratado (Fonte: Minis- português diz-se "veio pai".
rério de Minas e Energia). 31 Em inglês, sheeted dikes eventualmente ocorre na literatura técnica
: Atualmente, o Brasil importa cerca de 15% de sua demanda de pe- brasileira sem tradução.
rróleo. / 32 Em inglês, black smokers eventualmente não é traduzi da em textos
- Em inglês,
/
Environmental Protection Agency - EPA. da língua portuguesa.
~ Em inglês, brownfield, que significa uma área que foi utilizada pa- 33 No original, Cordillera, definida como "um extenso conjunto de ca-
ra atividades industriais e, posteriormente, retomada para a constru- deias montanhosas, mais ou menos paralelas, associadas a seus va-
cão de moradias. les, bacias, altiplanos, rios e lagos, com uma direção mais geral"
..:Em idglês, Department of Energy (DOE). (Bates, R. L., Jackson, J. A. (eds.). Dictionary of geological terms.
- ~o original, Catch 22 situation, que significa uma situação impos- 3ed. New York: Anchor Press). Na América do Norte, incluem-se a
sível de resolver devido às suas características ou regras ilógicas ou Cadeia do Alasca, as Montanhas Rochosas, a Cadeia Cascade-Sier-
absurdamente restritivas. ra Nevada, a Cadeia da Costa, o Altiplano do Colorado, o Altiplano
..5Sítio eletrônico em inglês. de Colúmbia, o Grande Lago Salgado, entre outras feições nos limi-
~Em inglês, The Geysers. tes dessa faixa montanhosa com direção geral NW-SE. Na América
- Os autores referem-se ao fato de que não existem razões morais por do Sul, designa-se como Cordilheira dos Andes, onde se incluem
uma série de cadeias menores, como a Cordilheira Branca, no Peru,
parte das nações ricas para frearem as aspirações de crescimento
econômico e o conseqüente aumento no uso de energia dos países o Altiplano boliviano-peruano, o Lago Titicaca, o Deserto de Ataca-
ma, entre outros.
pobres e em desenvolvimento, sob pena de causarem uma sensação
de que devem permanecer pobres, ao tempo que os ricos podem uti- 34 Em inglês, Law ofthe Sea Treaty.
lizar energia de forma não-sustentável. 35 No original, cleaner, leaner, lighter and drier. Em inglês, o apelo do
Em inglês, Organizationfor Economic Cooperation and Develop- lema é aumentado devido à sonoridade das palavras, que não é re-
ment (OECD). produzida quando da tradução em português.