Você está na página 1de 1

Iluminismo

Corrente de pensamento dominante no século XVIII, que defende o predomínio da razão sobre a
fé e estabelece o progresso como destino da humanidade. Seus principais idealizadores são John Locke
(1632-1704), Montesquieu (1689-1755), Voltaire e Rousseau. Representa a visão de mundo da burguesia
intelectual da época e tem suas primeiras manifestações na Inglaterra e na Holanda. Alcança especial
repercussão na França, onde se opõe às injustiças sociais, à intolerância religiosa e aos privilégios do
absolutismo em decadência. Influencia a Revolução Francesa, fornecendo-lhe, inclusive, o lema
Liberdade, Igualdade e Fraternidade.
O iluminismo tem origem no Renascimento, o primeiro grande momento de construção de uma
cultura burguesa, na qual a razão e a ciência são as bases para o entendimento do mundo. Para o
iluminismo, Deus está na natureza e no homem, que pode descobri-lo por meio da razão, dispensando a
Igreja. Afirma que as leis naturais regulam as relações sociais e considera os homens naturalmente bons
e iguais entre si - quem os corrompe é a sociedade. Cabe, portanto, transformá-la e garantir a todos
liberdade de expressão e culto, igualdade perante a lei e defesa contra o arbítrio. Quanto à forma de
governo para a realização da sociedade justa, uns defendem a Monarquia constitucional, outros a
República.
Em Ensaio sobre o Entendimento Humano (1689), o inglês John Locke trata a experiência como
fonte do conhecimento, que é organizado depois pela razão. Locke defende também o individualismo
liberal contra o absolutismo monárquico. O escritor francês Montesquieu propõe na obra Do Espírito
das Leis (1751) a independência dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário como garantia da
liberdade. Voltaire critica a Igreja e defende a Monarquia comandada por um soberano esclarecido. O
suíço Jean-Jacques Rousseau torna-se o iluminista mais radical, precursor do socialismo e do
romantismo. No livro O Contrato Social (1762) posiciona-se a favor do Estado democrático, voltado
para o bem comum e a vontade geral, que inspira os ideais da Revolução Francesa. É dele a noção do
"bom selvagem", que representa o homem nascido bom e sem vícios, mas depois pervertido pelo meio
social. Outra obra tipicamente iluminista é Enciclopédia, elaborada pelos franceses Denis Diderot e
D'Alembert. Fundada no racionalismo, recusa todo saber ligado à religiosidade.
Na economia, o iluminismo é representado pela fisiocracia, que considera a terra única fonte de
riqueza de uma nação, e pelo liberalismo econômico, que defende a não-intervenção do Estado na
economia.
As idéias iluministas influenciam alguns governantes, que procuram agir segundo a razão e o
interesse do povo, sem contudo abrir mão do poder absoluto – o que dá origem ao despotismo
esclarecido no século XVIII.