Você está na página 1de 42

Medicina Esotérica

Para praticar a Medicina Esotérica


é necessário ser um Mestre Autêntico.
Para ter um corpo sadio
devemos nos equilibrar
e eliminar a causa primordial de todas as doenças,
morrer com o eu psicológico

O objetivo fundamental da Medicina é que tenhamos um corpo sadio.


Um corpo sadio agüenta tudo e está preparado para tudo, é necessário que tenhamos um corpo sadio para
o trabalho esotérico, que agüente os supersacrifícios necessários para o despertar da Consciência.
Um corpo doentio, fraco, enfermiço, não apenas não é adequado ao trabalho, como também não condiz a
quem está trabalhando para o equilíbrio interno.
O V.M. Samael Aun Weor, em sua infatigável busca, investigou a Medicina Esotérica e sintetizou-a para o
bem de toda a humanidade doente.
Infelizmente, a humanidade ainda não se encontra preparada para exercer a Medicina Esotérica, esta é
para Mestres, para seres de consciência desperta, e não para seres humanos adormecidos, que não
trabalham sobre si mesmo.
A Medicina Esotérica, que o Mestre Samael chamou de Elementoterapia, pois trata da força vital, chamados
de elementais, os quais são os verdadeiros agentes curadores, somente é possível a quem tenha
despertado a consciência, senão se cometem erros, muitos quiseram usar estes ensinamentos, mas não
trabalharam com a morte dos defeitos, o resultado foi o fracasso; e, o pior, cobraram e exploraram a
humanidade por suas curas.
Aqui verificaremos o porquê das doenças ocorrerem, como evitá-las e como utilizar, de forma simples e
direta, o benefício da medicina esotérica. Também explicaremos os principais erros da medicina moderna,
que comete barbaridades anti-naturais em nome do progresso e da ciência.

Qual é a causa das doenças

O grande alquimista Paracelso falava de cinco causas das doenças, quem quiser aprofundá-las pode ler o
capítulo 5 da Medicina Oculta, de autoria do mestre Samael.
Podemos ficar enfermos devido a infecções, através de doenças transmissíveis, mas também por causas
ocultas que os cientistas modernos ignoram. Uma delas é o carma, muitas doenças ocorrem devido ao
carma que temos, outras surgem devido às nossas degenerações, no corpo astral se ligam larvas
produzidas pela fornicação, elas provocam doenças físicas; também, devido ao nosso adormecimento,
somos suscetíveis a ataques de entidades negativas, que roubam nossa energia pelo corpo vital, o que
causa doenças e padecimentos. E, por fim, o próprio desequilíbrio da energia, devido à ação dos "eus
psicológicos", que causam inúmeras doenças, fadiga, cansaço, estresse, úlceras, pedras nos rins, dores de
cabeça e muito outras, causadas exclusivamente pelo desequilíbrio dos cinco centros inferiores da máquina
humana, cujas energias são roubadas pelo Ego.
Refletindo, chegamos àorigem das cinco causas. Porque pegamos uma infecção? Por nosso corpo estar
vulnerável, quem nos deixa fraco e vulnerável, sem energia e suscetível, é o ego.
Qual é culpado de nosso carma? É também o ego.
Quem é o culpado de nossas degenerações, que nos leva a fornicar e a criar as larvas astrais que
provocam terríveis doenças? É o ego.
Quem nos deixa fracos e suscetíveis aos ataques dos seres negativos? Novamente o ego.
Quem desequilibra os centros da máquina humana? Acertou de novo, é o ego.
Assim, concluímos que a causa das nossas doenças é o ego. É necessário eliminá-lo de forma implacável,
só assim conseguiremos um corpo verdadeiramente são e equilibrado
Ao eliminá-lo, nossa energia se acumulará, nosso corpo ficará mais forte, poderemos cancelar nosso carma,
queimar as larvas astrais, proteger-nos contra os ataques da "loja negra", e equilibrar os centros da
máquina humana.

O Yoga Esotérico

Devemos exercitar nosso corpo físico, é, a melhor maneira de exercício, além das caminhadas e exercícios
que não forcem o Centro Motor, e o Yoga Esotérico que o V.M. Samael ensina, além de ser uma oração ao
nosso Íntimo e à nossa Mãe Divina. Esse Yoga Gnóstico é também chamado de Lamaseria ou Yoga do
Rejuvenescimento. Com esses exercícios, transcendemos nossas enfermidades, nossos problemas, todas
as situações negativas de nossa vida, além , é claro, de aumentarmos a resistência de nosso corpo físico e
de nos dar mais entusiasmo e otimismo para nossa luta espiritual. Quer aprender como é este Yoga do
Rejuvenescimento? Vá até o link que ensina esta técnica imprescindível ao gnóstico.

Conjurações

Vemos também a importância da conjuração, contra ataques das energias negativas, que querem roubar
nossa energia, prejudicando nosso corpo e nosso Trabalho, é necessário realizar, todas as noites, uma
conjuração e um círculo de proteção, para evitar tais ataques. As conjurações nada mais são do que a
conjunção de oração, mantras de proteção e Visualização Criativa.
Invocar os Mestres da Medicina
Estando doentes, ou algum familiar muito doente, podemos invocar os Veneráveis Mestres da Medicina,
estes mestres concorrem ao chamado, curando internamente os enfermos.

São os Mestres:

Paracelso
Galeno
Hipócrates
Hermes Trimegisto
Arcanjo Rafael
Mestre Huiracocha
Anjo Adonai
Mestre Plutão
Ismunn

Como realizar a petição

Devemos orar ao nosso Íntimo, ao nosso Real Ser, que ele interceda junto aos Mestres da Medicina, para
que estes venham e curem o doente, usemos a imaginação, orando como se estivéssemos realmente
diante de nosso Real Ser luminoso, e pedindo com força e intensa fé para que este interceda em nosso
favor ou da pessoa doente aos mestres da medicina.
Sempre conscientes que pedimos isto, mas que se cumpra sempre a vontade da lei divina, devemos ser
humildes e suplicar a nosso Real Ser várias vezes está petição, com todo nosso coração e alma, de forma
sincera, e ele intercedera por nós ante os grandes mestres da medicina, para que estes realizem a cura,
sempre de acordo com a lei divina.
Caso a cura não ocorra, devemos aceitar resolutos, pois não sabemos se é esta a vontade divina, e
podemos continuar suplicando ao nosso Real Ser quantas vezes for necessário.
Em tudo isto, feito com sinceridade e com coração, não há nenhum delito.

DEGENERAÇÕES DA MEDICINA MODERNA

É necessário sermos radicais com certas degenerações da Medicina Moderna, aqui as explicaremos e os
malefícios que provocam ao nosso corpo e a nossa psique.
No sangue e na coluna vertebral existe nosso carma. Quando doamos ou recebemos sangue ou, ainda,
quando retiramos o líquido de nossa coluna, estamos compartilhando e recebendo o carma de outros. Para
ter uma idéia, se recebemos o sangue de um assassino, teremos de pagar também o seu carma, ou seja,
teremos de pagar o carma de uma assassinato.
A doação de órgãos, tecidos e outras partes corpóreas tem os mesmos malefícios internos, e leva a
degeneração da espécie humana.
Porém, há uma ressalva, quando alguém sofre um acidente e precisa de transfusão, pode-se fazê-la
DIRETAMENTE, sem misturar com o sangue de ninguém nem nada, desta forma se faz DIRETAMENTE
com aquela pessoa com o objetivo de salvar a vida.
Quando recebemos sangue de alguém, cria-se um vínculo astral, e é necessário ir ao Tribunal do Carma e
queimar estes vínculos astrais.
Outra degeneração é quanto ao alimento humano, hoje o alimento se torna cada vez mais artificial, e isto é
muito ruim, a comida artificial não possui a mesma força vital que a natural, vem adulterada, nos famosos
enxertos, nos animais que crescem rapidamente com doses de hormônios, nos alimentos transgênicos.
Os hormônios que são dados aos animais, para que cresçam mais rápidos, influem no ser humano que o
come, facilitando a degenerações de todo tipo.
Devemos buscar o alimento mais natural possível, verduras sem agrotóxicos, produtos naturais, carnes sem
hormônios, nada de alimentos mudados geneticamente, quanto mais natural, melhor a alimentação, e o
organismo agradece.
Quando doentes, não devemos ser fanáticos, negando os medicamentos e tratamentos alopáticos da
ciência moderna, porém, ao mesmo tempo devemos suplicar ao nosso Real Ser que interceda junto aos
Veneráveis Mestres da Medicina, pois é indubitável que o poder da fé produz milagres.
Quanto à elementoterapia, a cura através dos elementais das plantas, que são os que verdadeiramente
curam, e não as plantas, infelizmente não estamos preparados, é necessário que sejamos homens,
despertos e conscientes, para então, após, e somente após eliminar a causa real das doenças (o ego)
possamos utilizar a cura através dos elementais da natureza.
Claro que devemos começar de algo, devemos amar as plantas, os animais, abraçar as árvores nos
parques, pedir a eles que nos dêem sua sabedoria, pedir a nosso Pai Celestial que faça com que essa
planta com a qual estamos realizando práticas realize a cura que se deseja. Devemos nos lembrar
SEMPRE que quem cura é Deus, é o Divino Espírito Santo Cósmico, por intermédio do elemental da árvore
ou planta em questão.
Lembre-se: A Medicina Esotérica é algo prático. Vivencie intensamente esses ensinamentos e não tenha
medo de ser feliz...

A Anatomia Oculta do Homem

O Conhecimento Oculto afirma que o Homem é potencialmente a criação mais


maravilhosa e complexa que Deus criou no universo.

Dentro de nós manifestam-se todas as leis cósmicas, todos os princípios elementais


e todos os anseios de auto-realização da Mãe Natureza. As virtudes mais sublimes e
o fôlego da Eternidade suspiram em nossos ouvidos tentando nos relembrar de
nossas Origens. Apesar de nosso corpo físico ser uma das obras primas da natureza,
ele é apenas uma pequena peça de um todo muitíssimo mais fantástico e complexo.

Os sete Arcanjos da Presença vibram no mais profundo da Alma na forma de átomos


de Amor, Poder e Vida em nossas sete igrejas apocalípticas (os Chacras).

A santa Fraternidade Branca interna ressoa nos átomos mais sublimes de nosso cérebro.

A ternura onipotente da Mãe Divina ilumina cada célula de nosso coração.

E o que dizer de nossos íntimos elementais atômicos? Os gnomos internos de nossos ossos e músculos, as
ondinas do sangue e líquidos sexuais, os silfos trabalhando intensamente em nossos ares vitais (pulmões,
pensamentos etc.) e as salamandras atômicas, dando-nos aquela sensação de calor e ânimo de viver.

Um grande mago moderno, dr. Jorge Adoum (Adonai), dizia que o ser humano é um rei da natureza, porém,
um rei sem cetro, cujo reino ainda espera ansioso para ser domado.
Os Sete Corpos

De acordo com as leis sagradas do Sete e do Quatro, as composições químicas e energéticas do corpo e
da alma se agrupam em níveis de densidade que vão do mais grosseiro ao mais sutil, do corpo
tridimensional de carne e osso ao Espírito da Vida.As sete estruturas, ou corpos, do homem, à semelhança
do Universo inteiro, são:

1. Físico
2. Etérico (ou Vital)
3. Astral (ou de Desejos)
4. Mental
5. Causal (ou da Vontade; Alma Humana)
6. Consciência (ou Alma Divina)
7. Íntimo (ou Espírito)

O grande mestre e médico de almas Paracelso os designava assim:

1. Limbus
2. Múmia
3. Archaous
4. Sideral
5. Adech
6. Aluech
7. Corpo do Íntimo

Os distintos sete corpos dessa Anatomia Oculta interligam-se, influenciando-se e afetando-se mutuamente.
Quando ocorre um desequilíbrio de um dos corpos acima citados, os outros ressentem, ocorrendo então
uma desarmonia ou doença. Enquanto a saúde do corpo onde primeiro ocorreu o desequilíbrio não for
totalmente restabelecida, não haverá o radical processo de cura. Ou seja, todo o conjunto permanecerá
doente (com excessão dos dois corpos mais sutis, a Consciência e o Espírito, pois estes somente
influenciam).

Alma Sã, Corpo São e Vice-Versa

É do mundo das emoções e da mente onde se origina a maioria das enfermidades, loucuras e doenças
existentes hoje. Acredita-se que as grandes guerras mundiais, as pavorosas epidemias, as grandes
obsessões e taras que infestam ciclicamente o mundo são unicamente as conseqüências materiais dos
estados interiores, resultados de uma série de poluições mentais que vemos na atualidade: falsa educação,
músicas desarmônicas, mensagens subliminares absurdas, manchetes negativistas, sexualidade
desenfreada, programas de tevê infestados de violência, gerando entre outras coisas o desrespeito a
valores universalmente aceitos, como a família, a fraternidade, o livre-arbítrio etc. Sem dogmatismos ou
falso moralismo, acreditamos sinceramente que os atributos espirituais do ser humano são os verdadeiros
alimentos para uma sociedade mais justa e equilibrada.

Afirma-se que quando se gera coletivamente um estado emocional negativo, essa vibração é recolhida
pelas superiores dimensões da natureza. E quando as circunstâncias cósmicas e telúricas permitirem, essa
energia armazenada retorna inexoravelmente aos que a geraram, criando assim os chamados Karmas
individuais, coletivos, nacionais e até mesmo os planetários.

Quando o ser humano viola as leis das causas naturais, essa violação é devolvida na forma de catástrofes,
enfermidades, terremotos, morte e desolação. Por isso dissemos que o homem é um Deus em potencial.
Ele tem o poder de criar ou destruir a si mesmo e a seu ambiente.

No mundo interior do homem ocorre o mesmo que no exterior. Quando leis são violadas, formas de agir e
sentir são erroneamente manifestadas, ocorrem as chamadas enfermidades kármicas(desta e/ou de vidas
anteriores). Aclaramos:

Graves danos no corpo causal(ou da Vontade) podem produzir o Karmaduro, o chamado karma inegociável,
além de enfermidades como a Aids, a arterosclerose, gota, males cardíacos e outros desequilíbrios da
sociedade contemporânea.

Um corpo mental mal trabalhado e em desequilíbrio pode gerar desde loucuras, cretinices, idiotias e outras
doenças mentais, até insônias, anemias, cistites, ciática, raquitismo etc.

O corpo astral normalmente é o campeão na produção e distribuição de enfermidades. Ali podem ser
gerados desde os simples abcessos às bronquites, o bócio, alguns problemas cardíacos, câncer, diabetes,
nefrites(rins), gangrenas, gastrites e úlceras gástricas, gripes, malária, hemorróidas, tuberculoses etc.

Já as doenças originárias no corpo etérico (vital) são bastante interessantes de se analisar. Por ser
contraparte energética do corpo físico, o etérico atua principalmente nos sistemas nervoso e imunológico:
Irritações, alergias diversas, calvície, convulsões, conjuntivites, epilepsia, diarréia, varizes etc...

Quanto às doenças eminentemente kármicas, ou seja, geradas por atos e/ou emoções negativas em
passadas encarnações, podemos citar:

A ira desenfreada gera a cegueira; a mentira contumaz cria deformidades físicas horríveis; o abuso da
maravilhosa energia sexual é um dos causadores do câncer e da difteria; o medo e a insegurança geram
rins e corações débeis; a ansiedade descontrolada e o ateismo afetam os pulmões, além de induzir à
malária, ao raquitismo e à tuberculose. Isso se deve a que nossos pensamentos, emoções e atitudes
atraem átomos e energias inferiores que danificam nossos corpos internos, repercutindo no corpo físico
futuro.

Significa que na outra vida o código genético terá mais ou menos dificuldades em responder às ordens
harmonizantes dos átomos divinos do Íntimo.

Enfim, demos uma pequena mostra de como nossa vida "moderna" e sedentária tem nos levado ao
aumento dos volumes dos livros de catalogação de doenças das faculdades de medicina. Graças a Deus
não existem doenças incuráveis, pois negar qualquer possibilidade de cura é negar a misericórdia do
próprio Deus, fonte do princípio universal da Vida. A grande mensagem dos grandes mestres-magos é da
urgente necessidade de nosso retorno ao Jardim do Éden primordial, a Mãe Natureza. Ali, com certeza,
seremos agraciados com seus mais belos frutos, como a saúde, a prosperidade verdadeira, a singeleza.
Quando retornarmos ao "suave jugo" e à simplicidade dos seres espirituais que nos rodeiam, teremos então
encontrado a verdadeira fonte da eterna juventude e felicidade.

Com as práticas e dicas ensinadas neste livro, realizaremos verdadeiros trabalhos de cura, harmonia e
magia para nós mesmos e para nossos semelhantes. Tudo isso baseados na simples observação dos
rituais vivos e dinâmicos do Cosmos vivo.

Poderes que Divinizam o Homem

Quando nos damos conta da existência daquela parte divina dentro de cada um de nós; quando
descobrirmos com a emoção mais profunda do coração que essa divindade íntima quer que desvendemos
as esferas superiores de nossa Consciência; enfim, quando em nossas viagens internas começamos a
responder à inteligência do Pai Íntimo, então sim, como filhos pródigos poderemos nos considerar um Deus,
em potencial.

A investigação de nossa Alma nos faz crer que existem poderes que levariam nossa vida a uma mudança
tão radical que os limites de nosso cotidiano se confundiriam com o Ilimitado. Com o uso de sons vocálicos,
mântricos, podemos conquistar nossa herança mágica, perdida num passado longínquo. Mantras são
invocações sonoras que o mago utiliza para harmonizar seu corpo e seus Centros com as forças mais sutis
da Natureza(sobre esse tema trataremos em posterior capítulo).

Os homem possui ao todo 12 poderes, ou sentidos. Cinco sentidos físicos (olfato, audição, paladar, tato e
visão) e sete suprafísicos, atrofiados na grande maioria de nós. Eventualmente um ou outro sentido
suprafísico se manifesta, dando-nos a certeza de que eles existem. Esses poderes são:
1.Clarividência
2.Clariaudiência
3.Intuição
4.Telepatia
5.Viagem Astral
6.Recordação de Vidas Passadas
7.Polividência

1. Clarividência: É a Terceira Visão.Com este poder, apresenta-se ante nosso olho interior todo o universo
oculto, as dimesões superiores e inferiores, os elementais e os anjos, os corpos sutis, os desencarnados e
as formas-pensamento. Desenvolve-se a clarividência despertando o chacra frontal (entre as sobrancelhas)
e trabalhando-se a Ira. As virtudes são paciência, serenidade e Imaginação consciente (não confundir com
Fantasia). A cor deste chacra é azul com matizes de rosa. O mantra para seu despertar é INRI...

2. Clariaudiência: É o chamado Ouvido Interno ou Oculto. Com este sentido podemos escutar a voz dos
desencarnados, dos Mestres, a Música das Esferas, compreender cada palavra pronunciada, valorizar a
virtude do amor à Verdade e compreender as Leis de Causa e Efeito. O chacra deste sentido é o Laríngeo,
situado na base da garganta. Suas cores são índigo e prata. O mantra é ENRE...

3. Intuição: É a voz divina que nos fala por meio do Cárdias, o chacra do coração. Com este sentido
captamos o profundo significado das coisas e ficamos sabendo com antecedência o que fazer. Os místicos
afirmam que este chacra desenvolvido nos dá também o poder da levitação (Jinas). A virtude para este
chacra é o Amor. E a cor é o dourado. O mantra é ONRO...

4. Telepatia: Quando andamos pela rua, pensamos em alguém e logo passamos por ele; isso se chama
captação de pensamento, e é despertado com as virtudes do respeito a tudo e a todos, a discrição, o não
julgar a ninguém. O chacra é o do plexo solar, na altura do umbigo. É chamado de Solar por ser o
acumulador dos átomos ígneos que vêm do Sol. Aclaramos que a Transmissão das ondas de pensamento
se faz por meio do chacra frontal e a captação pelo solar. As cores são o verde e o amarelo.O mantra é
UNRU...

5. Viagem Astral: Todos, sem excessão, saímos do corpo físico nas horas de sono. Nossos sonhos são
vivências (quase sempre inconscientes) de fatos ocorridos no mundo astral, ou quinta dimensão. Quem de
nós, em um dado momento, estando relaxados, de repente pensamos em alguma coisa e nosso corpo
sente um leve choque, como que assustados? Na verdade, sem o saber, estivemos saindo gradativamente
do corpo físico e voltamos bruscamente. Quando um indivíduo domina relativamente esse poder, consegue
coversar com os mestres e todos os desencarnados, penetrar nos templos das igrejas elementais, viajar a
qualquer lugar do mundo, acima e sob a terra. Quando todos os chacras, especialmente o cardíaco,
prostático e hepático, estão em perfeita sintomia com as forças sutis do Cosmos, a saída astral se torna
mais consciente. A virtude é a Vontade e os defeitos a serem trabalhados são a preguiça, o medo e a gula. A
cor é o azul celeste. O mantra é FARAON...

6. Recordação de Vidas Passadas: Essa função depende de um sistema nervoso equilibrado, ou seja, um
cérebro e uma coluna vertebral carregados de energias transmutadas. Porém, os chacras ligados a esse
poder são os pulmonares, que se situam na parte superior das costas. A virtude requerida para o despertar
desse centro é a Fé consciente e serena. Trabalhando-se com os chacras pulmonares conseguimos
absorver a experiência e o conhecimento acumulado de vidas passadas. A cor é o violeta.O mantra é
ANRA...

7. Polividência: É a virtude dos atletas da meditação, dos adeptos do Êxtase espiritual. O chacra coronário,
o do topo da cabeça, é a porta de entrada e saída da Essência. A polividência é a capacidade da nossa
consciência, ou Essência, desligar-se completamente de seus sete corpos e penetrar na Realidade Única,
na essência profunda e na razão de ser das coisas. Todas as sete cores ao mesmo tempo. O mantra
sagrado é TUM...

Anjos e Mestres Cabalísticos da Cura


Sabemos que está em moda no Brasil e no mundo a idéia de se trabalhar com os 72 Anjos Cabalísticos.
Devemos aclarar melhor essa tradição, que tem confundido o esoterista em seu desejo sincero de praticar
com as Consciências espirituais. Diz-se que cada um desses Anjos, ou Gênios, influencia a Luz Astral de
cada dia do ano, além de serem os nomes de Virtudes divinas que necessitamos despertar dentro de nós
mesmos.

Esses Seres são muito mais que isso. Segundo a Cabala Esotérica, são 72 Reitores que dirigem os
trabalhos de miríades gigantescas de anjos especialistas em medicina espiritual. Os 72 Gênios são
auxiliares diretos do Arcanjo Rafael e se prestam como uma espécie de antena espiritual captadora,
transformadora e transmissora das ondas verdes curativas que vêm do planeta Mercúrio.

Recomenda-se trabalhar com os 72 nomes sagrados utilizando-os como mantras especiais nos rituais de
cura, enquanto se realizam outros trabalhos paralelos, como Correntes de Irradiação, Defumações,
Conjurações e Limpezas astrais, Orações aos Mestres da Medicina Universal etc... Sobre Eles, leia na parte
deste livro intitulada FORMULÁRIO PRÁTICO DE MAGIA.

Mestres da Medicina Universal

Enquanto os 72 Gênios Cabalísticos canalizam as ondas áuricas de Mercúrio sobre a Terra, há miríades de
seres que se utilizam dessa energia curativa por onde quer que se faça necessário. Tais Indivíduos
Cósmicos harmonizam e curam os corpos e almas de todos os reinos, particularmente do humano, dados
os extremos desequilíbrios mental, emocional e físico em que se encontra nossa civilização.

Há templos especializados em trabalhos curativos (desobstrução dos canais de energia, cirurgias,


descontaminação por larvas astrais, realinhamento dos chacras, regeneração dos tecidos sensíveis dos
cérebros de nossos corpos sutis etc...), além de serem escolas de Sabedoria para aqueles interessados em
auxiliar desinteressadamente a humanidade.

Como há milhares de Mestres Curadores (membros da Fraternidade Branca) nas dimensões superiores
trabalhando ocultamente em nosso benefício, podemos citar somente alguns deles, que podem ser
invocados pelo leitor praticante:

Paracelso, Huiracocha, Ra-Hoorkhu (no Egito, Ra-Hoorkhuit), Anjo Aroch (conhecido no Egito como
Paroch), Hilarion, Galeno, Esmun, Anjo Adonai, Hipócrates(ou Harpócrates, no Egito,Heru-Pacroat), o
Apóstolo Pedro, Plutão e Hermes Trismegisto(esses quatro últimos são especialistas em cura do corpo
mental).

Se pudermos invocá-los com a força do amor e com toda fé e veneração possíveis, tenhamos certeza de
que seremos visitados por eles, mais cedo ou mais tarde. Ou serão enviados anjos de cura aos locais
solicitados.

Procedimentos Magísticos

De acordo com a Tabela Cabalística, o dia mais propício para se realizar Correntes de Cura é às segundas-
feiras. Isso se deve a que cada um dos sete planetas sagrados e a Terra possuem momentos de maior e
menor conjunção magnética. Entre Mercúrio e Terra, p.ex., essa maior irradiação se dá nas segundas-feiras,
mais intensamente entre meia-noite e duas da madrugada (ou seja, na madrugada de domingo para
segunda). No próximo capítulo veremos uma lista dos sete planetas e sua relação com os diversos Reinos
da natureza, cores, nomes sagrados, mantras, plantas e animais (e seus elementais), conjurações etc.

Ao realizarmos o chamamento mental dos mestres curadores, devemos estar num ambiente tranqüilo e
purificado de todo pensamento de ceticismo (removeremos montanhas caso tenhamos Fé Consciente do
tamanho de um grão de mostarda). Se tivermos um local específico para trabalhos espirituais e com um
pequeno altar, ou mesa de cura, será muito melhor ( sobre essa mesa falaremos mais, logo em seguida). E
se forem feitas as invocações entre um grupo de amigos com sentimentos e pensamentos afins, os
resultados não se farão esperar muito, se a Justiça e a Misericórdia Divinas permitirem, é claro.

Mantras Curativos e Mágicos


É reconhecido por todos que a palavra falada possui um poder
relativamente profundo na mente das pessoas, tanto positiva
quanto negativamente. Quando algum enfermo escuta palavras
de ânimo, de alento, parece que uma nova força toma conta de
sua alma, dando-lhe mais otimismo e segurança num iminente
restabelecimento. Quando alguém se deprime por diversos
problemas em sua vida, alegra-se ao ouvir um cântico religioso,
permitindo-se a uma interiorização e contemplação de seu
"mundo interior", para uma maior comunhão com Deus, a fonte
essencial da cura.
Por isso, o aspirante à Magia trata com muito cuidado e zelo
tudo aquilo que entra em seus ouvidos e principalmente o que
sai de sua boca.

Se o estampido de um canhão consegue produzir um grande estrondo em seu redor, palavras mal
pronunciadas em momento inadequado conseguem criar situações às vezes muito desagradáveis, não só
aos ouvintes, mas na maioria das vezes a quem a pronunciou.

No entanto, o poder da palavra falada, chamada de Mantraterapia (ou Verboterapia), não se restringe a uma
disciplina verbal, no sentido socrático da idéia, ou seja, simplesmente utilizar com precisão e ordem os
conceitos intelectuais que se quer transmitir. A Mantraterapia vai mais além, ao defender que por trás da
pronúncia de um som se encontra um poder, uma energia, uma força espiritual, capaz de operar
magicamente, não só no operador, mas no ambiente ao seu redor.

Ao estudarmos algumas passagens de livros religiosos, vemos como o uso dos mantras sempre foi
considerado de seriíssima importância. Encontrando-se num templo de Mistérios egípcio, o sábio grego
Sólon perguntou a um dos mestres ali presentes sobre as possíveis causas do afundamento da Atlântida;
esse Mestre afirmou com ênfase que não se podia falar inconseqüentemente sobre desgraças daquela
natureza, principalmente num ambiente carregado de energias de altíssima força espiritual, pois se poderia
atrair as mesmas circunstâncias. Essa resposta foi suficiente para calar o filósofo grego.

Vemos também um caso espantoso, como é o da destruição de Jericó por Josué e seus sacerdotes e
guerreiros, os quais rodearam as muralhas dessa cidade por vários dias e logo após entoaram cânticos,
gritaram e tocaram seus instrumentos, o que fez com que Jericó fosse totalmente destruída pelos fogos
subterrâneos. Também vemos o grande Mestre Jesus, o Cristo, realizando múltiplos milagres com a simples
pronúncia de uma tantas palavras, muitas delas ininteligíveis aos ouvidos dos não-iniciados.

A Bíblia nos diz claramente, segundo João Batista, que no princípio era o Verbo, e o Verbo estava com
Deus, e o Verbo era Deus... E o profeta Moisés, em sua Gênese, explica que Deus, Elohim, criou todas as
coisas com o uso de Sua Palavra. "Faça-se ", e o caos se transformou nas diversas ordens de Cosmos, de
acordo com a Música das Esferas, cantada pelos Construtores(Elohim é uma palavra plural, indicando que
foram os Deuses que criaram o mundo).

Por isso vemos porque a palavra sempre foi muito bem empregada, sempre foi reconhecida como
fundamental para o crescimento e desenvolvimento de nossos poderes internos, de nossa saúde mental e
física, além de nosso nível de Consciência.

Os magos afirmavam que os sons que emitimos obedecem à Lei Cósmica do Retorno, ou seja, à lei da
Causa e Efeito, ou Karma.

Toda ação gera uma reação proporcional e em sentido contrário, em três níveis: físico, mental e
conscientivo.
As origens de muitos mantras, nomes sagrados, termos cabalísticos etc.,
remontam a épocas arcaicas. Muitos ocultistas afirmam que os mantras
não passam de resquícios de uma Língua de Ouro, perdida quase que
totalmente na atualidade, somente falada por Deuses e Anjos.

Para o Profeta Enoch, esses gigantes eram Seres fantásticos que


guiaram nossa evolução em épocas imemoriais, entregando-nos seus
alfabetos sagrados e mantras de ouro.

Alguns desses mantras permaneceram até os dias de hoje, graças às Escolas de Mistérios que
conseguiram resguardar alguma coisa dessa língua mágica falada pelos Ancestrais, na forma de nomes
divinos, palavras misteriosas e sem significado aparente:

ADONAI, YAH, YOM, EHEIEH, ISIS, ALLAH, IAO, AOM, KWAN - YIN, INRI...

Diz Eliphas Lévi sobre o Poder do Verbo: "Toda Magia está numa palavra, e esta palavra, pronunciada
cabalisticamente, é mais forte que todos os poderes do céu e do inferno. Com o nome IOD-HE-VAU-HE
comandamos a natureza; os reinos são conquistados em nome de ADONAI e as forças ocultas que
compõem o nome de HERMES são todas obedientes àquele que sabe pronunciar o nome incomunicável de
AGLA. Por isso, os sábios de todos os séculos temeram diante dessa Palavra absoluta e terrível".

Os mantras foram usados para diversos fins: curativos, mágicos, ritualísticos, conscientivos, espirituais.
Para os descrentes, a pronúncia contínua e concentrada de certos mantras induz a uma auto-sugestão, a
um auto-engano. Na verdade, devido ao desconhecimento da Anatomia Oculta do Homem(como já
dissemos anteriormente), somente os Iniciados percebem os efeitos das palavras mantralizadas, que vibram
primeiramente em nossa Alma, ressoando nos chacras, nos canais energéticos (Meridianos) e sobre os
estados de Consciência.

Por isso, esses mesmos Iniciados, principalmente hindus e maias, enfatizam a idéia de que nosso corpo e
nossa alma são a resultante de um Alfabeto Cósmico e cada fonema vibra em determinadas regiões de
nosso organismo, atuando terapêutica e magicamente sobre o próprio mantralizador. Ou seja, somos um
instrumento musical que deve vibrar com as mais deliciosas melodias cósmicas.

Vejamos alguns exemplos práticos, entregues pelo VM Samael Aun Weor em seus diversos tratados, que
complementam este texto:

MANTRA FINALIDADE
AOM Cristaliza o que se desejou, é o nosso Amén; harmonizador

Conjunto poderoso de mantras para se atraira força curativa do Sol. São os


AOM-TAT-SAT-TAM - PAM-
mantras do Arcanjo Michael, Inefável Senhor do Sol
PAZ
Limpa e abre a atmosfera astral para a manifestação dos Mestres,
HAGIOS
possibilitando maior contato com eles durante rituais
Poderoso mantra de invocação dos Mestres Ascensionados. Deve ser
ANTIA-DAUNA-SASTASA
cantado
OM...HUM... Melhora nossa meditação e interiorização
JEÚ... Amplia nossa atenção e auto-observação; ótimo para meditação
RAOM-GAOM Ajuda-nos a recordarmos nossos sonhos
MORFEU Controlamos nossas Viagens Oníricas
GU... RU... Cura o fígado
HELION-MELION- Fecha nossa Aura. Para Defesa Psíquica
TETRAGRAMATON
BHUR Cura nosso Baço
M... Fortalece e cura próstata / útero; regula a menstruação
KRIM... Cura o estômago, congestões, úlceras etc.
EGIPTO... Cura o fígado e auxilia nas viagens astrais
EFTAH... Cura as cordas vocais e tiróide
OMNIS - HAUM - INTIMO... Atrai as forças superiores do Pai Interno (Íntimo)
OM MANI PADME HUM Outro mantra para invocarmos nosso Íntimo
IN...EN... Atraem as forças curativas do Espírito Santo, Senhor dos Curadores
Sagrado mantra da Ave de Minerva, que realiza qualquer meta desejada.
JAORI
Direciona nossos fogos interiores para a realização do pedido
I... Se prolongada, esta vogal direciona a energia vital para o cérebro
E... Idem para a garganta, cordas vocais, tiróide e paratiróides
O... Cura e fortalece o coração. Poderoso para problemas cardíacos
U... Fortalece as funções digestivas
A... Cura os pulmões e limpa o sangue
ONOS AGNES Minimiza a dor de dentes
OMNIS - BAUN - IGNEOS Mantra para invocarmos ajuda dos mestres médicos maias
Poderoso mantra lunar, ensinado pelos mestres astecas. Altamente curativo
MANGÜELE-MANGÜELA
e transmutador
S... M... HAN... Cura do corpo mental
SENOSSAN - GORORA -
Mantra mágico de um Deus dos Oceanos
GOBER - DON
ADONAI Mantra lunar curativo
ABRAXAS Cura pelos Seres do Fogo

Mantras de transmutação

Existem alguns mantras poderosos de transmutação alquímica. Transformam nossas energias sexuais,
emocionais e mentais em elementos energéticos e espirituais, além de curativos. Essas energias
transmutadas se espalham maravilhosamente pelo organismo através de seu principal conduto, a coluna
vertebral.
Enquanto vocalizamos um dos mantras dados em seguida, podemos visualizar essa energia transmutada
em fogo regenerador subindo pela espinha dorsal até a cabeça, e daí até o coração, espalhando-se por
todo o corpo. Vejamos:

INRI...ENRE...ONRO...UNRU...ANRA... Seqüência de mantras que desperta os principais chacras


ARIO... Mantra da constelação de Aquário
IAO... Nome gnóstico de Deus; equilibra e direciona
TORN... Mantra transmutador de Escorpião
SSS... Transmuta, purifica e protege a Aura
KRIM... Acumula a energia transmutada no plexo solar
Obs.: Quando ao final do mantra colocamos reticências (...), isso indica que deve-se prolongar a
sílaba ou palavra até o final, até o ar ser totalmente expulso dos pulmões. Caso haja somente um
hífen (-), então as sílabas deverão ser mantralizadas na mesma respiração.

Oração Gnóstica da Cura


Os Mestres da Santa Igreja Gnóstica concorrem ao leito dos enfermos para curá-los.
Há uma Oração Gnóstica que todo enfermo deve pronunciar para pedir ajuda aos
Mestres. Ei-la aqui:

"Tu, Logos Solar, emanação ígnea, Cristo em substância e Consciência, vida


potente pela qual tudo avança, vem até mim, e penetra-me, ilumina-me, banha-
me, transpassa-me,e desperta em meu Ser todas essas substâncias que tanto
são parte de ti quanto de mim mesmo.

Força universal e cósmica, energia misteriosa, eu te conjuro, vem a mim,


remedia minha aflição, cura-me de todo mal e afasta este sofrimento para que
eu tenha Harmonia, Paz e Saúde.

Peço, por teu Sagrado Nome, que os Mistérios e a Igreja Gnóstica me ensinaram, para que faças
vibrar comigo todos os mistérios deste plano e de planos superiores, e que essas forças reunidas
consigam o milagre da minha cura.

Que assim seja."

Altares Mágicos e de Cura

As mesas, ou altares, de cura nos santuários médicos são feitas


de cipreste, cedro ou outra madeira olorosa, e se faz a
consagração dessas madeiras banhando-as com óleo de rosas,
cera virgem, almécega, incenso, aloés, tomilho e resina de
pinho. Antes, porém, da consagração, o altar deve ser bem
lavado com água morna e sabão perfumado. Afirma-se que os
produtos acima citados possuem poderes ocultos e captam as
ondas mentais do planeta Mercúrio, morada do Cristo Curador.
Sobre essa mesa de cura se pode colocar um mantel de
algodão ou linho e os objetos ritualísticos são: vasos com flores,
um crucifixo, objetos representando os Elementos da natureza,
como se ensina abaixo, azeite de oliva e sal, um candelabro
portando velas coloridas e perfumadas (com exceção das velas
pretas, marrons, cinzas e outras, escuras), além de símbolos
planetários do Sol, Mercúrio, Vênus ou Júpiter (como
quadrados mágicos, pentáculos e metais dos planetas), de
acordo com o trabalho a ser efetuado.

Os altares esotéricos, gnósticos, são muito criativos e profundamente ricos em objetos carregados de
simbologias. Para representar os elementos do Cosmo e da Natureza, podem ser colocados nessa Altar um
cetro ou uma pequena barra de ferro com sete divisões (para o elemento Terra), um cálice ou copo com
água (Água), uma pena de ave de alto vôo ou uma estrela de seis pontas (Ar) e uma espada ou punhal
(Fogo) ou mesmo as velas acesas de um candelabro (com uma, três ou sete velas).
A Cura pelos Perfumes

Todos os templos esotéricos e curativos do passado e mesmo os atuais


sempre deram ênfase especial aos perfumes. Tanto no sistema de
defumação quanto nos banhos com óleos ou uso de objetos odoríferos
nesses santuários, os perfumes eram importantes para o restabelecimento
da saúde do usuário ou do paciente, devido à sua influência sobre o cérebro
e o sistema nervoso em geral; do ponto de vista oculto, a vibração dos
produtos aromáticos excita os chacras e fortalece os corpos internos,
iniciando uma harmonização "de dentro para fora".

Os árabes eram especializados em produzir perfumes e óleos essenciais e por isso eram reconhecidos
mundialmente por seus livros e tratados de Osmoterapia (ou Aromaterapia) que versavam acerca da
confecção desses perfumes e óleos. As maiores bibliotecas espanholas, portuguesas e francesas ainda
guardam valiosíssimos volumes e farta documentação sobre esse conhecimento fantástico.

Os indianos e tibetanos eram exímios manipuladores da Aromaterapia e a aplicavam em suas medicinas, as


quais classificavam os perfumes em cinco categorias: repugnantes, picantes, aromáticos, rançosos e
embolorados. A medicina tibetana afirmava que os perfumes têm um efeito especial no subconsciente,
puxando todas as informações ligadas ao processo natural de autocura do indivíduo.

Os grandes templos budistas, a maioria deles na China e no Tibet (infelizmente, grande parte destruída)
utilizavam-se de madeiras odoríficas para a confecção das estátuas sagradas de Buda e da Mãe Cósmica
(Tara). Ainda se vêem nos conventos diversas bandeirolas coloridas e estátuas sagradas feitas de Sândalo,
aromatizadas com deliciosos e sutis perfumes. Afirma-se que as orações mântricas feitas diante dessas
estátuas podiam realizar verdadeiras e radicais curas, mesmo à distância.

Entre os índios da América do Norte era comum se cobrir os enfermos e desequilibrados com a fumaça de
certas plantas, como o zimbro e o tabaco. Diziam que com esse procedimento expulsavam os maus
espíritos que se alimentavam de doenças e desentendimentos, além de atraírem a presença do deus
supremo da cura, Wakan Tanka, o deus-búfalo(é o próprio Espírito Santo).

Por isso se realizavam rituais com "cachimbos da paz" para se realizar acordos amistosos.

Podem-se ver também, em muitos santuários curativos, pequenas bolas feitas de panos embebidos em
óleos especiais e enrolados sobre folhas e raízes de plantas especiais. É doze o número mínimo dessas
bolas e se as penduravam nos tetos e portas desses templos ou nos braços das estátuas. Essas bolas,
chamadas pelos tibetanos de Tchim-Purma, contêm ervas e perfumes ligados aos princípios
harmonizadores dos doze signos. Sabe-se pela astrologia que cada constelação zodiacal vibra
intensamente em determinada parte do corpo e o aspecto vital(ou etérico) de cada uma dessa partes da
anatomia humana pode ser trabalhado, excitado e curado pelos Perfumes Zodiacais. Por exemplo: se
alguém estiver com dor de cabeça ou esgotamento mental, esfregar suavemente a seiva ou o óleo das
plantas arianas( que regem a cabeça); para curar os pulmões, cheirar ou tomar óleo ou chá de eucalipto, e
assim por diante, sempre se respeitando certos cuidados, é óbvio.

SIGNO PERFUME

ÁRIES MIRRA, CARVALHO ou ZIMBRO(óleos)


TOURO MARGARIDA, COSTO(erva aromática)
GÊMEOS ALMÉCEGA e ESPECIARIAS
CÂNCER EUCALIPTO ou CÂNFORA
LEÃO BENJOIM ou OLÍBANO
VIRGEM CANELA ou SÂNDALO BRANCO
LIBRA GÁLBANO, ROSA ou MURTA
ESCORPIÃO HORTÊNSIA ou CORAL
SAGITÁRIO ALOÉS ou HELIOTROPO
CAPRICÓRNIO PINHO (extrato)
AQUÁRIO NARDO
PEIXES TOMILHO ou DAMA-DA-NOITE

As Defumações

Para os gnósticos, a queima num braseiro, ou turíbulo, de perfumes, óleos essenciais, raízes e folhas
secas, cascas e resinas cristalizadas, vai além da sensação prazerosa de nosso sentido olfativo. Há uma
influência direta e profunda em nossos ritmos nervoso, respiratório e cardíaco, provocando então uma
incrementação no processo curativo. Porém, vai-se mais além ainda: O Mago sabe que o poder energético
da fumaça que se desprende das ervas e produtos queimados possui a capacidade de influenciar nossos
corpos internos. Na verdade, é a própria presença e poder do Elemental que se verifica naquela fumaça que
envolve o paciente ou o ambiente. O elemental ligado ao produto queimado pode provocar uma série de
fenômenos: acelerar o movimento dos chacras, redirecionar as forças vitais do organismo(equilibrando as
energias que estão em excesso e as que estão em falta), dissolver formas-pensamento (chamadas pela
psicologia de Fixações Mentais), anular fluidos magnéticos, denominados popularmente de mau-olhado,
encosto etc.; e, além de tudo, destruir os chamados Elementares.

O Despertar dos Chacras


Quando nos damos conta da existência daquela parte divina dentro de cada um
de nós; quando descobrirmos com a emoção mais profunda do coração que
nossa Divindade Íntima quer que desvendemos as esferas superiores de nossa
Consciência; enfim, quando em nossas viagens internas começamos a
responder à inteligência do Pai Íntimo, então sim, como filhos pródigos
poderemos nos considerar um Deus, em potencial.

A investigação de nossa Alma nos faz conceituar que existem poderes que
levariam nossa vida a uma mudança tão radical que os limites de nosso
cotidiano se confundiriam com o ilimitado. Com o uso de sons vocálicos,
mântricos, podemos conquistar nossa herança mágica, perdida num passado
longínquo. Mantras são invocações sonoras que o mago utiliza para harmonizar
seu corpo e seus Centros com as forças mais sutis da Natureza.

O homem possui ao todo 12 poderes, ou sentidos. Cinco sentidos físicos (olfato,


audição, paladar, tato e visão) e sete suprafísicos, atrofiados na grande maioria de nós. Eventualmente, um
ou outro sentido suprafísico se manifesta, dando-nos a certeza de que eles existem. Esses poderes são:

1. Clarividência
2. Clariaudiência
3. Intuição
4. Telepatia
5. Viagem Astral
6. Recordação de Vidas Passadas
7. Polividência

1. Clarividência: É a Terceira Visão. Com este poder, apresenta-se ante nosso olho
interior todo o universo oculto, as dimesões superiores e inferiores, os elementais e
os anjos, os corpos sutis, os desencarnados e as formas-pensamento. Desenvolve-
se a clarividência despertando o chacra frontal (entre as sobrancelhas) e
trabalhando-se a Ira. As virtudes para se despertar este chacra são paciência,
serenidade e Imaginação consciente (não confundir com fantasia). A cor deste
chacra é azul com matizes de rosa e prata. O mantra para seu despertar é INRI...

2. Clariaudiência: É o chamado Ouvido Interno ou Oculto. Com este sentido


podemos escutar a voz dos desencarnados, dos Mestres, a Música das Esferas,
compreender cada palavra pronunciada, valorizar a virtude do amor à Verdade e
compreender as Leis de Causa e Efeito. O chacra deste sentido é o Laríngeo,
situado na base da garganta. Suas cores são índigo e prata. O mantra é
ENRE...

3. Intuição: É a voz divina que nos fala por meio do Cárdias, o chacra do
coração. Com este sentido captamos o profundo significado das coisas e
ficamos sabendo com antecedência o que fazer. Os místicos afirmam que
este chacra desenvolvido nos dá também o poder da levitação (Jinas). A
virtude para este chacra é o Amor. E a cor é o dourado. O mantra é ONRO...

4. Telepatia: Quando andamos pela rua, pensamos em alguém e logo


passamos por ele; isso se chama captação de pensamento, e é despertado
com as virtudes do respeito a tudo e a todos, a discrição, o não julgar
ninguém. O chacra é o do plexo solar, na altura do umbigo. É chamado de
Solar por ser o acumulador dos átomos ígneos, ou Prana, que vêm do Sol.
Aclaramos que a Transmissão das ondas de pensamento se faz por meio do
chacra frontal e a captação pelo solar. As cores são o verde e o amarelo.O
mantra é UNRU...

5. Viagem Astral: Todos, sem exceção, saímos do corpo físico nas horas de
sono. Nossos sonhos são vivências (quase sempre inconscientes) de fatos
ocorridos no mundo astral, ou quinta dimensão. Quem de nós, em um dado
momento, estando relaxados, de repente nosso corpo sente um leve choque,
como que assustados? Na verdade, sem o saber, estivemos saindo
gradativamente do corpo físico e voltamos bruscamente. Quando um
indivíduo domina relativamente esse poder, consegue conversar com os
mestres e todos os desencarnados, penetrar nos templos das igrejas
elementais, viajar a qualquer lugar do mundo, acima e sob a terra. Quando
todos os chacras, especialmente cardíaco, prostático e hepático, estão em
perfeita sintomia com as forças sutis do Cosmos, a saída astral se torna
mais consciente. A virtude é a Vontade e os defeitos a serem trabalhados
são a preguiça, o medo e a gula. A cor é o azul celeste. O mantra é
FARAON...

6. Recordação de Vidas Passadas: Essa função depende de um sistema


nervoso equilibrado, ou seja, um cérebro e uma coluna vertebral carregados
de energias transmutadas. Porém, os chacras ligados a esse poder são os
pulmonares, que se situam na parte superior das costas. A virtude requerida
para o despertar desse centro é a Fé consciente e serena. Trabalhando-se
com os chacras pulmonares conseguimos absorver a experiência e o conhecimento acumulados de vidas
passadas. A cor é o violeta. O mantra é ANRA...

7. Polividência: É a virtude dos atletas da meditação, dos adeptos do Êxtase espiritual, ou pré-Samadhi. O
chacra coronário, o do topo da cabeça, é a porta de entrada e saída da Essência. A polividência é a
capacidade da nossa consciência (Essência ou Budhata), desligar-se parcialmente de seus sete corpos e
penetrar na Realidade Única, na essência profunda e na razão de ser das coisas. Todas as sete cores ao
mesmo tempo. O mantra sagrado é TUM...

Despertando os 7 Chacras

Existem 7 Templos sagrados no mundo astral ligados aos elementos cósmicos e nos conectamos
magneticamente a eles por meio de nossos sete principais chacras, batizados no esoterismo crístico de
Igrejas do Apocalipse ou Velas do Candelabro do Templo. De acordo com o Yoga, os chacras principais
são :

Muládhara (Igreja de Éfeso ou Básico): situa-se entre os genitais e o ânus, e sua raiz fica na ponta da
espinha dorsal. Liga-nos ao elemento Terra e seus mantras principais são o IAO e o S (como o silvo
prolongado de uma serpente). Os grandes magos afirmam que ao se despertar esse centro dominamos
externamente os gnomos e pigmeus, além dos fenômenos telúricos, como terremotos, erosão, pragas de
formigas, lesmas e outros. Internamente, desenvolvemos a Paciência, a Diligência e a Laboriosidade. Todos
os chacras das pernas (dos joelhos, do descarrego nos calcanhares, das solas dos pés etc.) estão
subordinados ao Básico.

A Kundalini acha-se encerrada no chacra muládhara e deste chacra emanam quatro Nádis semelhantes a
pétalas da flor de lótus. Muládhara é a morada do Tattwa Prittivi (ou, Elemento Etérico da Terra).

Swadhishtana (Igreja de Smirna, Prostático; chamado de uterino, nas mulheres): Localiza-se a quatro
dedos acima dos órgãos sexuais, no púbis. Seus mantras principais são M e Bhuvar. Com ele trabalhamos
o Tattwa Apas, com os elementais das águas, ondinas e nereidas, dominando as nuvens chuvosas, as
ondas dos mares, as enchentes e as leis de equilíbrio da natureza (chamadas de Leis do Trogo
Autoegocrático Cósmico Comum. É um nome complexo, mas significa Tragar e Ser Tragado, Receber e
Doar, Dar para Receber). Interiormente, desenvolvemos a Castidade, a Fidelidade e a compreensão da
Prosperidade. Este chacra é o centro de irradiação e controle de outros, como o da bexiga, testículos (ou
ovários) e rins.

Manipura (Igreja de Pérgamo ou Solar): Confere o poder da telepatia. Mas também dominamos o Fogo, e
seus seres, as Salamandras e os Vulcanos. Psiquicamente, pode-se dominar os incêndios, as fogueiras, o
poder curativo das velas. Seus mantras principais são: U e RAM. Tattwa Tejas. Este chacra domina os
chacras secundários e terapêuticos, como do fígado, do baço, do pâncreas, o da boca do estômago etc.

Anahát (Igreja deTiatira, Cárdias): O chacra cardíaco, por nos ligar aos elementais do Ar, Silfos e Sílfides,
Fadas e Elfos, nos dá poderes sobre o vento, os furacões, as brisas, a levitação, o teletransporte. Tattwa
Vayú. Também nos confere a compreensão da natureza pela teologia, pelos rituais e a mensagem dos
símbolos pela Intuição. O Cárdias controla os chacras pulmonares, os das axilas, dos cotovelos e os das
palmas das mãos.

Vishudda, Ajna e Sahásrara (Igrejas de Sárdis, Filadélfia e Laodicéia; Laríngeo, Frontal e Coronário):
Auxiliam-nos a trabalhar e compreender as energias cósmicas, superiores, do Ser, como o desapego, a
sabedoria, a verdade, a inteligência, a justiça, a misericórdia etc., já que a Loja Branca Atômica de nosso
corpo físico situa-se no cérebro. Esses três chacras sagrados têm sob sua influência outros, como o do
cerebelo, o “chacra oculto”, os sete chacras especiais que circundam o coronário, o do hipotálamo, do timo,
do palato etc.

Enfim, nosso organismo psíquico contém uma fantástica constelação de chacras que nos ligam às mais
variadas energias cósmicas e telúricas. Alguns afirmam que nosso corpo astral possui cerca de 10 mil
chacras e o corpo mental está estruturado com mais de 200 mil chacras. Isso, sem contar os chacras dos
outros corpos.

Conhecendo a parte enferma da alma e do corpo, deficiências ou com bloqueios, podemos trabalhar com as
salamandras, os gnomos etc. Conhecendo o procedimento ritualístico, os símbolos, os mantras, os nomes
das Deidades especialistas em determinadas energias, podemos iniciar um verdadeiro trabalho magístico.
O grande segredo é o Conhecimento prático, e não unicamente a teoria estéril. É o que se propõe ensinar
neste site.

Prática 1

Procure mais uma vez uma postura de relaxamento e meditação. Imagine que seus chacras tomam a forma
de luminosas flores cor de rosa. Dos mantras acima citados (para despertar um dos sentidos paranormais),
escolha um deles que você sinta mais afinidade e pratique por cerca de 10 minutos. Visualize que o chacra
correspondente ao mantra escolhido se transforma num templo dentro de você. Penetre com a Imaginação
Consciente dentro desse templo e sinta a Sabedoria ali contida. Ore à sua Mãe Divina e peça que Ela
preencha seu corpo e sua Consciência com Amor, Sabedoria e Força. Lembre-se: cada exercício deve ser
praticado por pelo menos uma semana, e todos por toda sua vida. Sinta a energia contida em cada prática.
Ao final de cada exercício mântrico, agradeça ao Pai Celestial por mais esta oportunidade de espertar sua
Consciência.

Prática 2

Fique de pé, feche os olhos e relaxe seu corpo. Imagine que das solas de seus pés saem gigantescas
raízes coloridas e muito fortes. Essas raízes penetram no mais profundo da terra, alcançando as regiões
mais inacessíveis do corpo planetário. Invoque a Divina Mãe Terra. Suplique-lhe seus atributos e poderes,
tais como saúde, estabilidade, sabedoria, contemplação, compreensão profunda etc. Imagine que tudo o
que você pediu está penetrando pelas raízes de seus pés e se espalha por todo o coro e finalmente até sua
Alma e sua Consciência.

É POSSÍVEL DESPERTAR A KUNDALINI COM O PRANAYAMA?


(Pergunta ao Venerável Mestre Samael)

Pergunta: Mestre, algumas pessoas consideram que se pode despertar


a Kundalini e fazer subir o fogo sagrado através da coluna vertebral
somente com práticas de pranayama, isto é, sem a necessidade do
Sahaja Maithuna. Gostaríamos de saber sua opinião. Saber se isso é
possível.

VM: Com o maior prazer darei resposta a essa pergunta. Quero que
compreendam que existem Três Forças Primárias no Universo. Em
primeiro lugar, ninguém que tenha estudado ciências naturais poderá
ignorar a realidade dos organismos unicerebrados, isto é, dotados de
um só cérebro. Exemplos: moluscos, caracóis, insetos que duram tão-
somente uma tarde de verão etc. Neles expressa-se uma única força.
Em seguida vêm as criaturas bicerebradas, isto é, dotadas de dois
cérebros: águias, cavalos, cachorros, gatos e animais superiores de
toda espécie. Neles expressam-se duas forças. Depois vêm os
organismos tricerebrados. Esses três cérebros existem somente no
animal intelectual, equivocadamente chamado homem. Nele se
expressam as três forças.

Quero dizer que os organismos unicerebrados possuem sensações, os bicerebrados possuem sensações e
percepções e os tricerebrados sensações, percepções e conceitos. Obviamente, só os organismos
tricerebrados poderiam cristalizar as três forças da Natureza dentro de si mesmos aqui e agora.

Essas três forças são representadas na Índia por Brahma, Vishnu e Shiva: o Santo Afirmar, o Santo Negar e
o Santo Conciliar; as forças positiva, negativa e neutra. Para gerar um filho, necessita-se forçosamente das
três forças. A primeira, o Santo Afirmar, seria representada pelo elemento masculino e a segunda, o Santo
Negar, seria representada pelo elemento feminino. Durante a cópula, o Santo Conciliar concilia as duas
forças, masculina e feminina, para gerar um filho. Sem dúvida alguma, não seria possível a geração de um
filho sem o concurso das três forças da Natureza.

Passemos agora a Devi Kundalini. Obviamente, a Serpente Ígnea de nossos mágicos poderes jamais
poderia despertar e se desenvolver com uma única força: a masculina ou a feminina. Necessita sempre o
concurso das três forças: positiva, negativa e neutra; o Santo Afirmar, o Santo Negar e o Santo Conciliar.
Querer desenvolver a Kundalini com uma única força é como querer gerar um filho com uma só força. Isso é
completamente impossível, seria querer contradizer a sabedoria tântrica. Aqueles que quiserem realmente
conhecer nossos embasamentos devem estudar o tantrismo oriental, investigar o tantrismo budista, o
tantrismo da Igreja Amarela do Tibet, o tantrismo zen budista ou chang ou o tantrismo chinês etc.

Todo aquele que tenha recebido a Iniciação Tântrica, que conheça a fundo os Tantras e que tenha se
aprofundado no esoterismo do Sahaja Maithuna sabe muito bem, por experiência direta, que o despertar da
Kundalini somente é possível mediante o concurso das três forças. Essas três forças somente conseguem
se unir e trabalhar de verdade na Forja dos Ciclopes, na Nona Esfera, com o Sahaja Maithuna. No entanto,
acontece que muitas pessoas que praticam pranayama podem fazer com que saltem chispas da chama. É
claro que todos nós temos no cóccix uma verdadeira fogueira acesa. Ali temos Devi Kundalini Shakty,
enroscada três vezes e meia.

Há uma íntima relação entre a respiração e o sexo. É possível fazer saltar chispas durante o respirar. Se
soprarem sobre uma chama moribunda que haja por aí, em algum lugar, havendo combustível, verão como
dessa chama poderão saltar outras chispas. Portanto, com o pranayama, a única coisa que se consegue
verdadeiramente é fazer saltar chispas. O pranayama jamais poderia despertar o desenvolver o fogo
serpentino anular que se desenvolve no corpo do asceta e jamais poderia fazer a Kundalini subir pelo canal
medular da espinha até o cérebro.

Aqueles que praticam o pranayama, ao conseguirem que certas chispas circulem por seus nadis ou canais,
julgam ter despertado a Kundalini, já que tiveram tal ou qual iluminação, tal ou qual percepção extra-
sensorial etc. Mais tarde, eles vêm afirmar de forma enfática que se pode despertar a Kundalini unicamente
à base de pranayamas. Isso é completamente falso e vai contra a Iniciação Tântrica, contra os Tantras
ensinados nas escolas esotéricas. Assim, pois, falo do que é real...

Quem quiser verdadeiramente despertar e desenvolver a Kundalini terá de baixar, forçosamente, à Nona
Esfera. Negar isso seria jogar fora a Divina Comédia de Dante ou jogar fora os velhos textos da sabedoria
antiga, reduzir a pó a Ilíada de Homero, a Eneida de Virgílio, o esoterismo dos Quatro Evangelhos, o
Apocalipse de São João, o esoterismo do Bhagavad Gita, o Alcorão etc. É lamentável que ainda haja no
mundo pessoas que lancem conceitos tão sem fundamento. Estão equivocados; isso é tudo.

O Que é Pranayama

Pranayama é o controle da energia vital, sendo a regulação dos


movimentos da respiração, o meio de alcançá-lo. O tórax, ou a cavidade do
peito é como uma caixa móvel que contém os mais importantes órgãos da
respiração: os pulmões, e da circulação: o coração. Os principais músculos
do tórax são os intercostais, que preenchem a cavidade entre as costelas, e
o diafragma na base, separando a cavidade peitoral da abdominal,
participantes ativos na respiração.

Naturalmente outros pequenos músculos trabalham no ato da respiração,


inclusive os da face. Na respiração, o ar entra pelas narinas, passando pela
laringe e traquéia, que se divide em duas, uma para cada pulmão. Os
pulmões têm uma textura elástica e são formados por pequenos sacos, os
alvéolos, cuja função é permitir que as células vermelhas do sangue
absorvam oxigênio e devolvam gás carbônico. Essas células vermelhas são as carregadoras de oxigênio
dos pulmões para os diversos tecidos do corpo. O oxigênio é imprescindível em toda e qualquer atividade
humana. Todo esse trabalho é intimamente conectado com o funcionamento do coração. Do ponto de vista
fisiológico, o propósito de qualquer exercício respiratório é a assimilação de uma máxima quantidade de
oxigênio com um mínimo gasto de energia. Do ponto de vista yogue, o propósito do exercício respiratório é
diminuir o ritmo do metabolismo, mais especificamente, diminuir o movimento psíquico (facilitando a
concentração). Como já citamos anteriormente, os yogues postulam a existência de dois tipos de atividade
neurofisiológica que geram e controlam o ato da respiração: uma é estimulada pela influência solar,
juntamente com a respiração pela narina direita (pingala); a outra, é estimulada pela influência lunar e a
respiração pela narina esquerda (ida). É muito importante para a saúde, o equilíbrio entre estas duas
correntes energéticas. Desde muito cedo, foi também observado pelos yogues, a correlação entre o
funcionamento cerebral e mudanças no volume, força e ritmo da respiração. Falam de uma bio-unidade
entre mente e 'prana', uma correspondência entre o pensamento/emoções e a respiração. Prana é um
conceito que tem causado muita polêmica entre os escritores modernos sobre seu significado. O yogue Shri
Yogendra o define como uma 'força biomotora' ou 'bioenergia', ou 'energia vital', difundida por todo o corpo e
sustentáculo da vida. É a energia responsável pela unidade e harmonia do corpo. Sua principal função é o
movimento. O movimento mental, ele próprio, é prana. Sem prana não há função cognitiva. Em outras
palavras, prana "é uma atividade vibratória que sustenta o processo da vida" (Yogendra). O ato de inspirar e
expirar "alimentam" este funcionamento. Pranayama tecnicamente é a restrição ou suspensão da inspiração
ou da expiração (literalmente é restrição - yama - do prana, ou seja, restrição do movimento). A essência do
pranayama é, portanto, a pausa respiratória , que diminui o funcionamento mental, propiciando condições
para a meditação. O Instituto de Yoga de Mumbai, reciclou as técnicas tradicionais, propondo oito maneiras
de se realizar o pranayama:
 Pranayama I - igualar os tempos de inspiração e expiração
 Pranayama II - expansão lateral dos pulmões (Respiração
Intercostal)
 Pranyama III - expansão superior dos pulmões (Respiração
Clavicular)
 Pranayama IV- expansão inferior dos pulmões (Respiração
Diafragmática)
 Pranayama V - Sunyaka: manter os pulmões vazios
 Pranayama VI - Puraka: inspiração prolongada
 Pranayama VII - Kumbhaka: manter os pulmões cheios

 Pranayama VIII - Rechaka: expiração prolongada

Existe também um pranayama tradicional, que por sua ação sobre o sistema nervoso, é ensinado por todos
os Institutos de yoga, chama-se: Anulomaviloma Pranayama, ou Respiração Alternada (alterna-se as
narinas nas inspirações e expirações). Além dos benefícios fisiológicos, pranayama tem, segundo o yoga,
uma importância fundamental no desenvolvimento do conhecimento discriminativo. O 'insight' sobre nossa
dimensão transcendental advém da quietude interior, da parada de todo movimento da matéria em nós.
Sendo o prana a própria atividade vibratória da mente, sua restrição leva a esta parada, que só é alcançada
completamente em Samyama, ou seja, no processo contínuo de concentração (dhárana), meditação
(dhyana) e transe (samádhi). Em outras palavras, a prática do pranayama sensibiliza para o aspecto
transcendente da vida, aponta uma série de sinais sobre si mesmo a partir dos quais se pode adquirir uma
resposta genuína e individual à questão 'quem sou eu?'

O Equilíbrio Pela Respiração

Uma técnica que harmoniza os doshas e regula a distribuição de energia cósmica pelo organismo.

Pranayama é uma palavra de origem sânscrita: prana significa "energia vital" e yama "ação, atividade,
movimento". Existem muitas diferentes técnicas de aplicação, cada uma direcionada a um objetivo
terapêutico ou espiritual: no Yoga, por exemplo, o Pranayama é usado para obter um estado de
concentração e harmonia, no Ayurveda, sua prática regula a distribuição vital, como base da harmonia entre
os doshas.

A palavra prana refere-se a toda forma de energia invisível que alenta a vida. No ser humano, o prana
penetra por várias as vias; há o prana do ar, da água, dos alimentos vivos (sementes, furtas etc.), da luz, do
Sol, do solo. Embora, em termos gerais, a ayurveda classifica cinco tipos de prana, cada um deles governa
áreas ou órgãos do corpo, em síntese o prana é apenas um, o prana aéreo, ou Vayu, a principal fonte direta
de energia cósmica para os seres vivos que respiram o ar. Captado pelas vias respiratórias, é
imediatamente distribuído pelo organismo, sua carência ou má distribuição possibilita o surgimento de
doenças a partir da desarmonia entre os doshas, que absorvem "vorazmente" prana. Uma vez que o prana
aéreo esteja em condições de equilíbrio quantitativo e qualitativo, todos os outros pranas também tendem
ao equilíbrio, o mesmo ocorre em relação aos três doshas.
A técnica do Pranayama

Para regularizar o equilíbrio da respiração, siga os passos deste exercício simples, que dura apenas alguns
minutos.

1. Escolha um local calmo e sem ruídos, de preferência isolado das outras pessoas.
2. O horário ideal é ao amanhecer, quando o ar está mais carregado de prana. Mas você pode fazer o
exercício pela manhã, logo ao acordar. Claro que se você fizer o pranayama em algum lugar
carregado de energias, muitíssimo melhor. Pode ser na praia, no campo, na montanha.
3. Sente-se confortavelmente com as costas eretas e os pés apoiados no chão. Feche os olhos e
procure relaxar, deixando a mente tranqüila.
4. Inicie o exercício comprimindo suavemente a narina direita com o polegar exalando pela narina
esquerda. Inale suavemente pela narina esquerda, enchendo os pulmões de ar; feche a narina
esquerda com os dedo indicador, exalando leve e lentamente pela narina direita, repetindo o
processo de alterar as narinas durante cinco minutos. Depois, recoste-se e permaneça de olhos
fechados por dois ou três minutos. Medite, faça um exercício de Visualização Criativa para a
autocura, ore a Deus e à Mãe Divina, ou simplesmente esvazie a mente, sem nenhuma intenção.

Lembre-se de iniciar o exercício exalando e terminar inalando, de modo suave e natural. Com um pouco de
prática, cada pessoa encontra logo a cadência e o ritmo mais adequados. Realizado diariamente, o
exercício de respiração polarizada (ou Pranayama Egípcio, como é conhecido entre nós, estudantes
gnósticos, por ter sido muito utilizado pelos hierofantes egípcios e seus discípulos) traz uma sensação de
equilíbrio, serenidade e bem-estar, que tende a crescer à medida que se aperfeiçoa o método com a prática
constante.

Lembre-se: sem prática, não se chega a lugar algum. A Sabedoria gnóstica sem uma devida e equilibrada
vivência, é perda de tempo. Só enche nosso intelecto, mas não nossa consciência. O venerável mestre
Samael Aun Weor afirmava que o Buscador da Luz deve ter uma Intelecção Iluminada, ou seja, um correto
equilíbrio entre intelecto e intuição.

Os cinco tipos de prana


 Prana - Concentra-se no cérebro e move-se para
baixo governando a respiração. Está ligado à
inteligência, à sensibilidade, às funções motoras
principais. Penetra no corpo sutil pelo chacra da coroa,
situado no alto da cabeça, e pela inspiração do ar
passando pelas narinas. É o principal tipo de energia
cósmica.
 Vyana - Concentra-se no coração. Age no corpo inteiro
governando o sistema circulatório, as articulações e os
músculos. É captado do ar inspirado nos pulmões e da
energia dos alimentos.
 Samana - Concentra-se no intestino delgado, governa
o aparelho digestivo e é captado principalmente pela
energia vital doa alimentos vivos (sementes, frutas,
ect.).
 Udhana - Concentra-se na região da garganta e
governa a fala, o teor da voz, a força vital, a força de
vontade, o esforço, a memória e a exalação do ar. É
captado sobretudo da energia que advém do chacra
da garganta.

 Apana - Concentra-se no baixo ventre, governa a


evacuação e a micção, a potência sexual, o fluxo
menstrual e o processo de parto. É captado pelo
chacra localizado na base da coluna e pelo dos órgãos
genitais (chacra prostático ou uterino).

Os três canais de energia

O pranayama é uma técnica para equilibrar a energia vital, a qual, ao penetrar no organismo, polariza-se um
aspecto negativo e outro positivo (o Yin e Yang da medicina chinesa). Entrando pelas narinas, o prana
polarizado percorre inicialmente os canais principais de energia localizados ao longo da coluna vertebral.
Esses canais, também, são polares e segundo a ayurveda recebem o nome de Ida, Pingala e Sushumna,
este canal central é o mais importante dos três. Ida, ou canal lunar (negativo), inicia-se na narina esquerda e
desce serpenteando ao longo da coluna vertebral em volta de Sushumna, o canal central, até finalizar no
testículo direito. Pingala, ou canal solar (positivo), inicia-se na narina direita e acompanha simetricamente a
Ida. Pingala vem terminar no testículo esquerdo. Cada um desses canais semi-etéricos e semi-físicos
carrega energias prânicas que se polarizam a partir das narinas.

Uma importante observação: essas polaridades comentadas logo acima referem-se a uma pessoa do sexo
masculino. No caso das mulheres, a polaridade inverte-se na relação entre as narinas e os canais de
energia: Ida, lunar, inicia-se na narina direita e termina no ovário esquerdo, e Pingala, solar, na narina
esquerda, e terminando no ovário direito.

Percebe-se, por uma análise mais profunda sobre o acima citado que há uma íntima relação entre
Respiração, Prana e Pensamento. Portanto, uma das conclusões a que chega o estudante gnóstico é que o
exercício do Pranayama devidamente realizado interfere nos chacras dos testículos e dos ovários. Essa
interferência gera um choque vibratório, fazendo com que a energia sexual seja transferida à velocidade da
luz até o cérebro, e do cérebro distribuindo-se para todo o organismo, vitalizando-o e curando-o
poderosamente. Isso é o que podemos chamar de sexualizar o corpo físico, ou seja, transfere-se a energia
sexual, altamente implosiva, para todas as células do organismo, rejuvenescendo-o.

Juntos, os três canais criam uma imagem que se assemelha a duas serpentes harmoniosamente
enroscadas numa haste; dessa figura originou-se o tradicional Caduceu de Mercúrio, que simboliza a
Medicina Universal. Este é também, na verdade, o antigo símbolo da medicina tibetana, cujos
procedimentos visam a restauração da saúde por meio de reequilíbrio das energias prânicas nos três canais
principais do organismo.

Para a antiga medicina tibetana, não apenas as doenças físicas, mas inclusive as de caráter psíquico ou
mental, são provocadas por alterações energética nesses canais. A partir deles, toda a energia vital é
distribuída para o organismo e é através deles, ainda, que os centros de energia, ou chacras, se
comunicam. Assim, todas as energias emocional e mental não somente são influenciáveis pelos três canais,
como também - e principalmente - os influencia.

O autoconhecimento, uma condição para a saúde

Os recursos oferecidos pela Medicina Oriental (na verdade, esotérica) devem ser utilizados segundo
orientação de uma sabedoria especializada, como a gnóstica. Alguns, porém, podem ser aplicados de modo
mais livre, embora seja necessário que você conheça o tipo de sua constituição e possa adotar aquilo que
lhe for mais adequado. É fundamental, portanto, procurar se conhecer para, finalmente, obter um equilíbrio
que permita a seu organismo fazer instintiva e naturalmente as escolhas certas.

Os 12 Teoremas

Os 12 Teoremas são um complemento das Sete Leis e podem nos ajudar a entender melhor a polaridade
universal.
1. Yin e Yang são dois pólos da pura expansão
infinita; eles se apresentam quando a pura
expansão atinge o ponto geométrico da
bifurcação.
2. Yin e Yang surgem da continuamente pura
expansão infinita.
3. Yin é centrífugo; Yang é centrípeto; Yin e Yang
produzem energia.
4. Yin gera Yang, Yang gera Yin.
5. A força de atração ou de repulsão entre as coisas
é proporcional à diferença entre os seus
componentes Yin e Yang.
6. O excesso de Yin gera Yang e o excesso de Yang
gera Yin.
7. Todo fenômeno é produzido pela combinação
entre Yin e Yang em várias proporções.
8. Todos os fenômenos são efêmeros devido às
constantes alterações das agregações dos
componentes Yin e Yang.
9. Nada é exclusivamente Yin ou Yang; tudo tem
polaridade.
10. Não existe nada neutro; Yin ou Yang estão em
evidência em qualquer situação.
11. Grande Yin atrai o pequeno Yang; Grande Yang
atrai Pequeno Yin.

12. Todas as concreções (solidificações) físicas são


Yang no centro e Yin na periferia.

Exercícios de Pranayama

O PRANAYAMA DO SOL

Os Pranayamas são técnicas respiratórias originárias da Yoga servem para restaurar a saúde, melhorar a
oxigenação do sangue e reequilibrar as emoções. Esta palavra vem do sânscrito e pode significar, entre
outras, Ciência da Energia.

Pranayama do Amanhecer

Deve ser feito logo ao amanhecer.

Feche os olhos e fique de pé, de frente pro Sol.

Inspire, elevando os braços até a altura dos ombros.

Mentalize que o prana penetra por todo seu corpo.

Retenha o ar e abra os braços.

Em seguida, expire baixando os braços vagarosamente.

Visualize a luz do Sol se espalhando pelo seu corpo.


Faça este exercício durante 10 minutos e o encerre pronunciando o mantra OM SURYAIA NAMÁ (eu saúdo
o SOL).

Captação de Energia

Mentalize um raio de luz alaranjado que parte de seu plexo solar (região à altura do umbigo) e expande-se
pelo Universo, levando vitalidade e saúde para as pessoas. Depois visualize uma luz dourada que emite
vibrações de prosperidade e elimina males como a fome e a tristeza da humanidade.

Afastar Preocupações

Sente-se e repouse as mãos nos joelhos. Inspire pelas narinas, devagar e em silêncio, até sentir o abdome
cheio de ar. Retenha o ar por alguns segundos e expire, também pelas narinas. Sinta seu corpo relaxar
completamente e mentalize que todas as suas preocupações se dissipam aos poucos.

Para Controlar Melhor as Emoções

Sente-se com as pernas cruzadas à frente do corpo, mantendo a coluna reta, as mãos pousadas sobre os
joelhos e os olhos fechados. Fique bem relaxado, procurando não contrair os músculos da face nem os
ombros. Inspire vagarosamente, concentrando-se no ar que entra pelas narinas Retenha o ar durante
alguns segundos e expire, prestando atenção apenas na saída do ar. Enquanto respira, procure não pensar
em nada. As imagens, as lembranças e os sons que vierem à sua mente não devem perturbá-lo. Ignore tudo
o que acontecer ao redor.

Concentre-se apenas no que está fazendo. Caso se distraia por algum motivo, recomece o exercício.

Para Expandir a Consciência e a Intuição

Esta técnica, de origem chinesa, consiste em fazer seu sol interno nascer ao mesmo tempo em que o Sol
cósmico surge no horizonte. No início, pode ser que você não consiga fazer as mentalizações, mas, com o
tempo, aprenderá a se concentrar e a visualizar adequadamente.

Levante-se bem antes do Sol nascer, tome um banho e vista roupas brancas. Sente-se na posição de lótus,
com a coluna ereta e as pernas cruzadas à frente do corpo. Feche os olhos e procure sentir o corpo bem
relaxado...

Visualize um sol de cor alaranjada nascendo na altura do seu umbigo. Imagine que o calor emanado por
esse sol aquece todo o seu corpo, enquanto uma luz dourada o envolve completamente. Visualize o sol
elevando-se do seu umbigo até o seu coração. Imagine que dessa região parte uma grande e bela ave
branca que voa para longe, levando em suas costas todas as suas tristezas, mágoas e ressentimentos, e
jogando tudo isso em um profundo abismo, onde serão destruídos totalmente. Imagine que esse sol se
eleva ainda mais, até chegar no centro energético localizado entre as sobrancelhas.

Faça então o sol ganhar uma intensa coloração dourada e subir para o alto da cabeça, de onde ele se
expandirá até explodir como uma luz que se junta à do sol cósmico.

Finalmente, faça uma saudação ao sol, com a seguinte frase, que sugerimos, ou com outra, que sair de seu
coração:

"Ó Rá! Digna-te santificar meu espírito.


Ó Osíris! Devolve à minha alma sua natureza divina!
Glória a ti, Senhor dos Deuses!"

Pranayama Egípcio

1.a Parte:

1. Sente-se o estudante em uma cadeira com o rosto para o Oriente.


2. Faça uma oração à Divina Mãe Kundalini.
3. O peito, o pescoço e a cabeça deverão estar em linha vertical. Não se deve dobrar o corpo para os
lados, nem para trás. As palmas das mãos devem descansar sobre as pernas de forma muito
natural.
4. A mente do devoto deve estar dirigida para dentro, para a Divina Mãe, amando e adorando-a.
5. Os olhos estarão fechados para que as coisas do mundo não o distraiam.
6. Tape a fossa direita com o dedo polegar vocalizando mentalmente o mantram TON, ao mesmo
tempo em que se respire ou inale mui lentamente o ar pela fossa esquerda.
7. Feche agora a fossa nasal esquerda com o dedo índice. Retenha o alento e pronuncie mentalmente
o mantram SA.
8. Exale agora lentamente pela fossa nasal direita vocalizando mentalmente o mantram HAM e
imagine a energia subindo até o cérebro e depois descendo até o coração.
9. Tape agora a fossa nasal esquerda com o dedo índice.
10. Inale o prana pela fossa nasal direita, vocalizando mentalmente o mantram TON. Retenha o alento
vocalizando o mantram RA. Feche as duas fossas nasais com os dedos índice e polegar.
11. Exale mui lentamente pela fossa nasal esquerda vocalizando mentalmente a sílaba mântrica HAN e
imagine a energia subindo até o cérebro e depois descendo até coração.

2.a Parte:

1. Ajoelhe-se e coloque as palmas das mãos no solo, tocando-se entre si os dedos polegares.
2. Inclinando para diante, prostado em terra, cheio de suprema veneração, com a cabeça voltada para
o oriente, apoiará sua frente sobre o dorso das mãos, ao estilo egípcio.
3. Depois com a sua laringe criadora vocalizará o poderoso mantram RA dos egípcios, alongando o
som das duas letras, assim: RRRRRRAAAAAAA..... Vocaliza-se sete vezes consecutivas.

Respiração Curadora

"A prática do pranayama pode ser descrita como o controle voluntário da inspiração, expiração e
a retenção do fôlego. Isso é feito principalmente para estabelecer uma nova condição de
respiração que deve se tornar habitual depois de suficiente prática voluntária. Nesse contexto, a
transição de esforço para hábito é acompanhada por uma sensação na mente (que chamamos de
humor), crescendo e se tornando definitivo ao longo do processo, Por meio da qual mais tarde
sempre que se perceber que a respiração voltou a um mau ou indesejado hábito, pode-se lembrar
da sensação, e com um quase imperceptível ato de vontade, re-estabelecer o novo hábito."

Ernest Wood, "Yoga"

Qualquer um que entre pelo "Portão sem Porta" do Zen tem uma história para contar. A de um
grande estudioso começou em uma noite de verão quando recebeu um telefonema de um amigo que
havia recentemente se mudado para outro Estado. "Encontrei uma sacerdotisa Budista que ensina
Zen", ele disse. "Na noite passada ela me deu um exercício respiratório chamado Respiração
Curadora." Ele ficou imediatamente interessado. Tinha um hobby de colecionar exercícios de
meditação. Não dominava nenhum, mas tinha orgulho da sua coleção, apesar disso. "Me conte!",
disse a seu amigo, com um ávido entusiasmo. Conversaram um pouco e mais tarde naquela noite
tentaram o método. No dia seguinte, esse estudioso ainda estava exasperado por seus fúteis
esforços. Ligou para seu amigo e reclamou: "Esse exercício é muito difícil!" "Não é para ser fácil",
ele disse. "Você só tem de fazer." Ele já havia tentado muitos tipos de exercícios respiratórios mas
nenhum tinha sido tão fascinante como a Respiração Curadora. Sua abrupta simplicidade e
inesperada dificuldade o fez pensar que deveria haver algo interessante ali. Não foi senão muitos
anos mais tarde que ele pegou a Respiração Curadora de dentro do seu baú de pranayamas, como
aquele ao qual se dedicaria. Levou anos nesse ínterim para desenvolver a Atitude Correta que seria
necessária para fazer o exercício funcionar.

A Respiração Curadora é tudo o que precisamos para entrar no Zen. Qualquer um que possa respirar
pode fazê-la: ela não requer nenhum conhecimento especial de sutras ou filosofia e nenhum
ambiente especial como uma sala de meditação, monastério ou templo: tudo o que requer é a
Atitude Correta. Ao invés de reapresentar os detalhes de como a Respiração Curadora é realizada, é
necessário esclarecer porque a praticamos e descrever os pré-requisitos essenciais que devem ser
estabelecidos antes de se tentá-la.

Obstáculos

O aprendizado começa do começo!!! Do mesmo modo que um professor de Matemática não


tentaria ensinar Cálculo a um estudante que não aprendeu ainda princípios rudimentares de Álgebra,
um Mestre Zen não considera dar meditações avançadas a um estudante que ainda não aprendeu a
controlar a respiração. Quando as pessoas dizem que passaram anos praticando uma variedade de
exercícios de meditação sem sucesso, lembramo-nos de nossas próprias experiências e dizemos para
fazerem como nós fizemos: volte ao começo e aperfeiçoe a Respiração Curadora. Até que o
completo comando da respiração seja conseguido, há pouca chance de sucesso com outras
disciplinas de meditação e nós, sem percebermos, permanecemos no Zen dos 6 mundos, frustrados
em nossos esforços e desiludidos com o Caminho. O ego é inevitavelmente o maior obstáculo.
Quando ele começa a agir, nos debatemos como um peixe na terra seca. "Por que devo fazer isto?"
"Por que não posso fazer outra prática?" "Não tenho tempo!" "Posso mudar a razão de 1:4:2 para
1:4:3?" "Não tenho energia!" "Preciso levar a roupa para a lavanderia!" Nos sacudimos e
contorcemos quando nos aparece algo que não queremos fazer - nossa fé na prática fica
enfraquecida pelo ego subversivo mais e mais. Porque uma prática tão simples como a respiração
ritmada traz tanta resistência e como pode a resistência ser superada? Ter a Atitude Correta requer
uma fé inquestionável e dedicação à prática com a intenção de ter sucesso. Se não sabemos para
onde estamos indo, não pedimos informação? E se nos disserem para ir para a direita e então depois
do segundo semáforo virar à esquerda, não o fazemos incondicionalmente? Isso é tudo o que
"Atitude Correta" significa: seguirmos as instruções com boa vontade, sem resistência, com fé em
que o fazendo chegaremos ao destino.

Quando nos encontramos brigando com a prática, arrumando desculpas para não fazê-la ou
querendo alterar a proporção ou fazer de outro modo, temos de reconhecer que estamos enrolando -
inventando meios analíticos de evitar fazer o trabalho necessário. Atitude Correta significa não
ceder aos nossos desejos, mas atacar a prática como se nossas vidas dependessem dela, como se
fosse a última atitude de nossa existência. Freqüentemente recomenda-se às pessoas para
imaginarem alguém apontando uma arma para suas cabeças - a energia e a devoção à prática que
esta imagem pode induzir é o que é necessário para se obter sucesso. Há uma história de um general
que, enquanto visitava um velho mestre Zen, ouviu um noviço reclamar porque não conseguia se
concentrar. "Posso resolver este problema para o senhor, Mestre?" - pergunta o general. "Sim, por
favor!", diz alegremente o mestre. O general busca uma xícara e a enche até a borda com água.
Passa a xícara ao noviço e ordena: "Ande pelo perímetro deste pátio carregando esta xícara com
água. Enquanto você faz isso, seis de meus melhores arqueiros estarão de prontidão e o matarão se
você derrubar uma só gota". O noviço rapidamente aprendeu a se concentrar...

Quando fazemos qualquer prática Chan passivamente, esperando que alguma coisa misteriosamente
aconteça conosco, perdemos nosso tempo e só conseguimos ficar frustrados. Então, após pouco
tempo, desistimos. Permitindo a nós mesmos ceder à preguiça, circundamos a montanha
eternamente. Nenhuma prática de meditação ou pranayama terá sucesso a não ser que nos
comprometamos 100% com ela, com o coração, com a consciência e com o corpo.

Ocasionalmente, pode haver algum obstáculo físico como condições médicas subjacentes afetando
o sistema respiratório ou cardiopulmonar. Neste caso, um médico deve ser consultado antes de
tentar os exercícios. Se o devoto fuma ou danifica o aparelho respiratório com drogas, pode haver
problemas diversos gravíssimos, dificuldades para respirar e ruídos ao fazê-lo quando do início da
prática da Respiração Curadora pela primeira vez. Se há o vício de fumar (ou do uso de outras
drogas), ou ânsias de qualquer tipo, serão naturalmente dispersados e mais cedo ou mais tarde
eliminados se a Respiração Curadora for feita corretamente e regularmente.

Efeitos da Respiração Curadora

A Respiração Curadora trabalha em três níveis: o psicológico, o fisiológico e o espiritual. No


começo, estes três estão interconectados como as partes entrelaçadas de uma corda, cada um
dependendo dos outros para ter força, cada um ficando mais forte à medida que os outros ficam
mais fortes. Com o crescimento e amadurecimento da prática da Respiração Curadora, a corda passa
a parecer mais com um fio de pesca. Quando os componentes psicológicos/fisiológicos/espirituais
se juntam em um, entramos no estado de maravilhosa êxtase da meditação.

Efeitos psicológicos - A Psicologia depende da existência de um ego - uma força de vontade


arbitrária, auto-criada e preocupada consigo mesma. Quando essa criação fica agitada nos sentimos
deprimidos, bravos, com desejos negativos, com medo, ansiosos etc. O processo de superação do
ego cria essa agitação ao assaltá-lo com a possibilidade de extinção - algo a que o ego firmemente
se opõe. Começar a prática da Respiração Curadora pode causar mau humor e ansiedade
temporárias por este motivo. Quando acontece, devemos compreender a relação de causa e efeito e
deixar que os efeitos problemáticos passem tão facilmente como quando apareceram; porque nossa
vontade consciente e determinação espiritual são as únicas forças às quais o ego não resistirá.
Quando sucumbimos ao desejo do ego por uma existência segura, desistimos do comando de nossas
vidas e caímos profundamente nos confins do domínio ilusório, samsárico, mayávico, do ego. Mas
com uma grande força de vontade, e ajuda poderosa da Divindade, como perceberemos ao ler os
outros textos do link Psicologia Gnóstica, passamos por esses episódios desagradáveis de oscilação
psicológica, ganhando cada vez mais força. Com a prática continuada, tornamo-nos imunes a
quaisquer novos ataques egóicos, pois um novo poder de vontade aparece, e este é capaz de
identificar e extinguir qualquer humor indesejado com desprezível esforço.

Efeitos Físicos - Como todos sabemos na era moderna, a mente-corpo é um sistema altamente
interconectado - mude uma parte do sistema e a outra é influenciada - então não é surpresa que a
prática regular da Respiração Curadora traz mudanças benéficas para cada parte da mente-corpo. Ao
passo que a mente é acalmada pela prática do lento exercício respiratório, o cérebro ganha maior
habilidade para regular a produção de serotonina e outras substâncias químicas responsáveis pela
regulação de nossa bioquímica: dormimos melhor, nosso humor melhora, nos tornamos mais
calmos e menos agitados. Além disso, os músculos relaxam, os sistemas pulmonar e cardiovascular
se tornam mais fortes e saudáveis, o vigor e a resistência física aumentam, a digestão melhora, a
capacidade de concentração mental e a memória são aprimoradas e inclusive nossa potência sexual
se dinamiza. Leva apenas alguns dias de prática para que se comece a perceber todos estes efeitos.

Efeitos Espirituais - Somos todos seres espirituais por natureza, somos essencialmente uma Chispa
Divina, e então, na verdade, não há nada espiritual a ser ganho com a prática da Respiração
Curadora. Isto é, nada a ganhar que já não tenhamos. O que precisamos ganhar é a consciência
desperta da nossa natureza espiritual. Com devoção religiosa ao exercício da Respiração
Curadora, podemos ganhar insights; um evento que chamamos Satori - uma gestalt, um repentino
dar-se conta de nossa natureza pura, livre, não-dualista, como seres humanos. Quando isso
acontece, vemos o ego como a ilusão arbitrária e vemos, com clareza, o que sobra: nossa
Verdadeira Natureza, nossa natureza de Buda, nossa verdadeira identidade, que pode se perder em
Deus, assim como uma gota se perde no Oceano Infinito. Como um holograma, o todo contido em
cada parte, mas até que nossa mente esteja calma e o corpo tranqüilo, vemos com uma mente que
voa em todas as direções, criando distinções de forma, som, cheiro, gosto, tato e pensamento.
Vemos apenas as partes e não o todo.

Para os iniciantes no Zen, a Respiração Curadora é um ótimo lugar para começar a prática. E para
os que passaram muitos anos estudando Zen e praticando uma variedade de exercícios sem
progresso significativo, a Respiração Curadora é um ótimo ponto para se retornar. Mesmo os
adeptos usam a Respiração Curadora para iniciar suas práticas, sabendo que ela rapidamente trará a
mente-corpo ao equilíbrio e preparará o caminho para a entrada em profundos estados de
meditação.

Como é praticada a Respiração Curadora

A Respiração Curadora é feita em três partes num padrão regulado que chamamos de "1:4:2": uma
inalação (1), uma retenção (4), e uma exalação (2). Isso significa que o fôlego é segurado por quatro
vezes o tempo que se leva para inalar. Quando fazemos a prática pela primeira vez, podemos
começar com 4:16:8, onde cada número contado é um segundo. Então, à medida que a Respiração
Curadora se torna mais forte e durável, podemos tentar 6:24:12, e então 8:32:16, etc. Gradualmente,
estendemos a contagem para durações mais e mais longas, mantendo a mesma relação e intervalo de
um segundo. Um relógio audível pode ser usado para marcar os intervalos, ou, se o coração pode
ser ouvido ou sentido, pode ser usado também. Ao fazer a prática, parar para admirar os resultados
não é uma opção: concentração contínua na contagem é essencial. Com o Correto Esforço e a
Correta Atitude, num curto período de tempo - dias ou semanas - começaremos a notar mudanças
sutis no humor e energia física, e nosso comportamento se tornará mais calmo e quieto. Esse é o
poder de um dos mais simples exercícios de pranayama, um exercício que prepara o palco para
todas as subseqüentes práticas Zen.

As doenças podem ser curadas pela respiração

As doenças podem ser curadas pela respiração. Parece loucura, mas não é. Hoje, milhares de
pessoas procuram as terapias respiratórias do Yoga (shiktsa yoga pranayama) para minimizar seus
problemas físicos e psíquicos. Por quê? Porque milhares de outras pessoas - pesquisadores da área
médica - indicam este método como eficaz, sem efeitos colaterais e extremamente saudável. Uma
destas pesquisas foi realizada na USP, na faculdade de Psiquiatria, com pessoas que tinham
Síndrome do Pânico. Os resultados foram fantásticos e sem efeitos colaterais dos fortes remédios
que alguns tomavam. Os atletas se beneficiam em muito com essas terapias, aumentando o seu
rendimento físico. Diversos tipos de pessoas com os mais variados problemas adotam essas terapias
com resultados muito bons.

O mecanismo da respiração como terapia (shiktsa yoga) envolve o consciente tensionamento e


relaxamento dos músculos, dos nervos e também da mente, mediante a respiração. O objetivo desta
terapia é promover um corpo saudável e uma mente equilibrada, para que o trabalho de
interiorização seja efetivo e facilitado. Esse método de terapia (shiktsa yoga) respiratória não tem
por fim apenas o tratamento de doenças em larga escala: deve também ser praticado livremente para
conservar a saúde, prevenir doenças e assegurar uma mente sadia e equilibrada, a serviço,
obviamente, do Ser Interior.

Alguns dos efeitos do pranayama sobre o corpo físico

Aumenta a capacidade vital; realiza a massagem dos órgãos internos; reduz os distúrbios
respiratórios; aumenta a expectoração; reduz a prisão de ventre; regula a pressão arterial; previne e
trata cardiopatias; purifica o corpo; reduz a visceptose; reduz a ansiedade e tranqüiliza; regula o
funcionamento das glândulas; reduz insônias; aumenta a irrigação sanguínea; gera repouso; regula
as funções vegetativas; reduz o cansaço mental; melhora o funcionamento do aparelho digestivo;
aumenta a resistência e defesa orgânica; e muito mais.

Respiração do Rejuvenescimento

A 3 RESPIRAÇÕES DO REJUVENESCIMENTO

São comuns pessoas que se queixam de problemas respiratórios. Algumas reclamam que estão sempre
cansadas, não têm fôlego e encontram-se sem energia. Depois de algumas aulas se dão conta de que
vinham respirando inadequadamente e chegam mesmo a afirmar: "Eu não sei respirar".

Tomar consciência de nossa respiração, de como respiramos habitualmente e de como devemos respirar é
um dos pontos fundamentais do Yoga.

No exercício das posturas devemos permanecer com a atenção constantemente voltada para o modo como
estamos respirando. Durante o relaxamento, é o ritmo da respiração que nos leva para a via da serenidade,
aquietando a nossa mente e permitindo que o corpo descanse.

Para que tomemos consciência da nossa capacidade plena de respiração e de como, controlando-a,
podemos ganhar saúde, vitalidade, capacidade de concentração, serenidade, clareza mental e
equanimidade, o Yoga oferece inúmeros exercícios respiratórios.

Entretanto, há um exercício denominado "Respiração Completa" que pode ser considerado como aquele
que está na base de todos os outros. É nele que vamos tomar consciência da nossa plena capacidade
respiratória levando o ar para as três regiões de nossos pulmões: a região baixa, abdominal ou
diafragmática; a região média intercostal ou torácica e a região alta ou subclavicular.

Com a vida acelerada e sedentária que a maioria das pessoas leva nas cidades grandes perde-se a
percepção de como deve ser a respiração. Em geral, respira-se "curtinho" e nos níveis mais altos de nossos
pulmões. Muitas pessoas respiram sem movimentar as costelas ou o abdômen adequadamente, mantendo
quase sempre o torso rígido.

Observe no desenho o que acontece quando você pratica uma respiração completa. Logo abaixo dos
pulmões há um músculo laminado, denominado diafragma, que separa o peito do abdômen. Na medida em
que o ar é insuflado para as partes baixa, média e alta, o diafragma se contrai, deslocando-se para baixo
empurrando os órgãos do abdômen enquanto este se expande e a caixa torácica expande-se para fora e
para cima. Na expiração, o diafragma relaxa-se enquanto o abdômen, a caixa torácica e a parte alta do
peito se contraem naturalmente.

A posição ideal para se começar a respiração completa é estar deitado de costas com as pernas alongadas
ou então flexionadas, como a pessoa preferir. É importante observar que na respiração completa tanto a
inspiração como a expiração devem ser feitas pelo nariz.

Antes de iniciarmos devemos fazer três exercícios preliminares que têm como função fazer com que a
pessoa aprenda a colocar a sua respiração no abdômen, na caixa torácica e no alto do peito. Vejamos como
se faz.
Exercícios preliminares

1. Respiração diafragmática, baixa ou abdominal - Para sentir melhor esta respiração coloque as
mãos sobre o abdômen. Ao levar o ar para a parte baixa dos pulmões, pode-se observar que o
abdômen sobe na inspiração e desce na expiração. Esta respiração é calmante, relaxante e
sedante. Ela atua nos nossos centros de energia inferiores, baixando os níveis de ansiedade,
apaziguando emoções e a mente como um todo. Ao realizar esta respiração abdominal de modo
consciente é possível observar que, aos poucos, o ritmo da respiração se alonga e torna-se
semelhante à respiração do sono profundo. É como a respiração durante o sono de uma criança
que está dormindo beatificamente. Ao fazer esta respiração sinta-se como esta criança em plena
idade da inocência, entregue a este sono gostoso. Em situações de stress e ansiedade, a nossa
respiração encurta-se e fica bloqueada, limitada aos níveis superiores de nossos pulmões,
sobretudo à parte alta. Respira-se "curtinho" e, na maioria dos casos, só se faz esta respiração alta.
Em caso de intenso nervosismo torna-se uma respiração alta sincopada que pode até, em situações
extremas, assemelhar-se ao choro convulsivo da criança que soluça. Nestas situações de stress e
ansiedade, recomenda-se então fazer as respirações abdominais que acalmam e relaxam. Nos
casos em que há dores, sobretudo abdominais e de cabeça, esta respiração baixa
consideravelmente o limiar dessas dores chegando, por vezes, a eliminá-las por completo. É por
isto que a respiração abdominal é também chamada de respiração sedante.
2. Respiração média, intercostal, ou torácica - Coloque as mãos sobre as costelas. Ao levar o ar
exclusivamente para esta parte média dos pulmões podemos observar que as costelas se afastam
expandindo ao máximo toda esta região intercostal. Na expiração sentimos que as costelas se
aproximam novamente. Esta respiração média expande e fortalece os músculos do tórax abrindo o
peito, fortalecendo também os músculos que sustentam a coluna dorsal, favorecendo uma postura
correta. Em situações de timidez, de medo, de falta de autoconfiança podemos observar que o peito
se fecha, a coluna dorsal se curva. As respirações médias perdem o vigor e não se respira na
capacidade plena desta região do tórax. A respiração torácica consciente atua nos centros de
energia do plexo solar e do plexo cardíaco, abrindo-nos para sentimentos de destemor, de iniciativa,
de determinação, de autoconfiança, de receptividade, de doação e de amor universal.
3. Respiração alta ou subclavicular - Leve suas mãos para a região logo abaixo das clavículas. Ao
conduzir o ar para esta região alta dos pulmões observamos que os ombros sobem um pouco em
direção às orelhas e depois descem novamente na expiração. Esta respiração é um pouco mais
difícil de ser percebida isoladamente quando se está começando a tomar consciência dos três
níveis de respiração dos pulmões. Para percebê-la melhor devemos levar o ar para a parte média
dos pulmões e, em seguida, continuar a preenchê-los na região mais alta até a sua capacidade
plena. É nesta região que se concentra mais a respiração em situações de stress e ansiedade e
muitas pessoas respiram quase que exclusivamente nela. São respirações bem mais curtas uma
vez que o espaço dos pulmões nesta região é menor. A respiração alta como exercício consciente é
importante para que percebamos os três níveis de respiração além de trazer benefícios à região da
garganta, ativar as glândulas da tireóide, fortalecer os músculos do pescoço, beneficiar a audição e
a emissão da voz. Do ponto de vista energético atua no centro da garganta, desenvolvendo a
criatividade e a expressão.

A respiração completa

Uma vez percebidos os três níveis de respiração de nossos pulmões podemos passar então para a
respiração completa.

Solte os braços ao longo do corpo. Conduza o ar primeiramente para a parte baixa dos pulmões, depois
para a parte média e em seguida para a parte alta. A expiração pode ser feita de cima para baixo,
eliminando primeiro o ar da parte alta, depois da média e por último da baixa. Alguns autores recomendam
que, se for mais cômodo, a expiração pode também ser feita de baixo para cima.

A meu ver, o que é realmente essencial na expiração é que a eliminação do ar seja realizada
conscientemente percebendo-se os três níveis dos pulmões e esvaziando-os totalmente.

É fundamental, portanto, estar consciente do movimento ondular da respiração completa e realizá-la na


capacidade plena dos pulmões, tanto na inspiração preenchendo-os completamente, como na expiração
esvaziando-os totalmente. Depois de algum tempo de prática é possível fazer a respiração completa de
modo mais fluente passando de um nível dos pulmões para o outro naturalmente.

A respiração completa é calmante, revitalizante e tonificante. Atua como uma massagem interna
beneficiando o coração e os órgãos abdominais, tonificando o aparelho respiratório, o sistema endócrino e o
sistema nervoso. Garante melhor oxigenação do sangue purificando-o e liberando o organismo de toxinas
pelas expirações completas. Nutre e revitaliza o sangue na inspiração completa.

Não bastasse tudo isso há algo "a mais" que a respiração completa traz como benefício: ao inspirarmos
estamos captando, além de oxigênio, a energia prânica. Prana, segundo o Yoga, é a energia vital que está
presente no ar que respiramos, nos alimentos que ingerimos, na água que bebemos, enfim, em toda a
energia que move o Universo. Tanto mais prana ingerimos quanto maior for a pureza destes elementos.

Sinta, então, ao fazer a respiração completa que você capta junto com o oxigênio essa energia prânica e
experimente o bem-estar ao mentalizá-la nutrindo e harmonizando todo o seu ser.

Por tudo isso a respiração completa é considerada a respiração do rejuvenescimento. Com ela
restabelecemos a saúde, a vitalidade e a energia física, e atingimos a serenidade emocional e a clareza
mental.

Práticas - Dr. Jorge Adoum

Para se ter um corpo são, é necessário praticar as indicações seguintes que podem ajudar muito:

Ao despertar-se, praticar alguns exercícios respiratórios, pelo menos sete vezes, e que consistem em fazer
7 inspirações rítmicas com a maior pureza de pensamento. Qualquer exercício é bom, porém indicamos o
mais simples e menos prejudicial.

Aspirar lentamente pelo nariz contando mentalmente até oito palpitações do próprio coração, ou oito
segundos.

Reter o alento, durante quatro segundos nos pulmões.

Exalar o ar durante oito segundos até esvaziar totalmente os pulmões.


Reter os pulmões vazios durante quatro segundos.

Se se pode praticar este exercício mais de sete vezes, é melhor.

Depois dos exercícios respiratórios é muito


recomendável praticar outros exercícios de ginástica
sueca, durante quatro a cinco minutos, para conservar
a flexibilidade da coluna vertebral.

Pranayama, ou exercício respiratório. Embora


Pranayama tenha vários significados, o mais aceito é
vida porque, segundo os yoguis, Prana é a substância
vital. Respirar é viver, disse um sábio Hindu e, na
Bíblia, temos o passo que diz: "E Deus lhe soprou nas
narinas o alento da vida".

Todo homem aspira átomos correspondentes ou afins a


seus pensamentos e caráter. Ao pensar, respiramos
átomos da mesma natureza que nossos pensamentos,
e nosso sangue, por sua vez, deles se impregna.

Para atrair saúde, bem-estar, sabedoria, santidade,


etc., devemos pensar em cada um para poder aspirá-
los.

Primeiro Exercício

É o equilibrador ou harmônico e consiste no seguinte:

1. Em pé, fitando leste, corpo erguido, aspirar lentamente pela fossa nasal direita, tapando com o dedo
a narina esquerda, até encher os pulmões durante o tempo de oito pulsações ou oito palpitações do
próprio coração. Durante a aspiração cumpre visualizar o objetivo desejado. Com essa respiração,
ou melhor, aspiração, absorvemos os átomos necessários à realização do nosso desejo.
Quando penetram em nosso sangue fazem vibrar os plexos; a idéia adquire caráter positivo e tende
a estimular nosso ser para realizar o objetivo. Com as oito pulsações e aspirando, devem os
pulmões chegar ao máximo de sua capacidade expansiva, sempre visualizando a idéia com toda a
clareza.
2. Terminada essa fase, reter o fôlego nos pulmões durante quatro pulsações, retenção que facilita a
assimilação sempre visualizando.
3. Terminada a retenção, passa-se à exalação que deve ser efetuada pela venta esquerda, durante
oito pulsações, fechando a narina direita, sem visualização.
4. A quarta fase é o período de repouso e consiste em reter os pulmões vazios durante quatro
pulsações, gozando do proveito obtido, também sem visualizar nada.
Esse exercício é chamado positivo, porque, pela venta direita se absorve a energia vital positiva e serve
para desenvolver a mente consciente; terminando-o, devemos estimular o sub-consciente do seguinte
modo:

Recomeçar, mas agora pela narina esquerda, para aspirar a força passiva que alimenta o subconsciente.

1. Proceder como da primeira vez, mas de modo inverso: tapa-se a direita com o dedo, aspira-se
lentamente durante oito pulsações sem nada visualizar.
2. Reter o ar durante quatro pulsações.
3. Exalar pela direita tapando a esquerda durante oito pulsações.
4. Reter os pulmões vazios durante quatro pulsações.

A Yoga Raja recomenda outro exercício algo perigoso para certas pessoas. Não o aconselhamos a todos e
consiste em:

1. Aspirar pela esquerda durante oito pulsações.


2. Reter o fôlego durante trinta e dois.
3. Exalar pela direita durante dezesseis.

Cremos que para praticar esse exercício é mister haver um guia que contra-regre a saúde corporal e mental
do praticante, ao passo que a prática do anterior é não só inofensiva como encerra tudo o de que precisa o
aspirante.

Segundo Exercício

O segundo exercício deve ser praticado depois do antecedente e consiste no seguinte:

1. Em pé, para o Oriente, aspirar por ambas as narinas, durante oito pulsações. Enquanto durar a
pulsação deve visualizar-se o que se deseja, como vindo a nós e sendo nosso. Desse modo
absorvem-se os átomos desejados para realizar o objetivo.
2. Reter quatro pulsações visualizando que as vibrações atômicas do que se desejou invadam nosso
organismo.
3. Exalar durante oito pulsações e, durante esse tempo visualizar nitidamente, como quem dirige, por
meio do pensamento, todas as vibrações para a cristalização da idéia, como se as vibrações que
saem por meio do fôlego fosse diretamente ao objetivo: a um centro que se quer despertar no
organismo, a um órgão que se quer curar ou a um enfermo, vizinho ou distante, que se deseja
restabelecer, ou a qualquer outro fim pretendido.
4. Reter durante quatro pulsações e repetir mentalmente uma frase que harmonize com o ritmo das
quatro pulsações do coração; por exemplo: Já - está - feito ou as - sim - se - ja ou a - men - a -
men, etc...
5. Após esse exercício medite-se um momento para dar graças e dizer, por exemplo, com Jesus: "Eu e
o Pai somo Um e Ele me dá sempre o que peço", etc.

Os dois exercícios devem-se fazer juntos.

Pode o leitor ler mil livros que tratam da ciência respiratória e pode praticar uma infinidade de exercícios
desses livros. É livre; mas damos-lhe aqui o mais relevante, o mais necessário e, ao mesmo tempo, isento
de todo perigo.

Muitos perguntam: "Quantas vezes temos de praticar esses exercícios? Quando? Onde? etc.

Não podemos fixar nenhuma regra. Depende isso da urgência, da necessidade. Jesus disse: "E obtereis, se
não por vossos merecimentos, por vossa exigência".

Todavia, podemos insinuar o seguinte:

1. Cada exercício pode ser praticado sete vezes seguidas em cada sessão.
2. Três sessões diárias antes de cada refeição, isto é, antes do desjejum (café da manhã), antes do
almoço e antes do jantar. Sendo possível seria recomendável antes de dormir.
3. O lugar deve ser silencioso, limpo e puro.
4. O estado deve ser de perfeita saúde, sem nenhuma preocupação mental. Isto é muito importante
porque, se, em nossa mente, houver vexame ou preocupação durante os exercícios, absorvemos
átomos que aumentam o estado mental depois do exercício.

Pensar alto e aspirar profundamente é atrair para o corpo as mais evolucionadas inteligências.

O átomo é uma inteligência viva que rodeia o pensamento esperando a aspiração e a respiração para nele
penetrar.

O homem que aspira e concentra, abre um caminho direto a seu objetivo.

Aspirar, concentrar e respirar átomos de luz conduz-no à iluminação.

Pensar e aspirar beleza é adquirir a Beleza.

O objetivo de pensar e aspirar, em nossa atual idade é libertar nossos sentidos da escravidão de nossos
átomos inferiores para lograr o futuro desenvolvimento.

Cada centro, no corpo do homem, é um grau de conhecimento especial e todos forma uma universidade;
devemos cursá-los todos.

Cada grau é dirigido por um Deus mestre. Todos seus ensinos são internos. O homem só consegue entrar
nesses cursos pela aspiração e apredê-los pela concentração.

Toda seção no corpo tem uma vibração e uma lei individual; porém a Lei das leis emana do absoluto Íntimo.

Aspirar e respirar meditando é o único caminho conduzente à única Lei do Reino Interno.

O objetivo de nossa união com o Íntimo é dar-lhe liberdade de ação mais além de nosso corpo objetivo e ser
consciente de suas obras.

A concentração é a ponte estendida do nosso corpo ao Íntimo Infinito e cuja serventia é com Ele comunicar-
nos.

Respirar é viver; meditar é criar.


O corpo físico é como um país governado por várias hierarquias de governo. Seu rei é o Pensador, seus
governantes são os pensamentos e seus obreiros obedientes são os átomos.

O Pensador é o Rei que vitaliza e estimula todas as dependências governativas e obreiras.

Um pensamento são, uma aspiração pura e uma respiração completa e perfeita vitalizam todo o corpo.

Todas as células do homem pensam e toda célula pensante alimenta-se dos átomos que penetram pela
respiração.

O alimento melhor das células é o pensamento puro.

Pensamento puro e respiração solar absorvida pela venta direita do nariz queimam todos os resíduos
impuros que possui o homem desde séculos.

A contínua aspiração, respiração e meditação puras comunicam o homem com as mais elevadas vibrações
do Absoluto Íntimo e então ele adquire um poder mental ingente para dirigir a humanidade.

Chacras e 4ª Dimensão

(Conferência do Venerável Mestre Samael sobre o desenvolvimento dos chacras e explicação do mundo
tetradimensional)

Senhoras e Senhores, me dirijo a vocês esta noite com o propósito de falar sobre
poderes psíquicos, sobre psicologia experimental levada à prática.

Começaremos fazendo uma breve análise a respeito do que seja o mundo físico
no qual vivemos. Einstein disse:"Energia é igual à massa multiplicada pela
velocidade da luz ao quadrado". "A massa se transforma em energia, a energia se
transforma em massa." Sem dúvida, o mundo tridimensional de Euclides se
encontra limitado por essa fórmula básica de Einstein.

Contudo, mais além dessa fórmula de Einstein existe algo, quero referir-me
enfaticamente à quarta coordenada, à quarta vertical. Vejamos por exemplo esta
mesa, que tem largura, comprimento e altura; estas são as três dimensões. Mas,
há quanto tempo foi construída esta mesa? Eis aqui a quarta vertical, o tempo.

Além desta quarta vertical existe a quinta coordenada que é, em si mesma e por si mesma, a eternidade.
Muitíssimo além da quinta vertical temos a sexta dimensão, que em si mesma transcende o tempo e a
eternidade. E por último existe a dimensão zero desconhecida, a sétima dimensão. Vivemos então em um
mundo multidimensional.

Infelizmente, as pessoas só percebem o mundo de três dimensões, sendo necessário desenvolver outras
faculdades que nos permitam conhecer a quarta vertical. Felizmente, na anatomia oculta do ser humano se
encontram em estado latente os sentidos que convenientemente desenvolvidos, de forma científica, podem
dar-nos acesso não apenas à quarta vertical, mas também à quinta, sexta e sétima dimensões.
Obviamente, na espinha dorsal dos seres humanos existem poderes divinos em estado latente. No cóccix
existe um centro magnético especial, um "chacra", falando em estilo oriental. Dentro desse centro subjaz um
poder elétrico formidável, quero referir-me enfaticamente a Devi Kundalini Shakti, a serpente ígnea de
nossos mágicos poderes. Os hindus dizem que essa serpente está encerrada no Chacra coxígeo, afirmam
que se encontra aí, enroscada com três voltas e meia.

Nós temos poderes latentes, e um deles é precisamente o da Kundalini. Algumas escolas temem o
despertar do Kundalini; é um poder explosivo, maravilhoso. Quem consiga despertar a serpente ígnea de
nossos mágicos poderes, poderá sair de uma caixa hermeticamente fechada; quem consiga despertar esse
poder ígneo, flamígero, pode caminhar sobre as águas sem afundar, voar pelos ares como fizeram muitos
ascetas místicos, tanto no oriente como no ocidente do mundo. Temos que despertar esse poder ígneo,
flamígero que, como já disse, subjaz dentro de certo centro magnético do cóccix.

No Apocalipse de São João, esse centro magnético coxígeo é denominado Igreja de Éfeso. Despertar,
colocar em atividade esse centro flamígero é algo grandioso. Quem o desperte, adquirirá poder sobre o
elemento terra; poderá fazer cair uma rocha com sua vontade, poderá dominar os terremotos com sua
vontade, etc. segundo poder flamígero latente na espinha dorsal do homem encontra-se situado à altura da
próstata; no Apocalipse de São João esse centro é denominado Igreja de Esmirna. Bem sabem os ascetas
místicos que com despertar dessa maravilhosa faculdade se adquire poder sobre as águas, então
poderemos dominar as tempestades do oceano, ou desatá-las à vontade. terceiro poder existente na
espinha dorsal do homem está situado exatamente sobre o plexo solar, na altura do umbigo.

No Apocalipse de São João este centro é denominado esotericamente Igreja de Pérgamo. Os iogues hindus
que despertaram esse maravilhoso poder podem ordenar aos vulcões em erupção que cessem sua
atividade e eles obedecerão.. O asceta que conseguiu dominar esse centro pode manejar as potências da
vida universal; pode enterrar-se vivo durante meses inteiros e quando for tirado se descobrirá que não
recebeu dano algum. No plexo solar, na região umbilical, está também o centro telepático. Esse centro
telepático pertence certamente às funções da Igreja de Pérgamo. O quarto poder existente na espinha
dorsal se acha situado exatamente à altura do coração; no Apocalipse de São João esse centro é
denominado Igreja de Tiátira. Quem consiga despertar esse maravilhoso poder flamígero do coração
realizará prodígios.

É indispensável despertar esse centro, porque com ele adquirimos faculdades como o desdobramento
astral, os estados de Jinas, etc. Nas obras de Mário Roso de Luna se fala muito sobre os estados de Jinas e
é necessário rever, ainda que sucintamente, esse assunto "Jina". Em nome da verdade, quero que vocês
saibam que não é só aqui neste mundo das três dimensões que existe uma humanidade. Na quarta vertical
certamente existe determinada raça humana, gente que ainda vive no Éden, gente que não saiu do paraíso,
pessoas de carne e osso como nós, mas que não se degeneraram como nós, pessoas físicas com poderes
extraordinários. Por certo não falam inglês, nem francês, nem espanhol, nem alemão; mas falam na língua
primitiva que como um rio de ouro corre sob a selva espessa do Sol.

Nós podemos visitar o Éden, isto é, a quarta vertical. Isto é possível desenvolvendo os poderes do Cárdias.
Muitos são os céticos que dizem: "Ninguém foi ao outro mundo para depois voltar e nos contar o que é que
existe lá do outro lado." Mas, em nome da verdade, eu digo a vocês que se desenvolvemos os poderes do
Cárdias, certamente é possível ir até o outro mundo em carne e osso. É indispensável penetrar na quarta
vertical, mas a ciência atual se encontra estagnada em matéria de Física. A Física contemporânea é
regressiva, retardatária, reacionária, não serve. Quando os cientistas abandonarem o dogma tridimensional
de Euclides, poderá surgir uma Física revolucionária, com naves capazes de viajar por dentro da quarta
vertical.

É indispensável sair do dogma tridimensional de Euclides. É inadiável, improrrogável, estudar mais


profundamente o átomo; no átomo encontraremos a linha da quarta vertical. Quando se possa traçar a
quarta vertical, então será elaborada uma geometria revolucionária, tetradimensional; com uma tal
geometria será possível construir uma física de quatro dimensões. Uma Física assim servirá de
embasamento para fabricar naves capazes de atravessar instantaneamente a barreira da velocidade da luz
e entrar na quarta dimensão. Se uma nave consegue atravessar instantaneamente a barreira da velocidade
da luz, pode viajar por dentro da quarta vertical através do infinito. Então a conquista do espaço será um
fato definitivo.

Esses foguetes atuais lançados por "gregos e troianos" impulsionados por combustível líquido, esse
foguetório barato que tanto impressiona os incautos; parece mais coisa de circo, com cinqüenta mil
acrobacias para descer na Lua.

A conquista do espaço é possível com uma Física tetradimensional. Quando tal Física exista, e quando
também nos tenhamos apropriado da energia solar e saibamos utilizá-la, a possibilidade de viajar através do
infinito será um fato concreto, claro e definitivo. Naves viajando pela quarta vertical, impulsionadas por
energia solar; eis aí as naves do Super-Homem, naves que verdadeiramente podem viajar através do
espaço estrelado, de galáxia em galáxia! Infelizmente, a Física contemporânea continua estagnada; é
necessário romper de uma vez e para sempre com o dogma tridimensional de Euclides Nós temos
procedimentos íntimos, particulares, para meter o corpo físico dentro da quarta coordenada. Se estudamos
cuidadosamente os sábios orientais, veremos que eles sabem como meter o corpo físico dentro da quarta
dimensão. Dizia um sábio oriental: "Praticando um samyasin sobre o corpo físico, ele se torna como de
algodão e pode caminhar sobre as águas, voar pelos ares, atravessar uma montanha de lado a lado ou
caminhar sobre brasas de carvão sem nada sofrer".

Prática Jinas de Harpócrates e as práticas Jinas

Um samyasin tem três partes: a primeira a concentração, a segunda a meditação e a terceira o êxtase. Se
primeiro nos concentramos no corpo físico e depois meditamos nele, em suas células, em suas moléculas,
na construção de seus átomos, etc. e por último chegamos à adoração, ao êxtase, então o corpo físico
penetrará na quarta dimensão e poderá viajar através do mundo da quarta vertical.

Nesta região poderemos encontrar uma outra humanidade que vive ao lado da nossa; que dorme, que come
e que vive, mas que não sofre como todos nós estamos sofrendo. Existem diferentes procedimentos para
colocar o corpo físico na quarta vertical. Na sabedoria antiga se menciona a Harpócrates. Mas, isso que
estou dizendo não tem valor algum para os céticos, para esses que estão engarrafados pela dialética
materialista, para os reacionários, para os conservadores e retardatários. O que estou dizendo é
revolucionário demais para ser aceito pelos que estão presos ao dogma tridimensional de Euclides.
Harpócrates! Nome grego extraordinário, maravilhoso. Os místicos dos mistérios de Elêusis pronunciavam
esse nome da seguinte maneira: Har-po-crat-is... Eles faziam certas práticas muito engenhosas que bem
vale a pena comentar. Essas práticas pertencem aos mistérios gregos, aos mistérios que foram conhecidos
em Atenas, Elêusis, etc.

Deitado em decúbito dorsal (barriga para cima), ou de lado, preferivelmente, com a cabeça na palma da
mão esquerda, o asceta grego se imaginava ser um pintinho dentro da casca do ovo, se concentrava
intensamente em Harpócrates, chamando-o: Har-po-crat-is... E quando, já entre sonhos, começasse a sentir
cócegas pelo corpo, armado de grande vontade, não levava as mãos ao mesmo para não perder o estado
psicológico especial em que estava e depois se levantava suavemente da cama e pronunciava esta frase
ritual: "Harpócrates, ajude-me que vou com meu corpo". E com toda confiança saía do quarto, dando
posteriormente um saltinho com o propósito de penetrar violentamente dentro da quarta vertical. Segundo
velhas tradições, que se perdem na noite aterradora de todas as idades, era então que o asceta realmente
viajava com o corpo físico pela dimensão desconhecida, era então que o místico de Elêusis conversava com
os Deuses Santos, com os seres inefáveis. Estou comentando algo que pertence à Grécia antiga, mas é
claro que quem quiser fazer a mesma pratica agora neste século vinte, poderá evidenciá-lo por si mesmo.
Contudo, os gregos se exercitavam muito com este sistema, até conseguir realmente penetrar na quarta
vertical ...

No México antigo, temos os cavaleiros-tigres. Infelizmente, nos sentimos tão "modernos" que nos
esquecemos da tradição milenar, apesar de amarmos nossa pátria mexicana. Chegou a hora de entender
um pouco mais o que foram as ordens dos Cavaleiros-Tigres e dos Cavaleiros-Águias. Segundo velhos
códices de Anahuac, deitados sobre peles daquele felino, invocavam os anjos protetores dos mesmos,
imaginavam por um instante serem tigres de verdade...

A psicologia experimental e a alta magia nos dizem que a imaginação é feminina e a vontade é masculina; a
chave do poder está em unir a imaginação e a vontade em vibrante harmonia. Os Cavaleiros-Tigres se
sentiam completamente identificados com aquele felino (sabemos que no México antigo o tigre era sagrado)
e, cheios de fé, se punham a caminhar em quatro pés, dizendo: "nós nos pertencemos." Assim contam os
códices antigos, isto não é invenção minha; lendo os códices, vocês poderão evidenciar que transformados
em tigres, viajando pela quarta vertical, chegavam ao Templo de Chapultepec. Existem pinturas murais nas
quais o que estou dizendo está devidamente demonstrado. E em seguida, afirmam os códices de Anahuac,
aqueles cavaleiros assumiam novamente sua figura humana e penetravam no templo.

Realmente, aqui no México, em Chapultepec, temos um templo de Jinas, um templo situado na quarta
dimensão. Eu conheço esse templo, sou membro ativo desse templo, não estou afirmando algo que não
tenha experimentado. É um templo formidável, maravilhoso; suas colunas, seus muros, são de ouro puro da
melhor qualidade. Ali se cultiva em segredo a doutrina secreta dos Nahuatls. Não sou o único membro ativo
desse templo, há outros senhores que, como eu, pertencem ao mesmo; e também algumas senhoras da
sociedade mexicana pertencem a esse templo. Assim, o Templo de Chapultepec realmente existe. Que
alguns riam ou que isso se torne motivo de piadas para os céticos que não acreditam, não tem a menor
importância para a ciência ou para nós. Está escrito que: "quem ri do que não conhece está a caminho de
ser idiota." Viajar com o corpo físico dentro da quarta vertical é possível, mas temos que abandonar o
asqueroso ceticismo que desde o século XVIII está corroendo a mente dessa humanidade degenerada e
perversa.

Em outros tempos, dizem as tradições, podia-se ver desde a costa da Espanha a ilha chamada
"Nontrabada", uma ilha extraordinária, formidável. Em certa ocasião, um capitão se extraviou com seu navio
no tempestuoso oceano e foi parar nessa ilha; ali viu e ouviu coisas formidáveis, extraordinárias. Certo
sacerdote católico havia ouvido falar muito sobre a "Nontrabada". Dizem os historiadores que uma vez,
quando estava oficiando a santa missa, ele e seus fiéis viram a "Nontrabada". O bom cura a exorcizou e ela
desapareceu por trás de uma nuvem. Hoje em dia ninguém fala da "Nontrabada". Haverá deixado de
existir? Que aconteceu com ela? Ninguém sabe, mas é óbvio que se submergiu definitivamente na quarta
vertical, e isso aconteceu desde que se iniciou a era horripilante do ceticismo materialista. ceticismo tem
como causa fundamental a mentira, a farsa.

Quando a mente é mentirosa, quando está sempre dizendo embustes, quando é farsante, está falseada em
si mesma, e já não pode acreditar em nada. Os estados de Jinas são extraordinários. Existem lagos de
Jinas, lagos na quarta vertical. Me contaram um caso extraordinário, maravilhoso, sobre um povoado em
Honduras (não o conheço, mas me falaram) onde, em determinada data exata, chovem peixes do céu e as
pessoas correm para recolhê-los em pratos, cestos, balaios, etc. O lugar está longe do mar, porque caem
ali? De onde saem? É óbvio que saem da quarta vertical. Assim, a quarta vertical é uma tremenda
realidade. Infelizmente, muitos são os que negam essa realidade, muitos tontos intelectuais debocham
dessas coisas; mas a crisálida também acha que a folha em que está vivendo é tudo, a crisálida não
suspeita que essa folha é uma das tantas folhas da árvore da vida. Assim é o homem intelectual; acredita
que esse mundo tridimensional de Euclides é tudo, não se dá conta de que esse mundo de três dimensões
é um dos tantos mundos da árvore da vida.

Eu também experimentei com a ciência Jinas. Seguindo os procedimentos indicados, trabalhei com
Harpócrates. Não é um exagero dizer, em forma enfática, ainda que as pessoas debochem de mim, que
lutei muito para aprender a colocar o corpo físico dentro da quarta dimensão, mas consegui.
Experimentando de noite, muitas vezes tive que abandonar o leito 15 ou 16 vezes contadas, sem resultado
algum. Mas depois de certo tempo e com paciência tenaz, qualquer noite dessas tantas, meu corpo físico
penetrou realmente na quarta dimensão, então flutuou deliciosamente e abandonei aquela casa.

É verdade que saí à rua e me encontrei com muitas pessoas que, como eu, sabiam utilizar o estado de
Jinas. Pessoas de carne e osso, vivas e muito vivas, vivendo na quarta dimensão. Não nego que viajei
através do tempestuoso oceano e não senti temor algum, ainda que bem sabia que se por um instante
houvesse saído desse mundo de quatro dimensões, da quarta vertical, cairia nas ondas do furioso mar e
pereceria. Mas não tive temor e viajei pelas terras da Europa com o corpo dentro da quarta vertical; cheguei
onde tinha que chegar, em certo lugar no qual tinha interesse e depois regressei ao ponto de partida original
sem nada sofrer. Tenho o valor de fazer essa declaração, não me importo com deboches porque não tenho
temor. O que poderia me acontecer? Se estivéssemos na época da Inquisição, quando muito me
queimariam vivo, como bruxo. Felizmente nesta época não existe Inquisição, o máximo que poderia receber
seriam os sarcasmos, as ironias e nada mais, e essas nem sequer me fazem cócegas nos pés.

Assim, a realidade Jina existe. Se vocês querem comprová-la, façam a experiência com vocês mesmos,
porque eu não sou "porquinho da Índia", não sou "coelho de laboratório". Vocês quereriam que eu o fizesse
aqui diante de vocês e eu lhes respondo que não sou "coelho de laboratório", experimentem em sua própria
pele. Além disso, de nada serviria que eu colocasse o corpo dentro da quarta vertical aqui diante de vocês,
pois também não acreditariam, porque ninguém consegue convencer o cético. Vocês diriam que eu os
hipnotizei e isso é tudo. Acreditariam? Nada! Assim, isso é para que vocês experimentem na própria pele.

Obviamente, os santos dos tempos antigos levitavam. Quem poderia negar que São Francisco de Assis,
aquele místico cristão, levitava ? Muitas vezes seu discípulo mais amado ia levar-lhe comida e o santo
estava a tal altura do solo que o discípulo não podia dar-lhe a comida. E conta a história que São Francisco
se afastava então por um bosque e, flutuando, desaparecia na dimensão
desconhecida.

Está escrito que Felipe flutuava na atmosfera. Felipe, o discípulo do Cristo,


também caminhava sobre as águas e aparecia e desaparecia à vontade. O
evangelho de Felipe é esse. Felipe sabe ajudar aos que o invocam. Quando
Gautama, o Buda Sakiamuni, abandonou o corpo físico para submergir-se no
Nirvana, dizem as tradições que seus discípulos foram submetidos a provas
pelas multidões. Cada um deles devia, de acordo com certo conselho
examinador, atravessar uma rocha de lado a lado. Todos assim o fizeram menos
um, Ananda, seu discípulo mais amado. O pobre não podia; quando tentava
atravessar a rocha, feria miseravelmente a testa e sangrava ... Mas finalmente,
cheio de uma fé espantosa, praticou um samyasin sobre seu corpo físico; se
concentrou nele, meditou nele, entrou em êxtase, se desesperou e por último
atravessou a rocha de lado a lado. Tudo isso tem documentação. Não dizem
que Pedro foi tirado da prisão por um Anjo? É óbvio que o Anjo ajudou Pedro a
entrar na quarta vertical e assim ele pôde abandonar a prisão na véspera de sua execução, pois estava
condenado à pena de morte. Desenvolvendo os poderes do Cárdias, os poderes do coração, tudo isso é
possível.

Continuação da explicação sobre os chacras, Música das Esferas e prática para despertar a
Clarividência

Continuando com esta análise dos centros magnéticos da espinha dorsal, chegamos à altura das glândulas
tiróides que, como bem sabemos, segrega o iodo biológico, tão necessário para o organismo humano.
Existe um centro magnético nas glândulas tiróides; quero referir-me, de forma enfática, à Igreja de Sardis,
tal como é mencionada no Apocalipse de São João. Desenvolvendo esse centro magnético adquirimos a
Clariaudiência, o poder de ouvir à distância, o poder de ouvir a música das esferas, o poder de ouvir as
criaturas que vivem nas dimensões superiores da natureza e do cosmos.

Esse poder extraordinário pode ser desenvolvido se nos propomos a isso. Se, nas horas da madrugada, nos
concentramos na música das esferas com o propósito de escutá-la, chegará o dia em que poderemos
escutar realmente essas melodias insonoras que ressoam no coral maravilhoso do infinito. Obviamente,
todos os sons que se produzem no planeta Terra dão uma nota síntese; todos os sons que se produzem no
planeta Vênus dão também sua nota síntese; todos os sons que se produzem em Marte dão sua nota
síntese. O conjunto de sons de todos os mundos que povoam o espaço estrelado formam a Música das
Esferas, citada por Plotino, o grande filósofo grego. Melodias inefáveis vibram no espaço estrelado,
melodias impossíveis de descrever com palavras, deliciosas sinfonias dentro dos ritmos do Mahavan e do
Chotavan, que sustentam o Universo firme em sua marcha.

Com justa razão diz o Apocalipse de São João que "no princípio era o Verbo, e o Verbo era Deus, e o Verbo
estava com Deus; por ele todas as coisas foram feitas e sem Ele nada do que foi feito teria sido feito". A
Música das Esferas é uma tremenda realidade; tudo que é, tudo que foi e tudo que será vibra
deliciosamente no infinito estrelado. A flor do belo jardim perfumado reflete a luz da Lua e entre a flor e a
Lua há um colóquio de melodias deliciosas que nenhum ser humano poderia compreender. A sinfonia que
escapa da fonte cantarina faz vibrar completamente os átomos que pululam ao seu redor, logo repercute
pelas entranhas dos bosques e se precipita como uma catarata de sinfonias no céu estrelado.

Assim, a música é a base de toda a criação. Quando alguém desperta o centro da tiróide, pode escutar as
sinfonias deliciosas do grande coral cósmico; quando alguém desperta esse centro maravilhoso, adquire
também o sintetismo conceitual; quando alguém desperta esse centro mágico formidável, se faz mais
inteligente, mais compreensivo, mais sábio.

Continuando um pouco mais para cima, chegamos ao centro frontal. Na altura do entrecenho, na espinha
dorsal, existe outro centro magnético formidável; quero referir-me claramente à Igreja de Filadélfia. Quem
desperte esse centro formidável, se faz Clarividente; poderá ver, por si mesmo e em forma direta, a quarta,
a quinta, a sexta e a sétima dimensão, e então terá conceitos diferentes. Atualmente, a humanidade com
seus olhos físicos apenas consegue perceber as coisas do mundo físico, e não tudo; mas quem desperte os
poderes da Igreja de Filadélfia poderá ver o que existe realmente dentro do corpo físico e então
compreenderá que nem tudo ali é carne, osso e "manteiga". Verá que existe algo mais, verá um corpo vital
penetrando o corpo físico e lhe servindo de enbasamento para todos os processos biomecânicos,
fisiológicos, calóricos, perceptivos, etc. Se extraíssemos definitivamente o corpo vital de uma pessoa, é
claro que esta morreria.

Em certa ocasião, um médium espírita que estava em transe projetou fora de si mesmo o corpo vital, que se
fez visível ante os assistentes, parecia um fantasma. Um jornalista presente sacou sua pistola e atirou
contra o tal "fantasma'. Curiosamente, a bala apareceu exatamente no coração da vítima que, é claro,
morreu. Mas, como se produziu esse fenômeno? Por que, estando o corpo físico aqui, projeta seu vital a
certa distância? E por que ao se dar um tiro nesse corpo vital que está do lado oposto a bala aparece no
coração do corpo físico? É óbvio que se trata de um fenômeno da quarta vertical, um fenômeno Jinas,
fenômenos que não são conhecidos aqui neste mundo de três dimensões. Se pegamos um copo na quarta
vertical, um copo que esteja no mundo de três dimensões, se o pegamos para passá-lo à quarta vertical e
logo o transportamos a outro lugar, é claro que esse copo regressará aqui a seu ponto de partida original.
Se alguém, viajando com o corpo físico pela quarta dimensão, abre uma porta, esta volta a fechar-se por si
mesma. Contudo, há exceções; uma vez abri uma porta que ficou aberta, quando regressei daquela viagem
descobri que estava aberta e, como era a da rua, não tive outra escolha que fechá-la.

Assim, os fenômenos Jinas são extraordinários, maravilhosos. Com a Clarividência, com os poderes da
Igreja de Filadélfia, podemos ver o corpo vital, ver as terras de Jinas, ver todos esses tipos de fenômenos;
ver o que se enconde dentro do organismo humano, ver o corpo vital, que serve de fundamento ao corpo
físico (esse corpo vital é a parte tetradimensional do corpo de carne e osso). Esse corpo que é estudado
nos laboratórios científicos não poderia existir se lhe extraíssemos o corpo vital. Atualmente já existem
aparelhos com lentes poderosas para ver esse corpo vital; essas lentes se aperfeiçoarão e chegará o dia
em que poderemos ver totalmente a quarta dimensão. No momento atual, fechar-se a essas verdades é ser
reacionário e conservador e a própria ciência oficial destroçará os conceitos intelectuais dos conservadores
regressivos e retardatários.

Além do centro da Clarividência, tão indispensável para conhecer por nós mesmos e de forma direta o que
acontece quando alguém morre, ou quando alguém nasce, o que são os mistérios da vida e da morte, etc.,
existe ainda outro centro extraordinário; refiro-me agora ao centro da glândula pineal, ao centro que no
Apocalipse é chamado de Igreja de Laodicéia.

Quem consiga despertar esse centro tão maravilhoso, se tornará intuitivo em alto grau. Mas há que saber
distinguir entre os processos racionais e os processos intuitivos. A razão se fundamenta no processo da
opção; o intuitivo não necessita raciocinar, sabe tudo "porque sim", porque sabe, sem o processo
deprimente da opção. A Clarividência e a Intuição são faculdades superiores que estão bem além das
"velhacarias" do intelecto e que podem transformar-nos radicalmente.

Existem exercícios para o desenvolvimento da Clarividência. Tenho aqui em minha presença um copo com
água. Se colocamos este copo a certa distância dos olhos, podemos fazer um exercício formidável. Deve-se
concentrar o olhar exatamente no centro do círculo aquático, avista deve atravessar o cristal, a
concentração deve ser profunda. Esse exercício, praticado por dez minutos diários, nos dará a
Clarividência. Com 15 ou 20 dias de prática, veremos a água com cores; se um carro passa pela rua,
veremos uma faixa de luz na água (esta é a rua) e veremos o carro se deslizando sobre essa faixa. Quem
tenha paciência para praticar esse exercício do copo com água durante três anos, se tornará Clarividente.
Mas é necessário ter continuidade de propósitos, só assim poderá desenvolver-se o centro da Clarividência.

Com o microscópio, nós podemos ver os micróbios e os átomos. Mas a Clarividência vai além do
microscópio, com ela podemos ver a quarta vertical, a quinta, a sexta e a sétima. Com ela podemos
conhecer diretamente isso que as pessoas chamam de "o além"; com ela podemos ver os seres inefáveis,
chamem-se Anjos ou Devas ou seja como queiramos chamá-los. Tais seres existem e podemos vê-los com
a Clarividência.

Estou falando de poderes psíquicos, de psicologia experimental revolucionária e transcendente. Esta noite
vim para isso, para conversar com vocês, porque quero que vocês se elevem ao estado do Super-Homem.
Chegou a hora de lutar de verdade por uma transformação radical. Dentro de nós, em estado latente,
existem poderes formidáveis, mas é necessário despertá-los e sair desse estado de debilidade em que nos
encontramos. Assim como estamos, somos vítimas das circunstâncias, não sabemos dirigir circunstâncias,
somos vítimas e nada mais que isso, vítimas. Necessitamos transformar-nos totalmente, apelar a nossos
poderes psíquicos, pois os temos e seria uma lástima se continuássemos assim como estamos. Isto seria
tão absurdo como alguém, que sabendo que existe um tesouro enterrado, estando seguro da existência do
mesmo, não o tirasse jamais.
Dentro de todos nós existem tesouros inesgotáveis ...