Você está na página 1de 20

INIBIÇÃO LETAL DO

CICLO DE KREBS

 Aline Garcia dos Santos
André Guimaro Abegão Piva Cossi
Bárbara Gomes Barbeiro
Beatriz Lara Siqueira Santos
MISTÉRIO NO ZOOLÓGICO
SÃO PAULO, 2004
Mistério no Zoológico
  Mortes Sucessivas;
  Animais apresentavam quadro comum de
congestão pulmonar ou cerebral;
  C a u s a : E n v e n e n a m e n t o por
Monoflúoracetato de sódio;
  O controle de roedores ocorria por meio
de substâncias lícitas e seguras para os
animais.
MONOFLUORACETATO DE SÓDIO –
COMPOSTO 1080
 Raticida desenvolvido nos EUA por volta dos anos 40.

Alto potencial tóxico agudo:


 Algumas plantas podem produzir substâncias
quimicamente análogas;
 Quadro toxicológico quase sempre fatal;
 Intoxicação graves em seres humanos e em animais
domésticos;
 Poder raticida questionado;
 Uso proibido no Brasil.
MONOFLUORACETATO

 Características:

 Hidrossolúvel e lipossolúvel;

 Interfere no Mecanismo
Energético;

 Colapso do Metabolismo;
MONOFLÚORACETATO DE
SÓDIO
 Quadro toxicológico fatal.
SINAIS DE INTOXICAÇÃO
Apatia Fraqueza Muscular

Depressão
Descoordenacão
Motora

Monoflúoracetato de sódio

Crises Pulso Alternado


Convulsivas

Lesão da Musculatura Insuficiência


Esquelética e Cardíaca Respiratória
DESCARBOXILAÇÃO
OXIDATIVA DO PIRUVATO
CICLO DE KREBS
(METABOLISMO NORMAL)
CARBONOS DA ACETIL-COA



RECUPERAÇÃO DO OXALOACETATO
CICLO DE KREBS
(MONOFLUORACETATO DE SÓDIO)

Monoflúoracetato + CoA
SALDO ENERGÉTICO
(METABOLISMO ANORMAL)


 A
partir
de
uma
molécula
de
glicose,
temos
:


 Glicólise

2
ATP
+
2
NADH
=
6
/
8
ATP


 Descarboxilação
oxidativa

2
NADH
=
6
ATP


 Ciclo
de
Krebs

0
ATP



CONSEQUÊNCIAS
Aumento da concentração do citrato

Inibição da enzima fosfofrutoquinase-1

Inibição da fosforilação ao nível do substrato (glicólise)

Aumento da concentração de glicose-6-fosfato

Inibição da enzima hexoquinase

Inibição da glicólise
CONSEQUÊNCIAS

Redução da concentração de alfa-cetoglutarato

Redução da produção de NADH

Redução de elétrons na cadeia respiratória

Oxigênio não reage originando água

Não há produção de energia


SINAIS CLÍNICOS
 Variam de acordo com:
  Espécie animal;
 Intensidade dose-dependente;
 Variações individuais.
 Podem aparecer de trinta minutos até duas
horas após a ingestão;
 Primeiros efeitos: sistema nervoso e coração
(altos índices metabólicos).
SINAIS CLÍNICOS

 Sinais mais evidentes:
 Excitação;
 Irritabilidade;
 Náuseas;
 Vômito;
 Diarréia;
 Convulsões.
 Desequilíbrio na termorregulação.
 Prognóstico desfavorável;
  Morte: Depressão do centro respiratório.
DIAGNÓSTICO
 Sintomatologia do paciente.
Diagnóstico Diferencial:
 Diferenças: modo de ação e a evolução clínica da
intoxicação destes compostos;
 Semelhanças: sinais clínicos, principalmente no
estágio convulsivo.
 Hiperglicemia, aumento dos níveis séricos de citrato,
hipocalcemia, acidose e o aumento significativo dos
níveis de citrato nos rins
DIAGNÓSTICO
 Análise clínica: iscas, vômito ou conteúdo
estomacal.
 Necrópsia:
 Repleção de estômago, cólon e bexiga urinária;
 Cianose;
 Rápido rigor mortis;
 Congestão de fígado e rins.
CONDUTA TERAPÊUTICA

 Impedir a ação do fluorcitrato no bloqueio do ciclo de
Krebs ou bloquear a rápida metabolização do
fluoracetato em fluorcitrato.
 Tratamento sintomático:
 Assistência respiratória;
 Lavagem gástrica com carvão ativado;
 Diazepínicos e barbitúricos.
 Administração de monoacetato de glicerol: regenerar a
enzima.
 Gatos tratados com o monoacetato de glicerol
apresentavam um agravamento no quadro de acidose
metabólica.
BIBLIOGRAFIA

•  LEHNINGER, A.L., NELSON, D.L., COX, M.M. Princípios de
Bioquímica. 2a edição, São Paulo: Sarvier;
•  STRYER, L. Biochemistry. 3a edição, New York: Freeman,
1988
•  Devlin, Thomas M. Manual de Bioquímica com
correlações clínicas. 6a edição, Editora Blücher
•  http://www.ufrrj.br/posgrad/cpmv/teses/michelhelayel.pdf

•  http://blogdoveterinario.blogspot.com/

•  http://www.anclivepa‐sp.org.br/rev‐33‐01.htm

•  http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/zoonoses_intoxicacoes/
Intoxicacoes_por_Raticidas.pdf